Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Finlândia  Voltar

Finlândia

FINLÂNDIA, NATUREZA E CULTURA

Diz-se que todas as estações do ano, cabem na Finlândia. Cada uma tinge com sua própria luz a paisagem e disfarça com sua peculiaridade a ambundante natureza deste belo país. No inverno tudo se cobre de branco, mas os primeiros raios de abril, descem para descobrir os tons verdes suaves da paisagem finlandesa e os céus vão clareando. A chegada do verão tempera o ambiente com uma brisa quente e o outono madura os campos até que de novo os cobre o inverno. Todo este limpo e harmonioso entorno, envolve a uma particular cultura, rica em tradições e história, que está presente na arquitetura elegante de suas cidades e aldeias, tanto quanto em seus habitantes.

Na Finlândia se encontra numerosos monumentos, edifícios esplêndidos, como as obras mestras de Alvar Aalto, eventos culturais e festivais de todo tipo. Se pode realizar cruzeiros pelas abundantes águas, que atravessam e rodeiam seu território, praticar esportes em suas montanhas nevadas, nas costas ou em qualquer outro lugar; perder-se nos bosques e passear pelas suas pradarias e arquipélagos do sul. Finlândia lhe oferece natureza e cultura ao mesmo tempo, o que faz com que sua viagem seja enriquecedora.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

A República da Finlândia está situada ao nordeste da Europa, ligando com Noruega ao norte, com Suécia e o Golfo de Botnia ao oeste, com o Golfo da Filândia ao sul e com Rússia ao leste. Compreende também as Ilhas Aland, na entrada do Golfo de Botnia.

Finlândia tem a terceira parte do seu território no interior do Círculo Polar. Porém, seu clima, sobretudo no inverno, é relativamente moderado. Seu território tem 338.145 quilômetros quadrados de superfície, onde vive uma população de cinco milhões de habitantes. Seu maior comprimento norte-sul é de 1.160 quilômetros, e sua largura máxima é de 540 quilômetros. 70% da superfície do país está coberta por bosques de pinhos, epiceas, choupos e bétulas, que proporcionam madeira para a construção de casas e combustível, assim mesmo alimentam as prósperas indústrias de papel e de fibras artificiais em base de celulose, e mais recentemente, de contrachapados, de móveis e de casas pré-fabricadas. O resto do território formam os milhares de lagos, rios e ilhas que existem repartidos por todo país.

O solo está constituido por um supedânio de rochas anteriores à Era Primária, polidas na época glacial pelos glaciares escandinavos, cuja montanhas rochosas limitam ao sul com a região dos lagos. Uma planície de 50 a 60 quilômetros de largura beira os golfos de Botnia e da Finlândia, com um litoral muito recortado e eleva-se suavemente para o interior, coberta pelos inumeráveis lagos. Ao norte o relevo é mais acentuado e o ponto mais alto é o Haltiatunturi, na fronteira da Noruega, com 1.324 metros de altitude.

FLORA E FAUNA

Toda Finlândia é um "Grande Parque Nacional", no qual existem espalhados uns 30 Parques Nacionais, com um serviço de guias e exposições, que se oferece no interior de cada um deles. Trata-se de zonas protegidas que estão abertas ao público e conservam as características mais valiosas e típicas da natureza finlandesa, porque a natureza neste país é o principal pulmão de sua população. Grandes extensões de bosques, centenas de rios, milhares de lagos e mais de 180.000 ilhas formam sua riqueza natural.

A maioria dos lagos estão no centro da Finlândia. Não são espelhos de água circulares e regulares mas alongados e rochosos, cheios de baias, e povoados de pequenas ilhotas com águas cristalinas aptas para beber. Em Lapônia abundam os bosques de coníferas. Respeito à fauna, em Finlândia pode-se ainda admirar às águias sulcando os céus, as grandes renas passeando pelos bosques imensos e, se temos sorte poderemos topar com alguma raposa cruzando o nosso caminho, e escutar o barulho dos chocalhos que levam as renas quando pastam no norte do país. Graças a eficazes medidas de proteção, voltam a abundar as feras como o urso, o lobo, o lince, e o glutão, que convivem em harmonia com os outros animais do bosque.

História

DADOS HISTÓRICOS

Após finalizar a época do desgelo, acredita-se que apareceram os primeiros povoadores na terra conhecida atualmente como Finlândia. Os assentamentos durante a Idade da Pedra deixaram suas pegadas até além do Círculo Polar Ártico. Baseado na sua raça e na sua língua acredita-se que os primeiros povos que estabeleceram-se na Finlândia, pertenciam racial e lingüísticamente ao grupo fino-ugrio de pessoas que viviam, sobretudo, da pesca e da caça. Somente os que chegaram depois, nos primeiros séculos da nossa era desde o sul do Golfo da Finlândia, deram seu nome ao território, e seu povo deslocando à antiga população lapona. Porém, existe uma diferença de milhares de anos entre as zonas marítimas e as continentais da região e que se reflete no modo de vida de seus habitantes e em suas ferramentas e bens. Provavelmente estas diferenças tenham sua base em tradições raciais e culturais diferentes.

Na época dos vikings já existia um animado tráfego entre este país e seus vizinhos. Os finlandeses tomaram parte ativa nas expedições vikings estabelecendo rotas que chegaram até Constantinopla, assim como, importantes redes de comunicação marítima, por onde chegaram a Finlândia influências culturais, econômicas e conceituais de outros cantos do planeta. O poema épico nacional "Kalevala" descreve em seus heróicos cantos reminiscências deste período dos vikings bálticos.

À partir do século XII chegaram no território da Finlândia expedições procedentes da Dinamarca e Suécia e, após um longo período de guerras (primeira, segunda e terceira Cruzada), que culminaram em 1323, os finlandeses uniram-se política e culturalmente ao Reino da Suécia aceitando o cristianismo.

Na Idade Média, Finlândia pertecia ainda ao reino da Suécia e junto com ela adotou mais tarde a Reforma. A cultura eclesiástica universal da Idade Média contribuiu à integração espiritual da Finlândia, na Europa.

Em 1807, o czar Alexandre I da Rússia pactou com Napoleão, uma repartição de zonas de influência, com o que a Rússia se apoderou da Finlândia (1808 -1809), com a idéia de que serveria de "Estado tapão" dada a importância do país desde o ponto de vista estratégico. Rússia outorgu depois a Finlândia, uma ampla independência e se converteu em Estado autônomo obtendo o título de grande Ducado.

Durante o século XIX Finlândia foi desenvolvendo-se como Estado. Não se tratava de um Estado etnicamente puro, mas constituia uma entidade geográfica.

Uma grande parte da cultura finlandesa foi criada por pessoas que tinham sido formadas e educadas em sueco ou as vezes em alemão. Muita gente da classe culta abandonou voluntariamente o sueco, pelo finês. A mudança da língua cultural principal fez-se, assim, devagar e suavemente. Em geral, a língua não marcou uma fronteira nacional ou social para a classe culta bilingüe (existe uma fortíssima tradição bilingüe na Finlândia e na cultura finlandesa, o que a tem mantido sempre em contato com a Escandinávia).

A Revolução Russa de 1917, restaurou na Finlândia a posição de autonomia, ano em que recebeu da Suécia as Ilhas Aland. O governo de Lenim anunciou o reconhecimento do novo Estado e Finlândia proclamou-se República Constitucional. Enquanto muitos finlandeses alentavam a idéia da completa independência da Rússia (na maioria o setor pró-germânico da burguesia e a esquerda), outros opinavam que o futuro da Finlândia descansava na mesma classe de posição autonômica, mantida sob o domínio da Rússia, durante o século XIX.

Estabeleceu-se um conflito entre "Vermelhos", apoiados pela Rússia, e "Brancos", apoiados pela Alemanha, o qual culminaria na primavera de 1918, como Guerra Civil. As raizes do conflito descansavam, sobretudo, na insatisfação com as desigualdades sociais que tinham estado durante muito tempo, batendo sob a superfície, e também na questão das esferas de interesse das grandes potências, com ocasião da eclosão da Primera Guerra Mundial.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Finlândia entrou de novo em conflitos territoriais com Rússia. Como conseqüência da guerra encontrou-se em uma difícil situação de mudança econômica e social e teve que passar muito tempo até alcançar e ultrapassar a produção e o nível de vida anteriores à guerra.

Em 1995 Finlândia ingressa na UniãoEuropéia, o qual tem permitido encurtar as distâncias com os outros países europeus, assim como, desfrutar de uma troca livre e equitativa à do resto dos países do Mercado Comum. Finlândia foi o primeiro país em conceder o voto à mulher, e o fez em 1906.

Arte e Cultura

A tradição finlandesa acha-se unida à profunda vinculação dos finlandeses com a natureza, manifestada em seu folclore e festas conservando nelas alguns dos antigos rituais.

Artesanato

O artesanato finlandês goza de grande popularidade dentro e fora de suas fronteiras. No ano 1900 um tapete desenhado por Akseli Gallen-Kallela, obteve uma medalha de ouro na exposição Mundial de Paris, e desde os anos cinquenta os modernos tapetes, tecidos com os tradicionais métodos artesanais, gozam de prestígio internacional.

Desenho e arquitetura

O desenho aplica-se na Finlândia a todos os trabalhos de artesanato desde a madeira, o cristal e a cerâmica. O melhor lugar para conhecer o desenho finlandês é Desigm Center, no centro de Helsinki.

As testemunhas mais importantes da arquitetura antiga finlandesa são os castelos e as igrejas medievais de tosca pedra cinza, assim como, as igrejas de madeira com suas torres realizadas pelos carpinteiros do século XVIII. Como representante do neo-classicismo destaca Carl Ludvig Engel, criador a princípios do século XIX, do monumental centro de Helsinki, em estilo império. A arquitetura moderna finlandesa unida ao movimento nacionalista é uma das mais espetaculares do mundo. Entre seus mais eminentes realizadores há que citar a Eliel Saarinem e a Lars Sonck, os quais utilizaram o granito para a construcão do Museu Nacional e a Estação de Helsinki o primeiro, e várias igrejas de Helsinki e de Tampere, o segundo. Destaca também o edifício do Parlamento, desenhado por J. S. Sirém (1889-1955).

Nos anos vinte irrompe o funcionalismo na arquitetura da mão de Alvar Aalto, de renome internacional, promotor de uma linha de criação que toca todos os aspectos da decoração da vida do homem. Há que mencionar também a Eric Bryggman. Já nos anos oitenta teve lugar a criação da cidade Jardim de Tapiola.

Atualmente tanto o desenho de projetos arquitetônicos quanto a sua execução estão sendo exportados com grande sucesso.

Literatura

As raízes da cultura nacional deve-se procurar nas tradições populares dos primitivos fineses das épocas pré-históricas, refletidas no "Kalevala", o poema épico transmitido por tradição oral e recopilado depois no século XIX. Este poema tem sido traduzido a quase 40 idiomas e é sem dúvida a obra mais conhecida da literatura finlandesa.

Mika Waltari foi o escritor finlandês internacionalmente mais conhecido em sua própria época. Seus grandes romances históricos (como "Sinuhé o Egípcio", levado também ao cinema) tem sido traduzidos a mais de 20 idiomas. O romance "O Soldado Desconhecido", de Väinö Linna (1920-92), apresenta uma visão totalmente nova e honesta da guerra desde o ponto de vista do soldado raso. Tanto o livro quanto os dois filmes baseados no mesmo, lograram um grande sucesso.

Os finlandeses encontram-se entre os mais entusiastas leitores e usuários de bibliotecas do mundo. Destaca a Biblioteca de Tampere, o edifício chama-se Urogalo e imita as formas de ave.

Música

A música se inspira na natureza e tradições finlandesas, sobretudo a obra do grande mestre Jam Sibelius (1865-1957). A ópera é uma das manifestações culturais mais importantes do país, tanto no âmbito nacional, quanto internacional, e atravessa um período de auge destacando o Festival de Ópera de Savonlinna, celebrado desde 1912, no Castelo de Olavinlinna em Saimaa, o qual constitui o principal acontecimento cultural do verão.

A dança é outro dos aspectos culturais de difusão na Finlândia, Jorma Uotinem é, além de um talentoso e polifacético bailarino e coreógrafo, o diretor do Balé Nacional desde 1992.

Teatro, Cinema e Pintura

Os Finlandeses destacam também no teatro; existem no país prestigiosos teatros, onde representam-se obras tanto em finês, quanto sueco e outros idiomas. Se destaca o Festival de Teatro de Tampere. A produção de cinematográfica finlandesa está principalmente, financiada pelo Ministério de Educação e pela organização central da indústria cinematográfica. Fazem uns dez filmes anuais, além de muitas produções para televisão, curta metragens, documentários e desenhos animados.

No relativo à pintura cabe destacar a Akseli Gallen-Kallela (1865-1931), ilustrador do Kalevala.

Gastronomia

O prato típico da Finlândia é a famosa mesa de entradas nórdicas, Smörgasbord a qual apresenta dúzias de variedades de peixe, carne e fatos assim, como de saladas (embora também podem encontrar-se sopas e pratos de cozimento lento).

Em um país de água e de pesca precisa experimentar os diferentes pratos a base de peixes, como o arenque do Báltico à marinheira, assado ou ao forno, lucio, tímalo, farra ou lota ao molho, ao forno, empanados ou defumados, sem esquecer o salmão fresco defumado ou em salazão. As ovas de lota, escassas demais para serem exportadas, são um manjar servidas com cebola e creme agra, tudo isso rociado com a célebre vodka finlandesa.

No outono aparecem nos bosques os cogumelos, das que há centenas de espécies comestíveis, com outras venenosas, pelo que recomenda-se comprá-los no mercado ou degusta-los em restaurantes. Também cabe destacar o alce, cuja carne guisada resulta maravilhosa. Entre as comidas regionais há que experimentar as empadinhas de Karelia, recheadas de batata ou arroz, os pães recheados de peixe, o queijo de pão e os frutos selvagens dos bosques, que são algumas das maravilhas da gastronomia finlandesa.

Helsinki é famosa pela comida russa mas seus altos preços também são. Em geral comer nos restaurantes da Finlândia, pode resultar algo caro mas existem cardápios do dia, servidos entre as 11.00 e as 14.00 horas, que incluem salada, pão, leite ou café por um bom preço. Não esqueça que, mais que a variedade, o que carcteriza à comida finlandesa é sua frescura.

Bebidas

Os finlandeses bebem nas comidas água, leite ou cerveja. É possível, também, encontrar uma grande variedade de excelentes vinhos de importação.

COMPRAS

Finlândia tem-se convertido em um atrativo lugar de compras, sobretudo, nos tradicionais mercados que encontram-se em quase todas as cidades. Em Helsinki há um mercado portuário situado no fim da Esplanadi, onde pode-se comprar artesanato, produtos gastronômicos típicos, assim como, artigos realizados pelos samis, entre os que encontram-se trabalhos feitos do chifre e pele da rena, em madeira ou barro. Outro mercado importante é o de Hietalathi, onde vendem-se coisas de segunda mão.

Os grandes armazéns ou as boutiques exclusivas dispõem de uma grande variedade de produtos, desde a alta tecnologia até desenhos vários, como vidraçaria, porcelana, olaria, artesanato, material esportivo, etc. Entre os artigos de luxo não esqueçamos o vison finlandês, de excelente qualidade. As peles, chamadas em Finlândia "turkki", são uma boa compra. Há quem também aprecie os peixes defumados ou marinhados, que podem-se transportar embalados a vácuo.

POPULAÇÃO E COSTUMES

Os finlandeses são, provavelmente, descendentes de tribos que povoaram a região imediatamente, depois da Era Glaciar, assim como, de emigrantes que chegaram do sul do Báltico, fazem uns mil anos. Finlândia conta, hoje, com 5.145.000 habitantes, sendo sua capital, Helsinki, a cidade mais povoada do país com 532.053 habitantes. Seguem Espoo com 192.260 h., Tampere com 186.026 habitantes, Turku com 166.929 h., Oulu com 111.556 habitantes e Kuopio com 80.000 habitantes A "Moça Finlandesa", como muitos a chamam, é um dos países escandinavos, com menor densidade de população da Europa por trás de Noruega e Islândia (16,9).

Lingüísticamente os finlandeses igual que os estônios e os húngaros, pertecem à família ugro-finesa, cujos idiomas falam somente uns 23 milhões de habitantes no planeta, sendo a língua finesa muito diferente ao resto das outras línguas européias.

Os finlandeses são em geral altos, ruivos e atléticos com olhos claros, muito ao estilo nórdico. Na Finlândia moram uns 4.000 samis. As tranquilas estradas da Lapônia são as rotas, onde pode-se seguir suas pegadas. Cada grupo de samis fala seu próprio dialeto. Um número similar de çiganos, procedentes de Romênia, moram no sul do país.

ENTRETENIMENTO

As ruas de Helsinki estão particularmente animadas no verão, com os mercados multicoloridos, os terraços e as atuações musicais ao ar livre. A cidade, é além disso, um interessante ponto de partida para fazer um cruzeiro pelo Báltico.

A natureza da Finlândia convida sobretudo, a praticar todo tipo de esportes, o remo, canoa, windsurf, pesca, cicloturismo, senderismo, esqui, etc.

A Sauna Finlandesa é o mais típico do país. Sua finalidade é ativar a circulação do sangue por alteração de calor e frio. Constrói-se sempre de madeira e nela chega-se a atingir uma temperatura de 80 a 100 graus centígrados. Depois verte-se água quente sobre umas pedras, o que faz aumentar o calor e para esfriar rapidamente, as pessoas metem-se em um lago ou no mar ou então um banho de chuveiro. A sauna faz parte da vida finlandesa e todas as casas de campo e as granjas dispõem de uma sauna situada a beira do lago ou do mar. Estas cabanas podem ser alugadas e, contam além com um pequeno bote de remos para poder navegar pelos mais de 170.000 lagos que existem por todo o país.

No verão o sol nunca chega a se pôr, na Finlândia, é o famoso Sol de Meia Noite e pode ver-se de maio até finais de julho. Lapônia é o lugar mais apropriado para ver este fenômeno.

Esquiar na Finlândia no inverno e primavera é um sonho para os amantes deste esporte, sobretudo, para os que praticam o esqui de fundo. Na Lapônia pode-se esquiar até 14 horas sob um sol radiante ou fazer uma excursão pelo bosque em trenó puxado por renas ou cãos huskie. Para os amantes da velocidade, nada melhor que realizar uma excitante aventura em moto-neve, viajando pelo deserto branco até atingir o quebra-gelos "Sampo", com base no porto de Kemi.

Outro lugar de indiscutível entretenimento é Linnanmäki, o Parque de Atrações mais popular da Finlândia e em um sentido mais aventureiro Korkeasaari, uma ilha zoológica com animais procedentes das regiões frias e das montanhas.

FESTIVIDADES

Como em outros países do Báltico, os festivais são muito frequentes, especialmente nos meses do verão. Durante o inverno o que prevalece são as atividades relacionadas com a neve.

Janeiro

Distingue-se o Rally Ártico na zona da Lapônia.

Fevereiro

Embora possa parecer o contrário, a Terça-Feira de Carnaval é toda uma festa no país. Finlândia Esqui, uma maratona de 75 quilômetros entre Hämeenlinna e Lahtí. Festival Internacional de Curtos na cidade de Tampere.

Abril

Copa Hípica de Vermo (Helsinki). Corrida de Renas em Inari. April Jazz, festival de música na cidade de Espoo.

Maio

O dia 1 Dia do Trabalho. Na população de Kajaani o Festival de Jazz.

Junho

O dia 24 é o Dia de São João (Juhannus), que simboliza a chegada do verão e celebra-se no país todo, comendo as batatas primeiriças. Festival de Música e Dança de Kuopio. Festival Joenssu. Festival de Música de Nanntali.

Julho

O mais famoso festival do país, o Festival da Ópera de Savonlinna, em um castelo medieval. Festival de Música Folclórica. Festival de Jazz em Pori, Música de Câmara de Kuhmo.

Agosto

Festival de Teatro em Tampere. Festival de Helsinki, Festival de Música em Turku. Rally dos Mil Lagos (prova pontuável do campeonato do mundo de rallys)

Outubro

Festival do Arenque do Báltico.

Novembro

Festival de Jazz de Tampere. Festival Internacional de Cinema Infantil em Oulu. Festival de Jazz de Kaamos.

Dezembro

Celebra-se o Dia da Independência da Finlândia, que teve lugar no ano 1917. Em Helsinki realiza-se um desfile até a Praça do Senado, iluminada com velas. O Dia de Tapani, o 26 de dezembro, é tradicional um passeio em um trenó arrastado por cavalos. Prova Internacional de Violino Jeam Sibelius.

TRANSPORTES

Avião

A maioria dos vôos interiores os realiza a companhia aérea Finnair. Existe uma passagem de 10 vôos para realizar dentro do país, durante 30 dias que pode ser adquirida pela pessoa que reside fora da Finlândia.

Barco

Algo que vale a pena conhecer em Finlândia são seus transportes marítimos. Realizam-se excursões pela zona dos lagos a bordo de um barco de vapor ou de um transbordador moderno. Há uma grande seleção no relativo a rotas e duração da excursão. A Linha de Prata, entre Hämeenlinna e Tampere, a Rota do Poeta, entre Tampere e Virrat e os cruzeiros Lacustres no Lago Saimaa são alguns dos mais populares.

VIKING LINE a maior companhia marítima entre Finlândia e Suécia oferece um inesquecível cruzeiro pelo "Mar do Arquipélago".

A companhia conta com sete luxuosos navios, que realizam quatro diferentes rotas: Centro de Helsinki - Estocolmo - Helsinki. De Turku - Estocolmo.

De Naantali - Kapellskär (somente durante o verão) e entre Kapellskär e Mariehamn.

As travessias diárias dos navios da VIKING LINE, ao longo do ano todo, oferecem uma grande variedade de diversões e serviços a bordo ("night club" com música ao vivo, cassino, pub, saunas, piscinas, etc.), sem esquecer sua deliciosa e variada gastronomia. Além disso, VIKING LINE oferece salões de alta categoria para conferências e reuniões com capacidade de até 580 pessoas.

Recentemente VIKING LINE tem inaugurado o trajeto entre Helsinki e Tallinn, a capital da Estônia. Através dos modernos catamaranes VIKING EXPRESS, com capacidade para 290 passageiros e, em somente 90 minutos, pode-se viajar do porto de Helsinki à nova terminal Reiisdam, no coração da capital da Estônia. Existem várias saídas no dia e pode-se viajar de manhã e voltar de tarde, é não é necessário visto.

Trem

A rede ferroviária finlandesa cobre quase todo o país. Os trens-expressos especiais ligam com as principais cidades. Para isso deve fazer uma reserva de vaga.

Existem tarifas especiais e as passagens Inter Rail são também válidas. Há também, descontos por grupos e uma passagem Finnrail-pass, que permite deslocar-se por um preço acessível.

Ônibus

A rede de ônibus na Finlândia é muito densa e conta com vários serviços diários entre as diferentes cidades e vilas.

Carro

Finlândia conta com mais de 77.000 quilômetros de estradas, das quais 46.955 estão asfaltadas. As estradas principais encontram-se em boas condições durante todo o ano. Nas autopistas a velocidade máxima é de 120 quilômetros por hora (no inverno 100), 80 em estradas normais e 50 em cidades. Recomenda-se prestar atenção aos alces e cervos muito numerosos em todo o território, assim como, as renas, isoladas ou em rebanhos, especialmente na região do norte. Em todas as cidades há escritórios de aluguel de carros.

Táxi

O táxi é uma opção cara, mas pode-se encontrar em todas as cidades. Para locomover-se em Helsinki, nada melhor que os tranvias.

Fonte: www.rumbo.com.br

Finlândia

Território

A República da Finlândia (em finlandês, "Suomi") está situada na Europa setentrional e é delimitada, a norte, pela Noruega, a noroeste, pela Suécia e, a leste, pela Rússia. A oeste e a sul, o país é banhado pelo mar Báltico. A Finlândia estende-se por uma superfície de mais de 338 000 Km2, a qual vai aumentando gradualmente devido à constante subida das terras desde a última era glacial.

As florestas cobrem dois terços do território e os lagos ocupam uma décima parte. Os lagos, uma herança da última era glacial, são mais de 55 000 e estão ligados por uma série de pequenos rios e canais. A Finlândia tem também cerca de 179 584 ilhas. A Lapónia finlandesa está situada a norte do Círculo Polar Árctico. O pico mais alto é o Haltiatunturi, com 1 324 m de altitude, e o rio mais longo é o Kemijoki, com 494 Km de comprimento.

População

A Finlândia tem uma população de 5 098 427 habitantes e uma densidade populacional média de 16 habitantes por Km2. Cerca de 60% da população vive em áreas urbanas. Hensínquia, a capital, tem 500 000 habitantes. No entanto, os finlandeses continuam a gostar da vida no campo, como demonstram as cerca de 400 000 residências de verão localizadas nas zonas rurais finlandesas.

A maior parte dos estrangeiros residentes no país é originária de outros países europeus. Nos anos 60, assistiu-se a uma grande vaga de emigração das zonas rurais da Finlândia para a Suécia. A norte do país vive uma pequena minoria de lapões (Sami) que fala a sua própria língua e conserva, até certo ponto, o seu estilo de vida tradicional.

Existem duas línguas oficiais na Finlândia: o finlandês e o sueco, falados, respectivamente, por 93,4% e 5,9% da população.

Economia

A economia da Finlândia assenta na propriedade privada. A silvicultura e as indústrias ligadas à madeira, tais como as indústrias da celulose e do papel, constituem a base da economia finlandesa. A indústria metalúrgica foi a que registou a maior taxa de crescimento nos últimos anos, o que se deve, em grande parte, à silvicultura, uma vez que grande parte desse crescimento provém da necessidade crescente de máquinas e equipamentos para o derrube de árvores e para a produção de pasta de papel. Outros setores relevantes são as telecomunicações e as indústrias de alta tecnologia, que representam uma percentagem elevada das exportações.

Organização política

A Finlândia é uma república democrática. O Parlamento unicameral (Eduskunta) é composto por 200 deputados eleitos segundo o sistema proporcional por um período de quatro anos. O Chefe de Estado é o Presidente da República, eleito por sufrágio universal por um período de seis anos. O Presidente é responsável pela política externa e pode demitir o Governo e convocar novas eleições. O poder legislativo é exercido pelo Parlamento. O Presidente nomeia o Primeiro-Ministro que escolhe os membros do seu gabinete, sendo essa escolha sujeita a aprovação. O Governo é, por seu turno, responsável perante o Parlamento. A Finlândia está dividida em doze províncias - cada uma das quais é administrada por um governador nomeado pelo poder central - e 461 municípios. A província de Ahvenanmaa (ilhas Alanda) tem autonomia para legislar em matéria de assuntos internos.

Fonte: www.minerva.uevora.pt

Finlândia

Nome oficial: República da Finlândia (Suomen Tasavalta / Republiken Finland).

Nacionalidade - finlandesa.

Data nacional - 6 de dezembro (Independência).

Capital - Helsinque.

Cidades principais: Helsinque (546.317), Espoo (204.962), Tampere (191.254), Vantaa (173.860), Turku (170.931) (1997).

Idioma: finlandês e sueco (oficiais), lapão.

Religião: cristianismo 86,8% (luteranos 85,7%, ortodoxos 1,1%), sem filiação 12,2%, outras 1% (1997).

Geografia

Localização: norte da Europa.
Hora local: +5h.
Área: 338.145 km2.
Clima: temperado continental.
Área de floresta: 200 mil km2 (1995).

População

Total: 5,2 milhões (2000), sendo finlandeses 98%, outros europeus 1,3%, somalis, vietnamitas, iugoslavos, lapões e outros 0,7% (1996).
Densidade: 15,38 hab./km2.
População urbana: 66% (1998).
População rural: 34% (1998).
Crescimento demográfico: 0,3% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 1,73 filho por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 73/81 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 6 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: menor do que 5% (2000).
IDH (0-1): 0,917 (1998).

Política

Forma de governo: República com forma mista de governo.
Divisão administrativa: 12 províncias subdivididas em municipalidades.
Principais partidos: Social-Democrata Finlandês (SDP), do Centro Finlandês (Kesk), de Coalizão Nacional (Kok).
Legislativo: unicameral - Parlamento, com 200 membros eleitos por voto direto para mandato de 4 anos.
Constituição em vigor: 1919.
Território administrado: Ilhas Aland.

Economia

Moeda: Euro.
PIB: US$ 123,5 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 4% (1998).
PIB indústria: 34% (1998).
PIB serviços: 62% (1998).
Crescimento do PIB: 2% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 24.280 (1998).
Força de trabalho: 3 milhões (1998).
Agricultura: aveia, beterraba, cevada.
Pecuária: bovinos, suínos, aves.
Pesca: 196,5 mil t (1997).
Mineração: ouro, minério de zinco, minério de cobre, turfa, cromita, minério de chumbo.
Indústria: metalúrgica, equipamentos elétricos, equipamentos de transporte.
Exportações: US$ 42,9 bilhões (1998).
Importações: US$ 32,2 bilhões (1998).
Principais parceiros comerciais: Alemanha, Suécia, Reino Unido, EUA.

Defesa

Efetivo total: 31,7 mil (1998).
Gastos: US$ 1,9 bilhão (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal