Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Placenta Prévia - Página 3  Voltar

Placenta prévia



Placenta

A PLACENTA

A placenta é um orgão fundamental no desenvolvimento do embrião, ela nasce junto com ele, depois que o ovo fecundado se implanta na parede uterina. Mas, só se desenvolve completamente na 16ª semana. Ela fixa-se na parede do útero como uma esponja e tem duas faces:

- Face materna (corion): Agarrada à parede uterina.

- Face fetal (amnio): Voltada para o feto, ligada a ele pelo cordão umbilical.

Na placenta há uma espécie de concentração de vasos sanguíneos que pertencem à mãe e ao feto, porém eles nunca se misturam.

A placenta promove trocas fisiológicas entre a mãe e o feto. Sua principal função é fornecer nutrição (glicose, proteínas, gorduras, vitaminas, sais minerais) e oxigênio ao feto, atuando como pulmão, rim, intestino, hipófise e parcialmente como fígado e adrenal.

Outra função muito importante da placenta é proteger o feto, pois dela saem membranas que formam o saco amniótico ou bolsa das águas, que contem líquido amniótico e envolvem o feto, e produzir hormônios para manter a gravidez como a progesterona e a gonadotrofina coriônica ( HCG ) que se apresenta no sangue e na urina indicando a gravidez.

Na placenta há uma espécie de concentração de vasos sanguíneos que pertencem à mãe e ao feto, porém eles nunca se misturam.

A placenta pode estar mal localizada (Placenta Prévia), ou soltar-se antes do tempo (Descolamento Prematuro de Placenta).

DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA - DPP

É o desprendimento precoce de parte ou de toda a placenta que se encontra em posição normal na cavidade uterina. A separação ocorre na área da decídua basal após 20 semanas de gestação e antes do parto.

ETIOLOGIA

Aproximadamente 1/3 dos bebês nascidos de mulheres com DPP morrem. Mais de 50% dessas mortes resultam do nascimento prematuro ou hipóxia.

A causa do DPP é desconhecida. Porém, as mulheres com hipertensão arterial, doenças cardíacas, diabetes, toxemia gravídica ou doença reumatóide, que sofrem traumas e que fazem uso de cocaína tem uma maior probabilidade de ter um DPP.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

A separação pode ser parcial ou total. O sangramento pode ser externo (pela vagina) ou ficar retido (hemorragia retroplacentária) ou ocorrer as duas situações simultaneamente.

Os sintomas dependem do grau de descolamento da placenta e da quantidade de perda sanguínea. Em geral temos:

- Sangramento vaginal (70% a 80%), algia abdominal contínua e à palpação.

- Sensibilidade uterina e contração.

Obs.: A gestante pode não apresentar esses sintomas e estar com DPP silencioso.

O sangramento pode resultar em hipovolemia materna ( choque, oligúria, anúria ).

O sangramento miometrial extensivo danifica a musculatura uterina. O sangue acumula-se entre a placenta deslocada e a parede uterina, provocando o útero de couvelaire. O útero apresenta-se avermelhado, arroxeado, equimosado e sem contratilidade.

DIAGNÓSTICO

Geralmente é confirmado através da ultra-sonografia. Se houver história de traumatismo pode ser necessário laparotomia.

CLASSIFICAÇÃO

O DPP é dividido em 3 graus. Essa divisão é feita segundo a gravidade.

* Grau I ou leve: Apresenta sangramento vaginal, com sensibilidade uterina e leve tetania. Mas não há sofrimento fetal. Aproximadamente 10% a 20% da área superficial está descolada.

* Grau II ou moderado: Apresenta sangramento vaginal, sensibilidade uterina e tetania. Há sofrimento fetal e a gestante entra em choque. Aproximadamente 20% a %0% da área de superfície da placenta esta descolada.

* Grau III ou grave: A tetania uterina é intensa. A gestante está em choque e o feto está morto. Acima de 50% da área de superfície da placenta está descolada.

TRATAMENTO

Repouso ao leito, exceto quando o sangramento é potencialmente letal, quando o feto apresenta sofrimento ou quando a gestação está próxima do termo;

Monitorização da freqüência cardíaca fetal;

Transfusão sanguínea e reposição do volume de líquido;

Antibióticos ( pela susceptibilidade a infecções causada pela perda sanguínea );

Uso de corticosteróide para acelerar a maturidade pulmonar fetal;

Reposição de sangue e do volume de líquido;

Parto cesáreo (quando o sangramento persiste ou piora );

Apoio emocional.

AÇÕES DE ENFERMAGEM

Exame físico;

Verificação constante de sinais vitais;

Cateterismo vesical de demora;

Pulsão venosa em veias calibrosas;

Mensuração do fundo uterino;

Observação constante.

PLACENTA PRÉVIA - PP

Placenta Prévia é a implantação da placenta na parte inferior do útero, podendo localizar-se acima do colo do útero ou próximo dele.

É uma complicação do segundo trimestre de gravidez, mas que pode ocorrer desde o começo da gravidez. Nesse caso a mulher apresenta sangramento periódico que pode estar associado à posição do corpo e ao esforço que faz.

INCIDÊNCIA

A PP ocorre em 1 de cada 200 partos. Fatores como multiparidade, idade materna ou cicatrizes uterinas aumentam a incidência de PP. Qualquer movimentação no orifício interno do útero pode provocar descolamento da placenta e sangramento, porque ela possui um tecido extremamente vascularizado.

TIPOS DE PLACENTA PRÉVIA

* Central (também chamada de Total ou completa): Quando recobre toda a área do orifício interno.

* Parcial: Quando recobre parte do orifício.

* Marginal: Quando a margem placentária atinge a borda do orifício interno, sem ultrapassá-lo. É causa comum de sangramento nos últimos meses de gestação.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

Sangramento vaginal indolor devido à separação das partes da placenta que estão próximas do orifício interno do útero ou cobrindo-o.

DIAGNÓSTICO

Através da ultra-sonografia o médico irá diferenciar a PP de um DPP.

TRATAMENTO

* Repouso absoluto (sangramento leve e parto não iminente);

* Transfusão sanguínea, (quando o sangramento é intenso);

* Cesariana (para evitar anóxia fetal);

* Antibióticos (se necessário);

* Antiespasmódicos, para evitar a contração uterina; * Deambulação, quando o sangramento cessar.

COMPLICAÇÕES

* Sangramento intenso;

* Descolamento precoce quando em trabalho de parto causando anóxia fetal (se não for realizada a cesariana).

AÇÕES DE ENFERMAGEM

Exame físico;

Verificação de sinais vitais;

Pulsão venosa;

Observar sinais de choque;

Apoio emocional;

Observação constante.

Referência Bibliográficas

1. Lowdermilk, Deitra Leonarde; Perry Shannon E.; Bobok, Irene M. O Cuidado em Enfermagem Materna. 5ª Ed., Porto Alegre – Art-Med Editora, 2002.

2. GATTORNO, Escola de Formação Técnica Profissional Rosa. Manual Curricular para Formação do Técnico em Enfermagem, Módulo II, 2ª Ed., 261-268, 2005.

Fonte: sintomasdagravidez.com

Placenta prévia


O risco da placenta prévia

A placenta prévia ocorre geralmente nas últimas doze semanas da gravidez, acomete uma em cada 200 gestações e requer cuidados especiais mas… você sabe o que significa placenta prévia?

A placenta prévia é uma patologia onde a placenta implanta-se no colo do útero, isto é, no fundo do útero. Isso não é nada bom. É caracterizada por um sangramento vaginal indolor nas últimas 12 semanas de gestação, mas pode acontecer antes.

O posicionamento inadequado da placenta provoca sangramentos, afetando a oxigenação do bebê, colocando-o em perigo. Como muitas mães já sabem, a placenta é um órgão que se desenvolve logo após a implantação do zigoto na parede uterina.

Em seu interior, encontra-se o líquido amniótico dentro do qual fica o bebê, e o cordão umbilical é a ligação entre bebê e a placenta, por onde circula o sangue da gestante e do feto. A placenta possibilita que os nutrientes cheguem ao bebê e que as trocas gasosas sejam feitas.

Além de alimentar, a placenta funciona como um filtro, bloqueando a chegada de impurezas ao feto. Por essas e outras funções, podemos notar o perigo causado pela placenta prévia.

Você sabe o que existe em comum entre nicotina, alcatrão, álcool, drogas, medicamentos (antibióticos, antiinflamatórios e sedativos) e alguns vírus e bactérias como os causadores da rubéola, varíola, hepatite, toxoplasmose e HIV? A resposta é que todas essas substâncias têm a capacidade de passar pela placenta.

Por tudo isso, podemos imaginar o risco que o bebezinho corre se algo estiver errado com esse órgão tão importante no desenvolvimento de toda a gestação da mulher.

Alguns fatores são motivos pelo desencadeamento da placenta prévia, entre as quais a idade materna avançada, multiparidade, curetagens repetidas, cirurgias uterinas e cesáreas anteriores aumentam o risco desta patologia.

Estudos mostram que há um aumento na freqüência de placenta prévia entre as grávidas fumantes e que tal aumento está relacionado com o número de anos que a mulher fumou cigarros anteriormente. Nem preciso dizer que a mãe que fuma durante a gestação está sendo uma vilã das piores.

O diagnóstico dessa patologia é feita por meio do ultra-som e ajuda o médico a diferenciar a placenta prévia de um descolamento prematuro da placenta.

Não há como preveni-la, mas o diagnóstico precoce pode evitar complicações. Se o sangramento for leve, a gestante terá de ficar de repouso absoluto internada no hospital. Quando o sangramento cessa, a mulher pode voltar a andar e até receber alta do hospital, se o acesso ao hospital for fácil.

Fonte: www.gestantes.net

voltar123456avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal