Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Engenharia de Produção  Voltar

Engenharia de Produção

 

Originalmente, aos engenheiros de produção e industriais eram atribuídas atividades como planejamento e controle da produção e controle de qualidade. Eles eram responsáveis por zelar pelo aumento da produtividade e por otimizar os recursos. E também cuidavam das tecnologias de produção, do planejamento, de instalações e do gerenciamento das relações humanas dentro da fábrica.

Hoje esse profissional não só continua a exercer todas essas funções, como ampliou sua atuação e passou a avaliar cenários econômicos e a identificar novas oportunidades empresariais. Essas responsabilidades adicionais têm explicação: com o mundo à mercê da tecnologia da informação e da globalização, a disputa pelo mercado ficou cada vez mais acirrada, levando as empresas a investir pesado no aumento da produtividade – a ordem é produzir mais e melhor, mas também em menos tempo e gastando menos.

Visto de um ângulo curioso, esse é o profissional que mais se beneficia das situações de crise e, consequentemente, se torna um dos mais disputados nas empresas. As perspectivas de trabalho, portanto, são excelentes. Hoje existe uma situação de pleno emprego, em especial para os formados em boas universidades. Normalmente, o recém-formado deixa a faculdade já na condição de contratado, depois de ter feito o estágio.

As possibilidades de trabalho estão tanto nos diferentes setores da indústria como nos de prestação de serviços – cresce a procura por esse profissional até em instituições financeiras. A informatização do parque industrial brasileiro também abre mais espaço de atuação para esse engenheiro. Ele pode integrar equipes compostas por outros profissionais para desenvolver software para os sistemas produtivos. Igualmente receptivo é o comércio de varejo, que demanda planejamento de compras, vendas e estoque de produtos em redes de supermercados e grandes magazines, por exemplo. Como consultor, é possível elaborar projetos de política de estoque e reposição de equipamentos ou de controle de produtividade.

Para atender a essa diversidade de mercado, o profissional recebe uma formação que lhe permite reunir conhecimentos técnicos, econômicos e administrativos, de forma que esteja qualificado a assumir funções de planejamento, coordenação e supervisão nas mais variadas empresas. Embora a função do engenheiro de produção tenha características mais sistêmicas, cada vez mais as empresas estão deslocando esse profissional para funções administrativas. Em função disso, as universidades estão dando maior ênfase ao desenvolvimento de conhecimentos ligados à área de economia e finanças.

A profissão

Peça fundamental em empresas de quase todos os setores, o engenheiro de produção une conhecimentos de administração, economia e engenharia para racionalizar o trabalho, aperfeiçoar técnicas de produção e organizar as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização. É ele quem define como integrar mão-de-obra, equipamentos e matérias-primas de forma a melhorar a qualidade e aumentar a produtividade. Por atuar como elo entre os setores técnicos e administrativos, seu campo de trabalho ultrapassa os limites das indústrias. O especialista em economia empresarial, por exemplo, tem sido contratado por bancos para montar carteiras de investimentos, e muitos são requisitados por empresas prestadoras de serviços para gerenciar a seleção de pessoal, definir funções e planejar escalas de trabalho. Para atuar na profissão é necessário o registro no Crea.

Características que ajudam na profissão

Facilidade de lidar com números, cálculos e estatísticas, capacidade de análise, organização, senso de observação, meticulosidade.

Duração média do curso

Cinco anos.

Fonte: www1.uol.com.br

Engenharia de Produção

Perfil do profissional

O engenheiro de produção é um profissional adequado a participar das atividades de projeto, implantação e manutenção de sistemas. A engenharia de produção é responsável pela integração de processos produtivos, permitindo a perfeita coordenação de tarefas de responsabilidades técnica e administrativa. Esse profissional é capacitado a trabalhar em diversos ramos, como produção, administração e finanças, entre outros. Ele atua como um canal de integração entre os sistemas técnicos (engenharias) e a área administrativa da empresa, o que facilita a criação e a administração de novos produtos e serviços.

Mercado de trabalho

Indústrias em geral, coordenando automatização de processos, planejamento e controle da produção, sistemas de controle de qualidade, corretoras, bancos de investimento, seguradoras, fundos de pensão e empresas de auditoria, atuando como analista de investimentos, planejador de operações ou auditor.

Fonte: www.estacio.br

Engenharia de Produção

HISTÓRICO DA PROFISSÃO

Os primeiros Engenheiros de Produção de que se tem notícia surgiram nos EUA entre 1882 e 1912, com o chamado movimento "Scientific Management" (Administração Científica) preconizado por F.W. Taylor, Frank e Lillian Gilbreth, H.L. Gantt, dentre outros. Com o advento da produção em massa, difundida por Henry Ford, os Engenheiros de Produção passam a exercer papel fundamental no processo produtivo, uma vez que a eles competiam a idealização e a regência de todas atividades produtivas dos trabalhadores no chão de fábrica visando a obtenção do produto final

No Brasil, a Engenharia de Produção foi introduzida em 1959 pela Escola Politécnica da USP tendo como cenário o forte processo de industrialização vivido pelo país na época, mais particularmente com a instalação das indústrias automobilísticas na região do ABC paulista.

Com a evolução dos sistemas produtivos, desde sua origem, na produção artesanal, passando pela produção em massa durante boa parte do século passado, até os dias atuais com a difusão da produção enxuta e das filosofias japonesas, o Engenheiro de Produção foi se adequando às demandas impostas pela sociedade capitalista ao longo dessa linha do tempo. Hoje, a preocupação do Engenheiro de Produção não centra-se somente na gestão e na otimização dos processos produtivos, objetivando continuamente ganho em produtividade (como na época de Ford), mas também no mercado de consumo, na logística empresarial, no avanço tecnológico, na qualidade dos produtos e serviços, no impacto ambiental e social de se produzir, na competitividade internacional, e principalmente no foco no cliente e no negócio.

PROFISSÃO

Segundo a ABEPRO, Associação Brasileira de Engenharia de Produção, “Compete à Engenharia de Produção o projeto, a modelagem, a implantação, a operação, a manutenção e a melhoria de sistemas produtivos integrados de bens e serviços, envolvendo homens, recursos financeiros e materiais, tecnologia, informação e energia. Compete ainda especificar, prever e avaliar os resultados obtidos destes sistemas para a sociedade e o meio ambiente, recorrendo a conhecimentos especializados da matemática, física, ciências humanas e sociais, conjuntamente com os princípios e métodos de análise e projeto da Engenharia”. Da definição acima, pode-se traçar de forma simplista a intersecção da Engenharia de Produção com outras áreas do conhecimento.

A Engenharia de Produção é a mais humanista das engenharias, pois estuda novas metodologias de organização do trabalho, a vida financeira empresarial e novos modelos de Gestão, lidando constantemente com os Recursos Pessoais. Reportagens recentes de revistas como Exame, Isto é e Veja, e de jornais como Folha de São Paulo, apontam a Engenharia de Produção como o ramo da Engenharia com as melhores perspectivas de mercado de trabalho, graças à formação de caráter generalista e eclética deste profissional. Segundo pesquisa nacional divulgada pela ABEPRO, o curso de Engenharia de Produção é o preferido por 68,42% dos estudantes de engenharia.

CAMPOS DE ATUAÇÃO

Empresas do setor industrial e/ou de serviços, públicas ou privadas, nas seguintes áreas:

GESTÃO DA PRODUÇÃO

Planejamento e Controle da Produção; Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos; Arranjo físico de Máquinas, Equipamentos e Instalações; Projeto de Fábrica e de Instalações Industriais; Gestão da Manutenção; Simulação da Produção; Planejamento de Processos Produtivos.

GESTÃO DA QUALIDADE

Controle Estatístico da Qualidade; Normalização e Certificação para a Qualidade; Organização Metrológica da Qualidade; Confiabilidade de Equipamentos, Máquinas e Produtos; Qualidade em Serviços.

GESTÃO ECONÔMICA

Engenharia Econômica; Gestão de Custos; Gestão Financeira de Projetos; Gestão de Investimentos.

ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO

Organização do Trabalho; Psicologia do Trabalho; Biomecânica Ocupacional; Segurança do Trabalho; Análise e Prevenção de Riscos de Acidentes; Ergonomia; Ergonomia do Produto; Ergonomia do Processo.

GESTÃO DO PRODUTO

Pesquisa de Mercado; Planejamento do Produto; Metodologia de Projeto do Produto; Engenharia de Produto; Marketing do Produto.

PESQUISA OPERACIONAL

Programação Matemática; Processos Estocásticos; Simulação; Teoria da Decisão e Teoria dos Jogos; Análise de Demandas por Produtos.

GESTÃO ESTRATÉGICA E ORGANIZACIONAL

Avaliação de Mercado; Planejamento Estratégico; Estratégias de Produção; Empreendedorismo; Organização Industrial; Estratégia de Marketing; Redes de Empresas e Gestão da Cadeia Produtiva.

GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

Gestão de Pessoas, Gestão da Inovação; Gestão da Tecnologia; Gestão da Informação de Produção; Sistemas de Informações de Gestão; Sistemas de Apoio à Decisão.

GESTÃO AMBIENTAL

Gestão de Recursos Naturais; Gestão Energética; Gestão de Resíduos Industriais.

EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Estudo do Ensino de Engenharia de Produção; Estudo do Desenvolvimento e Aplicação da Pesquisa em Engenharia de Produção; Estudo da Prática Profissional em Engenharia de Produção.

MERCADO DE TRABALHO

Industrial

Atua principalmente no Planejamento e Controle da Produção, na Gestão da Qualidade, na Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Produtos, na Gestão dos Processos Produtivos, no Planejamento Financeiro, no Estudo de Viabilidades, na Logística Empresarial etc., tendendo a ocupar, com o tempo, altos cargos de natureza gerencial;

Serviços

Atua em consultorias empresariais, empresas de transportes e distribuição, empresas de prestação de serviços em geral, hotéis, bancos etc. Serviços: atua em consultorias empresariais, empresas de transportes e distribuição, empresas de prestação de serviços em geral, hotéis, bancos etc.

Agroindustrial

É habilitado a participar das várias fases do processo produtivo primário, mas atua principalmente na área de Logística.

Comércio

Devido à sua formação de caráter generalista e sua forte visão de negócios, é também atuante no setor comercial, onde se destaca pelo Empreendedorismo.

Mercado Financeiro (Bolsa de Valores, BM&F)

Atua no setor, principalmente agregando seus conhecimentos de Engenharia Econômica, Análise/Viabilidade de Projetos e Macro/Micro Economia.

Fonte: www.uniara.com.br

Engenharia de Produção

O que faz o profissional

O engenheiro de produção dedica-se ao projeto, à implantação, à melhoria e à manutenção de sistemas produtivos integrados, de bens e serviços, que envolvem pessoas, materiais, tecnologias, informações e energia. Dedica-se, também, à especificação, previsão e avaliação dos resultados obtidos por esses sistemas, recorrendo a conhecimentos especializados em matemática, física, engenharia do produto, gerência da inovação e do projeto, engenharia da qualidade, pesquisa operacional, gerência de produção, sistemas de informação, engenharia ambiental, ergonomia e segurança do trabalho, engenharia econômica e estratégias e organização.

O mercado que lhe espera

O mercado de trabalho está em alta, com boas oportunidades de emprego. Amplo mercado de trabalho em indústrias, empresas prestadoras de serviços e também no mercado financeiro.

Engenheiros de produção são profissionais com competências e habilidades que lhes permitem atuar nos diversos segmentos industriais (metal-mecânico e eletro-eletrônico) e da construção civil e em empresas prestadoras de serviços, tais como bancos, correios, empresas de consultoria, empresas de transporte aéreo, hospitais, seguradoras, entre outros (produção de serviços).

Nos últimos anos a oferta cresceu muito, colocando a Engenharia de Produção entre as engenharias com melhor nível salarial. A procura por profissionais é grande e, em alguns lugares do país, chega a faltar mão-de-obra especializada. Por sua formação multidisciplinar e competência gerencial, os engenheiros de produção concorrem em igualdade com os economistas, principalmente nas áreas de finanças.

Fonte: www.ugf.br

Engenharia de Produção

A Engenharia de Produção é o ramo da engenharia que lida com a concepção, o projeto e o gerenciamento de sistemas produtivos de bens e de serviços, caracterizados pela integração entre homens, materiais, equipamentos e meio ambiente. O objetivo desse trabalho é aumentar a produtividade e a qualidade tanto de produtos quanto de serviços. Como área de conhecimento, fundamenta-se nas ciências matemáticas, físicas e sociais, assim como em princípios e métodos da engenharia e da computação, funcionando como um elo entre a tecnologia propriamente dita e a administração das organizações produtivas.

Além dos conhecimentos tecnológicos básicos de engenharia, o especialista nessa área tem formação em diversos temas característicos da engenharia de produção, como organização da produção e métodos de trabalho, avaliação de custos e de projetos, gestão financeira, transporte e logística, microeconomia aplicada, métodos estatísticos, modelagem matemática e emprego de computadores para solução de problemas organizacionais.

O campo de atuação do engenheiro de produção é amplo: estende-se desde empresas de manufatura até organizações de prestação de serviços, como instituições financeiras, empresas de comércio, operadores logísticos, escolas e autarquias governamentais. Suas funções nessas organizações incluem a especificação, o gerenciamento e o controle de sistemas e de processos produtivos, a avaliação do seu desempenho e a implementação de melhorias no seu funcionamento e nas condições de trabalho.

Fonte: www.puc-rio.br

Engenharia de Produção

Objeto de estudo

Processos produtivos, implantação e gerenciamento de sistemas de produção de bens e serviços.

Campo de atuação

Indústrias dos setores metal-mecânico, têxtil, calçadista, elétrico, alimentício, moveleiro, químico e empresas prestadoras de serviços como bancos de investimentos e transporte aéreo.

O que faz o profissional

Atua como elo entre o setor técnico e administrativo. Projeta, otimiza e implanta sistemas integrados, envolvendo pessoas, materiais e equipamentos. Especifica, prevê e avalia os resultados obtidos nesses sistemas, recorrendo a conhecimentos especializados de Matemática, Física e Ciências Sociais Aplicadas, conjuntamente com princípios e método de análise e projeto de engenharia.

Fonte: www.ucs.br

Engenharia de Produção

Compete, ao Engenheiro de Produção, a elaboração do projeto, bem como sua implantação, a operação, a melhoria e a manutenção de sistemas de produção de bens e serviços, envolvendo pessoas, materiais, tecnologia, informação e energia.

Compete, ainda, especificar, prever e avaliar o desempenho desses sistemas, tendo em vista a sociedade e o meio ambiente.

Para tanto, recorre aos métodos de análise e projetos tradicionais de engenharia, a par de conhecimentos especializados da Matemática, Física, Computação e das Ciências Humanas e Sociais.

Conteúdos específicos do Curso

  • gestão da produção
  • gestão da qualidade
  • gestão econômica
  • ergonomia
  • gestão do desenvolvimento de produto
  • pesquisa operacional
  • análise da estratégia e organização empresarial
  • gestão da tecnologia
  • gestão ambiental
  • aplicação de sistemas de informação à gestão empresarial
  • Duração

    5 anos.

    Fonte: www3.pucrs.br

    Engenharia de Produção

    Uma das mais nobres missões desse bacharel é promover a expansão do consumo, por meio da redução do custo dos serviços e mercadorias e da maior eficiência dos sistemas produtivos. Para isso, ele precisa conhecer muito bem o mercado, o estágio de desenvolvimento do país e sua distribuição de renda. “O engenheiro de produção é uma peça importante para que os empresários possam aumentar o volume de produção, fabricar bens capazes de competir no mercado internacional e, ao mesmo tempo, oferecer à população produtos com preços mais baixos”, diz o engenheiro de produção mecânica Marco Antonio Rodrigues, diretor da empresa Gestão Eclética, de São Paulo.

    Outro objetivo desse engenheiro, destaca Rodrigues, é assegurar a qualidade de vida da população, protegendo e recuperando o meio ambiente e desenvolvendo produtos que atendem às necessidades da sociedade. “O engenheiro de produção deve buscar sempre inovação e formas inéditas de fabricar novos produtos”, afirma ele. A engenharia de produção é um amplo ramo que gerencia os recursos humanos, financeiros e materiais para aumentar a produtividade de uma empresa. Por isso, esse profissional é peça fundamental em indústrias e empresas de quase todos os setores.

    Ele une conhecimentos de administração, economia e engenharia para racionalizar o trabalho, aperfeiçoar técnicas de produção e ordenar as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização. Define a melhor forma de integrar mão-de-obra, equipamentos e matéria-prima e de avançar na qualidade e aumentar a produtividade. Por atuar como elo entre o setor técnico e o administrativo, seu campo de trabalho ultrapassa os limites da indústria. O especialista em economia empresarial, por exemplo, costuma ser contratado por bancos para montar carteiras de investimentos. Esse profissional é requisitado, também, por empresas prestadoras de serviços para gerenciar a seleção de pessoal, definir funções e planejar escalas de trabalho.

    O mercado de trabalho

    "O mercado globalizado e o crescimento da demanda interna têm obrigado a indústria brasileira a se tornar cada vez mais competitiva. Isso amplia a demanda por engenheiros de produção, que são requisitados por empresas e indústrias de diversos setores", diz Mário Kaphan, diretor do portal de empregos Vagas.com.br, com forte atuação na área de ciências exatas. Indústrias de bebidas, cigarros e, principalmente, a automobilística e a eletrônica, procuram esse profissional para atuar no setor de logística, que inclui a distribuição de produtos e o suprimento de compras. Isso também ocorre cada vez mais em empresas do segmento varejista e na agroindústria, que abre vagas em regiões interioranas.

    Em serviços, a indústria financeira é a que mais contrata e melhor remunera. Nela, o engenheiro de produção atua na gestão de carteiras e análise de investimentos de clientes bancários. Outros dois ramos em evidência são o mercado acionário e o de transporte, com destaque para as concessionárias que administram rodovias. Com a descentralização industrial, o engenheiro de produção tem chances de colocação em todo o país, mas as melhores oportunidades estão no Sudeste, com 50% das vagas concentradas no estado de São Paulo, e no Sul. No Nordeste, o destaque é o pólo têxtil do Ceará.

    O curso

    No começo, o curso enfoca as disciplinas básicas de engenharia, com bastante cálculo, como matemática, física, química e informática. Depois entram as matérias específicas de produção, como gestão de investimentos, organização do trabalho e economia e estratégia de empresas. Nos últimos anos acrescentam-se as de sociais aplicadas, como administração e economia, e na etapa final, o aluno começa o estudo específico da habilitação escolhida. Para se diplomar, é preciso fazer estágio e apresentar uma monografia. Várias escolas oferecem o curso voltado para alguma habilitação específica, como mecânica ou civil.

    O que você pode fazer

    Economia empresarial

    Gerenciar a vida financeira de uma empresa, definir a aplicação de recursos, lidar com custos, prazos, juros e previsão de vendas.

    Engenharia do trabalho

    Administrar a mão-de-obra, para a produção de bens ou a prestação de serviços. Avaliar custos, prazos e instalações para possibilitar a execução do trabalho.

    Desenvolvimento organizacional

    Analisar e definir a estrutura da empresa, de acordo com o mercado

    Planejamento e controle

    Implantar e administrar processos de produção, da seleção de matérias-primas à saída do produto. Estabelecer padrões de qualidade e fiscalizar seu cumprimento. Gerenciar operações logísticas, como armazenagem e distribuição.

    Duração do Curso

    Cinco anos

    Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

    Engenharia de Produção

    Não é difícil encontrar engenheiros em cargos administrativos dentro de empresas de todos os tamanhos. E um dos cursos que mais prepara o profissional para estes cargos, que mesclam o conhecimento técnico aos conceitos de gestão, é a Engenharia de Produção.

    A menos tecnológica das engenharias - segundo palavras da própria Associação Brasileira de Engenharia de Produção (Abepro) - é também a mais generalista: tem tantas disciplinas de gestão que chega a se confundir com a faculdade de Administração de Empresas. No currículo, aulas de administração, comércio, contabilidade e técnicas de gerência se misturam ao conteúdo técnico, como disciplinas de química, física, matemática, materiais, desenho técnico, eletrotécnica e automação industrial.

    Mercado

    A Abepro cita como tarefas próprias do engenheiro de Produção nada menos que dez áreas: gestão da produção, da qualidade, econômica, de produto, estratégica, de organizacional e ambiental, além de ergonomia, pesquisa operacional e a área acadêmica. Conforme o coordenador do curso de Engenharia de Produção da Unisinos (RS), Jacinto Ponte Júnior, estas tarefas costumam ser executadas pelo profissional em indústrias, empresas de serviços e bancos.

    Com tanta variedade de áreas para atuar, o profissional sai da faculdade empregado, comenta Ponte Júnior. "Em geral, nossos egressos não têm muita dificuldade de entrar no mercado de trabalho, pois trabalham em funções correlatas durante quase todo o período do curso de engenharia", diz. O piso é de seis salários mínimos para o engenheiro iniciante.

    É pra você?

    Como em todas as engenharias, é importante que o futuro profissional tenha afinidade com temas próprios da carreira, física, química, matemática. Mas, mesmo que você tenha passado pelo Ensino Médio detestando alguma dessas disciplinas, não desista. "É um mito achar que só porque o aluno gosta de matemática vai ser bom engenheiro ou o contrário", avisa o coordenador da Unisinos. "Às vezes, o aluno não gosta da matemática porque não foi despertado convenientemente para ela. E um excelente engenheiro em potencial pode ser tolhido por este paradigma."

    O que vem por aí

    A geração de "engenheiros-administradores" nas empresas está só começando, aposta Ponte Júnior. "O engenheiro está ampliando seu leque de atuação. Não só as áreas industriais, mas também os setores de serviços e área financeira têm sinalizado para o engenheiro com boas perspectivas. Tudo pela capacidade que tem de modelar matematicamente os cenários e o seu raciocínio lógico", explica o professor.

    Diferencial

    É importante que o futuro engenheiro de produção seja dinâmico e goste de trabalhar em equipe. "O diferencial está no conhecimento e na qualificação técnica", lembra Ponte Júnior, portanto, se dedique aos livros. "Além disso, bons conhecimentos de português e idiomas adicionais são fundamentais."

    Fonte: noticias.terra.com.br

    Engenharia de Produção

    Curso de Graduação em Engenharia de Produção

    O profissional desta área reúne conhecimentos em administração, economia e engenharia para racionalizar o trabalho, aperfeiçoar técnicas de produção e ordenar as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização. Por atuar como elo entre o setor técnico e o administrativo, seu campo de trabalho ultrapassa os limites da indústria.

    PERFIL DO PROFISSIONAL

    O Engenheiro de Produção é um profissional que atua em diversos ramos e se tornou peça fundamental em indústrias e empresas de quase todos os setores da organização.

    MERCADO DE TRABALHO

    A globalização e o crescimento da demanda interna têm levado a indústria brasileira a se tornar cada vez mais competitiva, o que leva a aumentar a demanda por Engenheiros de Produção. Este profissional é requisitado por empresas e indústrias de diversos setores para atuação na área de ciências exatas, setor de logística, que inclui a distribuição dos produtos e o suprimento de compras. No setor de serviços estão em evidência a indústria financeira, o mercado acionário e o de transporte, com destaque para as concessionárias que administram rodovias. Devido à amplitude de atuação, o Engenheiro de Produção tem chances de colocação em todo o país.

    Fonte: www.ufvjm.edu.br

    Engenharia de Produção

    Engenheiro de Produção

    Descrição

    O Engenheiro de Produção estuda e avalia quais são os recursos necessários para que seja fabricado um produto. Ele elabora e executa projetos e programas que visam o aumento da produção com a redução dos custos. É o responsável pela analise e busca das soluções para problemas de equipamentos e ritmo de produção e faz a ligação entre as áreas: administrativa e técnica.

    Currículo Básico

    Matemática, Física, Química, Controle de Qualidade, Método de Pesquisa Operacional, Planejamento e Controle de Produção, Projeto do Produto e da Fábrica.

    Aptidões Desejáveis

    Exige-se habilidade numérica, já que as atividades do engenheiro de produção envolvem cálculos de produção, desempenho de máquinas e equipamentos, e para isso é preciso aplicação de estatísticas e cálculos matemáticos.

    Especializações possíveis

    Engenharia Econômica, Gerência de Produção, Pesquisa Operacional e Projeto do Produto.

    Campos de Atuação

    Por ser uma profissão que une a Engenharia à Administração ela pode ser exercida em qualquer área industrial e empresarial. Indústrias, Empresas Públicas e Privadas, Bancos, Empreendimentos.

    Duração

    5 anos.

    Fonte: www.guiadasprofissoes.com.br

    Engenharia de Produção

    Perfil do curso

    Forma profissionais para trabalhar no aperfeiçoamento e implantação de sistemas integrados de homens, materiais e equipamentos, baseando-se em conhecimentos especializados das ciências básicas e aplicadas, em conjunto com os princípios e métodos de análise e de projeto. É considerada uma área multidisciplinar de todas as engenharias.

    Perfil do profissional

    Aptidões ligadas ao universo científico e tecnológico.

    Área de Atuação

    Empresas públicas e privadas em geral.

    Fonte: www.uerj.br

    Engenharia de Produção

    Engenheiro de Produção é o profissional responsável por projetar e implementar linhas de produção industriais de produção, ou seja, ele planeja processos de fabricação de produtos que maximizem a eficiência e minimizem os custos. O Engenheiro de produção atua preparando especificações, técnicas de execução, desenhos e verifica os recursos necessários para possibilitar a construção, funcionamento e manutenção das linhas de produção industriais.

    Ele também atua como um elo de ligação entre as áreas administrativa e técnica da empresa, fazendo o meio campo, buscando um ponto de equilibrio entre a produtividade e os custos. A Engenharia de Produção, ao contrário das demais engenharias que são especificas, é considerada ampla, o Engenheiro de Produção englobando conhecimentos gerais sobre grande parte das outras engenharias para poder interagir bem com estes outros profissionais específicos.

    Engenharia de Produção

    O máximo de produtividade com o menor custo

    Grade Básica do Curso de Engenharia de Produção:

  • Cálculo
  • Química Básica
  • Física
  • Desenho Técnico
  • Planejamento e Controle de Produção
  • Métodos de Pesquisa Operacional
  • Controle de Qualidade
  • Mecânica
  • Mecânica dos Fluidos
  • Aspectos Favoráveis da Carreira de Engenheiro de Produção

    Como os Engenheiros de produção são profissionais versáteis e atuam fazendo a ponte entre diversos outros engenheiros e a administração, o campo de atuação para a engenharia de produção vem crescendo bastante nos ultimos anos com a modernização do país.

    Aspectos Desfavoráveis da Carreira em Engenharia de Produção

    O aspecto negativo dessa carreira é o alto nível de stress muitas vezes gerado por ter que conciliar engenharia e administração, áreas que muitas vezes tem interesses totalmente conflitantes.

    Fonte: www.guiadacarreira.com.br

    Engenharia de Produção

    Objetivos do Curso

    O curso de Engenharia de Produção Mecânica da UNIP apresenta uma abordagem moderna e apropriada às constantes mudanças provenientes do desenvolvimento tecnológico.

    Trata da interação de homens, materiais, equipamentos, métodos e processos, o que proporciona ao profissional possibilidades de atuação nos diversos níveis das empresas.

    A engenharia de produção mecânica atua na fronteira entre o conhecimento técnico da engenharia mecânica e o das áreas administrativas e econômicas.

    Assim, o profissional formado pela Universidade Paulista tem os conhecimentos básicos de engenharia mecânica e uma formação específica que o capacita a otimizar a produção, racionalizar métodos, processos e sistemas, com o intuito de melhoria da produtividade.

    A atuação do engenheiro de produção mecânica é útil sempre que houver necessidade de planejamento, coordenação e controle.

    Atividades Principais

    Efetuar a programação e controle da produção, através do acompanhamento e supervisão das operações de materiais e equipamentos

    projetar novos produtos e planejar instalação de fábricas

    gerenciar e aprimorar métodos de fabricação e as relações humanas no trabalho

    administrar os recursos disponíveis, na busca da produtividade e qualidade nos processos industriais

    planejar e reduzir a ociosidade das máquinas na empresa, minimizando os custos

    auxiliar na seleção e treinamento do pessoal técnico

    calcular custos de produção, previsão de venda e determinar o melhor meio de aplicar o capital da empresa.

    Mercado de Trabalho

    O engenheiro de produção mecânica está capacitado a atuar em indústrias de um modo geral (elétricas, eletrônicas, químicas, farmacêuticas etc.); em empresas de prestação de serviços (bancos, seguradoras, hospitais etc.); em empresas nacionais ou multinacionais; públicas ou privadas etc. Com a informatização do setor industrial, foi aberto o campo para estas engenharias atuarem no desenvolvimento de softwares específicos para a área.

    De um modo geral, o campo de trabalho é bom para esses profissionais, tendo em vista que a globalização da economia implica uma demanda dessa categoria, com a finalidade de reduzir custos e aumentar a produtividade, melhorando a competitividade.

    Duração

    5 anos.

    Fonte: www3.unip.br

    Engenharia de Produção

    Sobre a profissão

    O objetivo da profissão é realizar e planejar a produção industrial com qualidade, promover a expansão do consumo e reduzir os custos das mercadorias e serviços.É sua responsabilidade gerir a produção, criar e aperfeiçoar métodos. É importante que a pessoa que optar por fazer esse curso fale inglês pelo fato de ser um idioma extremamente comercial, porém no ramo da engenharia o francês e o alemão são as línguas que melhor representam a profissão.

    As atividades relacionadas são:

    Efetuar a programação e controle da produção através do acompanhamento e supervisão das operações de materiais e equipamentos, projetar novos produtos e planejar instalação nas fábricas, gerenciar e aprimorar métodos de fabricação e as relações humanas no trabalho, administrar os recursos disponíveis na busca da produtividade e qualidade nos processos industriais, planejar e reduzir a ociosidade das máquinas na empresa minimizando os custos, auxiliar na seleção e treinamento do pessoal técnico, calcular custos de produção, calcular previsão de venda e determinar o melhor meio de aplicar o capital da empresa.

    O profissional dessa área pode fazer especialização na área de Economia empresarial, Engenharia do trabalho, Desenvolvimento organizacional, Planejamento e controle.

    Tipos de Curso

    a) Nível Superior

    Bacharelado

    O curso é dividido em 3 partes, sendo que na primeira parte o aluno aprende matérias básicas da engenharia como cálculo, matemática, química, física e informática. Na segunda parte do curso o aluno serão aplicadas matérias relacionadas com produção. No final do curso, ou seja, na terceira parte serão aplicadas matérias como administração, logística e economia acompanhadas da tese de conclusão de curso ( TCC ). A duração média do curso é de 5 anos, porém em algumas instituições pode chegar a 6 anos.

    **Não existem cursos técnicos de engenharia de produção reconhecidos e cadastrados no MEC, apenas os superiores tradicionais e as especializações que podem ser feitas após a formação acadêmica.
    Mercado de Trabalho

    O mercado de trabalho da área de engenharia de produção esta sempre em busca de profissionais atualizados, que consigam tomar decisões importantes em nome da empresa em que trabalham. Tanto que hoje em dia é comum ver no posto de presidente institucional ou diretor de empresas pessoas formadas em engenharia de produção.

    O engenheiro de produção está capacitado a atuar em indústrias de um modo geral como elétricas, eletrônicas, químicas, farmacêuticas, em empresas de prestação de serviços como hospitais, bancos, seguradoras
    Atualmente o campo de trabalho é ótimo para este profissional desde que a globalização da economia a cada dia que passa implica numa demanda cada vez maior deste tipo de mão de obra.

    Com a informatização do setor industrial, foi aberto o campo para estas engenharias atuarem no desenvolvimento de softwares específicos para a área.

    Ofertas de Emprego

    Os campos que mais contratam este profissional são os de alimentos e bebidas, cigarros, automobilística, indústria financeira e eletrônica. Porém o que oferece melhor remuneração é o segmento da indústria financeira onde o engenheiro de produção atua na gestão de carteiras e análise de investimentos de clientes bancários.

    Outros dois ramos são: o mercado acionário e o de transporte. Com destaque para as concessionárias que administram rodovias. Com a descentralização industrial, o engenheiro de produção tem chances de colocação em todo o país, mas as melhores oportunidades estão no sudeste e na região sul do Brasil. Dentro dessa região 50% estão no estado de São Paulo. No Nordeste também existem boas ofertas de emprego tendo como destaque o pólo têxtil do Ceará.

    Fonte: www.cursocerto.com.br

    Engenharia de Produção

    O curso de Engenharia de Produção da FURB forma profissionais multidisciplinares capazes de atuar em áreas relacionadas à melhoria contínua dos processos de fabricação e desenvolvimento de produtos, ambos centrados na racionalização do uso de recursos por meio do emprego de técnicas modernas. Podem exercer cargos de gerência, consultoria e assessoria técnica, as funções de projeto, instalação, manutenção e integração dos sistemas produtivos encontrados em diversas organizações. Os resultados advindos do funcionamento efetivo de tais sistemas, tratados sob os múltiplos pontos de vista da engenharia, das ciências sociais e da preservação ambiental, são fundamentais para as organizações coordenarem ações estratégicas que lhes assegurem posição de destaque num mercado, cuja competitividade aumenta a cada dia.

    Diferenciais do Curso

    Infra-estrutura composta por laboratórios e equipamentos.

    Possui diversas iniciativas para a integração do aluno no mercado de trabalho desde os primeiros semestres.

    Parcerias com universidades alemãs, visando ao intercâmbio de alunos e professores.

    Professores com titulação de mestrado e doutorado.

    Campo Profissional

    Empresas e entidades públicas, privadas e de prestação de serviços

    Assessoria técnica e consultoria industrial

    Realização de estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental

    Planejamento e gerência de produção e produto

    Avaliação através de perícias, vistorias, arbitramento e laudo técnico na área de produção industrial

    Engenharia de qualidade/gestão ambiental

    Fonte: www.furb.br

    Engenharia de Produção

    O que é

    O engenheiro de produção se envolve em todas as etapas do empreendimento de uma empresa. Sua principal função é aumentar a produtividade. Ele seleciona matérias-primas, mão-de-obra e maquinário, organizando o processo de produção. Pode se envolver com as áreas de finanças, analisando a utilização dos recursos financeiros. A logística, que envolve armazenamento, transporte e distribuição, também é de sua alçada. O setor de marketing e vendas é outra vertente de seu trabalho.

    Áreas de atuação

    O profissional acompanha toda a produção, desde a seleção da matéria-prima até a chegada ao ponto de venda. Ele se encarrega também do controle de qualidade. Na área de engenharia do trabalho, organiza os recursos humanos. Pode administrar o setor financeiro da empresa, lidando com a aplicação de orçamento, prazos, juros. Define a estrutura organizacional do negócio de acordo com seu mercado.

    Mercado de trabalho

    Por ter um perfil variado e atuar em vários setores, esse profissional tem postos de trabalho garantidos em diversos ramos. O salário é superior ao de outros engenheiros e há carência de especialistas. Ele encontra vagas principalmente em grandes indústrias, como automobilística, eletrônica, metalúrgica, de cigarros e bebidas. É muito requisitado na área logística. Por também se encarregar das finanças, consegue colocação em bancos.

    Fonte: carreiras.empregos.com.br

    Engenharia de Produção

    Engenheiro de produto ou produção

    "Profissional da engenharia que projeta e implementa os sistemas de produção que constituem o meio fabril"

    O que é ser engenheiro de produto?

    O engenheiro de produto ou engenheiro de produção é o profissional que associa o conhecimento técnico característico das diversas engenharias às áreas de administração e economia para projetar, implantar e melhorar os sistemas de produção que constituem uma fábrica. Estes sistemas incluem a integração entre materiais, informações, equipamentos, energia e o ambiente. O profissional da engenharia de produto planeja a produção e avalia seus resultados para aumentar a eficiência em todos os seus aspectos: humano, material e financeiro.

    De maneira geral, ele viabiliza a produção, de forma a distribuir os produtos que a sociedade necessita, aumentando a competitividade e elevando a qualidade entre os concorrentes.

    Quais as características para ser engenheiro de produto?

    É necessário que o estudante que deseja ser um engenheiro de produto se interesse por conhecimentos de matemática, física e ciências sociais, fundamentais na rotina do profissional.

    Além disso, ele deve apresentar as seguintes características:

  • Agilidade
  • Atenção a detalhes
  • Concentração
  • Boa comunicação
  • Capacidade de decisão
  • Capacidade de resolver problemas práticos
  • Criatividade
  • Curiosidade
  • Espírito empreendedor
  • Gosto pela pesquisa
  • Iniciativa
  • Bom raciocínio abstrato e espacial
  • Interesse em projetar coisas novas
  • Interesse por ciências e novas tecnologias
  • Curiosidade pelo funcionamento das coisas
  • Qual a formação necessária?

    Para ser um engenheiro de produto é preciso prestar vestibular para o curso de nível superior Engenharia de Produção (Bacharelado), que tem duração média de cinco anos. Caso deseje dar aulas em universidades, a opção Licenciatura deve ser escolhida. Para uma melhor formação e maior competitividade, o profissional deve dominar o inglês e ter conhecimentos de computação, administração e economia.

    Ainda, cursos complementares oferecidos pelas universidades enriquecem o currículo, como por exemplo:

    Formação Complementar em Processos Discretos

    Corresponde aos processos usualmente desenvolvidos nas indústrias mecânica e eletroeletrônica

    Formação Complementar em Processos Contínuos

    Corresponde à produção automatizada utilizada em processos químicos e siderúrgicos

    Formação Complementar Aberta

    Corresponde a uma formação direcionada pelo próprio aluno com o auxílio de um professor orientador em alguma área específica de interesse

    Além destes, cursos extracurriculares ou de pós-graduação nas áreas de gerência e administração podem ser fatores decisivos no momento da contratação.

    Principais atividades de um engenheiro de produto

    Entre as atividades diárias de um engenheiro de produto, estão:

    Projetar sistemas de produção

    Coordenar e supervisionar o processamento dos produtos

    Administrar o armazenamento de matérias-primas

    Gerenciar e fiscalizar a execução de atividades e cumprimento de prazos

    Análise do mercado, cálculos de demanda e produtividade

    Planejamento da produção com metas a serem atingidas

    Assistência no desenvolvimento de máquinas, ferramentas e produtos

    Conduzir programas de redução de custos

    Desenvolver métodos de otimização do trabalho

    Criar procedimentos para programação e controle de produção

    Áreas de atuação e especialidades

    Engenheiros de produção podem atuar em diversos setores, como: empresas industriais e de serviços, indústrias automotivas, da construção civil, mineração, siderurgia, cimento e química. Nestas indústrias, pode atuar nas áreas de:

    Operação

    Envolvendo a distribuição de produtos e controle de suprimentos

    Gestão agro-industrial

    Com gerência da manutenção, construção, automação, entre outros

    Área financeira

    Incluindo o controle financeiro, o controle de custos e a análise de investimentos

    Área de logística

    Na viabilização dos projetos dos produtos

    Área de marketing

    Tratando do planejamento e desenvolvimento de produtos e mercados a serem atendidos

    Área de planejamento

    Abrangendo os setores estratégico, produtivo, financeiro, etc.

    Além disso, o profissional pode ainda desempenhar atividades na administração pública, na análise de investimentos e atuar em departamentos de pesquisa de universidades e dar aulas para curso superior de engenharia de produção.

    Mercado de trabalho

    O mercado de trabalho para os engenheiros de produto encontra-se bastante pulverizado, com uma grande variedade de áreas para atuar, devido à capacidade deste profissional trabalhar em diversos setores das indústrias e de empresas em geral. Entre as engenharias, a de produção é aquela que geralmente proporciona os melhores salários e a procura por profissionais é grande, já que não há tanta mão-de-obra especializada no Brasil. Os mercados que se mostram mais promissores para o engenheiro de produto são: área de finanças, telecomunicações e informática, onde há uma intensa demanda, e também na área previdenciária, um setor que se destaca por empregar estes profissionais.

    Curiosidades

    Com a Revolução Industrial, ocorrida no século XIX, que mecanizou e dinamizou os diversos meios de produção, surgiu a necessidade de organizar e integrar os sistemas produtivos. Foi então que surgiu o conceito de engenharia de produção, mas que só teve sua difusão após a segunda metade do século XX, impulsionada pelo desenvolvimento norte-americano e adoção da idéia de produtividade aliada à qualidade adotada como pontos centrais nas empresas.

    Inicialmente, ela foi chamada de Engenharia Industrial, e com o advento da produção em série difundida por Henry Ford, a engenharia industrial ganhou destaque mundial.

    No Brasil, ficou conhecida somente nos anos 50 com o desenvolvimento industrial tardio, sendo reconhecida pelo Ministério do Trabalho e regulamentada em 1975.

    Fonte: www.brasilprofissoes.com.br

    Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal