Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Família  Voltar

Família

 

A FAMÍLIA E A EDUCAÇÃO PARA A INDIVIDUALIDADE NA SOCIEDADE MODERNA

A família e a educação para a individualidade na sociedade moderna

A família, enquanto objeto de estudos das ciências humanas, pode ser analisada a partir de múltiplos enfoques.

Muito tem sido dito sobre seus diversos aspectos: núcleo formador da sociedade, local de desenvolvimento humano e de construção da identidade dos indivíduos, de trocas afetivas, de atendimento das necessidades básicas vitais à existência humana, sejam elas biológicas, psíquicas e sociais, etc. O presente artigo se organiza em torno de uma visão sobre a família como estrutura educacional e preparatória da futura individualidade que nela se desenvolve.

A família constitui o fenômeno que funda a sociedade. No decorrer da evolução histórica permanece como matriz do processo civilizatório, como condição para a humanização e para a socialização das pessoas (Levi-Strauss, 1967 e Malinowsky, 1973).

Levi-Strauss apresenta sua definição de família:

Designa um grupo social possuidor de, pelo menos, três características: 1) origem no casamento; 2) constituído pelo marido, pela esposa e pelos filhos provenientes de sua união, conquanto seja lícito conceber que outros parentes possam encontrar o seu lugar próximo ao núcleo do grupo; 3) os membros da família estão unidos entre si por a) laços legais, b) direitos e obrigações econômicas, religiosas ou de outra espécie; c) um entrelaçamento definido de direitos e proibições sexuais e d) uma quantidade variada e diversificada de sentimentos psicológicos, tais como amor, afeto, respeito, medo (Levi-Strauss, 1982).

Tal definição, fundamentada principalmente no caráter socializador da família em quase todos os seus tópicos, introduz, ao final, os conteúdos subjetivos, afetivos, psicológicos, individuais, que respondem pela singularidade dos indivíduos constituintes deste grupo. Considerar especificamente como a família trata desta dimensão particular dos seus membros é o campo de investigação de nossas reflexões.

A família constitui um recurso para a pessoa, nos mais diversos aspectos de sua existência, estando presente como uma realidade simbólica que proporciona experiências no nível psicológico e social, bem como orientações éticas e culturais. (Bronfenbrenner 1996, Winnicot 1997).

Nela encontram-se os elementos fundamentais da identidade simbólica do indivíduo, verificam-se experiências humanas básicas, enfim, a família é um requisito do processo de humanização, que enraíza a pessoa no tempo, através das relações de parentesco, destinadas a permanecer durante toda a existência.

Por outro lado, essas relações remetem a pessoa para a busca de um significado adequado, mais profundo, para além das circunstâncias dadas pela experiência concreta.

A educação tem relevância fundamental como elemento formador da individualidade no contexto familiar. Ela não se dá apenas em seu caráter formal, atribuído atualmente às escolas. É no núcleo familiar que a criança vai encontrar os moldes fundamentais que irão adequar sua visão de si mesma e do mundo em sua volta.

A família tem papel fundamental como educadora e formadora da capacidade de simbolização e de atribuir significado às vivências pessoais nos indivíduos que nela se desenvolvem. O ninho familiar é o locus no qual o indivíduo revela suas tendências inatas e absorve do meio os códigos orientadores de seu desenvolvimento.

A individualidade necessita de espaço para que se realize em toda a sua potencialidade. A sociedade moderna exige indivíduos criativos, inovadores, atuantes, com capacidade crítica, empreendedora; também com certo grau de sensibilidade, intuição e habilidade relacional, atributos que ganharam destaque nas últimas décadas com os estudos sobre inteligência emocional e a decadência do status social atribuído aos tradicionais testes de QI.

Não basta hoje ser adaptado ao que a maioria está realizando. A vida caminha para estimular o desenvolvimento do que é único, singular, próprio de cada pessoa.

Daí que a função da família deve se ampliar para atender às necessidades simbólicas das pessoas e as ciências humanas surgem como o terreno no qual essas reflexões podem germinar: destacar o essencial papel da família como locus estimulador e sinalizador da individualidade dos seres que a formam, colaborando para a educação de futuros adultos conscientes de seu papel enquanto pessoas integradas no mundo que as cerca e que as constitui.

Histórico da idéia de individualidade na família

A introdução da idéia de individualidade na família é conteúdo bem recente. De acordo com Áries (1981), a família no séc. XVI era fundamentada na conservação e preservação dos bens. A afetividade era uma função que não existia como condição de constituição da família.

Esta existia mais em função de padrões morais organizadores da vida em sociedade. A prioridade da família era a garantia da sobrevivência de seus membros, a participação coletiva no trabalho, a defesa da honra. Inicialmente a família existe enquanto unidade de produção.

As trocas afetivas se faziam entre vizinhos, amigos, criados, não necessariamente dentro da família. A criança passou a ser vista como ser distinto, que necessita de tratamento próprio, no séc. XVIII.

Antes, eram tratadas como adultos em miniatura, não reconhecidas em suas necessidades específicas, misturadas à vida dos adultos, treinadas para adquirirem as habilidades dos mesmos e a educação e a transmissão dos valores se dava na convivência cotidiana.

A mortalidade infantil alta e o elevado número de nascimentos imprimia uma marca de quantificação na prole, em detrimento do reconhecimento da singularidade de cada filho, valor inexistente na família da época.

A idade inicialmente era presumida. As fases de desenvolvimento humano não eram bem marcadas e o período da infância estendia-se enquanto durasse o caráter de dependência do indivíduo.

Só no séc. XIX, com a urgência da guerra e a necessidade dos jovens servirem à pátria, chega-se a um marco para delimitar socialmente o final da idade infantil e o início da idade adulta. Pode-se perceber um princípio de construção de uma visão mais individualizada do desenvolvimento humano, deflagrado principalmente pela conjuntura política e social.

Até o séc. XVII a casa não tinha cômodos. A cama era co-habitada e as noções de moralidade e sexualidade bem diferentes das que hoje são coletivamente aceitas. No séc. XVIII, os cômodos passam a conectar-se a um corredor e dá-se o despertar da idéia de privacidade, respeito aos espaços alheios, no interior da casa, paralelamente à construção do sentimento de intimidade familiar.

É no séc. XVIII, então, que se prepara a inclusão do novo paradigma nas relações humanas: o reconhecimento da individualidade.

Com o surgimento da escola, da privacidade, a preocupação de igualdade entre os filhos, a manutenção das crianças junto aos pais e o sentimento de família valorizado pelas instituições – principalmente a Igreja – no início do séc. XVIII começa a delinear-se a família burguesa (Guimarães, 2002: 57).

Antes do surgimento da escola, era a família o local da educação por excelência. Nela eram vivenciadas as lições necessárias à capacitação do futuro adulto para sua adaptação à sociedade. Era também o centro do entretenimento. Com a constituição da escola essa função foi delegada.

À escola foi atribuída a responsabilidade fundamental na formação do futuro cidadão, que será discutida com maiores detalhes em outro tópico mais à frente. A função prioritária da família moderna tornou-se então a estruturação da afetividade da pessoa, a matriz que serve de base para a construção e manifestação da subjetividade humana.

A Individualidade na Psicologia

Carl Gustav Jung (1875-1961) foi um dos principais teóricos da psicologia responsáveis pela introdução de um paradigma humanista nesta ciência, revelando no conceito de Individuação o pilar de sua teoria sobre a dinâmica e o desenvolvimento do psiquismo humano. Alerta para a diferença fundamental entre Individuação e Individualismo e esclarece o que denomina por Individualidade.

Por individualidade, entendo a peculiaridade e a singularidade do indivíduo em todos os seus aspectos psicológicos..., tudo aquilo que de fato pertence somente a um indivíduo e não a um grande grupo de indivíduos. (Jung, 1991: 390)

O desenvolvimento da consciência da individualidade, no entanto, não leva a pessoa a separar-se do coletivo, mas sim a estimular a autonomia nas relações sociais. Quanto maior a consciência individual (da própria unicidade) maior o envolvimento em causas coletivas.

A individuação é o processo de formação e particularização do ser individual e, em especial, é o desenvolvimento do indivíduo psicológico como ser distinto do conjunto, da psicologia coletiva. É, portanto, um processo de diferenciação que objetiva o desenvolvimento da personalidade individual. É uma necessidade natural; e uma coibição dela por meio de regulamentos, preponderante ou até exclusivamente de ordem coletiva, traria prejuízos para a atividade vital do indivíduo... É óbvio que um grupo social constituído de indivíduos deformados não pode ser uma instituição saudável e capaz de sobreviver por muito tempo, pois só a sociedade que consegue preservar sua coesão interna e seus valores coletivos, num máximo de liberdade do indivíduo, tem direito à vitalidade duradoura. Uma vez que o indivíduo não é um ser único, mas pressupõe também um relacionamento coletivo para sua existência, também o processo de individuação não leva ao isolamento, mas a um relacionamento coletivo mais intenso e mais abrangente (Jung, 1991: 426)

Individuar-se é a meta de toda pessoa. Realizar sua totalidade psíquica, no entanto, está intimamente vinculado à forma como esta individualidade atua na sociedade na qual se desenvolve.

A família, como grupo primário no qual esta individualidade vai se desenvolver, interfere diretamente sobre a saúde psíquica de seus membros em formação, assumindo papel principal enquanto foco do mundo emocional e social, na família moderna burguesa, geralmente até o início da vida adulta.

As influências familiares sobre a personalidade alcançam níveis profundos. É a partir das bases adquiridas na vida em família que o indivíduo vai construir suas primeiras referências simbólicas, sua auto-imagem, sua configuração psíquica com a qual iniciará sua vida de relações.

Logo, a importância de que seja repensada a responsabilidade da família para a formação do ser, adquire maior gravidade à medida que a consciência da individualidade aumenta como valor na sociedade.

O desenvolvimento de uma personalidade consciente de si mesma e do seu papel no meio que a constitui resulta do esforço empreendido no sentido de estimular as potencialidades na direção da realização de sua totalidade, com suas tendências, habilidades, e idiossincrasias.

A individuação está sempre em maior ou menor oposição à norma coletiva, pois é a separação e diferenciação do geral e formação do peculiar, não uma peculiaridade procurada, mas que já se encontra fundamentada a priori na disposição natural do sujeito. Esta oposição, no entanto, é aparente; exame mais acurado mostra que o ponto de vista individual não está orientado contra a norma coletiva, mas apenas de outro modo. Também o caminho individual não pode ser propriamente uma oposição à norma coletiva, pois, em última análise, a oposição só poderia ser uma norma antagônica. E o caminho individual jamais é uma norma. A norma surge da totalidade de caminhos individuais, só tendo direito a existir e atuar em prol da vida se houver caminhos individuais que, de tempos em tempos, queiram orientar-se por ela. A norma de nada serve se tiver valor absoluto. Só acontece um verdadeiro conflito com a norma coletiva quando um caminho individual é elevado à norma, o que é a intenção última do individualismo extremo. Esta intenção é obviamente patológica e contrária à vida. Conseqüentemente, nada tem a ver com individuação que, sem dúvida, toma seu próprio caminho lateral, mas que, por isso mesmo, precisa da norma para sua orientação perante a sociedade e para estabelecer o necessário relacionamento dos indivíduos na sociedade. A individuação leva, pois, a uma valorização natural das normas coletivas; mas se a orientação vital for exclusivamente coletiva, a norma é supérflua, acabando-se a própria moralidade. Quanto maior a regulamentação coletiva do homem, maior sua imoralidade individual. A individuação coincide com o desenvolvimento da consciência que sai de um estado primitivo de identidade. Significa um alargamento da esfera da consciência e da vida psicológica consciente (Jung, 1991: 427).

A educação que pretende promover a individualidade precisa encontrar a flexibilidade entre a necessidade de normas e o espaço vital para a expressão da singularidade dos indivíduos que aprendem.

Alain Touraine, afinado com as implicações que a modernidade e a crise da razão, como uma de suas características, trazem para a vida humana suscita questionamentos reveladores da angústia que permeia a definição de uma individualidade nos tempos atuais.

Como poderemos viver juntos com nossas diferenças, como articular os êxitos da razão instrumental com a defesa cada vez mais radical das identidades pessoais e coletivas? (Touraine, 1999).

E apresenta sua definição de sujeito:

O sujeito não é uma alma presente no corpo ou o espírito dos indivíduos. Ele é a procura, pelo próprio indivíduo, das condições que lhe permitam ser o ator da sua própria história. E o que motiva essa procura é o sofrimento da divisão e da perda de identidade e de individuação. Não se trata, para o indivíduo, de engajar-se no serviço de uma grande causa, mas antes de tudo de reivindicar o seu direito à existência individual. Essa reivindicação só se pode formar onde a divisão se faz sentir mais intensamente. E isso exclui duas situações opostas: a da exclusão, que não deixa outra solução a não ser a defesa comunitária, e a da massificação, que integra de fato o indivíduo numa ordem social hierarquizada na medida em que a cultura de massa, nesse sentido mal denominada, está sempre carregada de sinais de reconhecimento do nível social possuído ou almejado (Touraine, 1999).

Aprender a suportar a consciência da divisão e encontrar as saídas individuais para a crise de identidade que assola as pessoas na época atual é parte fundamental do desafio da modernidade. Já não é mais almejado, como valor máximo, somente a identificação e a adaptação ao coletivo.

É preciso ir além, e realizar a identidade singular na realidade social. Trilhar este caminho que está o tempo inteiro na zona de fronteira entre o individual e o coletivo, sem poder optar por nenhum dos dois lados exclusivamente, e ao mesmo tempo, tendo os dois como referenciais de uma única realidade, é por si só, uma grande causa de angústia no homem moderno.

O sujeito é o desejo do indivíduo de ser um ator. A subjetivação é o desejo de individuação, e esse processo pode desenvolver-se apenas se existir uma interface entre o mundo da instrumentalidade e o da identidade (Touraine, 1999).

Educação, Ideologia e fatores econômicos

Torna-se difícil entender a família fora do contexto social que lhe dá forma. A família moderna segue os padrões da burguesia, nascida pelos impositivos das alterações econômicas, políticas e sociais do séc. XVIII. A educação enquanto prática segue também as influências da ideologia social na qual se insere e não está isenta de adaptar-se aos instrumentos de dominação veiculados subliminarmente.

A educação geralmente está a serviço da ideologia da sociedade da qual é parte, e visa preparar os indivíduos para a adaptação às necessidades da mesma. A educação como prática social, realiza e reproduz ideologia dominante, e está vinculada a uma ordenação social. Seria ingenuidade pensar práticas educativas desvinculadas da estruturação social.

A família, com a revolução industrial e o capitalismo, deixa de ser unidade de produção para tornar-se unidade de consumo. No capitalismo o discurso é democrático, mas não há acesso ao bem produzido. O que se dá, na realidade é a alienação do homem frente ao produto. A máquina começa a engolir o homem.

Surgem entà produção de conhecimento ão dois sistemas principais de educação: um voltado para a concepção, que visa formar os que irão ter acesso de saber, retirados da elite social; e outro voltado para a executreinadas para repetir práticas ção, que visa reproduzir a capacidade técnica, formando pessoas necesscenário para dicotomizar o árias ao funcionamento na máquina social, destinado à massa da população. O contexto da alienação vai configurando o homem. (Guimarães, 2002)

Na sociedade moderna percebe-se a ideologia subliminar presente na educação, a serviço do sistema social e financeiro: formar consumidores.

O mercado regula as relações sociais, políticas, e também, as práticas educacionais. A formação do sujeito é preterida em vista do imperativo de torná-lo um bom consumidor, garantia da manutenção dos padrões econômicos vigentes.

Nosso verdadeiro ponto de apoio não é a esperança, mas o sofrimento da divisão. Como o universo da objetivação e das técnicas se degrada em puro mercado, ao passo que o universo das identidades culturais se encerra na obsessão comunitária, o ser particular, o indivíduo, cada um ou cada uma de nós, sofre ao se ver dividido/a, sentindo o seu mundo vivencial tão desintegrado como a ordem institucional ou a própria representação do mundo. Já não sabemos quem somos. A nossa patologia principal teve sua origem por longo tempo no peso repressivo que as proibições, as leis exerciam sobre nós; vivemos uma patologia às avessas, a da impossível formação de um eu, afogado na cultura de massa ou encerrado em comunidades autoritária (Touraine, 1999).

Família e Ideologia e fatores econômicos

De acordo com o materialismo histórico, o fator decisivo na história é a produção e a reprodução da vida imediata.

Estes são de dois tipos: de um lado, a produção de meios de existência, de produtos alimentícios, habitação e instrumentos necessários para tudo isso; de outro lado, a produção do homem mesmo, a continuação da espécie.

A ordem social em que vivem os homens de determinada época ou determinado país está condicionada por essas duas espécies de produção: pelo grau de desenvolvimento do trabalho, de um lado, e da família, de outro.

Em sua origem, a palavra família não significa o ideal – mistura de sentimentalismo e dissensões domésticas – do filisteu de nossa época; a princípio, entre os romanos, não se aplicava sequer ao par de cônjuges e aos seus filhos, mas somente aos escravos. Famulus quer dizer escravo e família é o conjunto dos escravos pertencentes a um mesmo homem. Nos tempos de Gaio, a família, isto é herança era transmitida por testamento. A expressão foi inventada pelos romanos para designar um novo organismo social, cujo chefe mantinha sob seu poder a mulher, os filhos e certo número de escravos, com o pátrio poder romano e o direito de vida e morte sobre todos eles (Engels, 1987: 61).

A família moderna contém em germe, não apenas a escravidão como também a servidão, pois desde o começo, está relacionada com os serviços da agricultura. Encerra, em miniatura, todos os antagonismos que se desenvolvem, mais adiante, na sociedade e em seu Estado (Engels, 1987: 62)

A análise da origem do vocábulo “família” revela que as instâncias de dominação e poder e as necessidades econômica e de sobrevivência do grupo foram os seus reais fundamentos, o que balizou sua denominação enquanto célula social.

A afetividade e a individualidade são conquistas muito recentes na sociedade como um todo e estão sendo introduzidas na família com a modernidade, que a tem pressionado com a substituição dos valores tradicionais que a mantiveram tão estável no passado, por valores fundamentados no reconhecimento e consideração da subjetividade, no presente.

Esta pode ser uma abordagem esclarecedora para compreender os estremecimentos dos laços familiares no séc XX.

A família era estável mais por valores que a aprisionavam a uma conjuntura social exigente do que pela existência em seu seio dos valores idealizados, que só recentemente foram percebidos enquanto realidades psíquicas, idéia que vai de encontro ao ponto de vista de algumas linhas filosóficas e teológicas que defendem a família como núcleo idealizado, ameaçado pelas alterações impostas pela modernidade.

Engels continua suas considerações analisando as implicações da monogamia. A família monogâmica baseia-se no predomínio do homem; sua finalidade expressa é a de procriar filhos cuja paternidade seja indiscutível; e exige-se essa paternidade indiscutível porque os filhos, na qualidade de herdeiros diretos, entrarão, um dia, na posse dos bens do pai.

A monogamia não aparece na história, portanto, absolutamente, como uma reconciliação entre o homem e a mulher e, menos ainda, como a forma mais elevada de matrimônio. Pelo contrário, ela surge sob a forma de escravização de um sexo pelo outro, como proclamação de um conflito entre os sexos, ignorado, até então, na pré-história.

A primeira divisão de trabalho é a que se fez entre o homem e a mulher para a procriação dos filhos. O primeiro antagonismo de classes que apareceu na história coincide com o desenvolvimento do antagonismo entre o homem e a mulher na monogamia; e a primeira opressão de classes, com a opressão do sexo feminino pelo masculino (Engels, 1987: 70)

Marx e Engels introduzem o aspecto histórico e econômico na análise da família. De acordo com as colocações de Àries, constata-se que o grande móvel para a formação das famílias no passado eram as necessidades de sobrevivência, defesa do patrimônio, garantia das forças de trabalho, enfim, a afetividade é realmente uma conquista bastante recente. Sendo assim, pode-se refletir sobre as reais causas da estabilidade das famílias do passado.

Há setores de estudos que afirmam ter sido a modernidade desagregadora das bases sólidas da família do passado: valores, tradição, amor, etc...

Pode-se notar, entretanto, que as bases repousavam sobre fundamentos bem mais práticos e menos nobres, numa escala ética de valores.

A modernidade vem retirar as alianças familiares do jugo das relações de opressão, de dependência e afirmar novos valores:afetividade, respeito à individualidades, ao direito do outro, a busca de realização individual na família.

Educação, modernidade e individualidade

A concepção de educação, desde o surgimento de suas primeiras sistematizações no séc. XVIII, passou por vários estágios. Inicialmente marcada por uma visão positivista, propunha modelos que colocava o mestre como parâmetro do conhecimento a ser seguido e o saber como conteúdo que deveria ser transmitido do professor para o aluno.

Este teria sempre postura passiva diante do conhecimento, cabendo ao mestre determinar o objeto de estudo, a forma de transmiti-lo e validar a aprendizagem do aluno (Durkheim, 1978).

Muitos métodos educacionais se sucederam e tiveram sua validade na época devida, até a chegada do séc. XX, com a renovação educacional apresentada pela proposta de Paulo Freire. Este educador desenvolveu uma filosofia e uma prática educacionais que visam adequar a educação à realidade sócio-cultural dos indivíduos.

Destacou que o ensino deve levar em conta o contexto cultural dos alunos, deve partir de significantes próprios do meio no qual está inserido, e com isso, estimular a capacidade de avaliação crítica e construção do conhecimento, de cada pessoa que aprende. Estabelece então o conceito de conscientização e suas implicações no aprendizado.

A conscientização implica, pois, que ultrapassemos a esfera espontânea de apreensão da realidade, para chegarmos a uma esfera crítica na qual a realidade se dá como objeto cognoscível e na qual o homem assume uma posição epistemológica.

Quanto mais conscientização, mais se “des-vela” a realidade, mais se penetra na essência fenomênica do objeto, frente ao qual nos encontramos para analisá-lo. Por esta mesma razão, a conscientização não consiste em “estar frente à realidade” assumindo uma posição falsamente intelectual. A conscientização não pode existir fora da “práxis”, ou melhor, sem o ato-reflexão. Esta unidade dialética constitui de maneira permanente, o modo de ser ou de transformar o mundo que caracteriza o homem.

Por isso mesmo, a conscientização é um compromisso histórico. É também consciência histórica: é inserção crítica na história, implica que os homens assumam o papel de sujeitos que fazem e refazem o mundo. Exige que os homens criem sua existência com um material que a vida lhes oferece...

A conscientização não está baseada sobre a consciência, de um lado, e o mundo, de outro; por outra parte, não pretende uma separação. Ao contrário, está baseada na relação consciência-mundo (Freire, 1979).

Dentro desta perspectiva, está aqui apresentada uma proposta de educação que ao mesmo tempo em que estimula o desenvolvimento da individualidade humana, capacita os alunos para adquirirem o olhar crítico necessário para uma atuação dinâmica e construtiva no mundo.

Sabemos que a aplicabilidade irrestrita destes fundamentos encontra até hoje sérias limitações na sociedade brasileira. Porém continua atual e propiciadora de elementos para embasar discussões profícuas sobre o destino da educação no país.

Apresento então o que Freire designou de “Idéias-Força”, ou seja, os pressupostos fundamentais da sua teoria educativa que tem como conceito central a conscientização.

Para ser válida, toda educação, toda ação educativa deve necessariamente estar precedida de uma reflexão sobre o homem e de uma análise do meio de vida concreto do homem concreto a quem devemos educar (ou melhor, a quem queremos ajudar a educar-se); O homem chega a ser sujeito por uma reflexão sobre sua situação, sobre seu ambiente concreto; Na medida em que o homem, integrado em seu contexto, reflete sobre este contexto e se compromete, constrói a si mesmo e chega a ser sujeito; Na medida em que o homem, integrando-se nas condições de seu contexto de vida, reflete sobre elas e leva respostas aos desafios que lhe apresentam, cria cultura; Não só por suas relações e por suas respostas o homem é criador de cultura, ele é também “fazedor” da história. Na medida em que o ser humano cria e decide, as épocas vão se formando e reformando; É preciso que a educação esteja – em seu conteúdo, em seus programas e em seus métodos – adaptada ao fim que se persegue: permitir ao homem chegar a ser sujeito, construir-se como pessoa, transformar o mundo, estabelecer com os outros homens relações de reciprocidade, fazer a cultura e a história. (Freire, 1979).

Estes são os preceitos básicos que tem orientado algumas escolas nas suas práticas pedagógicas. Cabe então pensar que no interior do núcleo familiar a individualidade também precisa ter o seu espaço de desenvolvimento sadio. Uma sociedade que se propõe a pensar modelos educacionais que estimulem a formação de um sujeito interfere diretamente sobre os modos de relação intra-familiares.

A sociedade, entendida como fundamentada num conjunto de famílias que a constitui, molda e é moldada pelas relações que se dão na família.

A família, enquanto grupo educativo, está sendo impulsionada, diante das alterações da modernidade, ao respeito e ao estímulo da capacidade crítica e do aprendizado de seus membros. As propostas de Freire podem e devem se adequar também a esta família que pretende ser educadora.

Visão sistêmica da vida em sociedade

Em paralelo às profundas inovações que a crise da racionalidade e da instrumentalidade introduziu na visão do sujeito moderno, começou-se a perceber na ciência o nascimento de um novo paradigma para a produção de conhecimento e para a compreensão da vida.

Capra, desde a década de 70, dedica-se a apresentar uma proposta de ciência holística, deixando para trás os cânones cartesianos que balizaram toda a produção científica no séc.XX.

Em seu mais recente livro, demonstra a teoria da complexidade e o dinamismo de redes como fundamento da vida biológica, mental e social. A visão sistêmica da vida em sociedade vem substituir antigas dicotomias entre o ser e o mundo, entendendo ambos como dimensões diferentes de uma mesma realidade, na qual todos os elementos estão em interação contínua.

O homem produz o meio ao mesmo tempo em que é por ele modificado. Individualidade e coletivamente são formas de manifestação de uma mesma unidade.

Cita Giddens e sua teoria da estruturação, como proposta atual para o entendimento deste processo na sociedade. Afirma que a conduta estratégica das pessoas se baseia em grande medida no modo pelo qual elas interpretam o seu ambiente; as intuições fenomenológicas subjetivas devem ser levadas a sério para que possamos compreender a conduta humana.

A interação entre as estruturas sociais e a atividade humana tem caráter cíclico. As estruturas sociais são a um só tempo a pré-condição e o resultado inadvertido da atividade dos indivíduos. As pessoas usam-se delas para dedicar-se a suas práticas sociais cotidianas e, assim fazendo, não podem senão reproduzir inadvertidamente essas mesmas estruturas. Assim as estruturas sociais nos permitem interagir e, ao mesmo tempo, são reproduzidas pelas nossas interações (Capra, 2002: 90).

Habermas, outro teórico da visão sistêmica, em paralelo aos estudos de Giddens, propõe sua teoria da ação comunicativa, revelando o quanto a construção do sujeito e da sociedade são processos simultâneos e dinâmicos.

É o maior entre os atuais adeptos da teoria crítica, a teoria social de base marxista. Não querem apenas explicar o mundo. Sua tarefa é de descobrir as condições estruturais que determinam a ação humana e ajudar os seres humanos a transcender essas condições. A teoria crítica tem por objeto de estudo o poder e por objetivo a emancipação. Como Giddens, Habermas reconhece que os entendimentos propiciados pela hermenêutica têm profunda relação com o funcionamento do mundo social, uma vez que os indivíduos atribuem um determinado significado ao seu ambiente e agem de acordo com essa atribuição. Ressalta, porém, que as interpretações individuais baseiam-se num conjunto de pressupostos implícitos fornecidos pela história e pela tradição, e afirma que isso significa que nem todos os pressupostos são igualmente válidos. Segundo ele, os cientistas sociais devem avaliar criticamente as diversas tradições ideológicas e descobrir de que maneira elas se ligam às relações de poder. A emancipação acontece sempre que as pessoas são capazes de superar certas restrições do passado, provocadas pelas distorções de comunicação (Capra, 2002, 91).

Pode-se concluir que o entendimento sobre a individualidade e suas interações na família e na sociedade exige considerações amplas.

A visão sistêmica sinaliza uma alternativa para a compreensão da realidade de forma mais completa do que as tentativas encontradas no passado.

Para alcançar um ideal de educação que estimule o desenvolvimento da singularidade de cada ser, seja na família ou na escola, deve-se levar em conta todos os fatores citados neste trabalho introdutório.

As diferenças sociais e as carências de recursos básicos para a sobrevivência em nosso país são dificultadores diretos para que tais idéias possam beneficiar a massa da população. Primeiramente, é preciso resolver tais questões sociais e só depois se pode oferecer o “luxo” de ter uma individualidade às pessoas que sofrem pela exclusão.

Portanto, igualar as condições básicas para as famílias caracterizadas por carências extremas e estimular o desenvolvimento das potencialidades individuais para aquelas que têm condições de realizar uma melhor qualidade de vida, é a idéia que vem fundamentar a necessidade de uma visão educacional diferenciada, apropriada às necessidades de cada pessoa, tendo sempre em vista a realização da totalidade do ser na vida em sociedade.

Sílzen Cerqueira Furtado

Referências Bibliográficas

ÀRIES, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.
BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas. São Paulo: Cultrix, 2002.
DURKHEIM, Emile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1978.
ENGELS, Frederich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. São Paulo: Zahar, 1973.
FREIRE, Paulo. Conscientização. São Paulo: Cortez, 1979.
GUIMARÃES, Elias Lins. Família e a dinâmica da socialização. In: Veritati, ano II, nº 2, UCSAL, 2002.
JUNG, Carl Gustav. Tipos Psicológicos. Obras completas, VOL. VI. Petrópolis: Vozes, 1991.
LEVI-STRAUSS, C. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis: Vozes, 1982.
MLINOWSKI, B. Sexo e repressão na sociedade selvagem. Petrópolis: Vozes, 1973.
TOURAINE, Alain. Poderemos viver juntos? Iguais e diferentes. Petrópolis: Vozes, 1999.
WINNICOT, D. W. A família e o desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

Saúde da Família

A família é uma das instituições mais antigas de nossa sociedade. Em cada período histórico da nossa civilização encontramos a família estruturada de uma determinada maneira.

As configurações familiares obedecem às mudanças de paradigmas sócio-culturais de cada época histórica, fato este que acarreta modificações em sua estrutura. A exemplo do matriarcado que se fez necessário na Antigüidade e Idade Média, devido a ausência prolongada dos homens, pertencentes em sua grande maioria ao serviço militar.

Com a estabilidade e demarcação dos territórios conquistados, na Idade Moderna e Contemporânea, presenciamos a ascensão gradativa do patriarcado.

A família é um núcleo de convivência unido por laços afetivos. Pode ser um centro de referência, onde se busca e se vivencia o amor, ou um mero alojamento.

A família não é algo que nos é dado de uma vez por todas, mas nos é dada como uma semente que necessita de cuidados constantes para crescer e desenvolver-se.

É preciso trabalhá-la e cultivá-la constantemente.

Transcende a qualquer partido político, sociedade, associação ou a qualquer outro gênero de agrupamento humano: ela é constituída por relações de amor! Na origem de tudo, há um amor conjugal que chama a vida a participar desse amor. É na família que os filhos desenvolverão sua personalidade, crescerão, encontrarão o sentido de sua existência e amadurecerão.

Representa um grupos social onde os comportamentos de um membro afetam e influenciam os outros membros. É um grupo de pessoas ligadas por descendência a partir de um ancestral comum, matrimónio ou adoção; e unida por múltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante gerações.

Função da Família

Em todas as famílias, independentemente da sociedade, cada membro ocupa determinada posição ou tem determinado estatuto, como por exemplo, marido, mulher, filho ou irmão, sendo orientados por papéis.

O papel da família estável é oferecer um campo de treinamento seguro, onde as crianças possam aprender a ser mais humanas, a amar, a formar sua personalidade única, a desenvolver sua auto-imagem e a relacionar-se com a sociedade da qual e para qual nascem.

Assim sendo, os seus papéis familiares variam muito, apresentando quatro funções elementares: sexual, reprodutiva, econômica e educativa, as quais seriam pré-requisitos para a sobrevivência de qualquer sociedade.

Entretanto, a família exerce suas funções, de forma ampliada, em sete áreas básicas:

- Econômica
- Doméstica
- Recreação
- Socialização
- Auto-identidade
- Afeição
- Educacional

Modelos de Famiília

Na Idade Moderna o grupo familiar era estruturado em função da preservação do patrimônio herdado. O lar tinha como função a proteção contra a ameaça externa, e era um lugar público e político. Já em nossa época o grupo familiar se estrutura em função da necessidade de conviver e do desejo ou intenção de procriar. O lar passa a ter uma função de prover segurança física e psicológica.

Na Grécia antiga os filhos tinham sua educação intermediada entre a família e o Estado. Em Esparta os filhos eram retirados de suas família com apenas 7 anos de idade e passadas à tutela do Estado, que treinava os homens para os serviços militares e as mulheres para as funções da maternidade.

Priorizava-se o culto da beleza, motivo, talvez, do porque utilizavam-se da prática da Exclusão Social daquelas crianças que nasciam com deficiências físicas. Nos tempos feudais predominava a linhagem como centralizadora da vida familiar.

Os filhos eram submetidos mesmo adultos a autoridade paterna, e àqueles que apresentavam qualquer deficiência física, mental ou era portador de alguma doença crônica eram segregados socialmente.

A Idade Moderna caracterizava-se pelo modelo de família aristocrática, onde as crianças eram tratadas pelos pais como pequenos animais domésticos, e não como objeto de afeição materna ou paterna.

Na família camponesa, a mãe era tida como o modelo de autoridade e tinha Deus e o pároco como representantes da autoridade. A família Burguesa do século XIX tem os pais como modelo de identificação e a autoridade era parental.

Na família Operária do mesmo século, o modelo de autoridade era o patriarcal, tendo o patrão como ponto de referência.

Já na família contemporânea os filhos são vistos como depositários das expectativas parentais e a autoridade é compartilhada pelo pai e pela mãe. Existe a preocupação social de integrar a pessoa portadora de deficiência física ou mental, ou o doente crônico na família e sociedade.

Estrutura Familiar

A família assume uma estrutura característica, composta por um conjunto de indivíduos em posições socialmente reconhecidas e com uma interação regular socialmente aprovada. As estruturas familiares se diferem, de cultura para cultura, quanto a sua dinâmica interna.

A tradicional é a família numerosa, centrada na autoridade do patriarca, mais comum até a primeira metade do século passado. A base da família fica restrita apenas entre os pais e filhos, mas todo o entorno familiar (avós, tios, primos, etc.); e as relações baseadas em conceitos morais e autoritários.

A família pode assumir uma estrutura nuclear ou conjugal, que consiste num homem, numa mulher e nos seus filhos, biológicos ou adotados, habitando num ambiente familiar comum. A estrutura nuclear tem uma grande capacidade de adaptação. A família nuclear, ou psicológica, surgiu a partir da metade do século XX, fundamentada basicamente em pai, mãe e poucos filhos. As relações não são tão autoritárias, e o conceito de família engloba um núcleo mais caseiro.

Há família monoparenteral, com estrutura de pais únicos. Isso decorre de uma variação da estrutura nuclear tradicional devido a fenômenos sociais, como o divórcio, óbito, abandono de lar, ilegitimidade ou adoção de crianças por uma só pessoa.

A família extensa ou consangüínea é uma estrutura mais ampla, que consiste na família nuclear acrescida dos parentes diretos ou colaterais, existindo uma extensão das relações entre pais e filhos para avós, pais e netos.

Outras estruturas familiares surgiram, como as famílias alternativas, que englobam famílias comunitárias e famílias homossexuais. Nas famílias comunitárias o papel dos pais é descentralizado, cabendo a todos os membros adultos a responsabilidade com as crianças. Nas famílias homossexuais existe uma ligação conjugal ou marital entre duas pessoas do mesmo sexo, que podem incluir crianças adotadas ou filhos biológicos de um ou ambos os parceiros.

A família pós-moderna surgiu mais atualmente, e não exige regras básicas de parentesco. Filhos morando com só um dos pais (devido ao divórcio), casais sem filhos, uniões homossexuais, etc. Para alguns, não é um estilo de família, mas justamente a falta de um "estilo" pré-determindo.

Sandra Oliveira

Fonte: www.clinicapsique.com/www.dompedrosegundo.edu.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal