Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Finlândia  Voltar

Finlândia

 

A história da Finlândia começa com a chegada de homens e teve que esperar, porque dezenas de milhares de anos para os primeiros homens a ser capaz de viver na Finlândia.

A história da Finlândia é relativamente curto: começa apenas em 8500 aC, cerca de 150 mil anos após o aparecimento do Homo sapiens na África.

Finlândia é, de fato, uma das últimas conquistas do homem pré-histórico, a culpa das idades de gelo que tornou inóspito para o maior de pré-história.

Finlândia

Os primeiros colonos chegaram na Finlândia

Depois da era do gelo, há cerca de 10 000 anos, as pessoas começaram a se estabelecer na Finlândia. Eles vieram do leste, o território da Rússia moderna, e para o sul através dos países bálticos.

A língua finlandesa, que é a família de línguas fino-úgricas, vem da Rússia central, mas também emprestado elementos línguas bálticas e germânica, entre outros.

A população de língua sueca na Finlândia existe há mais de 800 anos.

Novos moradores que chegaram à Finlândia, nos séculos 13 e 14, incluindo a parte central da Suécia, trouxeram com eles o tempo de dialetos suecos.

Período do reinado sueco

A Finlândia foi parte da Suécia por mais de 600 anos, desde a Idade Média até o início do século 19. Suécia e Rússia lutou pelo poder na Finlândia, durante este período, muitas vezes com armas. Foi decidido na Pähkinäsaari paz em 1323, as partes oeste e sul da Finlândia hoje pertencem a Suécia, enquanto Finlândia oriental estaria sob domínio russo.

Território finlandês ocupado pela Suécia tem crescido consideravelmente, como resultado das guerras que ocorreram mais tarde, nos séculos 16 e 17. A Suécia perdeu, no entanto, nas guerras do século 18, alguns desses territórios e de toda a Finlândia finalmente passou sob o domínio russo em 1809.

Finlândia como parte da Rússia

Sob o governo russo, a Finlândia foi um Grão-Ducado autônomo cuja administração foi realizada por um governo finlandês, ou seja, o Senado, mas o Grão-Duque foi o czar russo. Finlândia tem a sua própria moeda sob o domínio russo. O exército russo também possuía unidade finlandesa tempo separado.

Os finlandeses usou habilmente sua posição autônoma para realizar seus próprios projetos, língua, cultura e na vida econômica é reforçada finlandês consideravelmente durante este período. No início do século 20, a relação entre os finlandeses e os líderes russos tendem, no entanto, após o lançamento pelos russos uma política de russificação que os finlandeses não podia aceitar.

Adesão da independência da Finlândia

O Parlamento finlandês aprovou 6 de dezembro de 1917, após a Revolução russa, a Declaração de Independência, o que significou a separação da Finlândia e Rússia.

Uma guerra dolorosa civil ocorreu na Finlândia, no início de 1918, o que representou entre os Reds e os trabalhadores brancos composta de burgueses e camponeses. A guerra terminou em Maio de 1918 com a derrota dos Reds.

Finlândia tornou-se uma república independente, cujo presidente foi eleito para um mandato de seis anos, em vez de um rei ou de um fiscal e cujas leis foram passadas por um parlamento eleito pelo povo.

Guerra de Inverno e Continuação Guerra

A União Soviética atacou a Finlândia em 30 de novembro de 1939. Assim começou a Guerra de Inverno. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Finlândia levou duas guerras contra a União Soviética, a Guerra de Inverno em 1939-1940 e da Guerra Continuação 1941-1944.

Finlândia perdeu como resultado destas guerras, Karelia e outros territórios passaram para a União Soviética. Os 430 000 finlandeses que vivem nesses territórios foram forçados a deixar suas casas para estabelecer noutro Finlândia como refugiados. O mais importante, no entanto, que a Finlândia, em nenhum momento foi ocupada durante a Segunda Guerra Mundial, e manteve a sua independência, apesar da perda de territórios.

Finlândia no pós-guerra

A situação na Finlândia era incerto após as guerras. Finlandeses primeiro temia que a União Soviética iria tentar transformar a Finlândia em um país comunista como fez para os seus outros vizinhos países europeus.

Finlândia, no entanto, conseguiu estabelecer boas relações com a União Soviética para manter o seu sistema social democrático e aumentar seu comércio com os países ocidentais. Ela tinha muito tempo manter um equilíbrio entre a União Soviética eo Ocidente em sua política externa.

O desenvolvimento econômico finlandês foi muito positivo no período após a guerra. Finlândia exportação no exterior produtos especialmente papel e outros do setor florestal, o que lhe permitiu obter ganhos financeiros para melhorar o bem-estar social.

Utilitários foram desenvolvidos, entre outros, através da criação de sistemas para a educação pública, saúde pública e segurança social. Finlândia tornou-se assim um Estado social moderno.

Finlândia em Nova Europa

Quando terminou a Guerra Fria na Europa no final de 1980, a Finlândia também pode corrigir a orientação de sua política externa. Finlândia aderiu à União Europeia em 1995. Finlândia adoptaram o euro, a moeda única da União Europeia, em 2002, sendo assim um dos primeiros Estados-Membros da UE a fazê-lo, abandonando a sua moeda, a marca.

Após o colapso da União Soviética, no início de 1990, a economia finlandesa encontrou-se em uma profunda recessão, em parte devido à diminuição do comércio com a União Soviética.

Ele era ao mesmo tempo, claro que a economia finlandesa teve de encontrar empresas de sucesso em outras áreas que não a indústria de papel tradicional. Telefones celulares e outros produtos de alta tecnologia têm proporcionado a chave para este problema. Estes produtos deram a economia finlandesa uma cara nova e moderna.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Finlândia

FINLÂNDIA, NATUREZA E CULTURA

Diz-se que todas as estações do ano, cabem na Finlândia. Cada uma tinge com sua própria luz a paisagem e disfarça com sua peculiaridade a ambundante natureza deste belo país.

No inverno tudo se cobre de branco, mas os primeiros raios de abril, descem para descobrir os tons verdes suaves da paisagem finlandesa e os céus vão clareando.

A chegada do verão tempera o ambiente com uma brisa quente e o outono madura os campos até que de novo os cobre o inverno.

Todo este limpo e harmonioso entorno, envolve a uma particular cultura, rica em tradições e história, que está presente na arquitetura elegante de suas cidades e aldeias, tanto quanto em seus habitantes.

Na Finlândia se encontra numerosos monumentos, edifícios esplêndidos, como as obras mestras de Alvar Aalto, eventos culturais e festivais de todo tipo. Se pode realizar cruzeiros pelas abundantes águas, que atravessam e rodeiam seu território, praticar esportes em suas montanhas nevadas, nas costas ou em qualquer outro lugar; perder-se nos bosques e passear pelas suas pradarias e arquipélagos do sul. Finlândia lhe oferece natureza e cultura ao mesmo tempo, o que faz com que sua viagem seja enriquecedora.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

A República da Finlândia está situada ao nordeste da Europa, ligando com Noruega ao norte, com Suécia e o Golfo de Botnia ao oeste, com o Golfo da Filândia ao sul e com Rússia ao leste. Compreende também as Ilhas Aland, na entrada do Golfo de Botnia.

Finlândia tem a terceira parte do seu território no interior do Círculo Polar. Porém, seu clima, sobretudo no inverno, é relativamente moderado. Seu território tem 338.145 quilômetros quadrados de superfície, onde vive uma população de cinco milhões de habitantes. Seu maior comprimento norte-sul é de 1.160 quilômetros, e sua largura máxima é de 540 quilômetros.

70% da superfície do país está coberta por bosques de pinhos, epiceas, choupos e bétulas, que proporcionam madeira para a construção de casas e combustível, assim mesmo alimentam as prósperas indústrias de papel e de fibras artificiais em base de celulose, e mais recentemente, de contrachapados, de móveis e de casas pré-fabricadas.

O resto do território formam os milhares de lagos, rios e ilhas que existem repartidos por todo país.

O solo está constituido por um supedânio de rochas anteriores à Era Primária, polidas na época glacial pelos glaciares escandinavos, cuja montanhas rochosas limitam ao sul com a região dos lagos.

Uma planície de 50 a 60 quilômetros de largura beira os golfos de Botnia e da Finlândia, com um litoral muito recortado e eleva-se suavemente para o interior, coberta pelos inumeráveis lagos. Ao norte o relevo é mais acentuado e o ponto mais alto é o Haltiatunturi, na fronteira da Noruega, com 1.324 metros de altitude.

FLORA E FAUNA

Toda Finlândia é um "Grande Parque Nacional", no qual existem espalhados uns 30 Parques Nacionais, com um serviço de guias e exposições, que se oferece no interior de cada um deles.

Trata-se de zonas protegidas que estão abertas ao público e conservam as características mais valiosas e típicas da natureza finlandesa, porque a natureza neste país é o principal pulmão de sua população. Grandes extensões de bosques, centenas de rios, milhares de lagos e mais de 180.000 ilhas formam sua riqueza natural.

A maioria dos lagos estão no centro da Finlândia. Não são espelhos de água circulares e regulares mas alongados e rochosos, cheios de baias, e povoados de pequenas ilhotas com águas cristalinas aptas para beber.

Em Lapônia abundam os bosques de coníferas. Respeito à fauna, em Finlândia pode-se ainda admirar às águias sulcando os céus, as grandes renas passeando pelos bosques imensos e, se temos sorte poderemos topar com alguma raposa cruzando o nosso caminho, e escutar o barulho dos chocalhos que levam as renas quando pastam no norte do país. Graças a eficazes medidas de proteção, voltam a abundar as feras como o urso, o lobo, o lince, e o glutão, que convivem em harmonia com os outros animais do bosque.

História

DADOS HISTÓRICOS

Após finalizar a época do desgelo, acredita-se que apareceram os primeiros povoadores na terra conhecida atualmente como Finlândia. Os assentamentos durante a Idade da Pedra deixaram suas pegadas até além do Círculo Polar Ártico.

Baseado na sua raça e na sua língua acredita-se que os primeiros povos que estabeleceram-se na Finlândia, pertenciam racial e lingüísticamente ao grupo fino-ugrio de pessoas que viviam, sobretudo, da pesca e da caça.

Somente os que chegaram depois, nos primeiros séculos da nossa era desde o sul do Golfo da Finlândia, deram seu nome ao território, e seu povo deslocando à antiga população lapona. Porém, existe uma diferença de milhares de anos entre as zonas marítimas e as continentais da região e que se reflete no modo de vida de seus habitantes e em suas ferramentas e bens.

Provavelmente estas diferenças tenham sua base em tradições raciais e culturais diferentes.

Na época dos vikings já existia um animado tráfego entre este país e seus vizinhos. Os finlandeses tomaram parte ativa nas expedições vikings estabelecendo rotas que chegaram até Constantinopla, assim como, importantes redes de comunicação marítima, por onde chegaram a Finlândia influências culturais, econômicas e conceituais de outros cantos do planeta. O poema épico nacional "Kalevala" descreve em seus heróicos cantos reminiscências deste período dos vikings bálticos.

À partir do século XII chegaram no território da Finlândia expedições procedentes da Dinamarca e Suécia e, após um longo período de guerras (primeira, segunda e terceira Cruzada), que culminaram em 1323, os finlandeses uniram-se política e culturalmente ao Reino da Suécia aceitando o cristianismo.

Na Idade Média, Finlândia pertecia ainda ao reino da Suécia e junto com ela adotou mais tarde a Reforma. A cultura eclesiástica universal da Idade Média contribuiu à integração espiritual da Finlândia, na Europa.

Em 1807, o czar Alexandre I da Rússia pactou com Napoleão, uma repartição de zonas de influência, com o que a Rússia se apoderou da Finlândia (1808 -1809), com a idéia de que serveria de "Estado tapão" dada a importância do país desde o ponto de vista estratégico. Rússia outorgu depois a Finlândia, uma ampla independência e se converteu em Estado autônomo obtendo o título de grande Ducado.

Durante o século XIX Finlândia foi desenvolvendo-se como Estado. Não se tratava de um Estado etnicamente puro, mas constituia uma entidade geográfica.

Uma grande parte da cultura finlandesa foi criada por pessoas que tinham sido formadas e educadas em sueco ou as vezes em alemão. Muita gente da classe culta abandonou voluntariamente o sueco, pelo finês. A mudança da língua cultural principal fez-se, assim, devagar e suavemente.

Em geral, a língua não marcou uma fronteira nacional ou social para a classe culta bilingüe (existe uma fortíssima tradição bilingüe na Finlândia e na cultura finlandesa, o que a tem mantido sempre em contato com a Escandinávia).

A Revolução Russa de 1917, restaurou na Finlândia a posição de autonomia, ano em que recebeu da Suécia as Ilhas Aland. O governo de Lenim anunciou o reconhecimento do novo Estado e Finlândia proclamou-se República Constitucional.

Enquanto muitos finlandeses alentavam a idéia da completa independência da Rússia (na maioria o setor pró-germânico da burguesia e a esquerda), outros opinavam que o futuro da Finlândia descansava na mesma classe de posição autonômica, mantida sob o domínio da Rússia, durante o século XIX.

Estabeleceu-se um conflito entre "Vermelhos", apoiados pela Rússia, e "Brancos", apoiados pela Alemanha, o qual culminaria na primavera de 1918, como Guerra Civil.

As raizes do conflito descansavam, sobretudo, na insatisfação com as desigualdades sociais que tinham estado durante muito tempo, batendo sob a superfície, e também na questão das esferas de interesse das grandes potências, com ocasião da eclosão da Primera Guerra Mundial.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Finlândia entrou de novo em conflitos territoriais com Rússia. Como conseqüência da guerra encontrou-se em uma difícil situação de mudança econômica e social e teve que passar muito tempo até alcançar e ultrapassar a produção e o nível de vida anteriores à guerra.

Em 1995 Finlândia ingressa na UniãoEuropéia, o qual tem permitido encurtar as distâncias com os outros países europeus, assim como, desfrutar de uma troca livre e equitativa à do resto dos países do Mercado Comum. Finlândia foi o primeiro país em conceder o voto à mulher, e o fez em 1906.

Arte e Cultura

A tradição finlandesa acha-se unida à profunda vinculação dos finlandeses com a natureza, manifestada em seu folclore e festas conservando nelas alguns dos antigos rituais.

Artesanato

O artesanato finlandês goza de grande popularidade dentro e fora de suas fronteiras. No ano 1900 um tapete desenhado por Akseli Gallen-Kallela, obteve uma medalha de ouro na exposição Mundial de Paris, e desde os anos cinquenta os modernos tapetes, tecidos com os tradicionais métodos artesanais, gozam de prestígio internacional.

Desenho e arquitetura

O desenho aplica-se na Finlândia a todos os trabalhos de artesanato desde a madeira, o cristal e a cerâmica. O melhor lugar para conhecer o desenho finlandês é Desigm Center, no centro de Helsinki.

As testemunhas mais importantes da arquitetura antiga finlandesa são os castelos e as igrejas medievais de tosca pedra cinza, assim como, as igrejas de madeira com suas torres realizadas pelos carpinteiros do século XVIII.

Como representante do neo-classicismo destaca Carl Ludvig Engel, criador a princípios do século XIX, do monumental centro de Helsinki, em estilo império. A arquitetura moderna finlandesa unida ao movimento nacionalista é uma das mais espetaculares do mundo.

Entre seus mais eminentes realizadores há que citar a Eliel Saarinem e a Lars Sonck, os quais utilizaram o granito para a construcão do Museu Nacional e a Estação de Helsinki o primeiro, e várias igrejas de Helsinki e de Tampere, o segundo. Destaca também o edifício do Parlamento, desenhado por J. S. Sirém (1889-1955).

Nos anos vinte irrompe o funcionalismo na arquitetura da mão de Alvar Aalto, de renome internacional, promotor de uma linha de criação que toca todos os aspectos da decoração da vida do homem. Há que mencionar também a Eric Bryggman. Já nos anos oitenta teve lugar a criação da cidade Jardim de Tapiola.

Atualmente tanto o desenho de projetos arquitetônicos quanto a sua execução estão sendo exportados com grande sucesso.

Literatura

As raízes da cultura nacional deve-se procurar nas tradições populares dos primitivos fineses das épocas pré-históricas, refletidas no "Kalevala", o poema épico transmitido por tradição oral e recopilado depois no século XIX. Este poema tem sido traduzido a quase 40 idiomas e é sem dúvida a obra mais conhecida da literatura finlandesa.

Mika Waltari foi o escritor finlandês internacionalmente mais conhecido em sua própria época. Seus grandes romances históricos (como "Sinuhé o Egípcio", levado também ao cinema) tem sido traduzidos a mais de 20 idiomas.

O romance "O Soldado Desconhecido", de Väinö Linna (1920-92), apresenta uma visão totalmente nova e honesta da guerra desde o ponto de vista do soldado raso. Tanto o livro quanto os dois filmes baseados no mesmo, lograram um grande sucesso.

Os finlandeses encontram-se entre os mais entusiastas leitores e usuários de bibliotecas do mundo. Destaca a Biblioteca de Tampere, o edifício chama-se Urogalo e imita as formas de ave.

Música

A música se inspira na natureza e tradições finlandesas, sobretudo a obra do grande mestre Jam Sibelius (1865-1957). A ópera é uma das manifestações culturais mais importantes do país, tanto no âmbito nacional, quanto internacional, e atravessa um período de auge destacando o Festival de Ópera de Savonlinna, celebrado desde 1912, no Castelo de Olavinlinna em Saimaa, o qual constitui o principal acontecimento cultural do verão.

A dança é outro dos aspectos culturais de difusão na Finlândia, Jorma Uotinem é, além de um talentoso e polifacético bailarino e coreógrafo, o diretor do Balé Nacional desde 1992.

Teatro, Cinema e Pintura

Os Finlandeses destacam também no teatro; existem no país prestigiosos teatros, onde representam-se obras tanto em finês, quanto sueco e outros idiomas. Se destaca o Festival de Teatro de Tampere. A produção de cinematográfica finlandesa está principalmente, financiada pelo Ministério de Educação e pela organização central da indústria cinematográfica. Fazem uns dez filmes anuais, além de muitas produções para televisão, curta metragens, documentários e desenhos animados.

No relativo à pintura cabe destacar a Akseli Gallen-Kallela (1865-1931), ilustrador do Kalevala.

Gastronomia

O prato típico da Finlândia é a famosa mesa de entradas nórdicas, Smörgasbord a qual apresenta dúzias de variedades de peixe, carne e fatos assim, como de saladas (embora também podem encontrar-se sopas e pratos de cozimento lento).

Em um país de água e de pesca precisa experimentar os diferentes pratos a base de peixes, como o arenque do Báltico à marinheira, assado ou ao forno, lucio, tímalo, farra ou lota ao molho, ao forno, empanados ou defumados, sem esquecer o salmão fresco defumado ou em salazão. As ovas de lota, escassas demais para serem exportadas, são um manjar servidas com cebola e creme agra, tudo isso rociado com a célebre vodka finlandesa.

No outono aparecem nos bosques os cogumelos, das que há centenas de espécies comestíveis, com outras venenosas, pelo que recomenda-se comprá-los no mercado ou degusta-los em restaurantes.

Também cabe destacar o alce, cuja carne guisada resulta maravilhosa. Entre as comidas regionais há que experimentar as empadinhas de Karelia, recheadas de batata ou arroz, os pães recheados de peixe, o queijo de pão e os frutos selvagens dos bosques, que são algumas das maravilhas da gastronomia finlandesa.

Helsinki é famosa pela comida russa mas seus altos preços também são. Em geral comer nos restaurantes da Finlândia, pode resultar algo caro mas existem cardápios do dia, servidos entre as 11.00 e as 14.00 horas, que incluem salada, pão, leite ou café por um bom preço. Não esqueça que, mais que a variedade, o que carcteriza à comida finlandesa é sua frescura.

Bebidas

Os finlandeses bebem nas comidas água, leite ou cerveja. É possível, também, encontrar uma grande variedade de excelentes vinhos de importação.

COMPRAS

Finlândia tem-se convertido em um atrativo lugar de compras, sobretudo, nos tradicionais mercados que encontram-se em quase todas as cidades. Em Helsinki há um mercado portuário situado no fim da Esplanadi, onde pode-se comprar artesanato, produtos gastronômicos típicos, assim como, artigos realizados pelos samis, entre os que encontram-se trabalhos feitos do chifre e pele da rena, em madeira ou barro. Outro mercado importante é o de Hietalathi, onde vendem-se coisas de segunda mão.

Os grandes armazéns ou as boutiques exclusivas dispõem de uma grande variedade de produtos, desde a alta tecnologia até desenhos vários, como vidraçaria, porcelana, olaria, artesanato, material esportivo, etc. Entre os artigos de luxo não esqueçamos o vison finlandês, de excelente qualidade. As peles, chamadas em Finlândia "turkki", são uma boa compra. Há quem também aprecie os peixes defumados ou marinhados, que podem-se transportar embalados a vácuo.

POPULAÇÃO E COSTUMES

Os finlandeses são, provavelmente, descendentes de tribos que povoaram a região imediatamente, depois da Era Glaciar, assim como, de emigrantes que chegaram do sul do Báltico, fazem uns mil anos.

Finlândia conta, hoje, com 5.145.000 habitantes, sendo sua capital, Helsinki, a cidade mais povoada do país com 532.053 habitantes.

Seguem Espoo com 192.260 h., Tampere com 186.026 habitantes, Turku com 166.929 h., Oulu com 111.556 habitantes e Kuopio com 80.000 habitantes A "Moça Finlandesa", como muitos a chamam, é um dos países escandinavos, com menor densidade de população da Europa por trás de Noruega e Islândia (16,9).

Lingüísticamente os finlandeses igual que os estônios e os húngaros, pertecem à família ugro-finesa, cujos idiomas falam somente uns 23 milhões de habitantes no planeta, sendo a língua finesa muito diferente ao resto das outras línguas européias.

Os finlandeses são em geral altos, ruivos e atléticos com olhos claros, muito ao estilo nórdico. Na Finlândia moram uns 4.000 samis. As tranquilas estradas da Lapônia são as rotas, onde pode-se seguir suas pegadas. Cada grupo de samis fala seu próprio dialeto. Um número similar de çiganos, procedentes de Romênia, moram no sul do país.

ENTRETENIMENTO

As ruas de Helsinki estão particularmente animadas no verão, com os mercados multicoloridos, os terraços e as atuações musicais ao ar livre. A cidade, é além disso, um interessante ponto de partida para fazer um cruzeiro pelo Báltico.

A natureza da Finlândia convida sobretudo, a praticar todo tipo de esportes, o remo, canoa, windsurf, pesca, cicloturismo, senderismo, esqui, etc.

A Sauna Finlandesa é o mais típico do país. Sua finalidade é ativar a circulação do sangue por alteração de calor e frio. Constrói-se sempre de madeira e nela chega-se a atingir uma temperatura de 80 a 100 graus centígrados.

Depois verte-se água quente sobre umas pedras, o que faz aumentar o calor e para esfriar rapidamente, as pessoas metem-se em um lago ou no mar ou então um banho de chuveiro. A sauna faz parte da vida finlandesa e todas as casas de campo e as granjas dispõem de uma sauna situada a beira do lago ou do mar.

Estas cabanas podem ser alugadas e, contam além com um pequeno bote de remos para poder navegar pelos mais de 170.000 lagos que existem por todo o país.

No verão o sol nunca chega a se pôr, na Finlândia, é o famoso Sol de Meia Noite e pode ver-se de maio até finais de julho. Lapônia é o lugar mais apropriado para ver este fenômeno.

Esquiar na Finlândia no inverno e primavera é um sonho para os amantes deste esporte, sobretudo, para os que praticam o esqui de fundo.

Na Lapônia pode-se esquiar até 14 horas sob um sol radiante ou fazer uma excursão pelo bosque em trenó puxado por renas ou cãos huskie. Para os amantes da velocidade, nada melhor que realizar uma excitante aventura em moto-neve, viajando pelo deserto branco até atingir o quebra-gelos "Sampo", com base no porto de Kemi.

Outro lugar de indiscutível entretenimento é Linnanmäki, o Parque de Atrações mais popular da Finlândia e em um sentido mais aventureiro Korkeasaari, uma ilha zoológica com animais procedentes das regiões frias e das montanhas.

FESTIVIDADES

Como em outros países do Báltico, os festivais são muito frequentes, especialmente nos meses do verão. Durante o inverno o que prevalece são as atividades relacionadas com a neve.

Janeiro

Distingue-se o Rally Ártico na zona da Lapônia.

Fevereiro

Embora possa parecer o contrário, a Terça-Feira de Carnaval é toda uma festa no país. Finlândia Esqui, uma maratona de 75 quilômetros entre Hämeenlinna e Lahtí. Festival Internacional de Curtos na cidade de Tampere.

Abril

Copa Hípica de Vermo (Helsinki). Corrida de Renas em Inari. April Jazz, festival de música na cidade de Espoo.

Maio

O dia 1 Dia do Trabalho. Na população de Kajaani o Festival de Jazz.

Junho

O dia 24 é o Dia de São João (Juhannus), que simboliza a chegada do verão e celebra-se no país todo, comendo as batatas primeiriças. Festival de Música e Dança de Kuopio. Festival Joenssu. Festival de Música de Nanntali.

Julho

O mais famoso festival do país, o Festival da Ópera de Savonlinna, em um castelo medieval. Festival de Música Folclórica. Festival de Jazz em Pori, Música de Câmara de Kuhmo.

Agosto

Festival de Teatro em Tampere. Festival de Helsinki, Festival de Música em Turku. Rally dos Mil Lagos (prova pontuável do campeonato do mundo de rallys)

Outubro

Festival do Arenque do Báltico.

Novembro

Festival de Jazz de Tampere. Festival Internacional de Cinema Infantil em Oulu. Festival de Jazz de Kaamos.

Dezembro

Celebra-se o Dia da Independência da Finlândia, que teve lugar no ano 1917. Em Helsinki realiza-se um desfile até a Praça do Senado, iluminada com velas. O Dia de Tapani, o 26 de dezembro, é tradicional um passeio em um trenó arrastado por cavalos. Prova Internacional de Violino Jeam Sibelius.

TRANSPORTES

Avião

A maioria dos vôos interiores os realiza a companhia aérea Finnair. Existe uma passagem de 10 vôos para realizar dentro do país, durante 30 dias que pode ser adquirida pela pessoa que reside fora da Finlândia.

Barco

Algo que vale a pena conhecer em Finlândia são seus transportes marítimos. Realizam-se excursões pela zona dos lagos a bordo de um barco de vapor ou de um transbordador moderno. Há uma grande seleção no relativo a rotas e duração da excursão. A Linha de Prata, entre Hämeenlinna e Tampere, a Rota do Poeta, entre Tampere e Virrat e os cruzeiros Lacustres no Lago Saimaa são alguns dos mais populares.

VIKING LINE a maior companhia marítima entre Finlândia e Suécia oferece um inesquecível cruzeiro pelo "Mar do Arquipélago".

A companhia conta com sete luxuosos navios, que realizam quatro diferentes rotas: Centro de Helsinki - Estocolmo - Helsinki. De Turku - Estocolmo.

De Naantali - Kapellskär (somente durante o verão) e entre Kapellskär e Mariehamn.

As travessias diárias dos navios da VIKING LINE, ao longo do ano todo, oferecem uma grande variedade de diversões e serviços a bordo ("night club" com música ao vivo, cassino, pub, saunas, piscinas, etc.), sem esquecer sua deliciosa e variada gastronomia. Além disso, VIKING LINE oferece salões de alta categoria para conferências e reuniões com capacidade de até 580 pessoas.

Recentemente VIKING LINE tem inaugurado o trajeto entre Helsinki e Tallinn, a capital da Estônia. Através dos modernos catamaranes VIKING EXPRESS, com capacidade para 290 passageiros e, em somente 90 minutos, pode-se viajar do porto de Helsinki à nova terminal Reiisdam, no coração da capital da Estônia. Existem várias saídas no dia e pode-se viajar de manhã e voltar de tarde, é não é necessário visto.

Trem

A rede ferroviária finlandesa cobre quase todo o país. Os trens-expressos especiais ligam com as principais cidades. Para isso deve fazer uma reserva de vaga.

Existem tarifas especiais e as passagens Inter Rail são também válidas. Há também, descontos por grupos e uma passagem Finnrail-pass, que permite deslocar-se por um preço acessível.

Ônibus

A rede de ônibus na Finlândia é muito densa e conta com vários serviços diários entre as diferentes cidades e vilas.

Carro

Finlândia conta com mais de 77.000 quilômetros de estradas, das quais 46.955 estão asfaltadas. As estradas principais encontram-se em boas condições durante todo o ano. Nas autopistas a velocidade máxima é de 120 quilômetros por hora (no inverno 100), 80 em estradas normais e 50 em cidades.

Recomenda-se prestar atenção aos alces e cervos muito numerosos em todo o território, assim como, as renas, isoladas ou em rebanhos, especialmente na região do norte. Em todas as cidades há escritórios de aluguel de carros.

Táxi

O táxi é uma opção cara, mas pode-se encontrar em todas as cidades. Para locomover-se em Helsinki, nada melhor que os tranvias.

Fonte: www.rumbo.com.br

Finlândia

Território

A República da Finlândia (em finlandês, "Suomi") está situada na Europa setentrional e é delimitada, a norte, pela Noruega, a noroeste, pela Suécia e, a leste, pela Rússia. A oeste e a sul, o país é banhado pelo mar Báltico. A Finlândia estende-se por uma superfície de mais de 338 000 Km2, a qual vai aumentando gradualmente devido à constante subida das terras desde a última era glacial.

As florestas cobrem dois terços do território e os lagos ocupam uma décima parte. Os lagos, uma herança da última era glacial, são mais de 55 000 e estão ligados por uma série de pequenos rios e canais.

A Finlândia tem também cerca de 179 584 ilhas. A Lapónia finlandesa está situada a norte do Círculo Polar Árctico. O pico mais alto é o Haltiatunturi, com 1 324 m de altitude, e o rio mais longo é o Kemijoki, com 494 Km de comprimento.

População

A Finlândia tem uma população de 5 098 427 habitantes e uma densidade populacional média de 16 habitantes por Km2. Cerca de 60% da população vive em áreas urbanas. Hensínquia, a capital, tem 500 000 habitantes. No entanto, os finlandeses continuam a gostar da vida no campo, como demonstram as cerca de 400 000 residências de verão localizadas nas zonas rurais finlandesas.

A maior parte dos estrangeiros residentes no país é originária de outros países europeus. Nos anos 60, assistiu-se a uma grande vaga de emigração das zonas rurais da Finlândia para a Suécia. A norte do país vive uma pequena minoria de lapões (Sami) que fala a sua própria língua e conserva, até certo ponto, o seu estilo de vida tradicional.

Existem duas línguas oficiais na Finlândia: o finlandês e o sueco, falados, respectivamente, por 93,4% e 5,9% da população.

Economia

A economia da Finlândia assenta na propriedade privada. A silvicultura e as indústrias ligadas à madeira, tais como as indústrias da celulose e do papel, constituem a base da economia finlandesa. A indústria metalúrgica foi a que registou a maior taxa de crescimento nos últimos anos, o que se deve, em grande parte, à silvicultura, uma vez que grande parte desse crescimento provém da necessidade crescente de máquinas e equipamentos para o derrube de árvores e para a produção de pasta de papel.

Outros setores relevantes são as telecomunicações e as indústrias de alta tecnologia, que representam uma percentagem elevada das exportações.

Organização política

A Finlândia é uma república democrática. O Parlamento unicameral (Eduskunta) é composto por 200 deputados eleitos segundo o sistema proporcional por um período de quatro anos. O Chefe de Estado é o Presidente da República, eleito por sufrágio universal por um período de seis anos.

O Presidente é responsável pela política externa e pode demitir o Governo e convocar novas eleições. O poder legislativo é exercido pelo Parlamento. O Presidente nomeia o Primeiro-Ministro que escolhe os membros do seu gabinete, sendo essa escolha sujeita a aprovação.

O Governo é, por seu turno, responsável perante o Parlamento. A Finlândia está dividida em doze províncias - cada uma das quais é administrada por um governador nomeado pelo poder central - e 461 municípios. A província de Ahvenanmaa (ilhas Alanda) tem autonomia para legislar em matéria de assuntos internos.

Fontewww.minerva.uevora.pt

Finlândia

A Finlândia é um país do Norte da Europa e é membro da União Europeia.

A capital é Helsinki / Helsingfors.

A principal religião é o Cristianismo (Protestantismo, a Igreja Evangélica Luterana é a igreja oficial).

As línguas nacionais são o Finlandês e o Sueco. A língua Sami é uma língua minoritária protegida. A Finlândia foi uma província e, em seguida, um grão-ducado sob a Suécia do século 12 até o século 19, e um grão ducado autonomo da Rússia após 1809.

Ela ganhou a sua independência total em 1917. Durante a Segunda Guerra Mundial, ela foi capaz de defender com sucesso a sua liberdade e resistir à invasão pela União Soviética - embora com alguma perda de território.

Na segunda metade do século seguinte, os Finlandeses fizeram uma transformação notável de uma economia florestal e agrícola para uma moderna economia industrial diversificada; a renda per capita está agora entre as mais elevadas da Europa Ocidental.

Um membro da União Europeia desde 1995, a Finlândia foi o único estado Nórdico a entrar no sistema do euro no seu início em Janeiro de 1999. No século 21, as principais características do moderno estado de bem-estar da Finlândia são um padrão elevado de educação, promoção da igualdade e do sistema nacional de segurança social - atualmente desafiada por um envelhecimento da população e as flutuações de uma economia movida para a exportação.

A Finlândia é um país do norte da Europa. Ela faz fronteira com a Suécia a oeste; a Rússia a leste; a Noruega ao norte; e a Estonia ao sul. Cerca de um terço de seu território fica ao norte do Círculo Ártico. Sisu é uma palavra Finlandesa que significa "espírito", "coragem", "patriotismo", "tenacidade" e "determinação", e é a palavra que melhor descreve o povo da Finlândia.

Terra

Uma vez que cerca de um terço da Finlândia está ao norte do Círculo Ártico, os Finlandeses vivem em uma das nações mais ao norte da Europa (e do mundo). A Finlândia hoje goza de um alto padrão de vida de todos os pontos de vista - econômico, social e cultural.

A Finlândia encontra-se mais ao norte do que os desertos distantes do norte do Labrador. Mas ela desenvolveu a indústria moderna, agricultura e cidades. A Península Fenoscandiana, que a Finlandia compartilha com a Noruega e a Suécia, se projeta para fora da Europa continental no Oceano Atlântico.

Ventos sudoeste da Corrente do Golfo trazem o calor e a umidade para a terra. As águas do Mar Báltico e do Golfo de Bótnia também contribuem para a qualidade do clima marítimo da Finlândia.

Como resultado, nenhuma parte da Finlândia está coberta por neve permanente, gelo ou chão gelado. As temperaturas são geralmente leves. Mesmo durante Fevereiro, o mês mais frio do ano, as temperaturas no norte em média são cerca de 5 graus Fahrenheit (-15 graus Celsius).

A Finlândia tem uma área um pouco menor do que a do estado de Montana dos EUA. Muitos rios introduzem-se pela terra. Suas costas são muito recuadas e contornadas por cerca de 30.000 ilhas.

Ao longo da costa ocidental, especialmente, um outro aspecto único da geografia Finlandêsa pode ser observada - a terra emergindo. Desde a última Era Glacial, cerca de 8.000 anos atrás, a terra tem vindo a crescer gradualmente a partir do mar. Ela levanta-se a uma taxa de cerca de 3 a 4 pés (1 m) cada século, acrescentando quilômetros de terra para a área da Finlândia a cada 100 anos.

Lagos e florestas

A Finlândia tem mais de 60.000 lagos, que compreendem cerca de 9 por cento da área do país. Muitos deles estão no centro e no sudeste da Finlândia. Lá, a terra foi moldada e dobrada em cristas e depressões pelas geleiras da Idade do Gelo.

O maior dos lagos da Finlândia, e o centro de seu sistema lacustre, é o Saimaa, perto da fronteira Russa. O Canal Saimaa liga a cidade industrial de Lappeenranta, na margem sul do lago com Vyborg, um porto Russo no Báltico.

Norte do Lago Saimaa, perto da cidade de Savonlinna, fica Olavinlinna ("castelo de Saint Olaf"). Construído em 1475 como uma torre de observação de frente para o leste, Olavinlinna é a fortaleza medieval mais bem preservada no norte da Europa.

Agora, porém, as muralhas do castelo não ecoam com os sons da batalha. Elas ecoam com a música do festival de ópera que se realiza lá cada Julho. Não muito longe de Olavinlinna está Punkaharju, onde uma estrada serpenteia por cerca de 5 milhas (8 km) ao longo de uma subida estreita de terra coberta por algumas das árvores mais altas de pinheiros em todo o mundo.

Punkaharju - a palavra significa "cume primrose" em Finlandês, tem inspirado muitos poetas, artistas e músicos. Punkaharju tem sido descrito como a alma da Finlândia. É uma das principais atrações turísticas do país.

População

A Finlândia tem uma população de mais de 5 milhões. Alguns 93 por cento da sua população são Finlandeses étnicos e 5,5 por cento, Suecos. Além disso, existem pequenas minorias Russas, Estonianas, Romani (antigos Ciganos) e Sami (Lapp).

A educação é obrigatória da idade de 7 a 16. Depois disso a maioria dos alunos matriculam-se em escolas de comércio ou em escolas do ensino secundário, esta última preparando-os para o ensino superior. As instituições de ensino superior incluem 20 universidades e 30 institutos politécnicos. Um terço da população tem um diploma de uma instituição de ensino superior. Isto coloca a Finlândia entre os países mais educados do mundo. A educação é gratuita.

No século 21, os Finlandeses estão mantendo o ritmo com o mundo em rápida mudança. Eles tem em média mais de um celular por pessoa, e 75% deles estão conectados à Internet.

Cidades

Helsinki

Grande parte da história da Finlândia pode ser lida nos edifícios e ruas de Helsinki, muitas vezes chamada de "a cidade branca do norte". Ela tornou-se capital em 1812, quando o Czar Alexandre I decidiu que Turku estava muito longe da Rússia.

Ele preferiu uma pequena cidade no Báltico. Ele supervisionou a maior parte do planejamento e arquitetura da nova capital. Um arquiteto Alemão, C. L. Engel, foi escolhido para projetar muitos dos edifícios.

Eles incluem os que cercam a Grande Praça - o Palácio do Governo, a Universidade, e a Grande Igreja. Em 1894, uma estátua em homenagem ao Czar Alexandre II - "Amigo da Finlândia", foi erguida na praça.

Mas ainda hoje Helsinki lembra seu início como um pequeno porto e centro de pesca. Todas as manhãs, o tradicional mercado do porto ainda é realizado. Entre as barracas lotadas gaivotas podem ser vistas pegando pedaços enquanto patos patinham e mergulham abaixo das docas nas proximidades.

Em outras partes da capital, há as limpas linhas curvas que fizeram a arquitetura Finlandesa famosa em todo o mundo. O Estádio Olímpico de Helsínquia foi projetado por Alvar Aalto. Ele é usado para os eventos de atletismo, no qual os Finlandeses se destacaram desde os dias de Paavo Nurmi, o grande corredor que foi chamado de "Finlandês Voador".

O Museu Nacional, na Mannerheimintie ("Rua Mannerheim"), e a Estação Ferroviária de Helsínquia foram projetados por Eliel Saarinen, que mais tarde emigrou para os Estados Unidos. Ambos Eliel e seu filho Eero fizeram importantes contribuições à arquitetura do século 20 nos Estados Unidos.

O Teatro Nacional de telhas brancas de Helsínquia é o centro das artes do espetáculo na Finlândia. As obras de dramaturgos Finlandeses do século 19, tais como Aleksis Kivi, são populares. Mas a maioria das peças representadas são por autores não-Finlandeses.

A indústria Finlandesa do livro é baseada em Helsínquia. Sua produção inclui os romances do Prêmio Nobel de 1939, Frans Eemil Sillanpää, e aqueles de Mika Waltari.

Nos restaurantes de Helsínquia, alguns dos alimentos característicos do país podem ser amostrados. Entre eles estão a torta Kareliana, feita de carne moída, arroz e manteiga derretida; pequenas e suculentas lagostas retiradas das águas espumantes da Finlândia; sobremesas feitas do cloudberry amarelo, que só cresce nos países Escandinavos; e o licor dourado especial chamado Mesimarja, feito do fruto da amoreira do Ártico.

As lojas da cidade vendem a cerâmica e o vidro da Arábia e de Littala, os brilhantes tecidos impressos e modas de Marimekko, Artek, Vuokko, e Finn-Flare, e outros produtos que deram à Finlândia a sua reputação como uma casa do bom design.

Os visitantes de Helsínquia podem desfrutar de passeios para a fortaleza de Suomenlinna (Sveaborg). Ela tem guardado o porto desde o século 18. Eles podem andar ao longo da esplanada perto do porto, e relaxar em um dos seus restaurantes ao ar livre.

Em 1 de Maio, eles podem assistir a diversão tradicional do Dia de Maio. Ou seja, quando os estudantes universitários drapejam a estátua de Havis Amanda (um símbolo de Helsinki), com guirlandas de flores e colocam um tampão de graduação branca na cabeça.

Os alunos também participam nas celebrações do Dia da Independência da Finlândia a cada 6 de Dezembro. Há uma procissão de velas durante a qual uma bandeira Finlandesa é carregada a cada ano desde 1917.

Os visitantes também podem experimentar uma sauna, uma das tradições Finlandesas mais antigas e mais conhecidas. Ninguém sabe ao certo como a sauna teve o seu início. Mas ela parece ter sido uma parte da vida Finlandêsa durante séculos.

Há cerca de um milhão de saunas na Finlândia. Elas são freqüentemente usadas mais como um evento social ou uma forma de relaxamento do que como um banho. As famílias muitas vezes convidam amigos para desfrutar de suas saunas juntos.

A palavra "sauna" significa "banho de calor seco". Na sua forma mais tradicional a sauna é uma cabine de madeira especialmente construída, onde as pedras são aquecidas quase ao vermelho-quente e a água é jogada sobre elas para controlar a umidade.

Existem vários bancos, ou bancadas, na sauna. Quanto mais alta a bancada, mais quente é o ar. A sauna é geralmente seguida por um mergulho refrescante na piscina ou num lago ou no inverno, por um rolo gelado na neve.

No verão, Helsinki oferece belas praias perto da cidade para a natação e banhos de sol. E os visitantes e residentes acorrem para os estádios desportivos para assistir pesäpallo ("bola no ninho"). Este jogo, que tem sido chamado o esporte nacional da Finlândia, é uma forma de baseball.

Tapiola

Algumas 4 milhas (6 km) de Helsínquia está Tapiola, uma cidade jardim que data apenas de 1960. Nomeada para uma das lendas do Kalevala, Tapiola foi projetada por uma equipe de arquitetos e urbanistas para oferecer o melhor que a vida na cidade moderna pode oferecer - eficiência, conforto e beleza em suas casas e escritórios, ruas e parques. É outro exemplo de como os Finlandeses não só tentam fazer o melhor do que eles têm, mas acrescentam algo especial para ele.

Espoo

Espoo, a segunda-maior cidade da Finlandia, está localizada a oeste de Helsinque, em uma área que tem sido habitada desde 3500. Edifícios notáveis incluem uma bela igreja que data de 1458 e uma estrutura originalmente construída em 1911-13 como o estúdio do artista Akseli Gallen-Kallela; este edifício como-castelo é atualmente o lar do Museu Tarvaspää.

A Universidade de Tecnologia de Helsinki, que foi fundada em 1908, está localizada em Espoo. Assim é a sede da Nokia, a gigante de telecomunicações e maior empresa da Finlândia.

Tampere

Entre os lagos Nasi e Pyhä, a nordeste de Turku, está Tampere, a terceira-maior cidade da Finlandia e a casa de muitas de suas indústrias. Porque todas as suas fábricas são dirigidas por hidroeletricidade, no entanto, Tampere não é uma típica cidade industrial.

Ela também, tem ruas largas e limpas, muitos parques e jardins encantadores, e prédios de apartamentos modernos. Mesmo as fábricas parecem perto da natureza, construídas entre árvores, suavemente onduladas, ou nas margens do lago. Tampere é também o ponto de partida de muitos rotas lacustres para o norte e sul.

Turku

Turku, a quarta-maior cidade da Finlândia, fica perto da foz do Rio Aura no Golfo de Bótnia. Devido à sua localização, era natural que Turku fosse desenvolvida em um porto. Já no século 13, Turku empreendia o comércio com as cidades da Liga Hanseática e outros portos do Báltico. Turku ainda é um porto movimentado hoje, com um porto que é mantido livre de gelo durante o ano todo.

Turku é a cidade mais antiga da Finlândia, e foi a primeira capital do país. Sua catedral remonta ao século 13 e contém os túmulos de muitos grandes Finlandeses.

Na seção Luostarinmäki da cidade, poupada de um incêndio de 1827 que quase destruiu a cidade, as antigas casas foram transformadas em um museu de artesanato e oficina.

A cidade é o local de duas universidades, uma ensinando em Finlandês e outra em Sueco, e de uma politécnica. Os ricos recursos culturais de Turku incluem o Museu Sibelius. A cidade abriga o Festival de Música de Turku, realizado anualmente desde 1960, e dois festivais de rock.

Turku é conhecida como a Cidade do Natal da Finlândia por causa de uma grande variedade de eventos de Natal. Estes incluem a Declaração de Paz do Natal, a cada Véspera de Natal, uma tradição que remonta à Idade Média.

Hämeenlinna

Hämeenlinna, cerca de 50 milhas (80 km) de Tampere, é um dos portos lacustres na rota do sul. É também o berço do grande compositor Finlandês Jean Sibelius (1865-1957), cuja música levou a Finlândia para o mundo e que veio a ser um símbolo vivo de seu país.

Seus poemas tônicos En Saga, Finlandia, e Tapiola e suas sinfonias e outras composições, todos parecem conter o mais profundo amor de Sibelius à Finlândia.

Eles contêm o vento uivando por entre os pinheiros e o sol refletido pelas águas de 60.000 lagos; eles contêm as antigas lendas do Kalevala; eles contêm toda a história de dificuldades da Finlandia e toda a promessa do seu futuro. Eles contêm sisu, que fez a Finlândia o que ela é hoje.

Economia

Dado que a Finlândia não tem carvão ou petróleo, a hidráulica ou "carvão branco" é a fonte de grande parte da eletricidade do país. A principal tarefa do sistema lacustre, no entanto, é carregar a madeira - o recurso natural mais valioso da Finlândia. As florestas cobrem cerca de 75% da área total de terra da Finlândia.

Aproximadamente 8 por cento da terra é adequada para a agricultura, e mesmo essa pequena quantidade teve que ser conquistada ao longo dos anos a partir de florestas e pântanos pelo trabalho árduo. Hoje, embora a maioria das fazendas Finlandesas sejam pequenas - apenas algumas centenas são maiores do que 250 acres (100 ha) - cada pedaço de terra utilizável tem respondido tão bem ao preparo cuidadoso, que o país é quase auto-suficiente na produção de alimentos. A maioria das fazendas são mantidas e geridas por famílias individuais.

Os recursos do solo são modestos, mas a Finlândia tem a vantagem de dias longos durante o período vegetativo. No sul no final de Junho, o sol brilha por cerca de 18 a 19 horas diárias. No extremo norte, bem acima do Círculo Polar Ártico, o sol permanece acima do horizonte por mais de 70 dias consecutivos durante o ano.

Tipos duros de grãos que amadurecem durante a curta estação de crescimento são criados extensivamente, e a Finlândia é capaz de prover cerca de 90 por cento de suas próprias necessidades de grãos.

Desde o início dos 1900s, no entanto, a produção leiteira tem se tornado mais importante do que a agricultura de grãos. Os agricultores Finlandeses também cultivam legumes, como beterrabas, cenouras, repolhos, nabos, espinafres e alfaces.

Maçãs, especialmente as variedades resistentes ao frio, são cultivadas em uma área ampla, mas as pêras, cerejas, e ameixas têm sucesso apenas no sul, onde o clima é mais suave. Batatas são a única cultura que cresce no extremo norte.

Durante o século 20 a Finlândia foi transformada em uma nação industrializada moderna de um país que há muito dependia da agricultura e da silvicultura. Até a queda da União Soviética, em 1991, uma grande porcentagem do comércio exterior Finlandês foi com essa superpotência.

O rompimento destes laços econômicos causou uma recessão de curta duração. A empresa Finlandesa Nokia previu corretamente que o futuro estava nas comunicações, e começou a produzir telefones celulares (móveis).

Em breve, a empresa se tornou o sustentáculo da economia do país e, por 2000, um bilhão de pessoas ao redor do globo usavam seus telefones celulares. Apesar de seu domínio do mercado depois cair, em 2010 ela ainda era a maior fabricante de telefones celulares no mundo.

A integração da Finlândia na economia internacional também tem sido reforçada por sua adesão à União Europeia (UE) em 1999 e, posteriormente, pela adoção do euro como moeda nacional.

Economia - visão geral:

A Finlândia tem uma altamente industrializada economia de livre mercado, com produção per capita cerca daquela da Áustria, Bélgica, Países Baixos e Suécia. O comércio é importante, com as exportações representando mais de um terço do PIB nos últimos anos.

A Finlândia é fortemente competitivo na produção - principalmente a madeira, metais, engenharia, telecomunicações e eletrônica. Finlândia supera em exportações de alta tecnologia, como telefones celulares.

Com exceção de madeira e vários minerais, Finlândia depende de importações de matérias-primas, energia, e algumas peças para bens manufaturados. Por causa do clima, o desenvolvimento agrícola é limitado a manter a auto-suficiência em produtos básicos. Florestal, um ganhador de exportação importante, proporciona uma ocupação secundária para a população rural.

A Finlândia tinha sido uma das economias com melhor desempenho dentro da UE nos últimos anos e os seus bancos e mercados financeiros evitado o pior da crise financeira global. No entanto, as exportações mundiais de desaceleração da demanda doméstica e de vida difícil em 2009, com a Finlândia experimentando uma das mais profundas contrações na zona do euro.

A recuperação das exportações, o comércio interno e consumo das famílias estimulou o crescimento econômico em 2010. A recessão deixou uma marca profunda em finanças públicas e do rácio da dívida, transformando excedentes orçamentais previamente fortes em déficits.

Além de perspectivas de crescimento marginais, finanças públicas permanecerão em déficit durante os próximos anos. O grande desafio da política econômica será a mitigar uma possível recessão em 2012, que mede a apoiar o crescimento será combinado com medidas de ajuste geral do governo.

Longo prazo, a Finlândia deve atender a uma população em rápido envelhecimento e diminuindo a produtividade que ameaçam a competitividade, a sustentabilidade fiscal e crescimento econômico.

História

A origem dos Finlandeses é desconhecida, embora estudos lingüísticos têm demonstrado que a língua Finlandesa está relacionada à Estonia e, mais distante, ao Húngaro. A história registrada da Finlândia começou durante a Idade Média, numa época em que a maioria dos Finlandeses viviam da caça e da agricultura.

O país então consistia de um grupo de assentamentos localizados principalmente ao longo dos rios, dentro de 200 milhas (320 km) da costa sul.

Finlândia e Suécia

Em 1155, o Rei Eric IX da Suécia decidiu converter a terra dos Finlandeses ao Cristianismo. Ele enviou o Bispo de Uppsala, na frente de um exército, através do Golfo de Bótnia. Esta foi a primeira de três cruzadas Suecas à Finlândia. Dentro de cerca de 100 anos, a maioria dos Finlandeses tinham aceitado o Cristianismo.

Como não tinham nenhum governo nacional, houve pouca resistência e a Finlândia foi facilmente absorvida pela Suécia. Neste período, catedrais e fortalezas foram construídas e as cidades cresceram ao redor delas, incluindo Turku, no Rio Aura no sudoeste da Finlândia.

A primeira universidade da Finlândia foi fundada lá em 1640. A cidade foi também o centro do Catolicismo Romano na Finlândia e, após a Reforma Protestante no século 16, da Igreja Luterana. Turku foi a capital da Finlândia até 1812, quando Helsinki se tornou a capital.

A inclusão da Finlândia em seu reino foi um fator importante no aumento do poder da Suécia no Báltico, um poder que ela foi capaz de manter contra todos os desafios ao longo do século 17. Em 1703, no entanto, buscando o aumento do comércio com as nações Européias e o que ele chamou de uma "janela olhando para a Europa", o Czar Pedro o Grande da Rússia fundou a cidade de St. Petersburg (Leningrado mais tarde, mas desde 1991 São Petersburgo novamente).

Ele construiu sua cidade na terra que ele havia tomado pela força da Suécia. Ao longo do século 18, a Finlândia manteve-se um ponto focal na luta entre a Suécia e a Rússia, e foi várias vezes invadida por exércitos Russos, especialmente entre os anos de 1713 e 1721.

Nos séculos 18 e 19, o primeiro despertar do nacionalismo teve lugar na Finlândia. Os dois líderes responsáveis foram Henrik Gabriel Porthan e Elias Lönnrot.

Porthan foi um historiador que tentou através de seus escritos criar uma consciência da própria herança especial da Finlândia como uma nação.

Lönnrot passou muitos anos viajando por toda Finlândia, recolhendo as lendas e contos que tinham sido transmitidos por gerações de poetas populares da Finlândia. Em 1835 ele publicou a primeira edição do Kalevala, o longo poema que se tornou o épico nacional da Finlândia.

Finlândia e Rússia

Pelo tempo das Guerras Napoleônicas do início do século 19, o poder Sueco no Báltico tinha desaparecido quase totalmente. Em 1808, o rei da Suécia se recusou a juntar-se ao bloqueio da Inglaterra por Napoleão I. Em represália, Napoleão convenceu o Czar Alexandre I a invadir a Finlândia. Em 1809, depois de governar a Finlândia por mais de 600 anos, a Suécia foi derrotada, e o controle da Finlândia foi entregue à Rússia.

Mais uma vez os Finlandeses não foram realmente conquistados. A Finlândia tornou-se parte da Rússia, mas também permaneceu um estado autônomo. A Finlândia foi autorizada a manter a constituição que tinha sido aplicada a todos os da Suécia antes de 1808.

Os direitos legais dos cidadãos da Finlândia não mudaram sensivelmente. A Igreja Luterana permaneceu a igreja do estado.

Um conselho do governo Finlandês foi criado em Helsínquia, a nova capital, e uma delegação de Finlandeses foi enviada para a capital Russa para aconselhar o czar sobre assuntos Finlandêses. O czar da Rússia, sob o título de Grão-Duque da Finlândia, governou a Finlândia como um monarca constitucional.

Inicialmente, a Finlândia parecia ter ganho pela sua inclusão no Império Russo. Ao mesmo tempo, outras mudanças foram ocorrendo. A agricultura foi sendo modernizada; um sistema escolar nacional foi introduzido (1866); e ferrovias e a indústria vieram para a Finlândia como o fizeram para o resto da Europa Ocidental.

No entanto, na segunda metade do século 19, outras tendências apareceram. O espírito do nacionalismo começou a se espalhar. Durante a Guerra da Criméia (1854-1856), alguns jovens Finlandeses, sonhando com a independência, ingressaram na Marinha Britânica para combater a frota Russa no Báltico.

Após a guerra, embora o Czar Alexandre II houvesse concedido reformas liberais à Finlândia, o autogoverno da Finlandia e a liberdade dos seus cidadãos estavam em perigo. Depois de 1890, uma política de Russificação entrou em vigor.

O Russo foi feito a língua oficial; o exército da Finlândia foi absorvido pelo exército Russo; o poder da Dieta da Finlândia (parlamento) foi restringido até que ela não era mais que um selo de borracha das políticas Russas; e rigorosa censura foi imposta à imprensa. Pelo início da Primeira Guerra Mundial, em 1914, os Finlandeses tinham perdido muito de sua liberdade.

Quando a Revolução Russa trouxe o fim do regime czarista na Rússia, em 1917, a Finlândia declarou-se independente. A guerra civil seguiu-se em 1918 entre as forças Comunistas apoiadas pela Russia e as forças não-Comunistas apoiadas pela Alemanha. O exército "Branco" não-Comunista foi vitorioso, e a Finlândia tinha finalmente alcançado a sua plena independência.

Independente Finlândia

O período entre as duas guerras mundiais foi um tempo de progresso para a Finlândia. Reformas agrárias foram passadas, e a maioria das fazendas de famílias independentes da Finlândia datam desta época.

A produção industrial mais do que triplicou em volume e quadruplicou em valor. O comércio da Finlândia também se expandiu muito. Alguns dos outros recursos naturais da Finlandia, como cobre e níquel, foram desenvolvidos neste momento. A Finnair, companhia aérea nacional, foi fundada. A indústria naval cresceu, e a Finlândia logo liderou o mundo na construção de navios quebra-gelos e similares.

Apesar de ter havido uma tentativa de revolução por Comunistas Finlandêses em 1918, em geral, a Finlândia apreciou uma marcada estabilidade política após a independência. Medidas de bem-estar numerosas foram postas em prática.

O sistema escolar nacional que estava em vigor desde o século 19 foi ampliado neste momento. Em 1921, a escolaridade obrigatória foi introduzida; a freqüência escolar é agora obrigatória entre as idades de 7 e 16.

As universidades da Finlândia e as escolas profissionais também se expandiram, e o número de escolas profissionais e centros de educação de adultos aumentou. Durante este período, também, as primeiras tentativas foram feitas para trazer a educação para os Lapões Finlandeses e para torná-los parte da vida Finlandêsa.

A Guerra do Inverno e a Primeira Guerra Mundial

Em 1939, a União Soviética exigiu que a Finlândia cedesse parte de seu território para a defesa de Leningrado (agora São Petersburgo). A Finlândia recusou e foi invadida.

Apesar de terem sido confrontados com todas as adversidades, os Finlandeses defenderam sua liberdade tão resolutamente que o Primeiro-ministro Britânico Winston Churchill disse sobre eles, "A Finlândia sozinha - em perigo de morte, soberba e sublime Finlândia - mostra o que os homens livres podem fazer".

Unidos pelo amor de seu país, os Finlandeses foram capazes de resistir ao inverno excepcionalmente grave melhor do que os mal-treinados soldados Soviéticos. Usando tropas de esqui especialmente treinadas camufladas de branco, os Finlandeses repeliram os Russos por cerca de quatro meses.

Finalmente, no entanto, os Finlandeses foram forçados a aceitar o duro tratado imposto pela União Soviética, e ceder territórios vitais na parte sudeste do país.

Em Junho de 1941, a Alemanha atacou a União Soviética. A Finlândia entrou na Segunda Guerra Mundial lutando ao lado da Alemanha, mas apenas para recuperar seus territórios perdidos. (A Finlândia recusou tomar parte em operações que serviram aos objetivos Alemães, ao invés dos objetivos Finlandêses).

Apesar de terem sido bem sucedidos no início, eventualmente, os Finlandeses tiveram que aceitar outro tratado ditado pelos Soviéticos. Sob os termos do tratado, a Finlândia pagou à União Soviética cerca de US$ 300 milhões - em navios, máquinas industriais, locomotivas, e, mais importante, fábricas totalmente equipadas de papel e de madeira.

História recente

Durante os anos da Guerra Fria, a Finlândia foi cuidadosa em não provocar seu poderoso vizinho Soviético. Grande parte da economia do país estava ligada às nações Comunistas, e por isso, quando os regimes Comunistas desmoronaram, foi necessário um grande realinhamento.

Em um referendo de 1994, os eleitores Finlandêses aprovaram a proposta do governo para aderir à UE. Isto ajudou a Finlândia a reorientar e expandir seus mercados. Além disso, o governo e o apoio da comunidade para a educação e pesquisa, e o desenvolvimento das novas tecnologias da informação, moveram a Finlândia até a escada da competitividade internacional.

A Finlândia é um membro da zona do euro, o que significa que ela usa a moeda comum da UE.

O crescimento economico impressionante nos últimos anos tem desafiado os valores tradicionais da sociedade em grande parte igualitária; a acumulação de riqueza nunca foi uma prioridade para os Finlandeses no passado, e muitos ainda preferem um estilo de vida agradável e descontraído sobre os bens materiais.

Em 2000, Tarja Halonen foi eleita a primeira mulher presidente do país, ela foi reeleita em 2006. (Na Finlândia, o presidente se centra principalmente na política externa). Anneli Jäätteenmäki do Partido do Centro, tornou-se a primeira mulher primeiro-ministro em 2003.

Ela se demitiu após dois meses por causa de um escândalo. Matti Vanhanen substituiu-a, foi reeleito em 2007, e permaneceu no cargo até Junho de 2010. Seu sucessor como primeiro-ministro foi Mari Kiviniemi, um membro veterano do parlamento e líder do Partido do Centro.

A eleição geral de Abril de 2011 foi ganha estreitamente pelo Partido da Coalizão Nacional, cujo líder, Jyrki Katainen, tornou-se primeiro-ministro à frente de uma coalizão de 6-partidos. Ficando de fora do governo estava um partido populista nacionalista, os Finlandeses Verdadeiros, que tinha alcançado um surpreendente terceiro lugar no final da eleição.

Ferozmente críticos da UE, os Finlandeses Verdadeiros se opuseram à participação Finlandesa no socorro financeiro dos membros endividados da UE, começando com a Grécia. Katainen manteve a Finlândia em um curso pró-Europeu. No entanto, seu governo começou a exigir garantias da Grécia para as contribuições da Finlândia aos fundos de resgate. Isto complicou e atrasou os esforços da UE para montar um novo plano de resgate para a Grécia.

Governo

O chefe do governo da Finlandia é o presidente, que é eleito a cada seis anos por 301 eleitores, escolhidos por sufrágio universal. A Legislatura da Finlândia de câmara única, com 200 membros, é chamado de Eduskunta.

Finlândia
Concluído em 1852, Helsinki Cathedral, ex-Catedral de São Nicolau, tem vista para Praça do Senado na capital finlandesa

Finlândia
A estátua de Alexandre II está na frente de Helsínquia Catedral no Senate Square. 
O czar russo introduziu uma série de reformas durante o século 19 - quando a 
Finlândia ainda era uma província da Rússia - e geralmente é bem visto

Finlândia
Erguida em 1833, a Câmara Municipal, na Praça do Mercado de Helsínquia era anteriormente um hotel

Finlândia
O Palácio Presidencial na Praça do Mercado, em Helsínquia. 
Originalmente construído como a grande casa de um comerciante local, em 1822, a estrutura foi reconstruída na década de 1840 para torná-lo a residência oficial do czar russo.
Ele serviu como residência da maioria dos presidentes da Finlândia durante o século 20. 
Hoje é uma das três residências oficiais do presidente finlandês

Finlândia
Concluído em 1868, o Uspenski Catedral Ortodoxa Russa em Helsínquia é a maior igreja ortodoxa russa em Ocidental e da Europa Central

John H. Wuorinen

Fonte: Internet Nations

Finlândia

Ano de adesão à União Europeia: 1995

Sistema político: República

Capital: Helsínquia

Superfície: 338 000 km²

População: 5,2 milhões de habitantes

Moeda: euro

Língua falada no país: Finlandês, Sueco

Finlândia é um país grande. Em alguns lugares, você pode viajar sem ver outra pessoa por dia. Em outros, como em Helsínquia, é possível dar um passeio no meio da multidão.

Finlândia, um país de florestas e lagos, é talvez essencialmente conhecida pela sua beleza natural bem preservada. No extremo norte do país, a região das noites brancas, o sol não se põe durante quase dez semanas de Verão e no Inverno, nessa mesma região, não nasce o dia durante cerca de oito semanas.

Uma vez que a Finlândia fez parte da Suécia durante setecentos anos (desde o século XII até 1809) cerca de 6% da população fala sueco. A Finlândia acedeu à independência após a Revolução Russa em 1917, ano em que foi instaurada a República. O Parlamento unicamaral tem 200 deputados eleitos por um mandato de quatro anos.

O país desenvolveu uma economia moderna e competitiva, sendo líder mundial no setor do equipamento de telecomunicações. As exportações são constituídas principalmente por equipamentos de telecomunicações e produtos do setor metalomecânicos, papel, pasta de papel e madeira, artefatos de vidro, aço inoxidável e cerâmica.

A beleza natural do extremo norte inspirou muitos artistas, nomeadamente o compositor Jean Sibelius e o designer Alvar Aalto.

A cozinha finlandesa sofreu influência continental, russa e sueca. Entre os pratos tradicionais contam-se pratos de peixe (especialmente ovas de salmão e rodovalho) e a carne de rena. Vale a pena provar os pastéis da Carélia (karjalanpiirakka) feitos de batata ou de arroz e o peixe e carne gorda de porco em crosta de pão de centeio (kalakukko).

Finlândia é um país de contrastes interessantes, como as quatro estações, o Sol da meia-noite ea escuridão do inverno, urbano e rural, Leste e Oeste.

Como você olhar para fora do avião, a primeira impressão que se tem é que há um monte de árvores ... um interminável tapete de floresta, com muitos lagos e pequenas cidades no meio. É uma espécie de surpresa quando você terra em Helsínquia ao descobrir que o aeroporto é tão moderno e eficiente. Um urso polar não à vista.

É realmente incrível como única exótica cada estação pode ser. Quatro vezes por ano, as mudanças da natureza a sua uniformes completamente - cor, luz, temperatura, sons e cheiros. Tudo muda de uma forma que acontece em nenhum outro lugar.

Os finlandeses também são considerados para ser legal - um pouco quieto e reservado. No entanto, eles são realmente acolhedor, simpático, hospitaleiro e as pessoas honestas especialmente quando você começa a conhecê-los e incentivá-lo a fazer exatamente isso.

Fonte: europa.eu

Finlândia

Nome completo: República da Finlândia

População: 5,4 milhões (ONU, 2011)

Capital: Helsínquia

Área: 338.145 km ² (130.559 milhas quadradas)

Principais idiomas: finlandês, sueco

Principal religião: Cristianismo

Expectativa de vida: 77 anos (homens) e 83 anos (mulheres) (ONU)

Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos

Principais exportações: produtos máquinas e eletrônicos, papel e papel, produtos químicos

RNB per capita: EUA 48,420 dólares (Banco Mundial, 2011)

Domínio da Internet:. Fi

Código de discagem internacional: 358

A Finlândia é um país no extremo norte da Europa, fronteira com a Noruega, Suécia e Rússia. Ao contrário de seus companheiros de escandinavos vizinhos do oeste, os finlandeses não são um povo germânico, mas sim falar uma língua relacionada à Estónia, algumas línguas da Sibéria e, mais distante, húngaro.

Apesar de seu tamanho considerável, a Finlândia é relativamente baixa densidade populacional. Cerca de dois terços do seu território é coberto por florestas e cerca de um décimo por lagos.

Centenas de anos de domínio sueco foram seguidos por um século adicional de controle russo antes da independência em 1917. Esta falha para conter as demandas de vizinho gigante da Finlândia Soviética, ea Segunda Guerra Mundial viu combates ferozes ao longo da fronteira oriental da Finlândia.

Finlândia
Helsínquia Catedral é um dos melhores da cidade, conhecidos marcos históricos

Tropas finlandesas montado uma resposta vigorosa às forças soviéticas e parou seu avanço, mas o país foi forçado a ceder 10% do seu território e pagar reparações de guerra extensas para Moscou.

Durante a Guerra Fria a neutralidade da Finlândia dependia de um veto de fato Soviética em sua política externa e de defesa, um estado chamado de "Finlandisation".

O colapso da União Soviética, no início de 1990 permitiu à Finlândia sair da sombra da Guerra Fria. É o pedido de adesão da UE logo após sua tratado de amizade com a União Soviética tornou-se nula em 1991, tornando-se um membro pleno em 1995.

A Finlândia é o único membro da UE nórdico a utilizar o euro como moeda nacional.

O país gasta muito em educação, treinamento e pesquisa - investimento que paga dividendos, entregando uma das forças de trabalho mais qualificados do mundo.

Este tem sido um fator-chave para o desenvolvimento de uma economia moderna e competitivo, no qual um setor de telecomunicações avançado foi adicionado à madeira tradicional e indústrias de metais.

Em termos de cultura, a Finlândia conseguiu uma marca particular nos domínios da arquitetura e música, com os edifícios de Alvar Aalto e as sinfonias e poemas de tom de Jean Sibelius desfrutando de renome mundial.

Finlândia
O capital Helsínquia fica às margens do Mar Báltico

Uma cronologia dos principais eventos:

1100 - Sueco cruzadas subjugar os finlandeses e convertê-los ao cristianismo.

1323 - Território da atual Finlândia torna-se parte do reino sueco

1808 - invasão russa da Suécia apoiado por Napoleão.

1809 - A Finlândia é cedida à Rússia pelos suecos. Os finlandeses reter uma quantidade considerável de autonomia. Eles mantêm o seu próprio sistema legal, a religião, e são isentos do serviço militar russo.

1812 - Helsinque torna-se capital.

1899 em diante - czar russo Nicolau II inaugura política de russificação da Finlândia, para incluir o recrutamento de homens finlandeses para o exército russo ea imposição de russo como língua oficial. Protestos e uma campanha de desobediência civil começar.

1906 - Finlândia aprova a Lei do Parlamento, que estabelece o sufrágio universal, incluindo o direito das mulheres a cargos eleitos, pela primeira vez na Europa.

Viver com a União Soviética

1917 - A Revolução Russa Finlândia permite a declarar sua independência.

1918 - guerra civil, o que leva cerca de 30.000 mortes. A rebelião de esquerda Guardas Vermelhos é colocado para baixo pelo general Carl Gustaf Emil Mannerheim.

1919 - Finlândia torna-se uma república. Kaarlo Stahlberg torna-se o primeiro presidente.

1939 - Surto de Segunda Guerra Mundial. Finlândia declara a sua neutralidade. Em novembro, a União Soviética invade. A Guerra de Inverno começa.

1940 - Apesar da resistência feroz, os finlandeses são forçados a admitir. O Tratado de Moscou dá em torno de 10% do território finlandês para a União Soviética.

1941 - Alemanha ataca URSS em junho. Finlândia lança campanha militar para retomar o território perdido sob Tratado de Moscou. Grã-Bretanha declara guerra à Finlândia, em Dezembro.

1944 - O Exército Vermelho invade. Um armistício é assinado em setembro. Finlândia admite mais terras para a União Soviética e se compromete a pagar centenas de milhões de dólares em reparações de guerra.

1947 - Tratado de Paz assinado entre a Finlândia ea União Soviética.

1948 - A Finlândia assina tratado de amizade com a União Soviética e se compromete a resistir a qualquer ataque em território finlandês sobre a União Soviética.

1950 - Urho Kekkonen torna-se primeiro-ministro e é posteriormente eleito presidente em 1956. Ele prossegue uma política de neutralidade amigável com a União Soviética.

1952 - O pagamento das reparações concluídas.

1955 - A Finlândia junta das Nações Unidas e do Conselho Nórdico.

1973 - Os acordos comerciais assinados com a Comunidade Econômica Europeia e Comecon.

Inclinando-se para a Europa

1989 - União Soviética reconhece a neutralidade finlandesa.

1990 - As dificuldades econômicas como ex-União Soviética e do leste europeu colapso dos mercados.

1991 - Centro de coalizão do partido eleito. As medidas de austeridade introduzidas.

1992 - Tratado de Amizade com a União Soviética de 1948 declarou nula e sem efeito. Novo tratado com a Rússia não envolve acordos militares. Finlândia aplica à adesão à comunidade europeia.

1995 - Finlândia torna-se membro da União Europeia. Os sociais-democratas surgem como partido mais forte nas eleições e formar uma "coalizão arco-íris" do governo com Paavo Lipponen como primeiro-ministro.

1999 - social-democratas Paavo Lipponen são retornou ao poder.

2000 Fevereiro - Tarja Halonen eleito como primeiro presidente da Finlândia feminino.

Janeiro de 2002 - Euro substitui a marca finlandesa.

Maio de 2002 - O Parlamento aprova por pouco a construção de um reator nuclear quinta, o primeiro na Europa Ocidental desde 1991 eo primeiro no país por 30 anos. Partido Verde decide se retirar da coalizão de governo em protesto.

2003 Março / Abril - Centro de Anneli Jäätteenmäki do Partido Social-Democratas pouco derrotas Lipponen na eleição geral. Forma nova coalizão com social-democratas e Partido Popular Sueco.

Junho de 2003 - O primeiro-ministro renuncia Jäätteenmäki na linha de fuga. Matti Vanhanen toma posse como primeiro-ministro.

Março de 2004 - O ex-PM Anneli Jäätteenmäki absolvido das acusações de obter ilegalmente documentos secretos sobre a guerra do Iraque, enquanto ela era líder da oposição.

Janeiro de 2006 - Tarja Halonen reeleito para segundo mandato como presidente.

Maio de 2006 - Parlamento vota a favor da constituição da UE, a maneira de pavimentação para ratificação.

Março de 2007 - Centro de partido ganha eleições parlamentares por uma margem muito pequena e passa a governar em uma coalizão de centro-direita.

Novembro de 2007 - Um atirador de 18 anos mata sete crianças e um diretor de escola antes de se matar, chamando a atenção para as leis acomodando Finlândia armas.

Junho de 2008 - O Parlamento aprova Lisboa Tratado UE.

De setembro de 2008 - Um atirador de 22 anos de idade mata 11 pessoas - incluindo ele próprio - em um tiroteio em uma escola profissional, levando o governo a impor regras mais rigorosas para a posse de arma.

De dezembro de 2008 - O ex-presidente finlandês Martti Ahtisaari recebe Prêmio Nobel da Paz 2008.

2009 maio-maio - arranque data para OL3 reator nuclear adiada até 2012. O projeto também é cerca de US $ 2,4 bilhões de dólares (1,7 bilhão de euros) acima do orçamento.

2009 Dezembro - Cinco morrem em um tiroteio em um shopping center na cidade de Espoo.

Junho de 2010 - Matti Vanhanen renuncia como líder do partido e Centro de primeiro-ministro, e é sucedido por Mari Kiviniemi.

2010 Julho - Finlândia se torna primeiro país do mundo a dar a seus cidadãos o direito legal de internet banda larga.

2011 Abril - os conservadores do Partido Coalizão Nacional emergir como maior partido nas eleições parlamentares. Verdadeiros Finlandeses populistas romper a terceiros status na parte de trás do sentimento anti-UE.

2011 Maio - Parlamento aprova o pacote de resgate da UE de Portugal sobre a crise da dívida, permitindo que ele vá em frente.

2011 Junho - Coalizão Nacional líder do Partido Jyrki Katainen forma grande coalizão com seis outros partidos, excluindo os finlandeses Verdadeiros.

2012 Fevereiro - National candidato do Partido Coalizão e ex-ministro das Finanças Sauli Niinistö ganha a eleição presidencial, batendo facilmente o seu rival verde Pekka Haavisto. Ele é o primeiro presidente conservador desde 1956.

Fonte: news.bbc.co.uk

Finlândia

Verão é na estrada, e não é surpreendente que o desejo de ter um bom descanso e interessante para as crianças se aproxima. Certamente, há diferentes possibilidades de repouso durante o qual as crianças ganham força, as crianças acalma o sistema nervoso para baixo, o organismo se torna mais forte.

Mas, certamente, o melhor descanso para eles é descansar com os pais no exterior , especialmente para as crianças de menor idade que podem ver coisas novas e interessantes, descobrir um outro mundo e ser feliz, estar perto de fechar pessoas.

Nada pode ser comparado com um sorriso no rosto de uma criança feliz do que fazem os adultos felizes. E ainda não ponto menos importante. Pais inteligentes perfeitamente compreender que, para conseguir-se uma pessoa interessante, é necessário diversificar a / o seu tempo livre, de modo que quaisquer capacidades latentes desta criança pode ser desenvolvida, tanto quanto possível, e um deles é a atividade informativa que é alcançado por meio de viagem turística quando as crianças se familiarizar com novo mundo e romance mais de perto.

Na Finlândia não há nenhum lugar onde todo o resto da família com crianças não é thouroughly pensado mais. Turismo ativo inclui esportes ao ar livre, um dos tipos mais populares de descanso para crianças na Finlândia .

A segunda, não menos estendido, este diálogo das crianças com a natureza, com a fauna e com as aves. Quanto aos parques temáticos e centros de as crianças científicos, atrações e viagens sobre a água, os centros melhorando ... há muitos deles: são úteis, trazer o peso de impressões e conhecimentos para as crianças, desenvolvendo-as física e intelectualmente ... Cada férias local fornece com todas estas crianças de diferentes idades.

Vamos provar os exemplos ...

Muitos sabem heróis dos livros escritos pelo tipo autor finlandês Tove Jansson, traduzido em muitas línguas do mundo, incluindo música e filmes infantis baseados nesses livros etc.

Imaginem o prazer das crianças quando estes heróis fantásticos irá reviver e tornar-se nos mesmos parentes, levando uma vida normal entre madeira, no litoral, acessível e trazendo sensações sinceros para crianças.

Um dos melhores parques infantis de entretenimentos em Finlândia é o país do mumi-trolls. Este parque é um dos melhores parques temáticos do mundo para crianças, situado perto da cidade de Turku , na cidade resort de Naantali.

As crianças gostam muito isso aqui, eles chegam ao país fantástico - na ilha de aventuras e receber impressões tanto que vai por todos os meios lembram a viagem. Ladrões de madeira, piratas do mar, a escola do mar, caminhos de obstáculos, teatro alegre que é necessário visitar, Mumi-mail, de onde é possível mandar para casa um cartão pós alegre.

Da ilha de mumi-trolls é possível entrar na ilha Vjaski, e não o início aventuras na terra em que o navio apreendido por piratas esperar para crianças ...

O aquário «Sea Life» , na cidade de Helsinki anualmente recebe uma quantidade considerável de famílias com crianças

Viaje para o mundo do mar tropical e quente, e também o mar frio no norte. Aqui habitantes suas mar são apresentadas. As crianças olham, correndo de um para outro, sendo surpreendido e ser surpreendido por formas de habitantes, seus tamanhos e coloração ...

As crianças adoram o mundo subaquático e misteriosa, e aqui é difícil fazê-los sair. Centro Infantil da ciência "Eureka", que familiariza os jovens visitantes com muitas coisas da área de física, matemática, navegação, biologia, astronomia - tudo para seus filhos ... Olha, e você vai ser convencido, como é interessante não só para crianças, mas também para os adultos que com passatempo genuína tentam notícias tudo junto com as crianças.

O aquário de "Maretarium" na cidade de Kotka, perto da fronteira com a Rússia, é conhecido por muitos turistas que visitam a Finlândia.

Aqui as crianças podem passar o dia, eo tempo vai passar rapidamente. Acredite, eles serão gratos aos pais para esse prazer que recebi de excursão interessante em um aquário.

O parque aquático de "Serena" em Espoo é o maior parque aquático tropical na Finlândia . Colinas, cachoeiras, jacuzzi, saunas, piscinas, tubos ... - em todos os lugares de água, água, água, água quente se enfurece e quedas, envolve e se entrega, sobe e enfraquece ...

Parque nacional "Repovesi" sobre a cidade de Kouvol é uma excelente possibilidade de lazer produtivo para crianças e adultos.

Há também o parque mais finas crianças de atrações de "Tjukkimjaki" em que anualmente há algo novo. As crianças passam o dia todo aqui com prazer.

Fonte: www.gofinland.org

Finlândia

Finlândia é uma república independente desde 1917. O Presidente da República é o Chefe de Estado. O poder político é exercido pelo parlamento unicamaral, a Câmara dos Deputados, que conta com 200 membros.

A região autônoma do arquipélago de Alanda goza de uma situação especial uma vez que foi declarada zona desmilitarizada ao abrigo da Lei Internacional. A Finlândia conta atualmente com uma população de pouco mais de cinco milhões de habitantes.

A Finlândia é justamente conhecida como um país de florestas, as quais ocupam cerca de três quartos da superfície do país, que é de 338.000 quilómetros quadrados. Outras características da Finlândia são os seus muitos milhares de lagos e uma grande profusão de ilhas.

Os lagos e os cursos de água cobrem dez por cento do território nacional. O principal arquipélago situa-se junto à costa sudoeste, enquanto a principal região dos lagos, cujo núcleo é constituído pelo Lago Saimaa, se situa no Leste do país.

Geografia

A Finlândia situa-se no Norte da Europa a uma latitude entre os paralelos 60 e 70. Um quarto da sua superfície situa-se a norte do Círculo Polar Árctico. Os países vizinhos são a Suécia a oeste, a Noruega a norte, a Rússia a leste, e a Estónia, na margem sul do Golfo da Finlândia.

Grande parte do país é uma planície pouco acidentada assente num leito de rocha coberto de florestas boreais, de onde sobressai um rendilhado de colinas revestidas de árvores rodeando vastas extensões de água. A paisagem da região norte, a Lapónia finlandesa, é caracterizada pelos seus montes com uma forma arredondada.

Clima

O clima é caracterizado pelos seus invernos frios e verões quentes, mas as temperaturas no Inverno são moderadas pela influência do Mar Báltico e dos ventos de oeste que sopram do Atlântico aquecido pela Corrente do Golfo.

A temperatura média anual na capital, Helsínquia, é de 5,3 C. No Verão, a mais alta temperatura diurna no sul da Finlândia chega a atingir os 30 C. Durante os meses de Inverno, especialmente em Janeiro e em Fevereiro, temperaturas de 20 graus negativos não são raras.

No Norte, para além do Círculo Polar Árctico, não há pôr-do-sol durante 73 dias no Verão, fenômeno que dá origem ao sol da meia- noite. Nesta mesma região, durante o escuro Inverno, o sol permanece abaixo da linha do horizonte durante 51 dias, o que dá origem ao fenômeno da noite polar a que os finlandeses chamam, na sua língua, "kaamos".

O povo

A Finlândia conta com uma população de, aproximadamente, 5,200,000 habitantes. A densidade populacional é somente 17 habitantes por quilómetro quadrado, uma modesta relação. A maior parte da população, cerca de 65%, vive em centros urbanos, enquanto cerca de 35% continua vivendo em regiões rurais.

Helsínquia, a capital, conta com uma população de 551,000 habitantes, Espoo com 210,000 habitantes e Vantaa com 176,000 habitantes. Conjuntamente, estes três concelhos formam a área metropolitana de Helsínquia onde habita cerca de um sexto da população total do país.

O afluxo da população em direção ao distrito de Uusimaa, no extremo sul do país, começou nos anos pós-guerra e continua nos dias de hoje. Outras cidades importantes são Tampere, com uma população de 193,000 habitantes, Turku, com 172,000 habitantes e Oulu, com 118,000 habitantes.

Em 1998, havia um milhão e 1,5 mil famílias na Finlândia. De entre as famílias com progenitura a média era de 1,8 filhos por família, enquanto que ainda em 1960 a média era de 2,27. Igualmente em 1998, 2,3 milhões de cidadãos tinham o 12º ano de escolaridade, uma formação profissional, uma formação técnica ou um diploma universitário. Metade eram do sexo feminino.

Em 1998, 48% dos 2,5 milhões de trabalhadores eram mulheres. Apesar de muito se ter feito no sentido de eliminar a diferença de salários entre os dois sexos, ainda em 1997 o salário médio da mulher era apenas 81% do salário médio do homem.

Nas eleições legislativas de 1999 foram eleitas mulheres para 73 dos 200 lugares com que conta a Câmara dos Deputados (Eduskunta, em finlandês).

Regra geral na Finlândia, as mulheres sobrevivem aos homens: em 1998, a esperança de vida era de 81 anos para as mulheres e de 74 anos para os homens.

Não se sabe ainda ao certo de onde migraram os finlandeses, o que é, aliás, uma questão em aberto e algo controversa, nem se sabe quando começaram a povoar o território formado atualmente pela Finlândia, mas as mais recentes teorias afirmam que a presença finlandesa teve início 3.000 anos antes da era cristã.

Línguas

A língua finlandesa faz parte do grupo linguístico fino-úgrico, ou ugro-finês, um ramo do qual é constituído pelo finlandês, pelo estoniano e outras línguas menos faladas, enquanto o outro ramo é constituído pelo húngaro, a língua mais falada do grupo ugro-finês.

As línguas oficiais do país são o finlandês e o sueco. Esta última é a língua materna de 6% da população. Outra língua minoritária é o lapão. A posição oficial da língua sueca tem raízes históricas que assentam no período durante o qual o território finlandês fez parte do Reino da Suécia, do século XIII até 1809.

O número de cidadãos estrangeiros a residir na Finlândia foi de, aproximadamente, 85 mil em 1999. Os maiores grupos vieram dos países vizinhos, isto é, da Rússia, Estónia e Suécia.

Religião

Na Finlândia há completa liberdade de culto desde 1923. A Igreja Evangélico- Luterana é a principal instituição religiosa do país, com 89% da população baptizada segundo os ritos luteranos. A Igreja Ortodoxa Finlandesa conta com 1% da população como fiéis. Ambas as Igrejas são denominadas Igrejas do Estado.

Muito embora o cristianismo tenha muito provavelmente arribado à Finlândia ainda antes do fim do primeiro milénio, foi apenas no século XII que a Igreja Católica Romana se estabeleceu, após ações missionárias no sudoeste do país dirigidas pelo rei Erik da Suécia e pelo bispo inglês Henrique. A Igreja Ortodoxa foi introduzida no país a partir do Leste.

História

Algumas datas importantes na História da Finlândia:

1155 - Chegada dos primeiros missionários cristãos, vindos da Suécia. A Finlândia é anexada ao Reino da Suécia.

1809 - A Suécia cede a Finlândia à Rússia. O Czar da Rússia proclama a autonomia da Finlândia segundo o regime de Grão-Ducado, sendo ele o Grão- Duque, representado no país por um Governador-Geral.

1917 - A Finlândia proclama a sua independência da Rússia a 6 de Dezembro. O novo estado é reconhecido pela União Soviética, pela França, pela Alemanha e pela Suécia.

1919 - Aprovada a Constituição, ainda em vigor, segundo a qual a Finlândia é uma república tendo o Presidente como Chefe de Estado.

1939 - 40 Guerra de Inverno com a União Soviética.

1941 - 44 - As hostilidades entre a Finlândia e a União Soviética reacendem-se na campanha bélica que ficou para a História com o nome de Guerra de Continuação. A grande ofensiva das forças soviéticas no Verão de 1944 obrigam os finlandeses ao armistício. Parte do território nacional foi cedida à União Soviética mas a Finlândia conseguiu manter a sua independência e a sua soberania.

1955 A Finlândia torna-se membro da Organização das Nações Unidas.

1995 A Finlândia torna-se membro da União Europeia.

Governo

O Chefe de Estado é o Presidente da República, eleito por um período de seis anos e podendo ser eleito por dois mandatos consecutivos. As eleições presidenciais são por sufrágio direto e universal, havendo uma segunda volta se nenhum dos candidatos conseguir uma maioria absoluta na primeira volta.

O Governo deve ter a confiança do parlamento (Eduskunta, em finlandês), cujos 200 membros são eleitos por sufrágio direto e universal por um período de quatro anos. Após as eleições parlamentares, realizadas no passado dia 16 de Março de 2003, o Partido de Centro, obteve 55 assentos parlamentares; Partido Social-Democrata, 53; Partido da Coligação Nacional, 40; Aliança da Esquerda, 19; Partido dos Verdes, 14; Partido Popular Sueco, 8; União Cristã Finlandesa, 7; Partido dos Verdadeiros Finlandeses, 3 e a provincia de Åland, 1.  O novo Governo, formado em Junho de 2003, é liderado pelo Sr. Primeiro-ministro, Matti Vanhanen. O governo é composto pelo Partido do Centro, Partido Social-Democrata e Partido Popular Sueco.

Em Fevereiro de 2000, Tarja Halonen (Social Democrata) tornou-se na primeira mulher a ser eleita como Presidente da Finlândia. A anterior Ministra dos Negócios Estrangeiros venceu por 51,6 %dos votos o seu opositor na eleição Esko Aho, Presidente do Partido do Centro, que obteve 48,4 %.

Política Externa

Sendo um dos países escandinavos (nórdicos) e membro da União Europeia, a Finlândia venera os valores de liberdade, de democracia e dos direitos humanos.

A Finlândia não integra qualquer aliança militar e mantém uma capacidade independente de defesa nacional, mas é signatária do Acordo Parceria para a Paz com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e goza do estatuto de observador na União da Europa Ocidental (o embrião militar da União Europeia) e no Conselho de Cooperação do Atlântico Norte.

A cooperação no âmbito do Conselho dos Países Nórdicos cobre uma larga área de assuntos sociais, culturais e técnicos com interesse para os seus cinco membros: Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia. Após um longo período de envolvimento no processo da Integração Europeia, a Finlândia entregou em 1992 o seu pedido de adesão à Comunidade Econômica Europeia e, em 1995, tornou-se membro de pleno direito da União Europeia.

Após a sua adesão à Organização das Nações Unidas, em 1955, a Finlândia tem participado em muitas operações de manutenção da paz no âmbito daquela organização. A Finlândia considera que o Conselho de Segurança das Nações Unidas ou a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) deveriam continuar na sua missão de mandatários políticos no que se refere às operações de manutenção da paz internacional e de contenção de conflitos, para as quais a Finlândia poderia dar o seu contributo.

Devido aos cortes orçamentais nas despesas públicas do país a partir de 1990, a Finlândia viu-se obrigada a reduzir a sua contribuição para a cooperação para o desenvolvimento de 0,7% do PNB para 0,3%. Contudo, a Finlândia assumiu, política e publicamente, o compromisso de atingir o nível anterior de contribuições na primeira década do próximo século.

Imprensa

A Finlândia tem 56 jornais publicados 4 a 7 vezes por semana e 158 publicados 1 a 3 vezes por semana. A tiragem total de todos os jornais finlandeses é de 3,3 milhões de exemplares. Em termos de tiragem, proporcionalmente ao número de habitantes, a Finlândia ocupa o segundo lugar na Europa e o terceiro no mundo, após a Noruega e o Japão.

A maior parte dos jornais são adquiridos no regime de assinaturas e apenas uma pequena parte nas bancas. Existem apenas dois jornais que só podem ser adquiridos nas bancas. No país encontram-se registadas 2.600 publicações periódicas, com uma tiragem total de 18 milhões de exemplares.

Televisão e rádio

A Companhia de Radiodifusão Finlandesa, YLE, é a maior emissora de televisão e de rádio do país, sendo uma empresa pública de serviço público. A outra companhia de televisão que cobre o território nacional é a MTV3, uma empresa privada.

A YLE tem dois canais de televisão com cobertura de todo o território nacional, a YLE1 e a YLE2. A MTV3 tem um canal. Um novo canal de televisão privado, Ruutunelonen, começou em 1997. Programas televisivos da TV Sweden são transmitidos através do canal 4 da YLE.

Transmissões por satélite dos programas da YLE para toda a Europa começaram em 1997. A TV Finlândia é transmitida digitalmente através da Intelsat que também inclui dois canais da Rádio Finlândia.

Uns 40 canais de televisão estrangeiros podem ser vistos através da rede de televisão por cabo. Existem algumas 30 estações de televisão locais que transmitem por cabo e ondas de rádio programas, na sua maioria estrangeiros e nacionais, assim como material produzido localmente. A expansão da televisão local está a ser reduzida devido aos custos de produção dos programas.

A única emissora de rádio com cobertura de todo o território nacional é a companhia de Radiodifusão Finlandesa, que transmite em quatro canais nacionais, três em finlandês e um em sueco, assim como em vários canais regionais, um dos quais em lapão na Lapónia finlandesa.

Existem mais de 60 estações de rádio locais de carácter privado. Duas de entre elas, as estações de informação noticiosa e de música, a Nova e a Classic, cobrem mais de 60 % da população.

Educação

Todas as crianças frequentam obrigatoriamente a escola de ensino básico dos 7 aos 16 anos. Após esta idade, ou seja, após o nono ano de escolaridade o ensino é facultativo, o que significa a frequência do ensino secundário até à conclusão do 12º ano ou um curso de dois a cinco anos numa escola de formação profissional. Existem 21 universidades e institutos de ensino superior, com uma frequência de 135.000 estudantes, 52% dos quais são do sexo feminino.

Indústria e economia

No século passado, a Finlândia enveredou pela senda da industrialização através da exploração e do aproveitamento dos seus recursos florestais.

A floresta é ainda nos nossos dias a principal fonte de matéria-prima da Finlândia, embora as indústrias metalúrgica e de engenharia sejam desde longa data as principais atividades em termos de mais valia e de emprego.

Atualmente, a Finlândia é um exemplo típico de uma economia industrial avançada: dois terços dos seus rendimentos são gerados pelo setor de serviços.

A média dos rendimentos de um lar finlandês acerca-se da média da União Europeia, com, em números referentes a 2000, uma média PIB per capita de 25.500 euros (22.600 USD). O desemprego é atualmente o mais sério problema que sobrecarrega a economia do país.

Em 1990, a taxa de desemprego era de apenas 3,4% mas com o A Finlândia é uma república independente desde 1917. O Presidente da República é o Chefe de Estado. O poder político é exercido pelo parlamento unicamaral, a Câmara dos Deputados, que conta com 200 membros.

A região autônoma do arquipélago de Alanda goza de uma situação especial uma vez que foi declarada zona desmilitarizada ao abrigo da Lei Internacional. A Finlândia conta atualmente com uma população de pouco mais de cinco milhões de habitantes.

A Finlândia é justamente conhecida como um país de florestas, as quais ocupam cerca de três quartos da superfície do país, que é de 338.000 quilómetros quadrados. Outras características da Finlândia são os seus muitos milhares de lagos e uma grande profusão de ilhas.

Os lagos e os cursos de água cobrem dez por cento do território nacional. O principal arquipélago situa-se junto à costa sudoeste, enquanto a principal região dos lagos, cujo núcleo é constituído pelo Lago Saimaa, se situa no Leste do país.

Fonte: virtual.finland.fi

Finlândia

História

Os primeiros indícios da presença humana na Finlândia datam de 7200 A.C. Os finlandeses atuais descendem dos povos fino-úgricos que vieram da região do médio Volga no início da era cristã.

Em 1155, o rei da Suécia Erik, o Santo, e o bispo de Uppsala, Henrik iniciaram uma cruzada para cristianizar a Finlândia. Em 1323 a Suécia anexou algumas províncias da Finlândia. A Liga Hanseática e a União de Kalmar dos países nórdicos foram benéficas para a Finlândia.

Em 1556, o Rei Gustavo Vasa da Suécia designou seu filho Juhana como Duque da Finlândia, em 1581 a Finlândia foi transformada em um Grão Ducado e em 1634 foi totalmente incorporada no Reino da Suécia.

Após a Idade Média, o Rei Gustavo Vasa da Suécia rompeu com a Liga Hanseática que dominava o comércio na Europa. Rompeu também com a Igreja Católica adotando a religião protestante luterana. A partir do século 16, Finlândia, junto com a Suécia se envolveu em diversas guerras com a Rússia e os países bálticos.

A Suécia se tornou uma grande potência e reformou sua administração, desenvolvendo os governos das províncias, educação e comércio. A Universidade de Turku, capital da Finlândia na época, foi fundada em 1640.

O período após as guerras terminou numa grande fome e a Grande Guerra do Norte quando a Suécia perdeu sua posição de grande potência. A Rússia ocupou o sul da Finlândia em 1743. Após a guerra de 1808, o Czar Alexandre I da Rússia invadiu a Finlândia e em 1809, a Finlândia foi oficialmente cedida para a Rússia, mas continuou como um Grão Ducado semi autônomo. Tinha sua própria administração e economia, seus tribunais, seu correio e sua moeda, Helsinki tornou-se a nova capital.

No final do século 19, após a Primeira Guerra Mundial e a Revolução Socialista, as tentativas de aumentar o domínio russo encontraram resistência na Finlândia que declarou sua independência em 6 de dezembro de 1917.

Seguiu-se uma guerra civil entre os Brancos e Vermelhos que terminou em maio de 1918 com a vitória dos Brancos. A Finlândia tornou-se uma república com a constituição aprovada em 1919, em vigor até hoje.

No início da Segunda Guerra Mundial em 1939, a Rússia invadiu a Finlândia. Após a Guerra de Inverno, a Finlândia foi forçada a assinar um acordo de paz em 1940 cedendo uma parte do território. A Guerra de Continuação começou em 1941 e terminou em 1944, com um Tratado de Paz, a Finlândia perdeu uma parte da Carélia e Petsamo no Norte.

A Finlândia foi obrigada a pagar pesadas indenizações para a Rússia, o que causou enormes perdas econômicas para o país, porém os finlandeses conseguiram reerguer sua economia e hoje é um país altamente desenvolvido.

GEOGRAFIA

Finlândia fica no norte da Europa, limita-se a leste com a Rússia, ao Norte com a Noruega, a oeste com a Suécia e o Mar Báltico, Golfo de Bótnia, e ao Sul com o Mar Báltico, Golfo da Finlândia. Sua área é de 338.145 quilômetros quadrados, é o sexto maior país da Europa, os cinco maiores são a Rússia, França, Espanha, Suécia e Alemanha. A Finlândia é o segundo país mais ao norte do mundo, o primeiro é a Islândia.

A população da Finlândia é cerca de cinco milhões de habitantes. Sua capital é Helsinki, situada no sul do país, com cerca de 500 mil habitantes. Outras cidades importantes são Espoo com 196 mil habitantes, Tampere com 186 mil habitantes, Vantaa com 169 mil habitantes e Turku com 167 mil habitantes.

A Finlândia é um país bastante plano, com elevação média de 180 metros acima do nível do mar no sul do país. Na região norte, existem algumas elevações, chamadas Tunturi, com até 1328 metros no pico mais alto.

A Finlândia tem 188 mil lagos com mais de 500 metros quadrados, o maior deles é o Saimaa na região sudeste, 10% do território do país é coberto de água. A Finlândia tem poucos rios, o maior é o Kemi, outros rios importantes são o Vuoksi, Kokemäki e Oulu.

O litoral é cheio de ilhas, 179 mil ilhas com mais de 100 metros quadrados, entre elas o arquipélago de Ahvenanmaa no litoral sudoeste. Todo finlandês que mora na cidade tem uma casa de campo na beira de um lago ou do mar ou em uma ilha.

As florestas ocupam 69% da área do país e a agricultura ocupa 8% do território. As árvores mais comuns são o abeto, pinheiro e bétula. No sul são encontradas algumas outras árvores como avelã, faia, bordo, olmo e amieiro. Nas florestas são encontrados animais como o urso, lobo, alce, veado, lince, esquilos e aves diversas. As renas são encontradas na Lapônia, no norte do país, onde são criadas pelos Saame ou Lapões.

CLIMA

A região norte da Finlândia situa-se acima do Círculo Polar Ártico onde o clima varia entre temperaturas extremas de - 30 graus centígrados no inverno e + 27 graus centígrados no verão. No sul a temperatura varia de - 6 graus centígrados no inverno até + 30 graus centígrados no verão.

A Lapônia, região norte da Finlândia, tem 73 dias de sol constante, sem noite, durante o verão, é quando pode ser admirado o famoso Sol da Meia Noite. Em compensação, durante o inverno, a região tem 51 dias de noites constantes, quando o sol não aparece durante todo o dia. A região sul tem até 19 horas de sol durante o verão, a noite dura apenas 5 horas.

O verão dura cerca de 50 - 85 dias no norte do país e 110 -122 dias no sul. Durante o inverno, o país fica coberto de neve durante aproximadamente 5 meses no sul e até 7 meses no norte.

Durante o inverno o país fica coberto de neve, as árvores perdem as folhas, exceto as coníferas que continuam sempre verdes. Na primavera todas as folhas e flores brotam de repente em um belíssimo espetáculo de tulipas, lírios, narcisos e flores silvestres.

Devido a influência da Corrente do Golfo e da baixa altitude do país, a Finlândia pode suportar agricultura até a latitude acima de 60 graus, é a agricultura mais ao norte do mundo.

O verão é a estação dos frutos silvestres. A Finlândia tem uma grande quantidade de pequenos arbustos com frutas muito apreciadas como a vadelma (framboesa), mustikka (arando), puolukka (airela), lakka (amora dos pântanos), mesimarja (framboesa ártica) e muitas outras.

No outono as folhas das árvores ficam amareladas e depois mudam para vermelho e marrom antes de cair, também é um espetáculo digno de ser apreciado. O outono também é a estação dos cogumelos, todos saem com cestos para as florestas para colher cogumelos que serão consumidos em sopas, saladas e fritadas.

ECONOMIA

A economia da Finlândia é em parte socialista e em parte capitalista, é um país altamente desenvolvido. Os produtos industrializados representam um quarto da economia, comércio e finanças também representam outro quarto.

A agricultura não é muito significativa, as terras cultiváveis são poucas, situadas no sul do país. As culturas principais são os cereais, cevada, centeio, trigo, aveia.

Outros produtos agrícolas são beterraba de açúcar, canola, morangos e groselhas. Os principais animais criados na Finlândia são gado bovino e suínos. As florestas, especialmente as coníferas, são a grande riqueza da Finlândia. O país fabrica e exporta papel e celulose, casas pré-fabricadas, tábuas, madeira compensada e aglomerada e móveis de madeira.

A Finlândia explora diversos minerais estratégicos como o ferro, cromita, ilmenita (para titânio), zinco, cobre, níquel, cobalto, molibdênio, vanádio, mercúrio, prata e ouro. Outros minerais são a pedra calcária, pirita, talco, quartzo, cal e fosfatos.

O único combustível natural encontrado na Finlândia é a turfa. O país depende do petróleo importado. Um quarto da energia elétrica da Finlândia é produzida em usinas termoelétricas, um terço em usinas hidroelétricas e o restante em usinas nucleares.

A indústria está bem desenvolvida, a Finlândia fabrica e exporta derivados de petróleo, máquinas de construção, máquinas para indústria madeireira e indústria de papel e celulose, navios quebra gelo, cargueiros e de passageiros, locomotivas, aparelhos eletrônicos e controles computadorizados para automação industrial.

A natureza, esportes de inverno e pescaria, nos inúmeros lagos, atraem os turistas estrangeiros, principalmente dos países escandinavos e da Alemanha.

No Brasil já podemos encontrar produtos de origem finlandesa como os telefones celulares NOKIA, elevadores KONE, válvulas NELES para indústria petroquímica, tratores VALMET, equipamentos para papel e celulose REPOLA, tecnologia OUTOKUMPU para indústria de mineração, consultoria JAAKKO PÖYRY para projetos de engenharia, motores WÄRTSILA e outros produtos. Existem aproximadamente 100 firmas finlandesas com fábrica ou escritório de representação comercial no Brasil.

Nas lojas do Rio de Janeiro, São Paulo e até em Penedo já podemos encontrar os talheres, facas de cozinha e tesouras das marcas HACKMAN E FISKARS, copos, vasos e outros produtos de vidro das marcas IITTALA E NUUTAJÄRVI, guardanapos MARIMEKKO, chocolate FAZER, vodka FINLANDIA e outros produtos importados da Finlândia.

RELIGIÃO

Cerca de 90 por cento da população pertence à Igreja Evangélica Luterana, igreja oficial do estado. Pouco mais de 1 por cento da população pertence à Igreja Ortodoxa, o restante da população não tem religião ou pertence à pequenas seitas. O país tem liberdade de culto.

O cristianismo foi introduzido na Finlândia no século 12, com a Primeira Cruzada do rei da Suécia, Erik o Santo, acompanhado do Bispo de Uppsala, Henrik de origem inglesa, que iniciou a introdução da Igreja Católica na Finlândia. O Bispo Henrik foi martirizado em 1157 e adotado como Santo Padroeiro da Finlândia.

A Finlândia também sofreu influência da Igreja Ortodoxa Bizantina da Rússia, as duas igrejas brigaram durante 200 anos com a vitória da Igreja Católica. No entanto alguns povos da Carélia, região leste do país, permaneceram na Igreja Ortodoxa.

Quando o luteranismo foi adotado pela Suécia, foi introduzido também na Finlândia e declarado religião oficial do país em 1593. O grande reformista finlandês foi Mikael Agricola que estudou em Wittemberg, na Alemanha, onde Martin Luther era professor.

Agricola foi o primeiro bispo luterano da cidade de Turku e escreveu diversos tratados religiosos, inclusive a tradução do Novo Testamento para o idioma finlandês em 1548, dando origem à escrita finlandesa, antes o idioma era apenas falado, a língua escrita oficial do país era o sueco.

O Presidente da República é a autoridade suprema da Igreja Luterana que é administrada pela Assembléia Episcopal composta de 39 membros. Os pastores das Igrejas são funcionários públicos. Os pastores podem se casar e também não existe discriminação sexual na Igreja da Finlândia, existem pastores do sexo feminino.

A Igreja Ortodoxa está submetida ao Patriarca Ecumênico de Constantinopla.

Existem alguns católicos no país e a Finlândia tem um representante diplomático no Vaticano.

Fonte: www.penedo.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal