Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Sílaba  Voltar

Sílaba

 

Sílaba - O que é

Silaba é um grupo de fonemas pronunciados numa só expiração.

As sílabas são a reunião de fonemas em uma só emissão de voz.

Quanto à classificação das palavras quanto ao número de sílabas:

Monossílaba: 1 sílaba,

Dissílaba: 2 sílabas,

Trissílaba: 3 sílabas,

Polissílaba: 4 ou mais sílabas.

Em português, as sílabas são sempre centradas numa vogal. Assim, para saber o nº de sílabas de uma palavra, basta verificar o número de vogais existentes nessa palavra. Cuidado com as letras i e u que tanto pode representar vogais como semivogais.

OBS: não há sílaba sem vogal. Na língua portuguesa, a vogal é base da sílaba.

Em cada sílaba há uma e apenas uma vogal.

As sílabas formam os vocábulos.

Os vocábulos, de acordo com o número de sílabas que os compõe, podem ser:

a) monossílabos

Formados por apenas uma sílaba.

Exemplo: meu, é, bem, do, lá.

b) dissílabos

Formados por duas sílabas.

Exemplo: alto, andar, vive.

c) trissílabos

Formados por três sílabas.

Exemplo: calçada, preciso.

d) polissílabos

Formados por mais de três sílabas.

Exemplo: devagarinho, miraculosamente.

Sílaba - Fonemas

Sílaba é o conjunto de um ou mais fonemas pronunciados numa única emissão de voz.

Na língua portuguesa, o núcleo da sílaba é sempre uma vogal: não existe sílaba sem vogal e nunca há mais do que uma única vogal em cada sílaba.

Atenção com as letras i e u (mais raramente com as letras e e o), pois elas podem representar também semivogais, que não são nunca núcleos de sílaba em português. Uma sílaba pode ser átona, postônica, pretônica ou tônica.

Sílaba tônica

Na gramática, as palavras podem ser classificadas segundo a posição da sílaba tônica. Assim, elas são agudas, graves ou esdrúxulas. Em alternativa, podem ser chamadas oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas, respectivamente.

É a sílaba que recebe o acento tônico.

É oportuno lembrar que existem algumas palavras que não têm sílaba tônica, constituindo o grupo das palavras átonas.

São elas:

Os artigos: o. a os, as, um uma, uns, umas;

os pronomes oblíquos átonos: me, te, se, nos, vos, o, a, os, as, lhe, lhes;

os pronomes relativos: que, quem, qual;

as proposições monossilábicas: a, com, de, em, por, sem, sob;

a proposição "para";

Algumas conjunções: e, nem, ou, porque, se, que, como;

Quaisquer combinações dessas classes: do (de+o), duma (do+uma), pelos (por+os); lha (lhe+a), no-lo (nos+o) etc.

Acento Tônico

Quase toda palavra possui uma sílaba que é mais forte — a sílaba tônica — a qual recebe um impulso de voz maior do que despendemos com as outras sílabas.

Esse impulso de voz a mais que concentramos na sílaba tônica é o que chamamos de acento tônico.

Vogal Tônica

É a vogal da sílaba tônica.

Há palavras que, conforme deslocarmos a sílaba tônica, mudam o significado: SÁ-bia (inteligente), sa-Bi-a (verbo "saber"), sa-bi-Á (pássaro).

Acento Gráfico

É o sinal (´) ou (^) que indica, por escrito, a posição da sílaba tônica. Não se confunda acento gráfico (grafado) com acento tônico (pronunciado). Assim, nas palavras azul e esquecido existe acento tônico, mas não existe acento gráfico; já na palavra esplêndido existem acento tônico e acento gráfico.

Modernamente, o acento grave (`) é empregado apenas para indicar o fenômeno da crase.

Sílaba Subtônica

É a primitiva sílaba tônica dos vocábulos que recebem o sufixo -mente ou tem sufixo introduzido pela letra Z (-zinho, -zito, -zal, -zeiro etc.).

a m a r g a + m e n t e = a m a r g a m e n t e

Ý Ý Ý

Classificação das Palavras Segundo a Posição da Sílaba Tônica

A sílaba tônica só pode ser a antepenúltima, a penúltima ou a última.

Se a sílaba tônica for a antepenúltima, a palavra se chamará PROPAROXÍTONA: esplêndido, dico, árvore, lâmpada, íamos, ssemos.

Se a sílaba tônica for a penúltima, a palavra se chamará PAROXÍTONA: esquecido, somente, cafezinho, janela, cil, órgão.

É costume entre gramáticas classificar as PAROXÍTONAS terminadas por ditongo crescente também como PROPAROXÍTONAS RELATIVAS ou EVENTUAIS, porque tal ditongo pode ser pronunciado separadamente (di-vór-ci-o, tê-nu-e, O-Ií-vi-a), embora não possa ser separado graficamente (di-vór-cio), tê-nue, O-lí-via).

Se a sílaba tônica for a última, a palavra se chamará OXÍTONA: azul, jaca, português, veloz, Juvenal, desesperação.

A Posição da Sílaba Tônica

A classificação do vocábulo quanto à posição da sílaba tônica é uma noção dispensável, desnecessária neste novo método, onde até as regras podem ser postas de lado, no aprendizado eficiente da acentuação.  No método tradicional, no entanto, essa noção é importante.  Então por que não explicá-la ao estudante, em vez de apenas pedir que aceite e decore nomenclatura?

Enquanto a noção de classificação quanto ao número de sílaba é seguida de uma nomenclatura auto-explicativa, a da classificação quanto à posição da sílaba tônica tem uma nomenclatura complexa.  É fácil associar di a duas (dissílabo), tri a três (trissílabo) e poli a muitas (polissílabo).  Agora, por que paroxítono, por que átono?

Para efeito de classificação quanto à sílaba tônica, consideramos as sílabas de trás para a frente.  O vocábulo Anápolis, por exemplo, não é acentuado na segunda sílaba; mas sim, na  antepenúltima.

Explicar ao estudante que oxi significa extremidade; para significa quase, próximo; e pro quer dizer antes. 

O elemento mórfico ton- quer dizer tonicidade.  Gambá tem a sílaba tônica (tom) no final, na extremidade (oxi).

Lápis tem sílaba tônica (tom) próxima (par-) à extremidade (oxi): paroxítona. 

Lâmpada; sílaba tônica (tom) antes (pro) daquela próxima (par-) à extremidade (oxi): proparoxítono. 

Do: sem (a) tonicidade (tom): átono.

Sílabas

Na maioria dos casos, os falantes não encontram dificuldades para segmentar o discurso em sílabas, pois há várias situações de uso da língua em que a consciência da sílaba é exigida. Isso ocorre, por exemplo, quando o falante emite o discurso em pequenos segmentos para enfatizar a mensagem ou para discriminar melhor sua pronúncia.

De-va-gar

Cal-ma

Ne-ga-ti-vo

No discurso escrito, as palavras podem ser segmentadas para acomodar melhor o texto no final da linha tipográfica. Esse processo, conhecido como hifenização, segmenta as palavras preservando as sílabas. Quando segmentamos o discurso em sílabas percebemos as dificuldades que envolvem uma definição rigorosa dessa unidade formal. São dificuldades semelhantes s encontradas na definição de palavra. Vejamos, na seqüência, características relevantes das sílabas.

Vamos começar pelas características básicas para, em seguida, aprofundar a análise. A sílaba resulta da segmentação do discurso em nível fonológico, portanto não é unidade significativa. A sílaba se compõe de um número reduzido de fonemas, que varia geralmente entre um e cinco. As sílabas com vogal são a quase totalidade e, nesse caso, só uma vogal está presente.

Pronunciabilidade

A sílaba é pronunciável. Observe a segmentação a seguir:

P-r-a-g-a.

Neste caso, não temos uma segmentação em sílabas porque alguns segmentos não podem ser pronunciados isoladamente como /p/ ou /g/.

Unidade mínima livre de pronúncia

Os fonemas são as unidades mínimas da fonologia e não admitem segmentação, tanto que não existe nível de análise do discurso inferior ao de fonema. Já a sílaba pode ser formada por mais de um fonema. É divisível, portanto. A sílaba é uma unidade formal, mas em outro sentido.

Considere a série de sílabas a seguir:

/pá/, /pé/, /pi/, /pó/, /pu/.

Se desmembrarmos as sílabas apresentadas em segmentos menores, certamente poderemos pronunciar alguns desses segmentos como:

/á/, /é/, /i/, /ó/, /u/.

No entanto, não será possível pronunciar isoladamente o fonema /p/. Os segmentos da série são mínimos no aspecto da pronúncia, no sentido de que um desmembramento adicional gera segmentos impronunciáveis.

Considere outra série de sílabas:

/fã/, /vá/, /sé/

Neste caso, é possível desmembrar as sílabas em segmentos menores, todos pronunciáveis. É possível pronunciar isoladamente /f/, /v/, /s/, /ã/, /á/ e /é/. No entanto, praticamente não encontramos situações em que /f/, /v/ e /s/ ocorrem em condição de independência. A ocorrência desses fonemas é condicionada à presença simultânea de outros fonemas adjacentes.

Em outras palavras: são ocorrências presas. O desmembramento das sílabas desta série em segmentos menores gera itens pronunciáveis, mas nem todos são formas livres.

Para ser caracterizado como sílaba o segmento deve ser livre e mínimo do ponto de vista da pronúncia.

Todo fonema pertence a uma sílaba.

A divisão silábica deve ser feita de tal maneira que todos os fonemas do discurso pertençam a uma sílaba.

Veja o exemplo:

P-ra-to.

A segmentação gerou as sílabas /Rá/ e /tô/ que ocorrem comumente em língua portuguesa. No entanto, deixou o fonema /p/ isolado, logo a divisão silábica falhou.

O correto, neste caso, é a divisão:

Pra-to

Fonemas agrupados em torno de vogal

Há casos raros de sílabas sem vogal como, por exemplo:

Pst

No entanto, a quase totalidade das sílabas apresenta uma e só uma vogal. Podemos dizer que a vogal é a base da sílaba. Essa característica está ligada à pronunciabilidade. É a vogal que dá suporte à realização dos outros fonemas da sílaba. É como se os demais fonemas se apoiassem na vogal para serem pronunciáveis.

Alguns foneticistas propõem que nos casos raros em que a sílaba não apresenta vogal, há uma consoante desempenhando a função de vogal, ou seja, viabilizando a pronúncia dos demais fonemas da sílaba.

A sílaba admite apenas uma vogal. Quando uma sílaba apresenta dois fonemas com características de vogal, só um será emitido com qualidade vocálica plena. Os outros serão emitidos de forma diferenciada e classificados como semivogais. A semivogal é uma emissão vocálica minimizada, digamos, pela presença de uma vogal adjacente.

Unidade de emissão do aparelho fonador

Alguns foneticistas propõem que a sílaba é a unidade de emissão do aparelho fonador. Ao que tudo indica, existe correspondência entre os movimentos musculares do aparelho fonador e a emissão de sílabas. Nesse sentido, a sílaba é a unidade fisiológica de pronúncia. O que caracteriza a sílaba na abordagem fisiológica é a emissão de um conjunto de fonemas em um único movimento expiratório do aparelho fonador.

Propriedades da sílaba

A divisão silábica pode ser o elemento diferencial entre duas palavras, como no caso a seguir:

Ele sabia de tudo.

Canto do sabiá.

A principal diferença entre as palavras em negrito está na divisão silábica. Na palavra /sá-'bya/ temos duas sílabas e na palavra /sá-bi-'á/ temos três. Na palavra de duas sílabas, a vogal /i/ se reduziu a semivogal, em função de estar na mesma sílaba que /á/.

Analisando as possibilidades de organização das sílabas da língua portuguesa chegamos ao seguinte quadro:

Fonemas Arranjo * Exemplos
1 V a-brir, é-po-ca, i-dé-ia.
2 CV , ca-pa, te-le-fo-ne.
SV Ia-te, ie-man-já.
VC Ir, es-ta, ab-di-car.
VS Ei-xo, bu-ei-ro, au-to-mó-vel.
3 CCV Pra-ga, tro-te, cra-te-ra.
CSV ín-dio, có-pia.
CVC Foz, cor-tês, des-cur-var.
CVS Vai, réu, cau-ção.
SVS Uai.
VCC Abs-tra-to.
VSC Eis.
4
CCVC Gris, tris-te.
CCVS Um-bral, plau-sí-vel, gnai-sse.
CSVS En-xa-güei.
CVCC Fê-nix.
CVSC Meus, nor-mais.
5
CCVSC Sub-trais, com-prais.
CSVSC I-guais.

C=Consoante S=Semivogal V=Vogal.

Outras combinações são possíveis, mas raras em nosso idioma. A palavra script (s-cript), por exemplo, apresenta sílaba com a combinação CCVCC.

Sílabas com consoantes são bastante raras em nossa língua.

São exemplos:

S-tress

S-cript

Algumas combinações com número alto de fonemas admitem pronúncias variantes em que a sílaba é dividida em duas como a seguir:

en-xa-güei ou en-xa-gü-ei.

A análise das combinações de fonemas em sílabas nos permite algumas conclusões:

A vogal é a base da sílaba. Em torno dela gravitam semivogais e consoantes.
As semivogais se ligam diretamente a uma vogal, antes ou depois desta.
A consoante pode ocorrer adjacente a outra consoante, mas não há sílabas com três consoantes seguidas.
A consoante se liga a outra consoante, a uma semivogal ou à vogal.

A partir das regras anteriores de formação de sílabas podemos chegar a um modelo geral para a composição da sílaba:

(C)(C)(S)V(S)(C)(C)

Veja exemplos de aplicação do modelo

  (C) (C) (S) V (S) (C) (C)  
        a   b   dicar
bu       e i     ro
  p r   a       ga
    c   o   r   tês
        a   b s trato
  t r   i   s   te
  p l   a u     sível
enxa   g ü e i      
nor   m   a i s    
com p r   a i s    
s c r   i   p t  

Fonte: www.literaturabrasileira.net/www.radames.manosso.nom.br/br.geocities.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal