Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Filhos Gêmeos  Voltar

Filhos Gêmeos

 

Lidando com filhos gêmeos

Ter filhos gêmeos não costuma ser um plano efetivo do casal.

A gravidez múltipla foge ao controle, mesmo quando há uma pré-disposição genética ou tratamentos para infertilidade.

Futuras mamães até sonham com isso, enquanto outras ficam desesperadas só de pensar nessa possibilidade. Afinal, a estrutura e o planejamento familiar são completamente modificados com a vinda de gêmeos.

O espaço físico da casa é revisto, o orçamento doméstico redobrado e os planos profissionais deixam de ser prioridade.

Atualmente, pela facilidade do ultra-som, a mãe tem como saber desde o primeiro trimestre que está à espera de mais de um bebê. Passada a surpresa inicial, os pais têm um bom tempo para se reorganizar antes da chegada dos pequenos.

Do ponto de vista médico, a gestação múltipla requer alguns cuidados especiais, como um acompanhamento mais rigoroso da gestante e do desenvolvimento dos bebês.

Mais trabalho para todos

Com os novos bebês, o trabalho é redobrado para todos.

Amamentar mais de um bebê exige da mamãe uma dose extra de disponibilidade e paciência. É perfeitamente possível amamentar mais de um, já que quanto mais eles mamam maior a produção de leite.

Dicas para mamães de gêmeos

O bom senso e o conforto da mamãe é o que mais importa. Aos poucos, vai ficando claro qual a melhor forma de fazer as coisas.

Coloque os dois bebês ao seio e cante para eles enquanto mamam;

Amamente um de cada vez e aproveite para conversar com ele individualmente;

Amamente quem acordou primeiro.

Ser pais de filhos gêmeos é muito complicado. Criá-los é mais difícil ainda. Respeitar suas particularidades e diferenças, apesar das semelhanças físicas, deve ser o objetivo principal de todos os pais que ganham mais de um filho. Reorganizar a estrutura familiar, aprender a compartilhar a atenção e contar com a ajuda de todos são alguns passos a caminho de serem pais melhores.

Filhos gêmeos - Planejamento Familiar

Normalmente planejamos ter filhos, mas nunca planejamos gemelares. A gestação múltipla foge ao controle, mesmo quando há uma predisposição genética ou tratamentos para infertilidade.

Algumas vezes até sonhamos com isso e, em outras, ficamos desesperados só em pensar nessa possibilidade.

De qualquer forma, toda a estrutura e planejamento familiar podem ser profundamente alterados com a vinda de mais um filho, de uma só vez. Muda-se a organização do espaço físico da casa, o orçamento doméstico, planos profissionais, etc.

Atualmente, pela facilidade do ultra-som , sabemos desde o primeiro trimestre quando esperamos mais de um bebê. Passada a surpresa e o susto inicial , a família ainda tem bastante tempo para poder se reorganizar antes da chegada dos recém-nascidos.

Do ponto de vista obstétrico, a gestação múltipla sempre requer alguns cuidados especiais, um acompanhamento mais cuidadoso da gestante e do desenvolvimento dos bebês. E, assim mesmo, o índice de nascimentos prematuros ainda é muito grande e muitas vezes com diferenças de peso entre os bebês e necessitando de cuidados especiais, gerando outro tipo de estresse emocional e financeiro para toda a família.

Normalmente, após o nascimento de um filho, levamos algum tempo para que comecemos a conhecê-lo e entender as suas necessidades. Quando precisamos fazer isso simultaneamente com dois ou mais bebês, esse processo é ainda mais difícil.

Algumas mães, ainda com os filhos no útero, começam um processo de diferenciação, dizendo que um é mais inquieto ou mais dorminhoco que o outro.

Normalmente os localizam e identificam pela posição que ocupam no útero.

Inclusive, existem alguns estudos que apontam alguns paralelos entre bebês gemelares no pós-parto: o que estava melhor acomodado na barriga é o mais tranqüilo, suga melhor, e o que estava espremido no cantinho está sugando pouco, é irritadiço, chora mais e só se acalma quando vai para o colo.

Perceber as diferenças entre os filhos desde o útero pode ser algo muito útil no sentido de se diferenciar a individualidade de cada bebê, mas por outro pode ser extremamente negativo, se a família começa , a partir das diferenças, fazer as comparações entre os gêmeos, em que um supostamente é melhor ou se comporta melhor do que o outro.

Quando existem outros filhos também pode haver um período crítico, já que os filhos podem sentirem-se "invadidos" por um batalhão de bebês, e morrem de medo de perderem o amor e a atenção dos pais, coisa que pode ser minimizada quando os pais conseguem dividir igualmente a atenção.

A chegada dessa "turminha" acaba gerando trabalho extra para todos e o pai costuma ter mais oportunidade de participar ativamente da divisão de trabalho com os bebês, já que para a mulher é muito mais difícil tomar conta de tudo quando os filhos são gemelares.

Também amamentar mais de um bebê exige uma dose extra de disponibilidade. É perfeitamente possível amamentar mais de um bebê, já que quanto mais eles mamam , maior a produção do leite. Portanto, leite não faltará.

Coloque os 2 bebes simultaneamente ao seio e cantar para eles enquanto mamam; pode também amamentar um de cada vez e aproveitar para conversar com ele individualmente.

Existem,ainda, algumas mamães - especialmente com trigêmeos - que preferem alternar com o peito e a mamadeira.

De qualquer maneira, quando a mulher tem gêmeos precisa de muita ajuda para cuidar de todo o resto: limpeza da casa e das roupas, fazer as refeições, dar banho e trocar as fraldas dos bebês, etc. Ela precisa descansar, dormir e alimentar-se bem, pois caso contrário, dificilmente a amamentação dará certo.

Durante o primeiro ano de vida começam as descobertas dos gêmeos: brincam muito entre si, descobrem o próprio corpo e o corpo do irmão... é a possibilidade de ter um espelho permanentemente à sua disposição. Mas não podemos esquecer que as semelhanças , quando existem, são somente físicas. Já a personalidade de cada um é diferente, bem como suas necessidades e interesses pessoais.

Os gêmeos são um para o outro, um forte modelo de identificação. Algumas vezes desenvolvem uma linguagem própria, só inteligível para os demais. Como estão na mesma etapa de desenvolvimento, podem precisar de mais estímulos diários para seu progresso, ao contrário do que acontece quando os modelos de identificação são adultos ou irmãos mais velhos.

A família tem diante de si a complexa tarefa de recolher as semelhanças e perceber as diferenças não só entre os gêmeos idênticos, como também entre os fraternos.

Ainda existem famílias que encaram os gêmeos como uma unidade; veste-os com roupas iguais, dão os mesmos brinquedos para ambos e evitam particularizá-los. Outras, felizmente, buscam a singularidade de cada um, em termos de referência, atividades e características.

Percebem que seus filhos são diferentes, embora saídos do mesmo pai e da mesma mãe e tendo dividido o mesmo espaço na barriga, e olham para eles como seres individuais, entendendo suas necessidades, valorizando suas qualidades e respeitando seus limites.

Afinal, filho é só filho, não a extensão de nós mesmos.

Ter filhos gêmeos é a possibilidade de aprender a ser menos egoísta, de estar mais disponível e de respeitar o desejo do outro.

Filhos gêmeos - Gravidez

Atualmente, pode-se detectar gémeos entre a oitava e décima semana de gravidez. Quando os pais são informados que vão ter filhos gémeos sentem-se alegres, mas simultaneamente bastante preocupados.

Agora, tudo lhes parece pequeno: o quarto, a casa e o carro, e as despesas vão ser maiores, porque terão de comprar tudo a dobrar.

As inquietações são imensas. Será complicada a gravidez? O parto mais difícil? Como gerir as economias? É possível alimentar os dois ao mesmo tempo? Como devemos educá-los, será correto tratá-los de forma idêntica, vesti-los de maneira igual? Aqui ficam alguns esclarecimentos psicopedagógicos.

É complicada a gravidez de gémeos?

A grávida de gémeos costuma dar à luz na 37ª semana, e até lá a gravidez pode desenrolar-se sem quaisquer complicações. Normalmente as náuseas são mais frequentes, e por esta razão aconselha-se a tomar o pequeno-almoço na cama, beber chás ou infusões e comer alimentos baixos em calorias. A alimentação deverá ser equilibrada e controlada, não há motivos para "comer por três". A barriga cresce a um ritmo muito rápido, aliás como na maioria dos casos.

O médico exige um maior rigor no controlo do peso. As grávidas de gémeos não devem engordar mais de 15 a 17 quilos, enquanto as grávidas de filho único não podem passar dos 11 quilos de aumento de peso. O cansaço e a limitação dos movimentos são outras queixas comuns em grávidas de gémeos. As dificuldades de respiração podem ser as principais responsáveis por esse fato, por isso, é fundamental que a grávida peça ajuda nos trabalhos mais pesados.

O parto de gémeos é mais difícil?

Os gémeos nascem normalmente três ou quatro semanas antes dos filhos únicos. Nascem mais leves, com cerca de 2.300 gramas, enquanto a média dos filhos únicos é de 3.360 gramas. O nascimento dos gémeos poderá desenrolar-se sem complicações graves.

Todas as mães ambicionam os primeiros momentos com os seus filhos e querem desfrutá-lo ao máximo, preferindo estar conscientes nesse momento. Parto normal, cesariana ou anestesia epidural, oiça a opinião do médico que seguiu a gravidez.

Mais despesas com o nascimento de filhos gémeos?

Ter filhos gémeos poderá assustar os pais devido às despesas, e com razão porque têm que comprar muitas coisas a dobrar. No entanto, aparecem no mercado carrinhos de bebé em segunda mão óptimos e existe sempre algum amigo que já não necessita do berço esquecido na arrecadação. Se tiver dificuldades, não se oponha e aproveite essas oportunidades.

Como é possível alimentar os dois ao mesmo tempo?

Os primeiros cuidados maternos poderão amedrontar os pais, um comportamento natural e comum. É importante para a mãe, ter alguém com quem falar, alguém que escute as suas inquietações e saiba ajudá-la a ultrapassá-las. O ideal seria uma amiga que também tivesse tido gémeos e pudesse dar o testemunho preciso desses tempos.

Quanto à amamentação, pode-se alimentar os gémeos em simultâneo, não há nada em contra, e a dedicação e o carinho maternal podem ser distribuídos pelos dois filhos. É um acontecimento único, com um peso importante no desenvolvimento psicológico das crianças e com o qual a mãe deve sentir-se orgulhosa e privilegiada.

O dia-a-dia pode ser difícil para a mãe nos primeiros meses. Peça auxílio ao pai ou a outra pessoa. Os choros de fome, de sono e os banhos podem ser complicados só para uma pessoa, porque enquanto se dá banho a um bebé o outro chora com fome, e é natural que a mãe não consiga responder sozinha.

O apoio é saudável e alivia as tensões e preocupações. É uma oportunidade para assistir a acontecimentos inesquecíveis das crianças; como o primeiro sorriso ou a primeira palavra.

Como devemos educá-los, será correto tratá-los de forma idêntica, vesti-los de maneira igual?

A educação deverá ser diferenciada. As crianças têm comportamentos e personalidades diferentes, que exigem atitudes paternais distintas, como tal não se deve lidar com os gémeos como se eles fossem apenas um. São dois seres com motivações e pensamentos próprios, que devem ser respeitados pelos pais.

Quanto à forma de vestir dos gémeos, todos os especialistas consideram preferível, e quanto mais cedo melhor, vesti-los de modo diferente. As crianças precisam de desenvolver o seu próprio gosto e têm o direito de se diferenciarem dos outros. Ninguém gosta de ser confundido com outra pessoa, muito menos os gémeos.

É fundamental que os pais marquem desde o nascimento a diferença entre os gémeos. Os nomes bem distintos e as roupas diferentes podem ser uma mais valia na construção de uma identidade, de uma individualidade e da maneira de pensar e de agir autónoma dos gémeos.

Filhos gêmeos - Características

Ter filhos gêmeos é um fato inesperado, pois a probalidade da ocorrência de um parto gemelar varia de 0,5 a 1% no Brasil.

A constatação de gravidez gemelar pode ocasionar as mais diversas reações nas famílias, desde um grande entusiasmo até serias preocupações diante da perspectiva de se duplicarem as despesas e o trabalho para criar dois de uma vez.

A fecundação

Quando se encontram, no interior da trompa, espermatozóides (células sexuais masculinas) com o óvulo (célula sexual feminina), dá-se a fecundação. Inicia-se um processo de sucessivas divisões do ovo, que vai se deslocando em direção ao útero.

Ao final da primeira semana, depois da fecundação, o ovo já se encontra implantado no útero, havendo o desenvolvimento de vasos sanguíneos para sua nutrição (a placenta), possibilitando seu crescimento e transformação em feto.

Características físicas e genéticas

Cada célula sexual (óvulo e espermatozóide) contem a metade do número de cromossomos existentes nas demais células do corpo humano. Os cromossomos são corpúsculos responsáveis pela transmissão dos caracteres genéticos e hereditários de cada pessoa. Cada uma das espécies vivas (animais e vegetais) tem um número constante de cromossomos.

Nos seres humanos, as células possuem 46 cromossomos, metade fornecido pelo óvulo e metade pelo espermatozóide. Dos 46 cromossomos, 44 são responsáveis pelas características físicas e 2 determinantes do sexo, homem ou mulher.

A gravidez gemelar

Durante a ovulação pode ocorrer que o ovário libere dois óvulos, e que estes sejam fecundados por dois espermatozóides. Neste caso formam-se dois ovos que vão se implantar isoladamente no útero e darão origem a dois fetos, cada um deles com uma placenta e um saco amniótico (bolsa das águas) que é uma membrana que recobre o feto protegendo-o. Desta gestação nascerão gêmeos fraternos, que terão características diferentes.

A gravidez gemelar pode ocorrer também a partir de um único óvulo, que no início da divisão, se transforma em dois ovos. Esta se dá após a implantação no útero, neste caso nascerão gêmeos idênticos, sendo sempre do mesmo sexo e com características físicas muito semelhantes.

Em geral, os gêmeos idênticos desenvolvem-se com uma única placenta, embora cada um possua seu próprio saco amniótico.

A probabilidade da gestação gemelar

A cada 100 partos ocorre uma gestação gemelar, 2/3 do número total de gêmeos são fraternos (diferentes) e 1/3 idênticos. Os gêmeos fraternos podem se tornar cada vez mais diferentes, tanto organicamente quanto seu temperamento e interesses, da mesma forma que acontece com qualquer outro irmão.

No caso dos gêmeos idênticos (1/3 dos gêmeos), as diferenças físicas serão muito pequenas, mas se forem criados em ambientes bastantes diferentes, suas características psicossociais se tornarão bem desiguais, mostrando-nos que a formação da personalidade depende tanto de fatores hereditários como dos ambientais.

Entre os gêmeos 2/3 são fraternos (gêmeos diferentes) e 1/3 gêmeos idênticos (muito parecidos), concluímos que a hereditariedade tem grande influência na formação da personalidade, mas que o fator ambiental também tem influência na formação da mesma pois gêmeos idênticos quando criados em ambientes diferentes perdem mais ainda suas semelhanças

Nos EUA, psicólogos realizaram um trabalho bastante amplo com gêmeos idênticos e constataram a existência de diferenças marcantes entre eles, levantando- se a hipótese de que tais diferenças estariam diretamente ligadas a uma melhor adaptação de uma das crianças à vida.

Esta hipótese fundamenta-se no que poderíamos chamar de “ maior vitalidade” de um dos gêmeos, que apresentaria maior rapidez, intensidade e qualidade de reações e, também de equilíbrio nestas manifestações. Portanto seriam estes fatores que dariam a um dos gêmeos melhores condições do que ao seu irmão para enfrentar física e psicologicamente à solicitações da vida. Estas diferenças poderiam se revelar como um dos gêmeos ser mais independente, metódico e reflexivo; um deles preferir o contato com as pessoas, enquanto o outro demonstrar mais interesse por coisas e objetos; um mais ativo e dominante, o outro mais passivo e submisso.

A percepção da identidade

Ao longo do processo de desenvolvimento físico e psicológico dos gêmeos, independentes de serem fraternos ou idênticos, é muito comum haver um certo retardamento no domínio da linguagem devido a dificuldade que essas crianças costumam ter para distinguir entre o que é “ ela própria” e o que é “ a outra”.

Muitas vezes elas preferem usar o pronome nós porque confundem os significados do “ eu” e “ você”, “ ele” ou “ ela” em relação ao outro gêmeo.

O fato de não saberem usar corretamente esses pronomes indica que é mais difícil para os gêmeos do que para as outras crianças ter uma percepção clara da sua idade e da chamada” auto imagem”, ou seja: quem ela é, como ela é e quais são seus limites corporais e sociais. Isso acontece quando os gêmeos tem uma relação muito estreita entre si. Esta percepção se torna mais difícil, quanto mais os pais procuram deixa-los parecidos, usando roupas iguais, mesmo tipo de penteado e até nomes semelhantes.

Por outro lado, muitas vezes são os próprios gêmeos que procuram ser iguais e serem confundidos um com o outro. Isto ocorre em crianças maiores, ao redor dos 6 aos 9 anos. Na maioria dos casos trata-se de uma brincadeira, uma espécie de jogo de esconde- esconde, que só vai ter interesse para elas durante um certo tempo. Sendo assim os pais podem permitir tranquilidade que seus filhos, procedam desta forma, sobretudo se levarem em consideração que isso costuma acontecer quando elas se encontram numa fase de desenvolvimento físico e psicológico na qual já adquiriram uma noção perfeita de suas identidades e individualidades, a ponto de se proporem a brincar com suas semelhanças.

Este desejo de serem iguais pode continuar, evidenciando um problema psicológico dos gêmeos, merecendo orientação psicoterápica pois agem assim por sentir que só recebem afeto e atenção pelas suas semelhanças. Embora possam ter consciência de suas próprias identidades, podem achar que só são aceitos pelos pais e pelas outras pessoas enquanto em dupla, e não individualmente.

Outra forma de comportamento muito comum nas crianças gêmeas é a de desenvolverem um tipo de relacionamento tão íntimo que durante a infância e a adolescência, qualquer tipo de afastamento mais prolongado dos gêmeos é capaz de causar grande sofrimento para ambos. Na idade adulta, esse tipo de sofrimento pode ocorrer, por exemplo, do casamento de um deles, ficando o solteiro emocionalmente perturbado, sentindo fortes ciúmes da pessoa que os separou.

A socialização dos gêmeos é mais difícil, dado o isolamento em que vivem originado de um relacionamento muito intimo entre eles. A família deve se preocupar em criar condições favoráveis para que os gêmeos tenham amigos, não frequentem sempre e unicamente os mesmos ambientes, para que eles se interessem por atividades distintas; para que possam passar fins de semana separados, enfim dando-lhes todas as oportunidades possíveis no sentido de que cada um seja capaz de desenvolver suas próprias atividades sociais e relações afetivas, sem depender para isso da companhia ou da ajuda do outro irmão.

Dessa forma, um relacionamento exageradamentte íntimo entre irmãos gêmeos poderá atingir um ponto de equilíbrio, fazendo com que sejam grandes amigos. É importante, contudo, que as medidas tomadas com tal finalidade, como as que foram sugeridas, não tenham caráter de imposição autoritária.

A questão da individualidade

Quando analisamos os problemas gerados pela dificuldade que os gemeos podem ter para perceber suas próprias identidades ou se relacionar com outras pessoas, vimos que tais problemas estão intimamente ligados ao fato de que, em geral, os gemeos não são identificados pelas pessoas, como duas crianças iguais as outras, mas sim como duas crianças iguais uma à outra.

Portanto a valorização da individualidade dos filhos gemeos deve constituir uma das preocupações básicas dos pais. Para isso é importante que sejam tomadas medidas práticas desde o nascimento. O simples uso de dois berços, dois cercados é uma forma de estimularmos a individualidade de cada um; o uso de roupas e penteados diferentes; até o uso de carrinhos separados e não duplos, apesar de mais oneroso e menos comodo, ajudará para a individualização.

Outro aspecto que nunca deve ser esquecido é o relacionado com os comentários que os parentes e amigos costumam fazer a respeito das semelhanças entre os gemeos. Embora seja difícil evitar tais comentários, os pais devem recomendar às pessoas que procurem não faze-lo.

Em linhas gerais, essas são as bases a partir das quais se estrutura a organização da personalidade de cada um dos filhos gemeos. Portanto se os pais e os outros membros da familia estiverem atentos para descobrir nelas mais as suas diferenças que suas semelhanças, poderão ser evitados vários problemas.

Vencidos estes obstáculos, fica muito mais fácil e agradável suportar: o dobro de fraldas, o dobro de banhos, o dobro de noites mal dormidas, o dobro de etc...etc...etc...

Fonte: www.jnjbrasil.com.br/www.millenniumbcp.pt/www.drcentofantesaude.com/groups.msn.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal