Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Coplas - Gregório de Matos  Voltar

Coplas

Gregório de Matos

Não sei, para que é nascer
neste Brasil empestado
um homem branco, e honrado
sem outra raça.
 
Terra tão grosseira, e crassa,
que a ninguém se tem respeito,
salvo quem mostra algum jeito
de ser Mulato.
 
Aqui o cão arranha o gato,
não por ser mais valentão,
mas porque sempre a um cão
outros acodem.
 
Os Brancos aqui não podem
mais que sofrer, e calar,
e se um negro vão matar,
chovem despesas.
 
Não lhe valem as defesas
do atrevimento de um cão,
porque acode a Relação
sempre faminta.
 
Logo a fazenda, e a quinta
vai com tudo o mais à praça,
onde se vende de graça,
ou fiado.
 
Que aguardas, homem honrado,
vendo tantas sem-razões,
que não vás para as nações
de Berberia,
 
Porque lá se te faria
com essa barbaridade
mais razão, e mais verdade,
que aqui fazem.
 
Porque esperas, que te engranzem,
e esgotem os cabedais,
os que tens por naturais,
sendo estrangeiros!
 
Ao cheiro dos teus dinheiros
vêm como cabedal tão fraco,
que tudo cabe num saco,
que anda às costas.
 
Os pés são duas lagostas
de andar montes, passar vaus,
as mãos são dois bacalhaus
já bem ardidos.
 
Sendo dous anos corridos,
na loja estão recostados
mais doces, enfidalgados,
que os mesmos Godos.
 
A mim me faltam apodos,
com que apodar estes tais
maganos de três canais
até a ponta.
 
Há outros de pior conta,
que entre esses, e entre aqueles
vêem cheios de PP, e LL
atrás do ombro.
 
De nada disso me assombro
pois bota aqui o Senhor
outros de marca maior
gualde, e tostada.
 
Perguntai à gente honrada,
por que causa se desterra;
diz que tem, quem lá na terra
lhe queima o sangue.
 
Vem viver ao pé de um mangue,
e já vos veda o mangal,
porque tem mais cabedal,
que Porto Rico.
 
Se algum vem de agudo bico,
lá vão prendê-lo ao sertão,
e ei-lo bugio em grilhão
entre os galfarros.
 
A terra é para os bizarros,
que vêm na sua terrinha
com mais gorda camisinha,
que um traquete.
 
Que me dizeis do clerguete,
que mandaram degradado
por dar o óleo sagrado
à sua Puta.
 
E a velhaca dissoluta
destra de todo o artifício
fez co óleo um malefício
ao mesmo Zote.
 
Folgo de ver tanto asnote,
que com seus risonhos lábios
andam zombando dos sábios
e entendidos.
 
E porque são aplaudidos
de outros de sua facção,
se fazem co'a discrição
como com terra.
 
E dizendo ferra ferra,
quando vão a por o pé,
conhecem, que em boa fé
são uns asninhos.
 
Porque com quatro ditinhos
de conceitos estudados
não podem ser graduados
nas ciências.
 
Então suas negligências
os vão conhecendo ali,
porque de si para si
ninguém se engana.
 
Mas em vindo outra semana,
já caem no pecado velho,
e presumem dar conselho
a um Catão.
 
Aqui frisava o Frisão,
que foi o Heresiarca,
porque mais da sua alparca
o aprenderam.
 
As Mulatas me esqueceram,
a quem com veneração
darei o meu beliscão
pelo amoroso.
 
Geralmente é mui custoso
o conchego das Mulatas,
que se foram mais baratas,
não há mais Flandes.
 
Aos que presumem de grandes,
porque têm casa, e são forras
têm, e chamam de cachorras
às mais do trato.
 
Angelinha do Sapato,
valeria um pino de Ouro,
porém tem o cagadouro
muito baixo.
 
Traz o amigo cabisbaixo
com muitas aleivosias,
sendo, que às Ave-Marias
lhe fecha a porta.
 
Mas isso porém que importa
se ao fechar se põe já nua,
e sobre o plantar na rua
ainda a veste.
Fica dentro, quem a investe,
e o de fora suspirando
lhe grita de quando em quando
ora isto basta.
 
Há gente de tão má casta,
e de tão ruim catadura,
que até esta cornadura
bebe, e verte.
 
Todos Agrela converte,
porque se com tão ruim puta
a alma há de ser dissoluta,
antes mui Santa.
 
Quem encontra ossada tanta
nos beiços de uma caveira,
vai fugindo de carreira,
e a Deus busca.
 
Em uma cova se ofusca,
como eu estou ofuscado,
chorando o magro pecado,
que fiz com ela.
 
É mui semelhante a Agrela
a Mingota dos Negreiros,
que me mamou os dinheiros,
e pôs-me à orça.
 
A Mangá com ser de alcorça
dá-se a um Pardo vaganau,
que a cunha do mesmo pau
melhor atocha.
 
À Mariana da Rocha,
por outro nome a Pelica,
nenhum homem já dedica
a sua prata.
 
Não há no Brasil Mulata
que valha um recado só.
Mas Joana Picaró
O Brasil todo.
 
Se em gostos não me acomodo
das mais, não haja disputa,
cada um gabe a sua puta,
e haja sossego.
 
Porque eu calo o meu emprego
e o fiz com toda atenção,
porque tal veneração
se lhe devia.
 
Fica-te em boa, Bahia,
que eu me vou por esse mundo
cortando pelo mar fundo
numa barquinha.
 
Porque inda que és pátria minha,
sou segundo Cipião,
que com dobrada razão
a minha idéia
te diz "non possedebis ossa mea".

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal