Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Escabiose ou Sarna  Voltar

Escabiose ou Sarna

 

 

O que é escabiose?

A escabiose (também conhecida como sarna) é uma reação comum da pele acompanhada por prurido (coceira) causada por um ácaro parasita, o Sarcoptes scabiei, que afeta apenas seres humanos. O ácaro é muito pequeno e só pode ser visto com o auxílio de um microscópio.

A fêmea do ácaro se enterra sob a pele para se alimentar e depositar seus ovos. Esses parasitas não conseguem saltar nem voar.

Na maioria dos casos, não conseguem sobreviver mais do que três dias fora do organismo. Uma pessoa infestada tem, geralmente, 10 a 15 ácaros em seu corpo.

A escabiose existe no mundo todo e afeta pessoas de todas as raças e classes sociais.

Quais são os sintomas da escabiose?

Os sintomas incluem uma erupção cutânea que provoca coceira intensa acompanhada de pequenos nódulos (bolinhas) vermelhos e túneis que têm a aparência de linhas finas, onduladas, brancas ou acinzentadas. As erupções e os túneis aparecem, geralmente, entre os dedos das mãos, ao redor dos pulsos e cotovelos, nas axilas e ao redor da cintura, embora a escabiose possa também se localizar em outras áreas do corpo. Em bebês e crianças pequenas, as regiões da cabeça, pescoço, palmas das mãos e solas dos pés também podem ser afetadas.

A erupção provoca muita coceira, em especial à noite. A coceira pode ser causada por uma reação alérgica ao ácaro, a seus ovos ou dejetos. Os ácaros não são por si só perigosos, mas as pessoas ao se coçarem podem provocar o aparecimento de infecções secundárias por bactérias, que às vezes são perigosas.

Os sintomas da escabiose podem ocorrer entre duas e seis semanas após o contato com uma pessoa infestada ou com seus objetos pessoais. As pessoas que já tiveram escabiose no passado poderão desenvolver os sintomas poucos dias após a exposição porque já foram sensibilizadas pelos ácaros.

Seus sintomas poderão também ser mais leves.

Como é transmitida a escabiose?

A escabiose é transmitida pelo contato direto da pele com a pele de uma pessoa infestada por carrapatos ou pelo contato da pele com as roupas pessoais ou de cama de pessoas infestadas. A exposição é mais comum em casas de repouso, asilos de velhos, hospitais e creches. A escabiose também pode ser transmitida no ambiente domiciliar e por contato sexual. Os ácaros podem se enterrar sob a pele em alguns minutos. A transmissão pode ocorrer durante todo o período da infestação e até que todos os ácaros e seus ovos tenham sido destruídos por tratamento.

Como a escabiose é diagnosticada?

Se suspeitar de uma infestação por ácaros, procure seu provedor de serviços da saúde. Ele/ela poderá diagnosticar a escabiose ao examinar os túneis ou a erupção e poderá também obter um raspado da pele para procurar os ácaros, seus ovos ou fezes.

Como a escabiose é tratada?

Para o tratamento da escabiose, o médico poderá receitar uma loção apropriada para ser aplicada à pele.

Existem vários tipos de loções no mercado que devem ser aplicadas conforme as instruções fornecidas.

Poderá ser receitado um segundo tratamento 7 a 10 dias após os primeiro, conforme o tipo de loção aplicada e a intensidade da infestação. O médico poderá optar pelo tratamento de todos os membros do domicílio ao mesmo tempo, para evitar a transmissão e reinfestação.

A erupção e o prurido poderão continuar por algum tempo após o tratamento, mas isto não significa que o tratamento não funcionou. Esses sintomas podem perdurar várias semanas após o tratamento. O médico poderá receitar um medicamento para aliviar a coceira.

Todas as roupas, especialmente as roupas de baixo e de dormir, as roupas de cama e toalhas que estiveram em contato com a pele da pessoa infestada nas últimas 48 horas antes do tratamento devem ser lavadas em máquina de lavar roupas, com água quente e detergente, e secadas em secadora com ar quente.

Todos os objetos que não podem ser lavados, como brinquedos de pelúcia e travesseiros, devem ser mantidos em sacos plásticos bem fechados durante 14 dias antes de usá-los novamente. Isto acarretará a morte de todos os ácaros que estejam nesses objetos. Os carpetes e móveis estofados devem ser limpos cuidadosamente com aspirador de pó.

Verifique se seus amigos/colegas, familiares/pessoas que vivem no mesmo domicílio ou parceiros sexuais demonstram sinais da infestação. Aqueles que tiveram contato direto, pele contra pele, deverão ser tratados para prevenir o desenvolvimento da escabiose.

Como é possível evitar a escabiose?

Evite o contato direto da pele com a pele de qualquer pessoa que recebeu recentemente um diagnóstico de escabiose e não use as roupas pessoais, roupas de cama ou toalhas dela. As crianças que receberam diagnóstico de escabiose não devem voltar à escola até serem tratadas.

O que é a sarna norueguesa?

A sarna norueguesa (também conhecida como escabiose norueguesa ou escabiose crostosa) é o nome dado a um tipo muito sério de escabiose (causada pelo mesmo ácaro).

Trata-se de uma infestação rara que causa feridas com crostas espalhadas por grande parte do corpo.

As pessoas com o sistema imunológico debilitado, os idosos e aqueles que não apresentam pruridos durante a escabiose têm maior probabilidade de apresentar a sarna norueguesa.

As pessoas com sarna norueguesa têm maior probabilidade de transmitir os ácaros por serem portadores de um grande número desses parasitas e pela ampla contaminação de suas roupas de cama, vestuários e objetos com que entram em contato.

Fonte: www.mass.gov

Escabiose ou Sarna

1- O que é a escabiose ou sarna ?

A escabiose ou sarna é uma parasitose da pele, causada pelos ácaros do gênero Sarcoptes, bastante comum no nosso meio, que se infiltram na camada epidérmica da pele. Os parasitas pertencem à sub-ordem Astigmata ou Sarcoptiformes, sendo da família Sarcoptidae. (NEVES, 1995)

2- Quais os tipos de parasitas existentes ?

A escabiose pode ocorrer tanto em humanos quanto em animais. Dentre as variedades de Sarcoptes scabiei, temos a hominis ( que causa sarna no homem) e a canis (que causa sarna em cães) . (NEVES, 1995).

Os Sarcoptes scabiei são ácaros pequenos, esbranquiçados, de corpo mole, ovóide e estriado. As fêmeas medem em torno de 0,4 mm de comprimento por cerca de 0,3 mm de largura, e os machos são pouco menores.

3- Quais as formas de transmissão da escabiose ?

O parasitismo é contraído pelo contato entre pessoas sadias e infectadas, principalmente pela coabitação, intimidade, entre indivíduos que ocupam o mesmo leito ou até mesmo com o uso da mesma toalha.

Como o Sarcoptes scabiei pode sobreviver durante alguns dias no meio ambiente, a sarna pode ser contraída em pessoas que entrem em contato com os locais anteriormente usados pelos doentes, nas casas, hotéis e hospitais; por exemplo, quando se sentam em sofás ou se deitam em camas anteriormente usados por eles.( NEVES, 1995 & REY, 1991).

4- Como ocorre a infestação da pele pelos parasitas?

O ataque da sarna caracteriza-se por erupções da pele. O ácaro macho vive na superfície da pele, a fêmea fecundada se introduz abaixo da camada córnea da epiderme e escava uma minúscula galeria e vai deixando atras de si um rastro de ovos. O macho morre após a cópula, mas a fêmea deposita dois a três ovos diariamente durante quase dois meses. Terminada a desova, morre no final da galeria, formando nesta zona um pequeno abaulamento denominada eminência acariana ou vesícula perolada.

O período de incubação dura de três a cinco dias, quando eclodem as "larvas hexápodas". Estas permanecem nas galerias ou saem à superfície da pele onde ficam nas crostas que recobrem as galerias. Em um desses pontos, elas se alimentam, sofrem mudas e transformam-se em "ninfas octópodas"; oito a dez dias após transformam-se em machos e fêmeas, ocorre a cópula e as fêmeas iniciam novas galerias ou túneis. O ciclo do ovo, até as fêmeas gravidas demora cerca de vinte dias.

5- Durante quanto tempo os ácaros podem sobreviver ?

A longevidade dos adultos é de três meses para as fêmeas e dois para os machos. Em três a quatro meses a população pode atingir cinqüenta a quinhentos ácaros, caindo em seguida para uma dezena ou menos. Fora do corpo do hospedeiro pode viver até vinte e um dias, dependendo da temperatura e do grau de humidade. (NEVES, 1995 & REY, 1991)

6- O que pode contribuir para a doença?

Antigamente, a sarna era muito comum entre a população. Na década de 50 e 60 houve um declínio acentuado da sarna devido o aparecimento de medicamentos eficazes e uma melhor higienização da população. Entretanto, a partir da década de 70 ela reapareceu com grande intensidade, no mundo todo, inclusive no Brasil. As principais razões foram o aumento populacional, facilitando o maior contato em ambiente coletivo, promiscuidade sexual e mudança no comportamento humano em geral.(NEVES, 1995 & ROZENFELD, 1992/1993).

7- Quais os os sinais e sintomas da escabiose?

O aparecimento dos sintomas transcorre de dez a trinta dias após o contágio. O sintoma característico da sarna é o prurido, que ocorre quase que exclusivamente à noite.

As lesões que o ácaro provoca na pele são difíceis de perceber, pois a galeria que a fêmea escava é sempre menor que 1 cm de comprimento. E, a vesícula perolada, na extremidade da galeria, tem a elevação do tamanho de uma cabeça de alfinete.

As lesões podem ocorrer em qualquer lugar da superfície cutânea, exceto o rosto e couro cabeludo, preferencialmente em lugares úmidos , tais como os que se encontram no espaço interdigitais das mãos, sob os dedos dos pés, no punho, tornozelos, cotovelo, parte anterior das axilas, mamilos, orgão genitais masculinos e nádegas.(REY,1991)

As crianças têm mais predisposição para contraí-la pois os parasitas penetram com mais facilidade na pele mais fina.
O diagnóstico é feito pelo exame cuidadoso da pele, procurando pelos túneis dos parasitas, e , pela detecção do ácaro em escoriações da pele.

8- Quais os tipos de medicamentos utilizados no tratamento da escabiose ?

O tratamento medicamentoso da escabiose é importante porque quando a doença persiste durante muito tempo sem tratamento, aparecem eczemas e infecções cutâneas.

O tratamento é simples. Deve-se aplicar inseticidas em preparações farmacêuticas sob a forma líquida, pomada e sabonete. Os medicamentos à base de benzoato de benzila, rotenona, enxofre e permetrina não destroem os ovos, e algumas vezes devem ser aplicados novamente para erradicar o parasitismo.

Os medicamentos contendo lindano ou BHC na proporção de 1% atingem todas as formas, inclusive ovos. (KOROLKOVAS,1997).
No caso de infecção secundária ou formação de eczemas estas devem ser tratadas antes de se usar os escabicidas.

9- Quais os tipos de medicamentos prescritos para o tratamento da escabiose?

Os medicamentos utilizados para o tratamento da sarna são:

Benzoato de benzila
Bioaletrina
Butóxido de piperonila
Deltametrina e permetrina
Lindano e BHC
Monossulfiram e monossulfeto de tetraetiltiuram

10- Quais os tipos de medicamentos que devem ser evitados para o tratamento da escabiose?

O BHC por ser considerado tóxico é totalmente contra indicado para crianças.(NEVES, 1995).

Lindano e BHC foram envolvidos em vários casos de anemia aplástica .( RUGMAN & COSSTICK,1990)

11- Qual o melhor medicamento para o tratamento da escabiose?

O benzoato de benzila é o medicamento mais indicado por apresentar menor índice de efeitos colaterais, desde que não haja infecções na pele. (KOROLKOVAS, 1997)

Loções de 26 a 30% são aplicadas a noite em todo o corpo a partir do pescoço em direção aos pés após um banho morno usando escova macia e sabão para remover os ácaros. O resíduo é lavado após 12 horas. A aplicação é repetida 24 horas após, e uma terceira aplicação é feita após uma semana .

Outro tratamento bem eficaz são as soluções/cremes de permetrina e deltametrina de 1 a 5% . São aplicadas como no caso do benzoato de benzila e deixados durante 12 horas antes da remoção do resíduo. Uma única aplicação mostrou ser capaz de erradicar os ácaros em 91% dos casos. ( HOGAN , D.J.& cols., 1991). Caso necessário repetir a aplicação 1-2 vezes em intervalos de uma semana.

O monossulfiram a 25% diluído também é utilizado como acima.

Em caso de alergia a permetrina/ deltametrina ou ao monossulfiram usa-se loções de lindano a 1%.

Mulheres grávidas e crianças podem usar o enxofre precipitado de 1-5% em creme Lanette por ser pouco irritante. Aplica-se a noite durante 10 dias removendo-se pela manhã com o banho diário.

12- Quais os efeitos colaterais dos medicamentos?

Pode aparecer efeitos adversos como irritação local, erupções cutânea, irritação ocular. No caso de absorção maior que o comum pode ocorrer vertigem, cefaléia, tontura, náuseas, vômitos e fadiga.

Ocorre interações medicamentosas com o uso do lindano juntamente com aplicações de cremes, loções, ungüentos ou óleos para a pele, no couro cabeludo ou no cabelo, podendo aumentar a absorção do lindano. O monossulfiram apresenta efeito tipo dissulfiram, devendo evitar o consumo de álcool 48 horas antes e depois do tratamento.

São os escabicidas contra indicados na gravidez, lactação, distúrbios convulsivos e hipersensibilidades a um dos componentes do medicamento.( KOROLKOVAS, 1997)

13- Como monitorizar o tratamento da escabiose?

Verificação do desaparecimento dos sintomas, como o prurido que apresenta uma caracterização marcante.
O prurido melhora em 24 horas, e a maioria dos pacientes não precisa de uma segunda aplicação.
Pode demorar uma semana ou duas até que o prurido desapareça devido as partes remanescentes dos ácaros na pele.

14- Durante quanto tempo deve ser feito o tratamento?

Os medicamentos são usados por até 3 vezes. Sob qualquer das formas o escabicida deve ser usado novamente uma semana após a primeira aplicação, para evitar possível reinfestação por permanência de ovos. (KOROLKOVAS, 1997)

15- Como evitar a infestação ?

Evitar contato com pessoas contaminadas, bem como permanecer em locais antes freqüentados por portadores da parasitose. Evitar intimidade com pessoas doentes, manter uma boa higiene pessoal. (NEVES,1995)

16- Quais os cuidados na administração do medicamento?

Seguir rigorosamente as instruções da limpeza corporal antes da aplicação dos medicamentos. Evitar coçar as erupções para prevenir infecções.

No caso do uso de soluções hidroalcoólicas de monossulfiram a 25%, estas deverão ser diluídas na hora do uso com água, longe do fogo. Diluir duas vezes o volume em água para uso em adultos e tres vezes para crianças.

17- Que métodos caseiros podem ajudar no tratamento da escabiose?

No tratamento desta ectoparasitose, além da administração de medicamentos devem ser adotadas as seguintes normas de higiene:

Ferver a roupa de cama e de uso pessoal, mantendo-as limpas.
Manter as unhas curtas e limpas.
Evitar exagero no coçar e colocar luvas de proteção nas crianças; (KOROLKOVAS, 1997)

18- Que orientações um farmacêutico daria a um portador de escabiose?

Orientar para procurar um dermatologista para avaliação da doença e do tratamento.
Fazer a anamnese farmacológica do cliente para verificação de alguma hipersensibilidade ao uso de algum componente do medicamento.
Pedir ao cliente para fazer uma boa higienização, lavar as roupas pessoais e de cama.
Orientar o paciente para evitar contatos íntimos para que não haja transmissão da parasitose.
Informar da necessidade de tratar os familiares também infectados,
Orientar para seguir o tratamento corretamente e repetí-lo depois de oito a quatorze dias para evitar a volta da parasitose.

Helen Cristina Gonçalves  

Luiz Henrique Santos  

Mirthes Garcez Patente

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1-HOGAN,D.J.; SCHACHNER,L. & TANGLERTSAMPAN, C. Diagnosis and treatment of childhood scabies and pediculosis Pediat. Clin. North. Am. 1991, 38:941-957.
2- KOROLKOVAS, A. Dicionário Terapêutico Guanabara 1996/1997. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.p. 19.7-19.9
3- NEVES, D. P..Parasitologia Humana. 9a ed. Belo Horizonte: Atheneu, 1995. p. 446-452 e 467-471.
4- REY, L. Parasitologia. 2a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991. p.657-659.
5- ROZENFIELD, S. & EDAIS PEPE, V. L. Guia Terapêutico Ambulatorial 1992/1993. Porto Alegre: Artes Médicas 1992. p. 129.
6-RUGMAN, F.P & COSSTICK, R. Aplastic anemia associated with organochloride pesticide: case reports and review of evidence. J.Clin. Pathol. 1990, 43;98-101.

Fonte: www.geocities.com

Escabiose ou Sarna

Escabiose Humana

Considerações Gerais e Agente etiológico

A Escabiose Humana ou Sarna é uma dermatose bastante pruriginosa, cujo agente etiológico é o ácaro Sarcoptes scabiei, variedade hominis.

Existem outras variedades,como: Sarcoptes scabiei hominis, Sarcoptes scabiei canis; Sarcoptes scabiei suis, etc.

Mas a variedade hominis é a exclusiva do homem. Seu ciclo vital leva cerca de 15 a 30 dias (2 a 4 semanas), e uma fêmea coloca, aproximadamente, 40 a 50 ovos, os quais, dentro de 3 a 5 dias, vão virar larvas, depois ninfas, até chegar a fase adulta.

Após a fecundação, a fêmea penetra na epiderme e faz um túnel subcórneo, caminhando cerca de 2 a 3 mm/dia abaixo da camada córnea e liberando substâncias tóxicas, com progressão geralmente noturna, o que caracteriza o intenso prurido predominantemente noturno, relatado pelos pacientes.

Transmissão

Seu contágio é direto, de pessoa para pessoa e se relaciona diretamente ao tamanho da população, promiscuidade, resistência, erros de tratamento e controle.

Sendo considerada endêmica e havendo, também, surtos epidêmicos (em creches, escolas, hospitais, etc.).

Clínica

A lesão típica da Escabiose é um túnel pequeno (de 5 - 15 mm), muito pruriginoso, caracterizado pela presença de pápulas (pequenas elevaçãoes), da cor da pele ou cinza-claras. Em cima dessas pápulas, ou seja, nas suas extremidades, formam-se pequenas vesículas, as quais recebem a denominação de "eminência acarina". Muitas vezes, o paciente tira essa vesícula quando coça, causando escoriações. Isso é importante na procura do parasita, porque é nesse tipo de lesão que devemos procurá-lo, ou seja, fazer a coleta de material para exame (escarificação)

A localização é muito característica: dedos, pregas interdigitais, punhos, cotovelos, axilas, região mamária (principalmente ao redor dos mamilos), ao redor do umbigo, nádegas e hipogástrio. Em criaças, existem manifestações peculiares, como couro cabeludo, palmas e plantas e, em crianças muito pequenas (que não sabem coçar) exitem lesões nos tornozelos, visto que ficam esfregando um pé no outro, pelo prurido.

Podem ser encontradas, então, pápulas, vesículas, crostas, lesões urticariformes, escoriações, etc. Infecções secundárias também são bastante encontradas, porque a pessoa coça e , pela unha, acaba levando bactérias para dentro das lesões, fazendo infecção secundária.

Apresenta evolução crônica, visto que cada fêmea vai liberar cerca de 40 a 50 ovos e é preciso eliminar todos os ácaros para a cura. Mas, embora tenha uma evolução crônica, é uma doença que não mata, tem bom prognóstico

Diagnóstico

É basicamente clínico, quando se tem, por exemplo, pacientes com erupções papulosas, em locais característicos, geralmente simétricas, com prurido predominantemente noturno. Existe, também, a possibilidade de se fazer um diagnóstico laboratorial, baseado no achado do Sarcoptes Scabiei na eminência acarina. Isso é feito através de escarificação das lesões, ou seja, escarifica-se (com um alfinete, por exemplo) a região aonde existem lesões características, ou seja, aonde há a eminência acarina; coloca-se o material numa lâmina (clarificada com potássio, espera um pouco e coloca a lamínula) e pode-se ver ovos, ninfas ou Sarcoptes adultos, dependendo de sua fase de evolução.

Tratamento

Quando diagnosticamos um caso de escabiose, os outros componentes da família também devem ser examinados, porque todos os indivíduos acometidos devem ser tratados.

Troca de roupa de cama bem como das roupas do corpo durante o tratamento, não sendo necessário ferver as mesmas (orientar para que as roupas sejam bem lavadas e passadas com ferro bem quente).

Uso de Escabicidas (loções) por 3 noites seguidas, repetido após uma semana. Em adultos, a loção é passada por todo o corpo (do pescoço para baixo), durante a noite, retirando-se pela manhã (banho). Em crianças, para evitar que elas durmam com a loção, pode-se passar durante o dia e deixar por um período de 4 a 6 horas, após o qual se retira (banho).

Podem ser usado os sequintes Escabicidas: Benzoato de benzila - 25%; Monossulfiran - 25%; ; Deltametrina; Pasta d`água com enxofre - 5 a 10%, 2 a 3 vezes por dia (usada para crianças ou gestantes). Quando a infestação é muito intensa, pode-se utilizar medicação sistêmica (Tiabendazol sistêmico) e, atualmente, a ivermectina.

Sarna Norueguesa (ou Crostosa)

Existem formas peculiares de Escabiose.

Uma delas é a Sarna Norueguesa (Sarna ou Escabiose Crostosa), que se caracteriza pela presença de crostas, lesões crostosas, estratificadas, geralmente em eminências ósseas, e é muito contagiosa. Pode acometer face, unha, cabeça, palmas e plantas e geralmente acomete indivíduos com higiene precária (neuropatas, excepcionais, etc.) ou imunodeprimidos.

As complicações mais freqüentes são: Infecção Secundária e Glomerulonefrite.

Considerações Finais: Em crianças com escabiose, ocorrem, freqüentemente, infecções secundárias, como o impetigo. Nesse caso, deve-se tratar primeiro a infecção secundária, depois a escabiose, porque qualquer substância escabicida fará uma irritação muito grande, trazendo outros problemas e sendo mal aceito pelas crianças.

Na bolsa escrotal, podemos encontrar nódulos persistentes após o tratamento, extremamente pruriginosos, mas não adianta passar escabicida, porque não existem mais ácaros nessa região, havendo apenas uma reação alérgica persistente. O tratamento, então, é massagem com corticóide tópico ou infiltração intralesional de corticóide.

A Sarna Crostosa ou Norueguesa é altamente contagiosa e caracteriza-se pela presença de crostas, principalmente em eminências ósseas.

Fonte: www.medstudents.com.br

Escabiose ou Sarna

Introdução

A Sarna, conhecida cientificamente como Escabiose é uma infestação da pele causada por um ácaro (Sarcoptes Scabiei).

Escabiose ou Sarna
Sarcoptes Scabiei

O ácaro da sarna causa intenso prurido (coceira) e é contagioso.

Quando uma pessoa pega sarna, o ácaro macho não invade a pele; ele morre logo após a cópula. A fêmea fecundada penetra na camada córnea da pele e escava um túnel (à noite), onde deposita ovos por algumas semanas, e depois morre

Os ovos originam larvas hexápodes (com seis patas) que vêm à superfície e mudam para ninfas octópodes (oito patas) que originam ácaros adultos.

Após completar a maioridade, copulam, e produzem mais fêmeas grávidas que continuam a infestação de pele.

Os túneis de ácaro podem ser visíveis na pele de uma pessoa que tem sarna, embora a intensa coceira provoca arranhões que distorcem freqüentemente este desenho.

O ácaro da sarna pode ser transmitido através do contato direto de pele a pele com uma pessoa infectada ou por usar suas roupas, cobertores, roupas de cama, toalhas, ou tocar a mobília que a pessoa entrou em contato com a pele.

Como a sarna se espalha freqüentemente pelo contato físico íntimo da atividade sexual, ela é classificada como uma doença sexualmente transmissível (DST).

Porém, a sarna também pode ser passada de pessoa a pessoa em várias situações não sexuais nas quais as pessoas vivem confinadas, incluindo hospitais, casas de repouso, prisões, asilos, etc.

Qualquer um pode pegar sarna, inclusive médicos, pessoal de enfermagem, professores, crianças e pessoas idosas em cadeiras de rodas. Ter sarna não é um sinal que alguém esteja sujo, descuidado ou sexualmente promíscuo.

No mundo inteiro, aproximadamente 300 milhões de novos casos de sarna acontecem a cada ano em homens, mulheres e crianças de todas as idades e raças.

Grupos que são especialmente vulneráveis a pegar sarna incluem:

Pessoas que têm vários parceiros sexuais
Qualquer um que viva em condições de superlotação
Pacientes e trabalhadores na área de cuidados de saúde - em hospitais, creches e casas de repouso.
Estudantes, professores e voluntários em centros de ajuda.
Pessoas que vivem ou trabalham em instituições ou prisões.

Pacientes cujos sistemas imunes estejam debilitados por doenças (HIV, transplante de órgão, certos tipos de câncer) ou em uso de medicamentos imunossupressores.

Quadro Clínico

Os sintomas da escabiose (sarna) incluem:

Intensa coceira

A coceira é freqüentemente pior à noite, e pode envolver qualquer parte da pele, não só áreas que têm erupção cutânea ou nódulos.

Erupção cutânea (feridas)

A erupção cutânea da sarna afeta tipicamente as seguintes superfícies da pele: as mãos, especialmente a pele da palma da mão, entre os dedos; as dobras de pele como pulsos, joelhos, cotovelos, axilas, cintura, nádegas, a genitália; os seios, especialmente a área escura ao redor do mamilo; e as costas.

Nos adultos e crianças mais velhas, a erupção cutânea da sarna freqüentemente se parece com minúsculos inchaços vermelhos que são semelhantes a pequenas mordidas de inseto.

Em crianças pequenas, ela pode aparecer como vesículas minúsculas (pequenas bolhas cheias de líquido). Além disso, a erupção cutânea pode estender-se ao pescoço, cabeça, palmas das mãos, e solas dos pés em bebês abaixo dos 2 anos. (veja figura abaixo)

Nódulos vermelhos ou marrons

Em alguns casos, uma pessoa com sarna desenvolve nódulos na pele no lugar de uma erupção cutânea. Estes nódulos podem ter a largura de até 5 milímetros e normalmente acontecem na pele que está coberta pela roupa, como o tronco e a parte superior das pernas.

Os sintomas da escabiose fazem parte da reação do sistema imunológico (de defesa) contra o ácaro da sarna e seus produtos de degradação (depois de mortos). Esta reação normalmente leva algumas semanas para se desenvolver em pessoas que nunca tiveram sarna antes.

Por isto, pessoas com seu primeiro episódio de sarna podem não desenvolver uma erupção cutânea importante até duas ou seis semanas depois do começo da infestação da pele.

Porém, em pessoas que tiveram episódios anteriores de sarna, a reação é ativada no corpo mais cedo, assim a coceira e a erupção cutânea freqüentemente começam dentro de um a quatro dias.

Diagnóstico

A sarna é uma doença muito contagiosa que pode se espalhar para outros membros da família e outras pessoas que têm contato físico com o paciente. Por isto você nunca deve se auto-diagnosticar (achar que tem a doença sozinho). Você deve ser examinado por um profissional.

Depois de rever seus sintomas e seus fatores de risco (contato sexual, condições de vida, ambiente de trabalho de alto risco, etc), seu médico examinará sua pele.

Freqüentemente, o diagnóstico é feito baseado nos resultados do exame físico da pele e pela informação de contato com paciente com sarna.

O médico irá procurar inchaços entre os dedos das mãos e dos pés. Ele também pode raspar suavemente uma área da erupção cutânea para procurar os ácaros ou seus ovos.

Prevenção

Para ajudar a prevenir a sarna:

Evite compartilhar roupas e toalhas.
Se sua criança for para lugares em que vá passar a noite como os acampamentos, providencie um saco de dormir, travesseiro, e um cobertor próprios.
Se alguém em sua casa foi diagnosticado com sarna, lave em separado suas roupas de vestir, a roupa de cama e as toalhas em água quente e seque estes artigos em uma secadora no módulo quente. Isto deve matar todos os ácaros e seus ovos. Roupas que não possam ser lavadas devem ser marcadas e armazenadas durante aproximadamente uma semana, tendo em vista que os ácaros morrem dentro de um a quatro dias sem contato com a pele humana.

Tratamento

Seu médico pode tratar a sarna com vários medicamentos tópicos (aplicados à pele):

Lindano (hexaclorogamabenzeno): loção 1%, corpotodo, 10-12 h, repetir após 24 h (Kwell)
Permetrina:
creme 5% - pode ser usado em gestantes, mães em aleitamento e doentes com muita escoriação (por ser atóxico)
Enxofre precipitado:
5% em vaselina ou pasta dágua por 3 dias, mais usado em crianças (pouco irritativo)
Monossulfiram:
diluído em água por 3 dias
Bezoato de benzila:
loção 25% por 3 dias

A escolha de um medicamento específico é influenciada pela idade de uma pessoa, pela gravidez, pela presença de condições adversas na pele co-existentes e pela história clínica.

Para ajudar a controlar a coceira, podem ser aplicados agentes tópicos simples como a loção de calamina. Se a coceira mantém você acordado sem poder dormir, o diphenhydramine (Benadryl) tomado por boca pode ser aconselhado.

Devem ser tratados todos os parceiros sexuais, familiares e pessoas que tenham contato freqüente com o paciente com sarna para impedir a infestação, até mesmo se eles não têm nenhum sintoma.

Qual médico procurar?

Procure um dermatologista se você tiver sintomas de sarna ou se você foi exposto a alguém com a doença.

Além disso, marque uma consulta com seu médico se você foi diagnosticado com sarna e seus sintomas não melhoraram significativamente após uma semana de término do tratamento.

Prognóstico

Se você seguir as orientações de seu médico e usar o medicamento para a sarna, o prognóstico é excelente. Na maioria dos casos, você deixa de ser contagioso dentro de 24 horas, e seus principais sintomas devem melhorar significativamente dentro de dois dias.

Fonte: www.policlin.com.br

Escabiose ou Sarna

NOME POPULAR: A escabiose humana é comumente conhecida como SARNA.

O QUE É?

Causada pelo ácaro Sarcoptes Scabiei

TRANSMISSÃO

A transmissão ocorre por contato pessoal, e também pelo compartilhamento de roupas de cama e de colchões infectados pelos parasitas causadores da doença.

A sarna não escolhe sexo, raça ou idade.A falta de higiene pessoal e habitacional facilita a proliferação dos parasitas.

SINTOMAS

O principal sintoma é a coceira, que em geral é intensa e bastante incômoda, sendo referida com mais freqüência durante a noite.

As regiões mais atingidas são as dobras do corpo(espaços entre os dedos, axilas, dobras dos braços, atrás dos joelhos e orelhas, a cintura, as nádegas, embaixo das mamas, genitais, pescoço, pés).O quadro pode complicar-se com infecções secundárias na pele devidas principalmente, ao ato de se coçar com as unhas sujas.

TRATAMENTO

Existem loções de pele específicas para escabiose e podem também ser usadas medicações específicas para o alívio da coceira, devendo ser indicadas somente por um médico.

As roupas de uso diário e as roupas de cama devem ser trocadas todos os dias, colocadas para lavar e passar a ferro.Todas as pessoas da casa que tiverem qualquer tipo de coceira devem se tratar ao mesmo tempo, para evitar a recontaminação.As unhas devem ser escovadas com sabonetes acaricidas para a retirada de parasitas ali depositados pelo ato de coçar.

PREVENÇÃO

Para evitar a doença não use roupas pessoais, roupas de cama ou toalhas emprestadas, evite aglomerações ou contato íntimo com pessoas de hábitos higiênicos duvidosos.

Em pessoas com bons hábitos higiênicos, a sarna pode ser confundida com outras doenças que causam coceira, devendo o diagnóstico correto ser realizado por um médico dermatologista que indicará o tratamento ideal para cada caso.

Fonte: www.hospitalespanhol.com.br

Escabiose ou Sarna

Escabiose ou Sarna
Escabiose ou Sarna

Também conhecida como sarna, é uma erupção muito pruriginosa (coceira intensa), altamente transmissível ao contato direto ou por roupas, lençóis, etc, causado por um ácaro muito pequeno, chamado Sarcoptes scabiei var. hominis.

O período de incubação, isto é, o tempo decorrente entre a contaminação e o aparecimento das lesões e da coceira, é em média de 3(três) semanas.

As lesões tipicamente se distribuem em áreas de dobras da pele, como entre os dedos, axilas, regiões inguinais, e também nas mamas, baixo ventre e nádegas.

São lesões pequenas, que coçam intensamente, a ponto de formar escoriações (arranhões lineares) que demonstram a ação das unhas sobre a pele.

Geralmente, pele facilidade de contágio, mais de uma pessoa apresenta os sintomas dentro do círculo familiar. Outra característica importante é a exacerbação da coceira durante o período em que a pessoa está deitada, à noitinha ou pela manhã.

Fonte: www.saude.rj.gov.br

Escabiose ou Sarna

A escabiose (sarna) é uma infestação por ácaros que produz diminutas pápulas avermelhadas e um prurido intenso.

A sarna é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei. A infestação é facilmente transmitida de pessoa para pessoa através do contato físico, freqüen-temente afetando toda a família.

Os á caros, que são dificilmente observados a olho nu, com freqüência se disseminam quando as pessoas dormem juntas. Raramente, os ácaros podem disseminar-se através de vestimentas, de roupas de cama e de outros objetos compartilhados. A sua sobrevida é curta e a lavagem normal das roupas os destrói.

O ácaro-fêmea cava túneis sob a camada superior da pele e deposita seus ovos nessas escavações. Após poucos dias, os ácaros jovens (larvas) eclodem. A infecção causa um prurido intenso, provavelmente em decorrência de uma reação alérgica aos ácaros.

Sintomas

A principal característica da escabiose é o prurido intenso que comumente piora à noite. As escavações dos ácaros aparecem como linhas ondulosas de até 1,5 cm de comprimento que, algumas vezes, apresenta uma pequena pápula em uma extremidade.

As escavações são mais comuns e o prurido é mais intenso nas membranas interdigitais dos dedos das mãos, nos punhos, nos cotovelos, nas axilas, em torno dos mamilos das mamas das mulheres, nos órgãos genitais dos homens (órgão genital masculino e bolsa escrotal), ao longo da linha da cintura e sobre a parte inferior das nádegas.

A face raramente é infectada, exceto em crianças pequenas, nas quais as lesões podem parecer bolhas cheias de água. Com o passar do tempo, as escavações tornam-se difíceis de serem visualizadas porque elas são mascaradas pela inflamação provocada pelo coçar.

Diagnóstico e Tratamento

Geralmente, a combinação do prurido e das escavações é suficiente para o médico estabelecer o diagnóstico de escabiose.

No entanto, ele pode realizar um raspado das escavações, examinando o material ao microscópio para confirmar a presença de ácaros.

A escabiose pode ser curada com a aplicação de um creme contendo permetrina ou uma solução de lindano.

Estes dois produtos são eficazes, mas o lindano tende a irritar a pele, é mais tóxico e não é adequado para ser utilizado em crianças pequenas.

Alguns ácaros que causam a escabiose tornaram-se resistentes à permetrina. Algumas vezes, um creme contendo corticosteróides (p.ex., hidrocortisona) é utilizado durante alguns dias após o tratamento com permetrina ou com lindano para reduzir o prurido até todos os ácaros serem eliminados.

Os familiares e os indivíduos que tiveram contato í ntimo com uma pessoa infectada (p.ex., contato sexual) devem ser tratados simultaneamente. A limpeza muito minuciosa e a fumigação das roupas de cama ou do vestuário não são obrigatórias.

Fonte: www.msd-brazil.com

Escabiose ou Sarna

Conceito

Parasitose da pele causada por um ácaro (Sarcoptes sacabiei) cuja penetração deixa lesões em forma de vesículas, pápulas ou pequenos sulcos, nos quais ele deposita seus ovos.

As áreas preferenciais da pele onde se visualizam essas lesões são: regiões interdigitais, punhos (face anterior), axilas (pregas anteriores), região peri-umbilical, sulco interglúteo, órgãos genitais externos nos homens. Em crianças e idosos, podem também ocorrer no couro cabeludo, nas palmas e plantas.

O prurido é intenso e, caracteristicamente, maior durante a noite, por ser o período de reprodução e deposição de ovos. È também conhecida como sarna.

Transmissão

Durante todo o período de doença. São necessários, geralmente, dois ciclos de tratamento, com intervalo de uma semana. Contato direto com doentes, roupa de camade doente, relações sexuais. O ácaro pode perfurar e penetrar na pele em,aproximadamente, 2,5 minutos.

Os doentes com sarna norueguesa são altamente infectantes, possuindo grande quantidade do ácaro nas escamas da pele.

Sintomas

Infecções secundárias pela “coçadura”, que, quando causada pelo streptococo ß hemolítico, pode levar à glomerulonefrite. Em pacientes imunocomprometidos, há risco de se estender como uma dermatite generalizada, com intensa descamação. Essa forma também pode ocorrer em idosos, nos quais o prurido é menor ou não existe. A forma intensamente generalizada é denominada de sarna norueguesa.

Tratamento

Permetrim a 5%, creme, uma aplicação à noite, por 6 noites, ou deltametrina, em loções e xampus, uso diário por 7 a 10 dias. Enxofre diluído em petrolatum deve ser usado em mulheres grávidas. Pode-se usar anti-histamínicos sedantes (dexclorfeniramina, prometazina), para alívio do prurido.

Tratamento do doente: lavar as roupas de banho e de cama com água quente (pelo menos a 55°C); lavar com água quente todos os fômites dos pacientes com sarna norueguesa; buscar casos na família ou nos residentes do mesmo domicílio do doente e tratá-los o mais breve possível. A escabiose, raramente, vem como caso isolado, por esse motivo tratar as pessoas que tiveram contato cutâneo com o doente.
Isolamento:
deve-se afastar o indivíduo da escola ou trabalho até 24 horas após o término do tratamento. Em caso de paciente hospitalizado, recomenda-se o isolamento a fim de evitar surtos em enfermarias, tanto para outros doentes, quanto para profissionais de saúde, especialmente em se tratando da sarna norueguesa. O isolamento deve perdurar por 24/48 horas, após o início do tratamento.

Fonte: www.cefetsp.br

Escabiose ou Sarna

Considerações Gerais

A Escabiose Humana ou Sarna é uma dermatose bastante pruriginosa, cujo agente etiológico é o ácaro Sarcoptes scabiei, variedade hominis. Existem outras variedades, mas a variedade hominis é a exclusiva do homem. Seu ciclo vital leva cerca de 15 a 30 dias (2 a 4 semanas), e uma fêmea coloca, aproximadamente, 40 a 50 ovos, os quais, dentro de 3 a 5 dias, vão virar larvas, depois ninfas, até chegar a fase adulta.

Após a fecundação, a fêmea penetra na epiderme e faz um túnel subcórneo, caminhando cerca de 2 a 3 mm/dia abaixo da camada córnea e liberando substâncias tóxicas, com progressão geralmente noturna, o que caracteriza o intenso prurido predominantemente noturno, relatado pelos pacientes.

Seu contágio é direto, de pessoa para pessoa, sendo considerada endêmica e havendo, também, surtos epidêmicos (em creches, escolas, hospitais, etc.).

Clínica

A lesão típica da Escabiose é um túnel pequeno (de 5 - 15 mm), muito pruriginoso, caracterizado pela presença de pápulas (pequenas elevaçãoes), da cor da pele ou cinza-claras.

Em cima dessas pápulas, ou seja, nas suas extremidades, formam-se pequenas vesículas, as quais recebem a denominação de "eminência acarina".

Muitas vezes, o paciente tira essa vesícula quando coça, causando escoriações. Isso é importante na procura do parasita, porque é nesse tipo de lesão que devemos procurá-lo, ou seja, fazer a coleta de material para exame (escarificação)

A localização é muito característica: dedos, pregas interdigitais, punhos, cotovelos, axilas, região mamária (principalmente ao redor dos mamilos), ao redor do umbigo, nádegas e hipogástrio. Em criaças, existem manifestações peculiares, como couro cabeludo, palmas e plantas e, em crianças muito pequenas (que não sabem coçar) exitem lesões nos tornozelos, visto que ficam esfregando um pé no outro, pelo prurido.

Podem ser encontradas, então, pápulas, vesículas, crostas, lesões urticariformes, escoriações, etc. Infecções secundárias também são bastante encontradas, porque a pessoa coça e , pela unha, acaba levando bactérias para dentro das lesões, fazendo infecção secundária.

Apresenta evolução crônica, visto que cada fêmea vai liberar cerca de 40 a 50 ovos e é preciso eliminar todos os ácaros para a cura. Mas, embora tenha uma evolução crônica, é uma doença que não mata, tem bom prognóstico

Diagnóstico

É basicamente clínico, quando se tem, por exemplo, pacientes com erupções papulosas, em locais característicos, geralmente simétricas, com prurido predominantemente noturno. Existe, também, a possibilidade de se fazer um diagnóstico laboratorial, baseado no achado do Sarcoptes Scabiei na eminência acarina. Isso é feito através de escarificação das lesões, ou seja, escarifica-se (com um alfinete, por exemplo) a região aonde existem lesões características, ou seja, aonde há a eminência acarina; coloca-se o material numa lâmina (clarificada com potássio, espera um pouco e coloca a lamínula) e pode-se ver ovos, ninfas ou Sarcoptes adultos, dependendo de sua fase de evolução.

Tratamento

Quando diagnosticamos um caso de escabiose, os outros componentes da família também devem ser examinados, porque todos os indivíduos acometidos devem ser tratados.

Troca de roupa de cama bem como das roupas do corpo durante o tratamento, não sendo necessário ferver as mesmas (orientar para que as roupas sejam bem lavadas e passadas com ferro bem quente).

Uso de Escabicidas (loções) por 3 noites seguidas, repetido após uma semana. Em adultos, a loção é passada por todo o corpo (do pescoço para baixo), durante a noite, retirando-se pela manhã (banho). Em crianças, para evitar que elas durmam com a loção, pode-se passar durante o dia e deixar por um período de 4 a 6 horas, após o qual se retira (banho).

Podem ser usado os seguintes:

Escabicidas:

Benzoato de benzila - 25%; Monossulfiran - 25%; Deltametrina
Pasta d`água com enxofre -
5 a 10%, 2 a 3 vezes por dia (usada para crianças ou gestantes).

Quando a infestação é muito intensa, pode-se utilizar medicação sistêmica (Tiabendazol sistêmico) e, atualmente, a ivermectina.

Sarna Norueguesa (ou Crostosa)

Existem formas peculiares de Escabiose.

Uma delas é a Sarna Norueguesa (Sarna ou Escabiose Crostosa), que se caracteriza pela presença de crostas, lesões crostosas, estratificadas, geralmente em eminências ósseas, e é muito contagiosa.

Pode acometer face, unha, cabeça, palmas e plantas e geralmente acomete indivíduos com higiene precária (neuropatas, excepcionais, etc.) ou imunodeprimidos.

As complicações mais freqüentes são: Infecção Secundária e Glomerulonefrite.

Considerações Finais

Em crianças com escabiose, ocorrem, freqüentemente, infecções secundárias, como o impetigo. Nesse caso, deve-se tratar primeiro a infecção secundária, depois a escabiose, porque qualquer substância escabicida fará uma irritação muito grande, trazendo outros problemas e sendo mal aceito pelas crianças.

Na bolsa escrotal, podemos encontrar nódulos persistentes após o tratamento, extremamente pruriginosos, mas não adianta passar escabicida, porque não existem mais ácaros nessa região, havendo apenas uma reação alérgica persistente. O tratamento, então, é massagem com corticóide tópico ou infiltração intralesional de corticóide.

A Sarna Crostosa ou Norueguesa é altamente contagiosa e caracteriza-se pela presença de crostas, principalmente em eminências ósseas.

Bibliografia

AZULAY & AZULAY Dermatologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997

Fonte: www.hc.ufpr.br

Escabiose ou Sarna

A escabiose ou sarna é uma doença parasitária, causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei.

É uma doença contagiosa transmitida pelo contato direto interpessoal ou através do uso de roupas contaminadas. O parasita escava túneis sob a pele onde a fêmea deposita seus ovos que eclodirão em cerca de 7 a 10 dias dando origem a novos parasitas.

Nos lactentes e pré- escolares as escarvações ocorrem nas regiões palmares e plantares, e porém podem ser observadas lesões papulares no couro cabeludo, na face e no pescoço.

A doença tem como característica principal a coceira intensa que, geralmente, piora durante a noite.

A lesão típica da sarna é um pequeno trajeto linear pouco elevado, da cor da pele ou ligeiramente avermelhado e que corresponde aos túneis sob a pele. Esta lesão dificilmente é encontrada, pois a escoriação causada pelo ato de coçar a torna irreconhecível.

O prurido intenso começa de 2 a 6 semanas após a primeira exposição ao ácaro.

Uma forma grave de escabiose que ocorre mais comumente em indivíduos imunocomprometidos é a escabiose crostatada.É evidenciada com placas verrucosas nas mãos e nos pés e extensa descamação que recobre o couro cabeludo até o tronco, ou abaixo.

O diagnóstico de qualquer infestação por escabiose depende da observação de um ácaro nos raspados cutâneos de uma das escarvações.Na maioria dos casos, o diagnóstico definitivo é difícil devido às escoriações.

A transmissão ocorre durante o contato com indivíduos infestados ou com roupas usadas recentemente por esses indivíduos.Todos os contatos domiciliares e íntimos devem ser tratados para evitar recorrência ou transmissão contínua.As roupas, as roupas de cama e toalhas devem ser lavadas com água quente.Os ácaros da escabiose que infestam os animais domésticos, inclusive cães e gatos, algumas vezes causam dermatite nos seres humanos, mas as lesões costumam ser limitadas as áreas que entram em contato com os animais.

Tem ocorrência universal e pode ou não estar vinculada a hábitos de higiene. É freqüente em guerras e em aglomerados populacionais. Geralmente, ocorre sob a forma de surtos em comunidades fechadas ou em grupos familiares

O tratamento da sarna consiste na aplicação de medicamentos sob a forma de loções na pele do corpo todo, do pescoço para baixo, mesmo nos locais onde não aparecem lesões ou coceira. Após terminada a primeira série do tratamento, este deve ser repetido uma semana após, para atingir os parasitas que estarão deixando os ovos. Medicamentos para o alívio da coceira devem ser utilizados, porém não são os responsáveis pela cura.

O tratamento também pode ser realizado por via oral, sob a forma de comprimidos tomados em dose única. Pode ser necessária a repetição após 1 semana. Em casos resistentes ao tratamento, podem-se associar os tratamentos oral e local.

Deve-se lavar com água quente todos os fômites dos pacientes com escabiose buscar casos na família ou nos residentes do mesmo domicílio do doente e tratá-los o mais breve possível.

A escabiose, raramente, vem como caso isolado, por esse motivo tratar as pessoas que tiveram contato cutâneo com o doente.

Isolamento: deve-se afastar o indivíduo da escola ou trabalho até 24 horas após o término do tratamento.

Em caso de paciente hospitalizado, recomenda-se o isolamento a fim de evitar surtos em enfermarias, tanto para outros doentes, quanto para profissionais de saúde.

Bibliografia

BENNETT;Claude J. e PLUM, Ireal.CECIL Tratado de Medicina Interna: 20 ed.Guanabara Koogan; Rio de Janeiro, 2002.Vol. 2.

Fonte: www.uff.br

Escabiose ou Sarna

Escabiose ou Sarna
Escabiose ou Sarna

O que é

Escabiose ou sarna é uma doença da pele causada por um ácaro chamado Sarcoptes scabiei. Esse ácaro perfura e penetra na pele formando túneis onde deposita seus ovos.

A pessoa que tem sarna sente muita coceira principalmente à noite e nas regiões de dobras do corpo — por exemplo nas axilas, entre os dedos e nos punhos.

Outras regiões que costumam coçar são as nádegas, em volta do umbigo, ao redor dos mamilos (nas mulheres) e ao redor dos genitais em homens.

Nas crianças e nos idosos, é comum que a sarna atinja também couro cabeludo, palmas das mãos e plantas dos pés. Além da coceira, a sarna causa lesões pequenas avermelhadas, e o ato de coçar essas lesões pode ferir a pele, causando infecção que tem o nome de impetigo.

Como se pega

Uma pessoa pega sarna pelo contato direto com outra pessoa doente, suas roupas ou seu colchão.

Também é transmissível nas relações sexuais com outra pessoa contaminada.

É comum que numa mesma casa mais de uma pessoa ou todas as pessoas tenham sarna ao mesmo tempo.

Assim como também nas escolas, creches, nos hospitais e asilos, uma pessoa com sarna pode transmitir a doença para as outras pessoas com quem tem contato.

Tratamento

Existem loções, cremes e pastas que são usadas, espalhando-os no corpo e deixando agir por um certo número de horas para eliminar o ácaro. Também podem ser usados comprimidos. O médico deve ser consultado para que ele indique o medicamento mais apropriado para cada caso. É preciso estar atento à diluição do medicamento e ao número de dias necessários para o tratamento. O uso incorreto dos medicamentos pode provocar a irritação da pele ou pode não ser suficiente para eliminar o ácaro, fazendo que depois de alguns dias volte a coceira e a doença. Se houver mais de uma pessoa com escabiose na mesma família ou na mesma escola ou creche, todas devem ser tratadas ao mesmo tempo para que não se pegue a sarna novamente.

Prevenção

Para se prevenir da escabiose, é preciso evitar o contato com as pessoas enquanto estão doentes. Evite dormir na mesma cama do doente ou usar suas roupas.

Lave as roupas de banho e de cama com água quente (pelo menos 55 graus).

Todas as pessoas que têm contato com o doente e passam a ter coceira devem procurar o médico e começar o tratamento o mais rápido possível. Evite coçar e corte as unhas das crianças para evitar a infecção das lesões. As pessoas doentes devem se afastar da escola ou do trabalho por até 24 horas após o fim do tratamento.

Fonte: www.drgilvan.com.br

Escabiose ou Sarna

A escabiose humana (conhecida comumente como sarna) é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei variedade hominis.

É transmitida através do contato interpessoal, sem preferência por idade, sexo ou raça. Existe a possibilidade de transmissão pelo vestuário e pelas roupas de cama, mas esta é menos comum.

Fora do hospedeiro o parasita morre em menos de uma semana.

Sinais e sintomas

O principal sintoma é a coceira, que em geral é intensa e bastante incômoda, sendo referida com mais freqüência durante a noite. Objetivamente presenciam-se na pele sulcos (que representam os túneis onde a fêmea do parasita deposita seus ovos) e lesões do tamanho da cabeça de um alfinete, onde se encontra a fêmea.

A distribuição das lesões cutâneas é característica, afetando principalmente os espaços entre os dedos das mãos, axilas, cintura, nádegas, mamas, órgão genital masculino e pés. Nas crianças as lesões atingem também a face, as plantas, as palmas, o couro cabeludo e o pescoço. Lesões secundárias podem ser devidas ao ato de coçar e arranhar a pele e apresentam-se principalmente como escoriações, infecções da pele e nódulos, estes geralmente localizados nas regiões genital, inguinal e axilar.

Os casos atípicos incluem:

Pessoas que apresentam higiene excessiva e por este motivo apresentarão lesões mínimas que passarão despercebida
Crianças, principalmente lactentes, nas quais as lesões eczematizadas e urticadas poderão confundir o quadro
Idosos, os quais poderão apresentar reações mínimas da pele

Indivíduos mal nutridos ou imunodeprimidos que poderão apresentar uma forma extremamente contagiosa, a escabiose crostosa.

Quando o paciente relata que uma ou mais pessoas próximas a ele possuem os mesmos sintomas, o diagnótico torna-se quase certo. Nos casos atípicos ou naqueles em que há dúvida diagnóstica pode-se recorrer à pesquisa direta na pele.

Tratamento

O tratamento pode ser tópico ou sistêmico e inclui o uso de sunstâncias como a Permetrina, Lindano, Benzoato de Benzila, Monossulfiram, Enxofre precipitado, Tiabendazol e Ivermectina.

Cada caso deve ser avaliado separadamente pois todas estas medicações apresentam efeitos adversos e restrições, devendo ser indicadas somente por um médico.

Eventualmente, nem mesmo dentro de uma mesma família é possível usar o mesmo medicamento, pois crianças, gestantes, pessoas com problemas neurológicos ou outras doenças associadas podem ter seu uso contra indicado.

Cabe ressaltar que a escabiose dos animais é causada por outros ácaros que não o da variedade humana e raramente há transmissão para o homem.

Fonte: www.samesatende.com.br

Escabiose ou Sarna

Doença contagiosa da pele causada por um ácaro, o Sarcoptes scabiei, cuja penetração na pele é visível sob a forma de pápulas ou vesículas, ou de sulcos onde depositas os seus ovos. Esta doença é conhecida popularmente pelo nome de sarna.

As lesões causadas por estes parasitos localizam-se de preferência nas regiões interdigitais, nos punhos, nos cotovelos, nas axilas, nos tornozelos e nos pés, podendo estender-se às virilhas, nádegas, órgãos genitais, seios etc. A cabeça geralmente poupada, bem como o pescoço e o dorso.

O Brasil é um dos países mais envolvidos com esta endemia.

O homem é o reservatório do Sarcoptes scabiei.

A transmissão do parasita faz-se pelo contato direto de pessoas sadias e portadores da doença. Esta dermatose, se transmite, cm freqüência, durante as relações sexuais. O período de incubação ocorre de 2 a 6 semanas antes do início do prurido nas pessoas sem exposição prévia. Pessoas que foram anteriormente infestadas desenvolvem sintomas em uma semana.

O período de incubação ocorre de 2 a 6 semanas antes do início do prurido nas pessoas sem exposição prévia. Pessoas que foram anteriormente infestadas desenvolvem sintomas em uma semana.

O período de transmissão da doença ocorre até que os ácaros e seus ovos tenham sido destruídos por tratamento específico. As pessoas imunodeprimidas são suscetíveis à super-infestação, presume-se haver algum tipo de resistência ao tratamento.

Bibliografia

BENENSON, A. S. (ed.). Controle das doenças transmissíveis no homem. 13 ed. Washington : Organização Pan-Americana da Saúde, 1983. (Publicação Científica; 442)
VERONESI, R. Doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 1991.

Fonte: www.fiocruz.br

Escabiose ou Sarna

Escabiose e pediculose, essas palavras, aparentemente estranhas, são apenas os nomes científicos da nossa tão conhecida sarna e do tão familiar piolho.

E porque será que em nosso meio eles são tão comuns, já que quase todos nós tivemos uma experiência pessoal ou próxima?

Sua ampla difusão resulta do fato de que, hoje em dia, os pequenos parasitas causadores da escabiose e da pediculose infestam não apenas o Brasil, mas vários países do mundo.

São fartamente encontrados nos locais onde habitam pessoas com condições socioeconômicas e higiênicas precárias.

No entanto, também podem associar-se aos animais domésticos.

Ao se transferirem destes para a espécie humana, podem funcionar como transportadores ou vetores de outras doenças.

A escabiose ou sarna

A sarna ou escabiose é uma doença da pele bem característica, facilmente reconhecida pelas donas de casa e mães experientes.

Como se pega

A transmissão ocorre por contato pessoal, e também pelo compartilhamento de roupas de cama e de colchões infectados pelos parasitas causadores da doença.

A sarna não escolhe sexo, raça ou idade. A falta de higiene pessoal e habitacional facilita a proliferação dos parasitas.

O quadro clínico

Os parasitas que causam essa doença escavam túneis muito finos sob a pele, nos quais depositam seus ovos.

O principal sintoma caracteriza-se por intensa coceira nos locais da pele em que há parasitas; a coceira piora à noite e, geralmente, há mais de uma pessoa com o mesmo problema na casa.

As regiões mais atingidas são as dobras do corpo, ou seja, os espaços entre os dedos, as axilas, as dobras dos braços, atrás dos joelhos e orelhas, a cintura, as nádegas, embaixo das mamas, os genitais, o pescoço e os pés.

O quadro pode complicar-se com infecções secundárias na pele, devidas, principalmente, ao ato de se coçar com as unhas sujas.

O tratamento

Devem ser tratados tanto o paciente quanto as pessoas que fazem parte de seu contato direto, procurando-se incluir neste tratamento a fonte inicial do contágio.

Nos serviços de saúde é facilmente encontrado o medicamento mais indicado.

É importante observar que, em crianças de até três anos, o parasita pode ser também encontrado no rosto e couro cabeludo, regiões onde o tratamento deverá ser feito.

Nos casos de infestações intensas e de várias pessoas da casa apresentarem os sintomas, é recomendada a fervura da roupa de cama e de uso, enquanto durar o período de coceira.

A pediculose ou piolho

Existem vários tipos de piolhos e todos eles causam lesões de pele nos diversos locais do corpo onde proliferam.

Eles podem também se tornar vetores de doenças infecciosas como o tifo exantemático e a febre recorrente.

Pediculose do couro cabeludo

É ocasionada por um tipo de piolho que tem preferência por alojar-se no couro cabeludo, produzindo coceira intensa.

É mais facilmente reconhecido pela observação de suas lêndeas ou ovos, que são pequenos corpos brancos fixados aos cabelos e que se deslocam ao longo dos fios.

As lêndeas usualmente são retiradas dos cabelos com as mãos ou com pente fino.

Escoriações e infecções secundárias no couro cabeludo podem ocorrer, principalmente nas crianças, em função do coçar com unhas sujas.

O tratamento consiste na lavagem do cabelo com shampoo de Benzoato de Benzila, passando depois um preparado de água com vinagre, conforme explicado no vídeo do Viva Legal.

O piolho corporal

Existem tipos de piolhos um pouco maiores que os do couro cabeludo e que vivem na região entre os ombros, na axilas e nádegas.

Eles ocorrem principalmente em pessoas de nível higiênico precário.

Há ainda o piolho vulgarmente chamado de chato, que é menor e mais achatado que as variedades anteriores.

Aloja-se preferencialmente entre os pelos pubianos e sua transmissão é geralmente venérea. Pelos de outras partes do corpo podem ser atingidos.

No tratamento de ambos também é indicado o sabão ou o shampoo de Benzoato de Benzila.

A prevenção da sarna e do piolho

Como vimos, a escabiose ou sarna e a pediculose ou piolho são duas doenças parasitárias muito conhecidas em nosso meio e que afetam a pele e o couro cabeludo, principalmente das crianças em idade escolar.

Fáceis de serem identificadas por pessoas experientes, podem ser tratadas com certa facilidade, desde que se obedeçam as instruções de tratamento recomendadas pelos profissionais de saúde.

É possível prevenir a ocorrência da sarna e dos piolhos a partir de medidas simples, a serem praticadas amplamente pelas pessoas da comunidade.

Estas medidas são:

A melhoria das condições de higiene corporal e habitacional
O tratamento precoce dos doentes e de quem tem contato com eles
O tratamento da fonte da infecção.

Fonte: Nib Unicamp Online

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal