Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  França  Voltar

França

 

O nome da França vem de um povo germânico, os Franks, comprovados a partir do terceiro século na borda inferior do direito Reno. O rei Clóvis e seu filho, conquistaram no período entre 481 e 535, quase toda a província romana da antiga Gália, e mais além, isto é uma grande parte do território da atual França.

O nome da França foi usado oficialmente apenas a partir de 1190, aproximadamente, quando a chancelaria do rei Filipe Augusto começou a usar o termo rex Franciæ (rei da França) em vez de rex Francorum ( Rei dos Francos) para designar o soberano, a palavra já foi usada para designar uma área mais ou menos bem definido, como visto de ler a Chanson de Roland , escrito um século antes.

O termo "França" segue a " Francia ocidental ", formalizada no Tratado de Verdun em 843 para designar a parte ocidental do Império Carolíngio, após a sua morte.

França

Em junho de 1205, o território foi designado na Carta como Franciæ regnum, isto é, o reino de França.

A ocupação humana do território correspondente hoje à França é muito antiga. Grupos apareceram desde o Paleolítico e Neolítico e foram adicionados até o primeiro milênio, ondas sucessivas de solução composta de Celtas, do germânico povos francos, visigodos, alamanos, ostrogodos e burgúndios.

No início do segundo milênio, é a monarquia Capetian que construiu a unidade territorial do reino da França.

17 de junho de 1789 é a primeira unidade política criandoo povo francês. Este foi o nascimento do Estado. O período contemporâneo é marcado por esforços de unificação, enriquecimento linguístico e cultural em todo o país e de imigração da Europa, mas também na África e na Ásia.

História

Ferramentas de pedra indicam que o homem primitivo estava presente na França pelo menos 1,57 milhões de anos atrás.

Os primeiros humanos modernos surgiram na área a 40 mil anos atrás. Os primeiros registros escritos para a História da França aparecem na Idade do Ferro.

O que hoje é a França fez-se a maior parte da região conhecida pelos romanos como Gália.

Os escritores romanos notaram a presença de três principais grupos etno-linguísticos na área: o gauleses, o Aquitani, eo Belgae.

Ao longo do primeiro milênio aC, os gregos, romanos e cartagineses foram as colônias estabelecidas no Mediterrâneo, costa e nas ilhas.

A República Romana anexo sul da Gália como a província de narbonensis Gallia no BC século 2, e as forças romanas sob Júlio César conquistaram o resto da Gália durante as Guerras da Gália de 58-51 aC.

França

Depois que a cultura galo-romana surgiu a Gália ficou cada vez mais integrado no Império Romano.

Nos estágios mais avançados do Império Romano, a Gália foi alvo de bárbaros ataques e migração, o mais importante pelos germânicos Franks.

O rei franco Clóvis I uniu a maioria da Gália sob seu governo no final do século 5, preparando o palco para o domínio franco na região há centenas de anos.

O poder franco atingiu sua máxima extensão sob Carlos Magno. O medieval Reino da França emergiu da parte ocidental de Carlos Magno Império Carolíngio, conhecido como Francia ocidental, e alcançou proeminência crescente sob o domínio da Câmara dos Capeto, fundada por Hugo Capeto em 987.

A sucessão de crises após a morte do monarca Capetian última em 1337 levou a uma série de conflitos conhecidos como Guerra dos Cem Anos entre a Casa de Valois e da Câmara dos Plantagenet.

As guerras terminaram com uma vitória Valois em 1453, consolidando o poder do Antigo Regime como altamente centralizado monarquia absoluta.

Durante os séculos seguintes, a França experimentou o Renascimento ea Reforma Protestante, bem como os recorrentes conflitos religiosos e guerras com outros poderes. O crescente império colonial foi estabelecido a partir do século 16.

No final do século 18 as instituições da monarquia e associados foram derrubados na Revolução Francesa, e mudaram para sempre a história da França e do mundo.

O país foi governado por um período como uma República, até o Império francês foi declarado por Napoleão Bonaparte.

Após a derrota de Napoleão na Guerras Napoleônicas a França passou por várias mudanças de regime, e foi governada como uma monarquia, depois brevemente como uma Segunda República, e depois como Segundo Império, até um mais duradouro que foi a Terceira República Francesa foi criada em 1870.

França foi um dos Tríplice poderes na I Guerra Mundial, lutando ao lado do Reino Unido, Rússia e seus aliados contra os poderes centrais.

França foi uma das Potências Aliadas na Segunda Guerra Mundial, mas foi conquistada pela Alemanha nazista em 1940.

A Terceira República foi desmontada, e a maior parte do país foi controlado diretamente pelos Poderes do Eixo, enquanto o sul foi controlada pelo colaboracionista governo de Vichy.

Após a libertação, em 1944, uma Quarta República foi estabelecida.

Esta República foi sucedido em 1958 pelo Quinta República francesa.

Depois da guerra, a descolonização viu a maior parte do império colonial francês tornar-se independente, enquanto outras partes foram incorporados ao Estado francês como departamentos ultramarinos e coletividades.

Desde a Segunda Guerra Mundial a França tem sido um dos principais membros da ONU, a União Europeia e NATO, e continua a ser uma forte influência econômica, cultural, militar e política no século 21.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

França

LUXO DA IMAGINAÇÃO

A magia do passado, a maravilha do futuro e a vitalidade do presente convivem amplamente num só lugar: França.

É possível que essa harmonia, que mantém unidas a cidades ancestrais com espaços que se movem no mais avançado desenvolvimento tecnológico, seja produto de um caráter que identifica ao francês: o daqueles que são capazes de subtrair-se à realidade, sem perde-la de vista; porque finalmente, o que faz a França um lugar de sonho não são suas belas paisagens, suas modernas cidades ou seus avanços científicos, senão essa capacidade de seus habitantes para ver além do que outros olham, de sentir a vida em sua esplêndida ilusão e extraviar-se nos deleites que ela brinda, sem a vertigem que produz tirar os pés da terra.

Para conhecer França há que observar seus homens e mulheres como assombrosos atores num grande cenário, levando a cabo uma plácida obra de harmonia ao elaborar seus vinhos, seus perfumes, seus tecidos, ao sair a rua e misturar-se com todos sem perder sua individualidade, ao subir suas montanhas ou repousar em suas praias.

É uma obra que não termina, que continua dia a dia e que, no gigantesco cenário da humanidade, têm atraído a um grande público que, hipnotizado, aplaude frenético aos franceses sem compreender que para eles essa é a vida.

França é um país mimético. Para seus nativos, tanto como para seus visitantes, esta terra é o que se quer ver nela, assim, livremente, sem restrições nem espaços proibidos. Em seus rincões é possível viver a ilusão palaciana ou a simplicidade campesina. Possível é, também, viver o sonho cosmopolita e de vanguarda ou remontar-se à magia das lendas mais remotas.

Extraviar-se no interior é simplesmente, delicioso e placentero, com a adicional garantia da segurança que brinda a relativa possibilidade de regressar rapidamente ao presente, embora não todos decidem retornar.

Uma viagem por estas terras, um roce com suas gentes e suas obras vivas é um aventurado risco para o viajante pois existe a possibilidade de que ao retornar, "o presente seja diferente de como seria antes de descobrir a França".

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Os cidadãos de países membros da Comunidade Européia só requerem do Documento Nacional de Identidade para transitar por território francês durante uma estadia inferior a três meses. Os procedentes de outros países (segundo seja a procedência) deverão estar de posse de um passaporte e de um visto emitido pelo consulado francês em seu país de origem. A lei francesa exige que o turista traga consigo permanentemente sua documentação.

Os cidadãos não comunitários podem introduzir 300 cigarros ou 75 charutos ou 400 gr. de tabaco, 1 1/2 litros de bebidas alcoólicas, 5 litros de vinho, 50 ml. de perfume e 250 ml. de colônia. Os animais como cachorros e gatos podem ser admitidos se contam com um certificado de vacinação e têm mais de seis meses de idade.

CLIMA

O clima está claramente marcado por dos temporadas: inverno e verão.

No inverno as temperaturas são baixas em todas as regiões, embora não costumam descender baixo zero, excetuando a zona dos Alpes e os Pirineos. No verão a temperatura atinge os 27 graus centígrados na maior parte do território.

A zona de Provença é entre 3 e 5 graus centígrados mais quente em relação a Paris. Os melhores meses para conhecer França são junho, quando o clima quente começa a invadir mas ainda não é muito quente e setembro, que conserva o encanto do verão sem as sufocantes temperaturas. A primaveira se instala em França em maio, mais que em abril. A temporada de esqui nos Alpes e Pirineos começa em dezembro e finaliza em abril.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

É conveniente levar pouco equipamento para poder transladar-se com facilidade e aproveitar os econômicos e rápidos transportes públicos. A veste dependerá da temporada do ano em que visite o país. No verão a roupa ligeira de algodão se impõe, embora sempre é necessário levar um guarda-chuva para a zona de Paris.

Na temporada de inverno, para o norte, centro e leste, se requerem prendas quentes, jérsei, abrigo, luvas e meias grossas. Na zona mediterrânea faz menos frio, embora é bom ir preparado com roupa de meia-estação. A roupa casual é bem aceitada em quase todos os lugares, exceto nos restaurantes formais, teatros ou quando se aceita a convite para visitar a uma família francesa.

IDIOMA

A língua oficial é o francês. Porém, existem diferentes sotaques caraterísticos das diversas regiões que compõe França. grande parte dos habitantes falam ou conhecem outro idioma, embora apreciam bastante que os turistas façam um esforço para falar em francês.

Em algumas regiões a língua local tem-se mantido com força, de tal maneira que têm adquirido valor oficial e se usam os dos idiomas, tal é o caso de Bretanha ou do País Vasco francês.

RELIGIÃO

França é um país de tradição católica. Foi o primeiro em decretar a liberdade de culto e os habitantes costumam ser muito tolerantes com as manifestações de outras crenças. Atualmente há uma importante minoria muçulmana, judia e protestante, assim como uma grande quantidade de ateus.

ELETRICIDADE

A tensão elétrica é 220 volts a 50 Hz. Alguns hotéis muito antigos utilizam ainda a tensão de 110 volts.

MOEDA E CÂMBIO

No dia 1 de Janeiro do ano 2002, o Euro converteu-se na moeda de curso oficial e comunitária de doze Países da Europa:Espanha, Alemanha, Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Portugal. As notas são iguais para os doze Países e distinguem-se entre si pela sua cor e tamanho.

Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

Estas notas têm incorporados elementos de segurança avançados, os quais permitem, fácilmente, comprovar a sua veracidade, como uma marca de água, um holograma, uma linha de segurança, tinta de cor variável, impressão em relevo e uma banda iridescente que brilha e muda ligeiramente de cor sob uma luz intensa.

Além disso, puseram-se em circulação oito moedas que têm uma face comúm e uma face nacional, desenhada por cada País. Todas as moedas se consideram válidas nos doze Países da zona do euro. Há moedas de 2 euros,  1 euro, de 50 cêntimos,  20 cêntimos,  10 cêntimos, 5 cêntimos, 2 cêntimos e 1 cêntimo. Cada uma delas com um diâmetro, peso, cor, composição e espessura diferente para uma mais fácil identificação.

O cambio de divisas é fácil pois França conta com um magnifico suporte bancário. As cartãos de crédito internacionais mais conhecidas são amplamente aceitadas nos estabelecimentos comerciais e hotéis das zonas urbanas, igualmente que os cheques de viaje, embora sempre se cobra uma comissão pelo cambio.

Os bancos urbanos abrem geralmente de segunda-feira a sexta-feira das 9 da manhã às 4:30 da tarde, embora alguns fecham para comer durante uma hora ao meio dia. Para fazer qualquer transação lhe pediram seu passaporte. Nas pequenas vilas é possível que somente possa utilizar efetivo, vá preparado.

CORREIOS E TELEFONIA

O serviço postal francês é rápido, eficiente e seguro. Em seus escritórios, que abrem de 8 a 19 horas de segunda-feira a sexta-feira e media jornada os sábados, poderá conseguir selos, enviar paquetes, comprar cartãos telefônicas, consultar os diretórios e enviar ou receber giros postais. O escritório central de Paris abre as 24 horas do dia para telefones e telégrafos.

O serviço de telefone é magnífico. Há grande quantidade de cabinas em todas as zonas que funcionam com moedas ou bem, com cartãos telefônicas (recentemente a maioria dos telefones públicos funcionam seu com cartãos). As tarifas noturnas e de fim de semana são mais econômicas que as diurnas. Desde França é possível comunicar-se a qualquer lugar do mundo. Para chamar a França há que marcar 00-33, seguido do prefixo da cidade e do número de assinante.

Desde 1996 os números de telefones franceses têm variado. Em lugar de ter oito cifras têm nove dígitos, a exceção de Paris e sua região que não têm sofrido modificações.

FOTOGRAFIA

As paisagens naturais e humanos da França fazem quase uma exigência o fazer uso da fotografia para guardá-los na memória. Em todo o país é fatível encontrar lojas de artigos fotográficos e revelado. É recomendável levar os rolos de filme em lugar seco e escuro para que não se deteriorem.

Um bom filtro solar lhe permitirá captar muitas das imagens com maior nitidez, especialmente se viaja em verão. Para evitar o deterioro do material fotográfico evite passar com ele pelos raios X das alfândegas e aeroportos mais de 5 vezes.

HORÁRIO COMERCIAL

Os grandes armazéns das cidades abrem das 9 ou 9:30 h até as 18 ou 19:00 h Os estabelecimentos pequenos costumam abrir mais cedo, às 8:00 h e fechar até as 20:00 h. Contudo fazem uma pausa para a refeição entre as 13 e 16:00 h. Alguns comércios de imigrantes abrem até as 22:00 h. Durante o verão, alguns lugares fecham pelas tardes.

GORJETAS

É costume deixar gorjeta quase a todos os serviços que se contrate, exceto quando exista alguma disposição contraria anunciada mediante o cartaz. Nos bares e restaurantes a gorjeta vai em direta relação a consumação, sendo de 10 %.

TAXAS E IMPOSTOS

Os serviços de hotéis e restaurantes incluem o imposto correspondente. Nos comércios, o IVA, que em francês se conhece como VAT, está incluído no preço dos produtos. Os estrangeiros têm direito a pedir sua devolução.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Com uma superfície de 543.965 quilômetros quadrados, França está coberta por vales, cavidades fluviais e zonas montanhosas que variam de uma região a outra. Goza de uma paisagem excepcional na que se misturam as cores quentes da terra e o sol, os tons ocres e escuros das montanhas, os azuis da água e os cinzas do céu.

Predominam em França as planícies, baixas mesetas e colinas, que ocupam dois terços do território, e podem distinguir-se três grandes conjuntos regionais dispostos ao redor de um centro de dispersão de águas que é o Maciço Central: o norte com a Cuenca de Paris, as planícies do Norte e as Montanhas Medias; o sudoeste e oeste com a Cuenca de Aquitania e a zona de mesetas e colinas; e ao sul e sudeste com as grandes montanhas alpinas e a zona mediterrânea.

Para o Norte do país encontra-se o Canal da Mancha que outorga uma proximidade com o Reino Unido. A zona de Normandía, com suas paisagens nebulosos e cinzas dá um ar forte, nostálgico e místico a estas terras.

Ao Leste, as zonas de Ardene, Champagne, Borgonha, Alsacia e Lorraine onde os abundantes bosques cobrem as zonas montanhosas e os vales. Na Região Central, dominada por um maciço, predominam ainda os bosques e vales, de maior intensidade, que se prolongam até chegar à zona dos Alpes, cadeia montanhosa que partilha com Suíça e Itália.

Nela, o Mont Blanc, que atinge mais de 4.000 metros de altitude, sendo o pico mais alto da Europa Ocidental.

Ao Sudoeste de França está flanqueada por Espanha, com uma fronteira natural: os Pirineos. Esta zona, distintamente montanhosa, tem temperaturas mais extremas no inverno. O Ocidente Atlântico brinda a França um amplio território marítimo que têm sabido aproveitar muito bem.

A região interior desta zona, coberta pelo vale do Loire, está cheios de bosques entre os que se assomam impressionantes construções palacianas. Por último, o Sul, a zona mediterrânea ou Provençal, a mais quente do país, embora não chega a temperaturas extremas graças a sua umidade.

A campina conta com um sol brilhante, um sol que têm inspirado a muitos artistas e que têm ficado plasmado em mais de uma obra de arte. A Costa Azul é dominada de tal forma, graças a esta cor.

A zona está exposta a uma estranha conjugação de dois ventos, o Mistral, uma brisa fria e invernal que se produz na meseta central da França e que vem terminar no Mediterrâneo, e o Siroco, um vento úmido e moderado ou seco e quente, segundo a época do ano, que se gera no norte de África e se cruza na zona Provençal com o Mistral.

Esta confrontação constante entre ambos ventos produz nesta zona movimentos térmicos que a fazem especialmente instável e que, segundo alguns geógrafos, é a causa de comportamentos estranhos e incompreensíveis em alguns dos habitantes humanos e animais da região.

Rios

Quatro rios principais, com numerosos afluentes, dão vida através de suas águas e seus assentamentos à vida francesa: o Dordonha no sudoeste, o Loire, em cujo vale existe a maior concentração de castelos, o Ródano, único rio que desemboca no Mediterrâneo e o Sena, que têm visto nascer e permanecer a Paris, pese a múltiplos governos e invasões. Os vales que a compõe explicam a excelente qualidade de seus vinhos, ideais para o cultivo da vide de diferentes espécies.

Costas

As costas estão traçadas em França como resultado das variações do nível do mar e em geral pode-se dizer que dominam as costas baixas. As costas setentrionais correspondem às planícies do norte e à Cuenca de Paris; em Flandes e Picardia são baixas e maregeadas de dunas, resultado da acumulação dos aluviões transportados pela forte corrente do sudoeste.

Em Normandia alternam os precipícios com as praias arenosas. As costas da Bretanha, as mais recortadas do país, apresentam numerosos braços, cabos e ilhas, enquanto que as de Aquitania, no sudoeste, são em geral regulares e planas (formadas por cordões retilíneos de dunas, sendo o principal acidente o estuário da Gironda).

A costa mediterrânea é baixa e pantanosa no Golfo do Leão e com numerosas lagoas; destaca particularmente o delta do Ródano, que constitui a Camargue. O setor dos Pirineos é rochoso, igualmente a zona da desembocadura do Ródano.

Pequenos maciços caem abruptamente sobre o mar formando uma costa escarpada com belas baías, dando lugar à Costa Azul.

Principado de Mônaco

Situado na Costa Azul, no Mediterrâneo, Mônaco reserva as praias de maior renome, luxo e atrativo da França. Mônaco é, em sentido político, um território independente, contudo, é parte da história e tradição francesa. Seu caráter de principado disputado ao longo de muitos anos de história por diversas famílias e retido fielmente pelos Grimaldi, fazem deste pequeno território um desses lugares nos que a grandeza está em sua história, mais que em seu presente.

Córcega

Córcega surpreende pela sua excepcional paisagem de contrastes. A zona do litoral é ampla, gozando de magníficas praias em algumas partes, em outras, é escassa e rapidamente se eleva convertida em altas montanhas.

O centro da ilha é uma espécie de meseta rodeada pelas montanhas mais atrativas, cobertas de vegetação e emoção. A localização da ilha, mais próxima à zona climática quente, faz de Córcega o lugar de praia mais atrativo ao longo do ano.

História

A Pré-história

Os primeiros indícios humanos do que hoje constitui a França remontam ao Paleolítico, faz ao redor de 25.000 anos, quando grupos da Idade da Pedra se estabeleceram no vale do Dordonha, no sudoeste da atual geografia do país. As pegadas destes grupos têm ficado refletidas na série de pinturas rupestres existentes ao longo do vale do Dordonha, sendo as mais excepcionais as da Grotte de Lascaux em Montignac.

no neolítico, entre os anos 12.000 e o 4.000 a.C. os assentamentos humanos se regularizaram em torno aos vales dos quatro rios mais importantes da França (Dordonha Loire, Ródano e o Sena). Numerosos restos de ferramentas de trabalho e artigos de cozinha dão mostras do grau de avanço daqueles antigos habitantes que se iniciavam na agricultura.

Celtas, Galos e gregos

no ano 450 a.C. os povos célticos ocuparam a zona do norte e se apropriaram de suas montanhas e bosques misturando com suas tradições e lendas. Os galos ou gálicos, se consideram os habitantes franceses por excelência.

Um pouco antes, no 600 a.C. os gregos se assentaram na zona mediterrânea dando como nome Corsica, atualmente a ilha de Córcega e fundando Massilia, hoje convertida no Porto de Marselha. Como em outros lugares, os gregos deixaram parte de sua civilização clássica disseminada pela zona e evitaram entrar em enfrentamentos com os habitantes do norte. Na coexistência destas duas culturas se entrelaçam as raízes do atual povo francês.

Romanos e Francos

Durante o Império Romano, no ano 120 a.C. A zona mediterrânea sucumbiu aos exércitos do César (os galos resistiram até o ano 50 aC.). Julho César logrou vencê-los e iniciou a unificação do que hoje é França.

Nas margens do Sena, assim como numa das pequenas ilhas que encontram-se no interior deste rio, nasceu uma pequena povoado à que os galo-romanos chamaram "Lutetia" (cidade do barro), a mesma que mais tarde se converteria em Paris.

Esta cidade recebeu os numerosos assaltos de vários povos bárbaros: visigodos, ostrogodos, burgundos e francos. O ataque mais forte que viveram foi o de Atila, rei huno, que esteve a ponto de destruir a cidade inteira. Finalmente foram os francos que lograram vencer aos galo-romanos e assentar-se em Lutetia, à que chamaram Paris, em honra a uma tribo de pescadores do Sena, os parisi.

Com o rei Clodoveo e o domínio franco, se inicia a Etapa Merovingia. Nela os francos convertem-se ao cristianismo e edificam grandes mosteiros e centros de cultura como Limoges, Tours e Chartres entre o ano 490 e o 511 d.C. A partir da conquista dos francos, Paris converte-se no centro do império; um centralismo que perdura por longo tempo e que faz desta cidade o principal objetivo de assalto para qualquer conquistador.

Do século VIII ao século XIII

A entrada em cena dos árabes no mundo europeu no ano 730 d.C., obriga a mudanças nos sistemas e chefes de governo. Carlos Magno converte-se em Rei e detém o avanço árabe embora é derrotado na Batalha de Roncesvalles.

É neste período quando se delimita a fronteira com Espanha e o Sacro Império estende-se até Alemanha. A morte de Carlos Magno vem uma sucessão de reis que logram manter o Sacro Império até o ano 987, quando a parte oriental passa a ser Alemanha e a ocidental França.

A eleição de Hugo Capeto como rei da França no 987 da inicio à dinastia dos Capetos na que se estabelece o princípio monárquico hereditário. Um breve período de ordem e tranqüilidade possibilita o fortalecimento das relações com a Igreja Romana e o desenvolvimento da cultura, a arte e a arquitetura, cujo estilo românico se reflete claramente nas catedrais de Autum e Angulema.

Em 1066, os normandos, às ordens de Guillermo o Conquistador, tomam Inglaterra. O reino anglonormando adquire poder e é motivo de luta quando Leonor de Aquitania, casada com Luis VII da França, passa a ser a esposa de Enrique II da Inglaterra, adjudicando assim o território normando aos ingleses.

Durante os dois séculos seguintes, a força árabe ocupou aos europeus nas Cruzadas para parar sua influência. Estes períodos se viram salpicados de numerosos episódios de luta entre os reinos da zona com os anglonormandos e a influência da Igreja Romana que terminará instalando a Sede Papal em Avignon para 1309.

O Renascimento

O período compreendido entre 1330 e 1598 representa uma fase de lutas constantes contra os ingleses; neste se encrava a conhecida Guerra dos Cem anos. O término desta rivalidade se da quando os franceses recuperam Calais e os ingleses saem do território franco.

É também nesta fase quando se da a invasão italiana, que mais que militar é cultural através dos artistas convidados às cortes por Francisco I. Entre estes destaca Leonardo Da Vinci que fez da França sua terra de êxito.

O Renascimento chega e se instala graças a este deslize cultural do monarca e à presença dos gênios italianos. Nos últimos anos do século XVI se suscitam numerosas guerras religiosas entre católicos, protestantes e hugonotes, depois das quais se gera o primeiro clima de tolerância religiosa e liberdade de culto.

A chegada ao poder do Primeiro Rei Borbon, Enrique IV (1598) marca um período de esplendor cultural e artístico. Luis XVI, o Rei Sol, logra fazer da França a nação mais poderosa da época. O poder econômico do país é terreno para engendrar as idéias da Ilustração, o Enciclopedismo e o Método Científico a partir das quais começará a gestar-se a Revolução.

A Revolução Francesa, Napoleão e o fim dos Borbons

Durante a Guerra dos Sete Anos (1756-1763) uma vez mais contra os ingleses, França perde a maior parte de suas possessões de ultramar enquanto que Inglaterra se consolida como a primeira potência mundial. A Revolução Francesa é a primeira que exige igualdade e liberdade no sentido que hoje têm estes términos. A toma da Bastilha o 14 de julho de 1789, marca o inicio de um período cujas repercussões atingiram a todo o mundo dominado pelos europeus.

Porém, os ideais revolucionários terminam na implantação de uma época conhecida como a do terror, na que são executados numerosos aristocratas e celebridades.

Em 1804 Napoleão se coroa a si mesmo imperador em Notre Dame, com a presença do Papa. Sua estratégia militar conquista grande parte da Europa e restabelece uma etapa de esplendor artístico. A escuadra francesa é apalastada por Nelson em Trafalgar. O famoso militar é detido em terra pelo Império Russo, razão pela que abdica e é desterrado à ilha de Elba, no Mediterrâneo.

A abdicação napoleônica possibilita a restauração da monarquia dos Borbons. Embora Napoleão faz um intento por recuperar o Império, não têm êxito em sua incursão e é derrotado em Waterloo em 1818. A Batalha de Waterloo pôs fim ao Império dos Cem Dias. Esta vez seu exílio é definitivo e morre na ilha de Santa Elena no Atlântico Sul.

A dinastia dos borbons não pode resolver a forte crise econômica que se apresenta ao país em 1848.

Todo fazia pensar que o novo regime seria mais sólido que o anterior, o novo rei parecia oferecer à burguesia todas as garantias que esta podia desejar, mas teve que enfrentar-se a uma doble oposição: a dos monárquicos e a dos republicanos.

Os proprietários da velha França, que baixo a restauração tinham querido retornar ao estado das coisas do Antigo Regime, conservaram sólidas posições na França rural, mais numerosa na época que a povoação urbana.

Nas cidades, em cambio, e em algumas províncias particularmente patriotas, subsistiu uma oposição republicana que considerava que a revolução havia sido malograda. Esta posição "esquerdista" também se nutria do proletariado que emergia.

A monarquia não respondia às aspirações de amplias camadas da nação, a crise econômica diminuiu o apoio das classes ricas à monarquia, aumentando a oposição dos burgueses radicais e do proletariado.

Em França se levanta uma sublevação democrática para a ampliação das bases do poder e termina com a abdicação do rei Luis Felipe. A burguesia necessitou de novo do povo para obter a queda do regime, mas desta vez o povo não queria retirar-se de suas conquistas e a luta sangrenta que se estabeleceu separaria desde esse momento à burguesia da classe operária.

Era a época em que Marx publicava seu célebre "Manifesto Comunista". A partir de aqui França se encontrará num sistema republicano que sofrerá lutas interiores, tentativas de invasão de outros países europeus, períodos de solidez e estremecimento.

É num desses períodos de solidez quando França se consolida como um império colonial no norte da África e o sudeste da Ásia. Este caráter sobresaltado da França do século XIX origina movimentos artísticos e culturais como o romantismo, impressionismo, modernismo e o cubismo, entre outros.

França é o lugar ideal para refúgio de intelectuais, cientistas e artistas que a miram como um império forte, livre, excitante, mas que, ao mesmo tempo, oferece essa estranha instabilidade que tanto apaixona aos artistas.

Luis Napoleão, filho da rainha Hortênsia e de Luis Bonaparte, aproveita a conjuntura da crise política e social para conseguir a presidência da República em 1848. Em 1851 com um golpe de estado se transforma a República em Império.

Com Napoleão III França viveu uma época de guerras intermináveis, até que abdicou em 1870 e se voltou a proclamar a República. O poder ficava em mãos dos grupos conservadores esta vez. A III República se manteve com altibaixos até 1914.

A política exterior de princípios do século XX, dirigida pelos radicais levantou a Triple Entente (França, Rússia e Grã Bretanha), frente à Triple Aliança (Alemanha, Áustria e Itália).

As Guerras Mundiais

A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) muda o panorama não só da França, senão de todo o mundo. Por primeira vez os franceses são aliados da Inglaterra, agora contra os alemães. O território francês é duramente castigado pelos exércitos germânicos, especialmente no norte. A guerra transformou completamente a França. A República havia resistido a prova.

Más nada compensava os 300.000 mortos, nem o esgotamento econômico que se traduzia numa crise monetária de grandes dimensões. O período posterior à Primeira Guerra Mundial oferece um terreno de reconstrução que atrai, uma vez más, a artistas e escritores igualmente que em outros períodos de paz.

A crise econômica que estalou nos Estados Unidos em 1929 não tardou muito em afetar a França, sendo o principal responsável da transformação da pós guerra numa pré-guerra.

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) ocupa a França da maneira mais drástica. As tropas nazistas tomam o governo francês durante alguns anos nos que o terror da guerra é o tono constante. Desde Londres, a Resistência Francesa livre, dirigida por Charles de Gaulle, mantém a esperança de recuperar o país.

Os aliados tomam Normândia no 6 de junho de 1944 e começam a recuperação da França pelo norte e pelo sul em Provence, dias mais tarde. Paris é finalmente liberada em agosto do mesmo ano instalando-se um governo provisório dirigido pelo General De Gaulle.

Da II Guerra Mundial a Nossos Dias

Terminada a guerra, França elabora uma nova constituição. Suas colônias africanas e asiáticas lutam pela independência e a situação francesa do pós guerra lhe impede recuperar algumas delas. Em 1957, junto com outros países europeus, França intervém na construção da Comunidade Econômica Européia.

Em 1958, baixo a nova Constituição francesa, Charles de Gaulle é o primeiro presidente da França da pós guerra. Depois dos distúrbios estudantis de maio de 1968, De Gaulle demite. Anos mais tarde, Francois Mitterrand converte-se no primeiro presidente socialista escolhido democraticamente pelos franceses.

Durante seu mandato, que se prolonga ao ser reeleito, França recupera seu caráter de vanguarda, seu patrimônio cultural, seu poder econômico e se constitui como uma nação defensora dos direitos humanos, da liberdade, da democracia e da paz.

Em 1993, os franceses dão um giro em sua política ao escolher a um primeiro ministro conservador como presidente: Jaques Chirac. Em 1997 as eleições situam a Lionel Jospin como primeiro ministro, dando um novo giro para o socialismo. A atual situação do país é difícil de explicar.

Igualmente que no resto dos países europeus, o nível de vida de seus habitantes é satisfatório, mas se enfrentam aos inimigos do século XX: a super-população, a crise interior do homem como indivíduo e o crescente desemprego.

Arte e Cultura

A arte e França sempre têm-se identificado como uma dualidade indissolúvel. Esta crença têm bases evidentes e amplas; muitos dos artistas mais reconhecidos do mundo e da história desenvolveram parte de sua obra na França ou bem, têm sido inspirados em alguma moda, acontecimento ou recurso francês.

De raízes celtas e greco-latinas, o espirito francês atual guarda uma equilibrada relação entre a magia, a permisividade e a lenda dos primeiros povos do norte, e a disciplina, a estética e racionalidade dos filhos de Zeus.

Esta é o motivo pelo qual o francês recebe com gosto as tendências mais variadas, os excessos e a austeridade, o místico e o mundano.

A arte na nação francesa é um produto cotidiano, enriquecido, altamente conservado e apetecível a toda hora e para todo público. Mais que algo exterior, colecionado nos museus ou centros destinados a sua criação, é um espirito que se leva por dentro, que encontra-se refletido nas ruas, nas paisagens, no ambiente que vibra constantemente e que cobre de sensibilidade e magia a visão real deste país cheio de expressões estéticas.

Primeiras Manifestações Artísticas

Entre as primeiras manifestações artísticas que podem-se encontrar em França estão as Grutas de Lascaux, no vale do Dordonha, onde os homens primitivos do neolítico expressaram suas experiências e temores respeito da caça assim como das crenças em torno à fertilidade humana. A formação em Carnac, na costa bretã, realizada com mais de cinco mil pedras e cujo significado e procedência continuam ignorando-se, revela a existência de um antecipado espirito estético que têm prevalecido através do tempo.

Testemunhos Romanos

A influência romana deixou variadas obras, principalmente arquitetônicas, especialmente na zona Provençal, que o tempo têm deteriorado deixando só alguns restos. Não obstante, a majestuosidade das construções romanas prevalece e é possível observá-la em lugares como os anfiteatros de Nimes e Arles, o Teatro de Orange e o Aqueduto Pont Du Gard no sul da França.

Algumas cidades como Autum, Saintes e Reims, conservam aquedutos herdados pelos romanos, enquanto que Lyon e Paris só podem oferecer ao visitante alguns restos do passo romano por suas terras.

Etapa Merovingia e Carolingia

A Etapa Merovingia, com a conversão da França ao cristianismo, supôs uma modificação nas tendências artísticas da época. Construíram-se grandes mosteiros, em geral de caráter austero embora imponente, como os de Tours, Limoges e Chartres, que se converteram em centros culturais da zona, onde os monges de diversas ordens desenvolveram parte da Ciência e a filosofia. A capela merovingia que mais destaca é a de Pépiole, perto de Toulon.

A etapa Carolingia, no século VIII, supôs um renascimento da cultura e a arte a níveis extraordinários, orientados geralmente para fins de tipo religioso ou nacionalista. As gestas épicas de caráter poético se desenvolvem notavelmente, embora não aparecem escritas até séculos depois. Mostras arquitetônicas da época são a Abadia octogonal de Ottmarsheim em Alsacia.

O Românico

O estilo românico, desenvolvido fundamentalmente durante a monarquia dos Capetos, produz obras de grande tamanho e amplitude, baseadas no arco de meio ponto, o uso da pedra talhada na decoração, substituindo a madeira e os mosaicos pintados.

Aparecem também grandes janelas na parte superior das colunas, que as tornam menos sombrias e convidam a um maior despegue de cor. Borgonha, Alsacia e Auverge conservam obras do período românico, todavia, a cidade mais representativa deste estilo é Poittiers, no oeste do país, com uma abundante arquitetura românica que se coroa com a igreja de Notre-Dame-la Grande.

No ano 1100 as primeiras universidades começam a aparecer em Europa.

Em Paris, habitual centro cultural por ser também o centro político, se dão os primeiros intentos de consolidar uma Universidade.

Em estas reuniões científico-literarias, surge a métrica da canção popular que se vinha desenvolvendo oralmente desde tempos remotos: a Chanson de Roland.

O Gótico

O soberbo estilo gótico assalta França no ano 1140. Em contraste com o românico, é uma arquitetura mais fina, com colunas mais delgadas que aproveitam o arco apuntalado para reduzir a tensão física e o espaço.

A coroação com talhados em pedra em suas altas colunas e o uso de ojivas nas janelas, fazendo-os mais amplos, é o que lhe da a este caráter essa aparência de uma altura interminável. O gótico é um estilo que teve grande acolhida em França e enormidade de obras em diversas cidades dão mostra disso.

Sempre orientado à construção de obras religiosas, imensas catedrais, igrejas, conventos e mosteiros, os franceses de então viram na arquitetura gótica uma forma que guarda o equilíbrio entre a simplicidade que impõe a religião e a fantasia que oferece a construção. Sem lugar a dúvidas, a imagem da França gótica que mais se conhece no mundo é a da Catedral de Notre-Dame em Paris.

O Renascimento

O Renascimento também deixou sua pegada na cultura e na arte francesa.

A corte de Felipe I reuniu a alguns dos mais avantajados renascentistas italianos ao oferece-lhes refúgio em França. Entre estes, os mais destacados são Rosso, Primaticcio e Leonardo Da Vinci que doou a Paris A Gioconda (Monalisa).

As mudanças introduzidas pelos renascentistas, orientados a recuperar a beleza e os padrões da antigüidade greco-latina com uma visão mais prolongada às necessidades e prazeres individuais, significaram uma volta à simplicidade, ao realismo em todas as artes.

Um cambio relevante desta etapa é a orientação, por primeira vez, da estética da arte para a vida secular; isto se revela nos quadros que representam cenas campestres, urbanas e palacianas, assim como no florescimento de castelos, palácios e praças que nada têm que ver com a cultura religiosa.

Em contraste, a literatura épica, gestora de glorias nacionalistas e Batalhas em pró da religiosidade, se orienta ao teatro e as comedias, aos mensagens didáticos-moralistas.

O Barroco

O barroco chega para elevar a atmosfera estética para um sentido mais artificial, recarregado, suntuoso, para distinguir ampla e notavelmente a vida da massa popular da aristocrática vida da nobreza. Nela, a construção de grandes castelos ou Chateuax, principalmente no vale do Loire, são uma espécie de rebelião discreta contra a dominação religiosa e a invasão da vida popular na arte que as etapas anteriores tinham logrado.

Fontainebleau e Versalles são formosas mostras arquitetônicas do recarregado e evidentemente aristocrático estilo barroco. Entretanto, Descartes desenvolve o Método Científico e Moliére, Racine e Corneille elaboram peças teatrais que têm-se convertido em verdadeiros clássicos. A pintura também abunda tanto como a música; é época de grandes mecenazgos, das peças dedicadas às mais insólitas obras reais e nobres.

Estilo Rococó

Esse espirito de ir sempre em procura do mais inimaginável, de ter esse encontro entre o mágico e o racional, se coroa com as extravagancias do estilo rococó, que reúne dentro de um corpo estabelecido, uma peça musical, uma obra arquitetônica ou até um simples móvel, uma série excessiva de detalhes que o realcem.

A decoração interior dos Palácios Reais e os Castelos habitados pela nobreza constituem a mostra mais clara deste estilo. Entre os pintores da época, Antoine Wateau, Francois Boucher e Jean Honoré Fragonard são os mais representativos.

O Neoclássico e o Romantismo

Um novo retorno à simplicidade é marcado pela aparição da tendência neoclássica. A literatura se volta menos fantasiosa, mais real e viva, capaz de retratar os sentimentos humanos com claridade e simplicidade, embora a nível interno as obras se encontrem reguladas por múltiplos parâmetros.

A filosofia deriva para as visões mais humanistas e naturalistas do homem como as expõe Rousseau, para o nascimento do estado moderno com as bases aportadas pela Ilustração, desenvesqueces por Voltaire e Diderot.

Aparece o ensaio político com Montaigne, como uma trombeta que sinala o que se aproxima: a Revolução Francesa, o fim do absolutismo, o sonho de justiça e igualdade para os homens.

Posterior à afamada Revolução de 1789, o romantismo se instala no mundo cultural e artístico. Stendhal, Chateubriand, Balzac, Baudelaire e desde logo, Víctor Hugo, deleitam com suas obras melancólicas, amorosas e idealistas que põe ênfases na paisagem regional, enquanto que Delacroix, na pintura faz o seu.

O Realismo e Naturalismo

Talvez sejam tantas invasões, tantas guerras internas ou tantos intentos por retornar ao caráter imperial o que beira aos artistas franceses a assentar-se num estilo mais real, mais próximo à vida da gente, mais igualitário através do realismo.

Nesta viagem à realidade, chega-se à introdução de transportes mais acessíveis e à reconstrução de cidades como Paris, cuidando de conservar a mostra artística que a história lhes havia deixado encarregada.

O naturalismo é uma mostra mais da tendência a ver o lado escuro das coisas. Agora já não basta com retratar as paisagens cotidianos ou narrar histórias aproximadas à vida de qualquer; é necessário expressar os aspetos mais sórdidos e crus da vida nas cidades. Emile Zolá é quem melhor expressa a vida popular e descarnada da Paris daquela época que iniciava sua verdadeira ascensão para a democracia.

O Impressionismo

Uma série de pintores põe em marcha, a mediados do século XIX uma nova visão estética: o impressionismo, ao qual se lhe considera como o nascimento da pintura moderna, onde a realidade exterior, tanto como a subjetiva, se plasma filtrada pelos olhos do artista. Eduard Manet, Claude Monet e Paul Cézanne são os primeiros artistas do pincel que se expressaram desta maneira; posteriormente Degas e Renoir se uniram.

Mais que em outras épocas e talvez favorecidos pela crescente ampliação dos transportes e as comunicações, estas novidades francesas no mundo da arte, atraem a credores de todo o mundo, fundamentalmente europeus, que fixam em sua mente a idéia de chegar a França a aprender, a expressar suas idéias, a ser compreendidos, porque o caráter francês, tão permissivo, tão aberto ao novo, não se espanta e inclusive aprecia a arte moderno.

A música também cambia seus padrões no século XIX. Maurice Ravel e Claude Debussy são os músicos mais representativos desta etapa modernista. Rodin, cria obras carregadas de filosofia e erotismo, joga com o novo espirito individualista francês, com uma mirada profunda aos sentimentos próprios do homem.

Surrealismo e Cubismo

A zona sul da França alberga aos precursores dos movimentos surrealistas e cubistas. Por ai se estabeleceram Van Gogh, Picasso e Dalí, ao menos durante um período de sua vida. O que procuravam era um espaço tranqüilo e estimulante ao memso tempo para suas particulares visões da realidade. E se França lhes deu o espaço que procuravam, eles lhe têm dado ao mundo uma visão intensa do que é o país galo através de suas obras.

Literatura

Na literatura, durante os séculos XIX e XX, França é tão acolhedora como com os pintores e recebe a numerosos escritores que desenvolvem suas melhores obras ao amparo da vida em Paris, Lyon, Nice ou Marseille. A instabilidade política, produto do fim do Império, assim como as Guerras Mundiais que castigaram duramente ao povo francês, são períodos alternos a aqueles em que a Ciência, a cultura e a arte floresce nesta nação.

Movimentos como o surrealismo, o dadaísmo e o existencialismo expressados nas obras de Camús, Sartre e Simone de Beauvoir, surgiram entre as ruínas que a ação bélica deixou, crescendo para seguir à vanguarda da expressão mundial do pensamento livre.

De ai que a maior parte dos escritores, músicos, bailarinos e pintores da época contemporânea tenham residido em algum lugar da França, em algum momento de sua vida: ir a França era uma convite ao desenvolvimento profissional.

Cinema

A sétima arte, o cinema, teve sua origem precisamente neste país quando os irmãos Lumiére apresentaram seu aparato mágico a uma série de audazes espectadores. A tradição pelo cinema permanece e se volta maior cada dia. O Festival de Cannes, além do luxo que representa, conta com o prestigio de valorar o cinema de qualidade, o cinema arte.

GASTRONOMIA

A cozinha costuma ser o reflexo mais público da sensualidade de um povo, de seus segredos primários, do mestiçagem de sua história. No instante em que os olhos do estrangeiro se cruzam com a exposição dos produtos alimentícios nos mercados, lojas, padarias, mantequerias e vinaterías, é possível saber o que a comida significa para os habitantes de cada região da França.

A comida em França têm tanta tradição como sua história, sua arte ou seu sentido da liberdade. Quando acorrem à mente cenas de refinamento, romantismo e sensualidade relacionadas com os franceses, se projetam no arquivo interior as imagens palacianas que o cinema tem-se encarregado de divulgar, onde reis e aristocratas se deleitam com mesas inteiras cobertas por pratos inimagináveis, fontes de frutas e esculturas de postres com nomes extravagantes. Esta é a cozinha dos reis, propriedade atual dos chefs.

Restaurantes exclusivos; é a alta cozinha francesa. Porém, o espirito igualitário que os franceses têm desenvolvido nos últimos séculos têm fato que sua cozinha resulte acessível para todo o que a visita.

Existem dos tipos de gastronomia que podem guiar ao turista: a clássica e a chamada "de mulheres". A primeira é aquela que, vinda da aristocracia, tem-se ido renovando sem perder sua origem e que se oferece atualmente a todo o que queira prová-la quase ao longo de todo o país.

A cozinha de mulheres deve seu nome ao fato de que era a realizada pelas amas de casa, mães e avós; é aquela que antanho fora a cozinha campestre, mais regional, mais própria do cotidiano dos franceses. Ambas gastronomia convivem perfeitamente na atualidade e, sendo França o país com mais restaurantes da Europa, o visitante têm a possibilidade de degustar interminavelmente o que mais lhe atraia.

Os cozinheiros franceses conhecem muito bem o ritual de sua cozinha; sabem que o ponto de distinção é a qualidade de seus ingredientes e o equilíbrio entre estes com a boa apresentação e a simplicidade.

Por isso é que têm desenvolvido inumeráveis tipos de salsas e cremas com as que acompanham seus pratos. desta forma, o visitante se surpreende com pratos sumamente simples cujo atrativo reside na harmonia de seus componentes e o ritmo que lhe impõe enquanto sua cor como sua forma de ingerí-lo. Exemplos claros de isto são o suflê, o foie gras, o salmão em aspicou as mouselines e macédonies.

Elementos chaves da cozinha francesa

Um ponto chave dentro da gastronomia francesa são suas padarias.

Existem grande quantidade e variedade de panes; o mais clássico, o branco, que se apresenta em forma de barras: as delgadas ou "flutes", os baguetes e as mais grossas ou "pains". O pão francês só se conserva fresco ao redor de quatro horas e cada dia são menos as padarias que o elaboram da maneira tradicional, razão que torna-se muito atrativo e se converte num desafio provar um pão recém feito.

A pastelaria é outro forte da cozinha francesa. Nelas poderá encontrar infinidade de pastéis de diversos tipos e tamanhos entre os que destacam os merengues, as madalenas, os "pettits fours", tartaletas, bolinhos e o caramelo. As tortas também são variadas, especialmente de chocolate e de frutos secos ou de temporada; têm a caraterística de uma apresentação elegante e atrativa.

As carnes frias são também produtos muito atrativos e abundantes. Nas charcuterias pode-se encontrar grande variedade de carnes cozinhadas, presuntos, salchichas e patês. Algumas delas também oferecem saladas e pratos do dia, simples, atrativos e econômicos em geral.

Os queijos são algo que convém provar; a eleição entre mais de 360 tipos existentes é como atravessar um labirinto sem fin. Numa boa loja de queijos pode-se degustar vários de eles e escolher o que mais se adapta aos gostos pessoais, contando sempre com a colaboração dos encarregados do estabelecimento. Entre os melhores queijos estão o Fromage Fermier e o Camembert; um queijo com a inscrição "lait cru" (leche pura), que representa a mais alta qualidade entre os produtos desta natureza.

Cozinha Regional

Não se deve esquecer que cada região implica sua geografia em sua cozinha e que, por tanto, cada zona oferecerá diferentes especialidades. Em Alsacia pode-se pedir o foie gras, choucroute e torta flamejada, acompanhada de um bom vinho.

Na zona sudoeste, o cassoulet, confit de pato e setas preparadas de diferentes formas. Em Bretanha se recomenda o peixe, o marisco e as crepes. Na zona de Normandia vale viver a aventura de degustar o pato ao molho, o peixe à creme e as sobremesas de maçã.

Em Borgonha, além de seu vinho que é o protagonista do evento mais importante da colheita da uva cada ano, pode provar os caracoles ao ajo e o boi borgonhês, sem lugar a dúvidas, cumes da refinada arte culinária francês.

Em Lyon, o salsichão com pistachos, a pularda trufada e o "gras double", simplesmente delicioso. A zona mediterrânea de Provença oferece variados tipos de peixes à brasa temperados com hinojo, ratatouille e bullabesa. Por último, na zona norte pode-se provar os waffers, a carbonada de boi à cerveja e a anguila "au vert".

Paris não conta com uma cozinha própria de grande tradição e sua arte culinário radica em que, ao converter-se no centro da nação, os imigrantes têm levado a esta cidade suas especialidades regionais. Na Cidade da Luz quase tem-se ao alcance toda a comida francesa regional assim como uma magnífica representação de cozinhas internacionais, por se alguém sente muita saudade de seu país.

Lyon oferece uma variedade gastronômica tão intensa como Paris pois seus restaurantes estão ainda mais especializados nas comidas regionais e na "cozinha de mulheres", pelo que resultam menos elitistas que os refinados restaurantes parisienses. Porém, em qualquer lugar da França poderá encontrar a cozinha em todo seu esplendor e deleitar-se com ela de múltiplas formas.

Vinhos Franceses

Outro produto de grande tradição em França é o vinho, essa bebida mágica que vem a ser o perfume do paladar. Cada região têm o seu próprio, que dificilmente poderá encontrar fora dela; mas também existem os vinhos que traspassam fronteiras, que envolveram histórias e lendas e que com segurança lhe agradaria provar como é o caso do Borgonha, o Bordaux, o Conhac e o místico Champagne.

O Bordaux têm suas origens na Idade Media, quando esta região, ao sudoeste francês estava dominada pelos ingleses. O Champagne, símbolo de êxito e triunfo, está elaborado a partir da combinação de uvas de diversos vinhedos.

Possivelmente haja escutado falar de "Dom Pérignon", associando este nome a uma das mais prestigiosas marcas de champagne; pois bem, para 1700 este monge cego foi quem descobriu a qualidade espumosa deste vinho que, graças às garrafas de cristal grosso e o uso de casca no envase, pôde ser produzido e conservado em maior escala.

O Borgonha é um vinho que se produz em menor quantidade pois suas uvas requerem de uma qualidade que não é fácil obter em grande escala. É um vinho clássico, forte, que se incrusta no paladar e permanece no lembrança para sempre. se aproxima à zona de Provença poderá encontrar vinhos mais ligeiros, frescos e afrutados, produto de um clima mais mediterrâneo.

Os vinhos oferecem em sua etiqueta as claves para conhecer sua essência. A abreviatura AC (Appelatiom d'Origem Controlée) significa que trata-se de um vinho rigorosamente controlado desde a seleção de suas uvas, passando pelos procedimentos de elaboração e o tempo de aperfeiçoamento até a graduação que contém.

A categoria Vin Délimité de Qualité Supérieure (VDQS) são vinhos de segunda classe que resultam bastante bons e que competem ano com ano para passar à primeira categoria. Por último, os Vim de Tável são vinhos regionais que requerem menos rigor em sua elaboração, embora isso não significa que sejam de mala qualidade, além de resultar mais econômicos.

Horário de refeições

Geralmente o café da manhã é ligeiro: crosaint ou brioche com café. Se deseja suco de frutas terá que pedi-lo aparte na maioria dos casos. A hora para o café da manhã é a mais variável das refeições embora costume ser cedo.

O almoço e o jantar têm horários mais estritos e na cultura francesa não é bem visto tomar um aperitivo entre refeições ou beliscar algo. O almoço costuma servir-se às 12:30 ou 13:00 h. e o jantar, que é a principal refeição do dia, ao redor das 20:00 h.

Ambos podem ser abundantes e pelo geral incluem uma salada com algum produto de origem animal como o frango ou os frutos do mar, um creme ou sopa e um prato forte. Se acompanham com vinho ou com água mineral.

É aconselhável realizar reserva nos restaurante, especialmente à hora de jantar e nas grandes cidades pois é a hora em que encontram-se mais comensais. Alguns estabelecimentos abrem até muito tarde e servem jantar entre as 12 da noite e as 2 da manhã para os assistentes a espetáculos noturnos.

Se não deseja enfrentar-se aos restaurantes formais, com segurança encontrará inumeráveis cafés, bistros, brasseries (restaurantes de grande tradição mas menos formais) ou restaurantes de comida rápida que têm chegado a quase todo o mundo. Nas ruas e mercados também existem vendedores ambulantes de diversos sanduíches.

COMPRAS

Em geral França é um país onde pode-se adquirir de tudo. Sempre têm sido zona de trânsito para muitos produtos, especialmente para aqueles que tenham que ver com a beleza, a decoração, a moda, a cultura e os prazeres do paladar.

Em geral, os estabelecimentos comerciais incluem em seus preços o IVA, conhecido em França como VAT. Os estrangeiros têm direito a que lhes seja reembolsado. Um desconto por exportação, do 20 ao 30% é possível se a compra num mesmo estabelecimento supera os 2.800 francos, para os estrangeiros de países membros da CEE e os 1.200 francos se o país de procedência não pertence à união Européia, embora este também dependerá dos artigos que se hajam selecionado. Os preços nas lojas são definitivos e não se regateiam, más nos mercados pode-se pôr a prova as habilidades de todo bom comprador.

Compras em Paris

Se fazer compras é um prazer para você, neste país poderá fazê-lo com grande deleite. Em Paris poderá encontrar uma enorme quantidade de lojas com diversos produtos, desde os mais simples e ordinários, até os mais especializados e extravagantes. Antes de iniciar as compras é necessário dizer que na esfera parisiense a Margem Direita costuma conter as casas mais exclusivas e tradicionais de alta costura, galerias de arte e antigüidades, grandes armazéns e lojas de luxo.

A Margem esquerda, em cambio, guarda zelosamente suas grandes livrarias, pequenas lojas artesanais e galerias vanguardistas. Porém, em ambos lados há lojas exclusivas e de altos preços convivendo em harmonia com as lojas mais acessíveis e modestas.

Em geral, a atitude dos vendedores só é amável quando o cliente não anda a indeciso e sabe o que quer; ademais, sempre é melhor atendido quem têm a delicadeza de saúdar primeiro. Nos grandes armazéns existem empregados instruídos especialmente para atender aos clientes estrangeiros.

Galerias Lafayette e Le Printemps são duas das melhores lojas de roupa, porcelanas, equipamentos e perfumaria. Les Printemps, conta ademais, com um magnífico departamento de brinquedos e roupas íntimas.

Samaritane, nas proximidades do Pont Neuf, sobre o Sena, é uma peculiar loja que oferece mais de 52 uniformes de trabalho. Se o que deseja é encontrar bons livros e boa música, os armazéns fnac, do estilo moderno, se os oferecem com grande qualidade.

A moda nasceu em Paris e apesar de que tem-se trasladado a Tokio e Nova York, Paris segue sendo o centro artístico da moda. Em cada estação do ano realizam-se majestosos desfiles com as modelos do momento e Paris converte-se num cenário constante de atividade e com visitas de personagens do mundo social e econômico.

Em Paris estão presentes as mais prestigiosas firmas de moda como Dior, Givenchy, Saint Laurent, ou Channel. Comprar numa loja de alta costura ou "pret a portér" é privilegio de uns quantos, mas assomar-se a suas vitrines é uma possibilidade mais democrática.

A Margem esquerda têm por tradição, em Saint Germaine des Prés, grandes e pequenas livrarias, lojas de roupa especializadas e a vitrine da moda "chic" com as butiques de Sonia Rykiel e Charles Jourdan. A Rue de Saints Pères está coberta por sapatarias e estabelecimentos de telas e nos arredores da Rue de Rennes pode-se encontrar lojas de vários artigos de moda a preços muito acessíveis. Subindo para Montparnasse, pode-se encontrar grandes armazéns que oferecem bons produtos a preços adequados.

O Forum des Halles, antigo mercado popular ao leste do Palais-Royal, foi convertido num moderno centro comercial que alberga múltiplas lojas de roupa, sapatos e souvenirs entre outras coisas. Em seus arredores, perto do Palácio da Opera, a Rue Faubourg Saint Honoré alberga as lojas mais caras e exclusivas de jóias, peles e alta costura.

França é um lugar fantástico para a busca de antigüidades. Há lojas muito prestigiosas na Margem esquerda, assim como mercados populares nos arredores da cidade, especialmente os sábados, onde podem-se encontrar os clássicos soldadinhos napoleônicos de plomo, bonecas e instrumentos musicais.

O Mercado de Birom é especialista em antigüidades de móveis e arte, seus preços são muito inferiores aos das grandes galerias enquanto que sua qualidade é boa. Malik é o mercado que oferece mais diversão pois sua especialidade são os vestidos, jóias, trajes, uniformes, lembranças da Belle Epoque e a primeira Guerra Mundial.

Em cambio, se o que procura é Art Nouveau, Jules Vallés é o mercado ideal. Se o que quer é levar prá casa uma obra de arte, prove olhar e comprar em Montmartre com os pintores que se instalam nas calçadas, embora faça-o com firmeza e cautela pois é uma zona de muito trânsito.

Os amantes da leitura também têm um paraíso em Paris. Ao longo do Sena se colocam livrarias de segunda mão que na atualidade oferecem muito mais periódicos e revistas de época. Respeito a livros, Reiffel é o lugar adequado para procurar curiosidades e antigüidades.

Os perfumes são um maravilhoso presente de Paris ao mundo. Há várias lojas especializadas em ambos lados da cidade, mas não se ilusione demais com os preços, pois são muito similares aos preços do resto da Europa (em alguns casos mais caros).

Os queijos, embutidos e vinhos são extraordinários lembranças que levar da França. Lhe aconselhamos que busque embalagens que, além da beleza sejam seguras no relativo ao transporte e conservação dos alimentos.

Mercados em Paris

Os mercados são um espetáculo que não é aconselhável perdê-lo, ainda se não têm intenção de comprar.

Coloridos, ruidosos e com o aroma de Paris, há quatro mercados onde poderá deleitar-se com as cenas de vida que ali se representam dia a dia: o da Rue Mouffetard, que abre terça-feira, quinta-feira e sábados; o de Rue de Bucci, que está aberto todos os dias, exceto os segunda-feira; o da Rue Daguerre e o de Lepic, abrem diário e descansam os segunda-feira. Em Ile da Cité se coloca um mercado especializado em flores e plantas; é um verdadeiro desdobramento de cores, aromas e rumores que o vento dispersa por todo Paris.

Este mesmo mercado floral surpreende os domingos ao converter-se num mercado de pássaros.

Compras em outras regiões

No relativo a outras zonas, a emoção das compras se mantém e talvez se intensifique, pois as diferentes regiões francesas guardam preciosos tesouros, em forma de artesanatos, alimentos, doces, vinhos e um longo etc.

No Vale do Loire é conveniente procurar seus doces de mazapán, de ameixa, de açúcar de cevada e chocolate. Por outro lado, seu caráter palaciano têm discorrido em variadas lojas de antigüidades a preços mais acessíveis que em Paris. A louça, a cerâmica e os artigos de vime são caraterísticos desta formosa zona.

Em Bretanha impressionam seus trajes típicos, de origem celta, seus telas de lana, louça pintada a mano, rendas, tecidos bordados, marionetes, bonecas e joalheria típica. O chocolate é uma boa opção, especialmente as uvas em conhaque cobertas de chocolate. O artesanato, que pode-se adquirir nos mercados populares e em lojas especializadas se carateriza pela madeira talhada, jóias, artigos de pele, cristal e seda pintada.

Em Normandia destacam os bordados a mano, que costumam ser caros e difíceis de encontrar, mas que compensam por sua inacreditável beleza e tradição. Em junho em Caén e em agosto em Cabourg, se montam mercados de antigüidades onde podem-se encontrar objetos e peças muito interessantes.

Champagne e o norte são zonas tradicionalmente famosas por suas rendas, sedas pintadas e artigos de vime.

Em Amiens podem-se adquirir graciosas marionetes de manufatura tradicional enquanto que em St-Omer a louça esmaltada é o mais atrativo.

Mas sem dúvida, o que não deve esquecer comprar nesta zona é o produto de ouro da França: o champagne. Experimetne fazê-lo com os produtores regionais que se estabelecem ao longo dos povoados.

Na zona de Alsacia e Lorraine, ao leste, os jogos de mesas tecidos a mão são uma boa compra. A louça esmaltada de brilhantes cores é preciosa.

Em Lorraine a cristaleria é o ponto de êxtases: Baccarat têm sua origem aqui. Bensancon é a terra dos relógios e as Ardenas oferecem trabalhos em madeira talhada enquanto que Langers é famosa pela a suas facas.

Em Borgonha, Troyes é o lugar ideal para adquirir roupa a preços geralmente inferiores, até num 50% mais baixo que no resto da França. O vinho da região, escasso e caro mas maravilhoso, é outra boa aquisição.

Lyon é a segunda cidade em importância do país. É um mercado significativo de roupa elegante e seda. Suas gravuras também são chamativos assim como suas marionetes. Respeito a comida, o chocolate, alguns pastéis e patês são dignos de tentar levá-los prá casa. Há associações de artesãos que têm seus próprios mercados e oferecem objetos fatos a mão a preços muito vantajosos.

A zona provençal é famosa por suas figuras de barro que representam aos participantes do nascimento de Cristo, feitas a mão e pintadas em cores chamativos; se lhes conhece como "santons". Em Aix-en-Provence, os sabões de ervas e flores são uma boa compra; ai mesmo, os maçapães de amêndoa e ovo convertem-se em atrativas figurillas.

Provença é zona de formosas e delicadas telas com finos estampados, que podem-se adquirir por metros ou bem, convertidos em vestidos, chais e jogos de mesa. Os mercados provençais são muito chamativos, embora a maior parte dos produtos que oferecem não sejam objetos que se possam levar a casa.

A Riviera, a zona mais exclusiva do sul, lhe oferece roupa e acessórios elegantes, geralmente de prestigiosas e reconhecidas marcas. Os chocolates e frutas escarchadas são outra alternativa. O aceite de oliva, muito bem envasado atrai muito aos visitantes.

A zona de Toulouse e os Pirineos favorece o sabor de seu famoso foie-gras e pato em conserva em latas que asseguram sua duração. Sant Vincens em Perpinhám lhe deleitará com um mercado de artesanatos. A roupa, livros, discos, jóias e perfumes são acessíveis e variados nesta parte da França.

Córcega é terra de bosques e madeiras. Seu artesanato lança mão deste recurso e pode-se adquirir objetos talhados neste nobre elemento. Um bom cachimbo da Córcega é um presente excelente. A cerâmica também é atrativa, além dos tecidos e aquarelas.

POPULAÇÃO E COSTUMES

França é um país com uma grandeza histórica e cultural muito mais ampla que o seu território de apenas meio milhão de quilômetros quadrados. Tem uma população de 57 milhões, na maioria adultos e de terceira idade.

Como muitos países europeus, sofre o problema de desemprego, o qual têm fato dos últimos anos uma época difícil de assumir, variando o caráter dos franceses para sentidos menos participativos na vida social, como era seu costume.

Uma caraterística de seus povoadores é a apertura cultural para outros habitantes do planeta dentro e fora do seu território, sem perder sua individualidade ou afetar seu nacionalismo.

Tradicionalmente França têm sido um dos impulsores da tolerância racial e cultural, eixo de muitas associações internacionais em favor dos direitos humanos. Este aprecio à diversidade se reflete no seu território. Nele convivem, em boa medida, minorias africanas, judias e da Europa do Leste que conformam uma população de quase 4 milhões. Tudo isso produz um espetacular mosaico de cores, idéias e raças.

Durante a época de seu esplendor imperial e seu domínio bélico dos séculos XIX e XX, o nível de vida francês foi dos mais altos do mundo; suas modas sociais, educativas, científicas e inclusive de vestido, eram imitadas em todo o mundo. Ser francês, por nascimento, era uma espécie de dom divino incomparável.

Isto causou uma espécie de sobre valorização de sua cultura que fez presa a alguns de seus habitantes e desta forma, se ganharam uma fama de individualistas que desprezavam aos demais países e que lhes olhavam por acima. Atualmente esse sentimento têm ficado atrás ao ver-se enfrentado à realidade de finais do século XX. Hoje em dia, França vê nos países europeus, aliados aos que lhes deve tratar com hospitalidade e respeito.

A vida familiar segue sendo um núcleo social importante, embora cada vez existem mais famílias sem filhos. O nível de vida permite que o bem estar reine na maioria dos lares. Existe a costume da comida em família, que se respeita apesar do acelerado ritmo de suas cidades.

Outra costume francesa é não comer entre comidas nem beber aperitivos que estragam o gosto pelos alimentos. Se uma família lhe convidasse a comer, a pontualidade é básica e é recomendável que o aparência seja formal. No lar, é costume repetir várias vezes o prato que mais agrada, sem que por isso se descuide aos outros pratos do dia.

Os franceses gostam que os visitantes façam esforços para falar em sua língua, embora seja com um péssimo sotaque. São muito mais cordiais quando percebem o interesse do visitante que quando lhe olham indeciso e incapaz de arriscar-se. Rara vez respondem em outro idioma embora o conheçam muito bem.

As mulheres francesas, especialmente as parisienses, vestem com uma elegância que não têm que ver com suas roupas ou adornos, senão mais que nada com a graça que imprimem a seus movimentos, andares e gestos. Essa mesma graça que cativa e faz mirar os lugares históricos desta cultura com ansiosos olhos.

Os jovens têm acesso, em geral, à educação universitária pelo que sua preparação é alta. Os centros educativos contam com grande tradição no relativo a sua qualidade, motivo que traz anualmente a milhares de estudantes dos lugares mais recônditos do planeta. Este fato contribui a que o caleidoscópio das imagens urbanas se complique e se volte mais atrativo.

Entre as costumes mais importantes dos habitantes do país está a assistência a espetáculos teatrais, musicais e cinematográficos. Sendo França o berço do cinema, seus povoadores devoram com assiduidade o que a industria produz, especialmente a cinematografia nacional, porque, um traço muito próprio dos galos é o amor às produções de sua pátria.

A gente em França têm uma só costume comum, a de surpreender pela sua segurança, por sua variedade e por sua facilidade para misturar-se com o novo sem perder o que têm conservado por anos. Pela mesma razão, para conhecer aos franceses há que transladar-se às regiões mais distantes das grandes cidades.

Nelas conservam-se costumes mais antigas, mais simples, especialmente no relativo à alimentação e a diversão, o que produz um agradável contraste com a vida urbana. A vida religiosa é mais ativa nestas áreas, onde celebram-se incontáveis festividades de caráter religioso cada ano.

Apesar de todo, o principal traço do galo moderno é seu apego à liberdade individual, apego que se fortaleceu com o governo socialista e que os faz afortunados embora solitários. Possivelmente por essa solidão e o agobio econômico que vivem atualmente, estejam procurando com ansiedade as atenções de adivinhos e curandeiros, deixando claro que não perderam seu caráter mágico, de herança celtica.

ENTRETENIMENTO

Um espirito de curiosidade e um pouco de energia são suficientes para não se cansar num país como França, no que existem múltiplas formas para ocupar-se e que abarcam desde os gostos e motivos mais simples até os desejos mais sofisticados.

É comum associar a esta nação com os eventos e lugares mais atrativos do mundo, com a mais alta expressão artística e cultural, contudo, em França podem-se viver trepidantes aventuras em suas montanhas, seus rios e suas ilhas ou bem, desfrutar de sossegados passeios por suas campinas, seus vinhedos, litorais e cidades medievais.

A estranha qualidade mimética desta nação experta em abrir-se aos visitantes de qualquer nacionalidade e cultura, faz que o estrangeiro veja nela justamente o que deseja ver. Seja qual seja o interesse particular do viajante, nesta terra poderá encontrá-lo.

Mar, Praia e Sol

As areias do litoral Atlântico francês são magníficas para os esportes de navegação com vela já seja em água ou na areia. A região do Canal da Mancha é o lugar ideal para os apaixonados do surf, especialmente durante os meses do outono.

O mergulho pode ser praticado com grande facilidade nas ilhas mediterrâneas como Córcega, Porquerolles e Port Cros. Suas águas transparentes e espécies marinhas farão sentir a profundidade do imenso mar; se ademais, ao sair encontra-se com esse ar de piratas que oferecem as ilhas, a experiência será única.

Os Portos do Atlântico oferecem uma possibilidade que nem todos os lugares do mundo tem: centros naturistas onde pode-se levar uma vida tranqüila, distante da contaminação, mas muito longe de resultar cansativa. se é mais atrevido, as zonas costeiras da Riviera, especialmente Saint Tropez, escondem pequenas praias destinadas ao nudismo. Numa palavra, França oferece todas as possibilidades para quem gosta de praia, areia e sol.

Turismo Fluvial

Navegar pelos rios da França é uma aventura relaxada e atrativa. Mais de 12.000 quilômetros de leito fluviais navegáveis - graças aos 5.000 quilômetros de canais que unem aos rios- oferecem variadas alternativas.

Os quatro principais rios (Dordonha, Loire, Ródano, único rio que desemboca no Mediterrâneo e o Sena), contam com tours organizados para percorrer seus afluentes e desfrutar das paisagens que os rodeiam. estes passeios costumam ser tranqüilos, por vezes animados durante a travessia com música ou um pequeno salão de baile, mas que podem ser perfeitamente familiares. Existem cruzeiros de uma manhã até de vários dias em modernas embarcações tipo hotel.

Se o que lhe atrai é a independência e a solidão, pode alugar um bote pequeno ou uma casa flutuante e percorrer por suaconta a zona elegida. Entre os lugares mais visitados e atrativos encontra-se o vale do Loire, o Canal de Borgonha, o Marne que cruza os vinhedos de Champagne e chega a Estrasburgo e o Canal de Midi que passa por Bordaux.

Algumas direções de interesse para praticar turismo fluvial no Rodano:

Relais Nautique D´Avignon, Kapitaim Manureva Pont St Benezet. Avignon.

DNP France, 20, Quai du Canal. Saint Guilles.

Au Fil de l´Eau, 1 Rue Emile Zola. Vitry sul Seine.

Cruzeiros

Fazer um cruzeiro pelas pequenas ilhas que salpicam as costas francesas pode ser uma aventura apaixonamte e romântica.

Existem alguns lugares indicados para realizar esta atividade:

Castelo de If e Ilha de Frioul. Agrupamento de Armadores costeiros Marselleses. Quai des Belgues. Marseille.

L´Ile Verte. Quai Ganteaume. A Ciotat / Quai de Gaulle. Le Voltigeur II. Le Monte Cristo II.

Ilha de Bendor. Société des Transports Maritimes de Bendor. Bandol.

Ilha de Hyéres (Porquerolles, Port Cros e Ile du Levant), Embarcadouro no porto de Hyères e na Tour Fondue.

Transports Maritimes du Litoral Varois. BP 1106.

Compagnie des Transports Maritimes "Iles d´Or" e "Le Corsire". 15, Quai Gabriel Péri. Le Lavandou.

Armement Yves Amal. 1247 Route de Faron. Toulon.

Centros Termais

Desde a época dos romanos existiram pequenas zonas termais acolhedoras e suaves. Atualmente são centros de descanso invejáveis que oferecem múltiplos serviços. Entre os mais famosos estão Bourbonne les Bains na zona dos Vosgos, Contrexeville, Parque Vitel, Bourbole e Royat em Auvergne e Vichy, proximidades ao bosque de Troncay e ao Lago Allier.

No mar também existem centros de talasoterapia que combinam as bondades da água com as de algas marinhas e outros produtos relaxantes. As costas do oeste oferecem serviços de tipo tonificante e revitalizante; as do sul são as ideais para o descanso e diminuição do estresse. As costas do norte estão mais orientadas à relaxo através de atividades esportivas.

Pesca em Lagos

As cadeias montanhosas contam com lagos que convertem-se no recipiente ideal da primavera quando acontece o desgelo das altas montanhas. É então um momento e um lugar ideal para a relaxo por meio da pesca encontrando salmão, truta e carpa entre outras espécies. Languedoc-Roussillom combina com harmonia a pesca e a montanha.

Se o que interessa é encontrar-se com o místico salmão, os Pirineos Atlânticos são o lugar ideal. Se por outra parte, se desejam grandes espécies como marlins, tubarões e wahoos, (A Reunião no Indico) é o lugar ideal.

Turismo de Montanha

O país conta com várias cadeias montanhosas de níveis médios e com os Alpes e os Pirineos para as grandes altitudes. Sua ascensão, tanto em verão como em inverno, é uma emoção inesquecível. Em qualquer caso é conveniente prever as diversas situações climáticas e de saúde e não pôr-se metas impossíveis. Apesar de que as zonas estão altamente protegidas e oferecem estações adequadas para passar a noite ou descansar, é melhor não arriscar-se demasiado.

Viajes em Bicicleta

A França têm uma grande tradição ciclista. Quase pode-se cruzar todo o território neste meio de transporte, embora desde logo com várias escalas.

Há mais de 28.000 sendeiros corretamente sinalizados para os amantes da bicicleta.

A rota que se elija pode ir perfeitamente em função do que se quer ver e descobrir: o vinho, as costas, os castelos medievais, etc.

Viajes a Cavalo

Este nobre meio de transporte é muito atrativo para dar um passeio corto ou de mediana duração sobre as zonas verdes da França. Suas paisagens adquirem uma imagem muito mais histórica se percorrem num meio de locomoção tão natural como o cavalo. Pode alugar-se com ou sem guia nas cidades próximas aos lugares mais adequados para seu uso, como são as praias e povoados situados nos formosos vales.

Espeleología

Mais de 10.000 grutas e cavernas esperam para os curiosos que desejam descobrir as profundidades da terra. As mais atrativas são as de Pierre São Martín nos Pirineos, Vercors, Ardeche e as Gargantas do Verdon. Se não se deseja ir tão longe, nos arredores de Paris as grutas próximas a Fontainebleau podem ser uma magnífica opção.

O roteiro dos vinhos

Cada região têm seus vinhedos próprios e fascinantes, acompanhados de suas vinhatarias e bodegas. Fazer um percurso por elas é uma excelente forma de compreender o aprecio por esta bebida. Pode-se escolher entre a rota de Alsacia, a do maravilhoso e afamado Borgonha, que entre outubro e novembro converte-se numa rota inesquecível, a do Bordaux, o Loire, Provença e, por suposto, a rota do Champagne.

Fazer um itinerário do vinho é em certa forma ver sua origem, sua gestação e seu destino. No caminho, que pode ser em ônibus ou inclusive em bicicleta, podem-se ir descobrindo histórias fabulosas que adornam ao fruto da vide e que têm tornado o produto mais típico da França.

Rotas Religiosas

Se elige viajar às mais renomeadas zonas religiosas da França pode fazê-lo amplamente. Cada pequeno povoado e cada grande cidade guardam uma magnífica relação histórica com a igreja. Há agências que organizam tours exclusivamente para visitar os monumentos, edifícios e todo o relacionado com a história religiosa.

Cemitérios

Embora possa parecer estranho, um dos melhores lugares para conhecer mais a fundo o país são seus cemitérios. Com uma grande reverencia pela morte, os franceses têm-se distinguido pela beleza com que constróem e conservam as últimas moradas de seus homens e mulheres ilustres.

Turismo Musical

Esta é uma classe de tour organizado para chegar a diversos lugares que têm relação direta com a música, especialmente durante a temporada de concertos ou os programas de Opera de Paris. O plano inclui traslados, entradas aos concertos e hotel com ou sem alimentação.

Cursos

A maioria dos cursos que se oferecem são para aprender o idioma francês, em especial em Paris e se ofertam durante o verão ou nas férias escolares. Estão organizados para toda classe de pessoas, embora predominam os destinados a estudantes.

Se dividem em principiantes, intermediários e avançados. Existem também cursos de gastronomia, hoteleira, etiqueta e artes que se promovem durante todo o ano. Na zona de Provença, região que têm recorrido grande parte da tradição francesa da arte popular, se distribuem cursos breves de olaria, gravura em madeira, vidro, mosaico ou cobre, marceneria, pintura, fotografia, escultura, tecido e cerâmica.

Vida noturna

Para os amantes da escuridão e as luzes artificiais, as noites costumam ser intensas, especialmente em Paris. Centos de discotecas, bares, cafeterias, centros de espetáculos, em ambos lados da cidade, lhe esperam.

Um tranqüilo e romântico passeio em bote pelo Sena é possível em essas noite de lua cheia que adquirem um cor diferente e reanimam os sentidos. O que deve ter presente se gosta da vida noturna é que França costuma ser cara no relativo às entradas e consumações em seus centros e que alguns de eles são exclusivos e não será fácil entrar sem reserva e inclusive em ocasiones, de nenhuma maneira.

Nas cidades de Provença, a vida de noite é tão agitada como em Paris, especialmente na Riviera. Geralmente se exige roupa formal para ingressar a certos estabelecimentos.

Endereços de Museus e Parques de Ócio

Inter Musées (Association), 25 rue du Renard, Paris.

Caisse Nationale des Monuments Historiques et des Sites, Hotel de Sully. 62, rue Saint-Antoine, Paris.

Musées Nationaux, 49, rue Etienne-Marcel, Paris.

Cité des Sciences et de l´Industrie na Villette, 30 Avenue Corentim Cariu 75930 Paris Cedex 19.

Le Pays France Miniature / Grupo de Museus Grevin, 25 Route du Masnil - 78 990 Elancourt. Tel.

Memorial de Caem / Museu pela Paz, Esplanade D. Eisenhower. BP 6261 - 14066 Caem Cedex.

Nausicaá / Centro Nacional do Mar, Boulevard Ste-Beuve 62200 Boulogne sul Mer.

Futuroscope, BP 3030 - 86130, Jaunay Clan.

Parc Astérix, BP 8 - 60128 Plailly.

Chateau et Parc de Thoiry, 78770 Thoiry.

Océanopolis Brest, BP 411 - 29275 Brest Cedex.

O Dorado City, Chateauneuf les Martigues (Bouches du Rhone).

Ok Corral, Cuges-les-Pins (Bouches du Rhone).

Aquacity, Estrada de Septèmes-les-Vallons "Le Petit Péage" (Bouches du Rhone).

Parc Minifrance, RN 7 Estrada de Nice Brignoles (Var).

Niagra, Estrada de Canadel A Mole (Var).

Aqualand, Z.A.C. des Pradeaux BP 42 Saint Cyr sul Mer Cédex (Var).

Aquatica, Direção Sainte Maxime RN 98 Fréjus (Var).

Parques Naturais Nacionais

Les Ecrins (Isère, Hautes Alpes).

Port-Cros (Var).

Le Mercantour (Alpes Maritimes, Alpes de Haute Provence).

Parques Naturais Regionais

Camargue (Bouches du Rhone).

Luberam (Vaucluse, Alpes de Hautes Provence).

Queyras (Hautes Alpes).

Parques Marinhos, Zoos e Parques Naturais Protegidos

Parque Regional Marinho da Cote Bleue (Bouches du Rhone).

Parque Regional Marinho da Baie da Ciotat (Bouches du Rhone).

Le Barbem Parque Zoológico (Bouches du Rhone).

Parque Natural Protegido des Cordes (Bouches du Rhone).

Parque Zoológico (Var).

Zoo e Jardim exótico (Var).

Zoo (Var).

Feiras de Mont-Faram (Var).

Parque das Aves (Var).

FESTIVIDADES

Um dos maiores atrativos da França são suas festas e festivais. Anualmente celebram-se mais de 500 acontecimentos relacionados com o cinema, a arte, a religião, o esporte e a gastronomia, entre outros, que não só resultam conhecidos em todo o mundo, senão que representam a elite de diversos setor es.

Por outro lado, cada região têm à parte que seu vinho, sua cozinha e seu queijo, suas festividades próprias. Não há que esquecer que França é uma nação onde convergem grandes culturas de antanho e contemporâneas, pelo que seus festivais estão abertos ao mundo.

Janeiro - Fevereiro

A princípios de janeiro têm lugar o Festival Internacional do Circo em Mônaco onde os melhores palhaços, trapezistas, magos e domadores do mundo se dão encontros para reivindicar sua profissão. A mediados do mesmo mês têm lugar o Rally de Montecarlo, de grande tradição no mundo do automobilismo.

Em fevereiro os Carnavais se vivem, como em outros países da Europa, sendo o mais importante o de Nice, onde a cultura mediterrânea impõe seus disfarces, suas fantasias e sua algaravia.

Março - Abril

Entre os meses de março e abril realiza-se o Prix du Président da République no hipódromo de Auteuil, em Paris. Também em abril comparessem as melhores raquetes do mundo no Campeonato Aberto de Tênis de Montecarlo.

No vale do Loire, desde abril até setembro, realizam-se em numerosos castelos Espetáculos de Luz e Som.

A época de Semana Santa, que sempre celebra-se em algum destes meses, é temporada para desfrutar, em cada região, as diferentes e particulares visões do cristianismo. As festividades do norte, antiga zona celta, se caraterizam pelo colorido de seus trajes e sua música.

Maio - Junho

Maio é um mês muito ativo. Destaca o Festival de Cinema de Cannes que durante dos semanas reúne às estrelas mais famosas do mundo cinematográfico e que conta com um grande prestigio dentro do cinema cultural e de vanguarda.

Quase ao mesmo tempo têm lugar a Maratona Internacional de Paris no coração desta histórica cidade. para finais deste mês inicia o Festival Internacional de Lyon e o Campeonato Aberto de Tênis da França, que celebra-se no estádio Roland Garros de Paris.

A mediados de junho inicia o Festival du Marais, dedicado durante um mês aos espetáculos de música, dança e teatro e realizado nas igrejas e mansões históricas de Marais, em Paris. Também neste mês celebra-se o Festival Internacional de Música de Estrasburgo assim como a grande Corrida de Obstáculos de Paris que realiza-se no hipódromo parisiense de Auteuil.

O 21 de junho em toda França é a Festa da Música, com a que se comemora o inicio do verão. O Gran Prêmio de Paris fecha o mês de junho com a emoção da competência hípica em cavalos de três anos no hipódromo de Longchamp.

Julho - Agosto

Julho é o mês da França por excelência. O dia 14 se comemora o Dia da Queda Bastilha, símbolo da Revolução Francesa de 1789. A calidez do verão francês é o marco de numerosos acontecimentos de todo tipo, especialmente no mês de julho. O Festival de Avignon destina seu espaço ao teatro europeu de vanguarda apresentando espetáculos por toda a zona. O Gran Festival de Jazz, em Nice, oferece os melhores grupos deste gênero, enquanto que o Festival de Música e Arte Lírica, em Aix-en-Provence, deleita durante quase três semanas aos amantes dos espetáculos musicais.

O Festival de Verão de Paris, que inicia a mediados de julho e se prolonga até finais de setembro, dedica seu espaço à música clássica executada em igrejas, museus e salas de toda a cidade. Entre julho e agosto, o Festival Internacional de Fogos Artificiais converte-se numa deslumbrante exibição pirotécnica em Mônaco.

O mês de julho termina com a corrida ciclista mais famosa do mundo: o Tour da França, a cuja meta nos Campos Eliseos acorrem grande quantidade de amantes para aclamar aos corredores.

Durante agosto continuam alguns dos festivais musicais e artísticos iniciados em julho. Em Bretanha têm lugar o Festival Intercéltico de Lorient que rememora as danças, cantos e lendas herdadas dos celtas.

Setembro - Outubro

Em setembro, quando o clima é ainda quente mas longe das chuva verãos, começa o Festival de Música de Bensancon e Franche Comté dedicado à música de câmara. Neste mesmo mês inicia o Festival de Outono de Paris, dedicado às artes e que se prolonga até finais de dezembro.

Entre setembro e outubro celebram-se as Festas do vinho cujo motivo é a celebração da colheita da uva nas regiões vinícolas da França como Champagne-Ardenne, Alsacia e Borgonha. Também nessas datas tem lugar a Bienal de Dança de Lyon que representa um cenário importantíssimo para a dança contemporânea e moderna.

Nos primeiros dias de outubro têm lugar o Prix de l'Arc de Triomphe, corrida anual de cavalos que se leva a cabo no hipódromo de Longchamp em Paris.

Novembro - Dezembro

Na região de Borgonha, a finais do mês de novembro realiza-se o festival de vinho desta denominação que inclui a subasta mais importante de todo o ano: Les Trois Glorieses. Esta festividade conta com uma grande tradição, momento em que as famílias desfilam pelos vinhedos e fazem do campo seu pedaço de éden desfrutando de uma deliciosa e tradicional merenda.

Dezembro, mês do Natal num país de tradição cristã, traz o dia 24 o Festival do Pastor, uma celebração natalina que inclui uma tradicional missa de galo e um atrativo nascimento de figuras vivas em Les Baux, Provença. O Natal francês está cheio do colorido caraterístico desta época do ano que oferece variados espetáculos organizados principalmente para as crianças pelos setores comerciais da nação.

Aparte disso tudo, Paris oferece ao longo do ano as celebrações, não históricas nem tradicionais, mas sim muito esperados os desfiles de moda, de calçados, de acessórios e objetos de adorno. Há também inumeráveis eventos musicais, de dança, de teatro ou esportivos que se projetam em diferentes épocas do ano e que podem ser o ponto principal de uma visita a esta maravilhosa terra.

TRANSPORTES

Avião

As principais cidades da França estão comunicadas por via aérea. Existe, além de Air France, duas linhas aéreas de caráter nacional e ao redor de 29 regionais.

As principais cidades francesas contam com um aeroporto grande e moderno.

Paris têm dois aeroportos internacionais: o de Orly, situado a 14 quilômetros ao sudeste da cidade e o Charles de Gaulle, também conhecido como Roissy, 23 quilômetros ao norte do centro da cidade. Ambos aeroportos oferecem facilidades ao viajante para transladar-se a qualquer lugar da cidade desde as 5.55 h. até as 23:00 h.

Em ambos existem conexões com o trem expresso suburbano, com ônibus especiais e com taxis. A diferença de preço entre o trem e os ônibus, com respeito ao taxi é considerável pelo que é recomendável, se leva pouca bagagem e se dispõe de tempo, utilizar o transporte público.

Barco

França conta com uma excelente rede de rotas marítima que enlaçam vários países da Europa e do resto do mundo. As mais populares rotas as mantém com Inglaterra e Espanha através dos Ferrys que percorrem o Canal da Mancha.

Na zona mediterrânea existem, ao alcance da maioria, cruzeiros desde 2 até 30 dias que variam de preço de acordo à qualidade do serviço contratado. O maior atrativo da navegação por mar radica mais na possibilidade de apreciar os formosos lugares da Costa Azul, gozar de diversão e um serviço completo, mais que como um meio de transporte.

As embarcações estrangeiras podem atracar em qualquer porto marítimo francês sem ter que pagar quota alguma exceto se pensa permanecer mais de 30 dias; neste caso têm de pagar-se um imposto por repatriação da nave. Respeito à navegação fluvial, as disposições são diferentes e os estrangeiros que trazem seu próprio barco deverão abonar um imposto para poder navegar em águas de rios franceses.

Existem agências que alugam barcos de diversos tamanhos para que o turista os conduza, ou bem, previstos de tripulação. Em ambos casos, o seguro é obrigatório. Também existem companhias que oferecem rotas de navegação por diversos rios, muito populares, pois França é o país europeu com maior densidade de tráfico fluvial. estes percursos geralmente são tão atrativos como os marítimos, com o aumento da emoção das correntes e o passo constante por vilas pitorescas e grandes cidades. Entre as rotas mais solicitadas estão as de Bretanha e Borgonha.

TRENS TALGO TRANS-PIRINEOS

Sem lugar a dúvidas, uma das melhores formas para aceder a França desde Espanha é fazê-lo com os TRENS TALGO TRANS-PIRINEOS. As vantagens podem ser inumeráveis pois os trajetos diretos realizam-se durante a noite (o que se traduz na economia de uma noite de hotel) em confortáveis carros cama (cabina individual, cabina doble, cabina quádrupla), em alguns casos previstos de ducha e lavabo, com os últimos avanços e comodidades dos trens próprios do século XXI. Todos os trens contam com Coche Cafeteria, para picar e beber algo e com Coche Restaurante, com os melhores pratos da gastronomia espanhola e francesa.

Os trens TALGO TRANS-PIRINEOS têm sua chegada a seu destino a primeiras horas da manhã nas principais estações, pelo que o passageiro, descansado e com café da manhã tomado, aproveita ao máximo seu dia. Deste modo, o sistema Talgo RD permite o cambio automático das vias sem a intervenção humana (no há que esquecer que o largo das vias espanholas é diferente ao do resto de países da Europa).

Os trens TALGO TRANS-PIRINEOS, batizados com nomes de personagens emblemáticos, oferecem os seguintes trajetos:

Trem "Francisco de Goya", Madrid - Paris, com uma parada especial em Poitiers muito perto do Parque Temático Futuroscope.

Trem "Joan Miró", Barcelona - Paris, com uma parada na capital da borgonha francesa: Dijon.

Trem "Paul Casals", Barcelona - Zurich (com paragens em Geneve, Lausana, Berna e Friburgo).

Trem "Salvador Dalí", Barcelona - Milám (com parada em Turín).

Trem

Em França existem trens de Alta Velocidade (TGV) que fazem percursos entre Paris e as principais cidades como Lyon, Bordaux, Nantes, Rennes e Marseill. A reserva no TGV é obrigatória. Também conta com trens normais que estão classificados em várias categorias e cujos preços variam entre uma e outra classe. A maior parte dos trens contam com camas, comedor, salão e serviços higiênicos. Viajar neles, além da comodidade e beleza, é a oportunidade de apreciar melhor as paisagens da França.

As grandes cidades contam com várias estações ferroviárias, distribuídas na cidade de acordo aos lugares de onde procedem e a onde retornam.

Em Paris, por exemplo, há seis estações de trem internacionais: Gare du Nord, para quem chega ou parte para o norte via Calais; Gare Saint Lazare, para quem se dirige ao norte via Dieppe; Gare del'Est, para aqueles que têm como destino Europa Central; Gare de Lyon, para dirigir-se para Provença e Italia; Gare d'Austerlitz, para viajar para o vale do Loire e Espanha; e Gare Montparnasse para quem tem seu destino em direção Bordaux.

Para percorrer o interior do país fazendo uso das redes nacionais de trem se têm várias alternativas. A melhor e mais rápida são os trens de alta velocidade cuja velocidade varia entre os 250 e 300 km/hora dependendo da rota a que corresponda. Com os TGV é possível transladar-se de Paris a Lyon, Suíça, a Riviera, Angers, Nantes, Tours e Bordaux. Para o resto de destinos existem trens regulares que são limpos, cômodos e oferecem serviço de comedor na maioria dos casos, embora os alimentos costumam ser caros. Em França existe o costume de cobrar um importe adicional por viajar nas horas de maior tráfico.

No caso de que se requer viajar de noite, os trens internos da França contam com os conhecidos "wagon-lits" (coches cama) e os leitos ou "couchettes", que estão agrupadas de seis em seis.

A empresa de transporte ferroviário organiza o calendário em dias vermelhos, brancos e azules. Os primeiros são os feirados, durante os quais não existe nenhuma classe de descontos; os dias brancos correspondem ao fim de semana e só oferecem descontos do 20% aos jovens e aos passageiros da terceira idade. Os dias azuis são os dias uteis, exceto a sexta-feira, e oferecem um desconto do 50% às mesmas pessoas que os dias brancos. Em qualquer caso, a tarifa do trem não varia comprando a viagem redondo e costuma diminuir quando se compra um bônus de 4 ou 8 viagens.

Ônibus

O ônibus não é o meio mais popular dentro da França, possivelmente porque a rede ferroviária o substitui. As estações de ônibus costumam estar distantes das zonas centrais das cidades e o mais comum é que os visitantes estrangeiros que chegam por este meio, o façam em tours previamente organizados por agências de viagens com lugares especiais para estacionar.

Carro

As estradas francesas são seguras e encontram-se em muito bom estado. A rede de estradas cobre densamente o país e pode-se chegar por este meio a qualquer lugar.

A circulação é pela direita e as velocidades permitidas variam de acordo ao tipo de estrada: 50 km/h nas zonas urbanas, 90 km/h em estrada, 110 km/h em autovias e 130 km/h em auto-estradas. É obrigatório o cinto de segurança para todos os passageiros que viajem no veículo. As crianças deverão ter dispositivos adequados para sua idade que lhes assegurem durante o trajeto e em caso de acidentes. É válido o carnê de conduzir de outros países sempre que o condutor seja maior de 21 anos e o veículo tenha seguro a terceiros. As infrações para os estrangeiros devem abonar-se no momento mesmo em que são impostas e costumam ser altas.

A tarifa nas auto-estradas de pedágio é elevada, todavia, isto se compreende ao observar o magnífico estado em que encontram-se as auto-estradas e os serviços que oferecem aos condutores. As áreas de descanso e serviço são maravilhosas e oferecem toda classe de produtos necessários para o caminho, boas comidas e postos de gasolina rápidos e cômodos.

Existe um serviço de atenção em caso de avarias por meio do qual basta uma chamada para que um membro de uma oficina autorizada se apresente e conserte qualquer defeito mecânico ou auxilie em rebocar o veículo.

As áreas de descanso têm sido desenhadas pensando em toda classe de viajantes e contam com lugares para merendar, para relaxar-se ou para que as crianças brinquem. desta maneira, as auto-estradas oferecem uma paisagem inesquecível e uma especial proximidade à cultura francesa.

Se não têm carro ou não deseja pagar o custo de transladar o seu próprio, pode encontrar as mais prestigiosas agências de aluguel de veículos em França.

Transportes Públicos

O melhor para percorrer a cidade uma vez instalado é converter-se num audaz pedestre. A quantidade e proximidade de lugares históricos, museus, monumentos, restaurantes e centros de interesse faz que as distâncias sejam assombrosamente curtas; enquanto que a vista resulta muito atrativa com os mercados, lojas, varandas e bairros, que leva à conclusão de que caminhar é o melhor que pode-se fazer em França. Para um percurso maior pode utilizar o metrô em Paris, Lille, Lyon, Marseill, Toulouse e Rouen. O horário de serviço é das 5:30 h às 0:30 h.

O ônibus é outra boa opção para transladar-se dentro das cidades francesas. O serviço é bom e amplio em qualidade e cobertura de distância e de horário; geralmente iniciam às 6:30 h e terminam às 22:30 horas. Por a noite há um serviço noturno de ônibus em Paris, uma cidade que não dorme.

Os bilhetes se compram ao momento de abordar ou nos estancos; podem-se adquirir por unidade ou por bônus, existindo combinações variadas segundo as necessidades do viajante. Lembre-se de conservar seu bilhete durante o trajeto.

O carro não é, no caso do turista, o melhor meio para percorrer uma cidade francesa. O melhor é estacioná-lo em algum lugar seguro, difícil de encontrar, por certo, e percorrer a cidade por outros meios. O taxi é um meio que deve deixar-se como recurso especial, pois costuma ser caro, pode-se encontrar em meio de um engarrafamento não economizar tempo nem dinheiro.

Bicicleta

Os franceses são grandes amantes ao ciclismo; por isso é freqüente encontrar espaço para as bicicletas nas estradas e caminhos, assim como numerosas empresas de aluguer. Talvez não seja o meio mais adequado para percorrer o país, contudo, a bicicleta oferece uma possibilidade de sair do turismo tradicional e se recomenda, ao menos durante um pequeno percurso entre uma cidade ou povoado e outro.

Fonte: www.rumbo.com.br

França

"Marcos históricos monumentais, belos jardins, cozinha de classe internacional, alta costura, um dos maiores e mais completos sistema de metrô do mundo e toda sua vida sociocultural. "

Famosa pela culinária, pela moda, pelos perfumes e conhecida como importante centro irradiador de cultura, a França é um dos países mais visitados do mundo.

Localizada a oeste da Europa Ocidental, ocupa uma área de 543.965 km² e tem uma população de aproximadamente 58,9 milhões de habitantes, composta basicamente por três grupos: o nórdico, o alpino e o mediterrâneo.

Paris, a "cidade luz", é a capital do país e o destino preferido de milhões de turistas, mas a França oferece paisagens variadas e atraentes, que vão das regiões montanhosas dos Alpes à ensolarada costa mediterrânea.

Diversão

Centro de discotecas, bares, cafeterias, centros de espetáculos, em ambos lados da cidade, lhe esperam. Um tranqüilo e romântico passeio em bote pelo Sena é possível em essas noite de lua cheia que adquirem um cor diferente e reanimam os sentidos. O que deve ter presente se gosta da vida noturna é que França costuma ser cara no relativo às entradas e consumações em seus centros e que alguns de eles são exclusivos e não será fácil entrar sem reserva e inclusive em ocasiones, de nenhuma maneira.

Transporte

A principal porta de entrada internacional para Paris e a França é o Aeroporto Charles de Gaulle [1] (CDG), também conhecido como Roissy, que é o segundo mais movimentado da Europa. Situado a 23 quilômetros do centro de Paris, o aeroporto tem diversas conexões com a cidade e até mesmo com outras partes do país e da Europa,

Do terminal 2 (onde pousam a Air France e a TAM - a TAP usa o terminal 1) parte a linha B do RER.

A rede do metrô é muito extensa e, não importa onde você vá, quase sempre haverá uma estação por perto.

Dinheiro

A moeda corrente é o Euro da União Européia.

Existem notas de maior valor: de 500 euros, 200 euros, 100 euros e 50 euros e circulam, também, notas de menor valor: de 20 euros, 10 euros e 5 euros.

O cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares.

Clima

No inverno as temperaturas são baixas em todas as regiões, embora não costumam descender baixo zero, excetuando a zona dos Alpes e os Pirineos.

No verão a temperatura atinge os 27 graus centígrados na maior parte do território.

Os melhores meses para conhecer França são junho, quando o clima quente começa a invadir mas ainda não é muito quente e setembro, que conserva o encanto do verão sem as sufocantes temperaturas.

A primaveira se instala em França em maio.

A temporada de esqui nos Alpes começa em dezembro.

Paris

França
Torre Eiffel

Paris é a capital cosmopolita da França e a mais visitada do mundo. Com 3 milhões de pessoas vivendo na cidade e mais 10 milhões em seus subúrbios (la banlieue) é uma das maiores cidades da Europa. Localizada ao norte da França, às margens do rio Sena, é conhecida como a "Cidade Luz".

Tal reputação se deve talvez por ser um dos mais bonitos e românticos lugares do mundo, cheia de história e mantendo uma vasta influência sobre a cultura, arte, moda, culinária e arquitetura.

Fonte: www.souturista.com.br

França

França é um país da Europa Ocidental.

A capital é Paris.

A principal religião é o Cristianismo (Catolicismo).

A língua nacional é o Francês.

Embora finalmente um vencedor na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais, a França sofreu perdas consideráveis em seu império, riqueza, mão-de-obra, e classificação como um estado-nação dominante.

A França é hoje um dos países mais modernos do mundo e é líder entre as nações Européias. Ela desempenha um papel influente global como um membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, da NATO, do G-8, do G-20, da UE e de outras organizações multilaterais. A França voltou à estrutura de comando militar integrado da OTAN em 2009, revertendo a decisão de Gaulle em 1966 para levar as forças Francesas fora da NATO.

Desde 1958, ela construiu um sistema presidencial-parlamentar híbrido resistente às instabilidades com experiência nas administrações anteriores mais puramente parlamentares. Nas últimas décadas, a sua reconciliação e cooperação com a Alemanha provaram-se centrais para a integração economica da Europa, incluindo a introdução de uma moeda de troca comum, o euro, em Janeiro de 1999.

No início do século 21, cinco entidades Francesas ultramarinas - a Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, Mayotte, e Reunião - tornaram-se regiões Francesas e passaram a fazer parte da própria França.

Por muitos séculos, a França reinou como o centro cultural do mundo Ocidental. Durante a Idade Média e o Renascimento, as pessoas educadas em toda a Europa aprendiam a falar o Francês. Elas citavam os filósofos e romancistas Franceses. E, se pudessem se dar ao luxo de fazer isso, viajavam a Paris para visitar seus museus e bibliotecas.

Hoje a França, especialmente a capital de Paris, continua a ser um centro mundial da arte, arquitetura, moda, alimentos gourmet, e do estilo elegante de viver.

As sofisticadas cidades da França têm uma beleza especial. Elas oferecem a grandiosa arquitetura ainda graciosa, cafés românticos, e passeios nas arborizadas alamedas do rio. A França é também uma terra de tirar o fôlego de montanhas cobertas de neve, praias ressecadas pelo sol, e brilhantes oceanos azuis. Nas aldeias interior, azinhagas sombreadas conduzem afora ao longo de córregos suavemente fluindo para as vinhas nas encostas, às pastagens e campos agrícolas.

Em toda a França, vê-se exclusivamente os seus palácios elegantes, ou châteaux. Muitos são cercados por jardins elaboradamente paisagísticos.

Muitas partes da França estavam em ruínas após a Segunda Guerra Mundial. Mas a nação reconstruiu-se rapidamente. Hoje, ela é uma das principais potências Europeias no campo dos negócios, a defesa militar, e a ciência. Ela também permanece o local favorito de férias da Europa e o principal destino turístico do mundo.

Além da França continental, a República Francesa inclui a ilha Mediterrânica da Córsega e oito territórios ultramarinos. Esses territórios são ex-colônias Francesas, cujo povo tem elegido para manter sua cidadania Francesa. Com exceção de uma, a Guiana Francesa,na costa nordeste da América do Sul, todas elas consistem de pequenas ilhas e arquipélagos. Elas incluem Guadalupe e Martinica, nas Antilhas; Reunião e Mayotte, no Oceano Índico; Nova Caledônia e as Ilhas Wallis e Futuna, no Pacífico Sul; e São Pedro e Miquelon, na costa do Canadá.

A França compartilha suas fronteiras terrestres com oito nações. No sentido horário, a partir do norte, seus vizinhos são a Bélgica, Luxemburgo, Alemanha, Suíça, Itália, Mônaco, Espanha e Andorra. A costa noroeste da França enfrenta o Canal Inglês, através do qual está o Reino Unido. A Córsega está no Mar Mediterrâneo, a apenas 50 milhas (80 km) fora da costa oeste da Itália.

TERRA

Cerca do tamanho do Texas (211.208 milhas quadradas, 547.029 km²), a França é o maior país no noroeste da Europa. É o terceiro maior no continente Europeu, atrás da Rússia e da Ucrânia. As fronteiras naturais em grande parte definem a forma aproximadamente hexagonal da França. No sentido horário a partir do norte, estão o Canal Inglês, o Rio Reno, as cadeias de montanhas Jura e Alp, o Mar Mediterrâneo, as Montanhas dos Pirineus e o Oceano Atlântico.

De oeste para leste, a paisagem da França se estende baixa e plana ao longo de uma extensa planície costeira. A planície se estende para o interior do Atlantico, e em seguida, aumenta gradualmente para uma região serrana central de platôs desgastados. De lá, a terra continua a aumentar para o leste e o sul. Os picos dramáticos das Montanhas Jura e os Alpes estão ao longo da fronteira leste da França com a Suíça e a Itália. Os robustos Pirinéus estão ao longo da fronteira sul da França com a Espanha.

Os geólogos dividem a França em três grandes formações: terras baixas costeiras, planalto central, e as montanhas.

As Planícies Costeiras

Da ponta norte da França, seu litoral oeste se estende do sudoeste ao longo do Canal Inglês (chamado La Manche, ou "manga", na França). Ele se projeta muito para o oeste com as penínsulas da Normandia e da Bretanha. E então, em seguida, ele curva sudeste ao longo da costa do Atlântico Norte para a Baía de Biscaia e a fronteira sul da França com a Espanha. Praias e costões rochosos alternam ao longo desta costa, que se estende mais de 1.000 milhas (1.600 km). Das praias e falésias, uma extensa planície costeira estende-se 100-200 milhas (160-320 km) ao interior. Esta planície é a seção mais ocidental da vasta Grande Planície Europeia, que continua a nordeste por todo o continente para a Rússia.

A Bacia de Paris domina a metade norte da planície costeira da França. É uma região de 38.600 milhas quadradas (100.000 km²) em forma de pires de planícies verdes e férteis que sobe suavemente para formar uma borda de planaltos florestais e cumes rochosos. Baixas colinas arborizadas pontilham a paisagem. Rios que fluem suavemente drenam para o Atlântico. Ao longo da borda nordeste da bacia, as montanhas florestadas das Ardenas sobem para a Bélgica.

As maiores e mais robustas Montanhas Vosges separam a planície costeira do Vale do Rio Reno a leste. Junto da borda sudoeste da Bacia de Paris, a terra torna-se gradualmente mais rolante. Ele forma a região montanhosa da Normandia e da Bretanha - duas regiões de rocha antiga coberta por uma fina camada de solo. As encostas ocidentais desses montes formam um litoral acidentado com baías profundamente recortadas.

Ao sul da Normandia e da Bretanha, a Bacia de Aquitaine forma uma região de planície. Ela é conhecida por suas florestas de pinheiros e planícies ondulantes, salpicadas por dunas de areia. Os Rios Garonne e Dordogne drenam a Aquitaine. Eles se juntam para formar o amplo Rio Gironde antes de desaguar no Oceano Atlântico. Os rios pegam uma carga enorme de areia quando viajam para o mar. O Gironde deposita a areia na foz do seu delta. De lá, ele abana-se para criar as belas praias brancas da costa sudoeste da França.

Uma muito mais estreita planície costeira fronteira a costa sudeste da França Mediterrânica. Ela estende-se mais para o interior ao longo do Rio Rhône para formar o fértil Vale do Rhône. Resorts dominam a beira da costa Mediterrânea da França. Mas a poucos quilômetros para o interior, a planície permanece uma área de cultivo de pomares, vinhas e quintas.

O Planalto Central

A maciça região do planalto de montanhas da Europa central se estende para a França ao longo da fronteira oriental da planície costeira do país. Estes planaltos aumentam da Bacia de Paris, ao norte, o Vale do Rio Rhône, a leste e sudeste, e a Bacia de Aquitaine no sudoeste.

Antigas montanhas vulcânicas formaram esses planaltos mais de 230 milhões de anos atrás. Eles agora consistem de planaltos muito desgastados para baixo de granito e lava endurecida, com uma altitude média de 2.500 pés (760 m). Rios e córregos cortaram gargantas profundas nestes planaltos.

A maior seção do planalto central é o bloco de montanha conhecida como o Maciço Central, no centro-sul da França. A inclinação suave do Maciço do oeste captura a chuva soprando do Atlântico. A chuva nutre uma exuberante paisagem de prados e pastagens na encosta. Planaltos secos de calcário formam o Maciço do interior.

Ao leste, as chapadas sobem mais alto, para encontrar os vulcões extintos que formam as Montanhas Auvergne e Cévennes. Estas montanhas aumentam tão gentilmente que os caminhantes podem facilmente atravessar os picos mais altos em um dia. O mais dramático inclui o Monte Mezenc (5.755 pés; 1.754 m), com vista para o Vale do Rio Rhône. Mais ao norte, o Puy de Dôme (4.806 pés; 1.465 m) tem as suas vistas dos morros e planícies verdes do Auvergne.

Os Rios Allier e Loire surgem no Maciço Central e cortam os vales por meio de sua colinas do norte. Ao norte, o planalto central queda inferior para formar uma ampla faixa de colinas. Estes montes se estendem ao nordeste para os Vosges. É um pequeno maciço, ou bloco de montanha, perto da fronteira da França com a Alemanha. No geral, o solo da região central dos altiplanos da França é fino e pobre.

A Vale do Rio Rhône corta uma fronteira entre o planalto central da França e suas montanhas do leste. Em alguns lugares, o rio corta gargantas estreitas através da rocha dura. Em outros lugares, ele forma amplas bacias com solo fértil.

Montanhas

O sistema de montanhas da Europa Alpina termina no sudeste da França, entrando no país ao longo de sua fronteira com a Suíça e a Itália. Os altos picos estreitos dos Alpes Franceses estão entre os mais dramáticos do mundo. Muitos têm elevações superiores a 11.500 pés (3.500 m) acima do nível do mar. O mais alto é o Mont Blanc (15.771 pés; 4.807 m), o segundo pico mais alto da Europa (depois do Monte Elbrus, nas Montanhas do Cáucaso). O pico do Mont Blanc sobe na França. Mas a maioria de suas 30 milhas (48 km) de comprimento do bloco de montanha encontra-se na Itália.

Muitas geleiras, incluindo o famoso Mer de Glace, cobrem as encostas Francesas da montanha. Um dos túneis mais longos do mundo de automóvel corre por 7,5 milhas (12 km) através da montanha. Muitos córregos e rios fluem oeste dos Alpes Franceses para desaguar no rio Ródano.

Ao norte dos Alpes Franceses, as densamente florestadas Montanhas Jura se estendem por 125 milhas (200 km) ao longo da fronteira noroeste da França, curvando-se com a Suíça. Os Juras também pertencem ao Sistema de Montanha Alpino da Europa. Os Juras têm uma altitude média de 2.800 pés (850 m). Seu ponto mais alto na França é o Crêt de la Neige, a 5.652 pés (1.723 m). Os Juras Franceses são famosos por seus muitos rios subterrâneos e cavernas.

Ao sul dos Alpes Franceses, o Sistema de Montanha Alpina da Europa se estende em toda a ilha da Córsega, no Mediterrâneo, 105 milhas (169 km) sudeste da França continental. Um bloco enorme de montanha domina a ilha. Ele sobe até uma altura máxima de 8.891 pés (2.710 m) no pico central do Monte Cinto.

Muitos córregos e rios cortam gargantas profundas no bloco de montanha, criando uma paisagem excepcionalmente robusta.

Os Principais Rios e Lagos

Mais de 200 rios enlaçam a paisagem Francesa. Os principais rios surgem no leste, no alto das elevações de seu planalto central e montanhas.

Aqueles que fluem oeste das terras altas vagam e ampliam seus canais quando eles cruzam a planície costeira. Alguns se curvam ao norte para desaguar no Canal Inglês. Outros esvaziam mais ao sul, diretamente para o Oceano Atlântico. O mais movimentado e mais famoso dos rios da França fluindo para o oeste é o Sena, do norte da França. Ele passa por Paris a caminho de suas cabeceiras no Planalto de Langres dos altiplanos centrais, e deságua na Baía do Sena, um recuo do Canal Inglês. O Sena e seus principais afluentes - os Rios Oise, Aisne, Marne e Yonne - drenam a grande Bacia de Paris do norte da França.

O rio mais longo da França - e muitos dizem o mais bonito - é o Loire, da França central. O Loire e seu principal afluente, o Allier, ascendem dos picos do leste do Maciço Central. Eles arqueiam ao norte antes de virar para oeste, até desaguar no Atlântico Norte, ao sul da península da Bretanha. O Loire carrega tanta areia que continua a ser superficial e atado com bancos de areia. Conseqüentemente, ele nunca se tornou uma das principais vias para tráfego de barcaças ou outro barco comercial.

Outra importante rede de rios fluindo oeste une-se para drenar no sul da França. O Garonne cresce nas Montanhas dos Pirineus. Ele flui norte para aceitar as águas dos Rios Tarn e Lot, que fluem oeste para fora do Maciço Central. O Garonne, em seguida, vira oeste e encontra o Dordogne, outro rio que nasce no Maciço Central, antes de se tornar o rio largo das marés e do estuário conhecido como o Gironde, na costa sudoeste da França. Voltando aos 1600s, os trabalhadores cavaram canais para ligar os alcances sudeste do Rio Garonne para o Mar Mediterrâneo.

No nordeste da França, a maioria dos principais rios fluem norte. O Rio Reno é o mais longo da Europa ocidental. Ele nasce nos Alpes Suíços para fluir norte ao longo da fronteira leste da França com a Alemanha, acabando por desaguar no Mar do Norte. O Rio Moselle começa nas Montanhas Vosges da França e segue nordeste para juntar-se ao Reno na Alemanha. E o Rio Meuse nasce no Planalto Langres da França e flui para a Bélgica.

A maioria dos outros grandes rios do leste, eventualmente juntam-se ao Rhône para chegar ao Mar Mediterrâneo. Entre os maiores está o Rio Saône. Ele cai abaixo das Montanhas Vosges do nordeste e flui sul para se juntar ao Rio Doubs, que derrama sobre as Montanhas Jura. Juntos, os Rios Saône e Doubs fluem sul para a cidade de Lyon, onde deságuam no Rio Ródano.

O Rhône, que nasce nos Alpes Suíços, continua sul como o maior rio da França em volume e profundidade. Ele deságua no Golfo de Lyon, o ponto central da costa Mediterrânea da França. As barragens do Rio Rhône permitem que os engenheiros controlem o fluxo do rio. Assim, barcaças e rebocadores podem viajar do golfo tão longe quanto Lyon, mais de 150 milhas (240 km) rio acima.

Algumas 3.000 milhas (4.800 km) de canais ligam os principais rios do país um ao outro e com as rotas dos principais rios dos países vizinhos da França. Os mais importantes incluem o Canal do Marne-Rheno de 217 milhas (349 km). Ele liga o Rheno e outros rios do nordeste a Paris e o Canal Inglês (através do Rio Sena).

O Canal do Reno-Ródano de 195 milhas (314 km) liga os rios do nordeste da França ao Mar Mediterrâneo. Ao sul, os canais do Saône incluem o Burgundy de 150 milhas (241 km), que liga o Rio Saône a Paris através do Rio Yonne, e nas proximidades o Canal du Centre (73 mi; 117 km), que liga o Saône ao Rio Loire.

No sul da França, um sistema de canais chamado de Canal du Midi liga o Oceano Atlântico com o Mar Mediterrâneo, através do Rio Garonne. Construído nos 1600s, este elaborado sistema de canais, túneis, aquedutos, e bloqueios estende-se por mais de 200 milhas (320 km).

O único grande lago da França é o belo e em forma de crescente Lago de Genebra, que os Franceses chamam de Lac Léman. Na verdade, o lago de águas profundas e claras é um alargamento do Rio Ródano. O Ródano entra no lago na sua extremidade oriental, na Suíça, e sai de sua extremidade ocidental, também na Suíça, antes de entrar na França.

A maioria das 224 milhas quadradas (580 km²) do lago está dentro da Suíça. Mas grande parte da sua margem sul pertence à França. De interesse especial é uma espécie de flutuação das marés, chamada de seiche. Isso faz com que todo o lago se agite ritmicamente de costa a costa.

Clima

Com a sua posição exatamente no meio do caminho entre o Pólo Norte e o equador, grande parte da França tem um clima ameno. Os fortes ventos oeste do Atlântico Norte varrem em todo o país, sem obstáculos, pois as únicas barreiras das montanhas só se encontram ao longo das fronteiras do extremo leste e sul da França. Os mesmos ventos do oeste trazem chuvas durante todo o ano a todos menos o sul da França. Quatro tipos de clima - marítimo, continental, Mediterrâneo, e alpino - prevalecem na França, embora muitos lugares desfrutam de uma mistura de dois ou mais.

Um clima marítimo tipifica a costa oeste da França e se estende muito para o interior. Isto é especialmente no norte, onde os ventos de oeste mantêm verões frescos e invernos suaves. O tempo tende a ser nublado, com chuvas frequentes e gentis; a ocasional neve ou geada do inverno nunca dura muito. Típica do clima marítimo da França é Brest, no extremo ocidental da Península da Bretanha. As temperaturas diárias aqui são em média de 39° a 47 °F (4° a 8° C), em Janeiro, e 54° para 67 °F (12° a 19° C), em Julho; a chuva cai, em média, 180 dias no ano, para um total de mais de 40 polegadas (1.000 mm).

Em Paris, cerca de 375 milhas (600 km) no interior, o clima permanece principalmente marítimo com um toque de continental. As temperaturas diárias aqui são em média de 34° a 40° F (1° a 4° C), em Janeiro, e 55° a 75 °F (13° a 24° C), em Julho, com uma média anual de 26 in. (660 mm) de precipitação.

Um clima continental predomina no extremo nordeste, onde as massas de ar da Europa Central trazem menos umidade e temperaturas sazonais mais extremas. A cidade do nordeste de Strasbourg, por exemplo, tem a maior faixa de temperatura sazonal da França.

Suas temperaturas geladas de Janeiro são em média de 28° a 38° F (-2° a 3° C). Julhos quentes e abafados têm em média 56° a 77 ° F (13° a 25° C). Em média, a região recebe menos do que 25 polegadas (635 mm) de precipitação cada ano. A maior parte cai durante as fortes chuvas e trovoadas de verão.

Um clima mediterrâneo domina o sudoeste da França, mais especificamente dentro de 100 milhas (160 km) do mar. Os verões tendem a ser quentes e secos. Os invernos são suaves e um pouco mais úmidos. A ensolarada cidade Mediterrânica de Marselha goza temperaturas médias de 35° a 50° F (2° a 10° C) em Janeiro. Elas sobem de 63° a 84 °F (17° a 29° C) em Julho. Cerca de 22 polegadas (560 mm) de chuva caem a cada ano, principalmente no outono e inverno.

Os Alpes escudam a costa Mediterranea da França dos ventos frios do norte do continente pela maioria do ano. A exceção a esta regra dramática é o poderoso mistral. O mistral é um vento de montanha da força de um vendaval que canaliza através do Vale do Garonne do oeste e abaixo do Vale do Rhône do norte. Mais comuns no inverno e na primavera, os mistrals podem atingir velocidades de até 115 milhas (185 km) por hora.

Um clima alpino, como o próprio nome sugere, prevalece nas mais altas montanhas da França. Nas elevações superiores dos Alpes e Pirineus, a neve permanente cobre e as geleiras permanentes capeam os picos mais altos. A aldeia Alpina de Briançon tem uma temperatura média de 28° F (-2° C), em Janeiro.

Ela sobe para uma média de 63° F (17° C) em Julho. Uma precipitação anual de 23 polegadas (584 mm) cai na sua maioria como neve.

Recursos Naturais

O solo rico da França tem sido o recurso mais valioso do país. Ele continua assim depois de mais de 1.000 anos de agricultura intensiva. O solo mais fértil situa-se no norte, na Bacia de Paris. Ela produz grandes colheitas de grãos e provê pastagens para o gado fornecedor de leite. As áreas mais rochosas do sul da França são ideais para o cultivo de uva.

Com a maioria de suas florestas cortadas no início do século 20, a França iniciou um extensivo programa de reflorestamento. Hoje, as florestas cobrem mais de 25% da terra. Apenas os países Escandinavos da Suécia e da Finlândia têm uma maior percentagem de cobertura florestal. Além disso, mais de 66% das florestas da França consistem de madeiras valiosas como o carvalho, a faia, e a castanheira. A maioria destas áreas reflorestadas pertencem a empresas madeireiras, e a madeira colhida é usada na construção.

O solo Francês nunca conteve grandes depósitos de minerais ou de petróleo. Os leitos de carvão do norte da França alimentaram a industrialização do país nos 1700s. Mas eles estavam quase esgotados por volta do século 20, e a mineração do carvão quase parou.

Da mesma forma, os campos de ferro na região de Lorraine do nordeste da França estiveram entre os mais produtivos da Europa. No entanto, a última mina de ferro fechou na década de 1990. A mineração da bauxita (minério de alumínio) também cessou, e a produção da potassa (utilizada para fertilizantes) e do gesso foi muito diminuída.

No século 19, cientistas Franceses descobriram o valioso elemento radioativo radium. O radium, na forma do mineral urânio, é agora usado para abastecer as usinas nucleares da França, em que o país depende fortemente. Pequenas quantidades de urânio são minadas. A indústria é importante no centro da França, que contém os maiores depósitos do país. Os rios do país são uma fonte de energia hidrelétrica.

O POVO

A França tem uma população de quase 63 milhões de pessoas. (Outros quase 2 milhões de cidadãos Franceses vivem nos territórios ultramarinos do país).

Os Franceses estão entre os povos mais saudáveis, mais ricos e mais instruídos do mundo. Eles classificam alto em todos os aspectos, mesmo para os padrões Europeus. Os Franceses permaneceram um povo majoritariamente rural até meados do século 20. Mais de três em cada quatro agora vivem ou trabalham em uma cidade ou zona urbana.

Como grande parte da população do mundo industrializado, o povo Francês também está ficando mais velho. Ou seja, a cada ano, os aposentados se tornam uma porcentagem maior da população, pois os casais têm menos filhos e os avanços da medicina prolongam a longevidade.

Noventa por cento da população da França se identificam como sendo simplesmente "Francês". A ascendência Francesa representa uma fusão de muitos grupos étnicos. Esses vários grupos refletem a longa história de invasões e imigrações desta terra, que remonta há milhares de anos. Em essência, a ascendência Francesa representa uma mistura de filões principalmente Romanos, Alemães e Celtas. Existem também cepas de povos Eslavos do leste e Escandinavos do norte. O nome França é derivado dos Francos. Os Francos eram uma tribo Germânica que invadiram esta terra depois que os Romanos deixaram, no final dos anos 400s.

Tão recentemente como a Revolução Francesa (1789), os muitos grupos étnicos da França permaneceram distintos. Na verdade, muitos de seu povo nem sequer falavam Francês na época. Mas a Revolução Francesa marcou o início de uma grande ênfase no droit du sol, ou "lei do solo". Esta filosofia procurou descartar distinções de classe e etnia como iguais e unir todas as pessoas vivendo em solo Francês.

Desde aquela época, a educação Francesa foi igualmente focada no ensino de uma língua unificada, mesmo abaixo de um estrito código de pronúncia. Não surpreendentemente, este nivelamento de mistura e padronização não apagou todas as diferenças étnicas.

Minorias Nativas

Na França, meia dúzia de povos nativos preservaram suas formas tradicionais e as línguas em pequenas pátrias relativamente isoladas. Os Bretões, um povo Celta, vivem na Península da Bretanha do noroeste da França. Sua música popular incorpora harpas Celtas e gaitas de foles. Suas escolas ensinam a antiga língua Bretã como uma segunda língua. Ainda assim, os Bretões nativos da Bretanha, em grande parte se misturaram com o resto da população da península.

As enormes montanhas dos Pirineus, no sudoeste da França, têm sido o refúgio de duas muito diferentes minorias nativas. Elas são os Bascos, nos Pirineus ocidentais, e os Catalães, no leste. Sua terra natal, na verdade, escarrancha a fronteira da França e da Espanha.

Os Bascos, que se chamam Euskaldunak, numeram mais de 250.000 no lado Francês da pátria que eles chamam de Euskadi. Eles viveram lá pelo menos 4.000 anos. A maioria dos Bascos Franceses falam o Francês e sua língua antiga.

Os Catalães têm uma longa história e cultura que remontam à Idade Média. Foi quando o reino da corte da Catalunha dominava o comércio do Mediterrâneo e produziu grande literatura e arte. A maioria da histórica terrra dos Catalães está situada no país pequeno e independente de Andorra e do lado Espanhol dos Pirinéus. Lá, os Catalães operam seu próprio governo autônomo. Os Catalães Franceses têm também mantido sua antiga língua Românica e única cultura vivas.

Mas eles escolheram permanecer parte da França.

Os outros tradicionais enclaves étnicos da França refletem a ascendência de seus países de fronteira. No extremo norte, o povo Flamengo de Flandres fala o mesmo dialeto do Holandês como seus parentes do outro lado da fronteira na Bélgica. Na verdade, a fronteira Franco-Belga que divide os Flamengos mudou várias vezes para frente e para trás durante os séculos 18 e 19.

Da mesma forma, os Alsacianos da fronteira nordeste da França com a Alemanha falam um dialeto da língua Alemã. Eles são mais propensos a encherem seus pratos com o bratwurst e o sauerkraut Alemão do que com a tradicional cozinha Francesa. O povo da ilha Mediterrânica da Córsega da França tem uma cultura e língua muito mais perto do Italiano. Nas últimas décadas, os Corsos ganharam uma grande medida de independência em reger os seus assuntos.

Minorias Imigrantes

Como um país, a França tem uma longa história de acolher imigrantes e misturar seus grupos étnicos em sua cultura nacional. Até a década de 1950, a grande maioria desses imigrantes vieram de outros países Europeus com os costumes semelhantes aos da França.

Após a Segunda Guerra Mundial, a França abriu as suas portas mais amplamente. Ela congratulou-se com um grande número de trabalhadores de suas ex-colônias do Norte Africano, como a Argélia e a Tunísia. Ao contrário dos imigrantes anteriores, muitos Norte-africanos formaram bairros étnicos, onde eles mantiveram uma língua, cultura e religião diferentes (o Islã). Muitos desses novos imigrantes também se destacaram com suas roupas tradicionais Islâmicas, como os lenços de cabeça usado por mulheres. Hoje, há vários milhões de Muçulmanos vivendo na França.

Muito mais assimilados são cerca de 500.000 imigrantes Asiáticos do leste. Eles vieram de antigos e atuais territórios Franceses, como o Vietnã, o Tahiti e a Nova Caledônia. Eles compõem um pouco menos de 1 por cento da população. Os Vietnamitas Francêses, em particular, acrescentaram suas comidas típicas à famosa culinária da França com muitos restaurantes populares.

Linguagem

O Francês, a língua oficial da França, começou a se desenvolver mais de 1.000 anos atrás, como um dialeto do Latim falado em Paris, e regiões vizinhas. Ele se espalhou do norte da França durante a Idade Média. No entanto, ele manteve-se apenas uma das muitas línguas e dialetos regionais até depois da Revolução Francesa.

No início do século 19, Napoleão Bonaparte ordenou que o Francês apropriado fosse ensinado em todas as escolas. Praticamente todas as pessoas nativas da França falam o Francês. No entanto, muitos são fluentes em outras línguas também.

A França oficialmente reverteu a política de 200-anos de desencorajar o uso das muitas línguas e dialetos regionais através de suas escolas. Hoje, muitas escolas públicas em regiões tradicionais, como a Bretanha e a Catalunha ensinam o Bretão, o Catalão, e assim por diante como segundas línguas. Na Córsega, algumas escolas ensinam metade de suas aulas em Francês e a outra metade em Corso.

Mas a mais falada da "segunda língua" da França não está associada a qualquer minoria nativa em particular, mas com uma grande região da França. O Occitano ou langue d'oc, era a antiga língua dos poetas e trovadores medievais. Por volta do século 20, ela tornou-se uma espécie de dialeto rural, ainda falado em boa parte do sul da França.

Hoje, a última geração de falantes nativos do Occitan - os nascidos na década de 1930 - está gradualmente desaparecendo. Ao mesmo tempo, o Occitano tem experimentado algum renascimento no sul da França. Lá, as crianças têm vindo a aprender o idioma nas escolas públicas.

Outras línguas regionais da França estão ligadas a suas minorias nativas do Basco, Bretão, Catalão, Corso, Flamengo e Alemão. A maioria dos Vietnamitas étnicos da França são bilíngües (Vietnamita e Francês). Os imigrantes recentes da Norte da África falam Árabe, embora muitos também saibam o Francês.

Religião

A França não tem uma religião nacional, ou oficial. Mas desde a Idade Média, o seu povo permaneceu esmagadoramente Católico Romano. Hoje, pouco mais de 80 por cento dos Franceses se identificam como Católicos. Embora relativamente poucos frequentam a igreja em uma base regular. Outros 2 por cento da população é Protestante.

Desde 1970, os imigrantes Muçulmanos fizeram o Islã uma religião importante na França, com aproximadamente 5 a 6 milhões de adeptos, ou quase 8 por cento da população. Cerca de 500.000 cidadãos são Judeus. Os Budistas numeram cerca de 400.000. Aproximadamente 10 por cento das pessoas da França, cerca de 6 milhões, dizem que não têm fé religiosa em particular.

O governo Francês há muito abraçou uma política oficial de tolerância religiosa. Mas os Judeus e os Muçulmanos do país continuam a sofrer preconceito e violência ocasional. Parte disso é dirigido contra as diferenças visíveis, como o costume de meninas e mulheres Muçulmanas usar lenços na cabeça e vestidos envolventes.

O anti-semitismo (preconceito contra os Judeus) em grande parte tem a forma de graffiti e os casos de vandalismo em sinagogas e cemitérios. Nos últimos anos, as tensões entre nações Árabes e Israel derramaram na França, com uma série de atentados a sinagogas e queimadas.

Em 2004, o governo Francês proibiu todos os estudantes de freqüentar a escola vestindo marcadamente "sinais e vestes" religiosos, tais como grandes cruzes, solidéus Judeus, ou véus de cabeça Muçulmanos. Em 2010 foi aprovada uma lei barrando as mulheres Muçulmanas de usarem véus faciais completos em público.

Educação

Os Franceses classificam entre os povos mais cultos do mundo. O país tem uma taxa de alfabetização de 99 por cento e oferece educação universitária gratuita para todos aqueles que qualificam. O governo Francês controla rigidamente os currículos, ou cursos de estudo, em todas as suas escolas públicas, para garantir uma educação de alto nível e uniforme. Nos últimos anos, o Ministério da Educação permitiu alguma variação em áreas como o ensino da língua regional e história. Cerca de 16% dos estudantes freqüentam escolas privadas Católicas.

As crianças Francesas devem freqüentar a escola desde a idade dos 6 a 16 anos. A maioria também participa de 2-3 anos do pré-escolar gratuito, ou école, e algum tipo de escola secundária. Especificamente, depois de seis anos do ensino fundamental, os alunos passam para o ensino médio, ou collège.

Aos 15 anos, eles escolhem se querem continuar a sua formação acadêmica em um lycée geral (escola secundária) ou se preparam para uma carreira técnica ou profissional em um licée profissional.

Hoje, mais de 75 por cento dos adolescentes Franceses optam por 12 anos completos de escolaridade acadêmica. Depois de três anos, estes alunos fazem um teste nacional padronizado para ganhar um grau de baccalaureate e a oportunidade de ir para uma universidade pública. Normalmente, apenas 66% daqueles que fazem o teste desafiador passam-no em sua primeira tentativa.

Cerca de 1 milhão de estudantes Franceses por ano prossegem o ensino superior, livre de taxa de matrícula, em uma escola técnica ou em uma das mais de 70 universidades públicas. Um grupo seleto ganha um lugar em uma das prestigiosas grandes écoles da França marcando excepcionalmente bem no vestibular. Essas universidades proeminentes treinam estudantes para posições de topo no governo e nos negócios.

Estilo de Vida

Tradicionalmente, a maioria das empresas Francesas fechava ao meio-dia para uma longa pausa de almoço, sem pressa. A socialização em cafés e bistrôs aconchegantes continua a ser um passatempo nacional. Os Franceses também permanecem dedicados aos feriados e férias. Além dos costumeiros feriados Cristãos do Natal e da Páscoa, festivais e grandes celebrações envolvem dias de festa, como o Carnaval (Mardi Gras) e Pentecostes na primavera; o Dia da Assunção, em Agosto; e o Dia de Todos os Santos em 1 de Novembro. Pela legislação nacional, a maioria dos trabalhadores Franceses recebem cinco semanas de férias pagas. A maioria deles tira férias em Agosto, quando as áreas de resort transbordam.

Os Franceses também desfrutam de uma elevada qualidade de vida. Um forte sistema de serviços sociais do governo garante a todos os residentes o acesso aos cuidados de saúde e necessidades básicas como moradia, alimentação, e vestuário. O sistema de saúde Francês, em particular, tem sido apontado como um dos melhores do mundo.

Mas em comparação com o resto da Europa Ocidental, a França tem diferenças mais marcantes entre as classes bem-educadas e bem pagas superior e média-alta e um segmento persistentemente menos educado e mais pobre de sua sociedade. Entre os mais bem pagos estão os 30 por cento dos trabalhadores Franceses em posições profissionais, de gestão e de média-administração.

Entre os mais baixos pagos estão os 30 por cento trabalhando em trabalho-manual ou clerical de baixo nível. Os trabalhadores de escritório de nível superior, pequenos empresários e comerciantes qualificados tendem a cair em algum lugar no meio.

As universidades Francesas permanecem de ensino gratuito. Mas relativamente poucas crianças de pais sem educação prosseguem o ensino superior. Esta falta de educação pode ser parte da razão porque a França tem taxas persistentemente elevadas de desemprego e criminalidade do que a maioria das outras nações da Europa Ocidental. As subclasses da França têm crescido com as ondas recentes de imigrantes do Norte da África.

Mesmo na economia relativamente forte do início do século 21, cerca de 8 por cento dos trabalhadores Franceses estavam desempregados. As taxas são mais elevadas nos antigos centros industriais e de mineração ao norte e ao sul do país.

Como na maioria da Europa ocidental, a grande maioria dos Franceses vivem em cidades ou vilas. Mas, enquanto a norma Europeia é viver em um prédio de apartamentos ou em outras habitações multifamiliares, mais de 60 por cento dos Franceses vivem em casas unifamiliares.

Paris prova a exceção a esse estilo de vida mais-alastrado. A aglomeração e aluguéis extremamente elevados forçam mais pessoas a viver em pequenos apartamentos. Mas mesmo a vida da cidade tende a ser agradável na França. Edifícios históricos e bairros permanecem em boas condições. Parques e passeios cênicos no rio são abundantes. E os carros foram proibidos em muitas áreas.

Os arredores das cidades da França não são sempre tão agradáveis. Complexos habitacionais cercam muitas cidades em bairros imprensados entre as áreas da moda interior e os seus arrabaldes confortáveis.

Hoje, menos de um em cada cinco pessoas na França vive em uma área rural. No entanto, muitos moradores das cidades alugam ou possuem um lugar no interior onde pode-se retirar para fins de semana e férias. Acampamentos e resorts também abundam nas montanhas da França e ao longo da extensa costa do país.

Esportes

Os Franceses têm estado a jogar tenis há quase 800 anos. A nobreza do país começou a bater em torno de bolas em quadras de grama no final dos 1200s.

Inicialmente, eles batiam a bola com a palma de uma mão enluvada. Mas então eles acrescentavam raquetes para estender seu alcance. O nome do jogo vem da antiga palavra Francesa tenez, significando "pegar". Hoje, o tênis continua a ser popular. E a França tem grande orgulho em seus muitos campeões mundiais.

Cada Junho, os melhores jogadores do mundo se reúnem para competir no Aberto Francês de duas semanas de duração em Paris. Milhões assistem ao torneio pela televisão.

Julho traz ao mundo a principal corrida de bicicleta internacional, o Tour de France (Volta da França). É uma cansativa corrida de três semanas através do variado terreno da França e países vizinhos. A rota do Tour muda a cada ano.

Mas a corrida normalmente cobre uma distância total de mais de 2.000 milhas (3.200 km). Ela sempre termina em Paris. Cada dia, o líder da corrida usa o cobiçado maillot jaune, ou camisa amarela. Milhares de torcedores alinham-se na rota e milhões mais observam na televisão.

Como em grande parte da Europa, o futebol continua a ser o esporte de equipe mais popular. Ao longo do século 20, o basquete tornou-se extremamente popular, tanto como um jogo de rua, como um esporte de espectador. A França tem mais de 100 resorts de esqui nos Alpes Franceses, nos Juras, nos Pirineus, e em outras cadeias de montanhas. Ela produziu muitos campeões mundiais e medalhistas de ouro Olímpico.

Os Franceses também gostam de jogar e assistir a um estilo animado de handebol que envolve jogar uma pequena bola numa rede que se assemelha a um gol de futebol. Os tradicionais esportes Francêses incluem a pétanque. É um jogo de boliche jogado rolando bolas de metal oco tão perto quanto possível de uma pequena bola de madeira, chamada de "leitão". O jogo de pelota Basca é jogado arremessando uma bola contra um campo de três paredes com uma raquete de vime.

Artes e Cultura

Durante séculos, os Franceses têm tido grande orgulho na sofisticação de sua cultura, que inclui a grande literatura e arte, a comida gourmet e a alta moda. Hoje, as pessoas ao redor do mundo estão familiarizadas com as grandes tradições de pintura, música, literatura, arquitetura e teatro da França.

Pintura

As pinturas mais antigas da França permaneceram escondidas até o século 20. Em 1901, uma professora foi até uma caverna perto de Dordogne, no sul da França, e descobriu que as paredes da caverna foram a tela para elaboradamente pintados mamutes, bisões e cavalos. As pinturas em Grotte de Font-de-Gaume provaram ter mais de 15.000 anos de idade.

Elas foram as primeiras de mais de uma dezena de conjuntos de pinturas rupestres pré-históricas descobertas na França durante o século 20. Em 1994, a Caverna Chauvet, também no sul da França, foi encontrada para conter a arte ainda mais antiga - pinturas e gravuras de animais de 30.000 anos de idade.

No final do século 8 e grande parte do século 9, a iluminação floresceu no norte da França. Nesta arte, monges medievais pintaram belas ilustrações e decorações em manuscritos da igreja. Muitos desses manuscritos sobrevivem em museus de arte ao redor do mundo. Tais como os seus pintores da caverna Cro-Magnon, os artistas medievais da França permanecem anônimos.

Em contraste, o mundo conhece bem os nomes de muitos grandes pintores do Renascimento da França. Ao longo do século 17, Claude Lorrain foi pioneiro no estilo idealista da pintura de paisagem. Foi uma forma de arte amplamente imitada que retratava a natureza como classicamente bonita e harmoniosa.

No século 18, pintores Franceses como Antoine Watteau desenvolveram o estilo rococó de cenas fantasiosas e elaboradamente decoradas de aristocratas elegantes e idealizados deusas e deuses.

No início do século 19, Théodore Géricault, Eugène Delacroix, e outros grandes pintores românticos produziram obras mais conhecidas por suas cores ousadas e cenas dramáticas. O pintor Francês Gustave Courbet foi pioneiro do estilo realista em meados dos 1800s, com retratos verdadeiros de pessoas e lugares comuns.

Hoje, a França pode ser mais conhecida por seus pintores impressionistas e pós-impressionistas do final do século 19 e início do século 20. As pinturas suaves e oníricas, ou "impressionistas" de Claude Monet, Pierre-Auguste Renoir, Edgar Degas, Édouard Manet, e Camille Pissarro preenchem mais livros de arte e atraem mais multidões aos museus em todo o mundo que qualquer outro grupo de pintores. Os impressionistas também influenciaram a obra do próximo grupo de grandes pintores da França.

O pós-impressionista Paul Gauguin tornou-se famoso por suas ousadas e fortemente definidas pinturas de Taitianos e sua cultura nativa na Polinésia Francesa.

Amigo de Gauguin foi o famoso Holandês pós-impressionista Vincent van Gogh. Ele se mudou para a França para trabalhar, como era o hábito de muitos grandes artistas Europeus durante o século 19 e início do século 20. Henri de Toulouse-Lautrec desenvolveu o estilo conhecido como Art Nouveau, com sua brilhante e quase berrante representação da vida noturna Parisiense.

Na década de 1890, Paul Cézanne começou a explorar a forma e a estrutura para inspirar uma mudança revolucionária na arte. Os pintores Franceses lideraram o mundo para este novo reino de "arte moderna" do século 20, com a obra brilhante e poderosa de Henri Matisse e o famoso cubismo de Pablo Picasso (nascido na Espanha), com seus fragmentados e distorcidos temas e formas.

Não é surpreendente para um país tão rico em arte, que a França é o lar de alguns dos melhores e maiores museus de arte do mundo. O mais famoso é o Museu do Louvre, em Paris. Ele atrai milhões de visitantes de todo o mundo a cada ano.

Música

A partir de seus monges e trovadores medievais para suas mundialmente famosas óperas e sinfonias, a música Francesa tem uma tradição longa e altamente artística. Na Idade Média, os menestréis da França viajavam de cidade em cidade e de castelo em castelo.

Eles entretiam os plebeus e a nobreza com suas vozes e violinos. Os menestréis proviam acompanhamento para os nobres poeta-músicos conhecidos como trovadores. Suas canções de amor cortês deram à Europa algumas de suas primeiras grandes músicas não-religiosas.

Quando a música secular se desenvolvia, os compositores do século 15 da França escreveram canções de batalha e música de festival inspirada nos sons da natureza. Quando o poder da França cresceu nos séculos 16 e 17, as cortes de Paris e de Versailles tornaram-se centros musicais. Os compositores escreveram música para os balés reais, e peças individuais para eventos especiais, como coroações. Os reis e rainhas da França ricamente apoiaram os seus compositores favoritos. O próprio Rei Luís XIII compôs grandes obras.

Em 1673, o compositor Francês Jean-Baptiste Lully começou a escrever as primeiras óperas exclusivamente Francêsas em um estilo preciso e cortês que ficou conhecido como tragédie-lyrique, ou tragédia lírica. Em 1875, Georges Bizet escreveu a dolorosamente romântica Carmen, sem dúvida, a ópera mais amada do mundo.

Também nos 1800s, Hector Berlioz ajudou a criar a moderna orquestra sinfônica com sua obras de grande-escala. Ele permanece mais famoso por sua altamente romântica Sinfonia Fantástica. Foi uma das primeiras sinfonias a contar uma história através da repetição de motivos melódicos para cada personagem. No final dos 1800s, os compositores Franceses como Claude Debussy e Maurice Ravel desenvolveram a música impressionista.

Eles usaram harmonias inusitadas e combinações de instrumentos para transmitir sentimentos e efeitos quase-visuais, tais como "explosões de luz". No século 20, Erik Satie, Olivier Messiaen, e Pierre Boulez foram pioneiros de avant-garde da música experimental para orquestra e piano.

Todos esses compositores Franceses continuam populares hoje, suas obras executadas em concertos por grandes orquestras sinfônicas, pianistas e outros músicos em todo o mundo.

A maioria das cidades Francesas têm orquestras sinfônicas e óperas. Mas nada rivaliza com as de Paris pela qualidade e quantidade. As principais casas de ópera da capital incluem o Palais Garnier, a Opéra-Comique, e a ultramoderna Bastille Opera House (casa da Ópera Nacional de Paris). Suas salas de sinfonia incluem a Salle Pleyel, a Radio France Salle Olivier Messiaen, e a Cité de la Musique.

Literatura

Hoje, os grandes amantes da literatura clássica ainda lêem os poemas de amor dos trovadores medievais da França. Eles foram escritos na língua Francesa Occitana e representam algumas das primeiras poesias não-religiosas da França. Os poetas Franceses também nos deram as chansons de geste - poemas épicos inspirados pelas Cruzadas.

Durante o Renascimento (da palavra Francesa para "renascimento"), a França produziu e desenvolveu muitos grandes estilos da literatura Europeia. Durante o início dos 1500s, François Rabelais usou a nova forma do romance de ficção para celebrar a alegria da vida, enquanto que zombando da religião, dos preconceitos sociais, e da aprendizagem acadêmica fora-de-moda. Sua satírica Gargantua e Pantagruel continua a ser uma obra-prima da literatura Ocidental.

Também no século 16, Pierre de Ronsard liderou o famoso La Pléiade, um grupo de sete poetas que fizeram do Francês a nova linguagem "clássica" da Europa.

No final do século 16, Michel de Montaigne foi pioneiro no ensaio pessoal como uma forma literária.

Em 1635, o Cardeal Richelieu criou a Académie Française para garantir a "pureza" clássica da língua Francesa e orientar o desenvolvimento de sua literatura. Para a maior parte, os escritores do século 17 da França retornaram à literatura clássica Europeia das raízes Gregas. Eles produziram obras que enfatizavam a ordem, o equilíbrio, e o raciocínio intelectual. René Descartes da França, um matemático e filósofo, estava na vanguarda desta Idade da Razão, ou Iluminismo.

No Discurso do Método (1637), ele argumentou que os seres humanos foram feitos para serem criaturas pensantes que questionavam a autoridade.

Os grandes dramaturgos do século 17 da França incluiram Pierre Corneille e Jean Racine, que escreveram tragédias clássicas. Seu contemporâneo Molière (Jean-Baptiste Poquelin) escreveu comédias sobre a política da vida diária. Suas peças continuam a ser populares e relevantes hoje.

O intelectualismo estrito deu lugar ao romantismo do século 19. Muitos consideram o romancista, poeta e dramaturgo Francês Victor Hugo como o maior de todos os escritores românticos. (Sua obra mais conhecida, Os Miseráveis, tem desfrutado de um revival na forma de um musical da Broadway).

Em 1844, Alexandre Dumas publicou seu clássico igualmente duradouro, Os Três Mosqueteiros. Charles Baudelaire usou a linguagem lírica Francesa para desenvolver a forma literária conhecida como "poemas em prosa", produzindo obras duradouras, como As Flores do Mal.

Outros grandes escritores Franceses do século 19 incluiram Honoré de Balzac, Stendhal, e Amandine Dupin (pseudônimo George Sand). Estes três se afastaram do romantismo para retratar a sociedade Francesa de forma mais realista. Nos seus passos, Émile Zola chocou os leitores com seus romances duramente realistas da classe operária Francesa.

Em 1913, Marcel Proust começou a escrever Em Busca do Tempo Perdido, um retrato de vários volumes de uma era, contada em um estilo de fluxo de consciência autobiográfico. O livro e o novo estilo de escrever de Proust muito influenciou os autores do século 20 em todo o mundo.

Em meados do século 20, as peças filosóficas e ensaios de Jean-Paul Sartre e de Albert Camus inspiraram o movimento literário conhecido como existencialismo - dedicado ao desejo humano de encontrar sentido em um mundo caótico. No final do século 20, os escritores Franceses Marguerite Duras e Claude Simon foram pioneiros no nouveau roman, ou novo romance, que se afastou da narrativa tradicional para descrever eventos vividos pelos personagens individuais.

Também no século 20, a França encontrou nova expressão em sua indústria cinematográfica. Em 28 de Dezembro de 1895, a era dos filmes públicos começou em um café de Paris, quando os inventores Franceses Louis e Auguste Lumière projetaram um programa de curtas-metragens mudo para o primeiro público de filme pagante.

Depois de estudar as câmeras experimentais e a visualização de máquinas de Thomas Edison, os irmãos tinham inventado o Cinématographe - o modelo para todas as câmeras de filmes e projetores dos dias de hoje.

Desde esse dia, o papel líder da França no cinema internacional tem sido mais artístico do que tecnológico. Por toda a era do "nickelodeon" do cinema mudo, os cineastas Franceses dominaram o cinema, com romances e thrillers que provocaram lágrimas e gritos nos países ao redor do mundo. De fato, os primeiros cineastas Americanos tentaram limitar a importação deste "produto estrangeiro" para que eles pudessem obter cinemas para mostrar seus filmes menos-populares.

Na década de 1920, o Ministério da Cultura da França começou a financiar a indústria cinematográfica do país em muito da mesma forma que ele defendia o ballet, a ópera, e outros grandes empreendimentos artísticos.

Os cineastas Franceses tornaram-se conhecidos por sua criatividade e técnicas inovadoras. No final dos anos 1950s, por exemplo, os diretores do cinema Francês começaram o movimento Nouvelle Vague, ou "New Wave", que veio a transformar o cinema popular. Eles usavam ângulos de câmera incomuns e faziam saltos repentinos de cena para cena, e eles desenvolveram um estilo altamente pessoal e íntimo de contar histórias.

Embora comuns hoje em dia, estas abordagens provocaram uma mudança revolucionária do estilo simples e de espetáculo dos filmes de Hollywood dos meados do século. Os mais influentes filmes do New Wave da França incluem Os Incompreendidos (1959) de François Truffaut e Acossado (1960) de Jean-Luc Godard.

Hoje, os festivais de cinema Francês continuam populares nos campus universitários e nas principais cidades do mundo, com mostras de uma semana e às vezes de um mês de duração de ambos New Wave e os recentes filmes Franceses com legendas em Inglês. O governo Francês patrocina muitos festivais internacionais de cinema, que atraem milhões de pessoas a cada ano. O mais famoso é o festival premiado em Cannes, na Riviera Francesa.

A publicação de livros continua a ser uma grande indústria na França, hoje, pois os Franceses classificam entre os leitores mais ávidos do mundo. A França comemora seus autores nativos a cada ano com vários concursos literários - o Prix Goncourt e o Prix Femina sendo os mais conhecidos.

Arquitetura

Mais de 1.000 anos da grande arquitetura permanecem em exibição em toda a França. As igrejas Européias representam as maiores obras-primas artísticas da Idade Média, e a França é o lar de muitas das melhores.

No século 8, os arquitetos Franceses projetaram e construíram um novo estilo de capela que caracterizava dramáticos "westworks": altas câmaras internas ladeadas por escadarias imponentes. Começando no século 10, a crescente riqueza das ordens monásticas da França alimentou a construção de mosteiros e igrejas no estilo românico com enorme tetos abobadados e telhados feitos de pedra em vez de madeira.

No século 12, os construtores Franceses desenvolveram o estilo Gótico, com seus graciosos arcos pontiagudos e torres delgadas apontando para o céu. A Catedral de Notre Dame, em Paris, está entre os maiores exemplos do estilo Gótico, que se espalhou da França através da Europa ocidental. Alguns dos melhores vitrais do mundo enfeitam as janelas da Sainte-Chapelle, também em Paris.

No século 16, os arquitetos Renascentistas da França projetaram muitos châteaux elegantes, ou palácios. Agora abertos ao público, os mais famosos desses incluem Fontainebleau, Chambord, e Azay-le-Rideau. A obra-prima da arquitetura barroca da França é o espetacular Palácio de Versalhes, construído nos arredores de Paris entre 1661 e 1663 como a principal residência real.

Em 1660, o Rei da França Luís XIV desejava, acima de tudo, retirar-se da plebe de Paris. Ele ordenou a seus artistas, jardineiros e arquitetos reais para construir-lhe um palácio grandioso no campo, um que refletisse seu status de auto-declarado Rei-Sol.

Entre 1661 e 1683, eles construíram o deslumbrante Palácio de Versalhes no local de um pavilhão de caça real algumas 11 milhas (18 km) a sudoeste da capital Francesa.

Com mais de 1.000 quartos, o palácio original se estendia por cerca de 1.320 pés (400 metros) de comprimento, com mais de 100 acres (40 ha) de jardins formais decorados com fontes, estátuas e vasos enormes. Louis XIV continuou a sua expansão ao longo de sua vida. Em um ponto, ele até mesmo demoliu uma vila adjacente para construir um pequeno palácio onde ele poderia tomar suas "refeições ligeiras" longe dos milhares de cortesãos que normalmente o acompanhavam.

Versailles permaneceu a residência dos reis e rainhas da França - e a inveja de toda a realeza Europeia - por mais de um século. Durante a Revolução Francesa (1789), a populaça saqueou o palácio e em grande parte destruíu seus fundamentos muito bem cuidados.

Agora restaurado à sua antiga glória, Versailles é uma das principais atrações turísticas da França. Seus quartos mais famosos incluem o deslumbrante Salão dos Espelhos, a suntuosa câmera do rei e da rainha, uma capela real magnífica e uma casa de ópera privada. O palácio também foi o cenário para importantes eventos históricos, incluindo a assinatura do Tratado de Versailles, o acordo que encerrou oficialmente a Primeira Guerra Mundial, em 1919.

No século 19, os arquitetos treinados na prestigiosa École des Beaux-Arts da França criaram um novo estilo de arquitetura usando materiais industriais e técnicas de construção. A famosa Torre Eiffel e a Ópera de Paris se tornaram símbolos deste movimento. No início dos 1900s, os designers do Art Nouveau Francês desenvolveram edifícios graciosos baseados em formas naturais, e o Suíço-nascido arquiteto Francês Charles-Édouard Jeanneret (conhecido como Le Corbusier) foi pioneiro no Estilo Internacional, com sua ênfase na função, ou "edifícios como máquinas para se viver".

CIDADES

Para todas as suas diferenças notáveis, as cidades da França compartilham muitos traços duradouros. Todas valorizam e mostram a sua história em castelos, catedrais e velhos bairros diligentemente preservados que remontam à Idade Média e ao Renascimento.

As cidades Francesas também compartilham uma grande riqueza cultural que toma a forma física em uma abundância de museus e salas de concerto. E nenhuma grande cidade na França existe sem um porto cheio de barcos de recreio e da indústria - seja um largo rio, sistema de canal, ou espumante porto costeiro.

Paris

Mundialmente conhecida por sua beleza, Paris é uma cidade que possui inúmeros cafés, jardins românticos, praças históricas e museus cheios de grande arte.

Passear por Paris pela manhã é ouvir o canto dos pássaros das castanheiras que alinham suas grandes avenidas. À noite, holofotes iluminam os muitos dos magníficos palácios e monumentos da cidade.

Aqueles que adoram Paris - e eles são dezenas de milhões em todo o mundo - muitas vezes discutem sobre o significado do apelido Cidade das Luzes. Refere-se à beleza cintilante da cidade, ou à sua grande tradição de cultura e de aprendizagem? Ambos podem aplicar-se igualmente hoje.

Mas Paris primeiro ganhou o nome durante o Iluminismo, um movimento intelectual do século 18, quando novos estilos de literatura e arte desenvolveram-se aqui antes de se espalharem pela Europa e além.

Todos os anos, mais de 25 milhões de turistas estrangeiros visitam a região de Paris. Por mais de um século, a atração turística mais popular foi o deck de observação da Torre Eiffel, a 1.056 pés (322 m) de altura de metal em flecha construída para uma exposição mundial em 1889.

Por muito mais tempo, mais de 800 anos, na verdade, os turistas têm estado olhando com admiração para os pináculos elevados, contrafortes arqueados, e murais de pedra da Catedral de Notre Dame.

Hoje, os visitantes podem subir a torre sineira sul da catedral para obter uma olhada de perto das famosas figuras grotescas de pedra conhecidas como gárgulas. Sainte-Chapelle, uma outra igreja mais velha (embora já não seja utilizada como uma) apresenta alguns dos mais belos vitrais do mundo.

Enquanto a Torre Eiffel ergue-se na borda dos agitados bairros turísticos e empresariais da cidade, Notre Dame está em seu coração - sobre a Île de la Cité ("cidade-ilha") de 1 milha (1,6 km) de comprimento, que contém a Paris Velha.

As amplas partes do Rio Sena ficam em torno desta ilha, onde o conquistador Romano Júlio César encontrou um estabeleciento de povos Celtas chamado Parisii no ano 53 aC. Mil anos mais tarde, Paris classificava-se como a maior cidade da Europa.

Hoje, os limites da cidade de Paris abrangem uma população de quase 2,2 milhões dentro de uma área de 41 milhas quadradas (106 km quadrados), delimitada por um anel viário chamado de Boulevard Périphérique.

Nenhum ponto dentro dos limites da cidade fica a mais de 6 milhas (10 km) a partir de sua central Île de la Cité. O histórico Pont Neuf, ou "nova ponte", cruza o extremo ocidental da ilha e o conecta com as famosas margens Direita e Esquerda do Rio Sena (da perspectiva de enfrentar a jusante). Como se para destacar um dos muitos paradoxos de Paris, a Pont Neuf, é de fato, a ponte mais antiga de pé da cidade, construída em 1604.

A Margem Direita tem sido considerada a seção mais aristocrática de Paris. Ela possui o Palácio do Louvre, uma vez a casa de reis e rainhas, e agora um dos maiores museus de arte da Europa. O Louvre de Paris começou como uma fortaleza medieval, tornou-se um palácio real, e é hoje um dos maiores e melhores museus de arte do mundo.

A origem do nome do museu permanece misteriosa, mas pode referir-se às florestas cheias de lobos, ou louvraie, onde o Rei Filipe II primeiro construiu suas fortificações em 1204. Um século depois, o Rei Carlos V remodelou a fortaleza para uma casa de campo, e em 1546 o Rei Francisco I alargou-a em um palácio real e começou a enchê-lo com tesouros de arte, incluindo a Mona Lisa de Leonardo da Vinci.

Ao longo das gerações, os escultores reais continuaram a decorar as paredes do Louvre e seus fundamentos com murais e estátuas, enquanto os arquitetos reais adicionavam as grandes galerias que agora estão entre os maiores e mais estensos espaços de arte do mundo. Mesmo depois de o Rei Luís XIV transferir a sua residência real para Versalhes, em 1682, ele continuou a encher o Louvre com pinturas, esculturas e jóias.

Quando Luís XIV morreu em 1715, a coleção real contava mais de 2.500 obras de arte. O próximo Luís concordou em abrir o Louvre como um museu, embora apenas para os estudantes de arte e a aristocracia. O Louvre tornou-se um verdadeiro museu nacional quando os líderes da Revolução Francesa abriram as suas portas a todos em 1793.

Ao longo do século seguinte, Napoleão Bonaparte tornou-se o grande patrono do Louvre, preenchendo-o com vagões da arte confiscada das famílias reais e museus de arte de cada país que ele conquistava. Por volta do século 20, o Louvre tornou-se tão lotado que muitas de suas maiores coleções tiveram que ser transferidas para novos museus.

Hoje, o Louvre expandido abrange mais de 40 acres (16 ha), incluindo uma nova seção subterrânea coroada por uma gigantesca pirâmide feita de vidro no pátio e projetada por I. M. Pei. Além da Mona Lisa de Leonardo, as mais famosas das mais de 400.000 peças de arte do Louvre incluem as clássicas estátuas Gregas da Vênus de Milo e da Vitória de Samotrácia, a Pietà de Avignon, e os mármores Escravo Rebelde e Escravo Morrendo de Michelangelo.

Aqui, também, encontram-se os hotéis mais elegantes, restaurantes, teatros, e as casas dos designers famosos da roupa haute couture, ou "alta moda".

Caminhando oeste ao longo da Margem Direita está a Champs-Élysées, a avenida mais espetacular da cidade e o local de desfiles e celebrações. Elegantes jardins e palácios menores, ou châteaux alinham a avenida de 1,25 milhas (2 km), a qual leva à Place Charles de Gaulle, uma das mais de 130 praças públicas de Paris. Aqui está o Arc de Triomphe ou Arco do Triunfo de 164 pés (50 m) de altura, construído por Napoleão para comemorar as vitórias militares da França.

Para muitos, a Margem Esquerda de Paris incorpora o lado artístico e romântico da cidade. No início do século 13, a Sorbonne, agora parte da Universidade de Paris, abriu na extremidade leste do distrito, que ainda é conhecido como o Quartier Latin, para a língua falada ali ao longo da Idade Média. Hoje, o Quartier Latin é ainda mais famoso por seus cafés da moda, boutiques elegantes, e extravagantes casas noturnas, bem como pelas suas lojas de antiguidades, livrarias e galerias de arte.

Paris é também um grande centro industrial, com uma abundância de fábricas e parques empresariais na periferia da cidade e ao longo de sua periferia, onde muitos grandes complexos habitacionais continuam a ser construídos para os trabalhadores e suas famílias.

As maravilhas de Paris até mesmo se estendem em subterrâneos, e incluem o limpo e eficiente Metrô, um dos maiores metrôs do mundo, e um único sistema de esgoto do século 19 que, até recentemente, podia realmente ser visitado de barco.

Marseille, na costa do Mediterrâneo, é a mais antiga e a segunda-maior cidade da França, seu principal porto, e um centro industrial, com uma população de 856.000. Mais de 1,6 milhões de pessoas vivem na área maior urbana de Marselha. Os antigos Gregos fundaram a cidade cerca de 2.600 anos atrás. Desde então, ela tem servido como principal porta de entrada entre a Europa ocidental e ambos a África e o Oriente Médio.

Na forma de um semi-círculo, Marseille envolve em torno de um porto histórico cheio de iates. Cafés alinham o passeio marítimo do porto e se estendem ao longo da Canebière, a principal rua da cidade cheia de lojas atraentes.

O porto é muito pequeno para navios de transporte de grande porte. O movimentado porto da moderna Marselha começa a oeste do Porto Velho e se estende por cerca de 5 milhas (8 km). O comércio de bens flui também para Marselha das cidades do interior ao longo do canal que liga a costa do Mediterrâneo com o Rio Rhône.

As grandes indústrias de Marseille incluem o ferro, o aço, e o refino de petróleo, e o processamento de alimentos, plásticos e produtos químicos.

Os muitos marcos históricos da cidade incluem uma abundância de belas igrejas, especialmente Notre Dame de la Garde, uma catedral no morro levando uma imagem da Virgem Maria que pode ser vista mar afora. Marinheiros visitantes, turistas e os muitos trabalhadores Norte-africanos dão a Marseille uma atmosfera ocupada, internacional.

Lyon se espalha através da junção dos Rios Rhône e Saône, 170 milhas (274 km) ao norte de Marselha. Ela é considerada como a terceira-maior cidade da França, com uma população de 472 mil (cerca de 1,8 milhões em sua maior área urbana). Docas e armazéns alinham os rios gêmeos, que dividem a cidade em três partes.

O principal distrito de escritórios, compras e entretenimento da cidade fica na península entre os rios. Ao norte deste centro da cidade estão as imponentes casas dos bairros históricos têxteis do século 19 de Lyon, onde os tecelões habilidosos uma vez penduravam os enormes teares Jacquard do teto das abóbadas. A oeste, na margem oposta do Rio Saône, está a "Velha Lyon", com suas históricas catedrais Renascentistas. A margem mais a leste do Rhône detém a terceira seção mais nova de Lyon, com sua mistura interessante de fábricas, bairros afluentes, e um campus universitário de grande porte.

Júlio César escolheu este local estratégico para um grande campo de guerra e centro de abastecimento em 58 aC. Ele cresceu para se tornar Lugdunum, uma das mais importantes cidades do Império Romano. Pelo início do século 15, Lugdunum tornou-se Lyon e uma capital do comércio Europeu, com uma reputação internacional em tecidos de seda.

Hoje, suas universidades são grandes centros de pesquisa médica e científica, e seus subúrbios estão cheios de fábricas têxteis, de produtos químicos, e de automóveis. Lyon também é a sede mundial para a organização da polícia de inteligência internacional conhecida como Interpol.

Toulouse, a quarta-maior cidade da França (população 439.000), situa-se no sopé dos Pirineus, onde o Rio Garonne vira oeste em direção ao Oceano Atlântico.

É também conhecida como la Ville Rose pela empoeirada cor rosa de suas muitas catedrais medievais e outros belos edifícios históricos. Hoje, Toulouse é a sede para a agência espacial Francesa. A fabricação de aviões e naves espaciais tornou-se a grande indústria da cidade, seguida por eletrônicos, biotecnologia e tecnologia da informação. A Universidade de Toulouse apoia estas indústrias de alta tecnologia com pesquisa e educação.

É a segunda mais antiga universidade da França (fundada em 1229) e seu segundo maior centro de ensino superior. A história da cidade remonta à mais de 2.000 anos, sua importância como um ponto intermediário para os comerciantes Romanos viajando entre o Mediterrâneo e o Atlântico.

Nice, na Riviera Francesa, tornou-se um playground para a elite da Europa cerca de 300 anos atrás, quando a nobreza Britânica começou a passar seus invernos em casas grandes ao longo de suas praias ensolaradas. Hoje, os grandes hotéis ainda alinham a famosa Promenade des Anglais (Boulevard Inglês), que corre ao longo de suas praias e as cintilantes águas do Mediterrâneo.

Bem ao norte, Strasbourg está perto do Rio Reno (ligada a ele por um canal), logo deste lado da fronteira da França com a Alemanha. Como o nome Strasbourg sugere, a Alemanha governou esta cidade várias vezes ao longo de sua longa história.

A maioria dos Strasbourgianos são bilíngües, falando Alemão e Francês, e as especialidades culinárias da cidade incluem tanto salsichas e carnes ao estilo Alemão e iguarias Francesas tais como o foie gras (patê de fígado de ganso). Strasbourg é também onde, de volta na década de 1440, o ourives Alemão Johann Gutenberg inventou sua imprensa revolucionária. Hoje, a cidade é a sede do Parlamento Europeu, o Conselho da Europa de 45-membros e o seu Tribunal de Direitos Humanos e outras instituições Europeias.

ECONOMIA

A França é uma das nações mais prósperas do mundo, com uma moderna e eficiente produção agrícola e indústrias de alta tecnologia. Ela tem uma economia capitalista, mas que apresenta uma quantidade significativa de propriedade e de intervenção do governo. A tendência recente tem sido em direção a uma maior privatização e outras reformas para liberar os mercados.

Os cidadãos Franceses são protegidos por uma série de benefícios sociais. Eles têm-se revelado onerosos para o Estado, no entanto, aumentando a preocupação crescente sobre a sua sustentabilidade.

Essa questão atingiu um novo pico no rescaldo da crise economica e financeira mundial de 2008-09. Os gastos do governo para estimular a economia aumentaram o déficit orçamentário e a dívida pública global.

Como resultado, em 2010 o governo passou dos gastos de estímulo aos esforços para reduzir a dívida. Uma medida nesse sentido foi o aumento da idade de aposentadoria de 60-62 anos, o que iria conseguir uma economia substancial nos custos de pensão.

Outras mudanças no sistema de benefícios sociais do país eram esperados. Forte resistência popular, como ocorreu com a reforma das pensões, também era esperado.

A França foi um dos membros fundadores da Comunidade Economica Europeia, mais tarde conhecida como a Comunidade Europeia e, mais tarde ainda, como a União Européia (UE). Ela também é membro da União Monetária Europeia e adotou o euro, a moeda comum da UE, em 2002. O euro substituiu o franco.

Serviços

Quase 80 por cento do PIB da França é composto de serviços. (O PIB é o valor de mercado total de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante um período de tempo, normalmente um ano). A maioria dos trabalhadores Franceses, mais de 70 por cento, estão empregados no setor de serviços. Ou seja, eles têm empregos em setores como educação, saúde, governo, finanças, comércio, turismo, transportes e comunicações.

Manufatura

A França é um dos principais produtores mundiais de bens manufaturados. A fabricação contribui com cerca de 20 por cento para o PIB e emprega menos de 25 por cento da força de trabalho.

Desde que a França entrou na era industrial nos 1700s, ela goza de uma reputação de produtos de alta qualidade. Seus fabricantes de têxteis e de roupas permanecem mundialmente famosos por seus produtos de luxo e tecidos de alta-costura. Seus alimentos processados incluem muitos dos vinhos mais finos e mais caros do mundo e mais de 300 tipos de queijo gourmet.

Desde meados do século 20, as indústrias de manufatura da França tornaram-se conhecidas pela quantidade também. A França é hoje um dos principais produtores (em volume) de produtos lácteos processados, vinhos, e automóveis.

Outros importantes produtos industriais incluem o aço; equipamentos elétricos e eletrônicos; máquinas; equipamentos de transporte, como trens de alta velocidade; produtos químicos; produtos farmacêuticos; e vestuário.

Sua indústria aeroespacial é conhecida por alguns dos mais avançados aviões comerciais e militares, bem como satélites e foguetes de lançamento de satélites. A França também tem uma indústria de armas de grande porte.

Agricultura e Pesca

A França é um produtor líder mundial agrícola. A agricultura e a pesca contribuem com cerca de 4 por cento para o PIB e empregam cerca de 2 por cento da força de trabalho.

Carne bovina e produtos lácteos como queijo geram a maior parte da renda agrícola da França. O trigo classifica como a cultura mais importante, cultivado principalmente nas férteis planícies do centro-norte do país. A agricultura Francesa pode ser mais famosa por suas uvas de vinho de alta qualidade, com várias regiões geográficas, como Borgonha, Champagne, e Bordeaux produzindo vinhos conhecidos mundialmente por seu sabor característico.

Os agricultores aqui também crescem uma abundância de aveia, milho e cevada para alimentação animal; beterraba para fazer açúcar; e girassol para o óleo de cozinha. A produção fresca mais abundante do país inclui maçãs, cerejas, pêssegos, pêras, tomates, feijão, cenouras e couve-flor. A França também tem muitas fazendas de flores.

A frota de pesca comercial da França é baseada principalmente nos portos ao longo da sua costa Atlântica. A depleção dos estoques de peixes e a resultante regulamentação, uma consequência da pesca predatória, e o aumento dos custos dos combustíveis têm contribuído para um grande declínio no número de navios de pesca e no tamanho das capturas.

A piscicultura Francesa levanta grandes quantidades de ostras, mariscos, e mexilhões ao longo das costas do Atlântico e do Mediterrâneo.

Energia

Os depósitos de urânio da França ajudam a alimentar o seu extensivo sistema de usinas nucleares. Ao todo, a energia nuclear fornece cerca de 75 por cento da eletricidade do país. No leste, barragens hidrelétricas em rios grandes produzem eletricidade adicional.

O governo Francês investiu pesadamente em novas fontes de energia limpa com uma planta de energia das marés na foz do Rio Rance da Bretanha e plantas de energia solar nos Pirineus. Até agora, porém, estes atendem apenas uma pequena parte das necessidades de energia do país. A queima de carvão fornece o resto das necessidades de energia do país.

Comércio

A França é uma das mais importantes nações comerciais do mundo. Seus principais parceiros comerciais são os países da UE, bem como os Estados Unidos e a China. O país é líder mundial em exportações agrícolas.

No entanto, suas exportações mais importantes em termos de valor são máquinas e equipamentos de transporte, aviões, plásticos, produtos químicos e farmacêuticos, e vinho. O petróleo bruto está entre suas importações.

Transporte

Napoléon Bonaparte instituiu um sistema rodoviário nacional no início do século 19, criando um sistema de estradas principais que irradiava para fora de Paris.

Na era moderna, a França tem uma das mais densas redes de estradas em todo o mundo. Cerca de 10 por cento das suas estradas (umas 6.800 milhas; 11.000 km) são expressas.

O sistema ferroviário é muito menos extenso, mas inclui um trem de alta velocidade (TGV) que liga as principais cidades da rede dentro e fora das fronteiras Francesas. Comboios circulam pelo Túnel da Mancha (ou Chunnel), que abriu em 1994 e liga a França e a Inglaterra.

O país tem cerca de 5.300 milhas (8.500 km) de vias navegáveis interiores, consistindo em rios e canais. Alguns destes transportam o tráfego comercial - tanto Paris e Rouen, no Sena, são os principais portos de navegação interior - mas a maioria não. Por outro lado, cerca de 72 por cento das exportações e importações da França são transportadas por mar. Os portos mais movimentados incluem Le Havre, Marselha, Dunkerque (Dunkirk), e Calais.

Comunicações

A França goza de liberdade de imprensa. Ela tem mais de 100 jornais diários, alguns associados a partidos políticos. Entre os mais conhecidos estão Le Monde, Liberation, Le Figaro, e Ouest France. Os semanários de notícias incluem L'Express e Le Point. A Agence France Presse, fundada em 1835, é um serviço líder internacional de notícias a cabo.

As estações de televisão são uma mistura de propriedade pública e privada. A Radio France dirige uma rede de estações nacionais, mas compete com a rádio comercial.

Cerca de 70 por cento da população usa a Internet. E há quase tantos telefones móveis (celulares) como existem pessoas.

HISTÓRIA

A história humana da França começa com o homem de Neandertal (Homo neanderthalensis sapiens), uma raça de seres humanos da Idade da Pedra, que surgiu na Europa e na Ásia ocidental mais de 100 mil anos atrás. Eles eram mais curtos e mais densamente construídos que os humanos modernos (Homo sapiens), que parecem ter migrado para o norte no que hoje é a França, do norte da África, cerca de 40.000 anos atrás. Cerca de 15.000 anos atrás, estes seres humanos primitivos deram origem aos Cro-Magnons, que começaram a inscrição dos primeiros registros históricos da Europa nas paredes das cavernas no sul da França.

Seus murais elaborados caracterizavam mamutes, bisontes Europeus, e outros animais que eles caçavam com lanças e machados.

Cerca de 8.000 anos atrás, essas tribos começaram a se fixar para estabelecer as primeiras comunidades agrícolas da Europa. Esta mudança revolucionária no abastecimento alimentar - da caça e coleta para o cultivo - permitiu que a população da região Francesa crescesse entre 4 milhões e 5 milhões de pessoas.

Cerca de 3.400 anos atrás, esses primeiros fazendeiros começaram a mineração de minerais da Terra e forjando-os em eixos de metal, facas e outras ferramentas. Este salto tecnológico marcou seu surgimento da assim-chamada Idade da Pedra.

Cerca de 3.200 anos atrás, tribos poderosas arrastaram-se para esta região da Europa central. Os antigos Gregos os chamavam Celtas; os Romanos os chamavam Gauleses. Durante os próximos 300 anos, eles se espalhariam através do que é hoje a França e se misturariam com os seus povos nativos. Sua civilização bem sucedida se beneficiaria com o uso de pesados arados de ferro para trabalhar a terra e um comércio lucrativo com os Gregos. Em 600 aC, os comerciantes Gregos estabeleceram no que hoje é a França a colônia permanente de Massalia (atual Marselha), na costa do Mediterrâneo.

Os Gauleses, ou Celtas, tornaram-se grandes ferreiros famosos em todo o Mediterrâneo por suas belas espadas. Eles construíram cidades em torno dos locais sagrados onde os seus sacerdotes, chamados Druidas, reuniam-se para rituais anuais.

Por 100 aC, sua população dentro das fronteiras do que é hoje a França tinha crescido para entre 6 milhões e 8 milhões. Mas era uma população dividida em centenas de comunidades em grande parte independentes. E isso deixou-as vulneráveis à conquista Romana.

Gália Romana

Os Romanos começaram a fazer incursões militares na terra que chamaram Gallia, ou Gália, tão cedo quanto 200 aC. Em 58 aC, o exército Romano de Júlio César derrotou os Gregos em Massalia e assumiu a região circundante ao longo da costa do Mediterrâneo.

De lá, César levou seus exércitos para o norte ao longo do Rio Ródano. Por volta de 50 aC, suas legiões tinham completado a conquista da Gália - uma área que incluía todas as atuais França, Bélgica, Luxemburgo e Suíça. No processo, um número estimado de 1 milhão de pessoas nativas pereceram, e muitas foram vendidas como escravos.

Ao ocupar a terra, os Romanos a uniram pela primeira vez. Eles fundaram muitas das modernas cidades da França, incluindo Paris (que eles chamaram de Lutetia), Lyon (Lugdunum) e Estrasburgo (Argentoratum). Eles construíram grandes aquedutos e pontes, e estabeleceram estradas em rotas que hoje estão na base das modernas rodovias da França.

Os Romanos trouxeram sua cultura clássica e um sistema de leis, ambos os quais iriam perdurar através dos tempos. O Latin se tornou a língua oficial, e que iria evoluir, com forte influência da conversação Celta da Gália, para a língua Francesa que conhecemos hoje.

A Ascenção dos Francos

No século 3 A.D., uma série de pragas devastou a população e, com ela, as colheitas agrícolas e as receitas fiscais que os Romanos necessitavam para apoiar a sua ocupação. O poder Romano sobre a Gália enfraqueceu ainda mais com os repetidos ataques de tribos Germanicas - nomeadamente os Francos, Burgúndios e Visigodos - varrendo a partir do leste. Durante os próximos 200 anos, as invasões aumentaram.

Algumas das tribos Germânicas fizeram as pazes com os Romanos e criaram seus próprios assentamentos ao longo das áreas de fronteira que permaneceram sob o domínio Romano. Os Francos, no entanto, continuaram a expandir seu território, e os enfraquecidos Romanos cederam. Em 486, o senhor da guerra Franco Clovis derrotou os últimos remanescentes do poder Romano e ganhou o controle da Gália.

Quando Clóvis se converteu ao Cristianismo, o papa reinante exortou os outros senhores da guerra a se unirem sob a liderança de Clóvis. Durante o próximo século, os Francos permaneceram unidos para lutar contra os novos invasores. Em 732, eles ganharam uma vitória decisiva quando repeliram o exército Muçulmano que tinha atravessado os Pirineus.

Durante a segunda metade do século 8, os Francos estenderam suas fronteiras em partes do que agora estão a Áustria, Alemanha, Itália, Sérvia e Montenegro.

No ano 800, o papa coroou o Rei Franco Carlos Magno o "Santo Imperador Romano". Carlos Magno conduziu mais de 50 campanhas militares. Ele construiu dezenas de igrejas, estabeleceu as primeiras escolas formais na Europa, e deu à França um novo código de leis.

Após a morte de Carlos Magno em 814, o poder central do império diminuiu. Seus netos lutaram e dividiram o reino em três partes. Um neto, Carlos, o Calvo, ficou com a parte ocidental - a Francia Occidentalis - o núcleo da França de hoje. Mas o poder do rei Francês continuou a se enfraquecer, devido à lealdade dividida dos seus senhores. Devastadores ataques Vikings do norte pioraram as condições.

A Idade Média

Em 987, os nobres da Francia mudaram sua lealdade e escolheram um novo rei, Hugo Capeto. Capeto e seus sucessores, os Capetos, muito fortaleceram a monarquia Francesa. Este período também marcou o desenvolvimento do feudalismo - com cada rei concedendo terra para seus nobres, ou senhores, em troca de seu apoio militar.

Cada senhor, por sua vez, distribuía porções de terra, chamadas feudos, a seus vassalos, em retorno pelos serviços de um grupo de cavaleiros guerreiros. Na parte inferior da pirâmide social, servos sem terra trabalhavam o solo em troca de uma pequena parte de suas colheitas.

Ao mesmo tempo, surgiram as primeiras agitações da democracia com uma crescente classe média de comerciantes e artesãos nas cidades. Eles formaram organizações profissionais, chamadas guildas, que ganharam uma grande medida de poder no governo de suas cidades.

Os senhores das províncias Francesas da Normandia, Aquitania, Borgonha e Flandres tornaram-se gradualmente mais poderosos e independentes. Em 1066, William, o Conquistador da Normandia cruzou o Canal Inglês para tomar a Inglaterra e se tornar seu rei.

Agora, um rei "Inglês", William, ainda controlava grande parte do norte da França. Em 1152, a Inglaterra ganhou mais território Francês quando o casamento de Eleanor da Aquitânia e o Rei Luís VII da França foi anulado, e ela se casou com o futuro Rei Henrique II da Inglaterra.

Durante este tempo, a Igreja cada vez mais rica construiu muitas grandes catedrais e mosteiros. Ela também lançou as Cruzadas, grandes campanhas militares para a Terra Santa da Palestina que eram lideradas pelos Franceses e outros senhores Europeus e financiadas por impostos pesados.

Por volta de 1300, a população da França tinha crescido para cerca de 20 milhões. Mas a vida poderia ser brutalmente curta. Na verdade, menos da metade das crianças sobreviviam até a idade de cinco anos.

No início do século 14, o Rei Filipe IV (Filipe, o Belo) convocou a primeira assembléia dos Estados-Gerais, um "parlamento do cidadão", assim chamado porque seus delegados representavam três estados, ou grupos, do povo Francês: o clero (primeiro estado), a nobreza (segundo estado), e as pessoas comuns (terceiro estado). Os historiadores consideram os Estados-Gerais como sendo o ancestral do parlamento democrático da França.

Popular e poderoso, Philip IV convenceu os oficiais da igreja à elegerem um arcebispo Francês como o próximo papa em 1305. O Papa Francês Clemente V transferiu sua corte de Roma para um grande palácio em Avignon, no sul da França. Lá, os papas permaneceriam em grande parte sob o controle dos reis Franceses, por mais de 70 anos.

A Guerra dos Cem Anos

Em 1337, o Rei da Inglaterra Eduardo III invadiu a França para iniciar o que ficou conhecido como a Guerra dos Cem Anos (1337-1453). Os Inglêses ganharam muitas primeiras batalhas - mais notavelmente em Agincourt e Crécy no norte da França, e em Poitiers no centro da França. Durante este tempo, a praga conhecida como a Peste Negra atingiu a Europa ocidental e matou pelo menos 33% da população da França.

Em 1422, pela morte de Charles VI da França, os governadores de Paris ficaram do lado da reivindicação do rei da Inglaterra ao trono Francês. A situação do sem-coroa Charles VII da França tinha chegado ao seu pior momento, quando, em 1429, uma jovem camponesa de 17 anos de idade de Lorena se apresentou em sua corte. Joana d'Arc afirmou que vozes lhe disseram que Deus queria que ela liderasse os exércitos da França contra os Inglêses e assim veriam Charles VII ser coroado rei.

A liderança inspiradora de Joana marcou um ponto de viragem na guerra, e ela ficou ao lado de Charles VII na sua coroação. Em última instância, ela foi capturada e executada como uma bruxa por forças leais ao rei Britânico. Charles recapturou a maior parte da França entre 1450 e 1453.

Renascimento e Conflito Religioso

Embora devastada pela Guerra dos Cem Anos, a população da França se recuperou e construiu uma forte economia. Em 1515, Francisco I se tornou rei e um grande patrono das artes e da educação. Suas guerras com a Itália ganharam à França pouco território novo, mas expôs os Franceses aos estilos da pintura, escultura, arquitetura, literatura, e ciência Renascentistas da Itália.

A Renascença Francesa também trouxe conflitos religiosos, como a Reforma, ou as idéias Protestantes de Martinho Luthero que varreram a França da Alemanha e da Suíça. Os Protestantes Franceses chamavam a si próprios Huguenotes (a origem do nome permanece misterioso), e incluíam os membros da família real Francesa. Os conflitos entre os Huguenotes e os Católicos Romanos levou à guerra civil.

Em 1561, Catharina de Médicis, a poderosa mãe do Rei Carlos IX de 11-anos, tentou fazer as pazes chamando uma reunião dos líderes Católicos e Huguenotes. Ao longo dos próximos nove anos, a Católica Catharina fez valer as pazes com os Huguenotes. Mas somente dois anos depois, ela ordenou o infame Massacre do Dia de São Bartolomeu (1572) dos Huguenotes.

A paz finalmente chegou em 1598, quando o Rei Henrique IV, o genro Huguenote de Catarina, se converteu ao Catolicismo, mas permitiu aos assuntos Huguenotes alguma liberdade religiosa com seu famoso Edito de Nantes. Henrique IV se tornou um dos reis mais populares da França, com a mais justa tributação para as pessoas comuns e promessas memoráveis, como "uma galinha em cada panela". Sob seu reinado, a agricultura da França novamente floresceu, assim como o comércio Francês com outras terras. Henrique enviou os navios Franceses por todo o mundo em busca de riquezas.

Ao longo do caminho, os exploradores Franceses estabeleceram muitas colônias no Novo Mundo. Em 1610, um fanático Católico assassinou Henrique IV, deixando o governo da França nas mãos de sua esposa, a Rainha Maria de Médicis. Católicos e Huguenotes novamente começaram a batalha, e o poder real enfraqueceu-se.

Richelieu e o Rei Sol

O Cardeal Richelieu (o vilão em Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas) subiu ao poder sob Maria de Médicis e ganhou o quase completo controle do governo Francês durante o reinado de seu filho, Louis XIII. Richelieu esmagou toda a oposição ao seu poder dentro da França, e ele cobrava altos impostos, especialmente sobre os camponeses e comerciantes.

Ao mesmo tempo, Richelieu forjou a França para o estado mais forte da Europa. Ele incentivou o comércio exterior e ampliou o império internacional da França, especialmente as suas colônias na América do Norte e no Caribe. Na política externa, Richelieu opôs-se às poderosas monarquias Habsburgo da Áustria e da Espanha, a quem os exércitos da França lutaram durante a Guerra dos Trinta Anos da Europa (1618-1648).

Em 1643, Louis XIV, aos cinco anos, se tornou rei. Durante os primeiros 18 anos do reinado de Luís XIV, sua mãe, Anna, governou como regente juntamente com o protegido de Richelieu, o Cardeal Mazarin. Eles suprimiram as rebeliões Huguenotes que deflagraram sob o rei criança, e quando Louis XIV atingiu a idade adulta, ele se tornou o mais poderoso rei na Europa.

Em 1685, Louis XIV revogou a liberdade religiosa que seu avô havia concedido com o Edito de Nantes. Declarando-se o representante de Deus na Terra, chamou a si mesmo le roi soleil, "o Rei Sol".

Ele rejeitou todas as outras autoridades com a sua famosa proclamação: "L'état, c'est moi" (O Estado sou eu). Ao longo de seu reinado, Luís envolveu a França em guerras caras com a Espanha, Holanda e Inglaterra, mas ganhou pouco território. Ele também drenou os cofres reais para construir o seu grande Palácio de Versalhes nos arredores de Paris.

Em 1715, Louis XIV morreu, deixando um doente neto de cinco anos como seu único herdeiro. A França continuou a ser uma grande potência mundial, mas perdeu a maior parte de seu império Norte-americano para os Britânicos durante a Guerra dos Sete Anos (1756-1763). Em 1766, a França recuperou a região nordeste da Lorena.

Os 1700s foram também a época do grande Iluminismo da Europa, um movimento intelectual que teve seu maior florescimento na França, onde até mesmo os camponeses aprenderam a ler e escrever. Com maior educação veio o desejo de ter uma maior influência em seu governo. Mas a classe média da França era fortemente tributada, e os pobres permaneciam desesperadamente com fome. Eles logo começaram o protesto - e a revolta.

A Revolução Francesa

Na década de 1780, a França enviou ajuda militar e financeira maciça aos revolucionários colonos Britânicos na América do Norte. Na necessidade desesperada de dinheiro, Louis XVI fez a jogada arriscada da convocar plebeus, nobres e clérigos para a primeira reunião dos Estados-Gerais (parlamento cidadão) em 175 anos. O rei queria que os delegados cobrassem novos impostos. Mas alguns se reuniram em segredo, formaram uma assembléia nacional, e começaram a escrever uma constituição modelada pela Declaração de Independência dos Estados Unidos.

Então, em 14 de Julho de 1789, uma multidão invadiu a Bastilha, uma infame prisão real em Paris. Em todo o país, multidões de camponeses invadiram propriedades dos nobres e mataram ou prenderam os proprietários de terras. Em Agosto de 1789, a recém-formada Assembleia Nacional Francesa emitiu a sua Declaração dos Direitos do Homem e obrigou Luís XVI a partilhar o poder.

Mas o novo governo, com sua limitada monarquia constitucional, não durou muito tempo. Em Setembro de 1792, líderes revolucionários, como Maximiliano Robespierre declararam a França uma república democrática. Poucos meses depois, eles publicamente decapitaram Luís XVI e sua rainha, Maria Antonieta, e começaram o Reinado do Terror contra todos os inimigos percebidos da revolução. Eles executaram milhares antes de Robespierre ser executado em 1794. Enquanto isso, a nova república viu-se atacada pelas monarquias restantes da Europa, incluindo a Alemanha, Áustria, Prússia e Inglaterra.

Napoleão Bonaparte

Durante este tempo, um jovem oficial da ilha Mediterrânea Francesa da Córsega subiu na hierarquia, com uma brilhante vitória militar após a outra. Em 1799, o General Napoleão Bonaparte declarou-se imperador, deixando de lado o governo democraticamente eleito da França.

Napoleão declarou que ele representava a vontade do povo e, de fato, ele provou-se popular. Ele elaborou um código legal que se tornaria a base do moderno direito Francês. Em 1801, ele fez as pazes com o papa e ganhou a bênção da Igreja. Ele melhorou o sistema educacional da França e selecionou seus alunos mais brilhantes para os cargos no governo.

Sob o comando de Napoleão, os militares da França conquistaram grande parte da Europa ocidental e central. Nos mares, apenas a poderosa marinha Inglêsa poderia se equiparar à da França. Mas em 1812, Napoleão esticou demais quando ele decidiu marchar com seu exército de 600.000 homens profundamente na Europa oriental para esmagar o que restava do poder da Rússia.

Depois de várias grandes vitórias, os Francêses ocuparam Moscou, que os Russos tinham abandonado e incendiado. O exército Russo continuou a recuar, destruindo todos os suprimentos em sua esteira. Com o frio e a neve do inverno Russo em conjunto, Napoleão ordenou às suas tropas para fazer a longa e difícil marcha de volta para a França. Os Russos aproveitaram a oportunidade para atacar os Franceses em retirada. Apenas 17% do glorioso exército de Napoleão sobreviveu à viagem de retorno. Sua vitória vazia se transformou em derrota.

Em 1814, os adversários Franceses de Napoleão forçaram-no do poder e fora da França. Eles restabeleceram uma monarquia constitucional, com Luís XVIII (irmão do executado Luís XVII) no trono. Em Março de 1815, Napoleão liderou uma força de apoiantes para expulsar Luís XVIII da França e recuperar sua posição como imperador da França.

Mas o segundo reinado de Napoleão duraria apenas 100 dias. Em Junho de 1815, um exército internacional liderado pelos Prussianos e Inglêses derrotou Napoleão pela última vez no campo de batalha em Waterloo, na Bélgica. Napoleão passou o restante de sua vida no exílio na pequena ilha do Atlântico Sul de Santa Helena.

As Revoluções de 1830 e 1848

Com a derrota de Napoleão, Luís XVIII voltou como rei, bem quando a Revolução Industrial estava transformando a França. Famílias deixavam o campo para trabalhar nas fábricas e viverem nas cidades. A classe média cresceu em tamanho e influência.

Então, em 1830, o sucessor de Luís, Charles X, tentou recuperar o poder total por dissolver o parlamento e fechar os jornais que criticavam seu governo. O povo de Paris saiu às ruas para protestar e amotinar. A Revolução de Julho de 1830 forçou Charles ao exílio e levou a uma constituição mais forte para garantir a democracia da França. Os revolucionários colocaram o duque de Orléans no trono como Rei Louis Philippe.

Por mais de uma década, a França desfrutou da paz. A industrialização continuou. As cidades cresceram maiores, especialmente nos centros têxteis do norte e nas áreas de mineração do leste. Mas o governo fez pouco para melhorar as condições adversas dos trabalhadores ou para ajudar os desempregados. Os pobres também se ressentiam do fato de que só os ricos podiam votar ou trabalhar no governo. Greves operárias e motins em Paris levaram a confrontos sangrentos entre as tropas do governo e o povo.

A "Revolução de Fevereiro" de 1848 colocou um ponto final à monarquia Francesa e estabeleceu a Segunda República da França. Todos os homens Franceses ganharam o direito de voto. Eles elegeram Luís-Napoleão Bonaparte, sobrinho de Napoleão I, como o primeiro presidente da França.

A nova Constituição da França permitiu ao presidente apenas um mandato de quatro-anos. Com nenhuma intenção de abrir mão do poder, Luís-Napoleão dissolveu a Assembleia Nacional, prendeu aqueles que protestavam, e apelou para uma votação nacional para torná-lo o novo imperador. Os eleitores deram a Luís-Napoleão o poder que ele queria, e ele declarou-se Imperador Napoleão III do Segundo Império. (Napoleão II, filho de Bonaparte, nunca governou).

Napoleão III definiu como sua meta o ressurgimento da França como nação mais poderosa da Europa. Engenheiros Franceses cavaram o Canal de Suez do Egito (inaugurado em 1869), dando aos Francêses uma forte presença no Oriente Médio. Os exploradores e soldados Franceses também expandiram as colônias da França na África e na Ásia.

Mas na décadas de 1850 e de 1860, Napoleão III levou a França à uma série de guerras dispendiosas, incluindo a Guerra da Criméia contra a Rússia. Em 1870, ele declarou guerra contra o reino muito mais poderoso da Prússia, que derrotou seus exércitos em apenas três meses e tomou a maior parte da província Francesa da Alsácia-Lorena. O povo de Paris se revoltou quando os Prussianos fizeram Napoleão prisioneiro, e proclamaram a França uma república livre, mais uma vez.

A Terceira República Francesa gradualmente reconstruiu a economia e a força militar do país. Mas o público Francês permaneceu dividido sobre se eles queriam uma república democrática ou um retorno da realeza, fossem elas do estilo militar de imperadores ou reis. Um incidente envolvendo um jovem Judeu capitão do exército finalmente forçou os Franceses a decidir.

Em 1894, oficiais militares prenderam o Capitão Alfred Dreyfus, acusando-o de vender segredos militares à Alemanha. Apesar das fortes evidências da inocência de Dreyfus, um tribunal militar o condenou, sentenciando-o a uma colônia prisional particularmente dura ao largo da costa da América do Sul. Muitas pessoas, incluindo o estimado jornalista Émile Zola e o líder político Georges Clemenceau, reuniram-se para a defesa de Dreyfus, acusando os líderes militares da França de abusar de seu poder ao negar à Dreyfus um julgamento justo.

Dreyfus tornou-se um símbolo de reunião para aqueles que queriam mais direitos civis e uma forte república. Os que favoreciam um império militar denunciavam os partidários de Dreyfus como traidores. A luta política que se seguiu em grande parte destruíu o poder dos militares sobre o governo Francês, bem como qualquer apoio restante para a restauração da monarquia. Em 1906, a suprema corte da França revisou o caso Dreyfus e encontrou o capitão inocente de todas as acusações.

As Guerras Mundiais

Em 1907, a França assinou a Tríplice Entente com a Grã-Bretanha e a Rússia, cada uma prometendo o seu apoio caso as outras fossem atacadas. Em 1914, praticamente todas as nações da Europa haviam entrado em uma tal aliança. Como resultado, quando um nacionalista Sérvio assassinou o Arquiduque Francisco Ferdinando da Áustria e a Arquiduquesa Sofia, em 1914, toda a Europa se encontrava em guerra.

A Alemanha invadiu a França, na esperança de uma vitória rápida. Em vez disso, desenvolveu-se um impasse, com as tropas Francesas e Alemãs enfrentando-se em trincheiras que se estendiam do nordeste da França e da Bélgica. Em 1915, nenhum dos lados tinha ganho muito terreno, mas juntos eles tinham matado mais de 1 milhão de uns dos outros soldados. Os Estados Unidos entraram na guerra em 1917, e as forças combinadas da França, Grã-Bretanha e da América empurraram os Alemães para fora da França pelo final de 1918.

A paz veio em 1919 com o Tratado de Versalhes. O tratado de paz concedeu à França seu antigo território da Alsácia-Lorena, com seus ricos recursos minerais.

Também obrigou a Alemanha a dar à França um contrato de arrendamento de 15 anos em suas bacias do Vale do Saar e bilhões de dólares em reparações de guerra.

Mas grande parte da França estava em ruínas, suas fábricas e campos agrícolas destruídos, e a navegação e o comércio paralizados. Na reconstrução de sua economia, a França modernizou suas indústrias e práticas agrícolas. Na verdade, ela tinha em grande parte reconstruído a sua economia, quando, em 1931, uma Depressão mundial levou à outra crise econômica.

Trabalhadores desempregados protestavam, e os trabalhadores mal pagos chamavam por greves massivas, ou paralisações do trabalho. Nenhum partido político poderia manter o poder por muito tempo. Em Setembro de 1939, a Alemanha, sob Adolf Hitler, invadiu a Polônia. A França e a Grã-Bretanha vieram ao apoio de seu aliado, e logo toda a Europa estava em guerra novamente.

As tropas Alemãs invadiram a França e tomaram Paris em Junho de 1940. O Marechal Pétain, um herói Francês da Primeira Guerra Mundial, assinou um acordo de paz que rendia o norte da França à ocupação Alemã e deixava Pétain estabelecer um governo fantoche no sul da França, com sede na cidade de Vichy.

Embora o governo de Vichy colaborasse com a Alemanha Nazista, um movimento de resistência nacional se reuniu por trás de Charles de Gaulle, um general Francês que tinha fugido para Londres. De Gaulle liderou o partido político da França Livre, que trabalhou com as forças Aliadas lideradas pela Grã-Bretanha e os Estados Unidos. Em 1941, quando os Aliados libertaram as colônias da França no norte da África, de Gaulle tornou-se o líder do governo provisório Francês lá. Em represália, o exército Alemão se mudou para o sul da França para garantir seu domínio sobre todo o país.

No Dia-D - 6 de Junho de 1944 - a contra-ofensiva Aliada começou. Algumas 150.000 forças Americanas, Britânicas e Canadenses desembarcaram nas praias da Normandia e começaram a lutar o seu caminho interior, enquanto outros 27.000 pára-quedistas aterravam atrás das linhas inimigas. O

s aviões Aliados atingiam as áreas controladas pelos Alemães do ar, com uma perda terrível de cerca de 14.000 civis Franceses. Os Aliados pareciam estar sobrecarregados no campo. Mas em Agosto, as forças Aliadas brilhavam pelo norte da França para Paris. Em 25 de Agosto, as tropas Francesas apoiadas pelos Norte-americanos libertavam Paris, para a alegria desenfreada de seu povo.

França do Pós-guerra

Em 1945, os Franceses elegeram uma Assembléia Nacional para escrever uma nova constituição e formar uma Quarta República. Pela primeira vez, as mulheres Francesas ganharam o direito de voto. A assembléia do pós-guerra da França nomeou de Gaulle o presidente provisório. Mas ele renunciou no ano seguinte, reclamando que a nova Constituição não lhe dava poder suficiente. As divergências políticas resultantes enfraqueceram o governo da França e retardaram a recuperação do país da guerra.

Em 1947, o Secretário de Estado George Marshall dos Estados Unidos prometeu o apoio Americano para a reconstrução dos países Europeus, incluindo a França. Este Programa de Recuperação Europeia, ou o Plano Marshall, proveu dinheiro vital e o suporte técnico para os esforços de recuperação Francêses. Ao mesmo tempo, o empresário e diplomata Francês Jean Monnet elaborou um plano de cinco-anos de recuperação econômica para a França.

Monnet acreditava que o sucesso da França nesta área dependia do sucesso de seus vizinhos. Ele desenvolveu e promoveu a idéia de um "Estados Unidos da Europa", e, juntamente com o Chanceler Francês Robert Schuman, ajudou a fundar uma série de organizações internacionais, incluindo a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço e a Comunidade Economica Europeia, ou Mercado Comum.

Em 1949, a França juntou-se aos Estados Unidos e a Grã-Bretanha como membros fundadores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), formada para proporcionar uma defesa mútua, especialmente contra a ameaça da União Soviética Comunista.

Em 1958, De Gaulle voltou ao poder como primeiro-ministro, e no ano seguinte foi eleito presidente. Seu governo preparou ainda uma outra Constituição, concedendo ao presidente maiores poderes, reduzindo os poderes do parlamento, e criando a Quinta República da França.

Enquanto isso, muitas das colônias ultramarinas da França exigiam sua independência. A França livremente concedeu a independência para algumas, mas lutou para reter outras, como a Argélia e o Vietnã, que ela liberou somente após anos de guerra sangrenta.

A dissolução do império colonial aliviou a França do grande custo de governar e desenvolver as suas longínquas explorações. Mas a França continuou a dar apoio financeiro, formação técnica, e ajuda militar aos territórios que procuraram a sua ajuda.

No final dos anos 1960s, o governo cada vez mais ditatorial de de Gaulle levou a protestos estudantis e de trabalhadores. Ele deixou o cargo em 1969, mas seu conservador partido Gaullista permaneceu no poder pelos anos 1970s.

Em 1979, a França entrou na era espacial, ao lado dos Estados Unidos e a União Soviética, com o lançamento bem sucedido de seu primeiro satélite abordo do foguete Francês Ariane 1. A França iria passar a assumir um papel preponderante na formação da Agência Espacial Europeia em 1980.

Em 1981, os eleitores Franceses elegeram o Socialista François Mitterrand para a presidência e uma maioria de legisladores Socialistas para o Parlamento. O governo de Mitterrand aprovou leis que estenderam os benefícios sociais aos trabalhadores e desempregados da França. Ele também aumentou a propriedade estatal das empresas, incluindo muitos dos maiores bancos e indústrias do país.

Durante as próximas duas décadas, os Franceses deram aos partidos socialista e conservador uma partilha de poder dos papéis no governo. Ou seja, eles tendiam a dar a um grupo político a presidência e a outro grupo a maioria no parlamento.

Em 1986, por exemplo, eles reelegeram como presidente o Socialista Mitterrand, mas elegeram uma maioria conservadora no parlamento. Este último reverteu muitas das reformas Socialistas do presidente.

Mitterrand fez história ao nomear a primeira mulher primeiro-ministro da França, a Socialista Edith Cresson. Em 1995, os eleitores Franceses escolheram o conservador Jacques Chirac para presidente, mas deram aos Socialistas uma maioria no parlamento. O encurtamento da semana de trabalho para um máximo de 35 horas entrou em vigor em 2000.

Em 1999, a França reconheceu a união civil entre pessoas do mesmo sexo, e extendeu os benefícios do bem-estar, a redução de impostos, e os direitos de herança para os casais solteiros do sexo masculino e feminino também.

Em 2000, o parlamento Francês aprovou uma lei exigindo que a maioria das eleições públicas tivessem aproximadamente o mesmo número de candidatos do sexo masculino e feminino.

O ato foi o resultado de anos de debate sobre o fato de que, mais de meio século depois de as mulheres Francesas tinham ganho o direito de participar nas eleições, elas ainda representavam menos de 10 por cento dos eleitos em cargos públicos.

No início de 2002, a França sofreu uma onda de terrorismo anti-Semita. Para os Franceses, a violência aumentou a tensão pública sobre a contínua imigração dos povos Muçulmanos do Oriente Médio. Em 2004, uma lei que proibia os véus de cabeça Muçulmanos (bem como os solidéus Judaicos e as cruzes Cristãs) nas escolas causou um alvoroço no mundo Muçulmano.

No primeiro turno da eleição presidencial de 2002, a França experimentou um terremoto político quando o notoriamente anti-Semita e anti-imigração político Jean-Marie Le Pen ficou em segundo lugar. Em todo o país, as pessoas se uniram para condenar as declarações racistas e políticas de Le Pen, e no segundo turno de votação esmagadoramente reelegeram Chirac.

Em 2003, a oposição da França à invasão do Iraque pelos EUA severamente estressou as relações entre Chirac e o Presidente dos EUA George W. Bush. Em 2006, a relação entre as duas nações tinha sido amplamente reparada.

Em um referendo em Maio de 2005, os eleitores Franceses rejeitaram a proposta da Constituição da União Europeia (UE), expressando seus temores sobre os trabalhadores dos novos Estados-membros mais pobres em tirar seus empregos.

Isto iniciou uma importante reavaliação do processo de integração Europeia. No outono daquele ano, a morte de dois adolescentes de ascendência Africana, que estavam alegadamente fugindo da polícia, provocou uma nova crise na França.

Durante três semanas, jovens furiosos dos subúrbios incendiaram milhares de carros e dezenas de edifícios, em protesto contra o tratamento das minorias.

Vários meses depois, uma proposta de legislação trabalhista levou à revolta ainda mais. A legislação - que teria tornado mais fácil contratar e demitir pessoas com menos de 26 anos, provocou massivas manifestações de rua e violência. Depois de semanas de agitação, a lei foi descartada em favor de reformas mais modestas.

A França deu uma guinada decisiva para a direita em Maio de 2007 quando o candidato presidencial conservador Nicolas Sarkozy, da União por um Movimento Popular, decisivamente derrotou seu rival, a Socialista Ségolène Royal, a primeira mulher candidata presidencial na política Francesa. A posição de Sarkozy foi reforçada por uma vitória conservadora nas eleições parlamentares de Junho.

Sarkozy assumiu o poder prometendo sacudir a economia Francesa, criando mais empregos e mais crescimento. Ele empurrou por algumas reformas, mas a crise financeira e economica de 2008-09, de certa forma demonstrou as virtudes do sistema que ele procurou mudar.

O alto gasto público da França e a tradição da intervenção estatal nos negócios almofadou tanto a economia e a população dos piores efeitos da recessão. Da mesma forma o generoso sistema de bem-estar protegeu as pessoas.

Quando a economia retomou o crescimento, o governo parecia ter perdido alguns de seus zelos por reformas. No verão de 2010, no entanto, ele propôs uma grande reforma do sistema de pensões, que incluía o aumento da idade de aposentadoria de 60 a 62 anos. Esta proposta foi fortemente contestada pelos sindicatos de trabalhadores e provocou grandes protestos de rua. No entanto, a legislação foi aprovada em Outubro do mesmo ano.

Como a segunda maior economia da Europa, a França desempenhou um papel fundamental no esforço da UE para gerir o crescente problema da dívida soberana de alguns dos seus membros. A França participou nos planos de salvamento para resgatar a Grécia, Irlanda e Portugal. No entanto, o problema da dívida desses países, bem como em outros membros da UE - principalmente a Espanha e a Itália, continuou a crescer.

GOVERNO

O governo nacional da França combina ambos os sistemas presidencial e parlamentar. Os cidadãos Franceses de 18 anos ou mais elegem seu presidente para um período de cinco anos. O chefe de Estado oficial, o presidente dirige os assuntos estrangeiros e comanda os militares do país. O povo Francês pode reeleger um presidente por um número ilimitado de mandatos.

O presidente compartilha a autoridade executiva com o primeiro-ministro - o chefe oficial do governo e líder do parlamento. O presidente escolhe o primeiro-ministro, mas deve fazê-lo a partir do grupo político cujos membros detêm a maioria das cadeiras na Assembleia Nacional, mesmo que esse grupo seja diferente daquele do presidente.

O primeiro-ministro lidera um governo executivo composto por um Conselho de Ministros (secretário de Estado, ministro dos Negócios Estrangeiros, ministro da saúde, e outros). O primeiro-ministro recomenda uma equipe de ministros e o presidente nomeia-os oficialmente a seus postos.

Quando o presidente da França e o primeiro-ministro pertencem ao mesmo partido, o primeiro-ministro tende a servir como uma espécie de deputado que apóia os objetivos do presidente no parlamento. Se eles pertencem a partidos diferentes, eles tendem a verificar uns dos outros poderes. O presidente, o primeiro-ministro, e o Conselho de Ministros compõem o ramo executivo do governo nacional da França.

O ramo legislativo, ou legislador, é constituído por duas casas: a Assembleia Nacional e o Senado. A Assembleia tem 577 membros, cada eleito para um mandato de cinco anos pelos eleitores em um determinado distrito eleitoral. O presidente pode dissolver a Assembleia e convocar novas eleições a qualquer momento.

O Senado é composto por 321 membros, cada eleito para um mandato de nove anos por uma determinada região ou cidade. Um terço dos senadores vêm para a eleição a cada três anos. Enquanto o Senado e a Assembleia Nacional compartilham as obrigações de legislar, a assembleia tem a decisão final se as duas câmaras discordam sobre uma proposta de lei ou política.

Governo Local

Abaixo do nível nacional, existem três níveis de governo: as regiões, os departamentos e as comunas. Cada um destes níveis tem um executivo e um conselho democraticamente eleito. A França tem 22 regiões Europeias e quatro regiões no exterior. Aquelas da Europa correspondem aproximadamente às províncias históricas, como a Bretanha, Normandia, Borgonha, e assim por diante. As regiões da França estão subdivididas em 112 departamentos (106 na Europa, mais seis no exterior).

As regiões variam em população de dezenas de milhares a mais de 2 milhões (Paris). Este nível de governo fornece muitos serviços públicos como saúde, e cria as leis locais. A França tem mais de 36.000 comunas. Elas incluem pequenas aldeias e bairros da cidade, a maioria com menos de 1.000 habitantes. O prefeito e o conselho de cada comunidade têm a responsabilidade de administrar as escolas locais e a assistência para os pobres e idosos.

Política

Os grupos políticos da França se formam e reformam em torno dos candidatos presidenciais. Assim como os candidatos mudam de uma eleição presidencial para a próxima, assim também mudam os nomes e a maquiagem dos partidos políticos do país.

Nos últimos tempos, dois dos maiores grupos políticos conservadores têm sido o Rally para a República (RPR) e a União por um Movimento Popular (UMP). Ambos suportam dar ao governo nacional um grande poder, criando um exército forte, e mantendo uma política externa independente da da UE.

A Frente Nacional (FN) e o Movimento Nacional Republicano (MNR) representam os eleitores ainda mais conservadores, com políticas que limitam tanto a imigração e os benefícios da assistência social.

À esquerda, ou do lado liberal da política Francesa está o Partido Socialista, que promove maior controle das empresas, programas sociais tais como os cuidados universais da saúde e o auxílio financeiro para os pobres, e uma maior aproximação econômica e política com o resto da Europa.

Na extrema esquerda está o Partido Comunista da França, que defende o quase completo controle do governo sobre as empresas e o bem-estar social. A França também tem partidos ambientalistas ou "Verdes".

A maioria das eleições governamentais na França envolvem dois turnos de votação. Muitos partidos políticos estendem candidatos no primeiro turno. Se nenhum dos candidatos obtiver a maioria dos votos, um segundo turno seleciona o vencedor entre os principais candidatos.

Fotos

França
A Abbaye aux Hommes (Abbey homens) é uma igreja românica dedicada a St. Etienne (Santo Estêvão), em Caen.
Construído por ordem de Guilherme, o Conquistador, a abadia beneditina primeira foi concluída em 1063

França
O pátio enorme, no Chateau de Versailles (Palácio de Versalhes). 
A maior parte da construção no local alastrando foi realizado em quatro fases entre 1664 e 1710, durante o reinado de Luís XIV

França
A Pirâmide do Louvre, construído em 1989, serve como entrada principal do Louvre, um dos museus maiores e mais visitados do mundo. 
Objetos que datam da pré-história ao século 19

França
A Place de la Concorde em Paris é a maior praça da capital francesa. 
No centro da Praça ergue-se um obelisco gigante, transportados do Egito e erigido em 1836

França
A ponte romana ainda em uso em Provence perto Roussillon

França
O Castelo na praça da aldeia em Gordes, Provence, foi parcialmente construído em 1525

Fonte: Internet Nations

França

Ponta hexagonal da "Península Europa", a França desempenhou um papel histórico hoje pode parecer desproporcional ao seu vasto território e sua população.

Na realidade, a França, que ainda é a maior do Estado na Europa, atrás da Rússia e da Ucrânia, até o século XIX foi o continente mais populoso do país, com exceção da Rússia.

Acima de tudo, o pensamento francês, o Iluminismo ea Revolução, percorreu o mundo, a ponto de ser promovido a modelo. A influência da França secular apenas pensei que era muito cedo, em termos de unidade e missão.

Por quase mil anos, os reis eram teimosos povos unificar e províncias, e iniciou o processo de centralização que a Revolução e o Império foram concluídos dentro dos limites percebidos como "natural".

Por outro lado, "a filha mais velha da Igreja" e "direito à terra", na França, as Cruzadas para o levante em massa de 1792 eo "direito de guerra" é cru investido Carregar impor uma visão de mundo. Mesmo se, o Cristianismo a liberdade, a realidade nem sempre coincidem com esta bela imagem de Epinal, fato é que, no início do terceiro milênio, e em um mundo politicamente e culturalmente fragmentada, um dos pontos fortes mais forte da França continua a ser consciente. É com base na imagem que a França está a tentar construir uma nova organização europeia e definir um novo tipo de relação entre os povos de uma mutação mundo cheio.

HISTÓRIA

Proto-História

As primeiras fontes escritas sobre os habitantes dos territórios que um dia se tornam França são gregos. Eles - excepto as relativas à fundação da Massalia por colonos fenícios por volta de 600 aC (Tucídides Marseille) - estão confinados principalmente para incluir "cimérios" Norte e "Ligúria" sul (Rhone), sem qualquer precisão geográfica.

Não foi até Aristóteles, aluno de Platão e Isócrates (-384 -332 a) são listados para as paredes dos Celtas, dos habitantes celtas (grego keltoi) entre o Rhone e dos Alpes. Ele, como a maioria dos historiadores antigos antes da conquista romana, a ênfase está em boas maneiras e bárbaros guerreiros (no sentido moderno) dos celtas.

É significativo que, no momento, ele escreveu, os celtas saber quando uma fase de expansão que leva para o Delta do Danúbio e vai muito além dos limites da Gália. Estas fontes indiretas que estão aprendendo muito sobre a França futuro.

Principados da Idade do Ferro (-850 -450 a)

O uso da arqueologia, no entanto, pode estabelecer com certeza o surgimento de distúrbios sociais e militares em sociedades relativamente estáveis de Neolítico final e da Idade do Bronze. Esses distúrbios ocorrem em -850, que é, a Idade do Ferro, como mostrado terminal postquem (a data final de ocupação) em muitos sites.

Naquela época, os arqueólogos reconhecer a existência de um complexo técnico-econômico, um dos quais - nos Alpes - poderia ter sido proto-celta.

As características do período parecem ter sido o domínio de principados relativamente grandes regidos por uma aristocracia guerreira. Estes "príncipes e princesas do celta" (Patrice BROWN) eram enterrados com armas e carruagens cerimoniais, como Vix, em Côte-d'Or (Borgonha) ou Hochdorf (em Württemberg). Seus túmulos também revelaram a presença de itens de luxo da região do Mediterrâneo (incluindo o Egito), refletindo a dimensão comercial da riqueza dos aristocratas.

Os celtas (-450 para segundo século aC)

Para -450 -400 para, mais uma vez, mudanças significativas ocorreram nas artes e, provavelmente, políticas. Este é o momento parece Tène-se na nossa área geográfica. Tradicionalmente, é a partir desta data o período gaulês (em sentido estrito). Várias teorias conflitantes ainda para explicar as mudanças observadas arqueologia.

Principalmente entre os proponentes dessas mudanças sociais que seriam disponibilizados gradualmente, sob a influência das relações com os proponentes mundo mediterrâneo de invasão real por novos povos celtas em territórios anteriormente ocupada por povos indígenas que tinham pouco mudou desde os tempos pré-históricos.

Realidade sócio-política dessas mudanças para o mais evasivo, e é provável que devemos estar satisfeitos com os pressupostos materiais. A combinação destas duas alterações é a explicação que agora parece mais provável.

Gálico período de independência (segundo ao primeiro século aC)

Na verdade, não foi até quase a véspera da conquista de Roma por Narbonne para a ascensão névoa sobre os gauleses. O termo (do latim Galli) é demonstrado pela primeira vez nos escritos de Cato, o Velho, de -168 para designar os habitantes do Celtic que invadiram a Po, isto é, os habitantes da Gália Cisalpina.

Pouco tempo depois, e no final do segundo século, sob a influência de Marselha ou geralmente através de ligações comerciais com o mundo mediterrâneo, a Gália está dividida em tribos ou povos que estão permanentemente estabelecidos e parecem ter sido bem definida. As fronteiras desses povos coincidem - como um todo - com os do futuro "cidades" Roman e, portanto, com os limites da maioria das regiões e departamentos franceses de hoje. A última vez que o tempo Tène saber para etnocultural relativa estabilidade.

No plano político, no entanto, e se você ainda acreditam que as fontes latinas, monarquias ou aristocracias parecem poder ceder gaulesa aos juízes eleitos: " Vergobrets" os É por isso que, na véspera da conquista da morte de seu pai Vercingetorix, o Celtill Arverne condenado por seu povo.

Ao contrário do tradicional, herdado de autores antigos e visão moderna, que há muito tempo aderiram ao "bárbaros" na Gália, agora parece que a civilização gaulesa do período imediatamente anterior à conquista romana foi particularmente bem sucedido. O surgimento de verdadeiras cidades fortificadas (oppida) de dimensões muito maiores do que as fortalezas de períodos anteriores, com efeito, ou o uso de dinheiro são as características de uma civilização quase equivalentes aos da península italiana a partir de -300 a -200.

Contribuições gauleses para a cultura da república romana tardia, e do Império eram numerosos: o nível lingüístico, no artesanato ou na (o barril militar, a espada de cadeia, malha ou a parte de sabão).

Antiguidade

Nos tempos antigos, em si, que começa com a conquista romana, o território do que hoje é a França corresponde essencialmente a Gália.

O fim da independência gaulesa (-125 a -51)

O sudeste da França, especialmente no Languedoc e Provence, chamado togata Gallia ou "Gália toga" por causa de sua romanização avançado no fim da independência, foram conquistados por Roma antes do final do segundo século.

Sob o pretexto de ajuda militar ao Marselha, o general romano conquistou Salyens territórios Sextius Calvinus e provoca vazamento de seu rei, que é o seu nome que deriva da cidade de Aix-en-Provence ( América Aquae Sextiae "Sextius águas"), enquanto o da capital de Salyens (que domina a cidade, situado na d'planalto Entremont, ao norte) é perdido.

Agosto -121, os romanos, liderados pelo cônsul Flávio, e enfrentar um coallition Arverne Allobrogian na confluência do Isère. Roma, de fato, este povo último ataque, sob o pretexto de que ele havia recebido o salyen rei como um refugiado. Rei Arverne Bituitus é então feito prisioneiro em triunfo na Itália. Ao mesmo tempo, os gauleses hegemonia Arverne rivais, nomeadamente a Heduos são recebidos no Senado e proclamados "amigos de Roma."

Após esta derrota os gauleses, o resto dos territórios situados ao sul ea leste das Cévennes são rapidamente submetidas pela força.

Enquanto está é a primeira província romana fora da Itália: Narbonne, parece que o cacique hegemonia foi desestabilizado sob a dupla influência de Roma no sul e aliados norte Heduos. O poder do Judiciário, "Vergobrets" fontes mencionadas, o sucessor da monarquia, sem a tentação de que ele desapareça.

Para -80, no entanto, um chefe chamado Celtill, pai de Vercingetorix, tentando restaurar um poder soberano sobre Arvernos, como no momento da luern e Bituitus. Mas falha e é queimado pela aristocracia de seu povo. Gobanitio seu irmão parece ter sido o seu principal rival, neste caso, uma vez que é sabido que ele se tornou o primeiro em seu poder em Arvernos.

Não foi até -58, para a ambição de um homem, Júlio César, ea ameaça representada pela pressão alemã sobre os gauleses, não apenas perturbar o equilíbrio político.

O pretexto ou razão última intervenção romana é a migração Helvética: as pessoas último, fugindo dos alemães, deseja instalar na Gália e, portanto, ameaça os gauleses, mas também por trás do muro que eles são humanos, Roma.

Júlio César, que tinha sido nomeado procônsul da Gália pouco antes sido tão quebrou a cabeça de suas legiões norte do Rhône. Para legitimar suas ações, ele depende de um senatus-consulte assistência promessas -61 no Aeduan pessoas.

Portanto, o jogo político que leva à gauleses tende a torná-lo o verdadeiro mestre da Gália cabeludo. Ele apareceu pela primeira vez como o defensor dele.

Não foi até -52 janeiro, com a ascensão ao poder de Vercingetorix, para o Arvernos e seus clientes se rebelaram contra o exército do procônsul: é certo que rivais políticos deste último foram reconstruções especialmente encorajadores.

Gália cabeluda, conquistada por Júlio César durante as Guerras da Gália de -58 para -51, quando o túmulo oppidum Uxellodunum, é conhecido pelo trabalho de seu ator principal: Júlio César. Ele realmente incorretamente chamado, nunca tocou a Gália territórios e foi principalmente devido à resistência do jovem chefe Chieftain Vercingetorix, o perdedor de Alesia em -52, e os seus clientes fiéis entre os povos Arvernos.

Gália romana

Ao contrário do que tem sido aceito, romanização e da pacificação parece ter durado pelo menos um século. As elites eram mais rápidos a servir o conquistador romano adotar estilo de vida e linguagem. Isto foi reforçado pelas tabelas Lyon, quando o imperador Claudius Senado Romano dava acesso ao gauleses. Daí em diante, nós nos referimos a galo-romana, embora o termo nunca foi utilizado pelos contemporâneos.

Em 21, novas medidas financeiras empurrou várias tribos gaulesas, cujo Andécaves e Turons a revolta. A Eduen nome Júlio Sacrovir tornou-se chefe dos camponeses insurgentes nas Nivernais e oposição dos auxiliares gauleses ele comandou as tropas romanas. Derrotado, ele se matou por imolação.

Em 69, um Civilis holandês levantou suas tropas para a Bélgica, enquanto Vitélio e Vespasiano lutou para o Império. O Lingon Júlio Sabino, diretor gaulesa auxiliado por dois oficiais Treveri venceu três legiões romanas estacionadas no Reno. Ele quebrou as tábuas de Lyon e tornou-se ainda proclamar "César", mas logo foi derrotado pelo sequanos. Tomada pelos romanos após escondido por nove anos, ele finalmente torturado com sua esposa.

Em última análise, este episódio dos gauleses que se opuseram a eles, Sabino se aliou com os alemães, é mais conflitos do que um desejo de pôr fim a qualquer romano. Paz é instituído, então - se era uma paz "nos braços" - durou até o meio de distúrbios do terceiro século.

A crise do século III

A meados do século terceiro, em 258, os francos e alamanos cruzaram o Reno e saquearam a Gália. Um império efêmero da Gália, sem que ele tenha um caráter nacional, é criado por Postumus logo assassinados por seus soldados.

Bagaudes Ao mesmo tempo, a crise econômica e social empurra bandas se revoltaram contra o Império na floresta ou em áreas pouco povoadas.

O Império Romano parece superar esta crise e fortalecidos sob Diocleciano (284-313 ou 316), que estabelece o sistema de tetrarquia. Esta é a maneira geral, o futuro Imperador Maximiano, que ultrapassa a resistência de Bagaudae gaulois.Maximien, que supera a resistência de Bagaudae gálico.

Invasões germânicas (406 - século VI)

Na noite de 31 de dezembro de 406 realizou uma invasão maciça do Império Romano, quando os vândalos, suevos, alanos, e outros povos germânicos cruzaram o Reno limão, apreciando o gelo tomou o rio. Até o fim do Império Romano do Ocidente em 476 - e apesar dos esforços de Aécio - o poder imperial deu chão e gerentes da derrota Império, em Gália.

Bárbaros são instalados sob dois estatutos: ou como aliados - foederati - quer como colonos - tas.

Idade Média

A Idade Média é um período de "material denso" para a História da França: a França "moderno", na verdade, nascido na época.

Por um lado, é o mais longo período histórico (um milênio), e em segundo lugar, é um momento onde a história local é muito importante: cada município, cada cidade tem político importante, estratégico, econômico, e cada um tem sua história principado independente, pelo menos até que o francês nascido no final do século XI.

Várias dinastias governou territórios componente da França na Idade Média:

os descendentes merovíngios de Clóvis
os carolíngios, descendentes de Carlos Magno
o capetianos e os Valois, descendentes de Hugo Capeto.

As origens da França (Ve - séculos IX)

França deve seu nome aos francos. Após o colapso do Império Romano do Ocidente em 476, os sucessos militares e políticos do povo alemão e da conversão ao cristianismo ortodoxo (que é dizer ao catolicismo romano, em oposição à heresia ariana) de seu rei, Clovis, em 496 ou 498, permitiu que os francos ocidentais para entregar mais de Gália. Sucessores da dinastia de Clóvis, os merovíngios, a província romana ex-preenchido para germanizar.

Durante esta primeira fase de recursos de formação de conceito civilização medieval clássica de Estado, isto é "bem público" (do latim res publica) herdado da antiga Roma desapareceu, enquanto a era necessário confusão entre a propriedade estatal ea propriedade privada do soberano.

No final do período merovíngio, no entanto, os reis tinham perdido a maior parte de seus poderes enquanto "prefeitos do palácio", francos aristocratas, dirigiu os assuntos do reino.

Enquanto uma divisão política entre o Ocidente (Nêustria) e leste (Austrásia) instaurait é o nome da Gália permaneceu em uso entre os estudiosos cristãos até a dinastia seguinte, os carolíngios.

O nascimento da França sob os carolíngios (IX - século X)

A última, cujos antepassados foram os prefeitos originais austrasiano do palácio várias vezes (nomeadamente com Charles Martel, o vencedor da batalha de Poitiers em 732), levaram a coroa com Pepino, o Breve, em 751. O reino dos Francos (América regnum Francorum), unificado pela primeira carolíngios, gostava de sua maior expansão em Carlos Magno, que foi coroado "Imperador dos francos e dos romanos" em Roma, no Natal de 800. Ele estendeu o reino até Saxônia, no leste (dilatatio regni), a oeste e ao sul da Bretanha para o País Basco.

No entanto, levou até quase meio século que Francie, um termo designado primeiro territórios originais do reino dos francos, deu à luz a França.

O último foi no primeiro chamado West Francia, ao contrário do leste de Francia, o reinado do filho de Carlos Magno, Carlos, o Calvo. Em 842, o juramento de Estrasburgo e do Tratado de Verdun em 843, conseguiu fazer a distinção entre os territórios que se tornariam a França e os territórios que se tornariam Alemanha.

Em 845, Nominoë patroa dominicus da Bretanha (Princeps Veneticae civitatis) substitui as tropas de Carlos, o Calvo, na Batalha de Ballon. A independência da Bretanha é reconhecida por Carlos, o Calvo.

Franks perder Rennes, Nantes e Retz. Em 856, o Tratado de Louviers, Erispoë é oficialmente o rei da Grã-Bretanha. O Tratado reconhece Entrammes em 863, na Bretanha, Maine e parte de Anjou, e em 868, o Tratado de Compiègne lhe concede os direitos para o Cotentin e Avranchin. É reconhecido por Carlos, o Calvo. Franks perder Rennes, Nantes e Retz.

Em 856, o Tratado de Louviers, Erispoë é oficialmente o rei da Grã-Bretanha. O Tratado reconhece Entrammes em 863, na Bretanha, Maine e parte de Anjou, e em 868, o Tratado de Compiègne lhe concede os direitos para o Cotentin e Avranchin.

A luta para ampliar o domínio real no capetianos precoce (XI - século XII)

Os sucessores dos carolíngios últimos, o capetianos primeiro tinha pouco poder sobre seus vassalos mais poderosos na cabeça de principados, e teve apenas um domínio poucos estendida, essencialmente reduz a Île-de-France, um remanescente de Ducado da França Robert, o Forte.

Eles, no entanto, conseguiu fazer sua linhagem hereditária, e uma política inteligente seguido pela maioria deles, para aumentar significativamente o domínio real, para fazer um dos mais poderosos reinos do Ocidente.

Os principados são: Condado de Anjou, o ducado de Aquitaine, o Ducado de Borgonha, Bretanha, conde de Flandres, do Ducado da Normandia.

Crises e mudanças no final da Idade Média (XIV - século XV)

Capetian linha direta terminou com o reinado tão tumultuada por três sucessivas filho de Felipe IV.

O escândalo do Tour de Nesle abalou o prestígio da monarquia. Luís X le Hutin morreu prematuramente, teve um filho póstumo João I, que viveu apenas alguns dias: o regente, seu irmão, se tornou rei sob o nome de Filipe V, o Alto. Em si não fez "herdeiros ea coroa passou para o terceiro irmão, Charles IV, o Belo.

A falta de um herdeiro masculino ao poder Capetian última direta passado para um ramo júnior, os Valois.

Esta escolha frustrou a ambição de um outro pretendente, um descendente de Philippe le Bel por sua mãe, que era Edward III, rei da Inglaterra. Lei sálica interpretado pelo grande talento feudal para fechar esse aplicativo considerado perigoso para sua própria independência, foi a causa direta da Guerra dos Cem Anos.

Durante este conflito interminável, o território francês foi fechada campo da luta feroz entre episódica, mas reis da França e os reis da Inglaterra, que queria ser como na França. Os nobres são combinados de acordo com sua própria estratégia pessoal ea situação torna-se extremamente difícil durante o reinado de Carlos VI, louco.

Seus parentes, Luís de Orleans, irmão do rei e do poderoso Duque de Borgonha João sem Medo, vê uma oportunidade de expandir seu poder e vêm em uma rivalidade que terminou com o assassinato de dois protagonistas e despejo de quase delfim Carlos VII se tornou o "rei de Bourges", enquanto o Inglês viemos para proclamar o seu próprio rei.

A erupção na história da França Joana D'Arc é um evento extraordinário que se tornou uma lenda, mas na verdade acabou por aquilo que o Inglês foram finalmente expulsos da França, apesar da morte da heroína do participação em Rouen em 30 de Maio de 1431.

Os reis da França recuperar prestígio e autoridade. Eles sempre fazem um partido forte, especialmente com os duques de Borgonha, Dukes Oeste. Filipe, o Bom e Carlos, o Temerário será o principal rival de Charles VII e seu filho Luís XI. No posses Borgonha, juntaram-se a Holanda e enfrentar os soberanos mais poderosos da Europa.

Com a morte de Charles a parte, Bold dos seus bens de volta para sua filha, Maria de Borgonha, casado Maximiliano da Áustria: um novo perigo é preciso.

A Idade Média terminou com o desaparecimento dos principados grandes Ducado da Bretanha e do ducado de Borgonha.

Tempos modernos

O fim do mundo medieval

Quando Francisco subiu ao trono, seu principal concorrente na Europa é Carlos V cujos campos cercam o reino da França. A rivalidade entre os dois soberanos e seus sucessores irão ocupar o século XVI, cada um tentando forjar alianças, às vezes complicada por considerações religiosas que lhes permitem ter esperança de vencer.

O Francis Católica vai forjar uma aliança com o sultão Suleiman os príncipes protestantes Magnificent ou alemão para ter de volta o não menos católico Charles Quint. Cada um deles tenta agradar o vergonhoso Henrique VIII, que rompeu com Roma, a fim de se casar de novo ...

A era moderna começou com o Renascimento. Este movimento filosófico e artístico e sociocultural levou à afirmação do papel do homem no universo - através Humanismo - e leva a um questionamento do porão da Igreja sobre a sociedade.

Renascimento Cultural ganha França, de Itália, nomeadamente através das guerras italianas, começaram durante o reinado de Carlos VIII (1483-1498), continuou sob seus sucesseurs Louis XII e, especialmente, Francis. Isto leva Leonardo para a sua corte.

Este é o tempo da construção dos castelos do Loire, Chambord, que é o melhor exemplo. Enquanto isso, o progresso técnico considerável ocorreu, iniciada no final da Idade Média, o que permite uma considerável expansão da produção. Estas invenções também facilitar a disseminação do conhecimento, com a invenção da imprensa, mas também a expansão da civilização europeia.

Inicialmente para fins econômicos, a busca por "Passagem para a Índia" traz a descoberta da América em 1492 e sensibilização para os Europeus da existência de outras culturas.

Todos esses fatos, mais o cisma protestante com a reforma da Igreja empreendida por Lutero e Calvino, quebrou quadros da sociedade medieval.

As guerras de religião

O progresso da Reforma Protestante, tornada possível pela impressão e distribuição da Bíblia, contra a Reforma contra a Igreja Católica. Endurecimento da oposição entre católicos e protestantes ver as duas religiões embate violentamente em toda a Europa, especialmente no reino da França.

O reinado de Henrique II (1547-1559) e, especialmente, os de seu filho de três Francisco II (1559-1560), Charles IX (1560-1574) e Henry III (1574-1589) foram marcados pelo embate entre protestantes e católicos, incluindo oito guerras religiosas entre 1562 e 1598.

O massacre de São Bartolomeu, começou na noite de 24 de agosto a 25 de 1572, é o exemplo mais trágico destes confrontos. Com a morte de Henrique III foi assassinado por um monge fanático, ea falta de um herdeiro masculino, o trono passou para um jovem ramo dos Bourbons, na pessoa de Henrique IV, rei de Navarra antes.

Mas este é um protestante, ele não foi reconhecido pelos católicos ultra-da Liga Santo. Ele levou reconquistar seu reino e, especialmente, para converter-se ao catolicismo, o que ele fez em 1593 (ele teria tido o famoso ocasional dizendo "Paris vale uma missa").

Uma vez que consolidou seu poder, Henry terminou as Guerras de Religião em decretar a liberdade de culto para os protestantes pelo Edito de Nantes, em 1598.

Ajudado por seu ministro Sully, Henri IV manchada para reconstruir o reino duramente atingida pelas guerras de religião, quando Ravaillac assassinado por um fanático católico, em 1610, legou a seu filho Louis XIII um reino consideravelmente reforçada.

religião, foi assassinado por um fanático Ravaillac quando Católica em 1610, legou a seu filho Louis XIII um reino consideravelmente reforçada.

Monarquia absoluta

Ele está sob os Bourbons que a monarquia absoluta, também chamada de Ancien Régime estava no auge de seu poder.

Luís XIII (1610-1643) conseguiu Henrique IV, que foi assassinado em 1610. Com seu ministro, o Cardeal Richelieu, ele seguiu uma política de domesticação dos grandes senhores do reino e curando aos protestantes, em termos de política externa de confronto com os Habsburgos, dividida em dois ramos, Espanha e Áustria.

Durante o reinado de Luís XIV (1643-1715), a França foi o poder político, a dominação econômica e cultural na Europa, através da compra de Espanha, com o metal precioso e sua política mercantilista império iniciado por Fouquet e especialmente Colbert .

Numerosas campanhas militares de Luís XIV e da confusão entre o dinheiro eo estado cassete real fortemente solicitado pelo esplendor da sua corte, levou a problemas financeiros crônicos durante o século XVIII.

Louis XV sucedeu a seu bisavô, Luís XIV morreu em 1715. Seu reino é muito brilhante no nível cultural, com o advento dos filósofos iluministas, como Voltaire, Rousseau, Montesquieu, Diderot e d'Alembert, mas a França perdeu sua importância política no exterior, principalmente na América e na Índia, onde ela vende seus territórios para rivalizar com a Inglaterra pelo Tratado de Paris em 1763.

O maior problema do Estado é, então, o déficit orçamentário crônica leva a fazer o rei dependente financeira e de dinheiro corretores. Tentativas de modernizar o "sistema fiscal-financeira", como o "sistema", da Lei durante a regência de Philippe d'Orléans falhar. Outra fonte de sistemas de paralisia do governo, a oposição dos parlamentos, tribunais dominada por uma aristocracia posando como um defensor das leis do reino.

Oposição a qualquer tentativa de alterar o sistema fiscal, que impede a necessária reforma do Estado absolutista. O pequeno filho de Luís XV, Luís XVI foi o último monarca absoluto de um reino assolado por problemas financeiros e orçamentais. Ele foi deposto pela Revolução Francesa.

Revolução Francesa

A Revolução Francesa é o evento que marca a história da França viragem entre o "início da era moderna" e "era moderna". É também a primeira vez na história da Europa desde os tempos antigos, a monarquia foi derrubada, o episódio da Revolução Inglês de Cromwell não ter esse resultado.

Seu impacto é também devido às guerras da Revolução e do Império que afetou grande parte da Europa continental com a criação de "repúblicas irmãs" ou o fim do Império Romano.

O período revolucionário começa em 1789 com a reunião dos Estados Gerais e da tomada da Bastilha, e termina em 1799 com o golpe de Estado de 18 de Brumário.

Consulado e Primeiro Império

Restauração é o período entre a queda do Império abril 6, 1814 à Revolução de 1830. O Bourbon voltar ao poder. É, de fato, a "restauração" do antigo regime. Este período foi interrompida pelo episódio dos Cem Dias de 20 de março to 22 de junho de 1815, durante o qual Napoleão brevemente tomaram o poder. Este interlúdio divide a Restauração Restauração Restauração Primeira e Segunda.

Segunda República

Segunda República é um regime original da história da França, em sua brevidade, por um lado, mas também pela sua constituição: é o regime unicameral apenas na história da França.

Segundo Império

O Segundo Império foi o regime bonapartista de Napoleão III 1852-1870, entre a Segunda República e da Terceira República, na França.

Guerra de 1870

A Guerra Franco-Prussiana (19 de julho de 1870 - 10 de Maio de 1871) contra o Segundo Império Francês eo Alemão reinos unidos atrás do Reino da Prússia (como às vezes é chamado a Guerra Franco-Prussiana). O conflito marcou a culminação da tensão entre os dois poderes, resultante do desejo prussiano para dominar toda a Alemanha, que era então uma federação de quase-estados independentes. A derrota levou à queda do Império Francês.

A Comuna de Paris

A Comuna de Paris foi um governo revolucionário formado em Paris em 26 de Março de 1871. Em várias outras cidades da França (Marselha, Lyon, Saint-Etienne, Toulouse, Narbonne, Grenoble, Limoges) municípios foram proclamados partir de 3 de março de 1871, mas todos eles foram rapidamente suprimida.

Terceira República

Após a Guerra Franco-Prussiana de 1870, a Terceira República foi estabelecido e durou até a derrota militar de 1940.

A guerra de 1914-1918

Após pesadas perdas em tropas e equipamentos causada pela Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a França colocou no lugar na década de 1920, um sistema evoluiu para defender suas fronteiras (a Linha Maginot), uma frota poderosa incluindo como navios de guerra Richelieu e Jean Bart e do Béarn porta-aviões e alianças com seus vizinhos para proteger-se contra um possível ressurgimento do poder alemão.

Segunda Guerra Mundial

Vichy

No entanto, foi rapidamente derrotado na Segunda Guerra Mundial, e foi ocupada em junho de 1940.

Vitória alemã ao governo francês impôs redesenhado para a ocasião: 10 de julho de 1940, o governo de Vichy foi estabelecido. Seus antigos líderes fecharam os olhos sobre a pilhagem do país, e teve de aceitar o envio de francês em campos de trabalho forçado na Alemanha que esperavam desta forma a preservar pelo menos uma parte da soberania francesa.

França livre

General de Gaulle opôs o armistício e deixou a França para a Inglaterra 15 junho de 1940 para formar e liderar as Forças Francesas Livres. Seu apelo de 18 de junho o povo francês através de rádio BBC de Londres, levou a Resistência Francesa (onde quer que fosse) contra os ocupantes nazistas.

A ocupação alemã finalmente provou um desastre econômico, uma vez que a Alemanha se apropriou uma boa metade das receitas do setor público. Depois de quatro anos de ocupação e privação, as forças aliadas libertaram a França em 1944.

O pós-guerra

Roosevelt tinha planejado colocar a França sob a supervisão da administração dos EUA.

De Gaulle recusou e em 14 de junho, ele disse: Nós lutamos ao lado de aliados, os aliados, como um aliado. E que vamos conquistar a vitória será a vitória da França.

Quanto à libertação do território francês, cada cidade é a sede de uma luta de poder entre o MMLA (Missão de Ligação Militar Administrativa) e as forças AMGOT dos EUA. Na verdade, depois de algumas contrações, a cooperação entre os dois governos serão mais eficazes.

Fim de Agosto de 1944, o Governo Provisório de Charles de Gaulle é necessário no chão. Ela é composta de comunistas, socialistas e gaullistas. O compromisso dos comunistas franceses na resistência, soldados soviéticos coragem ea vitória final da URSS e líderes aliados comunistas fornecer prestígio significativo na opinião pública. Não foi até meados de outubro é oficialmente reconhecida pelos Estados Unidos.

O governo provisório garante o direito das mulheres ao voto 21 de abril de 1944, no artigo 17 º da Portaria de Argel: eles vão votar pela primeira vez nas eleições municipais de 29 de Abril e 13 de Maio de 1945.

Quarta República

Em 1946, o governo provisório deu lugar à Quarta República, estabeleceu uma nova constituição aprovada por referendo. Mas as tensões internas após o tratamento e as diferenças sobre os problemas coloniais na Indochina e na Argélia levou a sucessivas crises, e várias remodelações ministeriais.

Quinta República

Finalmente, em 13 de Maio de 1958, na sequência dos acontecimentos na Argélia, o governo foi dissolvido Parlamento legitimou o golpe e pediu o general de Gaulle para liderar o país para evitar uma possível guerra civil. Ele tornou-se Presidente do Conselho em Junho de 1958 (no início da Quinta República), e foi eleito Presidente da República, em dezembro do mesmo ano.

De Gaulle estabelecer o procedimento referendo várias vezes, especialmente um que decidiu a eleição do Presidente da República por sufrágio universal.

Em 1965, quando a primeira eleição por sufrágio universal direto, de Gaulle foi reeleito com 55% dos votos contra seu adversário François Mitterrand.

Os acontecimentos de maio de 68 partiu em campus universitários e reuniu os partidos de esquerda. O plano parecia vacilar, com a aparência de poder de férias por alguns dias. Mas de Gaulle tomou sua mão e uma grande manifestação na Champs-Élysées em incentivos seu favor para ficar. Os acordos foram celebrados por Grenelle Georges Pompidou, logo substituído como primeiro-ministro Maurice Couve de Murville.

Em abril de 1969, o governo de De Gaulle lançou um referendo nacional sobre a criação de 21 regiões com poder político limitado ea transformação da Sala do Senado da empresa. O "não" no referendo e tomou de Gaulle escolheu a demitir-se.

Seus sucessores à frente da França foram o gaullista Georges Pompidou (1969-1974), o Independente republicano Valery Giscard d'Estaing (1974-1981), o socialista François Mitterrand (1981-1995), e os neo-gaullista Jacques Chirac (eleito na primavera de 1995, reeleito em Maio de 2002).

GEOGRAFIA

Estado da Europa Ocidental, limitado a noroeste pelo Mar do Norte eo Canal Inglês, a oeste pelo Oceano Atlântico, a sul pelo Mediterrâneo (total: fronteira marítima 3,427 km), e limitado Nordeste por suas fronteiras com a Bélgica (com o qual a França tem 620 km de fronteira comum), Luxemburgo (73 km) e Alemanha (451 km), Para o leste da Suíça (573 km de fronteira comum).

Sudeste Itália (488 km) e Mônaco (4 km).

E sudoeste Espanha (623 km) e Andorra (56,6 km).

Área: 544.435 km ².

A França também tem quatro departamentos ultramarinos (DOM):

Guadalupe (área 1704 km ²)
Guiana (área de 90,000 km ²)
Martinica (área 1110 km ²)
e Reunião (km área de 2.512 ²).
População: 58.518.395 habitantes (a única metrópole) e 60.185.831 habitantes (francês) com o DOM.
Capital: Paris.

Bacias

Apesar da estrutura imponente regiões montanhosas dominam baixo. Duas bacias sedimentares que ocupam dois quintos do território.

A Bacia de Paris (140.000 trimestre, uma km2 do território) é uma região de planícies e planaltos que os sistemas de partes do rio Sena e do Loire.

A Bacia de Aquitânia (80.000 km2), a maior parte drenada pelo Garonne, tem um dispositivo semelhante.

Clima

O clima é temperado na França, se considerarmos as temperaturas médias, o equilíbrio entre o calor tropical e polar frio. A precipitação é moderada e geralmente bem distribuída ao longo do ano. Esses personagens não, no entanto, evitar certas situações extremas, ondas de frio ou secas.

Hidrografia

A distribuição dos rios franceses é determinado pela topografia e história geológica. Drenos e do Sena faz a maior parte da Bacia de Paris, enquanto o Loire, que se juntou ainda perto de Paris, no início do Quaternário, tem sido uma rede independente. Como o Sena, o Garonne na sarjeta central de coleta maior parte de sua bacia hidrográfica. Nascido nos Alpes, o Ródano corre como Saone, seu maior afluente, o amplo corredor que separa o colapso do Maciço Central Jura e os Alpes.

O Maciço Central é o centro de dispersão de água em território francês, ele se alimenta mais ou menos abundantemente seus rios principais: o Loire (1.020 km) e do rio Sena (775 km), os únicos cuja bacia é completamente localizados dentro das fronteiras do Ródano (880 km, incluindo 522 em França) e do Rio (650 km, incluindo 575 na França), que se originam, respectivamente, na Suíça e na Espanha.

Litoral

França faz fronteira com cerca de 3.000 km de costa com vários aspectos e áreas em baixo relevo rochas regularizadas e irregulares que cortam a terrenos mais difíceis.

População

Em 1 de Janeiro de 2001, a França tinha um pouco mais de 61 milhões (US $ 59 milhões para a única metrópole), com uma densidade média de população (109 habitantes / km ²) relativamente baixos em toda a Europa Ocidental.

ECONOMIA

Com a sua 551 602 km2 e cerca de 59 milhões de habitantes França (metrópole) certamente não pode ser considerado um grande país em todo o mundo.

Como o seu peso econômico, tornando-se a potência mundial quinto ele surpresa. Na verdade, ela sabia muito cedo para tirar proveito dos recursos naturais inegáveis, começando com a sua localização na boca ou na passagem de fluxos comerciais mais importantes da Europa Ocidental.

A este respeito, o Mercado Comum criada em 1957, tem sido para as empresas francesas uma colheita, enquanto ex-colônias e territórios ultramarinos continuam a ser os principais parceiros comerciais.

Agricultura

Com 23% da produção agrícola da UE em 1999, a França é, de longe, os maiores países da UE, seguida pela Itália (15,4%) e Alemanha (15,2%). É verdade que desde os anos 1950, a agricultura francesa passou por modernização considerável.

A força de trabalho agrícola continua a diminuir, continuando o movimento que poderosamente retomada após o fim da última guerra mundial, se, em 1946, ela ainda era um terço dos ativos, sua participação diminuiu de forma constante, e em 2000, que teria sido de 3,5% da população francesa.

No entanto, parece que as pessoas conhece um rejuvenescimento relativo, especialmente relacionados a aposentadorias maciças e reforma antecipada: 53% dos dirigentes agrícolas eram menos de 50 anos em 2000, contra 42,6% em 1988.

Com 28 milhões de hectares, as atividades agrícolas ocupam cerca de 60% do território francês metropolitana. Na verdade, um pouco mais da metade desta área é apenas o declínio cultivo agrícola e observado por várias décadas benefícios da urbanização, mas também para a floresta.

Em 2000, de acordo com a Insee, o valor da ação de cada grupo de produtos agrícolas em toda a produção agrícola era a seguinte:

Produtos vegetais variados (plantas forrageiras, plantas e flores): 10,8%

Frutas e Legumes: 10,4%

Outros produtos animais (leite e produtos lácteos, coelhos, etc.): 13,3%

Produtos de aves: 6,4%

Pecuária: 18,4%

Culturas industriais: 6,8%

Cereais: 15,5%

Vinhos: serviços 14,2%

(agro-turismo, etc.): 4,2%.

Em termos de produção animal, com € 11,9 bilhões em valor em 2000, chega uma liderança clara antes do cereal (de 10.000 a 66 milhões de toneladas) e vinhos (€ 8,9 bilhões) . Com 22,6 bilhões de litros em 2000, a coleção francesa de leite de vaca, embora menor do que em 1990, um quinto do total europeu.

Se a pesca tem agora um peso ridículo em comparação com o nível europeu e mundial (341 mil toneladas em 1999 atum, principalmente tropical) e referem-se apenas a cerca de 6.000 navios de 20.500 marinheiros, as fazendas marinhas, principalmente ostras e mexilhões, estão crescendo desde a sua produção dobrou desde o início de 1980.

Por fim, a extração de madeira - 36, 2 milhões de m³ em 1999 - alimentando um setor inteiro (serrarias, fabricação, madeira, produção de artigos de papel e papelão), que emprega cerca de 100.000 pessoas.

A produção agrícola também está na origem de um importante setor do agronegócio, que no final de 1999, com cerca de 3.000 empresas, que empregam 370 mil funcionários, incluindo 122 mil na indústria da carne apenas.

Indústrias

A França é o maior do mundo industrial quarto, atrás dos Estados Unidos, Japão e Alemanha.

Em sua indústria, vários grupos franceses ocupam o primeiro lugar, mesmo contra seus concorrentes estrangeiros: este é particularmente o caso da L'Oréal (cosméticos), Michelin (pneus) e Alcatel (telecomunicações, elétrica).

Embora dominado por serviços, consultores, empresas de engenharia e "tecnologia superior," novas formas da indústria, muito diversas, estão realizando em áreas onde as estruturas estão adaptadas a restrições de mercado (aeroespacial, telecomunicações, computadores), muitas vezes em associação com parceiros europeus.

Ramos usando os mais empregados são mecânicos, elétricos e eletrônicos (25% em 1998), metalurgia (11,7%) e de madeira de papel de impressão e publicação (10,2%). Menção especial deve ser feita para o carro com uma produção anual de cerca de 5 milhões de veículos, é fornecida por cerca de 300.000 funcionários de grandes empresas (PSA, Renault), mas os empregos induzidos (outsourcing equipamento, etc.) são estimadas em 2,6 milhões.

Com 88% das empresas com menos de 200 funcionários em 1998, a indústria francesa é muito concentrado. É que, ao lado de grandes - mesmo grupos muito grandes - viver e prosperar em muitas PME, muitas vezes, no exercício de atividades de subcontratação.

Exportações

É preciso falar primeiro de todo o setor agro-alimentar, com € 9,4 bilhões para superávit de 2000 representa uma posição tradicionalmente operam em mercados de exportação. A ponta de lança é, sem dúvida, formada por bebidas e álcool (champanhe, vinho, conhaque), seguido de cereais e animais e carne.

Acompanhar de muito perto a indústria automotiva (€ 9,3 bilhões) e de bens - com uma situação contrastante: balanço fortemente positivo para a indústria de transporte desfrutando o sucesso da aviação (incluindo Airbus) e indústria naval francês, negativo para mecânica e eletro-eletrônica.

Os principais parceiros comerciais são os países França da União Europeia, com a qual seu superávit comercial e se concentra 62% de suas exportações e 60% das importações em 2000, seguido muito atrás de América e Ásia. O mercado comunitário - onde a Alemanha se destaca, parceiro tradicional, seguido pelo Reino Unido, Itália e Espanha - é, portanto, um importante mercado para os exportadores franceses.

Em relação às importações importações, dificilmente será surpreendido ao encontrar a energia, em primeiro lugar, mas, tradicionalmente, em posição de défice para 2000, que, - 23 5 bilhões de euros, um recorde desde o segundo choque do petróleo. Os principais fornecedores de petróleo para a França são a Noruega e Arábia Saudita, Rússia e Reino Unido. Os outros ramos são importadores líquidos de bens de capital e de couro vestuário doméstico.

Balança de pagamentos como o comércio, e esses serviços registrou uma receita excedente desceu em 2000, 3? € 9000000000. Eles são, no entanto, um grande valor para a economia francesa para exportar, especialmente viagens que posição continua a beneficiar da entrada de turistas no território francês.

Nós também incluem serviços de business (engenharia, consultoria, comunicações, serviços financeiros, etc.) Extremamente dinâmico e para que a França tem uma forte reputação para perícia.

Serviços de terciarização da economia: provavelmente essa expressão resume O melhor lugar tomado agora lançando serviços no sistema francês produtiva, a imagem das mudanças observadas em outros países industrializados. Sem me deter sobre as grandes mudanças que fez especialmente na forma como as empresas operam, a produção espacial, relatórios para o trabalho, deve-se lembrar que, em 2000, a indústria empregava cerca de três quartos da população trabalhadora francesa.

Outro setor importante: o comércio, décadas marcadas por violentos distúrbios consideráveis em favor de supermercados, vários atores são grupos de tamanho em todo o mundo, muitas vezes através de fusões e aquisições de grande porte (Carrefour, Auchan, Leclerc, Intermarché ...).

Turismo

Além de transporte, o turismo ocupa um lugar de destaque, em primeiro lugar porque gera consideráveis ganhos cambiais (em 2000, a estação de "viajar" iria gravar um excedente de cerca de € 15240000000) .

Além disso, a intensidade média do capital (com exceção de alguns segmentos, como resorts ou elevadores) e precisa de força de trabalho significativa (1,2 milhões de postos de trabalho em sentido amplo, incluindo muitos sazonal ) fazer uma atividade econômica vital.

Ela dá origem a atividades variadas, tanto em termos de alojamento (hotéis, parques de campismo, quintas ...) e organização de viagens (agências, excursionistas treinador ...) ou práticas (admissões a museus e monumentos ou parques recreação, caminhadas, turismo de negócios, etc) ..

A França é, há vários anos, o maior do mundo, para os Estados Unidos e Espanha, para o número total de turistas estrangeiros. Em 2000, cerca de 75,5 milhões deles - recorde - supostamente foi para a França.

A balança externa de turismo francês é realmente excedente muito grande: em 2000, o turismo gerou na França a partir de € 32780000000 em receitas, enquanto os turistas franceses que viajam no estrangeiro gastou apenas 17 53000000000 €, a balança de pagamentos, assim, liberando um excedente de cerca de € 15240000000. A variedade de paisagens, comprimento costeira, o número ea diversidade de monumentos, para não mencionar o prestígio da cozinha francesa pode explicar a popularidade dos visitantes anteriores.

Fonte: www.europa-planet.com

França

Nome completo: República Francesa

População: 63,0 milhões (ONU, 2011)

Capital: Paris

Área: 543.965 km ² (210.026 milhas quadradas)

Grande língua: francês

Principal religião: Cristianismo

Expectativa de vida: 78 anos (homens), 85 anos (mulheres) (ONU)

Unidade monetária: 1 euro = 100 centavos

Principais exportações: máquinas e equipamentos de transporte, produtos agrícolas, incluindo vinho

RNB per capita: EUA $ 42.420 (Banco Mundial, 2011)

Domínio da Internet:. Fr

Código de discagem internacional: 33

França
O Palácio de Versalhes, um símbolo da antiga monarquia da França

Perfil

Um jogador-chave no cenário mundial e um país no coração político da Europa, a França pagou um preço alto, tanto em termos econômicos e humanos durante as duas guerras mundiais.

Os anos que se seguiram viram conflitos prolongados que culminaram com a independência da Argélia ea maioria das outras colônias francesas na África, bem como a descolonização no sudeste da Ásia.

A França foi um dos fundadores da integração europeia como o continente procurou reconstruir após a devastação da Segunda Guerra Mundial.

Na década de 1990 a cooperação franco-alemã foi fundamental para a integração econômica europeia. A ligação entre os dois países foi de novo à tona no novo milênio quando seus líderes manifestaram forte oposição que a campanha liderada pelos EUA no Iraque.

Mas a França enviou ondas de choque através de capitais da União Europeia, quando os eleitores rejeitaram a proposta de Constituição da UE em um referendo em Maio de 2005.

Passado colonial da França é um fator importante que contribui para a presença de uma população diversa e multicultural. É o lar de mais de cinco milhões de pessoas de ascendência árabe e Africano.

Ele tem uma série de territórios ultramarinos, que, juntamente com a França e Córsega, vão fazer-se as 26 regiões que compõem o país. Ele é dividido em 100 departamentos, cinco dos quais - Guiana Francesa, Guadalupe, Martinica, Reunião e Mayotte - estão geograficamente distantes da Europa.

Governo da França é conhecido por seu alto grau de centralização mas em março de 2003, o Parlamento aprovou alterações à Constituição que permite a devolução de bastante amplos poderes para as regiões e departamentos.

À luz do comparecimento eleitoral baixo, o movimento foi amplamente visto como uma tentativa de voltar a envolver as pessoas no processo político franceses desiludidos pela influência onipresente do que é muitas vezes visto como a elite de Paris.

França tem produzido alguns dos escritores mais influentes do continente e pensadores de Descartes e Pascal, no século 17, por meio de Rousseau e Voltaire no 18, Baudelaire e Flaubert no 19 de Sartre e Camus na 20.

Nos últimos dois séculos, tem dado o mundo da arte das obras de Renoir, Monet, Cézanne, Gauguin, Matisse e Braque, para citar apenas alguns.

Ele também é famoso por sua forte tradição culinária. A França produz mais de 250 queijos e alguns dos vinhos mais apreciados do mundo.

Uma cronologia dos principais eventos:

1789 - Revolução Francesa termina regra da monarquia de voltar para nono século, seguido pelo estabelecimento da Primeira República.

1799 - Napoleão Bonaparte leva golpe para derrubar o governo; consolida posição com nova Constituição.

1804-1814 - Napoleão coroa-se imperador do Primeiro Império Francês; série de sucessos militares traz mais da Europa continental sob seu controle.

1815 - Napoleão derrotado na Batalha de Waterloo, a monarquia restabelecida.

1848 - Queda do Rei Louis-Philippe, sobrinho de Luís Napoleão, de Napoleão Bonaparte, proclamado presidente da Segunda República.

1852-1870 - Luís Napoleão leva título de Napoleão III em Segundo Império.

1870-1871 - Guerra Franco-Prussiana, terminando em derrota francesa, a perda da Alsácia-Lorena e no final do Segundo Império; Terceira República dura até 1940.

1877 - Os republicanos ganham eleições gerais, terminando a esperança de um renascimento monarquista.

1914-1918 I Guerra Mundial - baixas maciças nas trincheiras no nordeste da França, 1,3 milhões de franceses são mortos e muitos mais feridos ao final da guerra.

1918 - Anglo-Francês ofensiva - apoiado por novas tropas americanas - Forças Alemanha para um armistício em 11 de novembro.

1919 - Tratado de Paz de Versalhes. França recupera Alsácia-Lorena, a Alemanha concorda em reparações.

1936-1938 - Elevação da Frente Popular, uma aliança de forças de esquerda.

1939-1945 - Segunda Guerra Mundial - Alemanha ocupa grande parte da França. Vichy regime no sul desocupado colabora com os nazistas. General de Gaulle, subsecretário de guerra, estabelece o governo em exílio em Londres e, mais tarde, Argel. Aumento da resistência francesa.

Libertação

1944 - forças aliadas na Normandia terra levando a libertação da França. De Gaulle configura governo provisório. Purga contra ex-colaboradores.

1946 - De Gaulle renuncia como presidente provisório, substituído pelo socialista Félix Gouin.

1946-1958 - Quarta República é marcada pela reconstrução econômica e no início do processo de independência para muitos de colônias da França.

1951 - França junta-se a Alemanha Ocidental e outros países europeus na Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) - levando à formação, em 1957, a Comunidade Econômica Europeia (CEE).

1954 Primeira Guerra da Indochina extremidades - francês derrotou na batalha de Dien Bien Phu, no noroeste da Vietnã.

Guerra de Independência da Argélia começa.

1956 - O domínio colonial termina em Marrocos e Tunísia.

Quinta República

1958 - De Gaulle regressa ao poder em volta da crise argelina e funda a Quinta República, com uma forte presidência.

1962 - A Argélia concedeu a independência do domínio colonial francês.

1968 Maio - revolta estudantil contra as políticas do governo e da falta de escalada de reforma social em greve nacional.

1969 - De Gaulle deixa o cargo. Georges Pompidou eleito presidente.

1970 - De Gaulle morre de acidente vascular cerebral.

1974 - morre Pompidou, sucedido por Valery Giscard d'Estaing.

1981 - candidato socialista François Mitterrand é eleito presidente.

1986 - Centro-direita vitória nas eleições legislativas de 1986 leva a "co-habitação" - um presidente de esquerda e de direita o primeiro-ministro, Jacques Chirac.

1988 - Mitterrand reeleitos.

1992 - França sinais Tratado de Maastricht sobre a União Europeia.

1995 - Jacques Chirac eleito presidente, encerrando 14 anos de presidência socialista.

França atrai condenação internacional através da realização de uma série de testes nucleares no Pacífico.

1997 - Lionel Jospin torna-se primeiro-ministro.

Setembro de 2000 - Chirac envolvido em escândalo de corrupção. Ele rejeita as alegações de jornal.

Junho de 2001 - O serviço militar obrigatório abolido.

Janeiro de 2002 - Euro substitui franco, primeiro cunhadas em 1360.

Jospin abandona, Chirac reeleito

Maio de 2002 - Jacques Chirac re-eleito presidente, vencendo Frente Nacional de Jean-Marie Le Pen no segundo turno de votação. Le Pen, mostrando na primeira rodada enviou ondas de choque em toda a França e Europa e galvanizados eleitores franceses em manifestações de rua em massa.

Lionel Jospin, o candidato de esquerda principal presidencial que Le Pen nocauteado no primeiro round, renuncia a chefia e liderança do Partido Socialista.

Junho de 2002 - vitória esmagadora nas eleições legislativas de centro-direita UMP. Governo de Jean-Pierre Raffarin, de centro-direita confirmado no cargo, marcando o fim de "coabitação" anos, quando Chirac teve de trabalhar com primeiro-ministro socialista Lionel Jospin.

Novembro de 2002 - Widespread greves do setor público sobre os planos de privatização do governo trazer país a um impasse.

Março de 2003 - Constituição alterada para permitir a descentralização para as regiões e departamentos da poderes sobre o desenvolvimento econômico, cultura, transportes, turismo e educação. Alterações prevêem também referendos locais, para dar às pessoas mais nas decisões locais.

Maio-Junho de 2003 - reformas previdenciárias propostas desencadear ação sindical, os trabalhadores protestam contra perspectiva de ter de pagar contribuições mais elevadas por períodos mais longos.

Julho de 2003 - referendo Córsega, primeiro a acompanhar alterações constitucionais de Março, por pouco votos contra estabelecimento de montagem unificada com poderes limitados para elevar impostos e gastar. Paris tinha esperança de que o voto sim seria acabar com a violência separatista.

Parlamento aprova reformas controversas para sistema de pensões.

Março de 2004 - UMP do Presidente Chirac encaminhado nas eleições regionais.

Novembro de 2004 - Nicolas Sarkozy toma posse como líder da UMP.

De janeiro de 2005 - Os sindicatos organizam onda de greves do setor público contra as reformas propostas pensão de trabalho e bem-estar.

Maio de 2005 - Referendo vai contra proposta de Constituição da UE. O resultado leva a uma política shake-up, incluindo a renúncia do primeiro-ministro Raffarin.

Junho de 2005 - International grupo de projeto diz que a França é hospedar reator do mundo primeira fusão nuclear experimental em Cadarache, perto de Marselha.

Outubro de 2005 - Um dia de greve nacional em protesto contra as reformas da previdência social, os baixos salários e planos de privatização provoca perturbação generalizada.

Violência urbana

Outubro-Novembro 2005 - em grande parte das comunidades imigrantes no nordeste de Paris são atingidos por distúrbios após dois jovens de origem norte-Africano são eletrocutado em uma subestação de energia elétrica. As autoridades negam que eles estavam sendo perseguidos pela polícia na época. Motins agrava e se espalha para outras cidades. Governo apresenta medidas de emergência para tentar restaurar a ordem.

Março-Abril de 2006 - Novas leis trabalhistas jovens desencadear manifestações em Paris e outras cidades da França. Como os protestos continuam, a legislação é desmantelada.

Sarkozy se torna presidente

Maio de 2007 - Nicolas Sarkozy, o ex-ministro interior e líder do partido conservador UMP, ganha uma vitória decisiva no segundo turno da eleição presidencial.

Junho de 2007 - A UMP vence eleições parlamentares, mas com uma maioria reduzida. O partido insiste que ainda tem um mandato para realizar as suas reformas propostas.

Sarkozy cumpre sua promessa pré-eleitoral para nomear mulheres para metade dos cargos no novo gabinete, e traz pessoas de todo o espectro político.

2007 novembro - Os funcionários públicos vão às ruas, junto com os trabalhadores dos setores de transporte e energia, para protestar contra os cortes planejados de Sarkozy nos salários e empregos, e de reforma das pensões. Há perturbação generalizada dos serviços públicos.

2008 Fevereiro - França formalmente ratifica Tratado de Lisboa sobre a reforma da União Europeia.

Crise financeira

Outubro de 2008 - promessa governos Europeia até € 1800000000000, como parte de planos coordenados para reforçar seus setores financeiros, duramente atingida pela crise financeira global. França diz que vai injetar euros 10.5bn no país seis maiores bancos.

2010 Março - UMP sofre pesada derrota nas eleições regionais, perdendo o controle de tudo, mas uma das 22 regiões da França metropolitana e Córsega.

Junho de 2010 - Governo anuncia cortes de gastos públicos de 45 bilhões de euros em esforço para reduzir o nível elevado de dívida pública.

2010 Julho - Promotores inquérito lançamento alegações de que L'Oreal Liliane Bettencourt herdeira feito doações ilegais para a campanha do presidente Sarkozy nas eleições de 2007.

2010 Agosto - França começa a desmantelar ilegais Roma (cigana) e campos de deportar seus moradores de volta à Roménia e à Bulgária, como parte de um pacote de novas medidas de segurança.

Protestos de pensão

Setembro-outubro de 2010 - Centenas de milhares vir em várias ondas de sindicais lideradas protestos contra os planos do governo de aumentar a idade de aposentadoria para 62 anos.

2010 novembro - França conclui acordo militar e nuclear com o Reino Unido. Sob os termos do novo tratado, os dois países vão cooperar em testar ogivas nucleares.

2011 Março - França desempenha papel de destaque na imponente e aplicação de exclusão aérea sobre a Líbia zona.

2011 Abril - proibição de véu entra em vigor.

2011 Maio - establishment político francês está abalada pela prisão de Dominique Strauss-Kahn, que tinha sido apontado como um forte candidato socialista à presidência, em Nova York sob a acusação de agressão sexual que foram retiradas mais tarde.

2011 Agosto - Governo anuncia pacote de medidas de austeridade destinadas a reduzir o déficit público de 12 bilhões de euros em dois anos. Em novembro, anuncia um euros mais 7 bilhões de cortes em 2012 e 11.6bn de euros em 2013.

2011 Setembro - rebaixamentos agência de notação de crédito Moody os dois maiores bancos franceses, o Crédit Agricole e Société Générale, por causa de preocupações sobre sua exposição à dívida grega. Credit Agricole depois anuncia um corte de 2.350 empregos em todo o mundo.

2011 Novembro - O primeiro-ministro François Fillon leva políticos e líderes religiosos em condenar um ataque de gasolina bomba por extremistas islâmicos que destoryed os escritórios da revista satírica Charlie Hebdo depois de ter chamado o profeta Maomé como "editor convidado".

2012 Janeiro - França perde sua classificação de crédito AAA topo da Standard & Poor é, juntamente com Espanha e Itália.

2012 Fevereiro - O Senado aprova um projeto de lei tornando crime negar o genocídio foi cometido por turcos otomanos contra armênios durante a Primeira Guerra Mundial Presidente Sarkozy deve assiná-lo em lei até o final de fevereiro. Turquia ameaça medidas de retaliação.

2012 Março - islamita francês Mohamed Merah brotos mortas sete pessoas, incluindo três estudantes judeus, em Toulouse. Ele é morto a tiros em um cerco policial de seu apartamento. França proíbe militante islâmico pregadores de entrar no país, começando com o Qatar baseado egípcio Yusuf al-Qaradawi.

2012 Maio - candidato socialista François Hollande bate Nicolas Sarkozy no segundo turno presidencial. Ele nomeia próximo aliado Jean-Marc Ayrault como primeiro-ministro sobre o líder do Partido Socialista e de esquerda Aubry Martine rival. Presidente Hollande anuncia a retirada das tropas de combate do Afeganistão até o final de 2012, um ano antes do programado.

A polícia francesa deter o último líder militar do grupo separatista basco ETA, Gurruchaga Gogorza Oroitz, e seu vice Xabier Aramburu em uma operação conjunta com a Espanha.

2012 Junho - Socialistas ganhar confortável maioria nas eleições parlamentares.

2012 Agosto - France Mensagens de crescimento zero no segundo trimestre de 2012, como nos dois anteriores - um resultado melhor do que o esperado.

2012 Outubro - Presidente Hollande promete a comunidade judaica uma "mobilização total do estado para combater todas as ameaças terroristas" depois que a polícia atire morto um homem, em Estrasburgo, suspeito de alvejar um Paris judaica loja e espaços em branco foram disparados do lado de fora de uma sinagoga de Paris sobre o feriado judaico de Sucot . Anti-terror da polícia realizar uma série de ataques em todo o país, prendendo 11 suspeitos.

2012 novembro - Moody a agência de classificação de crédito rebaixamento da França a partir do topo triplo A de faturamento para Aa1, com a opção de cortá-lo novamente. Moody culpa estagnou o crescimento econômico, o risco de uma saída do euro grego e do perigo da França ter que ajudar a socorrer outros países da zona euro.

2013 Janeiro - comandos franceses montar uma operação na Somália para tentar resgatar um refém, mas o lance falhar. Al-Shabab rebeldes islâmicos depois dizem ter executado o homem.

As forças francesas intervir no Mali e ajudar o governo a recuperar o controle sobre o norte do país, tomado por militantes islâmicos. Presidente Hollande anuncia intervenção militar será reduzida em abril.

Fonte: news.bbc.co.uk

França

Historia

Por causa dos gauleses, a primeira tribo a ocupar o território francês, juntamente com os Ligúrios e os Iberos, foi chamado de Gália todo o território que hoje é a França.

A Gália foi conquistada no século I a.C pelos romanos, que espalharam sua cultura e civilização durante os séculos. A invasão bárbara, no início do século V, arrasou o país, até o final do mesmo século, o rei franco Clovis conseguiu restaurar o território aos gauleses.

A distribuição do país entre os filhos do rei debilitou a dinastia Merovingian que foi destruída por Pipin, pai de Carlos Magno, fundados da dinastia Charolingians.

Com Carlos Magno, que reinou de 768 a 814, a Gália se tornou o centro de um vasto império que se estendia até o Ilibe, o Tais, o Adriático, o Garellano e o Ébrio. Em 987 a dinastia Charolingians foi deposta pelos Capetians, que governaram os destinos da França até a Revolução Francesa.

O primeiro Capetian tentou recuperar a autoridade real e estender seus domínios, apesar da oposição da Inglaterra e da Germânia, mas Felipe Augustus II os derrotou nos primeiros anos do século XIII. Louis IX (São Luis) coordenou as duas ultimas Cruzadas (1248-1270). Felipe IV, o Belo, que reinou de 1285 a 1314, defendeu a corou contra as pretensões do Papa Bonifácio VIII e Louis X, no seu reinado efêmero (1314-1316) causou a emancipação dos servos.

Nos séculos XIV e XV (1336-1453), a França foi imersa na Guerra dos 100 Anos até a intrépida e heróica Joana D’Arc, levantou o espírito guerreiro dos franceses e liderou a invasão com sua pátria mãe (1429-1431). Louis XI (1461-1483) travou com Carlos, o Insensato, um duelo que terminou com a morte do Duque de Bourgogne na batalha de Nancy (1477). Carlos VIII (1483-1498), Louis XII (1498-1515) e Francis I (1547-1559) invadiram o território italiano e lá travaram batalhas infrutíferas para a França.

Francis I e seu filho Henrique (1547-1559) lutaram incansavelmente contra a Espanha nos reinados dos filhos de Henrique II: Francis II (1559-1560), Carlos IX (1560-1574) e Henrique III (1574-1589). Portanto, as autoridades reais ficaram debilitadas e com Carlos IX, as guerras religiosas começaram. Henrique IV (1589-1610) recuperou definitivamente a autoridade real e com Louis XIII (1610-1643) e seu ministro, Richelieu, adquiriu-se o absolutismo.

O absolutismo cresceu, com os reinados de Louis XIV (1643-1715) e Louis XV (1715-1774). As guerras do Rei do Sol e seus exagerados gastos com sua soberania, os vícios e a estupidez diplomática de Louis XV, a má administração dos inaptos e impopulares ministros de Louis XVI, os escritos dos filósofos e a desigualdade entre nobreza, clero e o estado, levaram à Revolução (1789).

Essa, após estabelecer as leis beneficiarias, caiu no excesso. Após o violento Terror (1793-1794), apareceu o Diretório (1795-1799), o Consulado (1799-1804) e o Império (1804-1815) com Napoleão I que com suas memoráveis campanhas contra toda a Europa, estendeu o território da França vertiginosamente até a derrota da batalha de Waterloo.

A Restauração que deu o trono à Louis XVIII (1814-1824) reduziu as fronteiras. Enquanto Carlos X (1824-1830) reinava, explodiu a revolução liberal de 1830 que colocou no trono Louis Felipe de Orleans, que foi deposto em 1848 por outra revolução que restaurou a República. Logo veio (1852) o golpe de estado de Luois Napoléon, que foi nomeado imperados com o nome de Napoleão III e cujo governo foi tão proveitoso para o país quanto inconveniente para o exterior, porque acabou causando a desastrosa guerra Franco-Germana de 1870/71. Como resultado, o imperados foi deposto e uma terceira República foi restaurada.

Desde 1871 a França tentou reconstruir suas forças internas e conservar a paz com a Europa formando alianças, mas se essa primeira intenção prevaleceu, havia uma segunda intenção, pois quando a Primeira Guerra Mundial explodiu em 1914, os países que formavam aliança tentaram imediatamente invadir a França, tomando com a Inglaterra todo o peso da batalha, que acabaram vencendo. Seguiu-se um período de paz, escurecido pela desconfiança até que em setembro de 1939, o equilíbrio entre os Estados da Europa foi trincado com a proclamação do Dantzig pela Alemanha e por esta ter atacado a Polônia, a França forçada por sua aliança com a Inglaterra declarou guerra aos alemães, para ser derrotada por estes em 1940.

Teve que solicitar um tratado de paz separadamente pelo qual o governo redigiu com a condição da renuncia de Reynaud e a passagem do poder para as mãos de Pétaín, que teve que pedir pela anistia. O Presidente Lebrun também renunciou e a Câmara votou pela abolição da Terceira República e restaurou o Estado totalitário; foi concedido ao Governo o poder de estabelecer uma nova Constituição e conferiram o poder a Pétain como Chefe de Estado com plenos poderes.

Quando a nação foi libertada pelos Ingleses e os Americanos em 1944, após o desembarque na Normandia em 6 de junho desse mesmo ano, um governo provisório foi decretado, com o general De Gaulle e frente, um homem que incentivou a resistência contra a Inglaterra e que foi mantido no poder até 1946.

Em Janeiro de 1947 a Quarta República foi restaurada, com Vincent Auriol como Presidente. Nesse período começou o colapso do império colonial francês.

França se retirou da Indochina, concedeu independência a Tunísia e ao Marrocos e enfrentou a rebelião algeriana. De Gaulle retomou o poder em 1958. No mesmo ano, uma nova Constituição foi elaborada e foi proclamada a Quinta República. Uma conseqüência disso foi a independência da Guinea. Em 1962, após uma guerra sangrenta, a Algéria também obteve sua independência. Apesar desses incidentes, França está hoje em dia entre as grandes potências mundiais, tanto no aspecto tecnológico quando no econômico e político.

Clima

Na França há quarto tipos de climas. No oeste, próximo ao litoral, prevalece o clima temperado, onde Brest é um exemplo de invernos suaves, verões refrescantes e muitas chuvas. No interior, o clima é continental, com verões quentes e invernos mais rigorosos com poucas chuvas.

Um clima montanhoso prevalece nos lugares elevados, com invernos longos e gelados. A precipitação cresce com a elevação e neva no inverno; muitos vilarejos nos altos vales têm mais de 50 dias de neve por ano. No litoral sul, o clima é mediterrâneo, caracterizado por verões secos e quentes, invernos suaves e úmidos e poucas chuvas durante o ano.

Transporte

Aeroportos

Paris tem dois aeroportos: o Roisy-Charles De Gaulle, 25km ao norte da cidade e Orly, 14km ao sul. È recomendável que se use o transporte público que liga os aeroportos com a cidade, como trens e ônibus.

Avião

Air France, a companhia aérea francesa, é responsável com os vôos domésticos. Há outras companhias que também fazem vôos domésticos, como a Air Liberte, e a Air Littoral e as companhia aéreas regionais. A maioria das empresas têm tarifas reduzidas para jovens, casais e famílias.

Carro

Há mais de 8.000km de estradas e a excelente rede de rodovias que tornam o carro uma boa opção. Nas estradas, há áreas de descanso a cada 10km e a cada 30km ou 40km há um posto de gasolina. O limite de velocidade é 50km/h na cidade; 80km/h nas região vizinhas de Paris; 90km/h nas rodovias estaduais; 110km/h nas rodovias federais e 130km/h na via-espressa. É obrigatório o uso de cinto de segurança para os passageiros do carro e estar com carteira de motorista, seguro do carro em dia e documentação. Nas cidades, estacionar nas regiões centrais são geralmente proibidos.

Aluguel: para alugar um carro é necessário ter no mínimo 20 anos, carteira de motorista válida e pelo menos um anos de experiência como motorista. É obrigatório ter um seguro.

Trem

A SNCF (Sociedade Nacional Francesa de Estação Férrea) possui uma linha de trens rápidos e eficientes, incluindo várias linhas de TGV de alta velocidade e conexões com a Inglaterra através do Eurotúnel. As passagens podem ser adquiridas em agencies de viagem ou no Europe Rail.

Há tarifas reduzidas em certos dias do anos, Dias Brancos e Azuis e muitos outros passes especiais. O mais comum é o “Eurodominio Freedom”. Com o “Inter-rail” e o “Eurail” não há limite de uso dos trens enquanto o passe for válido.

Bicicleta

É um meio de transporte tão popular que, para quem está de bicicleta, tudo é fácil na França. É um transporte de acréscimo mínimo nos trens e na SNCF. Há espaços reservados para bicicletas nas estradas e nas cidades e há muitas empresas que as alugam.

Transporte Urbano

Metrô

Há metrô em seis cidades: Paris, Lille, Lyon, Marselha, Toulouse e Rouen. Geralmente abre as 5:30hs da manhã e fecha a 0:30hs. Na hora do rush, o trem passa a cada dois minutos. As passagens são adquiridas na estação, em guichês ou maquinas. Há passes para dez viagens, entre outras opções, com preços reduzidos.

Em Paris, o metro faz parte da rede RATP, uma combinação de linhas de metrô, ônibus e bairros, ou RER. Possui mais de 200km, 13 linhas principais e 295 estações de metrô. A RER de Paris possui quatro grandes linhas e conecta a cidade com as regiões vizinhas.

Ônibus

as cidades francesas possuem ótimas linhas de ônibus que ligam os centros das cidades e os subúrbios. Eles circulam, geralmente, entre 6:30hs da manhã até 8:30hs da noite, exceto nas grandes cidades, em que também circulam de madrugada. Em Paris, há o “Noctambus”, ônibus noturnos que ligam Paris aos subúrbios.

Táxi

Devem ter a conta e tarifa a vista do passageiro. Há taxas extras para transporte com animais, malas, ou tomar um táxi em lugares como estações de trem ou terminais de ônibus e aeroportos. Em Paris há cerca de 15.000 táxis e aproximadamente 470 pontos de táxi distribuídos pela cidade, assim como várias empresas de táxi particulares.

Turismo

A França é uma terra diversificada e multicultural, e por essa razão, um dos países mais atraentes da Europa. Cada região da França tem o seu próprio estilo. Na verdade, os habitantes de cada região se referem a tais como “mon pays”, ou meu país. Cruzar a França significa portanto, cruzar diversos países, bonitos e bem cuidados.

Ile de France

É uma pequena região, formada por Paris e as regiões que influencia. Tem sido descrita como “o jardim dos reis” devido à quantidade de lugares charmosos que apresenta. Próximo de Paris, há pontos turísticos interessantes como os palácios Vaux-him-Vicomte ou o Fontainebleau, em Versalhes, assim como a cidade medieval de Provins. Paris é a capital do país e uma das cidades mais importantes da Europa.

Sua herança histórica e cultural é tão grande que seria necessário semanas para conhecê-la por inteiro.

A maioria dos lugares interessantes fica ao redor do rio Sena: o museu do Louvre, Champ Elisee, Torre Eiffel, a catedral de Notre Dame, ou o cemitério de Pere Lachaise, lugar de descanso de personalidades que vão de Oscar Wild a Jim Morrinson. No entanto, há um lado moderno de Paris, representado pelo Centro Pompidou e os bairros de La Defense e La Villette.

Provence-Cote d´Azur

Abrange a região entre os Alpes e a costa do Mediterrâneo. É uma das regiões mais famosas da França. Provence é sinônimo de sol, azeite de oliva, lavanda, árvores frutíferas e pequenas cidades com ar latino. Possui cidades interessantes como Avignon, a cidade dos Papas, Arles, Orange e Aix-in-Provence.

Cote d’Azur inclui o litoral que vai de Marselha até a fronteira da França com a Itália. É repleta de vilarejos e cidades que combinam o glamour dos iates, os carros luxuosos lojas e alta costura, com lugares escondidos onde a natureza ainda é a protagonista. No primeiro estilo há lugares como Nice, St-Tropez ou Cannes, centros de agito que se contrastam com as Ilhas d’Hyères, Cassis, Bormes-les-Mimosas ou Juan-les-Pins.

Champagne-Ardennes

Além de outras atrações, essa região ao norte é famosa mundialmente pela produção de champagne, a glamurosa bebida “fortificante”. O então chamado “caminho de Champagne” leva os visitantes a lugares como Reims, Troyes ou Épernay, onde é possível visitar uma fábrica para conhecer o processo de fabricação da bebida e comprar uma garrafa a um bom preço. Logicamente, a paisagem é dominada por vinhedos, apesar de ao norte encontrar-se a região das florestas de Ardennes.

Bretagne

Essa é uma terra de mistérios, o litoral mais rústicos, com inúmeros faróis, entradas e ilhas.

É dividida em duas regiões: Armor, os territórios marítimos; e Argoat, o território de florestas. A costa norte é mais rústica e caracterizada por recifes e penhascos, enquanto o litoral sul é mais homogênea, razão pela qual predominam os pântanos e as baías.

No interior localiza-se a cidade de Rennes, com um bairro medieval e uma região do século XVIII centrada na sede do Parlamento, no Hôtel de Ville e no cerco paroquial, uma junção de igrejas, ossuário e cemitério, que começa no povoado de Morlaix.

Ao sul da região há um dos monumentos mais misteriosos da França: o alinhamento de Carnac, uma junção de dolmens ou pedras verticais de origem desconhecida.

Aquitaine

Localiza-se no sudoeste da França é a mais próximo da Espanha, tanto geograficamente como culturalmente. Sua capital é Bordeaux, cidade que vive do comércio e especialmente da indústria de vinho. Ao redor da cidade há inúmeros vinhedos com châteaux para degustação e aquisição de boas safras (Médoc, Libourne e Between-deux-Mers são algumas dessas regiões).

O norte da região é uma área de importantes depósitos pré-históricos (Lês Eyzes e o vale de Vèzére) e várias cidades medievais como Périgueux, Sarlat e Bergerac. A região é banhada pelos rios Dordogne e Garonne. Ao sul da nascente dos rios, o litoral é um praia e o interior é dominado por uma extensa Landas, uma floresta de pinheiros imensa do século XIX, que servia para conter o desmatamento e hoje é um Parque Natural.

Duna du Pila, em Arcachon, é uma elevação de areia com mais de 100m de altura. Ao sul fica a Basque Country Francesa, que chama atenção pelo litoral com pequenas vilas de pescadores e mansões do século XIX, como Biarrita, San Juan de Luz e Hendayas.

Corsica

Ao contrário de outras ilhas do Mediterrâneo, Corsica mantém sua bela costa quase intacta e a região do interior caracterizada por cadeias montanhosas. A maioria de suas 360 cidades merece uma visita. A capital, Ajaccio, assim como muitas cidades da ilha, como Bastia ou Corte possuem muitos lugares antigos interessantes. Os amantes da natureza devem conhecer a Linda península de Girolata, declarada “Patrimônio da Humanidade” pela UNESCO.

Vale de Loire e Loire do Atlântico

Um dos corações da França, conhecida por seus châteaux e banhada pelo rio Loire. Através do canal fluvial, de leste a oeste, encontra-se as cidades e castelos mais famosos. Há châteaux excepcionalmente bonitos em Chambord, Cheverny e Chenonceaux, assim como a cidades de Angers, onde se encontra o famoso tapete do Apocalipse, e Blois.

Os amantes de carros devem ir a cidade de Lê Mand e seu lendário circuito. Em Orléans, a cidade de Joana D’Arc, e Chartres, ao norte da região, encontram-se duas das catedrais mais imponentes da França. Na costa do Atlântico termina o rio Loire, passando antes pela cidade de Nantes, há muito tempo atrás uma cidade poderosa devido ao comércio marítimo. Em St-Nazaire, um importante porto no oeste da França, encontra-se toda a magia dos transatlânticos, com um museu dedicado a eles.

Poitou-Charentes

Paisagens com atmosfera sulista e o litoral puramente do atlântico. Essa região é um dos destinos preferido dos amantes da natureza. Em sua costa há ótimas praias e cidades muito relacionadas à navegação e ao comércio (Rochelle, Rochefort e Royan). É o lugar perfeito para provar ostras e mexilhões.

Ao norte fica a capital, Poitiers, que têm o parque temático Futuroscope, com cinemas em 3D e atrações virtuais e temáticas com as mais novas tecnologias audiovisuais, e a região de Marais Poiteven, chamada de “Verde Veneza”: um labirinto de rios e canais que terminam em pântanos próximos da costa, próprios para turismo fluvial. O sul da região é atravessada de leste a oeste pelo rio Carente, com cidades como Angulema, sede do museu Cósmico, e Cognac, que tem esse nome devido à famosa bebida que é destilada aqui. É uma boa opção visitar as fabricas de vinho e destilação de bebidas.

Fonte: www.sprachcaffe-frankreich.com

França

A história da França, um dos países mais antigos do Ocidente, confunde-se com a história da Europa e do próprio mundo. Na França nasceram o absolutismo monárquico, personificado na figura de Luís XIV, e a revolução burguesa, que marcou o nascimento de uma nova era.

França, localizada no oeste da Europa, ocupa uma área de 543.965km2. Limita-se ao norte com o canal da Mancha e o mar do Norte; a nordeste com a Bélgica, a Alemanha e Luxemburgo; a leste com a Suíça e a Itália; ao sul com Mônaco e o mar Mediterrâneo; a sudoeste com Andorra e a Espanha; e a oeste com o oceano Atlântico. O território francês, que tem forma hexagonal, mede cerca de mil quilômetros tanto entre os pontos extremos ao norte e ao sul (da cidade de Dunquerque aos Pireneus, na fronteira com a Espanha), quanto a oeste e leste (da península da Bretanha ao rio Reno).

Geologia e relevo

A grande planície européia, que começa na Sibéria ocidental, afunila-se para oeste e termina no sopé dos Pireneus.

Assim, as planícies francesas formam uma unidade morfológica: a bacia sedimentar de Paris está ligada pelo rio Poitou à bacia da Aquitânia, a qual, por sua vez, se liga ao vale do Ródano-Saône pelo corredor de Carcassonne. Além das bacias sedimentares, os maciços hercinianos e as montanhas alpinas formam os outros conjuntos fisiográficos da França, completando em síntese os traços fundamentais do relevo do continente europeu.

Os maciços hercinianos formaram-se há cerca de 345-225 milhões de anos. Posteriormente, esses relevos foram aplanados pela erosão e ressurgiram pelo dobramento alpino, há aproximadamente 3,5 a 2,5 milhões de anos.

Distinguem-se dois ramos: o oriental e o ocidental.

O primeiro inclui as Ardennes, no norte, que contêm as estreitas gargantas dos rios Mosa (Meuse) e Sambre; os Vosges, que separam a bacia de Paris da região da Renânia, a leste, cujo ponto culminante é o monte Guebwiller (1.424m); e a parte oriental do maciço Central. O ramo ocidental inclui, além da parte oeste do maciço Central, o maciço Armoricano, no extremo oeste da França, onde se encontra o monte Avaloirs (417m), ponto mais alto das planícies ocidentais.

O imenso maciço Central, onde nasce grande parte dos rios da França, apresenta fenômenos vulcânicos nas linhas de fratura resultantes da orogenia alpina. Por sua extensão, representou um obstáculo para as comunicações com o interior do país e permaneceu isolado durante muito tempo.

As bacias de rochas sedimentares não apresentam grande extensão se comparadas com as do nordeste da Europa e, em conseqüência da orogenia alpina, sofreram diversas compressões que resultaram em elevações e dobramentos em alguns pontos.

Entre essas planícies, destaca-se a bacia de Paris, que compreende uma série de planaltos - Brie, Île de France, Vallois - que descem em direção ao interior e à região de Paris-Orléans. As planícies do Loire se estendem ao longo do rio de mesmo nome que, com seus afluentes, corta os planaltos e colinas da região.

A bacia da Aquitânia, menor que a de Paris, é cortada pelo rio Garona e situa-se entre os Pireneus e o maciço Central. O litoral, com mais de três mil quilômetros de extensão, possui um relevo que varia desde a costa retilínea e arenosa do oeste à suave planície que desce em direção ao mar do Norte, depois de passar pelo litoral da Bretanha, onde desembocam vários rios.

As montanhas da idade alpina são os Pireneus, os Alpes e o Jura. Os Pireneus constituem uma barreira natural entre a França e a Espanha, com extensão superior a 450 km, interrompida por estreitos passos localizados a grandes altitudes.

O lado espanhol é mais elevado que o francês, onde se destaca o pico de Vignemale (3.298m). Os Alpes franceses fazem parte de uma vasta cordilheira que se estende por outros países europeus e estabelecem um limite natural entre a França, a Itália e a Suíça. Nessa fronteira, em território francês, se localiza o monte Branco (4.807m), ponto culminante dos Alpes.

O Jura localiza-se a noroeste dos Alpes. É uma cadeia de montanhas de 300 km de extensão, entre o Ródano e o Reno, cujo pico mais alto é a Crista de Neve (1.723m).

Clima

A localização da França, na parte ocidental do continente europeu, entre o mar Mediterrâneo e o oceano Atlântico, conjugada a sua grande extensão, permite que o país desfrute de grande variedade de climas.

A latitude, a direção das cadeias de montanhas e a topografia também contribuem para definir quatro tipos diferentes de climas: oceânico, continental, mediterrâneo e de montanha.

O clima oceânico é característico das faixas costeiras do noroeste, especialmente da Bretanha. A temperatura média é de 11o C, as precipitações são bem distribuídas e freqüentemente acompanhadas de brumas e névoas. A região recebe influência da massa polar úmida e dos ventos que sopram do oeste. Mudanças bruscas de tempo são freqüentes.

O clima continental estende-se principalmente pelas planícies do leste e decorre da influência da massa polar seca, com invernos mais rigorosos e longos, embora ensolarados.

As precipitações são menos abundantes e mal distribuídas, com tempestades violentas durante o verão e maior quantidade de chuvas nos maciços. A bacia de Paris apresenta clima intermediário entre o oceânico e o continental.

No sul da França impera o clima mediterrâneo, assim como na planície do Ródano e nas áreas meridionais de algumas cadeias de montanhas, caracterizadas por invernos brandos e verões quentes, com temperaturas que chegam a 35o C. Durante o outono e a primavera registram-se fortes tempestades. No verão, instala-se o ar seco vindo do Saara e os dias se tornam quentes e luminosos. No baixo Ródano, sopra às vezes o "mistral", vento que vem do norte e torna os dias particularmente frios.

O clima de montanha, característico dos Alpes, Pireneus, Vosges e maciço Central, é marcado por invernos muito longos e muito frios, nevadas fortes e geadas freqüentes. Chove tanto no inverno quanto no verão, sempre curto e fresco.

Hidrografia

Embora não se incluam entre os maiores do mundo, os rios franceses desempenham importante papel na economia do país. Destacam-se pelo potencial energético e pela navegabilidade, pois, sujeitos a clima temperado e úmido, não congelam e correm sempre com apreciável volume de água. Os principais sistemas hidrográficos da França deságuam no Atlântico e no canal da Mancha, onde formam estuários. Estão unidos por uma rede de canais.

O Reno, que nasce na Suíça, percorre 180 km da fronteira oriental, estabelece durante parte de seu curso o limite entre a França e a Alemanha. Seus principais afluentes franceses são o Mosa e o Ill. A navegação no Reno, de grande importância, é feita por meio de canais paralelos. O Sena (Seine) nasce na Côte d'Or, passa por Paris e Rouen e segue para noroeste até desembocar no canal da Mancha, no grande estuário em frente ao Havre, após percorrer 776 km. É navegável, assim como seus afluentes Aisne e Marne, e se liga à bacia do Reno por uma série de canais.

O maior rio francês em extensão é o Loire, com 1.010km, que não é navegável devido à irregularidade de seu curso. Nasce no maciço Central e desemboca no oceano Atlântico.

Entre os principais rios da França, o mais curto (575 km) é o Garona, que nasce nos Pireneus espanhóis, drena a região sudeste da França e desemboca no oceano Atlântico, formando com o rio Dordogne um amplo estuário denominado Gironda. O Ródano é o rio mais caudaloso do país. Ligado à bacia do Reno por um canal, atravessa de norte a sul a região de Lyon para desembocar no mar Mediterrâneo.

Os lagos franceses são muitos: lagos de geleiras, localizados nos Alpes (Genebra, Annecy e Bourget) e Pireneus; de origem vulcânica, situados principalmente no maciço Central; e os de barragem, separados do mar, de forma parcial ou total, por cordões arenosos.

Flora

Apesar da devastação a que foi submetida durante séculos, à França tem a quarta parte de seu território recoberto por florestas reconstituídas. A flora mediterrânea ocupa o sudoeste do país, onde predominam florestas de azinheiras, cuja degeneração deu lugar ao maqui - formação arbustiva fechada própria de solos silicosos - e às garrigues, formação estépica, em solo calcário. Nos Alpes marítimos e nos Pireneus orientais ocorrem carvalhos, castanheiros, pinheiros e lariços. Nas altitudes maiores predomina a vegetação alpina.

A flora não mediterrânea apresenta da Bretanha até o nordeste e na região central da França, o carvalho séssil e a faia européia.

Nas regiões oeste e sudoeste ocorrem várias espécies de carvalho, o castanheiro e a bétula. Nas regiões montanhosas prevalecem os abetos, faias, pinheiros e lariços. Acima do limite da floresta, geralmente composta de coníferas, aparece a vegetação alpina.

Fauna

O território francês foi, em tempos remotos, uma encruzilhada onde animais de diversas origens se encontraram e se miscigenaram, o que resultou numa fauna relativamente rica. A fauna selvagem habita, sobretudo as montanhas e florestas.

Destacam-se a raposa, o javali e o urso, extinto nos Alpes mas ainda encontrado nos Pireneus, onde também há águias.

Economia

A França apresenta uma economia muito desenvolvida e é um dos países mais industrializados do mundo. Até meados do século 19, a economia era essencialmente agrícola, com importantes atividades artesanais. O desenvolvimento dos transportes, na segunda metade do século 19, acelerou a concentração, em certas áreas, de atividades industriais. Métodos modernos de fabricação em série foram implantados após a primeira guerra mundial.

Depois da segunda guerra mundial, mais exatamente a partir de 1950, o governo francês estabeleceu algumas medidas protecionistas de seus produtos frente aos estrangeiros, que foram paulatinamente abandonadas à medida que a indústria francesa se modernizou, tornando-se mais competitiva. Na década de 1970 a produção industrial cresceu 33% mas, a partir de 1980, estabilizou-se.

Agricultura

França possui solos excelentes para o cultivo de cereais, o que a torna um dos poucos países europeus com excedentes agrícolas para exportar. A principal região produtora é a bacia de Paris. A tradição agrícola remonta a épocas muito antigas, mas a mecanização do campo alterou a agricultura de subsistência e gerou o êxodo rural, a especialização dos cultivos e a expansão das lavouras. A maior parte das terras cultiváveis é utilizada para a produção de cereais e uva, principais produtos agrícolas do país.

A França está entre os grandes produtores mundiais de trigo e, na Europa, tem uma das maiores produções de arroz - plantado principalmente no sul (Camargue). O milho híbrido, destinado à forragem, é cultivado principalmente na região sudoeste. A produção de cevada (Alsácia e Borgonha) cresceu em função da indústria da cerveja.

É grande a produção de vinhos na França. Destinam-se ao mercado interno, mas há excedente para exportar para todo o mundo.

São produzidos basicamente três tipos de vinho:

1) os grandes vinhos, chamados vins d'appellation ou vins de cru, que têm a qualidade controlada pelo governo desde o início do século XX

2) os "vinhos transformados" (bebidas semelhantes ao vinho): o champagne, o cognac, o armagnac, batizados de acordo com sua região de origem; e

3) os vinhos comuns, ou vins de consommation, vendidos em copos no varejo.

Somente os dois primeiros são exportados.

Os melhores vinhos franceses provêm dos pequenos vinhedos localizados em áreas específicas: o vale do rio Loire, a Borgonha, as Côtes du Rhône, a Alsácia e o Jura.

A beterraba, plantada no norte para fabricação de açúcar, a batata, frutas, hortaliças e flores também são produtos importantes. Assinala-se ainda o cultivo de plantas aromáticas para a indústria de perfumes.

Pecuária, recursos florestais e pesca

No fim do século 20, o rebanho de bovinos teve crescimento acentuado na França. Com o país situado entre os maiores exportadores de derivados de leite do mundo, a pecuária representava uma importante fonte de divisas. Destacam-se também os rebanhos ovino, para produção de lã e carne, e suíno. Em menor medida, são criadas cabras para produção de queijo.

As florestas primárias da França constituíam-se de carvalhos e faias que foram substituídos por pinheiros e outras espécies de crescimento rápido. Nas regiões montanhosas há grandes florestas de coníferas e, na região das Landas, o pinheiro é muito abundante. O governo central, assim como os governos estaduais, administra um considerável percentual das áreas de florestas do país, mas a maior parte está em mãos de particulares. Junto aos países escandinavos, tradicionalmente madeireiros, a França se destaca como produtora de madeira na Europa.

Devido às grandes extensões litorâneas voltadas para o oceano Atlântico e o mar Mediterrâneo, a pesca é uma importante atividade econômica.

Na região norte localizam-se os maiores centros de pesca industrial do país, sobretudo na Bretanha, onde há grandes portos: La Rochelle, Lorient, Concarneau, Douarnenez, Dieppe, Boulogne e Frécamp. No mar Mediterrâneo a pesca é mais artesanal e predominam a sardinha e o atum. Na pesca de alto-mar, são importantes para a economia do país o arenque, atum, linguado e cavala. Na região litorânea do golfo de Biscaia destaca-se a criação de ostras.

Energia e mineração

A nacionalização das minas francesas logo depois da segunda guerra mundial permitiu a modernização das técnicas de mineração, o que aumentou a produtividade do setor. Entretanto, a atividade e o número de trabalhadores têm diminuído, desde 1960, com a progressiva substituição do carvão por outras fontes de energia, como o petróleo.

Produz-se carvão principalmente no norte do país e na Lorena, na bacia do Sarre. O carvão de melhor qualidade encontra-se na bacia de Saint-Étienne e é utilizado em usinas termelétricas e siderúrgicas dessa região ou de Lyon.

A França, no entanto, importa carvão, pois a produção interna não atende às necessidades da siderurgia nacional. Há jazidas de petróleo em Parentis, mas a produção insuficiente torna necessária a importação. Essa dependência fez com que os efeitos da crise do petróleo de 1973 fossem bastante graves para a economia francesa.

Entre os países europeus, a França é um importante produtor de minério de ferro. No passado, teve grande importância também a produção de bauxita, que deve seu nome à localidade de Les Baux, perto de Arles.

O país possui ainda outros recursos minerais -- zinco, sais de potássio, chumbo e ouro. Havia também grandes reservas de gás natural, mas a exploração exaustiva praticamente esgotou esse recurso, que passou a ser importado dos Países Baixos, da Argélia, da Noruega e da antiga União Soviética. O país produz ainda sal-gema, potássio e sal marinho.

As usinas hidrelétricas aproveitam as quedas d'água das regiões montanhosas dos Alpes, Pireneus e do maciço Central, bem como de alguns rios, como o Sena, o Ródano e o Durance. A produção de energia se completa com várias centrais nucleares.

A primeira usina atômica da França foi inaugurada em 1956, em Marcoule, no departamento de Gard. Destacam-se ainda a de Chinon e a de Saint-Laurent-des-Eaux. Extrai-se urânio para usos pacíficos e militares na bacia do Loire, na Alsácia e na Côte d'Azur.

Indústria

No fim do século 20, a França era a quarta nação industrial do mundo, depois dos Estados Unidos, Japão e Alemanha. O processo de industrialização tomou impulso no período que se seguiu à segunda guerra mundial, com apoio financeiro decisivo do governo, que também incentivou a fusão de pequenos grupos empresariais, o que resultou em maior concentração industrial. As principais regiões industriais da França são as de Paris, do norte, da Alsácia-Lorena e de Lyon.

A indústria siderúrgica se concentra nas proximidades das jazidas de ferro, especialmente no norte e no nordeste. A mecânica pesada francesa encontra-se nas proximidades dos parques siderúrgicos ou dos principais mercados. A indústria de alumínio, obtido a partir do tratamento da bauxita, centraliza-se nas cidades próximas dos Alpes e dos Pireneus.

Destacam-se no parque industrial francês as montadoras de automóveis e aviões, as indústrias mecânicas, elétricas, químicas -- com grande concentração financeira -- e alimentícias, geralmente situadas perto dos centros urbanos.

A França também desenvolveu significativamente a tecnologia de ponta -- informática, eletrônica e aeronáutica. Destaca-se o crescimento da indústria de armamentos, em que o país ocupa um lugar importante em nível internacional.

A fabricação de relógios é tradicional na fronteira com a Suíça (Jura) e a confecção de roupas, principalmente femininas, é importante fonte de divisas para o país. A indústria francesa de tecidos (linho, seda, lã e algodão) abastece o mercado interno e produz excedentes para a exportação.

Finanças, comércio e turismo. A unidade monetária francesa é o franco e a emissão de papel-moeda só pode ser feita pelo Banque de France, que concentra a atividade financeira. O estado exerce grande influência no sistema monetário, já que os principais bancos foram estatizados após a segunda guerra mundial.

Existem no país ainda bancos comerciais, de crédito agrícola e de poupança.

As sucessivas guerras em que a França se envolveu foram extremamente prejudiciais para suas finanças e o custo de vida. O déficit no comércio exterior e a evasão de reservas em ouro chegaram a tal ponto que, por volta de 1960, exigiram a adoção de uma nova política financeira, com aumento de impostos, cortes em subsídios e despesas militares e empréstimos do Fundo Monetário Internacional. Em 1º de janeiro de 1960 entrou em circulação o novo franco, equivalente a cem vezes o anterior. Apesar das medidas de contenção, o custo de vida é alto.

A reorganização da economia francesa após a segunda guerra mundial levou o país a um lugar privilegiado no comércio internacional. Sua integração à Comunidade Econômica Européia (CEE), em 1958, modificou substancialmente o comércio exterior e orientou suas importações e exportações para os países da CEE e da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Assim, seus principais parceiros comerciais são, no âmbito da CEE, Alemanha, Bélgica, Itália, Luxemburgo e Suíça, além de Estados Unidos, Iraque e Arábia Saudita.

As exportações francesas consistem de produtos siderúrgicos, maquinaria, veículos, tecidos, perfumes, vinhos, materiais elétricos e minério de ferro. O país importa produtos agrícolas tropicais (café e cacau), matérias-primas (algodão, lã, borracha, celulose, cobre, níquel) e petróleo.

O turismo é uma atividade econômica de peso para a economia da França.

Distinguem-se dois tipos de turismo: o de verão, concentrado na costa do mar Mediterrâneo (Côte d'Azur), na Bretanha e na Normandia; e o de inverno, nas regiões montanhosas.

Transportes e comunicações

França possui um sistema de transportes muito desenvolvido, com traçado radial que parte de Paris. A rede rodoviária é, junto com a belga, a mais densa da Europa. A rede ferroviária, cujo traçado é também radial, está nacionalizada e é administrada pela Société Nationale des Chemins de Fer (SNCF). A rede de canais navegáveis, iniciada no século XVII, tem em Paris seu porto principal e transporta carvão, petróleo e derivados, minérios e material de construção.

O tráfego marítimo também é intenso e destacam-se os portos de Marselha e Havre.

O transporte aéreo adquire cada vez maior importância, tanto nacional quanto internacionalmente. A Air France é a principal companhia aérea do país.

Destacam-se os aeroportos Charles de Gaulle, Orly e Le Bourget, em Paris. O governo controla os serviços de rádio, televisão, telefonia e telegrafia.

População

Durante a Idade Média, o território francês foi uma região de trânsito dos muitos povos e movimentos migratórios que percorriam o continente em várias direções. A população francesa resulta de inúmeras contribuições humanas recebidas ao longo da história.

As duas influências dominantes -- dos celtas, cuja imigração para a França ocorreu entre os séculos VI e I a.C., e dos romanos, cujo domínio sobre o território se deu do século II a.C. ao V da era cristã -- correspondem às diferenciações regionais da França: o norte francês é mais germânico e o sul, mais latino. A heterogeneidade racial, contudo, não impediu que os franceses desenvolvessem um forte sentimento nacionalista.

A língua oficial é o francês moderno, de origem neolatina, que se firmou em todo o país desde a revolução de 1789.

Em áreas periféricas do país, línguas diferentes subsistem paralelamente ao francês: o bretão, no oeste da península da Bretanha, o basco, nos Pireneus, junto ao golfo de Gasconha; o catalão, no Roussillon, junto à mesma cordilheira; o dialeto alsaciano, variante do alemão (semelhante ao dialeto suíço), falado na Alsácia; e o flamengo, na fronteira belga. O provençal, de raiz latina, sobrevive apenas como curiosidade literária.

A religião predominante na França é o catolicismo, principalmente no meio rural. Entretanto, apesar de sua vinculação ao Vaticano, a Igreja Católica francesa conserva características nacionais. Assinalam-se ainda minorias de judeus, protestantes (luteranos e calvinistas) e maometanos.

Uma das principais características da demografia francesa é a estagnação da taxa de crescimento da população desde o final do século XIX. Essa situação deve-se a uma série de fatores, como o controle da natalidade, que, na França, foi implantado no final do século XVIII, muito antes das outras nações. Também houve influência das idéias difundidas pela revolução francesa (adoção do divórcio, predominância da vida urbana, individualismo, diminuição do sentimento religioso) e as várias guerras que desde então o país enfrentou, com enorme perda de vidas humanas. Nesse sentido, foi especialmente dramática a segunda guerra mundial, quando morreram cerca de 1,4 milhão de franceses.

Em 1938, o estado iniciou um programa destinado a incrementar a natalidade. Foram postas em prática medidas como ajuda financeira a famílias que tivessem filhos, maiores cuidados sanitários e incentivos psicológicos.

Os primeiros resultados dessas medidas surgiram nas décadas que se seguiram à segunda guerra mundial, quando ocorreu acentuado aumento da população, resultado sobretudo da conjugação de três fatores: o retorno de um milhão de franceses ao país, ao final do período de colonização de Marrocos, Argélia, Tunísia e Indochina; aumento da natalidade; e chegada de grande número de imigrantes.

A taxa de natalidade se manteve alta até a década de 1960, quando houve uma redução importante, devida, em grande parte, à difusão dos contraceptivos orais.

Ao mesmo tempo, a taxa de mortalidade caiu, devido à melhoria das condições sanitárias. As conseqüências dessa evolução demográfica se manifestavam na composição da população na segunda metade do século XX.

Devido às baixas masculinas provocadas pelas guerras mundiais, o número de mulheres era bem maior que o de homens e o número de pessoas em idade ativa, bastante reduzido se comparado ao número de anciãos e de jovens. A população dependente do trabalho de outros, portanto, era muito elevada.

Os movimentos populacionais, sobretudo a chegada de grandes contingentes de imigrantes, sempre tiveram muita importância na França. A emigração, ao contrário, não é muito significativa.

Há dois tipos de imigração: um de caráter político e outro econômico. O primeiro se deve ao liberalismo francês, que admitiu grande número de refugiados políticos. Entre a primeira e a segunda guerras mundiais, três milhões de imigrantes chegaram à França. A imigração de caráter econômico deveu-se à necessidade de mão-de-obra, que permitiu, num primeiro momento, a chegada de pessoas do resto da Europa (italianos, poloneses, espanhóis e belgas).

Depois da segunda guerra mundial, juntaram-se aos imigrantes europeus os oriundos das antigas colônias: argelinos, marroquinos e tunisianos, principalmente.

A partir de 1974, em função das dificuldades financeiras, a França fechou as portas à imigração.

Devem ainda ser assinalados dois tipos de movimentos demográficos internos. O primeiro, das montanhas para as planícies, provocou o despovoamento de algumas regiões. O outro movimento interno é do campo em direção à cidade, que provocou grande aumento da população urbana. O êxodo rural afetou especialmente Paris, onde, no fim do século XX, quase metade da população havia nascido fora da área metropolitana.

Marselha, Lyon, Toulouse, Nice, Nantes, Estrasburgo, Bordéus, Lille, Saint-Étienne e Grenoble, junto com Paris, são os núcleos que concentram a maior parte da população. As áreas mais despovoadas são as montanhas (Pireneus, Alpes e maciço Central), regiões de solos pobres (Landas e Sologne), e as áreas rurais isoladas.

Instituições políticas

De acordo com a constituição da quinta república, de 1958, reformada em 1962, o sistema parlamentar francês se compõe da Assembléia Nacional, formada de 577 deputados, eleitos a cada cinco anos, e pelo Senado, composto de 321 senadores eleitos para mandatos de nove anos, com renovação de um terço a cada três anos. A Assembléia exerce o poder legislativo e tem também a função de controlar o governo.

O poder executivo é exercido pelo presidente e por um conselho de ministros presidido pelo primeiro-ministro. O presidente da república é eleito diretamente, por maioria absoluta, para um mandato de sete anos e tem amplos poderes, inclusive o de nomear e demitir o primeiro-ministro e dissolver a Assembléia Nacional. É o comandante supremo das forças armadas. O poder judiciário é independente e compõe-se de tribunais com jurisdição civil, penal, profissional e administrativa.

A organização administrativa da França se estrutura em regiões, departamentos, distritos, cantões e municípios. O território metropolitano se compõe de 95 departamentos, aos quais se somam cinco ultramarinos (Martinica, Guadalupe, Reunião, Guiana Francesa e São Pedro e Miquelon) e quatro territórios de ultramar (Polinésia Francesa, Wallis e Futuna, Nova Caledônia e Mahoré). O país também reclama soberania sobre uma porção da Antártica.

Para facilitar o planejamento regional, os departamentos foram agrupados em 21 circunscrições de ação regional, ou regiões. No plano administrativo, os departamentos estão divididos em 322 unidades, os arrondissements, que se subdividem em 3.208 cantões.

Dentre os numerosos partidos políticos franceses destacam-se o Partido Socialista, a Reunificação para a República (gaullista), a União para a Democracia Francesa (centrista), o Partido Comunista e a Frente Nacional (de direita).

No plano internacional, a França faz parte de vários organismos e pertence à Comunidade Européia (CE). No plano militar, o país tentou manter-se independente. Assim é que, embora participando da Organização do Atlântico Norte (OTAN), em 1966, abandonou sua estrutura militar. Faz parte do Conselho de Segurança das Nações Unidas e, como membro permanente, tem direito de vetar qualquer decisão da maioria. Pertence ainda ao Grupo dos Sete, integrado pelos países mais ricos do mundo.

Sociedade

França é um dos países mais desenvolvidos da Europa ocidental, mas a distribuição da riqueza não se dá de forma equitativa.

Na segunda metade do século XX persistia uma acentuada diferença entre os grupos sociais: os agricultores, por exemplo, recebiam remuneração muito inferior à dos operários de indústrias. Além disso, o desequilíbrio econômico entre as regiões era notável.

Os sindicatos se organizam principalmente de acordo com as tendências políticas e a localização geográfica. Os mais importantes são a Confederação Geral do Trabalho (CGT), de orientação comunista, a Confederação Francesa Democrática do Trabalho, de tendência católica; e a Força Operária, de ideologia socialista.

A previdência social, implantada na década de 1930, só se tornou eficiente depois da segunda guerra mundial. Cerca de oitenta por cento dos franceses se beneficiam do seguro social, que cobre aposentadoria, gastos com médicos e remédios, além de abono para famílias numerosas.

Um dos problemas sociais mais sérios da França é a escassez de moradias, agravada pelo estado de conservação das que existem: um terço das residências francesas tem mais de cem anos.

Para solucionar o problema, o estado dá créditos e incentivos para a construção de casas. O sistema educativo francês caracteriza-se pela centralização, embora os acontecimentos de maio de 1968 tenham garantido maior autonomia aos centros universitários. A educação básica é obrigatória e gratuita nos centros de ensino público e divide-se em primária e secundária, cursada por crianças na faixa dos 6 aos 11 anos e dos 11 aos 15 anos, respectivamente.

Cultura

A vida cultural francesa é das mais intensas e influentes do mundo. Em todas as manifestações culturais e artísticas a França prestou contribuições fundamentais.

A partir do século XI, a arquitetura francesa passou a desenvolver um estilo próprio, o românico, divulgado pelos monges da abadia de Cluny. Entre os séculos XII e XIV manifestou-se o estilo gótico, presente nas catedrais de Chartres, Reims e Notre-Dame de Paris, que alcançou a expressão máxima de seu brilho na Sainte-Chapelle de Paris. Na arte visual, destacam-se os retábulos, iluminuras e a tapeçaria.

A arquitetura do Renascimento seguiu o modelo italiano, embora com características próprias. Na pintura do período, os retratos foram à modalidade preferida.

No final do Renascimento verificou-se uma retomada das tendências vindas da Itália, que se manifestaram, no plano pictórico, na preferência por cenas mitológicas, bucólicas e de paisagens com perspectivas clássicas. Durante o reinado de Luís XIV, construíram-se muitos palácios particulares de estilo barroco e realizaram-se importantes projetos urbanísticos (um exemplo é a praça da Vitória) e de jardinagem (jardins de Versalhes e Tulherias, em Paris). Seguiu-se o estilo rococó, no qual se destacaram os pintores Antoine Watteau e François Boucher, e o escultor Jean-Baptiste Pigalle. Os móveis e a tapeçaria foram o ponto alto do estilo rococó.

Nos últimos trinta anos do século XVIII ocorreu um retorno à antiguidade com o neoclassicismo, cujo principal expoente foi Jacques-Louis David, pintor da burguesia revolucionária e, em seguida, pintor oficial de Napoleão. Na arquitetura recuperou-se a pureza e a elegância das construções romanas em obras como o Panthéon, a igreja da Madalena e o arco do Carrossel, em Paris.

Com a chegada do século XIX e o fim do antigo regime, a pintura passou a predominar entre as artes e Paris transformou-se no centro mundial da cultura.

Sucederam-se as tendências artísticas: romantismo, com Eugène Delacroix; paisagismo, representado por Théodore Rousseau e Jean-Baptiste-Camille Corot; realismo, cujo expoente máximo foi Gustave Courbet; e impressionismo, com Pierre-Auguste Renoir, Édouard Manet, Claude Monet, Camille Pissarro, Alfred Sisley e outros grandes inovadores como Edgar Degas, Paul Cézanne, Paul Gauguin e Henri de Toulouse-Lautrec.

A preocupação com a pesquisa permanente levou ao nascimento de novas tendências pictóricas: o fauvismo, com Henri Matisse e Maurice de Vlaminck, o cubismo, com Georges Braque, e o expressionismo, com Georges Rouault e Édouard Goerg. Surgiram posteriormente a pintura ingênua e o surrealismo, que levaram a pesquisa pictórica a outros caminhos. No campo da escultura destaca-se principalmente a figura de Auguste Rodin, que abandonou a tendência realista de François Rude e Jules Dalou e espiritualizou a escultura.

No século XIX a arquitetura seguiu tendências diferentes, como a clássica, a neogótica e a eclética. A utilização do ferro conduziu ao funcionalismo, que teve em Alexandre-Gustave Eiffel seu representante máximo.

No século XX a arquitetura foi influenciada pelo aparecimento de novos materiais -- concreto armado, aço, plástico -- e destacou-se o nome de Édouard Jeanneret, chamado Le Corbusier, que revolucionou a arquitetura mundial com suas idéias sobre espaço.

Na música, entre as principais contribuições francesas estão às canções de trovadores da Idade Média, as inovações na polifonia com Jean-Philippe Rameau, a música impressionista de Claude Debussy e Maurice Ravel e a música concreta do século XX.

O cinema nasceu na França, com os irmãos Louis e Auguste Lumière, inventores do cinematógrafo e os primeiros a realizar um filme. Posteriormente surgiu a figura de Georges Méliès, que foi o primeiro a compreender as possibilidades do cinema no mundo do espetáculo.

Na década de 1920 surgiram dois nomes muito importantes para o cinema francês: Jean Renoir e René Clair. A partir de 1960, um grupo de diretores novos passou a exercer influência no panorama mundial, num movimento que se tornou conhecido como nouvelle vague. Entre eles assinalam-se Alain Resnais, Jean-Luc Godard e François Truffaut.

Fonte: correiogourmand.com.br

França

História

Conheça mais a história do país, recheada de disputas e batalhas pelo poder

A história conta que a França é habitada a pelo menos 90 mil. O primeiro relato concreto da civilização fazem referência ao povo celtaque chegou em 1500 AC. Após séculos de conflitos com Roma, os celtas perderam seu território para Júlio César em 52 AC e parte da região foi catequizada.

A Idade Média foi marcada por sucessivas batalhas entre diferentes dinastias. Durante este período, a França também se envolveu nas Cruzadas, uma guerra santa instigada pela Igreja, contra os não-cristãos. A França ainda lutou com a Inglaterra na chamada Guerra dos Cem Anos, onde a jovem Joana D'Arc, na época com 17 anos, foi o símbolo de bravura.

Perseguições políticas e religiosas culminaram na Guerra das Religiões (1562-98), continuando a ameaçar a estabilidade do país durante o século XVI. Em 1572, cerca de três mil protestantes forma massacrados em Paris.

Mais tarde, estes receberam direitos civis, religiosos e políticos. No começo do século XVII, o país foi mantido com o sistema de escravidão sob comando de Cardeal Richelieu, que estabeleceu uma monarquia absoluta e aumentou o poder da França na Europa.

Luis XIV subiu ao trono em 1643, com então 5 anos de idade e governou até 1715. Durante seu reinado, ele perseguiu a minoria protestante, anulou a aristocracia feudal e criou o primeiro estado francês centralizador.

À medida que o século XVIII ia progredindo, o antigo regime ficou perigosamente sem sincronismo com o restante do país e foi enfraquecido pelo estabelecimento de ideais anticlericais. O envolvimento da França na Guerra dos Sete Anos (1756-63) e na Guerra Americana pela Independência (1776-83) foram a ruína financeira para a monarquia,e concedeu munição para os oponentes do absolutismo francês.

Quando o rei tentou neutralizar o poder dos reformistas econômicos, a massa urbana tomou as ruas. Em 14 de julho de 1789, a "ralé" parisiense atacou e tempestuou a prisão da Bastilha, último símbolo do despotismo do antigo regime.

A principio, a revolução havia sido liderada por revolucionários moderados, mas neste ambiente emergiram os radicais Jacobinos, liderados por Robespierre, Danton e Marat. Eles estabeleceram a Primeira República em 1792, mantendo um controle virtual da ditadura que tomava o país durante o Reinado do Terror (1793-94), onde houve execuções em massa e perseguições religiosas.

Estimulado por uma série de vitórias em terras estrangeiras, Napoleão Bonaparte assumiu o poder doméstico em 1799, faiscando uma série de guerras, onde a França controlou grande parte da Europa. Finalmente, uma campanha desastrosa contra a Rússia em 1812 levou Bonaparte a derrota. Ele foi deportado para a pequena ilha Elba, no Mediterrâneo. Sua fuga e reinstalação como Imperador durou 100 dias, até que fosse derrotado pelos ingleses em Waterloo. Os ingleses o exilaram para a remota ilha de Santa Helena, no Atlântico Sul, aonde veio a falecer em 1821.

A partir do século 19

Saiba mais sobre a história da França a partir da revolução industrial

A partir do século XIX a França passou por um momento sem guerras e foi quando a 3ª República foi fundada. A importância do exército e da separação da Igreja foram reduzidas e o estado instituído. Na mesma época, a rivalidade entre a França e Reino Unido foram amenizados, criando um espírito de cooperação.

O envolvimento da França na 2ª GM teve um alto custo: mais de um milhão de soldados foram mortos, grandes partes do país foram devastadas, a produção industrial caiu e o Franco (a moeda francesa) foi seriamente desvalorizado. O país saiu-se um pouco melhor durante a guerra, quando foi capitulados a Alemanha e o lacaio governo Vichy foi instalado. O General Charles de Gaulle, sub-secretário de guerra, estabeleceu resistência em Londres, e em meados de 1944 a França foi liberada das Forças Aliadas.

De Gaulle retornou a Paris e estabeleceu um governo provisório, mas renunciou como presidente, em 1946. Incentivados pelos americanos, os franceses retomaram o controle colonial na Indochina, mas suas forças forma derrotadas por militares de Ho Chi Minh em 1954.

A França também tentou pressionar a independência da Argélia. De Gaulle voltou ao poder em 1958 e negociou o término da guerra na Argélia 4 anos depois. Nesse meio tempo, a maioria das colônias francesas na África conseguiram sua independência.

Em maio de 1969, protestos de estudantes e trabalhadores em greve surpreenderam o país (e o mundo todo) culminando em uma grande paralisação. Assim que a anarquia foi suspensa, De Gaulle foi ao ar em TV nacional e pediu ao país que se acalmasse, e deixasse que ele governasse o país. E assim foi feito. O governo então reformou o sistema educacional, e De Gaulle se manteve como presidente no ano seguinte.

O flexível socialista François Mitterand foi presidente da França de 1981 a 1995. Em maio de 1995, ele foi sucedido por Jacques Chirac, que tomou o lugar dos socialistas e da política anti-imigração de Jean-Marie Le Pen, candidato oponente.

A série de bombas que foram detonadas em Paris e Lyon a partir de julho de 1995, por terroristas protestando contra o suporte francês ao governo argeliano, contribuiu para um sentimento de xenofobismo e desencadeou uma falsa legitimidade da Frente Nacionalista racista.

Chirac defendeu fortemente a União Européia, o que aumentou sua popularidade, mas sua decisão de conduzir testes nucleares na ilha polinésia de Mururoa no final de 1995. Essa ação foi alvo de críticas nacionais e internacionais.

Internamente, os limites que Chirac impôs ao sistema de pagamento de benefícios resultaram num dos maiores protestos que a França teve, desde 1968. Greves no setor público, no final de 1995, levaram Paris a uma paralisação, o que afetou a economia tão gravemente que a participação na UE tornou-se duvidosa.

A nação foi empurrada para o cenário internacional em 1997, quando um acidente automobilístico matou a Princesa Diana. Em 1998 a França ainda venceu a Copa do Mundo de Futebol, por 3 a 0 contra o favorito Brasil.

No começo de 2003 a França voltou a ser notícia quando insistiu que vetaria qualquer resolução das Nações Unidas no Conselho de Segurança nas questões relativas a uma possível guerra contra o Iraque. Embora os EUA tenham ignorado a resolução, a relação entre os dois países ainda permanece amigável.

Política

A França é uma reública democrática semi-presidencialista.

O governo francês também é repartido em três poderes: o legislativo, o executivo e o judiciário, assim como no nosso país.

Poder Executivo

O presidente é eleito por sufrágio direto e universal e reside oficialmente no Palácio do Eliseu, em Paris. Seu mandato é de 5 anos. É ele que nomeia o Primeiro-Ministro e preside o conselho de ministros. Ao primeiro-ministro, cuja residência oficial é o Palácio Matignon, cabe a coordenação do governo.

Poder Legislativo

O Parlamento francês é bicameral, assim como por aqui: Senado, eleito indiretamente, e a Assembléia Nacional, eleita pelo voto popular. O mandato dos representantes do Senado é de 6 anos e, a cada 3 anos, um terço das vagas é submetida à eleição. A Assembléia Nacional possui maior força que o Senado, podendo vetar seus projetos.

Poder Judiciário

O poder se divide em dois no país, em tribunais civis e penais. A função do primeiro é a de julgar conflitos que surgem entre pessoas. A do segundo é julgar infrações e crimes.

Economia

A economia da França é fruto da junção de um extenso setor privado com uma intervenção estatal expressiva. Grandes áreas com terrenos férteis, aplicação de tecnologia de ponta e vários subsídios fizeram do país o principal produtor agrícola da Europa Ocidental.

O país tem destaque na indústria de automóveis, aeronáutica, alimentícia, além de uma agropecuária bastante avançada. Destacam-se, também, as indústrias mecânica, elétrica e química, geralmente situadas perto dos centros urbanos. A França também desenvolveu extraodinária tecnologia avançada no ramo da informática, além da eletrônica. Finalmente, destaca-se o crescimento expressivo da indústria de armamentos, sendo o país uma das maiores potências militares do mundo.

Até meados do século XIX, o país era voltado principalmente para a produção agrícola, com importantes atividades que envolviam o artesanato. O desenvolvimento dos meios de transporte, na segunda metade daquele século, acelerou a concentração de atividades industriais em algumas áreas, principalmente nas que ficavam próximas aos grandes centros urbanos.

Na produção agrícola, os destaques são o trigo, batata-doce, milho, cevada, uva, batata, frutas, aveia, girassol, hortaliças, beterraba, tabacos e vinhos.

Na pecuária e pesca suas maiores produções são as de bovinos, súinos, ovinos, caprinos, bacalhau, badejo e sardinha.

Importantes produções de minérios ficam por conta do carvão, ferro, sais de potássio, bauxita, zinco, chumbo, ouro, petróleo, gás natural, gipsita e aço.

Na indústria química, alguns dos commodities são o cimento, produtos siderúrgicos, produtos químicos, alumínio, automóveis, aviões, máquinas, metalúrgica e produtos de alta tecnologia de ponta.

População

A população da França está estimada em 64,4 milhões, sendo que aproximadamente 17% desse contingente vivem ao redor de Paris, em sua região metropolitana. A média da taxa de crescimento da população é de 0,6%. A população economicamente ativa é de 25 milhões. Cerca de 20% da população já passou dos 60 anos, o que o caracteriza como um país em envelhecimento.

Uma ampla variedade de religiões é praticada no país, pois a liberdade de culto é um direito assegurado na Constituição vigente. De acordo com a última pesquisa, publicada em 2007, 51% da população se disseram católicos, 31% agnósticos ou ateus, 4% se declararam muçulmanos, 3% protestantes e 1% judeus.

Em 2003, o crescimento natural da população francesa foi responsável por quase todo o crescimento na União Européia. Em 2004, seu crescimento foi de 0,68% e cresce até os dias de hoje.

Em 2004, mas de 140 mil pessoas imigraram para o país. Desses, quase 91 mil vieram da áfrica e 13 mil da europa. A França é um país com grande diversidade étnica. De acordo com um estudo, há quase 5 milhões de imigrantes estrangeiros, sendo que 2 milhões conseguiram a cidadania. A população rural tem caído bastante nas últimas décadas.

A língua oficial do país é o francês. É o único país da europa ocidental que não possui mais de uma língua oficial. Entretanto, são faladas 77 línguas regionais em todos os lugares do país. Nos últimos anos, essas línguas tem sido ensinadas em algumas escolas.

Principais Cidades

Paris

A cidade tem o dom de estimular os seus sentidos! A cidade é a essência do povo francês. Com inúmeras avenidas a serem descobertas, vários monumentos e arte espalhada por toda parte te encherão os olhos! Sua culinária é única e aclamada no mundo inteiro! Você poderá se deliciar com uma seleção fantástica de pratos feitos a partir de ingredientes como o queijo, chocolate, vinho e frutos do mar. Há também a possibilidade de você andar pela bastilha usando apenas seus patins! E, como não poderia faltar, por que não dar uma passadinha para conhecer a torre Eiffel, a mais famosa do mundo?

A maioria dos museus e lojas são fechadas nos feriados públicos. Quando eles caem na terça ou na quinta, normalmente as segundas e as sextas são enforcadas.

O dia nacional da França, que acontece em 14 de julho, comemora a queda da bastilha, que deu início à famosa revolução francesa. O feriado é celebrado com muita festa e fogos de artifício por toda a cidade!

Muitos das atrações do lugar ficam bem perto do seu rio, e seus quartiers possuem suas personalidades, para que você possa ter contato com várias coisas sem ter que andar muito. Os museus, monumentos e as duas ilhas são frequentemente visitadas por turistas!

Seja lá o que você goste, em Paris você tem muitas opções! Para começar a noite, você pode ir a uma ópera ou a um clube de jazz. Logo depois, poderá ir a uma boate curtir uma boa música eletrônica ou simplesmente se entregar ao ritmo contagiante da salsa! O cinema e teatro são opções literalmente sem limites! Os que já estiverem sem energias podem recuperá-las indo a um dos inúmeros bares que a cidade oferece!

Marselha

A cidade cosmopolita de Marselha é a cidade mais velha da França. Seus destaques são a música e o seu time de futebol! Mistura elementos antigos com contemporâneos, gerando uma atmosfera única no mundo!

Suas belezas naturais são de tirar o fôlego! Ilhas paradisíacas, inúmeras praias, uma vida marinha riquíssima e fiordes monumentais te esperam para uma das melhores viagens da sua vida!

Em março, a cidade celebra o seu carnaval. Já em junho, no Chateau Gombert, há o festival Saint Éloi, o padroeiro dos agricultores. Em julho, acontece a maior competição de bacias, que não pode ser perdida!

Em agosto, há uma procissão para Notre Dame de la Garde e a Catedral matriz. No mês de outubro, a Fiesta des Suds toma conta da Doca des Suds e contagia a todos com uma festa sem igual! Além desses, há o Festival de Música Sagrada, combinado ao belíssimo mar mediterrâneo!

Marselha celebra o natal de uma forma muito especial! O gros souper, tradicional festa de natal, é acompanhado às famosas treze sobremesas e o pompe à l'huile, que é um tipo de massa confeccionada especialmente para essa ocasião!

Lyon

Lyon é a capital gastronômica da França, com inúmeros pratos e uma grande quantidade de restaurantes à sua disposição! Acrescente a essa receita dois maravilhosos rios, alguns anfiteatros romanos e uma boa dose de arquitetura renascentista e você terá dias de muita diversão e lazer!

Além de suas diversões, Lyon é uma cidade com grande influência comercial e financeira para o país.

Sua cultura permite a você desfrutar de uma cidade que oferece opções para os mais quietos e para os mais agitados! Se você é quieto, vá a um dos vários museus de arte espalhados pela cidade, por exemplo! Se você gosta de ambientes mais agitados, escolha uma das boates disponíveis e não se arrependerá!

Nas épocas mais quentes, o Tout L'Monde Dehors e o Les Nuits de Fourvière te oferecem dias de apresentações e shows ao vivo ao ar livre! Já no inverno, o espetáculo fica por conta da Fête des Lumières, um distinto festival com o frio como tema! Ótima pedida para você que gosta de apreciar temperaturas mais baixas!

Fonte: www.portaldointercambio.com.br