Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Normas Gerais de Revisão  Voltar

Normas Gerais de Revisão

ABREVIATURAS OU SIGLAS

Na primeira citação no texto, devem ser traduzidas, a não ser que sejam de uso corrente na área de conhecimento em questão. Escreve-se o nome por extenso e depois a sigla entre parênteses.

Abreviaturas ou siglas estrangeiras

Usa-se a forma original, sem tradução, exceto nos casos de uso consagrado.

Abreviaturas de locuções técnicas e comerciais

Usam-se apenas as iniciais, maiúsculas e sem pontos.

Abreviaturas com redução do vocábulo

Dr., Dra., Sr., Sra., Prof., Profa., Exmo., Ilmo.

Siglas de até três letras, silabáveis ou não – Escrevem-se as iniciais, maiúsculas e sem pontos (ONU, FMI, CEE).

Siglas silabáveis, com quatro letras ou mais – Escreve-se apenas a primeira letra, maiúscula (Ipea, Celg, Petrobras, Unicef).

Siglas não-silabáveis

Escrevem-se as iniciais, maiúsculas e sem pontos (INPS, RFFSA, DNOCS).

Siglas oficiais

Usa-se a grafia convencionada, transcrevendo-se maiúsculas, minúsculas, acentos e pontos (MAer, CNPq, UnB, DOI-Codi).

Abreviaturas com corpo elevado ou rebaixado – 1.o , 1.a , cm³ , O2, n.°

AGRADECIMENTOS

Preferencialmente, deve vir dentro do texto de apresentação ou do prefácio, e não em página própria.

ALINHAMENTO

O normal é não haver um espaço maior entre os parágrafos, a não ser como recurso proposital para dar mais destaque a cada parágrafo, arejar ou ampliar a página ou aumentar o número de páginas.

APRESENTAÇÃO

O próprio autor ou outra pessoa apresenta o livro ou fatos relativos a ele.

ASPAS

Simples

Usam-se para citação dentro da citação, quando esta não tem margem recuada.

Dupla

Usadas em empréstimos, realces e citações com menos de três linhas; quando completam texto do autor, fecham antes do ponto final ou vírgula; quando encerram texto citado de terceiro, ainda que iniciado por minúscula, mesmo depois de dois pontos, fecham depois do ponto final

ASTERISCOS

Devem ser evitados. Para identificar os autores, em obras de autoria coletiva, escrevem-se os nomes, seguidos de dados pessoais, no rodapé da página inicial.

CITAÇÕES

Marcadas com aspas, quando dentro do texto, ou com margem recuada e corpo um ponto menor, redondo, quando tiverem mais de três linhas. São identificadas pelo nome do autor em maiúsculas e minúsculas, ano de publicação e página citada, entre parênteses, no final da citação (evitar remeter para nota de rodapé ou notas de final de capítulo). Não se abre parágrafo nas citações recuadas. Quando as reticências estão no meio da citação, ficam entre colchetes. Na citação, tudo que não é do autor vem entre colchetes. Nas citações dentro do texto, o ponto final vem após os parênteses, não no final da frase, após as aspas. Nas citações com margem recuada, o ponto vem no final da frase, não após os parênteses.

CONTRACAPA

Texto opcional rápido e objetivo, a critério da editora. Não pode repetir o texto da orelha.

COORDENADOR

Trabalha junto com os autores. Define os temas, coordena a edição e também escreve, participando da obra como autor.

COPYRIGHT

Deve constar na parte superior do verso da folha de rosto, em decorrência de contrato, para resguardar o direito autoral.

CORPO DO TEXTO

Atualmente não é menor que 11 (11/12 ou 11/13). A leitura fica melhor em corpo com serifas. Texto vazado não deve ter serifas. Nos textos com maiúsculas, usam-se corpos 10/10 ou 10/11.

CRIVO

Verificação final da obra, conferindo e padronizando todos os seus componentes: capa, lombada, contracapa, orelha; falsa folha de rosto, verso da falsa folha, folha de rosto, verso da folha de rosto, epígrafe, agradecimentos, apresentação, sumário, prefácio; títulos e intertítulos de capítulos, corpos e fontes, grafias das palavras, destaques, uso de negrito, itálico e aspas; notas de rodapé, notas de final de capítulo e sua marcação no texto; figuras, tabelas, gráficos e quadros; referências. Utilizar o Check-List da Editora.

DATAS

Quando completas, no corpo do texto: 2 de março de 1986 (preferencialmente) ou 2/3/1986. Quando se indicam apenas mês e ano: março de 1986. Quando indicadas numericamente em publicações internacionais: 1986.03.02. Em notas e nas referências, usam-se as formas abreviadas do mês: mar. 1986.

DÉCADAS

Década de 1940 (preferencialmente) ou anos 40.

DEDICATÓRIA

Opcional, em página própria, ímpar.

DESTAQUE

Para destaques nos textos, evitar o uso de negrito. Preferir aspas ou itálico (que deve ser empregado com moderação). Nos destaques com maiúsculas, usar small.

EDITORAÇÃO

Edição

Conjunto de exemplares de um livro, impressos a partir de uma mesma matriz, com ISBN próprio.

Primeira edição

Primeira publicação de um original. Em caso de tradução, a edição mencionada deve corresponder à da obra traduzida e não à do original.

Reedição

Edição diferente da anterior, seja por modificações feitas no conteúdo ou na forma de apresentação do livro (edição revista, ampliada, atualizada etc.), seja por mudança de editor. Cada reedição recebe um número de ordem: 2.ª edição, 3.ª edição etc.

Reimpressão

Nova impressão de um livro, sem modificações no conteúdo ou na forma de apresentação, exceto as correções de erros de composição ou impressão.

Tiragem - Quantidade de exemplares de cada edição.

ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Posfácio. Apêndices e anexos. Glossário. Índices. Suplemento ou adendo. Colofão.

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Falsa folha de rosto. Folha de rosto. Dedicatória. Agradecimentos. Epígrafe. Sumário. Lista de ilustrações. Lista de quadros e tabelas. Lista de reduções. Prefácio.

ELEMENTOS TEXTUAIS

Texto. Referências. Elementos de apoio ( notas, citações, tabelas e quadros, fórmulas, ilustrações).

EMPATIA

Evitar postura de simpatia ou antipatia em relação ao texto que está sendo revisado. O revisor deve ter isenção, evitar envolvimento emocional. Deve intervir no texto apenas no que está objetivamente errado.

EPÍGRAFE

Citação, com indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do livro. Pode constar das páginas capitulares.

ESTILO

Desvio da norma, com intenção estética. Deve ser recorrente em toda a obra, a ponto de identificar o autor. Jargão profissional e redação pessoal não são o mesmo que estilo.

ETC.

Forma abreviada de et coetera (“e outras coisas mais”). A tendência atual é não usar vírgula antes do termo, nem o “e”, que já está implícito na abreviatura.

FALSA FOLHA DE ROSTO

Opcional, situada antes da folha de rosto. Traz o título da obra e, eventualmente, o subtítulo (diferenciado tipograficamente).

FALSA FOLHA (VERSO)

Numinata (expediente da UFG e da Editora).

FIGURA, TABELA, QUADRO e GRÁFICO

No texto, escrever por extenso, com maiúsculas e minúsculas e com algarismos arábicos: Figura 1, Tabela 9 etc. Nas tabelas e quadros, o título vem em cima, em maiúsculas e minúsculas. Nas figuras, o título vem em baixo, junto com a legenda. Escreve-se a legenda com corpo claro e redondo, sem ponto final. De preferência, tabelas e quadros são abertos nas laterais. Deve-se citar a fonte e evitar excesso de traços. Tabela é uma relação de dados. Quadro apresenta dados comparativos.

FOLHAS DE GUARDA

Folhas dobradas ao meio e coladas no começo e no fim do livro, para prender o miolo às capas duras. Também chamadas guardas.

FOLHA DE ROSTO

Traz elementos da capa (autor, título e subtítulo diferenciados tipograficamente), coleção, logotipo da Editora da UFG, local e data.

FOLHA DE ROSTO (VERSO)

Traz copyright, reserva de direitos, n.º da edição e ano, capa e ilustração da capa, tradutor, ficha catalográfica (sem título) com o ISBN, endereço da Editora e ano de publicação.

INTRODUÇÃO

Feita pelo autor, coordenador ou organizador da obra, introduz o leitor ao texto.

ISBN

Sigla de International Standard Book Number. Indicativo numérico utilizado internacionalmente para identificação de livros.

ISSN

Sigla de International Standard Serial Number. Indicativo numérico utilizado internacionalmente para identificação de publicações seriadas, como revistas e jornais. .

ITÁLICO

Recurso usado para destaque nos seguintes casos:

Títulos de livros, trabalhos monográficos, jornais, revistas, discos, CDs, DVDs, filmes, peças musicais e teatrais, óperas, programas de rádio e tv, pinturas e esculturas, nomes de embarcações.

Palavras ou frases em língua estrangeira (em relação à utilizada no texto).

Obs.:

Em publicações especializadas, como revistas técnicas, de economia, de artes, de medicina, de antropologia, etc., em que se supõe a familiaridade do leitor com os termos estrangeiros usados normalmente na forma original como expressões correntes da nomenclatura específica do assunto tratado, não serão grifados os termos estrangeiros considerados peculiares à terminologia técnica da especialidade a que se dedica a publicação em questão; porém, os termos que não façam parte dessa terminologia específica devem ser grifados.

Destaque de palavra ou frase, em uma fala, que o interlocutor acentua com certa ênfase.

Obs.: Para realce de palavras ou expressões, usam-se também aspas duplas.

Destaque e atenção especial para um termo ou expressão a que se atribui particular importância no contexto.

Destaque para o fato de que uma determinada palavra está grafada propositadamente de modo não-convencional.

Em textos teatrais, para destacar instruções do autor (rubricas), ao longo do texto.

Em biologia, para escrever o gênero, a espécie e a subespécie, caso existente, de animais e plantas da classificação sistemática. Os nomes da família e do autor vêm em corpo normal. (Paullinia cupana H. B. K. var. sorbilis (Mart.) Ducke – guaraná; Talisia esculenta (St. Hil.) Radlk – pitomba).

INTERTÍTULOS

Preferir a hierarquização gráfica dos títulos das partes componentes do capítulo.

LEGENDA

Frase explicativa de foto ou ilustração. Não tem ponto final, exceto em comentários com mais de um período.

LOMBADA

O título deve vir de cima para baixo.

MAIÚSCULAS

Usam-se para nomes próprios, vocábulos a que o autor deseja dar destaque especial ou palavras iniciais de parágrafos, períodos, versos (uso clássico) e citações textuais (transcrições de períodos em sua íntegra). Os nomes próprios podem ser classificados em:

Acepção especial

Usam-se sempre maiúsculas nos seguintes casos:

Nomes de eras, períodos e épocas geológicas (era Cenozóica, período Pré-Cambriano, o Pleistoceno).

Designação de reinos, divisões, classes, subclasses, ordens, famílias e gêneros, em botânica e zoologia. Em textos científicos, os nomes da classificação sistemática costumam vir em latim.

Disciplinas de currículo acadêmico (Música, Pintura, Química, curso de Direito, aula de História).

Nomes de instituições religiosas (Igreja, Santa Sé, Sinagoga).

Nomes de documentos e atos do poder público, em textos oficiais (Estatuto da Microempresa, Consolidação das Leis do Trabalho etc.). Leis e decretos escrevem-se com minúsculas, a não ser que tenham um nome ou número (Lei 4.260, Lei Afonso Arinos, Lei do Uso do Solo).

Nomes de instituições públicas (Executivo, Congresso, Ministério da Saúde, Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, Fundação Nacional do Índio). Escrevem-se com maiúsculas também Estado, quando designa o conjunto de poderes políticos de uma nação (golpe de Estado, Estado de direito); República, quando substitui Brasil (presidente da República); União, no sentido de poder central, associação dos estados federativos (estados da União).

Em livros de antropologia e etnologia há regras específicas para a grafia de nomes, que devem ser usadas com critério em textos que não pertençam a essas áreas. Nomes de nações indígenas são grafados com maiúsculas e sempre no singular (os Xavante, os Apache, os Zulu).

Antropônimos

Nomes e sobrenomes (Jorge Benjor, Edu Lobo).

Cognomes (Henrique, o Navegador; Ricardo Coração de Leão).

Alcunhas e apelidos (Zezé, Tonho, Sete-Dedos).

Antonomásticos (Patriarca da Independência, Águia de Haia). Quando usados como simples formas retóricas, os antonomásticos devem ser escritos com minúsculas (As águias de Haia não sobrevoam o cerrado).

Pseudônimos (Tristão de Athayde, João do Rio).

Nomes dinásticos (os Braganças, os Cardosos). Em nomes que designam dinastias em formas adjetivas, usam-se minúsculas ( A dinastia dos carolíngios).

Personagens literários fictícios (Pierrô, Dom Quixote). Quando não se trata da personagem em si, mas do seu significado simbólico, devem-se usar minúsculas (Valente como um dom quixote).

Entidades astronômicas

Escrevem-se com maiúsculas os nomes de estrelas, planetas, satélites, cometas, constelações e galáxias, sempre que designam entidades siderais. Assim, grafam-se diferentemente: eclipse do Sol e banho de sol; crateras da Lua e fases da lua; diâmetro da Terra e viagem por terra.

Entidades míticas

Escrevem-se sempre com maiúsculas as expressões que designam a divindade (Deus, Cristo, Buda, Jeová, o Pai, o Todo-Poderoso); anjos bons e maus (Gabriel, Miguel, Belzebu, Lúcifer); e entidades míticas (Zeus, Hermes, Negrinho do Pastoreio, Xangô). Escrevem-se, porém, com minúsculas, os nomes de entidades mitológicas coletivas (faunos, ninfas, sereias).

Santo e outras expressões hagiológicas (são, venerável, beato, profeta etc.) vêm grafados com maiúsculas quando precedem imediatamente o nome que qualificam (Santa Maria, São Paulo, Profeta Elias).

Escreve-se a palavra Virgem, com maiúsculas, em todas as expressões que designam a mãe de Jesus; o mesmo vale para todas as expressões similares (Maria Santíssima, Nossa Senhora, Santa Mãe de Deus).

Usam-se maiúsculas nas expressões antonomásticas referentes aos santos (Santa Catarina, Virgem e Mártir; São Paulo, o Apóstolo dos Gentios), bem como nos apelidos de alguns deles (São João Batista, São João Evangelista).

Intitulativos

Escrevem-se com maiúsculas os nomes de empresas e estabelecimentos comerciais, industriais, bancários, médicos e educacionais; entidades políticas, culturais, sociais, esportivas e religiosas; associações de classes e repartições públicas; marcas comerciais patenteadas e nomes atribuídos a veículos; nomes de obras literárias ou artísticas, publicações periódicas, trabalhos avulsos e partes de um trabalho; nomes de cavalos de corrida, animais de raça, de circo, de zoológico e domésticos de estimação.

Usam-se minúsculas com as marcas comerciais já tornadas substantivos comuns (dose de martini, roupa de tergal, tratamento com terramicina).

Fatos históricos

Escrevem-se com maiúsculas as datas, eras e fatos históricos notáveis (7 de Setembro, Queda da Bastilha, Era Vitoriana, Idade Média, Revolução Cubana, Êxodo, Abolição da Escravatura).

Festividades

Escrevem-se com maiúsculas os nomes das festas e comemorações civis, religiosas e tradicionais (Natal, Quaresma, Dia do Trabalho, Dia das Mães, Carnaval, Semana Santa). Festas populares e pagãs, entretanto, são grafadas com minúsculas (bacanais, bumba-meu-boi, congada).

Regiões

Escrevem-se com maiúsculas as regiões em que o país e as unidades federativas estão divididos (Região Sul, Região Nordeste, Sudoeste Goiano); também nos EUA, escreve-se o Leste, o Oeste; a mesma regra vale para regiões importantes do ponto de vista histórico, econômico ou político (Oriente Próximo, Oriente Médio, Leste Europeu, Extremo Oriente, Oriente e Ocidente).

Reverência

Usam-se maiúsculas para tratamento de reverência nos seguintes casos:

Tratamento direto ou indireto a soberanos (Vossa Majestade, Vossa Alteza, Sua Alteza).

Tratamento ao papa, cardeais e bispos (Vossa Santidade, Vossa Eminência Reverendíssima, Sua Excelência Reverendíssima).

Tratamento ao presidente da República, ministros, governadores, senadores, deputados, secretários estaduais, reitores, juízes , altas patentes militares e demais cargos da hierarquia civil e militar (Vossa Excelência, Excelentíssimo Senhor, Magnífico Reitor, Meritíssimo Juiz, Vossa Senhoria).

Títulos nobiliários, eclesiásticos e honoríficos (senhor, sir, lorde, dom, cardeal, monsenhor, comendador, conde, príncipe, sultão etc.) são grafados com maiúsculas somente quando o título acompanhar o nome pelo qual a pessoa é conhecida (Visconde de Taunay, Duque de Caxias, Dom Sebastião). Normalmente, os títulos são grafados com minúsculas. Fórmulas respeitosas informais (senhor, doutor, dona, professor) são grafadas com maiúsculas apenas nas formas abreviadas (Dr. Antonio, Sr. Hélio, Prof. Moura).

Topônimos

Locais da geografia política; divisões territoriais, administrativas e urbanas; locais históricos e sítios arqueológicos, são escritos sempre com maiúsculas.

Acidentes geográficos ou topográficos e vias ou logradouros públicos escrevem-se com maiúsculas (Lagoa Santa, Cabo Frio, Mata Atlântica, Praça da República).

No caso de expressões adjetivas acrescentadas aos nomes de acidentes geográficos, para indicar localização, jurisdição política ou outra característica, usam-se minúsculas (alto Nilo, Andes equatorianos, Alpes franceses).

Escrevem-se, por exemplo, Reino do Afeganistão, República Popular da China ou China Comunista; mas escrevem-se, por outro lado, os reinos europeus, as repúblicas socialistas, o bloco comunista, a Europa ocidental.

No caso de divisões das Forças Armadas, grafa-se a expressão toda com maiúsculas (Segunda Região Militar, Quarta Zona Aérea, Sexto Distrito Naval).

Normalmente, porém, escreve-se o distrito naval, a zona aérea, a região militar do Rio etc.

MINÚSCULAS

Usam-se iniciais com letras minúsculas nos seguintes casos:

Doutrinas, religiões, correntes e escolas filosóficas, artísticas e literárias (marxismo, catolicismo, cubismo, impressionismo).

Substantivos próprios tornados comuns, inclusive os nomes compostos ligados por hífen (Uma eva sedutora; castanha-do-pará; palma-de-santa-rita).

Nomes dos pontos cardeais, quando não indicam regiões (De norte a sul).

Depois de dois pontos que não precedem citação direta (Digo e repito: não sou candidato).

Depois de pontos de interrogação e exclamação, quando têm a função de vírgula ou travessão (Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?; ? Entendeste-me? disse ela).

Na designação das profissões e dos ocupantes de cargos (O professor Hélio, a princesa Anne, o presidente Itamar).

NEGRITO

Deve ser usado com moderação, para não carregar demasiadamente o texto. Ao autor é permitido, em determinados casos e sem exagero, utilizá-lo como recurso estilístico. Na dúvida, não utilizá-lo ou lançar mão de aspas ou itálico.

NOTAS

Usar corpo menor que o do texto. No rodapé da página, de preferência, para facilitar a leitura.

NUMERAÇÃO

A contagem das páginas começa pela falsa folha de rosto, se houver essa página. Não são numeradas a folha de rosto e a falsa folha (anverso e verso), bem como as páginas da epígrafe e da dedicatória e as capitulares.

NUMERAIS

A escrita dos numerais, elemento controverso nos meios editoriais, deve seguir as normas adotadas até o limite do bom senso, evitando-se interferências ao eficaz entendimento do texto, segundo sua natureza e a situação em que estão sendo empregados. Deve-se, portanto, respeitar a utilização estética do algarismo, ou de sua forma escrita, pelo autor, sobretudo em textos de cunho literário.

Em textos hieráticos, dogmáticos, solenes, altamente formais (convites e participações relativos a acontecimentos sociais), literatura requintada, poesia, canções, títulos de obras literárias, de artes plásticas ou de episódios históricos, os cardinais e os ordinais devem ser escritos por extenso.

Excetuam-se os casos em que o número representa data ou qualquer outra expressão normalmente escrita em algarismos, ou quando se trata de títulos assim grafados pelos que os cunharam (Revolução de 9 de Julho; 2001, uma odisséia no espaço; 1984).

Os cardinais, assim como os ordinais, quando expressos por uma só palavra, são grafados por extenso. Em caso de leis e seus artigos, parágrafos e alíneas, grafam-se os numerais com algarismos.

No mesmo parágrafo, quando houver números expressos por uma palavra e por mais de uma, usam-se somente algarismos.

Não se inicia frase com algarismo, mas sim com o número por extenso.

Quando expressam dados de problemas estatísticos e matemáticos, medições específicas e de caráter preciso expressas em unidades de padrão internacional, porcentagens e valores semelhantes, deverão ser grafados em algarismos arábicos quando estiverem acompanhados do respectivo símbolo de medida, integrando textos de caráter científico, técnico ou didático.

Valores monetários são grafados com algarismos arábicos acompanhados dos respectivos símbolos das moedas – R$ 20,00 , US$ 5 milhões

Os sinais que expressam porcentagens ou unidades de medida de temperatura serão grafados sempre juntos com os algarismos que os antecedem, sem nenhum espaço de separação.

Escrevem-se os algarismos de 1.000 em diante com pontos de três em três casas decimais. Essa regra não vale para a indicação de anos do calendário ou páginas de publicações.

Números fracionários, salvo em publicações de caráter científico, devem ser grafados por extenso.

Algarismos romanos são usados apenas para designar reis e papas, nomes oficiais de clubes ou associações, os antigos exércitos brasileiros e os atuais comandos aéreos regionais (Comar), volumes ou tomos de livros, além do uso opcional em denominação de capítulos de livros ou de séculos.

Para indicar horas, colocar algarismos, separando horas de minutos por dois pontos, sem abreviações (h, min) ou as palavras "horas" e "minutos" ? (14:30). Nas horas quebradas, deve-se usar h, min e s, sem espaçamento entre os números. A abreviatura min só é necessária quando houver especificação dos segundos.

ORELHA

Texto rápido e objetivo, com informação direta, versando sobre a obra e o autor. Dados pessoais do autor ficam melhor dentro do livro. A orelha deve valorizar a obra e atrair o leitor.

ORGANIZADOR

Coordena a preparação da obra de autoria coletiva mas não participa como autor.

PADRONIZAÇÃO

Uniformidade no projeto gráfico, corpo e fonte dos títulos, grafia das palavras, siglas, figuras, tabelas etc. Evitar redundâncias nos títulos.

PREFÁCIO

Texto de apresentação da obra, escrito por uma pessoa convidada pelo autor, não por este.

REFERÊNCIAS

Relação das obras consultadas e citadas pelo autor. Não confundir com Bibliografia, que é uma relação de obras a ser consultadas pelo leitor, caso tenha interesse em aprofundar-se no assunto em questão. As referências não devem ser numeradas, porque já estão relacionadas em ordem alfabética. No texto, escrever o nome do autor entre parênteses, evitando usar números. No caso de obras editadas pelo Cegraf da UFG, atualizar, nas referências, para Ed. UFG; quando tratar-se de obras publicadas pela Imprensa Universitária da UFG, tratar como edição do autor .

SUMÁRIO

Delimita a parte pré-textual do livro da parte textual. Apresenta a relação dos capítulos, podendo incluir a relação de quadros e tabelas no final. Alinhado pela esquerda, os pontos têm corpo menor que o do texto. Evitar usar números para hierarquizar títulos e subtítulos de capítulos; é preferível recorrer a recursos gráficos. Capítulos numerados, só em livros didáticos.

TÍTULOS DE OBRAS

Usar o itálico para caracterizar títulos de livros, revistas, jornais, filmes, peças teatrais, shows, peças musicais que constituem obras completas, obras de artes plásticas e nomes de navios e embarcações. (Obs.: Maiúsculas só em caso de nomes próprios. Em caso contrário, só a inicial da primeira palavra é grafada com maiúsculas – Sargento Getúlio; Esqueceram de mim). Nos títulos de livros, usar maiúsculas e minúsculas. Nos títulos de periódicos, usar maiúsculas nas iniciais de todas as palavras.

Os nomes de foguetes espaciais não costumam ser grifados, por serem nomes técnicos, seriados e informais (Apolo XII, Discovery).

Deve-se usar as aspas para destacar o título de artigos de jornais e revistas, de capítulos de livros, de partes de obras literárias e musicais e, em geral, de artigos, conferências, notícias, reportagens, notas de críticas, árias ou trechos de óperas, bem como o título de quaisquer trabalhos intelectuais ou artísticos ("O homem", em Os sertões; "Crepúsculo", em Elegia poética; "As tartarugas do Araguaia", reportagem de O Popular).

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Apresentação de livros: NBR 6029. Rio de Janeiro, 1993.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Preparação de folha de rosto de livros: NBR 10524. Rio de Janeiro, 1988.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Referências: NBR 6023. Rio de Janeiro, 2000.
MARTINS, Eduardo. Manual de redação e estilo de O Estado de São Paulo. São Paulo: Moderna, 2000.
UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Coordenadoria Geral de Bibliotecas. Normas para publicações da Unesp. São Paulo: Ed. Unesp, 1994.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Sistema de Bibliotecas. Normas para apresentação de documentos científicos. Curitiba: Ed.UFPR, 2000.

Fonte: www.editora.ufg.br

Normas Gerais de Revisão

Normas e Sugestões para Revisão Bibliográfica

1. Todos os grupos devem estar definidos antes do sorteio do tema. Os grupos poderão ser constituídos de 1 ou 2 alunos(as).

2. O tema para cada grupo será sorteado no horário da aula. Dependendo do transcorrer do Processo de Revisão, cada grupo poderá optar por um segundo tema, sendo o segundo tema a ser escolhido pelo grupo dentre os ainda disponíveis. Embora a opção por um segundo tema seja incentivada, o grupo deve ter em mente que não vai ser a quantidade de material bibliográfico que vai medir a qualidade da atividade.

3. Todos os grupos devem estar cientes dos temas dos demais grupos.

4. Todo grupo deve ter um(a) representante responsável pela comunicação com os demais grupos, cujo e-mail será disponibilizado para os demais grupos, a partir de uma página do curso. Sempre que um membro de um grupo se deparar com um material bibliográfico importante e associado ao tema de outro grupo, recomenda-se que ele(a) anuncie este fato ao(à) representante do grupo (supostamente) interessado.

5. Junto à página do curso associada a este processo de Revisão Bibliográfica, via haver um link para informações relevantes e de interesse geral, fornecidas pelos próprios grupos. Esta página será administrada pelos professores.

6. A divisão do tema em sub-itens, juntos aos quais as citações a serem incluídas serão classificadas, representa o principal aspecto a ser considerado no processo de avaliação. Cada sub-item deve vir acompanhado de uma introdução, que tem por objetivo descrever aspectos relevantes do estado da arte (posicionando o tema dentro do universo técnico- científico). A precisão e profundidade de conceitos não é fundamental neste texto introdutório, o qual pode estar baseado no próprio material a ser citado.

7. Todas as citações a cujo conteúdo o grupo tiver acesso, devem vir acompanhadas da fonte em que foram obtidas e de palavras-chave. Se a fonte for desconhecida (o material chegou à sua mão, mas você não sabe como), indicar este fato, mas não deixar de citar o material, se pertinente.

8. Citações a cujo conteúdo o grupo não tiver acesso, ou citações apenas disponíveis em material impresso devem ser incluídas também, se pertinentes, deixando claro o tipo de contato que o grupo teve com o material.

9. O relatório final da Revisão Bibliográfica deverá ser entregue em arquivo Word for Windows. Não será fornecido nenhum padrão específico de formatação para o texto da Revisão Bibliográfica. No entanto, dos itens acima mencionados fica evidente a necessidade de divisão da revisão em sub-itens (acompanhado de um texto introdutório para o tema e um texto introdutório para cada sub-item), classificação das citações pertinentes (lembre-se que nem todo material coletado vai se mostrar pertinente e digno de inclusão no relatório final) dentro destes sub-itens e apresentação das citações contendo:

autores e título

tipo de publicação (tese, relatório técnico, artigo, livro, notas de aula, material de seminário, página Web incluindo a data da pesquisa, etc.)

evento ou periódico (se pertinente)

dados referentes a volume, número, páginas, ano fonte do material (onde ele foi obtido e outras informações relevantes)

palavras-chave (entre 3 e 5. Obviamente, este item vale para o caso de haver acesso ao conteúdo, embora não se requeira a leitura completa do material)

nível de qualidade e/ou dificuldade do texto (este item é opcional, e deve ser aplicado principalmente aos casos extremos, tanto de um lado como de outro)

outras informações pertinentes (sobre o material, autores, etc.)

possíveis relações com as demais referências citadas e com temas de outros grupos

10. Nenhum material em papel será considerado (pelos professores) no processo de avaliação, inclusive porque o material bibliográfico resultante da pesquisa e devidamente citado não deverá ser anexado ao relatório final. Mas NÃO deixe de citar referências importantes só por estarem disponíveis apenas em papel ou por não permitirem completar alguns dados mencionados no item 9 acima.

11. Todos os alunos e alunas devem estar cientes de que a sua Revisão Bibliográfica será disponibilizada pelos professores aos demais grupos (imediatamente após a entrega do material), e também aos alunos e alunas regularmente matriculados nesta disciplina nas próximas vezes em que a disciplina for oferecida.

12. Caso necessário, os professores estarão à disposição, ao final das aulas ou então em horários a serem agendados (combinar horários por e-mail e com antecedência), para discutir com cada grupo o andamento desta atividade de revisão bibliográfica.

13. Os prazos associados a esta atividade estão disponibilizados na página do curso.

14. A pesquisa bibliográfica deverá ser a mais abrangente possível. No entanto, as seguintes fontes bibliográficas são fortemente recomendadas (usando palavras-chave):

Sites de busca, como: http://www.google.com/ e http://altavista.com/

Sites de venda de livros, como: http://www.amazon.com

ResearchIndex (CiteSeer): http://citeseer.nj.nec.com/

Biblioteca da Área de Engenharia (BAE/Unicamp) e abstract de artigos em periódicos (via consulta de sites de editoras)

CDs das últimas conferências nacionais e internacionais de áreas pertinentes

Anais de conferências on-line, como http://nips.djvuzone.org

Web of Science e ProBE (Fapesp ? Links): http://www.fapesp.br/

FAQ de redes neurais: ftp://ftp.sas.com/pub/neural/FAQ.htm

Fernando Von Zuben & Leandro N. de Castro

Fonte: ftp.dca.fee.unicamp.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal