Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Merla  Voltar

Merla

A merla é um subproduto da cocaína.

É retirada das folhas da coca onde se adiciona alguns solventes como: querosene, ácido sulfúrico, cal virgem etc.

Misturados esses solventes se transforma em um produto de consistência pastosa com uma concentração variável entre 40 a 70% de cocaína (com 1kg de cocaína pode-se produzir até 3kg da droga merla).

É uma droga altamente perigosa, causa dependência psíquica, física e provoca danos às vezes irreversíveis ao organismo.

Pode ser fumada pura ou misturada ao tabaco ou a maconha.

Efeitos

O seu efeito é excitante do sistema nervoso central. A sua atuação é semelhante ao da cocaína, causa euforia, perda de peso, diminuição da fadiga, do sono, do apetite, alucinações, delírios e confusão mental.

Devidos aos ácidos e solventes os usuários podem apresentar casos de fibrose (endurecimento pulmonar).

O usuário geralmente apresenta seus dedos amarelados, olhos lacrimenjantes, vermelhos, irritabilidade e tremores nas mãos.

Passando a euforia provocada pelo uso da droga surgem novos efeitos como:

Alucinação
Depressão
Paranóia de perseguição.

Essas sensações continuadas podem levar o usuário em alguns casos ao suicídio.

O efeito da merla dura cerca de 15 minutos por ser mais atuante no organismo do que o crack.

A primeira sensação é de bem-estar. O corpo exala na eliminação pela transpiração, um forte cheiro dos produtos químicos que são adicionados a droga na hora do seu preparo.

Os usuários de merla entram rapidamente para a delinqüência, 68% roubam para sustentar seu vício, 17% se envolvem com o tráfico para comprar sua própria droga, e 20,5% dos usuários tentaram o suicídio para fugir da crise de abstinência ou da depressão causada pelo uso constante da droga merla.

Origem

Originária da folha da coca acrescentada de alguns solventes.

Classificação

Ilícita, causa dependência e excitante.

Fonte: www.toloco.com.br

Merla

Origem

É preparada a partir de sobras do refino de cocaína, misturadas com querozene e gasolina.

Classificação

Ilícita e estimulante.

Como se apresenta

Uma espécie de pasta.

Possíveis efeitos

São semelhantes aos efeitos do crack e cocaína por derivar desta segunda porém são mais fortes, segundo usuários.

Outras considerações

É uma droga mais presente na região centro-oeste do Brasil, tendo surgido em Brasilía.

É também chamada de pasta-base ou zuca.

Alguns afirmam que no MS é mais usada do que a cocaína.

Fonte: www.geocities.com

Merla

É uma variação da pasta de coca, da qual se origina também a cocaína e o crack.

A merla é um produto grosseiro, obtido das pri-meiras fases de separação da cocaína das folhas da planta.

Tem uma consistência pastosa, cheiro forte e apresenta uma tonalidade que varia do amarelado até o mar-rom, dependendo do “fabricante”.

Embora menos potente, tem efeitos destrutivos parecidos e até maiores que os do crack.

Normalmente é consumida junto com a maconha, mas também pode ser fumada com tabaco ou pura. Seus efeitos duram cerca de quinze minutos e podem ser mais bem definidos por um dependendente. “A primeira sensação é de bem-estar.

Você parece que está nas nuvens e todos os problemas desaparecem. Depois uma inquietação toma conta do corpo da gente. Você se sente nervoso, agitado.

Parece que todos estão te olhando. Você sente medo, vontade de se esconder, e foge. Foge de si mesmo, até a onda passar ou começar tudo de novo”, diz ele, relatando as alucinações que vivencia. O problema é que, em função dos produtos químicos utilizados na sua fabricação, a merla não apenas alucina, mas corrói o organismo.

É uma das drogas mais consumidas no centro-oeste do Brasil, principalmente em Brasília. Surgiu como uma opção barata ao crack, já que custa metade do preço, mas acabou viciando usuários das classes média e alta.

Fonte: www.portaldeguarulhos.com.br

Merla

Outro derivado da cocaína, a pasta de coca é um produto grosseiro, obtido das primeiras fases de separação da cocaína das folhas da planta, quando estas são tratadas com alcali, solvente orgânico como querosene ou gasolina e ácido sulfúrico.

É uma droga característica do Distrito Federal, recebendo o nome de Merla.

A merla é vendida em latinhas comercializadas em farmácias para exame de fezes.

Para dar volume, os traficantes misturam os resíduos de remédios vencidos, pó de giz e ácido de bateria para ajudar na manipulação e acomodação nas latinhas e aumentar mais o seu lucro. Seu cheiro forte, indefinível e repugnante é chamado pelos viciados de "catingo".

A medida que o nível de tolerância do viciado vai aumentando, ele precisa consumir cada vez mais para satisfazer sua necessidade e, com isso, para consegui-la, gasta-se o que não tem. Segundo a polícia, a droga entra no Brasil por Rondônia e é transportada para o DF em caminhões de peixe e cebola (para esconder o cheiro) e até aviões pequenos. É uma substância altamente tóxica e chega rapidamente aos pulmões e também ao cérebro, prejudicando o sistema nervoso central.

Depois da euforia das primeiras horas vem efeitos como depressão, paranóia de perseguição.

Há registros de usuários que tiveram essas sensações continuadamente e chegaram ao suicídio.

O uso prolongado causa depressão, fibrose pulmonar, perda dos dentes, o usuário se torna agressivo e há dependência psíquica e talvez física.

Fonte: www.revistahonoriscausa.org

Merla

Nasceu em Brasília, no meio de tanta “gente boa”, gente que deveria lutar em prol de um crescimento social confortável.

Mas nem sempre é assim! A injustiça pode começar donde não se espera, pois a vida é sempre assim, juncada de surpresas, de contradições. E assim, vamos seguindo nosso caminho, acreditando que um dia esse estado de coisa pode mudar. Acredite, não custa nada! Sonhar faz parte da vida! Vamos construir um novo conhecimento falando da brasiliense Merla.

Seus parentes são de Brasília, vive nas noites daquelas vias arborizadas, naqueles lindos parques, e até mesmo nas trilhas de uma maravilhosa floresta que lá conheci, bem ao lado do Parque Nacional.

Ou será também que vai ao estádio Mane Garrincha, assistir aos jogos do Gama, do Brasiliense? Será que já esteve em Ceilândia? Bom, é bem capaz, eis que têm muitos parentes lá. Será que já visitou o estado de Minas Gerais, lá pelas bandas de Unaí-MG, Paracatu-MG, João Pinheiro-MG? Eu penso que sim, até acredito que naquela pobre região, vítima do descaso de alguns, também a Merla já se encontra morando em vários lugares.

Mas vamos conhecer melhor essa danada. Não tem vida própria, seus pais são conhecidos por cocaína, portanto, é um subproduto e herança da família da cocaína. Normalmente, obedece a uma seqüência de Cocaína, Crack e Merla, conforme se pode observar na seqüência de fotos.

Obtida das folhas de coca, às quais se adicionam alguns solventes como ácido sulfúrico, querosene e cal virgem, a merla transforma-se num produto de consistência pastosa, com uma concentração variável entre 40% a 70% de cocaína: 1 kg de cocaína chega a produzir 3 kg de merla.

Pode ser fumada pura ou misturada ao tabaco comum ou à maconha (bazuca).

Possui a cor amarelo-pálido e escurece quando vai envelhecendo.

A merla é uma droga altamente perigosa, que causa dependência física e psíquica, além de provocar danos, às vezes irreversíveis ao organismo.

Sua absorção normalmente é muito grande através da mucosa pulmonar, e seu efeito excita o sistema nervoso central.

Sua atuação é semelhante a da cocaína: causa euforia, aumento de energia, diminuição da fadiga, do sono, do apetite, ocasionando perda de peso, alucinações, delírios e confusão mental.

Devido aos resíduos dos ácidos solventes, os usuários poderão apresentar casos de endurecimento pulmonar, chamado de fibrose.

A merla como o crack é uma droga “parente” da cocaína.

É mais uma variante dessa droga cujos efeitos e reações são semelhantes ao crack, mas com sérios agravantes.

Tem um poder devastador sobre o organismo do usuário, destruindo-o física, mental e emocionalmente, impossibilitando-o de um convívio social.

Como a cocaína, a merla exacerba o núcleo da agressividade, conferindo ao usuário comportamentos violentos e anti-sociais que o leva a ter problemas judiciais.

Além dos efeitos da droga “mãe” (a cocaína), já que a merla é preparada com a pasta desta droga, as reações se tornam ainda mais perigosas pelos efeitos dos produtos químicos que são acrescentados a essa pasta. Essas substâncias são extremamente prejudiciais ao ser humano, a maioria são solventes voláteis derivados do petróleo que por si só, já prejudicam o organismo.

A merla é uma droga regional. Concentra-se nas regiões central e norte do Brasil.

Como o crack, a merla vai destruindo o seu usuário em vida ao ponto dele perder o contato com o mundo externo, se tornando um zumbi movido pela compulsão à droga que é intensa. Como os efeitos têm curta duração, o usuário faz uso com muita freqüência e a sua vida passa a ser em função da droga que atinge o organismo através dos pulmões quando é fumada e pela corrente sangüínea alcança o cérebro causando alterações psíquicas.

O risco de óbito é considerável com o abuso dessa substância.

Quem usa?

Adolescentes e adultos independente do sexo.

Qual o tempo de ação da droga?

É muito curto. Os primeiro efeitos se iniciam 10 segundos após o uso e duram por 10 minutos.

Qual a sua característica e como se usa?

Apresenta-se em forma de pasta e o seu abuso se faz fumando.

Qual a tolerância?

Alto poder viciante e de desenvolver a tolerância.

Quais os desejados com o uso?

Sensações de euforia, excitação, busca de um estado emocional de satisfação.

Quais os efeitos adversos?

Intensa compulsão ao uso em busca dos efeitos desejados que vão desaparecendo com o tempo, hetero-agressividade, auto-agressividade (suicídio), quadro depressivo severo, problemas sociais pelos comportamentos violentos, roubos, assaltos para manter a dependência, decréscimo da produtividade e em conseqüência uma vida à margem da sociedade, inapetência, emagrecimento rápido com o uso, debilidade física, tremores, humor instável, agitação, hipertensão, taquicardia, tontura, insônia, prejuízo no funcionamento do sistema respiratório, dor na região torácica, dilatação das pupilas, sudorese, decréscimo da fadiga, medo, insegurança, AVC (derrame), perda de consciência, convulsão, respiração acelerada, parada cardíaca, idéias delirantes, distúrbios do senso-percepção (alucinações), risco de contrair AIDS ou outras doenças sexualmente transmissíveis (DST) pela forma promíscua da vida sexual (prostituição), desenvolvimento de uma doença psiquiátrica em usuários com pré-disposição ao distúrbio.

Quais os efeitos da síndrome de abstinência?

Compulsão, depressão, idéias de auto-eliminação (suicídio).

Jéferson Botelho

Fonte: www.jefersonbotelho.com.br

Merla

A merla é um subproduto da cocaína.

É obtida das folhas de coca às quais se adicionam alguns solventes como ácido sulfúrico, querosene, cal virgem, etc, transformando-se num produto de consistência pastosa com uma concentração variável entre 40 a 70% de cocaína. 1 Kg de cocaína chega a produzir 3 Kg de merla.

Pode ser fumada pura ou misturada ao tabaco comum, ou à maconha (bazuca).

Possui a cor amarelo pálido a mais escuro quando vai envelhecendo.

É uma droga altamente perigosa, que causa dependência física e psíquica, além de provocar danos, as vezes irreversíveis ao organismo.

Sua absorção normalmente é muito grande através da mucosa pulmonar e seu efeito é excitante do Sistema Nervoso Central.

Sua atuação é semelhante a da cocaína, causa euforia, aumento de energia, diminuição da fadiga, do sono, do apetite, ocasionando perda de peso e psicose tóxica (alucinações, delírios, confusão mental).

Devido aos resíduos dos ácidos solventes, os usuários poderão apresentar casos de fibrose (endurecimento pulmonar).

Durante o uso podem ocorrer convulsões e perda da consciência.

As convulsões podem levar a parada respiratória, coma, ou parada cardíaca e, obviamente, à morte.

O usuário comumente apresenta as extremidades dos dedos amareladas. Pode evidenciar lacrimejamento, olhos avermelhados, irritados, respiração difícil, tremores das mãos, muita inquietação e irritabilidade.

A longo prazo, perda dos dentes causado pelo ácido de bateria usado na mistura.

Passado a euforia provocada pelo uso, surgem efeitos como alucinações, depressão, sensação de medo e paranóia de perseguição, por isso a merla é também chamada pelos usuários de "nóia", gíria derivada da palavra paranóia.

Essas sensações continuadas podem, em alguns casos, levar ao suicídio. Somatório dos princípios do crack, dos inalantes e de outros produtos químicos altamente tóxicos e viciantes usados na sua fabricação, a merla aciona o Circuito de recompensa, libera neurotransmissores e exaure os neurônios.

Os efeitos duram cerca de quinze minutos.

"A primeira sensação é de bem-estar.

Seu uso é ainda mais difícil de disfarçar, por ser ela muito mais atuante no organismo do que o crack.

Uma de suas características é o cheiro que o corpo exala na eliminação (pela transpiração intensa) dos produtos químicos adicionados durante o preparo da droga.

Os usuários cheiram a querosene, gasolina, benzina e éter.

O fato de ser consumida por 80% de rapazes e por 20% de mulheres entre 16 e 18 anos facilita sua identificação.

Os usuários de merla rapidamente entram para a delinquência: 68,7% roubavam para sustentar o vício e 17% se envolveram com o tráfico para comprar a droga.

Não bastasse tudo isso, o sofrimento é tão grande que 20,5% dos usuários tentaram o suicídio para fugir à Síndrome de Abstinência ou à depressão causada pelo uso contínuo.

Fonte: www.antidrogas.com.br

Merla

 

Merla
Merla

Merla é considerada a prima pobre do crack.

É obtida através da mistura de folhas de coca com produtos químicos co-cancerígenos como:

Querosene
Acetona
Clorofórmio
Benzina
Ácido sulfúrico.

A merla é subproduto da cocaína, a espuma que desprende no processo de fermentação é posta a secar e se transforma em uma pasta amarela.

Esta pasta é consumida com cigarro comum, de bally ou maconha.

Tanto a merla, como o crack são altamente perigosos, causam dependência física e psíquica, após um período de uso relativamente curto e provocam danos irreversíveis no organismo.

O uso continuado pode levar à morte.

O efeito é semelhante ao da cocaína, mas de curta duração, seguido de uma depressão, uma paranóia de perseguição (por isto alguns usuários usam o termo "nóia").

Estas drogas passam a controlar o usuário, que se descuidam da aparência, da higiene pessoal, roubam, matam e se prostituem para conseguirem a droga.

Fonte: www.universoespirita.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal