Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Girassol  Voltar

Girassol

 

Girassol
Girassol

De girar e sol, propriedade que tem a planta de ir girando para o lado que se move o sol.

Planta anual oriunda do Perú, da família das compostas, com caule herbáceo, direito, com uns 3 cm de grossura e cerca de dois metros de altura; folhas alternadas, pecioladas e em forma de coração; folhas terminais que se dobram na maturação, amarelas, com 20 a 30 cm de diâmetro, fruto com muitas sementes e negruscas, quase elipsodais, com 3 cm de largura e comestíveis.

Cultiva-se para se obter óleo e em menor escala para consumir as sementes.

ORIGEM DO GIRASSOL

O girassol foi introduzido na Europa durante o século XVI.

Não são muitas as espécies domesticadas que sejam provenientes da região temperada Norte Americana e cujo antecessor ainda existe. Descobriu-se aqui material arqueológico que prova a sua longa existência e uso por parte do homem. Os indígenas convertiam as sementes em farinha.

A sua difusão pela América Central e do Sul é relativamente recente, mas conquistou uma larga área devido a sua alta resistência e fácil adaptabilidade.

Dodonaeus a denominou em 1568 como Chrysantemum Peruvianum, convicto de que a planta procedia do Perú quando na realidade é procedente da América do Norte.

A difusão do girassol no Leste Europeu deveu-se à falta de outros óleos e a particularidade de congelar a baixas temperaturas.

Pela sua adaptação á Estepe do Sudoeste, o girassol adquiriu popularidade na Rússia desde o principio do século passado. Este país é hoje o maior produtor e exportador do mundo.

USOS E PROPIEDADES DO GIRASSOL

As flores do girassol contêm quercimeritrina, que é um monoglucido da quercetina, antocianina, uma considerável quantidade de colina e betaína; ácido solantico, provavelmente em forma de solantato cálcio, etc. A matéria corante das flores é a xantofila.

As sementes são ricas em óleo: raras vezes contêm menos de 30 %, chegando algumas variedades produzidas por hibridação a ter quantidades superiores a 50 %. No óleo predominam a linoleína (57%) e a oleína, existindo menores quantidades de palmitina, estearina, araquina e lignocerina. Na semente também se encontram lecitina, colesterina, diversos ácidos orgânicos, fitina, etc.

A produção e rendimento do girassol pode ser incrementado de uma forma espectacular quando as abelhas e outros insectos ajudam na polinização. E mais a atividade das abelhas torna-se necessária quando se trata de híbridos com pólen pouco compatível, nos quais se registam sementes vazias, porque o pólen tem inconvenientes fisiológicos em fecundar a própria flor.

O desenvolvimento do girassol está intimamente ligado ao que dá origem ao seu nome: a luz solar. Ela é um dos seus nutrientes, juntamente com a água, que é capaz de absorver em quantidades sobresselentes. Quando a planta há formado o total de folhas que deverá de ter, o ritmo de aparecimento das folhas será governado pela temperatura e portanto, quanto maior seja esta, menor será o tempo necessário para a floração.

A atividade fotosintética alcança o ponto óptimo aos 27ºC. A uma temperatura superior, aumenta a evotranspiração e baixa a eficiência no consumo da água.

Quando o girassol está neste estado vegetativo pode limitar o consumo de água, pode concentrar sacarose nas células onde se dão as trocas gasosas e pode chegar a um caso extremo, em que limita a expansão foliar e até reduzir o número de folhas.

Quando a floração coincide com os períodos chuvosos, há um humedecimento e inchaço dos grãos de pólen e perda da sua capacidade fecundadora. Se isto dura mais que dois ou três dias, é necessário que o pólen de flores distantes seja transportado. As abelhas fazem um excelente trabalho para esta situação.

Girassol é o nome comum das ervas anuais e vivazes de um género da família das compostas. O género Helianthus tem umas 67 espécies. As formas mais altas medem até 3 metros. As folhas são alternadas, em forma de coração, ásperas e peludas. O grande capítulo solitário, pode medir quase um metro de diâmetro, tem ligulas amarelas que rodeiam um disco central, flósculos ou flores individuais de cor amarela, vermelha ou purpura, segundo a espécie.

A orientação do capítulo para o sol deve-se ao crescimento diferenciado do caule. Quando a iluminação é desigual, o lado da planta que está á sombra acumula auxina, que é um regulador de crescimento vegetal; esta acumulação faz com que a parte que está á sombra cresça mais rapidamente do que a que está ao sol e o caule se inclina para o sol.

Antigamente a planta cultivava-se como ornamental, mas a partir do século passado adquiriu valor comercial. O óleo de girassol refinado é comestível e alguns consideram equiparável a sua qualidade ao azeite. Sem ser refinado é utilizado para o fabrico de sabonetes e velas.

Com o resíduo sólido que sobra depois de se extrair o óleo das sementes é aproveitado para a alimentação animal. As sementes cruas são usadas nas misturas destinadas á alimentação das aves e as tostadas na alimentação humana.

È utilizado em muitos países como remédio caseiro para muitas doenças, como por exemplo: as folhas e flores da planta no combate de doenças de garganta e pulmonares.

Na América do Sul adiciona-se sumo de flores e sementes ao vinho branco para funcionar como remédio contra doenças e eliminar a pedra do rim e da vesícula.

As raízes de uma espécie, chamada pataca, são comestíveis e podem ser consumidas da seguinte maneira: cozidas, estufadas e assadas.

Recentemente tem-se insistido sobre o valor farmacológico das flores e do caule do girassol, que são empregados em forma de tintura alcoólica no combate das febres paludosas.

A tintura do girassol prepara-se com flores recentemente colhidas ( unicamente as flores) nos grandes receptáculos do capitulo que pesam á volta de 50gr, e depois cortam-se as tiras as partes mais suculentas do cale que estão na parte superior das plantas que não floriram e pesam-se então 50gr destas tiras.

Introduzem-se as flores e as tiras dos caules numa garrafa com 1 litro de álcool. Deixa-se ficar uma semana e depois filtra-se. Adicione umas gotas em vinho ou em água depois das refeições que são o suficiente.

Fonte: www.delariva.com

Girassol

Girassol é o nome comum dado à uma planta da família das compostas.

O gênero Helianthus (do grego helio-sol e anthos-flor) tem por volta de 67 espécies.

Algumas podem medir até três metros, e a variedade miniatura atinge no máximo 1 metro. O nome girassol vem de sua flor amarela que acompanha as diferentes posições do sol, girando com ele, até seu amadurecimento, quando ele se fixa na posição do sol nascente.

O girassol é uma planta resistente de rápido crescimento, necessitando de pouca água, mas de locais ensolarados. A mistura ideal para o solo deve conter 2 partes de terra vegetal, 2 partes de terra comum e 1 parte de areia. Sua propagação é dada através de sementes, sendo a primavera a melhor época de plantio.

As sementes devem ser plantadas em covas não muito fundas e com um espaço de 60cms entre elas.

O girassol apresenta um ciclo de plantio curto, em torno de 130 dias. A terra deve ser mantida úmida, sem secar nem encharcar.

O significado do girassol difere de cultura para cultura.

Para alguns, o girassol significa fama, sucesso e felicidade. Outros dão à ele atributos do próprio sol como nutrição, poder e calor. Também é dado à ele o atributo de altivez.

Dar um girassol à alguém que acabou de abrir seu próprio negócio pode significar ouro, fortuna.

Para o Feng Shui, além das propriedades do sol já citadas acima, o girassol é a integridade e força que temos dentro de nós e que queremos transmitir aos outros.

Já que acompanha o movimento do sol, o girassol simboliza longevidade e lealdade, transmitindo energia positiva à todos que estão à sua volta.

O girassol é uma planta que foi domesticada pelo homem há cerca de 5 mil anos.

Originária das Américas, o girassol foi utilizado como alimento pelos índios que o misturava com outros tipos de vegetais. No século XVI, o girassol foi levado para a Europa pelos espanhóis, primeiramente na Espanha, Inglaterra e França.

Até o século XVII foi considerado uma planta ornamental e medicinal, sendo utilizado como óleo refinado comestível, apenas por volta de 1830 na Rússia.

O girassol foi introduzido na América do Sul no Século XIX, sendo a Argentina um dos maiores produtores mundiais. No Brasil, foi introduzido em primeiro lugar, no sul do país, já que os imigrantes europeus tinham o hábito de consumir suas sementes torradas.

O girassol tem propriedades naturais para a saúde e beleza, já que suas sementes e flores são utilizadas na produção de bronzeadores, perfumes, remédios, cremes, velas, óleos e temperos.

O óleo de girassol tem excelentes nutrientes, com altos índices de ácidos graxos insaturados que diminuem problemas cardiovasculares e também contém um maior teor de ácido linoléico essencial o organismo humano. Sem ser refinado, o óleo pode ser utilizado para a fabricação de sabonetes e velas.

O resíduo sólido que sobra após a extração do óleo das sementes, é utilizado para a alimentação animal. Já as sementes cruas podem ser utilizadas na alimentação de aves e tostadas na alimentação humana.

As sementes são ricas em proteínas e vitaminas e quando são torradas e moídas, transformadas em pó, pode ser um substituto do café, sem cafeína e ajudando à combater a enxaqueca.

As folhas e flores do girassol podem ser usadas no combate de doenças pulmonares e da garganta, em forma de tinturas ou infusões. As raízes da espécie chamada pataca, são comestíveis e podem ser consumidas cozidas e assadas.

As folhas contém propriedades diuréticas, antigripais, antiasmáticas e expectorantes.

As sementes e as folhas podem ser usadas como cicatrizantes em forma de tintura.

Os florais feitos à partir do girassol são utilizados para melhorar a auto-estima, auto-confiança, dando mais vontade e coragem.

Fonte: planetanatural.com.br

Girassol

Nome científico: Helianthus annuus
Família:
Asteráceas (sinônimo: compósitas)
Nome comum:
girassol
Origem:
América do Norte (Estados Unidos e México)

Girassol

Descrição e característica da planta

O girassol tem muitas espécies e a maioria não é comercial. Elas são diferenciadas pelo tamanho das plantas, pelas ramificações laterais, tamanho, cor e no aspecto das flores.

Como plantas ornamentais, existem: o mini-girassol, planta de pequeno porte, ramificada ou não e cultivada em vasos; e planta de maior porte, muito ramificada, com produção de grande quantidade de flores e cultivada nos canteiros ou em vasos de maior tamanho.

O girassol comum, Hekianthus annuus, é a espécie mais importante do ponto de vista comercial. A planta não apresenta ramificação e, na extremidade do caule, forma uma grande inflorescência conhecida como capítulo.

O curioso nessa planta é o direcionamento da sua inflorescência ao movimento do sol durante o dia. Na realidade, não é a face da inflorescência ou o capítulo que fica votado para o sol, mas a parte posterior para receber a energia solar necessária para melhor produção hormonal.

Esse movimento desaparece após a fecundação das flores. A altura da planta pode chegar a 180 centímetros e o diâmetro do capítulo a mais de 25 centímetros. Cada capítulo pode conter em média 1.000 flores hermafroditas, isto é, têm os dois sexos na mesma flor. No entanto, na maioria das variedades e dos híbridos de girassol não ocorre a fecundação na mesma planta, porque é auto-incompatível.

Nesse caso, há necessidade da participação, principalmente de abelhas que transportam os grãos de pólen de diferentes plantas. Cada flor, depois de fecundada, dará origem a um fruto, conhecido como grão ou semente, ou tecnicamente de aquênio. A cultura é anual e o ciclo pode variar de 120 a 150 dias.

O girassol é bastante tolerante ao frio e à seca, mas não é indicada para regiões sujeitas a muita chuva e clima árido. A propagação é feita por sementes.

Produção e produtividade

O girassol apresenta boa produção de massa verde, para silagem, ou de grãos, para extração de óleo. A produção mundial é estimada em 20 milhões de toneladas, mas é considerada insuficiente para atender a sua demanda.

Entre os maiores exportadores mundiais, estão: a Bulgária, a Romênia, a Ucrânia e a Argentina.

Segundo a CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento), para safra 2004/2005, a produção brasileira foi estimada em 82,2 mil toneladas, em 52,8 mil hectares de área plantada, com produtividade média de 1.557 quilos por hectare. A região Centro-Oeste é a principal produtora, com 83,7% de produção do país.

Utilidade

O principal produto obtido do girassol é o óleo comestível. A sua qualidade é superior ao do milho, tanto no cheiro e no sabor, quanto nutricional. Ideal para uso em saladas, margarina, maioneses e frituras. Pode ainda substituir o óleo diesel como combustível. A planta pode ser utilizada ao natural na alimentação animal ou como silagem ou no preparo de rações, com a torta proveniente da extração do óleo. No campo, a cultura apresenta vantagens quando usada na rotação de culturas, no aumento da produtividade do milho e do algodão.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Girassol

Girassol

O Girassol é uma planta originária das Américas, que foi utilizada como alimento, pelos índios americanos, em mistura com outros vegetais.

No século XVI, o girassol foi levado para a Europa e Ásia, onde era utilizado como uma planta ornamental e como uma hortaliça.

A grande importância da cultura do girassol no mundo deve-se à excelente qualidade do óleo comestível que se extrai de sua semente.

É um cultivo econômico, rústico e que não requer maquinário especializado.

Tem um ciclo vegetativo curto e se adapta perfeitamente a condições de solo e clima pouco favoráveis.

Para seu cultivo correto são necessários os mesmos conhecimentos e maquinários utilizados na cultura de milho, sorgo ou soja.

No começo, durante quase 200 anos, foi cultivado somente como planta ornamental.

Só em princípios do século XVI começou sua utilização como planta oleaginosa, para a extração de azeite, e a verdadeiramente difusão da cultura do girassol na Europa.

O girassol por ter suas raízes do tipo pivotante, promovem uma considerável reciclagem de nutrientes, além da matéria orgânica deixada no solo pela sua morte; as hastes podem originar material para forração acústica e junto com as folhas podem ser ensiladas e promove uma adubação verde.

Das flores podem ser extraídos de 20 a 40 quilos de mel/hectare.

Elas originam as sementes, que podem ser consumidas pelo homem e pelos animais.

Também usado em adubação verde, devido a seu desenvolvimento inicial rápido, à eficiência da planta na reciclagem de nutrientes e por ser um agente protetor de solos contra a erosão e a infestação de invasoras.

Por isso é recomendado para rotação de culturas.

Fonte: www.biodieselbr.com

Girassol

Girassol: a flor so Sol

(Helianthus annus)

Seu nome científico é Helianthus annus - o que explica sua imponência e porte majestoso: a palavra Helianthus significa "flor do sol".

Além de bonita, a planta é utilíssima, pois do girassol tudo é aproveitado - desde as sementes, até as flores e os ramos.

Nos últimos anos, o girassol ganhou destaque como planta ornamental. O desenvolvimento de variedades com tamanho reduzido - os mini-girassóis (Helianthus annus nanus) - permitiu que esta planta passasse a figurar em arranjos e decorações.

Seu formato exótico e o tom amarelo-alaranjado intenso acrescentam vida e dinamismo aos ambientes. No jardim, os girassóis brilham majestosamente, exibindo sua intrigante rotação, sempre voltada para o sol.

Planta anual, pertencente à família das Compostas, o girassol é originário da América do Norte e se reproduz por meio de sementes.

Trata-se de uma planta robusta e muito resistente, que produz flores na primavera e no verão, mas pode florescer o ano todo, especialmente sob temperaturas entre 18 e 30 graus C.

Girassol

Para cultivá-lo...

O cultivo do girassol não apresenta muitos segredos, basta observar alguns detalhes:

O local deve ser bem ensolarado com, no mínimo, 4 horas de sol direto, todos os dias

Por ser uma planta anual, recomenda-se o replantio a cada ano

O solo ideal para o plantio deve ser composto de: 1 parte de terra comum, 1 parte de terra vegetal e 2 partes de areia, tudo bem incorporado

Recomenda-se regar sempre que o solo apresentar-se seco. Se a planta for cultivada em vaso, observar que a superfície do solo não deve apresentar-se totalmente seca

Adubações periódicas garantem uma planta saudável e floração abundante

Quanto às pragas e doenças, dificilmente o girassol apresenta problemas, mas recomenda-se a observação constante, pois a proximidade com outras plantas pode favorecer a transmissão. Em alguns casos pode ocorrer ataque de lagartas, mas, se eliminadas logo no início do aparecimento, não causarão maiores problemas.

Saiba mais sobre ele...

O girassol apresenta raiz profunda, que desce perpendicularmente ao solo, chegando a medir quase de 1 metro e meio de profundidade. A planta, de porte herbáceo, atinge cerca de 3 metros de altura. As variedades miniaturas atingem no máximo 1 metro.

As flores do girassol, reunidas em inflorescência característica, são chamadas de capítulo. O receptáculo floral que contém o capítulo pode ser côncavo, convexo ou plano, sendo mais comum a forma plana.

No capítulo, existem as flores femininas e as hermafroditas. Sob a regência da natureza, nas flores hermafroditas, os órgãos masculinos abrem antes que os femininos, sendo que há um intervalo de 5 a 10 dias, nos quais deve ser feita a polinização. Por isso, há a necessidade da presença de insetos polinizadores, como abelhas, por exemplo, pois o índice de polinização por outros meios é muito baixo.

Rose Aielo Blanco

Fonte: www.floresecesta.com.br

Girassol

Girassol

Óleo de Girassol

Origem

O girassol é uma planta originária da América do Norte onde era cultivado tradicionalmente pelos índios para a sua alimentação.

Chegou à Europa em meados do século XVI, sendo inicialmente cultivado como planta ornamental. O óleo da semente de girassol começou a ser consumido na Europa, no século XVIII.

Produção

O óleo de girassol é produzido industrialmente a partir das sementes de girassol.

Estas são limpas, secas, descascadas, trituradas e extraídas com solvente.

Finalmente, o produto assim obtido é desolventizado e sofre todo um processo de refinação, com diferentes etapas que incluem processos químicos e físicos de tratamento, como por exemplo: desgomagem, branqueamento, desodorização.

Composição

Como todos os óleos vegetais, o óleo de girassol é essencialmente constituído por triacilgliceróis (98 a 99%).

Tem um elevado teor em ácidos insaturados (cerca de 83%), mas um reduzido teor em ácido linolénico (= 0,2%).

O óleo de girassol é essencialmente rico no ácido gordo essencial (AGE), ácido linoleico. As variações no seu teor são consequência não só da variedade, mas também das diferenças climáticas durante o seu cultivo.

O óleo de girassol apresenta como constituinte maioritário da sua fração tocoferólica a forma alfa-tocoferol, ao contrário da maioria dos óleos vegetais que têm a forma gama-tocoferol. O alfa-tocoferol presente no óleo de girassol apresenta, a temperaturas elevadas, menor atividade antioxidante do que o gama-tocoferol dos óleos em que é mais abundante.

Por outro lado, o óleo de girassol apresenta maior atividade em vitamina E (alfa-tocoferol tem 1,49 IU/mg) do que os óleos onde predomina a forma gama-tocoferol (0,14 IU/mg).

Utilização

O óleo de girassol é uma fonte importante do AGE ácido linoleíco e de vitamina E.

Pode ser utilizado a frio diretamente sobre os alimentos, em molhos para saladas, maioneses, etc.

Entra ainda na composição de numerosas margarinas e cremes de barrar, em combinação com outros componentes de mais elevado ponto de fusão.

É também uilizado como óleo de fritura, em especial as variedades com teores mais elevados em ácido oleico, cuja estabilidade às alterações pelo aquecimento é muito superior à das variedades com teores elevados de ácido linoleíco.

As formas hidrogenadas são também bastante utilizadas para fritura.

Fonte: www.cienciaviva.pt

Girassol

Semente de Girassol

Girassol
Girassol - Sementes

As sementes de girassol têm várias aplicações, destacando-se principalmente a fabricação de azeite comestível, de qualidades semelhantes às de outros que são empregados na culinária, ainda com as vantagens de não congelar em baixas temperaturas e ser de fácil conservação.

A torta dos resíduos que sobram da extração do azeite é rica em proteínas, sendo adotada com êxito na alimentação das vacas leiteiras e engorda de porcos.

Em vários países, essa planta é também utilizada na alimentação de rebanhos, sob a forma de forragem ensilada, sendo feita a colheita, nesse caso, na época em que as flores começam a secar.

As sementes são igualmente empregadas, mesmo em São Paulo, na alimentação de aves e pássaros, em grãos ou triturados e misturados com outros produtos que compõem as rações balanceadas.

O óleo de girassol tem sido indicado pelos médicos na dieta do colesterol, que é o responsável pelas doenças coronárias.

Está à procura de um petisco saudável?

Desfrute de uma mão cheia de sementes de girassol com o seu suave sabor a noz e a sua textura firme mas tenra para diminuir a fome e prosperar em nutrição ao mesmo tempo.

As sementes de girassol são a dádiva do lindo girassol, uma planta com raios de pétalas que emanam do seu centro amarelo-vivo, cravado de sementes.

O nome científico em latim do girassol, Helianthus annuus, reflecte a sua aparência solar, visto que helios é a palavra grega para sol e anthos é a palavra grega para flor.

O girassol produz sementes verde-acizentadas ou pretas, envolvidas em cascas cinzentas ou pretas em forma de lágrima que por vezes têm riscas pretas e brancas.

Visto que estas sementes têm um elevado conteúdo de óleo, são uma das principais fontes usadas para produzir óleo poli saturado.

As sementes de girassol descascadas têm um suave sabor a noz e uma textura firme mas tenra.

36 grs / 206.16 Calorias

NUTRIENTES QUANT. DDR (%)

DENSIDADE DO NUTRIENTE

CLASS.
Vitamina E 18.10 mg 90.5 7.9 excelente
Vitamina B1 (tiamina) 0.82 mg 54.7 4.8 muito bom
Manganésio 0.73 mg 36.5 3.2 bom
Magnésio 127.44 mg 31.9 2.8 bom
Cobre 0.63 mg 31.5 2.8 bom
Triptofanos 0.10 g 31.3 2.7 bom
Selênio 21.42 mcg 30.6 2.7 bom
Fósforo 253.80 mg 25.4 2.2 bom
Vitamina B5 (Ácido pantotÉnico) 2.43 mg 24.3 2.1 bom
Folatos 81.86 mcg 20.5 1.8 bom

Fonte: www.alimentacaosaudavel.org

Girassol

Girassol

1 - INTRODUÇÃO

O girassol é uma fonte importante de óleo comestível. Sua produção mundial ultrapassa 20 milhões de toneladas anuais de grãos

O óleo de girassol vem despertando, nos últimos anos, o interesse de muitos consumidores pelo recente conhecimento científico de que ele reduz o nível do colesterol que traz risco à saúde humana, quando em excesso nos vasos sanguíneos.

Originária da América do Norte a planta do girassol se desenvolve e produz bem na maior parte do Estado de São Paulo.

As regiões muito úmidas do leste e do Sul do estado são inaptas para o seu cultivo. A incidência de doenças por excesso de umidade limita a produção nessas regiões.

A cultura do girassol tem boa resistência à seca e ao frio, podendo ser usada com vantagem como segunda cultura. Outra vantagem, é a sua total mecanização.

O rendimento de grãos na lavoura de girassol pode atingir e ultrapassar 2500 kg/ha, com a tecnologia nacional atualmente disponível. Em áreas experimentais há registro de rendimentos superiores a 3000 kg/ha.

2 - CLIMA E SOLO

A cultura do girassol é pouco exigente em calor, desenvolvendo-se em ampla faixa de temperatura. Como outras culturas, é sensível à geada, que danifica sua folhagem e provoca chochamento de grãos quando ocorre na época do florescimento. Há, entretanto, materiais resistentes à geada, que não sofrem a queima de folhas nem o chochamento de grãos.

Temperaturas elevadas na fase de formação e maturação das sementes podem acarretar redução no seu teor de óleo.

O desenvolvimento e a produção de girassol requer bom suprimento de água no solo no período que vai da germinação das sementes ao início do florescimento.

Após a formação dos grãos a cultura é favorecida por período seco.

Os solos mais indicados para a produção de girassol são os de textura média, profundos, com boa drenagem, razoável fertilidade e pH de moderadamente ácido a neutro; superior a 5,2 (determinação em CaCl2) .

Solos leves ou pesados podem também ser usados se não houver impedimento para o desenvolvimento do sistema radicular. Solos com acidez elevada ou acentuada pobreza química não devem ser usados para o cultivo do o girassol sem a correção dessas deficiências.

3 - CULTIVARES

Dois cultivares de girassol obtidos no Instituto Agronômico (IAC) são recomendados para plantio no Estado de São Paulo; o IAC-Anhandy e o IAC-Uruguai.

O primeiro é recomendado para a produção de óleo e o segundo para a alimentação de pássaros.

Além desses cultivares, diversos híbridos, de empresas privadas são também recomendados.

O boletim "O Agronômico " - V 34, 1982, traz as seguintes características do cultivar Anhandy:

"A altura média das plantas no plantio das águas é 182 cm e no plantio da seca é 150 cm. O diâmetro dos capítulos no plantio das águas é 18,0 cm e no plantio da seca 14,8 cm. Polinização cruzada e flores amarelas. Ciclo de 90 a115 dias. A produtividade é 800 a 2400 kg/ha, dependendo principalmente, da época do plantio.

As sementes são oblongas, com 11,43 mm de comprimento por 6,09 mm de largura e 3,94 mm de espessura. Testa preta, rajada de cinza. O peso médio de cem sementes é 6,11 g e o teor de óleo 45%. É resistente a geadas e ao tombamento e tolerante à ferrugem (Puccinia helianthi ) e à alternaria (A. zinniae, A. helianthi e A. alternata)".

4 - PREPARO DO SOLO

Para o plantio do girassol, o terreno é preparado com aração profunda (25 a 30 cm) e gradeações. Essas operações são efetuadas após a limpeza do terreno, quando ela é necessária. A ultima gradeação realizada pouco antes do plantio contribui para o controle das ervas daninhas. Após a última gradeação o terreno deverá estar livre de ervas, de torrões e com a sua superfície uniforme.

5 - CALAGEM

Nos solos ácidos, que requerem calagem, a quantidade de calcário recomendada com base na análise de terra deve ser usada. Essa quantidade é calculada para elevar o índice de saturação por bases para 70%.

O calcário comum é aplicado sessenta dias, no mínimo, antes do plantio e o calcário semicalcinado com a antecedência de um mês.

O calcário pode ser incorporado ao solo com grade comum antes da aração e posteriormente incorporado mais profundamente com a aração. Pode também ser aplicado em duas vezes; metade da dose antes da aração e a outra metade após a aração . A forma mais comum de fazer a calagem tem sido a aplicação do calcário de uma só vez após a aração e antes das gradeações. Nessa forma de aplicação, o calcário fica pouco distribuído no perfil do solo.

6 - ADUBAÇÃO

Produção elevadas de girassol geralmente dependem da adubação química, que deve ser usada de acordo com a recomendação estabelecida mediante análise de terra.

Na adubação química, são aplicados no plantio 10 kg de N por hectare e o total das doses de fósforo e de potássio. O restante do nitrogênio é aplicado em cobertura trinta dias após a emergência das plantas.

Na falta da análise de terra, podem ser usados no plantio 200 kg por hectare da fórmula 5-25-25 ou a quantidade de qualquer outra fórmula que forneça doses correspondentes de N, P2O5 e K2O. Em cobertura poderão ser aplicados 20 kg/ha de N.

Quando a acidez do solo é corrigida pela calagem, é necessário misturar ao adubo aplicado em cobertura oito quilos de ácido bórico por hectare, e antecipar a adubação em cobertura de 30 dias para 20 dias após a emergência das plantas.

7 - PLANTIO

O plantio do girassol em São Paulo abrange o período de setembro a março, destacando -se duas épocas: a da primavera, a partir de meados de setembro, e a de verão, com início em fins de dezembro. A época mais favorável para o plantio situa-se entre fins de dezembro e meados de fevereiro.

O espaçamento de plantio de girassol pode variar de 60 a 90 cm entre linhas e de 30 a 40 cm entre as sementes na linha. Para materiais de porte médio, o espaçamento de 70 cm entre linhas apresenta bons resultados. O espaçamento de 80 cm.tem sido empregado para a mecanização da colheita com colhedeiras de milho adaptadas.

A profundidade de plantio recomendada é de 3 a 5 cm,.estabelecida a profundidade ela deve ser mantida constante em toda a operação de plantio para evitar falhas na linha.

A semeadura é realizada quando o solo esta com bom teor de umidade.

As sementes de girassol têm forma oblonga, sendo por isso difícil sua distribuição uniforme com os dosadores de sementes das semeadoras usadas em outras culturas. É, portanto, necessário usar dispositivos distribuidores de sementes específicos para o girassol para manter sua semeadura uniforme obter uniformidade na semeadura é de particular importância porque há acentuada concorrência entre as plantas do girassol quando há excessos de plantas na linha.

8 - TRATOS CULTURAIS

O controle de ervas na cultura do girassol pode ser mecânico ou químico. Geralmente o controle mecânico é suficiente para manter a lavoura livre de ervas.

Os cultivos realizados com cultivador,e complementados com enxada, quando necessário, devem ser realizados com as ervas ainda pequenas.

No controle químico podem ser usados herbicidas à base de Trifluralina e Alachlor.

9 - PRAGAS E CONTROLE

A praga que tem atacado a cultura de girassol com mais freqüência e mais intensidade e a lagarta preta das folhas, de nome específico Chlosyne lacinia saundersii.

O besouro Ciclocephala melanocephala, de ocorrência bastante rara, danificam os capítulos provocando prejuízos consideráveis à produção. Outras pragas, como vaquinhas, cigarrinhas, besouros e outras lagartas são encontradas na cultura do girassol, porém os danos que causam não tem expressão econômica.

Para o controle da lagarta preta das folhas e do besouro dos capítulos são recomendados produtos à base de Triclorfom e Cartap.

10 - DOENÇAS E CONTROLE

A principal doença da lavoura de girassol em São Paulo é a Mancha de Alternária, doença fúngica que caracteriza-se por pequenas pontuações necróticos de coloração castanha a negra, de forma arredondada ou angular, com cerca de 3 a 5mm de extensão, e talo de cor amarela em torno da lesão.

A ferrugem, outra doença fúngica cujo agente causal é o fungo Puccinia helianthi já causou sérios prejuízos à produção paulista. Os materiais atualmente utilizados têm apresentado tolerância à ferrugem, deixando essa doença de ser um risco para a produção.

Nos plantios tardios (abril), realizados em regiões úmidas e frias, ocorre a podridão de Sclerotínia, que se caracteriza por uma camada de micélio branco sobre o caule das plantas, escleródios no seu interior e podridão nos capítulos. O agente causal dessa doença é o fungo Selerotína Sclerotiorum.

Não há produtos químicos registrados no Ministério da Agricultura para o controle de doenças do girassol. As medidas de controle são culturais, destacando-se a rotação de culturas e o emprego de sementes sadias.

11 - COLHEITA

A colheita pode ser totalmente mecanizada ou semi-mecanizada. Ela é realizada 100 a 130 dias após a emergência das plantas, quando o capitulo está com coloração castanha. O teor de umidade dos grãos para o armazenamento é de 11%, podendo o girassol ser colhido com 14% de umidade para posterior redução da umidade a 11%.

A mecanização total da colheita é obtida com a adaptação de plataformas em colhedoras automotrizes de cereais. Essas adaptações tem sido feitas em colhedoras de milho.

A colheita semi-mecanizada é semelhante à de feijão. Os capítulos são colhidos e amontoados junto à batedeira estacionária para a operação de trilha.

12 - BENEFICIO E ARMAZENAMENTO

Após a trilha, o girassol contém muita impureza e precisa passar por processo de limpeza (ventilação) para redução do seu teor de impureza a 4%, ou ao teor requerido pelo comprador.

A limpeza dos grãos é operação indispensável para a obtenção de boa qualidade do óleo e da torta.

13 - COMERCIALIZAÇÃO

O girassol é destinado à alimentação de pássaros ou às industria de óleo, dependendo do tipo de material usado no plantio.

Para a alimentação de pássaros sua cotação tem oscilado em torno de 500 dólares por tonelada. O mercado para o consumo por pássaros é restrito.

O girassol destinado às industrias de óleo tem cotação em torno de 200 dólares por tonelada.

Dalmo Henrique de Campos Lasca

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, A.M.R.; MACHADO,C.C & PANIZZI, M.C.C. - Doenças do girassol: descrição de sintomas e metodologia para levantamento. Londrina, EMBRAPA-CNP de Soja, 1981. 24p. (Circular Técnica 6).
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - Centro Nacional de Pesquisa de Soja - Indicações técnicas para o cultivo do girassol. Londrina, 1983, 40 p. (Documentos, 3).
GIRASSOL "IAC ANHANDY". O Agronômico, Campinas, IAC, 34 (tomo único): 13, 1982 (separata).
LA CULTURE DU TOURNESOL. Paris, CETION, 1981. 16p.
MORAES, S.A.; UNGARO, M.R.G. & MENDES, B.M.J. "Alternaria helianti"agente causal de doença em girassol. Campinas, Fundação Cargill, 1983, 20 p.
ROSSI, R.O. O girassol. São Miguel do Oeste (SC), Rogobrás Sementes, 1991, 59 p.
SEMENTES CONTIBRASIL. Girassol: manual do produtor. São Paulo, 1981, 30 p.
UNGARO, M.R.G. - Instruções para a cultura do girassol. Campinas, IAC, 1986, 26 p. (Boletim Técnico 105)

Fonte: www.agrobyte.com.br

Girassol

Classificação Botânica

O Girassol, Helianthus annuus, faz parte da Família das Asteraceae e da Tribo das Heliantheae. O gênero Helianthus compreende 67 espécies conhecidas.

História

Girassol

A história do girassol não começa na Rússia, assim como algumas pessoas ainda pensam, mas na América, em um passado muito longínquo, quando os povos ameríndios descobriram que as sementes de girassol eram muito nutritivas.

Só foi na redescoberta da América que essa planta viajou para a Europa e aí inflamou numerosas curiosidades por causa de seu grande tamanho. Ela se tornou então um dos elementos essenciais da agricultura na Rússia.

O Girassol, Helianthus annuus (do grego Helios para sol e Anthos para flor) é uma das 67 espécies do gênero Halianthus. Lineu a batizou "annuus", anual, pois na sua época só se conhecia essa espécie anual de Helianthus.

Os botânicos consideram agora uma dúzia de espécies anuais de Helianthus. Todas as outras espécies são vivazes e algumas são utilizadas como ornamentais (por exemplo, Helianthus maximiliani).

Uma só espécie vivaz é utilizada para fins alimentares: é o topinambur, Helianthus tuberosus, que chamamos às vezes de alcachofra de Jerusalém, mas que não é uma alcachofra nem de Jerusalém. Entretanto, existem algumas espécies na América do Sul que são espécies brenhosas e às vezes arborescentes.

No seio da espécie Helianthus annuus, que chamamos de girassol, pode-se considerar três grupos distintos:

Plantas muito ramificadas que crescem em estado selvagem e que às vezes recobrem milhares de hectares na América do Norte, particularmente nas regiões do oeste.

Cultivos não ramificados, com grandes capítulos e grandes sementes, desenvolvidos há séculos pelo aspecto alimentício. O tamanho das plantas pode atingir 6 metros e o diâmetro dos capítulos pode atingir 80 cm. As sementes de algumas variedades de girassol gigante podem atingir 2,5 cm de comprimento.

Cultivos, normalmente muito ramificados, utilizados para fins ornamentais cujas cores das flores são muito diversas: amarelo limão, marrom, vermelho... As flores podem ser simples ou duplas.

É bastante difícil determinar exatamente a origem do uso do girassol pelos Ameríndios na medida em que suas sementes são muito mais frágeis do que as sementes do milho, que, uma vez seco, podem se conservar durante milênios. Entretanto, os pesquisadores descobriram sementes disseminadas em sítios ecológicos da América do Norte e da América Central.

Contudo, as narrações dos primeiros exploradores nos permitem destacar que o girassol era considerado como uma planta importante pelos numerosos povos Ameríndios.

No plano medicinal, os Zunis a utilizavam para as mordidas de serpentes com campainha; os Dakotas a utilizavam para as dores no peito, os Pawnees a integravam nas preparações durante a gravidez para que o bebê fosse sadio; os Cochitis utilizavam o suco fresco das hastes para curar as feridas. Alguns povos, tais como os Hopis, tinham recorrido a alguns cultivos cujas sementes violetas forneciam uma tintura para suas vestimentas e seus trançados.

No plano alimentício, o girassol era considerado como essencial e pequenos biscoitos eram confeccionados para serem comidos a fim de aliviar instantaneamente a fatiga.

Para alguns povos, o girassol era o alimento, por excelência, do guerreiro. No plano ritual, o girassol era também um elemento essencial da vida religiosa. Os Hopis utilizavam para ornar sua cabeleira durante as cerimônias religiosas.

Ele é, por exemplo, um elemento da cosmogonia dos Onondagas, com feijões, abóboras e milho.

Girassóis em madeira esculpida foram encontrados em sítios arqueológicos no Arizona.

Nutrição

Girassol

As sementes de Girassol contêm de 20 a 25% de proteínas. Essa proteína é relativamente bem equilibrada quanto à sua composição em aminoácidos, e ela é particularmente rica em isoleucina e triptofano, dois aminoácidos essenciais. Ela tem também uma boa presença em metionina e em cisteína, dois aminoácidos deficientes tanto no milho como na soja.

As sementes de Girassol contêm também muito ferro, cálcio, fósforo, sódio e potássio, vitaminas B (tiamina, riboflavina e niacina), beta-caroteno, precursor da vitamina A e da vitamina E, os tocoferóis. Dentre todos os óleos vegetais, o de o Girassol contém a maior proporção de alfa-tocoferol, a forma mais ativa da vitamina E.

As pétalas do Girassol constituem uma boa fonte de dois dos aminoácidos mais presentes nas substâncias alimentícias, a valina e a isoleucina.

Conselhos de jardinagem

É aconselhável só semear os girassóis após as últimas geadas. Pode-se também semeá-los em viveiros (pouco tempo antes da transplantação por causa de seu crescimento muito rápido) com a condição que os copinhos sejam em turfa, pois os girassóis não apreciam que seu sistema de raízes seja incomodado.

Deve-se também tomar cuidado com as lesmas que são excessivamente amadoras de jovens plântulas de girassol. É aconselhável semear os girassóis em um solo rico e afastar as outras culturas de um bom metro, pois eles deixam pouca chance às outras plantas de se desenvolverem harmoniosamente.

Polinização

Girassol

A inflorescência do Girassol é um capítulo composto de dois tipos de flores chamadas "florões": os florões periféricos que são linguados e unissexuados e os florões do disco que são tubulosos e hermafroditas. O número de florões tubulosos pode variar de algumas centenas a oito mil. Esses florões são geralmente abertos durante dois dias.

Durante o primeiro dia, as anteras liberam o pólen. Durante o segundo dia, o estigma emerge, seus dois lóbulos se abrem e se tornam receptivos a seu próprio pólen permanecendo fora de alcance.

Mesmo que numerosas flores da família das Asteráceas sejam auto-fecundas, o Girassol só o é muito raramente. As flores só podem ser fecundadas graças à visita de insetos (abelhas, zangões...) levando pólen externo. Se os acasos climáticos são tais que nenhum inseto venha visitar o florão, o estigma se enrola para entrar em contato com seu próprio pólen. Entretanto, nesse caso, o processo de fecundação só termina raramente.

Algumas variedades de Girassol são auto-compatíveis: o florão pode ser fecundado por pólen vindo de um outro florão do mesmo capítulo.

Outras variedades são auto-incompatíveis: o florão só pode ser fecundado por pólen vindo de outra planta.

Geralmente leva-se de cinco a dez dias para que os florões de um capítulo de Girassol se abram.

Um capítulo típico, em pleno período de polinização, se apresenta como se segue: primeiro em periferia, os florões secos que, na maioria, foram fecundados; em seguida, um anel de florões cujos estigmas são receptivos; em seguida, um anel de florões prontos para liberar o pólen; e depois, perto do centro, os florões que não abriram ainda.

Girassol

É necessário isolar as variedades para conservar a pureza das variedades. Esse isolamento pode variar de 700 metros a alguns quilômetros primeiramente em função do tamanho das populações de Girassol cultivados na região, em função da topografia do lugar e do raio de ação dos insetos polinizadores.

Considera-se geralmente que as abelhas podem transportar pólen de girassol em uma distância de 5 km. Existe também possibilidades de hibridações naturais com o topinambur, cujos brotos são abundantes em algumas regiões da França.

É também possível efetuar uma polinização manual. O processo é relativamente simples.

Deve-se isolar cada capítulo em um saco de papel kraft bastante forte e hermético antes que os florões tubulosos comecem a abrir.

Deve-se então a cada dia, durante os cinco a dez dias que duram a "floração" dos capítulos, tirar os sacos de papel, dois a dois. As duas flores, que são liberadas do saco, devem ser friccionadas uma contra a outra, delicadamente e depois protegidas novamente nos sacos. É essencial cuidar, durante o processo de polinização manual, para que nenhum inseto, abelha, zangão ou mosca, traga pólen estranho.

Produção de sementes

Girassol

Quando o capítulo do Girassol é completamente fecundado, isto é, que ele está cheio de sementes e que as pétalas começam a cair, ele pode ser cortado da planta e colocado para secar em um lugar protegido, as sementes voltadas para o alto a fim de evitar qualquer fermentação. Os pássaros adoram as sementes de Girassol e é muito difícil pegá-los, pois eles começam a devorá-las bem antes que elas estejam secas e que caiam sozinhas do capítulo.

O atrativo dos Girassóis para os abelheiros, os pintassilgos, os gaios azuis e todos os tipos de alados é completamente irresistível e eles não hesitam a entrar nas casas para roubar as preciosas sementes protéicas. Quando os capítulos começaram a secar, as sementes podem ser tiradas friccionando bem forte com as mãos.

Para limpar um grande número de capítulos, pode-se elaborar um tamis com uma grade de 2 cm por 2 cm fixada a uma gaiola em madeira ou mais simplesmente em uma barqueta de plástico que se mantém entre os dois joelhos. Em seguida, basta friccionar energeticamente os capítulos contra a grade para que as sementes caiam no recipiente.

É preciso na maior parte do tempo, continuar a secagem das sementes numa prateleira ou sobre um tamis, em um lugar seco e ao abrigo da luz solar direta, mexendo-as todos os dias.

O teste de secagem definitivo é o seguinte: pega-se uma semente entre o polegar e o indicador e tenta-se dobrá-la. Se ela se dobra, é que as sementes não estão ainda totalmente secas. Se ela se quebra em duas, é que as sementes estão bem secas e pode-se então estocá-las num recipiente.

As sementes de Girassol, conservadas em boas condições guardam a capacidade germinativa durante sete anos.

Criação de variedades

Girassol

O número de variedades de Girassóis que se encontra hoje em dia, nos catálogos, permite ao jardineiro amador brincar muito facilmente de criar suas próprias variedades se ele deseja. O Girassol é uma das plantas mais fáceis a cruzar e o único equipamento necessário consiste em sacos sólidos de papel kraft.

O processo de ensacamento dos capítulos é o mesmo que o evocado acima, com a diferença que os capítulos que vão ser colocados em contato pertencem a variedades diferentes.

Imaginemos que nós queremos cruzar uma flor de Velvet Queen com uma flor de Tiger's Eye. Se as duas variedades crescem perto uma da outra, basta tirar o saco de cada uma das flores, friccioná-las delicadamente uma contra a outra e fechá-las em seus sacos.

Quando duas variedades são distantes no jardim, pode-se recolher o pólen de uma das flores com pequenas pinças ou um pincel e recobrir delicadamente algumas dezenas de florões de outra flor, ou então cortar a primeira flor para vir friccioná-la delicadamente sobre a segunda flor.

Em resumo: o processo de polinização manual é muito simples com a condição de respeitar os três princípios seguintes:

1. Toda polinização manual só pode ser realizada a partir dos capítulos que foram "ensacados" antes que os primeiros florões se abram.
2.
Qualquer intrusão de um inseto polinizador durante o processo de polinização manual ou no interior de um saco mal fechado estraga a experiência ou pelo menos inclui o parâmetro do pólen desconhecido.
3.
Os sacos de papel kraft devem ser absolutamente substituídos depois de uma forte chuva que arrisca fazê-los estourar, isso durante todo o período (de cinco à dez dias) durante o qual os florões são receptivos.

Pode-se também cruzar qualquer variedade de Girassol, Helianthus annuus, com um certo número de espécies do gênero Helianthus. Assim, pode-se obter cruzamentos férteis com Helianthus debilis (cuja uma das variedades é conhecida sob o nome de Italian blanc ou Vanilla), Helianthus hirsutus, Helianthus strumosus, Helianthus tuberosus (os topinamburs), Helianthus maximiliani, Helianthus decapetalus, Helianthus angustifolius, Helianthus giganteus, Helianthus anomalus, Helianthus argophyllus, Helianthus bolanderi, Helianthus neglectus, Helianthus niveus, Helianthus paradoxus, Helianthus petiolaris e Helianthus praecox.

Pode-se assim orientar a seleção de uma variedade em função de tal ou tal critério.

Imaginemos um jardim de Girassóis Velvet Queen, cuja uma das plantas manifesta uma variação muito interessante de colorido. Basta então ensacar duas flores dessa planta, antes que os florões se abram, e praticar uma polinização cruzada. A polinização é auto-compatível.

Fonte: www.kokopelli-seed-foundation.com

Girassol

Cultura do Girassol

Os desafios que o girassol enfrenta no Brasil basicamente são: oferecer aos produtores uma cultura alternativa, que possibilite uma segunda colheita; oferecer mais uma matéria-prima oleaginosa ás indústrias de processamento de outros grãos, reduzindo sua ociosidade e oferecer ao mercado um óleo comestível de alto valor nutritivo.

Junta-se a esses desafios a alternativa atual da produção de energia, já que o óleo de girassol pode ser utilizado como matéria-prima para a produção de biocombustíveis.

Caracterização Botânica

O girassol (Helianthus annuus L.) é uma dicotiledônea anual. O gênero deriva do grego helios, que significa sol, e de anthus, que significa flor, ou “flor do sol”, que gira seguindo o movimento do sol. É da ordem Asterales e família Asteraceae.

É uma planta de fecundação cruzada, sendo feita basicamente por insetos, particularmente as abelhas. Em lavouras comerciais, durante a floração, as abelhas propiciam aumento da produção, pela polinização de um maior número de flores além de possibilitar completa fecundação das mesmas.

Ou seja, além da produção de aquênios, a produção de mel pode ser outra fonte de renda, visto que chega a produzir de 30 a 40 Kg de mel por hectare.

Exigências climáticas

O girassol é uma cultura que se adapta bem a diversos ambientes, podendo tolerar temperaturas baixas e períodos de estresse hídrico.

O déficit hídrico é o principal fator limitante para o desenvolvimento das culturas em solos agricultáveis, e constitui-se na maior causa de variabilidade dos rendimentos de grãos de um ano para outro.

Ventos fortes, além de provocar grande evaporação e perda de água, podem tombar ou até mesmo quebrar a planta de girassol, em qualquer fase de desenvolvimento. Assim como a ocorrência de granizo também é altamente prejudicial a esta cultura.

Em solos com aeração e disponibilidade hídrica adequadas, a temperatura é o fator mais limitante á germinação da semente de girassol, sendo que a ideal é entre 6 a 23º C.

As plantas podem suportar temperaturas baixas por curto período, principalmente nas fases iniciais de desenvolvimento até quatro a oito folhas.

Efeito da compactação no desenvolvimento das plantas

O girassol é uma planta que se caracteriza por possuir sistema radicular profundo. No entanto, suas raízes são sensíveis à compactação e ao adensamento do solo que, associados à presença de formas tóxicas de alumínio, inibem seu crescimento, reduzindo o volume do solo explorado.

A compactação do solo pode ser facilmente constatada em plantas debilitadas que apresentam encurvamento, deformação e crescimento horizontal da raiz pivotante.

Preparo do solo

O sistema de preparo da área depende das necessidades de correção de impedimentos ao desenvolvimento das raízes ou manutenção de condições adequadas do solo, podendo ser empregado tanto o sistema convencional como o direto.

Apesar da semeadura direta ser a prática mais correta de manejo do solo, do ponto de vista conservacionista, é possível o cultivo do girassol pelo sistema de preparo convencional, desde que este seja utilizado racionalmente, em virtude dos sérios riscos de degradação ambiental que o mesmo ocasiona pelo processo erosivo que favorece a movimentação do solo.

A semeadura direta apresenta-se como sistema ideal de exploração agropecuária por vários aspectos: redução do número de operações; mobilização do solo apenas na linha de semeadura mantendo a estrutura e cobertura do solo, reduzindo as perdas do solo por erosão; aumento da matéria orgânica do solo, melhorando o potencial produtivo do solo; melhor conservação da água no solo e aumento da água disponível as culturas.

No entanto, a semeadura direta não deve ser encarada como uma prática possível de ser aplicada em todos os tipos de solos. Solos degradados, compactados, ácidos e presença de plantas indicadoras, devem ser submetidas a práticas corretivas antes da adoção do sistema.

Nutrição e adubação

O girassol apresenta-se como uma cultura melhoradora da fertilidade do solo por apresentar uma elevada capacidade de ciclagem de nutrientes absorvidos em profundidade e uma reduzida taxa de exportação de nutrientes. No entanto, devido às restrições fitossanitárias, é recomendável a rotação de áreas de cultivo de girassol, com a introdução da cultura a cada quatro anos numa mesma área.

Correção da acidez

A necessidade de utilização e corretivos de acidez do solo é determinada com base na análise química das camadas superficiais (0 - 20 cm) e subsuperficiais (20 – 40 cm) dos solos.

A calagem tem como objetivo reduzir a acidez do solo, disponibilizando o alumínio e o manganês a níveis não tóxicos às plantas, assim como melhorar a condição geral de fertilidade dos solos, pelo fornecimento de Cálcio e Magnésio e elevação de troca de cátions.

Adubação

Para que o girassol possa expressar todo o seu potencial produtivo, o suprimento de água e nutrientes deve ser adequado desde o início do seu desenvolvimento, principalmente, a partir da emissão do botão floral quando inicia o período de maior crescimento, acompanhado do aumento no consumo de água e da demanda nutricional.

O girassol é uma cultura exigente em fertilidade, acumulando grande quantidade de nutrientes. No entanto, a sua resposta à adubação é limitada pelo potencial produtivo assim como pela taxa de exportação de nutrientes que não é elevada.

O Nitrogênio é o segundo nutriente mais requerido pela cultura do girassol, e segundo alguns autores é o que mais limita a produção do mesmo, proporcionando redução que pode chegar a 60% na produtividade em decorrência da sua deficiência.

Quando não há limitação da disponibilidade de Fósforo, a absorção do nutriente ocorre até o enchimento de aquênios. Nas condições de solo em que o girassol tem sido normalmente cultivado no Brasil, em sistemas de rotação de culturas, principalmente após o milho ou a soja, não é comum o aparecimento de sintomas de deficiência de Fósforo, e a diagnose foliar é o melhor método de avaliação para a identificação da deficiência do nutriente.

A baixa disponibilidade de Potássio no solo pode causar a diminuição gradativa na taxa de crescimento das plantas, com redução da produtividade das culturas, safra após safra, mesmo sem os sintomas típicos da deficiência.

Em relação aos micronutrientes, o Boro é o mais limitante ao cultivo do girassol, causando desde sintomas leves, até a perda total da produção pela queda dos capítulos. Sua carência ocasiona a elongação das raízes, devido aos problemas na divisão celular e elongação das células, tornando-as grossas e com pontas necróticas. Sendo que os sintomas ocorrem, principalmente, nas fases de florescimento e de enchimento de aquênios e caracterizam-se pelo crescimento reduzido das folhas jovens.

Semeadura e manejo da cultura de girassol

Em relação ao girassol, a maioria dos equipamentos semeadores disponíveis no mercado brasileiro ainda não cumpre convenientemente as funções de dosificador, distribuir e acondicionar a semente no solo, transformando-se em grande entrave para o estabelecimento uniforme da população de plantas pré-definidas.

A uniformidade de semeadura e de distribuição de plantas são fatores fundamentais para o cultivo de girassol com alta produção.

Uma característica importante que deve ser observada no beneficiamento da semente de girassol é a padronização de seu tamanho, o que facilita a escolha de discos adequados para fazer a semeadura.

A população de plantas está diretamente relacionada a fatores gerais como tipo de cultura, altura da planta, fertilidade do solo, distribuição de chuva, irrigação, práticas de cultivo e colheita, e à natureza específica como viabilidade e pureza da semente. Segundo alguns autores, os maiores rendimentos são obtidos com populações de plantas entre 40 e 55 mil plantas por hectare.

Em relação ao espaçamento nas entrelinhas, a distância pode variar de 50 a 90 cm, em função da semeadora e da colheita, no entanto o mais indicado é o espaçamento de 70 cm, a uma profundidade de semeadura que deve ficar entre 4 – 5 cm.

Manejo de plantas indicadoras

As plantas indicadoras interferem sobre as culturas agrícolas, reduzindo principalmente, o rendimento devido à competição por água, luz e nutrientes.

Indiretamente, as espécies indicadoras podem causar prejuízos aos cultivos por hospedarem insetos-pragas, fungos e nematóides; além de dificultarem os trabalhos de colheita e depreciar a qualidade do produto colhido.

A presença de plantas daninhas durante as primeiras etapas do ciclo de cultivo do girassol resulta em plantas cloróticas, de menor porte, com diminuição severa da área foliar, do diâmetro de caule e do capítulo. Também ocorre redução do número de aquênios, e quanto ao rendimento de grãos, podem ocorrer perdas entre 23 a 75%.

Invertebrados associados ao girassol e seu manejo

Vários insetos podem ocasionar diferentes tipos de danos ao girassol no Brasil, resultando na redução da produtividade da cultura se não forem controlados adequadamente. Os danos podem envolver insetos que atacam as raízes, que cortam plântulas, reduzindo o estande da cultura, que causam desfolha e os que atacam a haste, o capítulo e os aquênios.

Insetos que atacam a raiz: percevejo castanho (Scaptocoris castanea Petry); corós ou pão-de-galinha (Coleóptera: Melolonthidae);
Insetos que atacam plântulas:
lagarta rosca (Agrotis ipsilon)
Insetos que atacam as folhas:
vaquinhas (Diabrotica speciosa; lagartas desfolhadoras (Chlosyne lacinia saundersii); lagarta-do-linho (Rachiplusiannu Guenee.)
Formigas:
várias espécies de formigas têm potencial para afetar a cultura do girassol, quando suas populações são elevadas, com destaque para espécies de saúva (Atta spp.) e da formiga negra (Acromyrmex spp.). Podem devastar toda a parte aérea de plântulas de girassol em poucos dias, bem como de plantas em estádio vegetativo, ainda com três a cinco folhas, em setores localizados da lavoura.

Insetos que atacam a haste, o capítulo e os aquênios:

Percevejos, principalmente os pentatomídeos, como Edessa meditabunda (F.), Nezara viridula (L.), Euschistus heros (F.), Piezodorus guidinii (West.) e Acroesternum spp.
Besouro Marrom: Cyclocephala melanocephala
Lagarta-do-capítulo: Heliothis virescens F.

Manejo de doenças no girassol

A expansão da cultura do girassol pode ser prejudicada, entre outros fatores, pela presença de doenças por vírus, bactérias, fungos e nematóides.

No Brasil, várias doenças são relatadas que afetam a cultura do girassol: mosaico, mancha e crestamento bacterianos, podridão da medula da haste, mancha da Alternaria, podridão branca, míldio, ferrugem, bolha branca, oídio, mancha cinzenta da haste, mancha preta da haste, tombamento e podridões radiculares e podridões de capítulo. Sendo que a mancha da alternaria e a podridão são consideradas as mais severas.

Colheita

A colheita é uma das últimas operações realizadas a campo, finalizando o processo de produção agrícola de determinada espécie vegetal.

A época da colheita do girassol é determinada em função do ponto de maturação fisiológica, do teor de umidade dos aquênios (sementes) e da mudança de coloração do dorso do capítulo.

Alguns autores não recomendam a colheita quando os aquênios estiverem com a umidade entre 11 e 13%, pois o processo não acompanhado de secagem imediata proporciona condições favoráveis ao desenvolvimento e a disseminação de fungos e outros microorganismos, e que tende a manchar os aquênios.

A colheita do girassol pode ser realizada de forma manual ou mecânica e é influenciada por vários fatores de produção, como tamanho da área, disponibilidade de mão-de-obra e/ou máquina colhedora, investimentos, tecnologia de produção adotada, entre outros.

Secagem e armazenagem

A umidade ideal de armazenamento da semente do girassol é de 10%. A secagem pode ser feita em pequenas quantidades ao ar livre, sobre lonas. Em caso de grandes volumes, o ideal é a utilização de secadores para manter a qualidade da semente.

Referências Bibliográficas

Manual de adubação e de Calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo – Núcleo regional Sul. Comissão de Química e Fertilidade do Solo – RS/SC, Porto Alegre, 2004.
LEITE, R. M. B. C; BRIGHENTI, A. M; CASTRO, C. Girassol no Brasil. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Soja, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Embrapa Soja, Londrina, PR, 2005.

Fonte: www.cooperbio.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal