Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Engenharia de Produção  Voltar

Engenharia de Produção

O Engenheiro de Produção atua como elo entre o setor técnico e administrativo.

Projeta, otimiza e implanta sistemas integrados, envolvendo pessoas, materiais e equipamentos.

Especifica, prevê e avalia os resultados obtidos nesses sistemas, recorrendo a conhecimentos especializados de Matemática, Física e Ciências Sociais Aplicadas, conjuntamente com princípios e método de análise e projeto de engenharia.

Compete, ao Engenheiro de Produção, a elaboração do projeto, bem como sua implantação, a operação, a melhoria e a manutenção de sistemas de produção de bens e serviços, envolvendo pessoas, materiais, tecnologia, informação e energia.

Compete, ainda, especificar, prever e avaliar o desempenho desses sistemas, tendo em vista a sociedade e o meio ambiente.

Para tanto, recorre aos métodos de análise e projetos tradicionais de engenharia, a par de conhecimentos especializados da Matemática, Física, Computação e das Ciências Humanas e Sociais.

Uma das mais nobres missões desse bacharel é promover a expansão do consumo, por meio da redução do custo dos serviços e mercadorias e da maior eficiência dos sistemas produtivos.

Para isso, ele precisa conhecer muito bem o mercado, o estágio de desenvolvimento do país e sua distribuição de renda.

O engenheiro de produção é uma peça importante para que os empresários possam aumentar o volume de produção, fabricar bens capazes de competir no mercado internacional e, ao mesmo tempo, oferecer à população produtos com preços mais baixos.

Outro objetivo desse engenheiro, é assegurar a qualidade de vida da população, protegendo e recuperando o meio ambiente e desenvolvendo produtos que atendem às necessidades da sociedade.

O engenheiro de produção deve buscar sempre inovação e formas inéditas de fabricar novos produtos.

A engenharia de produção é um amplo ramo que gerencia os recursos humanos, financeiros e materiais para aumentar a produtividade de uma empresa. Por isso, esse profissional é peça fundamental em indústrias e empresas de quase todos os setores.

Ele une conhecimentos de administração, economia e engenharia para racionalizar o trabalho, aperfeiçoar técnicas de produção e ordenar as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização. Define a melhor forma de integrar mão-de-obra, equipamentos e matéria-prima e de avançar na qualidade e aumentar a produtividade. Por atuar como elo entre o setor técnico e o administrativo, seu campo de trabalho ultrapassa os limites da indústria. O especialista em economia empresarial, por exemplo, costuma ser contratado por bancos para montar carteiras de investimentos. Esse profissional é requisitado, também, por empresas prestadoras de serviços para gerenciar a seleção de pessoal, definir funções e planejar escalas de trabalho.

Função do Engenheiro de Produção

O engenheiro de produção se envolve em todas as etapas do empreendimento de uma empresa.

Sua principal função é aumentar a produtividade.

Ele seleciona matérias-primas, mão-de-obra e maquinário, organizando o processo de produção.

Pode se envolver com as áreas de finanças, analisando a utilização dos recursos financeiros. A logística, que envolve armazenamento, transporte e distribuição, também é de sua alçada.

O setor de marketing e vendas é outra vertente de seu trabalho.

A profissão

Peça fundamental em empresas de quase todos os setores, o engenheiro de produção une conhecimentos de administração, economia e engenharia para racionalizar o trabalho, aperfeiçoar técnicas de produção e organizar as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização.

É ele quem define como integrar mão-de-obra, equipamentos e matérias-primas de forma a melhorar a qualidade e aumentar a produtividade. Por atuar como elo entre os setores técnicos e administrativos, seu campo de trabalho ultrapassa os limites das indústrias.

O especialista em economia empresarial, por exemplo, tem sido contratado por bancos para montar carteiras de investimentos, e muitos são requisitados por empresas prestadoras de serviços para gerenciar a seleção de pessoal, definir funções e planejar escalas de trabalho.

Para atuar na profissão é necessário o registro no Crea.

Características que ajudam na profissão

Facilidade de lidar com números,
Cálculos e estatísticas,
Capacidade de análise,
Organização,
Senso de observação,
Meticulosidade.

O profissional

O engenheiro de produção dedica-se ao projeto, à implantação, à melhoria e à manutenção de sistemas produtivos integrados, de bens e serviços, que envolvem pessoas, materiais, tecnologias, informações e energia. Dedica-se, também, à especificação, previsão e avaliação dos resultados obtidos por esses sistemas, recorrendo a conhecimentos especializados em matemática, física, engenharia do produto, gerência da inovação e do projeto, engenharia da qualidade, pesquisa operacional, gerência de produção, sistemas de informação, engenharia ambiental, ergonomia e segurança do trabalho, engenharia econômica e estratégias e organização.

Perfil do profissional

O engenheiro de produção é um profissional adequado a participar das atividades de projeto, implantação e manutenção de sistemas. A engenharia de produção é responsável pela integração de processos produtivos, permitindo a perfeita coordenação de tarefas de responsabilidades técnica e administrativa.

Esse profissional é capacitado a trabalhar em diversos ramos, como produção, administração e finanças, entre outros. Ele atua como um canal de integração entre os sistemas técnicos (engenharias) e a área administrativa da empresa, o que facilita a criação e a administração de novos produtos e serviços.

Além disso, ele deve apresentar as seguintes características:

Agilidade
Atenção a detalhes
Concentração
Boa comunicação
Capacidade de decisão
Capacidade de resolver problemas práticos
Criatividade
Curiosidade
Espírito empreendedor
Gosto pela pesquisa
Iniciativa
Bom raciocínio abstrato e espacial
Interesse em projetar coisas novas
Interesse por ciências e novas tecnologias
Curiosidade pelo funcionamento das coisas

Aptidões Desejáveis

Exige-se habilidade numérica, já que as atividades do engenheiro de produção envolvem cálculos de produção, desempenho de máquinas e equipamentos, e para isso é preciso aplicação de estatísticas e cálculos matemáticos.

História da Profissão

Os primeiros Engenheiros de Produção de que se tem notícia surgiram nos EUA entre 1882 e 1912, com o chamado movimento "Scientific Management" (Administração Científica) preconizado por F.W. Taylor, Frank e Lillian Gilbreth, H.L. Gantt, dentre outros. Com o advento da produção em massa, difundida por Henry Ford, os Engenheiros de Produção passam a exercer papel fundamental no processo produtivo, uma vez que a eles competiam a idealização e a regência de todas atividades produtivas dos trabalhadores no chão de fábrica visando a obtenção do produto final

No Brasil, a Engenharia de Produção foi introduzida em 1959 pela Escola Politécnica da USP tendo como cenário o forte processo de industrialização vivido pelo país na época, mais particularmente com a instalação das indústrias automobilísticas na região do ABC paulista.

Com a evolução dos sistemas produtivos, desde sua origem, na produção artesanal, passando pela produção em massa durante boa parte do século passado, até os dias atuais com a difusão da produção enxuta e das filosofias japonesas, o Engenheiro de Produção foi se adequando às demandas impostas pela sociedade capitalista ao longo dessa linha do tempo. Hoje, a preocupação do Engenheiro de Produção não centra-se somente na gestão e na otimização dos processos produtivos, objetivando continuamente ganho em produtividade (como na época de Ford), mas também no mercado de consumo, na logística empresarial, no avanço tecnológico, na qualidade dos produtos e serviços, no impacto ambiental e social de se produzir, na competitividade internacional, e principalmente no foco no cliente e no negócio.

O curso

O profissional desta área reúne conhecimentos em administração, economia e engenharia para racionalizar o trabalho, aperfeiçoar técnicas de produção e ordenar as atividades financeiras, logísticas e comerciais de uma organização. Por atuar como elo entre o setor técnico e o administrativo, seu campo de trabalho ultrapassa os limites da indústria.

No começo, o curso enfoca as disciplinas básicas de engenharia, com bastante cálculo, como matemática, física, química e informática. Depois entram as matérias específicas de produção, como gestão de investimentos, organização do trabalho e economia e estratégia de empresas. Nos últimos anos acrescentam-se as de sociais aplicadas, como administração e economia, e na etapa final, o aluno começa o estudo específico da habilitação escolhida. Para se diplomar, é preciso fazer estágio e apresentar uma monografia. Várias escolas oferecem o curso voltado para alguma habilitação específica, como mecânica ou civil.

Perfil do curso

Forma profissionais para trabalhar no aperfeiçoamento e implantação de sistemas integrados de homens, materiais e equipamentos, baseando-se em conhecimentos especializados das ciências básicas e aplicadas, em conjunto com os princípios e métodos de análise e de projeto. É considerada uma área multidisciplinar de todas as engenharias.

Mercado de Trabalho

Industrial: Atua principalmente no Planejamento e Controle da Produção, na Gestão da Qualidade, na Pesquisa e Desenvolvimento de Novos Produtos, na Gestão dos Processos Produtivos, no Planejamento Financeiro, no Estudo de Viabilidades, na Logística Empresarial etc., tendendo a ocupar, com o tempo, altos cargos de natureza gerencial;
Serviços:
Atua em consultorias empresariais, empresas de transportes e distribuição, empresas de prestação de serviços em geral, hotéis, bancos etc.
Serviços:
atua em consultorias empresariais, empresas de transportes e distribuição, empresas de prestação de serviços em geral, hotéis, bancos etc.
Agroindustrial:
É habilitado a participar das várias fases do processo produtivo primário, mas atua principalmente na área de Logística.
Comércio:
Devido à sua formação de caráter generalista e sua forte visão de negócios, é também atuante no setor comercial, onde se destaca pelo Empreendedorismo.
Mercado Financeiro (Bolsa de Valores, BM&F):
Atua no setor, principalmente agregando seus conhecimentos de Engenharia Econômica, Análise/Viabilidade de Projetos e Macro/Micro Economia.

Aspectos Favoráveis da Carreira de Engenheiro de Produção

Como os Engenheiros de produção são profissionais versáteis e atuam fazendo a ponte entre diversos outros engenheiros e a administração, o campo de atuação para a engenharia de produção vem crescendo bastante nos ultimos anos com a modernização do país.

Aspectos Desfavoráveis da Carreira em Engenharia de Produção

O aspecto negativo dessa carreira é o alto nível de stress muitas vezes gerado por ter que conciliar engenharia e administração, áreas que muitas vezes tem interesses totalmente conflitantes.

Campos de Atuação

Empresas do setor industrial e/ou de serviços, públicas ou privadas, nas seguintes áreas:

GESTÃO DA PRODUÇÃO: Planejamento e Controle da Produção; Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos; Arranjo físico de Máquinas, Equipamentos e Instalações; Projeto de Fábrica e de Instalações Industriais; Gestão da Manutenção; Simulação da Produção; Planejamento de Processos Produtivos.
GESTÃO DA QUALIDADE:
Controle Estatístico da Qualidade; Normalização e Certificação para a Qualidade; Organização Metrológica da Qualidade; Confiabilidade de Equipamentos, Máquinas e Produtos; Qualidade em Serviços.
GESTÃO ECONÔMICA:
Engenharia Econômica; Gestão de Custos; Gestão Financeira de Projetos; Gestão de Investimentos.
ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO:
Organização do Trabalho; Psicologia do Trabalho; Biomecânica Ocupacional; Segurança do Trabalho; Análise e Prevenção de Riscos de Acidentes; Ergonomia; Ergonomia do Produto; Ergonomia do Processo.
GESTÃO DO PRODUTO:
Pesquisa de Mercado; Planejamento do Produto; Metodologia de Projeto do Produto; Engenharia de Produto; Marketing do Produto.
PESQUISA OPERACIONAL:
Programação Matemática; Processos Estocásticos; Simulação; Teoria da Decisão e Teoria dos Jogos; Análise de Demandas por Produtos.
GESTÃO ESTRATÉGICA E ORGANIZACIONAL:
Avaliação de Mercado; Planejamento Estratégico; Estratégias de Produção; Empreendedorismo; Organização Industrial; Estratégia de Marketing; Redes de Empresas e Gestão da Cadeia Produtiva.
GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL:
Gestão de Pessoas, Gestão da Inovação; Gestão da Tecnologia; Gestão da Informação de Produção; Sistemas de Informações de Gestão; Sistemas de Apoio à Decisão.
GESTÃO AMBIENTAL:
Gestão de Recursos Naturais; Gestão Energética; Gestão de Resíduos Industriais.
EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO:
Estudo do Ensino de Engenharia de Produção; Estudo do Desenvolvimento e Aplicação da Pesquisa em Engenharia de Produção; Estudo da Prática Profissional em Engenharia de Produção.

Duração média do curso: 05 anos.

Engenharia de Produção - Profissão

O objetivo da profissão é realizar e planejar a produção industrial com qualidade, promover a expansão do consumo e reduzir os custos das mercadorias e serviços.É sua responsabilidade gerir a produção, criar e aperfeiçoar métodos. É importante que a pessoa que optar por fazer esse curso fale inglês pelo fato de ser um idioma extremamente comercial, porém no ramo da engenharia o francês e o alemão são as línguas que melhor representam a profissão.

As atividades relacionadas são:

Efetuar a programação e controle da produção através do acompanhamento e supervisão das operações de materiais e equipamentos, projetar novos produtos e planejar instalação nas fábricas, gerenciar e aprimorar métodos de fabricação e as relações humanas no trabalho, administrar os recursos disponíveis na busca da produtividade e qualidade nos processos industriais, planejar e reduzir a ociosidade das máquinas na empresa minimizando os custos, auxiliar na seleção e treinamento do pessoal técnico, calcular custos de produção, calcular previsão de venda e determinar o melhor meio de aplicar o capital da empresa.

O profissional dessa área pode fazer especialização na área de Economia empresarial, Engenharia do trabalho, Desenvolvimento organizacional, Planejamento e controle.

Tipos de Curso

a) Nível Superior

Bacharelado

O curso é dividido em 3 partes, sendo que na primeira parte o aluno aprende matérias básicas da engenharia como cálculo, matemática, química, física e informática. Na segunda parte do curso o aluno serão aplicadas matérias relacionadas com produção. No final do curso, ou seja, na terceira parte serão aplicadas matérias como administração, logística e economia acompanhadas da tese de conclusão de curso ( TCC ). A duração média do curso é de 5 anos, porém em algumas instituições pode chegar a 6 anos.

Não existem cursos técnicos de engenharia de produção reconhecidos e cadastrados no MEC, apenas os superiores tradicionais e as especializações que podem ser feitas após a formação acadêmica.

Mercado de Trabalho

O mercado de trabalho da área de engenharia de produção esta sempre em busca de profissionais atualizados, que consigam tomar decisões importantes em nome da empresa em que trabalham. Tanto que hoje em dia é comum ver no posto de presidente institucional ou diretor de empresas pessoas formadas em engenharia de produção.

O engenheiro de produção está capacitado a atuar em indústrias de um modo geral como elétricas, eletrônicas, químicas, farmacêuticas, em empresas de prestação de serviços como hospitais, bancos, seguradoras
Atualmente o campo de trabalho é ótimo para este profissional desde que a globalização da economia a cada dia que passa implica numa demanda cada vez maior deste tipo de mão de obra.

Com a informatização do setor industrial, foi aberto o campo para estas engenharias atuarem no desenvolvimento de softwares específicos para a área.

Ofertas de Emprego

Os campos que mais contratam este profissional são os de alimentos e bebidas, cigarros, automobilística, indústria financeira e eletrônica. Porém o que oferece melhor remuneração é o segmento da indústria financeira onde o engenheiro de produção atua na gestão de carteiras e análise de investimentos de clientes bancários.

Outros dois ramos são: o mercado acionário e o de transporte. Com destaque para as concessionárias que administram rodovias. Com a descentralização industrial, o engenheiro de produção tem chances de colocação em todo o país, mas as melhores oportunidades estão no sudeste e na região sul do Brasil. Dentro dessa região 50% estão no estado de São Paulo. No Nordeste também existem boas ofertas de emprego tendo como destaque o pólo têxtil do Ceará.

Fonte: www.uniara.com.br/www.ugf.br/www.uerj.br/www.cursocerto.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal