Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Espanha  Voltar

Espanha

 

História da Espanha

A reconquista cristã da Península Ibérica a partir de governantes muçulmanos, que tinham sido ativa na região desde o século oito início, deixou a Espanha dominada por dois grandes reinos: Aragão e Castela. Estes foram unidos sob a regência de Fernando e Isabel em 1479, e acrescentaram outras regiões ao seu controle, formando o que seria, em poucas décadas, evoluir para o país da Espanha.

Durante o domínio destes dois monarcas Espanha começou a adquirir um império enorme no exterior, e "Idade de Ouro" do espanhol ocorreu nos séculos 16 e XVII.

Espanha tornou-se parte da herança da família Habsburgo, quando o imperador Carlos V herdou em 1516, e quando Charles II deixou o trono para um francês Guerra nobre da Sucessão Espanhola ocorreu entre a França e os Habsburgos, o won francês nobre.

Espanha

Espanha foi invadida por Napoleão e vi lutas entre uma força aliada e da França, que venceu os aliados, mas isso desencadeou movimentos de independência entre possessões imperiais da Espanha.

Durante o século XIX, o cenário político em Espanha passou a ser dominado pelos militares, e no século XX ocorreu duas ditaduras: Rivera, em 1923 - 30 e de Franco, em 1939 - 75. Franco manteve a Espanha fora da 2 Guerra Mundial e sobreviveu no poder, ele planejou uma transição de volta monarquia para quando ele morreu, e isso ocorreu em 1975 - 78 com o ressurgimento de uma Espanha democrática.

Pessoas-chave da História da Espanha

Fernando e Isabel 1452 - 1516/1451 - 1504

Conhecidos como os Reis Católicos por causa de sua fé, Fernando de Aragão e Isabel de Castela casou em 1469; ambos chegaram ao poder em 1479, Isabella depois de uma guerra civil. Eles uniu os reinos de Aragão, Castela e várias outras regiões sob uma monarquia e patrocinado as viagens de exploradores europeus, ajudando a estabelecer um império rico espanhol.

Franco 1892 - 1975

Franco chegou ao poder depois de emergir como líder dos republicanos vitoriosos de direita na Guerra Civil Espanhola. Ele evitou entrar cannily 2 ª Guerra Mundial ao lado de Hitler, que muitos consideravam como um aliado natural e, em vez sobreviveu no poder até 1975. Ele duramente reprimidos muitos supostos inimigos.

História da Espanha

Espanha foi habitada desde tempos pré-históricos como evidenciado por traços de liquidação descobertas nas famosas grutas de Altamira, datando de 12.000 aC, no norte da Península Ibérica, Cantabria.

Mas pleuple que deu seu nome às origens Península Ibérica mal compreendidos. Em seguida, os celtas se estabeleceram na península, dando origem à população celtiberos.

Na Andaluzia, Tartessos se estabeleceram ao longo do rio Tartessos, agora chamado Guadalquivir. Eles tinham contato freqüente com os fenícios e egípcios.

Fenícios colonizaram o sul há établisant portas para Malaca (Málaga), Gades (Cádiz), Cartago Nova (Cartagena), Onoba (Huelva) e outros sites na Andaluzia e as Ebusos Baleares (Ibiza). Em seguida, foram os gregos que vieram para Tartessos no século VII, baseada Emporion (Ampurias).

Os cartagineses tinham se estabelecido na Espanha, no século III aC, na cidade de Cartagena com base no sul do Murcia. Família Barca não era todo-poderoso com a mineração na região.

A cidade de Sagunto foi palco de confrontos entre os cartagineses e romanos. Enquanto caminhava em direção a Gália Hannibal com seus elefantes, os romanos tomaram Cartagena em 209 aC Esta data marca o início da expansão romana na Espanha, apesar da oposição celtiberos ferozes. Em 133 aC, Numancia, por sua vez cai nas mãos dos romanos.

Colonização romana

Este é o imperador romano Augusto, que completou a conquista da Península Ibérica no século I aC Os romanos impuseram sua lei, sua língua e arquitetura.

Península expansão romana primitiva foi dividida administrativamente em duas províncias: Hispania Hispania Ulterior e Citerior. Em seguida, no quarto século, a península incluiu as regiões do Norte Gallécie o Tarraconaise (Tarragona), o cartaginês (Cartagena), a Bética (Sevilha), Lusitânia (Portugal presente), mas também as Ilhas Baleares e Tingitane Mauritânia ( Norte de Marrocos).

A Península Ibérica foi o local de muitas batalhas entre romanos como a guerra entre Pompeu e Sertório em 77 aC (apoiante de Mário), ou guerra civil entre Júlio César e partidários de Pompeu alguns anos mais tarde.

No entanto, a Espanha não era apenas uma colônia romana, e deu a vários imperadores romanos: Trajano, Adriano e Teodósio Maxime.

Em 74, os habitantes da península receberam a cidadania da América Imperador Vespasiano. Espanha era uma região importante para a economia romana.

Minas de estanho metal dourado e precioso desde que o império, enquanto vinhas e olivais a produção de vinho e azeite de oliva, que os romanos gostavam.

Espanha visigótica

O império romano é desafiado pela chegada dos bárbaros da Ásia e da Europa Central. Espanha não é excepção a estas invasões dos vândalos, alanos, suevos ou que chegam à península desde 408. Em 411, os vândalos resolvida no sul da Espanha, dando seu nome à região da Andaluzia. Alanos estabeleceu-se em Portugal (Lusitânia) e na região de Cartagena, enquanto suábios tomou posse da Galiza.

Mas muito rapidamente, os visigodos invadiram a Península Ibérica, perseguindo vândalos e apropriando-se quase todo o território em torno de 500 anos. Seu reino prolongado em ambos os lados dos Pirinéus, com sua capital em Toulouse. Mas eles tiveram que lidar com os francos levaram Aquitaine, empurrando-os para além dos Pirinéus, estabelecendo sua nova capital em Toledo (507).

Em 554, o imperador bizantino Justiniano I é exigido em Bética (Andaluzia), mas um século mais tarde, os visigodos retomou o território após as vitórias em Córdoba e Málaga. Seu reino permaneceria até 711, quando a chegada dos árabes na Espanha.

Colonização muçulmana

Em 711, as tropas muçulmanas lideradas por Tariq ibn Ziyad moura que chegam em Gibraltar, chamado Jebel al Tariq (montanha de Tariq), e, em seguida, move-se rapidamente para o norte da Espanha. Em 714 a cidade de Zaragoza caiu para o invasor, em seguida, é a vez de Tarragona e Barcelona a ser conquistado. Em 718, quase toda a Espanha é sujeito ao mesmo muçulmanos residência está organizado em Cantabria.

Tropas muçulmanas continuaram seu avanço para além dos Pirinéus, mas foram repelidos pelos francos sob Carlos Martel depois da batalha de Poitiers, em 732.

Aos poucos, a Espanha muçulmana emancipado do poder do califado de Damasco, aproveitando a queda da dinastia omíada pelos abássidas. Abd al-Rahman, o último representante dos Omíadas tomou o poder em Córdoba, em 759, apesar da oposição de tribos berberes.

Durante este período de domínio muçulmano na Espanha irá integrar palavras sua cultura de origem árabe, beneficiar de técnicas agrícolas implementados por uma arididité colonizador acostumados com o uso da terra de novas tecnologias na arquitetura, trabalhando couro bibliotecas enquanto Córdoba será construída, favorecendo o desenvolvimento da matemática e literatura.

Os séculos XI e XII, depois de atingir o seu pico, o Califado de Córdoba é dvisé pequena royames Taifa após a invasão pelas tropas berberes Almorávidas e Almóadas, que permitirá que os exércitos cristãos de reconquir norte lentamente no rosto de Espanha divisões muçulmanos.

Afonso VI de Castela leva Toledo muçulmanos em 1085. Um personagem ilustre, que ficou famosa por um teatro de Corneille, Rodrigo Diaz de Bivar diz Cid vai tomar a cidade de Valência em 1094.

Em 1212, uma batalha vai marcar a história da Reconquista, a batalha de Las Navas de Tolosa, símbolo da União cristã contra os muçulmanos.

A união entre os reinos de Espanha vai continuar. Em 1230 Castela e Leão são um. Conquistas que se multiplicam até 1469, através do casamento de Fernando II de Aragão e Isabel de Castela, a Espanha está finalmente reunida sob o poder de "Reis Católicos".

Em 1 de Janeiro de 1492, o governo muçulmano terminou com a vitória dos Reis Católicos no reino taifa última existentes na península, liderados pelo Boabdil Granada.

A Espanha dominou o mundo

1492 é uma data importante na história da Espanha e da humanidade. Na verdade, é este ano que Colombo iria descobrir um Novo Mundo (12 de Outubro 1492), um mundo que permitiria a Espanha a aparecer como uma das grandes potências da Europa.

São os Reis Católicos, que ajudaram o projeto de Colombo, dar a volta ao mundo para chegar às Índias. Mas o navegador genovês não tinha idéia de que continente desconhecido para estar no seu caminho, um continente que viria a ser o palco de confrontos entre Espanhol, Português, Inglês, Francês e Holandês.

A chegada de Carlos V foi capaz de reforçar o domínio da Espanha na Europa. Rei de Castela em 1516 e imperador do Sacro Império Romano em 1519, Charles irá beneficiar o ouro dos astecas e do Peru para garantir seu domínio sobre outros países europeus.

Seu filho Filipe II, herdeiro do imenso império iniciado por Carlos V, era que ele governou os territórios em que o sol nunca foi para a cama.

Na verdade, o Império Espanhol abrangeu quase todas as partes do globo: um patie grande da Europa e da América, nossas posses na África e Ásia, até agora nenhum tinha conseguido conquistar um território como imenso.

No entanto, a frota espanhola não reinou mares não impugnadas. Inglaterra pediu-lhe um monte de problemas como o dia em 1588, a Armada Invencível foi derrotado.

O período de dominação espanhola, a "Idade de Ouro" iria coincidir com um período de desenvolvimento religioso e artístico muito importante no país. É durante este período que foi fundada a Sociedade de Jesus, muitos mosteiros foram construídos e qu'apparurent grandes pintores como El Greco e Diego Velasquez.

Outro personagem que também revolucionar as artes literárias, um ex-soldado que perdeu um braço na batalha de Lepanto contra os turcos, Miguel de Cervantes, autor de Don Quixote famoso.

Declínio do Império Espanhol

No entanto, a Espanha começou a declinar no século XVII. Guerras, como a Guerra dos Trinta Anos, rebeliões em diferentes regiões administradas pela Espanha, Países Baixos e Portugal, ea degeneração da família de Habsburgo império correu para o declínio na morte do rei Charles II em 1700 permaneceu sem filhos.

Guerra Sucessão Espanha então engajados em 1701 entre os franceses e os austríacos. Ela terminou com o Tratado de Utrecht em 1713, com a perda de território para a Espanha, Itália e Holanda, enquanto o trono foi designado para o filho pequeno de Luís XIV, Philippe de Valois, tornou-se rei sob o nome de Filipe II, impondo o ramo Bourbon da Península Ibérica.

Mas o reinado do Bourbon não iria interferir com o declínio do Império Espanhol. Um vento de liberdade começa a soprar sobre as colônias americanas.

Envolvido com a França durante a Guerra dos Sete Anos e durante a Guerra Revolucionária Americana, a Espanha oferece um domínio ao longo do tempo Louisiana e Flórida. Mas não iria durar, as ideias do Iluminismo se espalhando rapidamente na América seria minar o poder espanhol.

Durante a Revolução Francesa, Charles IV vai participar à monarquia. Ele declara guerra à França, em 1793, e seus exércitos foram derrotados pelos revolucionários franceses. O Tratado de Basiléia foi assinado em 1795 e Espanha devem renunciar a uma parte da ilha de Santo Domingo.

Em 1808, Fernando VII chegou ao poder em lugar de seu pai. Mas o seu poder seria efêmero, Napoleão impôs seu irmão José no trono espanhol. No entanto, parte da população espanhola vai motim contra a presença de José Bonaparte e garantir a retirada das tropas francesas, até a restauração do poder de Fernando VII em 1814.

No entanto, a fraqueza das colônias hispano-americanas permitiria se emancipar. A maioria deles ganhou sua independência entre 1818 e 1830, apenas os de Porto Rico e Cuba permanecem no seio da pátria.

Enquanto isso, na Espanha, Fernando VII é muito autoritário, que desagrada a muitas pessoas e revoltas causa todo o país. Com a morte de Fernando VII, em 1833, a guerra civil eclodiu entre os carlistas (partidários de D. Carlos) e as de Isabel II. Este último vai prevalecer, mas logo o exército iria impor sua dominação.

Em 11 de fevereiro de 1873, a República foi proclamada em Espanha. Mas em 1874, Alfonso XII voltou ao poder com uma monarquia constitucional. Mas o país ainda abalado pelos motins, greves, movimentos separatistas e Alfonso XIII em 1898 perdendo a guerra ele havia declarado dos Estados Unidos eo colapso do império espanhol é final com a perda de seu último colônias em Cuba, Porto Rico, Filipinas e Guam.

Espanha militar

Espanha não vai tomar parte no conflito, durante a Primeira Guerra Mundial. Afetada pela gripe espanhola, que vai custar milhões de vidas na Europa e tumultos, o país é muitas vezes nas mãos de generais como golpe general Primo de Rivera, depois de 13 de setembro de 1923.

Um período de doença é estabelecida no país e Rivera se aposentou em 1930, deixando espaço para o Rei Alfonso XIII. Mas a monarquia era de curta duração. 14 de abril de 1931, a Espanha declarou a Segunda República, após as eleições municipais que deram a vitória aos anti-monárquicos.

Segunda República é bastante progressista na Europa. Sejam tomadas medidas para ajudar os agricultores, as mulheres recebem o direito de votar e divórcio é permitido. A nobreza perdeu suas partes e os poderes dos militares eo clero são reduzidos.

Em 1936, o líder da Frente Popular Manuel Azaña foi eleito Presidente da República. Mas o país é assolado por uma desordem, um período em que o general Emilio Mola e Francisco Franco organizou um golpe para derrubar o republicano.

Do Marrocos, o general Franco, auxiliado pelo italiano fascista de Mussolini e na Alemanha de Hitler, vai conquistar pela força mais cidades espanholas, mergulhando o país em uma guerra civil que durou até 1939. Republicanos será apoiado pela União Soviética e ajudar a França tímido e Grã-Bretanha como as Brigadas Internacionais.

Em 1939, a ditadura de Franco foi criado em Espanha. Centenas de milhares de opositores do regime fugiram do país, tomando o caminho da França e outros países europeus, ou exilado para a América com a ajuda do escritor chileno Pablo Neruda e político.

Phalanx é o único partido autorizado, o Partido Comunista é proibido os seus seguidores são perseguidos. Se a Espanha se manteve neutro durante a Segunda Guerra Mundial, o sistema Madrid mantém-se próximo ao eixo formado por Berlim e Roma. Após a Segunda Guerra, os desaparece Phalange antes do poder da Igreja Católica e do Opus Dei.

Relações internacionais ainda serão normalizados entre Espanha e os países europeu. Da Espanha para as Nações Unidas em 1955 e os esforços estão sendo feitos para modernizar o país. Espanha na NATO e turismo cresce cada vez mais.

Retornar para a democracia

Em 22 de julho de 1969, as Cortes (assembléias parlamentares e do Senado) nomear Juan Carlos de Borbón como sucessor de Franco.

Em 1973, um período de normalização novo começa na Espanha com a designação de Franco do almirante Luis Carrero Blanco como Presidente do Governo.

Mas ele foi assassinado pelo ETA 20 de dezembro de 1973. Ele será substituído por Carlos Arias Navarro. Mas outros ataques perturbar a vida dos espanhóis.

Em 30 de outubro de 1975, Franco ficou gravemente doente e morreu em 20 de novembro em um hospital em Madrid. Dois dias depois, em 22 de novembro de 1975, Juan Carlos de Borbón é proclamado rei pelas Cortes de Espanha sob o nome de Juan Carlos.

Em 1978, a Constituição faz perder grande parte de seus poderes e Juan Carlos tornou-se um monarca constitucional. Em 23 de fevereiro de 1981, Juan Carlos foi fortemente contrário de uma tentativa de golpe de Estado, o que lhe dá a confiança de todos os espanhóis.

Juan Carlos, filho do Conde de Barcelona e grand-filho de Alfonso XIII, nasceu em Roma em 1938. Em 1962 ele se casou com Sofia da Grécia, filha do rei Paulo I da Grécia. Ele tem três filhos, Princesa (Infanta) e Cristina Elena e seu filho, Felipe, Príncipe das Astúrias e herdeiro do trono de Espanha.

Localização da Espanha

Espanha está localizado no sudoeste da Europa, o maior país da Península Ibérica.

França e Andorra são para o norte-oeste, o Mediterrâneo é para o oeste e sul, o Estreito de Gibraltar, ao sul, o Atlântico ao sul-oeste e oeste com Portugal, e da Baía de Biscaia é para o norte.

História da Espanha

História da Espanha começa por volta do século IX aC, e é responsável pelos acontecimentos históricos que foram resumidos como cronológico.

A Espanha em primeiro lugar estava sob o domínio dos romanos no século II aC. Essa ocupação teve uma grande influência sobre o principal idioma, religião e leis vigentes pays.Au século V, são os bárbaros germânicos que tomaram pocession Espanha, após a queda do império roamain. Chega a vez da influência do berbere árabe em torno de 711, que se transforma em confronto real entre o povo cristão e muçulmano. Estes conseguiram ocupar território muito tinha.

718/1492, o Requonquista: Os soberanos cristãos irá eliminar gradualmente os povos muçulmanos localizados em território espanhol. Este último, no entanto, deixou a Espanha, uma civilização rica em arte e cultura.

1415: Colombo recebe o apoio dos reis cristãos de que para conquistar novos territórios. Suas descobertas (América em 1492 e, posteriormente, a sua expedição à Índia) irá impulsionar a Espanha no século XVI, entre os poderes primeiros europeus, com seus bens no território americano e riqueza adquirida com estas embarques.

1700: a dinastia Bourbon foi fundada depois do casamento de Louis XIV filho pequeno de um século IXI princesa espagnole.Au, Espanha estava sob as tropas de ocupação francesas na invasão de Napoleão, o que levou muitas revoltas e conflitos, e ao mesmo tempo enfraquece o país.

Em 1820, a Espanha continua a perder poder com a perda de suas colônias.

1898: Durante a guerra entre a Espanha para os Estados Unidos, a Espanha perdeu suas últimas colônias: Cuba, Filipinas, Porto Rico, e eventos Guam.Ces irá impulsionar a Espanha em atraso econômico e relação política o resto da Europa.

1931: É o fim da monarquia Bourbon, impulsionado pela Segunda República espagnole.1936-1939: a Espanha tem a Guerra Civil: a saída da guerra, a Espanha foi arruinada encontrados: 30% menos capacidade produtiva de produtos agrícolas e industriais mais de 145.000 mortos, 630.000 vítimas de má nutrição e maldies, 440 000exilés.

A partir de 1930, a Espanha será regido por Francisco Franco, que vai usar seu poder de construir uma ditadura até sua morte em 1975. Podemos caracterizar o regime de Franco como um, único, ditatorial e reacionária, onde todos os poderes são direcionados para uma pessoa (o chamado Caudillo espanhol).

Assim como em todos os regimes autoritários, Franco reduziu a liberdade de opinião associação e reunião. O único partido autorizado no momento por Franco foi national.Lors Movimento da Segunda Guerra Mundial, a Espanha foi declarado neutro, embora Franco foi enviado para apoiar a Divisão Azul tropas alemãs na Sibéria.

Outras potências europeias durante este período mostrou a sua oposição à política de Franco, particularmente em negar entrada da Espanha na ONU até 1955.Podemos resumir o regime de Francisco Franco, entre 1939-1975, o regime repressivo tem sido a de mostrar ao povo que só ele tinha poder total na Espanha.

No entanto, a Espanha tem experimentado mudanças econômicas favoráveis, melhorando as condições de vida do povo espanhol e garantir que o país se torna uma empresa industrielle.Le país também se beneficiou do crescimento econômico de 8% ao ano.

Dezembro de 1975: Franco morreu e nomeou como seu sucessor Juan Carlos I, que se torna rei da Espanha. A Espanha, descobriu que a monarquia tinha perdido durante a didatura.

1986 a Espanha aderiu à União Europeia,. Apesar do atraso econômico da Espanha em relação aos poderes europeus, pode-se observar claramente durante os últimos 30 anos, um milagre econômico que coloca a Espanha entre os países com a melhor situação econômica atualmente.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Espanha

Espanha é um país do Sul da Europa e membro da União Europeia.

A capital é Madrid.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

A língua nacional é o Espanhol (Castelhano).

Outras línguas oficiais (nas comunidades autonomas) compreendem o Catalão e o Basco.

A Espanha tem um monte de minorias linguísticas. Nas províncias Bascas um ativo movimento separatista está presente. O poderoso império mundial da Espanha dos séculos 16 e 17 finalmente cedeu o comando dos mares para a Inglaterra.

O subsequente fracasso em abraçar as revoluções mercantil e industrial fêz o país ficar para trás da Grã-Bretanha, França e Alemanha em poder econômico e político. A Espanha permaneceu neutra na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais, mas sofreu com uma devastadora guerra civil (1936-39).

Uma transição pacífica para a democracia após a morte do ditador Francisco Franco em 1975, e a rápida modernização econômica (a Espanha aderiu à UE em 1986) deu à Espanha o dinamismo e o rápido crescimento da economia e fez dela um campeão mundial da liberdade e dos direitos humanos.

O governo continua a batalhar a organização terrorista Pátria Basca e Liberdade (ETA), mas seu foco principal para o futuro imediato será sobre as medidas para inverter a grave recessão econômica que teve início em meados de 2008.

A Espanha é uma península. Seu isolamento geográfico vem do mar e das montanhas. A Espanha está ligada ao continente Europeu por uma faixa estreita mantida no alto colarinho dos Pirinéus. O resto da Espanha é cercado por mares, exceto para o retângulo de Portugal, com o qual partilha a Península Ibérica.

No sul o Estreito de Gibraltar mal separa a Espanha da África. No leste suas costas são banhadas pelo Mediterrâneo.

O isolamento físico da Espanha do mundo se reflete no isolamento de uma região ou outra no interior da Espanha - uma separação causada pelas cadeias de montanha. Das cadeias do norte dos Pirinéus aos picos mais ao sul da Sierra Nevada, o país é cortado por montanhas e vincado por vales. Do ar, ele se parece com uma enorme folha de papel amassado pela mão de Deus.

O envolvimento da Espanha em todas as grandes correntes da história do mundo vem, por outro lado, de sua posição central no cruzamento da conquista e das rotas de comércio. Da pré-história até os tempos modernos, a Península Ibérica foi o prêmio de exércitos invasores da África, no sul, e da Europa, no norte.

A Espanha tem sido não apenas o alvo de invasões, mas também um caminho para invasões dirigidas a outras terras. Ela foi ocupada pelos Romanos, os Cartagineses, os Visigodos, os Árabes, e os Franceses. Os Fenícios e Gregos estabeleceram feitorias nas costas da Espanha e ajudaram a estabelecer algumas de suas grandes cidades.

Uma ligação histórica entre a Europa e o Norte da África, a Espanha é tanto Européia e Norte-Africana na cultura, temperamento e aparência. O Imperador Napoleão da França e alguns geógrafos têm dito que a África começa no Pirinéus.

Mas a Espanha foi mais do que um trampolim continental ou uma vítima da conquista. Ela conquistou e manteve em conjunto um império majestoso. Ela enriqueceu o mundo com sua cultura. Ela também viu a sua civilização quase apagada por muitas guerras, incluindo uma sangrenta guerra civil na década de 1930.

Apesar destes ensaios, a Espanha mantém a sua própria identidade poderosa.

Terra

A Espanha é a quarta-maior nação da Europa. Quase em formato quadrado, a Espanha mede cerca de 500 milhas (800 km) de norte a sul e cerca de 600 milhas (960 km) de leste a oeste. Na sua ponta estreita do Sul, a Espanha é separada da África pelas 8-milhas (13 km) de largura do Estreito de Gibraltar.

O minúsculo Gibraltar, no extremo leste do estreito, é uma possessão Britânica. No nordeste está a pequena república de Andorra. Ela é governada conjuntamente pelo bispo Espanhol de Urgel e o presidente da França.

A Espanha metropolitana inclui as províncias da península, as Ilhas Baleares no Mediterrâneo e as Ilhas Canárias no Atlântico ao largo da costa noroeste da África.

Os dois mais importantes fatos geográficos sobre a Espanha são seu terreno montanhoso e as chuvas limitadas, que afetam todas, exceto as províncias do norte.

O coração da Espanha é o enorme planalto central chamado de Meseta (planalto). Ele é dividido entre a Velha e a Nova Castela. A Meseta está rodeada e dissecada por cadeias de montanhas.

As montanhas mais altas na Espanha são os Pirinéus no Nordeste e a Serra Nevada (cadeia de neve) no sudeste. Mulhacén, o pico mais alto na Espanha, está na Sierra Nevada. As Montanhas Cantabrianas crescem no extremo norte e no noroeste da Meseta. A Serra Morena (cadeia escura) está no seu limite sul. A Meseta está dividida pela Serra de Gredos, a Sierra de Guadarrama, e os Montes de Toledo.

Existem poucas áreas de várzea na Espanha além da estreita planície costeira. O maior é o vale do Rio Guadalquivir, no sul. Outros rios como o Douro, o Tejo, e o Guadiana esculpiram seu caminho através das rochas e desfiladeiros quando eles fluem em toda a Espanha e Portugal para desaguar no Oceano Atlântico.

O Ebro, no nordeste, deságua no Mar Mediterrâneo. O Ebro é às vezes chamado de Nilo da Espanha. Isto porque, como o rio do Egito, ele traz a vida da água para seu vale seco. O norte da planície costeira é o local de portos e cidades industriais. Cidades importantes, tais como Barcelona, ??Valência e Cartagena, estão localizadas nas planícies maiores no Mediterrâneo.

Clima

Somente o norte e o noroeste da Espanha têm precipitação adequada. Nessas áreas a umidade dos ventos do Atlântico trazem chuva para a terra, e as temperaturas durante todo o ano são suaves.

Indo ao sul das úmidas e férteis regiões do norte, o clima da Espanha torna-se tipicamente Mediterrânico. Os invernos são geralmente leves e um pouco chuvosos. Os verões são muito quentes e secos. A precipitação média anual para a Espanha é de 20 polegadas (500 mm) - a menor da Europa Ocidental. Com exceção do norte da Espanha, a falta de solo fértil e de água continuam a tornar a vida uma luta pela sobrevivência.

Recursos Minerais

A escassez de chuva e de terra boa são parcialmente compensadas pela variedade de recursos minerais da Espanha. Eles incluem o ferro, carvão e zinco nas Montanhas da Cantábria, no norte; o cobre do Ríotinto no sudoeste; o mercúrio, que é encontrado perto da Sierra Morena; bem como o chumbo, manganês, ouro, prata e estanho.

Além do carvão, e dos acessíveis e de qualidade materiais que têm diminuído, a Espanha é pobre em recursos energéticos. Ela produz pouco petróleo e gás natural; ela depende fortemente das importações desses produtos. Seus fluxos de montanha são escassos para produzir eletricidade.

As Ilhas da Espanha

As Ilhas Baleares ficam entre 50-190 milhas (80 a 300 km) da costa leste da Espanha. Elas são compostas de três grandes, densamente povoadas ilhas - Maiorca, Menorca, e Ibiza e várias ilhas menores. A capital, Palma, está na ilha de Maiorca. O cenário magnífico da ilhas e o clima ameno as fizeram resorts populares durante todo o ano.

As Baleares, como tantas outras ilhas do Mediterrâneo, têm uma história de conquista e reconquista. Ruínas pré-históricas permanecem lado a lado com os traços dos posteriores colonos - Iberos, Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos, Bizantinos, Árabes e Espanhóis.

O turismo domina a economia, complementada pela agricultura e pesca. As ilhas exportam laranjas, figos, outras frutas, azeite, vinho e aguardente. Elas também vendem a majolica ware (cerâmica), prata em filigrana, e artigos de couro no exterior.

As Ilhas Canárias estão a 680 milhas (1.100 km) a sudoeste da Espanha e a cerca de 70 milhas (110 km) a oeste do Marrocos. As ilhas são divididas em duas províncias, Santa Cruz de Tenerife e Las Palmas. Santa Cruz de Tenerife é composta das ilhas de Tenerife, Gomera, La Palma, e Hierro. Las Palmas inclui a Grande Canária, Fuerteventura, as ilhas Lanzarote e seis ilhotas. Para a maior parte o clima é quente e agradável. O turismo é importante para a economia das ilhas. Bananas e tabaco são cultivados para exportação. Outras culturas incluem a cana, frutas cítricas, uvas, tâmaras e grãos.

Territórios Ultramarinos

De seu império outrora grande, a Espanha retém apenas dois minúsculos enclaves no norte da África, Ceuta e Melilla. A proximidade destes pequenos territórios torna relativamente fácil para a Espanha governá-los. Há também um toque de sentimentalismo sobre a África, com o qual o destino da Espanha foi entrelaçado por muitos séculos.

No final da Segunda Guerra Mundial, a Espanha renunciou à sua soberania sobre o Marrocos Espanhol, que agora faz parte do Reino do Marrocos. Junto com outras potências Européias e os Estados Unidos, a Espanha também se retirou de administrar Tangier na ponta norte da África.

Depois de uma breve guerra com o Marrocos em 1957 para manter o enclave de Ifni na costa Atlântica do Marrocos, a Espanha cedeu-o voluntariamente em 1969. No ano anterior ela concedeu a independência à Guiné Equatorial Espanhola e à ilha de Fernando Pó (hoje Bioko). Juntos, elas se tornaram a República da Guiné Equatorial. É um pequeno país em que a Espanha continua a ter interesses.

O último território importante da Espanha na África foi o Sahara Espanhol. É uma grande extensão de terra do deserto rica em fosfatos (que são utilizados na elaboração de fertilizantes artificiais) e possivelmente de petróleo.

A população nativa é composta em grande parte de Berberes nômades, que vivem em torno de um número de oásis. (Os Berberes são um povo do norte da África que habitavam aquela região antes da chegada dos Árabes). A Espanha retirou-se oficialmente do Sahara Espanhol em 1976. A região, que agora é chamada Sahara Ocidental, foi dividida entre os países vizinhos do Marrocos e da Mauritânia.

A Mauritânia depois renunciou à sua reivindicação ao território. A Organização das Nações Unidas (ONU) reconhece um grupo de libertação nacional chamado Frente Polisário como representante do povo do Sahara Ocidental.

Ceuta e Melilla

A Espanha ainda rege dois pequenos territórios no continente Norte-Africano, os portos de Ceuta e Melilla, na costa Mediterrânea do Marrocos. Foi a partir de Ceuta que as tropas nacionalistas do Generalíssimo Francisco Franco cruzaram o Estreito de Gibraltar para a Espanha para lançar a guerra civil Espanhola em Julho de 1936. Desde 1939, essas duas cidades completamente Espanholas têm sido uma parte integrante da Espanha.

Muitos habitantes trabalham na transformação do pescado e nas indústrias do turismo, que são as principais fontes de renda. Ambas as cidades também são portos livres e centros de contrabando. Em 1995, os territórios tornaram-se autônomos. Eles alcançaram o mesmo status que as 17 comunidades autonomas na Espanha continental.

A Espanha também reivindica o ilhéu desabitado de Perejil, ao largo da costa do Marrocos.

Gibraltar

Gibraltar é a colônia da coroa Britânica que controla a passagem entre o Atlântico e o Mediterrâneo. É o assunto de continuada controvérsia. A Grã-Bretanha ocupou Gibraltar - a fortaleza, o porto, e uma cidade agradável e próspera - desde 1704, quando a Espanha perdeu a Guerra da Sucessão Espanhola.

O governo Espanhol tem chamado Gibraltar "A Última Colonia na Europa" e exigiu o seu retorno à soberania Espanhola. Os Britânicos realizaram um referendo em 1967. Ele mostrou que a esmagadora maioria dos habitantes de Gibraltar insistiu, "Britânicos Nós Somos e Britânicos Nós Devemos Permanecer".

O governo Espanhol, no entanto, declarou o referendo ilegal. Ele gradualmente impôs restrições à colônia, cortando todo o comércio com o continente. O fluxo de trabalhadores Espanhóis a Gibraltar também foi cortado.

A fronteira foi reaberta em 1985. E as conversações sobre o futuro da colônia retomaram. Em 2002, a Grã-Bretanha e a Espanha concordaram em compartilhar a soberania sobre Gibraltar. Mas logo depois que a decisão foi tornada pública, os Gibraltinos esmagadoramente rejeitaram o acordo em um referendo.

Desde 2004, a Espanha, a Grã-Bretanha, e Gibraltar têm conduzido negociações visando resolver os problemas que afetam a população local e abordar as questões ambientais e outras. Uma área de disputa é a reivindicação de Gibraltar às águas territoriais estendendo-se 3 milhas (4,8 km) da costa.

Isso levou a periódicos e não-violentos confrontos navais entre as patrulhas Espanholas e Britânicas. Uma nova Constituição de Gibraltar foi aprovada por referendo em 2006. Ela garantiu o "máximo auto-governo" consistente com a soberania Britânica. A Grã-Bretanha manteve a responsabilidade pela defesa, relações exteriores, segurança interna e estabilidade financeira.

População

A Espanha tem mais de 46 milhões de habitantes. Não há, é claro, nenhuma coisa como um "típico" Espanhol. Na verdade, talvez não haja outro país na Europa onde as diferenças entre as pessoas são tão profundas quanto entre os Espanhóis.

A divisão da Espanha imposta pela sua geografia, que até recentemente bloqueou o movimento das populações, tem preservado os tipos regionais. Ela manteve viva as diferentes línguas e dialetos. E preservou as antigas diferenças políticas e culturais dentro da nação.

De uma maneira geral, os Espanhóis podem ser divididos em três grupos principais. Os nortenhos são descendentes dos Celtas que vieram para a península de 12 ou 13 séculos antes da Era Cristã e, talvez, a partir dos Vikings que vieram para a península cerca de 1.000 anos atrás. Os sulistas são fortemente influenciados pelos efeitos do domínio dos Mouros, que duraram mais de sete séculos. Os do leste traçam suas origens de volta para as antigas tribos Ibéricas e, em seguida, os Visigodos.

Apesar de todas as barreiras físicas e culturais, as migrações do trabalho moderno estão começando a borrar as diferenças, particularmente nas áreas industriais.

Os sulistas se espalharam para o centro e para o norte, e os nortistas para o centro e para o sul. Andaluzes escuros e Galegos baixos e de faces rosadas agora muitas vezes trabalham lado a lado com formosos Bascos e Catalães. Se é que existe tal coisa como um tipo de Castelhano ele desafia a descrição precisa.

O Madrileño, como o morador de Madrid é chamado, é o produto do que poderia ser descrito como o primeiro caldeirão Espanhol, já que a capital tem tradicionalmente atraído pessoas de toda a Espanha.

Linguagem

A maioria das nações estão unidas por sua língua. Na Espanha, o Espanhol é a língua dominante e oficial em todo o país. No entanto, vários outros idiomas são reconhecidos como oficiais nas partes do país em que são falados.

O Catalão, que está relacionado com a linguagem Provençal (ou Occitana) da França, é falado na Catalunha no nordeste da Espanha, ao longo da costa leste ao redor de Valência e nas Ilhas Baleares.

Também reconhecido como oficial na Catalunha é o Aranese, outro dialeto Occitano, falado no Vall d'Aran, uma região dos Pirinéus, na fronteira com a França. O Basco, uma língua que não tem parentes conhecidos, é falado no País Basco e em partes de Navarra. O Galego, um parente do Português, é a língua da Galicia e é falado também nas áreas vizinhas.

A forma de Espanhol que a maioria das pessoas conhece como a língua da Espanha, a língua oficial de todo o país, é realmente o Castelhano, o dialeto da Meseta. O Espanhol é uma das línguas mais faladas do mundo. A maioria dos oradores estão na América Latina, em países colonizados pela Espanha. Existem muitas variantes locais da língua no México e nas Américas Central e do Sul.

Religião

A religião parece ser mais um fator de unificação na vida Espanhola do que a linguagem. Mas isso nem sempre foi verdade. A esmagadora maioria dos Espanhóis são Católicos Romanos. E o Catolicismo Romano era a religião estatal da Espanha até à adoção de uma nova Constituição em 1978.

O Islã tem cerca de 1 milhão de adeptos ou 2,3 ??por cento da população. Existem várias igrejas Protestantes e também as Testemunhas de Jeová e a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons).

Uma lei especial aprovada em 1966 oficialmente suspendeu a proibição do governo sobre o culto público para não-Católicos. As Cortes (Parlamento) legalizaram o divórcio em 1981 e, desde então, tornaram o processo mais fácil e mais rápido. O aborto foi totalmente legalizado em 2010.

Os Problemas do Regionalismo

Apesar da crescente mobilidade da população, o regionalismo e o nacionalismo têm crescido, ao invés de diminuir, nas últimas décadas. Este é o caso no País Basco e na Catalunha, e, em menor grau, na Galicia e em Navarra. Há, naturalmente, profundas contradições neste nacionalismo regional. Um Basco considera-se tanto um Basco e um Espanhol. E um Catalão considera-se tanto um Catalão e um Espanhol.

Desde 1977, à muitas regiões da Espanha foi concedida a autonomia. Os mais amplos poderes foram conferidos na Catalunha e na região Basca. Isso satisfaz aqueles que apenas desejam preservar os traços e características regionais. Mas os extremistas ainda exigem a separação total.

Catalunha

Os habitantes da Catalunha, que são chamados Catalães, falam ambos o Espanhol e o Catalão. Mas nas aldeias remotas da Catalunha, raramente se ouve o Espanhol, apesar de a Catalunha ficar sob o domínio da Espanha por quase 500 anos. Além de sua própria linguagem, a Catalunha tem desenvolvido ao longo dos séculos uma cultura distinta e uma literatura rica que remontam ao século 13.

O senso da identidade cultural Catalã foi posteriormente submerso sob as influências Espanholas. Ele apareceu novamente em um renascimento poderoso na última parte do século 19. Ele tem vindo a ganhar vitalidade desde então.

Esta identidade separada da cultura se estende a outros aspectos da vida Catalã. Os Catalães, e especialmente as pessoas prósperas de Barcelona, consideram-se mais Europeus do que os Castelhanos de Madrid.

Este sentimento decorre da proximidade da Catalunha para a França e os antigos contatos com todo o mundo Mediterrâneo. Em um referendo de Junho de 2006, os eleitores da Catalunha aprovaram uma maior autonomia para a região. Ela incluiu o controle sobre os impostos e a imigração, e um judiciário independente.

Os Catalães se consideram práticos e trabalhadores e acreditam que sua contribuição para a economia Espanhola ajuda a suportar o resto do país. Há alguma verdade nisso, mas a riqueza da região pode ser atribuída à localização geográfica da Catalunha, que favorece o comércio e a indústria, e ao clima, que tem abençoado a Catalunha com uma agricultura rica.

Outro fator nessa relação entre a Catalunha e o resto da Espanha é que a Catalunha lutou no lado perdedor da Guerra Civil. Antes da Guerra Civil, sob a República Espanhola, a Catalunha era virtualmente um estado independente. Sob Franco, que estava empenhado em restaurar a unidade da nação destruída no final da guerra, a Catalunha perdeu seu status separado. Portanto, o regionalismo Catalão foi igualado com ser contra o governo.

Os Catalães têm suas próprias divisões entre si. Os Catalães que habitam o litoral sul, onde o Reino de Valencia uma vez prosperava, estão convencidos de que a linguagem Valenciana é mais pura do que a língua falada no norte em torno de Barcelona.

O povo das Ilhas Baleares, no entanto, acreditam que só eles e seus primos na área Ampurdán no norte do continente de Barcelona devidamente preservaram a língua e a cultura Catalã. O Catalão falado em Maiorca é, na verdade, bem diferente do Catalão de Barcelona.

Os Bascos

O outro principal problema de nacionalidade na Espanha, é no País Basco. Ele está localizado no norte da Espanha e em torno dos Pirinéus. O movimento para o separatismo Basco se originou no século 19. Ele foi particularmente ativo no final dos 1970s.

Os Bascos apoiando o separatismo desenvolveram uma oposição política militante. Ela foi liderada por um movimento nacionalista subterraneo conhecido como ETA (Euskadi ta Askatasuna, ou Pátria Basca e Liberdade). Aos Bascos foram concedidos governo local em 1980, quando três províncias Espanholas foram oficialmente unidas como a Comunidade Autonoma Basca.

Desde a formação do ETA no início dos anos 1950s, mais de 800 pessoas morreram em ataques terroristas. Em 1998 e novamente em 2006, o ETA proclamou um cessar-fogo que levou a negociações com o governo.

Cada vez as negociações foram interrompidas em renovações de violência. Por volta do século 21, no entanto, o apoio público entre os Bascos para o ETA foi diminuindo. As autoridades começaram a fazer um progresso constante em frustrar a organização, prendendo um dos seus líderes militares após o outro.

Quando o ETA voltou a anunciar o cessar-fogo, em Setembro de 2010 e, em seguida, em Janeiro de 2011, o governo recusou-se a ser arrastado para novas negociações. Em vez disso, ele exigiu a rendição incondicional.

No início de 2011, a asa política proibida do ETA, Batasuna, renunciou à violência e se reconstituiu como um novo partido separatista chamado Sortu. O Supremo Tribunal da Espanha se recusou a levantar a proibição ao Sortu. No entanto, um novo partido pró-independência do País Basco, Bildu, foi autorizado a disputar as eleições regionais em Maio. Ele ganhou mais de 25% dos votos no País Basco. Claramente, embora o ETA e suas táticas violentas pareciam estar marginalizadas, o separatismo Basco manteve-se forte.

Navarra

O povo da Navarra vizinha pratica a sua própria marca de nacionalismo. Navarra foi um bastião do Carlismo, um movimento tradicionalista político que buscou colocar um ramo alternativo da dinastia Borbón no trono. O Carlismo surgiu em uma disputa sobre a sucessão real no século 19 e levou a três guerras nesse século.

O movimento profundamente conservador vivia em especial em Navarra, e durante a Guerra Civil os Carlistas foram partidários naturais de Franco. Eles ficaram profundamente desapontados quando Franco chamou um príncipe Borbón da linhagem real principal, Juan Carlos, como seu sucessor em 1969.

A seção noroeste de Navarra é em grande parte de língua Basca, enquanto o sul é de língua Espanhola. A parte central do município é uma área de idioma misto. A capital, Pamplona, está localizada nesta área. A cidade é famosa por sua "corrida de touros" anual.

Galicia

Como a Catalunha e o País Basco, mas não Navarra, Galicia, é designada uma "nacionalidade histórica". Mas o nacionalismo ali é mais silencioso, com base principalmente nos triunfos culturais passados. A região é rica em vestígios pré-históricos.

A língua Galega contém elementos de línguas Celtas e Germânicas, um reflexo da história inicial da Galicia. Houve um renascimento Galego no século 19, parte de um amplo movimento nacionalista. Hoje, quase todos os partidos políticos da Galicia defendem alguma forma de agenda regionalista, embora há pouco separatismo real.

A capital da Galicia é Santiago de Compostela, o local de peregrinação mais famoso da Espanha.

Andaluzia

A Andaluzia não é reconhecida pela constituição Espanhola como uma "nacionalidade histórica". Em 2006, no entanto, o estatuto próprio de autonomia da Andaluzia foi revisado para incluir essa designação. Há o nacionalismo moderado e até mesmo algum separatismo na região sul, a mais populosa e a segunda-maior na Espanha.

O sentimento regionalista na Andaluzia deriva principalmente de fatores históricos. Este foi o coração da Espanha Moura; o último governante Mouro não foi expulso de Granada até 1492.

Os Andaluzes participaram em grande número na conquista e colonização da América Latina; seu dialeto do Espanhol é a base para a maioria das variantes do Espanhol faladas em todo o Atlântico.

A região prosperou com o tesouro trazido para casa a partir do império ultramarino, e sua nobreza conspirou para se separar da Espanha no século 17.

Por volta do século 19, no entanto, a Andaluzia havia se tornado uma terra de grandes propriedades (latifúndios) explorados por trabalho contratado. A Revolução Industrial passou por ela, mas a sua empobrecida classe trabalhadora rural desenvolveu fortes movimentos socialistas e anarquistas, e a região continua bastante de esquerda.

No entanto, a Andaluzia é o berço de muitas das características culturais que hoje tendem a se pensar como características da Espanha como um todo. Ela foi o berço do flamenco, o estilo distinto de música e dança para o qual os Romani (Ciganos) fizeram uma grande contribuição.

As touradas também se originaram lá, talvez introduzidas pelos Mouros. Lamentadas por muitos, as touradas permanecem para outros uma experiência quase espiritual na qual o homem, em toda a sua glória (o matador usa um traje de luces [terno de lantejoulas]), confronta a natureza e a possibilidade muito real da morte. Aqueles que se envolvem em estereótipos vêem este romantismo heróico como a quinta essência do Espanhol.

O que está claro é que, apesar dos regionalismos, nacionalismos, e separatismos em seus diferentes graus de intensidade, há muito que une a Espanha. Ela pode ser encontrada em uma rica herança cultural compartilhada por todas as regiões e em muitos aspectos da vida moderna.

Na verdade muitas características da vida contemporânea unem o Espanhol também aos seus vizinhos Europeus, com quem eles partilham a adesão à União Europeia (UE).

Modo de Vida

Os Espanhóis são um povo muito sociável. Um dia em qualquer cidade, aldeia, ou vila Espanhola deixa isso claro. Cada rua em cada cidade tem sua parcela de bares e cafés e tascas. (Tascas são lugares onde se fica no balcão tomando um conhaque, um copo de vinho ou uma cerveja enquanto se come camarão, queijo, presunto, ou lingüiça).

Os Espanhóis gostam de comer e comer bem. Almoços e jantares de lazer tardios não são o monopólio dos ricos. Eles fazem parte da cultura Espanhola. Cada região tem sua própria cozinha. Madrid é famosa por suas tripas e seu cocido, um prato rico de carne cozida. Valencia e Murcia são a terra da paella, o prato de arroz com açafrão, frutos do mar e frango.

O sul e a Estremadura oferecem o gazpacho, a sopa fria de pão, tomate e pepino. A Catalunha é conhecida por suas caçarolas. E o País Basco, a delícia do epicurista, é especializado em peixes e frutos do mar. Os Bascos também patrocinam sociedades de comer.

Os Espanhóis são um povo amante de esportes. Muito mais popular agora do que as touradas, que foram proibidas nas Ilhas Canárias e na Catalunha e foram retiradas da televisão pela rede estadual em 2011, é o futebol.

Dois clubes Espanhóis profissionais, o Barcelona e o Real Madrid, são altamente bem-sucedidos em ambas competição nacional e internacional. A seleção da Espanha venceu a Copa do Mundo em 2010.

Basquete, tênis, ciclismo, e golfe não só são populares, mas também esportes em que a Espanha tem tido um sucesso internacional. Rafael Nadal é considerado um dos maiores jogadores de tênis na história do jogo.

A sociedade Espanhola mudou dramaticamente nos anos desde a época de Franco, um regime autoritário e patriarcal em que a Igreja Católica Romana desempenhou um papel profundamente influente. As mulheres se juntaram à força de trabalho em grandes números, e os sucessivos governos têm incentivado ativamente esse desenvolvimento.

Não só o divórcio e o aborto foram legalizados, mas também o casamento homossexual. O novo senso de liberdade cultural e sexual foi capturado nos filmes de Pedro Almodóvar, que começou sua carreira no início dos 1980s.

No entanto, os tradicionalistas continuam. As leis do casamento liberalizado e reformas similares são amargamente protestadas em alguns lugares.

A Espanha tem vários milhões de residentes não-cidadãos reconhecidos oficialmente. Muitos deles são cidadãos aposentados de outros países Europeus que desejam viver esses anos no calor e no sol.

Mas outros vêm da Europa Oriental, América Latina, e Marrocos à procura de trabalho. Alguns dos imigrantes dessas áreas são ilegais; a Espanha tem um número estimado de 600.000 imigrantes não-documentados. Houve deportações periódicas de imigrantes ilegais do Norte de África.

No entanto, as anistias periódicas para os imigrantes ilegais mostram que os esforços para controlar a imigração clandestina têm sido ineficazes.

Cidades

As cidades da Espanha elegantemente misturam o antigo e o moderno, e elementos Mouriscos e Espanhois.

Madrid

Uma vez uma calma cidade do velho mundo, hoje Madrid é o lar de milhões de pessoas. É uma das maiores cidades da Europa e tem todas as conveniências e problemas de uma grande metrópole.

Automóveis congestionam as ruas onde os pedestres uma vez caminhavam serenamente. Edifícios de escritórios se elevam ao longo do Paseo de la Castellana, a avenida mais elegante de Madrid, que antigamente era ladeada por mansões da nobreza. La Castellana foi feita mais longa, e a própria cidade se expandiu para fora em anéis de subúrbios.

Um estabelecimento de pouca importância no tempo dos Romanos, Madrid foi chamada Madjirith pelos Mouros que vieram para a Espanha no século 8.

O nome e um punhado de habitantes eram tudo o que a cidade tinha até o século 16, quando o local da futura capital ainda era uma floresta onde javalis e ursos eram frequentemente caçados. A transformação da floresta na Meseta começou em 1561, quando o Rei Filipe II declarou que Madrid era para ser a capital do reino Espanhol.

Embora muitos de seus sucessores consideraram a mudança da capital para outros lugares, Madrid, com a sua localização aproximadamente central, manteve-se a sede do governo, e a cidade começou a crescer.

As partes sobreviventes mais antigas da cidade estão na e perto da Plaza Mayor. Ali está a Casa de la Panadería (Casa de Pães). Ela foi construída em 1672 como um salão real do qual o rei e seus nobres podiam assistir confortavelmente festas, touradas, torneios, e até mesmo execuções públicas.

A lei exigia que os moradores das outras casas na praça permitissem que os membros da justiça sentassem por suas janelas de frente para assistir a esses espetáculos.

A Plaza Mayor estava lotada no grande dia no século 17 quando cinco santos - Santa Teresa de Ávila, Santo Inácio de Loyola, São Francisco Xavier, Santo Isidoro (San Isidro), e São Filipe Neri - foram canonizados em simultâneo.

A uma curta distância da Plaza Mayor de Madrid está a catedral, a Igreja de San Isidro, o santo padroeiro de Madrid. Os Madrileños tradicionalistas têm uma afeição especial por seu santo. Segundo a lenda, um dia, enquanto ele dormia na fazenda onde trabalhava, um grupo de anjos veio do céu para concluir suas tarefas - um pouco de alívio às esperanças dos habitantes da cidade.

O centro de Madrid é a Puerta del Sol (Porta do Sol). Uma vez um portão da cidade, ela está agora no coração de Madrid. É também um ponto central a partir do qual todas as distâncias Espanholas são medidas, e do qual dez avenidas irradiam de Madrid. Seguindo uma delas, a Calle de Alcalá, chega-se à fonte mais famosa de Madrid, a Cibele, a Deusa-Mãe.

Mais adiante, no Paseo del Prado, está um dos maiores museus do mundo. Seu nome próprio é o Museo de Pinturas (museu de pinturas). Mas é quase sempre chamado de Prado. Ele contém uma incrível riqueza de arte, incluindo as obras de grandes pintores Espanhóis, tais como Velázquez, El Greco, e Goya, assim como uma vasta coleção de obras de arte Italianas, Flamengas, Francêsas e Alemãs.

Também localizados nesta avenida estão dois outros importantes museus, ambos estabelecidos em 1992. Eles são o Museo Nacional Centro de Arte Rainha Sofía, o museu nacional de arte moderna; e o Museo Thyssen-Bornemisza, uma das maiores coleções privadas do mundo.

As ricas coleções dessas instituições são complementadas pela beleza do vizinho Jardim Botanico. Ele oferece 30.000 espécies diferentes de árvores. Nas proximidades também está o Parque del Retiro, uma ilha verde na cidade que está repleta de fontes.

Ele tem passeios sombreados, um jardim de rosas, e até mesmo um pequeno jardim zoológico. O Retiro foi iniciado por Filipe IV, que construiu um palácio lá. É uma das centenas de locais da cidade embelezada pelos reis Espanhóis.

Eles incluem a Ciudad Universitaria (Cidade Universitária), o vasto complexo da Universidade Complutense de Madrid. Ela foi iniciada pelo rei Espanhol Alfonso XIII em 1928. Os prédios da universidade foram fortemente danificados durante a Guerra Civil nos anos 1930s. Mas eles foram reconstruídos e já estão sendo ampliados, como a própria Madrid.

Madrid é um dos principais centros bancário e financeiro internacional. Sua economia é dominada pelo setor dos serviços. O custo de vida lá é muito alto.

Cidades e Monumentos perto de Madrid

Cerca de uma hora a noroeste de Madrid está o Valle de los Caídos ("Vale dos Caídos"), uma igreja onde Franco e milhares de soldados da Guerra Civil estão enterrados. Não muito longe está o Mosteiro Real de San Lorenzo del Escorial.

Ele foi construído por Felipe II como um memorial para seu pai e em homenagem a uma vitória Espanhola. Foi neste vasto edifício - uma mistura de esplendor real e simplicidade monástica, que Felipe passou seus últimos dias.

Ávila, a oeste do Escorial, é um dos grandes centros religiosos da Espanha. Suas notáveis muralhas antigas são alguns dos lugares mais fotografados no país.

Ávila foi o berço dos grandes místicos do século 16, Santa Teresa e São João da Cruz. Ela ganhou o nome de "a fortaleza que repeliu a Reforma" em grande parte devido aos esforços incansáveis ??de seus dois santos. As muralhas do século 11 de Ávila, com suas 88 torres e nove portais, ainda dão à cidade uma aparência de fortaleza.

Toledo, a sudoeste de Madrid, é a mais esplêndida das cidades perto da capital. É tão cheia de tesouros históricos que tem sido designada um monumento nacional. Em 1986, Toledo foi declarada Patrimonio Mundial da UNESCO.

Como Toletum, a cidade era importante no tempo dos Romanos. Ela mais tarde se tornou a capital dos invasores Visigodos do norte. Em 712 a cidade passou para os Mouros e depois em 1085 a Afonso VI de Castela, que fez dela a capital do seu reino.

Até Philip mudar a corte para Madrid, Toledo foi a Ciudad Imperial y Coronado - "cidade imperial e coroada" - um título que ainda é-lhe permitida a utilização.

A pintura mais famosa da cidade, A vista de Toledo, de El Greco, está no Museu Metropolitan em Nova York. Mas a maior obra do pintor, O Enterro do Conde Orgaz, e sua casa, que é agora um museu, estão em Toledo.

Outras evidências do passado colorido de Toledo são visíveis em toda parte. Fora dos muros da cidade, por exemplo, estão os restos da colônia Romana, um castelo medieval, e a Fábrica de Armas (fábrica de armas). Na Fábrica de Armas, as armas de aço pelas quais Toledo é conhecida desde a Idade Média ainda são feitas. Dentro das paredes há uma lição vívida na história da arquitetura Espanhola. A grande catedral é chamada Gótica porque foi iniciada no século 13.

Mas incorpora outros estilos arquitetônicos Espanhois também. Entre eles estão o Mudéjar, o plateresco, o Churrigueresque e o neoclássico.

Mudéjar é o nome dado ao estilo influenciado pelos Mouros. O plateresco é uma forma do início do século 16 que se assemelha ao delicado trabalho de ourives.

Churrigueresque é nomeado para José Churriguera. Seus desenhos extravagantes marcaram o ponto alto da arquitetura Espanhola no final do século 17 e início do século 18. Outros notáveis ??edifícios religiosos em Toledo são a antiga mesquita, que data do século 11 e agora é chamada de Santo Cristo de la Cruz, e a sinagoga de El Tránsito.

Segovia

Os sonhadores que foram acusados de "construírem castelos na Espanha" vão descobrir por que quando virem os magníficos castelos em Segóvia, que são totalmente fantásticos e belos o suficiente para inspirar até o mais pé no chão.

O mais famoso é a fortaleza-castelo, o Alcázar, que já foi a casa da Rainha Isabel I, e ainda é uma casa adequada para a realeza. Segovia também é conhecida por seu notavelmente preservado aqueduto Romano, que trouxe água para a cidade desde o 1º século dC.

Barcelona

Há menos de uma atmosfera de conto de fadas mas igualmente tanto na segunda-maior cidade da Espanha e porto marítimo líder, Barcelona. Sua localização no Mediterrâneo e o seny - senso-comum - de seu povo são citados como razões para a longa história de sucesso da cidade como um centro de comércio. Em 1992, Barcelona capturou a atenção mundial como sede dos Jogos Olímpicos de Verão.

Barcelona tem a reputação de ser a cidade mais Europeia da Espanha. Mas na verdade a sua história tem sido tipicamente Espanhola e reflete a procissão habitual dos conquistadores, que parecem mais frequentemente ter sido conquistados por suas supostas vítimas.

Barcelona é diferente na medida em que se tornou tão poderosa em um ponto de sua história que, mesmo os peixes do Mediterrâneo foram ditos estar usando as cores vermelho e amarelo da capital Catalã. Barcelona, como o resto da Espanha, começou a declinar em importância no século 16. Mas com o alvorecer da Revolução Industrial ela começou a crescer - um processo que ainda está acontecendo.

O sucesso financeiro não entorpeceu o charme da cidade, com sua esplêndida localização numa encosta que desce até ao mar. Na parte mais antiga da cidade, o Bairro Gótico, há relíquias abundantes da ocupação Romana, incluindo partes da antiga muralha da cidade.

Perto está a bonita catedral do século 14, com seus claustros e jardins, onde gansos consagrados à santa padroeira da cidade, Eulalia, vagueiam alegremente.

O centro do Bairro Gótico é a Plaza del Rey (Praça do Rei) com o Palácio Real Mayor (grande palácio real), em cujas salas Colombo foi apresentado a Fernando e Isabel em seu retorno de sua primeira viagem à América.

Hoje, como no século 15, o porto é a parte mais importante da cidade. Ao longo da Calle de Moncada perto do porto estão belas mansões. As obras de Pablo Picasso, um dos mais famosos pintores modernos da Espanha, podem ser vistas no Museu Picasso.

Ele abriga uma das maiores coleções de sua obra em cinco das mansões ao longo da Calle de Moncada. No porto está uma réplica da nave-chefe de Cristóvão Colombo, a Santa Maria, junto com navios modernos, grandes e pequenos.

Pássaros reais, bem como flores, livros, revistas, e bens de qualquer natureza, estão à venda ao longo de Las Ramblas, uma avenida que se estende do centro da cidade ao porto. Espalhados por toda Barcelona estão os 15 extraordinários edifícios projetados pelo arquiteto Antonio Gaudí y Cornet (1852-1926). Suas obras têm sido aclamadas como os produtos de um gênio ou de um louco por causa de sua aparência notável.

Sua obra mais famosa é o Templo Expiatório de la Sagrada Familia (Igreja Expiatória da Sagrada Família). Quando estiver concluída esta igreja terá 12 torres - uma para cada um dos apóstolos - além de uma torre maior para a Sagrada Família. Um Patrimonio Mundial da UNESCO, a igreja é o marco mais famoso de Barcelona.

Barcelona tem sido um centro comercial e industrial. Hoje, os serviços predominam, mas a manufatura continua a ser importante. As indústrias incluem os têxteis, produtos químicos, produtos farmacêuticos, automóveis e eletrônicos.

Sevilha

Sevilha, no sul da Espanha, é a cidade que provavelmente capta o melhor imaginário do estrangeiro de como é a Espanha. Aqui uma perfeita fusão tem ocorrido entre a configuração, o clima, e os acontecimentos do passado, resultando em uma cidade que é tão bonita quanto ela é rica em vida, cor e história.

Sevilha é conhecida pelos leitores como o berço do cavaleiro de Cervantes, Don Quixote, e para os amantes da ópera como o cenário de Don Giovanni de Mozart, a Carmen de Bizet, e o Barbeiro de Sevilha de Rossini.

Mas a cidade é, e sempre foi, muito mais do que um pano de fundo para eventos imaginários. A capital da Andaluzia, é o mais importante porto interior da Espanha. Ele está conectado ao Atlântico pelo Rio Guadalquivir e por um canal para navios oceânicos. Sevilha é também um centro de produção importante.

Sevilha foi um próspero centro comercial, mesmo no tempo dos Mouros. Na verdade, um historiador Muçulmano relatou: "Se alguém perguntasse pelo leite de aves em Sevilha ele seria encontrado". A descoberta do Novo Mundo em 1492 inaugurou o maior período de prosperidade de Sevilha. A cidade deteve o monopólio sobre o comércio com as colônias até o século 18, quando ele passou a Cádiz.

A parte mais antiga da cidade tem ruas estreitas e sinuosas e praças bonitas. A catedral enorme, entre as maiores do mundo, é conhecida por seus tesouros artísticos. Ela também é reivindicada como o local de sepultamento de Colombo.

A torre sineira próxima é chamada de Giralda. Ela é um símbolo como a Torre Eiffel em Paris ou o Empire State Building em Nova York. Outros edifícios como a Torre del Oro (torre de ouro) guardando o rio, a Biblioteca Colombo, e o Alcazar do século 14, dão a Sevilha a sua reputação de beleza.

Cada noite, durante a Semana Santa antes da Páscoa, a grande catedral se torna o foco das procissões de centenas de pasos - carros alegóricos. Os carros carregam figuras religiosas magnificamente esculpidas.

Os pasos são seguidos por bandas de trompetistas e percussionistas. Elas tocam músicas compostas para as cerimônias solenes e magníficas. Outros festivais ao longo do ano são realçados pela música, dança e touradas.

Economia

A Espanha aderiu à União Europeia (UE) em 1986 e foi membro fundador da União Monetária Europeia, adotando o euro em 1999. A economia do país cresceu rapidamente de meados da década de 1990 até 2008. O crescimento, no entanto, foi baseado em grande medida sobre o boom do mercado imobiliário.

O colapso desse mercado em 2008 atingiu duramente a indústria da construção, e o desemprego aumentou bastante. Em cima disso veio a crise financeira e econômica global, que começou em 2008.

Os esforços do governo para impulsionar a economia através de gastos de estímulo, prolongamento do subsídio de desemprego, e garantias de empréstimo não impediram um aumento contínuo da taxa de desemprego, que chegou a 20 por cento em 2010. Naquele ano, o governo começou a cortar os gastos públicos, a fim de controlar o balão do déficit orçamentário da Espanha.

Serviços

O setor de serviços contribui com cerca de 72 por cento do produto interno bruto de Espanha (PIB) e emprega cerca do mesmo percentual da força de trabalho.

(PIB é o valor total de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano). Os serviços abrangem uma ampla gama de atividades.

Eles incluem áreas como administração pública, saúde e educação, serviços bancários e outros serviços financeiros, serviços empresariais, transporte, comércio atacadista e varejista, e imobiliário. Eles também incluem o setor de hospitalidade (alimentação e alojamento) e outros empreendimentos associados ao turismo, que é extremamente importante na Espanha.

Os turistas vêm para a Espanha para o sol e areia, recostando-se nas praias da Costa Brava (Catalunha), Costa Blanca (Valencia), e Costa del Sol (Andaluzia), para citar apenas algumas das áreas de resort litorâneas.

E, claro, eles vêm para experimentar a rica cultura. Além de todos os locais históricos, uma importante atração nova é o Museu Guggenheim Bilbao. A construção deste edifício notável (1997; projetado pelo arquiteto Americano Frank Gehry) transformou um centro industrial sujo e em declínio no País Basco em um destino turístico de liderança.

Indústria

De longe um país essencialmente agrícola, a Espanha teve um surto de crescimento industrial nos anos 1960s e início dos anos 1970s. Já um produtor significativo de têxteis, ela desenvolveu uma grande indústria siderúrgica e capacidade de construção naval.

Mais tarde, quando essas indústrias começaram a declinar, automóveis e produtos químicos tornaram-se setores-chave. Processamento de alimentos, eletrônicos de consumo e sistemas de defesa também foram adicionados à mistura.

Hoje, as grandes indústrias produzem têxteis e vestuário, alimentos e bebidas, metais e produtos de metal, produtos químicos, navios, automóveis, máquinas-ferramentas, argila e produtos refratários, calçados, produtos farmacêuticos e equipamentos médicos. A indústria contribui com 25,5 por cento para o PIB e emprega cerca de 24 por cento da força de trabalho.

A indústria está concentrada principalmente no norte da Espanha. A região de Madrid enfatiza a eletrônica, processamento de alimentos e a fabricação de produtos de consumo. Valladolid é um centro da toda-importante indústria automobilística, que emprega 9 por cento da força de trabalho total.

A Catalunha tem grandes montadoras, manufatura têxtil e fabricação de produtos eletrônicos. A Valencia também produz têxteis; outras indústrias lá incluem metalurgia, química, construção naval e fabricação de cerveja.

Nas Astúrias, Cantábria e País Basco, os ricos recursos minerais da Cordilheira Cantábrica (ferro, carvão e zinco) são explorados, mas a mineração é agora uma indústria em declínio. O País Basco deteve por muito tempo mais indústria do que o resto da Espanha junta.

Ele continua a ser a mais rica parte da Espanha, apesar de suas indústrias tradicionais terem diminuído, dando lugar a serviços e alta tecnologia.

Agricultura

A agricultura agora responde por menos de 3 por cento do PIB e emprega cerca de 4 por cento da força de trabalho. O tamanho das fazendas é em média de cerca de 52 acres (21 ha). Apesar da reforma agrária, as pequenas propriedades ainda coexistem com grandes propriedades.

A agricultura é impedida em algumas áreas pela irrigação insuficiente e o esgotamento e erosão do solo. No entanto, a crescente mecanização tem melhorado a produtividade.

A Espanha produz grandes colheitas de cevada e trigo; ela é a quinta-maior produtora mundial de cevada. É a fonte de 30 por cento da cortiça do mundo; o maior produtor mundial de azeite; e terceiro-maior produtor de vinhos do mundo. É também o maior produtor Europeu de frutas cítricas. Legumes, beterrabas, e morangos também são cultivados. Suínos, bovinos e aves são criados; a Espanha é o quinto maior produtor de suínos.

Os planaltos semi-áridos e as montanhas do interior, bem como as temperaturas extremas, tornam a agricultura difícil lá. Onde é possível, a agricultura é baseada em grãos, batatas, azeitonas, e beterraba. As áreas agrícolas mais produtivas são as regiões costeiras.

A costa Mediterranea ao sul da Catalunha é a principal região produtora de vegetais. As azeitonas são amplamente cultivadas mas particularmente importantes na Andaluzia. A região vinícola mais conhecida é La Rioja, no alto vale do Ebro, a noroeste da Meseta. A bacia do Ebro, como a área agrícola de Valencia, é irrigada e também produz milho, beterraba, e frutas de pomar.

A Espanha tem a maior frota de pesca da Europa. Ela inclui tanto navios industriais de grande porte que vão por todo o mundo em busca de atum e bacalhau e pequenos barcos familiares que pescam por sardinhas e moluscos nas águas nacionais.

De todas as regiões, a Galicia é a mais dependente da pesca. A cidade de Vigo tem o maior porto de pesca na Europa.

Energia

A demanda por energia tem aumentado dramaticamente na Espanha desde cerca de 1990. O país depende fortemente dos combustíveis fósseis importados (petróleo, gás natural e carvão) para a indústria e transporte.

Para geração de eletricidade, no entanto, ele usa uma grande proporção de fontes renováveis de energia. Oito reatores nucleares geram cerca de 19 por cento da eletricidade; a energia hidroelétrica mais de 17 por cento; a energia solar 2,6 por cento; e a energia eólica (vento), notáveis 21 por cento. Usinas de carvão abastecem apenas cerca 13 por cento da energia.

Comércio

Os parceiros comerciais mais próximos da Espanha são a França e a Alemanha e outros membros da UE, assim como a China e os Estados Unidos. Suas exportações principais são automóveis, frutas, minerais, metais, roupas, calçados e têxteis. As importações são principalmente de petróleo, sementes oleaginosas, aeronaves, grãos, produtos químicos, máquinas, equipamentos de transporte, peixes, e bens de consumo.

Transporte

A primeira ferrovia na Espanha começou a operar em 1848. Ao contrário daquelas do resto da Europa Ocidental, a maioria das linhas mais antigas Espanholas usavam a bitola mais larga, embora alguns sistemas regionais tivessem ferrovias de bitola estreita.

Em 1992, no entanto, a Espanha abriu sua linha de alta velocidade em primeiro lugar, usando pistas de bitola padrão. Sua rede de alta velocidade (AVE) é agora a mais extensa da Europa (atrás apenas da China em todo o mundo). Uma linha ligando as redes Espanhola e Francêsa de alta velocidade foi inaugurada em 2010.

O sistema rodoviário nacional irradia para fora de Madrid. Incluindo estradas locais, a rede rodoviária se estende por 423.339 milhas (681.298 km).

Com uma longa costa, a Espanha tem vários portos. Entre os mais movimentados estão Barcelona, Algeciras, Bilbao, Cartagena, e Valência. Os aeroportos mais movimentados do país são Madrid e Barcelona. Iberia, a companhia aérea nacional, foi privatizada em 2001.

Comunicações

Televisão e serviços públicos de rádio, tanto a nível nacional e regional, são fornecidos pela Corporación Española Radiotelevisión (RTVE), fundada em 1937.

Estes são agora complementados por muitas empresas de radiodifusão de propriedade privada. Algumas estações regionais transmitem em línguas regionais. A maioria dos principais jornais são publicados em Madrid e no idioma Espanhol. No entanto, existem jornais em Catalão e em Basco e algumas publicações bilíngües.

A Telefónica, o ex-monopólio estatal, domina o serviço de telefonia a cabo, mas tem uma concorrência crescente dos telefones celulares. Há mais de 28 milhões de usuários de Internet.

História

Uma antiga lenda diz que os primeiros colonos na Espanha foram Tubal e Tarsis, sobrinhos de Noé. Pouco, na verdade, é conhecido sobre os primórdios da história Espanhola. Evidência dos colonos do Paleolítico no norte está contida nas cavernas de Altamira, perto de Santander.

Ali cerca de 15.000 anos atrás, artistas decoravam as paredes da caverna com desenhos notáveis ??que ainda conservam a sua beleza. Relíquias ligeiramente mais jovens desses tempos antigos são os túmulos da Nova Idade da Pedra, que provavelmente eram feitos pelos povos que deram seu nome à península, os Ibéricos.

Iniciando em cerca de 900 aC, os Celtas atravessaram os Pirineus na península, onde se misturaram com os Ibéricos para formar o povo Celtiberiano, a quem um historiador Latino chamou de robur Hispaniae - "o carvalho da Espanha".

A localização estratégica da península e seus recursos, tais como o estanho, atraiu outros povos também. Os arrojados e intrépidos navegadores Fenícios são conhecidos por ter estabelecido postos comerciais no Vale do Guadalquivir e ao longo da costa sul.

O mais importante deles foi Gades, agora chamado de Cádiz. Ainda outro povo marítimo, os Gregos, estabeleceram seus próprios postos avançados na península. Os Gregos são creditados com a introdução aos Celtiberos da cultura do azeite e do vinho da uva, com a cunhagem, e com a melhoria de fazer cerâmica.

Os Cartagineses, povo do Norte Africano, também montaram postos de comércio ao longo da costa Espanhola, incluindo Cartagena (Nova Cartago) e Barcelona, que se diz ter sido nomeada para Amílcar Barca, o general Cartaginês do terceiro século.

Como uma das principais potências do Mediterrâneo, Cartago apresentou uma séria ameaça ao seu principal rival, Roma. O resultado foi o conflito longo e amargo conhecido como as Guerras Púnicas (cerca de 264-146 aC).

Grande parte da guerra foi travada na Península Ibérica. Outras ações importantes, tais como o avanço de Aníbal sobre os Alpes contra Roma foram lançados a partir da península.

Em última análise, no entanto, os Romanos levaram os Cartagineses para fora da península e a tornaram uma província Romana chamada Hispania, da qual vem o nome Espanha.

Espanha Romana

O terreno montanhoso e o espírito independente dos Celtiberos fez a conquista completa da nova província uma tarefa difícil, que levou aos Romanos quase 200 anos. Com a regra bastante civilizada dos Romanos, ao povo da Hispânia foram dados os direitos civis e políticos sob a lei Romana. Escolas foram estabelecidas, e o Latin se tornou a língua do povo.

Os produtos das minas e fazendas da península desempenharam um papel importante na economia de Roma. Cidades como Hispalis (Sevilha), Cesaréia Augusta (Zaragoza), Emerita Augusta (Mérida), Brigantium (La Coruña) e Tarragona foram estabelecidas.

Cerca de 18.000 milhas (29.000 km) de estradas, bem como imensos aquedutos (como o de Segovia) e anfiteatros foram construídos, e muitos ainda estão em uso, um testemunho do gênio Romano para a edificação.

Quatro imperadores Romanos - Trajano, Adriano, Marco Aurélio e Teodósio, nasceram na Hispania. Durante a chamada Era de Prata da literatura Latina, de cerca de 14 a 130, escritores nascidos Espanhois tais como como Sêneca, Marcial e Quintiliano ganharam fama em todo o mundo Romano.

O período de domínio Romano de 200 a 400 A.D. foi a mais longa era de paz e prosperidade que a Espanha tem conhecido até hoje. Um alto grau de unidade foi conseguido sob a liderança Romana que pode ser pensado como formando a base da nação Espanhola. Quando o poder Romano declinou, ele foi substituído por outra força unificadora - o Cristianismo.

A Igreja Católica Espanhola afirma ter sido fundada através da missão do Apóstolo São Tiago Maior, cujo santuário de Santiago de Compostela ainda atrai peregrinos de todo o mundo.

Muitos estudiosos acreditam, no entanto, que foi provavelmente São Paulo que fundou a igreja na Espanha, em uma missão entre 63 e 67. Seja qual for a verdade, daquele dia até hoje a Igreja tem sido uma força poderosa na vida Espanhola.

Os Visigodos

No início do século 5 dC, os Visigodos - Godos do Oeste - uma tribo Germânica, atravessaram os Pirineus e fizeram uma conquista fácil do povo, cujas habilidades de combate tinham sido submersas durante seus longos e pacíficos anos como sujeitos aos Romanos.

Mas mesmo quando os Visigodos estavam estendendo sua conquista da península, eles foram sendo absorvidos pela cultura Ibero-Romana. O Latin continuou sendo a língua do povo, e o Cristianismo finalmente tornou-se a fé dos invasores também.

Depois que o rei Visigodo Reccaredo se converteu ao Cristianismo em 589, os membros do alto clero e da nobreza foram agraciados com uma voz nos conselhos de Estado. A educação, em vez de ser estatal como no tempo dos Romanos, era exercida pela Igreja. Na península, como no resto da Europa durante a Idade Média, a Igreja ajudou a preservar a aprendizagem clássica.

Os Mouros

Mais um esforço importante foi adicionado ao caldeirão Espanhol quando os Mouros invadiram a Espanha em 711. Esses Muçulmanos do Marrocos tinham sido solicitados a ajudar a resolver um conflito sobre qual dos rivais Visigodos devia reinar como rei.

Dentro de sete anos os Mouros e os seus aliados Árabes conquistaram a península, exceto por bolsões isolados de resistência, principalmente nas montanhas do norte. Foi lá no norte que os Cristãos começaram a se mobilizar para o objetivo da reconquista - algo que não foi atingido por oito séculos.

Os Muçulmanos conquistaram seu maior poder no sul da Espanha. Lá, o maior dos governantes Muçulmanos, Abd al-Rahman III (891-961), que chamava a si mesmo Califa de Córdoba e Comandante dos Fiéis, ajudou a tornar a cidade de Córdoba um dos grandes centros Europeus de cultura e comércio.

Além disso, a agricultura e a indústria avançaram sob os Muçulmanos. O cultivo de produtos como figos, laranjas, limões, cana, melão e arroz foi introduzido e continua a ser importante hoje. Os antigos sistemas de irrigação Romana foram ampliados e melhorados.

Minas foram trabalhadas. Armaduras e espadas de Toledo e Córdoba, sedas e lãs Espanholas, couro e cerâmica foram negociados em toda a Europa.

Os Muçulmanos deixaram apenas um punhado de monumentos arquitetônicos - a grande mesquita de Córdoba, o Alhambra em Granada, e a Torre Giralda de Sevilha. Seu legado mais duradouro foi intelectual. Os Muçulmanos trouxeram para a Espanha e à Europa a cultura da Grécia antiga, cujo último centro intelectual, Alexandria, tinha sido conquistada pelos Árabes em 642.

Como historiadores, filósofos, gramáticos, e astrônomos os Muçulmanos fizeram contribuições importantes para o desenvolvimento do pensamento Europeu.

A farmacologia e a botânica tornaram-se ciências formais, como resultado do trabalho dos Muçulmanos nestas áreas, e duas formas de trigonometria - plana e esférica - foram desenvolvidos por eles na Espanha.

A Reconquista

Grandes como suas realizações foram, os Muçulmanos estavam muitas vezes divididos entre si. Enquanto lutavam entre si, eles estavam cada vez mais suscetíveis ao ataque pelas forças Cristãs que procuravam reunir a península sob a Cruz.

Quando os Cristãos lutaram a caminho do sul, vários reinos foram estabelecidos - Galicia, Asturias, León, Castela, Aragão, Navarra e Catalunha. Através de casamentos e das guerras, os reinos foram gradualmente unidos.

As etapas que levaram à unificação da Espanha são imensamente complicadas e são melhor resumidas em datas - do primeiro confronto em Covadonga em 718 à recaptura das importantes cidades de Toledo (1085), Córdoba (1236), Sevilha (1248) e, finalmente, Granada em 1492. A turbulência e até mesmo o romance do período são talvez melhor retratados no épico Poema de Mio Cid, que descreve os feitos heróicos do cavaleiro-aventureiro do século 11 Rodrigo Díaz de Vivar, conhecido como El Cid, que lutou tanto contra Cristãos e Muçulmanos mas nunca contra o seu suserano, o Rei Alfonso VI de Castela.

Mesmo quando as façanhas do El Cid foram se tornando lendárias, a desunião entre os reinos Cristãos parecia fazer a formação de uma nação impossível. O mais forte dos reinos Espanhóis estava expandindo o seu poder em outras partes da Europa.

A Catalunha conquistou as Ilhas Baleares no início do século 13, e no final do mesmo século, o rei de Aragão tomou a Sicília, iniciando assim as longas e complicadas aventuras da Espanha na Itália.

No decorrer do século 14, o poder marítimo Catalão veio ao resgate de Constantinopla contra os Turcos e ajudou a fazer a Catalunha uma grande potência no Mediterrâneo. Em 1443, Aragão acrescentou o Reino de Nápoles aos seus territórios. O palco estava montado para estabelecer uma poderosa e unida Espanha se tornar uma grande potência na Europa e no mundo por vários séculos vindouros.

Espanha Imperial

O casamento de Isabel I, Rainha de Castela, com Fernando II de Aragão em 1469 simbolizou a união da Espanha, apesar de que a união não seria um fato consumado até 1492, quando Granada foi reconquistada dos Mouros.

No mesmo ano, Cristóvão Colombo descobriu o Novo Mundo para a Espanha. A nação estava no início de sua maior era de prosperidade e grandeza.

Em 1496, o Papa Alexandre VI recompensou Isabel e Fernando com o título de Los Reyes Católicos - Os Reis Católicos - pelos seus serviços passados à Igreja e como um incentivo a formar com ele na Itália. Já em 1478, Isabella tinha estabelecido o Santo Ofício, ou Inquisição, cujo principal dever era fazer da Espanha uma nação Cristã. Os não-Cristãos foram orientados a se tornarem Católicos ou deixarem a Espanha. A maioria dos Judeus deixou a Espanha. Os que permaneceram, e muitos dos Muçulmanos também, fingiram ser convertidos enquanto secretamente seguiam suas crenças antigas.

Ao mesmo tempo, a Espanha estava se tornando uma potência mundial. Considerando a França como seu principal rival, Fernando e Isabel conseguiram cercar a França através de alianças e casamentos.

Os filhos e filhas de Isabella e Ferdinand foram unidos em casamento com as casas reais de Portugal, Inglaterra e Áustria.

O casamento de Juana, filha de Fernando e Isabel, com Filipe de Borgonha, um filho do Imperador Habsburgo Maximiliano da Áustria, resultou na união das duas coroas; seu filho começou seu reinado como Carlos I da Espanha em 1516 e tornou-se o Sacro Imperador Romano Charles V em 1519.

Os Habsburgos Espanhóis

Os resultados deste esplendor real e imperial, na pessoa do rei Espanhol marcou a uma vez era mais gloriosa da Espanha e o início de seu declínio. O profundo envolvimento de Carlos V nos assuntos Europeus custou caro à Espanha em mão de obra e riquezas.

O recrutamento e o aumento de impostos aumentaram quando Charles combateu Francisco I da França, em uma sucessão de guerras; lutou para proteger Viena dos Turcos, e tentou em vão virar a maré da Reforma Protestante. Simultaneamente, os exploradores, marinheiros, soldados e sacerdotes Espanhóis estavam estendendo o império ultramarino.

O México foi conquistado por 1522; o Peru tornou-se um território Espanhol em 1535. Em meados do século 16, a bandeira da Espanha sobrevoava colônias na Califórnia, Flórida, Américas Central e do Sul, e nas Filipinas, bem como na costa da África.

Em 1556, Charles V entregou o trono da Espanha em favor de seu filho Felipe II, que também tornou-se rei das Índias, do Reino de Nápoles e dos Países Baixos.

O reinado de 42-anos de Felipe é notado pelas grandes realizações, que parecem corresponder a falhas igualmente sombrias. Felipe fez Madrid capital da nação. Ele fez toda a península Espanhola quando ele assumiu o trono de Portugal em 1580, e ajudou a derrotar os Turcos na batalha naval de Lepanto, em 1571.

Em seus outros esforços, Felipe teve menos sorte. Ele esteve envolvido em uma longa luta e, finalmente, sem sucesso, para manter os Países Baixos Católicos e Espanhois. Isto levou-o em conflito com a Inglaterra.

Foi Felipe que despachou a Invencível Armada contra a frota da Rainha Elizabeth I em 1588 - uma aventura que terminou desastrosamente para a armada Espanhola e diminuiu seriamente a posição da Espanha como uma potência internacional.

O declínio do poder Espanhol continuou lentamente durante os reinados de Felipe III e Felipe IV. Como outros monarcas da época eles confiaram muito do seu poder a seus conselheiros que governavam para eles.

Na verdade, quando os reis agiram por conta própria, muitas vezes os resultados foram desastrosos, como foi o caso quando Felipe III expulsou quase 500.000 Mouriscos - Muçulmanos convertidos - de seu reino em 1609.

A perda desses cidadãos capazes e laboriosos teve graves consequências economicas para a Espanha. No início do reinado de Felipe IV, no entanto, a Espanha ainda era uma grande potencia na Europa.

Pelo momento de sua morte, em 1655, a França havia se tornado a principal potência no continente e a Espanha tinha perdido seus territórios Europeus.

Curiosamente, foi neste contexto que as artes na Espanha floresceram tão magnificamente que o período de cerca de 1550-1680 veio a ser conhecido como a Idade de Ouro. Escritores, artistas, arquitetos e escultores, apoiados e incentivados pelos nobres, proveram o mundo com obras de autênticos genios. O teatro ganhou enorme popularidade através da obra de dramaturgos como Lope de Vega e Pedro Calderón de la Barca.

Foi neste período, também, que Cervantes publicou D. Quixote, que é considerada uma das obras-primas da literatura mundial. Na pintura, houve uma série igualmente impressionante de talentos criativos, incluindo José de Ribera, Bartolomé Esteban Murillo, e Francisco de Zurbarán.

Os gigantes de arte foram, no entanto, Kyriakos Theotokopoulos, que é conhecido como El Greco (o Grego), porque ele nasceu em Creta, e Diego de Silva y Velázquez.

Os Borbóns Espanhois

O último rei Habsburgo Espanhol foi Charles II, um homem triste e imbecil, que mal podia pensar, muito menos administrar um reino. Quando ele estava perto da morte, ele foi persuadido a legar o seu reino para Philip, Duque de Anjou, um membro da casa Francesa de Bourbon.

O resultado imediato foi a Guerra da Sucessão Espanhola. Mas o Duque, em última análise subiu ao trono como Felipe V. Suas mal sucedidas atividades militares fizeram pouco para ajudar a Espanha voltar à sua antiga glória.

Seus sucessores foram ligeiramente mais bem sucedidos em seus esforços para administrar o império e a Espanha. Tentativas foram feitas para fortalecer a economia e melhorar a educação, o comércio, e a indústria.

Mas o domínio da França na Europa e as guerras recorrentes em que a Espanha foi orientada drenaram fora o modesto progresso provido por aqueles passos. O último dos Borbóns Espanhois a reinar no século 18 foi Charles IV, um rei incompetente, cuja esposa, juntamente com seu ministro-chefe, Manuel de Godoy, governavam o reino.

A longa crise

As representações gráficas de Goya sobre a brutalidade da guerra refletem os eventos na Espanha durante o período da dominação de Napoleão na Europa. Inevitavelmente, a Espanha foi arrastada para o conflito, primeiro como um aliado da França.

Os resultados da aliança incluíram a destruição das frotas Francesa e Espanhola em Trafalgar, em 1805 por Lord Nelson da Inglaterra e depois em 1808 a invasão da Espanha pelas forças Francesas.

O irmão de Napoleão Joseph foi feito Rei D. José I de Espanha. Mas esta honra foi de curta duração, pois o povo Espanhol começou a travar uma heróica guerra de guerrilha contra os Franceses. Com a ajuda das forças Britânicas sob o Duque de Wellington, os Espanhóis foram capazes de conduzir as tropas Francesas fora da Espanha por 1814.

No final da guerra os Borbóns retornaram ao trono Espanhol. Mas não havia fim para os problemas da nação. Forças poderosas se reuniram para derrubar a monarquia - uma ameaça enfrentada pelo Rei Fernando VII com medidas reacionárias e repressivas.

A luta entre essas mesmas forças na América Espanhola levou à perda de todas as colônias na América do Sul em 1825. Somente Cuba, Porto Rico e as Filipinas ficaram, e elas foram perdidas como resultado da liquidação após a Guerra Hispano-Americana em 1898.

Na própria Espanha o século 19 continuou a ser um momento de conflito e perturbação. A república foi brevemente estabelecida em 1873, mas no ano seguinte o Rei Alfonso XII foi convidado a retornar ao trono.

Seu filho, Alfonso XIII, teve a duvidosa distinção de ter um longo reinado - 1886-1931 - e de ser o primeiro rei Espanhol a abdicar sem derramamento de sangue. Quando o século findava, os operários da Espanha viraram esperançosamente para os partidos socialistas e outros partidos trabalhistas como uma forma de resolver seus problemas. Greves e revoltas eram impiedosamente colocadas abaixo pelo governo.

As idéias revolucionárias eram amplamente difundidas e aumentaram de intensidade no início dos 1920s. Uma greve na Catalunha levou o rei a permitir o General Primo de Rivera se tornar o ditador militar da Espanha.

As Cortes (parlamento) foram dissolvidas, embora o rei permanecesse no trono. Rivera, que nunca foi popular com os liberais na Espanha, foi finalmente derrubado em 1929. Em 1931, como resultado de uma eleição geral, o rei foi deposto e uma república foi estabelecida.

Os líderes da república começaram o enorme trabalho de prover a Espanha com reformas políticas e economicas. Mas era uma tarefa quase impossível em face das tradições conservadoras, dos ataques dos latifundiários, da Igreja e do Exército, e da radicalização constante da esquerda.

Em 1936, uma eleição foi realizada em que a Frente Popular - uma aliança de republicanos, socialistas, trabalhistas e comunistas - conquistou uma vitória impressionante. A vitória da Frente Popular foi seguida por desordem geral e desencadeou uma revolta pelo Exército contra o governo.

A Guerra Civil de 1936-39 colocou Espanhol contra Espanhol, quando os seguidores Republicanos da Frente Popular enfrentaram as tropas sob a liderança de Francisco Franco. Os Nacionalistas, liderados por Franco, foram apoiados pelas ditaduras Alemã e Italiana, enquanto a União Soviética fornecia ajuda aos Republicanos.

Cidade após cidade caiu para os Nacionalistas até que em 1939, ao custo de entre 500.000 e 1.000.000 de vidas e devastação terrível, Franco se tornou o chefe do Estado Espanhol.

Transição de Franco

Franco, que assumiu o título de Caudillo (líder), se tornou o chefe de Estado, o chefe das forças armadas, e o líder do único partido político legal, a Falange. Em 1947, Franco anunciou que a monarquia seria restaurada após sua morte. O Príncipe Juan Carlos de Borbón y Borbón - neto de Alfonso XIII - assumiu o trono como o Rei Juan Carlos I, após a morte de Franco, em 1975.

Espanha moderna

A mudança política chegou à Espanha. Mas as cicatrizes da guerra civil estavam mal curadas. Em 1981, a ação firme por parte do rei colocou abaixo uma tentativa de golpe da direita. Vitórias nas eleições parlamentares de 1982 e 1986 asseguraram o domínio do Partido Socialista, que, sob Franco havia passado mais de 40 anos de existência subterrânea e oposição.

Felipe González, o líder Socialista que se tornou premier em 1982, sintetizou a nova geração de políticos Espanhois de sucesso. Ele era jovem, carismático, cosmopolita e pragmático.

González, totalmente apoiado pelo Rei Juan Carlos, que formava uma ponte importante entre a velha ordem e a Espanha contemporânea, provou ser um ativista.

Ele lançou iniciativas para reduzir o tamanho e a influência das forças armadas, para preservar a adesão do seu país na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), e para obter a entrada da Espanha na Comunidade Europeia (CE), juntamente com Portugal, em 1 de Janeiro de 1986.

González viu a associação à CE como essencial tanto para diminuir o isolamento político de seu país como dar continuidade ao crescimento econômico que caracterizou a economia Espanhola nos 1960s e 1970s.

Grandes investimentos estrangeiros juntamente com o duro trabalho dos Espanhóis ajudaram a industrializar o que tinha sido um país agrícola. Houve também o crescimento de uma classe gerencial mais bem-educada e, como resultado, centenas de milhares de novos empregos.

Uma importante contribuição para o desenvolvimento de uma economia orientada aos serviços tem sido o turismo: desde as últimas décadas do século 20, a Espanha tem recebido entre 50 milhões e 60 milhões de visitantes estrangeiros a cada ano.

Um período transitório de sete anos foi criado para facilitar à Espanha a plena participação na Comunidade Europeia (renomeada União Europeia, ou UE, em 1991). Durante este período, Madrid continuou - embora em níveis decrescentes - a proteger sua indústria, agricultura e setores de pesca. Enquanto isso, a UE forneceu assistência economica especial às nove mais pobres regiões autonomas.

González foi reeleito em 1990 e 1993, mas seu Partido Socialista gradualmente perdeu apoio. E, em Março de 1996, ele foi fragorosamente derrotado pelo Partido Popular de centro-direita. O governo do novo primeiro-ministro José María Aznar empurrou pela liberalização, privatização e desregulamentação da economia. A Espanha é um dos 12 países da UE que adotaram o euro como sua moeda.

Quatro anos mais tarde, depois de sucessos econômicos no país e uma crescente integração da Espanha à política Europeia, Aznar ganhou outra eleição em 2000. Apesar de uma forte oposição popular, o governo Espanhol apoiou a decisão dos EUA de atacar o Iraque. Cerca de 1.300 soldados Espanhóis estavam no Iraque no final de 2003.

Em 11 de Março de 2004, um grande ataque terrorista em Madrid por um grupo ligado à Al Qaeda matou cerca de 200 pessoas e feriu cerca de 1.400. Este evento derrubou completamente a cena política.

No início de 2004, parecia que o Partido Popular ganharia as eleições parlamentares pela terceira vez. Mas em 14 de Março, os Socialistas liderados por José Zapatero prevaleceram por uma larga margem.

As tropas Espanholas no Iraque foram retiradas logo depois. Os Socialistas foram reeleitos no início de 2008, mas sua força diminuiu de forma constante com a crise econômica.

Em Abril de 2011, Zapatero anunciou que não iria concorrer à reeleição em 2012. Então, em Julho, ele mudou a eleição nacional de Março de 2012 para Novembro de 2011. Ele fez isso porque a Espanha foi envolvida em uma crise financeira relacionada à sua grande dívida externa.

Governo

A Constituição ratificada em 1978 fez da Espanha uma monarquia parlamentar. O rei é o chefe de Estado e nomeia um primeiro-ministro como chefe de governo.

As Cortes (Parlamento) são constituídas por um Senado de 255-membros e dos 350-membros do Congresso dos Deputados. O país está dividido em 19 comunidades autonomas, duas das quais são os enclaves Espanhóis de Ceuta e Melilla, no Marrocos.

George W. Grayson

Fonte: Internet Nations

Espanha

Inquisição

A igreja e o estado espanhol caminhavam juntos desde o ano de 587 quando o rei visigodo Recaredo se converteu do arianismo para o cristianismo e que a religião passou a ser encarada como fator de unidade nacional diante das invasões da península ibérica pelos mouros e os sarracenos e devido aos sentimentos dispersivos e autonomistas das regiões como os reinos de Leão, Aragão, Navarra, Sevilha, Castelo, Granada e Valencia e a profusão da população judaica em todo o território espanhol, com isto se estabeleceu uma parceria entre os rgãos eclesiásticos e o poder temporal

Com os monarcas visigóticos submetendo vários de seus códigos legislativos aprovação de concílios como foi o caso do fuero Juzzo do século X que foi aprovado pelo concilio de Toledo e em vista dos acontecimentos passou a imperar o lema um só reino, uma só religião.

Durante a idade média, a inquisição não teve atuação expressiva na Espanha em virtude de sua localização peninsular e não sofreram de forma ingente a influencia e a penetração de movimento heréticos como o dos cátaros, originários da Macedônia e partidários do neo-maniqueismo herdado de Manu, o dos Albigenses proveniente dos Valdenses fundado por Valdo na Itália, e dos Fraticelli originários dos frades franciscanos, e durante o ano de 1197 o rei Pedro II de Aragão reiterou o edito que seu pai Afonso II houvera baixado contra os inimigos da igreja a quem eram declarados como os hereges e eram expulsos de suas terras, e no ano de 1198 surgiu pela primeira vez na Espanha a menção a pena de morte pelo fogo contra os membros das seitas heréticas, e com o correr do tempo o reino de Aragão fronteiro com a França acabou sendo assediado por incursões heréticas já que o Languedoc estava praticamente dominado pelos Albigenses que eram grandes propagadores de uma postura de culto exclusivamente interior, sem rituais externos e com total rejeição dos sacramentos católicos, e a partir de 1226 o rei de Aragão Jaime I o Conquistador passou a se preocupar com recrudescimento das heresias e ao atender aos pedido do Cardeal francês Saint-Ange, ele repôs em vigor os editos de 1197 e 1198, e no ano de 1232 o Papa Gregório IX queixou-se junto ao Arcebispo de Tarragona que os clérigos locais não se interessavam muito pela repressão aos cátaros e quejandos e por este motivo em 26 de Maio de 1232 o Papa Gregório IX através de uma bula encarregou o Arcebispo de Tarragona para instituir alguns tribunais inquisitoriais como órgão eclesiásticos de execução e que o mesmo funcionasse paralelamente aos tribunais ordinários da igreja.

E no ano de 1233 Jaime I promulgou novo edito contra os Albigense e iniciou as perseguições contra eles, e eram realizadas pelos padres que se socorriam do auxilio de leigos, e no momento que esse edito foi confirmado pelo Papa Gregório IX ele colocou os frades pregadores que eram membros da ordem dos dominicanos que fora fundada por Domingos de Gusmão que ficou encarregado das atividades inquisitorial na Espanha.

E no ano de 1235 o dominicano Ramon de Peñaforte a mando do Papa elaborou um regimento inquisitorial e com o correr do tempo as perseguições contra os cátaros em Aragão foi perdendo as forças apesar dos esforços, por conta disto o Papa Gregório IX em 1238 alertou aos reis e os bispos o dever de perseguir os hereges de acordo com as normas estabelecidas pela santa fé, e no Viscondado de Castelbon em Aragão foi que as atividades inquisitorial sob o comando de Guilherme de Montgrin se tornou mais severas, ao condenar mais de cinqüenta hereges e ao exumar dezoito cadáveres de albigenses para que seus ossos fossem queimados em efígie seguindo a antiga tradição inquisitiva que infligia pelas post mortem, enquanto que no resto da Espanha as atividades anti-hereticas ficaram quase que inexistentes.

E no ano de 1238 sob a supervisão do dominicano Pedro de Leodegaria foi organizada a inquisição em Navarra e no reinado de Afonso X, no seu Fuero Real de 1255 e na lei das Sete Partidas de 1276 ele reproduziu muito da legislação estatuída pelo Papa Gregório IX quando estabeleceu o objetivo da perseguição aos heregeres que deveriam ser levados à abjuração, que os tornava penitentes e os eximia de castigos mais severos.

E caso se recusassem a abjurar, eles se tornavam impenitentes, e eram entregues ao carrasco e sujeito aos suplícios e à morte e seus bens eram confiscados e paralelamente às perseguições anti-hereticas foram gradativamente crescendo nos meios eclesiásticos as preocupações relativas ao crescimento das populações mouras e judaicas.

E entre os anos de 1320 e 1339 o maior expoente da inquisição espanhola foi o dominicano Nicolau Eymerich, o grande inquisidor de Aragão que elaborou o manual dos inquisidores (Directorium Inquisitorum) com algumas características marcantes como o sigilo do processo imposto ao acusado que os autos de fé seriam cerimônias abertas ao publico e festivas onde eram pronunciadas as sentenças contra os hereges, apóstatas, bruxos e os feiticeiros que nesses eventos abjuravam publicamente as heresias, e outros eram fustigados e torturados, e os condenados à morte eram executados na fogueira, e no século XV a perseguição aos mouros que se encontravam acuados em Granada e aos judeus chegou ao auge, com isto muitos mouros com receio de serem expulsos se converteram ao cristianismo ao aceitarem o batismo e de serem chamados de mouriscos enquanto que os judeus que aderiram a tal pratica passaram a cognominar-se de marramos.

E no ano de 1478 os reis católicos Fernando de Aragão e Isabel de Castela que buscavam a meta nacional que ficou conhecida como a reconquista pediram ao Papa Sisto IV o reavivamento da inquisição, no que foram atendidos pela bula Exigit Sincerae Devotionis Affectus com o caráter misto e autônomo no qual o poder civil poderia designar os inquisitores sem prêvia anuência da santa fé e os primeiros inquisitores designados pelos monarcas foram os freis dominicanos Miguel Murillo e Juam de San Martim que se estabeleceram em Sevilha onde a aglomeração judaica era de grande monta, com isto houve um grande pânico entre os mouriscos e os marranos que se refugiaram nos castelos dos grandes senhores feudais, e através de uma proclamação de 2 de Janeiro de 1481 os dois inquisidores ordenaram aos grandes senhores que entregassem os perseguidos sob pena de excomunhão, com isto as prisões acabaram de enchendo de árabes e de judeus batizados, o que levou com que os marrranos se insurgissem e por conta disto decidiram assassinar os inquisidores, porém a conjuração foi abortada em razão da mesma ter sido delatada aos freis inquisidores.

Fato este que levou aos sublevados a perderem os seus bens e a suas condenações a morte por vivicombustão no dia 6 de Fevereiro de 1481 na primeira fogueira da moderna inquisição espanhola, e a partir desta data a atividade inquisitorial recrudesceu em todo o país com o poder civil deixando de ser mero executor das condenações eclesiásticas quando passou a ser coadjuvante e co-participante dos trabalhos clericais e os juizes passaram a ser escolhidos pelo soberano entre os membros do clero secular e foi criada uma segunda instância na própria Espanha com o nome de conselho da suprema e geral inquisição e que ficou conhecida como a suprema e reforçou-se o aspecto político da inquisição na tarefa ingente de preservar a unidade do país contra os setores separatistas que resistiam, e na incessante luta contra os hereges, apostatas, judeus e mouros que foram instados a se batizarem sob pena de exílio e de ficarem sob a jurisdição dos tribunais inquisitoriais como cristãos e não na condição de pagãos.

Com isto muitas cidades acostumadas aos seus privilégios secularmente conferidos pelos soberanos através dos fueros acabaram resistindo à intervenção de estranhos em seus costumes e na autonomia local quando se revoltaram em varias regiões como Navarra, Sevilha, Zaragoza, Granada, Toledo, Barcelona e Valência onde muitos inquisidores foram assassinados em atentados, e diante desses fatos em 31 de Janeiro de 1482 o Papa Sisto IV através de uma bula protestou com veemência, quando ameaçou cassar o poder designatorio dos reis e exigiu que os recursos decorrentes dos confiscos dos bens fossem encaminhados a Roma e que os nomes das testemunhas fossem comunicados aos acusados, porém em virtude das ameaças por parte dos reis católicos, o Papa Sisto IV acabou recuando em vista da imensa importância da Espanha para a propagação do cristianismo e em Outubro de 1483 os reis catolicos nomearam a mais conhecida, odiada, temida e expressiva figura que foi o dominicano Tomas Torquemada que era o prior do convento de Santa Cruz em Segovia como o inquisidor geral de Castela, Aragão, Leão, Catalunha e Valência como o beneplácito do sumo pontificie, que de imediato começou por reorganizar e reformar os tribunais do santo oficio, quando demitiu os inquisidores que tinham dado provas de parcialidade ou que pelo seus caráter eram ineptos para as funções, estendeu as atribuições do santo oficio a numerosos crimes ou delitos como heresia implícita e se esforçou de todas as maneiras para evitar os erros e os abusos cometidos pelos primeiros inquisidores, e a partir de 1484 passou a redigir o regulamento organizacional e os procedimentos da inquisição espanhola que foi completada por Deza em 1500 e por Cisneiro em 1516 e copilada por Alonso Manrique e consolidada no ano de 1561 por Fernando Valdez.

E no dia 31 de Março de 1492 Fernando de Aragão e Isabel de Castela assinaram um decreto no qual todos os judeus que não fossem batizados deveriam ser expulsos do país e terem os seus bens confiscados, e nesta época os tribunais inquisitoriais fixos onde muitos condenados peregrinavam em cumprimento de suas penas estavam localizados nas cidades de Toledo, Sevilha, Valadolhid, Granada, Codoba, Murcia, Cuenca, São Thiago de Compostela, Logroño, Zaragoza, Barcelona, santa Cruz de Tenerife, Valência e Malorca.

E nestes tribunais inquisitooriais os acusados tinham uma preparação terrivel pois eram convidados a confessar mediante suplicas, ameaças e demosntraçao dos intrumentos de suplicio, que não podiam ostentar caráter cruento, por este motivo o mais utilizado era o da água ao lado do polé e dos cordeles, que eram cordas progressivamente apertadas em torno dos braços e das coxas e se confesse o condenado confessasse durante o tormento, seguia-se a condenação e caso o acusado suportasse as dores poderia ser absolvido e comprometendo-se a não declarar nada a terceiros sobre os sofrimentos, e como as torturas somente podia ser infligida uma única vez , os inquisidores recorriam ao subterfúgio do adiamento da sessão para prosseguimento posterior.

As penas aplicadas aos hereges eram jejum obrigatório, peregrinação, proibição de permanência em determinados lugares, pratica religiosa obrigatória, prisão inclusive domiciliar, utilização do sambenito que era um habito em forma de saco que se enfiava pela cabeça nas cores amarela e vermelha, fragelaçao e a morte pelo fogo.

E os hereges reincidentes eram lançados diretamente ao fogo, e os que abjuravam a heresia na hora da morte eram estrangulados pelo carrasco e seus corpos jogado já sem vida na fogueira e a maioria dos autos de fé eram realizados na Plaza Mayor de Madri.

E com decorrer do tempo foram instituídos os crimes de judaísmo e de maometismo o que acarretou intensa perseguição aos adeptos da reforma protestante e entre os reformistas os mais visados foram os erasmitas que eram adeptos de Erasmo de Rotterdan, os luteranos e os intimistas que renegavam qualquer tipo de culto externo, os místicos, os iluminados, as beatas, e entre os fatos mais relevantes temos que em 1579 em Estremadura foi encontrado místicos entre os jesuítas, o caso da beata Eugenia de La Torre que foi condenada a morte na fogueira em Toledo por participação em orgia libidinosas, até Ignácio de Loyola fundador da Companhia de Jesus também esteve sob suspeita da inquisição que o processou e o absolveu por suspeitarem dos seus exercícios espirituais, Santa Tereza de Ávila também foi processada e absolvida sob acusação de iluminismo e por volta de 1510 o monge franciscano Melchor da cidade de Ocaña que havia profetizado a conversão total dos mouros, a queda dos tronos, a convulsão total da cristandade e a transfeencia do papado para Jerusalém, que ao dirigir-se a Joana de La Cruz a convidando-a a com ele gerar um filho que seria um novo messias, acabou sendo denunciado por Joana ao inquisidor geral Cisneiro, que o processou e o condenou a fogueira, e no ano de 1558 a infanta Joana inaugurou a censura, instituída pela sansão pragmática que listou diversas obras proibidas que passaram a ser proibida as suas aquisições por católicos sob pena de condenação morte, e uma vitima desta censura foi o Frei Luis de Leon que era professor da Universidade de Salamanca que foi acusado de assumir em aulas sua posição iluminista e por gesto acabou sendo preso durante o periodo de 1572 a 1576 e que ao reassumir sua cátedra, começou a primeira aula dizendo " como dizíamos ontem ".

E no final do século XVI destacou-se a figura sinistra do Duque de Alba que em seu tribunal de sanue mandou torturar e matar muita gente com a contemplacencia das autoridades eclesiasticas da época que prosseguiam na luta da inquisçao mais enérgica contra os protestantes quando novas figuras criminosas foram criadas, como a sodomia, a bestialidade, o homossexualismo, a necrofilia e a mancebia sob a competência dos tribunais do santo oficio e quase todas passiveis de morte pelo fogo.

E no século XVIII o iluminismo anticlerical que se alastrou pela Europa e acabou eclodindo na revolução francesa, foi severamente punido pela inquisição espanhola, mas devido a sua influência acabou se aliando a revolução industrial e com à ascensão da burguesia e dos movimentos liberais, o prestigio e a atuação do santo oficio cada vez mais foi considerado um anacronismo insuportável e injustificável, porém a inquisição espanhola resistiu ate mesmo a invasão de Napoleão Bonaparte que em Dezembro de 1808 o aboliu formalmente, porém o santo oficio não deixou de existir na pratica e em 22 de Janeiro de 1813 as cortes de Cádiz votaram a abolição do santo oficio, porém quando do retorno do Rei Fernando VII ao trono da Espanha ele restabeleceu a inquisição em 1820.

E atravez do decreto de Maria Cristina em 1834 o tribunal do santo oficio da inquisição veio a ser definitivamente eliminado da Espanha.

GRANDEZA, DECLINIO E RENASCENÇA

Espanha

No ano de 1474 quando a Infanta Isabel se apoderou da coroa em detrimento de sua sobrinha a princesa das Astúrias, desencadeou-se a anarquia no reino de Castela, onde a nobreza acostumada a ditar leis ao trono desde o advento da Casa de Trastamara, propôs-se dominar mais ainda o poder real.

Em virtude da falta de autoridade da rainha o povo passou a reclamar de novas concessões onde no momento em que se registravam terríveis ações de bandidos sob a proteção dos castelos feudais e pela gardunha que era uma poderosa associação de criminosos.

Em virtude da situação reinante em Castela ser alarmante em vista da falta de qualquer tipo de justiça e que a única lei conhecida era a da violência, o rei de Portugal Dom Afonso V, marido de Dona Joana pretendente à coroa castelhana invadiu o território espanhol com o apoio dos mais influentes nobres portugueses para afastar a nobreza, restabelecer a ordem, fortalecer o poder real e fundar definitivamente em bases sólidas a unidade espanhola, porém em virtude de uma rápida ação desenvolvida por Dom Fernando, os portugueses e espanhóis partidários de Dona Joana acabaram sendo derrotados na batalha de Toro, e com a santa irmandade se transformando em exercito real os mesmos empreenderam severas perseguições aos salteadores e malfeitores que se viram obrigados a fugir de Castela para Portugal ou para o reino Mouro de Granada para não caírem nas mãos dos membros da Santa irmandade cujas sumárias sentenças de morte eram imediatamente executadas, e com o decorrer do tempo o reino de Castela ficou livre dos salteadores e bandidos e para restabelecer o império da lei Dom Fernando e Dona Isabel robusteceram a autoridade dos tribunais ao promulgarem éditos e ordenanças muito rigorosas, e através de um decreto Dom Fernando tirou o poder até então exercido pelas ordens militares e passou a controlar diretamente o poder, e com o auxilio dos burgueses das cidades foi abatida à aristocracia e diminuiu os privilégios dos foros das cidades que passaram a ser governados por um representante do rei.

E com o restabelecimento da ordem, o comércio e a industria tomaram grande impulso e prosperaram, enquanto que a agricultura renasceu e por toda parte foram erguidos monumentos, templos, palácios e surgiram universidades e escolas, e pelo fato de muitos judeus convertidos ao catolicismo terem voltado para à religião judaica, o fato acabou levantando em clamor geral para que fosse restabelecido em Castela o tribunal da inquisição a fim de proceder rigorosamente contra os heregeres e apóstatas tal como já existia na França e na Catalunha.

Porém os reis de Castela denominados reis católicos tinham certo receio de que a inquisição alcançasse um poderio que obscurecesse a influencia da coroa.

Espanha

Mesmo assim em 1481 Dom Fernando restabeleceu a inquisição em Castela com o nome de santo oficio, e que se transformou em um instrumento da política real e que contribuiu para fazer desaparecer pela prisão ou pelo fogo, através do inquisidor mor Torquemada todos os judeus e muçulmanos que não partilhavam da crença do soberano.

E com a pacificação do país, os soberanos espanhóis resolveram acabar com os restos da dominação muçulmana na península, e para isto declararam guerra ao reino de Granada que se encontrava dividido por graves desentendimentos entre os seus governantes, e no dia 2 de Janeiro de 1492 Boabdil o ultimo rei de Granada capitulou diante dos cristãos, com isto os muçulmanos foram proibidos de praticarem a sua religião, e ao serem expulsos dos territórios conquistados junto aos judeus, foram impedidos de levarem consigo as suas riquezas e em vista dos fatos ocorridos, os muçulmanos se levantaram em Alpujarra onde acabaram sendo sufocados pelo exército cristão.

E no reinado de Dom Fernando e Dona Isabel coube à Espanha a honra de ter sido nos seus navios sob a sua bandeira, que o genovês Cristóvão Colombo descobriu a América, e a ele vários exploradores partiram para a América como em 1499 quando Afonso de Ojeda cujo piloto Juan de la Costa traçou o primeiro mapa do novo mundo, Pedro Afonso Nino, Pinzón, Diego de Leppe, Rodrigo de Bastidas e Américo Vespucio que exploraram as costas da América.

E com a divisão da Itália em numerosos estados que sempre estavam em guerra, o país se tornou um alvo de cobiça das potencias da época, por este motivo o rei da França Carlos VIII despojou Fernando II rei de Nápoles e príncipe de Aragão, com isto a Espanha no ano de 1495 acudiu o rei deposto e abriu uma guerra durante três longos anos em batalhas encarniçados na Itália meridional, onde o General Gonçalo Fernandes de Córdova alcançou relevante vitória ao derrotar os franceses em Atela, Ostia e Nápoles onde Frederico foi elevado ao trono após a sua restauração, e no ano de 1498 e a paz firmada entre os reis da Espanha e da França, e com o correr dos tempos Dom Luis XII propôs ao rei da Espanha a divisão do reino de Nápoles entre os dois países, proposta esta que foi de imediato aceita por Dom Fernando que falando aos compromissos assumidos com o rei de Nápoles e com o herdeiro do trono o Duque da Calábria foram reunidas às forças francesas e espanholas e derrotaram o rei de Nápoles.

E no momento da partilha do reino de Nápoles, surgiram graves desentendimentos que levou os dois países a guerra onde os exércitos espanhóis comandado pelo General Gonçalo Fernandes de Córdova o El Grande Capitán levou o rei da França em 1504 a reconhecer a soberania da Espanha sobre todo o território do reino de Nápoles.

A Rainha Isabel foi profundamente infeliz com sua descendência, pois em 1497 perdeu seu único filho varão Dom João, e no ano seguinte falecia sua filha Dona Isabel rainha de Portugal e herdeira do trono de Castela, e em 1500 morreu seu neto Dom Miguel, com isto restou-lhe as suas três filhas; Dona Joana que era casada com o Arquiduque da Áustria Dom Filipe o Formoso, dona Maria esposa do Rei de Portugal Dom Manuel I e Dona Catarina casada com o Príncipe Artur da Inglaterra e após a sua morte ela se casou com o seu irmão o futuro Rei Henrique VIII.

E com a morte da Rainha Isabel no ano de 1504 coube a coroa sua filha Dona Joana que teve como regente do reino o seu marido Dom Fernando que renunciou ao titulo de rei de Castela, e que ao chegar à Espanha se fez acompanhado de diversos fidalgos flamengos os quais acabaram gerando diversos desentendimentos com o genro e por conta disto acabou se retirando para o reino de Aragão de onde seguiu para Nápoles, entretanto em 1506 morria Dom Filipi que deixou vários filhos e entre eles se encontravam Dom Carlos V que por ser de menor idade e pelo fato de Dona Joana ter enlouquecido, Dom Fernando novamente passou a ser o regente da Espanha, e durante o seu novo período de governo ficou notabilizado pela energia que ele exerceu ao enviar numerosas expedições contra os Mouros da costa setentrional da África as quais resultou na conquista de Oran e de outras praças, e no ano de 1510 Dom Fernando destronou a soberana de Navarra e anexou essa região ao território espanhol e em 1516 Dom Fernando veio a falecer após tanto fazer pela unificação da nação espanhola e na oportunidade o Cardeal Ximenes passou a ocupar a regência da Espanha.

Dom Carlos V que estava sendo educado nos países baixos, de imediato exigiu que fosse proclamado rei da Espanha, com isto o Cardeal Ximenes foi forçado a ceder para evitar maiores males, e no ano de 1517 Dom Carlos V assim que chegou a Espanha escreveu ao cardeal concedendo-lhe uma licença para se retirar da corte, e por almejar ser eleito imperador da Alemanha ele exigiu que fosse fornecido o dinheiro necessário para alcançar o seu intento, e após obter o que desejava Dom Carlos V partiu para a Alemanha em 1519 deixando como regente do reino espanhol o Deão Adriano.

Fato este que deixou indignado os castelhanos que passaram a ser chamados de comunaros ou defensores das liberdades municipais e por se sentirem violados em suas leis e fueros e pela tirania real e pelos flamengos que faziam verdadeiras pilhagens na Espanha, e ao pegarem nas armas, acabaram sendo vencidos pelos nobres em Villalar onde seus principais chefes do movimento acabaram sendo executados em 1521.

Espanha

Com isto a Espanha ficou convertida em dependência do império de Carlos V onde este ia buscar os homens e o dinheiro de que necessitava para a sua política pessoal, que levou a constantes guerras com o seu rival Francisco I rei da França, com o papa, com os Mouros, com os protestantes da Alemanha e com os próprios flamengos, e por não saber onde conseguir mais dinheiro e cansado de combater, Dom Carlos V em 1556 abdicou em favor de seu filho Filipi II a que deixou os países baixo, o ducado de Borgonha, a Espanha, os estados da Itália e a América Espanhola, enquanto o seu irmão Fernando recebia a coroa imperial da Alemanha e o arquiducado da Áustria e se retirou para o mosteiro de São Justo na Espanha onde viveu como verdadeiro soberano, rodeado de uma corte numerosa e brilhante, e durante os quarentas anos de seu soberano reinado alguns destemidos capitães espanhóis levaram a cabo grande parte da vasta obra do descobrimento e da conquista dos territórios americanos, e entre eles destacamos Juan Diaz de Solis que descobriu a península de Yucatã e explorou o Rio da Prata entre os anos de 1512 e 1515, Juan Ponce de Leon que em 1513 desembarcou na Florida, em 1513 Vasco Nunez de Balboa tomou posse do oceano pacifico através do canal do Panamá, no ano de 1519 Fernando de Magalhães descobriu a passagem do oceano atlântico para o pacifico e deu a volta ao redor do mundo, Grijalva em 1520 reconheceu a costa do México, país este que Fernando Cortés havia conquistado e Francisco Pizarro e seus companheiros se assenhorearam do Peru, e ao penetrarem pelo sul acabaram chegando ao Chile, Bolívia e Equador.

Espanha

Filipe II que era um defensor do catolicismo teve durante o seu governo uma imensa extensão de domínios onde mantinha um forte exército e uma poderosa marinha com quais travou diversas guerras com quase toda a Europa, onde a sua principal inimiga era a Inglaterra que não só destruiu a grande esquadra espanhola conhecida como a invencível armada, como também a atacaram os navios que transportavam as riquezas vindas da América.

E devido a sua energia, Filipe II adquiriu uma amplitude sem precedente em seu reinado e para isto ele expulsou os últimos agricultores muçulmanos do reino de Granada e para acabar com a heresia na Espanha e manter a unidade religiosa, ele perseguiu impiedosamente os muçulmanos através da inquisição e através de seus exércitos ele alcançou brilhantes vitórias em Lepanto e Saint Quintin, e neste período apareceram soberanos nomes ilustres nas letras espanholas e universais, como Cervante, Santa Teresa, Frei Luis de Leon, Fernandes Navarrete, Arias Montano e outros.

Filipe III ao suceder o seu pai no trono espanhol, encontrou o país empobrecido e endividado, os exércitos consumidos pelas continuas guerras, a agricultura arruinada e a industria praticamente paralisada e uma enorme carroção dos costumes, e após cinco anos a decadência foi rápida na nação que fizera o mundo tremer em virtude da má administração do Duque de Lerna, e ao assumir o trono espanhol em 1621 Filipe IV cedeu todos os poderes ao Duque de Olivares que centralizou em suas mãos todos os poderes e seguiu a orgulhosa política de Carlos V e Filipe II ao desafiar a França representada pelo Cardeal Richelieu fato este que acarretou a derrota de seus exércitos pelos franceses, e durante o seu reinado houve a revolta de Portugal que acabou recobrando a sua independência, e a Catalunha, Nápoles, Andaluzia e Sicília promoveram sem sucesso um movimento emancipador e apesar da decadência que se acentuava, ainda apareceram grandes nomes nas artes, assim como Velásquez e Murillo, nas letras distinguiram-se Lopes de Veja, Moreto, Alarcón, Baltazar Gracián.

Carlos II que sucedeu a Filipe IV, se viu sem dinheiro nem administração, sem soldados nem navios.

Espanha

E ao seguir a política errada acabou sendo vencido em sucessivas batalhas e acabou se tornando vitima de uma humilhante combinação diplomática quando perdeu para a França as melhores praças da América setentrional e parte da Catalunha que mais tarde foi devolvida pela desdenhosa misericórdia de Luiz XIV, foi despojada de seus domínios os países baixos que tanto sangue e sacrifício custara à nação, com isto findava a dinastia austríaca inaugurada brilhantemente com Carlos V o Imperador e tão tristemente findava.

Antes do falecimento de Dom Carlos II que não tinha nenhum herdeiro direto ao trono espanhol, ele designou o Príncipe José Leopoldo da Baviera que misteriosamente acabou sendo assassinado por envenenamento e para a sucessão ao trono os embaixadores da França indicaram Luis XIV rei da França e os embaixadores da Áustria apontaram o imperador Leopoldo da Áustria e após incessantes intrigadas junto ao leito do rei moribundo para que este escolhesse seu sucessor, e para isto o rei proclamou como herdeiro da coroa espanhola Filipe V duque de Anjou, neto de Luis XIV que subiu ao trono com o nome de Filipe V, então o arquiduque Carlos filho do imperador da Áustria protestou veementemente pela escolha e como conseqüência seguiu-se uma guerra que foi chamada de guerra de sucessão em que a Espanha e seus domínios foram o teatro de uma violenta luta que durou dez anos e que arrastou quase toda a Europa e que terminou com a assinatura do tratado de Utrecht no qual foi mantido o rei Filipe V no trono espanhol e a Espanha obrigada a ceder Gibraltar e Mahon aos ingleses e perder as possessões na Itália.

Filipe V mais tarde empreendeu algumas guerras mal sucedidas na tentativa de recuperar os territórios perdidos, e ao falecer em 1746 foi sucedido pelo seu filho Fernando VI que deu continuidade às guerras por ele iniciada na Itália, porem por ser dotado de um espírito pacifico, pois um termo as guerras e dedicou um especial atenção para a reconstrução do país e com a sua morte subiu ao trono o rei de Nápoles com o titulo de Carlos III que em muito se esforçou para erguer a Espanha ao reorganizar a fazenda publica, o regime municipal, dispensou grande atenção à agricultura, a industria e ao comércio, desenvolveu a marinha de guerra e revelou-se um desvelado protetor das artes e das ciências.

Espanha

Em 1761 ao ceder aos interesses do rei Luis XV da França ele assinou um tratado de aliança militar ofensiva e defensiva que tomou o nome de pacto de família, que lhe obrigou a entrar na guerra que a França declarou a Inglaterra, cujos resultados foram desastrosos para a França e a Espanha que perdeu a Florida e os territórios a leste e sudoeste do rio Mississipi e na oportunidade para compensar os prejuízos sofridos pela Espanha o rei Luis XV cedeu a Espanha a Luisiana e em 1770 quando da insurreição das colônias da América do Norte contra a Inglaterra, Carlos III favoreceu os insurretos com auxilio da França e ao ser assinada a paz no ano de 1783 a Espanha recuperou a Florida e devolveu a França a Luisiana e quando da guerra contra Marrocos motivada pela expulsão dos cristãos ali residente, Carlos III também recuperou as ilhas Baleares e no ano de 1788 o seu filho Carlos IV que era um príncipe fraco e sem valor lhe sucedeu no trono espanhol e em 1789 rebentou a revolução francesa que tanta influência exerceu em todo mundo e em 1793 o governo espanhol aderiu a colizao européia contra a França revolucionaria e ao ser assinada a paz de Basiléia entre os governos da Espanha e a França que se alinharam para lutar contra a Inglaterra e devido à má administra';cão de Godoi a Espanha acabou sofrendo uma grande derrota naval em Trafalgar no ano de 1805 quando Napoleão Bonaparte era coroado imperador dos franceses.

E em 1807 devido o fato de Portugal não aceitar o bloqueio continental imposto por Napoleão Bonaparte onde deveria cessar todas as relações comerciais entre o continente e a Inglaterra, por conta disto foi assinado um tratado entre os ingleses e espanhóis em que a nação portuguesa foi dividida em três pequenos estados que foram doados a Godoi, a infanta da Espanha e um outro a França até o fim da guerra.

Espanha

E pelo mesmo tratado ficou acertado que a Espanha permitiria a passagem através de seus territórios dos exércitos franceses para atacar Portugal e com estes pretextos foram ocupadas às praças mais importantes da Espanha pelas tropas francesas, que devido a este fato acabou ocasionando a queda de Godoi e a abdicação do Rei Carlos IV a favor de seu filho Fernando VII que acabou sendo atraído para uma conferencia em território francês onde acabou sendo aprisionados por Napoleão Bonaparte que fez com que o seu irmão José se tornasse rei da Espanha e que deixou o país sem governo e sem direção e por conta disto o povo espanhol criaram umas juntas governativas em nome de Fernando VII nas varias províncias e regiões da Espanha com a finalidade de organizarem uma resistência contra os usurpadores franceses.

Os primeiros encontro entre os patriotas espanhóis e os exércitos franceses acabaram de forma desastrosas para os espanhóis, todavia em 1808 alcançaram uma grande vitória em Bailén quando aprisionaram um forte exercito francês, e ao solicitarem o auxilio da Inglaterra os espanhóis receberam ajuda através de um pequeno exercito comandado pelo general Moore que foi totalmente exterminado pelos franceses e ao receberem novas tropas sob o comando do General Wellesley, as forças inglesas ajudadas pelos patriotas espanhóis alcançaram sucessivas vitórias sobre os franceses até a expulsão definitiva do Rei José do território espanhol, com isto o Rei Fernando VII voltou ao trono espanhol governando com um poder absoluto que desagradou ao povo espanhol que haviam se acostumado com o regime das juntas e côrtes, por isto resistiram aos desejos do soberano.

E em 1820 iniciaram uma série de levantes liberais chefiados por Rafael Del Riego, e para sufocar tais movimentos o monarca Fernando VII invocou o auxilio da santa aliança para uma intervenção na Espanha em uma tenaz perseguição aos partidários liberais

Espanha

E quando de seu falecimento iniciou-se na Espanha uma sangrenta guerra civil entre os partidários de sua filha Dona Isabel II e os simpatizantes do Infante Dom Carlos que se se baseavam na lei sálica que não permitia a sucessão aos herdeiros do sexo feminino

E após sete anos de conflitos entre os isabelinos e carlista ficou resolvido que o trono espanhol ficaria em poder de Dona Isabel II que devido a sua menor idade, teve como regente Dona Catarina que em 1844 foi deposta e substituída pelo General Espartero que governou com grande insegurança até o ano de 1868 quando rebentou uma revolução que derrubou a dinastia de Bourbon chefiada pelos Generais Francisco Serrano que era um republicano e pelo monarquista Juan Prin que ao conseguir impor o seu ponto de vista em 1871 colocou no trono da Espanha o Duque de Aosta Amadeu de Sabóia que era filho de Vitor Manuel II rei da Itália, e que após dois anos de reinado renunciou o trono espanhol e retornou a sua pátria.

Devido os fatos, foi proclamada a primeira republica espanhola a qual durou apenas um ano e na oportunidade Afonso XII assumiu o poder ao restabelecer a monarquia na Espanha e pelo seu falecimento em 1886 a sua viúva Maria Cristina de Habsburgo passou a exercer a regência da Espanha em virtude da menoridade de seu filho Afonso XIII e devido a sua má administração o país acabou perdendo os últimos restos do imenso império espanhol.

Espanha

E no ano de 1898 a Espanha entrou em guerra com os Estados Unidos e devido s derrotas sofridas acabou perdendo o domínio que possuía sobre Cuba, Porto Rico e Filipinas, e ao assumir o poder do trono espanhol no ano de 1902 Afonso XIII se mostrou ser um rei prudente e moderado ao manter o país fora da primeira guerra mundial, em 1931 os republicanos e socialistas saíram vencedores as eleições realizadas.

E na oportunidade Afonso XIII preferiu abdicar o trono espanhol para não lançar a nação nos horrores de uma guerra civil ao se retirar voluntariamente do país, com isto foi estabelecida a segunda republica na Espanha, e quando da reunião do parlamento foi elaborada uma nova constituição e eleito como presidente Niceto Alcalá Zamora que durante o seu governo teve que enfrentar diversos levantes monarquistas e comunista onde os mais significativos foram o encabeçado pelo General Sanjurjo que exigiu a confiscação das propriedades da nobreza, e as desordens ocorridas na Astúrias e na Catalunha onde o presidente Luis Companys tentou proclamar a independência, e em um movimento que foi sufocado com muito sangue derramado e no ano de 1936 Niceto Alcalá Zamora foi substituído Manuel Azaña e o General Francisco Franco que exercia o cargo de general em Marrocos que deram inicio a guerra civil que durou quase três anos e que se estendeu por toda a Espanha, e com a vitória alcançada do General Francisco Franco sobre as forças republicanas ele começou a reger os destinos da Espanha virtualmente como um ditador.

Fonte: br.geocities.com

Espanha

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Para os cidadães membros da Comunidade Econômica Europea e de Áustria, Liechtenstein, Suiça e Mônaco somente é necessário apresentar o Documento de Identidade ou Passaporte em vigor.

Os visitantes de alguns países de América Latina, África, Ásia e Oceânia, em função da duração da estadia, se necessita do visto.

No caso de dúvida é aconselhável consultar nos Consulados da Espanha.

Todos os turistas podem introduzir, livre de impostos, objetos pessoais como jóias, máquinas fotográficas, equipamentos de vídeo e som, computadores portáteis ou objetos diversos. Para artigos como cigarros, charutos, vinhos, licores e perfumes existe uma quantidade máxima.

Para introduzir animais na Espanha é necessário apresentar um certificado de origem e de saúde de acordo ao modelo internacional. Nele deverá constatar o historial das vacinas que tem recebido o animal. Em alguns hotéis está permitida a estadia de cães ou gatos. Nos restaurantes geralmente não está permitida a sua entrada.

CLIMA

Em geral o clima na Espanha é benigno, sim embargo devido à variedade de regiões, o clima varia de um lugar para outro. O norte da Espanha é úmido e com temperaturas suaves em verão e frias no inverno. No terço interior e central da península o clima é extremo: quente no verão e frio no inverno. Na zona do Mediterrânio os verãos são úmidos e com temperaturas altas.

No inverno prevalecem as temperaturas frescas. Na região do sul, o clima é seco e com temperaturas altas no verão e moderado no inverno. Nas Ilhas Baleares as temperaturas são similares às da zona do Mediterrânio. Nas Ilhas Canárias o ambiente é muito agradável durante o ano todo. Nas regiões com pronunciada altitude, as temperaturas descem considerávelmente nos meses do inverno.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Em geral o clima na Espanha é muito benigno e dependerá da região que se deseJe visitar. Se viajar nos meses de verão é aconselhável levar prendas de algodão e algúm abrigo leve se viajar por algumas zonas do interior. No outono, sobre tudo no norte da península é recomendável capa de chuva.

O inverno é frio no interior e suave nas zonas costeiras do Mediterrânio. Em geral não existe o costume de arrumar-se de forma especial quando vai ao teatro, o cinema ou restaurantes. Em alguns cassinos são proibidos jeans e alguns exigem camisa de vestir e gravata.

IDIOMA

Espanha conta com uma população de 39.887.150 habitantes, segundo os dados do último censo. O idioma oficial em todo o território espanhol é o castelhano. São oficiais também, em suas respetivas Comunidades Autônomas: o Catalã (Catalunha), Galego (Galícia), Valenciano (Valência) e Vascuence ou Euskera (País Vasco).

RELIGIÃO

A Constitução garantiza a liberdade de culto. A maioria da população é católica. Estão presentes a maioria dos cultos: judea, cristã, muçulmana, budista, etc.

ELETRICIDADE

O fluido em toda Espanha é de 220 V AC, 50 ciclos (Hz). As tomadas são, geralmente, de duas entradas de tomadas redondas.

MOEDA E CÂMBIO

No dia 1 de Janeiro do ano 2002, o Euro converteu-se na moeda de curso oficial e comunitária de doze Países da Europa: Espanha, Alemanha, Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal.

As notas são iguais para os doze Países e distinguem-se entre si pela sua cor e tamanho. Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

Estas notas têm incorporados elementos de segurança avançados, os quais permitem, fácilmente, comprovar a sua veracidade, como uma marca de água, um holograma, uma linha de segurança, tinta de cor variável, impressão em relevo e uma banda iridescente que brilha e muda ligeiramente de cor sob uma luz intensa.

Além disso, puseram-se em circulação oito moedas que têm uma face comúm e uma face nacional, desenhada por cada País.

Todas as moedas se consideram válidas nos doze Países da zona do euro. Há moedas de 2 euros,  1 euro, de 50 cêntimos,  20 cêntimos,  10 cêntimos, 5 cêntimos, 2 cêntimos e 1 cêntimo. Cada uma delas com um diâmetro, peso, cor, composição e espessura diferente para uma mais fácil identificação.

Nos aeroportos internacionais existem escritórios de câmbio. Os bancos (abertos de segunda-feira à sexta-feira de 8.30 a 14.00 h. e os sábados nos meses do inverno) oferecem o serviço de câmbio, assim como a maioria de hotéis e agências de viagem.

Em Madrid existem escritórios de câmbio, situadas, a maioria, na grande Via com um horário mais flexivel. É convenente assegurar-se do tipo de câmbio e da tarifa de comissão. A maioria dos cartões de crédito internacionais, como os cheques de viagem, são aceitos na maioria de lojas, hotéis e restaurantes.

EMERGÊNCIA-SAÚDE-POLICIAMENTO

O número de emergência para a policia nacional, na maioria das comunidades é o 091 e o 092 para a policia municipal. No caso de urgências médicas pode marcar o 061. Porém, estos números podem mudar de uma comunidade para outra. É recomendável viajar com um seguro médico embora que existam acordos de reciprocidade com a Segurança Social com a maioria dos países membros da Comunidade Européia.

Existem númerosas drogarias por toda Espanha, abertas de 9.30 à 14.00 h. e de 16.30 à 20.00 h. Fora desse horário funcionam as drogarias de guardia. Todas elas exibem a lista das drogarias que estão abertas e indicam a mais próximas. A lista se publica também nos jornais.

No caso de perda ou robo dos documentos de identidade procure à policia e entre em contato com seu consulado mais próximo.

CORREIOS E TELEFONIA

O serviço de correios é eficiente. As escritórios estão abertas de segunda-feira a sábados de 8.00 a 15.00 h. Os domingos estão fechadas. As escritórios principais de Madrid, Barcelona, Bilbao e nos aeroportos internacionais estão abertas as 24 horas.

Os selos podem adquirir-se nos correios e nas tabacarías. Correos, além do serviço de telegramas, telex e giros telegráficos, oferece também o serviço postal bancário através do giro postal. Se sua estadia é prolongada pode utilizar o serviço "Lista de Correos", onde pode inscrivir-se para reciber sua correspondência.

A maioria dos telefones públicos funcionam com moedas de 5, 25 e 100 pesetas. Existem também cabines que funcionam com cartões que podem ser adquiridos nas tabacarías, nas lojas de Telefonica e em estabelecimentos autorizados.

Estão disponíveis em valores de 1.000 e 2.000 pesetas. Para fazer uma chamada a qualquer parte do mundo tem de marcar o 00 e seguido do indicativo do país e da cidade à que deseja chamar. Para recibir chamadas desde outros países, o número identificativo da Espanha é o 34.

FOTOGRAFIA

Como em quase todos os países da Europa Occidental conseguir material de fotografia não é nada complicado. Os preços acostumam ser muito semelhantes aos que encontram-se no resto de países da Comunidade Europea.

HORÁRIO COMERCIAL

Os comércios acostumam abrir de segunda-feira a sexta-feira entre 9.30 e 10.00 h. até as 14.00 h. e de 16.30 e 17.00 h. até 20.00 e 20.30 h. Generalmente fecham os sábados à tarde e o domingo todo o dia. Nas zonas de grande movimento turístico não acostumam fechar até as 22.00 e 23.00 h.

Os restaurantes servem comidas desde as 13.30 até as 15.30 h. e jantares desde 20.30 às 23.30 h., embora nos meses de verão costumam ser mais flexibles em sus horários. Os bares e cafeterias abrem todo o dia e boa parte da noite, geralmente todos os dias da semana.

As discotecas e bares de copa acostumam fechar entre as 3.00 e 4.00 h. Em Madrid e Barcelona e as zonas turísticas, existem lugares que permanecem abertos até altas horas da madrugada.

GORJETAS

É uma costume muito arraigada na Espanha, embora alguns hotéis e restaurantes incluyem o serviço. Costuma-se dar gorjeta entre um 10 e um 15 % em bares, restaurantes, cafeterías, camareiros, acomodadores dos cines, taxistas, cabelereiros, etc. Em nenhum caso é obrigatória e ninguém reclamará se decide não deixar-la.

TAXAS E IMPOSTOS

O IVA (Impuesto acrescentado sobre o valor) grava a maioria de artigos e serviços. É de um 16 % sobre o valor total. Não existem tasas de saída em aeroportos.

FLORA E FAUNA

A riqueza natural da península é ampla e variada. Seus diferentes hábitats, que vão desde a costa até a montanha, passando por bosques e vales, possibilitam um nutrido grupo de espécies.

O mais destacado nas zonas de montanha são seus bosques de carvalhos, pinhos, eucaliptos, castanheiras, haias e bétulas, principalmente na zona norte, felizmente desenhados com a companhia das flores típicas da montanha com suas cores rosadas, vermelhas e amarelas. Entre estos, convivem em harmonia espécies como os cavalos asturções, em Astúrias, selvagems e livres, especialmente na cordilheira costeira do Sueve.

Nos Picos da Europa, os cervos e cábritos apoderam-se do território, partilhándo-o com certas espécies de águias e falcões, assim como com passarinhos de coloridas penas que põem uma nota de luz entre a espessura do bosque. Também aparecem nestas zonas espécies pequenas preçadas pela bela pelagem, tal é o caso de martas, gato montês, furões, raposas e lontras. Nos rios que atravessam as zonas montanhosas destaca a presença de trutas e salmões.

Nos Pirineos destaca a presença do pinho selvagem e o pinho preto, assim como queixadas, martas e lontras. Mais perto de território catalã, mas ainda na região montanhosa, podem-se encontrar pinhos e abetos de diversas espécies, assim como os animais mencionados com uma notória abundancia de perdizes.

As zonas úmidas de Huelva e La Mancha servem de parque ecológico de proteção espécies de aves migratórias que encontram-se em perigo de extinção. Em Ciudad Real, o parque conhecido como Tablas de Damiel, alberga um paraíso palustre que é hábitat de aves como garzas imperiais, gazelas, patos selvagens, que utilizam o lugar para chocar durante um tempo.

Nas zonas de Castela, as espécies como o cervo, o raposo e a queixada abundaram. A zona conhecida como Serra da França conserva algumas espécies de ursos pardos, enquanto as cegonhas seguem convivendo pacíficamente nos arredores dos rios e cidades desta zona, construindo os ninhos nas altitudes das pequenas colinas rochosas ou nas torres das igrejas.

Para a praia Mediterrânia abundam espécies vegetais mais quentes como as oliveiras, a granada, os cítricos e flores de maior colorido. A fauna marinha esta composta por pescada, caranguejo, lagosta, ouriço, polpo, rodovalho, atum e bonito principalmente, custodiados pelas gaivotas que se juntam-se nos portos.

LOCAIS TURÍSTICOS

GALICÍA

Poucos lugares da Espanha tem tudo e um deles é Galícia, ao noroeste da Espanha, o país de Santiago Apóstolo ou onde o mundo tem seu fim, no Finisterre da Cristiandade. Quando dizem tudo, não dizem como um tópico à mais. Não trata-se de uma frase pensada e armada, como um recurso do marketing do turismo. Galícia tem tudo, é assim de fácil, a pura realidade.

As suas paisagens de montanhas, vales e rios. As suas aldeias e cidades, verdadeiros tesouros da história. As extensas praias e mares. A sua gastronomía, os melhores mariscos e peixes e, sobre todo, os habitantes, hospitaleros e adoráveis.

Tudo isto faz de Galícia uma das Comunidades Autônomas mais acolhedoras da Espanha. Quem visitar Galícia descobrirá uma sensação de plenitude, impossível de esquecer. Galícia aparece imensa.

Uma viagem pela História da Europa

A história da Galícia tem sido, de alguma forma, o caminho da história. O visitante que percorre suas terras faz, sim sabé-lo, uma viagem por todas as épocas e as manifestações culturais que tem experimentado Europa.

O turista hará uma fantástica travessia que inicia-se nos primeiros assentamentos da era paleolítica. Ainda podem apreciar-se por todo seu território, as "mamoas", montouros de terra que serveram como cámaras funerarias, que datam do ano 3.000 a.C.

Uma viagem que atravessa a Idade do Bronze e a Idade do Ferro. Para constatá-lo perduram numerosos "castros", recintos fortificados para a defesa, verdadeiras ruinas arqueológicas como Santa Tegra, Viladonga ou Armeá.

Desde tempos remotos Galícia foi lugar de passagem, centro de rotas comerciais de gregos e fenícios, mas sua entrada na história da humanidade, tem lugar com o império romano quando é definida por primeira vez como "Gallaecia".

Desta época permanecem bastantes testemunhas arquitetónicas: a Torre de Hércules, faro romano que ainda está em funcionamento, a muralha completa de Lugo, com suas 85 torres e quatro portas, ou as obras de mineria em O Courel.

Aliás, este trajeto pela história tem seu ponto máximo no medievo, com a lenda que atribui a evangelização da Galícia por Santiago o Maior. Assim nasce o Caminho milenar para Santiago de Compostela, um caminho de magia e de monumentos, que milhares de peregrinos cristãos percorreram para afiançar sua fe.

A travessia pela história passa pelas manifestações do estilo românico, que tem calado fundo na realidade da Galícia. As Catedrais de Santiago de Compostela, Orense e Lugo, mosteiros e numerosos templos, constituem uma riqueza que parece inabrangível.

E o trajeto continua pelas expressões em pedra do estilo góticas que ainda podem ver-se em seções de alguns majestosos templos. Da época do renascimento, o Hospital Real e a portada do Colegio de Fonseca em Santiago de Compostela, a Igreja de Santa Maria em Pontevedra ou a porta triunfal de Viveiro. Do Manierismo, estilo caraterizado pelo subjetivismo: a Igreja de São Martím Pinario ou o templo Monacal de Montederramo.

Nossa viagem pela história faz uma parada no Barroco que tem manifestações como o Convento de São Agostino ou a igreja de Monfero, seguido da arte Rococó com obras arquitetônicas como a prefeitura de Lugo ou o templo de São Frutuoso.

A travessia continua pela ilustração, e como exemplo, o bairro de A Madalena no Ferrol ou o Consulado do Mar na Corunha. Um percursso pelas terras de Galícia supõe realizar um trajeto fantástico pela história da Europa que termina nas últimas propostas vanguardistas como é o caso do Museu do Homem, a Domus, assomada no Atlantico, o ponto de partida para o futuro.

Caminos Mágicos

Cuando se fala em Galícia associa-se à "meigas", "bruxas", "lobisomem" e curandeiros ou bem, à postais com paisagem de montanhas e verde herva. Porém, Galícia é muito mais que isto.

Talvez a origem de todas estas histórias de magia se encontre no seu passado, quando os celtas, vikingos ou normandos invadiram as costas galegas deixando seus costumes mais atávicos. Costumes que tem sobrevivido ao passo do tempo, mas que de nenhuma maneira definem Galícia. Respeito essas imagens de vales e montanhas, Galícia possue, porém estão esquecidas injustificadamente, o que constitui sua verdadeira riqueza.

Galícia toda é um cruze de caminhos que vem de longe, criada sobre eixos de uma geografia mágica e carregada de realidade e beleza. Encontrar-se com essa terra diferente, caminhar suas montanhas e vales, conhecer seus povos e cidades, perder-se em seus "mil rios", desfrutar do seu sol e da chuva, descobrir a pegada do homem na sua cultura, na gastronomía, é a melhor forma de não cair nesses tópicos. Vamos propor-lhe um percurso pelos suas rotas mais tradicionais.

Desde Lugo para as Rias Altas - A Essência Galega

Uma boa forma de entrar na zona conhecida como Rias Altas, é fazer-lo desde Lugo e ir subindo até Ribadeo, no Cantábrico. Desde ali iniciar uma travessia, por todas as rios, beirando primeiro as costas do Mar Cantábrico e depois as do Atlântico, até chegar em Corunha, capital de Galícia.

Em Lugo, capital da província do mesmo nome, a vida transcorre suavemente. Trata-se de uma cidade próspera, com uma muralha romana que envolve completamente a parte antiga (2 Km de perímetro), algo único no mundo.

Passear pelos arredores é como transportar-se ao medievo. Dentro, na parte antiga, um dos mais belos cantos é a Praça do Campo, edificada sobre um antigo foro romano ou sua catedral na praça de Santa María, que junta diferentes estilos arquitetónicos: gótico, românico, barroco, etc.

Para os amantes da arte está o Museu Províncial que exibe impressionantes coleções de orfevraria pré-romana e romana, arqueología, vidro ou cerâmica.

Desde Lugo, viajando para o nordeste e cruzando a Serra de Meira, onde nasce o rio Minho, chega-se em Ribadeo, na ria do Eo, no limite entre Galícia e Astúrias. Ribadeo é um povo pitoresco com excelentes mirantes, como o da Trinidade ou A Atalaia, desde onde podem-se contemplar dilatadas panorámicas, todo um espetáculo.

Muito perto encontra-se Rinlo, um pequeno porto com relevante atividade, envolvido em cheiros de lagosta. Seguindo o litoral em direção Foz, encontra-se a "praia das catedrais", onde formam-se impressionantes arcos quando a marea retira-se.

Depois de percorrer o impressionante litoral da zona, por areiais e praias dilatadas e selvagens, nos encontramos com outro dos privilegios: Foz. Um barulhento centro veranego, antigo povoado onde abundam os "castros" e restos celtas.

A 6 Km para o interior, acha-se o que foi a Catedral de São Martinho de Mondonhedo, considerada como a mais antiga da Espanha e antiga sede episcopal. Retomando o caminho do litoral pode viajar-se até Viveiro, considerada a entrada às Rias Altas.

As Rias Altas - Natureza Privilegiada

A ria de Viveiro encontra-se no mais esplendoroso do norte das rias altas. Sua entrada pela Porta de Carlos V do estilo prateresco, toda uma jóia, a sua igreja românica-ojival de Santa Maria do Campo e muito perto, o templo de São Francisco do século XIV. Em Viveiro as paisagens são de beleza indescritivel, que pode admirar-se desde a ermita de São Roque, situada num entorno mágico, onde a imaginação sai á voar.

Desde esta esplendorosa ria até Ortigueira, inicia-se uma viagem através de pequenos povoados onde a tradição é pura vida que transcorre ao compasso das ondas.

Onde encontram-se o mar Cantábrico com o Atlantico é na Estaca de Bares, onde alça-se o Faro que vigia tão estranha união das águas. Por estas rias concentram-se povoados de pescadores e de almoços celestiais em base à peixes e mariscos. Já em Ortigueira, a mais ampla das ruas recebe os visitantes com música nos bares e brancas galerias.

A rota continua por Carinho, modesto porto que vê nascer também o Atlântico, que discorre por rochedos de vertigem na direção para São Andrés de Teixido, declarado conjunto-histórico. Aqui pode adquirir os "sanandreses", curiosas figurinhas, que servem de amuleto e proteção, feitas de miga de pão e coloreadas.

O rochedo Vixia de Herbeira, com mais de 600 metros de queda vertical, é dos mais impressionantes da Europa. A viagem até O Ferrol vai cobrando as expresões de verdadeiros milagres: rochedos, montanhas, vigiantes faros, praias mais suaves e um clima mais benigno.

O Ferrol, com numerosos rincões de encanto como Mugardos com suas casinhas de cores gritantes, onde come-se um dos melhores polpos da Galícia. O bairro da Magdalena, o centro de vida da cidade, é um conjunto do estilo neo-clássico junto à edifícios claramente modernistas.

Do O Ferrol à A Corunha cruza-se Pontedeume, um lugar cercano ao paraíso, com lugares entre as ruas que são toda uma delícia e onde a água mete-se por todas suas pequenas enseadas. A formosa ponte do século XIV, conduz, depois de passar por Betanzos, à A Corunha, capital da Comunidade.

Da Corunha ao Fim do Mundo

A Corunha, banhada pelo mar por um lado e a ria pelo outro, é uma cidade elegante e senhorial. A sua Torre de Hércules, o único faro romano em funcionamento, erige-se como um guardião dos habitantes.

O seu espetacular passeio marítimo, as famosas praias como as de Riazor, o Castelo de Santo Antão, que acolhe o Museu Histórico e Arquelógico, a Praça de Maria Pita, a Prefeitura e suas casas com as galerias mais impressionantes da Galícia toda. Templos e museus, muita vida, boa comida, uma cidade de moda.

Tomando já o caminho para as Rios Baixos, aparece Finisterre, a terra do fim do mundo, onde no passado para os homems, depois de aquele ponto, nada podia existir. Esta zona é conhecida também, como a Costa da Morte, pois o mar descarrega toda sua fúria, para dar passo as Rias Baixas, onde as águas tornam-se serenas.

As Rias Baixas - O Espírito do Mar

Desde aqui iremos viajar para o sul, a Galícia mais turística, com um litoral de formas caprichosas, um jogo entre a água e a terra onde o mar mete-se por onde pode, formando maravilhosas e pequenas penínsulas, baías, praias e enseadas, formando uma paisagem sobrecolhedora.

As Rias Baixas começam em Muros e terminam ao sul de Vigo, na fronteira com Portugal. Esta rota é também uma das preferidas pelos próprios galegos. Muros é uma das vilas melhor conservadas do litoral galego.

A Colegiata de São Pedro, do estilo românico, os seus becos e as mesas servidas para esperimentar as ostras, mexilhões ou peixes, são algum do seus atrativos. Seguindo o caminho encontra-se Noia, cheia de palácios e templos medievais como São Martín ou São Francisco.

Nas cercanias podem ver-se rastros da presença celta. Após Noia, chega-se ao rio mais aberto e majestoso desta zona, a Ria de Arosa. Ribeira é a primeira povoação que aparece, seguida de Puebla do Caraminhal, que alberga o Museu do Valle Inclán e onde, desde o século XVII, o terceiro domingo de setembro se faz uma processão de caixas de morto, a processão conhecida como Das Mortalhas.

Vilagarcia de Arousa é a povoação mais importante da ria, com seu porto, coração da cidade, e lugar dos famosos mexilhões, mariscos, peixes ou das amêijoas do Carril, provenientes de uma longa e estranha praia.

Subindo ao mirante de Lobeira, sobre redondeados e caprichosos penhascos podemos contemplar de longe, a Ilha da Salvera ou a Ilha de Cortegada. Entre Vilagarcia de Arousa e Cambados, encontra-se Vilanova de Arousa, o lugar onde nasceu Ramón de Vale Inclán. Todas as paisagens do entorno expelem plenitude.

No Cambados, capital do Albarinho, um dos melhores vinhos brancos do mundo, chamado também "príncipe dourado dos vinhos", destacam sua importante Praça, um dos melhores expoentes de casas solarengas, e a igreja de São Benito, de belas torres gemeas.

Na frente, encontra-se O Grove, unida por um ponte ilha de A Toja, onde encontra-se um dos hotéis-balneários mais exclusivos da Galícia. Com este povo marinhero fecha-se uma das rias mais belas do mundo.

A seguinte ria é a de Pontevedra, capital de província do mesmo nome. Pontevedra encontra-se ao fundo da ría, junto ao estuário do Lérez, dotada de um agradável clima e de uma preciosa parte antiga. A Peregrina, templo do século XVIII, é um dos símbolos da cidade.

O Museu, instalado em casas do século XVIII, e o cruzeiro, uma imagem de pedra no Eirado da Lenha, observam a atividade dos habitantes. Entre empadas de amêijoas, ostras de Arcade, tartas de amenduas, e no centro do barulho deste movimentado porto, chega a paz quando bebe-se aos goles vinho de albarinho.

De Pontevedra à Vigo, fica a última península, a de Morrazo onde depois de passar por Marím e Hio, chega-se em Cangas, vila situada na frente da ria do Vigo. Berço de "meigas", segundo as lendas, o melhor é o ambiente marinheiro que respira-se entre a laberinticas ruas.

Vigo, é a cidade que possui o porto mais importante da Espanha e as mais importantes indústrias pesqueiras. Trata-se de uma cidade com identidade e caráter muito próprios, que expressa-se, às vezes, em propostas vanguardistas.

Uma parte histórica e um setor marinheiro. Os passeios pelo Parque do Castro são uma delícia. Desde Vigo, saem as excursões para as Ilhas Cíes, um Parque Natural e residência de milhares de gaivotas.

Mais além do Vigo continua o caminho, mas as Rias tem seu final em A Guardia, a última povoação galega que vigia a desembocadura do rio Minho.

O Caminho Sagrado - O Caminho do Santiago

O Caminho do Santiago, o caminho dos peregrinos, é uma das rotas mais conhecidas da Galícia e Espanha. O mais espetacular deste caminho são suas paisagens.

A história deste caminho se remonta ao ano 814, quando em Padrão, além de Santiago, se descobriu o túmulo do Santo Apóstolo, que segundo conta a lenda, chegou em barca de pedra pelo Atlântico. Os seus restos foram transladados Compostela, e aqui finalizarão todos os caminhos da Europa que conduzem Santiago.

O mais conhecido é o caminho francês, que inicia-se em Roncesvalles, na fronteira com França, e continua para Puente de la Reina, León, Astorga e Ponferrada. Aliás, na Galícia, o caminho de Santiago começa em Pedrafita do Cebreiro, uma vila de montanha, a porta que abre à majestosidade das serras de Ancares e O Courel.

Começam os ascensos e descensos por paisagens de inigualável beleza até Triacastela, com um monumento ao peregrino. Mais adiante Sarria, com um antigo hospital que atendia os peregrinos.

As paisagens despertam o desejo de que o caminho fosse eterno. Despois de Palas de Rei, Melide e Arzua, onde fazem-se bons queijos frescos, o caminho se torna ainda mais verde. No Monte do Gozo, o peregrino, descobrirá por primeira vez as torres da catedral de Santiago de Compostela, saberá então que o caminho chega ao seu fim.

A praça do Obradoiro, pela Via Sacra, leva até o Pórtico da Gloria, para atingir as bendições do Apóstolo. Santiago de Compostela, construída em pedra, é uma cidade que surpreende pela sua beleza e nela a chuva é arte. Uma jóia de cidade, patrimônio da Humanidade e fim do primeiro itinerário cultural da Europa. Uma cidade de gente jovem e hospitalera.

Galícia é um milagro e Galícia está lá, esperando ao visitante para manter sua tradição hospitalera. Galícia está ai onde o mundo termina, para oferecer todas as possibilidades de turismo que se conhecem até agora: turismo rural, turismo verde, turismo de aventura, montanhas, rafting, sol, pesca, praia, povos, cultura, história, etc.

Enfim, Galícia espera-lhe com todo seu espirito de festa que sempre tem caraterizado.

ASTÚRIAS

À beira do mar Cantábrico, Asturias foi sede durante séculos do reino cristão, durante a invasão árabe. É uma região cantábrica e montanhosa. Em seus limites encontra-se grande parte do Parque Nacional Picos da Europa e o Parque de Covadonga. Conserva seu antigo título de Principado.

Cangas de Narcea é uma região no oeste asturiano, básicamente de pescadores, que encontram seu modo de vivir nas partes mais saturadas do Río Navia.

É uma zona agreste, para espiritos que procuram a paz da contemplação ou a aventura da ação. Tineo é o mirante desde o qual podem-se ver com amplitude as belezas naturais da zona, enquanto que em Corias pode-se visitar o mosteiro beneditino que conserva três estilos arquitetónicos diferentes: o românico, o neo-clássico e o churrigueresco.

No Vale do Navia construiram-se três repressas que fazem uma zona agradável para o descanso da cidade, entre seus lugares mais atrativos estão a colina de Coanha, desde onde se tem uma maravilhosa vista e a vila agrícola de Grandes Salime, que conta com um museu etnográfico no que se presentam artesanatos e peças de uso doméstico, assim como as principais ferramentas agrícolas da região desde tempos remotos.

A zona costeira da Astúrias conhece-se como Costa Verde pela cor do seu mar e a estranha visão da praia com os bosques de pinhos e eucaliptos, combinados com verdes pradarias onde o gado encontra alimento.

Nesta zona podem-se encontrar numerosos lugares de interesse como a Vila marinheira de Llanes, onde é possível observar a pesca da lagosta, o antigo castelo de Buelna, a igreja de São Antolím de Bedóm, seus muralhas e torres, hoje deterioradas pelo tempo revelam de vez a alma velha deste lugar.

A presença do antigo ídolo de Penha-Tu, legado dos homems do neolítico, é um contraste com a elaborada perfeição dos restos de origem cristão.

Uma série de praias areiosas conformam o destino de descanso mais comum durante o verão. Junto elas, pequenos povoados oferecem sua singeleza como atrativo, tal é o caso de Lastres, dedicado ao cultivo das ameijõas, ou de Priesca, com uma formosa e antiga igreja do ano 921, mais para o oeste, Villaviciosa e Valdediós custodiam em suas entranhas majestosos mosteiros, conventos e igrejas na maior parte do estilo românico. Tazones é um povoado pesqueiro quente e pintoresco, enquanto que A Ilha é uma espécie de pequena península unida a Astúrias na que tem-se desenvolvido modernas casas de campo sobre uma combinação de formações rochosas e praias.

Ribadesella, porto e cidade situados na margem direita do estuário de Sella, recebe numerosos visitantes amantes da natureza que pretendem intimar com seu rio. Nos arredores desta cidade existem ricos exemplos da arte rupestre, especialmente do Paleolítico como são a Gruta de Tito Bustillo, O Pindal, Lloním e Os Pedroses. Em conjunto estas obras tem a qualidade e diversidade das de Altamira ou Lascaux. Castropol é o último povo asturiano para o oeste.

É uma zona de pescadores situada sobre uma promontório semi-rochoso no qual destacam as casas e construções com suas cores brancas. Partilha por igual a vida com o mar e a ria de Eo. Sua Praça Maior, pequena e íntima, conservadora desse cheiro de bosque e mar, é seu maior atrativo assim como a vista que do océano oferece.

De repente, na serenidade de estas vilas costeiras, chega a visão da majestosidade das montanhas e vales verdes, especialmente no Parque conhecido como os Picos da Europa, zona montanhosa de singular beleza, ainda desconhecida em muitos de seus segredos que guarda uma estreita e ancestral relação com a natureza pura.

No coração de um vale custodiado pelos cumes dos Picos da Europa encontra-se Covadonga, cidade de grande importancia para a história espanhola. Foi ai onde no ano 722 Dom Pelayo iniciou a Reconquista, em sua honra, a basílica do lugar tem-lhe eternizado através de uma escultura em bronze.

Entre o que mais destaca em Covadonga está a gruta da Virgem das Batalhas, conhecida também como A Santina. Trata-se de uma peça em madeira talhada do século XVIII que permanece sobre um altar decorado com esmaltes.

Cada ano, o 8 de setembro celebram-se peregrinações para este santuário. O Museu da cidade oferece ao público objetos da Reconquista e da devoção à virgem como são a coroa de mais de mil brilhantes.

Oviedo é a capital asturiana, como tal, reúne no seu interior a ancestral harmonia de suas ruas e construções, ao lado da modernidade de seus serviços e avenidas. Destacando com seus 80 metros de altitude, a Catedral desta cidade, dedicada à Santa Eulalia, oferece um panorama similar querendo atingir o céu através de suas góticas torres e adornos.

Em seu pavilhão central, ajudada pelo reflexo da luminosidade que traspassa os rosetões do estilo gótico flamígero, brilha o Retábulo Maior, dedicado a evocar a vida de Cristo, em madeira policromada e grandes dimensões. Em suas capelas interiores observa-se um estilo barroco, mais recarregado, especialmente na dedicada à Santa Eulalia, padroeira de Astúrias, cujos restos encontram-se ali mesmo.

A Capela de Alfonso II, onde reposam os restos dos reis Asturianos, está situada no que foi a parte inicial da catedral, enquanto que a Cámara Santa surpreende com suas doze colunas do vestívulo realizadas num estilo similar ao da Catedral de Santiago de Compostela, no interior protege um cúmulo de reliquias resgatadas de Toledo durante a ocupação muçulmana.

O Tesouro que custodia a Catedral é dos mais ricos da Espanha, destacam a Cruz dos Anjos, a Cruz da Vitória que empunhou Dom Pelayo ao iniciar a reconquista e a Arca Santa, cofre em ouro e prata do século XII.

Junto à catedral, o Claustro invita à meditação com suas cúpulas ojivais. Em sua Capela a Santa Leocádia coincide por um dos lados com a Cripta dos reis asturianos. Por último, a Sala Capitular do Claustro oferece uma deliciosa mostra de cadeiras em nogueira preta do século XV.

Saindo da igreja principal de Oviedo encontra-se a Praça da Catedral ou de Alfonso II, o seu maior atrativo são os baixorelevos e bustos que no seu jardím oferecem homenagem aos reis asturianos.

À um dos lados está o Palácio de Valdecarzana enquanto que no outro é possível ver a Igreja de São Tirso, do século IX, que tem-se convertido num a curiosidade ao oferecer umas janelas de um estilo que, segundo os arqueólogos, resulta impossivel nessa época.

Oviedo conta com um Museu das Belas Artes que oferece uma coleção de peças do flamenco espanhol. O Museu Arqueológico, situado num antigo convento, apresenta peças de numismática pré-histórica da província, instrumentos musicais e uma coleção de altares em pedra e baixorreleves de influências orientais.

Ramiro I decidiu construir um grande palácio que não alcançou ver concluido, desde este lugar tem-se uma espetacular vista da cidade de Oviedo, à 4 km de distancia e dos impressionantes Picos da Europa. Posteriormente convirtiu-se em dois santuários: o de Santa Maria de Naranco e o de São Miguel de Lillo.

No primeiro poderá encontrar um edifício de tipo retangular, com singeleza medieval que somente é alterada ao filtrar-se a luz pelos seus espaçosos e igualmente simples janelas. O segundo, de Lillo, mantém o estilo sóbrio e simples embora conserva, devido a uma remodelação no século XVII, uma decoração mais exuberante.

Gijón é um importante porto da Espanha e um dos maiores do litoral cantábrico. A cidade possui uma extensa praia. Em volta de típicos bairros de pescadores. Destaca a Colegiata do século XV e o Palácio de Revillagigedo do século XVIII.

CANTÁBRIA

Considerada parte da Espanha Verde e marinheira. Na região encontra-se a cordilheira Cantábrica e em su parte meridional discurre o rio Ebro, que nasce em Fontibre (Reinosa). Seus formosos paisagens guardam testemunhas dos mais antigos habitantes pré-históricos da península.

A herança que o tempo e os homems primitivos legaram à esta rica terra reparte-se entre 24 grutas pré-históricas, sendo Altamira a de maior renome mundial. Um grupo de artistas pré-históricos expuseram suas visões da era que les correspondeu vivir através de delicadas cenas de caça e animais em cores ocre, vermelho e amarelo.

Uma caraterística de estes artistas é a nula presença que deram ao homem pois não aparecem figuras humanas nestas grutas, outra é a linha preta que rodea às figuras, motivo que as faz mais claras e dramáticas. As grutas, hoje convertidas em Parque Nacional, tem duas galerias claramente definidas por uma temática e antigüidade, como se aqueles pintores primitivos tiveram noção do que mais tarde seria este território.

Na mais antiga, realizada aproximadamente no ano 25.000 a.C. podem-se observar uma série de perfiles em cor preta, primeiros intentos de arte abstrata. A segunda sala, conhecida como "A Capela Sixtina do Quaternário" mostra uma série de animais de caça como bisões, queixadas e cervos realizados entre o 15.000 e o 12.000 a.C. Sem dúvida esta é a parte mais famosa de Altamira.

A Costa Cantábrica tem uma paisagem similar ao de Asturias: uma conjugação de mar, formações rochosas, vales, rias e bosques que contrastam com a imponente beleza dos Picos da Europa.

Nos pequenos povoados que cobrem esta zona podem-se ver escudos adornando as pitorescas casinhas, assim como alguns agricultores que ainda conservam formas de trabalho ancestrais.

Entre os povos onde podem obter essa visão de tranquilidade de cartão postal estão Castro Urdiales, com sua igreja gótica e o faro que domina a vista do mar, Laredo, com uma combinação de uma colina coberta de antigos becos empedrados e um porto modernizado e atual, Limpia, com seu Santo Cristo da Agonia que segundo os fieis tem chorado lágrimas de sangue, a padroeira de Cantábria, Nossa Senhora de Bem Aparecida, tem seu santuário no povoado do mesmo nome com uma preciosa igreja barroca do ano 1605, Santonha, com seus restos romanos em capitais e pia batismal e Bareyo, com sua igreja de Santa Maria do estilo românico.

Situado na Costa Cantábrica, Santander mantém-se como uma das cidades mais belas da Espanha, no meio do som do cercano mar, a cor dos edifícios antigos e modernos e o resguardo da Baia na que situa-se, recebe numerosos visitantes que procuram um refúgio que combine o natural e sóbrio com a modernidade e a rapidez.

Um tornado e seus consequentes incendios obrigaram uma remodelação da cidade em 1941, deixando uma cidade mais simétrica com edifícios de um máximo de 5 andares, grandes explanadas e zonas ajardinadas. Entre os lugares mais transitados de Santander estão o Passeo de Pereda, a Avenida de Calvo Sotelo, de corte comercial e a Praça Porticada.

A Catedral levanta-se sobre uma colina desde onde difruta-se de uma atraente vista da cidade. Do estilo gótico, tem sido remodelada com fidelidade à consequência do incendio de 1941. No interior, uma pia batismal de origem árabe e uma cripta sustentada por pilares em forma de cruz são o mais relevante.

Resgatando as riquezas pré-históricas da zona cantábrica, o Museu Regional de Pré-história e Arqueologia reúne uma coleção de bastões talhados em osso, machados e estelas, uma mostra de moedas e estatuinhas de origem romana coroam o acervo do museu. Caso esteja muito mais interessado na arte de séculos mais próximos, é recomendável visitar o Museu de Belas Artes, onde encontrará principalmente obras de Goya, Solana, Cossío e Riancho.

A Universidade Internacional Menéndez Pelayo é um dos centros académicos mais modernos e famosos da Espanha. Ocupa o que anteriormente fora residência de verão de Alfonso XIII, conhecido como o Palácio da Magdalena. Este grande historiador e homem de letras, legou à sua cidade um acervo bibliográfico impressionante que conserva-se numa biblioteca do mesmo nome, junto a ésta, a Casa-Museu honra Menéndez Pelayo dando à conhecer sua vida e obra.

É nesta zona onde localiza-se El Sardinero, conjunto de três praias unidas e divididas por montouros que tem-se convertido num ponto de reunião da alta sociedade espanhola desde o século XIX, à isso debe-se o desenvolvimento recreativo e comercial expresado nos campos de golfe, bares, discotecas, lojas, salões de espetáculos, casinos e hotéis.

Para o oeste, Santillana do Mar apresenta um espetáculo diferente com seu antigo sabor medieval e sua vida esconômica dedicada ao apasqoamento. Neste lugar localiza-se um mosteiro e uma quantidade de casas e palácios que edificaram-se quando a comarca ficou convertida em marquesado no século XV. Daqui vem o famoso autor das serranilhas, o Marqués de Santillana, em cujo antigo hogar, um palácio na rua do Cantón, encontra-se um pequeno museu. O povo pode-se percorrer num a manhã tranquilamente, desfrutando das ruas, da Praça Maior e dos conventos.

Um pouco mais longe da costa, Puente de Viesgo oferece a Gruta do Castelo com interessantes mostras da arte rupestre. Reinosa, situada junto à represa do Ebro conta com restos da cultura romana.

PAÍS VASCO(Euskadi)

Situada na zona oriental da Cordilheira Cantábrica, a região é uma das mais industrializadas da Espanha. Seus habitantes tem sabido conservar uma muito longinqua cultura autóctone através do euskera, o idioma pre-indoeuropeu, cujos origens ainda não tem estabelecido.

O País Vasco é uma zona de grande enraizamento à sua terra, costumes e língua, uma terra que guarda consideráveis diferenças com o resto das comunidades hispanas, que parece como um irmão adotivo embora igualmente querido, é um lugar onde a clássica imagem da Espanha barulhenta e mística perde-se e transforma-se em algo mais direto, menos sutíl mas muito atrativo.

Os povoadores desta província provém dos primeiros habitantes da península, emparentados com os celtas, os vascos partilham um veio comúm com os franceses de Bretanha e os ingleses do sul, com essa raça forte de caráter, aparentemente fria, que empenhou-se em dominar o meio ambiente, às montanhas e rios da zona.

O tempo e as diferenças tem ido deslizando até convertir este grupo humano num a compata unidade que surpreende pela sua hospitalidade.

A comunidade está composta por três províncias: Vizcaya, Guipuzcoa e Alava. Cada uma delas oferece muito ao turista, um mundo de possibilidades que torna-se infinito.

Bilbao, o coração da Vizcaya, é uma cidade com caráter, produto da sua atividade industrial, especialmente da siderúrgica e mineira. Porém, a delicadeza das ruas antigas, conhecidas como "as sete ruas", oferece um panorama choqueante pela inacreditável inserção de lugares tão quentes no meio de volumes grises da modernidade.

Não fosse a noção temporal e histórica, seria difícil reconhecer o que foi primeiro, as ruas de pedra e edifícios antigos ou os modernos condomínios de escritórios e as avenidas transitadas e barulhentas, a perfeição e conservação de ambos, assim como a asimilação que os seus habitantes fazem dos dois, implica um reto para descobrir a sua origem e autenticidade.

O estuário do rio Nervión marca levemente essa distancia temporal do velho e o novo. À direita fica o Bilbao Antigo, do século XIV, com as suas colinas e Santuário de Begonha, padroeira de Vizcaya, com o seu Museu de Belas Artes que conserva um rico patrimônio pitórico desde o século XII até o presente, convenentemente classificado e exposto, com o Museu Arqueológico, Etnográfico e Histórico Vasco, ocupando o antigo Colégio de São Andrés que conta entre as suas riquezas com peças pré-históricas, escudos, túmulos e com o mágico Idolo de Mikeldi, entre outras coisas.

Do lado esquerdo, o Bilbao Novo, de finais do século XIX, se faz presente com su acelerada vida produtiva e financeira, com sua Universidade de Deusto, de alto prestigio em estudios financeiros, o bairro residêncial de Algorta, por Santurzi, porto pesqueiro de excelentes sardinas e pela sua ponte pendente que construiu-se para dar passo aos produtos químicos e mineiros que trabalham na zona.

O Parque de Dona Casilda conta com um Museu de Arte Moderna bastante completo e com a Fonte Cibernética, obra de engenheria que atrai o publico jóvem. Os Jardins de Albia contam com esse toque de modernidade urbana que tentam devolver s cidades mais avanzadas o sentido humano.

Nas ruas dos arredores da Praça Elíptica, vive-se de dia o comércio no seu esplendor, enquanto que de noite vive-se a alegria nos bares, restaurantes e espetáculos noturnos, entre os que convém destacar o Teatro Arriaga, lugar de vanguardia na arte dramática, a música e os festivais.

Para estar à tom com sua vida económica, o Centro Internacional de Exibições de Bilbao tem entrado em funcionamento há pouco tempo, dotando à cidade de um espaço no nível das cidades que dominam o mundo comercial.

A medida que cresce financeira mente e que as suas relações de intercâmbio econômico ampliam-se, especialmente com França, Inglaterra e América Latina, Bilbao vai construindo com rapidez centros culturais e financeiros mais modernos e atualizados sem permitir-se perder essa parte romantica do seu velho coração.

Seguindo um caminho para o leste, adentrándo-se no País Vasco, podem-se encontrar pequenas povoações e portos marítimos que oferecem sua paisagem agreste e antiga como um presente deste povo para a humanidade. Getxo, Gorliz e Arminza precedem ao Faro de Machichaco, desde o qual observa-se a Penha de São João de Gaztelugache com su ermita onde celebra-se a romeria de São Juan.

Posteriormente em Bermeo, vila pesqueira, a história tem ficado marcada nas muralhas e na Torre dos Ercilla, de fachada em granito, que na atualidade está convertida num Museu do Pescador e que antanho fora o lugar onde os reis vizcaínos faziam os seus juramentos de nobleza.

Guernika tem ficado imortalizada, à costa da sua dor, pela célebre pintura de Paulo Picasso do mesmo nome. Cidade bombardeada pelos alemães durante a Guerra Civil Espanhola, oferece ao visitante a sua dolorosa história e algo mais: o tradicional carvalho onde os senhores de Vizcaya juravam respeitar suas leis, visitado inclusive pela rainha Isabel a Católica. Esta árvore encontra-se resguardada num templete perto da Casa de Juntas, lugar que na atualidade é sede das Juntas Generais do Senhorío de Vizcaya.

As Grutas de Santimaminhe sorriem ao mundo moderno com suas pinturas pré-históricas de animais de caça e as formações calcáreas de vivas cores. Elanchove é um delicioso e pequeno porto em cujas praias recriam-se os habitantes de Guernika. Leketio conta com uma chamativa igreja do século XV que atrai pela torre barroca e os arcobotantes, desde ela se obtém uma vista do porto envidiável.

Ondarroa é um porto de maior importância dedicado ao salgado do peixe e à indústria da conservação, entre seus atrativos está a cor esbranqueada das casas, tempeada com o colorido do seu mar e o rio sobre o que sitúa-se, a praia atrativa e a Ilha de São Nicolás que só se poderá ver quando desce a maré e deixar-la ao descoberto.

Uma sucessão de povoações e cidades de diversos tamanhos levam para a costa da província de Guipúzcoa. Em cada um de estos lugares aparecem mirantes para gozar da vista do mar e os contrastes dos rochedos e colinas cobertas de igrejas antigas, casas pitorescas ou edifícios mais modernos que miram desafiantes para o mar.

A última parada é em São Sebastião

Donostia, famoso no mundo todo pelo seu festival de cinema de verão. Uma Bacía em forma de semicírculo é o ninho desta cidade que mantém o ritmo vasco e espanhol de convivência harmonizada entre o novo e o velho. A Bacía está dividida em duas: a praia de Ondarreta e a praia da Concha, separadas pelo Monte Igueldo no qual tem construído um parque de atrações moderno e funcional, ao que acede-se por um funicular.

Esta cidade alcançou notoriedade no século XIX quando convertiu-se em lugar de férias da nobleza ao ser escolhido pela rainha Maria Cristina de Hausburgo, quem mandou construir o Palácio de Miramar que ainda conserva-se.

Nos extremos da Baía há duas formações rochosas que permitem ter uma visão da mesma especialmente atrativa durante os entardeceres: o Pente dos Ventos no lado esquerdo, com uma singular escultura em pedra que asemelha um pente por onde atravessa a brisa marinhha e o Monte Urgull no dereito, coroado pelo Castelo de Santa Cruz da Mota.

Dentro da cidade, convém visitar sua Praça da Constitução que fora cenário das primeiras touradas da zona, o Museu de São Telmo, antigo convento que na atualidade é o Museu Etnográfico da cidade e que conserva entre suas curiosidades uma exposição de tocados vascos femininos até o século XVIII, apresentados sobre uma espécie de armadura metálica.

Durante o verão, conta-se com o serviço de barco que permite chegar à Ilha de Santa Clara, em meio da bazia, lugar privilegiado com a visão desta cidade ao completo.

Vitória

Gasteiz é a capital da comunidade vasca, na província de Álava. O seu interior é um conjunto perfeito da beleza dos seus monumentos e peças antigas, da urbanização dos dinámicos centros empresariais e políticos e da paz e tranquilidade dos jardins e lugares de recreio.

Na parte antiga podem-se encontrar exemplos tão belos da arquitetura como a monumental Catedral de Maria Imaculada, do estilo prateresco em geral, que possui peças maravilhosas em pedra, madeira e pintura.

A Praça da Virgem Branca rende homenagem à vitória de Wellingtom sobre o exército napoleônico em 1813 através de um monumento em pedra e bronze e em cuja ponta apresenta-se a vitória con asas. Entre os lugares que despertam curiosidade está o Museu de Naipes, com mais de 150.000 cartas de diversos temas e em variados materiais vindos do mundo todo, também a Praça do Machete que deve su nome ao fato de que os antigos nobles juravam lealdade sobre um terçado que guardava-se na Igreja de São Miguel.

CASTILHA E LEÓN

Situada no centro da Espanha, num grande planalto de caraterísticas excepcionais. Inclui o antigo território que ocupara o reino de León e a metade norte do reino de Castela. Uma paisagem grandiosa e plana. A região possui um dos patrimônios histórico-artísticos mais importantes na Espanha.

É uma das regiões de maior amplitude geográfica, sobre um território firme, de altitude meia e numerosos afluentes de rios junto aos quais tem-se fundado cidades desde a época dos romanos que tem visto discurrir a história e receberam legados da mesma.

A maior parte deste território viveu com fereza a luta contra os muçulmanos e são escassos os restos que permanecem desta cultura em terras castelhanas, por isso, fazer uma visita a estes espaços espanhóis significa encontrar-se com o mais apremiante espirito cristão que tem caraterizado à nação hispana desde o século III.

Entre os lugares que mais destacam nesta comunidade está León, que fora a cabeça de um dos reinos mais influintes antes da unificação espanhola realizada pelos reis Católicos. Os restos de uma antiga muralha sobrevivem para assinalar o que fora o original espaço desta cidade.

Na parte extrema da mesma levanta-se majestosa a Catedral leonesa, símbolo por excelência do gótico espanhol, embora contém elementos do tipo românico e prateresco acrescentados com anterioridade e posterioridade, produto de sua elevação e graça, assim como da mais brilhante e asombrosa coleção de vitrais que ocupam suas janelas, o interior da pavilhão central converte-se num espetáculo de luz indescritível, exclusivo pela sua qualidade na Espanha.

A decoração destes vitrais é variada e gira em torno à igreja e a nobleza. Obras interessantes são as cadeiras em madeira do coro e os relevos renascentistas em alabastro do trascoro. A Capela Maior contém um retábulo com excelentes mostras de pintura da escola flamenca, enquanto que as capelas posteriores, cinco, de estrutura exagonal e dedicadas a diferentes santos albergam túmulos trabalhados em mármore e talhas em madeira policromada.

Junto à Catedral está um Claustro com atrativas cúpulas e afrescos nos muros. num dos flancos, o Museu Diocesano da Arte Catedral icia recebe os visitantes para que possam observar a coleção de talhas românicas, pinturas, esculturas e códizes que possui.

Outros lugares interessantes, dentro da parte antiga da cidade são as ruas de Pelayo e Serranos que permitem desfrutar da contemplação de diversas casas dos século XIV ao XVIII. Por sua vez, a Praça e a Basílica de São Isidoro são outra mostra mais da arquitetura religiosa do século XI com um estilo românico de maior austeridade. Um Museu e um Panteão Real reúne os restos de 23 monarcas leoneses e numerosos nobles e presentea-os com a inigualável visão dos afrescos românicos com motivos bíblicos que enfeitam este espaço.

Na parte mais nova da cidade é conveniente desfrutar de um percurso pelo Passeio de Papalaguinda, paralelo ao rio Bernesga, coberto de pitorescas construções antigas que vão misturando-se com os sinais de modernidade da atual León.

Pela Avenida de Ordonho II pode-se chegar até a Preifetura Nova e à zona comercial por excelência. Mais para o interior da cidade nova, a Praça Maior oferece um mercado popular as quartas-feiras e sábados e a zona conhecida como bairro Húmedo deve seu nome à abundancia de bares e tavernas que permitem desfrutar da gastronomia leonesa e de animadas noites de festa.

Palencia é outra província castelo-leonense que mantém a unidade medieval em sua estrutura citadina e os seus monumentos históricos. Lotada de igrejas, praças, conventos e museus, o que mais destaca de Palencia é sua Sê, também do estilo gótico, embora com uma atrativa remodelação renascentista posterior.

Perto desta cidade, a comunidade de Banhos de Cerrato, conserva uma igreja completamente visigoda, a de São João dos Banhos, construida sob as ordens do Rencesvinto no ano 661, sendo uma das peças mais antigas que conservam-se. Sua simplicidade, com sua pedra amarelenta e os tetos de dos águas e telhas marrões, é um respiro no meio da beleza excêntrica do gótico que domina em toda Castela.

Burgos é outro cenário castelhano com grande significado na história espanhola. Seu maior presente à humanidade é O Cid Campeador, herói mítico da Reconquista, espanhol imortal com o que inicia-se no sentido literário a língua castelhana.

Atravessada pelo rio Arlanzão, a cidade encontra seu ponto mais interessante partindo do Passeio do Espolão, avenida desenhada desde o século XIX, que oferece um panorama de estátuas muito atrativas, especialmente a dedicada ao Cide, assim como de formosos jardines.

Na parte mais formosa do Passeio do Espolão, pode-se admirar o conjunto mais formoso de Burgos: a Praça do Reis São Fernando, o Arco de Santa Maria que rende homenagem a vários personagens castelhanos com suas formosas talhas em pedra e, finalmente, elevada e enigmática, a Sê, obra capaz de impressionar qualquer espirito humano com sua perfeição gótica, suas elevadas e esbeltas torres, seus rosetões e vitrais que iluminam o interior com a luz do tempo.

Suas cinco portas são perfeitas talhas em madeira que mantém de boca aberta o visitante e fazem pensar na existência do céu na terra. Seu pavilhão central, alongada e iluminada contém aos lados várias capelas, cheias de obras delicadas e valiosas, algumas de elas tão amplas, completas e imponentes, que poderiam considerar-se outra igreja dentro da Catedral.

Entre o mais destacado do seu interior está o relógio colocado sobre a entrada, a Cúpula Estrelada do centro da pavilhão, sob a qual repousam os restos do Cid e sua esposa Jimena, o coro e o túmulo. No Claustro encontra-se o Museu Catedral ício, que reúne uma considerável coleção de peças religiosas.

Em volta da Catedral poderá encontrar a Igreja de São Nicolás com um formoso retábulo maior. Perto de lá, o Arco de Fernão González e o Solar do Cide, sobre a casa que pertecera á este personagem, irão levar-lhe à vida militar da Idade Media.

A cidade de Burgos pode dividir-se em quatro zonas mais que visitar depois da zona central. A primeira, conhecida como bairro do Castelo, corresponde ao enorme parque que rodea o antigo Castelo burgalés, do que ficam alguns restos interessantes rodeados pela sua própria muralha. Perto de aquele, a Porta de São Estevão era o lugar infranqueável que controlava o acesso ao mesmo e que agora olha-se com admiração, a Igreja de São Estevão, onde encontra-se o Museu do Retábulo, assim como a Igreja de São Gil, fecham este bairro com sua harmonia medieval.

Por sua vez, o bairro de São Lorenzo, para o oeste da cidade, oferece o visitante a sua igreja do mesmo nome e a Casa do Cordão, antigo palácio dos Condestáveis de Castela. Para o lado esquerdo da cidade, o Museu de Burgos conta com espléndidas peças arqueológicas e históricas. Nas zonas aledanhas, os palácios renascentistas de Angulo e de Miranda, contrastam com sua alegria frente o recato medieval.

Fora da cidade, cruzando as zonas residênciais, encontra-se o mosteiro das Huelgas, que revela a transição do estilo românico ao gótico. Trata-se de uma construção sóbria, edificada sob as ordens de Leonor de Aquitania.

Custodiado pelas freiras da Ordem de São Bernardo, tem passado à ser um dos maiores atrativos de Burgos na atualidade pelo caráter histórico e seu ar de templança e retraimento espiritual. Como dado explicativo, acrescentamos que Huelgas em seu tempo significou folga, repouso.

Outro lugar que convém visitar é a Cartuja de Miraflores, localizada a uns 3 Km para o leste da cidade, mosteiro que conserva uma das peças mais valiosas da pintura espanhola anterior à Velázquez: A Anunciação, de Pedro Berruguete.

Para o sul de Burgos, um lugar medieval tem cobrado renome nesta época moderna: o mosteiro de Santo Domingo de Silos, com sua arquitetura românica, o claustro sereno e isolado da vida mundana, tem presenteado à humanidade a beleza da música e o canto gregoriano.

À beira de rio Duero, Zamora foi povoada pelos romanos e seu nome procede da palavra árabe "azemur", que quer dizer olivar selvagem. É uma cidade com sabor medieval, com uma docena de igrejas do estilo românico, entre as que destaca sua catedral, rematada por uma cúpula de tradição bizantina. Muito perto encontra-se a rara e valiosa igreja visigoda de São Pedro do pavilhão do século VIII.

Valladolid é a cidade maior da autonomía. Famosa pelos formosos jardins e pela espetacularidade das processões em Semana Santa. Destacam dois edifícios do estilo prateresco: o Colégio de Santa Cruz e o de São Gregorio. O Museu de Escultura exibe uma coleção dos grandes imaginadores espanhóis dos séculos XVI e XVII.

Soria, uma cidade pouco conhecida, está banhada pelo rio Duero. Possui importantes templos românicos, como os de Santo Domingo e São João de Rabanera. Sua Catedral conserva um dos mais belos claustros da arte românico espanhol.

Salamanca, importante centro na época do Renascimento pela importancia de sua Universidade, foi uma das pioneras da Europa. É uma das cidades mais belas da Espanha. Conserva magníficos monumentos como as duas catedrais, a Velha e a Nova, dos séculos XII e XVI, respetivamente, a Casa de As Conchas e sua espléndida Praça Maior. A cidade data de tempos pré-históricos.

No meio à suntuosidade que uma vida medieval muito intensa deixou na província de Salamanca, La Alberca, uma pequena vila faz viajar para a ternura da vida agrícola, com suas casas de uma ou duas plantas em granito, suas fachadas em madeira e barro, suas cores mais quentes e pessoais, su vivacidade refletida nas atividades da gente e os produtos que oferecem ao visitante: a mel, o pão, o vinho, o turrão e as obleas.

Como um carimbo que pretende resguardar a memória num lugar tão pequeno, as casas tem gravados em sus dinteles a data em que foram construidas, assim como sinais relacionados com as crênças religiosas dos moradores.

Seguindo a rota, a Serra da França é um lugar que alonga essa sensação de placidez campirana brindada pelos poboados que precedem-o. Desde a Penha da França, pico rochoso de 1.700 m. domina-se a paisagem e observam-se os Cumes do Gredos, as montanhas portuguesas e os pequenos vales que aparecem ao longo da província.

Miranda do Castanhar e Mogarraz são dos vilas de condições similares às da La Alberca, com o candor rural espanhol, por sua vez, as Batuecas é uma zona composta por misteriosas paisagens, geralmente úmidos, que guardam com zelo restos de pinturas rupestres menos conhecidas e visitadas que as de outros lugares, mas igualmente interessantes para quem apaixona-se com o tema.

Alba de Tormes é uma encantadora povoação que mantém com orgulho uma das casas nobiliárias mais antigas da Espanha e Europa. Alfonso X confirmou esta vila à Casa de Alba em 1430, vila próspera montada sobre as márgens do Tormes.

Entre os encantos desta pequena vila está ter sido o lugar onde Santa Tereza de Jesús desenvolveu parte de sua mística, espiritual e obra poética, em homenagem sua, o Convento das Carmelitas que ela fundou, é agora um museu que revive a vida da mística ao reconstruir sua cela, apresentar uma mostra de relicários antigos e manter seus restos. Junto ao convento, a Igreja do estilo renascentista conserva numerosas obras pitóricas e túmulo talhados que convém observar.

A Praça Maior é o marco para a delicada igreja de São João, do estilo mestiço entre o românico e o mudéjar que conserva no interior um retábulo barroco e variados enterramentos gótico-renascentistas. Algunas igrejas de menor tradição histórica e teológica, embora de igual beleza estética compoem o resto dos atrativos de Alba de Tormes.

Para o leste, Peñaranda de Bracamontes mantém a devoção teresiana com seu Convento de Carmelitas que contem retábulos, relicários e pinturas, especialmente italianos.

Reviver a vida medieval em todo seu esplendor é possível num lugar encantador de Castela e León: Ávila. Imponente, divisa-se na distancia a muralha que protege à cidade, com sua construção clássica de pedra amarelecida, suas numerosas torres e cubos, antigos lugares de vigilancia e suas nove portas de acesso.

Esta peça de engenharia, possívelmente iniciada pelos romanos e culminada pelos cristãos do século XI, envolveu à cidade durante séculos e atualmente constitue o maior atrativo da Ávila.

A entrada mais chamativa é a da própria Catedral, na frente da muralha, que pela sua situação mantém um caráter mais sóbrio, de aspeto exterior de fortaleza em estilo românico. A igreja conta com três pavilhaos e elevadas torres que permitem uma luminosidade geradora de um espetáculo de luz impressionante.

Entre o mais relevante deste templo está a Portada dos Apóstolos, peça escultórica do século XIII que o tempo tem deteriorado sem fazer-la perder sua beleza. No interior, as cadeiras do coro, elaboradas em nogueira holandessa são uma mostra da arte em madeira do século XVI, enquanto que a Capela Maior oferece um magnífico retábulo de Berruguete.

A girola, elaborada em pedra jaspeada e sostenida por duas delicadas colunas possívelmente seja a peça mais delicada e atrativa da Catedral. Detrás do Altar Maior, o túmulo do Tostado é uma mostra da arte funeraria do estilo renascentista.

A história da catedral e algumas de suas peças centrais podem-se admirar no Museu Catedral ício, situado num a cúpula com acesso à sacristia da própria igreja, enquanto que o Claustro do estilo gótico e com detalhes renascentistas espera para surpreendé-lo com seus enterramentos.

O interior da cidade é tão encantador como sua muralha. Ruas empedradas, espirito renascentista, serenidade e místicas igrejas e praças, trasladam época de Santa Tereza e sua poesia silenciosa que incrusta-se no espirito humano.

Numerosas casas, palácios e mansões compõem a cidade, algumas delas tem-se convertido em museus, outras em estalagens, escritórios ou salas de exibição: a Mansão dos Velada, o Palácio dos Valderrábano, Casa dos Aguila, Casa dos Verdugo e o Palácio do Marqués de Bepavilhaonte, entre outros.

A Praça Chico é o núcleo do movimento da Ávila. Em volta encontra-se a Prefeitura, a Igreja de São João que conserva a pia batismal de Santa Tereza, o Palácio dos Polentinos, do estilo prateresco e a Igreja de São Estevão. O Palácio dos Dávila localiza-se junto à porta da muralha conhecida como porta do Rastro, esta construção oferece uma excelente panorámica da cidade.

Porém, o maior atrativo desta cidade é a Rota Teresiana, que leva pelo percurso que permite acercar-se à biografia da Santa Tereza. O primeiro é visitar o Convento de Santa Tereza sobre à que fora casa da mesma, logo apôs, o Museu Tereziano, no mesmo lugar, permite aceder ao orto que fora espaço de brincadeiras da escritora em sua infancia.

Os conventos de Nossa Senhora da Graça e de São José conservam momentos da vida da Santa, enquanto que o mosteiro da Encarnação, longe da cidade, considera-se o recinto onde alcançou sua madurez espiritual que a levou à consagrar sua obra.

Segovia, ao pé da serra de Guadarrama e à beira do rio Eresma, destaca pelo impressionante aqueduto romano, o melhor de sua época e estilo de todos os que existem. Tem uma longitude de 728 m. com dupla linha de arcos superpostos. Outras obras notáveis são a Catedral do século XVI, o Alcácer, antiga morada dos Reis Católicos e as igrejas românicas da Vera Cruz, São Millán, São Martím e a Trinidade.

CASTILHA LA MANCHA

Situada no centro da península. De grandes extensões, ocupa a zona sul do antigo reino de Castela, incluida a zona de La Mancha, célebre por ser o cenário do grande romance Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes. A comunidade está acidentada pelo Sistema Ibérico.

Muito perto de Madri, convertida num a cidade ativa, moderna e populosa, Guadalajara oferece ao visitante peças da história da Espanha. Seu Palácio do Infantado é talvez, a mais célebre peça, mostrando uma transição entre o gótico e o renascimento, sua fachada decorada com pedras, em forma de pontas de diamante e sua portada com a talha do escudo de Mendoça, impressionam pela a sua finura.

O interior, em clássica forma retangular, está presidido pelo Pátio dos Leões, que olham como no presente, o edifício aloja o importante Museu Provincial, o arquivo histórico e a Biblioteca pública. Perto de lá, o Palácio dos Mendoça, família fundadora de Guadalajara e de grande importancia em sua história, é na atualidade um Instituto.

Igrejas como São Francisco, São Nicolas Real e São Ginés, com seu panteão aristocrático, são lugares valedores de uma visita, embora o mais atrativo seja sua Catedral de Santa Maria a Maior, eixo da vida religiosa no século XVI e adornada com formosas figuras praterescas.

A uns 30 km de Guadalajara, Hita é uma povoação que rememora seu célebre Arcipreste, João Ruiz, autor do Livro do Bom Amor. Os mosteiros que possui, assim como, a paisagem que a envolve, oferecem uma resposta aquilo, que inspirou a elaboração de tão doce e pitoresco livro.

Em outra direção, Cogolludo é célebre, durante fevereiro pela sua festa das Aguedas, intento feminista de séculos anteriores, no que as mulheres ocupam as atividades públicas, enquanto que os homems se dedicam a casa, finalizando com a queimada, na tarde, de um boneco para simbolizar o triunfo das mulheres.

Para o sul de Guadalajara, Cuenca é uma cidade com uma peculiaridade: sua paisagem. Situada sobre dois rios, a correnteza tem talhado a paisagem rochosa de Cuenca e o engenho humano tem construido, as que hoje são conhecidas como Casas Suspensas, peças de engenharia que levantam-se com simplicidade sobre troços de rocha escarpada, desde o século XIV.

Na atualidade muitas destas casas se converteram em Mansões, Estalagens turísticas, lojas e inclusive museus, como o de Arte Abstrata, que é dos primeiros que existiram, promovido pelos próprios autores como Saura, Zóbel, Chirino, Palazuelo e Manrique, entre outros.

A Catedral de Cuenca é também uma peça interessante, especialmente pelo Transparente de sua Capela Maior, realizado em mármore, jaspe e bronze dourado.

Perto de Cuenca convém visitar a Cidade Encantada, paragem natural onde a erosão, como um pincel poderoso, tem deixado a pegada de uma paisagem enigmática e contrastante, com singulares figuras de rocha calcárea.

Lá, a Janela do Dião é uma original boca calada pelo tempo na garganta de um rio. Mais ao leste, Canhete é um antigo centro militar cujo atrativo atual é a sua muralha e o seu castelo poligonal, com as portas arabescas, em contraste, a Ermita da Virgem da Zarza e a Igreja de Santiago, junto ao Cerro do Cristo, proveíam aos homems da fe que a luta contra os mouros exigía.

A magia de Toledo é incomparável. Uma série de sete colinas rodeam-la, enquanto que o cerco que proporciona o rio Tajo tem convertido num a das cidades antigas mais inacessíveis e impenetráveis.

Esta sensação de fortaleza deixa-se sentir desde que divisa-se na distância, contrastando com a formosa e acidentada paisagem. Sentindo ainda mais essa reserva, sobre a Ponte de São Martím tem-se o primeiro contato com a muralha que protegeu este centro dos asédios que tem vivido ao longo da história.

Em impenetrável pedra grisalha, uma extraordinaria Porta de Dobradiça, dedicada à Alfonso V, grita ao mundo que lá dentro tem história, força e magia.

A cidade enteira é um adorável exemplo das culturas que maior influência tem tido na formação espanhola: a cristã, a muçulmana e a judea. No interior, bastam apenas uma primeira visão e uns cuantos passos para entrar em contato direto com esas mágicas cenas que o tempo tem presenteado Espanha, suas pequenas ruas, estreitas e empedradas, devoram a imaginação e convertem em realidade instantánea ao caminhar entre elas.

Aos lados, pequenas casas de pedra e poderosas portas com escudos ou sinais gravados, sorríem tímidamente ao turista sem perder seu estilo duro, forte e reservado. Muitas de estas pequenas ruas tem-se convertido em lojas, especialmente de artesanato, em onde pode-se prolongar esse espirito antigo que flutua por Toledo: peças talhadas em madeira, máscaras de diversas procedências culturais, jóias e especialmente reproduções de armas e equipamento para cavaleiros andantes de tamanho natural até miniaturas belíssimas, juntam-se nestas lojas.

O damasquinado toledano, técnica orfevre que consiste em gravar com fios de ouro sobre aço preto complicados desenhos, lota os escaparates nas mais diversas formas: brincos, anéis, broches, pratos e armas brancas. As espadas que podem-se ver estéticamente colocadas nas lojas, são um espetáculo da primitiva fortaleza humana.

Numerosas construções componem a maravilha de cidade, porém, as mais relevantes são a Catedral, impressionante obra gótica do século XV. Várias portas talhadas em pedra ou madeira permitem o acesso no interior, cada uma tem um tema e um estilo próprio, destacando a Porta dos Leones e a do Relógio.

O coro está rodeado por pilares talhados em pedra branca, destacando a grande qualidade e quantidade dos detalhes, especialmente o nicho construido durante o Renascimento cheio de delicadas figuras de santos em alabastro. Ao fundo, dois antigos rgãos da época representam um tesouro para os amantes da música.

A Capela Maior está dominada pela figura da Virgem Branca, que representa-se com uma delicada talha gótica, no fundo do altar, uma espécie de janela decorada aos lados com figuras do estilo churrigeresco, conhecida como O Transparente, otorga uma extremada luminosidade à Capela.

A catedral conta com várias capelas que são, por sí próprias, um lugar valioso para conhecer, sua assustadora altitude, a serenidade que emite e o ar místico que soma-se ao seu ambiente, fazem dela uma das catedrais de maior renome na Espanha.

Dentro da mesma igreja encontra-se um espléndido Museu Catedralício que reúne obras do Greco, Goya, Zurbarán, Tiziano, Velázquez e Rubens, assim como peças de orfevraria de considerável valor.

Toledo é também uma cidade fortemente impregnada da obra do Greco. A Igreja de Santo Tomé, conserva a peça mais conhecida e valiosa da obra do pintor: O enterro do Conde de Orgaz, olhar-la de frente, com a sua imensidade, é o espaço justo para ser hinotizado pela perfeição dos traços e expressões que o artista logrou plasmar que revelam o espirito místico da época.

A chamada Casa do Greco es, por sua vez, um museu que tenta reviver a época em que o artista viveu lá, criando suas obras tão representativas. Frente à esta casa, a Sinagoga do Transito é a peça judea mais importante da Espanha antes que os judeus foram expulsos da península em 1492 e este lugar convertera-se num a igreja cristã.

Da época antiga de Toledo ficam infinidade de igrejas, praças, ruas e histórias para revivir a vida de aquele tempo, mas Toledo também tem sido lugar importante na época moderna. No extremo leste, o Alcácer levanta-se para lembrar a trágica Guerra Civil de 1939. Trata-se de uma construção quadrangular com infranqueáveis torres nos cantos.

Embora seja um lugar frío e banhado por uma oscuridade estranha, uma visita detalhada permitirá ter uma ideia do que é um frente de batalha com toda a fatalidade que ronda-o. No mesmo edifício, à entrada, pode-se observar uma coleção de armas dos mais variados tipos, uma coleção de moedas comemorativas, peças mudéjares e a história do Alcácer desde sua construção até su dramático episodio do 38. Nas partes baixas do Alcácer, o Museu do Asédio conserva os móveis daquela história e poderá ver jornais que falam da Guerra Civil, telefones, material de enfermaría, fotografias e trajes militares entre outras coisas.

Frente ao Alcácer, a Praça de Zocodover é o atual centro de ação da vida toledana. É o lugar onde poderá encontrar tavernas e restaurantes típicos que irão deleitar-lhe com sua peculiar gastronomía.

Nos arredores da cidade, a vila medieval de Yepes oferece-lhe sua formosa Igreja de São Benito e o Convento das Carmelitas descalças. Illescas protege no seu Hospital da Caridade uma ampla coleção de peças do El Greco.

Outros lugares interessantes são Orgaz, Consuegra, Torrijos e Puebla de Montalbán, pequenas povoações que antanho foram vilas de grandes senhores, que tem lutado contra o tempo e tem conseguido conservar seu aspeito medieval, transformando a irrepreensível honra castelhana num novo orgulho para o futuro sem a presença dos cavaleiros armados.

Para o oeste, Talavera de la Reina, uma povoação que não tem conservado muito do passado, mas que continua à destacar pela a sua produção de cerâmica que tem feito célebre no mundo todo. Sua afição gadeira e sua féria em setembro compõem o seu segundo atrativo atual, embora a muralha, igrejas e Basílica da Virgem do Prado sejam atrativos quetos que revelam momentaneamente a antiga cor humana da cidade.

Entre Toledo e Cidade Real, o Parque Nacional de Cabanheros é um espaço de 26.000 has. coberto de bosque mediterrâneo e espécies protegidas que permite uma visão ainda mais tranquilizadora e armonizada que as cidades manchegas.

Devido à situação de espécies protegidas, as visitas estão muito reguladas, permitindo só duas por dia com um máximo de sete pessoas em cada una. Desta maneira, é necessário combinar cita no Escritório do Turismo. Embora este inconveniente, a experiência de vivir um momento entre espécies protegidas e a beleza da paisagem, vale a pena.

Cidade Real, embora sua antigüidade, é uma cidade que não tem conservado muitos dos seus monumentos históricos. O seu maior atrativo reside no agradável contraste que representa encontrar uma cidade modernizada no meio de um território tão histórico como a comunidade de Castilha La Mancha.

Trata-se pois de uma zona com ativa vida diurna, com comércio e indústria abundantes, vida cultural através da Universidade e vida noturna de moda. Entre seus lugares de interesse estão sua Catedral e os museus históricos, diocesano e provincial dedicados respetivamente, à conservação do arquivo histórico, à riqueza religiosa e pintura. Possivelmente, o que faz desta cidade um ponto onde deverá-se chegar, sejam os excelentes transportes que possui e, que oferecem variadas alternativas ao turista.

Alcázar de São João é possivelmente a povoação mais quixotesca que possa-se encontrar. Seu tranquilo rítmo de vida e trabalho, suas paisagens aledanhas com moinhos de vento, o vinho e o queijo, as tavernas ocres, como seus vinhos, são um viagem à vida do grande Quixote.

Mais que suas peças arquitetônicas como Igrejas e praças, destaca a placidez das casas típicas de dois andares, com seus balcões de onde pinduram pintados ou bordados os escudos da família, costume que adquiriu-se no século XVII.

Nos arredores, os Moinhos de Mota del Cuervo atraem muito pela sua beleza girando ao viento e as lembranças de uma história não vivida mas conhecida, Belmonte, berço de Frei Luis de León, oferece orgulhosa o seu castelo do estilo gótico, enquanto Tomelloso permite conhecer os bombos manchegos, espécie de choça típica abobedada, assim como, as grutas onde conservam-se os barris, onde fabricou-se o mosto nos séculos passados.

Albacete é uma província que tem sofrido várias mudanças geo-políticas, apenas em 1978 passou fazer parte da comunidade de Castilha La Mancha. A cidade do mesmo nome, capital da província, é um exemplo mais das numerosas influências dos conquistadores da península ibérica.

Entre os escassos restos antigos, a presença de vários estilos arquitetónicos explica sem palavras uma história híbrida que culmina com a modernização da cidade e a aparição de edifícios do desenho atual.

Entre os lugares interessantes desta zona, a Catedral de São João Batista conserva-se como uma mostra da herança histórica do lugar, seu estilo foi originalmente gótico, mas o tempo que demorou em culminar sua construção, levou-a passar pelo renascimento e o neo-classicismo.

O Museu Arqueológico é uma paragem para quem sente atração pelas raízes da história. Nele poderá encontrar-se com uma série de peças recopiladas na zona do Levante que correspondem ao artesanato dos primeiros povoadores da península, entre estas, destacam um grupo de munhecas articuladas que os romanos do século III elaboraram em marfim e ámbar.

COMUNIDADE DE MADRID

Localizada no centro da Espanha, a província gira em torno à cidade do Madrid, a capital da Espanha desde o século das luzes (XVIII).

Madrid, a cidade fundada no século XI pelos árabes com o nome de Magerid, é desde o século XVIII um importante centro de atividades esconômicas e culturais. Possui um importante patrimônio histórico no que destacam Madrid de Áustrias, o mais castiço, a Porta do Sol, a praça Maior ou o majestoso Palácio Real, rodeado de jardins.

Possui excelentes museus como o do Prado, um dos mais importantes a nível mundial, o Casón del Buen Retiro ou o Museu Arqueológico, com coleções de todas as culturas que tem sucedido na Espanha. Respeito a arte contemporânea, tem sua melhor sede no Museu de Arte Rainha Sofía.

Na Comunidade de Madrid destacam São Lorenzo do Escorial, fundado por Felipe II em 1563, um excepcional palácio-mosteiro obra de João de Herrera, o mais genial arquiteto renascentista espanhol. No outro extremo, a cidade de Aranjuez, situada num a formosa zona fértil, foi antiga residência real de verão.

ARAGÃO

Um antigo reino que chegou até o Mediterrânio. É uma das zonas mais ricas em contrastes e paisagens, além de ser uma das mais montanhosas da Espanha. O rio Ebro é o eixo da região. Oficina de Turismo: Torreóm da Zuda, Glorieta Pío XII s/n, 50003 Zaragoza. Tel. (976) 39-35-37.

Zaragoza. Capital do Aragón à beira de rio Ebro é uma das principais cidades da Espanha. Foi um centro de importancia nos períodos romano e árabe. Entre os seus monumentos destaca a catedral de Nossa Senhora do Pilar do século XVII, a Aljafería, palácio-fortaleza dos monarcas muçulmanes do século XI, e a catedral do Salvador do século XV do estilo gótico catalã.

Huesca. Situada nas estribações dos Pirineos é todo um empraçamento natural de beleza indescritível. Muito bem conservadas a igreja de São Pedro do século XII e a catedral gótica do século XIII. Na região encontra-se a comarca árida dos Monegros.

Teruel. Fundada pelos fenícios com o nome de Turba. Permaneceu longo tempo sob domínio árabe e oferece a magnífica produção de sua escola mudéjar. As belíssimas torres campanário da catedral, São Martín, São Pedro e São Salvador. Ao sudoeste nasce o rio Tajo.

COMUNIDADE FORAL DE NAVARRA

Terra de belos contrastes e paisagens. Protegida ao norte pelos Pirineos e por planícies ao sul. Navarra governa-se sob um regime foral.

Sem lugar as dúvidas, a zona mais renconhecida da comunidade Navarra é Pamplona, famosa pela sua festa de São Fermím durante o mês de julho, data na qual o espirito indomável do espanhol reflete-se nas correrias dos encerros, as tardes taurinas e a interminável festa da celebração.

Pamplona é uma cidade situada num a bazia, com abundante água cuja vida cultural tem sido sempre elevada e aumenta com o passo do tempo em seus teatros, universidades, museus e espaços para a música. Embora isto, as velhas tradições populares não se perdem e o patrimônio arquitetónico que tem herdado conserva-se com orgulho e paciência.

A vida gira em torno à Praça do Castelo, numerosos bares e tavernas encontram-se nos arredores, sabedores de que a gente chega e passa por ai como um velho costume que não vai embora. Por este motivo, é nesta zona onde poderá encontrar lojas de artesanatos, de moda, livrarias, etc.

Um percurso pela rua Chapitella, leva para a Casa Consistorial e ao Museu de Navarra, moderno e valioso pelas peças que conserva. Esta mesma zona é a que nos dias de São Fermím converte-se no lugar dos encerros. Diversos palácios e casarões antigos, algumas convertidas em museus ou entidades do governo ou bancárias, rodeam a zona para deleite do visitante, quem precisa só dar uns passos para encontrar-se com mostras arquitetónicas de grande valor.

No outro extremo da cidade, em contraste satisfatório com o formoso Parque da Tejería, a Catedral de Santa Maria a Real é um exemplo de uma igreja que começou sendo gótica e terminou com agregados do rococó. Junto à esta, o Museu Diocesano é uma mostra mais de obras religiosas.

O Palácio Arcebispal, com sua fachada prateresca, representa uma antiga e poderosa institução navarra. O Palácio Real, lugar dos reis de Navarra, conta com uma interessante história e uma arquitetura impressionante.

Além do anterior, alguns palácios barrocos adornam a cidade antes de dar passo à Igreja de São Lorenzo com sua capela de São Fermín, à quem o povo de Pamplona venera com sua tradicional festa.

Um selo particular desta cidade é a abundância de parques, praças e jardins, destacando a Praça das Recoletas, junto à capela de São Fermín, a Praça do Castelo, o Parque da Media Lua com seu romanticismo escorregando entre seus bancos e cantos, porém, o que levanta maior admiração é o Parque da Cidadela, enorme espaço verde com desenho pentagonal, que antigamente contivera o espaço militar navarro por excelência e que na atualidade está destinado a fins de recreação e turismo.

Por último, o parque mais antigo de Pamplona continua à ser um lugar de retiro e tranquilidade, o Parque das Taconeras, que rende homenagem à numerosos personagens célebres para os habitantes desta cidade através de suas interessantes estátuas colocadas nesse lugar.

Sendo uma cidade populosa e modernizada, escapar do barulho urbano é possível indo do centro para qualquer direção pois os arredores de Pamplona conservam a tranquila e relaxante beleza do verde dos parques. Para o sudeste, o Mosteiro de Leire, peça do pré-românico correspondente ao ano 848, conjuga a paisagem natural e semi-montanhoso com sua serenidade e austeridade. Na sua história, transcorre tanto a da Espanha como a da França, que manteve uma grande influência sobre Navarra.

Roncesvalles, com uma situação fronteiriça com o país galo, se converteu em cenário de intercâmbios e movimentos históricos e artísticos memoráveis, entre eles, talvez seja famoso por têr-se convertido na berço da literatura épica europea através da Chansom de Rolland.

Sendo por sua vez a entrada espanhola aos peregrinos de Santiago, Roncesvalles guarda numerosas mostras do passo daqueles fiéis pelas suas terras. Trata-se de uma povoação na atualidade muito pequena, cujo espirito dedicado à história leva-os à conservar esse troço mágico que aquila deixo em herança.

O centro da vida civil está no belíssimo templo gótico conhecido como Real Colegiata de Santa María, de princípios do século XIII. No interior, a imagem de Santa Maria de Roncesvalles cheia de luminosidade o templo com sua beleza prateada pois trata-se de uma talha em madeira coberta por prata, situada sobre uma base do mesmo material.

Na mesma área da igreja, o claustro do estilo gótico é uma atrativa zona para observar as caraterísticas do século XVII. A Capela de São Agostino é um espaço dedicado ao vencedor da Batalha das Navas de Tolosa com um interessante túmulo esculpido em mármore e uma estatua jacente sobre o mesmo.

Lembrando as lendas, na visita à Capela de Santi Spiritus, a construção mais antiga de Roncesvalles, poderá ver a pedra sobre a qual acredita-se que Roldão afundou a sua espada após a derrota, mesmo lugar que serviu de panteão para os peregrinos que morreram naquela zona.

Do lado, a Capela de Santiago ou dos Peregrinos encarregava-se de receber os fiéis turistas e é um lugar que vale a pena visitar. Saindo da cidade, a Cruz dos Peregrinos, antigamente utilizada para assinalar o caminho, é uma atrativa visão da devoção à Santiago perante essa parte de terra desconhecida que enxerga-se de longe.

Antes de abandonar Roncesvalles, uma visita ao Museu da Colegiata irá remontá-lo, através da pintura e a orfevraria, naquela época em que imponia-se o fervor religioso e a honra dos cavaleiros, entre suas obras, destacam o Evangeliario de Roncesvalles, o ajedrez de Carlomagno, A Sagrada Família de Luis Morais e um relicário em ouro, prata e esmaltes que representa em estilo gótico à Virgem do Tesouro.

A RIOJA

Uma das comunidades espanholas geográficamente mais reduzidas é A Rioja, embora isto, é possívelmente uma das mais conhecidas no mundo pois brinda da Espanha o presente do seus privilegiados vinhedos e, é claro, do seus vinhos, especialmente os tintos. Situada nas márgens de um dos afluentes do Ebro, com herança cultural vasca e francesa, esta zona goza de caraterísticas que convertem num território de grande interesse.

Conta com formosos vales que oferecem um paraíso à vista com seu colorido, especialmente durante o verão, assim como a cercania a essa atividade e mágica da história do homem: a elaboração do vinho. Tem também zonas de montanha que convertem-se num desafío durante o inverno, como a Estação de Valdezcaray, paraíso de esquiadores, a montanha oferece a posibilidade da caça e a pesca nos lagos e braços de rios.

Perdidos neste paraíso natural que contém o território riojano, a história, revelada através de igrejas, conventos, castelos e praças, vai-se mostrando e cativando ao turista até seduzí-lo e fazer-lo retroceder no tempo. Se somamos o encontro com uma gastronomia variada, baseada em ortaliças e cogumelos, com certa reminiscência celta, o mundo riojano é inesquecívelmente mágico.

No meio dessas paisagens de filme, nos tempos da vida ascética da baixa Idade Media, um monge chamado São Millán e alguns seguidores, encontraram neste lugar o ideal para a vida retirada no século VI. Com o passo do tempo e com a proteção dos reis de Navarra, este cresceu até convertir-se num a povoação de considerável influência cultural e de peregrinação para Santiago.

Durante a etapa renascentista o esplendor declinou, até convertir este lugar num a povoação pequena, aparentemente perdida no espaço e o tempo, que conserva com orgulho a sua história e o nome do fundador: São Millán da Cogolha.

Nesta pequena povoação encontram-se dois mosteiros que oferecem algo mais que a sua serena beleza de influência românica e mozarabe, oferecem a história, as raízes do idioma que invadiu à península e que fala-se em grande parte do mundo: o castelhano.

O mosteiro de Suso é o primeiro, situado na parte alta da povoação, no interior encontram-se os sarcófagos em pedra talhada dos Sete Infantes de Lara, personagens claramente assentados na história e a lenda espanhola.

Porém, a peça central deste mosteiro é o túmulo vacío, com sua formosa coberta lavrada e sua estátua jacente de São Millán. Para a parte baixa, o Mosteiro de Yuso confunde com seu aspeto renascentista, obra de uma reconstrução posterior ao século XVI, embora no interior observa-se um claro estilo medieval. O mais relevante deste lugar é a porta barroca decorada com uma representação de São Millán na parte alta da mesma.

A Igreja é outro lugar que atrai pela simples e ao mesmo tempo brilhante estrutura gótica. Sua cercania com o renascimento revela-se no Retábulo Maior e sua decoração prateresca. Na sacristia encontram-se os restos de São Millán e seu mestre São Felices de Bilibio em arquetas decoradas com baixos relevos de marfim.

As dependências monacais encontram-se comunicadas com a Igreja por meio de uma elegante escada neo-clássica, nestas destacam o Salão dos reis com seus retratos de diversos monarcas, o claustro e a biblioteca na qual conservam-se antigos pergaminos da história espanhola embora que, sem lugar às dúvidas, a peça mais interessante seja uma cópia facsímil das Glosas Emilianenses, de meados do século XI, que oferecem as mostras mais antigas de frases e palavras em castelhano misturadas com euskera.

Perto de São Millán encontra-se outra pequena povoação chamada Canhas onde pode-se apreciar a beleza do gótico conservada através dos séculos, com essa sensação do tempo detenido. No museu, o túmulo da Beata Urraca oferece a delicadeza dos relievos nos que tem ficado marcada de maneira narrativa as exéquias da própria finada.

Para o norte de São Millán, Santo Domingo de la Calzada encena outro refúgio de passo para os peregrinos à Santiago. Murada em tempos medievais, na atualidade os restos desse volume que protegia-la são significativamente atrativos para os visitantes. Suas ruas, de pedra e estreitas, rodeadas de casas em pedra e madeira rústica, regalam uma visão de uma forma de vida tranquila e longuíqua. Pequenas praças dão vida ao povo com a reunião dos habitantes para o batepapo vespertino ou noturno, para as festas populares que ainda conservam-se, num a de elas levanta-se a Prefeitura.

O Hospital para Peregrinos, que atingira grande atividade em séculos passados, é na atualidade um acolhedor Estalagem de turismo. Aliás, a peça principal da cidade é sua Catedral, com essa mistura do estilos tão própria da cultura hispana refletida na pedra amarela-vermelha que fazem-a inesquecível.

Calahorra é outra povoação situada sobre o Ebro em cujo seio conservam-se antigas construções de corte religioso e de variados estilos arquitetónicos. Destacam a Catedral com a tradição do martírio do São Celedonio e São Emeterio, o Museu Catedralício e Diocesano do estilo prateresco, assim como o Convento das Carmelitas situado em meio de estreitas ruas de pedra ao mais puro estilo medieval.

Também é relaxante dar uns passeioa pelas praças, especialmente pela de São Francisco que fora o centro de reunião durante a ocupação romana, a do Rasso, que é na atualidade o centro comercial por excelência e a da Verdura, onde cada quinta-feira levanta-se um dos mercados de frutas e verduras mais antigos e tradicionais da Espanha.

Nas cercanias de Calahorra encontram-se lugares que revelam a presença dos homems primitivos. O Vale do Cidacos, contém dois monolitos rochosos com forma aparentemente humana que levantam inumeráveis hipótesis entre os antropólogos.

Por sua vez Quel, além de impressionar com um transfondo montanhoso avermelhado e as ruinas de um antigo castelo, oferece ao visitante a possibilidade de encontrar-se com grutas que conservam restos da arte rupestre cantábrica.

Mais ao sul, Arnedo põe nos olhos a enigmática visita à sua Igreja de Santo Tomás cuja maior impressão é a cúpula estrelada que compõe, Arnedillo, às aforas de Arnedo, é na atualidade um balneário situado num a formosa paragem natural que invita ao descanso e a relaxação.

Desde estes lugares podem-se empreender a que conhece-se como Rota das Icnitas, à cujo passo encontrará inumeráveis pegadas fossilizadas de saûrios da era mesozôica, revelando a antigüidade deste território que não cansa de oferecer emoções aos habitantes e visitantes.

Por último, em Alfaro, as numerosas colônias de cegonhas presenteam um ar romantico à Igreja de São Miguel, espaço que conserva uma interessante mostra da arte mudéjar do século XVI.

Logronho é a cidade mais importante da comunidade Riojana, sendo também a sua capital. No passado, a sua situação estratégica permitiu-lhe ser fonte de passo das rotas para Santiago, deixando-la com isto uma importante derrama cultural e econômica que refletiu-se no seu desenvolvimento. Na atualidade podem-se distinguir claramente duas zonas, na primeira conserva-se o patrimônio histórico da cidade e na segunda a modernidade contrasta com suas industrias, empresas e lojas de artigos do nosso século.

O Passeio do Espolón é uma área de jardins belamente desenhados com uma impressionante estátua do General Espartero. Este Passeio é o ponto de união entre a parte antiga e nova da cidade, em volta circulam as mais ativas avenidas da vida urbana atual.

Na Praça do Mercado levanta-se impetuosa a Catedral de Santa Maria da Redonda, obra que inicialmente foi românica e terminou mostrando o estilo gótico. A sua formosa fachada permite conhecer uma mostra pura do barroco riojano.

Na mesma calçada, à uma quadra só, o Palácio dos Chapiteles revela um estilo do século XVIII, com sua distinção aristocrática muito longe da religiosidade medieval. Duas igrejas mais, São Bartolomé e Santa Maria do Palácio, competem na cidade pela sua beleza predominantemente gótica com certos rasgos da influência árabe.

Outro lugar com história é a Igreja de Santiago o Real, lugar onde os peregrinos para Compostela acostumavam fazer uma parada de oração e fé. Desde lá, se pode ir caminhando até os restos de uma antiga muralha que conserva um lenço conhecido como o Revellín pelo que abre-se uma porta para o exterior da antiga cidade, desde a qual podemos ver o Arco de Carlos I, peça em homenagem do monarca. Por sua vez, o Museu da Rioja, situado na antiga residência do General Espartero, é um espaço dedicado à história através de mostras arqueológicas, móveis antigos e pinturas de diversas épocas.

A parte nova da cidade corresponde a princípios do século XIX e mostra um interessante contraste com a parte antiga. As ruas e avenidas levam à centros de comércio que oferecem interessantes ofertas aos turistas, à bares e restaurantes que deleitam com seus vinhos e tapas típicas.

Entre as obras modernistas do século anterior destacam o Teatro Bretón de los Herreros e o Instituto Sagasta, dedicado à história, a Praça de Abastos e a Praça de Touros, de grande tradição, são lugares construidos mais recentemente que também podem atrair o interesse dos visitantes para observar a vida atual da cidade.

Nos arredores de Logronho podem-se encontrar várias poblações que se nutre da peregrinação para Compostela. Contam geralmente com igrejas pequenas embora não por isso menos formosas que as de cidades maiores, esculturas em pedra com a sinal da Cruz para guiar os peregrinos, pequenas casas de pedra e madeira que tem renovado e inclusive convertido num a atrativa oferta hoteleira, assim como infinidade de lugares onde a lenda e a história tem-se fundido para dar passo a uma presença permanente do passado no presente.

Entre estes lugares destacam Navarrete com sua formosa Calle Maior, Fuenmaior, Cenicero e São Assêncio com seus vinhedos mágicos, Clavijo e Murilho de Río Leza que além disso representam um encontro com a vida agrícola da região.

Menção aparte valem Cameros e as Alpujarras da Rioja, que são verdadeiros paraísos naturais onde os espíritos indomáveis e aventureiros do passado conjugam-se com os do presente para dar passo às mais diversas atividades nas passagens profundas, ladeiras sinuosas e paisagens inesquecíveis.

Outro lugar que convém visitar é Nájera, pequena cidade que antigamente fora a capital do reino de Navarra. A sua parte antiga oferece ao visitante o barulho dos bares e discotecas que devolvem o movimento dos tempos longinquos quando considerava-se um ponto inevitável das rotas jacobeas.

O seu mosteiro de Santa Maria a Real levanta-se entre becos estreitos e pitorescas casas com blasões. Uma porta mais une o claustro com a Igreja na que destaca o retábulo maior com a imagem da Santa Maria e o Menino Jesús.

Sob o coro, numa ampla cúpula, os restos de mais de treinta reis de Navarra, Castela e León descansam encerrados em delicados e espléndidos túmulos talhados em estilo predominantemente românico, na cripta, para o centro, localiza-se o lugar que se considera o mesmo onde encontrou-se a imagem da Virgem e que desde tempos medievais está coroado por uma talla em madeira.

Na frente deste conjunto religioso de grande tradição, o Museu Arqueológico Municipal ocupa um lugar privilegiado para presentar ao público restos da história de Nájera.

Perto de Nájera, para o sul, Anguiano é um povo que enche de alegria em julho com a dança das andas e cujo maior atrativo é o imponente paisagem natural que envolve.

Na região destaca a cidade de Haro o mais importante centro vinícola da Rioja. Conserva a encantadora igreja de Santo Tomás do século XVI.

CATALUNHA

Por um lado os Pirineos e pelo outro o Mediterrânio, Catalunha é uma das mais importantes comunidades da Espanha. Com uma personalidade, cultura e língua bem definidas. Trata-se de uma região muito desenvolvida

Barcelona, é a capital da Catalunha e primeiro centro industrial da Espanha. Possui também, um dos portos mais importantes de tudo o mar Mediterrânio. Depois das Olimpiadas de 1992, a cidade apresenta um rosto novo e bem cuidado. Na parte antiga encontra-se o bairro Gótico com a Sê, a Prefeitura e o Palácio da Generalitat.

Em Barcelona encontram-se a maioria das obras do genial arquiteto Gaudí, destacando o parque Guell, a Casa Milá e a Casa Batlló, assim como a Sagrada família, ainda sem terminar. A zona olímpica e seu passeio marítimo são mostras do dinamismo da cidade. Possui museus como o do Picasso e o Museu Nacional da Arte da Catalunha.

Girona é uma das cidades mais antigas de Catalunha. Destaca sua catedral românico-gótica, o mosteiro românico de São Pedro e uma interessante judería. Na província, destaca a cidade de Figueres, berço do Salvador Dalí, com um impressionante e completo museu com as obras do genial artista. Na costa, o povoado de Empúries, antiga cidade greco-romana que conserva magníficos vestigios clássicos.

Tarragona foi um centro muito importante na antigüidade clássica. Conserva numerosas heranças da "Tarraco" romana, entre as que figuram o aguaduto, o circo e o anfiteatro romano. No interior da província encontram-se dois mosteiros medievais, o de Santa Creus e o de Santa Maria de Poblet, antigo panteão dos reis de Aragón.

Lleida, à beira do rio Segre, erige-se sobre uma colina que culmina com a Seo ou Catedral do século XII e XV. O Parque Nacional de Aigüestortes, conhecido também como Estany de Saint Maurice ao norte da província de Lleida, recebe aos visitantes no seu ingresso à Comunidade Catalã via França.

Trata-se de um espaço de mais de 10.000 hes. cuja caraterística mais distintiva é a presença de inumeráveis estanys ou lagõas glaciares pequenas que revelam o seu passado glaciar.

Além da formosa paisagem que vibra no contraste de seus verdes e o branco e azul dos lagos congelados quase todo o ano, ou convertidos em água durante o verão, este lugar oferece a possibilidade de escalar picos como o de Subenuix de quase 3000 metros de altitude, o de Bassiero e o de Peguera, de caraterísticas similares.

No seu território, o parque brinda estações conhecidas como Refúgios entre os que destacam Amitges, Llong, Mallafre e Blanc, onde os alpinistas e senderistas podem encontrar repouso pelas noites.

Seguindo a rota do parque para o ocidente, inicia-se a que conhece-se como Rota do Românico Catalã, de maior influência francesa, na que destaca a povoação de Boi com sua correspondente Igreja de São João de Boi cujas pinturas tem-se trasladado, pela sua importancia e beleza, ao Museu de Arte de Barcelona.

Taüll, mais ao ocidente, brinda dois magníficos exemplos do românico: as igrejas de Santa Maria e de São Clemente, destacando na última o alto campanário de seis pisos e engenhosa estrutura.

Uma da mais bela costas da Catalunha é A Costa Brava que comprende desde o norte de Barcelona até a fronteira com França. Nela origem-se numerosas vilas situadas num a escarpada e preciosa sucessão de rocheidos, que revezam-se com pequenas "caletas" de areia. É uma importante zona turística. A Costa Dorada extende-se desde o sul da Costa Brava até Tarragona, formada por extensas praias abertas e por importantes cidades.

COMUNIDADE VALENCIANA

Esta região extende-se desde o sul a Catalunha até os límites com Murcia. É célebre pelo espetáculo de seus laranjais, delicioso oásis no meio das terras quentes, e pela beleza de suas praias. Nos litorais formam-se amplas lagoas conhecidas como albuferas. Em Valência fundem-se as tradições mediterrâneas com a herança hispano-árabe.

Valência, capital da região, foi fundada pelos romanos no ano 138 a.C. Nos tempos dos reinos de Taifas foi cabeça de um deles até que o Cid reconquistou-la. É universalmente conhecida pelas festas das Fallas, nas que queimam-se enormes bonecos de cartão pedra. Entre os seus monumentos destacam a Lonja e o Miguelete, torre-campanário da Catedral.

Alicante é a capital da província do mesmo nome. Situada sobre a costa, de frente ao Mar Mediterrâneo, tem sido cenário da presença e ação de todos os povos que ocuparam Espanha. Isto tem causado uma riqueza arquitetónica que, combinada com o atual interesse modernizador, tem convertido num a encantadora cidade, especialmente para o desenvolvimento de eventos sociais, políticos e financeiros.

Entre as coisas que mais destacam nesta cidade está a Explanada da Espanha, passeio marítimo que conta com uma agitada e animada vida tanto diurna como noturna, desde a sua rua e bares, o rumor do mar extingue-se pelas noites para dar passo à luz da lua e sua brilhante brancura pois trata-se de uma das praias com menos maré no mundo.

O Castelo de Santa Barbara é o monumento mais representativo da cidade, uma peça arquitetónica situada num montouro, cujo maior valor é a presença na estrutura de rasgos ibéricos, cartagineses, romanos, árabes e cristãos que tem cuidado muito em conservar.

Uma renovada presença do século XVI mantém como na atualidade. No interior, como um canto de tesouros ocultos, a existência do Museu de les Fogueres atrai numerosos visitantes pois contém elementos relacionados com as festas de São João e essa tradição valenciana da queima dos ninots.

Descendo a colina, a Igreja de Santa Maria é uma espécie de reivindicação com a imponente tradição católica posterior à reconquista. Trata-se de uma construção barroca construida sobre os restos derrubados de uma antiga mesquita árabe.

Na frente, o Museu Municipal de Arte Moderna, situado num caserão do século XVII, oferece uma coleção de pinturas que surpreendem com alguns originais de Miró e Picasso entre outros artistas do pincel espanhol do século XX.

A Prefeitura está montada sobre uma construção igualmente barroca do século XVIII. Seu maior atrativo, além da arquitetura, é a presença nas escadas do lugar conhecido como "ponto zero" com o que mede-se a altitude da geografia espanhola. Esta peculiaridade obedece à inexistência de maré no mar alicantino.

Detrás da Prefeitura, a Com-catedral de São Nicolás de Bari recebe os visitantes com o seu intenso estilo barroco e a intensidade visual da Capela da Comunião e o Claustro. Para o interior da cidade, o Museu Arqueológico Provincial conta com uma atrativa exposição de peças da cultura ibérica e romana, assim como de obras medievais.

Desde Alicante pode-se aceder por via terrestre a interessantes pontos de interesse como são os pequenos povos e portos situados sobre o Mediterrâneo entre os que destacam Santa Pola com as suas muralhas medievais, Guadamar do Segura com as suas praias tranquilas e dunes cobertas de uma estranha vegetação, Torrevieja com a sua atividade salineira e o Real Clube Náutico, capaz de albergar mais de mil embarcações.

Por outra parte, Busot, á 3 Km de Alicante, impressiona com as Grutas de Canelobre, onde é possível admirar a construção natural de uma espécie de castiçal de pedra formado por estalagmites através dos séculos, Xixona famosa produtora de turrões, dedica no interior um Museu ao turrão onde pode-se observar o processo de elaboração deste produto.

Em Ibi encontrará o Museu Valênciano do Juguete, renconhecimento ao destacado papel que tem desempenhado a comunidade valenciana na industria dos brinquedos espanhola.

Em Petrer convivem os restos da ocupação árabe através de um preciso Castelo que levanta-se airoso apesar dos esforços valencianos por eliminar os restos desta cultura. Os restos de um aguaduto romano falam da antigüidade desta povoação enquanto que a Igreja de São Bartolomé, do estilo neo-clássico e a Casa-Museo de Azorim revelam uma maior proximidade com o presente. Mais adiante encontrará Villena, cidade pequena que oferece o Castelo da Atalaia, de origem árabe assim como a Igreja do Santiago, do estilo gótico com influência francesa.

Entre um estranho e imenso bosque de palmeiras, levanta-se Elche, conhecida pela enigmática escultura fenícia chamada A Dama do Elche, que repousa no Museu Arqueológico de Alcúdia.

Embora é uma cidade grande, sus principal atividade é do tipo industrial e atrai pouco turismo, porém, conta com lugares de interesse como a Basílica de Santa María, peça que conserva um forte sabor árabe com a sua cúpula azul e as torres ameiadas, nas que destaca misteriosamente entre as abundantes palmeiras do lugar.

A Torre de Calahorra, o Palácio de Altamira e a Torre do Homenagem são peças da época da dominação árabe que permanecen, embelecendo uma cidade que torna-se mais moderna cada dia.

Alcoy é uma cidade que tem-se nutrido da história hispana notavelmente. Imersa num vale, rodeada de montanhas de altitude media e a poucos quilometros do Mediterrânio, o seu maior monumento é a Igreja de Santa María, com a sua cúpula mudéjar coalhada em pequenos azulejos e a esbelta torre que alça-se contra o vento que cruza a zona.

Uma parada nesta cidade é suficiente para conhecer também seu Museu Arqueológico e o original Museu das Festas de Moros e Cristãos.

Castellón de la Plana, situada ao norte de Valência, destaca pelas suas praias e pela sua Catedral de Santa María, além da impressionante fachada de silheria da Prefeitura.

Na comunidade valenciana encontram-se as costas mais turísticas do Mediterrânio. A Costa do Azahar, que extende-se por toda a província de Castellón, com excelentes mostras históricas como é Peñíscola e Oropesa, que conserva a Torre do Reis do século XVI.

A Costa Branca, chamada assim pela finura da areia (colindante com as costas de Alicante), alberga pequenas cidades como Denia e Jávea que destacam pela beleza do entorno. Finalmente Benidorm, uma das cidades turísticas mais importantes da Espanha.

REGIÃO DE MURCIA

Situada na zona de uma rica horta e à beira do Mediterrâneo. Na antigüidade foi um importante centro de íberos, cartagineses e romanos. Seus litorais constituem outra das zonas turísticas de importancia.

Murcia

É a capital da região e está situada no interior. Destaca sua catedral gótica com fachada principal barroca e o Museu de Salzillo do século XVIII.

Em Murcia encontra-se A Costa Cálida que extende-se por todo o litoral da Comunidade. Extensas praias de areia fina, aonde destaca o Mar Menor e centros turísticos para a prática de esportes náuticos.

Cartagena é o porto mais importante da região. Foi fundada pelos cartagineses no século II a.C. Destaca o seu Museu com excelentes coleções romanas e pré-romanas.

ANDALUZIA

Celebre pelo o seu folclore, seu sol, sua história e por ser um dos cenários mais tradicionais do sul da Espanha, Andaluzia é uma das regiões mais atrativas e ricas em história.

Uma zona onde o espirito árabe ficou para sempre, em perfeita mestiçagem com a piedade católica e os costumes medievais é Andaluzia. Ocupada pelos árabes até o último momento que permaneceram na Espanha, o conhecido Al-Andaluz é um extenso espaço cheio de prazer, magia e vida que consagra-lo como a zona mais alegre do país.

Suas formosas praias, atraem durante o verão e épocas de lazer a numerosos turistas, sendo o ponto mais quente do continente europeu. Terra de dança e música, é o berço do Flamenco e a pátria das danças sevilhanas pelas que se reconhece a Espanha em todo o mundo.

Sevilha é possívelmente a cidade andaluza de maior atividade e importancia política e administrativa na atualidade. Com um rítmo acelerado de crescimento em serviços e cultura, é também uma das cidades mais habitadas da península. A Giralda é su selo mais representativo, peça árabe elaborada em pedra e tijolo, destinada à server como minarete à mesquita maior de Sevilha. Esta obra, mostra um avanço no estilo muçulmano ao acercar-se ao que mais tarde seriam padrões renascentistas.

A Catedral sevilhana é uma peça que reúne em equilíbrio as transições do gótico, o barroco e o renascimento, considerada como uma das mas belas do mundo junto à de São Pedro no Vaticano. De suas imensas riquezas materiais e espirituais, destacam por originais a Capela Real e os códices Alfonsíes, relicário gótico de Alfonso X o Sabio.

Na zona sul, o Palácio de São Telmo é um edifício barroco que alberga a Presidência da Junta da Andaluzia. O Parque de Maria Luisa é um jardím botânico imenso, a sua estrutura permite perder-se na imaginação e apreender da botanica e da história de Sevilha ao ir observando suas estátuas dedicadas a ilustres pessoagens da história e a região.

A Torre do Ouro é outra peça clave na história da Sevilha. Sobre o rio Guadalquivir, esta impenetrável torre defesiva continua impondo a sua presença sobre a cidade. No interior, o Museu Naval contém peças antigas da navegação. No mesmo rumo, a Praça de Touros da Maestranza é uma espécie de templo taurino, um espaço onde os andaluzes, grandes especialistas da tauromaquia, rendem culto à a sua paixão.

Uma visita a Sevilha deve incluir um olhar ao popular bairro de Triana que se levanta com suas casas frescas e alegres. Também não pode perder uma visita Igreja da Macarena, Virgem que conta com a devoção de muitos sevilhanos. Embora pequena, a igreja possui uma delicada harmonia que invita à meditação.

A Praça Espanha, com o seu estilo semi-circular, brinda um panorama sedutor através de suas pontes e revive um sentimento patriótico ao oferecer um espaço cada província da nação representada por uma pintura sobre azulejos e o escudo da mesma.

Sobre o porto fluvial, o mosteiro da Cartuja de Santa Maria de las Cuevas convirtiu-se posteriormente num a importante fábrica de ceramica. Desatendida, perante à chegada da Exposição Universal da Sevilha 92, transformou-se num a imensa série de pabelhões para albergar aos expoentes de cada país.

Um triunfo da cultura muçulmana se cristaliza em Córdoba, ao norte de Granada. O levantamento de uma mesquita sobre um antigo templo cristão é um fato inusual. Sobre éste, levantou-se a peça religiosa muçulmana mais formosa da Espanha que possui uma diferença pois, no lugar de olhar para A Meca, tradição árabe, mira para o sul. Várias portas permitem o acesso à mesquita impressionando com a sua rica decoração.

No interior, chama a atenção a forma tão delicada em que os árabes decoravam seus templos, assim como o Mihrab, espaço destinado à colocação do Corão para guiar a mirada dos fieis durante suas horas de oração. Sem perder o seu costume, anos mais tarde, quando a reconquista quase chegava no fim, os cristãos levantaram no interior da mesquita a sua própria Catedral do estilo prateresco e com uma altitude superior ao templo árabe, conseguindo assim limitar a visibilidade da construção muçulmana. Corresponde a você julgar a beleza de ambas, o seu requinte, a sua espiritualidade e a sua arte.

Junto à mezquita, o Palácio Episcopal e o Alcácer dos fieis cristãos são dois centros enriquecidos com peças de pintura, orfevraria e escultura interessantes. De sua parte, a Juderia é um atrativo bairro levantado pelos judeus desde tempos muçulmanos, brilha com suas ruas entrecruzadas, suas flores multicoloridas e suas praças e jardins.

Perto de lá, o Museu Municipal Taurino rende homenagem aos matadores cordobeses, enquanto que a Sinagoga, mudéjar e enfeitada em geso, oferece a alternativa no sentido espiritual. O Zoco, mercado popular cordobés desde tempos remotos, continua à fazer parte importante da vida da cidade, é aqui onde poderá adquirir variadas peças de artesanato e prendas de vestir andaluzas.

Granada é um enigma que permanece à luz do século XX. Seu monumento mais importante é a Alhambra, que é o mais belo e conservado patrimônio da cultura árabe. Seu nome significa "Castelo Vermelho", devido à cor do material com que foi construido.

Na realidade trata-se de um complexo civil e militar composto por três partes: a Alcazaba, zona militar que devia proteger a segurança do Emir e o seu exército. Desde suas torres, a vista da cidade divide-se em três partes igualmente impatantes, de um lado, a parte antiga com suas casas típicamente arabescas, pelo outro, a cidade moderna, cheia de edifícios e ruas de grande tamanho e alta velocidade, com suas indústrias e movimento comercial, ao fundo, quase como um episodio surrealista, os cumes da Serra Nevada, saudam o sol cobertas de neve em qualquer época do ano.

Outra parte importante da Alhambra é o Palácio Real, verdadeiro monumento beleza, à vida e o arte. Este organiza-se em torno à dois pátios: o dos Leões e o dos Arraianes. O primeiro está presidido pela a sua singular fonte central decorada com leões em círculo que jogam água pela boca.

Em volta, magras e delicadas colunas aguentam os mais de 120 arcos que conformam as estancias como a Sala das Duas Irmãs, a Sala dos Reis, a dos Abencerrajes. O pátio dos Arraianes, menor que o anterior, tem no centro uma formosa alberca rodeada de salões como o de embaixadores, o Quarto Dourado, o Mexuar e a Sala de Banhos.

Uma caraterística das habitações de ambos pátios é a surpresa que brindam com sus tetos decorados em gesso, madeira ou pedra com seus abundantes motivos abstratos, florais e animais.

O Generalife corresponde à residência estival do monarca. Lugar desenhado para o descanso e o prazer, coberto por uma grande área de jardins que oferecem com a sua frescura e cor um paraíso aromático e visual. A água desempenhou um papel relevante na arquitetura e a vida árabe.

Procedentes do deserto, este líquido constituia um bem venerando que se apresenta profusamente em suas construções. Fontes, riachos, poços e humidade banham o Generalife e em geral toda a Alhambra. Este fato, pouco usual na arquitetura europea antiga, brinda uma tranquilidade e um sentimento de apego à vida que trasmite-se ao visitar a construção.

A Catedral granadina possui um tesouro nas entranhas: sob formosos túmulos em mármore amarelado, a túmulo dos reis Católicos e de Joana a Louca e Felipe o Formoso são testimunhas constantes da vida piadosa dos fieis. Na mesma igreja, o Museu Catedral ício oferece peças donadas por Isabel a Católica e uma pintura que, segundo acredita-se, foi elaborada por Leonardo Da Vinci.

Entre Córdoba e Granada, impetuosa, a Serra Nevada tem constituido um reto e ao mesmo tempo uma forma de proteção dos muitos povos que tem disputado. Hoje dia, a batalha é turística, pois constitui um dos lugares mais contrastantes e curiosos da Espanha.

Em seus cumes, a neve parece não desaparecer jamais, nem mesmo no verão, pese a proximidade com o mar. Esta é a causa de que existam nestes cumes espécies vegetais e animais que deveram perecer ao terminar as glaciações, motivo pelo qual a sua fauna e flora é especialmente protegida.

Porém, trata-se também de um lugar de atividade esportiva e de lazer, especialmente no relativo ao esquí, rações que mantém lotadas suas instalações hoteleiras durante quase tudo o ano.

A Província de Jaén carateriza-se pelos extensos campos de oliveiras. Na capital, Jaén, destaca a sua magnífica catedral renascentista, o castelo de Santa Catalina ou os banhos árabes do século XI.

Almeria é a região mais ocidental da comunidade. Seu nome alegre corresponde-se com a realidade da sua vida cotidiana. Bazares e lojas abarrotam a "Calle de las Tiendas", centro antigo de atividade e comercial no que poderá encontrar numerosos artigos interessantes da cultura espanhola.

De a sua história ficam também a muralha de São Cristovão e a Alcazaba, formosa fortaleza militar muçulmana, impressionante em o seu colina, com seus mais de 40.000 metros quadrados de terreno. Descendo da Alcazaba, o singular bairro da Chanca, propriedade dos ciganos, surpreende com suas casas construidas nas grutas e pedras que a natureza brindou, o alegre decorado com flores é uma impressão agradável à vista em contraste com a muralha muçulmana.

Seguindo este caminho, o porto e o mar vão se anunciando para deixar ver a sua calidez e humidade. Dentro da cidade, destacam a sua Sê, um exemplo estranho e único de Templo-Fortaleza com suas torres e ameias.

Entre a fronteira natural das províncias de Almeria e Granada localizam-se As Alpujarras, espécie de território que possui belas paisagens naturais. Lanjarón, com o seu afamado Balneario situado num formoso edifício vermelho do estilo mudéjar, assim como os restos de um Castelo destruido em tempos de Fernando o Católico. Orgiva conserva um singular edifício renascentista, a Igreja de Nossa Senhora da Expetação. Submergidos no Barranco de Pujeira, os pitorescos povoados de Pampaneira, Bubión e Capileira celebram seus origens árabes sorrindo perante uma igreja que rompe com o rítmo arquitetónico do lugar.

Coberto por formosas casas brancas de tetos avermelhados, Trevelez é a 1.476 m. de altitude, o povoado mais alto da Espanha, a sua enrrolada distribução interior é a causa de que a circulação de veículos esteja proibida dentro da vila, permitindo assim criar um ambiente enteiramente antigo.

Além de a sua variada riqueza cultural, histórica e arquitetónica, Andaluzia possui uma das melhores costas da Europa, a chamada Costa do Sol. Numerosos portos de variados nomes, às inquietudes dos turistas de praia que chegam procurando paz, tranquilidade, entardeceres romanticos e noites divertidas.

Destaca Marbella, lugar de aristócratas que alcanzou grande nível pelos luxuosos serviços, lojas de marca, cafés exclusivos e iates elegantes à espera de seus próprietarios que os utilizam de vez em quando. Torremolinos é em troca um porto mais discreto, sem grandes alardes históricos e monumentais, a vida torna-se simples no meio de suas praias e lugares de recreio, o seu Palácio de Congressos brinda possibilidades de acolher eventos relevantes, enquanto que o seu casario primitivo, de corte andaluz, enche de calor humano com seus becos.

Nejar, mais que destacar pelas praias, que são quase pedregosas, atrai visitantes pelas grutas pré-históricas que convertem-se num importante cenário artístico sob terra com certa frequência.

Mijas é um povoado situado na montanha, desde lá, o mar oferece um espetáculo maravilhoso, especialmente no seu mirante, dominado pela Capela da Virgem da Penha, suas casinhas brancas, a sua gente tranquila, são um atrativo que não pode substituir-se com luxuosos hotéis porque pertence à vida, à o seu devenir e seus mistérios.

Málaga é o lugar mais ativo da Costa do Sol. Cidade que soube combinar o seu sabor moderno com a herança antiga, que procede da época dos comerciantes fenícios. Destes herdou o que constituiria a base do Castelo do Gibraltar, construção árabe murada da que destacam suas torres e ameias. A vista da cidade e o porto que se pode desfrutar desde este lugar é invejável. Unida ao Castelo, a Alcazaba foi a fortaleza militar muçulmana e na atualidade alberga o Museu Arqueológico, com peças romanas, fenícias, árabes e cristãs. Sob este museu, encontraram-se restos de um antigo Teatro Romano que pretende-se reconstruir para resgatá-lo históricamente.

A Catedral malaguenha é um portentoso exemplo da renascimento andaluza. Conhecida como "La Manquita" por faltar uma torre, impacta pela a sua forma quase circular, suas janelonas arabescas e a sua preciosa torre. As Igrejas do Santo Cristo, São João e do Sagrário fecham o conjunto cristão da cidade com seus detalhes que vão desde o gótico até o neo-clássico. A Casa de Pablo Picasso é outro museu que Málaga brinda à seus visitantes como uma homenagem ao pintor, nascido nesta terra.

Algeciras é quase a última cidade antes de cruzar o estreito de Gibraltar para África. Foi a zona de passo dos árabes e segue sendo um importante lugar de tránsito entre um continente e outro. É uma cidade moderna e cosmopolita que diverte-se com a alegria de a sua gente e o seu turismo e que oferece, básicamente suas praias. Para o sul, Tarifa é o último espaço peninsular, o seu castelo árabe do século X, brilha com a luz do sol e lembra os tempos do Sultão com a sua sedutora elegancia. Em contraste, a Igreja de São Mateo rescata os valores arquitetónicos góticos e católicos.

As ruinas de Bolonia são restos romanos do século II a.C. Conjunto de termas, uma basílica, uma curia, o foro e os templos de Minerva, Júpiter e Junho. Finalmente, a Penha de Gibraltar é como uma ferida na pele andaluza ao estar dominado pela comunidade britanica.

No extremo ocidental, a província de Cádiz, Também a mais cercana a África, possui uma cultura de passo que tem legado inumeráveis riquezas culturais. Conhecida como a Costa da Luz, a luminosidade de suas cidades, povos e praias é contrastante com a paisagem do interior da península.

Huelva é um importante porto pesqueiro. Em suas cercanias conservam-se lembranças do passo de Cristivão Colombo, antes de partir para América. Seu litoral é parte da conhecida Costa da Luz.

Finalmente, Ceuta e Melilla, situadas no litoral norte-africano, fazem parte do território da Espanha. Ceuta foi uma antiga fortaleza e está dominada pela Praça e a Sê, enquanto Melilla é uma cidade moderna com alguns monumentos de interesse.

EXTREMADURA

Extremadura é a terra na que curtiram-se famosos descobridores como Pizarro, Orellana, Francisco das Casas ou Garcia de Paredes. Porém, muito antes de que os valientes descobridores extremenhos adentraram-se nas entranhas do Novo Mundo, tinham passado por esta região outros aguerridos lutadores como fenicios, vetones, lusitanos e sobre todo, romanos.

Os legionários da Roma encontraram na atual autonomia um lugar ideal para descansar, razão pela que fundaram Norma Caesarina (Cáceres) ou Emerita Augosta (Mérida) com esse fim.

Entre a Rota da Prata e as Canhadas

À seu passo, os romanos levantaram impressionantes construções de todo tipo, dotando à região com uma das maiores vias de comunicação da história, a Rota da Prata. Esta calçada romana pretendia unir Gijón com Mérida através de Astorga, León, Salamanca e Sevilha.

Além desta impressionante rota empedrada, cujo traçado conserva ainda a estrada nacional 630, a transhumancia do gado favoreceu o contato com o resto da Espanha e com Portugal. As canhadas e os caminhos, conhecidos únicamente por pastores e manadas, mantém-se ainda hoje em bom estado e percorrem lugares de beleza intensa e selvagem. Desde o frondoso e fértil Vale do Jerte até os povos brancos do sul, Extremadura é uma terra de contrastes e descobrí-los, é o seu máximo atrativo.

A Província de Cáceres

No norte da autonomía, na província de Cáceres, encontramos zonas muito diferentes mas não por isto menos formosas. Ao oeste, As Hurdes nascida de uma lenda maldita que definia-la como a zona mais pobre e inculta da Espanha, hoje em dia, com sus quase 500 quilometros de serras, compostos por quatro vales espalhados de carvalhos, azinheiras e povoações construidas em pedra, tem-se convertido no lugar escolhido por numerosos artistas e inteletuais em procura de um acolhedor refúgio em plena natureza.

No centro, o Vale de Ambroz, farto de bosques e prados que evocam paisagens de Asturias ou o País Vasco ou Asturias. Neste entorno situam-se os Banhos de Montemayor, balneário de águas termais que tem sabido combinar umas modernas instalações com o desenho original das antigas termais romanas. Aqui é possível aliviar afeções respiratórias e do aparato locomotor.

Rodeado de castanhos, alisos e fresnos sobressai Hervás, uma vila de casas de adobe e entramado de madeira que conserva todo o encanto de um verdadeiro bairro judeu. De fato, é a "aljama" melhor conservada da Espanha.

Ainda podem-se degostar especialidades tão gostosas como a adafina judea ou o hornazo, uma espécie de empada recheada de ovo, presunto, chouriço ou lombo. O contraponto à influência judea coloca-o a igreja de Santa Maria das Águas construida entre os séculos XIV e XVII sobre o que foi um antigo castelo dos Templarios. Como curiosidades realmente formosas visite os jardins do estilo italiano do pequeno povo de Abadia e o Arco de Caparra.

Ao leste encontramos a zona mais fértil de toda Extremadura, o Vale do Jerte com Plasencia como "pérola" urbana e as cerejeiras como reis do vale. Em abril a paisagem ilumina-se com o branco imaculado de um milhão de cerejeiras em flor para passar, com a madurez do fruto, à salpicar-se de um vermelho intenso.

Quando o ar impregna-se do cheiro das cerejeiras, é o momento de celebrar a Festa da Cerejeira em Flor. O resto do ano, a paisagem torna-se magia, expresada num a espetacular gama de cores que reflete nas imperturbáveis pedras das construções de Plasencia. É a segunda cidade em importancia da autonomia e que conserva impressionantes muralhas e três pontes como únicos acessos ao interior da povoação.

Uma vez ultrapassada alguma das quatro portas da entrada que conservam-se, a Praça Maior é o centro da vida da cidade. A Catedral Nova encostada à Catedral Velha oferece um impressionante espetáculo que unidos à Casa do Deán, o Palácio Episcopal e o Hospital de Santa Maria conformam um marco artístico de grande beleza.

A Vera conta com a vegetação mais frondosa e verde da zona pois a abundancia de água que desce desde os graníticos Cumes de Gredos. Conta a lenda que esta paragem foi escolhido como refúgio pela Serrana da Vera após ser enganada por um noble de Plasencia e ali levou à termo sua vinganza seduzendo e assassinando todos os homems que passavam por ali. A História, aliás, conta que esta terra foi berço do Viriato e que Carlos V escolheu a Vera, pela a sua incomparável beleza, para terminar os seus dias. E fez assim, habitando o Mosteiro de Yuste até seu falecimento.

No centro da Autonomia concentram-se as povoações com maior tradição histórica. Trujillo tem a honra de ser a cidade na que nasceram descobridores do talhe de Pizarro, Orellana ou Alonso de Hinojosa. Desde a sua Praça Maior, com a estátua equestre de Pizarro como centro neurálgico da vida social e comercial, podem-se admirar palácios como o dos Duques de São Carlos ou o do Marqués de Pedras Albas e igrejas tão conhecidas como a da Sangue ou Santa Maria a Maior, assim como numerosas casas blasonadas.

Não pode esquecer-se o Parador Nacional de Turismo, situado no convento de Santa Clara. A paisagem de Alcántara está dominada pelos dólmenes, que aparecem salpicados por toda a zona e pela ponte romana de 61 metros de altitude, 8 de largura e 194 de comprimento, considerada como o melhor da Espanha.

Cáceres foi nomeada patrimonio da Humanidade no ano de 1968. Pode-se aceder cidade antiga desde a Praça Maior, pelo Arco da Estrela, edificado por Churriguera. Já no parte histórica pode-se visitar, entre muitos outros edifícios, o Palácio Episcopal, a Casa das Cegonhas, o Palácio de Maioralgo, a Casa dos Carvajal, a Torre dos Espaderos, o aljibe subterrâneo da Casa das Veletas, o romano Arco de Cristo, a Torre do Homenagem do Palácio dos Golfines de Arriba ou o impressionante Santuário da Virgem da Montanha.

Em Malpartida de Cáceres encontra-se a paragem conhecida como "Os Barruecos" com restos do Neolítico, curiosos lavadeiros de lã e um Museu de um artista multi-media alemão chamado Vostell.

A Puebla de Guadalupe nasceu em seguimento do Mosteiro da Virgem de Guadalupe edificado por Alfonso XI após a Batalha do Salado. O culto à Virgem, que apareceu-se um vaqueiro no século XV, seguiu os passos dos descobridores extremenhos e de fato, é um dos mais arraigados na América.

A Província de Badajoz

Uma vez atravessado o limite entre as províncias de Cáceres e Badajoz, a cidade com maior tradição histórica é, sem dúvida, Mérida. Seu passado histórico tem valido a capitalidade de Extemadura e foi a mesma Roma quem escolheu esta cidade para premiar com o descanso a seus guerreiros mais valentes.

Aqui encontram-se os restos do Império mais preciados da Espanha toda. O Teatro, com capacidade para 6.000 pessoas, é realmente impressionante e ainda em nossos dias, seguem-se celebrando representações durante o mês de julho no incomparável marco do Festival Internacional de Teatro.

Realmente as Musas não poderiam ter escolhido ambiente melhor onde plasmar as diferentes mostras artísticas que elas inspiram. O Anfiteatro, de forma elíptica, tinha um aforo para 14.000 pessoas e incluía uma fossa na que, uma vez cheia de água, celebravam-se as naumaquias, quer dizer, batalhas navais.

O Museu Nacional da Arte Romana foi construído por Rafael Moneo e contém uma completa coleção tanto de restos arqueológicos como de objetos e documentos que reproduzem o modo de vida dos antigos habitantes da Mérida.

Badajoz afasta-se dos restos romanos para mergulhar, à beira do Guadiana, na influência dos estilos árabes. Capital do antigo reino dos aftasíes e Reino de Taifas, a cidade conserva uma maravilhosa Alcazaba na que destacam a Torre de Espantaperros e o Museu Arqueológico Municipal.

A Catedral de São João tem no altar maior, do estilo barroco e na selaria de couro talhada por Jerônimo de Valência, seus elementos mais importantes. A tão só 7 km encontra-se a fronteira com Portugal, passo habitual para os compradores de enxoval do lar.

Em Olivenza e Albuquerque levantam-se majestosos castelos que lembram tempos remotos.

Ao sul da província de Badajoz, Zafra é a cidade mais importante da zona, pois desde 1395 celebram-se nela feiras de gado que se converteram na Féria do Campo Extremenho de projeção internacional. Conhecida como "Sevilha a menor", Zafra ressalta na paisagem pelo branco das casas, acorde em comúm denominador de todos as vilas da zona.

A cidade conta também, com um excelente Parador Nacional de Turismo situado no Alcácer dos Duques de Feria, a Igreja de Nossa Senhora da Candelária que conserva nove pinturas de Zurbarán, e as Praças Chica e Grande, centros de reunião dos habitantes.

Outros povos de interesse são Feria e Salvaterra dos Barros, pela sua maravilhosa olaria, Fonte de Cantos por ser o berço de Zurbarán, Fregenal da Sierra e Jerez dos Cabalheiros por ter sido vilas templárias e na zona mais plana, enchida de pastos nos que as ovelhas merinas criam-se de forma ótima, Vilanova da Serena e Dom Benito.

Extremadura conta também com importantes espaços verdes. No Parque Natural de Monfragüe concentram-se 200 espécies de vertebrados entre as que destacam o lince, a cegonha preta ou o urubú leonado, enquanto que o Parque Natural de Cornalvo está povoado por formosos bosques de azinheiras e alcornoques.

ILHAS BALEARES

O arquipélago das Baleares está situado no mar Mediterrânio, frente ao litoral levantino espanhol a uns 240 Km de Valência. A comunidade tem belas praias que, sumadas ao excelente clima, convertem num importante centro turístico.

São abundantes as águas subterráneas que dão origem a numerosas grutas. O arquipélago alcançou uma notável cultura na Idade de Bronze, da que são provas os monumentos chamados "taulas". As Baleares são formadas por cinco ilhas: Malhorca, Menorca, Ibiza, Formentera e Cabrera. Todas elas agrupam-se na província de Palma de Malhorca.

Palma de Malhorca, é a capital do arquipélago e principal porto da zona. A cidade, do mesmo nome, possui numerosos atrativos monumentais entre os que destacam a Catedral gótica do século XIV com um belo museu de pintura gótica e arte sacra.

O ar de leveza que transmite toda a construção é surpreendente e na Capella Maior pode ver-se um baldaquino de ferro forjado, obra do célebre arquiteto Gaudí. Nos arredores da Sê, que domina toda a cidade, distinguem-se, também, o Palácio da Almudaina de origem árabe e antiga residência dos reis de Malhorca, a Igreja de Santa Eulalia do estilo gótico do século XIII, o Museu Tesouro, onde se expoe o retábulo da Santa Eulalia, junto a numerosos relicários, a Igreja de Sant Francesc com um precioso claustro de arcos e artesonado de madeira e a Casa do Marqués do Palmer, antiga vivienda aristocrática do século XVI.

Porém, Palma de Malhorca, esconde outros lugares de interesse, além de seu vibrante rítmo de vida, como são o Antiguo Consulado do Mar do século XVII, sede da Presidência da Comunidade, o Palácio de Solerrich, que impressiona pela sua fachada, o Castelo de Bellver do século XIV, excepcional pela planta redonda a antiga Lonja do comércio, o Palácio Arzobispal e o mosteiro de São Francisco, além de formosas casarões e mansões construidas por antigas famílias.

Se dispõe de tempo aconselhamos ir ao Pueblo Espanhol, um lugar que acolhe numerosas réplicas dos principais monumentos da Espanha e à Fundação João Miró, para desfrutar das obras do genial pintor. Depois desta rápida visita, nada melhor que pegar o carro e percorrer plácidamente as costas da Ilha Palma de Malhorca, o mais perto do paraíso.

A Costa Oeste

Partindo da cidade de Palma, invitamos-lhe a realizar um percurso pela Costa Oeste, até a vila de Alcúdia. Trata-se de uma viagem que transcurre por um litoral escarpado, onde abundam as calas e as tranquilas praias.

Em Port d´Andratx pode-se alugar uma barca para navegar pela zona, enquanto que no Mirador de Ricardo Roca obtem-se as melhores panorámicas das calas e das praias. Continuando pela rota e depois de deixar Valldemosa, onde encontra-se uma famosa Cartuja, há que fazer um alto na vila de Deiá.

Trata-se de um pitoresco povoado de casas trepadas onde a tranquilidade é a nota predominante. Muito perto, Soller, uma cidade que distingue-se pelas casas do século passado e pelo movimentado porto.

É, também, o centro turístico mais importante da Costa Oeste, assim que se prepare para desfrutar da praia e dos ambientes noturnos, onde o aborrecimento é desconocido.

Retomando o caminho e na direção à Alcúdia, a estrada serpenteia até o mosteiro da Nuestra Senhora de Lucc. Trata-se de uma série de construções do século XVII, que edificaram-se para venerar e conservar a imagem da Virgem, da Milacrosa "La Moreneta", a padroeira de Malhorca.

Já desde aqui pode-se avistar o Porto de Pollença, outro dos centros turísticos da zona, além de ser um dos lugares procurados pelos amantes da vela e o esquí aquático. Desde Pollença partem dois caminhos: o que vai para Alcúdia e o que continua ao Cab de Formentor.

Este último é uma caminho que cativa pelo sinuoso e por achar-se num a pequena península desde a que pode-se ver o mar a ambos lados. Desde o Mirador des Colmer, no alto de um rochedo, a respiração interrompe-se para se perder na beleza do mar e da pedra.

Finalmente Alcúdia, uma cidade fortificada que conserva no interior o ambiente da época medieval. Não há que deixar de visitar o Museu Monográfico de Pollentia, que oferece as peças encontradas nas excavações da antiga cidade.

Muito perto, o Parque Natural de Albufera e as Grutas de Campanet, com mais de 1 Km de percurso. Em Muro, situado a 11 Km de Alcúdia pode-se visitar a Seção Etnológica do Museu de Malhorca (as seções de Belas Artes e Arqueologia encontram-se na cidade de Palma de Malhorca).

Pela Costa Leste

Partindo desde Palma de Malhorca até Artá, pela Costa Leste, a paisagem suaviza-se, mas não por isso desaparece o escarpado. A nota caraterística são as grutas, fruto da erosão e as calas de fina areia.

O primeiro alto é o Santuário do Cura, no alto de uma colina e desde onde se divisa Palma. Trata-se de uma série de construções restauradas pelos franciscanos. Desde aqui a estrada adentra-se até a bela cala Figueira, onde o caminho volta a retormar o litoral. Mais adiante, o mosteiro de São Salvador, do século XIV, no alto de uma colina e onde destaca a Igreja que acolhe uma imagem da Virgem, um retábulo de pedra policromada e três nascimentos de diorama.

Seguindo pelo litoral, encontram-se as célebres Covas do Drach, uma sucessão de salas unidas por corredores onde os lagos extendem-se por mais de 2 Km. Podendo-se realizar um passeio de barca e descobrir seus interiores.

Mais ao norte, as Covas d´Artá, onde as impressionantes cúpulas acolhem numerosas figuras de pedras, criadas pela erosão da água. Desde aqui há que viajar para a Cala Rajada, um pequeno porto e importante centro de descanso. Além do sol e das praias, ressalta a Casa March, com preciosos jardins que guardam numerosas esculturas de artistas internacionais.

Já no rumo de Artá, há que parar, quase de forma obrigada, em Capdepera, um antigo povoado murado no alto de uma colina. Artá, fim do caminho, distingue-se pelo ambiente e restos megalíticos que encontram-se nos arredores.

O Arquipélago de Menorca, é a segunda ilha em tamanho, mas é a que conserva paisagens mais vírgens, pois tem sobrevivido às correntes masivas de turistas provocadas pela beleza das ilhas. Mahóm (Mao) é a capital da ilha.

Tem um formoso porto, um de sus maiores atrativos, ao igual que o edifício da Prefeitura, a igreja de Santa María, a igreja de São Francisco e o Museu Arqueológico com excelentes coleções de peças pré-históricas.

Nos arredores de Mahóm encontra-se Talayot de Trepucó, um importante assentamento arqueológico com um Taula de quase 5 m. de altitude, o pequeno povoado de É Grau, um bom lugar para quem gosta da observação da aves e a Cala Porter, que distingue-se pelas residências e pela taberna instalada em antigas viviendas trogloditas.

Desde Mahóm pode-se viajar para Ciutadella, pelo interior da ilha, fazendo um alto em Mercadal, um dos povoados mais brancos da Espanha. Cidadela (Ciutadella) foi a antiga capital da Ilha de Menorca. Trata-se de uma pequena cidade, bela e interessante, com espléndidos palácios e igrejas medievais. Sua fundação data do ano 450 a.C.

Finalmente a Ilha de Ibiza (Eivissa), chamada a Ilha Branca pela cor de suas casas. A capital da ilha, do mesmo nome, é célebre pelos bairros populares da marinha e de Sa Penya. A cidade está dominada por uma fortaleza medieval e muito perto acha-se o cemitério púnico de Puig des Molins, sem esquecer o interessante Museu Arqueológico com o melhor da arte dos séculos VII a.C. ao século III.

Ibiza é o lugar da moda, da movida, das copas, das praias, das festas, do bom comer e do bom beber. Suas barulhentas ruas guardam numerosas lojas e o entretenimento nesta paradisiaca ilha está assegurado durante o ano todo.

Na ilha destacam, além das inumeráveis calas, Sam Antonio Portmany (Santo Antonio Abad), um importante centro turístico e com um precioso bairro antigo e Santa Eulária des Riu (Santa Eulalia do Río) com o mais novo da zona.

IHLAS CANÁRIAS

O arquipélago canário está situado no Océano Atlantico a uma distancia aproximada de 1.500 Km ao sudoeste da costa peninsular. Os antigos as chamavam "ilhas afortunadas", pelo excelente clima. As Canárias são de origem vulcanica e constituem um verdadeiro paraíso natural, que carateriza-se pelas formações geológicas e a exuberante vegetação.

É sem dúvida, o destino estrela da Espanha, graças a seu clima primaveral permanente, à suas praias, à suas águas e ao mundo de possibilidades infinitas para entreter o espirito e o corpo. O arquipélago está formado por sete ilhas: Tenerife, Gran Canaria, Fuerteventura, Lanzarote, La Gomera, La Palma e Hierro.

Tenerife

Tenerife, é a ilha maior das Canárias e destaca por albergar o pico do Teide, o ponto mais alto da Espanha com 3.187 m de altitud. Trata-se de um vulcão que rejuvenesce com suas tímidas erupções e que vigia atentamente os costumes e tradições dos ilhenses.

Tenerife é uma ilha que distingue-se pela sua juventude, o rítmo de vida, os deliciosos mamões e bananas e as cristalinas águas, como as que encontram-se no acantilado dos Gigantes. A ilha conta com grandes espaços vírgens como o Parque Nacional das Canhadas do Teide, um elevado planalto de campos de lava, onde a tranquilidade respira-se por todos os cantos da zona.

Respeito flora, destacam os dragos centenários, símbolos das ilhas, um arbusto no que cada galho reproduz em certa forma "t" a planta toda. O exemplar mais antigo é o de Icod dos Vinhos, com mais de 3.000 anos.

Santa Cruz de Tenerife é a capital da ilha, onde distingue-se a Igreja da Conceição do século XVI, o Monumento à Candelária, padroeira do arquipélago canário, o Museu Arqueológico que exibe peças interessantes e o Palácio de Carta do século XVII, com uma preciosa fachada de canteira e um típico pátio canário.

La Laguna, a 13 Km de Santa Cruz de Tenerife, é uma cidade senhorial fundada em 1497. Resalta sua Catedral do século XVI do estilo neo-clássico, com elementos góticos no interior e o Museu da Ciência e o Cosmos, uma viagem ao universo.

A Orotava, a 38 Km de Santa Cruz de Tenerife, encontra-se no centro de uma maravilhosa paisagem. Suas casas, palácios com balcões de madeira e sua parte antiga, convertem-la num importante destino. Muito perto, Porto da Cruz, um dos principais centros turísticos da Espanha, graças a seu privilegiado clima e situação, situada na borda inferior junto à costa.

Oferece atrativas piscinas junto o mar, um belo jardím botanico rico em espécies tropicais e um sem-número de restaurantes, hotéis, centros de convenções, bares, discotecas e cafeterías. No outro extremo da ilha, destaca Praia das Américas, um importante complexo turístico, perto do pitoresco povo de Os Cristãos.

Gran Canaria

Gran Canaria, com uma forma quase redonda, é a ilha com mais acidentes orográficos, com rochedos, pequenas praias e dunas de areia.

As Palmas de Gran Canaria, capital da ilha, é uma cidade primaveral com excelentes praias de enormes dimensões. Conta, também, com uma parte antiga onde encontra-se a formosa Catedral gótica do século XV, a Casa de Colombo, um dos melhores exemplos da arquitetura colônial e o Museu Diocesano da Arte Sacra com peças pré-colombianas.

Respeito à suas praias as mais sobressalentes são a de Las Canteras e Lass Alcaravenaras.

Arucas, a 17 Km de Las Palmas e terça cidade da ilha, carateriza-se pelos cultivos de bananeiras e suas belas casas cobertas de canteira de pedra azul. Desde o Mirante da Montanha podem-se obter excelentes vistas para desfrutar do verde dos bananais.

Maspalomas, 52 Km de Las Palmas, distingue-se por ser o condomínio mais extenso da ilha e por ser um dos principais centros turísticos. Praias como a Bahia Feliz, San Agustín ou a do Inglês são pequenos paraísos onde todo é possível.

Fuerteventura

É a segunda ilha em extensão, a mais cercana à costa africana, a menos povoada e tal vez, a mais antiga de todo o arquipélago. Fuerteventura é o lugar indicado para quem gosta da pesca submarinha e da caça, das praias de areia branca e da tranquilidade.

Porto do Rosario, capital da ilha, conta com um pequeno porto e duas zonas turísticas: Corralejos 38 Km ao norte e Jandía-Pajara, 87 Km ao sul. Desde Corralejos pode-se navegar até a Ilha de Lobos, uma pequena ilhota despovoada mas de grande interesse natural.

Lanzarote

É, em poucas palavras, um lugar paradisiaco e enigmático. Seus relevos de pedra vulcanica e de vales carbonizados, como os que podem ver-se no Parque Nacional de Timanfaya, provocam sensações únicas e indescifráveis.

Recife é a capital da Ilha, uma cidade que tem-se desenvolvido nos últimos tempos e que distingue-se pela sua cercania à Teguise, onde vivera o afamado arquiteto César Manrique, quem desenhou inumeráveis edificações em Canárias, integrándo-as no meio ambiente para conservar a paisagem tradicional.

Desde Orzola podem-se tomar embarcações que navegam até a ilhota de La Graciosa. No regresso há que sumar-se à uma das expedições em camelos que atravessam o Parque Nacional de Timanfaya, para visitar a Montanha de Fogo e finalizar em Praia Branca, um complexo turístico com encantadoras praias.

Destacam, além, os géiseres do Hervidero provocados pela força do mar que sai pelos orificios da plataforma vulcanica do litoral e as bodegas O Grifo, para quem gostar do vinho e das boas uvas.

La Gomera

A ilha da Gomera carateriza-se pela forma cónique, o que le da um aspeto paisajístico diferente às do resto do arquipélago. Desde as laderas do norte desciende o água por barrancos para criar uma vegetação exuberante. Para o sul, prevalecem as palmeras e as acequias.

A Gomera é o lugar mais procurado por quem gostam do senderismo e do trekking. Sus desniveis impressionantes, seus caminhos escorregadiços e um calor que aperta, são a nota predominante. A capital da ilha é a vila de São Sebastião, uma antiga vila, passo de navegantes e conquistadores em suas viagens ao Nuevo Mundo.

O turismo centra-se no Vale Grande Rei, um lugar idílico com belas terraços escalonadas, bananeiras e palmerais que misturam-se com as casas de cor branca. Desde aqui acostumam-se fazer as excursões para Os Organos, uma série de colunas basálticas hexagonais que podem-se apreciar-se desde o mar.

Outras vilas importantes são Valle Hermoso, Agulo e Hermigua, onde pode apreciar-se de melhor forma o estilo de vida autóctone.

La Palma

Com uma superfície de 730 quilometros quadrados, a ilha de La Palma, a mais húmida de todas, apresenta duas regiões bem diferençadas. O norte é própriamente a Caldeira de Taburiente (Parque Nacional) e o sul está formado pela Cumbre Vieja e Nueva.

Santa Cruz da Palma é a capital da ilha e distingue-se pela arquitetura do tipo andaluz. São de interesse a Igreja do Salvador com um pórtico renascentista e belos artesanatos mudéjares e o Museu de Etnografia e Arqueologia com excelentes coleções de cerâmicae peças anteriores à Conquista.

Na Gomera encontrará, no Roque de los Muchachos, um dos mais importantes observatórios astrofísicos do mundo. Vale a pena a visita ao vulcão Teneguia para admirar a lava que deixou em su última erupção no ano de 1972.

El Hierro

É a ilha mais pequena, a mais meridional, a mais ocidental, a mais desconhecida e a mais jovem de todas. Tem uma superfície de 287 quilometros quadrados e uma dimensões modestas: 29 Km de ponta a ponta e 20 Km de largo. O ponto mais alto é o pico de Malpaso com 1.520 m.

A capital da ilha é Valverde, uma pequena povoação de mais de 3 mil habitantes, que distingue-se pela Igreja de Santa Maria do século XVI. É o ponto de partida para as excursões para o Bosque de Sabinas, para La Restinga, um belo campo de lava com estranhas formações, ao Poço da Saúde, situado no povoado de Sabinosa e importante balneário de própriedades curativas.

Destacan, además, Roques del Salmor, uma pequena ilhota onde podem-se ver os lagartos gigantes (especie endémica e protegida) e o centro turístico Tamaduste, pela sua piscina natural.

Gastronomia

Da lembrança de uma viagem fica a expressão de sua gente, os lugares mais atrativos, as vivências mais ricas que brinda a passagem por esse lugar, porém, a comida que esperimenta-se é algo que se leva num sentido mais real, uma forma de intimar com certa indefensão com essa terra nova, de converti-la em parte importante da história pessoal incorporando seus segredos, como num rito mágico, aos da própria cultura.

Espanha é pródiga em segredos através de sua cozinha, fruto de uma história de conquistadores, a gastrônomia hispana conhece o sabor de ser sometidos ao mesmo tempo que o de ser dominantes.

Por influência de essa convivência e abertura que tem caraterizado ao longo dos séculos, sua cozinha incorpora ingredientes do mundo todo, formas de elaboração variadas e segredos de diversas procedências dando por resultado um panorama gastronómico imenso. Mesmo assim, há rasgos próprios que podem definí-la como Mediterrânia: o uso do azeite de oliveira, a abundância equilibrada de produtos marinhos, o trigo e o vinho.

É evidente que numa península os produtos marinhos teriam grande impacto na alimentação, as espécies do Atlântico, do Mediterrânio e do Cantábrico obrigam a uma variedade na cozinha. Por outra parte, as zonas gadeiras do norte e a planície central fornecem as carnes vermelhas e os derivados do leite.

O vinho é um líquido presente em todas as regiões em menor ou maior qualidade, mais de 50 marcas confirmam. A zona da Rioja é a que oferece maior qualidade a nível mundial, enquanto que o Duero e Jerez preparam vinhos mais doces e mais nacionais, alguns deles com Denominação de Origen.

Em Galícia, terra de peregrinos e gostos diversos, são típicos os pratos em base à mariscos. As vieras são uma vianda feita com mariscos que, segundo acredita-se, estão relacionadas com o apostolo.

Também são famosos o polvo, preparado de diversas maneiras, as sardinhas assadas e os pimentos de Herbão, ambas consomem-se como tapas, entre copas e o batepapo com os amigos. A empada compostelana, recheada de peixe, é típica da zona durante os meses quentes, enquanto que o caldo galego e o presunto com grelos, são os favoritos do inverno.

Como sobremesa, a tarta de Compostela, feita com amêndoas e um bom vinho da região como o Ribeiro ou o Albarinho, permitirão fechar uma boa e singela comida galega.

À seu passo por Asturias poderá encontrar os melhores queijos da nação, o mais renconhecido é o cabrais, embora podem esperimentar muitos outros de sabores e texturas diversas. Astúrias, ao igual que Cantábria, é zona de mariscos e peixes, especialmente pescadas, enguias, sardinhas e calamares.

Esperimentar uma fabada é patar com esta zona cantábrica pois consideira-se sue prato típico, feita em base à feijão grande, porco, morcela, cebola e chouriço, trata-se de um guisado caldoso que vem muito bem nos dias do inverno. Também pode-se esperimentar o chouriço de queixada e o pantruco, embuchado de porco, assim como suas empadas de milho, chouriço, pressunto e toucino conhecidas como boronchu.

Para beber, nada melhor que um boa sidra, bebida regional espumosa e de sabor doce entre à que destaca a do Villaviciosa. Entre as sobremesas, os freisuelos ou fiyueles, doces de carnaval elaborados com farinha de trigo, leite e ovo, são um bom fim para uma comida ou um presente delicioso para levar para casa.

O País Vasco mantém também essa diferença típica na sua cozinha como na sua língua e idiosincrásia. Entre seus maiores orgulhos está a afirmação de que consome-se o mesmo nas mesas de sua gente que nos restaurantes mais luxuosos da comunidade, tratando de dizer com isto que as diferenças sociais não existem na sua cozinha.

Seus pratos principais tem como fonte o peixe e os mariscos, especialmente o bacalhau e a pescada, assim mesmo, os molhos distinguem-os de outras regiões espanholas, assemelhando-se em isto à complicada cozinha francesa.

Nas vilas da região se consome um prato conhecido como marmitako, realizando uma combinação de atúm, bonito, batatas e pimentão que acostuma acompanhar-se de um vinho branco seco e ácido chamado txacoli.

Por certo, o pimentão, produto presente na gastronomia espanhola, tem suas raizes na América e é um intento falido de trasladar o chile mexicano às terras da península que pode-se expresar-se nessa forma larga e pouco delicada que hoje chamamos pimento.

Dentro de São Sebastião a afição à boa mesa é comprovada com a celebração de mostras gastronómicas de talhe internacional e com a presença, dado o seu caráter de estação de repouso e turismo, de uma grande variedade de restaurantes da cozinha internacional.

Da Rioja o mais destacado dentro e fora da Espanha são os seus excelentes vinhos, especialmente os tintos. Dos pratos podem-se dizer que destacam os que realizam-se em base á perdizes e cordeiro já seja em guisados ou assados aos que incorporam-se o feijão grande branco e outros legumes, os pimentos riojanos são tão famosos como os vascos pois procedem da mesma zona geográfica, sua utilização é em muitos casos como embrulho de diversas misturas de verduras ou carnes.

Sendo uma zona de confluências da tradição vasca, castelhana e francesa, Navarra partilha uma cozinha similar à riojana, perdizes e codornizes são seu forte, tanto como a truta à riojana combinada com presunto, aliás, o seu espetro gastronómico amplia-se com os pratos nos que predomina o cordeiro, como o assado ou o chilindrão, no que acompanha-se de verduras e hortaliças navarras de grande renome.

Os peixes que recebe do Cantábrico se refletem nas excelências da pescada, o linguado ou o robalo, que cozinham-se igualmente com verduras e molhos. Seus vinhos são de magnífica qualidade, especialmente os afrutados e brancos doces.

Aragón oferece pratos em base á frango e cordeiro temperados com molhos de tomate, cebola e pimentos, o ternasco é um deles. Em Teruel sobressae a truta do Guadalaviar, preparada ao escabeche e o gazpacho de bronchales, preparado com coelho de caça. O uso de cogumelos, e animais de caça como o cervo é comúm na cozinha aragonessa. Os sus vinhos são bons com a caraterística de ser densos, com muito corpo, produz tanto tintos como brancos.

Catalunha é uma mistura do requinte francês na gastronomía. É muito mais Mediterrânia e menos árabe que a do resto da Espanha, os molhos suaves e exóticos banham muitos de seus pratos, especialmente os de azeite, sejam em carnes, peixes ou verduras, acompanhados com frequência de frutos secos como as castanhas, amêndoas, passas e pinhones.

Os embuchados mais suaves também tem grande arraigo na região catalã, especialmente o chamado butifarra. Entre as sobremesas destaca a crema catalã, espécie de flã cremoso e doce. Os vinhos são também Mediterrânios, suaves e doces, embora Catalunha seja a terra do Cava.

O Levante é outra região espanhola típicamente Mediterrânia onde os mariscos e peixes dominam o diário comer, se preparam salgaduras de boqueirão e bonito ou pratos como o cruet de pex e inclusive em certas zonas pode esperimentar-se o exótico ouriço do mar. Destaca internacionalmente a paella valenciana, arroz combinado com mariscos de alta qualidade que adquire uma cor amarela pela forma em que a cozinhada.

O arroz é básico no Levante, sendo cozinhado de muitas diversas maneiras. As sobremesas principais são os turrões, bunhuelos de gerimum, pão de figo e frutos naturais da zona. Algumas zonas tem desenvolvido bebidas próprias como Alcoy, que brinda o seu café licor, o timonet e o herbero, especialmente durante suas festas tradicionais.

Andaluzia é a região espanhola que reúne maior influência das culturas que conquistaram Espanha, especialmente a árabe. Predominam os pratos em base peixes e mariscos com a caraterística de cozinhar-se de maneira mais seca, para uma ingestão mais fácil.

Os pescaítos fritos são tapas populares que podem encontrar-se fácilmente. O gazpacho é o prato caldoso mais popular da Andaluzia. Os seus vinhos são mais doces, destacando os de Jerez, Málaga e Montilla-Moriles.

As Ilhas Baleares tem uma cozinha típicamente marítima. Para dar variedade, incorpora numerosas sopas e guisos de verduras como a sopa mallorquina e o tumbet em base à batatas, abôboras e pimentos. Desta terra são também as chamadas cocas, espécie de tortas de farinha que podem ser doces ou salgadas, assim como as ensaimadas, muito extendidas por toda a península que é uma qualidade de pão doce. A zona de Mahón é a terra da maionese e o queijo do mesmo nome elaborado com leite de vaca.

A terra do centro, as comunidades mais extensas geográficamente que são Castela La Mancha, Castilha León e Extremadura partilham uma cozinha similar.

Predominam os pratos elaborados com carne roxa de vaca ou de porco, sendo especial a vitela avilenha de sabor delicado e suave, os assados de cordeiro e coelho, os presuntos e chouriços com suas inumeráveis variedades, os patés derivados das diferentes qualidades de gados da região.

Os queijos como o manchego tem grande reputação e oferecer frequentemente em sua cozinha, os produtos do trigo se expresam em grande variedade de pães salgados e doces, assim como em biscoitos e sobremesas típicas.

As empadas recheadas de chouriço, presunto e carne roxa são caraterísticas de várias regiões e estão relacionadas com a vida campestre de antigamente, assim como com numerosas tradições.

Os vinhos, especialmente do Duero, são dos mais renconhecidos pelo gosto azedo, enquanto que os de Valladolid e de Rueda são mais frescos e afrutados. Os produtos do mar, embora não tão abundantes como no resto da Espanha também estão presentes na região, aliás, cozinham-se de jeitos mais caldosos, acompanhados de molhos ligeioas e legumes, entre os peixes, os de rio como as trutas, são as que se consomem fritas.

Entre as sobremesas destacam os mazapanes, as galetas e peças de trigo recheadas de frutos secos como os pinhões, as gemas de Santa Tereza e algumas peças de repostaria com nomes típicos das regiões onde elaboram-se.

Durante a ocupação francesa, um grupo de franceses robarão a documentação do Convento de São Benito em Alcántara, levando consigo um recetário que os monges utilizavam para cozinhar.

Entre os pratos que ai expunham estavam a perdiz de Alcántara, os caracoles, a chanfaina e as mormenteras, espécie de rosquilha recheada de amêndoas e mel. Estes pratos passaram fazer parte da gastronomia francesa e poucos sabem que na realidade nasceram nas paredes de um Convento Espanhol mais perto do Portugal que do mesmo Madrid.

Por último, em Madrid pode encontrar uma cozinha nacional e internacional muito variada, caraterística de uma capital mundial, sem que isto impida que tenham suas próprias especialidades como são os buchos e o cozido à madrilenha. A vantagem de assomar-se à cozinha no Madrid reside nesse imenso mirante da Espanha que é esta cidade, com seus espaços para cada uma das particularidades de suas regiões.

Compras

São muitos e variados os produtos caraterísticos das diversas regiões da Espanha. A variedade que a história tem deixado à esta nação obriga à convivência de técnicas e estilos na indústria téxtil, artesanal e de joalheria que refletem-se nos postos e lojas que oferecem suas mercadorias.

Em Madrid, a sua natureza de capital europea exige a convivência de toda qualidade de produtos de origem nacional e estrangeiro. Nas ruas encontrará infinidade de lojas de artesanatos típicos das regiões espanholas, docerias, bodegas, lojas de moda, livrarias, galerias de arte e decoração, enfim, que em Madrid pode encontrar de todo.

Em Galícia, se produz obras de louça e porcelana do tipo industrializado em A Corunha por uma parte, enquanto sobrevive a elaboração de cerâmica mais artesanal em Orense e Brunho de um vidriado amarelado. Podem-se adquirir também peças de cestaria em castanho e aveleira que vem bem à vida doméstica.

O Principado de Astúrias também conta com uma atrativa oferta de cestaria em aveleira e castanho, assim como com peças em madeira, produto dos bosques, que resultam muito atrativas e esconômicas.

Em Vizcaya e Navarra podem-se adquirir as famosas botas para guardar o vinho, elaboradas em couro de vaca e ovelha, assim como peças de tapeçaria variadas e interessantes, uma herança de trabalho com o gado bovino permite que o trabalho em couro seja considerável e econômico.

Em Castela e León encontrará bons vinhos da Beira do Duero, trabalhos em ouro e prata especialmente em filigrana com as caraterísticas típicas da zona, peças de couro como malas e botas que destacam pela beleza na sua cor natural, especialmente em Burgos.

Em Salamanca a tradição campestre e charra oferece excelentes selas de montar em tamanho natural, ou em imitações pequenas do tipo decorativo, Também conta com uma boa mostra de encaixes, capas e bordados assim como de obras em metal que representam instrumentos e utéis antigos.

Zamora e Palencia são famosas pelas cobertas elaboradas em lã pura, com atrativas cores e à preços acesiveis, uma de elas poderia alegrar o inverno por muitos anos.

A Rioja é famosa pelos seus excelentes vinhos, possívelmente os melhores da Espanha, motivo pelo qual convém fazer-se de alguma garrafa para levar para casa no fim da viagem.

Aragón tem uma cerâmicaatrativa que pode desejar levar-se para casa. De influência mudéjar, conserva as cores do Mediterrânio: azul e branco. Por outra parte, em Teruel convém adquirir a cerâmicade matices verdes e violetas caraterística da comunidade.

À seu passo por Castilha La Mancha poderá encontrar formosos trabalhos artesanais, especialmente de cozinha trabalhados em barro: fontes, sopeiras, jarrões, decorados em estilos com reminiscenças da mistura das culturas que habitaram esta zona.

Talavera de la Reina é conhecida pela sua cerâmicaem toms azuis, verdes, amarelos, laranjas e pretos, delicados e encantadores enxovales completos ou peças soltas podem fazer a maravilha de lembrar este lugar para sempre uma vez em casa. Menos conhecida, embora igualmente atrativa, é a cerâmicaem toms verdes de Ponte do Arcebispo na comunidade de Toledo.

Castela La Mancha é também zona de magníficos trabalhos em metais. Encontrará um trabalho de orfevraria que convém levar para casa quanto menos em pequenas mostras: o damasquinado toledano.

Pelas estreitas ruas empedradas de Toledo irão encontrar as brilhantes peças em aço, bronze e ouro como espadas, esculturas, artigos de escritório, relógios e jóias. Uma grande vantagem é que se pode encontrar os mesmos modelos em tamanho natural e em versões medianas e em graciosas miniaturas.

Esta mágica cidade oferece-lhe a possibilidade de conseguir uma armadura com as caraterísticas reais da época, uma espada medieval, um capacete guerreiro e sonhar com o passado ou levar um maravilhoso presente a algúm amigo. Toledo também goza de uma boa reputação em sus encaixos que deslumbram com formas especialmente com motivos geométricos.

Na zona de Cidade Real, especialmente em Almagro, os encaixos cativam pelas formas rebuscadas e delicadas. Albacete oferece uma extraordinária mostra em cutelaria tanto artesanal como industrial e doméstica.

Andaluzia é rica em trajes de algodão e seda, pentes de carei que adornam o traje sevilhano e, é claro, castanholas. As suas mantilhas de seda, algodão e bordados são um trabalho muito fino e atrativo para o visitante pois trata-se de um produto plenamente identificado com o espanhol. As peças téxtis se expressam em frescos lençóis e tapetes de cores vivas em zonas como Nijar, Alpujarras e Cádiz.

No artesanato a abundância de estilos e técnicas fazem-o igualmente variado, é fácil encontrar obras preciosas em cerâmica vidriada de reminiscências árabes, assim como cestas e objetos em vime de alta qualidade.

O couro é outro dos atrativos da zona, especialmente em Córdoba, onde os couros cinzelados e policromados são conhecidos como guadameciles. Nas exclusivas praias como Marbella a oferta em arte e moda é sustancial, chegando as melhores firmas do mercado.

Murcia é a produtora de grande parte das figurinhas típicas dos presépios natalícios trabalhados em barro e cerâmica, pintados com cores brilhantes e atrativos, sendo significativamente tradicionais os de Puente Tocinos ou São Javier. Outro trabalho muito apreciado é o que realiza-se com a seda, de qualidade tão alta e de grande originalidade.

Na Comunidade Valênciana destacam as peças de tapeçaria e o calçado. O vime trabalha-se com grande estilo e podem-se adquirir peças originais e frescas preços atrativos. Em alguns lugares poderá encontrar também originais armas antigas, como arcabuzes e trabucos.

Catalunha é uma zona com certo sotaque francês. O seu principal ênfase está na moda, tanto pessoal como de decoração, os avanços tecnológicos e a leitura. Um bom livro, moderno ou antigo, é uma presente que na Catalunha pode-se adquirir com facilidade e oportunidade. Em Barcelona, sendo uma das cidades mais modernas da Espanha, é possível encontrar a maioria dos produtos que se produzem no país.

Nas ilhas Baleares destacam os produtos relacionados com o mar e são mundialmente famosas as pérolas de Malhorca. Os trabalhos neste material vão desde singelos anéis até complicados e exóticos enfeites combinados com outras pedras preciosas, também é possível a adquisição de peças soltas com as quais armar as criações próprias.

O couro é outro material que trabalha-se abundantemente. A palha e o esparto tem despertado o engenho dos artesões que elaboram preciosas obras de cestaria e móveis leves nestes materiais. Sendo uma zona de muito transito, fundamentalmente europeu, os comércios das ilhas tem-se preocupado por oferecer ao freguês uma extensa gama de produtos de todo tipo e origem, fundamentalmente de moda.

As Ilhas Canárias tem contado com uma grande tradição em trabalho com peças de cestaria, artesanato em madeira e produtos do mar. Também podem adquirir-se delicados e exclusivos bordados em materiais frescos e naturais que irão lembrar sempre a beleza e originalidade deste lugar do mundo.

População e Costumes

A grande tradição histórica que levou Espanha à ser um território conquistado e posteriormente um grande conquistador prevalece no caráter da sua gente. Herdeiros de uma cultura que mistura com alegria religiões e ideologias variadas, que esforçou-se durante séculos para estabelecer uma unidade, os espanhóis tem desenvolvido um marcado acento hospitalero e cordial que defronta-se com uma necessidade auto-protetora de isolamento interior.

De repente são muito europeus com um ar de auto-suficiência e desesperanza, e num instante balançam para o lado vivaz e quente da sua natureza latina e muçulmana desfrutando dos prazeres da vida, sendo hospitaleros e orgulhosos da sua história.

Longos anos de luta pela unidade nacional contrastam com um marcado sentido regionalista que prevalece por cima do nacionalismo caraterístico de outros países. Os espanhóis são primeiro castelhanos, catalães, vascos, andaluzes ou galegos que espanhóis, são primeiro da sua terra que da sua nação, da sua língua regional que do espanhol que orgulha-les perante o mundo como língua prolífica em beleza poética e narrativa.

Este sentido regionalista leva-os à lutar em solidaridade pela conservação das tradições, costumes e história com singular paixão. Cada comunidade, cada província e povoação conservam quase intatas lendas e hábitos da sua época medieval e inclusive da herança romana.

Os espanhóis cuidam do seu passado com tanto fervor que tornam-o presente em cada celebração, em cada repetição oral ou encenada das suas costumes fazendo um constante viagem entre o ontem e o hoje.

Este afão por manter o passado traslada-se à conservação do seu patrimônio histórico físico: igrejas, mosteiros, conventos, becos, praças e casas de personagens que tem deixado pegada à seu passo pela história, são protegidas e mimadas pelo Estado, pero, como se fosse um trabalho exclusivo dos habitantes, grande parte deles deleita-se em conservar os mitos e histórias que dão vida esses lugares e em narrá-los com detalhe aos visitantes quando apresenta-se ocasião.

Perdido nos sôtãos do Escorial ou nas trincheiras do Alcácer em Toledo, por citar exemplos, o visitante que tenha escutado um espanhol narrar a história desse lugar pode chegar sentir a vitalidade de uma época passada, as forças que acumuladas templaram o complexo caráter hispano.

Em soma, o espanhol orgulha-se do seu passado, do seu caráter ferrenho e conquistador e das evidências que o tempo e a história deixaram sob seu cuidado na sua geografía. Como contraste, o presente os angustia, parece-lhes uma inecessária jogada do destino sem frutos, sem visão e nem esperanza pelo futuro.

As crises esconômicas que a Espanha do século XX tem tido que enfrentar fizeram aflorar o outro lado do caráter ibérico que identifica-o mais com os atuais sentimentos geralizados europeus: o lado sem esperanza e sem sonhos, o de proteção excesiva de suas fontes de emprego e a visão, as vezes estranha, de uma competência constante com as outras nações europeas.

Neste sentido, Espanha é um país sombrío cuja taxa de natalidade, sinal da visão popular para o futuro, tem descido quase até o zero, onde os jóvens passam as noites nas ruas e bares à viver sem conviver entre drinques, música e cigarros, onde os habitantes da terceira idade abundam e a solidão mina-lhes a existência sem maiores recursos que as lembranças de tempos mais felizes.

Em térmos gerais o nível de vida é alto e a povoação goza sem grandes esforços de serviços sociais indispensáveis como os de saúde, educação e vivenda. O emprego é escasso, mas existe o seguro de desemprego que permite sobrevivir por um tempo.

Os jovens de 25 à 30 anos são os que com maior dificuldade irão colocar-se no mercado laboral. Porém, a vida mantém para os espanhóis a sua alegria prazenteira na hora do bar, que visitam tão assiduamente como antanho visitaram a igreja: à meia manhã, à meia tarde e pela noite, as tapas variadas de queijo, omelete espanhol, ovo, pressunto, mariscos ou batatas, acompanham essa escapada ao bar na que se bate um papo com os amigos.

E se por uma parte uma capa de desesperanza cobre às novas generações espanholas, por outra mantém-se assombrosamente o humanismo que no século XVI elevaram os filósofos e escritores espanhóis.

Embora que o mundo em geral acha imerso em processos de modificação de hábitos básicos marcados pelas novas formas de trabalho industrial e comercial, na Espanha prevalece o costume de fazer um alto ao mediodía, entre as 14 e as 16 horas para comer em casa com a família, pelas noites, o jantar realiza-se em volta das 22:00 horas para dar passo a uma vida noturna agitada que permite aflorar o lado barulhento do caráter do espanhol.

O comprimento de dois beijos, um em cada face, é talvez a maior cortesia física que os hispanos oferecem sem pudor aos visitantes, com isso revelam que a igualdade abarca aos estrangeiros pois comprimentam igual que aos seus conterrâneos sem nenhum reparo. Porém, outra clase de contatos físicos entre as pessoas reserva-se aos namorados ou os velhos amigos e é inusual que a gente seja muito expressiva neste sentido.

Entre os homems, este contato reserva-se à estreitar as mãos sem muita efusividade. A fala é rápida embora não se tenha pressa e o tom acostuma ser imperativo sem que isso indique superioridade, enojo ou distancia.

Os espanhóis são muito diretos e expressivos verbalmente em suas opiniões e juízos e quem não há entendido previamente pode sentir-se vítima do enfado inexistente do seu interlocutor, por contraste, são redundantes em suas informações e é necessária uma grande dosis de paciência quando trata-se de estabelecer térmos de intercâmbio comercial ou pessoal ou quando solicita-se ajuda e informação.

Um hábito espanhol que de entrada mexe com o visitante, especialmente se não partilha o gosto, é a paixão pelo tabaco. É possível que em nenhúm outro lugar do mundo se fume tão livre e constantemente.

Ainda nos lugares onde proibe-se fumar, de acordo às leis que internacionalmente tem-se tentado impor, os espanhóis fazem por não abandoar este hábito que, mesmo que seja pessoal, pode considerar-se nacional, inclusive nos espetáculos públicos e em alguns programas de T.V., não fique surpreso se aparecer alguma pessoalidade fumando um cigarro.

Para o seu agrado, no caso de ser fumador, o tabaco talvez seja um dos poucos produtos que poderá encontrar sem reparo à qualquer hora do dia ja seja em estancos (tabacarias oficiais do estado), nos bares ou nas numerosas e socorridas máquinas automáticas para isto.

O costume de respeitar os horários para comer, assim como essa paixão e culto que os habitantes da península impoem à sua noite é a causa de que os horários comerciais sejam tão benévolos.

Pelas manhãs não encontrará aberta nenhuma loja, frutaria, mercado ou qualquer serviço antes das 9 da manhã e inclusive talvez deva esperar até as 10, no meio dia a gente retira-se para comer e as lojas e serviços fecham de 14 às 16 ou 17 horas, na tarde, às 20.00 h. começam a ver-se cair as portas dos comércios.

Os únicos lugares que permanecem abertos de maneira continua são os grandes armazéns, geralmente com tendência de mercado estrangeira, os restaurantes e bares.

Entretenimento

A diversidade da península, tanto geográfica como históricamente, gera uma oferta recreativa insuperável. Poucos países tem, num território tão pequeno, uma variedade tão grande de atividades e possibilidades para todos os gostos, idades e econômias.

Se o seu é a ação, encontrará nos parques nacionais como os Picos da Europa, o Parque de Ordesa em Catalunha ou os Pirineos facilidades para praticar o esquí no inverno, ou alpinismo, ou senderismo. Durante o verão as possibilidades ampliam-se à pratica do piragüismo nos numerosos rios que cobrem Espanha, no submarinismo nas grutas da zona cantábrica ou nas praias do Levante e Andaluzia.

O norte oferece com muito as atividades mais rudes e ecológicas da Espanha. O acesso à praias com ondas mais fortes e ventos mais duros, convertem lugares da cordilheira cantábrica no lugar ideal para o surfing ou a navegação à vela com coragem.

As zonas de montanha brindam possibilidades infinitas de diversão no turismo ecológico, fazendo percursos combinados a pé e em todo terreno ou bicicleta pelas margens dos rios e colinas das serras espanholas.

Se as atrações que apasionam-lhe são de caráter primitivo, um percurso pela zona cantábrica para chegar aos dólmenes e às numerosas grutas com restos pré-históricos irão fazé-lo feliz, se continuar pelo Levante encontrará o mesmo contraste climático e visual que os antigos homems da idade de pedra afrontaram, culminando com um bom mergulho nas hipnóticas águas do Mediterrânio.

Os amantes da história e a cultura não terminariam jamais de olhar somente o que Espanha guarda nas cidades. Talvez seja recomendável abarcar por zonas e dirigir-se segundo seja o interesse, por exemplo, se a atração é o mundo árabe, nada melhor que um percurso desde Cádiz até Alicante, onde tem ficado o espírito muçulmano, também pode combinar-se com uma visita à Ceuta e Melilla para entrar num contato mais direto com a atualidade da cultura do deserto e perder-se na contemplação das casas brancas e da cor da areia.

Se por outra parte sonha com reis e princesas, muitas das cidades e vilas espanholas oferecem um encontro com a Idade Media e o Renascimento através dos edifícios e jardins, embora possívelmente o mais recomendável seria chegar-se s zonas do interior em Castilha e León ou em Castilha La Mancha. Perder a noção do tempo viajando pela história é um prazer que na Espanha vale a pena.

Seguir um caminho de tradição religiosa como o Caminho de Santiago por qualquer de suas múltiplas rotas, é atrativo para muitos turistas. As peregrinações esta cidade, especialmente durante o verão, são um encanto aos olhos inclusive dos que não professam alguma religião.

Esse caminho que mantém vestigios do ontem, revela à humanidade no seu ponto mais puro, a sua fé, e permite adentrar-se na mentalidade dos homems daquela época sentindo em parte as ilusões e os desencantos que afrontaram.

Um percurso pelas principais catedrais, conventos e abadias da Espanha pode ser uma aventura para os amantes da arquitetura e a pintura. Dizer isto porque é quase uma norma que as obras mais relevantes deste tipo sejam como o tronco de uma árvore que va somando anéis à sua estrutura na medida que incorporam-se os anos, as grandes obras arquitetônicas da Espanha iniciaram-se na Baixa Idade Média, com um estilo simples e austero e foram modificando-se até a etapa moderna passando por vários estilos que tem ficado na sua estrutura como uma vivência mais do tempo.

O ar misterioso de combinada modernidade e antigüidade colocam-o País Vasco e Cantabria, as suas cidades e vilas oferecem o contraste histórico envolvido na bruma cinzenta das cidades do norte com o espirito celta que permanece escondido, como um gnomo, nas entranhas históricas desta zona.

Lendas antigas como a do Ogro Preto irão assaltá-lo ao acercar-se a sua gente, porque não há que esquecer que os espanhóis relatam gostosos a sua história, especialmente a antiga.

Para os que procuram a modernidade ao completo, as zonas da Catalunha, com Salou e seu parque de diversões Port Aventura ou o Tibidabo em Barcelona, são ideais. Gozar de um espaço de diversão pura, sem necessidade de encobrimentos culturais ou históricos que justifiquem a viagem é uma delicia nestas regiões que combinam a aceleração de suas cidades com a calma dos hotéis e pontos turísticos. Uma traição a esse espirito do século XX poderia justificar-se ao aproveitar e visitar os restos que romanos e cartagineses deixaram nesta zona sem prejuicio do interesse pela modernidade na diversão.

A sofisticação no verão fica nas Ilhas Baleares e Ilhas Canárias. Terra de turistas, as ilhas oferecem uma imelhorável oferta turística e de atrações nos centros noturnos, campos recriativos de golfe, tênis ou infantis.

Com um clima mais quente, não é de estranhar que numerosos europeus procurem estas zonas para bronzear a pele e desfrutar do mar, conhecendo o calor dos nativos. Em Canárias além, podem-se vivir vários sonhos à vez que vão desde a praia, a cidade, a vida noturna até a aventura de cruzar um pequeno deserto à lombos de camelo.

A navegação pelos rios da Espanha conta com o adicional atrativo da proximidade de cidades com encanto. Há numerosas empresas em diversos lugares do país que oferecem curtos percursos em barcos, iates ou em atividades mais pessoais nas que o turista dirige sua própria embarcação. A pesca nos estuários, especialmente no norte, é outra atividade interessante que vale a pena experimentar cuidando sempre que se trate de uma zona autorizada.

Os numerosos museus que cada cidade oferece, por pequena que seja, ficam para recuperar informação e história de uma infinidade de temas. É verdade que a grande maioria de eles são de caráter mobiliário e religioso, mas também há excelentes galerias modernistas, principalmente em Madrid e Barcelona, que geram um impacto profundo ao contrastar seu contenido com a paisagem espanhola cheia de peças antigas.

Existem também os museus temáticos que dedicam-se resgatar informações de um tema geralmente relacionado com a zona, assim como os museus de curiosidades, como o de Naipes em Vitoria. Não esqueça dedicar sempre uma boa quantidade de tempo para eles e considerar que são lugares muito concorridos, motivo que obrigá-lo há fazer fila para obter entradas e para observar o que os museus oferecem.

E se toda esta riqueza não basta para saciar um espirito turista, a vida nas ruas é outro ponto de interesse, com suas lojas e mercados grandes ou pequenos, com sua gente conversando nos terraços enquanto bebe um café, com os bares lotados à meia manhã e meia tarde para comentar o acontecer diario.

Perder-se intencionadamente entre os espanhóis, andar ao lado como um deles é uma aventura em ocasiões mais excitante e inesperada que mergulhar num a gruta pré-histórica ou percorrer os rápidos de um rio.

Nas noites, a vida da oscuridade e luz artificial é tanto ou mais abundante quanto a diurna. Jamais ficará sem lugares onde ir entre bares, discotecas, teatros, cinemas e ruas. Se a noite está terminando, bastarão uns segundos para que o relevo diurno abra suas portas e você possa, se o deseja, continuar de festa. Antes de visitar Espanha, poupe energía, que irá precisar para desfrutar ao máximo da agitada vida da península.

Festividades

Espanha tem-se caraterizado pelos ambientes soleados e o folclore.

Porém, Espanha é também um lugar em perpétua festa onde algumas das celebrações tem atingido fama internacional:

Fevereiro: Na Espanha celebram-se os carnavais em todos os povos e cidades. Os mais interessantes pela sua espetacularidade são os de Cádiz (Andaluzia) e Santa Cruz de Tenerife (Ilhas Canárias).

Março: É o mês das Falhas de Valência (Comunidade Valenciã). Do 12 ao 19 a cidade é invadida por enormes e engraçadas figuras de cartão-piedra, que queimam-se o dia 19.

Abril: A Semana Santa é celebrada no país todo com numerosas processões religiosas de grande tradição e beleza. Destacam as de Sevilha e Málaga (Andaluzia), Valladolid e Zamora (Castilha e León) e Cuenca (Castilha La Mancha). Em Alcoy (Alicante) do 22 ao 24 tem lugar a festa de Moros e Cristãos, na que seus habitantes vestem com trajes de época. Em Sevilha celebra-se a Féria de Abril, onde o vinho de jerez, as sevilhanas e centos de barracos compõem de festa toda Andaluzia.

Maio: O Rocío, uma tradicional processão andaluza, de cavalo e em carroças, até a ermita da Virgem do Rocío em Almonte, Huelva.

Julho: Os São Fermines do 6 ao 14, em Pamplona. Os moços correm perante os touros, pelas ruas da cidade. Uma das cenas mais caraterísticas da Espanha.

Agosto: É o mês da maioria das festas das povoações. Conciertos, quermesses, música e dança em todas as praças da Espanha. Destaca a Festa da Tomatina em Bunhol (Valencia), onde o povo se bate num a batalha com toneladas de tomates maduros.

Outubro: O dia 12, a festa do Pilar, sobre tudo em Zaragoza.

Dezembro: O turrão e os doces colocam sabor às festas natalícias. Sobressaem a celebração da Noite de Natal na Porta do Sol, em Madrid.

Festivais

Festival Internacional de Santander: Julho e Agosto

Festival de Teatro de Mérida. No cenário do teatro romano: Junho-Agosto

Festival Nacional de Teatro Clásico de Almagro: Setembro

Festival de Outono em Madrid: Setembro-Outubro.

Festival Internacional de Cinema de São Sebastião: Setembro

Semana Internacional de Cinema de Valladolid: Outubro.

Festival Internacional de Cinema Fantástico em Sitges: Outubro.

Transportes

Avião

O grupo Iberia é a companhia aérea estatal que cobre todos os enlaces na Espanha e comprende as seguintes linhas: Iberia, Viva Air, Aviaco, Binter Mediterrânio, Binter Canárias, Aerolíneas Argentinas, Austral, Viasa e Ladeco.

Perto de 30 aeroportos na Espanha estão abertos ao tráfico internacional. Os principais aeroportos são o aeroporto Internacional de Barajas, em Madrid e o aeroporto Internacional O Prat em Barcelona.

As principais cidades da Espanha como Bilbao, Sevilha, Zaragoza, Santiago de Compostela, Málaga, Alicante, Valência, Pamplona, Jerez da Fronteira, Santa Cruz de Tenerife, As Palmas de Grã Canária, Ibiza ou Palma de Malhorca estão comunicadas por via aérea com vôos regulares de Iberia. Durante a temporada de verão e Natal proliferam os vôos especiais charter entre as províncias e os destinos turísticos.

Barco

A rede marítima na Espanha, que no passado se convertiu na primeira potência mundial e na grande exploradora, é atualmente muito mais reduzida. Como zona receptora de mercadorias do mundo todo, Espanha segue sendo uma grande poténcia pois sua situação geográfica coloca-la como entrada à Europa continental em todos os sentidos.

No relativo aos barcos como meio turístico, a zona do Mediterrânio é a que mais movimento e possibilidades oferece. Existem com frequência transbordadores e cruzeiros que permitem o deslocamento aos territórios espanhóis para Ceuta e Melilla, com os quais abre-se o horizonte para o continente africano.

Também navegam barcos que realizam com fluidez o trajeto entre a península e as ilhas Baleares (Malhorca, Menorca e Ibiza). Companhias como Transmediterrânea e Costa Cruzeiros oferecem cruzeiros pelo Mediterrânio.

A navegação privada é frequente nas zonas de grande renome turístico como Marbella e a Costa do Sol. Há empresas que alugam botes, barcos e iates por dias e semanas com ou sem tripulação. Na costa cantábrica acontece uma frequente navegação de navios que vão para o norte europeu, especialmente à Inglaterra.

Da Galícia as saídas de barco tem dois destinos em geral: o Nuevo Mundo e Portugal. Há atrativos cruzeiros que percorrem esta zona costeira que une Espanha e Portugal. O resto dos portos são, em geral, zonas de portos pesqueiros, de carrega e para as embarcações de entretenimento.

Trem

Existe uma extensa rede ferroviaria (RENFE, empresa estatal) que une a maioria de vilas e cidades da Espanha. Existem duas qualidades diferentes: primeira e segunda. Por outro lado, pode-se adquirir uma "Tarjeta Turística", que permite a livre circulação sem límite de quilometragem. Está disponível em períodos de 8, 15 e 22 dias.

Além dos trens ordinarios e dos vagões-cama, existe o AVE (trem de alta velocidade) que une as cidades de Madrid e Sevilha. Respeito aos trens turísticos destacam o "Expresso Al-Andalus" e o "Transcantábrico".

Também existem nos períodos turísticos viagens especiais que percorrem uma zona determinada e combinam a impressão da paisagem com a mostra aos passageiros de elementos gastronomicos próprios da região que atravessam, um exemplo disso é o trem Madrid-Aranjuez, ou o que, rememorando tempos de princípios do século leva os turistas por um percurso ao longo do País Vasco, num auténtico comboio antigo acondicionado com as comodidades modernas.

Há linhas que partem e chegam em Madrid, às estações de Atocha, Chamartín ou Príncipe Pío, mas também há linhas que cruzam a península em outros sentidos como o trem que percorre Castelha e León até o País Vasco, ou o que vai de Galícia à Bilbao.

Utilizar este meio de transporte garantiza um serviço comodo, uma vista atrativa. No relativo à paisagem e uma poupança esconômica pois suas tarifas são, pelo geral, mais esconômicas que qualquer outro meio. As passagens preferentemente devem ser compradas com antecedência, especialmente nas temporadas de grande movimento turístico e nos destinos muito solicitados como Madrid.

Ônibus

Dentro do país é a maneira mais popular para deslocar-se. Numerosas companhias oferecem seus serviços e são concessionarias de rotas por zonas segundo as províncias. Os ônibus mantém um estado impecável e contam com variados horários e tarifas entre as cidades capitais e as pequenas cidades no interior.

A maior parte das linhas dispõem de unidades novas provistas de ar acondicionado, serviço de rádio e vídeo. Em algumas ocasiões é necessário trocar de linha comercial, pois se entra em território concessionado a outra companhía. embora esta aparente incomodidade, a segurança no relativo aos horários, preços e datas de saída, assim como a grande oferta comercial é suficiente.

Os preços não guardam estreita relação com as distancias, como poderia supor, mas com as companhias que operem na zona e o grau de trânsito da mesma.

Geralmente é mais barato o trajeto se comprar ao mesmo tempo uma passagem de ida e volta que se faz por separado. É possível datar as passagens de regreso até com um preço de um ano.

Desde Madrid quase podem-se fazer as ligações necessárias para chegar em qualquer lugar da Espanha. O maior inconveniente é a inexistença, como em outros países, de uma central onde chegam todas as linhas provenientes de diversos pontos do país pois cada companhia conta com seu próprio espaço.

Este fato deve levar-se em conta no momento de planejar a viagem já que, tentar fazer um transbordo de uma companhia à outra num dia e hora de tráfico intenso representa considerar um tempo extra para o mesmo.

Os descontos não são a norma neste meio de transporte e reservam-se quase exclusivamente aos pensionistas e jubilados do país.

Existem numerosas companhías, algumas nacionais e outras locais, que ofertam viagens turísticos organizados em ônibus, combinando com atrativas opções de alojamento e alimentação.

As vantagems nestes casos são a economia do tempo em chegar a um destino, o acesso até os lugares turísticos mais representativos e uma economia de recursos considerável com respeito às tarifas regulares das linhas comerciais.

Carro

Espanha conta com uma rede viária de 31.700 Km, dos quais 2.000 correspondem a estradas (pedágio) e autovías.

O carro é um meio amplamente popularizado nas estradas e interiores urbanos da Espanha. Os problemas básicos que enfrenta seu uso são o elevado e flutuante preço das gasolinas e a falta de espaço para estacionar.

Mesmo assim, alugar um carro e deslocar-se nele tem as vantagens da rapidez e a direção do destino com as caraterísticas que o turista queira-lhe imprimir, sem ter que ver-se obrigado às paradas que os ônibus fazem em determinados lugares.

As estradas espanholas tem um magnífico estado em geral. Em todas as estradas e autovias existem zonas de descanso convenentemente sinalizadas junto a bombas de gasolina, lanchonetes, serviços sanitários e pequenas lojas.

Transporte Público

Em Madrid existem várias opções de transportes públicos. O metro liga toda a cidade com dez linhas que funcionam à partir das 6:00 h. até a 1:30 h. O preço por trajeto é acessível embora se reduz bastante se adquire um bono de 10 trajetos.

A maior parte das estações estão ligadas com linhas de ônibus urbanos, de tal jeito que os trajetos resultam comodos e seguros. Uma das principais caraterísticas do Metrô de Madrid é sua direção que resulta contrária da maioria dos Metrôs do mundo: é pela esquerda.

Os ônibus urbanos são de cor vermelha e estão numerados (além dos nomes do princípio e fim da rota) segundo o trajeto que realizam. Nas estações de parada há informação clara do trajeto. São limpos e seguros embora mais custosos e menos funcionais que o metrô.

Se pensa estar muito tempo em Madrid, é conveniente adquirir um bono mensual com o que se pode utilizar o serviço de ônibus e o de metrô. Fora de Madrid, somente Barcelona e Bilbao contam com o serviço do Metrô.

O sistema de bonos e cartões especiais para o transporte utiliza-se em todas as províncias e cidades espanholas e pode-se adquirir nos bancos da localidade, nas próprias estações de ônibus e nas tabacarias. Em todo lugares aparecem marcadas as paradas com postes luminosos ou florescentes bastante visíveis.

Fuera do espaço reservado para isso, é pouco comum que os ônibus parem para recolher passageiros. Há zonas onde um mesmo ônibus muda de rota à partir de uma hora determinada e é necessário preguntar ou ler com atenção as rotas marcadas e é recomendável prover-se de um mapa.

Existe, além, um bom número de linhas ônibus que unem as cidades com as povoações próximas e os suburbios residênciais. Estos tem sus próprios lugares para estacionar e um cor diferente ao das linhas interurbanas. Sua frequência é menor e está em relação com a comunidade que enlazam enquanto que su preço acostuma ser reduzido.

Táxis

As principais cidades contam com o serviço de táxi. Todos dispõem de taxímetro e as tarifas varíam de acordo à distância e ao tempo utilizado. A isto há que somar a "baixada da bandeira" e os suplementos, se procede, aos domingos, do serviço noturno, de aeroporto ou da bagagem.

Os taxis que estão livres circulam com uma luz verde colocada na parte superior do veículo. Não acostuma-se deixar gorjeta.

Fonte: www.rumbo.com.br

Espanha

Clima

Espanha é famosa pela quantidade de dias com sol por ano. Em todo o país o clima tem 4 estações bem diferenciadas. A Primavera e o Outono são as melhores datas para viajar para Espanha.

O tempo muda muito em Espanha. É certo que o sol brilha muitas vezes e as temperaturas variam bastante de uma estação para outra. É melhor que leves roupa adequada para o período em que vais realizar o curso. De seguida damos-te alguns conselhos para seleccionares a roupa que podes trazer:

Verão: O sol é forte em toda a Espanha e faz calor. Em Alcalá e Salamanca, é um calor seco, pelo que à sombra está-se bem. Málaga, como está situada ao lado do mar, permite desfrutar da praia no tempo livre. Necessitarás de roupa leve como por exemplo t-shirts, calções, saias, vestidos leves e um casaco para as noites. As temperaturas oscilam entre 25 e 35º C ou entre 77 e 95º F.

Outono: Em Alcalá de Henares e Salamanca, o clima é muito variável. No entanto há dias com sol e também nublados. Necessitarás de um casaco, um impermeável, um guarda-chuva e camisolas, mas também de algumas t-shirts para o caso de estar sol. As temperaturas oscilam entre 5 e 19º C ou entre 41 e 66º F.

Em Málaga o clima é ensolarado com temperaturas suaves. Às vezes há nuvens mas a maior parte do tempo está sol. Chove poucas vezes. Podes trazer t-shirts e uma camisola ou casaco fino. As temperaturas oscilam entre 15 e 19 º C ou entre 59 e 66º F.

Inverno: Em Alcalá de Henares e em Salamanca o Inverno é frio e às vezes neva um pouco. Necessitas de trazer camisolas grossas e um casacão quente. As temperaturas oscilam entre 2 e 15º C ou entre 35 e 59º F.

Em Málaga o clima é temperado e ensolarado. Durante as noites necessitarás de uma camisola ou um casaco mais grosso. As temperaturas oscilam entre 12 e 15º C ou 54 e 59º F.

Primavera: Em Alcalá de Henares e Salamanca o tempo muda muito. Chove às vezes e quando o céu está nublado faz frio, mas se aparece o sol faz calor. Necessitarás de roupa de Inverno e de Verão. As temperaturas oscilam entre 10 e 21º C ou entre 50 e 70º F.

Em Málaga, o clima é suave e ensolarado. Necessitarás de roupa de meia estação (de Primavera-Verão), mas não te esqueças de trazer algo mais grosso para o caso das temperaturas baixarem durante a noite. As temperaturas são iguais s do Outono.

Moeda e Dinheiro: A moeda de Espanha é o Euro. Os cheques de viagem podem ser cambiados em qualquer banco. Os cartões de crédito Visa, American Express, Mastercard e Diners Club são aceites na maioria dos estabelecimentos.

Se é a primeira vez que vens a Espanha por favor lê atentamente a informação que te facilitamos de seguida sobre o nível de vida e o preço das coisas. Estas indicações ajudar-te-ão a prever o dinheiro necessário para a tua estância.

Recomendamos-te que tragas algum dinheiro para a viagem e um cartão de crédito internacional para poderes levantar dinheiro diretamente durante a tua estância; também podes trazer cheques de viagem.

Por exemplo, podes trazer aproximadamente 90,00 € para os gastos da viagem e para os primeiros dias em Espanha. O dinheiro que irás necessitar durante o teu programa dependerá do tipo de alojamento e do curso que tenhas escolhido.

Se escolheste um curso de Verão com as excursões e atividades culturais incluídas no preço e vives numa família em regime de pensão completa, necessitarás de menos dinheiro do que se escolheste viver num apartamento de estudantes e num curso que não incluí o preço das atividades culturais.

Se vais viver num apartamento recomendamos-te que tenhas previsto um mínimo de 60,00 € por semana.

Preparamos uma lista de preços de alguns artigos e serviços para que os possas comparar com os preços do teu país.

Comer na Espanha - Hábitos culinários

O pequeno-almoço (el desayuno)

Muitas pessoas tomam o pequeno-almoço a meio da manhã num bar ou café e é simplesmente café e bolos. O sumo de laranja natural é também popular e pode pedir-ser na maioria dos cafés.

Não te surpreendas se te oferecerem o sumo com um pacotinho de açúcar. Nas famílias o pequeno-almoço consiste numa chávena de café ou de leite ou de leite com chocolate acompanhado com bolachas, madalenas, pão torrado ou bolos.

Muitos estudantes aproveitam a pausa a meio da manhã para tomar o segundo pequeno-almoço no café porque a hora de almoço é muito mais tarde em Espanha do que noutros países.

O pequeno-almoço espanhol mais tradicional são "churros" ou "porras" com chocolate quente. Prova num café ou numa "churrería" este pequeno-almoço típico, parecido com os donuts, recém fritos todas as madrugada. Se preferires um pequeno-almoço mais forte podes pedir uma tapa de tortilha, uma sanduíche mista ou mista com ovo.

O almoço (la comida)

Em Espanha almoça-se entre as 13:30 e as 16:00 e é a comida principal do dia para os espanhóis. Quase todos os restaurantes têm durante a hora de almoço um menu diário que é mais econômico do que escolher na ementa e pode incluir pratos excelentes.

Um menu diário normalmente consiste num primeiro prato, um segundo e a sobremesa. É possível escolher entre 2 ou 3 opções para cada prato e também incluí pão e vinho ou outro tipo de bebida.

O primeiro prato pode ser tão leve como uma sopa ou uma salada ou tão forte como lentilhas com chouriço. O segundo prato pode ser peixe, carne ou frango. A sobremesa pode ser fruta da época, pudim flan ou tarte.

O vinho que normalmente está incluído no menu não é das melhores marcas e muitas vezes os espanhóis bebem-no misturado com gasosa, bebida ligeiramente doce e refrescante com gás. Claro que é possível pagar mais e pedir uma garrafa de vinho de melhor qualidade.

Ao contrário do que pensam muitas pessoas de outros países não é comum que as pessoas durmam a sesta depois do almoço.

O jantar (la cena)

Os espanhóis jantam bastante tarde em comparação com outros países - entre as 21:00 e as 23:00 - especialmente no Verão ou durante os fins-de-semana. Enquanto alguns jantam comida pesada, outros apenas comem algo leve como umas tapas, salada ou uma sanduíche.

Comer bem e barato

A Espanha tem muito para oferecer aos que querem comer bem sem pagar demasiado. De seguida encontrarás alguns conselhos para provar as comidas típicas. Habitua-te a comer muito na hora de almoço escolhendo entre os restaurantes pequenos que oferecem menu diário por um preço razoável.

Os peixes e os mariscos são mais frescos e baratos do que noutros países europeus. Atualmente Espanha é o segundo país do mundo em consumo de peixe e marisco per capita, depois do Japão. Normalmente as refeições formais ficam mais caras ao jantar do que ao almoço.

Para jantar é mais econômico tomar um copo de vinho ou uma cerveja num bar porque normalmente vêm acompanhados por tapas. É possível provar muitos pratos típicos comendo tapas nos bares. Além disso, não te preocupes se não falas espanhol e não entendes o menu, a maioria dos bares têm as tapas colocadas num mostrador para que apenas tenhas que assinalar a que mais te apeteça.

Gastronomia

A comida espanhola é apreciada e valorizada em todo o mundo pela sua qualidade e pela variedade de produtos e pratos. Em Espanha as diferenças de clima e de estilo de vida fazem com que cada região mantenha por tradição as comidas típicas da zona. As receitas espanholas reinterpretadas por cozinheiros atuais contribuíram para a valorização da cozinha espanhola como uma das mais interessantes do mundo da gastronomia.

Como nota especial, a influência árabe no sul de Espanha nota-se no uso de frutas e vegetais, do azeite, especiarias e determinadas sobremesas de Andaluzia. Dependendo da cidade que escolham, os estudantes têm a possibilidade de provar as comidas regionais como por exemplo o "Cocido Madrileno", o "Cochinillo de Castilla e León", a "Paella de Valencia" ou o "Gazpacho Andaluz".

Cocido Madrileno

Sem dúvida alguma a comida madrilena mais típica é "o Cocido". Em Espanha há muitas variedades deste prato mas basicamente é um guisado de grão-de-bico, repolho, chouriço, morcela, toucinho, recheio de pão e carne de frango, de vitela ou de porco.

Normalmente come-se em primeiro lugar o caldo deste guisado com aletria, como sendo um prato de sopa, em segundo lugar o grão-de-bico e o repolho e em terceiro lugar as carnes e o recheio.

Comidas de Andaluzia

Andaluzia é a terra da vinha e da oliveira. Nesta região produz-se uma grande quantidade de azeite e das uvas com um sabor especial nasce o genuíno vinho "jerez".

Na culinária desta região há uma influência exótica árabe, especialmente nas sobremesas usa-se muito as amêndoas, os figos, as gemas de ovo e os cremes espessos com caramelo.

As tapas são uma tradição em Andaluzia e é muito freqüente que nos bares acompanhem o vinho ou a cerveja com um prato de azeitonas.

Com o descobrimento da América, chegaram a Espanha muitos produtos novos que rapidamente se incorporariam na culinária espanhola e sobretudo na andaluza. Entre os ingredientes novos convém assinalar o tomate e o pimento, que hoje em dia são a base de numerosos pratos tipicamente andaluzes e que atualmente conhecemos com o nome genérico de "gazpachos".

O "gazpacho" (gaspacho) é talvez um dos pratos espanhóis mais conhecidos universalmente pelos estrangeiros.

Em Andaluzia também se come uma grande variedade de peixes e mariscos. As anchovas ("boquerones") cozinham-se de muitas maneiras, sendo algumas das receitas mais típicas as anchovas com limão à malaguenha, as anchovas fritas e as anchovas em vinagre.

Paella de Valencia

A "paella" é talvez o prato mais conhecido da rica e variada gastronomia espanhola. A origem da paella, como também a de todos os pratos da cozinha popular de cada zona, não é mais do que a junção dos elementos que cada povo tinha à sua volta.

Na zona de Valencia há uma rica zona de horta com verduras frescas, assim como frangos e coelhos para o consumo familiar e existe uma zona de arrozais.

Além disso se a isso juntarmos o marisco e o peixe na zona mais costeira, bem como o azeite próprio desta região, teremos todos os ingredientes necessários para que se realizem a maioria das paellas clássicas.

Os dois tipos de paella mais populares são a paella valenciana, uma combinação de arroz, frango, coelho, tomate, feijão verde e açafrão e a paella de marisco, que é feita com arroz e produtos do mar como os chocos, calamares, mexilhões, gambas, lagostins, lagosta, amêijoa, alho, azeite, tomate, colorau e açafrão.

Há muitos mais pratos elaborados com arroz, como o arroz de frango (arroz con pollo) ou o arroz escuro (arroz negro) que é feito com a tinta negra dos calamares. Normalmente a paella cozinha-se num tacho próprio (paellera) ou sertã plana, larga e pouco funda e na maioria dos restaurantes preparam-na para um mínimo de duas pessoas.

Cantábria e Astúrias

A sidra, sumo de maçãs fermentado, é tradicionalmente a bebida preferida desta região. É quase um ritual tomar sidra. Os pequenos grupos de amigos juntam-se em chiges, que são equivalentes às tabernas de vinho, para beberem um copo de sidra.

O escanciador é o mestre que serve a sidra, que tem que a servir esticando o braço com que pega na garrafa por cima da cabeça e esticar o braço com que segura o copo até abaixo e nesta postura deixar cair um jorro de líquido em direção ao copo.

Serve-se apenas uma pequena quantidade e a pessoa que a bebe tem que deixar um pouco de sidra para enxaguar a borda do copo antes de passá-lo à pessoa seguinte.

Nas Astúrias e Cantábria destaca-se também o leite tão bom que produzem as vacas que pastam próximo dos Picos da Europa. Há uma grande variedade de pratos baseados em produtos lácteos como por exemplo sobremesas de arroz doce, queijos como o de Cabrales e boas manteigas.

O queijo de Cabrales é um queijo cremoso elaborado com leite de vaca, ovelha e cabra, envolvido em folhas de castanheiro e guardado em caves úmidas.

A fabada é a rainha da cozinha das Astúrias. É uma sopa feita com feijão, tocinho, morcela, chouriço, presunto, costelas e orelheira de porco.

Se gostas de peixe, as costas rochosas das Astúrias oferecem abundantes meros, tamboris, lagostas, gambás e lagostins. A Caldereta é um ensopado de mariscos e peixes com uma mistura de aromas e sabores. Fabes con almejas é um delicioso guisado de favas com amêijoas.

Castilla e León

A zona desde Castilla-León até Madrid é uma região com numerosos castelos, catedrais majestosas e fortalezas antigas que existem desde a Idade Média. A comida mais típica desta região são os assados de cordeiro e de leitão (cochinillo).

Abrem os cordeiros e os leitões a meio e assam-nos lentamente num forno grande e tradicional a lenha e servem-nos com batatas e pão. A cidade mais famosa para comer estes assados é Segovia, mas também são famosos em Sepúlveda, Ávila e Salamanca.

Outras especialidades típicas desta região são o queijo de ovelha, a morcilla de León (morcela feita de sangue, pão e cebola) ou de Burgos (morcela de sangue e arroz), o chorizo (chouriço) e o jamón serrano (presunto) de Salamanca.

O Hornazo é uma massa de pão com presunto, chouriço e salsichão dentro, típico de Salamanca. Há um cozido especial desta zona que se chama cocido maragato, idêntico ao de Madrid mas servido de maneira diferente.

Galiza

A Galiza (Galicia) está situada a noroeste de Espanha e tem uma costa rochosa espetacular que proporciona um habitat único para os mariscos e o peixe. As vieiras, também designadas como as conchas dos peregrinos, são grandes e muito saborosas.

Podem-se comer diretamente retiradas da água com sumo de limão; assadas nas suas próprias conchas e regadas com o vinho local chamado Albariño das Rías Baixas ou panadas e com especiarias.

Também vale a pena provar as fantásticas percebas e as ostras. Para preparar o Polvo à Galega (Pulpo a la gallega) é necessário golpear primeiro o polvo e cozê-lo para que amoleça, cortá-lo e juntar-lhe sal, azeite e colorau. Serve-se com cachelos, as batatas galegas.

Lacón con grelos, o lacón (que é similar ao presunto mas não é fumado) é guisado lentamente com os grelos. Empada galega (Empanada gallega) é empada com carne, pimento e tomates. Para agüentar o frio duro do Inverno nas montanhas de León e a humidade da Galiza há guisados que aquecem o corpo como o pote galego (pote gallego) com chouriço, morcela, hortaliças, favas brancas e coração de couve.

No final da comida, depois do vinho, bebe-se aguardente, que é um licor forte que se obtém destilando a pele das uvas. Às vezes este licor prepara-se numa caçarola de cerâmica, mistura-se com açúcar e acende-se fogo para queimar o álcool; é típica da Galiza e chama-se Queimada.

Festas e eventos anuais

Janeiro

1 de Janeiro. Ano Novo. Festa familiar para celebrar a entrada do novo ano.

2 de Janeiro: Festa da reconquista em Granada

6 de Janeiro: Dia dos Reis Magos é o dia mais importante do Natal para as crianças espanholas. As crianças deixam os seus sapatos fora para que os Reis Magos metam lá as prendas. Em todas as cidades de Espanha os três Reis desfilam num carro ou num camelo na noite anterior, no dia 5 de Janeiro.

17 de Janeiro: San Antón. Os Madrilenos levam os seus animais de estimação às igrejas para que sejam benzidos.

Festival de Teatro de Málaga. Celebra-se todos os anos entre os meses de Janeiro e Fevereiro. 
Fevereiro

Carnaval. Em quase todas as cidades celebram-se festas com disfarces, sendo as cidades mais famosas Tenerife, Cádiz ou Sitges (Barcelona).

Março

Primeira semana de Março. Rali Internacional de Carros Antigos. Sitges (Barcelona)

19 de Março: Las Fallas de Valencia. Durante esta noite queimam figuras enormes, até 10 metros de altura, feitas de cartão e madeira que ardem até ao mais alto do céu de Valencia. As figuras são representativas e normalmente criticam a atualidade política e social.

Abril

Semana Santa. É a festa espanhola mais piedosa e espetacular. Há procissões religiosas em toda a Espanha, sendo mais famosas em Sevilla, Valladolid, Toledo, Murcia e Cuenca.

El Lunes de Aguas. Em Salamanca. Ocorre na segunda segunda-feira depois do Domingo de Ressurreição. É uma festa tradicional que repete o costume dos estudantes da Universidade de Salamanca que, depois da Quaresma e da Semana Santa, podem voltar a desfrutar da boa comida e boas companhias. É costume ir fazer um piquenique e comer o hornazo.

Mouros e Cristãos em Alcoy (Alicante). Celebra-se desde há mais de duzentos e cinqüenta anos, começando com o vistoso desfiles de Alardos e recordando o sucedido na batalha de 1275 quando os cavaleiros católicos e o seu patrono, São Jorge, reconquistaram a cidade e expulsaram os invasores mouros.

23 de Abril. Dia do Livro. No aniversário da data da morte do escritor Miguel de Cervantes celebra-se o Dia do Livro. As livrarias estão abertas todo o dia e fazem descontos no preço dos livros. Na Catalunha é tradição oferecer um livro e uma rosa aos amigos mais queridos. Em Alcalá de Henares todos os anos no dia 23 de Abril o Rei de Espanha visita Alcalá para fazer a entrega do Premio Cervantes, o ´Nobel´ da literatura mundial escrita na língua espanhola numa cerimônia solene que ocorre no Paraninfo da Universidade. Também neste dia começa uma feira do livro em Alcalá de Henares.

23 de Abril a 4 de Maio. Feria del libro antiguo y de ocasión. Feira do livro antigo que decorre no Paseo de Recoletos de Madrid

23 de Abril. Festa da Comunidade de Castilla e León. Celebra-se a batalha de Villalar ocorrida no dia 23 de Abril de 1521 durante o reinado de Carlos I de Espanha.

Feira de Abril (Sevilha) representa a hospitalidade de Andaluzia. Muitos homens e mulheres vestem durante estas festas os trajes típicos de Andaluzia, dançam sevilhanas e flamenco e montam a cabalo. Esta feira é única pela sua explosão de cor, música e baile.

23 de Abril a 1 de Maio. Festival de Cinema Espanhol de Málaga. Converteu-se num dos festivais de cinema mais importantes e reconhecidos de Espanha.

Maio

1 de Maio. Día de trabajo. Dia do trabalho. 
2 de Maio. Fiestas del Dos de mayo. Dia da Comunidade de Madrid.

Feira do Cabalo em Jerez. Concursos hípicos, corridas de touros, flamenco e baile.

15 de Maio: San Isidro. Duas semanas de corridas de touros em honra do patrono de Madrid. Além disso há concertos, atividades culturais e museus especiais.

20 de Maio. Romería del Rocío en Almonte (Huelva). A Romería é uma procissão andaluza, a cabalo e em carruagens, até à ermitã da Virgem del Rocío em Almonte, Huelva.

Cruces de Mayo. Cruzes de Maio: Há cruzes de flores de grandes dimensões colocadas nas ruas, praças, penhascos, instituições culturais, etc. As mais importantes são as de Córdoba e Granada mas também começam agora a aparecer em Málaga. Além das cruzes também se vêem os pátios, por exemplo em Córdoba, decorados com plantas e flores de cores exuberantes para culminar na Feira de Córdoba.

Finais de Maio. Feira de Córdoba. É uma feira inesquecível com a sua impressionante iluminação noturna e as suas encantadores barracas.

Junho

Princípios de Junho. Feira do livro novo no Parque do Retiro de Madrid.

Meados de Junho - meados de Julho: Festival Internacional de Música e Dança de Granada, com orquestras sinfônicas, companhias de ópera e ballet de todo o mundo para atuar no recinto da Alhambra.

Meados de Junho - meados de Agosto: Festival de Teatro Clássico, celebra-se no Teatro Romano de Mérida (Badajoz), construído no século I A.C. e bem conservado, para apresentar obras Gregas e Romanas em espanhol.

12 de Junho, San Juan de Sahagún. Patrono de Salamanca.

13 de Junho, San Antonio de la Florida (Madrid). Uma festa muito castiça no bairro da Moncloa.

18 de Junho. Festas dos Patronos da cidade de Málaga. San Ciriaco e Santa Paula. Há festas populares nesta data.

24 de Junho. A Noite de São João. Em muitos lugares de Espanha ainda se acendem fogueiras para celebrar o solstício de Verão.

25 de Junho: Corpus Cristi. Corpo de Cristo. celebra-se com procissões magníficas em Toledo e Sitges (Barcelona).

29 de Junho: A Batalha do vinho em Haro (La Rioja). As pessoas atiram umas às outras milhares de litros de vinho delicioso da Rioja. Pode ver-se como a gente usa a bota de vinho como única arma.

Julho

7 de Julho. San Fermines (Pamplona). É uma festa famosa porque soltam os touros pelas ruas de Pamplona (Navarra). Uma semana contínua de festas, beber vinho e espetáculos.

O domingo seguinte ao 16 de Julho. Procissão Marítima das Festas del Carmen. Em Málaga. Ocorre em muitos lugares da costa e também no el Palo. 
25 de Julho. Patrono de Santiago.

Agosto

Muitas Festas locais celebram-se por todo o país em Agosto e Setembro. Concertos, fogos de artifício, feiras para as crianças, música e baile em muitas Plazas Mayores. 
Málaga: Feiras de Málaga por volta do dia 19 de Agosto. Um ambiente de festival com música, corridas de touros, festas e barracas. 
Alcalá de Henares: Festas de San Bartolomé por volta do dia 24 de Agosto. Festas, parque de feira ambulante, teatros nas ruas, fogos de artifício. Eventos especiais celebrados por cada Peña.

15 de Agosto. Dia da Assunção. Festa nacional que se celebra em muitas aldeias e cidades de Espanha.

El Místeri de Elche (Alicante) é a obra mais antiga de teatro religioso da Europa sobre o mistério cristão.

Meados de Agosto: A Semana Grande em San Sebastián com o Festival de Música na rua, fogos de artifício, eventos desportivos e Touros de fogo.

28 de Agosto: Batalha do Tomate cobre todas as ruas de Buñol (Valencia) com tomates.

Setembro

Primeira semana de Setembro: Motin de Aranjuez. Representação com trajes da época do Motin de Aranjuez, sucesso histórico que culminou na Guerra da Independência.

Começam no dia 8 de Setembro. Feiras da Virgen de la Vega. Em Salamanca. Atividades para crianças, danças tradicionais, parque de feira ambulante, teatro, festas e fogos de artifício.

24 de Setembro: La Merced celebra-se em Barcelona com concertos, fogos de artifício e figuras de Gigantes e Cabeçudos.

Outubro

Semana de 9 de Outubro: Jornadas Culturais Cervantinas (Alcalá de Henares) mercado medieval, teatro e música.

12 de Outubro: Festa del Pilar (Zaragoza): As crianças de Zaragoza vestem-se com trajes regionais para as procissões religiosas e a competição do baile de la jota.

Novembro

1 de Novembro: Todos os Santos. Os espanhóis vão aos cemitérios para recordar os familiares falecidos. 
Dezembro

Dezembro

6 de Dezembro: Dia da Constituição.

8 de Dezembro: La Inmaculada concepción

28 de Dezembro. É o dia dos Santos Inocentes. Normalmente fazem-se brincadeiras com mentiras entre amigos (idêntico ao dia das mentiras em Portugal - 1 de Abril). Em Málaga coincide com a Fiesta Mayor de Verdiales. Bandas de músicos e cantores percorrem algumas zonas da cidade. O verdial é, segundo alguns autores, o antecedente "pré-histórico" do flamenco.

Festas de Natal

31 de Dezembro: Noche Vieja, Passagem de ano. Muitos Madrilenos juntam-se na Puerta del Sol para comer as 12 passas, uma por cada badalada da meia noite.

Dados sobre Espanha

Nome completo do país: Reino de Espanha 
Área: 504,784 km quadrados. 
População: 40,5 milhões (nível de crescimento 0,1%) 
Capital: Madrid (população 3 milhões) 
Regiões: Espanha está dividida em 17 comunidades autônomas. 
Nacionalidade: Espanhóis (apesar de que alguns catalães e vascos demonstrem vontade de independência) 
Idiomas: Castelhano (oficial) 74%, Catalão 17%, Galego 7%, Vasco 2% 
Zona horária: GMT/UTC + 1 hora no Inverno ou duas horas no Verão (do último domingo de Março ao último sábado de Setembro) 
Religião: 90% católicos 
Governo: Monarquia constitucional 
Presidente: José Luis Rodríguez Zapatero 
RNB: $720,8 bilhões 
RNB per capita: $18.000 
Crescimento anual: 4% 
Inflação: 2,9% 
Indústrias Principais: Têxteis e roupa, alimentação e bebidas, metais, produtos químicos, construção naval, turismo. 
Mercados Principais: EU (França, Alemanha, Itália, Portugal, Reino Unido, Benelux), E.U.A. 
Membro da U.E.: Sim 
Participante da zona Euro: Sim 
Bandeira: Três franjas horizontais de cor vermelho (superior), amarelo (dobro da largura) e vermelho, com o Escudo no centro da franja amarela; o escudo incluí o selo real encaixilhado pelas Colunas de Hércules, que representa duas montanhas (Gibraltar e Ceuta) uma de cada lado do Estreito de Gibraltar.

Dados para os viajantes

Visas: A Espanha, em conjunto com a Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Itália, Luxemburgo, Holanda, Suécia, Dinamarca, Finlândia, Grécia e Portugal, formam parte dos países do Acordo Shengen, que estabelece a abolição das fronteiras físicas entre os estados membros. Os cidadãos dos E.U.A., Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Israel e Japão são os que podem entrar em Espanha como turistas até 90 dias. Os que possuam passaportes da União Européia podem entrar e sair quando queiram. 
Eletricidade: 220V, 50 Hz. 
Pesos e medidas: Sistema métrico. 
Turismo: 51 milhões de visitantes por ano.

Geografia

A Espanha e Portugal compartem a Península Ibérica, uma área quase quadrada no último canto do sudoeste da Europa. A Espanha ocupa 80% da península e tem quase 505.000 km quadrados o que a converte no país maior da Europa de Oeste, depois da França. Mais de metade do país está sobre planaltos e há cinco sistemas montanhosos importantes.

Com uma altura média de 650 m, é o país mais alto da Europa depois da Suíça. A paisagem é muito variada, desde o deserto de Andaluzia até à terra úmida e verde da Galiza, desde as planícies de Castilla-La-Mancha queimadas pelo sol no Verão até aos Picos da Europa e os Pirineus cobertos de neve.

O ponto mais alto é o Pico del Teide (Tenerife) de 3.719 m. As Ilhas Canárias, situadas no Oceano Atlântico a oeste de Marrocos, formam uma comunidade autônoma que pertence a Espanha.

Melhor período para visitar Espanha

Os melhores meses para visitar Espanha são Abril, Maio, Junho e Setembro (mais Abril e Outubro no Sul). Durante este período está bom tempo, evitando o calor que pode ser excessivo no Verão e o amontoamento de turismo espanhol e internacional.

No entanto, há zonas de Espanha nas quais está bom tempo praticamente todo o ano. O Inverno na costa sul e sudeste é suave e o calor de Verão não é tão intenso no noroeste ou nas praias e montanhas do norte. Se queres conhecer as festas vê a lista de festivais.

Fonte: www.escuelai.com

Espanha

Excetuando Portugal, nenhum outro país europeu conversa tão bem com a alma brasileira quanto a Espanha. Em nenhuma outra parte do Velho Mundo um brasileiro se sente tão em casa. Os espanhóis são um povo festeiro.

A vida noturna começa depois das 22 horas e só termina quando o último freguês vai para casa. Em alguns lugares, não termina nunca como em Ibiza, por exemplo, a mais badalada das Ilhas Baleares.

Banhada pelos mares Mediterrâneo e Cantábrico e pelo Oceano Atlântico, a Espanha tem dois arquipélagos, Baleares e Canárias, e é o terceiro país da Europa em tamanho.

Sua história é uma sucessão de invasões e reconquistas. Gregos e cartagineses foram os primeiros a chegar, mas logo foram substituídos pelos romanos, que, bem depois, cederam o lugar aos visigodos.

Os bizantinos mantiveram controle sobre a costa mediterrânea, mas os mouros levaram a melhor no século 8 e ficaram por lá até o século 11, quando a cristandade reconquistou o território. Essa sopa cultural fez dos espanhóis um povo sui generis.

Eles são anárquicos e ao mesmo tempo conservadores. Modernos e tradicionalistas. Festivos e familiares. Não é por acaso que o brasileiro, igualmente contraditório, se sente tão em casa.

Como nós, eles devotam particular adoração à mesa. Na Espanha tem tira-gostos (os tapas), chope (a caña), botecos em quase toda esquina. Os dias geralmente são quentes e as noites, fresquinhas. Para arrematar, dois trunfos decisivos: a língua, que não cria barreiras, e os preços, que não assustam os viajantes.

A Espanha é uma espécie de nossa casa longe de casa. Desvendá-la é prazeroso como um vinho Rioja.

Fonte: www.viajeaqui.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal