Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Fibromialgia  Voltar

Fibromialgia

O que é fibromialgia?

Fibromialgia, também conhecido sob o nome de fibromialgia e fibrosite, é uma doença crônica comum, caracterizada principalmente por uma dor difusa e constante em todo o corpo, falta de sono e cansaço excessivo (cansaço incomum). A maioria das vítimas são mulheres nas quais os primeiros sintomas aparecem entre 20 e 50 anos. No entanto, homens, adolescentes (s) e as crianças também podem sofrer de fibromialgia.

Quais são as causas da fibromialgia?

Em algumas pessoas, a fibromialgia se desenvolve sem causa aparente. Em outros, a doença ocorre após uma experiência traumática (/ lesão física, choque emocional, stress / tensão, alterações hormonais, abuso sexual durante a infância, doença viral, etc.). Até à data, a verdadeira causa da fibromialgia ainda é desconhecida. A investigação está em andamento para identificar as prováveis causas desta síndrome.

Quais são os sintomas da fibromialgia?

Fibromialgia é definida por um conjunto de sintomas e é por isso que é chamado de uma síndrome, em vez de uma doença bem definida.

Os sintomas de fibromialgia podem variar de uma pessoa para outra e alterar a hora ou o dia-a-dia.

Aqui estão os principais sintomas:

sono não reparador (fadiga ao amanhecer e rigidez matinal pode prorrogar o dia);
distúrbios gastrintestinais (espasmos do estômago, intestino, prisão de ventre, diarréia, etc.)
dores de cabeça e enxaquecas;
sintomas aumentou em momentos de estresse;
ampliado devido às mudanças de temperatura (umidade, frio e ar condicionado) dor;
sensação de inchaço, dormência;
amplificado por uma falta ou um excesso de atividade de dor física;
tendem a se sentir deprimido (e), ansiedade (SE) e triste;
falta de concentração e perda de memória, e
fadiga e fraqueza muscular.

Como fazemos o diagnóstico de fibromialgia?

Além disso, uma vez que os sintomas da fibromialgia, também são encontradas em outras doenças (tais como a síndrome da fadiga crônica e encefalomielite miálgica), de modo que o diagnóstico é por vezes difícil de estabelecer.

A história clínica e exame físico do paciente são essenciais antes do diagnóstico.

Quando a possibilidade de outras doenças é eliminado, o diagnóstico baseia-se em dois sintomas principais:

um generalizado para mais do que três meses de dor (tanto acima como abaixo da cintura, como o lado esquerdo eo lado direito do corpo, bem como a parte dianteira e traseira do corpo)

E

a dor sentida pela pressão de pelo menos 11 dos 18 pontos dolorosos. Estes pontos são raramente sentida pelo paciente tão doloroso, até que um médico (ou um reumatologista), que conhece a doença, aplique uma leve pressão para esses lugares com o polegar ou dolorímetro.

Como encontrar um especialista em fibromialgia?

Se você tiver ou suspeitar que você sofre de fibromialgia, a escolha de um médico, quem sabe esta síndrome é um passo muito importante. Isso pode, em seguida, encaminhá-lo para um reumatologista, o especialista em fibromialgia reconhecido. No entanto, estes não são todos os reumatologistas que estão familiarizados com fibromialgia. É por isso que pode ser útil para verificar com uma associação regional para o nome de um médico ou um reumatologista que já trabalhou com pacientes que sofrem de fibromialgia.

Existem tratamentos para curar a fibromialgia?

Atualmente, a fibromialgia é incurável, ele pode ser curado. Se os sintomas estão a ser tratados.

No entanto, se você sofre de fibromialgia, a melhor maneira de domar a doença é aprender a gerir o seu estilo de vida, ou seja, para ouvir os sinais que seu corpo lhe envia e ajustar sua vida em conformidade. A combinação de calor, descanso, exercícios e redução ou eliminação de fontes de estresse também pode ajudar a melhorar sua qualidade de vida. Associações de pessoas com fibromialgia podem desempenhar um papel importante no tratamento da doença, dando-lhe informações sobre o assunto e dando-lhe a oportunidade de conhecer outras pessoas com fibromialgia por meio de grupos para obter assistência.

Aqui estão algumas sugestões para ajudá-lo a aliviar alguns dos sintomas da fibromialgia:

Exercer, como caminhar, andar de bicicleta, nadar para reduzir a dor e outros sintomas.
Pratique uma técnica de relaxamento ou respiração é gerenciar o estresse e / ou promover um sono melhor.
O calor ea massagem pode ajudar a aliviar alguns sintomas de origem muscular.
Para algumas pessoas, doses moderadas de analgésicos (como a aspirina, ibuprofeno, Tylenol, Advil, etc.) Também podem proporcionar algum alívio da dor e rigidez muscular.

Muitos médicos prescrevem antidepressivos, porque eles não entendem ou não compreendem esta síndrome. No entanto, os antidepressivos tricíclicos pode ajudar algumas pessoas a reduzir a dor e para aliviar os sintomas de depressão, cuja origem é muitas vezes o impacto da fibromialgia nas suas vidas. Além disso, para lutar contra os distúrbios do sono, fazendo com que este tipo de anti-depressivos, também pode ser útil para algumas pessoas. No entanto, outras pessoas preferem se concentrar na prática da técnica de relaxamento (ou respiração) para melhorar a qualidade de seu sono em vez de tomar essas drogas.

A medicina alternativa também pode aliviar uma variedade de sintomas da fibromialgia que a medicina tradicional não acontece sempre de tratar.

As principais terapias alternativas podem proporcionar alívio para as pessoas com fibromialgia:

acupuntura
biofeedback (resposta biológica)
a quiropraxia
homeopatia;
hipnoterapia
imagens
naturopatia, e
o Osteopática.

Como podemos ajudar as pessoas com fibromialgia?

Como as pessoas com fibromialgia parecem saudáveis, eles são muitas vezes incompreendido pelo seu empregador ou suas famílias, que tem o efeito de aumentar seu estresse e ansiedade. No entanto, esta não é uma doença imaginária, a dor e o cansaço associado com fibromialgia são reais. Portanto, a escuta, compreensão, respeito e compaixão para com aqueles ao seu redor são importantes para adotar atitudes para ajudá-los a lidar com a diária. Eles oferecem assistência a qualquer tarefa também pode ser apreciado.

Fonte: www.cwhn.ca

Fibromialgia

A fibromialgia é uma desordem caracterizada por dor músculo-esquelética generalizada acompanhada por questões de fadiga, sono, memória e humor. Os investigadores acreditam que a fibromialgia amplifica as sensações dolorosas, afetando a forma como o cérebro processa os sinais de dor.

Os sintomas começam, por vezes, depois de um trauma físico, cirurgia, infecção ou stress psicológico significativo. Noutros casos, os sintomas se acumulam gradualmente ao longo do tempo sem evento de disparo único.

As mulheres são muito mais propensas a desenvolver a fibromialgia do que os homens. Muitas pessoas que têm fibromialgia também têm dores de cabeça tensionais, joint desordens temporomandibulares (ATM), a síndrome do intestino irritável, ansiedade e depressão.

Embora não exista uma cura para a fibromialgia, uma variedade de medicamentos pode ajudar a controlar os sintomas. Medidas de exercícios, relaxamento e redução de estresse também pode ajudar.

Sintomas

A dor associada à fibromialgia muitas vezes é descrita como uma dor surda constante, normalmente decorrente de músculos. Para ser considerada generalizada, a dor deve ocorrer em ambos os lados do seu corpo e acima e abaixo da cintura.

A fibromialgia é caracterizada por dor adicional quando uma pressão firme é aplicada em áreas específicas do corpo, chamados de pontos do concurso.

Localizações dos pontos do concurso incluem:

De trás da cabeça
Entre as omoplatas
Top de ombros
Os lados da frente do pescoço
Parte superior do tórax
Outer cotovelos
Quadris superiores
Lados do quadril
Joelhos internos

Fadiga e distúrbios do sono

Pessoas com fibromialgia freqüentemente despertar cansado, mesmo que eles relatam dormir por longos períodos de tempo. O sono é freqüentemente interrompido pela dor, e muitos pacientes com fibromialgia têm outros distúrbios do sono, como a síndrome das pernas inquietas e apneia do sono, que pioram ainda mais os sintomas.

Condições coexistentes

Muitas pessoas que têm fibromialgia também pode ter:

Fadiga
Ansiedade
Depressão
Endometriose
Dores de cabeça
Síndrome do intestino irritável

Causas

Os médicos não sabem o que causa a fibromialgia, mas provavelmente envolve uma variedade de fatores trabalhando juntos.

Estes podem incluir:

Genetics. Porque fibromialgia tende a funcionar nas famílias, pode haver certas mutações genéticas que podem torná-lo mais suscetível a desenvolver a doença.

Infecções. Algumas doenças parecem desencadear ou agravar a fibromialgia.

Transtorno de estresse pós-traumático trauma físico ou emocional. Tem sido associada à fibromialgia.

Por que dói?

Centros de pensamento atual em torno de uma teoria chamada de sensibilização central. Esta teoria afirma que as pessoas com fibromialgia têm um limite inferior para a dor por causa do aumento da sensibilidade no cérebro para os sinais de dor.

Os investigadores acreditam que a estimulação do nervo repetido faz com que o cérebro das pessoas com fibromialgia a mudar. Esta mudança envolve um aumento anormal dos níveis de certas substâncias químicas no cérebro que a dor sinal (neurotransmissores). Além disso, os receptores de dor do cérebro parecem desenvolver uma espécie de memória da dor e tornar-se mais sensível, o que significa que eles podem reagir a sinais de dor.

Os fatores de risco

Os fatores de risco para a fibromialgia incluem:

Seu sexo. Fibromialgia é diagnosticada mais frequentemente em mulheres do que em homens. Hormônios reprodutivos femininos podem desempenhar um papel na forma como as mulheres experimentam a dor.

A história da família. Você pode ser mais propensos a desenvolver a fibromialgia se um parente também tem a doença.

A doença reumática. Se você tem uma doença reumática, como artrite reumatóide ou lúpus, você pode ser mais propensos a desenvolver a fibromialgia.

Complicações

A fibromialgia geralmente não levar a outras condições ou doenças. Mas a dor ea falta de sono associados com fibromialgia pode interferir com a sua capacidade de funcionar em casa ou no trabalho. A frustração de lidar com uma condição muitas vezes incompreendida também pode resultar em depressão e ansiedade relacionada com a saúde.

Testes e diagnóstico

Em 1990, o American College of Rheumatology (ACR) estabeleceu dois critérios para o diagnóstico de fibromialgia:

Dor generalizada com duração de pelo menos três meses

Pelo menos 11 pontos dolorosos positivos - para fora de um total possível de 18

Mas os sintomas de fibromialgia podem ir e vir. E muitos médicos não tinham certeza sobre quanta pressão aplicar durante um exame dos pontos dolorosos.

Enquanto as diretrizes de 1990 ainda pode ser usado por pesquisadores que estudam a fibromialgia, as diretrizes menos rigorosos têm sido desenvolvidos para os médicos a utilizar na prática geral.

Estes critérios de diagnóstico mais recentes incluem:

Dor generalizada com duração de pelo menos três meses

Nenhuma outra condição subjacente que pode estar causando a dor

Os exames de sangue

Enquanto não há nenhum teste de laboratório para confirmar um diagnóstico de fibromialgia, o seu médico pode querer descartar outras doenças que podem ter sintomas semelhantes.

Exames de sangue podem incluir:

Hemograma completo
Taxa de sedimentação de eritrócitos
Os testes de função da tireóide

Tratamentos e medicamentos

Em geral, os tratamentos para a fibromialgia incluem medicação e auto-cuidado. A ênfase está em minimizar os sintomas e melhorar a saúde geral.

Medicamentos

Os medicamentos podem ajudar a reduzir a dor da fibromialgia e melhorar o sono.

Escolhas mais comuns incluem:

Analgésicos. Paracetamol (Tylenol, outros) podem aliviar a dor e rigidez causada pela fibromialgia. No entanto, a sua eficácia varia. Tramadol (Ultram) é um analgésico de prescrição que pode ser tomado com ou sem paracetamol. Seu médico pode recomendar medicamentos anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs) - tais como o ibuprofeno (Advil, Motrin, outros) ou naproxeno sódico (Aleve, outros) - em conjunto com outros medicamentos.

Antidepressivos. Duloxetina (Cymbalta) e milnacipran (Savella) pode ajudar a aliviar a dor e fadiga associada com fibromialgia. O seu médico pode prescrever amitriptilina ou fluoxetina (Prozac) para ajudar a promover o sono.

Medicamentos anti-convulsivos. Medicamentos para o tratamento de epilepsia muitas vezes são úteis na redução de certos tipos de dor. A gabapentina (Neurontin) às vezes é útil na redução dos sintomas da fibromialgia, quando a pregabalina (Lyrica) foi a primeira droga aprovada pelo Food and Drug Administration para tratar a fibromialgia.

Terapia

Falar com um conselheiro pode ajudar a fortalecer a sua crença em suas habilidades e ensinar-lhe estratégias para lidar com situações estressantes.

Estilo de vida e remédios caseiros

Auto-cuidado é crítico na gestão de fibromialgia.

Reduzir o estresse. Desenvolver um plano para evitar ou limitar overexertion e estresse emocional. Permita-se tempo a cada dia para relaxar. Isso pode significar aprender a dizer não sem culpa. Mas não tente mudar sua rotina completamente. Pessoas que param de trabalhar ou deixar cair toda a atividade tende a ser pior do que aqueles que permanecem ativos. Tente técnicas de gerenciamento de estresse, como exercícios de respiração profunda e meditação.

Durma o suficiente. Porque a fadiga é uma das principais características da fibromialgia, dormir o suficiente é essencial. Além da atribuição de tempo suficiente para dormir, praticar bons hábitos de sono, como ir para a cama e levantar-se ao mesmo tempo a cada dia e limitando cochilo diurno.

Exercite-se regularmente. Na primeira, o exercício pode aumentar a sua dor. Mas fazê-lo de forma gradual e regularmente muitas vezes diminui os sintomas. Exercícios adequados podem incluir caminhadas, natação, ciclismo e hidroginástica. Um fisioterapeuta pode ajudá-lo a desenvolver um programa de exercícios em casa. Alongamento, boa postura e exercícios de relaxamento também são úteis.

Ritmo. Mantenha sua atividade em um nível ainda. Se você fizer muito em seus bons dias, você pode ter mais dias ruins. Moderação significa não "exagerar" em seus dias bons, mas também não significa auto-limitante ou fazer "muito pouco" sobre os dias em que os sintomas flare.

Manter um estilo de vida saudável. Coma alimentos saudáveis. Limite a ingestão de cafeína. Faça algo que você achar agradável e cumprindo todos os dias.

A medicina alternativa

Terapias complementares e alternativas para a dor e gerenciamento de estresse não são novas. Alguns, como meditação e ioga, têm sido praticada há milhares de anos. Mas seu uso se tornou mais popular nos últimos anos, especialmente com as pessoas que têm doenças crônicas, como fibromialgia.

Vários desses tratamentos não parecem aliviar o stress de forma segura e reduzir a dor, e alguns estão ganhando aceitação na medicina mainstream. Mas muitas práticas permanecem sem comprovação, porque eles não foram adequadamente estudados.

Acupuntura. Acupuntura é um sistema médico chinês com base em restaurar o equilíbrio normal das forças de vida através da inserção de agulhas muito finas através da pele para várias profundidades. Segundo as teorias ocidentais de acupuntura, as agulhas causar alterações no fluxo sanguíneo e os níveis de neurotransmissores no cérebro e na medula espinhal. Alguns estudos indicam que a acupuntura ajuda a aliviar os sintomas da fibromialgia, enquanto outros não mostram nenhum benefício.

Massagem terapêutica. Este é um dos métodos mais antigos de saúde ainda na prática. Ele envolve o uso de diferentes técnicas de manipulação para mover os músculos do seu corpo e dos tecidos moles. A massagem pode reduzir a sua frequência cardíaca, relaxar os músculos, melhorar a amplitude de movimento nas articulações e aumentar a produção de analgésicos naturais do seu corpo. É muitas vezes ajuda a aliviar o stress e ansiedade.

Yoga e tai chi. Estas práticas combinam meditação, movimentos lentos, respiração profunda e relaxamento. Ambos foram encontrados para ser útil no controle dos sintomas da fibromialgia.

Fonte: www.mayoclinic.com

Fibromialgia

O que é a Fibromialgia?

A síndrome de fibromialgia é uma forma frequente de dores musculares e cansaço que afeta aproximadamente 3,7 milhões de americanos (1998).

No Brasil ainda não existe levantamento oficial, mas estima-se que mais de 50% da população possa desenvolver esta síndrome.

O nome FIBROMIALGIA significa dores nos músculos e tecidos conectivos fibrosos (ligamentos e tendões).

Esta condição é considerada uma síndrome porque abrange um conjunto de sinais e sintomas que podem ocorrer simultaneamente em diferentes doenças.

Os sinais se referem aos achados físicos que o médico encontra quando examina o paciente, enquanto que os sintomas se relacionam às queixas relatadas durante a entrevista.

Fibromialgia é freqüentemente confundida e pouco entendida já que vários de seus sintomas podem ser encontrados em outras patologias.

O termo fibrosite foi usado para descrever esta mesma condição.

Itis significa inflamação - um processo que pode desencadear dor, calor, inchaço, vermelhidão e rigidez.

Corno os investigadores descobriram que a inflamação não é um fato importante nessa condição, o termo fibromialgia tomou-se mais correto e substitui o velho termo fibrosite.

Fibromialgia afeta principalmente músculos e seus locais de fixação nos ossos.

Embora se manifeste como uma doença articular, ela não é inflamatória (artrite) e não causa deformidade nas juntas. Fibromialgia é, ao invés, uma forma de reumatismo de tecidos moles ou muscular.

A palavra reumatismo se refere a dor e rigidez associadas às juntas, músculos e ossos.

A síndrome de fibromialgia não apresenta alterações laboratoriais, por Isso, seu diagnóstico depende principalmente das queixas ou sensações que o paciente relata.

Algumas pessoas podem olhar estes sintomas como imaginários ou desprezíveis.

Durante os últimos 10 anos, entretanto, a fibromialgia tem sido melhor definida através de estudos que estabeleceram regras para seu diagnóstico.

Esses estudos demonstram que certos sintomas como dores musculares generalizadas e pontos dolorosos específicos estão presentes em pessoas com fibromialgia e que não são comuns em pessoas sadias e com outros tipos de reumatismo.

Esses aspectos separam a fibromialgia de outras condições que se apresentam com dores ósseas e musculares crônicas.

Sinais e Sintomas

A dor é o sintoma mais importante na fibromialgia.

Ela geralmente é sentida em todo o corpo, embora possa começar em uma região, como pescoço ou ombro, e se espalhar para outras áreas após algum tempo.

A dor em fibromialgia tem sido descrita de várias maneiras, dentre as quais ardência, incômodo, rigidez e fisgadas.

Geralmente varia com a hora do dia, tipo de atividade, clima, padrão de sono e estresse.

A maioria das pessoas com fibromialgia dizem que sempre sentem um pouco de dor.

Elas sentem dor principalmente nos músculos e dizem ter a sensação de como se estivesse constantemente gripadas.

Para algumas pessoas com fibromialgia, a dor pode ser severa.

Embora o exame físico geral seja usualmente normal e essas pessoas pareçam sadias, um exame cuidadoso de seus músculos revela áreas bastante sensíveis em determinados locais (veja a figura abaixo).

A presença e padrão desses característicos pontos sensíveis com sintomatologia de dor distingue a fibromialgia de outras condições.

Fibromialgia

Os círculos desta figura indicam as várias localizações dos pontos sensíveis.

Os critérios de classificação definidos pelo Colégio Americano de Reumatologia (ACR-1990) são:

História de dor difusa, persistente por mais de três meses, presente tanto do lado direito e esquerdo do corpo, quanto acima e abaixo da cintura. A dor também deve apresentar-se em pelo menos um segmento do esqueleto axial (cervical, torácico, lombossacro)

Dor em 11 dos I8 pontos dolorosos durante a palpação digital realizada com uma pressão aproximada de 4kg/cm2.

São eles:

1 e 2, Occipital (2)
bilateral, nas inserções do músculo suboccipital.

3 e 4, Cervical baixo (2)
bilateral, na face anterior dos espaços intertransversais em C5-C7.

5 e 6,Trapézio (2)
bilateral, no ponto médio da borda superior.

7 e 8, Supraespinato (2)
bilateral, na origem, acima da espinha escapular, próximo da borda medial.

9 e 10, Segunda costela (2)
bilateral, na segunda junção costocondral, lateral às junções nas superfícies superiores.

11 e 12, Epicôndilo lateral (2)
bilateral, 2 cm distal dos epicôndilos.

13 e l4,Glúteos (2)
bilateral, nos quadrantes superiores externos das nádegas na dobra anterior do músculo.

15 e 16,Trocanter maior (2)
bilateral, posterior à proeminência trocantérica.

17 e 18,Joelhos (2)
bilateral, no coxim medial proximal à linha dos joelhos.

Pessoas com fibromialgia reagem com dor quando se pressiona muitos desses locais.

As áreas doloridas na fibromialgia são similares em localização às áreas de outros tipos comuns de dores ósseas e musculares como cotovelo de tenista, bursite trocanteriana, etc...

Os pontos doloridos da fibromialgia tendem a estar presentes em ambos os lados e em diferentes locais.

Embora os pontos ilustrados acima sejam usados para diagnóstico, muitos outros pontos musculares e de tecidos moles podem ser excessivamente sensíveis.

Você pode não estar ciente da exata localização desses pontos sensíveis até o momento em que eles sejam especificamente pesquisados diante um exame médico.

Fadiga e distúrbios do sono

Cerca de 90% das pessoas com fibromialgia sentem uma fadiga de moderada a severa, com perda da energia, diminuição da resistência aos exercícios, ou um cansaço semelhante àquele resultante de uma gripe ou perda de sono.

Algumas vezes a fadiga é um problema maior do que a dor.

Pessoas com fibromialgia podem ter uma fadiga semelhante à de outra condição chamada síndrome da Fadiga Crônica (SFC).

Algumas pessoas com fibromialgia têm sintomas de SFC e vice versa.

Por exemplo, multas pessoas com SFC têm pontos sensíveis e sintomas semelhantes aos daqueles com fibromialgia.

Pelo fato de existir uma superposição entre essas duas síndromes comuns, às vezes não é possível separar essas duas condições.

Um médico pode dar um diagnóstico de fibromialgia enquanto outro pode chamar a mesma condição de síndrome da fadiga crônica.

Muitas pessoas com fibromialgia experimentam um distúrbio do sono, em que elas não acordam aliviadas mas sentindo-se cansadas.

Embora você possa ser capaz de ficar acordado sem grandes dificuldades, o estágio de sono profundo pode estar interrompido.

Você pode dormir superficialmente e acordar durante a noite. Outros distúrbios do sono, incluindo apnéia, mioclonia, e síndrome da perna cansada são também comuns.

Pesquisas têm mostrado que uma ruptura do sono profundo altera muitas funções cruciais do organismo, como a percepção da dor.

Sintomas do sistema nervoso

Mudanças no humor e na maneira de pensar são comuns na fibromialgia.

Muitos indivíduos sentem-se desanimados, embora apenas 25% estejam verdadeiramente deprimidos.

Algumas pessoas também manifestam ansiedade. Por esse motivo existem pesquisadores que pensam poder haver relação entre a fibromialgia e algumas formas de depressão e de ansiedades crônicas.

É importante lembrar que pessoas com outras doenças crônicas que não a fibromialgia também podem sentir depressão quando enfrentam dificuldades para amenizar seus sintomas.

Pessoas com fibromialgia podem referir diminuição na capacidade de se concentrar e de executa tarefas comuns.

Não há evidências de que esses problemas se tomem mais sérios com o decorrer do tempo.

Problemas semelhantes são também observados em outras pessoas com alterações do humor, distúrbios do sono ou outras doenças crônicas.

Algumas pessoas com fibromialgia podem também sentir dormência e fisgadas nas mãos, braços, pés, pernas ou na face.

Essas sensações podem sugerir outras desordens como síndrome do túnel do carpo, neurites ou até esclerose múltipla.

Por isso pessoas com fibromialgia freqüentemente se submetem a diferentes exames para pesquisar outros diagnósticos e verificam que os resultados dos testes são normais.

Outros Problemas

Cefaléias especialmente de tensão e enxaquecas são comuns na fibromialgia.

Dor abdominal, Inchaço, constipação alternando-se com diarréia (cólon espástico ou cólon irritável) são também comuns.

Da mesma maneira espasmos semelhantes e irritabilidade na bexiga, podem causar urgência e aumento da freqüência urinária.

A pele e a circulação sanguínea quando sensíveis às mudanças de temperatura acarretam modificações temporárias na coloração da pele.

Como diagnosticar a fibromialgia ?

O diagnóstico de fibromialgia se baseia nas queixas de dores difusas associadas a sensibilidade aumentada nas localizações específicas.

Não existem exames específicos laboratoriais ou radiológicos que permitam diagnosticar a fibromialgia.

Estes testes apenas ajudam quando definem outro diagnóstico e excluem a fibromialgia.

Um exemplo é a baixa do hormônio de tiróide que diagnostica o hipotireoidismo e que pode levar o paciente a apresentar sintomas semelhantes aos da fibromialgia.

Uma história e exame físico cuidadosos podem afastar outras condições que também causam dor e fadiga crônicas.

Pelo fato dos sintomas da fibromialgia serem generalizados, inespecíficos e semelhantes ao de outras alterações médicas, muitas pessoas se submetem a avaliações complicadas e repetidas antes de identificar que se trata da fibromialgia. Como nem todos os médicos estão treinados para reconhecer essa síndrome, toma-se importante procurar um especialista que esteja familiarizado com o diagnóstico e tratamento dessa condição.

Causas da fibromialgia:

Diferentes fatores, isolados ou combinados, podem desencadear a fibromialgia.

Alguns tipos de estresses como doenças, traumas emocionais ou físicos, mudanças hormonais, etc., podem gerar dores ou fadiga generalizadas que não melhoram com o descanso e que caracterizam a fibromialgia.

Trauma físico ou emocional podem desencadear a fibromialgia.

Exemplificando: uma infecção, um episódio de gripe, ou um acidente de carro, podem estimular o aparecimento dessa síndrome.

Pessoas com fibromialgia podem ficar inativas ou ansiosas sobre sua saúde, agravando essa condição.

Pesquisas têm também procurado o papel de certos hormônios ou produtos químicos orgânicos que possam influenciar na manifestação da dor, no sono e no humor.

Eventualmente, essas pesquisas podem resultar em um melhor entendimento sobre a fibromialgia assim como em um tratamento mais efetivo e até mesmo na prevenção.

Tratamento da fibromialgia

As opções terapêuticas para a fibromialgia incluem:

1- Medicações para diminuir a dor e melhorar o sono, Programas de exercícios para fortalecer a musculatura e melhorar a aptidão cardiovascular;
2- Técnicas de relaxamento e outras medidas para diminuir a tensão muscular;
3- Programas educativos para ajudar você a entender e manejar a fibromialgia.

Seu médico pode estabelecer um plano para atender suas necessidades individuais.

Algumas pessoas com fibromialgia podem ter sintomas discretos e precisar de um Tratamento menos demorado.

Isso acontece principalmente quando elas entendem melhor essa condição e identificam os fatores que podem piorar a doença.

Muitas pessoas se beneficiam quando conseguem entender o programa terapêutico.

Medicações

Os anti-inflamatórios comumente usados no tratamento de muitos tipos de reumatismos, não surtem um resultado tão eficaz na fibromialgia.

Entretanto, modestas doses de aspirina, ibuprofen ou acetaminofen podem promover algum alívio da dor.

Estudos mostram que medicações do tipo: narcóticos, tranqüilizantes, ou derivados de esteróides são ineficazes e devem ser evitados por causa de seus efeitos colaterais.

Medicações que promovem sono profundo e relaxamento muscular ajudam a muitas pessoas com fibromialgia a se sentirem mais descansadas.

Essas incluem a amitriptilina, a doxepina, a ciclobenzapina além de outras medicações inibidoras da recaptação de serotonina.

Embora essas medicações também sejam usadas para tratar diferentes tipos de depressão, elas são prescritas para pessoas com fibromialgia em pequenas doses.

No tratamento da fibromialgia, essas medicações são usadas mais com o objetivo de aliviar a dor, relaxar os músculos e melhorar o sono, do que especificamente para aliviar os sintomas de depressão.

Embora muitas pessoas possam melhorar o sono e sentir menos desconforto quando tomam essas medicações, as variações Individuais nos resultados podem ser grandes.

Além disso, algumas medicações podem gerar efeitos colaterais como sonolência, constipação, boca seca e apetite aumentado.

Estes efeitos geralmente não são severos, mas podem causar perturbações e por isso limita o uso dessas drogas.

Converse com seu médico se você tiver dúvidas sobre esse assunto.

Exercícios e terapia física

Dois grandes objetivos da fisioterapia no tratamento da fibromialgia são: exercitar os músculos doloridos com exercícios de alongamento e melhorar as condições cardiovasculares com exercícios aeróbicos.

Muitas pessoas podem participar de um programa de exercícios que promovam uma sensação de bem estar, aumentando a resistência e diminuindo a dor.

Exercícios aeróbicos têm beneficiado pessoas com fibromialgia.

Você pode resistir a praticar exercícios quando sente dor ou cansaço.

Atividades aeróbicas que causam pouco impacto como caminhar, andar de bicicleta, nadar e hidroginástica são consideradas como a melhor escolha para se iniciar um programa de exercícios.

Faça uma avaliação com seu médico antes de iniciar um programa e comece devagar.

Uma sugestão é praticar exercícios regulares em dias alternados, aumentado gradualmente suas atividades até atingir uma boa aptidão física.

Gentilmente estenda seus músculos e mova suas juntas até um nível adequado, diariamente, assim como antes e após exercícios aeróbios.

Você pode também consultar um fisioterapeuta para ajudar a estabelecer um programa personalizado e específico para melhorar sua postura, flexibilidade e aptidão física.

MELHORANDO A QUALIDADE DE VIDA NA FIBROMIALGIA.

Os distúrbios do sono e a insônia estão presentes na maioria dos portadores de fibromialgia, aumentando ainda mais a fadiga.

Por isso, algumas orientações na higiene do sono são úteis:

Para melhorar a qualidade do seu sono, evite ingerir alimentos que contém cafeína próximo do seu horário de dormir.

Listamos alguns deles para você: café, alguns tipos de chá (mate, preto, verde, etc.), cacau e, portanto, chocolate, refrigerantes do tipo cola e guaraná e bebidas energéticas.

Evite fumar, pois a nicotina interfere de maneira nociva no seu sono.

Evite também tirar sonecas durante o dia, pois elas afetam o padrão do seu sono noturno, podendo causar insônia.

Procure manter uma atividade física regular, de 2 a 4 vezes por semana, como caminhadas, natação, hidroginástica e exercícios de alongamento, como os que sugerimos a seguir:

1. Comece dando uma boa despreguiçada.

2. Incline a cabeça para o lado direito. Com o apoio da mão direita, tente encostar a orelha no ombro sem levantá-lo e conte até 10 lentamente. Faça o mesmo para o outro lado.

3. Com os ombros levantados, incline a cabeça para um lado, encostando a orelha no ombro. Faça o mesmo para o outro lado, repetindo 10 vezes para cada lado, lentamente.

4. Com os braços esticados acima da cabeça, segure o cotovelo de um dos braços com a mão do outro braço. Puxe o cotovelo por trás da cabeça, devagar. Conte até 10 lentamente. Faça o mesmo para o outro lado.

5. Estenda o braço direito para a frente e puxe a mão na sua direção com a ajuda da mão esquerda. Conte até 10 lentamente. Repita 2 vezes com cada braço, ora com a mão dobrada para baixo, ora para cima.

6. Estenda os braços para a frente, com as mãos fechadas. Faça uma torção das mãos, voltando os dedos fechados para fora. Conte até 10 lentamente.

7. De pé, segure-se a uma grade ou batente de uma porta, com as mãos colocadas na altura dos ombros. Faça com que os ombros se endireitem à medida que você se inclina para frente. Conte até 10 devagar, mantendo a posição.

8. Deitado de barriga para cima, dobre os joelhos puxando-os de encontro ao peito, devagar. Mantenha a posição contando até 10 lentamente.

9. Sentado com as pernas estendidas, cruze a perna direita por cima da esquerda, e puxe o joelho para o peito, em direção ao ombro esquerdo. Conte até 10 devagar. Faça o mesmo com a perna esquerda.

Siga as orientações do seu médico para individualizar estas recomendações!.

Fonte: www.clinicareabilitar.com.br

Fibromialgia

São fibromiosite ou fibrosite relacionado a fibromialgia?

Fibromyositis e fibrosite são nomes alternativos para a fibromialgia, uma condição que causa dor crônica generalizada. Outros sintomas da fibromialgia incluem fadiga, insônia e depressão. Cerca de 5 milhões de americanos têm fibromialgia. Cerca de 80 por cento a 90 por cento das pessoas diagnosticadas com esta doença são mulheres.

Entre os termos anteriores para fibromialgia são:

fibromiosite ou fibrosite

fibromyocitis

reumatismo muscular

tensão mialgia

psicogênica reumatismo

reumatismo tensão

neurastenia

fibrosite

Sabemos agora que fibromiosite é uma condição inflamatória do músculo associada com crescimento do tecido conjuntivo.

Fibrosite ainda é usado como um sinônimo para a fibromialgia, embora "ite" é o sufixo para a inflamação e agora sabemos que a fibromialgia não é uma doença inflamatória. É uma síndrome que afeta o sistema nervoso central, perpetuada pelo nervo periférico para a desregulamentação muscular.

Fibromialgia pode causar ganho de peso?

O estilo de vida sedentário, que muitas vezes acompanha a FM pode causar ganho de peso. É importante, a não ser que você tenha uma outra condição que o impede, de exercer, e alongamento. Tratar pontos-gatilho miofasciais, se estiverem presentes, antes do exercício, ou pode causar uma piora dos sintomas que levam a crer FM é uma doença progressiva, o que não é.

O hipotireoidismo é acreditado para ser uma comorbidade em FM, e de investigação está em curso sobre a resistência da tireóide, onde os níveis de hormônios da tireóide são normais, mas o corpo não utilizá-los de forma adequada. A investigação mostra também a possibilidade de que com tiroidite de Hashimoto coloca o paciente em risco maior para o desenvolvimento de FM.

Um sintoma característico de hipotireoidismo é o ganho de peso.

Em suma, não, a fibromialgia não causa diretamente o ganho de peso, no entanto, a mudança de peso é uma queixa comum dos pacientes. A fibromialgia é considerada a causa mais comum de dor no corpo generalizada em mulheres entre as idades de 20 e 55 anos. Outro sintoma comum é a fadiga. Pequenas atividades físicas muitas vezes pode piorar a dor e fadiga. Devido a isso, muitos pacientes e limitar a sua atividade vai ganhar peso como resultado. Por outro lado, longos períodos de inatividade pode piorar a dor e fadiga, também. Através da pesquisa, constatou-se que o trabalho com o seu médico e um treinador ou um fisioterapeuta, pode-se desenvolver um programa de exercício individual aeróbio que pode reduzir a dor em geral e melhorar a função física. O paciente de fibromialgia deve começar com atividades aeróbios de baixo impacto, como caminhada rápida, natação e ciclismo, construindo lentamente até um programa de condicionamento físico benéfico.

Fibromialgia pode afetar a minha capacidade para o trabalho?

Fibromialgia muitas vezes afeta a capacidade de trabalho. Uma pesquisa comparando pessoas com fibromialgia para indivíduos em tratamento para outras condições constatou que 47% das pessoas com fibromialgia tinha perdido um emprego por causa da doença, em comparação com apenas 14% das pessoas que perdem um emprego para outro problema de saúde. Em outra pesquisa, pessoas com fibromialgia perdeu três vezes mais dias de trabalho, em comparação com muitos trabalhadores saudáveis.

Fibromialgia pode me colocar em um maior risco de diabetes?

Fibromialgia é uma condição médica crônica que afeta 2-4% da população, e afeta mais comumente mulheres adultas. Os sintomas podem incluir, mas não estão limitadas a, dor muscular generalizada, fadiga e dificuldade em dormir. Não existem testes de sangue ou estudos radiológicos utilizados para diagnosticar fibromialgia, no entanto, os pacientes podem ser diagnosticados pela presença de sintomas e um exame físico. Diabetes, por outro lado, é uma doença metabólica de glucose no sangue elevados. Em geral, a obesidade coloca uma pessoa em um maior risco de desenvolver diabetes mais tarde na vida. Não existe nenhuma ligação conhecida entre fibromialgia e o risco de desenvolvimento de diabetes, no entanto, seria possível que um indivíduo tem de ambas as condições, ao mesmo tempo. Os sintomas da diabetes de início tardio incluem sentimento 30, urinar frequentemente e fadiga. Ao contrário de fibromialgia, o médico pode realizar exames de sangue, o que pode ajudar a diagnosticar diabetes. Um estudo muito pequeno turco de janeiro de 2011 fez descobrir que pacientes do sexo feminino com diabetes de início tardio tiveram maiores taxas de fibromialgia. Mas este era um estudo muito pequeno e não pode ser usado para conectar formalmente estas duas condições médicas.

Fibromialgia pode ser curado?

A boa notícia é que a síndrome da fadiga crônica e fibromialgia são muito tratável. A má notícia é que a maioria dos médicos ainda não estão treinados em tratamento adequado. Devido a isso, você quer ver um médico que sabe como ajudá-lo, além de simplesmente usar os medicamentos poucos aprovados pela FDA.

A nossa investigação mostrou que a publicação de 91% dos pacientes podem melhorar, com um aumento médio de 90% em termos de qualidade de vida, através do tratamento com o "Protocolo BRILHO". SHINE significa sono, suporte hormonal, infecções, suporte nutricional, e Exercício como capaz. Isto requer uma abordagem abrangente. Para encontrar um médico que sabe como tratá-lo, eu recomendo a Fibromialgia e Centros de fadiga nacionalmente. Além disso, há uma análise livre de sintomas que pode analisar os seus sintomas para determinar o que está causando o seu CFS/fibromialgia. Ele, então, um protocolo de tratamento sob medida para o seu caso específico, utilizando uma mistura de terapias naturais e prescrição. Você pode, então, trabalhar com o seu médico local usando esse protocolo.

Fonte: textozon.com

Fibromialgia

Fibromialgia caracteriza-se por dor crônica que migra por vários pontos do corpo e se manifesta especialmente nos tendões e nas articulações. Trata-se de uma patologia relacionada com o funcionamento do sistema nervoso central e o mecanismo de supressão da dor que atinge, em 90% dos casos, mulheres entre 35 e 50 anos. A fibromialgia não provoca inflamações nem deformidades físicas, mas pode estar associada a outras doenças reumatológicas o que pode confundir o diagnóstico.

Causas

A causa específica da fibromialgia é desconhecida. Sabe-se, porém, que os níveis de serotonina são mais baixos nos portadores da doença e que desequilíbrios hormonais, tensão e estresse podem estar envolvidos em seu aparecimento.

Sintomas

Dor generalizada e recidivante

Fadiga

Falta de disposição e energia

Alterações do sono que é pouco reparador

Síndrome do cólon irritável

Sensibilidade durante a micção

Cefaleia

Distúrbios emocionais e psicológicos.

Diagnóstico

O diagnóstico da fibromialgia baseia-se na identificação dos pontos dolorosos. Ainda não existem exames laboratoriais complementares que possam orientá-lo.

Tratamento

O tratamento da fibromialgia exige cuidados multidisciplinares.

No entanto, tem-se mostrado eficaz para o controle da doença:

Uso de analgésicos e antiiflamatórios associados a antidepressivos tricíclicos

Atividade física regular

Acompanhamento psicológico e emocional

Massagens e acupuntura.

Recomendações

Tome medicamentos que ajudem a combater os sintomas

Evite carregar pesos

Fuja de situações que aumentem o nível de estresse

Elimine tudo o que possa perturbar seu sono como luz, barulho, colchão incômodo, temperatura desagradável

Procure posições confortáveis quando for permanecer sentado por mito tempo

Mantenha um programa regular de exercícios físicos

Considere a possibilidade de buscar ajuda psicológica.

Fonte: drauziovarella.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal