Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Etiópia  Voltar

Etiópia

 

História

Etiópia é o mais antigo país independente em África e um dos mais antigos do mundo.

O que se acredita ser os restos mais antigos de um ancestral humano já encontrado, que ha ve foram datadas como sendo cerca de cinco milhões de anos, foram descobertos no vale de Awash, na Etiópia. Este bate a descoberta de "Lucy", um esqueleto de 3,2 milhões anos de idade, que foi descoberto na mesma área em 1974.

Etiópia

O historiador grego Heródoto, do século V aC, descreve a Etiópia antiga em seus escritos, enquanto registros do Antigo Testamento da Bíblia a Rainha de Sabá visita a Jerusalém, onde "ela provou Salomão com perguntas difíceis". Assuntos claramente foi mais longe do que isso porque lenda afirma que o Rei Menelik - o fundador do império etíope - era o filho da rainha e Salomão.

Restos do palácio da rainha de Sabá ainda pode ser visto hoje em Axum, na província de Tigray, no norte da Etiópia. Axum é também o lar de muitos outros extensos sítios históricos, incluindo a casa da Arca da Aliança, trazida de Jerusalém por Menelik..

Missionários do Egito e da Síria chegaram a Etiópia no século quarto e introduziu o cristianismo. No século VII, o surgimento do Islã significava Etiópia foi então isolado do cristianismo europeu. O contato restabeleceu Português com a Etiópia em 1500 principalmente para reforçar seu controle sobre o Oceano Índico e para converter a Etiópia ao catolicismo romano. Um século de conflito religioso seguido resultando na expulsão de todos os missionários estrangeiros na década de 1630.

Este período de amargo conflito contribuíram para a hostilidade em relação aos cristãos etíopes estrangeiros e europeus que persistiram até o século XX e foi um fator de isolamento da Etiópia até a metade do século XIX.

A partir de 1700, por cerca de 100 anos, não havia poder central na Etiópia. Este "Era dos Príncipes" foi caracterizado pela turbulência causada pelos governantes locais competindo uns contra os outros. Em 1869, porém, o Imperador Tewodros trouxe muitos dos príncipes juntos, e foi uma força significativa unificador. Ele foi sucedido pelo Imperador Yohannes, que construiu sobre os esforços feitos por Tewodros, bem como bater as tentativas de invasão pela Dervish e os sudaneses.

O Imperador Menelik II reinou 1889-1913, cortar a invasão de potências europeias. Itália colocou a maior ameaça, tendo começado a colonizar parte do que viria a ser a sua futura colônia da Eritreia em meados da década de 1880.

Em 1896, a Etiópia derrotou a Itália na batalha de Adwa, que permanece famosa hoje como a primeira vitória de uma nação Africano sobre uma potência colonial.

Em 1916, a nobreza cristã depôs o rei sentado, Lij Iyassu por causa de suas simpatias muçulmanas e fez o seu antecessor, (Rei Menelik 11 1889-1913), filha, Zewditu, Imperatriz. Seu primo, Ras Tafari Makonnen (1892-1975) foi nomeado regente e sucessor ao trono.

Zewditu morreu em 1930, após o qual o regente - adotando o nome Haileselassie - tornou-se imperador. Seu reinado foi interrompido em 1936, quando as forças italianas brevemente invadiram e ocuparam a Etiópia. Haileselassie recorreu então para a Liga das Nações, mas que apelo caiu em ouvidos surdos, e ele fugiu para o exílio no Reino Unido, onde passou cinco anos, até que as forças etíopes resistência patriótica com a ajuda dos ingleses derrotaram os italianos e ele voltou para o seu trono.

Haileselassie então reinou até 1974, quando foi deposto e um conselho provisório de soldados (o Derg, significando comitê) tomou o poder e instalou um governo que era socialista de nome e militares em grande estilo. Cinquenta e nove membros da família real e os ministros e generais do Governo Imperial foram sumariamente executados. Haile Selassie se foi estrangulada no porão do seu palácio, em agosto de 1975.

Major Mengistu Haile Mariam assumiu o poder como chefe de Estado e presidente Derg, depois de ter seus antecessores dois mortos. Seus anos no cargo foram marcados por um estilo de governo totalitário e militarização massiva do país financiado e fornecido pela União Soviética e assistido por Cuba.

A brutalidade do regime ao longo de um período de 17 anos - auxiliado por secas e fome - apressou o colapso do Derg.

Insurreições ocorreram em toda a Etiópia, em especial nas regiões do norte da Tigray e Eritreia. Em 1989, a Frente Popular de Libertação Tigrayan (TPLF) fundiu-se com o Amhara e frentes de libertação de Oromo (EPDM & OPDO) para formar a Frente Popular da Etiópia Democrática Revolucionária (EPRDF).

Em maio de 1991, as forças EPRDF avançou em Addis Abeba forçando Mengistu a fugir para o Zimbábue.

Em 1991, o Governo de Transição da Etiópia (TGE) foi criado a partir da EPRDF e outros partidos políticos no país, com um Conselho de 87 de Representantes forte e uma Constituição de transição.

Enquanto isso, em maio de 1991, a Frente Popular de Libertação da Eritréia (EPLF), conduzido por Isaias Afworki assumiu o controle da Eritreia, após 30 anos de luta e estabeleceu um governo provisório. Este correu Eritreia até abril de 1993, quando eritreus votaram pela independência em um referendo da ONU monitorado.

Na Etiópia, Meles Zenawi Presidente e os membros da TGE prometeu supervisionar a formação de uma democracia multi-partidária. A eleição de uma assembleia constituinte 548 membros foi realizada em junho de 1994. A Assembléia aprovou a constituição da República Federal Democrática da Etiópia, em dezembro de 1994. Eleições para o primeiro parlamento foram realizadas em 1995, o governo foi instalado em agosto do mesmo ano.

ETIÓPIA, PAÍS DE MISTÉRIOS

Etiópia é um país cheio de mistérios, desde seu nome cujo significado é "rosto queimado", passando por ser o berço do fascinante Nilo Azul, até as igrejas escavadas na rocha de Lalibela, cuja secreta construção os estudiosos ainda não poderam destrinchar.

Pois, os mistérios apenas começaram. Estas terras contém restos paleontológicos de origens da humanidade, monolitos que chegam atingir 34 metros de altitude belamente decorados, restos do magnífico Palácio da Rainha de Sabá ou o Arca da Aliança guardada pelos muros da Igreja de Santa Maria de Sião em Axum, a qual conta a lenda foi trazida a este país por Melenik I, filho da rainha de Sabá e o sábio Salomão.

A estes fascinantes atrativos deve-se unir uma maravilhosa natureza com lagos, montanhas, cascatas e a garganta do Nilo Azul.

Os mistérios da Etiópia estão bem guardados pelas etnias que habitam o país: abisínios compostos por tigreses, amharas e shoas; hamitas com os galhas e somalies e as minorias pretas; nilóticos e nantues assim como os falaschas, judeus pretos que têm continuado com suas tradições como se o tempo não tivesse passado.

Localização Geográfica

Situada na África Oriental, Etiópia ocupa uma extensão de 1.128.222 quilômetros quadrados limitados ao norte com Eritréa, ao leste com Yibuti e Somália, ao oeste com Sudão e ao sul com Somália e Quênia.

O território etíope é fundamentalmente montanhoso com o Maciço Etíope ocupando a maior parte do país. Nas montanhas se unem gargantas e depressões a prolongarem-se na fossa central do vale de Rift. No norte as montanhas de granito e gres deixam passagem ao basalto. O cume mais importante é o Monte Ras-Dasham com 4.670 metros de altitude, o mais alto do país, seguido do Ras Dacham com 4.620 metros.

A maioria da população se assenta em um planalto ao centro do país, o qual desce para o leste e cria a Planície de Danakil e pelo sul o Planalto de Ogaden. A costa é muito acidentada.

A rede fluvial está composta pelos rios Balas, Abai, Dadessa e Dabus, as principais fontes do Nilo Azul; o Takkaze e o Mareb formando o Sefit ao confluir; e o Awash, Tug Fafan, Ganale, Shibeli e Yuba. A maioria tem um caudal torrencial e contam com numerosas cascatas. A hidrografia do país completa-se com os lagos Tana, o maior do país, Chamo, Abaya, Shala e Langana, entre outros e abundantes fontes termais situadas ao norte da Planície de Danakil.

Flora e Fauna

Fauna e flora etíopes estão marcadas pela geografia oferecendo uma grande variedade de espécies, muitas delas endêmicas e por tanto não podem ser encontradas em outros lugares.

No interior, em altitudes inferiores aos 1.800 metros, encontram-se as denominadas "Terras Quentes" onde abundam os bosques e as galerias da selva tropical formadas junto aos rios. Quanto a altitude, oscila; entre os 1.800 e 2.500 metros aparecem as "Terras Temperadas" onde pode-se contemplar grandes plantações de cultivos mediterrâneos e sub-tropicais como café e algodão. As "Terras Frias" estão situadas acima dos 2.500 metros de altitude e são terras de pasto aproveitadas pelos criadores de gado. No nordeste do país, junto ao Mar Vermelho, o deserto é o rei, enquanto no sudeste a paisagem predominante é a estepa.

Para observar a fauna com espécies tipicamente africanas em seu habitat natural, nada melhor que os arredores do Maciço de Semien: leões, girafas, búfalos, hipopótamos, zebras, avestruzes, gazelas, antílopes, macacos, hienas e panteras vivem neste entorno. Os amantes da ornitologia estão com sorte, pois na Etiópia pode-se admirar mais de 830 espécies diferentes, muitas delas endêmicas.

A Etiópia conta com um total de 11 Parques Nacionais onde estão presentes todos os grandes mamíferos africanos, com exceção do rinoceronte.

História

Conta a lenda que o primeiro imperador da Etiópia foi Menelick, filho do rei Salomão e a rainha de Sabá, é por isso que os monarcas etíopes se denominavam "negus" cujo significado é "Rei dos reis".

No século XI a.C. os etíopes ou abisínios conseguem livrar-se do domínio dos faraós egípcios que até então tinham padecido. Também os persas quiseram dominar este povo, e os tolomeos egípcios e os romanos, sem conseguir.

Acredita-se que o império etíope surgiu no século III a.C. com a destruição do porto de Adulis que fez com que as pessoas habitassem e se instalassem em Axum, o qual já no século I de nossa era estava considerado como um dos quatro reinos mais importantes do mundo.

No século IV o rei Ezana converte-se ao cristianismo e com ele seu povo. Os árabes submetem, três séculos depois, à parte oriental do país introduzindo o Islão.

O império abisínio recupera seu poder no século XII com Lalibela e no século XV com Zara Yacob. É neste século, quando os portugueses vão para o país procurando o místico Reino do Preste João. Dessa data até o século XIX as tentativas de conquista por parte de europeus e egípcios fracassam, porém, os italianos conseguem ocupar o território da Eritréia.

Século XX

Em 1923 o imperador Hailé Selassi I consegue que o país faça parte da Sociedade das Nações.

Os italianos conseguem no finalmente, o território etíope com a invasão das tropas fascistas de Mussolini e em 9 de maio de 1936, o rei Vítor Manuel III é proclamado imperador da Etiópia, sendo incorporado o país à África Oriental italiana. Durante a Segunda Guerra Mundial as tropas italianas são vencidas pelos aliados, sendo reposto no trono o rei Hailé Selassie, que em 1955 converte seu regime absolutista em constitucional.

Em 1963 o monarca junto a outros dirigentes africanos fundam a Organização da Unidade Africana, cuja sede fica permanentemente estabelecida na Etiópia.

Em 1974 Hailé Selassie é deposto pelo exército e seu próprio filho, Asfa Wossen, sendo imposto um governo militar provisório que dissolve o Parlamento. Um ano depois a monarquia é abolida e em 1977 Haile Mariam é nomeado Chefe do Estado; dois anos mais tarde o mesmo anuncia a formação de um partido único marxista-leninista.

Em 1985 o país sofre uma grave seca que faz precisa a ajuda humanitária do mundo todo. Em 1986 surge uma nova constitução, enquanto que os movimentos revolucionários vão ganhando posição.

Em 1991 os rebeldes da Forças Populares Democráticas Revolucionárias tomam Gondar e Gojam, em 20 de maio Haile Mariam foge do país refugiando-se em Zimbabue. Em 28 desse mesmo mês o governo entrega a capital, Adis Abeba aos rebeldes, que reunem aos membros dos diferentes partidos políticos democráticos formando um governo provisório até a celebração de eleições livres. Cria-se também um Conselho de Representantes com faculdade para nomear um presidente interino e uma comissão encarregada de redigir a nova constituição. Em julho é eleito, como Presidente do Governo e Chefe do Estado, Zeles Menawi.

Em janeiro de 1993 nomea-se Chefe do Governo a Layne Tamirat e em 3 de maio de 1993 é reconhecida a independência da Eritréa.

Na atualidade o país está dividido politicamente em 4 regiões autonômas e 25 regiões administrativas. Em outubro de 1996 é nomeado presidente Lennart Meri e primeiro ministro Tiit Vahi (cargo que exerce desde o ano 1995).

Arte e Cultura

Arquitetura e Escultura

Quanto a arquitetura encontram-se diferentes estilos, todos muito belos, em construções como igrejas, em ocasiões escavadas na rocha como é o caso de Lalibela; mesquitas, palácios e mosteiros, entre outros. Dentro destes edifícios pode-se admirar interessantes mostras de pintura, escultura, mosaicos, miniaturas e ourivessaria de diferentes religiões (católica, muçulmana, bizantina).

Destaca-se também a arte escultórica tradicional praticada pelas diferentes etnias, embora geralmente são pouco esquemáticas e abstratas. Como principais mostras destacam-se os túmulos Galla de Sidamo e as esculturas de pau realizadas pelos Shilluk.

Além disso, na Etiópia pode-se admirar máscaras, jóias de maravilhoso desenho e cuidadosa realização, talhas em madeiras nobres e magníficos tecidos com atrativas decorações.

Literatura e Música

Dentro da cultura desenvolvida pelas diferentes etnias destacam-se as narrações contando a história dos diferentes povos e passando de pais para filhos durante gerações; as danças tradicionais, simplesmente espetaculares. Os dançantes adornam-se, e os enfeites e pinturas variam dependendo da finalidade; a música rítmica ajuda à concentração destes bailarinos.

Gastronomia

A gastronomia etíope resulta excelente. De preparação simples, seus pratos têm gostosos sabores conseguidos graças à qualidade dos ingredientes que utilizam.

O peixe é essencial na dieta etíope, tanto o procedente do Mar Vermelho quanto o dos rios. Prepara-se normalmente à parrilha embora também possa encontrar em molho picante ou acompanhado de verduras, arroz ou milho. A carne é o outro elemento básico da gastronomia da Etiópia. Pode-se comer carne de vaca, ovelha, cabra ou porco preparada em guisados, à parrilha ou fritos.

Como sobremesa pode-se comer frutas frescas ou doces preparados com cacau e frutas.

Bebidas

Depois de comer, nada melhor que um cheiroso café cultivado nestas terras, o final perfeito para uma simples comida, mas não por isso menos saborosa.

População e Costumes

Os etíopes são um povo que tem sabido reconquistar a democracia em seu país unindo as forças das diferentes etnias que habitam no território e convivendo, uma vez conseguida, em paz apesar das difíceis condições econômicas que vive o país produzida pelas terríveis secas.

A população total da Etiópia é de 58.733.000 habitantes, segundo estatísticas de 1997. Os principais grupos étnicos do país são os Abisinios com os Tigré, Amhara e Shoa que ocupam a planície central do país dedicados à agricultura (os Tigré também dedicados ao comércio, de religão copta).

Nas regiões meridionais habitam dedicados à agricultura e o gado os Hamita, formados pelos Galla e Somalies de religão muçulmana, também pertecem a esta etnia os Danakil que moram em Yibuti. Os Nilóticos e Bantues vivem por todo o país dedicados à caça e a pesca e estão considerados como a "minoria preta".

A esperança de vida dos etíopes é de 48 anos e apenas 35% da população está alfabetizada. A mortalidade infantil é muito alta.

Entretenimento

Etiópia oferece numerosas ofertas atrativas para os que desejam desfrutar dos momentos de lazer, especialmente em referência à natureza. Por ser um país eminentemente montanhoso com numerosas falhas e gargantas, existem variadas estações de extraordinária beleza nas que pode-se praticar trekking, escalada ou senderismo. Seus rios caudalosos permitem a prática do raffting com descidas de vertigem, e também canoagem. Existem locais para pescar ou simplesmente navegar de bote pelos lagos do país.

Pode-se visitar restos arqueológicos de importância como as igrejas coptas cavadas de Lalibela ou os fósseis humanóides do vale do Omo.

Em numerosos lugares pode-se contemplar numerosas variedades de espécies animais africanas: leões, elefantes, panteras, hipopótamos, rinocerontes, girafas, búfalos, antílopes, gazelas, hienas, crocodilos, macacos, avestruzes e centenas de aves (registraram-se mais de 830 espécies em todo o país e muitas delas só podem ser contempladas na Etiópia).

As cidades contam também com sua oferta: museus, cinemas, mercados barulhentos e restaurantes onde desfrutar de uma boa comida típica.

Festividades

Etiópia rege-se pelo calendário Juliano com 13 meses por ano. Seguem as festividades próprias de cada religião, as festas cristãs-coptas com o misterioso Egito de fundo, as católicas e as festas islâmicas que variam dependendo do calendário lunar.

Em 6 de abril celebra-se o Dia da Vitória, festa nacional na que os etíopes saem às ruas para ver os desfiles e desfrutar com os numerosos eventos oficiais que comemoram a volta da democracia e o fim da ditadura militar.

Os diferentes grupos étnicos celebram também suas festas ao longo do ano todo. As danças e rítmos das músicas tradicionais enchem o ambiente oferecendo uma sensacional oportunidade para conhecer um pouco mais a cultura destas etnias.

Transportes

Avião: As companhias Air Zaire, Alitália, Quênia Airways, Ethiopiam Airlines, Lufthansa, Saudia, Air Services de Yibuti, entre outras, oferecem vôos regulares a Etiópia desde as principais cidades europeas. Ethiopiam Airlines também comunica diferentes cidades do país e com outras dos países vizinhos. É conveniente realizar reservas prévias dos vôos para assegurar a passagem. O aeroporto de Bole encontra-se à 8 quilômetros do centro da cidade.

Trem: Os trens etíopes oferecem um bom serviço tanto para viajar pelo país quanto para aceder aos países vizinhos. Os preços são moderados.

Estradas: A rede de estradas etíopes extende-se ao longo de mais de 22.000 quilômetros. Pelo acidentado do território etíope é conveniente extremar a precaução. É conveniente tanto com veículo alugado quanto dirigindo umo próprio ter a carteira de dirigir internacional e um seguro de viagens.

Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br/www.rumbo.com.br

Etiópia

Etiópia é um país da África Oriental.

A capital é Adis Abeba [Addis Ababa].

Religião: As principais religiões são o Cristianismo (Ortodoxo) e o Islamismo (Sunita).

A língua nacional é o Amharian, outras línguas principais são o Tigray e o Oromo. Única entre os países Africanos, a antiga monarquia Etíope manteve a sua liberdade do poder colonial com exceção de uma curta ocupação Italiana em 1936-41.

Em 1974, uma junta militar, o Derg, depôs o Imperador Haile Selassie (que governava desde 1930) e estabeleceu um estado socialista. Dilacerado por sangrentos golpes, rebeliões, a seca em grande-escala, e os problemas dos refugiados em massa, o regime foi finalmente derrubado em 1991 por uma coalizão de forças rebeldes, a Frente Democrática Revolucionária do Povo Ethíope (EPRDF).

A Constituição foi aprovada em 1994, e as primeiras eleições multipartidárias da Etiópia foram realizadas em 1995. Uma guerra de fronteira com a Eritréia no final da década de 1990 terminou com um tratado de paz em Dezembro de 2000.

A Comissão de Fronteira Eritreia-Ethiopia em Novembro de 2007 remotamente demarcou a fronteira através de coordenadas geográficas, mas a demarcação definitiva da fronteira terrena encontra-se suspensa por causa das acusações Etíopes ao encontro de uma comissão internacional de obrigá-la a entregar territórios considerados sensíveis para a Etiópia.

A Etiópia é um país no nordeste da África. Sua história e cultura refletem suas antigas ligações com as civilizações Islâmicas do Mar Vermelho e do Golfo Pérsico e suas ligações comerciais com o Oceano Índico.

As vistas e os cheiros da terra uma vez chamada Abissínia incluem especiarias e ervas do Extremo Oriente, estradas ladeadas de árvores de eucalipto, e campos de cereais. Os imperadores da Etiópia traçam as suas raízes com as lendas da Rainha de Sabá e do Rei Salomão.

Diferentemente da maioria dos países Africanos, a Etiópia nunca foi uma colônia Européia. Ela tem sido importante para a história moderna da África como um símbolo de independência. Sua capital, Addis Ababa, é a sede da União Africana e da Comissão Economica das Nações Unidas para a África.

Em 1993 a Eritreia declarou sua independência depois de uma longa guerra com o governo central da Etiópia. Ela tinha sido uma ex-colônia Italiana e uma província da Etiópia desde 1962.

Terra

A geografia da Etiópia é um conjunto espetacular de contrastes. Há montanhas quase desprovidas de árvores, densas florestas tropicais de largas folhas que sombreiam arbustos silvestres de café, e baixas planícies quentes. Altiplanos de 5.713 pés (1.500 m) cobrem cerca de 40% da área de terra da Etiópia.

As Terras Altas da Etiópia compõem quase metade da área das terras altas de toda a África. Assim, o país é chamado às vezes de Telhado da África.

Desfiladeiros profundos seccionam as terras altas, fazendo as viagens precárias e a construção de estradas caro. O desfiladeiro do Nilo Azul na região central da Etiópia é mais profundo do que o Grand Canyon do Arizona. No leste a terra desce bruscamente para o Grande Vale do Rift. Perto da fronteira com o Sudão, as terras altas caem em pastagens quentes ao lado do Vale do Rio Nilo.

Rios

O Lago Tana, o maior lago do país, está localizado nas terras altas. O sistema de rios da Etiópia também cresce nas terras altas, e leva água e solo fértil para o Sudão e o Egito. No sul, os Rios Juba e Webi Shebeli transportam água para as plantações de banana perto da costa da Somália.

Mais de 3 por cento da água que alcança o Egito tem origem nas Terras Altas Etíopes. Ela flui nos afluentes do Rio Nilo, incluindo os Rios Nilo Azul (Abbai), Takkaze e Baro. Praticamente todos os ricos sedimentos alcançando o delta do Nilo vêm dos profundos solos vulcânicos das terras altas da Etiopia.

Clima

O clima da Etiópia, especialmente a temperatura e a precipitação, é determinado mais pela elevação do que por qualquer outro fator. As áreas mais quentes estão ao longo das fronteiras; as mais frescas estão no planalto central. Os planaltos têm uma temperatura média anual de 68 ° a 77 °F (10 ° a 15 °C). O granizo, a geada da manhã, e a neve são comuns em altitudes mais elevadas.

As chuvas variam muito, mas também seguem a elevação. Algumas 37-47 polegadas (94 a 119 cm) de chuva caem a cada ano no planalto central. As áreas abaixo de 4.921 pés (1.500 m) normalmente recebem 16 polegadas (41 cm) ou menos. A maior parte da chuva cai entre meados de Junho e início de Setembro.

Nos últimos anos, a seca ocorreu no leste e nordeste da Etiópia com mais freqüência. A região norte do Tigre uma vez apoiou uma grande população de agricultores. Ela agora é um semi-árido e incapaz de satisfazer as suas próprias necessidades alimentares.

Vegetação e animais selvagens

A Etiópia é um dos mais importantes centros mundiais de recursos genéticos vegetais. Culturas como o teff (um cereal de pequeno-grão), o eleusine (um tipo de milho), e o nug (uma oleaginosa) tiveram origem na Etiópia. A árvore do café se originou no sudoeste das terras altas da Etiopia.

Elas ainda crescem selvagens por lá. Quase metade da Etiópia, especialmente nas terras baixas, é pastagem e semideserto. Cerca de um terço do país é uma savana mais-aberta. O restante, incluindo as terras altas do sudoeste, é coberta com as folhas largas das florestas.

O desmatamento vem ocorrendo na Etiópia por pelo menos 2.000 anos. Mas o crescimento da população durante o século passado acelerou o processo. Em muitas partes do país, variedades de árvores indígenas foram quase inteiramente substituídas pela plantação de eucaliptos. As árvores foram introduzidas pelo Imperador Menelik II em 1903.

A Etiópia historicamente tinha fauna abundante e diversificada, incluindo diversas espécies encontradas em nenhum outro lugar do mundo. Babuínos, hienas, porcos selvagens, e porcos-espinhos são abundantes nas terras altas. E o país tem a maior população de gado da África (bovinos, ovinos e caprinos). O gado fornece carne e produtos lácteos, e a maioria dos arados são puxados por bois.

O ouro é extraído no sul e no oeste. Mas poucos de outros recursos minerais exploráveis são conhecidos. Os lagos no Grande Vale do Rift têm grande potencial para a geração de eletricidade.

População

A população da Etiópia fala mais de 80 línguas diferentes, incluindo muitas da família Afro-Asiática (que inclui também o Árabe, o Hebraico e o antigo Egipcio).

O Amárico, o Tigrinya, o Afan Oromo, e o Somáli (línguas Cushiticas) são falados por mais de 66% da população. No sudoeste, muitas línguas das familias Nilóticas e Omóticas são encontradas.

A Etiópia tem também uma grande diversidade na religião. O Cristianismo Ortodoxo Etíope é seguido por mais de 40% da população e o Islamismo por outros 30%. Os Protestantes representam cerca de 10% do total. Há também os Católicos Romanos e os seguidores das religiões nativas. O país é o berço histórico dos Falasha. Os Falasha são um pequeno grupo de pessoas que praticam uma forma de Judaísmo que muitos têm reclamado veio diretamente do antigo Israel.

Os Falasha chamam-se "Beta Israel" ("Casa de Israel"), e preservam muitas tradições de adoração do Antigo Testamento. Estudos recentes têm mostrado, no entanto, que os Falasha adaptaram sua forma de Judaísmo de antigas formas do Cristianismo Ortodoxo Etíope e de contatos com o Judaísmo no final dos 1800s.

A maioria dos Falasha foram levados a Israel em meados dos anos 1980s e em 1991 e o restante em 2004.

A vida política e econômica na Etiópia tem sido dominada em grande parte da sua história pelos povos de língua Semita Amhara e Tigré dos altiplanos do norte.

Eles são predominantemente Ortodoxos Etíopes. O maior grupo no país, no entanto, é o Oromos (anteriormente chamado Galla). Eles expandiram-se nas terras altas do sul da Etiópia no século 16 e empurraram para o norte até o Tigre. Hoje, juntamente com muitos grupos étnicos minoritários, eles ocupam grande parte do país.

A população da Etiópia é predominantemente rural. Mas as cidades estão crescendo rapidamente. O crescimento urbano vem mais da migração para as cidades do que da alta taxa de natalidade urbana. As maiores cidades são Addis Abeba e Dire Dawa.

O sistema educacional é composto por escolas de ensino fundamental (graus 1-6), escolas secundárias junior (graus 7-8), escolas secundárias (graus 9-12), e um sistema nacional de universidades. Os estudantes devem passar por exames nacionais para atender as escolas secundárias e universidades.

A Universidade de Addis Ababa, a universidade nacional, foi fundada em 1960 por Jesuítas Canadenses. As instalações hospitalares estão concentradas em áreas urbanas, embora postos de saúde rurais e estações missionárias estejam sendo expandidos.

Economia

A Ethiopa é um país pobre. Muitos Etíopes cultivam cereais e leguminosas (lentilhas, grão de bico, ervilhas e feijões) utilizando arados puxados por bois. Este sistema agrícola foi distribuído pelas montanhas da Etiópia mais de 1.000 anos atrás, dando aos diversos povos da Etiópia um patrimonio economico comum.

Hoje, a agricultura representa cerca da metade do produto interno bruto da Etiópia e emprega cerca de 85% da força de trabalho do país. O principal produto de exportação do país é o café. Ele vem principalmente do sul da Etiópia e é mundialmente famoso pela sua qualidade. A indústria está concentrada em Adis Abeba. A maioria da manufatura consiste na transformação de matérias-primas e na produção de bens como pneus, sabão, têxteis e sapatos.

O governo socialista que chegou ao poder em 1974, nacionalizou os bancos, indústrias, terras agrícolas e urbanas, e grandes fazendas comerciais da Etiopia. O governo também controlava os preços agrícolas e estabeleceu fazendas e cooperativas estatais.

Em 1984, o governo tentou reassentar vítimas da fome do norte no sul da Etiópia. Mais de 500.000 pessoas foram reassentadas, algumas à força. O programa de reassentamento despertou críticas internacionais. Três anos mais tarde, o governo começou a forçar os agricultores a se moverem para novas aldeias. Estas políticas controversas falharam, e a produção agrícola declinou rapidamente.

O governo que chegou ao poder em 1991 começou a liberalizar a economia. Algumas indústrias foram devolvidas para mãos privadas, mas o governo ainda detém toda a terra.

Grandes fomes ocorreram na Etiópia em 1972-1974, 1984-1985, 1987 e 1989-1990. Cerca de 2 milhões de pessoas morreram (um milhão delas somente em 1984-1985). Houveram muitas causas humanas e naturais da fome na Etiópia. A agricultura extensiva e a longo-prazo em grande parte do altiplano norte levou ao desmatamento e à erosão do solo.

Esta base agrícola exaurida contribuiu para a fome, junto com a seca, as políticas governamentais pobres, à guerra civil na Etiópia e no vizinho Sudão e na Somália, e à guerra de 1998-2000 entre a Etiópia e a Eritreia.

Quando a Eritreia votou em 1993 para separar-se da Etiópia, a Etiópia perdeu os seus dois principais portos do Mar Vermelho - Massawa e Assab. As importações e exportações da Etiopia continuaram a se mover através de Assab, no entanto, até 1998. Hoje as importações e exportações da Etiópia movem-se principalmente por via férrea através do porto de Djibouti, e através do porto Somali de Berbera.

Economia

A economia da Etiópia é baseada na agricultura, que responde por 41% do PIB e 85% do emprego total. O café tem sido uma cultura de exportação importante.

O setor agrícola sofre com práticas de cultivo pobres e secas freqüentes, mas os recentes esforços conjuntos do Governo da Etiópia e os doadores têm fortalecido resiliência agrícola da Etiópia, contribuindo para a redução no número de etíopes ameaçados de fome.

O Crescimento de cinco anos e Plano de Transformação que a Etiópia lançou em outubro de 2010 apresenta um esforço liderado pelo governo para atingir as metas de desenvolvimento do país ambiciosos. Os setores bancário, de seguros e de micro-crédito são restritos a investidores nacionais, mas a Etiópia tem atraído investimentos estrangeiros significativos em produtos têxteis, couro, agricultura comercial e de manufatura.

Nos termos dos estatutos da Etiópia, o estado possui toda a terra e fornece arrendamentos a longo prazo para os lojistas; certificados de uso da terra estão agora a ser emitido em algumas áreas, de modo que os inquilinos têm direitos mais reconhecível para ocupação contínua e, consequentemente, fazer mais esforços concertados para melhorar seus locação.

Enquanto o crescimento do PIB manteve-se alta, a renda per capita está entre os mais baixos do mundo.

História e Governo

Os Gregos e os Romanos se referiam a todas as terras ao sul do Egito como a Etiópia, uma antiga palavra Grega que significa "terra dos caras queimadas". A área agora conhecida como a Etiópia tinha forte comércio e contatos culturais com as regiões do Oceano Índico e do Mediterrâneo nos tempos antigos.

As terras altas do norte da Etiópia foram o local do Império Aksum (Axum), criado no 1º século dC. Aksum controlava a costa do Mar Vermelho. Ele negociava e tinha contato cultural com o sul da Arábia, o Egito, Roma, e a Grécia.

Os monumentos e moedas Aksumitas continham inscrições escritas em Grego e em Geez, uma língua Etíope. As lendas orais relacionam o conto de dois jovens rapazes náufragos da Síria que se refugiaram nas montanhas no século 5 e converteram o Imperador Aksum Ezana ao Cristianismo.

Aksum então usou seu poder político e redes de comércio para disseminar o Cristianismo em todo o planalto central. O Cristianismo Ortodoxo Etíope reforçou as reivindicações dos imperadores ao trono pela maioria da história da Etiópia.

No final do século 7, os Muçulmanos se estabeleceram na costa do Mar Vermelho, e o Islã pegou no leste da Etiópia. O principal tema histórico da Etiópia antiga e medieval foi o esforço dos reinos Cristãos do altiplano para controlar os territórios e rotas comerciais de seus vizinhos da planície. Durante o reinado do Imperador Lalibela, os Cristãos Etíopes esculpiram uma série de igrejas na rocha sólida. Ao mesmo tempo, o eficiente sistema da agricultura da Etiópia se espalhou por todo o planalto.

O Imperador Menelik II assumiu o trono em 1889. Ele usou alianças com as potências Européias e importou armas de fogo para unir seus rivais e conquistar ricas terras ao leste, oeste e sul. Para controlar o marfim, os escravos e (depois) o café de suas terras recém-adquiridas, Menelik recompensou os seus soldados com terras e os direitos ao trabalho da população local (principalmente Oromo) em áreas conquistadas.

Estes soldados deviam a sua lealdade a Menelik e formavam a base de seu poder. Em 1896 os exércitos de Menelik derrotaram uma moderna força Italiana na batalha de Adowa (Adwa) para garantir a independência da Etiópia. Pela época da sua morte, em 1913, Menelik tinha estabelecido as fronteiras da moderna Etiópia através de uma combinação de diplomacia e conquista.

Depois de uma breve luta pelo poder, a neta de Menelik Zauditu (Judith) assumiu o trono. Ela governou sob a orientação de um jovem parente distante de Menelik chamado Ras Tafari Makonnen. Como regente, Tafari iniciou um programa de modernização política e econômica.

Após a misteriosa morte de Zauditu em 1930, Tafari assumiu o trono com o nome de Imperador Haile Selassie. Como imperador, ele continuou seus programas para construir um exército moderno, o sistema educacional, e a burocracia.

Ele também tentou, como Menelik, proteger a independência da Etiópia através de alianças diplomáticas com a Europa e os Estados Unidos. Seus esforços falharam em 1935, quando a Itália invadiu e ocupou a Etiópia.

Após seis anos de governo Italiano e resistência Etíope, Haile Selassie retomou o trono em 1941 com a ajuda das tropas Britânicas do Sudão e da África Oriental. Após a Segunda Guerra Mundial, Haile Selassie continuou seus programas para construir um estado moderno.

Mas ele também manteve a família imperial e as elites tradicionais no poder. A revolução de Fevereiro de 1974 que derrubou Haile Selassie foi iniciada pela crise mundial do petróleo de 1973 e greves de taxistas, motoristas de ônibus, e professores.

Os grevistas objetavam às políticas do governo nos preços dos combustíveis e às evidencias de fome no norte. Muitos desses descontentes urbanos eram jovens das classes educadas que tinham se beneficiado dos programas educacionais do imperador.

Enfraquecido por este descontentamento urbano, o governo imperial perdeu o controle do exército. Jovens oficiais liderados por Mengistu Haile Mariam tomaram o controle das forças armadas e depuseram o imperador. Os novos líderes militares da Etiópia começaram um programa de desenvolvimento socialista.

O novo governo militar, chamado de Derg, enfrentou a oposição de vários exércitos rebeldes, a maioria deles baseados entre os povos trazidos para a Etiópia durante o tempo de Menelik, mas nunca permitidos a participar plenamente na vida nacional.

A Frente Popular de Libertação da Eritréia (EPLF) começou sua luta para separar-se da Etiópia em 1962, quando a Eritreia (uma colônia Italiana de 1889-1941) foi violentamente anexada pela Etiópia. Outros grupos antigovernamentais estavam ativos em áreas habitadas pelos povos Somali e Oromo.

Quando a Somália invadiu a Etiópia em 1977-78, em apoio dos indígenas rebeldes Somalis no Ogaden, a Etiópia recebeu armas e ajuda militar da União Soviética e de Cuba. O governo militar da Etiópia, em seguida, rompeu relações com os Estados Unidos e aliou-se com o bloco socialista.

Em 1987, o Derg converteu-se num partido político civil e fez da Etiópia um Estado de partido-único Comunista sob uma nova constituição. A Etiópia e a Somália assinaram um acordo de paz em 1988.

Em 1989, a Frente Popular de Libertação Tigrayan (TPLF), o principal grupo de oposição no norte do país, forjou uma ampla coalizão com vários outros grupos rebeldes anti-Mengistu chamado Frente Popular Democrática Revolucionária da Etiópia (EPRDF).

As forças rebeldes ganharam uma sucessão de vitórias no norte. Quando a ajuda Soviética terminou em 1990 com o colapso da União Soviética, o suporte externo do governo da Etiopia e o fornecimento de armamentos evaporou-se. As forças rebeldes capturaram Adis Abeba em 28 de Maio de 1991.

A vitoriosa coalizão da EPRDF formou um governo de transição chefiado pelo líder da TPLF Meles Zenawi, que foi eleito presidente por uma legislatura interina em Julho de 1991. A Eritreia governou-se separadamente na pendência de um referendo sobre a independência.

Em Junho de 1992, o governo Etíope realizou eleições para 1.147 assentos da assembleia regional. A EPRDF ganhou quase 97% dos assentos nestas eleições, que foram marcadas por irregularidades no sul da Etiópia e não conseguiram resolver os antagonismos regionais.

A grande oposição veio da sul-baseada Frente de Libertação Oromo (OLF), que mais uma vez pegou em armas contra o governo central. Os eleitores da Eritreia optaram pela independência em um referendo de Abril de 1993, formalizando a separação da Eritréia, da Etiópia. Uma disputa de fronteira levou a uma custosa guerra entre os dois países de 1998 a 2000.

Em 1994, o governo realizou novas eleições para uma assembléia constituinte. Nenhum dos principais grupos de oposição se candidataram, e a EPRDF ganhou quase todos os lugares. A nova Constituição criou uma república federal com 9 estados em grande parte auto-regulados pela etnia-baseada.

O governo central, liderado por um primeiro-ministro e um presidente cerimonial escolhido por um legislativo eleito, controlava a defesa e as relações exteriores. Não ficou claro se a nova constituição iria resolver os conflitos étnicos do passado. De preocupação particular foi uma provisão que daria a outras regiões o direito de separar-se da Etiópia.

Nas eleições multipartidárias de 1995, 2000 e 2005, o EPRDF ganhou a grande maioria das cadeiras legislativas e selecionou Meles Zenawi como primeiro-ministro. Ele permaneceu primeiro-ministro após as eleições em 2010. Monitores informaram que nenhuma das enquetes de 2005 e 2010 cumpriram as normas internacionais.

Em 12 de Dezembro de 2006, Mengistu e dezenas de seus ex-associados foram considerados culpados de genocídio depois de um julgamento de 12 anos de duração. Mengistu permaneceu no exílio no Zimbabwe, no entanto. Muitos acreditavam que ele jamais seria levado à justiça.

Também em 2006, tropas Etíopes intervieram abertamente para restaurar a estabilidade na Somália vizinha. Com a ajuda de forças Etíopes, o governo interino da Somália reconhecido pela ONU entrou em Mogadíscio em 28 de Dezembro. As milícias Islamitas que tinham tomado o controle da maior parte do centro e do sul da Somália no início daquele ano foram expulsas.

Os Islamistas, em seguida, travaram uma guerra de guerrilha contra o governo interino da Somália e seus aliados Etíopes. A Etiópia retirou a última de suas forças da Somália em Janeiro de 2009, embora o governo interino estivesse ainda mais fraco do que quando havia chegado.

Uma vez que as forças Etíopes deixaram o território da Somália, os Islâmicos moderados entraram em negociações de paz por lá. Muitos Somalis permanecem hostis à Etiópia e continuam a reivindicar a região do Ogaden e outras áreas Somali-povoadas.

James C. McCann

Fonte:  Internet Nations

Etiópia

História dinástica e Tradições

Sobre dinastias etíopes

Primeiras dinastias da Etiópia reinava quando os faraós governaram o Egito, mas poucos destes primeiros reis e rainhas são conhecidos por nós pelo nome hoje.

Tradição histórica diz-nos a Família Imperial descende de Salomão e Sheba, mas o mesmo poderia ser dito de vários outros, extintos, linhas etíopes.

A linhagem real da dinastia salomônica data de 1268. Alguns etíopes práticas dinásticas permanecem inalterados ao longo dos séculos.

Etiópia
Palácio Nacional

Etiópia é uma terra de reis. O negus título significa literalmente rei, mas na Etiópia havia tradicionalmente, desde os tempos medievais, um rei dos reis, que os europeus referido como um imperador. A negus não era um mero vassalo, ele era um governante soberano de um território étnico cuja história era única.

Em tempos mais recentes, as famílias imperiais tinha um patrimônio amárico, mas um imperador poderia muito provavelmente ter sido de Oromo.

Se fôssemos comparar esse aspecto da tradição real da Etiópia aos de outras nações, acharíamos muito semelhantes aos da Alemanha, cuja família "imperial", a Casa da Prússia, era um dos numerosos alemães famílias reais, ou pré-normanda Irlanda, onde os reis estavam unidos sob a Casa de Connacht. A Índia, com seus príncipes numerosos, unidos na primeira, sob um imperador nativa e, finalmente, sob a rainha Vitória como imperatriz, também vem à mente.

A sucessão imperial na Etiópia exige o parecer favorável de um conselho de família. Um dos filhos de um imperador pode ser designado herdeiro, mas ele poderia ascender ao trono com o consentimento de um conselho de príncipes (incluindo seus irmãos e primos) e clérigos elevados.

Nos últimos séculos, este grupo de membros da família evoluiu para o Conselho da Coroa, cujo lugar é bem definido pela Constituição etíope promulgada em 1955. As origens do conselho de família estão enraizadas na antiga lei tribal no leste da África e os países árabes.

As famílias reais de Kuwait e Arábia Saudita têm leis dinásticas muito semelhantes aos da dinastia salomônica da Etiópia (embora alguns de seus princípios são baseados em práticas medievais influenciados de alguma forma por lei corânica).

Ordens de Cavalaria

A Coroa etíope tem tradicionalmente concedido honras em várias ordens de cavalaria. Premiado por mérito, a maioria foi criada nos séculos XIX e XX no modelo das honrarias conferidas por monarquias européias. Uma exceção é a mais antiga Ordem de Santo António, distintamente de caráter religioso.

Hoje, o Conselho Imperial Crown dá decorações sobre aqueles que fizeram contribuições dignas para a Etiópia, o seu povo e cultura, ou, em certos casos, a indivíduos que tenham contribuído para a causa da cultura Africano e unidade. De acordo com a herança multicultural da Etiópia, a maioria dessas decorações Ordem de Menelik II são concedidos sem respeito à religião do conferee ou nacionalidade. Há duas fileiras homens (cavaleiros) e as femininas (damas), na maioria das ordens.

A maioria dos pedidos são ativos (sobrevivente), embora alguns são raramente concedido hoje.

As fileiras de algumas (mas não todas) as ordens de etíopes estão em conformidade com as normas europeias, sendo: Cavaleiro da gola, Cavaleiro da Grande Cruz, cavaleiro grande oficial, comendador, oficial cavaleiro, cavaleiro, dama, companheiro.

Etiópia
Ordem de Menelik II

Ordem do Rei Salomão. Fundada em 1874, como parte da Ordem do Selo de Salomão e deu em um rank (cavaleiro ou dama), a Ordem do Rei Salomão é geralmente reservado aos monarcas e chefes de Estado. É uma decoração bastante ornamentado suspenso a partir de uma cadeia de coleira.

Ordem do Selo do Rei Salomão. Fundada pelo Imperador D. João IV, em 1874, a Ordem do Selo de Salomão foi a primeira concedida em várias camadas, que hoje normalmente é conferida no grau de Cavaleiro da Grande Cruz.

Em 1922, foi dividido para formar a Ordem do Rei Salomão (ver acima) e da presente Ordem do Selo do Rei Salomão.

A insígnia, uma cruz dentro do selo do rei Salomão ("Estrela de David"), está suspensa a partir de uma fita verde profundo.

Ordem da Rainha de Sabá. Imperatriz Zawditu fundou esta ordem para mulheres em 1922, mas logo foi estendido para senhores de diversas patentes.

A insígnia é uma estrela verde e roxo de rolamento Salomão, no centro, a cifra da rainha Makeda suspensa de uma fita roxa e verde pálido.

Ordem da Santíssima Trindade. Fundada em 1930, por ocasião da coroação do imperador Haile Selassie, esta ordem foi inicialmente concedido em várias fileiras, mas hoje é atribuído quase exclusivamente no grau de Cavaleiro da Grande Cruz. A decoração é um medalhão de ouro exibindo a Santíssima Trindade em um céu azul esmaltado, suspensa de uma fita vermelha e dourada.

Ordem de Menelik II. Fundada em 1924 para homenagear o imperador de mesmo nome, esta ordem foi muitas vezes referido como o "Ordem do Leão" para o animal nobre representado no centro de sua cruz verde e vermelho. A insígnia é suspenso a partir de uma fita de ouro profunda alinhados em suas bordas em vermelho e verde, representando a bandeira etíope. A ordem é dado de diversas patentes.

Ordem da Estrela da Etiópia. Esta ordem foi fundada pelo imperador Menelik II, em 1885, baseado em uma antiga decoração. Agraciado em várias fileiras, a Ordem da Estrela é uma estrela de ouro multi-pontas filigrana definir com jóias, suspensa de uma fita de vermelho, dourado e verde.

Ordem do Leão etíope. Esta é realmente uma nova ordem, fundada em 1996, na tradição da Ordem de Menelik II, que foi muitas vezes referido como o "Ordem do Leão". A decoração da Ordem do Leão da Etiópia é um rolamento medalhão circular, em seu centro, o leão da Etiópia. A fita é o vermelho, amarelo e verde. Como não é baseada em um cruzamento, projeto este pedido não é considerado ofensivo aos muçulmanos. Ele é concedido em diversas patentes.

Ordem de Haile Selassie I. Fundada pelo Imperador Amha Selassie I, em 1992, para comemorar o centenário do nascimento de seu antecessor agosto, essa ordem é concedida a africanistas e outros em diversas patentes. A decoração é um rolamento esmaltado cruz branca em seu centro uma semelhança de Haile Selassie , suspensa de uma fita azul afiado nas cores etíopes.

Ordem de Santo António. Esta é a mais antiga ordem de cavalaria etíope, concedido exclusivamente em clérigos, geralmente nas fileiras do Cavaleiro da Grande Cruz ou companheiro. A decoração é um profundo azul arroxeada Latina formy cruz suspensa por uma fita listrada de cores semelhantes. A Ordem de Santo António foi dado na Idade Média pelos últimos reis da Etiópia e arcebispos, e associação implícita em uma confraria de elite.

Aristocracia da Etiópia

A mais antiga aristocracia etíope, que data desde os tempos bíblicos, era essencialmente tribal e de natureza militar, e em alguns casos nômade, e isso mudou pouco durante a Idade Média. Os governantes regionais eram conhecidos pelos títulos de negus (rei) ou Amir (emir), enquanto que o soberano era o Negest Negusa ("Rei dos Reis"), conhecido no Ocidente como o Imperador. Imperatriz é Itegue.

Em vez de tentar considerar os títulos tradicionais etíopes de nobreza, comparando-os para títulos europeus, vamos vê-los em seu contexto de origem.

Ras é o posto mais alto nobre, por vezes, suportadas por príncipes menores do sangue de Salomão. Uma teve de ser elevada à categoria de negus por decreto imperial, mas ras era geralmente hereditária. (Origem da palavra é Indo Europeu, daí os índios "raj,os egípcios 'ra, os romanos" rex.)

Bitwoded (Bit abreviada.). Literalmente "amado" pelo rei, o mais alto fileiras não-reais de título após ras em precedência.

Dejazmach (abreviado Dej.) É um título que segue alta bitwoded em precedência. Ele originalmente se referia a um "porteiro". Em tempos mais recentes, foi também um título militar.

Fitawrari (Fit abreviada.) É um título nobre e era um ex-militar, que significa "líder da vanguarda". Este título classificado após Dejazmach.

Gerazmach (abreviado Geraz.) Classificou após fitawrari e é traduzida literalmente "comandante militar de esquerda." Este é um dos títulos mais baixos aristocráticos, mas também um dos mais antigos.

Kenyazmach (abreviado Kenyaz.) É equivalente em classificação para gerazmach, ao qual podem ser considerados como complementares. Significa "comandante militar de direita."

Balambaras é um título de nobreza inferior de origem antiga, literalmente "castelão" ou comandante de uma fortaleza. Similar em alguns aspectos a Dejazmach mas considerado um título menor.

Ato. Tradicionalmente "senhor" para um cavalheiro. Agora "Mister".

Woizero (abreviado Woiz). Tradicionalmente dama aristocrática, agora a Sra.

Lij. Literalmente "criança", este é um título reservado aos filhos da nobreza do título.

Intitulado coletivamente nobres foram os makwanent.

Considerando títulos europeus, como a contagem e barão eram militares ou de origem feudal, eles haviam se tornado essencialmente pouco mais do que as distinções sociais, na maioria dos países até o século XIX, enquanto alguns títulos tradicionais etíopes em uso no século XX ainda implícita muitos dos papéis e deveres da era medieval.

Perto do final do século XIX, a Coroa etíope começou a "ocidentalizar" o seu sistema de camadas sociais e honras com a introdução de títulos de nobreza e ordens de cavalaria com base no modelo europeu. (Etiópia não estava sozinho nessa; desenvolvimentos semelhantes ocorreram no Japão). Assim, foram introduzidos os títulos continentais do duque, marquês, conde, visconde, barão e cavaleiro (nas ordens de cavalaria ). Exceto para os de cavaleiro, estes títulos eram geralmente hereditária na linha masculina de primogenitura, embora um nobre chamado às vezes poderia designar qual dos seus filhos era para ser seu herdeiro.

Em séculos passados, o consentimento do negus ou (para títulos mais elevados), o Imperador foi necessário para confirmar a transmissão.Menelik II decretou que apenas o próprio imperador poderia criar (doar) qualquer título de nobreza ou honra na Etiópia.

Embora alguns dos etíopes concedido tais títulos já traziam nativos, outros foram recém-enobrecido com as fileiras ocidentais, que conferidos tribunal precedência, mas sem privilégios especiais para além disso.

O último imperador da Etiópia, Amha Selassie I, nomeou os membros do Conselho Coroa Imperial com um decreto de 15 de Julho de 1993, e do Conselho da Coroa respeitou sua decisão que um Imperador não deve ser coroado até a monarquia etíope é restaurada.

Durante um interregno, o Imperial Crown Conselho é a fonte de todas as honras no dom do Império da Etiópia. Na prática, o Conselho da Coroa, ocasionalmente, reconhece títulos de nobreza etíopes, mas muito raramente cria estes. Durante mais de vinte anos de exílio, suas honras Majestade Imperial concedeu título de cavaleiro () em vez raramente, embora ele fundou a Ordem de Haile Selassie I em honra de seu antecessor, em 1992.

Reflexões sobre Haile Selassie

Os fatos de sua vida são bem conhecidos. Haile Selassie influência sobre o mundo é o seu legado mais duradouro. Nascido Tafari Makonnen em 1891, Haile Selassie veio a ser identificado intimamente com a Etiópia. Só raramente no mundo moderno é que a história de um homem tornar-se tão intimamente ligada à história de uma nação.

Diz-se que grandes eventos gerar grandes homens, mas gerar falhas, bem como, e as fronteiras entre os dois é muitas vezes definida por atos singulares de coragem. Estes Imperador, o etíope não falta.

Não surpreendentemente, a fortaleza do homem por vezes referido como "The Lion" inspirou Nelson Mandela, Martin Luther King e Malcom X, mesmo, cada um dos quais correspondia com Haile Selassie - que defendia a desobediência civil quando era necessário para remediar a injustiça social fundamental ou Haile Selassie restaurar a liberdade aos oprimidos.

Presença do Imperador no funeral do presidente Kennedy ainda é lembrado. Parece apropriado que de alguma forma o filme Born Free foi filmada na Etiópia durante o reinado de Haile Selassie.

Etiópia
Haile Selassie

Fala-se de líderes de homens como se suas vidas públicas foram completamente divorciada de seus entes privados. Para um monarca hereditário, isso não deve ser o caso. O que seus filhos pensam dele é tão importante quanto o que todo mundo pensa.

Haile Selassie foi um marido dedicado e pai. Sua esposa, a Imperatriz Menen, morreu em 1962. Seus filhos, Sahle Selassie, Makonnen, e Asfa Wossen, tinha um grande senso de dever para com seu pai e ao seu povo. De suas filhas, a princesa Tenagne, em particular, excercised várias funções oficiais.

Haile Selassie subiu ao trono na era da exploração polar e comunicação lento. Nação mais antiga da África era pouco mais que uma nota de rodapé para as grandes histórias do dia - algo que os americanos e ingleses ler sobre as páginas da National Geographic.

Algumas pessoas ainda chamada de Abissínia país. Em certos países, muito além das fronteiras da Etiópia, segregação e apartheid foram há muito estabelecida e pouco questionada. A maioria das outras "nações" africanas foram colônias. Mesmo em casa, a escravidão era tecnicamente ainda legal.

Em tal era, palavras como "pan-africanismo" e "direitos civis" foram pouco mais de esotéricos noções filosóficas entretidos por uns poucos iluminados. Que um país tão atrasado como a Itália, cuja pobreza generalizada levou a emigração de milhões de pessoas, que procuram devorar uma nação como a Etiópia, foi uma ironia sutil demais para levantar as sobrancelhas fora dos círculos mais sofisticados intelectuais.

Com o apoio britânico, Haile Selassie voltou a derrotar o exército italiano, que, no caso, nunca os Aliados visto como muito mais do que um incômodo. Os próprios britânicos considerou a campanha etíope em seu contexto estratégico - como uma forma de libertar o Mar Vermelho de controle Eixo possível - tanto quanto a libertação de uma nação soberana. Para os etíopes, foi muito mais uma vitória moral como um militar.

O discurso do Imperador para a Liga das Nações, denunciando a invasão italiana é mais lembrado do que a agressão em si. É solicitado essencialmente ineficazes sanções comerciais internacionais contra uma nação europeia, mas, como a Batalha de Adwa quatro décadas antes, representado de forma tangível uma das poucas ocasiões na era moderna, que um país Africano desafiou a arrogância de um europeu.

Havia muito poucos líderes mundiais da era pós-guerra que, na verdade, levou as tropas em combate. Haile Selassie e Dwight Eisenhower foram excepcionais, a este respeito, que parcialmente responsável por sua estreita amizade.

Mesmo quando o inimigo é verdadeiramente formidável, a coragem tem um lado psicológico que tem pouco a ver com o combate ou vitória física. Pode parecer derrotado materialmente sem ser derrotado moralmente. Talvez seja uma questão de confiança, valores ou conhecimentos.

A maior força de Haile Selassie era como um construtor de pontes - através dos rios, mas também entre as culturas. Suas viagens o levaram a muitos países, e ele se tornou um dos mais populares chefes de Estado, e um dos homens mais condecorados do mundo.

Foi durante uma viagem como, em 1960, que ele teve que correr para casa para enfrentar uma tentativa de derrubar a ordem existente. Este talvez serviu como um lembrete de que as revoluções mais perigosos são encontrados em sua própria casa.

O soberano, que já foi conhecido como um reformador agora encontra-se ressentido por muitos membros da classe muito social de suas políticas econômicas e educacionais que ajudou a criar. Internacionalmente, no entanto, seu prestígio não sofreu. O Imperador criou a Organização dos Africano (OUA), em 1963, com sede em Adis Abeba.

A revolução de 1974 foi apoiado por forças externas e, enquanto suas raízes domésticas, seus objetivos secretos não pode ser dito ter sido apoiado por mais do que uma pequena fração de etíopes. Verdade seja dita, as práticas administrativas que funcionaram bem em 1950 eram terrivelmente ineficiente na década de 1970, e uma série de problemas foram citados como um pretexto para uma escala completa golpe de Estado.

Economia da Etiópia pré-industrial não era melhor preparado para o marxismo do que a Rússia tinha sido em 1917. Último fracasso do comunismo social e econômico, na Etiópia, assim como na Rússia, certamente indica superioridade da democracia, quer que a democracia é personificada por uma república ou uma monarquia constitucional.

A aliança Derg com a União Soviética fez Etiópia, o instrumento de uma potência estrangeira, precisamente a coisa Haile Selassie resistiu.

Ele tinha um pedigree salomônica , mas Haile Selassie era um homem do povo. Talvez é assim que ele deve ser lembrado.

História

A terra e seu povo

Sua geografia é única. Cobrindo bem mais de um milhão de quilômetros quadrados, a Etiópia é cerca de duas vezes tão grande como o Quénia ou o Texas, ou cerca de cinco vezes maior do que o Reino Unido. Suas magníficas faixas paisagem de áreas desérticas ao planalto de florestas.

Em 4620 metros, o Monte Ras Deshen é o pico mais alto da Etiópia, e quarta maior de África, mas 20 montanhas subir a mais de 4.000 metros. As águas do rio Abay, ou Nilo Azul, Lago Tana alimentação e fluxo no Nilo. A maioria das águas do Nilo se originam na Etiópia.

Etiópia é geralmente considerada a mais antiga nação da África continuamente identificável, embora a história escrita do Egito é mais antigo e mais completo.

Etiópia é landlocked hoje. Eritreia (independente desde 1993), Djibouti e em partes da Somália, partes muito de suas histórias antigas, medieval e moderna com a Abissínia, a Etiópia era conhecido anteriormente. O Iêmen é perto.

Através do Mar Vermelho é a Província Asir montanhosa da Arábia Saudita. Asir, que fica na Ásia, tem uma topografia acidentada não ao contrário do que planaltos da Etiópia, e os etíopes Mapa são um dos maiores da província minorias étnicas. Em tempos passados, Etiópia fronteira Egito, abrangendo partes do que é hoje o Sudão.

Etiópia é a casa do leão, leopardo e chita, mas para muitas outras espécies também. Uma lista curta incluiria a girafa, o elefante, rinoceronte, bushpig, javali, e diversas variedades de ibex (incluindo o Walia raro), bambis, antílope, gazela, zebra, búfalo, macaco, babuíno, hiena, chacal e lobo.

Algumas dessas criaturas existem em populações maiores no Quênia vizinha, mas a Etiópia provavelmente possui mais espécies de mamíferos selvagens do que qualquer outro país no mundo. Muitos são diminuídos por o avestruz, uma das espécies da Etiópia 800 de aves. Alguns destes animais são exclusivos para a Etiópia. Vida da Etiópia planta é igualmente diversificada.

Os etíopes primeiro tinha nomes como Lucy Australopithecus afarensis, Australopithecus africanus eo Homo habilis. Eles foram os antecessores do Homo sapiens, a nossa espécie. Vale do Rift da Etiópia e de outras regiões produziram achados que indicam que esta nação pode muito bem ser o berço da raça humana.

Há duas origens possíveis da Etiópia nome. A tradição diz que deriva do nome de Etiopik, descendente do Noé bíblico. Lingüistas acreditam que vem da expressão grega para "rostos queimados de sol." Abissínia, outro antigo nome para esta terra, provavelmente nos vem a habishat árabe, que, neste contexto, refere-se a população do país "misto".

História Antiga

Não há dúvida de que os seres humanos têm habitado Etiópia desde o alvorecer da história registrada, conforme indicado nos desenhos rupestres iniciais. Os etíopes mais moderno não são um único grupo racial ou étnico, um fato que se reflete na diversidade de Leoa e filhote suas línguas . Apesar de algumas tentativas do século XX europeus para apresentá-los tão escuro caucasianos, etíopes são predominantemente negróide.

Alguns povos da Etiópia, como a Surma, foram claramente tribal e semi-nômades, enquanto outros eram mais dependentes da agricultura. É difícil generalizar sobre uma mistura tão complexa étnica dos povos.

No entanto, a Etiópia é a nação subsaariana apenas Africano com claros laços históricos e culturais para as culturas antigas do Mediterrâneo. Talvez com base em suas explorações navais de "Punt" (provavelmente uma cidade costeira no Mar Vermelho), os próprios egípcios acreditavam que seus antepassados eram etíope, e uma dinastia etíope foi criada no Egito em 720 aC (BCE).

Várias inscrições e outros registros indicam que a primeira egípcios claramente sabia da existência da Etiópia, mas na época o último era pouco mais do que uma rede levemente aliado de reinos.

O Antigo Testamento faz nada menos que 30 referências à Etiópia ("Cush" aos Hebreus). Moisés casou uma mulher "etíope" (Números 00:01). Segundo a tradição, a nação etíope foi fundada por Etiopik, bisneto de Noé, e Axum (Aksum) foi fundado pelo filho de Etiopik, Aksumai. Rainha Makeda de Sabea (Sabá) teria sido um membro desta dinastia, ela governou uma vasta área que inclui o Iêmen, e em seu reinado etíopes negociadas com os povos, tanto quanto a Palestina e Índia.

Makeda aventurou-se a Jerusalém para visitar o rei Salomão, por quem ela teve um filho, Zebra Menelik (de Ibn-al-Malik, Filho do Rei). Assim foi criada a dinastia salomônica , que a tradição identifica com várias linhas amalgamados na dinastia que governou até 1974.

Acredita-se que Menelik visitou seu pai em Jerusalém por três anos como um adulto jovem, aprendendo a lei mosaica, e voltou para a Etiópia com a Arca da Aliança. Há, no entanto, nenhuma evidência conclusiva deste, ou dos povos judeu Felasha sendo descendentes de judeus do tempo de Salomão, e alguns estudiosos identificam rainha Makeda com a rainha Bilkis de Sabea (Iémen).

A Etiópia tem existido de alguma forma como um estado identificável desde o século 10 aC. Muito mais recentemente, os antigos gregos e romanos conheciam os etíopes e negociar com eles.

Axum (Aksum), na região de Tigray do norte perto Adwa, foi fundada por volta de 500 aC. A sua importância econômica, baseada no comércio, nasceu durante o período ptolomaico do Egito (330 aC) e floresceu com a expansão do Império Romano.

Civilização romana outshone cultura grega por um tempo, mas com a ascensão à fama do Império do Oriente (Bizantino) e com a chegada do cristianismo, os gregos novamente fez sentir a sua influência. Rei Ezana era famoso por cristianização Axum.

O Império Axumite é descrito nas Periplus crônicas gregas do Mar antigo, escrito no primeiro século, e pelo persa autor Manni, que, dois séculos mais tarde considerou um dos grandes impérios do mundo, na companhia de Pérsia, China e Roma . Axum negociado com a Arábia, Índia, Roma e Pérsia.

Os Axumites falavam uma língua chamada Ge'ez, escrito com o alfabeto de Sabá. Seu maior legado arquitetônico é seu distintivo torres de granito monolíticos.

Apesar de influências gregas eram certamente evidente, Axum desenvolvido gradualmente em uma civilização em seu próprio direito. Com o apoio do Patriarca de Alexandria, o imperador Axumite Caleb lutou uma guerra contra os comerciantes e colonos judeus no Iêmen, em 523 dC (523 dC), em resposta à perseguição de cristãos lá, impondo administração etíope por um tempo.

Por volta do século oitavo, com influência muçulmana em crescimento, influência política etíope na Península Arábica gradualmente diminuído, embora os comerciantes etíopes continuaram a residir lá. O Império Axumite-se espalhado ao sul para a região Agew e depois para Lasta, e isso levou a brigas com os povos destas áreas.

A Idade Média

A cultura da Etiópia que conhecemos hoje pode-se dizer que datam de entre os séculos IX e XI, coincidindo com o declínio político de Axum. Judaísmo e Islã cresceu para ser poderosas forças da Etiópia. O Felasha (judeu) Yodit rainha, filha do Gideon quase lendária, liderou uma expedição destrutiva contra Axum volta 980.

Acredita-se que, após a morte de Yodit, Axum um rei cristão, Anbessa Wudim, voltou para Axum para restaurar o controle cristão. A dinastia Zagwe, primeiro com base em Lasta, surgiu em torno deste tempo. Muitas das igrejas da Etiópia rocha em Roha (agora Lalibela) data do reinado do rei Lalibela Zagwe. Uma série de fortalezas também foram erguidas durante esta época.

Rei Yekuno Amlak subiu ao trono em 1270. Suas origens são incertas. O Negest Kebre (A Glória dos Reis), uma das histórias mais importantes da Etiópia, descreve descida Solomonic sua linha. A história do Preste João, um governante lendário cristão da Etiópia, acrescentou brilho à regra os monarcas salomônica ".

Etiópia
Axum

No século XIV, o imperador Amda Siyon feito um sério esforço de expansão, anexando territórios e consolidando-as em uma Etiópia que mais ou menos conformado com as fronteiras de hoje. Para isso, ele suprimiu movimentos étnicos e firmemente estabelecida a Etiópia como uma amárico e nação cristã. Ele concedeu uma forma de autonomia para os governantes regionais como seus vassalos feudais com autoridade sobre gults, ou feudos, e acomodados Islã.

Zara Yakob, nascido em 1434, foi um dos mais notáveis governantes da Etiópia. Famoso por sua inteligência, ele ainda desenvolveu o que já havia se tornado duas instituições fundamentais do Estado etíope - Cristianismo e do feudalismo. Ele também instituiu uma nova capital, em Debre Birhan no norte Shewa. Zara Yakob expandiu seu reino em Eritreia e estabeleceu tênues laços diplomáticos com vários monarcas europeus.

O que se seguiu foi uma sucessão de governantes menores que foram forçados a lidar com incursões muçulmanas e influências estrangeiras.

A Era Moderna

Com a ajuda de Português, os muçulmanos, liderada por Ahmed Gragn, foram novamente suprimido em 1543. Isso não pôr fim às hostilidades, mas certamente limitada revoltas graves. Português e influência da Igreja Católica tornou-se maior. Em 1632, o Igreja da Rocha Imperador Fasil banido a maioria dos estrangeiros e colocou a Igreja Ortodoxa na sua posição de primazia.

Fasil residiu em Gonder, que fez capital da Etiópia em 1636. É assim permaneceu durante dois séculos, e um período de prosperidade começou.

Na Etiópia, o título de "imperador" significa literalmente "rei dos reis". No século XIX, esse papel era essencialmente simbólico. Kasa Hayla, coroado Imperador Tewodros II, em 1855, procurou mudar esta situação. Embora amplamente respeitado, ele era um governante austero cujas políticas não eram universalmente adotada na Etiópia.

Etiópia
Igreja da Rocha

Em 1869, os britânicos enviaram tropas para subjugá-lo. Esta foi a primeira tentativa séria por uma potência europeia para subverter a soberania etíope. Sitiada em Makdela, Tewodros cometeu suicídio.

Uma guerra de sucessão seguido. Em 1871, o Imperador Takla Giorgis foi derrotado pelo governante de Tigray, Kasa Mercha, que passou a ser seu irmão-de-lei. Kasa Mercha foi coroado Johannis IV em 1872, mas sua autoridade foi contestada por alguns líderes regionais, como Menelik de Shewa.

Em 1878, ele assinou o Acordo de Leche em uma tentativa de regularizar a relação política entre o imperador e os príncipes. Infelizmente, isso não impediu as tentativas de forças externas para "dividir e conquistar" Etiópia através da negociação com os vários príncipes.

O fim do colonialismo

O papel da Etiópia na política européia resultou da influência francesa e britânica na região.

Etiópia foi um dos poucos territórios que não tinham se tornado uma colônia européia, e na Itália, um recém-chegado a bonança colonial, logo fez seus desenhos conhecidos. Ao contrário da França e do Reino Unido, o Reino da Itália, formado pela anexação forçada de várias monarquias italianos em 1860, não era uma nação particularmente livre e democrático.

Apesar de uma estrutura sombria constitucional, o controle do governo estava nas mãos de um rei que nomeou a maioria dos senadores e ministros, e até mesmo determinada política externa. Exército da nação italiana e da Marinha deixou muito a desejar em termos de liderança e prontidão de combate em geral, uma situação que pouco mudou com o passar das décadas.

No entanto, os outros poderes encontrados lo economicamente conveniente para permitir que a Itália para atuar como seu substituto não oficial, especialmente se isso serviu para reduzir a ocupação da França de territórios britânicos ou vice-versa. A Itália recebeu Massawa dos britânicos em 1885 e ocupou vários portos do Mar Vermelho em 1886.

Itália defendeu sua aquisição desses territórios costeiros em função de garantir a estes para o comércio.

Etiópia
Imperador
 Menelik II

Johannis estava aliado com os britânicos em sua guerra contra as forças Mahdist no Sudão, mas atacou várias das guarnições italianas durante uma série de batalhas, em 1887, e, geralmente, ganhou. Suas tropas foram repelidos em Saati em janeiro, mas destruiu uma força de 500 soldados italianos no Dogali no dia seguinte.

Menelik II Em março de 1888, quando ele liderou uma força de cerca de 80 mil etíopes para sitiar o forte italiano no Saati, os ocupantes se recusaram até mesmo a deixar seu refúgio para contratar os atacantes. Em março do ano seguinte, Johannis morreu como resultado de ferimentos infligidos durante uma batalha contra as forças Mahdist e II Menelik, negus de Shewa, sucedeu-o como imperador.

Nascido em 1844 como Sahle Miriam, Menelik II é geralmente considerado o fundador da nação etíope como existe hoje, ter sucesso unidos que eram anteriormente várias regiões diferentes e povos. Isto resultou de conquista bem como apaziguamento. Ele era o rei (negus) de Shewa de 1865 até 1889, quando se tornou imperador. A rápida modernização de sua nação foi a maior conquista Menelik doméstica.

Menelik II havia se mudado sua capital para o que viria a se tornar Addis Abeba. A peste bovina epidemia se espalhou pelo gado importado pelos italianos eclodiu em 1888. Em combinação com uma seca e um aumento na população de alfarroba, uma fome desenvolvido que durou quatro anos. Continuação rixas entre os príncipes etíopes fizeram pouco para ajudar a matéria.

Em Outubro de 1889, Itália declarada unilateralmente Etiópia protetorado com base no Tratado de Wechale, em que a Itália tinha inserida uma cláusula não presentes na versão Amharic do documento. (Isto parece incrível nos anais da diplomacia, mas de fato a política externa italiana do período deve muito a essas táticas.) No caso, a Itália já tinha assegurado o controle da Eritreia, a Etiópia, que próprias reivindicações eram menos do que absoluta.

Etiópia
Selo de Menelik II

Mas Menelik teve de unir seu povo se ele estava para enfrentar o italiano Selo de Menelik II ameaça com sucesso. Este foi um processo gradual em modernização tecnológica extensa, tanto quanto manobras políticas, mas ele acabou por ser capaz de levantar um grande exército multiétnica bem armado de 100.000.

Fora Adwa (ou Adowa) em 2 de março de 1896, Menelik II conduziu pessoalmente o seu exército para derrotar uma força italiana e da Eritreia de cerca de 15 mil soldados, dos quais um terço eram realmente tropas italianas.

Foi a primeira derrota Africano de um exército europeu na era moderna. Itália foi feita para olhar incompetente ou pior. O governo Crispi caiu e os italianos recuaram para a Eritréia. Soberania etíope não foi mais questionada. Os fatores que figuraram em detrimento da Itália foram para benefício da Etiópia.

O exército italiano passaria a ser visto como uma força de incompetentes que nos conflitos subsequentes poderiam alcançar uma vitória decisiva apenas com a ajuda de seus aliados, se em tudo, enquanto os etíopes foram vistos como nobres guerreiros.

Interlúdio

Menelik continuou a modernização de seu país. Havia muito a ser feito. Maior introdução de energia elétrica, ferrovias, telefones, escolas, hospitais e estradas pavimentadas foram algumas de suas realizações. Apesar de seu governante era amárico e cristã, a Etiópia ostentava liberdade religiosa absoluta. Infelizmente, Menelik II não aboliu a escravidão ou fora da lei, uma instituição que, embora não generalizada, ainda existia em algumas partes do país.

Etiópia
Guerreiros etíopes 1924

a sua morte, em 1913, Menelik foi sucedido por seu neto, Iyasu, que reinou apenas brevemente. Iyasu foi derrubado com o apoio do Conselho da Coroa, em 1916, para, entre outras coisas, de ter abraçado a fé muçulmana em violação da lei dinástica.

Filha de Menelik, Zawditu, foi coroada imperatriz em 1917, com o jovem Tafari Makonnen como regente e herdeiro aparente. Kin a Menelik, Tafari era o filho de Makonnen, primo e conselheiro do Imperador tarde. Makonnen foi ter conseguido o Imperador, mas antes dele.

Tafari Makonnen, nascido em Ejarsa Goro, perto Harer, em 1892, exerceu considerável influência na corte. Ele se tornou Rei de Shewa em 1928. Após a morte da imperatriz Zawditu em 1930, Tafari Makonnen foi confirmado como Imperador pela Coroa Imperial Conselho e ascendeu ao trono como Haile Selassie I, um nome que significa "Poder da Trindade".

Como Menelik, Haile Selassie era conhecido como um reformador e modernizador, especialmente durante a primeira parte de seu reinado. Ele revisou a constituição e procurou trazer Etiópia mais perto do estilo europeu da monarquia e do governo, a introdução de vários programas sociais e tentar uma maior unificação dos diversos povos da Etiópia. Ele estava em sua insistência de que a Etiópia se juntou à Liga das Nações em 1923, tendo a escravidão finalmente proscrito.

Em guerra outra vez

Haile Selassie continuou os esforços de modernização Menelik, mas, como ele, era tornar-se mais conhecido como um rei guerreiro. Ele foi o papel da Etiópia no Segunda Guerra Mundial que definiu a identidade da nação internacionalmente para a segunda metade do século XX. Itália nunca esqueceu sua derrota humilhante em Adwa.

Buscando expandir para além de seus domínios somalis, a Itália fascista tinha cobiçadas terras etíopes há alguns anos, provocando uma disputa de fronteira que o imperador tentou resolver pacificamente. Apesar do desacordo, as relações com a Itália parecia cordial, e em 1930 Haile Selassie aceitou a Ordem da Anunciação do rei Victor Emmanuel III.

Infelizmente, o estabelecimento de um vasto império colonial era parte integrante da política externa fascista, e os italianos invadiram a Etiópia em 3 de outubro de 1935, sem declaração de guerra. (Assim, os termos precisos do Pacto de Paris, ou Pacto Kellogg-Briand, não foram realmente violados.)

Apesar dos esforços heróicos que retardou significativamente o avanço inimigo, as tropas imperiais foram esmagados pelos italianos, que fez uso precoce, mesmo contra a população civil, de gás venenoso, lança-chamas e outras armas proibidas por um tratado internacional.

Pouco antes da queda de Addis Abeba no início de maio, o imperador, sua equipe, e parte do que restava do seu exército, recuou para o exílio. Igreja da Rocha Parando brevemente para rezar em uma das famosas igrejas da Etiópia rock, Haile Selassie prometeu voltar, mas se ele poderia fazer bom em sua promessa ficou para ser visto.

Etiópia
Igreja da Rocha

O imperador dirigiu-se à Liga das Nações em 30 de junho. Seu apelo apaixonado para a libertação de seu povo agora é famoso, e resultou em sanções comerciais limitados contra a Itália, mas foi alguns anos antes que o mundo reagiu de uma forma eficaz.

Enquanto isso, o italiano forças apoiadas assassinado, os monges do Mosteiro de Debre Libanos, e executado Arcebispo Petros, Patriarca da Igreja Ortodoxa Etíope. (Infelizmente, esse tipo de comportamento não era para ser exclusivo para a Etiópia, tornou-se o modelo para a atividade fascista em territórios ocupados após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, quando o clero ortodoxos nos Bálcãs foram executados com pouco ou nenhum protesto por parte do italiano capelães militares - sacerdotes católicos supostamente mais fiéis ao Papa do que o Duce).

Não obstante tais táticas, certas regiões do país nunca foram completamente controladas pelas tropas de ocupação, cujos esforços foram dificultados por um forte movimento de guerrilha apoiada pela nobreza rural. Regente do imperador, Ras Imru, manteve um governo subterrâneo no oeste Wolega.

Em fevereiro de 1937, em retaliação amargo por um golpe de Estado tentado por etíopes leais ao seu imperador, o exército italiano, sob as ordens do vice-rei, o general Rodolfo Graziani, tentou dizimar a população. Graziani, um fascista veemente depois julgado e condenado pela República Italiana por crimes de guerra, estava seguindo ditames fascistas; Mussolini exigiu "olhos 10 para cada olho."

Algumas estimativas colocam o número total de mortes civis etíopes resultantes de ações punitivas deste tipo em cerca de um quarto de milhão. Como resultado de sua conduta na campanha da Etiópia e da ocupação, a Itália se tornou a primeira nação sempre citado por crimes contra a humanidade pela Organização das Nações Unidas Comissão de Crimes de Guerra.

A partir da sede do seu governo no exílio, em Bath, na Inglaterra, o imperador procurou apoio internacional, com resultados decepcionantes. O Reino Unido e a França reconheceu administração de fato da Itália da Etiópia em abril de 1938.

Em um de seus gestos mais cômicos, Mussolini ofereceu dinheiro imperador exilado a reconhecer os direitos da Itália em seu país. Foi um reconhecimento tácito de que o controle da Etiópia foi difícil na melhor das hipóteses. Líderes da guerrilha, como Abebe Aregai, ex-chefe de polícia de Addis Abeba, fez assim, e eles foram incentivados pela eclosão da guerra na Europa, em 1939, prever com precisão que a Itália estaria envolvido em breve.

Declaração da Itália de guerra aos Aliados em junho de 1940, e sua posterior confisco de Somalilândia Britânica dois meses depois, abriu o caminho para a Allied assistência militar. Os britânicos não tinha intenção de permitir o controle do eixo do Mar Vermelho.

Foi feito um esforço para "desenvolver" o território chamado "África Oriental Italiana" e torná-lo rentável, mas a política econômica do fascismo não era melhor do que a sua política externa. No entanto, os italianos melhoraram rede da Etiópia de estradas, hospitais construídos e tentou melhorar a agricultura. Seus esforços poderiam ter sido melhor direcionado para regiões italianas, como Basilicata e na Sicília, onde esta forma de ajuda econômica foi extremamente necessário.

No início de 1941, Haile Selassie e suas tropas chegaram na Etiópia com os britânicos. Entrando do Sudão, o imperador levou seu exército pessoal, Gideon Force, em Gojam, enquanto o príncipe Asfa Wossen inserido a partir do sul. Os italianos entrincheirado mas desmoralizada foram derrotados diante de uma força britânica muito superior em termos de formação e determinação, se não números. A libertação muitas vezes teve resultados bizarros.

As batalhas maiores foram, na verdade, cercos de fortes italianos. No Markos Debre, a capital da província Gojam, alguns italianos 14.000 foram cercados por cerca de 300 etíopes e forçado a se render. (Isto não deve ser exagerada, no entanto, que a maior parte das tropas da Itália foram pouco motivados e mal treinados era bem conhecida.

Apenas dois anos depois eles se mostraram relutantes em defender seu próprio país, mesmo em Lampedusa e à Sicília.) O imperador re-entrou Addis Abeba, em 05 de maio, cinco anos depois do dia de captura da capital pelas tropas invasoras, provando afirmação prematura de Mussolini que "A Etiópia é italiano."

O Leão tinha retornado. Após a sua restauração, um dos primeiros atos de Haile Selassie era garantir a proteção dos prisioneiros e civis italianos, em seus domínios. Em um tratado de 1947, a Itália reconheceu a sua irregularidade na Etiópia e se comprometeu a pagar essa nação 35 milhões de dólares em reparações - uma soma tolhida por 125 milhões de dólares da Itália em reparações a Jugoslávia.

O britânico na Etiópia tratada primeiro como uma colônia conquistou estrangeiro, mas após a Segunda Guerra Mundial reconheceu a independência total.

Revolução

A aproximação das sortes ocorreu com décadas Itália mais tarde, quando o imperador reuniu-se com Amedeo de Sabóia, o jovem duque de Aosta, na Etiópia, em 1968.

Tio Amedeo, também Amedeo, que era vice-rei da Etiópia, durante os anos de ocupação finais, foi preso em 1941 e morreu de causas naturais como um prisioneiro de guerra britânico em Nairobi em 1942. Durante a visita, em 1968, uma empresa do Palácio Imperial Guarda deu o seu xará uma saudação real, um privilégio geralmente reservado aos chefes de Estado.

Ministro das Relações Exteriores italiano Pietro Nenni tratado isso como uma visita quase oficial, embora o duque de Aosta não tinha cargo no governo italiano, o primeiro chefe de Estado italiano para visitar Etiópia desde a Segunda Guerra Mundial seria o presidente Oscar Luigi Scalfaro, em Novembro de 1997. O imperador fez um esforço especial para encontrar novamente com o duque de Aosta, durante uma visita de Estado à Itália, em 1971.

Mesmo que o imperador estava reunido com o jovem duque, as forças revolucionárias estavam mexendo na Etiópia. Após agitação política muito, um golpe de Estado ocorreu em 1974. Não foi a primeira tentativa de revolução. As apoiados pelos soviéticos "revolucionários" mostrou pouco respeito pelos direitos humanos.

O imperador foi preso. Seu filho, o príncipe Asfa Wossen, nascido Haile Selassie em 1908, foi nomeado o "imperador designado" in absentia como Amha Selassie I mas em março de 1975, foi "deposto" de um trono simbólico ea monarquia abolida ilegalmente.

Vários membros da família imperial foram presos, mas outros foram para o exílio. Haile Selassie foi assassinado em agosto de 1975. Asfa Wossen não estava presente na Etiópia, quando estes eventos aconteceram, como tinha sido no estrangeiro para tratamento médico.

A substituição da monarquia por um conselho marxista chamada Derg (Dergue) levou à ditadura Haile Mengistu Meriam militar, que governou a Etiópia com mão de ferro até sua derrubada em 1991. Além da supressão de liberdades pessoais, normalmente associadas com regimes desse tipo, as políticas econômicas e sociais deste governo agravadas dificuldades domésticas, muitas vezes com grande custo humano.

As tensões étnicas e fome foram proeminente entre estes problemas. Hoje, apesar de um governo mais tolerante, a Etiópia ainda está longe da estabilidade econômica ou política.

Uma revolução, finalmente, tornou-se possível com a queda do comunismo e erosão subseqüente de apoio soviético. O governo de transição de Meles Zenawi, instalado em 1991, em circunstâncias difíceis, procurou estabilizar e fortalecer a Etiópia.

Infelizmente, certos abusos de direitos humanos (prisão de opositores políticos, jornalistas e dirigentes sindicais) continuaram, como uma questão de prática, se não de política, e conflitos entre facções é galopante. Conflito entre grupos rebeldes eritreus e Tigrean piorou, e em abril de 1993 a Eritreia, uma região autônoma da Etiópia desde 1952, tornou-se uma nação soberana.

O governo não tentou uma reconciliação formal com a Família Imperial. No entanto, foi um marco do reinado imperial que os povos poliglota etíopes foram unidos como uma nação coesa, e essa unidade promoveu uma força política e econômica que de outra forma poderia não existir. Em vista dos recentes desenvolvimentos, a divisão ainda pode seguir.

Fonte:  www.imperialethiopia.org

Etiópia

Etiópia é o mais antigo país da África independente e sua segunda maior em termos de população. Para além de uma ocupação de cinco anos pela Itália de Mussolini, que nunca foi colonizado.

Ela tem uma herança cultural única, sendo a casa da Igreja Ortodoxa Etíope e uma monarquia que só terminou no golpe de 1974.

Ele serviu como um símbolo de independência Africano durante todo o período colonial, e foi um membro fundador da Organização das Nações Unidas e da base Africano para muitas organizações internacionais.

Etiópia sofreu secas periódicas e fomes que levam a uma longa guerra civil no século 20 e uma guerra de fronteira com a Eritréia.

Na primeira parte do século 20 Etiópia forjou fortes laços com a Grã-Bretanha, cujas tropas ajudaram a expulsar os italianos em 1941 e colocar o Imperador Haile Selassie de volta em seu trono. A partir da década de 1960 a influência britânica deu lugar ao de os EUA, que por sua vez foi suplantado pela União Soviética.

Seca

Embora tenha tido menos dos golpes que têm atormentado outros países africanos, a turbulência da Etiópia tem sido não menos devastador. Políticas seca, guerra, fome e mal concebida trouxe milhões à beira de morrer de fome nos anos 1970 e 1980.

Em 1974 ajudou a derrubar este Haile Selassie. Seu regime foi substituído por uma junta auto-proclamado marxista liderado por Mengistu Haile Mariam em que muitos milhares de opositores foram eliminados ou mortos, a propriedade foi confiscada e os gastos de defesa em espiral.

A derrubada da junta em 1991 viu condições políticas e econômicas estabilizar, na medida em que o país é considerado como um dos mais estáveis da África.

Eritreia

Eritreia ganhou a independência em 1993, após um referendo. Demarcação de fronteiras pobres desenvolvido em conflito militar e guerra em grande escala no final de 1990 em que dezenas de milhares de pessoas foram mortas.

Uma frágil trégua foi realizada, mas a ONU diz que disputas em curso sobre a demarcação da fronteira ameaçam a paz.

A Etiópia é um dos estados mais pobres da África, embora tenha experimentado um rápido crescimento econômico desde o fim da guerra civil. Quase dois terços de sua população é analfabeta. A economia gira em torno da agricultura, que por sua vez depende de chuva. É um dos principais produtores da África do café.

Muitos etíopes dependem da ajuda alimentar do exterior. Em 2004, o governo começou um esforço para se mover mais do que dois milhões de pessoas longe das montanhas áridas do leste, em uma tentativa de fornecer uma solução duradoura para a escassez de alimentos.

No final de 2006, a Etiópia enviou entre 5.000 e 10.000 soldados para a Somália para apoiar as forças do governo de transição fraco lá e ajudaram a expulsar os islâmicos que controlavam sul da Somália por seis meses.

Mas, apesar dos sucessos iniciais, os etíopes não foram capazes de quebrar o poder dos islamistas, que aos poucos começou a ganhar de volta o território perdido.

Presença da Etiópia na Somália terminou formalmente no início de 2009, quando se retirou suas tropas sob um acordo entre o governo de transição somali e os islâmicos moderados.

Uma cronologia dos principais eventos:

2 º século dC - Reino de Axum torna-se uma potência comercial regional.

4 º século - o cristianismo copta do Egito introduziu.

1530-1531 - líder muçulmano Ahmad Gran conquista muito da Etiópia.

1818-1868 - Lij Kasa conquista Amhara, Gojjam, Tigray e Shoa.

1855 - Kasa torna-se Imperador Tewodros II.

1868 - Tewodros derrotado por uma força expedicionária britânica e comete suicídio para evitar a captura.

1872 - torna-se chefe Tigrayan Yohannes IV.

1889 - Yohannes IV morto enquanto a combater as forças Mahdist e é sucedido pelo rei de Shoa, que se torna imperador Menelik II.

1889 - Menelik assina um tratado de amizade bilateral com a Itália em Wuchale que a Itália interpreta como dando-lhe um protetorado sobre a Etiópia. Etiópia rejeita esta interpretação, depois renuncia ao tratado e paga um empréstimo.

1889 - Adis Abeba, capital da Etiópia se torna.

Invasão da Itália

1895 - Itália invade a Etiópia.

1896 - As forças italianas derrotados pelos etíopes em Adwa; tratados de Wuchale anulado, a Itália reconhece a independência da Etiópia, mas mantém o controle sobre a Eritreia.

1913 - Menelik morre e é sucedido por seu neto, Lij Iyasu.

1916 - Lij Iyasu deposto e é sucedido pela filha de Menelik, Zawditu, que governa através de um regente, Ras Tafari Makonnen.

1930 - Zawditu morre e é sucedido por Ras Tafari Makonnen, que se torna imperador Haile Selassie I.

1935 - Itália invade a Etiópia.

1936 - Os italianos captura de Adis Abeba, Haile Selassie foge, rei da Itália fez imperador da Etiópia; Etiópia combinado com a Eritreia ea Somália italiana a se tornar África Oriental Italiana.

Reinado de Haile Selassie

1941 - tropas britânicas e da Commonwealth, muito ajudado pela resistência etíope - a arbegnoch - derrotar os italianos, e de restauração Haile Selassie para o seu trono.

1952 - Organização das Nações Unidas federados Eritreia com a Etiópia.

1962 - Haile Selassie anexos Eritreia, que se torna uma província etíope.

1963 - Primeira conferência da Organização de Unidade Africano, realizada em Adis Abeba.

"Terror Vermelho"

1973-1974 - Estima-se que 200.000 pessoas morrem em Wallo província, como resultado da fome.

1974 - Haile Selassie derrubado por golpe militar. Geral Teferi Benti torna-se chefe de Estado.

1975 - Haile Selassie morre em circunstâncias misteriosas, enquanto sob custódia.

1977 - Benti morto e substituído pelo coronel Mengistu Haile Mariam.

1977-1979 - Milhares de opositores do governo morrer em "Terror Vermelho" orquestrada por Mengistu; coletivização da agricultura começa; Frente Popular de Libertação Tigrayan lança uma guerra contra a autonomia regional.

1977 - Somália invade a região de Ogaden da Etiópia.

1978 - As forças somalis derrotados com a ajuda maciça da União Soviética e de Cuba.

1984-1985 - Pior fome em uma década greves; ajuda alimentar ocidental enviado; milhares força reassentados da Eritréia e Tigre.

1987 - Mengistu eleito presidente sob uma nova constituição.

1988 - Etiópia e Somália assinar um tratado de paz.

Depois de Mengistu

1991 - Frente Popular Democrática Revolucionária da Etiópia captura Adis Abeba, obrigando Mengistu a fugir do país; Eritreia estabelece seu próprio governo provisório na pendência de um referendo sobre a independência.

1992 - Haile Selassie permanece descoberto sob um vaso sanitário palácio.

1993 - Eritréia se torna independente referendo seguinte.

1994 - Nova Constituição divide Etiópia em regiões etnicamente baseados.

1995 - Negasso Gidada se torna presidente titular; Meles Zenawi assume cargo de primeiro-ministro.

1998 - disputa de fronteira Etiópia-Eritreia irrompe em confrontos armados.

Guerra com a Eritreia

1999 - Confrontos Etiópia ea Eritreia de fronteira se transformar em uma guerra em grande escala.

Junho de 2000 - Etiópia e Eritreia assinar um acordo de cessar-fogo, que prevê uma força de observação da ONU para monitorar a trégua e supervisionar a retirada das tropas etíopes do território da Eritréia.

De novembro de 2000 - Haile Selassie enterrado em Trindade Adis Abeba Catedral.

De dezembro de 2000 - Etiópia e Eritreia assinar um acordo de paz na Argélia, encerrando dois anos de conflito. O acordo estabelece comissões para delinear a fronteira em disputa e prevê a troca de prisioneiros eo retorno de pessoas deslocadas.

2001 Fevereiro - Etiópia diz ter concluído a sua retirada das tropas da Eritréia, de acordo com a ONU, patrocinado acordo.

De abril de 2002 - Etiópia, a Eritreia aceitar uma nova fronteira comum, elaborado por uma comissão independente, apesar de ambos os lados, em seguida, colocar a reivindicação para a cidade de Badme.

Abril de 2003 - Regras Comissão Independente de fronteira que a cidade disputada de Badme reside na Eritreia. Etiópia diz que a decisão é inaceitável.

2004 Janeiro-Fevereiro - Quase 200 mortos em confrontos étnicos na região ocidental isolado de Gambella. Dezenas de milhares fogem área.

Março de 2004 - Início do programa de reassentamento para mover mais do que dois milhões de pessoas longe de seca, excesso de trabalho terras altas.

Novembro de 2004 - Etiópia diz que aceita "em priniciple" A decisão de uma comissão de fronteira em sua fronteira com a Eritréia. Mas um impasse prolongado sobre a cidade disputada de Badme continua.

Março de 2005 - com sede nos EUA Human Rights Watch acusa exército de "assassinato generalizado, estupro e tortura" contra as pessoas Gambella região Anuak étnicos. Militar com raiva rejeita acusação.

Abril de 2005 - Primeira sessão do obelisco de Axum, saqueados pela Itália em 1937, é devolvido para a Etiópia a partir de Roma.

Votação disputada

Maio de 2005 - Disputa eleições multi-partidárias levar a protestos violentos ao longo de meses.

2005 Agosto-Setembro - Reeleição é executado em mais de 30 lugares:Autoridades dizem que o partido no poder ganhos assentos suficientes para formar um governo.

Dezembro de 2005 - Comissão Internacional, com sede em Haia, as regras que a Eritréia quebrou a lei internacional quando atacou a Etiópia em 1998.

Mais de 80 pessoas, incluindo jornalistas e líderes da oposição, muitos são acusados de traição e genocídio durante confrontos de novembro.

Maio de 2006 - Seis partidos políticos e grupos armados formar uma aliança de oposição, a Aliança para a Liberdade e Democracia, em uma reunião na Holanda.

Várias explosões de bombas atingiu Addis Abeba. Nenhuma organização reivindica a responsabilidade.

De agosto de 2006 - Centenas de pessoas são temidos morreram e milhares estão desabrigadas como inundações atinge o norte, sul e leste.

Somália tensões

Setembro de 2006 - Etiópia nega que suas tropas atravessaram a fronteira para a Somália para apoiar o governo de transição em Baidoa.

Outubro de 2006 - Secretário Geral da ONU Kofi Annan insta Eritreia retirar as tropas que se mudou para a zona tampão na fronteira etíope. A ONU diz que a incursão é uma violação cessar-fogo principal.

Guerra de palavras entre a Etiópia e os islâmicos que controlam grande parte da Somália. O primeiro-ministro Meles diz Etiópia foi "tecnicamente" em guerra com os muçulmanos, porque eles tinham declarado guerra santa em seu país.

Novembro de 2006 - Relatório da ONU diz vários países - incluindo a Etiópia - foram violar um embargo 1.992 armas à Somália, fornecendo armas para o governo interino lá. Arco inimigo da Etiópia Eritreia é acusado de fornecer a administração rival islâmico.

Etiópia e Eritreia rejeitar uma proposta apresentada por uma comissão do limite independente como uma maneira de contornar um impasse de quatro anos sobre a demarcação de sua fronteira comum.

As tropas etíopes na Somália entra, se envolver em luta feroz com os islamistas que controlam grandes partes do país e capital. Os islamistas dispersar.

Incasão da Somália

De dezembro de 2006 - Exilado ex-ditador Mengistu Haile Mariam é condenado, à revelia, de genocídio, no final de um julgamento de 12 anos. Mais tarde ele é condenado à morte.

Abril de 2007 - Homens armados atacar uma instalação petrolífera de propriedade chinesa na região sul-leste da Somália, matando 74 pessoas que ali trabalham.

Junho de 2007 - Os líderes da oposição são dadas sentenças de prisão perpétua sob os protestos de massa que se seguiram as eleições em 2005, mas depois são perdoados.

De setembro de 2007 - Etiópia celebra o início de um novo milênio de acordo com o calendário da Igreja Ortodoxa Copta.

Novembro de 2007 - Etiópia rejeita linha de fronteira demarcada pela comissão do limite internacional. Eritreia aceita.

Junho de 2008 - Acordo de paz assinado entre o governo somali e rebeldes prevê a retirada das tropas etíopes no prazo de 120 dias.

De julho de 2008 - Conselho de Segurança vota por unanimidade a manutenção da paz das Nações Unidas para acabar de controlo nas fronteiras missão disputada entre a Etiópia ea Eritreia.

De setembro de 2008 - celebrações para marcar a conclusão da montagem de 1700 anos de idade obelisco de Axum, saqueado em 1937 durante a conquista italiana e voltou pela Itália em três partes após 2005.

De dezembro de 2008 - A polícia nova detenção chave líder da oposição Birtukan Medeksa, que foi preso por seu papel nos protestos da oposição após as eleições de 2005, e libertado sob um perdão do governo em 2007.

Retirada da Somália

Janeiro de 2009 - Etiópia formalmente retira forças da Somália.

Junho de 2009 - Etiópia admite a "missões de reconhecimento" na Somália, mas nega re-implantação de tropas lá.

De agosto de 2009 - Etiópia, a Eritreia condenada a pagar a cada outra compensação para a guerra de fronteira 1998-2000.

De setembro de 2009 - As empresas chinesas garantir acordo para construir várias barragens hidrelétricas-e parques eólicos.

Novembro de 2009 - Vinte e seis considerado culpado de tentativa de golpe.

2009 Dezembro - rebeldes da Libertação Nacional Ogaden captura reivindicação Frente de várias cidades no leste em um mês de combates pesados.

2010 Maio - Frente governa o povo etíopes Democrática Revolucionária (EPRDF) ganha grande maioria nas eleições parlamentares, entregando PM Meles Zenawi um quarto mandato. UE observa dizem que o voto "ficou aquém". Líderes da oposição exigem uma reprise.

2010 Outubro - confrontos em curso relatados entre as forças governamentais e os rebeldes de Ogaden.

As tensões com a Eritreia

2011 Março - A Etiópia acusa Eritreia de envio de agentes através da fronteira para plantar bombas e avisa que vai tomar todas as medidas necessárias para travar "agressão" da Eritréia.

2011 Abril - Etiópia pela primeira vez, declara abertamente que irá apoiar grupos rebeldes eritreus que lutam para derrubar o presidente Isaias Afewerki.

2011 Junho - Parlamento designa três organizações políticas domésticas e armados, como grupos terroristas.

2011 Julho - Seca. Milhões de etíopes e os refugiados da Somália precisa de ajuda de emergência.

Dois jornalistas suecos são capturados por tropas etíopes na região de Ogaden, durante um confronto com rebeldes da ONLF.

2011 Outubro - O exército americano começa a voar avião-robô a partir de uma base na Etiópia, como parte de sua luta contra militantes islâmicos na Somália.

2011 novembro - soldados etíopes estão manchados na Somália. Um porta-voz do governo nega a sua presença.

2011 Dezembro - Dois jornalistas suecos detidos enquanto cobriam o conflito na região de Ogaden forem considerados culpados de apoiar o terrorismo. Eles são condenados a 11 anos de prisão.

2012 Janeiro - Etiópia acusada de forçar milhares de suas terras por investidores estrangeiros.

Grupo de turistas europeus raptados, mortos na região de Afar remota perto da fronteira com a Eritreia.

2012 Março - Tropas etíopes atacam posições no sudeste da Eritreia, alegando que grupos subversivos estavam sendo treinados lá.

2012 Junho - Rebelde Frente Nacional de Libertação de Ogaden afirma que atacou um comboio do exército e guarnição, matando 168 soldados etíopes.

As tropas etíopes retirar das cidades no centro da Somália que haviam apreendidos de rebelde al Shabaab controle.

2012 Agosto - O primeiro-ministro Meles Zenawi morre depois de vários meses de rumores sobre sua saúde em declínio. Vice-Primeiro-Ministro e Ministro dos Negócios Estrangeiros Hailemariam Desalegn assume o mês seguinte.

Fonte:  news.bbc.co.uk

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal