Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Fagocitose e Pinocitose  Voltar

Fagocitose e Pinocitose

DEFESAS DO ORGANISMO

Para nos proteger contra determinadas doenças, nosso organismo dispõe de defesas naturais, tanto externas como internas.

As defesas externas podem ser pêlos e muco (catarro), que atuam como uma barreira natural contra a penetração de micróbios causadores de infecções.

As defesas internas concentram-se no sangue, como acontece com os leucócitos que apresentam dois fenômenos importantes:

Diapedese

É a passagem dos leucócitos, juntamente com o plasma, através das paredes porosas de vasos sanguíneos (capilares), alojando-se nos tecidos.

Fagocitose

É o fenômeno pelo qual os leucócitos envolvem e devoram partículas invasoras do nosso organismo.

Para realizar diapedese e fagocitose, o leucócito sofre mudança em sua forma. Por meio desses dois fenômenos, os glóbulos brancos desempenham sua principal função, que é a de defender o organismo contra germes causadores de infecções.

Exemplo:

Quando cortamos o dedo em instrumento contaminado, os micróbios invadem os tecidos, provocando uma infecção. Através da diapedese, um grande número de leucócitos se desloca para esse local e, por meio da fagocitose, começa a atacar os germes. Na maioria das vezes, os leucócitos levam vantagem e a infecção é contornada. Porém, existem alguns casos em que os micróbios matam os leucócitos, que se decompõem, dando origem a uma excreção amarelada, denominada pus. Quando isso ocorre é sinal de que algo errado está acontecendo no organismo. Então, precisamos colaborar na sua defesa, procurando limpar bem os ferimentos e passando um anti-séptico (água oxigenada, mertiolate ou iodo).

Exemplo de Fagocitose

Fagocitose e Pinocitose

O sangue, também dispõe de um mecanismo de defesa natural e, além dessas existem também as defesas artificiais, que tem por finalidade proteger nosso organismo contra determinadas doenças.

Defesa Natural

Imunização

Quando o organismo é invadido por agentes causadores de doenças, as células do nosso corpo reagem, produzindo substâncias chamadas anticorpos, que neutralizam os microrganismos invasores. Se o organismo levar vantagem, os microorganismos serão destruídos e a doença será afastada. Mas os anticorpos produzidos permanecem no sangue para o caso de um novo contingente desses agentes penetrarem no organismo, serão prontamente destruídos pelos anticorpos. É por esta razão que, quando o indivíduo contrai alguma doença contagiosa, fica imunizado.

O sarampo é um bom exemplo de imunização.

Defesa Artificial

Vacinação

Consiste em injetar no organismo das pessoas substâncias produzidas pelos agentes causadores de doenças, que encontram-se mortos ou enfraquecidos, portanto, não causam a doença, mas provocam uma reação por parte do organismo, de modo que ele produz anticorpos que neutralizam a ação dos microorganismos.

Caso os micróbios vivos e ativos da doença invadam de fato o organismo, serão destruídos de imediato e assim a pessoa não contrairá a doença.

Imunologia das Doenças Infecciosas

Infecção é a implantação(pili, fimbrias, glicocalice, espiculas), crecimento(Adaptec ao ambiente, com ativação de certas enzimas) e multiplicação de microorganismos no tecido hospedeiro. A consequencia disso é lesão tecidual(direta, quando o microorganismo libera toxinas ou enzimas ou indireta quando o próprio sitema immune lesa o tecido) As lesões diretas podem ser por Liberace de exo ou endotoxinas e pelo efeito citopático direto. As lesões indiretas são por conta de formação de complexos imunes, anticorpos anti-hospedeiro ou atividade da imunidade mediada por células. Os processos infecciosos iniciam-se com a resposta inata e culminam na resposta adaptativa.

Imunologia das infecções bacterianas extracelulares

Os 3 principais mecanismos de defesa inata às bactérias extracelulares são a Ativação do Complemento, Fagocitose e Inflamação. O complemento causa inflames, esta causa Liberace de fibrina, que ativa o sistema fibrinolítico, produzindo plasmina e trombina. Plasmina e Trombina juntas ativam o sistema Complemento. Esse circulo ocorre para facilitar a fagocitose. O sistema complemento também libera cytokines mediadoras de resposta inflammatory.

A Imunidade Adaptativa a bactérias extracelulares é mediada pela Resposta Humoral.O antígeno é presented aos Linfócitos T Helper 2, este libera cytokines que ativam os linfócitos B, que liberam anticorpos, braço efetor da resposta humoral. Os anticorpos agem neutralized a baceteria, ativando o sistema complemento e augmented a fagocitose.

A bactéria apresenta mecanismos de evasão para tentar se safar dos mecanismos de defesa do hospedeiro, um deles é o mimetismo antigenic, em que a bacteria vai tentar trocar seus antigenos de superficie para n ser localized pelas células do sist. Immune. Há também outros meios de evasão como o obloquies do sistema complemento ou obloquies do processo de fagocitose.

Imunologia das infecções bacterianas intracelular

A defesa inata se baseia em fagocitose e células NK. Os fagócitos fazem a fagocitose do micróbio mas nao conseguem matá-lo. O macrófago infectado se liga a um Linf. NK e este ativa o macrófago, que assim consegue matar o micróbio.

A defesa adaptativa se baseia em 2 reações: a apresentação de antígenos pelos macrófagos infectados a células Linfocitos T CD4(estes ativam os macrófagos igual às células NK fazem na inata, e os macrófagos matam o microbio) ou a T CD8, estes são citotoxicos e causam a apoptose celular, que mata o micróbio.

A bacteria intracellular tambem apresenta mecanismos de evasão, o mais importante é a formação de granuloma.

Imunologia das Infecções Virais

Tanto a imunidade inata, quanto a Adaptativa funcionam basicamente da mesma forma contra as infeccoes virais. Ou elas evitam a infecção da célula ou matam a célula já infecteda.

Imunidade inata age através do Intérferon Tipo I, produzido por células infectadas. Este interferon age criando um estado anti-viral, em que a célula fica immune à infecção. Um outro componente da resposta Inata são os Linfócitos NK.

Imunidade adquirida age através de anticorpos que neutralizam virus circulates no sangue ou através de Linfócitos T CD8, que causam a apoptose da célula infected.

Imunologia das Infecções por Parasitas

Imunidade inata é semelhante à de virus e bactérias extracelulares(fagocitose, complemento e inflamacao). Isso nem sempre os mata porque eles podem ser muito maiores que a célula e até resistentes ao Complemento.

Imunidade Adquirida é varied. A principal é através dos Linfócitos T CD8 Citotoxicos.

Imunologia das Infecções Fúngicas

A imunidade inata é basicamente feita por fagócitos(macrófagos e neutrófilos).

A imunidade adquirida é feita pela Resposta Celular.

  Bactérias Extracelulares Bactérias Intracelulares Vírus Fungos Parasitas
Imunidade Inata Sistema do Complemento, fagocitose e Inflamação Macrofagos ou Cels. NK ativam Macrófagos Interferon I ou Cels. NK Fagocitose Depende do tamanho, as vezes não da para fagocitas
Imunidade Adquirida TH2 ativam Linf. B que produzem anticorpos Linf T CD4 ativam o macrófago ou Linf. T CD8 induzem apoptose Produção de Anticorpos ou Ação dos Linf. T. CD8 Ativação de Macrófagos por CD4 h2; Anticorpos ou Linf T CD8 Depende do tamanho
Mecanismo de Evasão Mimetismo antigênico Graunuloma Mimetismo Antigênico    

Fonte: www.geocities.com

Fagocitose e Pinocitose

Fagocitose é uma das características mais marcantes exibida pelas células trofoblásticas na fase de implantação e de pós-implantação, em muitas espécies.

Particularmente em camundongos, durante a primeira metade da gestação, as células trofoblásticas gigantes fagocitam elementos matemos endometriais e principalmente células sanguíneas, a que é atribuído funções nutritivas e de aquisição de espaço para o desenvolvimento fetal.

Durante toda a gestação, no entanto, fagocitose de microorganismos também pode ser experimentalmente observada.

Em relação à sua atividade fagocitária, células trofoblásticas e macrófagos compartilham inúmeras características, tais como produção de espécies reativas de oxigênio, fagocitose mediada por C3b, produção de óxido nítrico e ambos aumentam seu potencial fagocítico na presença de IFN-y.

Em macrófagos, IFN-y é um potente agente de regulação da resposta fagocitária, capaz de suprimir a síntese de proteínas citoplasmáticas envolvidas com replicação viral, ativar o fator de transcrição NF-KB envolvido com respostas inflamatórias de defesa, induz a expressão de óxido nítrico e de oxidases responsáveis pela foflilação de espécies reativas de oxigênio.

Por outro lado, IFN-y produzido por células imunes e não imunes, está presente na interface materno-fetal, sendo considerado um componente fisiológico da gestação, a despeito do fato de que situações em que a resposta imunológica a patógenos prolonga a presença de IFN-y em concentrações não fisiológicas pode comprometer a gestação.

Assim, partindo do princípio de que fagocitose é uma atividade inerente às células trofoblásticas, que pode estar relacionada a funções de defesa, este projeto tem como metas determinar as concentrações de IFN-y na gestação noflilal e em fêmeas prenhes desafiadas com LPS; determinar as concentrações máximas de IFN-y que não comprometem a gestação; estabelecer um modelo de estudo in vivo e in vitro que permita acompanhar o processo de fagocitose de microorganismos por parte do trofoblasto e avaliar a ação do IFN-y sobre a expressão gênica das células trofoblásticas e principalmente sobre a expressão da enzima óxido nítrico sintase, utilizando técnicas de DNA macroarray.

Fonte: www.bv.fapesp.br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal