Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Regras Do Futsal - Página 2  Voltar

Regras do Futsal

REGRA 9

CONTAGEM DE TENTOS

1. Respeitadas as disposições em contrário referidas nesta regra, será válido o tento quando a bola ultrapassar inteiramente a linha de fundo entre os postes de meta e sob o travessão, contanto que não tenha sido arremessada , carregada ou impulsionada com a mão ou braço de atleta atacante.

2. A equipe que tenha consignado maior número de tentos será considerada vencedora da partida. Se houver igualdade no número de tentos assinalados por cada equipe ou se nenhum for consignado pelas equipes disputantes, a partida será considerada empatada.

3. Se durante a partida ocorrer deslocamento do travessão ou dos postes de meta, coincidentemente com o chute a meta, o árbitro poderá validar o tento se a bola houver cruzado a linha de fundo, entre os postes e o travessão quando de sua posição normal.

4. Quando do sinal do encerramento da partida, se a bola estiver na trajetória da meta e a bola penetrar na mesma, sem tocar em qualquer outro atleta, o tento será válido. A bola de saída não precisará ser executada . O árbitro encerrará a partida assim que a bola concluir sua trajetória, tocar ou ser tocada por qualquer outro atleta ou bater nos postes ou travessão de meta e retornar.

5. Não será válido o tento resultante de bola de saída e tiro livre indireto, a menos que a bola, em sua trajetória, toque ou seja tocada por qualquer outro atleta, Inclusive o goleiro, colocados dentro ou fora de sua área de meta.

6. Será nulo o tento originado de qualquer arremesso do goleiro adversário ou de arremesso de meta por ele executado com as mãos, salvo se a bola, em sua trajetória, tocar ou for tocada por atleta (atacante ou defensor) que não seja goleiro.

7. Se, ao assegurar ou arremessar a bola, ou dar um munhecasso na mesma, o goleiro permitir que a bola entre na sua meta e ultrapasse inteiramente a linha de fundo, entre os postes o sob o travessão de meta, o tento será considerado válido.

REGRA 10

FALTAS E INCORREÇÕES

1. As faltas do Futsal são das seguintes espécies:

a. Faltas Técnicas;

b. Faltas Pessoais;

c. Faltas Disciplinares.

FALTAS TÉCNICAS

2. Considera-se falta técnica aquela em que o atleta comete, intencionalmente, uma das seguintes infrações:

a. Dar ou tentar dar pontapé no adversário;

b. Calçar o adversário, isto é, derrubar ou tentar fazê-lo usando as pernas, agachando-se na frente ou por trás dele;

c. Pular ou atirar-se sobre o adversário;

d. Trancar o adversário de maneira violenta e perigosa;

e. Trancar o adversário por trás, a menos que por ele esteja sendo obstruída a jogada;

f. Bater ou tentar bater em adversário ou lançar-lhe uma cusparada;

g. Segurar um adversário com as mãos ou impedi-lo de ação com qualquer parte do braço;

h. Empurrar o adversário com o auxílio das mãos ou dos pés;

i. Trancar o adversário com o ombro;

j. Projetar-se ao solo, deliberadamente, e com o uso dos pés tentar tirar que esteja sendo jogada ou de posse do adversário;

k. O atleta segurar ou desviar a bola intencionalmente carregá-la, ou batê-la ou impulsioná-la com a mão ou braço, excetuando-se o goleiro dentro de sua área de meta.

PUNIÇÃO

Será punido com a cobrança de um tiro livre direto a ser executado pela equipe adversária no local onde ocorreu a infração, se cometida fora da área de meta do infrator.

Na hipótese dessa ocorrência ser dentro da área de meta, uma penalidade máxima será cobrada pela equipe adversária. Uma penalidade máxima deverá ser assinalada qualquer que seja a posição da bola no momento que a falta é praticada dentro da área de meta do infrator e que a bola esteja em jogo.

FALTAS PESSOAIS

3. Pratica falta pessoal um atleta que comete intencionalmente uma das seguintes infrações:

a. Jogar perigosamente, inclusive tocando no goleiro, ao tentar tirar a bola das mãos deste após a mesma ter sido agarrada e estar retida em suas mãos;

b. Quando, sem a posse ou domínio da bola obstruir, intencionalmente , um adversário correndo entre a bola e o mesmo de maneira a formar um obstáculo às pretensões do adversário em relação a bola;

c. Trancar o goleiro, salvo se este se encontra fora de sua área de meta;

d. Sendo o goleiro:

1. Arremessando a bola com as mãos ou movimentando-a com os pés, dentro de sua área de meta, não poderá ultrapassar a linha demarcatória central da quadra sem antes bater no solo (excluída sua área de meta) ou em qualquer atleta colocado na própria meia quadra do goleiro aqui classificado, salvo-se, ultrapassando a referida linha divisória central, ficar de posse do atleta da equipe adversária. Se esta situação não for obedecida, a equipe do goleiro infrator será punida com um tiro livre em favor da equipe adversária, ordenando o árbitro a imediata reposição da bola em jogo e colocada em qualquer ponto da linha demarcatória do meio da quadra.

2. Toca ou controla a bola com suas mãos depois que um seu companheiro a tenha passado deliberadamente com o pé.

3. Toca ou controla a bola com suas mãos depois de um arremesso lateral efetuado por um seu companheiro, passando-lhe diretamente.

4. Toca ou controla a bola com suas mãos ou com os pés por mais de 4(quatro) segundos, em qualquer parte da quadra de jogo.

5. Após haver soltado a bola ou arremessado-a com as mãos ou movimentado a mesma com os pés volta a recebê-la de um companheiro de equipe sem que a bola tenha antes ultrapassado a linha demarcatória do meio da quadra ou tenha sido jogada ou tocada por um adversário.

e. Obstruir a jogada, prender a bola com os pés ou evitar com o corpo sua movimentação, estando o atleta caído, exceto se for o goleiro, dentro de sua área de meta;

f. Tocar na bola, em jogo, um atleta que não esteja devidamente equipado;

g. Usar expressão verbal ou vocal para enganar atleta adversário, fingindo ser seu companheiro de equipe e tirado vantagens do lance;

h. Ficar parado na frente do goleiro adversário com o propósito de obstruir sua visão e dificultar a sua ação ou movimento.

i. Permanecer a bola mais de 4 (quatro) segundos dentro da própria área de meta e estando a mesma em condição de jogo ou de ser jogada. A falta pessoal incidirá sobre o último atleta que tenha tocado na bola quando da caracterização desta infração.

j. Persistir os atletas, quando de posse de bola, na troca de passes com o deliberado propósito de ganhar tempo ou retardar o andamento da partida, estejam colocados dentro ou fora da respectiva área de meta.

k. Imobilizar a bola dentro ou fora de sua área de meta, com o domínio dos pés, por mais de 4 (quatro) segundos, estando a mesma em condições de ser jogada.

l. Levantar os pés para chutar para trás (bicicleta) ou chutar com o calcanhar e, mesmo sem intenção, atingir o adversário próximo à jogada ou tentar atingi-lo perigosamente.

m. Praticar qualquer jogada sem visar o adversário mas, involuntariamente, atingi-lo ou tentar atingi-lo perigosamente.

PUNIÇÃO

Será punido a equipe infratora, com a cobrança de um tiro livre indireto a ser executado, pelo adversário, no local onde ocorreu a infração, se cometida fora da área de meta do infrator. Se cometida dentro da área de meta do infrator, o tiro livre indireto deverá ser executado sobre a linha de 6 (seis) metros da área de meta e o mais próximo do local onde ocorreu a infração.

FALTAS DISCIPLINARES

4. Consideram-se faltas disciplinares, com a cobrança dos atletas, técnicos ou treinadores, massagistas, médicos e preparadores físicos, qualquer das seguintes infrações:

a. Entrar na quadra de jogo para recompor sua equipe antes de transcorridos os 2 (dois) minutos de expulsão temporária ou de sua equipe ter sofrido um tento;

b. Infringir, persistentemente as regras de jogo;

c. Demonstrar por palavras ou atos divergências das decisões tomadas pelo árbitro;

d. Ser responsável por indisciplina cometida;

e. Trocar o seu número de camisa sem avisar o anotador é o árbitro;

f. Dirigir-se na quadra de jogo, durante a partida, ao árbitro principal, ao árbitro auxiliar, ao anotador e ao cronometrista para deles reclamar ou discordar ou, para discutir com o público;

g. Numa interrupção da partida, estando a bola junto ou indo em direção do atleta e este afastar-se, propositadamente, deixando a bola passar para retardar o reinicio da partida.

PUNIÇÃO

Se a partida for interrompida para aplicação de pena disciplinar prevista nesta regra, o reinicio da mesma dar-se-á com a cobrança de um tiro livre indireto no local onde a bola se encontrar no momento da paralisação, salvo se esta se encontrava dentro da área de meta adversária, quando a bola deverá ser colocada sobre a linha de 6 (seis) metros da área de meta e no local mais próximo de onde ocorreu a paralisação. A interrupção da partida em hipótese alguma poderá beneficiar a equipe infratora, devendo o árbitro deixar prosseguir a jogada e, na conclusão do lance, adotar as medidas disciplinares necessárias, salvo se a bola, quando da infração, estiver de posse de atleta da equipe infratora. Se na ocorrência da infração a partida estiver paralisada, o árbitro aplicará, ao infrator, a pena disciplinar de advertência.

DAS APENAÇÕES

5. O atleta que cometer durante o transcorrer da partida, 5 (cinco) faltas técnicas e/ou pessoais, será desclassificado da mesma.

6. Um atleta será expulso da quadra de jogo se, na opinião do árbitro:

a. For culpado de conduta violenta.

b. For culpado de jogo brusco grave.

c. Fizer manifestações injuriosas ou grosseiras.

d. Praticar pela segunda vez infração punível com cartão amarelo de advertência, independente de ser reincidente ou não.

Se a expulsão provocar a interrupção da partida por infração às letras "c" e "d" sem que nenhuma outra infração tenha sido cometida, a partida será reiniciada com a cobrança de um tiro livre indireto no local onde ocorreu a infração, salvo se tenha ocorrido dentro da área de meta do infrator, quando a bola deverá ser colocada sobre a linha de 6 (seis) metros da área de meta e no ponto mais próximo de onde ocorreu a infração.

7. Punição de atletas, técnico ou treinador, massagista, médico e preparador físico será determinada pela exibição de cartões com as seguintes cores:

a. Cor amarela, significa advertência.

b. Cor vermelha, significa expulsão.

8. Se um atleta, conduzindo a bola, dirige-se à meta adversária em condições plenas de assinalar um tento e, de maneira intencional um adversário, com meios ilegais, impede que a equipe do atleta atacante assinale o tento, o atleta infrator deverá ser expulso da quadra por jogo brusco grave.

9. Se um atleta, que não seja o goleiro, impede em sua própria área de meta que um adversário assinale um tento mediante o uso intencional da mão, deverá ser expulso da quadra por jogo brusco grave.

10. Deverá ser mostrada ao atleta, obrigatoriamente o cartão de cor amarela ocorrendo uma das seguintes infrações:

a. Agarrar um adversário, quer pela camisa quer por qualquer parte do corpo, assintosamente, com o objetivo de interromper a jogada.

b. Usar deliberada e intencionalmente a mão, cortando a trajetória da bola, propositadamente, com o objetivo de interromper a jogada, impedindo a passagem da bola e evitando perigo de gol contra a sua equipe.

c. Impedir, tentar impedir ou dificultar a cobrança de um tiro livre sem direito à formação de barreira contra sua equipe.

11. Os árbitros padrão determinar, sem necessidade de prévia advertência, a expulsão do atleta que infringir, assintosamente, qualquer dos itens desta regra.

12. A expulsão do atleta reserva, técnico ou treinador, massagista, médico e preparador físico, do banco de reservas, será definitiva para o apenado e não implica em expulsão temporária para a equipe.

13. A expulsão de atleta participante da partida será temporária para a equipe e pelo tempo de 2 (dois) minutos, após o que a mesma poderá ser recomposta com outro atleta em seu lugar. O atleta expulso estará definitivamente excluído e não poderá retornar nem permanecer no banco de reserva.

14. Caso a equipe infratora, no decurso dos 2 (dois) minutos sofra a marcação de um tento, poderá a mesma recompor-se imediatamente.

15. Estando 2 (dois) atletas da mesma equipe cumprindo a expulsão temporária e ocorrendo a hipótese do item 14, poderá a equipe recompor-se incluindo um atleta a cada vez.

16. Decorridos os 2 (dois) minutos de expulsão temporária (item 13) ou na assinalassão de um tento (item 14), a recomposição da equipe com a entrada de outro atleta, somente poderá ocorrer com a bola fora de jogo e com a devida autorização do árbitro.

REGRA 11

TIROS LIVRES

1. Tiros livres são os chutes desferidos, quando da reposição da bola em jogo, em razão da paralisação da partida por assinalação de alguma infração.

2. Os tiros livres classificam-se em duas categorias: o tiro direto, através do qual se pode consignar diretamente um tento contra a equipe que cometeu a infração e tiro livre indireto, através do qual não se pode consignar diretamente um tento, salvo se a bola, antes de entrar na meta, seja tocada ou jogada por um atleta que não seja o executor do chute.

3. Na cobrança de tiro livre a bola deverá estar imóvel sobre o piso e a sua movimentação poderá ser feita para qualquer parte da quadra, entrando em jogo tão logo percorra uma distância igual a sua circunferência.

4. Antes da execução de um tiro livre nenhum atleta da equipe adversária poderá aproximar-se a menos de 5(cinco) metros da bola até que a mesma esteja em jogo.

5. Numa linha imaginária, entre a bola e o atleta executante da cobrança do tiro livre, qualquer que seja a distância por ele tomada, não poderá haver nenhum atleta da equipe adversária, na linha de ação do executante.

6. Quando da cobrança de um tiro livre, se os atletas da equipe infratora estiverem a uma distância mínima de 5 (cinco) metros da bola, o árbitro autorizará a imediata cobrança do tiro livre, independente da formação da barreira de atletas.

7. Se o atleta da equipe adversária não respeitar a distância de 5 (cinco) metros da bola, antes do tiro livre ser executado e a bola movimentada, o árbitro mandará repetir a cobrança do tiro livre e, na reincidência, advertirá o atleta.

8. No caso de um tiro livre a favor da equipe atacada, dentro de sua área de meta, o goleiro não poderá receber a bola, diretamente, para que a ponha em movimento logo em seguida. a bola deverá ser chutada diretamente para fora da área de meta. Se esta situação não for cumprida, o tiro livre deverá ser repetido, aplicando-se ao infrator, ou infratores, inicialmente a advertência e, na repetição da falta, a expulsão por indisciplina.

9. Se o atleta que executar a cobrança de um tiro livre volta a jogar ou tocar na bola antes que outro atleta o faça, será concedido um tiro livre indireto em favor da equipe adversária no local onde ocorreu a infração, salvo se ocorrer dentro da área de meta da equipe infratora, quando o tiro indireto deverá ser executado com a bola colocada sobre a linha de 6 (seis) metros da área e no local mais próximo de onde ocorreu a infração.

10. Se o atleta que for executar o tiro livre demorar mais de 4 (quatro) segundos para movimentar a bola, sua equipe será punida com a marcação de um tiro livre indireto contra a mesma.

11. Para distinguir se o tiro livre é direto ou indireto, o árbitro, quando assinalar um tiro livre indireto erguerá um dos braços sobre sua cabeça, devendo mantê-lo erguido até que o tiro indireto seja executado e a bola seja jogada ou tocada por outro atleta ou saia da quadra de jogo.

12. A distância mínima de 5 (cinco) metros indicada nos itens 4, 6 e 7 desta regra será de 3 (três) metros quando se tratar de quadra com área de meta de 4 (quatro) metros.

REGRA 12

FALTAS ACUMULATIVAS

1. Serão consideradas como "Faltas Acumulativas" todas as faltas Técnicas, Pessoais e Disciplinares(estas quando punidas com cartão amarelo) capituladas na regra nº 12, além das seguintes situações :

a. O cartão amarelo de advertência, que não seja originário de falta ou infração, é de anotação obrigatória na súmula de jogo como falta acumulativa da equipe.

b. Se o cartão amarelo de advertência for aplicado a atleta participante da partida ou integrante do banco de reservas, anotar-se-á na súmula de jogo como falta acumulativa da equipe.

c. Se o cartão amarelo de advertência for aplicado ao técnico ou treinador, ao massagista, ao médico ou ao preparador físico, anotarse-á uma falta cumulativa para a equipe.

1. As primeiras 5(cinco) faltas acumulativas, de cada equipe , em cada período de jogo, deverão ser registradas na súmula da partida.

2. As equipes poderão cometer, em cada período da partida, até 5 (cinco) faltas acumulativas com direito a formação de barreira de atletas.

3. Após uma equipe cometer as 5 (cinco) faltas acumulativas, em cada período do jogo, os tiros livres indiretos, previstos na regra 12, passarão a ser cobrados como tiro livre direto sem levar em consideração o tipo de infração cometida, podendo ser assinalado um tento, diretamente na cobrança desse tiro livre.

4. A partir da sexta falta cumulativa de cada equipe, em cada período de jogo, é vedada a formação de barreira de atletas;

a. Por ocasião da cobrança destes tiros livres será exigido que todos os atletas (exceção do goleiro defensor que deverá ficar dentro de sua área de meta) coloquem-se, obrigatoriamente, atrás de uma linha imaginária traçada sobre a linha da bola, paralela a linha de fundo e fora da área de meta.

b. O executor do tiro livre deverá estar plenamente identificado e, obrigatoriamente, a bola deverá ser acionada diretamente para a meta, com a intenção de assinalar um tento, vedado o passe da bola, em qualquer sentido para o atleta da própria equipe.

c. O goleiro, dentro de sua área de meta, deverá respeitar a distância mínima de 5 (cinco) metros da bola.

d. Os demais atletas em jogo deverão respeitar a distância de 5 (cinco) metros da bola e atrás da referida linha imaginária.

e. Nenhum atleta poderá obstruir o atleta executante do tiro livre nem ultrapassar a linha imaginária antes que a bola tenha percorrido distância igual a sua circunferência.

f. Se, na cobrança de um tiro livre sem direito a formação de barreira, algum atleta da equipe infratora, com exceção do goleiro, invadir o espaço vazio antes que a bola entre em jogo, respeitando a lei da Vantagem, o árbitro advertirá o atleta infrator com apresentação do cartão amarelo, repetindo a cobrança do tiro livre se for o caso.

g. Se a invasão do espaço vazio ocorrer por atleta da equipe beneficiada com o tiro livre, antes da bola entrar em jogo, o árbitro interromperá a partida dando posse de bola para a equipe adversária que reiniciará a partida com a cobrança de um tiro livre indireto no local onde ocorreu a infração.

5. Nenhum tiro livre poderá ser cobrado a uma distância inferior a 6 (seis) metros da trave de meta. Nas quadras de jogo de tamanho reduzido, onde a área de meta tiver 4 (quatro) metros, se a falta for praticada a uma distância inferior a 6 (seis) metros, o árbitro fará respeitar a distância medindo 2 (dois) metros da linha da área de meta para fora, em linha reta do meio da trave de meta em direção ao local onde ocorreu a falta.

6. A partir da sexta falta cumulativa, a equipe que cometer qualquer infração na meia quadra adversária ou em qualquer local de sua meia quadra ulterior a uma linha imaginária, paralela a linha divisória e projetada na marca do "tiro livre sem barreira" para as laterais. O árbitro determinará que, para a cobrança desta falta contra a equipe infratora, seja a bola colocada na marca indicada no item 5 da regra 1, sendo dali desferido o chute, respeitando o especificado no item 5 desta regra.

7. A partir da sexta falta cumulativa ocorrendo a infração na meia quadra da equipe infratora, no espaço vazio entre a marca de 12 (doze) metros e a área de meta, o atleta que executar o tiro livre poderá optar pela permanência da bola no local da infração ou colocada na marca indicada no item 5 da regra 1.

8. Quando ocorrer a quinta falta cumulativa, de qualquer das equipes, o anotador avisará o árbitro principal e colocará sobre sua mesa, do lado da defesa da equipe uma bandeirinha indicativa da situação.

9. O anotador utilizará plaquetas numeradas de 1 a 5 e as irá erguendo a medida que as equipes forem cometendo suas faltas cumulativas. Esta situação não será exigida quando o placar tiver dispositivo apropriado.

10. A partir do momento em que as equipes cometerem sua quinta falta cumulativa os tiros livres indiretos, previstos na regra 12, serão penalizados com a cobrança de um tiro livre direto, da mesma forma prevista para estes, exceção aos arremessos do goleiro que, igualmente aos arremessos de meta, serão sempre penalizados com tiro livre indireto cobrado sobre a linha divisória do meio da quadra.

11. Quando, por força do regulamento próprio, uma partida tiver seu tempo de duração aumentado, em prorrogação, as faltas acumulativas das equipes, praticadas no segundo período da partida, terão seqüência na prorrogação.

PUNIÇÃO

Por qualquer irregularidade praticada contra esta regra, serão adotadas as seguintes medidas:

a. Por infração da equipe defensora e um tento não tenha sido consignado, deverá ser repetida a cobrança do tiro livre.

b. Por infração de qualquer atleta da equipe atacante, salvo quem executa o tiro livre e um tento tenha sido assinalado, será anulado o tento e o tiro livre repetido.

c. Por infração do atleta que executa o tiro livre, depois de a bola entrar em jogo, a jogada será anulada e se concederá um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, no local onde ocorreu a infração.

REGRA 13

PENALIDADE MÁXIMA

1. A penalidade máxima é um tiro livre direto cuja cobrança é feita na marca correspondente e, nesse momento, todos os atletas, com exceção do goleiro e do atleta indicado para a cobrança, deverão estar dentro da quadra de jogo mas fora da área de meta do infrator e numa distância de 5(cinco) metros atrás da linha da bola.

2. O goleiro deverá postar-se, sem mexer os pés, sobre a linha de fundo e entre os postes de meta até que o chute seja executado.

3. O atleta encarregado de executar o tiro livre deverá estar plenamente identificado e deverá chutar a bola para a frente e não será permitido, o executante, tocar a bola uma segunda vez, antes que outro atleta o faça.

4. A bola estará em jogo assim que, uma vez chutada, percorrer uma distância igual a sua circunferência e, desse tiro livre poderá ser marcado um tento diretamente.

5. Se, quando a penalidade máxima for executada e a bola bater no goleiro antes de passar entre os postes e travessão de meta, esgotando-se o tempo de duração do 1º ou 2º período da partida, o tento será válido.

6. Concluído o tempo regulamentar do 1º ou 2º período da partida, se houver uma prorrogação para a cobrança de penalidade máxima, a partida será encerrada anulando ocorrer qualquer das seguintes situações:

a. For consignado o tento;

b. A bola for defendida pela linha do fundo;

c. A bola sair pela linha de fundo;

d. A bola bater num dos postes ou travessão da meta e retornar;

e. A bola chutada fracamente parar antes de chegar ao seu destino.

PUNIÇÃO

Para as infrações a esta regra, será obedecido o seguinte:

f. Em caso de qualquer irregularidade por parte da equipe infratora, o tiro livre de penalidade máxima será repetido, caso não tenha resultado em tento.

g. Em caso de qualquer irregularidade da equipe beneficiada e desde que não tenha sido executada pelo atleta executante do tiro, o mesmo será repetido se dele houver resultado em tento.

h. Se cometida pelo atleta que executa a cobrança, depois de a bola entrar em jogo, se concederá um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, com a bola colocada na marca da penalidade máxima onde foi chutada a mesma.

i. se o atleta executante do tiro livre de penalidade máxima tocar na bola uma segunda vez antes que outro atleta o faça ou demorar mais de 4 (quatro) segundos para executar o tiro, conceder-se-á um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, com a bola colocada na marca da penalidade máxima de onde se encontrava a mesma.

REGRA 14

ARREMESSO LATERAL

1. O arremesso lateral será cobrado sempre que a bola atravessar inteiramente as linhas laterais, quer pelo solo, quer pelo alto.

2. O retorno da bola à quadra de jogo dar-se-á com a movimentação da mesma com os pés no exato local onde saiu a bola, em qualquer direção, executado por um atleta adversário daquela equipe que tocou a bola por último.

3. O atleta que executar o arremesso deverá fazê-lo voltado de frente para a quadra de jogo com uma parte do pé apoiada no solo, podendo pisar em parte da linha lateral ou do lado de fora da mesma.

4. A bola estará em jogo assim que o arremesso lateral for concretizado de acordo com as regras e a bola percorrer uma distância igual a sua circunferência.

5. Se a bola for arremessada de maneira irregular, o árbitro determinará a reversão do lance, cabendo a um atleta da equipe adversária a execução de um novo arremesso.

6. Se um atleta arremessar a bola contra a sua própria meta e a bola penetrar na mesma, tocando ou não no goleiro, o tento não será válido. O árbitro determinará que a partida seja reiniciada com a cobrança de arremesso de canto a favor da equipe adversária.

7. Se um atleta arremessar a bola contra a meta adversária e a bola penetrar na mesma, tocando ou não no goleiro, o tento não será válido. O árbitro determinará que a partida seja reiniciada com a cobrança de arremesso de meta a favor da equipe adversária.

8. Quando da realização do arremesso lateral, os atletas adversários deverão respeitar a distância mínima de 3 (três) metros de seu executor.

9. Na execução do arremesso lateral é suficiente que a bola esteja apoiada no solo, colocada sobre ou junto à linha demarcatória da lateral, do lado de fora da quadra de jogo, podendo mover-se levemente.

PUNIÇÃO

a. Se um atleta arremessar a bola e tocar uma segunda vez na mesma, antes que qualquer outro atleta o faça, sua equipe será punida com a cobrança de um tiro livre indireto a favor da equipe adversária no exato lugar onde se encontrava a bola, salvo se dentro da área de meta, quando então, será cobrado sobre a linha de 6 (seis) metros da área e no ponto mais próximo de onde ocorreu a infração.

b. Se um atleta demorar mais de 4 (quatro) segundos para executar o arremesso lateral, o árbitro determinará reversão do lance, cabendo a um atleta da equipe adversária a execução do novo arremesso.

REGRA 15

ARREMESSO DE META

1. Dar-se-á arremesso de meta sempre que a bola atravessar inteiramente a linha de fundo pelo alto ou pelo solo, excluída a parte compreendida entre os postes e sob o travessão de meta, após ter sido tocada ou jogada pela última vez por atleta da equipe atacante.

2. A execução do arremesso da meta dar-se-à exclusivamente pelo goleiro e com o uso das mãos, não podendo ultrapassar a linha demarcatória do meio da quadra exigindo-se que:

a. Toque a bola no solo na meia quadra do goleiro executante, excluída sua área de meta, ou,

b. Toque a bola em qualquer atleta na meia quadra do goleiro executante, ou,

c. Qualquer atleta adversário entre de posse ou toque na bola em qualquer local da quadra de jogo.

3. A execução de um arremesso de meta será considerado efetivado quando a bola ultrapassar a linha demarcatória da área da meta.

4. Quando da execução de um arremesso de meta os atletas da equipe adversária deverão estar colocados fora da área da meta do goleiro executor

PUNIÇÃO

a. Quando o arremesso de meta é executado e, após a bola sair da área de meta, o próprio goleiro antecipa ao lance e toca na bola uma segunda vez, fora de sua área de meta, antes que outro atleta o faça, contra a equipe do infrator será cobrado um tiro livre indireto com a bola colocada no local onde ocorreu a infração.

b. Quando o arremesso de meta é executado e infringe o item 2 desta regra, um tiro livre indireto será concedido em favor da equipe adversária, com a bola colocada em qualquer ponto da linha divisória do meio da quadra.

c. Se ao ser feito o arremesso de meta, ainda dentro da área de meta do goleiro executor, a bola for tocada ou jogada por um atleta da própria equipe do goleiro ou da equipe adversária, o arremesso de meta deverá ser repetido.

d. Se o goleiro, após ter posto a bola em jogo a recebe de volta de um de seus companheiros, toca ou controla a bola com as mãos, ou com os pés, sem esta haver tocado em atleta adversário ou ultrapassado a linha demarcatória do meio da quadra, sua equipe será punida com um tiro livre indireto a favor da equipe adversária, com a bola colocada sobre a linha de 6 (seis) metros da área de meta e no ponto mais próximo de onde ocorreu a infração.

REGRA 16

ARREMESSO DE CANTO

1. Dar-se-á arremesso de meta sempre que a bola atravessar inteiramente alinha de fundo pelo alto ou pelo solo, excluída a parte compreendida entre os postes e sob o travessão de meta) quer pelo solo, quer pelo alto, após ter sido jogada ou tocada pela última vez por um atleta que estiver na defensiva.

2. O arremesso será executado por um atleta da equipe adversária, com o uso dos pés, exclusivamente. O executor do arremesso deverá ter uma parte do pé apoiada no solo, podendo pisar em parte na linha lateral ou de fundo, ou do lado de fora. O arremessador deverá estar de frente para a quadra de jogo, no vértice do ângulo formado pelas linhas lateral e de fundo, no ponto em que se juntam.

3. Inobservadas, pelo executante, quaisquer das condições exigidas para o arremesso, a posse de bola transferir-se-á para a equipe adversária e a partida reiniciada com a cobrança de um arremesso de meta pela equipe adversária.

4. A bola estará em jogo assim que o arremesso de canto for concretizado de acordo com a s regras e a bola percorrer uma distância igual a sua circunferência.

5. Se um atleta arremessar a bola contra a meta da equipe adversária e a bola penetrar na mesma, tocando ou não no goleiro, o tento não será válido. O árbitro determinará que a partida seja reiniciada com a cobrança de arremesso de meta a favor da equipe adversária.

6. Quando da cobrança de arremesso de canto, os atletas adversários deverão respeitar a distância mínima de 3 (três) metros de seu executor.

7. Na execução do arremesso é suficiente que a bola esteja apoiada no solo, colocada sobre ou junto às linhas demarcatórias onde se unem as linhas lateral e de fundo, podendo mover-se lentamente.

PUNIÇÃO

1. Se um atleta arremessar a bola e tocar na mesma uma segunda vez antes de qualquer outro atleta, sua equipe será punida com a cobrança de um tiro livre indireto no exato lugar onde se encontrava a bola.

2. Se um atleta demorar mais de 4 (quatro) segundos para executar o arremesso de canto, o árbitro determinará perda de posse de bola e a partida é reiniciada com a cobrança de um arremesso de meta a favor da equipe adversária.

ANEXOS

LEI DA VANTANGEM

Os árbitros têm por dever prioritário facilitar às equipes disputantes a oportunidade de praticar um FUTSAL atrativo aos espectadores, exigindo dos atletas a obediência às regras. Contudo devem evitar interrupções da partida sob qualquer pretexto, apitando excessivamente, aborrecendo os atletas e assistência, comprometendo o brilho do espetáculo.

A "Lei da Vantagem" assegura prerrogativas aos árbitros para deixar de assinalar faltas em que os infratores se beneficiem , com exceção dos casos em que se impõe a marcação para não malferir a exigível disciplina ou observância das regras.

O FUTSAL inclui-se entre os desportos que vedam aos árbitros a oportunidade de exibir conhecimentos outros que não se limitam ao estabelecido pelas leis do jogo, devendo sua intervenção circunscrever-se ao absolutamente necessário, dentro do exigido pelas regras, propiciando decisões amparadas na lógica e no bom senso.

A título de exemplo, se um atleta defensor, para evitar a transposição da bola pela linha de meta, já vencido seu goleiro, numa tentativa de evitar o tento, usa as mãos, mas não consegue seu intento, a regra, tal como as leis, vendo os casos na sua generalidade, determina marcação da falta anulando a validade do tento, mas a decisão correta é validar o tento deixando de lado que antes do trajeto da bola para as redes, ocorreu uma infração técnica.

Outro exemplo é o de que um atleta atacante ao desfrutar de situação privilegiada para consignar um tento sofre uma das faltas caracterizadas pela infração a regra 12 (doze), mas, mesmo assim, consegue ficar da posse da bola e prossegue na jogada, a decisão que mais uma vez se impõe é a não marcação da falta que, sem dúvida, irá beneficiar o infrator.

Num outro exemplo tem-se a ação do atacante correndo com a bola dominada, perseguido por um antagonista que, por lhe faltar velocidade, atira-se ao solo e prende entre suas pernas as do adversário. Apesar da ilegalidade cometida, um outro atleta da equipe atacante consegue ficar de posse da bola e, concluindo a jogada, consigna o tento para a sua equipe. A decisão mais correta é não apitar a falta acolhendo como perfeita a marcação do tento.

Dentro deste critério, se o árbitro a julgar as possibilidades do atacante conquistar o tento, deixa o jogo prosseguir, porém o atleta ao aproximar-se da meta chuta a bola e esta choca-se com um dos postes ou travessão, não deve, apitar a falta anterior nem mesmo que o seu local tenha sido a área de penalidade máxima.

Inicialmente agiu corretamente o árbitro não punindo a equipe infratora, de acordo com a "Lei da Vantagem", pois o lance poderia resultar na punição maior, ou seja, a conquista do tento pelo adversário. Contudo, não sendo na continuidade da jogada, aproveitada a vantagem pelo atleta atacante, o árbitro não deve beneficiá-lo uma segunda vez, marcando a falta.

Verifica-se, por vezes, que assinalando faltas de atletas infratores beneficiando-os, imerecidamente, os árbitros materializam desvantagens para os atletas atingidos que, além de sofrer a ilegalidade de uma jogada, ficam privados de obter a incidência salutar e benéfica da "Lei da Vantagem" em favor de sua equipe.

Assim, a "Lei da Vantagem", que tem lastro de preservação do direito e da razão, deve ser empregada em todos os momentos do jogo, pois sua aplicação propicia agilidade, colorido e emoção ao desporto, valorizando o Futsal na sua prática.

DECISÃO POR PENALIDADES

As condições abaixo deverão ser observadas na cobrança de penalidades máximas para se determinar, na decisão de competições por eliminatória, cuja partida tenha para se determinar, na decisão de competições por eliminatória, cuja partida tenha terminado empate, qual das duas equipes deverá ser declarada vencedora de uma competição ou partida.

Para cobrança das penalidades máximas se observará o seguinte:

a. O árbitro principal deverá escolher a meta na qual executará as penalidades máximas.

b. Deverá sortear, através de uma moeda, qual das duas equipes executará a cobrança da primeira penalidade máxima.

c. Alternadamente se executarão 5(cinco) penalidades máximas para cada equipe que deverão ser cobradas por cinco atletas diferentes, indicados ao árbitro pelo capitão da equipe antes do início da cobrança das penalidades máximas dentre os 12 (doze) atletas constantes na súmula da partida antes de iniciada a mesma.

d. Se depois de cada equipe executar a cobrança das 5 (cinco) penalidades máximas e ambas as equipes tenham marcado a mesma quantidade de tentos, ou não tenham marcado nenhum, a execução das penalidades máximas deverá continuar até o momento que uma das equipes, executando o mesmo número de cobranças, obtenha vantagem de um tento a mais que a outra.

e. Estas penalidades máximas adicionais deverão ser executadas por atletas que não tenham cobrado as 5 (cinco) primeiras penalidades máximas. Uma vez que todos tenham cobrado uma penalidade máxima, os atletas mencionados no item "c" continuarão com as cobranças das penalidades máximas na mesma ordem.

f. O atleta que tenha sido expulso ou desclassificado da partida não poderá cobrar a penalidade máxima.

g. Qualquer atleta poderá trocar sua posição com o goleiro.

h. Enquanto se executa a cobrança de penalidades máximas todos os atletas deverão estar no interior da quadra de jogo, na metade onde não se executam as penalidades máximas. O árbitro auxiliar controlará esta parte da quadra e mais os atletas que ali se encontram.

DAS APENAÇÕES

EXTRAÍDO DO REGULAMENTO DE CERTAMES

Art.59- A aplicação de cartões punitivos, estabelecidos nas Regras Nacionais de Futsal, nas cores: Amarelo(advertência) e Vermelho(expulsão) constitui medidas preventivas de inequívoca eficácia no campo desportivo, objetivando refrear a violência individual e coletiva.

§1º- Sujeitar-se á ao cumprimento da suspensão automática e conseqüente impossibilidade de participar da partida subsequente o atleta, técnico ou treinador, massagista, médico ou preparador físico que na mesma competição receber:

a. Um (1) cartão vermelho(expulsão) ou

b. Dois(2) cartões amarelos(advertência)

§2º- A aplicação da suspensão automática independe do resultado do julgamento a que for submetido no âmbito da Justiça Desportiva.

Art. 60- A contagem de cartões(vermelho ou amarelo) é feita dentro da mesma competição nacional, seja ela dividida, ou não, em fases, daí porque os cartões recebidos na fase eliminatória serão agregados àqueles que porventura vierem a ser aplicados na fase decisiva, para fins de suspensão automática.

§ único- A quantidade de cartões recebidos independe da comunicação oficial da CBFS, sendo de responsabilidade exclusiva das equipes disputantes da competição o seu controle e cumprimento.

Art. 61- A contagem de cartões, para fins de aplicação da suspensão automática é feita separadamente e por tipologia de cartões, não havendo possibilidade de o cartão vermelho apagar o amarelo, já recebido na mesma ou em outra partida da competição.

§ único- Se o mesmo atleta, técnico ou treinador, massagista, médico ou preparador físico, em determinado momento da competição, simultaneamente, acumular 2 (dois) cartões amarelos e mais 1 (um) cartão vermelho, cumprirá automaticamente a suspensão por 2 (duas) partidas.

Art. 62- A equipe que utilizar em qualquer partida válida por competição nacional de futsal sujeitar-se-á:

a. Perda automática dos pontos ganhos na partida, em caso de vitória, com atribuição de 3 (três) pontos ganhos à equipe adversária.

b. Perda automática dos pontos ganhos na partida, em caso de empate, com a atribuição de 3 (três) pontos ganhos à equipe adversária.

c. Ratificação de 0 (zero) pontos ganhos na partida, em caso de derrota ou empate sem tentos, com atribuição de 3 (três) pontos ganhos à equipe adversária.

§ único- A irregularidade do atleta configurar-se-á na hipótese de:

1. Inexistência de inscrição ou revalidação anual na CBFS ou falta de inscrição do atleta para a disputa da competição;

2. Jogar pela equipe embora esteja cumprindo estágio de transferência;

3. Atuar, quando sujeito ao cumprimento de suspensão automática, por força de cartão amarelo ou vermelho;

4. Participar da partida quando sujeito ao cumprimento de penalidade administrativa prevista do regulamento da competição ou aplicada pela Justiça Desportiva;

5. Praticar outras irregularidades tipificadas como infração às Regras Nacionais do FUTSAL ou a este Regulamento.

Art. 63- A inclusão de técnico ou treinador, massagista, médico ou preparador físico, automaticamente suspenso por apenação de cartões, implicará na perda de pontos que eventualmente tenha ganho a equipe infratora que utilizou, com atribuição de 3 (três) pontos à equipe adversária.

§ 1º- Os atletas, técnicos ou treinador, massagista, médico ou preparador físico que tenham sido expulsos da partida ou que estejam cumprindo penalidade disciplinar de suspensão, quando presentes no local dos jogos deverão se posicionar, obrigatoriamente, no lado oposto do local onde se encontra o banco de reserva de sua equipe na quadra de jogo;

§ 2º- Sendo inacessível para o público o lado oposto da quadra de jogo, deverão os mesmos se posicionarem no lado onde se encontra o banco de reserva da equipe adversária.

Art. 64- Se uma partida for encerrada por falta do número mínimo legal de atletas determinado pelas regras, a equipe que não tiver número mínimo de atletas será considerada perdedora somando-se os 3 (três) pontos ganhos para a equipe que tinha um número mínimo de atletas para continuidade da partida.

§ único- Se nenhuma das 2 (duas) equipes possuir um número mínimo legal de atletas para a continuidade da partida, as 2 (duas) serão consideradas perdedoras e nenhum ponto será atribuído às mesmas.

Art. 65- Nas hipóteses previstas nos artigos 62, 63 e 64 deste Regulamento, o resultado registrado no encerramento da partida não será alterado, mantendo-se o mesmo

MARCAÇÃO DA QUADRA

Tamanhos Oficiais:

C.B.F.S. (jogos Oficiais)

larg. mínima: 17 m

larg. máx.: 22 m

comprimento min.: 30 m

comprimento máx.: 42 m

FIFA (entre seleções)

larg. mínima: 18 m

larg. máx.: 22 m

comprimento min.: 38 m

comprimento máx.: 42 m

Fonte: planeta terra com br

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal