Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Ilhas Fiji  Voltar

Ilhas Fiji

FIJI, ILHAS INFINITAS

O arquipélago mais conhecido da Melanésia está formado por 320 ilhas, onde apenas um terço está povoada. Seu nome evoca praias paradisíacas, ilhas de coral e complexos de luxo, e o visitante não se sente defraudado nas expectativas, pois Fiji é isso e muito mais. As maiores ilhas de origem vulcânica, têm um interior montanhoso de frondosos bosques selvagens, impactantes paisagens e pitorescos povoados.

Os lagos vulcânicos de águas transparentes concorrem em beleza com as águas turquesas das barreiras de arrecifes e nas possibilidades de exploração e prática de esportes.

Porém, Fiji também é cultura, ou melhor, mistura de culturas: polinésios, hindus e europeus têm dado lugar a uma peculiar arquitetura, linguagem, cozinha, religião e, sobre tudo, um caráter hospitaleiro que faz o forasteiro sentir-se em casa.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

As ilhas Fiji situam-se ao sudoeste do Oceano Pacífico, ao sul do Equador e ao norte do trópico de Capricôrnio. Seus limites territoriais cobrem mais de 1.3 milhões de quilometros quadrados, os quais apenas 1.5% são terra firme. No total a superfície desta terra firme é de uns 18.300 quilometros quadrados.

O arquipélago compreende umas 300 ilhas, mas se contamos todas as pequenas ilhotas da zona, o número pode subir à 800. A maior das ilhas é Viti Levu, com 10.390 quilometros quadrados, e a segunda Vanua Levu, com 5.538 quilometros quadrados. Só um terço das ilhas estão habitadas, devido principalmente ao isolamento e falta de água em muitas delas.

Os restantes grupos de ilhas são: Lau, formado por 57 ilhas; Moala, formado por três; Lomaiviti, composto de 12 ilhas, o grupo Kadavu e o arquipélago de Yasawa, com 20 ilhas, que formam a fronteira ocidental.

A maior elevação é o Monte Vitória, com 1.323 metros de altitude, situado no extremo norte da cadeia montanhosa que divide Viti Levu no leste e oeste.

FLORA E FAUNA

Flora

Fiji caracteriza-se por uma grande quantidade de vegetação tropical e densa selva virgem. O dacua e o jaca junto com os vesi, fazem parte das árvores mais comuns. Os coqueiros, os pandanos cujas folhas se utilizam para fazer cestas, o bambú e os juncos, fazem parte da paisagem tropical do arquipélago.

Também típica da selva, a tagimaucia é a flor nacional de Fiji. Abundam as orquídeas e a baunilha. Dentro das plantas comestíveis destaca a tavioka e o dalo, cujas raízes possuem um alto valor nutritivo, sendo usadas também suas folhas na cozinha tradicional fijiana. Os nativos distinguem até 80 espécies diferentes de dalo. A kava, uma planta pertencente à família do pimentão, é muito cultivada em Fiji; suas raízes se secam e misturam com água para produzir a yaqona, uma bebida ritual.

Entre as plantas de jardim a mais frequente é o hibisco, usada como elemento decorativo, alimento e medicina. Do Brasil foram trazidas o buganvile e a alemanda, que produzem formosas flores amarelas durante todo o ano.

Fauna

Os únicos mamíferos terrestres endêmicos são seis espécies de morcegos. A mais comum é a do morcego da fruta, conhecido como raposa voadora ou beka, que aninha nas árvores mais altas dos bosques. Outras duas espécies de morcegos insetívoros vivem em grutas, pelo que raramente podem ser vistos.

Dos mamíferos exógenos, o mais comum é a mangosta, trazido da Índia em 1883 para controlar as pragas de ratos nas plantações de cana de açúcar. Várias espécies de golfinhos e baleias podem ser avistadas ocasionalmente nas costas, quando emigram fugindo das frias águas do Antártico.

A fauna fijiana é rica em répteis: há 20 espécies de répteis terrestes, quatro de tartarugas e quatro de serpentes de mar. Há vários tipos de iguanos, sendo os mais frequentes o iguano de cresta e o ralhado. Entre os anfibios, o mais notório é o sapo da cana.

Fiji possui uma variada e interessante fauna ornitológica. Das cem espécies a sobrevoar seus céus, 23 são nativas. Porém, a maior riqueza animal das ilhas encontra-se sob a água. As massas coralinas e as lagoas protegidas das costas alojam infinitas espécies de peixes de maravilhosas cores e as mais fantásticas formas com nomes sugestivos como peixe soldado, peixe cirurgião, peixe lagarto e peixe trombeta, entre muitos outros.

DADOS HISTÓRICOS

Segundo evidências arqueológicas, as ilhas Fiji foram povoadas em três diferentes ondas migratórias: a primeira teve lugar no século XVII a.C.; a segunda entre o ano 400 e o 100 a. C., e a última entre os séculos X e XIX.

O nome de Fiji vem do nome tonganês das ilhas, cuja população tem sido modelada por polinésios, melanésios e alguns micronésios. O nome que os nativos davam a Fiji era Viti.

Povo Lapita

O povo lapita foi o primeiro a estabelecer-se em Fiji, e povoar sobre tudo as costas, baseando-se na subsistência da pesca. Assumiu-se que os lapitas chegaram procedentes de Vanuatu ou das Salomão Orientais.

No século X d.C., povos de Tonga e Samoa chegaram desde o leste, propiciando guerras de maior calibre e mais organizadas. Mais tonganos chegaram no XVIII, fazendo os povoadores refugiarem-se de novo nas fortificações. Embora houvesse extensos períodos de paz, Viti sofria uma intensa crise quando chegaram os europeus. À princípios do XIX, os atritos locais entre as tribos tinham às ilhas à beira da guerra civil. Isto fez pensar os primeiros colonizadores que as ilhas estavam em constante estado de guerra.

Primeiros Europeus

O holandês Abel Tasmam foi o primeiro europeu em informar do avistamento em 1643 de alguma parte destas ilhas. Conseguiu evitar os perigosos arrecifes ao noroeste de Vanua Lavu e Tavenui, mas sua descrição do sistema de arrecifes manteve longe os marinheiros ocidentais durante 130 anos.

Em 1774, o Capitão Cook chegou à pequena ilha de Vatoa, ao sul do grupo de Lau. Sua descrição dos nativos como ferozes guerreiros e caníbais fez com que durante anos ninguém ousasse acercar-se da zona.

As ilhas principais seriam avistadas em 1789 por William Bligh durante seu histórico périplo desde Tonga a Timor. Não permaneceu muito tempo na ilha devido à hostil acolhida dos nativos, mas voltou em 1792 para levar a cabo uma exploração do arquipélago. Em 1830 estabeleceu-se em Levua, Ovalau, pequeno assentamento de baleeiros e presos escapados da Austrália. Os estrangeiros casaram com mulheres nativas e Levuka converteu-se em um dos melhores portos do sul do Pacífico para comerciantes e navios de guerra.

Em 1846, John Brown Williams foi nomeado agente comercial norte americano nas ilhas, e os ingleses, temerosos de que franceses ou americanos tentassem anexar o arquipélago, enviaram W.T.Pritchard a Levuka como consul em 1858. As Fiji tinham-se convertido naquela época em um importante lugar comercial, e os chefes nativos assinavam constantes alianças com norte-americanos, franceses, alemães ou ingleses, segundo as necessidades de cada momento. O principal chefe nativo, Cakobau, dominava quase todo o território, mas não era capaz de manter a paz interna. Perante o perigo da adesão por parte de qualquer potência devido à grande instabilidade internacional da época, Cakobau decidiu ouvir o chamado do consul britânico Thurston, à favor da união à coroa britânica.

Colônia britânica

Fiji foi proclamada colônia britânica em 10 de outubro de 1874 em Levuka. O governador de Nova Gales do Sul foi nomeado provisoriamente governador da nova província, sendo substituido posteriormente.

Para assegurar-se, o tradicional apoio dos chefes locais, Gordon introduziu um sistema administrativo que incorporava a hierarquia existente na sociedade fijiana. O cristianismo imposto pelos missionários serviu também como elemento de integração e controle social e de proteção do sistema capitalista que começava-se implantar.

Até 1904, o Conselho Legislativo tinha estado constituido inteiramente por europeus escolhidos pelo governador, pelo que a Constituição teve que ser modificada para poder incluir seis europeus e dois fijianos escolhidos pelo grande Conselho dos Chefes. Em 1916 o Governador decidiu nomear um membro hindu (milhares de hindus tinham chegado a Fiji em décadas anteriores para servir como mão de obra barata); haveria que esperar até 1929 para serem eleitos pela primeira vez para o governo da colônia, após uma década de intensa luta pela melhora de condições de vida.

Fiji manteve-se isolada da I Guerra Mundial dada a distancia do campo de operações, mas o conflito no Pacífico durante a II Guerra Mundial envolveu mesmo aos fijianos, que lutaram nas Salomão contra os japoneses entre 1942 e 1943. Após a guerra, Fiji ficou mais exposta ao Ocidente, especialmente a Nova Zelândia.

Os anos sessenta foram a década da formação de governos ministeriais, da obtenção do direito ao voto pelas mulheres, do estabelecimento de partidos políticos e de mudanças constitucionais dirigidas a favorecer o auto-governo.

A Independência

Fiji obteve a independência em 10 de outubro de 1970, após 96 anos de domínio colonial. A constituição de 1970 seguia o modelo britânico de duas câmaras, com um senado composto por chefes nativos e uma câmara de representantes.

Em abril de 1987, a derrota nas eleições do Partido da Aliança por uma coligação acusada de estar dominada por hindus, fez explodir as tensões raciais. Após um mês, o tenente coronel Sitiveni Rabuka chefiava um golpe de estado sem sangue, proclamando-se diretor do conselho de ministros, apoiado pelo grande Conselho de Chefes fijianos. Após abolir a constituição de 1970 e numerosos direitos civis, Rabuka elegeu-se presidente da República.

Estas circunstâncias abismaram o país em uma grande instabilidade política, social e racial, além de provocar uma profunda crise econômica. Em julho de 1990 foi aprovada uma nova constituição que favorecia primordialmente os intereses da etnia fijiana nativa, provocando a total quebra dos grupos hindus e seus líderes.

Após sucessivas reformas constitucionais, hoje ainda continuam as discusões sobre a representatividade que cada grupo deseja ter no governo das ilhas.

ARTE E CULTURA

Alguns marcos da sociedade dos primitivos habitantes de Viti têm sobrevivido à repressão de missionários e governantes ocidentais e os mutantes modos de vida nas ilhas. Assim, a maioria dos nativos fijianos vivem em povoados em mataqui (grupos familiares amplos) cultivando sua própria terra e sob o mando de um chefe, geralmente varão, cujo cargo é hereditário. Os diferentes clãs reunem-se para os nascimentos, casamentos, funerais e outras celebrações onde são trocados presentes.

Outorga-se a cada família um lote de terra, mas há algumas obrigações comunais a serem feitas, como a colheita para o chefe do clã e construir e manter em bom estado as edificações da comunidade. A vida no povoado está baseada na inter-dependência, por isso existe um grande apoio mútuo a criar um forte sentimento de identidade de grupo.

Apesar do tradicionalismo, as diferenças sociais e culturais observadas no passado estão desaparecendo rapidamente. Os povoados já não são assim tão auto-suficientes, e cada dia são mais jovens a emigrar para as cidades em procura de educação ou emprego. As tradições e os valores dos maiores são menos respeitados nas cidades, onde as ligações familiares perdem força e obrigam os jovens fijianos adaptarem-se rapidamente aos novos modos de vida.

Em todas as ocasiões especiais, como pode ser a cerimônia de boas-vindas de um chefe ou de um novo funcionário, os habitantes das ilhas oferecem um dente de baleia na cerimônia da kava, à qual só podem assistir homens.

GASTRONOMIA

Há quatro tipos de cozinha em Fiji: a local ou fijiana, a européia, a chinesa e a hindu.

A cozinha local é parecida à do resto desta zona do Pacífico: os pratos típicos são preparados a base de peixe, marisco, fruta-pão, taro (dalo), cassava (tavioka), carne de vaca, arroz, frango, suco de coco (lolo), frutas tropicais (goiaba, abacaxi, manga) e várias folhas verdes como as do taro (roro) ou as de feto.

Qualquer comida fijiana deve incluir carne ou peixe, folhas de taro fervidas rociadas com creme de coco e cassavas fervidas como guarnição.

A comida hindu tende a estar fortemente temperada, e uma comida típica deste tipo consiste em carne ao curry com arroz, sopa de lentilhas e roti (um tipo de pão). Os pratos chineses costumam ser mexidos de carne e verduras fritas, arroz e alguns pratos ardorosos com curry.

Os fijianos comem em suas casas com as mãos e sentados no chão. Se um visitante é convidado a comer, lhe oferecerão em abundância, embora a família seja pobre. Em reciprocidade, o visitante deve levar alguns alimentos comprados nas lojas do povoado. É frequente encontrar em alguns restaurantes vonu (carne de tartaruga). Isso está proibido, pois põe em perigo diversas espécies, pelo que deverá rejeitá-la sempre.

Bebidas

Pode-se encontrar numerosas marcas de água mineral engarrafada local e importada, que sempre é recomendável, pois não se deve beber nunca da torneira. Os sucos de frutas são excelentes e a água de coco verde fria é tremendamente refrescante. Outro refresco local é o feito com suco de banana.

Entre as bebidas locais, a mais popular é a cerveja (herança britânica); pode ser ruiva ou amarga. Também é produzido rum de aceitável qualidade.

A bebida tradicional é a Yaqona, parte integral da vida social fijiana.

COMPRAS

O artesanato local é variado e oferece boas oportunidades de levar atrativas lembranças de volta para casa. As peças clássicas do artesanato fijiano são os paus de guerra, garfos, boles de yaqona, conchas, sândalo, sabonete de coco, peças esculpidas em coral e tecidos tapa em forma de cartões postais ou cartazes. Há também peças muito boas de olaria. Deve evitar comprar instrumentos de carei ou similares extraidos da tartaruga, pois está proibido seu comércio.

Como tecido típico aconselha-se adquirir o Sulu, uma tela retangular de 2 metros de largura, uma espécie de pareo muito colorido. Em artesanato hindu pode-se obter coloridos saris (túnicas para a mulher) e joalheria.

POPULAÇÃO E COSTUMES

Fiji tem uma população aproximada de 770.000 habitantes, segundo o censo de 1993. A ilha mais povoada, Viti Levu, acolhe 75% da população total. 39% dos fijianos habitam em áreas urbanas, e as cidades mais densamente povoadas são Suva, Nadi, Lautoka e as áreas açucareiras de Rewa e Ba.

A mistura de raças em Fiji é a mais marcada de toda a Polinésia, até o ponto de não haver uma clara identidade nacional no país. Hoje em dia os fijianos indígenas representam 50% da população, e os hindus 45%, dividindo-se os 5% restante entre as outras etnias. Os hindus formam um importante grupo racial e cultural das Fiji, e são descendentes dos emigrantes que no século XIX optaram por ficar, após seus contratos de trabalho perderem a validade. À partir de 1916 não mais foram admitidos trabalhadores estrangeiros nas plantações. Anteriormente, os nativos negavam-se a realizar este tipo de trabalhos. Na atualidade muitos destes índios cultivam cana de açúcar ou arroz em terras arrendadas aos fijianos; a outra principal ocupação é a do comércio, na qual tem chegado a prosperar notavelmente.

ENTRETENIMENTO

Nas Ilhas Fiji pode-se fazer quase de tudo, especialmente quanto a esportes náuticos, desde mergulho, surfing, windsurfing ou snorkelling e pesca submarina.

Para os que têm inquietudes antropológicas existe a possibilidade de visitar os povoados mais anscestrais e tentar conhecer mais a fundo seus habitantes, lembrando que a maioria da população fala inglês.

Em contato com a natureza há também excelentes oportunidades para a prática do senderismo e a escalada. Excursões são organizadas em bicicletas de montanha e veículos de terreno. Nas reservas naturais, além de sombrios bosques selvagens, pode-se contemplar multidões de espécies de pássaros tropicais que neles aninham.

Para quem gosta dos espetáculos esportivos, nas Fiji pode ver rugby, jogo e criket. Por outro lado, existem facilidades de primeira classe para a prática do golfe e tênis.

Nas principais cidades é possível também encontrar uma animada vida noturna, com abundância de música ao vivo e espetáculos folclóricos locais.

FESTIVIDADES

Fiji conta com numerosas festas e festivais de grande colorido ao longo do ano todo. As festas de carácter regional há que somar as celebrações das populações chinesa e hindu.

Entre os festivais mais importantes encontra-se o Festival de Diwali (outubro ou novembro), celebrado pelos hindus, mas com a participação de todos os habitantes das ilhas. Outros eventos religiosos mais importantes são Natal e a Páscoa. Destacam, também, o Festival Hibiscus, o maior carnaval das Fiji (una longa semana no mês de agosto), o Festival do Açúcar, na cidade de Lautoka (setembro) e o Festival Bula, no povoado de Nadi (julho).

Os dias festivos oficiais são: 1 de janeiro Ano Novo, 16 ao 19 de abril Páscoa, 14 de junho Aniversário da Rainha, 31 de maio Dia de Ratu Sukuna, 26 de julho Dia da Constituição, 11 de outubro Dia de Fiji, 30 de agosto Aniversário do profeta Maomé, 15 de novembro Aniversário do Príncipe Carlos, 25 de dezembro Natal e 26 de dezembro Boxing Day.

TRANSPORTES

Avião

Fiji está bem comunicado por via aérea. As companhias da zona como Air Pacific, Air New Zeland, Canadiam Airlines ou Qantas operam vôos a diversos destinos desde o aeroporto Internacional de Nadi. Ao aeroporto Internacional de Nausori, a 23 quilometros ao nordeste de Suva, operam Royal Tongam Airlines, Air Marshall Ilands e Air Naru.

Quanto a vôos nacionais, Fiji encontra-se muito bem servida, com vôos frequentes e confiáveis entre numerosos pontos do arquipélago. As três principais linhas são Air Fiji, Sunflower Airlines e Vanua Air Charters.

Barco

Pode-se chegar de barco às Fiji, principalmente em iate ou cruzeiros organizados. Há serviços regulares de transbordador entre Viti Levu, Vanua Levu e Taveuni; entre Viti Levu e Ovalau e entre Viti Levu e Kadavu. Navios aceitam tanto pasajeros como veículos, e vão providos de lanchonetes onde pode-se beber e comer comidas leves.

Trem

O único trem de passageiros em Fiji é o Coral Coast, em Viti Levu, que cobre a rota entre o Fiji Resort e Natadola Beach.

Ônibus

Deslocar-se em Fiji é muito econômico, especialmente nas povoações de Viti, Levu, Vanua Levu, Taveuni u Ovalau, com ônibus abertos, sem ar condicionado.

Para distâncias mais longas, é conveniente abordar os que têm ar condicionado.

Carro

As principais firmas de aluguel de carros estão presentes em Fiji. Dirige-se pela esquerda e é necessário possuir licença de motorista, seja internacional ou nacional. A velocidade máxima em zonas urbanas é de 50 km. por hora e de 80 km. por hora nas estradas.

Bicicleta Dado o íngreme da maioria das estradas não é frequente o uso da motocicleta, mas sim o da bicicleta, sobre tudo para as excursões para o interior das ilhas. Pode-se transportar nos transbordadores sem problemas, e assim a mesma bicicleta serve para percorrer todas as ilhas. Existem várias empresas de aluguel.

Táxi Em Fiji abundam táxis, todos eles com taxímetro. Porém, para distâncias maiores é conveniente combinar o preço antes de iniciar o trajeto.

Locais Turísticos

Inciaremos nosso percurso pela ilha de Viti Levu (a maior), nas povoações de Suva, Nadi e Lautoka. Daqui viajaremos para as ilhas de Vanua Levu e Vatulele, para depois continuar pelas ilhas que formam o Grupo de Lomaviti. A nossa viagem finda nas formosas ilhas do Grupo Yasawa.

ILHA DE VITI LEVU

Viti Levu (Grã Fiji) é a maior, a mais antiga e a mais povoada das ilhas do arquipélago. Sua forma oval abrange 10.400 quilometros quadrados, com comprimento máximo de 146 quilometros e largura de 106.75% da população de Fiji mora aquí, pois a ilha é o centro político e administrativo do país.

SUVA

A capital de Fiji é uma das mais importantes do Pacífico Sul e um importante centro de referência na região: nela está a Universidade do Pacífico Sul e numerosas embaixadas estrangeiras. Em Suva e seus arredores vivem umas 150.000 pessoas, o que representa mais da metade da população urbana de Fiji. É uma cidade multi-racial e multi-cultural, e abundam as igrejas, mesquitas e templos.

Suva possui magnífica paisagem, e através da baia observam-se as montanhas em volta. Aloja uma peculiar arquitetura, mistura do passado colonial com mansões e jardins e as construções indígenas.

Vitória Parade é a maior rua de Suva, e nela alinham-se lojas, bancos, clubes noturnos e significativos prédios coloniais, como o Hotel Grand Pacific e a Antiga Casa do Governador, onde mora atualmente o Presidente do país. Junto encontram-se os Jardins Botânicos Clock Tower e os Jardins de Thurston, o botânico britânico que introduziu numerosas espécies na região. Nos terrenos destes jardins pode-se visitar o Museu de Fiji, que contém uma fabulosa coleção de instrumentos rituais dos nativos fijianos e uma completa mostra das diversas influências das culturas que em um momento ou outro da história chegaram à ilha.

No final de Vitória Parade encontra-se o malecão do porto, desde onde avistam-se as montanhas, entre as quais destaca o Polegar de Joske. Pelo passeio do porto chega-se ao Mercado Municipal de Suva, onde vende-se todo tipo de frutos, hortaliças e especiarias em meio de uma autêntica mistura de raças. Este é um bom lugar para adquirir a tradicional Kava.

Na Cumming Street encontra-se o edifício Morris Hedstrom (1918), característico pela fachada veneziana. No fim da rua, a Igreja Católica, de princípios do século. Muito perto estão também os emblemáticos edifícios da Fiji International Communications e a antiga Prefeitura, de arquitetura vitoriana.

A melhor mostra da fusão das arquiteturas fijiana e ocidental é o Complexo do Parlamento em Battery Road.

Partindo da capital, existem numerosas opções para realizar trajetos pelos arredores, que garantem a diversão e admiração de magníficas paisagens.

NADI

Outra das cidades importantes da ilha e mais frequentada pelo aeroporto internacional é Nadi. A maioria dos habitantes são hindus, o qual a converte em um importante centro religioso.

A cidade vive quase do turismo e, embora não contém muitos atrativos, é uma boa base para organizar viagens pela ilha. A rua principal está lotada de lojas livres de impostos e lojas de souvenirs.

No fim da rua encontra-se a principal atração de Nadi, o Templo Sri Siva Subramanyia Swami, um centro religioso de culto hinduísta dedicado ao deus Murugan.

Os artistas que o construiram e os materiais empregados foram todos trazidos da Índia, como também o grande sacerdote que fez a inauguração em 1994. É um colorido monumento cheio de obras de arte, com o marco incomparável das montanhas nas costas.

Outro dos pontos de interesse é Waqadra Garden, jardim botânico rodeado de árvores de bambú, hibiscos, orquídeas e árvores de anacardos e de teka.

LAUTOKA

Lautoka é a segunda cidade em importância das Fiji, com uma população de 40.000 habitantes. É ponto de saída de muitos cruzeiros para as outras ilhas do grupo. Situada a 24 quilometros do aeroporto internacional de Nadi, o turismo faz uma parte importante de sua economia, embora segue sendo uma cidade eminentemente açucareira, encontrando-se nela algumas das principais fábricas de açúcar do hemisfério sul. De fato, uma das maiores atrações da cidade é a fábrica de açúcar da Fiji Sugar Corporation durante a época da safra. Deve chamar ao 60800 para marcar visita.

A 10 quilometros para o interior, o Abaca Cultural and Recreational Park representa uma magnífica opção para o ecoturismo, pois oferece imexoráveis facilidades, em meio de uma espetacular natureza para o senderismo, montanhismo e a arqueologia.

Querendo desfrutar de praia, Saweni Beach é a melhor extensão de areia entre Nadi e Lautoka, muito popular entre os regionais e ideal para passar um fim de semana em algum de seus muitos apartamentos e campings. No caminho para esta praia fica South Sea Orchids, propriedade dos descendentes do intérprete do tratado de cessão das ilhas à coroa, e que contém belos jardins e uma magnífica coleção de orquídeas.

Vuda Point é a península entre Nadi e Lautoka, e tem um grande valor histórico, pois aqui é onde parece que chegaram os primeiros melanésios.

ILHA DE VANUA LEVU

Vanua Levu ("Grã Terra") é a segunda maior ilha do arquipélago e a segunda também em população. Tem a metade da extensão de Viti Levu, e está menos desenvolvida, com exceção de Savusavu e arredores, embora devido à aproximidade com a ilha maior cada dia atrai mais turistas. A ilha é de origem vulcânica e tem poucas praias de areia, mas oferece magníficas oportunidades para o snorkeling e o mergulho, a observação ornitológica e os passeios em kayak. Os nativos estão pouco acostumados ao turismo, pelo que não pode-se fazer excursões para o íngreme interior sem a permissão dos proprietários das terras. Há lugares arqueológicos interessantes perto de Savusavu e em Wasavula.

Savusavu é o segundo maior assentamento urbano de Vanua Levu (uns 2.000 habitantes), e está situada na península que divide sua baia do mar de Koro. A cidade tem uma rua principal que corre paralela à costa, um mercado e um porto. No outro lado da baia extende-se uma cadeia de colinas desde onde apreciam-se espetaculares pôr do sol.

A península de Tunuloa encontra-se ao sudeste da ilha, e é uma boa zona para observar aves, fazer senderismo ou explorar estações naturais em veículos de terreno. Recomenda-se especialmente a Hibiscus Highway, uma estrada de areia e pedras desde onde observam-se inacreditáveis paisagens marinhas e selvagens. A estrada acaba na charmosa baia de Buca. Ao sudeste de Buca, em Dakuniba, pode-se contemplar inscrições em pedras de origem muito antiga.

Labasa, ao noroeste da Vanua Levu, é a maior cidade da ilha. Foi um importante centro açucareiro, e ainda conserva pegadas arquitetônicas do esplendor passado. É um importante centro administrativo, e sua população é maioritariamente de origem hindu. A dois quilometros ao sul da cidade encontra-se o lugar cerimonial de Wasavula, uma construção religiosa de grande interesse arqueológico. A um quilometro e meio ao leste, as Fontes Termais de Waiquele são sinais característicos da origem vulcânica da ilha.

ILHA DE VATULELE

Vatulele está 32 quilometros ao sul da costa de Viti Levu, na altura de Korolevu, ao oeste da Lagoa de Beqa. Tem 13 quilometros de longitude e uma superfície de 31 quilometros quadrados. A ilha tem quatro povoados que somam apenas 1.000 habitantes, além de um exclusivo resort. A ilha é conhecida pelos sítios arqueológicos. Uma impressionante barreira de coral de três quilometros de longitude forma uma paradisíaca lagoa de águas turquesas frente à costa.

ILHAS DE LOMAIVITI

O grupo das Lomaiviti, ao leste de Viti Levu, é conhecido também como o Grupo Central. Tem sete ilhas principais e muitas outras pequenas. Ovalau é a principal de todas, e ao sul dela encontram-se Motoriki, Caquelai e Leluvia. Gau é a mais meridional e é eminentemente vulcânica; Nairai e Batiki estão rodeadas de arrecifes de coral; Magokai, ao nordeste de Levuka, é um antigo leprosário, e Wakaya e Koro estão começando a promover-se turisticamente.

A paisagem vulcânica de Ovalau e o valor histórico da capital, Levuka, definitivamente fazem-na valedora de uma pausada visita.

LEVUKA

Levuka é o centro agro-cultural, educativo e administrativo do grupo de Lomaiviti e outras partes da divisão oriental de Fiji. Apesar disto e de ser um dos portos de entrada ao país, apenas 3.000 pessoas vivem na cidade e nos arredores. Seu porto está protegido por uma magnífica barreira de arrecife coralino.

Levuka pode ser conhecido a pé, e o lugar mais indicado para começar é o Cessiom Site, onde assinou-se a cessão das ilhas à Inglaterra. Está rodeado de uma cerca e lá encontra-se três grandes pedras com placas comemorativas da assinatura. Outro lugar a atrair a curiosidade dos visitantes é a Pacific Fishing Company (PAFCO), que emprega quase 30% da população de Levuka, e onde são processadas e enlatadas, por ano, 15.000 toneladas de atum procedentes de todo Fiji e outras ilhas do Pacífico Sul. Mais de 30 marcas diferentes saem desta feitoria.

Ao longo de Beach Street pode-se contemplar os melhores exemplos da arquitetura vitoriana da época dourada da cidade. Destacam entre estes edifícios o do antigo estabelecimento comercial de Morris Hedstrom, a estação da polícia e o Ovalau Club.

O Museu e Biblioteca de Levuka têm uma curiosa coleção de objetos nativos e europeus que encenam a história da cidade até nossos dias. Entre os edifícios religiosos não há que deixar de ver a Igreja do Sagrado Coração (1858) ou o Colégio e Convento Marista (1891) fundado por maristas franceses procedentes da Austrália.

A Igreja Metodista de Navoka (1860) é uma das mais antigas das Fiji, igual que o Royal Hotel (1864), com sua estrutura de madeira completada com pedra e coral. Para o viajante físicamente apto é muito recomendável subir os 199 degraus da Missão Hill, desde onde contempla-se uma magnífica vista da cidade e arredores.

A principal excursão a realizar desde Levuka vai através da selva e de um vulcão extinto à vila de Lovoni. No meio da ilha de Ovalau, Lovoni está encaixada na mesma cratera do vulcão. Não tem alojamento para turistas, e a ela chega-se só em excursões desde Levuka. Além da paisagem convém ver o Chief's Burial Site e a Fortificação de Korolevu Hill, mostras do bravo passado do clã de Lovoni, o único de Fiji que jamais foi derrotado pelo guerreiros de Cakobau.

A 17 quilometros de Levuka, frente à ilha de Naigani, pode-se desfrutar de Rukuruku, uma praia de areia preta vulcânica muito tranquila.

ILHA DE WAKAYA

Também dentro do grupo das Lomaiviti, Wakaya é uma belíssima ilha de 880 hectares, propriedade de David e Jill Gilmour. Está situada a uns 20 quilometros ao leste de Ovalau, sendo visível desde Levuka. Possui bosques, rochedos, formosas praias de areia branca e alguns lugares arqueológicos de importância e, sobre tudo, as mansões de muitos milionários com sua correspondente marinha.

Pode-se chegar à ilha em avião pequeno desde o aeroporto internacional de Nadi ou em trajeto de 20 minutos e em lancha rápida desde Levuka.

OUTRAS ILHAS DE LOMAIVITI

Outras ilhas do grupo de Lomaiviti são Yanuca Lailai (Ilha Perdida), onde pode-se praticar o snorkeling; Moturiki, Caqelai, propriedade da Igreja Metodista de Fiji e com magníficas praias de fina areia e ambiente amistoso e distendido; Leluvia é uma pequena e formosa ilha coralífera que aos poucos vai sendo acondicionada para o turismo organizado.

A ilha Naigani, também conhecida como a ilha do mistério, é uma belíssima formação montanhosa na metade de caminho entre Ovalau e Viti Levu. São 220 hectares de magníficas praias, lagoas e um estupendo arrecife coralífero.

Namenalala é uma ilha vulcânica de 44 hectares a 25 quilometros ao sudeste da costa de Vanua Levu, na barreira coralífera de Namena. A ilha tem também uma reserva ideal para a observação ornitólógica e o trekking. Tartarugas verdes depositam seus ovos nas praias entre os meses de novembro e março.

ILHAS DO GRUPO YASAWA

O Grupo de Yasawa é uma cadeia de 20 ilhas vulcânicas a extender-se quase em linha reta 90 quilometros no Great Sea Reef. As ilhas mais para o sul começam a 40 quilometros ao noroeste de Viti Levu. Das 17 ilhas do grupo há seis principais. Possuem espetaculares praias de areia fina e branca, lagoas de água transparente e um relevo selvagem montanhoso, tudo faz delas um dos principais destinos turísticos do arquipélago.

A ilha de Wayasewa, também conhecida como Wayalailai (Pequena Waya), é a ilha principal mais meridional. Tem uma importante formação coralífera nas costas, assim como, magníficas praias.

Waya possui formosas colinas selvagens, praias e lagoas. Há nela quatro povoados indígenas e vários resorts.

A ilha Tavewa não tem população indígena, apenas três hotéis econômicos, ideais para mochileiros, embora as vezes devam estar um tanto massificados, e uma estação de mergulho.

Sawa-I-Lau é uma pequena ilha de rocha caliça cujo maior atrativo são as grutas alagadas de água cristalina onde pode-se nadar e apreciar as enigmáticas pinturas e inscrições nas paredes.

Nanuya Levu, também conhecida como "Turtle Ilhand" é uma ilha de propriedade privada de 200 hectares de extensão. Tem praias arenosas protegidas, uma formosa lagoa azul e escarpados rochedos vulcânicos.

Yasawa é a mais setentrional das ilhas, e nela há quatro pequenos povoados e um hotel de luxo.

Fonte: www.rumbo.com.br

Ilhas Fiji

Capital: Suva

Idioma: fijiano, inglês e hindi

Moeda: dólar fijiano

Clima: tropical úmido

Fuso horário (UTC): +12

Pontos turísticos

Taveuni

Localizada exatamente onde passa o meridiano de 1800, é a terceira ilha em importância e dimensão, mas é considerada a melhor ilha para a prática do mergulho.

Ilha de Bequa

Habitat da tribo dos Sawaw, a quem, segundo a lenda, uma divindade deu a a capacidade de caminhar sobre o fogo. A “prova do fogo” ocorre somente em ocasiões especiais.

Ilhas Yasawa

Com um dos melhores climas de Fiji, ou seja, pouca chuva e muitos dias ensolarados, e longas praias de areia branca e águas transparentes onde se pode observar os corais, esse grupo de ilhas é considerado o que melhor representa o Pacífico Sul.

Fonte: www.geomade.com.br

Ilhas Fiji

Nome oficial: República de Fiji (Republic of Fiji / Matanitu ko Viti).

Nacionalidade: fijiana.

Data nacional: 8 de outubro (Aniversário de Fiji)

Capital: Suva.

Cidades principais: Suva (67.421), Lautoka (42.917), Nadi (30.791), Labasa (24.137), Nausori (21.645) (1996).

Idioma: fijiano, hindi, inglês.

Religião: cristianismo 52,9%, hinduísmo 38,1%, islamismo 7,8%, sikhismo 0,7%, outras 0,5% (1986).

GEOGRAFIA

Localização: centro-sul da Oceania, oceano Pacífico.
Hora local:
+15h.
Área:
18.272 km2.
Clima:
tropical.
Área de floresta:
8 mil km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 820 mil (2000), sendo fijianos 49%, indianos 46%, outros 5% (1996).
Densidade:
44,71 hab./km2.
População urbana:
48% (1998).
População rural:
52% (1998).
Crescimento demográfico:
1% ao ano (1998).
Fecundidade:
2,73 filhos por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F:
71/75 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil:
20 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo:
7,1% (2000).
IDH (0-1):
0,769 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República com forma mista de governo (ditadura militar desde 2000).
Divisão administrativa:
5 regiões subdivididas em províncias.
Principais partidos:
Trabalhista de Fiji (FLP), Político Fijiano (SVT), da Federação Nacional (NFP), Geral Unido (UGP), da Associação Fijiana (FAP).
Legislativo:
não há, eleições previstas para se realizar até 2002.
Constituição em vigor:
não há (revogada em 2000).

ECONOMIA

Moeda: dólar de Fiji.
PIB:
US$ 1,6 bilhão (1998).
PIB agropecuária:
19% (1998).
PIB indústria:
31% (1998).
PIB serviços:
50% (1998).
Crescimento do PIB:
-4% ao ano (1998).
Renda per capita:
US$ 2.210 (1998).
Força de trabalho:
310 mil (1998).
Agricultura:
cana-de-açúcar, coco, gengibre, arroz.
Pecuária:
bovinos, caprinos, aves.
Pesca: 36,4 mil t (1997).
Mineração:
ouro, prata.
Indústria:
alimentícia (principal: açúcar), vestuário.
Exportações:
US$ 393 milhões (1998).
Importações:
US$ 612 milhões (1998).
Principais parceiros comerciais:
Austrália, Nova Zelândia, Japão, EUA, Reino Unido.

DEFESA

Efetivo total: 3,5 mil (1998).
Gastos:
US$ 32 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal