Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Graviola - Página 2  Voltar

Graviola

Graviola

Aspectos Gerais

Tem-se como origem da gravioleira as terras baixas da América Tropical e vales peruanos; conhecida como guanábano (língua espanhola), soursop (lingua inglesa) e corossolier (língua francesa) é fruta tropical importante nos mercados da America Tropical sendo a Venezuela o maior produtor sul-americano. A sua importancia comercial no Brasil é pequena apesar da demanda crescente pela polpa do fruto no país, no Oriente Médio e na Europa (Alemanha e Espanha). No Nordeste brasileiro o município cearense de Trairi mantém plantios organizados dessa fruteira.

Botânica/Descrição/Variedades

A gravioleira é conhecida como Anona muricata, L, Dicotiledonea, Anonaceae. Tem hábito de crescimento ereto, pode alcançar 4 a 8 m. de altura quando adulta, abundante sistema radicular, caule único com ramificação assimétrica.

As flores são perfeitas, hermafroditas, verde-escuras a verde-claras. O fruto - graviola - também conhecido como jaca-de-pobre, jaca-do- pará, coração-de-rainha, araticum manso, é uma baga composta (sincarpo) com peso oscilando entre 0,4 Kg. a 10 Kg, comprimento médio em 30 cm. e formato de coração; a casca tem espículas carnosas moles e é verde-clara na colheita. A polpa é branca sucosa.

A semente com 1 a 2 cm. de comprimento, peso 0,59 g. (170 sementes/100 g.) é preta na sua retirada do fruto passando a marrom dias após; de ordinário encontra-se 100 sementes por fruto.

A composição de 100 g. de polpa é: 60 calorias, 1 g. de proteina, 24 mg. de cálcio, 28 mg. de fósforo, 0,5 mg. de ferro, 20 mmg. Vit. A, 0,07 mg. Vit. B1, 0,05 mg. Vit. B2, 26 mg. Vit. C.

- No Nordeste brasileiro predomina o tipo de graviola nordestina ou crioula ( com frutos cordiformes, pesando entre 1,5-3,0 Kg., polpa mole, doce a sub-ácida).

A EMBRAPA/CPAC (Cerrado) introduziu no país gravioleiras colombianas (1981); dentre elas sobressae-se a Morada (que produz 40 Kg. de polpa/planta/ano, frutos grandes - 3 a

10 Kg. - redondo a cordiforme, polpa firme, sabor sub-ácido; a planta é tolerante ao ataque de brocas)

Usos da Gravioleira

Planta

Alcaloides, como a anonina e a muricuna, são extraídos da casca do tronco, das folhas e das sementes; são destinados à produção de inseticidas.

Fruto

A polpa é consumida ao natural, com açúcar ou compondo refrescos, sucos e sorvetes apesar de ser de difícil digestão (1,8% de celulose).

Prestando-se bem ao processamento a polpa é utilizada na indústria para produção de sucos concentrados, polpas congeladas, nectar, geleias, cremes, bebidas (Cuba), diuréticos e xaropes anti-escorbuticos.

Necessidades da Planta

Planta originária de regiões de clima tropical a gravioleira também desenvolve-se em regiões de clima sub-tropical e tem boa adaptabilidade ao Nordeste brasileiro.

Clima

Requer temperatura média anual entre 25ºC a 28ºC (21-30ºC sem quedas abaixo de 12ºC), chuvas acima de 1.000 mm./ano bem distribuídos (100 mm./mês), com período seco na frutificação, umidade relativa do ar entre 75 e 80%. A região quente do semi-árido nordestino, com irrigação artificial, induz boa vegetação e produção à gravioleira.

Solos

A planta adapta-se a diferentes tipos de solo mas prefere aqueles profundos, bem drenados, ricos em materia organica, ligeiramente ácidos - Ph entre 6,0-6,5 - não sujeitos a encharcamento e argilo-arenosos. Os solos de aluvião, bem drenados, prestam-se bem à graviola.

Propagação/Formação de Mudas

A propagação da gravioleira é feita através de processos assexuados - alporquia, estaquia, cultivo de tecidos e enxertia (garfagem - o comercial) - e processo sexual - via sementes.

Para qualquer dos processos a planta matriz - fornecedora de ramos de tecidos, de gemas ou de sementes - deve ser vigorosa, precoce, sadia, e de boa produção. As sementes devem ser obtidas de frutos maduros e sadios e elas devem ser integras e vigorosas.

Mudas para formação de pomares comerciais

Enxertos - devem ser obtidas de produtores de mudas credenciados por organizações oficiais. Para pomares caseiros pode-se preparar mudas (via sementes) na propriedade rural.

Preparo de mudas via sementes

Vinte quatro horas antes do semeio a semente é colocada em água fria para quebra de dormencia. Sacos de polietileno com 35 cm de alturaX22 cm de largura e 0,2 mm de espessura, recebem 6 a 8 L de mistura formada de 2 partes de terra areno-argilosa e uma de esterco de curral bem curtido.

Para cada m3 da mistura adicionar 200 g de calcário dolomítico, 200 g de cloreto de potássio e 250 g de superfosfato simples. A 2 cm de profundidade coloca-se 2 a 3 sementes por saco e irriga-se; entre 20 e 35 dias (até 60 dias) dá-se a germinação. Os sacos são dispostos em fileiras duplas distantes de 60 cm entre si e cobertos com sombrite ou folha de palmeira (50% de luz).

Plantinhas com 5 a 10 cm de altura são desbastadas deixando-se a mais vigorosa. 4 a 5 meses pós semeio, muda com 30 a 40 cm de altura estará apta ao plantio definitivo. Para controle de pragas e doenças pode-se utilizar maeatiom 50 CE e oxicloreto de cobre 50 PM, em pulverizações de 10 em 10 ou de 15 em 15 dias. A partir do 3o mês permitir paulatinamente, a entrada de mais luz no viveiro. Manter solo no saco úmido, sem exagero.

Instalação do Pomar

Preparo do solo

Passa por derrubada, destoca, encoivaramento e queima (se área de mata); controle de cupins e formigas completam 3 meses antes do plantio efetuar aração (30 cm de profundidade) e uma a duas gradagens. Em caso de correção de solo, aplicar calcário antes da aração (metade da dose) e antes da 1o gradagem (outra metade).

Espaçamento/densidade

O espaçamento varia de 4 m X 4 m (625 plantas/há), a 8 m a 8 m(156 plantas/há). A variação deve-se do porte da planta, topografia do terreno, fertilidade, plantio consorciado ou não, definitivo ou temporário, condições climáticas... . Em terreno plano utiliza-se 6 m X 6 m (quadrado) , em área pouco acidentada 6 m X 6 m (triângulo); em solo fértil, rico em matéria orgânica 8 m X 8m e sob clima trópical úmido 6 m X 6 m ou 7 m X 7m .

Coveamento/ adubação básica

Covas devem ter dimensões 60 cm X 60 cm e ser abertas 60 dias antes do plantio separando terra dos primeiros 20 cm. No fundo da cova coloca-se mistura de parte da terra separada com 20 L de esterco de curral curtido e, 200 g de calcário; enche-se a cova com outra metade da terra separada mais 600 g de superfosato triplo, 200 g de cloreto de potássio e 200 g de calcário dolomítico.

Plantio

Deve ser feito em terrenos com altitude abaixo de 1.200 m, próximos a estradas, em áreas planas a levemente onduladas. No início da estação chuvosa efetua-se o plantio. Retira-se o fundo do saco, leva-se a muda à cova onde retira-se o resto do saco ao tempo em que se chega terra ao torrão comprimindo-a; a superfície do torrão deve ficar 2 cm acima do solo. Prepara-se uma bacia com 10 cm de altura a 30 cm do caule com 20 cm de palha seca. Irriga-se com 20 L de água e, em caso de ventos, tutora-se a muda (estaca enterrada ao lado que amarra a muda).

Tratos Culturais

Manter cultura livre de ervas invasoras roçando as ruas de plantio e capinando em coroamento (projeção da copa da planta.

Poda de formação: cortar broto terminal a 60 cm do solo e selecionar 3-4 brotos bem distribuídos nos últimos 20 cm de altura do caule para formação da copa (não permitir altura acima de 2,2 m).

Poda de limpeza - Eliminar ramos indesejáveis, ramos secos, doentes ou praguejados.

Adubação em cobertura: No início das chuvas aplica-se 15 litros de esterco de curral. A cada 3 meses aplicar 1 Kg da fórmula 10-13-15/planta, incorporando a 10 cm de profundidade numa área com limites 1/3 para dentro a 1/3 para fora do limite da copa.

Crê-se que a necessidade de água/dia da gravioleira está entre 3,5 e 4,0 mm:

Consorciação

Como cultura secundária pode-se consorciar-se à mangueira; como cultura principal, aceita leguminosas (feijão, amendoim, soja) ou milho, abobora, batatinha.

Pragas

Broca-do-Tonco

Cratosomus Sp. Coleoptera, Curculionidae; O inseto adulto é um besouro convexo de cor quase preta; a forma jovem, lagarta (broca), é branca, com cabeça escura, sem patas. A femêa ovipõe em orifício que faz na casca; a lagarta, saindo do ovo, penetra na madeira abre galeria no tronco e expele dejeções pelo orifício. O sinal do ataque é a presença de excrementos e exsudação pegajosa no tronco.

Controle

Injeção via orifício, de inseticida DDVP (10 ml. /10 litros de água).

Broca-do-Fruto

Cerconata anonella (Sepp.1830) Lepidoptera, Stenomidae

O adulto é mariposa branca-acinzentada com 25 mm. de envergadura que põe ovos sobre flores e pequenos frutos. O jovem (lagarta), cor de rosa ou verde-pardo, roe a casca do fruto penetrando para seu centro, destroe a polpa e aloja-se na semente. Frutos atacados apodrecem e caem.

Controle

Queimar frutos atacados (planta e chão), pulverizar frutos com inseticida triclorfom 50 SC (Dipterex a 0,2%) ou fentiom 50 CE (Lebaycia a 0,15%) a cada 10 dias. Ainda usa-se ensacamento do fruto com saco de papel parafinado.

Com outras pragas cita-se vespa-da-semente (Bephrateloides), moscas-das-frutas (Ceratitis, Anastrepha), lagarta-das-flores (Thecla) e tripes-do-fruto (Heliothrips) que podem ser controlados com paratiom, carbaryl, malatiom e fentiom.

Doenças

Em Viveiro

Tombamento de Plantinha - (fungos Rhizoctonia, Fusarium) - Agentes atacam colo e raízes das plantinhas tombando-as.

Controla-se, preventivamente, tratando a terra para enchimento dos sacos com brometo de metila.
Como tratamento pós germinação, pulverizar colo das plantinhas com benomyl 50 PM (Benlate a 0,1%).

Em Campo

Antracnose: fungo Colletotrichum gloeosporioides Penz. - Fungo ataca ramos novos, flores e frutos pequenos provocando sua queda (umidade relativa e temperatura altas).

Controle: oxicloreto de cobre 50 PM (200 g. / 100 l. água) ou benomyl 50 PM (150 g. / 100 l. água) em pulverizações intercaladas de 10 em 10 dias.

Podridão Parda: fungo Rhizophus stolonifer Sac. - Fungo ataca flores e frutos, - na colheita e pós-colheita, penetrando através do penduculo causando podridão da polpa seguindo-se a mumificação do fruto.

Colheita / Rendimento

Gravioleiras provenientes de sementes iniciam a floração no 3º ou 4º ano pós-plantio e as enxertadas já no 1º ano de vida. A produção comercial aos 3 e 5 anos; ela permanece por 10 a 15 anos.

Sugere-se que os frutos sejam colhidos logo que a coloração da casca passar do verde escuro para o verde-claro (perda do brilho da casca e polpa levemente mole se comprimindo o fruto com dedo). Após colheita o fruto é colocado em pratileiras em ambiente com 22ºC de temperatura e 40-50% de umidade relativa. Seis dias após o fruto estará comestível durando 2-3 dias.

Tem sido registradas produções de 32 t. de frutos/há. (384 plantas de 6 anos - Havai), 10 t. /há (238 plantas de 8 anos) de gravioleiras.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

Editora Abril S/A 1991
Guia Rural Plantar
São Paulo
Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuaria
Instruções Técnicas do IPA 13 Fevereiro/83
Cultivo da Gravioleira
Recife-Pe.
Embrapa - SPI
Graviola para Exportação
Brasília, DF, 1994
Editora Agronómica Ceres Ltda
Manual de Entomologia Agricola
São Paulo - 1978

Fonte: www.seagri.ba.gov.br

Graviola

Graviola

Aspectos Gerais e Agronômicos

A gravioleira é originária das terras baixas da América Tropical e vales peruanos; conhecida como guanábano (língua espanhola), soursop (língua inglesa) e corossolier (língua francesa) é fruta tropical importante nos mercados da América Tropical sendo a Venezuela o maior produtor sul-americano.

A sua importância comercial no Brasil é pequena apesar da demanda crescente pela polpa do fruto no país, no Oriente Médio e na Europa (Alemanha e Espanha).

No Nordeste brasileiro o município cearense de Trairi mantém plantios organizados dessa fruteira.

Botânica - Descrição - Variedades

A gravioleira é conhecida como Anona muricata, L, Dicotiledonea, Anonaceae. Tem hábito de crescimento ereto, pode alcançar 4 a 8m de altura quando adulta, abundante sistema radicular, caule único com ramificação assimétrica. As flores são perfeitas, hermafroditas, verde-escuras a verde-claras.

O fruto, graviola - também conhecido como jaca-de-pobre, jaca-do-Pará, coração-de-rainha, araticum manso, é uma baga composta (sincarpo) com peso oscilando entre 0,4kg a 10 kg, comprimento médio em 30cm e formato de coração; a casca tem espículas carnosas moles e é verde-clara na colheita. A polpa é branca sucosa.

A semente com 1 a 2 cm de comprimento, peso 0,59 g (170 sementes/100 g) é preta na sua retirada do fruto passando a marrom dias após; de ordinário encontra-se 100 sementes por fruto.

100 gramas de polpa do fruto contém:

60 calorias 1 g de proteína
24 mg de cálcio 28 mg de fósforo
0,5 mg de ferro 20 mg de vitamina A
26 mg de vitamina C 0,07 mg de vitamina B1;

0,05 mg de vitamina B2

No Nordeste brasileiro predomina o tipo de graviola nordouestina crioula (com frutos cordiformes, pesando entre 1,5-3,0 kg, polpa mole, doce a sub-ácida). A EMBRAPA/CPAC (Cerrado) introduziu no país gravioleiras colombianas (1981); dentre elas, a morada que produz 40 kg de polpa/planta/ano, frutos grandes - 3 a 10 kg - redondo a cordiforme, polpa firme, sabor sub-ácido e é tolerante ao ataque de brocas.

Usos da Graviola

Planta: Alcalóides, como a anonina e a muricuna, são extraídos da casca do tronco, das folhas e das sementes; são destinados produção de inseticidas.

Fruto: A polpa é consumida ao natural, com açúcar ou compondo refrescos, sucos e sorvetes apesar de ser de difícil digestão (1,8% de celulose). Prestando-se bem ao processamento a polpa é utilizada na indústria para produção de sucos concentrados, polpas congeladas, néctar, geléias, cremes, bebidas (Cuba), diuréticos e xaropes anti-escorbúticos.

Necessidade da Planta

Planta originária de regiões de clima tropical a gravioleira também desenvolve-se em regiões de clima subtropical e tem boa adaptabilidade ao Nordeste brasileiro. Requer temperatura média anual entre 25ºC a 28ºC (21-30ºC sem quedas abaixo de 12ºC), chuvas acima de 1.000 mm/ano bem distribuídos (100 mm/mês), com período seco na frutificação, umidade relativa do ar entre 75 e 80%. A região quente do semi-árido nordestino, com irrigação artificial, induz boa vegetação e produção à gravioleira.

A planta adapta-se a diferentes tipos de solos mas prefere aqueles profundos, bem drenados, ricos em matéria orgânica, ligeiramente ácidos - PH entre 6,0-6,5 - não sujeitos a encharcamento e argilo-arenosos. Os solos de aluvião, bem drenados, prestam-se bem à graviola.

Propagação/Formatação de Mudas

A propagação da gravioleira é feita através de processos assexuados - alporquia, estaquia, cultivo de tecidos e -enxertia (garfagem - o comercial) - e processo sexual via sementes. Para qualquer dos processos a planta matriz - fornecedora de ramos de tecidos, de gemas ou de sementes - deve ser vigorosa, precoce, sadia, e de boa produção.

As sementes devem ser obtidas de frutos maduros e sadios e elas devem ser íntegras e vigorosas. Para formação de pomares comerciais utiliza-se mudas tipo enxerto que devem ser obtidas de produtores credenciados por organizações oficiais. Para pomares caseiros pode-se preparar mudas (via sementes) na propriedade rural.

Preparo de mudas via sementes: vinte quatro horas antes do semeio a semente é colocada em água fria para quebra de dormência. Sacos de polietileno com 35cm de altura x 22cm de largura e 0,2mm de espessura, recebem 6 a 8 litros de mistura formada de 2 partes de terra areno-argilosa e uma de esterco de curral bem curtido. Para cada m3 da mistura adicionar 200g de calcário dolomítico, 1,0kg de cloreto de potássio e 2,5 kg de superfosfato simples.

A 2cm de profundidade coloca-se 2 a 3 sementes por saco e irriga-se; entre 20 e 35 dias (até 60 dias) dá-se a germinação. Os sacos são dispostos em fileiras duplas distantes de 60cm entre si e cobertos com sombrite ou folha de palmeira (50% de luz). Plantinhas com 5 a 10cm de altura são desbastadas deixando-se a mais vigorosa. 4 a 5 meses pós semeio, muda com 30 a 40cm de altura estará apta ao plantio definitivo.

Para controle de pragas e doenças pode-se utilizar malatiom 50 CE e oxicloreto de cobre 50 PM, em pulverizações de 10 em 10 ou de 15 em 15 dias. A partir do 3o mês permitir, paulatinamente, a entrada de mais luz no viveiro. Manter substrato, no saco, úmido sem exagero.

Instalação do Pomar

Preparo do Solo:

Passa por derrubada, destoca, encoivaramento e queima (se área de mata)e controle de cupins e formigas completam. 3 meses antes do plantio efetuar aração (30cm de profundidade) e uma a duas gradagens. Em caso de correção de solo, aplicar calcário antes da aração (metade da dose) e antes da 1o gradagem (outra metade).

Espaçamento/densidade: O espaçamento varia de 4m x 4m (625 plantas/ha), a 8m a 8m (156 plantas/ha). A variação deve-se ao porte da planta, topografia do terreno, fertilidade, plantio consorciado ou não, definitivo ou temporário, condições climáticas. Em terreno plano utiliza-se 6m x 6m (quadrado), em área pouco acidentada 6m x 6m (triângulo); em solo fértil, rico em matéria orgânica 8m x 8m e sob clima tropical úmido 6 m x 6m ou 7m x 7m.

Coveamento/adubação básica: Covas devem ter dimensões 60cm x 60cm e ser abertas 60 dias antes do plantio separando terra dos primeiros 20cm. No fundo da cova coloca-se mistura de parte da terra separada com 20 litros de esterco de curral curtido e, 200 g de calcário; enche-se a cova com outra metade da terra separada mais 600 g de superfosfato triplo, 200 g de cloreto de potássio e 200g de calcário dolomítico (se não houve correção no preparo de solo).

Plantio: Deve ser feito em terrenos com altitude abaixo de 1.200m, próximos a estradas, em áreas planas a levemente onduladas. No início da estação chuvosa efetua-se o plantio. Retira-se o fundo do saco, leva-se a muda à
cova onde retira-se o resto do saco ao tempo em que se chega terra ao torrão comprimindo-a; a superfície do torrão deve ficar 2cm acima do solo. Prepara-se uma bacia com 10cm de altura a 30 cm do caule e cobre-se com 20cm de palha seca. Irriga-se com 20 litros de água e, em caso de ventos, tutora-se a muda (estaca enterrada ao lado que amarra a muda).

Tratos Culturais:

Manter cultura livre de ervas invasoras roçando as ruas de plantio e capinando em coroamento (projeção da copa da planta).

Poda de formação: cortar broto terminal a 60cm do solo e selecionar 3-4 brotos bem distribuídos nos últimos 20cm de altura do caule para formação da copa (não permitir altura da planta acima de 2,2m).

Poda de limpeza - Eliminar ramos indesejáveis, ramos secos, doentes ou praguejados.

Adubação em cobertura - No início das chuvas aplica-se 15 litros de esterco de curral. A cada 3 meses aplicar 1kg da fórmula 10-13-15/planta, incorporando a 10cm de profundidade numa área com limites 1/3 para dentro até 1/3 para fora do limite da copa. Crê-se que a necessidade de água/dia da gravioleira está entre 3,5 e 4,0mm.

Consorciação - Como cultura secundária pode-se consorciar-se mangueira; como cultura principal, aceitaleguminosas (feijão, amendoim, soja) ou milho, abóbora, batatinha.

Pragas e Doenças

Pragas
Broca-do-Tronco - Cratosomus sp. Coleoptera, Curculionidae; O inseto adulto é um besouro convexo de cor quase preta; a forma jovem, lagarta (broca), é branca, com cabeça escura, sem patas. A fêmea ovipõe em orifício que faz na casca; a lagarta, saindo do ovo, penetra na madeira abre galeria no tronco e expele dejeções pelo orifício. O sinal do ataque é a presença de excrementos e exsudação pegajosa no tronco. Controle: injeção via orifício, de inseticida DDVP (10 ml. /10 litros de água).

Broca-do-Fruto: Cerconata anonella (Sepp.1830) Lepidoptera, Stenomidae. - O adulto é mariposa branca-acinzentada com 25mm de envergadura que põe ovos sobre flores e pequenos frutos. O jovem (lagarta), cor de rosa ou verde-pardo, roe a casca do fruto penetrando para seu centro, destroe a polpa e aloja-se na semente. Frutos atacados apodrecem e caem. Controle: queimar frutos atacados (planta e chão), pulverizar frutos com inseticida triclorfom 50 SC (Dipterex a 0,2%) ou fentiom 50 CE (Lebaycid a 0,15%) a cada 10 dias. Ainda usa-se ensacamento do fruto com saco de papel parafinado.

Como outras pragas, cita-se vespa-da-semente (Bephrateloides), moscas-das-frutas (Ceratitis, Anastrepha), lagarta-das-flores (Thecla) e tripes-do-fruto (Heliothrips) que podem ser controlados com paratiom, carbaryl, malatiom e fentiom.

Doenças
Em Viveiro: Tombamento de plantinha - (fungos Rhizoctonia, Fusarium) - Agentes atacam colo e raízes das plantinhas tombando-as. Controla-se, preventivamente, tratando a terra para enchimento dos sacos com brometo de metila. Como tratamento pós germinação, pulverizar colo das plantinhas com benomyl 50 PM (Benlate a 0,1%).

Em Campo: Antracnose: fungo Colletotrichum gloeosporioides Penz. - ataca ramos novos, flores e frutos pequenos provocando sua queda (umidade relativa e temperatura altas). Controle: oxicloreto de cobre 50 PM (200g / 100 litros de água) ou benomyl 50 PM (150g / 100 litros de água) em pulverizações intercaladas de 10 em 10 dias.

Podridão Parda: fungo Rhizophus stolonifer Sac. - ataca flores e frutos, na colheita e pós-colheita, penetrando através do pedúnculo causando podridão da polpa seguindo-se a mumificação do fruto.
Em Viveiro: Tombamento de plantinha - (fungos Rhizoctonia, Fusarium) - Agentes atacam colo e raízes das plantinhas tombando-as. Controla-se, preventivamente, tratando a terra para enchimento dos sacos com brometo de metila. Como tratamento pós germinação, pulverizar colo das plantinhas com benomyl 50 PM (Benlate a 0,1%).

Em Campo: Antracnose: fungo Colletotrichum gloeosporioides Penz. - ataca ramos novos, flores e frutos pequenos provocando sua queda (umidade relativa e temperatura altas). Controle: oxicloreto de cobre 50 PM (200g / 100 litros de água) ou benomyl 50 PM (150g / 100 litros de água) em pulverizações intercaladas de 10 em 10 dias.

Podridão Parda: fungo Rhizophus stolonifer Sac. - ataca flores e frutos, na colheita e pós-colheita, penetrando através do pedúnculo causando podridão da polpa seguindo-se a mumificação do fruto.

Colheita / Rendimento

Gravioleiras provenientes de sementes iniciam a floração no 3º ou 4º ano pós-plantio e as enxertadas já no 1º ano de vida. A produção comercial aos 3 e 5 anos; ela permanece produzindo por 10 a 15 anos.

Sugere-se que os frutos sejam colhidos logo que a coloração da casca passar do verde escuro para o verde-claro (perda do brilho da casca e polpa levemente mole se comprimindo o fruto com dedo).

Após colheita o fruto é colocado em prateleiras em ambiente com 22ºC de temperatura e 40-50% de umidade relativa. Seis dias após o fruto estará comestível durando 2-3 dias. Tem sido registradas produções de 32 t de frutos/ha (384 plantas de 6 anos - Havaí), 10 t/ha (238 plantas de 8 anos) de gravioleiras.

Luiz Epstein

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FRUTAS tropicais: Graviola. Guia Rural Abril, 1988.

MANUAL de Entomologia Agrícola. São Paulo: Agronômica Ceres, 1978.

MELO, G. S., GONZAGA NETO, L., MOURA, R. J. M de. Cultivo da Gravioleira. Recife: Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária, 1983. (Instruções Técnicas do IPA,13).

PINTO, A. C. de Q. et al. Graviola para Exportação: aspectos técnicos da produção. Brasília, DF: Embrapa-SPI, 1994. (Série Publicações Técnicas FRUPEX, 7).

Fonte: www.udr.org.br

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal