Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Metodologia de Artigo Científico  Voltar

Metodologia de Artigo Científico

ARTIGO CIENTÍFICO - Orientações para sua elaboração

Resumo

O objetivo deste trabalho é orientar acadêmicos e bolsistas de iniciação científica sobre a elaboração de artigos científicos, muito utilizados para divulgação de idéias, estudos avançados e resultados de pesquisa. Com uma organização e normatização própria, o artigo é uma publicação pequena, que possui elementos pré, textuais e pós, com componentes e características específicas. O texto ou parte principal do trabalho inclui introdução, desenvolvimento e considerações finais, sendo redigido com regras específicas. O estilo e as propriedades da redação técnico-científica envolvem clareza, precisão, comunicabilidade e consistência, havendo uma melhor compreensão do leitor. O conteúdo do artigo é organizado de acordo com a ordem natural do tema e a organização/hierarquização das idéias mais importantes, seguidas de outras secundárias. A utilização de normas textuais, redacionais e gráficas, não só padronizam o artigo científico, mas também disciplinam e direcionam o pensamento do autor coerentemente a um objetivo determinado. Palavras-chave: Artigo científico, iniciação científica, metodologia e trabalho acadêmico

01. INTRODUÇÃO

O cientista, o grupo de pesquisa ou o estudioso, investiga, experimenta e produz constantemente conhecimentos na sua área de estudo e outras áreas correlatas, proporcionando relações, comparações, refutações entre conceitos e teorias, colaborando com o avanço da ciência. Esse processo dinâmico de produção científica pode dar-se a nível regional, nacional, e principalmente mundial, exigindo do cientista dedicação e atualização permanente. Entre os procedimentos mais eficazes e rápidos para a divulgação dos resultados de uma pesquisa, ou mesmo para o debate acerca de uma teoria ou idéia científica, a academia utiliza principalmente o artigo científico, o paper, o review, a comunicação científica, o resumo. São veiculados em publicações especializadas como revistas e jornais científicos, periódicos, anais, etc., impressos ou eletrônicos no mundo todo. Atualmente esse formato de publicação científica é maciçamente utilizado pela maioria dos pesquisadores e grupos de pesquisa no mundo, para divulgação de novos conhecimentos e como meio para adquirir notoriedade e respeito dentro da comunidade científica. No entanto, observa-se um grau acentuado de dificuldade, por parte do pesquisador iniciante, na organização e redação dos primeiros artigos técnico-científicos, principalmente em relação a estrutura e organização do texto, colocação das idéias, utilização de certos termos, subdivisão dos assuntos, inserção de citações durante a elaboração do texto, entre outros. Se o texto em questão (com determinadas características para ser científico) for o relatório final de uma pesquisa de campo ou laboratório, terá uma estrutura mais centrada na metodologia, na apresentação e discussão dos resultados, utilizando inúmeros recursos estatísticos disponíveis, como tabelas e gráficos. Mas, muitos artigos acadêmicos são teóricos, e o(s) autor(es) preocupa-se mais com a sua fundamentação referencial, procurando ordena-lo conforme sua linha de raciocínio e acrescentando algumas considerações pessoais. As dificuldades para elaboração de um artigo científico podem ser minimizadas se o autor organizar-se e estiver convencido que o trabalho deve possuir rigor científico. Conforme afirma Ramos et al. (2003, p.15).

Executar uma pesquisa com rigor científico pressupõe que você escolha um tema e defina um problema para ser investigado. A definição dependerá dos objetivos que se pretende alcançar. Nesta etapa você elabora um plano de trabalho e, após deverá explicitar se os objetivos foram alcançados, [...]. É importante apresentar a contribuição da pesquisa para o meio científico. Nesse contexto o presente artigo tem por objetivo orientar os interessados na elaboração de artigos científicos, principalmente acadêmicos de graduação, estudantes de pós-graduação e bolsistas de iniciação científica, facilitando o acesso e expondo alguns conceitos e orientações, dispersos na literatura acerca da elaboração do artigo científico, bem como enriquecendo aspectos sobre as finalidades do artigo, sua redação, organização conceitual, ordenação temática, exposição metódica de informações científicas, bem como suas principais características. Portanto é muito mais um texto didático, que pretende colaborar na aprendizagem dos cientistas que iniciam e possuem diversas dúvidas sobre a elaboração e organização desse tipo de publicação. Inicialmente são discutidos, o conceito, as diferentes classificações e os fins pelos quais são elaborados artigos científicos, em diversos contextos, sendo depois analisadas as características e organização do texto, seus componentes e o estilo redacional recomendado. A uniformização gráfica não está contemplada em função dos objetivos aqui propostos, e porque varia muito de acordo com as normas específicas da instituição ou do orgão que realiza a publicação.

02. O ARTIGO CIENTÍFICO

Elaborar um artigo científico é, num sentido genérico, contribuir para o avanço do conhecimento, para o progresso da ciência. No início, a produção científica tende a aproveitar em grande medida, os saberes e conhecimentos de outros autores, ficando o texto final com um percentual elevado de idéias extraídas de várias fontes (que devem ser obrigatoriamente citadas). Com o exercício contínuo da pesquisa e da investigação científica, consolida-se a autoria, a criatividade e a originalidade da produção de conhecimentos, bem como a síntese de novos saberes.

Como afirma Demo:

A elaboração própria implica processo complexo e evolutivo de desenvolvimento da competência, que, como sempre, também começa do começo. Este começo é normalmente a cópia. No início da criatividade há treinamento, que depois se há de jogar fora. A maneira mais simples de aprender, é imitar. Todavia, este aprender que apenas imita, não é aprender a aprender. Por isso, pode-se também dizer que a maneira mais simples de aprender a aprender, é não imitar. (2002, p.29) É necessário darmos os primeiros passos nesse processo de construção da atitude científica, que é antes de tudo uma postura crítica, racional e intuitiva ao mesmo tempo, que provoca a seu termo, como diz Kuhn (Apud MORIN, 2002), uma série de revoluções desracionalizantes, e por sua vez, cada uma, nova racionalização. Portanto, conhecer a natureza, a estrutura e os mecanismos básicos utilizados na elaboração de artigos, é apropriar-se de um elemento revolucionário, que transforma paradigmas científicos.

2.1. Conceito e finalidade

De acordo com a UFPR (2000b), “artigos de periódicos são trabalhos técnico-científicos, escritos por um ou mais autores, com a finalidade de divulgar a síntese analítica de estudos e resultados de pesquisas” (p.2). Consistem em publicações mais sintéticas, mesmo sendo assuntos bem específicos, com uma abordagem mais “enxuta” do tema em questão, apesar da relativa profundidade na sua análise. Possuem mais versatilidade que os livros, por exemplo, sendo facilmente publicáveis em periódicos ou similares, atingindo simultaneamente todo o meio científico. Como diz Tafner et al. (1999, p.18) “esses artigos são publicados, em geral, em revistas jornais ou outro periódico especializado que possua agilidade na divulgação (grifo meu)”. Por esse motivo, o artigo científico não é extenso, totalizando normalmente entre 5 e 10 páginas, podendo alcançar, dependendo de vários fatores (área do conhecimento, tipo de publicação, natureza da pesquisa, normas do periódico, etc.), até 20 páginas, garantindo-se em todos os casos, que a abordagem temática seja o mais completa possível, com a exposição dos procedimentos metodológicos e discussão dos resultados nas pesquisas de campo, caso seja necessário a repetição da mesma por outros pesquisadores (LAKATOS e MARCONI, 1991; MEDEIROS, 1997; SANTOS, 2000). Além disso, recomenda-se uma determinada normatização para essas publicações, tanto na estrutura básica quanto na uniformização gráfica, como também na redação e organização do conteúdo, diferenciando-se em vários aspectos das monografias, dissertações e teses, que constituem os principais trabalhos acadêmicos. Em geral, os artigos científicos objetivam publicar e divulgar os resultados de estudos: “a) originais, quando apresentam abordagens ou assuntos inéditos; b) de revisão, quando abordam, analisam ou resumem informações já publicadas” (UFPR, 2000a, p.2). Observa-se muitas vezes a utilização de ambas as situações na elaboração dos artigos, onde incluem-se informações inéditas, tais como resultados de pesquisa, juntamente com uma fundamentação teórica baseada em conhecimentos publicados anteriormente por outros ou pelo mesmo autor.

Na maioria dos casos, dependendo da área do conhecimento e da natureza do estudo, encontram-se artigos priorizando a divulgação de:

Procedimentos e resultados de uma pesquisa científica (de campo)

Abordagem bibliográfica e pessoal sobre um tema

Relato de caso ou experiência (profissional, comunitária, educacional, etc.) pessoal e/ou grupal com fundamentação bibliográfica

Revisão bibliográfica de um tema, que pode ser mais superficial ou bem aprofundada, também conhecida como review.

É importante considerar que essas abordagens não se excluem, pelo contrário, são amplamente flexíveis, assim como a própria ciência, podendo na elaboração do artigo científico, serem utilizadas de forma conjugada, desde que resguardadas as preocupações relativas a cientificidade dos resultados, idéias, abordagens e teorias, acerca dos mais diferentes temas que caracterizam o pensamento científico. Uma dos recursos amplamente utilizados atualmente em artigos de periódicos, principalmente nas ciências humanas e sociais é, sem dúvida, o “relato de experiência”, enriquecendo a fundamentação teórica do texto com a própria vivência profissional ou pessoal do autor, sem a formalidade de enquadrar o conteúdo numa metodologia de estudo de caso, que tornaria o trabalho bem mais oneroso. O relato de experiência é a descrição, de maneira mais informal, e sem o rigor exigido na apresentação de resultados de pesquisa, que se incorpora no texto e dá, muitas vezes, mais vida e significado para leitura do que se fosse apenas um texto analítico. Independente do tipo ou objetivo Medeiros (1997) afirma que a elaboração de “um artigo científico exige o apoio das próprias idéias em fontes reconhecidamente aceitas” (p.44). Observa-se, por exemplo, que nas Ciências Naturais o artigo científico é quase que exclusivamente utilizado para apresentação e análise de resultados de pesquisas experimentais, e o review, em função do alto nível de aprofundamento do tema e compleitude na sua abordagem, normalmente é assinado por cientistas conhecidos tradicionalmente na área ou linha de pesquisa em questão. Já nas Ciências Humanas e Sociais, o artigo científico é utilizado para os mais diversos fins, inclusive, sendo comum outras abordagens não mencionadas anteriormente.

2.2. Organização e normatização

Assim como em todo trabalho acadêmico, o artigo científico possui uma organização e normatização própria, que pode ser apresentada da seguinte forma:

Estrutura básica

Uniformização redacional

Uniformização gráfica

Os estudos e publicações científicas, principalmente artigos e monografias, independentes do tamanho, são normalmente redigidos e apresentados com vários aspectos da organização gráfica e redacional semelhantes, podendo ser reconhecidos em todo o mundo científico. Muitos acadêmicos que iniciam na elaboração de trabalhos de pesquisa reclamam do excesso de normas e dos detalhes minuciosos com que devem ser redigidos, considerando um demasiado apego à forma externa, em detrimento do fundo (conteúdo e informações), que é essencial na produção científica. De certa maneira deve-se concordar que as dificuldades para o iniciante em trabalhos técnico-científicos, sejam artigos ou outros trabalhos, são acrescidas em função das regras e normas recomendadas pela academia, podendo no início haver um certo embaraço na atenção e na ordenação das idéias. Mas como sempre acontece com o potencial humano, o exercício e a prática continuada de determinada ação proporciona a destreza, que posteriormente é transformada em ato criativo. Apesar da “flexibilidade” ser pertinente na elaboração e organização de artigos científicos, é necessário que esses textos possuam certas normas, que gradualmente incorporam-se na atitude científica do pesquisador. Neste trabalho, em função dos objetivos propostos inicialmente, serão apresentados apenas os assuntos referentes a estrutura básica e uniformização redacional do artigo científico. A uniformização gráfica, cujas normas variam conforme a instituição que publica, possui ampla abordagem na literatura relacionada a metodologia científica, podendo ser facilmente encontrada.

2.2.1. Estrutura básica

A estrutura básica do artigo científico é a forma como o autor organiza os componentes do texto, da primeira a última página. É a ordenação coerente dos itens e dos conteúdos ao longo da sua redação geral. É a maneira como estruturam-se as partes objetivas/subjetivas, explícitas/implícitas, durante a elaboração do texto científico. Em função do tamanho reduzido recomendado para o artigo científico, a economia e a objetividade são fundamentais na exposição das informações, procurando manter a profundidade do tema, seja na abordagem de teorias ou idéias, seja na análise de resultados de pesquisa e sua discussão. Nesse ponto, a elaboração de artigos técnico-científicos é mais complexa que outros trabalhos acadêmicos, onde há maior liberdade na apresentação e exposição do tema. No artigo científico, o conhecimento e o domínio pelo autor da estrutura básica padrão, é muito importante para a elaboração do trabalho, sendo o mesmo composto de vários itens, e distribuídos em elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais, com seus componentes subdivididos de acordo com o Quadro 1.

QUADRO 1

Distribuição dos itens que compõe o artigo científico em relação aos elementos da estrutura básica

Elementos

Componentes

Pré-textuais ou parte preliminar Título Sub-título (quando for o caso) Autor (es) Crédito(s) do(s) autor(es) Resumo Palavras-chave ou descritores Abstract (quando for o caso) Key-words (quando for o caso)
Textuais ou corpo do artigo Introdução Desenvolvimento Conclusão
Pós-textuais ou referencial Referências

Cada um desses elementos, e seus respectivos componentes, é imprescindível na composição do artigo, apresentando informações e dados fundamentais para a compreensão do trabalho como um todo, sendo muito importante não omiti-los.

2.2.1.1. Elementos pré – textuais

Os elementos pré-textuais, também chamados de parte preliminar ou ante-texto, compõe-se das informações iniciais necessárias para uma melhor caracterização e reconhecimento da origem e autoria do trabalho, descrevendo também, sucinta e objetivamente, algumas informações importantes para os interessados numa análise mais detalhada do tema (título, resumo, palavras-chave). O título do artigo científico deve ser redigido com exatidão, revelando objetivamente o que o restante do texto está trazendo. Apesar da especificidade que deve ter, não deve ser longo a ponto de tornar-se confuso, utilizando-se tanto quanto possível de termos simples, numa ordem em que a abordagem temática principal seja facilmente captada. O sub-título é opcional e deve complementar o título com informações relevantes, necessárias, somente quando for para melhorar a compreensão do tema. Título e sub-título são portas de entrada do artigo científico; é por onde a leitura começa, assim como o interesse pelo texto. Por isso deve ser estratégico, elaborado após o autor já ter avançado em boa parte da redação final, estando com bastante segurança sobre a abordagem e o direcionamento que deu ao tema. Deve ser uma composição de originalidade e coerência, que certamente provocará o interesse pela leitura. Após, o nome do autor vai imediatamente seguido dos créditos, constituindo-se do nome da instituição onde leciona ou trabalha e da sua titulação. Também podem ser citados outros dados relevantes, ficando isto a critério do autor ou da instituição que publica. Quando é mais de um autor, normalmente o primeiro nome é o autor principal, ou 1° autor, sendo sempre citado ou referenciado afrente dos demais. O resumo indica brevemente os principais assuntos abordados no artigo científico, iniciando com os objetivos do trabalho, metodologia e análise de resultados (nas pesquisas de campo) ou idéias principais, encerrando com breves considerações finais do pesquisador. Deve-se evitar qualquer tipo de citação bibliográfica. A Norma Brasileira Registrada (NBR) 6028, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (1987), possui uma normatização completa para a elaboração de resumos. Em seguida, são relacionadas de 3 a 6 palavras-chave que expressem as idéias centrais do texto, podendo ser termos simples e compostos, ou expressões características. A preocupação do autor na escolha dos termos mais apropriados, deve-se ao fato dos leitores identificarem prontamente o tema principal do artigo lendo o resumo e palavras-chave. No levantamento bibliográfico feito através de softwares especializados ou pela internet, utilizam-se em grande escala esses dois elementos pré-textuais. Quando o artigo científico é publicado, em revistas ou periódicos especializados de grande penetração nos centros científicos, inclui-se na parte preliminar o abstract e key-words, que são o resumo e as palavras-chave traduzido para o idioma inglês.

2.2.1.2. Elementos textuais

Considerada a parte principal do artigo científico, compõe-se do texto propriamente dito, sendo a etapa onde “o assunto é apresentado e desenvolvido” (UFPR, 2000a, p.27) e por esse motivo é chamado corpo do trabalho. Como em qualquer outro trabalho acadêmico, os elementos textuais subdividem-se em introdução, desenvolvimento e conclusão ou considerações finais, sendo redigidos de acordo com algumas regras gerais, que promovem maior clareza e melhor apresentação das informações contidas no texto. Na introdução o tema é apresentado de maneira genérica, “como um todo, sem detalhes” (UFPR, 2000a, p.28), numa abordagem que posicione bem o assunto em relação aos conhecimentos atuais, inclusive a recentes pesquisas, sendo abordadas com maior profundidade nas etapas seguintes do artigo. É nessa parte que o autor indica a finalidade do tema, destacando a relevância e a natureza do problema, apresentando os objetivos e os argumentos principais que justificam o trabalho. “Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor” (UFPR, 2000a, p.28).

A introdução deve criar uma expectativa positiva e o interesse do leitor para a continuação da análise de todo artigo. Em alguns textos, o final da introdução também é utilizado pelo autor para explicar a seqüência dos assuntos que serão abordados no corpo do trabalho. O elemento textual chamado desenvolvimento é a parte principal do artigo científico, caracterizado pelo aprofundamento e análise pormenorizada dos aspectos conceituais mais importantes do assunto. É onde são amplamente debatidas as idéias e teorias que sustentam o tema (fundamentação teórica), apresentados os procedimentos metodológicos e análise dos resultados em pesquisas de campo, relatos de casos, etc. Conforme a UFPR (2000b, p.27) “o desenvolvimento ou corpo, como parte principal e mais extensa do artigo, visa expor as principais idéias. É [...] a fundamentação lógica do trabalho”. O autor deve ter amplo domínio sobre o tema abordado, pois quanto maior for o conhecimento a respeito, tanto mais estruturado e completo (dir-se-á “amadurecido”) será o texto. De acordo com Bastos et al. (2000) organização do conteúdo deve possuir uma ordem seqüencial progressiva, em função da lógica inerente a qualquer assunto, que uma vez detectada, determina a ordem a ser adotada. Muitas vezes pode ser utilizada a subdivisão do tema em seções e subseções. O desenvolvimento ou parte principal do artigo, nas pesquisas de campo, é onde são detalhados itens como: tipo de pesquisa, população e amostragem, instrumentação, técnica para coleta de dados, tratamento estatístico, análise dos resultados, entre outros, podendo ser enriquecido com gráficos, tabelas e figuras. O título dessa seção, quando for utilizado, não deve estampar a palavra “desenvolvimento” nem “corpo do trabalho”, sendo escolhido um título geral que englobe todo o tema abordado na seção, e subdividido conforme a necessidade.

A conclusão é parcial e a última parte dos elementos textuais de um artigo, e deve guardar proporções de tamanho e conteúdo conforme a magnitude do trabalho apresentado, sem os “delírios conclusivos” comuns dos iniciantes, nem os freqüentes exageros na linguagem determinística. Comumente chamado de “Considerações finais”, em função da maior flexibilidade do próprio termo, esse item deve limitar-se a explicar brevemente as idéias que predominaram no texto como um todo, sem muitas polêmicas ou controvérsias, incluindo, no caso das pesquisas de campo, as principais considerações decorrentes da análise dos resultados. O autor pode nessa parte, conforme o tipo e objetivo da pesquisa, incluir no texto algumas recomendações gerais acerca de novos estudos, sensibilizar os leitores sobre fatos importantes, sugerir decisões urgentes ou práticas mais coerentes de pessoas ou grupos, etc. Como lembram Tafner et al. (1999) a conclusão “deve explicitar as contribuições que o trabalho alcançou, [...] deve limitar-se a um resumo sintetizado da argumentação desenvolvida no corpo do trabalho, [...] devem estar todas fundamentadas nos resultados obtidos na pesquisa” (p.46). Sugere-se que cada componente dos elementos textuais em um artigo científico tenham um tamanho proporcional em relação ao todo, conforme explicitado na Tabela 1.

TABELA 1 – Proporcionalidade de cada elemento textual em relação ao tamanho total do corpo ou parte principal do artigo científico

n.º Elemento textual Proporção

01

02

03

Introdução

Desenvolvimento

Conclusão ou Considerações finais

2 a 3/ 10

6 a 7/ 10

½ a 1/ 10

  Total

10/ 10

2.2.1.3. Elementos pós – textuais

Na elaboração de qualquer trabalho acadêmico, os elementos pós-textuais, compreendem aqueles componentes que completam e enriquecem o trabalho, sendo alguns opcionais, variando de acordo com a necessidade. Entre eles destacam-se: Referências, Índice remissivo, Glossário, Bibliografia de apoio ou recomendada, Apêndices, Anexos, etc. No artigo científico utiliza-se obrigatoriamente a Referência, que consiste no “conjunto padronizado de elementos que permitem a identificação de um documento no todo ou em parte” (UFPR, 2000a, p.37). Com maior freqüência é utilizada a lista de referências por ordem alfabética (sistema alfabético) no final do artigo, onde são apresentados todos os documentos citados pelo autor. Menos comum, também pode-se optar pela notação numérica, que utiliza predominantemente as notas de rodapé na própria página onde o documento foi citado. Existem normas para utilização de ambas, disciplinadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, e periodicamente atualizadas.

2.2.2. Uniformização redacional

2.2.2.1. Organização do texto científico

“Considerada por muitos uma etapa extremamente difícil, vale lembrar que, para escrever textos técnicos, segue-se basicamente o mesmo raciocínio utilizado para sua leitura.” (SANTOS, 2000, p.89) Da mesma forma como se faz o fichamento e o esquema na leitura técnica, a grande maioria dos pesquisadores e estudiosos que elaboram textos científicos, utilizam-se previamente de um planejamento ou esquema (esqueleto) montado a partir de leituras, observações e reflexões, através de técnicas apropriadas, como o fichamento, as listas de assuntos, o brainstorming. A organização coerente desse plano de conteúdos deve respeitar os objetivos do trabalho e a ordenação natural do tema, pois dessa forma, conforme afirma Medeiros (1997) não se repetem idéias e nem deixa-se nada importante de lado. “A redação inicia-se pela ‘limpeza’ (seleção) dos dados; segue-se a organização dos blocos de idéias; faz-se a hierarquização das idéias importantes. Agora as informações estão prontas para serem redigidas.” (SANTOS, 2000, p.91) Sugerindo a utilização de outros recursos, principalmente eletrônicos, na redação do texto científico, Máttar Neto (2002) sugere que não seja realizada a etapa inicial de livre associação de idéias, como no brainstorming, mas sim utilizado o sumário nos processadores de textos no computador (Microsoft Word, por exemplo), evitando o caos na fase inicial da redação. [...] método do sumário tende a preservar tanto a possibilidade da livre associação quanto da ordenação, do começo ao final da redação do texto. Do nosso ponto de vista, o caos deve estar pré-ordenado, desde o início, e, com o sumário, o espaço para o caos fica preservado, até o final do processo [...]. (MÁTTAR NETO, 2002, p.175) Qualquer conteúdo que se queira divulgar por intermédio de um artigo científico, seja o resultado de uma pesquisa, uma teoria, uma revisão, etc., possui um certo grau de dificuldade, em função do espaço pequeno para o desenvolvimento das idéias. Por isso, Medeiros (2000) sugere que a apresentação do texto deve ser clara, concisa, objetiva; a linguagem correta, precisa, coerente, simples, evitando-se adjetivos inúteis, repetições, rodeios, explicações desnecessárias.

2.2.2.2. Redação técnico-científica

O estilo da redação utilizada em artigos científicos é chamado técnico-científico, “diferindo do utilizado em outros tipos de composição, como a literária, a jornalística, a publicitária” (UFPR, 2000c, p.1). Com características e normas específicas, o estilo da redação científica possui certos princípios básicos, universais, apresentados em diversas obras, principalmente textos de metodologia científica, que colaboram para o desempenho eficiente da redação científica.

Com fins didáticos, será apresentado em forma de quadro explicativo, as principais informações e princípios básicos sobre o estilo da redação técnico-científico, baseando-se em três referências bibliográficas que tratam do tema. Bastos et al. (2000) estruturam os princípios básicos da uniformização redacional em quatro itens indispensáveis: “clareza, precisão, comunicabilidade e consistência” (p.15).

QUADRO 2 – Descrição dos princípios básicos da redação técnico-científica segundo Bastos et al.(2000)

Característica

Descrição

Clareza -         não deixa margem a interpretações diversas;

-         não utiliza linguagem rebuscada, termos desnecessários ou ambíguos;

-         evita falta de ordem na apresentação das idéias;

Precisão -         cada palavra traduz exatamente o que o autor  transmite;
Comunicabilidade -         abordagem direta e simples dos assuntos;

-         lógica e continuidade no desenvolvimento das idéias;

-         uso correto do pronome relativo "que";

-         uso criterioso da pontuação;

Consistência -         de expressão gramatical - é violada quando, por ex., numa enumeração de 3 itens, o 1° é substantivo, o 2º uma frase e o 3º um período completo;

-         de categoria - equilíbrio existente nas seções de um capítulo ou subseções de uma seção;

-         de seqüência - ordem na apresentação de capítulos, seções e subseções do trabalho;

A UFPR (2000c) descreve as características da redação técnico-científica em diversos princípios básicos, sendo os principais apresentados no Quadro 3.

QUADRO 3

Descrição dos princípios básicos da redação técnico-científica segundo UFPR(2000c)

Característica

Descrição

Objetividade e coerência -         abordagem simples e direta do tema;

-         seqüência lógica e ordenada de idéias;

-         coerência e progressão na apresentação do tema conforme objetivo proposto;

-         conteúdo apoiado em dados e provas, não opinativo;

Clareza e precisão -         evita comentários irrelevantes e redundantes;

-         vocabulário preciso (evita linguagem rebuscada e prolixa);

-         nomenclatura aceita no meio científico;

Imparcialidade -         evita idéias pré-concebidas;

-         não faz prevalecer seu ponto de vista;

Uniformidade -         uniformidade ao longo de todo texto (tratamento, pessoa gramatical, números, abreviaturas, siglas, títulos de seções);
Conjugação -         uso preferencial da forma impessoal dos verbos;

Santos (2000) estabelece o estilo e as propriedades da redação científica, enumerando várias características importantes para cada tipo, sendo os principais apresentados no Quadro 4.

QUADRO 4

Descrição dos princípios básicos da redação técnico-científica segundo Santos(2000)

Tipo Característica Descrição
Estilo da redação Brevidade Concretude   Consistência Impessoalidade   Precisão   Simplicidade -         afirmativas compactas e claras; -         evita substantivos abstratos e sentenças vagas; -         usa termos correntes e aceitos; -         visão objetiva dos fatos, sem envolvimento pessoal; -         usa linguagem precisa (correspondência entre a linguagem e o fato comunicado); -         texto sem complicações e explicações longas;
Propriedades do texto Clareza Coerência Direção   Objetividade Seletividade -         redação clara, compreendida na 1ª leitura; -         as partes do texto são interligadas; -         indica o caminho que vai seguir (unidade de pensamento); -         imparcialidade na redação; -         prioriza conteúdos importantes;

03. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O artigo científico, assim como outros tipos de trabalhos acadêmicos, abordam temas teóricos de pesquisa, revisões bibliográficas, pesquisas de campo, e tem a finalidade de comunicar ao mundo científico os conhecimentos elaborados a partir dos critérios da ciência. A elaboração de qualquer artigo deve respeitar uma organização própria, constituída de uma estrutura básica, uma uniformização redacional e uma gráfica, que somadas formam o conjunto de normas recomendadas para este tipo de publicação. A estrutura básica do artigo científico é composta dos elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais, subdivididos em vários componentes e contendo informações imprescindíveis para o entendimento do tema, da sua fundamentação e da autoria do trabalho. A elaboração e o desenvolvimento do texto no artigo científico requer a definição e o entendimento exato do tema e sua ordenação natural, a organização e a hierarquização interna das idéias principais e secundárias, e a compreensão acerca da necessidade de uma linguagem simples e concisa devido ao tamanho pequeno recomendado para o artigo. A redação técnico-científica desenvolvida no texto do artigo possui características de estilo e propriedade próprias, como clareza, precisão, comunicabilidade e consistência, possibilitando a compreensão exata e objetiva por parte do leitor e a economia de espaço, sem perder a qualidade na comunicação das idéias. A utilização de normas e diretrizes para elaboração e apresentação de artigos científicos, além de padronizar o formato geral e a organização do texto, são fundamentais para construção gradativa do pensamento científico do autor, estabelecendo parâmetros individuais seguros na abordagem e análise de temas e problemas científicos. Este artigo foi elaborado para orientar acadêmicos e iniciantes na atividade de produção do conhecimento, reforçando conceitos e pressupostos científicos, propondo normas já de domínio da ciência e organizando alguns procedimentos utilizados na redação de textos técnico-científicos.

Gilberto J.W.Teixeira

04. REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: resumo. Rio de Janeiro, 1987.
BASTOS, Lília et al. Manual para elaboração de projetos e relatórios de pesquisa, teses, dissertações e monografias. 5ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 5ª ed. Campinas: Autores Associados, 2002.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina Andrade. Fundamentos da metodologia científica. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1991.
MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo: Saraiva, 2002.
MEDEIROS, João B. Redação Científica: a prática de fichamentos, resumos e resenhas. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1997.
MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 6ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
RAMOS, Paulo; RAMOS, Magda Maria; BUSNELLO, Saul José. Manual prático de metodologia da pesquisa: artigo, resenha, monografia, dissertação e tese. Blumenau: Acadêmica, 2003.
SANTOS, Antônio. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 3ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
TAFNER, Malcon; TAFNER, José; FISCHER, Julianne. Metodologia do trabalho acadêmico. Curitiba: Juruá, 1999.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR). Normas para apresentação de documentos científicos: teses, dissertações, monografias e trabalhos acadêmicos. Curitiba: UFPR, 2000a. v.2.
______. Normas para apresentação de documentos científicos: periódicos e artigos de periódicos. Curitiba: UFPR, 2000b. v.4.
______. Normas para apresentação de documentos científicos: redação e editoração

Fonte: www.serprofessoruniversitario.pro.br

Metodologia de Artigo Científico

Para a elaboração do artigo científico, é necessário seguir orientações conforme adaptação das Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas para Trabalhos Acadêmicos NBR`s 6022/1994, 6023/2002 e 10520/2002.

1. Fonte Arial

2. Papel formato A4: 210mm X 297mm.

3. Margens

3.1 Superior 3cm

3.2 Inferior 2cm

3.3 Esquerda 3cm

3.4 Direita 2cm

4. Espacejamento: entre linhas e entre parágrafos é 1,5

5. Parágrafos: justificados

6. Numeração de páginas: no canto superior direito iniciando na introdução do trabalho

7. Estruturas de parágrafos: iniciar sempre o parágrafo com uma tabulação para indicar o início (apor um recuo no começo do parágrafo).

8. Tamanho da fonte

8.1 No título do artigo (em letras maiúsculas) = 12

8.2 No nome do(s) autor(es) = 10;

8.3 Na titulação (nota de rodapé) 10;

8.4 No resumo = 10;

8.5 Nas palavras-chave = 12;

8.6 Na redação do texto (introdução, desenvolvimento e conclusão) = 12;

8.7 Nas citações longas = 10

8.8 Nas referências = 12.

9. Citação

9.1 Destacar a fonte em negrito itálico, quando citação breve de até três linhas no mesmo parágrafo;

9.2 Utilizar um recuo maior do parágrafo, quando citação longa, com tamanho da fonte 10, aplicar espaço simples no parágrafo (não é necessário negrito nem itálico) no parágrafo;

9.3 Atentar para NBR 10520/2002;

9.4 Apor o sobrenome do autor, ano da publicação da obra e número da página.

Título do Artigo (Modelo de estrutura)

(APOR O NOME DO TEMA ABORDADO; CENTRALIZADO EM LETRAS MAIÚSCULAS; TAMANHO DA FONTE 12)

Apor dois espaços 1,5

Resumo: elaborar um resumo para convidar o leitor para a leitura do artigo, um parágrafo estruturado de cinco a dez linhas, sobre o tema indicando os objetivos do estudo desenvolvido com espaço entre linha simples; tamanho da fonte 10; com parágrafo justificado.

Apor dois espaços 1,5

Palavras-chave: escolher entre três e cinco palavras importantes sobre o tema que foi desenvolvido, e apor como palavras-chave do artigo (fonte 12; espaço entre linhas 1,5; parágrafo justificado).

Apor dois espaços 1,5

Iniciar a redação sobre o tema com estruturação de parágrafos, introdução, desenvolvimento e conclusão de forma clara e ortograficamente correta. (tamanho da fonte 12; espaço entre linhas 1,5; parágrafos justificado).

Apor dois espaços 1,5

Iniciar em ordem alfabética as Referências, conforme modelo e adaptação da NBR 6023/2002.

O artigo é uma pequena parcela de um saber maior, cuja finalidade, de um modo geral, é tornar pública parte de um trabalho de pesquisa que se está realizando.

São pequenos estudos, porém completos, que tratam de uma questão verdadeiramente científica, mas que não se constituem em matéria para um livro.

Estrutura do Artigo

1. PRELIMINARES

Cabeçalho – Título (subtítulo) do trabalho

Autor(es)

Crédito dos autores (formação, outras publicações)

2. RESUMO DO TEXTO

3. PALAVRAS-CHAVE

4. CORPO DO ARTIGO

Introdução – apresentação do assunto, objetivos, metodologia

Corpo do Artigo – texto, exposição, explicação e demonstração do material; avaliação dos resultados

Conclusões e comentários – dedução lógica

5. PARTE REFERENCIAL

Referências bibliográficas Apêndices ou anexos

Obs. O Artigo Científico requisitado pelo curso de Psicanálise à Distância do CAEEP deve conter entre 3 a 4 páginas, no máximo. Deve ser redigido em fonte arial 12.

Referências:

D’ONOFRIO, Salvatore. Metodologia do trabalho intelectual. 2a.ed. São Paulo: Atlas, 2000. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade.

Fundamentos de metodologia científica. 4a. ed. São Paulo: Atlas, 2001 SANTOS, Antônio Raimundo dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 4a.. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001

Finalidade de um Artigo Científico

Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna.

Servir de medida da produtividade (qualitativa e quantitativa) individual dos autores e das intituições a qual servem.

Servir de medida nas decisões referentes a contratação, promoção e estabilidade no emprego.

É um bom veículo para clarificar e depurar suas idéias.

Um artigo reflete a análise de um dado assunto, num certo período de tempo.

Serve de meio de comunicação e de intercâmbio de idéias entre cientistas da sua área de atuação.

Levar os resultados do teste de uma hipótese, provar uma teoria (tese, trabalho científico).

Registrar, transmitir algumas observações originais.

Servir para rever o estado de um dado campo de pesquisa.

ARTIGOS DE PERIÓDICO

Artigos de periódico são trabalhos técnico-científicos, escritos por um ou mais autores, com a finalidade de divulgar a síntese analítica de estudos e resultados de pesquisas. Formam a seção principal em periódicos especializados e devem seguir as normas editoriais do periódico a que se destinam.

Os artigos podem ser de dois tipos:

a) originais, quando apresentam abordagens ou assuntos inéditos;

b) de revisão, quando abordam, analisam ou resumem informações já publicadas.

ESTRUTURA

A estrutura de um artigo de periódico é composta de elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.

1. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

1.1 Cabeçalho

O cabeçalho é composto de:

a) título do artigo, que deve ser centralizado e em negrito;

b) nome do(s) autor(es), com alinhamento à direita;

c) breve currículo do(s) autor(es), a critério do editor, que pode aparecer no cabeçalho ou em nota de rodapé.

1.2 Agradecimentos

Agradecimentos são menções que o autor faz a pessoas ou instituições das quais eventualmente recebeu apoio e que concorreram de maneira relevante para o desenvolvimento do trabalho. Os agradecimentos aparecem em nota de rodapé na primeira página do artigo ou no final deste.

1.3 Resumo

Resumo é a apresentação concisa do texto, destacando seus aspectos de maior relevância.

Na elaboração do resumo, deve-se:

a) apresentar o resumo precedendo o texto, e escrito na mesma língua deste;

b) incluir obrigatoriamente um resumo em potuguês, no caso de artigos em língua estrangeira publicados em periódicos brasileiros;

c) redigir em um único parágrafo, em entrelinhamento menor, sem recuo de parágrafo;

d) redigir com frases completas e não com seqüência de títulos;

e) empregar termos geralmente aceitos e não apenas os de uso particular;

f) expressar na primeira frase do resumo o assunto tratado, situando-o no tempo e no espaço, caso o título do artigo não seja suficientemente explícito;

g) dar preferência ao uso da terceira pessoa do singular;

h) evitar o uso de citações bibliográficas;

i) ressaltar os objetivos, os métodos, os resultados e as conclusões do trabalho;

l) elaborar o resumo com, no máximo, 250 palavras.

O resumo é denominado abstract, em inglês, resumen, em espanhol, résumé, em francês, riassunto, em italiano e Zusammenfassung em alemão. Não deve ser confundido com o sumário.

MODELO DE PRIMEIRA PÁGINA DE ARTIGO (EXEMPLO)

QUALIDADE NA SEGURANÇA DO ACERVO NA BIBLIOTECA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – ESTUDO DE CASO

Angela Pereira de Farias Mengatto1

Eliane Maria Stroparo1

Eutália Cristina do Nascimento Moreto1

Luzia Glinski2

Sílvia Dambroski Marcon2

Tania de Barros Bággio1

RESUMO

Demonstra a experiência de implantação do Sistema de Segurança “3M Tatte-Tape” na Biblioteca de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Paraná.

Através da metodologia aplicada constatou-se que houve redução significativa da perda de livros e nos custos, sendo necessário, porém, a adoção de outras medidas, para que se possa estabelecer um nível satisfatório no item “Qualidade na Segurança do Acervo”.

Palavras-chave: Livros – Furto; Bibliotecas – Furto de livros, Bibliotecas – Medidas de segurança.

1 INTRODUÇÃO

Este trabalho propõe-se a relatar a experiência de implantação de um sistema de segurança na Biblioteca de Ciência e Tecnologia (BCT), integrante do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Instalada em 1965, a biblioteca atende atualmente a treze cursos de graduação e onze de pós-graduação, possuindo um acervo de 49.216 volumes de livros e 3.636 títulos de periódicos e multimeios.

Bibliotecária do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Paraná – UFPR.

f. 2000, Curitiba, v.1, n.1, p.12-27. jan./jun. 1999

fonte: http://www.paratexto.com.br

1.4 Palavras-chave

Descritores (ou palavras-chave) são termos ou frases representativas dos assuntos tratados no artigo, apresentados em uma relação de até sete palavras, e que aparecem obrigatoriamente depois do resumo, precedidos da expressão Palavras-chave.

Recomenda-se a consulta a tesaur de áreas específicas.

2. ELEMENTOS TEXTUAIS

São os elementos que compõem o texto do artigo. Dividem-se em introdução, desenvolvimento e conclusão.

2.1 Introdução

A introdução expõe o tema do artigo, relaciona-o com a literatura consultada, apresenta os objetivos e a finalidade do trabalho. Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor.

2.2 Desenvolvimento ou Corpo

O desenvolvimento ou corpo, como parte principal e mais extensa do artigo, visa a expor as principais idéias. É, em essência, a fundamentação lógica do trabalho.

Dependendo do assunto tratado, existe a necessidade de se subdividir o desenvolvimento nas etapas que seguem.

2.2.1 Metodologia

Metodologia é a descrição precisa dos métodos, materiais, técnicas e equipamentos utilizados. Deve permitir a repetição do experimento ou estudo com a mesma exatidão por outros pesquisadores.

2.2.2 Resultados

Resultados são a apresentação dos dados encontrados na parte experimental. Podem ser ilustrados com quadros, tabelas, fotografias, entre outros recursos.

2.2.3 Discussão

Restringe-se aos resultados do trabalho e ao confronto com dados encontrados na literatura.

2.3 Conclusão

A conclusão destaca os resultados obtidos na pesquisa ou estudo. Deve ser breve, podendo incluir recomendações ou sugestões para outras pesquisas na área.

3. ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO

3.1 Citações

Citação é a menção no texto de informação extraída de outra fonte para esclarecer, ilustrar ou sustentar o assunto apresentado.

Devem ser evitadas citações referentes a assuntos amplamente divulgados, rotineiros ou de domínio público, bem como aqueles provenientes de publicações de natureza didática, que reproduzem de forma resumida os documentos originais, tais como apostilas e anotações de aula.

As citações são diretas (transcrição literal de um texto ou parte dele) ou indiretas (redigidas pelo autor do trabalho com base em idéias de outros autores) e podem ser obtidas de documentos ou de canais informacionais (palestras, debates, conferências, entrevistas, entre outros). As fontes de que foram extraídas as citações são indicadas no texto pelo sistema da ABNT.

3.2 Notas de Rodapé

Notas de rodapé são indicações bibliográficas, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou editor.

Fonte: paginas.terra.com.br

Metodologia de Artigo Científico

1. Finalidade de um Artigo Científico

Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna.

Servir de medida da produtividade (qualitativa e quantitativa) individual dos autores e das intituições a qual servem.

Servir de medida nas decisões referentes a contratação, promoção e estabilidade no emprego.

É um bom veículo para clarificar e depurar suas idéias.

Um artigo reflete a análise de um dado assunto, num certo período de tempo.

Serve de meio de comunicação e de intercâmbio de idéias entre cientistas da sua área de atuação.

Levar os resultados do teste de uma hipótese, provar uma teoria (tese, trabalho científico).

Registrar, transmitir algumas observações originais.

Servir para rever o estado de um dado campo de pesquisa.

2. ELEMENTOS TEXTUAIS

São os elementos que compõem o texto do artigo. Dividem-se em introdução, desenvolvimento e conclusão.

2.1 Introdução

A introdução expõe o tema do artigo, relaciona-o com a literatura consultada, apresenta os objetivos e a finalidade do trabalho. Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor.

2.2 Desenvolvimento ou Corpo

O desenvolvimento ou corpo, como parte principal e mais extensa do artigo, visa a expor as principais idéias. É, em essência, a fundamentação lógica do trabalho.

Dependendo do assunto tratado, existe a necessidade de se subdividir o desenvolvimento nas etapas que seguem.

2.2.1 Metodologia

Metodologia é a descrição precisa dos métodos, materiais, técnicas e equipamentos utilizados. Deve permitir a repetição do experimento ou estudo com a mesma exatidão por outros pesquisadores.

2.2.2 Resultados

Resultados são a apresentação dos dados encontrados na parte experimental. Podem ser ilustrados com quadros, tabelas, fotografias, entre outros recursos.

2.2.3 Discussão

Restringe-se aos resultados do trabalho e ao confronto com dados encontrados na literatura.

2.3 Conclusão

A conclusão destaca os resultados obtidos na pesquisa ou estudo. Deve ser breve, podendo incluir recomendações ou sugestões para outras pesquisas na área.

3. ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO

3.1 Citações

Citação é a menção no texto de informação extraída de outra fonte para esclarecer, ilustrar ou sustentar o assunto apresentado.

Devem ser evitadas citações referentes a assuntos amplamente divulgados, rotineiros ou de domínio público, bem como aqueles provenientes de publicações de natureza didática, que reproduzem de forma resumida os documentos originais, tais como apostilas e anotações de aula.

As citações são diretas (transcrição literal de um texto ou parte dele) ou indiretas (redigidas pelo autor do trabalho com base em idéias de outros autores) e podem ser obtidas de documentos ou de canais informacionais (palestras, debates, conferências, entrevistas, entre outros). As fontes de que foram extraídas as citações são indicadas no texto pelo sistema da ABNT.

3.2 Notas de Rodapé

Notas de rodapé são indicações bibliográficas, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou editor.

Artigo com Qualidade

Correção de estilo

Correção gramatical

Correção de leiaute

Correção de integridade

Técnica de escrita

Observações Gerais Para a Escrita de Artigos

Prepare-se. Planeje o que vai escrever.

Mantenha registros de tudo o que faz: notas de suas idéias, documentação de programas, notas de aulas, notas sobre artigos que lê, etc. 

Eleja alguém para ler seu artigo na versão preliminar. O trabalho de revisão é essencial.

Mantenha um estilo.

Correção x Comunicação: manter equilíbrio.

Pense na audiência:

                     Teor e ênfase
                     Linguagem
                     Formalismo

Não tente dizer muito em seu artigo. Fixe-se na estória principal e somente inclua o que for essencial a ela. Guarde o resto para um outro artigo. 

O leitor de texto técnico não espera floreios de estilo. Se os encontra, em geral não os aprecia. 

O leitor espera por um texto fácil de ler. Mais do que isso, tem direito a um texto bem escrito.

O requisito crucial de uma publicação científica é integridade.

Integridade: rígida aderência a um código de valores; probidade.

Para assegurar integridade: a intenção do autor; o processo de revisão do periódico, a revisão geral da comunidade de pares do autor; os comitês de revisão encarregados de avaliar o trabalho do autor para empregos, promoções e bolsas; o leitor em geral.

Conclusão

Deve apresentar as conclusões tiradas do trabalho desenvolvido e apresentar sugestões de trabalhos futuros e problemas ainda não reslovidos.
Esta seção deve iniciar com uma breve sentença introdutória amarrando a seção com o problema declarado na introdução, se ou não o problema inteiro foi resolvido.
É desejável acrescentar uma sentença ou duas sobre tais limitações (se não resolvido por inteiro), como por exemplo pelo método usado ou pela amplitude do estudo.
Conclusões devem ser escritas de maneira a ser compreensível para alguém que não tenha lido o corpo do trabalho.
Conclusões específicas são apresentadas no tempo passado: coisas foram achadas...
Conclusões mais gerais no tempo presente: elas deveriam ser feitas e o que acontecerá se forem.
Como regra geral, não inclua argumentos na declaração de uma conclusão. Se argumento ou justificativa é necessária, ela deveria estar em texto precendente ou em discussão que acompanhe a conclusão.
Não inclua material novo nas conclusões: todo material do qual conclusões e recomendações são derivadas deveria estar no corpo do artigo.

Reconhecimento de colaborações e revisões

Assegure-se que o devido crédito seja dado a todos que tenham ajudado na preparação do artigo, alguém que tenha contribuido com idéias, outros que tenham lido e comentado o rascunho, etc.

Lembre-se de agradecer fontes de apoio tais como órgão financiadores ou patrocinais e apoio de recursos que são usados em pesquisa etc.

Citações e referências

Deve-se seguir as instruções para os autores da publicação alvo. Caso contrário seguir as normas da ABNT. 

É muito importante relacionar o seguinte:

* Artigos semanais para o assunto foco do artigo
* Artigos recente.

Os trabalhos anteriores publicados sobre o mesmo tema devem ser objeto de referências bibliográficas explícitas,  quando necessário para por em evidência o progresso que os novos trabalhos e resultados apresentam para o conhecimento do tema. 

As referências devem estar atualizadas até a data da apresentação dos originais.

Deve-se mencionar trabalhos publicados e de acesso público.

Deve-se evitar referência a comunicações e documentos particulares de difusão limitada (acesso limitado): entrevistas ou comunicações privadas. 

Citação no texto pode consistir no nome do autor (ou autores) e o ano de publicação.

Cada citação deverá corresponder a uma entrada na lista de referências bibliográficas, que começará com o nome dado na citação. 

Ordem preferencial das entradas na lista: ordem alfabética e cronológica quando se refere a mais de uma obra do mesmo autor. 

Cada entrada na lista de referência deve corresponder a pelo menos uma citação no texto.

Evitar notas de rodapé exceto nos casos da primeira página e para reconhecer marcas registradas. 

Cite todas as fontes de citações literais (o contrário é plágio!).

Cite todas as fontes originais de fatos, idéias ou métodos particulares diretamente atribuíveis a um indivíduo ou  fonte específicos, se ou não eles estão apresentados via citações literais (o contrário é plágio). 

Não cite as fontes de informação que sejam largamente conhecidas e aceitas em seu campo e que são disponíveis de muitas fontes independentes. 

Evitar, sempre que possível, pois não é boa prática científica, citar fontes secundárias (uma que faz citações literais de ou apresenta a sua versão dos fatos da fonte original). 

Fonte: www.inf.ufsc.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal