Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Gripe Suína  Voltar

Gripe Suína

 

A gripe suína é uma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus A (h6N1).

Este novo subtipo do vírus da influenza é transmitido de pessoa a pessoa principalmente por meio da tosse ou espirro e de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas.

É uma doença respiratória aguda altamente contagiosa, com morbidade alta, apesar de ter, até o momento, um índice de mortalidade baixo (1-4% segundo dados da OMS)

Embora o nome da doença faça referência aos suínos, não há indícios de que esse novo subtipo de vírus tenha acometido porcos.

Portanto, não há risco no contato e consumo de produtos de origem suína.

HISTÓRICO

Gripe Suína
Vírus da gripe

A gripe suína é comum em porcos da região centro-oeste dos Estados Unidos da América (e ocasionalmente noutros estados), no México, Canadá, América do Sul, Europa (Incluindo o Reino Unido, Suécia e Itália), Quénia, China continental, Taiwan, Japão e outras partes da Ásia oriental..

O vírus da gripe suína causa uma doença respiratória altamente contagiosa entre os suínos, sem provocar contudo grande mortalidade. Habitualmente não afeta humanos; no entanto, existem casos esporádicos de contágio, laboratorialmente confirmados, em determinados grupos de risco. A infecção ocorre em pessoas em contato direto e constante com estes animais, como agricultores e outros profissionais da área. A transmissão entre pessoas e suínos pode ocorrer de forma direta ou indireta, através das secreções respiratórias, ao contatar ou inalar partículas infectadas. O quadro clínico da infecção pelo vírus da gripe suína é em geral idêntico ao de uma gripe humana sazonal.

Os suínos podem igualmente ser infectados pelo vírus da influenza humana – o que parece ter ocorrido durante a gripe de 1918 e o surto de gripe A (h6N1) de 2009 – assim como pelo vírus da influenza aviário. A transmissão de gripe suína de porcos a humanos não é comum e carne de porco corretamente cozinhada não coloca risco de infecção. Quando transmitido, o vírus nem sempre causa gripe em humanos, e muitas vezes o único sinal de infecção é a presença de anticorpos no sangue, detectáveis apenas por testes laboratoriais.

Quando a transmissão resulta em gripe num ser humano, é designada gripe suína zoonótica. As pessoas que trabalham com porcos, sujeitas a uma exposição intensa, correm o risco de contrair gripe suína. No entanto, apenas 50 transmissões desse género foram registadas desde meados do século XX, quando a identificação de subtipos de gripe se tornou possível. Raramente, estas estirpes de gripe suína podem ser transmitidas entre seres humanos.

Transmissão

Assim como a gripe comum, a influenza suína é facilmente transmitida, principalmente, por meio de gotículas eliminadas de tosse, espirro e de secreções respiratórias de pessoas infectadas.

O vírus também pode ser transmitido pelo contato das mãos com secreções respiratórias. Se as mãos não forem lavadas, haverá transmissão pelo contato direto com outras pessoas (aperto de mãos) ou indireto (tocar em superfícies contaminadas).

As pessoas que tiveram contato com vírus através das mãos, ao tocarem a mucosa oral, nasal e ocular, facilitam a penetração do vírus no organismo através dessas mucosas.

Outro fator de contagio é a aglomeração de pessoas em ambientes fechados, que facilita a disseminação da gripe.

Prevenção

De acordo com o Ministério da Saúde, cuidados básicos de higiene são fundamentais para se evitar a contaminação com o vírus A (h6N1), são eles:

Lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão.
Evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies.
Não compartilhar objetos de uso pessoal.
Cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

Grandes empresas farmacêuticas e órgãos de vários governos estão desenvolvendo vacinas contra o novo tipo de gripe, mas ainda não há comercialização do produto, ainda em fase de testes. As vacinas devem começar a ser vendidas no segundo semestre.

Fatores de risco para complicações por Influenza

Idade: inferior a dois ou superior a 60 anos de idade
Imunodepressão: por exemplo, pacientes com câncer, em tratamento para aids ou em uso regular de medicação imunossupressora
Condições crônicas: por exemplo, hemoglobinopatias, diabetes mellitus; cardiopatias, pneumopatias e doenças renais crônicas
Gestação
Lavar as mãos ajuda a prevenir a nova gripe.

Sintomas da Gripe Suína

Febre acima de 38º e tosse, podendo ser seguida de dor nas articulações, garganta, cabeça, prostração e dificuldade respiratória – em pessoas que tenham voltado em até 10 dias dos países atingidos pela doença.

O Ministério da Saúde recomenda que se houver sintomas como febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza, procure um médico ou um serviço de saúde, como já se faz com a gripe comum.

Fique atento

Febre – Inicio súbito com 39º
Dor de cabeça – Intensa
Calafrios – Freqüente
Cansaço – Extremo
Dor de garganta – leve
Tosse – Seca e continua
Catarro- Pouco comum
Dores Musculares – Intensa
Ardor nos olhos – Intenso
Diarréia e Vomito

Sintomas
Gripe Comum
Gripe Suína
Febre Não Chega a 39º Início Súbito Com 39º
Dor de Cabeça De Menor Intensidade Intensa
Calafrios Esporádico Frequente
Cansaço Moderado Extremo
Dor de Garganta Acentuada Leve
Tosse Menos Intensa Seca e Contínua
Catarro Forte e Com Congestão Nasal Pouco Comum
Dores Musculares Moderado Intenso
Ardos nos Olhos Leve Intenso

 

Diagnóstico

Para se realizar o diagnostico da gripe suína, é necessário que se colete uma amostra respiratória nos quatro ou cinco primeiros dias da doença, quando a pessoa infectada espalha vírus, e examinadas em laboratório.

Tratamento

Atualmente, o Brasil possui 68 hospitais de referência para tratamento de pacientes graves infectados pelo novo vírus. Nestas unidades, existem 900 leitos com isolamento adequado para atender aos casos que necessitem de internação. Todos os outros hospitais estão preparados para receber pacientes com sintomas leves de gripe.

Os antigripais Tamiflu e Relenza, já utilizados contra a gripe aviária, são eficazes contra o vírus h6N1, segundo testes laboratoriais e parecem ter dado resultado prático, de acordo com o CDC (Centros de Controle de Doenças dos Estados Unidos).

Fonte: Ministério da Saúde

Gripe Suína

O que é a Gripe Suína?

A Gripe Suína é uma doença respiratória contagiosa que normalmente só afeta os porcos. É normalmente causada pela estirpe h6N1 causada pelo vírus A da gripe suína.

Contudo, outras tensões como a h6N2, H3N1 e H3N2 também circulam nos suínos. Enquanto não for comum às pessoas apanharem gripe suína, as infecções humanas acontecem ocasionalmente, normalmente depois de contato próximo com porcos infectados. Durante Março e Abril, uma nova estirpe da gripe suína A h6N1 emergiu no México, fazendo com que as pessoas começassem a adoecer. A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que esta nova estirpe se pode espalhar de pessoa para pessoa. Especialistas de todo o mundo estão a trabalhar muito de perto com a OMS de forma a detectar que riscos este vírus apresenta para a população.

Existe alguma preocupação de que esta nova estirpe possa causar uma pandemia de gripe humana.

Como é que a gripe suína se espalha entre os porcos?

Os porcos apanham a gripe suína se inalarem resíduos respiratórios expelidos por um porco infectado. Também a podem apanhar apenas por contato direto ou indireto com um animal infectado.

Que sintomas apresentam os porcos infectados?

Os sintomas da gripe suína podem incluir fadiga, febre, tosse e falta de ar. Alguns porcos infectados (cerca de 1% a 4%) podem mesmo morrer, mas a maioria recupera rapidamente.

Que países têm porcos infectados?

A gripe suína está presente em todos os países do mundo produtores de porcos, incluindo o Reino Unido. Os surtos nos porcos ocorrem o durante o ano inteiro. Porém, muitos países vacinam frequentemente os seus animais contra a gripe suína

Devo ter alguns cuidados especiais ao lidar com os porcos?

Apesar de não haver neste momento indicações de que os casos de infecções em humanos estejam relacionadas com a gripe suína, o Departamento do Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais aconselha aos produtores de porcos a manter elevados níveis de higiene, a estar atentos a sinais de doença respiratória e a contatar os seus veterinários se surgir alguma questão.

Que países apresentam casos de gripe suína A H6N1?

Durante os meses de Março e Abril, o México reportou um aumento do número de casos de pessoas com infecções respiratórias graves. Infecções humanas com gripe A (H6N1) seriam mais tarde confirmadas no Sul da Califórnia e no Texas. Desde esse momento, a OMS confirmou casos de Gripe Suína A H6N1 em humanos em vários países no mundo, incluindo o Reino Unido.

Quais são os sintomas da Gripe Suína em humanos?

Os sintomas são semelhantes aos de uma gripe sazonal normal. Incluem febre, cansaço, falta de apetite, tosse e garganta inflamada. Pode também nalguns casos causar vómitos e diarreia. No México, algumas pessoas infectadas com este vírus chegaram mesmo a morrer. Contudo, na maioria dos casos fora do México, verificou-se uma recuperação total.

Como é que a Gripe Suína se espalha entre pessoas?

Os sintomas são semelhantes aos de uma gripe sazonal normal. Incluem febre, cansaço, falta de apetite, tosse e garganta inflamada. Pode também nalguns casos causar vómitos e diarreia. No México, algumas pessoas infectadas com este vírus chegaram mesmo a morrer. Contudo, na maioria dos casos fora do México, verificou-se uma recuperação total.

Existe uma vacina para proteger as pessoas da Gripe Suína?

Não existe uma vacina disponível para proteger as pessoas desde vírus, e também não se sabe se a vacina para a gripe normal surte algum tipo de proteção. A criação de uma vacina eficaz para a gripe suína pode levar entre 4 a 6 meses.

Há algum tratamento disponível?

Medicamentos antivirais, como são o caso do oseltamivir ou do zanamivir, podem ser passados pelo médico de clínica geral. Estes fármacos diminuem os sintomas mas podem causar alguns efeitos secundários, e não são aconselháveis a toda a gente.

Que precauções posso tomar para me ajudar a proteger a mim e à minha família?

Uma boa higiene pode ajudar a reduzir a probabilidade de espalhar o vírus.

A Agência para a Proteção da Saúde aconselha a tomar algumas precauções em todos os momentos:

Lavar regularmente as mãos com água e sabão
Sempre que tossir ou espirrar, tapar a boca com um lenço
Colocar no lixo os lenços usados
Limpar com frequência superfícies duras (por exemplo, maçanetas de portas)
Incitar as crianças a adoptar estes comportamentos
Se pretender viajar para um país infectado, contate primeiro o seu Consulado ou Embaixada

Como é que me posso proteger lavando as mãos?

Lavar as mãos frequentemente é a melhor forma de se proteger de uma série de doenças, incluindo a gripe. Sempre que tocar em alguma coisa, os germes podem-se transferir para as suas mãos. Tocar nos olhos, no nariz ou na boca com as mãos sujas pode levar os germes a passarem das mãos para o seu corpo.

Lavar as mãos frequentemente ajuda a remover os germes e evita que se espalhem por si e por outras pessoas.

Como posso remover os vírus da gripe das superfícies?

Uma pessoa infectada pode espalhar germes pelas superfícies à sua volta quando tosse ou espirra, ou mesmo quando toca nelas com as mãos sujas ou com lenços usados. Limpar as superfícies regularmente pode ajudar a parar a transmissão do vírus da gripe e de outros germes pela sua casa, para si e pelas outras pessoas.

Limpar as superfícies com detergente e água ajuda a remover os germes, se esfregado e lavado com água limpa. Quando não é possível lavar com água abundante, utilize um desinfectante para ajudar a matar os germes.

É particularmente importante limpar e desinfectar superfícies em que as pessoas tocam frequentemente com as mãos, como são o caso das:

Interruptores e puxadores
Autoclismos
Bancadas de cozinha
Auscultadores de telefones
Teclados de computadores

Limpar e desinfectar as superfícies utilizando produtos que destroem o vírus da gripe dá-lhe mais segurança.

É seguro comer porco e os seus derivados?

Não se apanha gripe suína se comer porco e/ou derivados (ex. bacon, salsichas) bem preparados e cozinhados. Contudo, uma boa higiene alimentar ajuda a prevenir uma grande variedade de infecções, pelo que é importante manter essas condições de higiene.

Nunca comer porco cru ou mal cozinhado
Manter a carne de porco crua afastada da cozinhada
Utilizar tábuas e facas de cozinha diferentes para a carne crua
Lavar as mãos imediatamente a seguir a manusear a carne crua

Limpar e desinfectar as superfícies e os utensílios imediatamente a seguir ao contato com a carne crua

Se alguém tiver sintomas de gripe, o que deve fazer?

Se vive ou viajou recentemente para uma área infectada pela gripe suína, e se apresenta sintomas gripais, deve ficar em casa e limitar o contato com outras pessoas, contatando o seu serviço médico.

Este pode ser o início de uma pandemia de gripe humana?

Apesar do vírus da Gripe Suína h6N1 se poder transmitir de pessoa para pessoa, e por ter causado alguns surtos de gripe nalguns países, é ainda muito cedo para dizer se é este novo vírus pode conduzir a uma pandemia humana global. A OMS está a controlar de perto a situação.

Fonte: geocities.com

Gripe Suína

O que é Influenza A? Que doença é essa?

É uma doença respiratória aguda (gripe), causada pelo vírus mutante, Influenza A(h6N1).

Este novo subtipo do Vírus da influenza, assim como a gripe comum, é transmitido de pessoa para pessoa, seja de forma direta, por meio de tosse ou espirro, ou de forma indireta, pelo contato com objetos que uma pessoa contaminada tenha tocado. Por isso é muito importante lavar as mãos constantemente, evitar lugares fechados e compartilhar objetos pessoais e alimentos.

Quais são os principais sintomas da doença?

São parecidos com a gripe comum, incluindo febre alta repentina, maior que 38ºC, tosse, falta de apetite. Pode ocorrer ou não, dores de cabeça, dores musculares, dores nas articulações ou dificuldade respiratória. Esses sintomas surgem em até 10 dias após a pessoa sair de uma área afetada pela Influenza A(h6N1) ou após ter contato próximo com uma pessoa com suspeita ou confirmação da infecção.

O que devo fazer se apresentar os sintomas?

Você deve procurar imediatamente uma unidade de saúde mais próxima e informar ao profissional de saúde, além dos sintomas, o seu roteiro de viagem ou histórico de contato com pessoas doentes. Confirmando a suspeita de infecção por Influenza A(h6N1), você será transferido para um hospital de referência do Estado, pelo serviço de saúde, para monitoramento e, se necessário, tratamento.

Quais são as medidas que posso tomar para me prevenir e evitar a transmissão da gripe?

Evitar contato com pessoas doentes ou que apresente os sintomas como febre e tosse.
Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar.
Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente, descartável.
Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
Não usar medicamentos sem orientação médica. A automedicação pode ser prejudicial à saúde.
Evitar ambientes fechados com aglomeração de pessoas.
Adotar uma alimentação saudável e fazer exercícios físicos para fortalecer o sistema imunológico.

Em quanto tempo, a partir da transmissão, os sintomas aparecem?

Os sintomas podem iniciar no período de até 10 dias após contato com esse novo subtipo do vírus e a transmissão ocorre, principalmente, em locais fechados.

Há uma vacina que possa proteger a população humana contra essa doença?

Não. Ainda não existe vacina contra esse novo subtipo de vírus da influenza.

Caso eu tenha suspeita da doença e procure uma unidade de saúde, quais serão os procedimentos?

Você receberá a devida orientação médica, depois provavelmente ficará em isolamento domiciliar e temporariamente afastado das atividades de rotina até que sair o resultado do seu exame. Em caso de quadro clínico mais grave, será encaminhado para internação hospitalar. As pessoas que tiveram contato com você serão também avaliadas.

Se o exame der negativo, você será liberado para retomar suas atividades normais. Caso o exame seja positivo, terá que ficar sete dias em casa, e somente depois retomar a rotina. Se for criança com menos de 12 anos de idade, o período de isolamento é de 14 dias.

Porque devo procurar as unidades de saúde?

Mesmo que seu caso clínico seja leve, o que ocorre normalmente, se você manter sua rotina normal vai transmitir o vírus para outras pessoas que podem ter o sistema imunológico mais fraco que o seu e apresentar um caso grave. Por isso é questão de responsabilidade, em caso de suspeita da doença, procurar as unidades de saúde e evitar locais como escolas, trabalho, academia, igrejas, etc.

Se eu já tive a doença e me curei, corro o risco de ser infectado novamente?

Não corre o risco, pois estará imunizado contra este tipo de gripe.

Se eu estiver retornando de uma viagem internacional ou das áreas de risco, como devo proceder?

Se estiver no avião

Você deve comunicar à tripulação os sintomas para que a equipe de bordo providencie junto à Anvisa e às autoridades de saúde do aeroporto o seu atendimento médico.

Se estiver no aeroporto

Procurar o posto da Anvisa no aeroporto.

Se você já estiver em casa

Não tome medicamento por conta própria e procure logo a unidade de saúde. Informe ao médico o seu roteiro de viagem.

É importante saber:

Devido ao sistema de climatização das aeronaves, são considerados contato próximo durante o vôo, aqueles passageiros localizados na mesma fileira, nas fileiras laterais e na duas fileiras anteriores e posteriores ao do caso suspeito. Em caso da viagem ser em ônibus com sistema de climatização, adotar os mesmo procedimentos para viagens aéreas. Quando a viagem for feita em carro de passeio, considerar todos os passageiros como contato próximo.

Há tratamento para Influenza A(h6N1) no Brasil?

Sim. O Ministério da Saúde adotou um protocolo para tratamento, com utilização de um medicamento antiviral que será usado apena nos pacientes em tratamento nas unidades de saúde de referência do estado. O remédio deve ser tomado até 48 horas a partir do início dos sintomas. Por isso, é importante procurar logo uma unidade de saúde em caso de suspeita de estar infectado.

Alerta: Ninguém deve tomar o medicamento sim indicação médica. A automedicação pode mascarar sintomas, retardar o diagnóstico e até causar resistência ao vírus.

A vacina contra a gripe comum protege contra a Influenza A (h6N1)?

Não há, até o momento, nenhuma evidência de que a vacina contra gripe comum proteja contra gripe do vírus A(h6N1).

É seguro comer carne de porco e produtos derivados?

Sim. Você pode comer carne de porco e seus derivados cozidos ou assados.

Quais as recomendações do Ministério da Saúde para os viajantes das áreas de risco?

a) Às pessoas que se destinam às áreas afetadas:

Em relação ao uso de máscaras cirúrgicas descartáveis, durante toda a permanência nas áreas afetadas, seguir rigorosamente as recomendações das autoridades sanitárias locais.
Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente, descartável.
Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar.
Evitar locais fechados com aglomeração de pessoas.
Evitar o contato direto com pessoas doentes.
Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
Evitar tocar olhos, nariz ou boca.
Em caso de adoecer, procurar assistência médica e informar se teve contato com doentes ou/e roteiro de viagens recentes.
Não usar medicamentos sem orientação médica.

b) Às pessoas que estão voltando de viagens das áreas de risco:

Pessoas que estão voltando de outros paises e das áreas afetadas no Brasil, independente de ter ou não casos confirmados da doença, e apresentarem alguns dos sintomas em até 10 dias após saírem desses locais, devem:
Procurar assistência médica na unidade de saúde mais próxima.
Informar ao profissional de saúde o seu roteiro de viagem.

Atenção

Se você for viajar para áreas afetadas pela Influenza A(h6N1), siga as orientações dos governos locais sobre o uso de máscara cirúrgica.

Todas as pessoas que vieram de local afetado ou tiveram contato próximo com uma pessoa com suspeita ou confirmação de infecção por Influenza A(h6N1) e apresentarem os sintomas da doença devem procurar uma unidade de saúde.

Fonte: www3.uberlandia.mg.gov.br

Gripe Suína

1. O que é gripe suína e como é transmitida?

É uma doença respiratória aguda altamente contagiosa e que normalmente acomete porcos. Porém, recentemente, o vírus que provoca a gripe suína sofreu mutações e, com isso, ela passou a ser transmitida de pessoa para pessoa. Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro e de secreções respiratórias de pessoas infectadas.

2. Há caso de gripe suína no Brasil?

Até o momento, não há evidências da circulação do vírus da influenza suína em humanos no Brasil.

3. Quais os sintomas da doença?

Pessoas procedentes do México e de áreas afetadas dos Estados Unidos e do Canadá, nos últimos dez dias, devem ficar em alerta para os principais sintomas: febre alta repentina (superior a 38º graus centígrados), acompanhada de tosse e/ou dores de cabeça, musculares e nas articulações.

4. O que o passageiro de vôos internacionais deve fazer se apresentar sintomas?

Ele deve procurar a unidade de saúde mais próxima. Se ainda estiver no aeroporto, deve se dirigir ao posto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O passageiro não deve tomar medicamentos sem indicação médica.

5. Quais as recomendações do Ministério da Saúde para os passageiros de vôos internacionais?

Para quem vai viajar a áreas afetadas:

Usar máscaras cirúrgicas descartáveis, durante toda a permanência nas áreas afetadas, e substituí-las sempre que necessário;
Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável;
Evitar locais com aglomeração de pessoas;
Evitar o contato direto com pessoas doentes;
Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;
Evitar tocar olhos, nariz ou boca;
Lavar as mãos freqüentemente com sabão e água, especialmente depois de tossir ou espirrar;
Em caso de adoecimento, procurar assistência médica e informar história de contato com doentes e roteiro de viagens recentes a esses países,
Não usar medicamentos sem orientação médica.
Os passageiros devem ficar atentos também às medidas preventivas recomendadas pelas autoridades nacionais das áreas afetadas.

Para quem está voltando de áreas afetadas, nos últimos dez dias, e que apresente febre alta repentina, superior a 38º graus centígrados, acompanhada de tosse e/ou dores de cabeça, musculares e nas articulações:

Procurar assistência médica na unidade de saúde mais próxima.
Informar ao profissional de saúde o seu roteiro de viagem.

6.Quais as medidas que estão sendo tomadas nos aeroportos?

Todas as Secretarias de Saúde estaduais foram acionadas para intensificar o processo de monitoramento e detecção oportuna de casos suspeitos de doenças respiratórias agudas.

O Ministério da Saúde e as Secretarias de Saúde dispõem de um plano de preparação para enfrentamento de pandemia, que estabelece as diretrizes e as ações dos governos para enfrentar essas emergências de saúde pública.

Durante o vôo, todos os passageiros que desembarcam no Brasil devem preencher, obrigatoriamente, a Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA), documento a ser retido pela Anvisa e que é fonte de informações para eventual busca de contatos se for detectado caso suspeito na mesma aeronave.

Segundo o ministério, todas as providências estão sendo adotadas para que as tripulações das aeronaves orientem os passageiros, ainda durante o vôo, sobre sinais e sintomas da gripe suína. Adicionalmente, a tripulação pedirá que passageiros com esses sintomas se identifiquem.

Ao desembarcar, as pessoas procedentes das áreas afetadas, receberão folder educativo com informações, em português, inglês e espanhol, sobre os sinais e sintomas, medidas de proteção e higiene e orientações para procurar assistência médica. Como medida complementar, a Infraero veiculará, nesses aeroportos, informe sonoro.

7. Há uma vacina que possa proteger a população humana contra essa doença?

Não existe vacina contra esse novo subtipo de vírus de influenza suína.

8. Há tratamento para a doença?

Sim. Será indicado pelo profissional de saúde após a confirmação do diagnóstico laboratorial. Não é indicado tomar medicamento sem indicação médica.

9. É seguro comer carne de porco e produtos derivados?

Sim. Segundo o Ministério da Agricultura, não há registro de transmissão da gripe suína para pessoas por meio da ingestão de carne de porco. O vírus causador da doença suína não resiste a altas temperaturas (70ºC).

Fonte: www.agenciabrasil.gov.br

Gripe Suína

Gripe Suína
Gripe Suína

Há quatro tipos principais de gripe suína: h6N1, h6N2, H3N1 e H3N2.

Cada tipo é nomeado de acordo com a variante das proteínas externas que ele possui.

Um vírus pode ser mais letal que o outro? Por quê?

Sim. Isso vai depender de quão diferente o vírus é de outros anteriores, pois um vírus muito diferente não encontra imunidade prévia. Também é importante o tipo de resposta imune que ele desencadeia. Aparentemente, a linhagem que causou a gripe espanhola em 1918 produz uma resposta imune muito violenta nos infectados.

Interações entre o vírus e as células infectadas, que propiciem uma replicação maior, por exemplo, com certeza têm um papel importante, mas ainda não está claro como isso acontece.

Há como impedir que o vírus seja passado de pessoa para pessoa?

Os métodos mais eficazes são o tratamento dos doentes e evitar eventos que aglomerem multidões. Individualmente, lavar as mãos é uma das formas mais eficientes de se proteger. Não tenho claro se as máscaras respiratórias realmente protegem as pessoas de contrair o vírus ou impedem os infectados de contaminarem outras pessoas.

As vacinas contra a gripe suína são eficientes?

Para que a vacina atual seja eficiente contra o h6N1, é necessário que pedaços dele sejam utilizados na formulação. Mesmo que isso aconteça, vacinas contra a gripe costumam ser planejadas com meses de antecedência, pois demoram para ser produzidas em quantidade suficiente, e o vírus muta muito e pode "escapar" da vacina. Ainda não sabemos qual o tipo de mutação que o vírus pode sofrer, de modo que, mesmo se começarmos a produzir vacinas agora, elas podem ser apenas parcialmente eficazes.

Por que essa epidemia pode ser considerada perigosa?

Por uma série de motivos. Trata-se de um vírus bem diferente do que circula entre humanos e, possivelmente, não temos anticorpos para ele. O vírus da gripe aviária é muito letal, mas não consegue se espalhar de humanos para humanos, possivelmente porque é bem adaptado para o tipo receptor (proteínas que ele usa para se ligar), mais comum em aves. Mas o vírus da gripe suína usa receptores de mamíferos, e já se mostrou eficiente na transmissão entre humanos, tanto que o WHO subiu o nível de alerta para 4.

Já foi levantado também que o vírus da gripe suína pode estar matando jovens, que possuem um sistema imune em bom estado, e isso é muito preocupante. Essa é uma característica (até agora) única do vírus de 1918. Ainda não sabemos qual a letalidade do vírus, uma vez que não está nem claro qual o número real de infectados.

O que é pandemia e quais os riscos?

Pandemia é o nome que damos para uma epidemia generalizada, que atinge muitas pessoas. É difícil de avaliar os riscos atualmente, não sabemos o número real de infectados. Por isso, o WHO classifica o risco de uma pandemia em estágios de alerta. Independente de este vírus causar uma pandemia, outro fator importante é a letalidade que ele pode atingir, que, como disse, ainda não sabemos.

Fonte: www.idmed.com.br

Gripe Suína

Uma nova estirpe de vírus da gripe foi confirmada no hemisfério ocidental.

O vírus da gripe denominada "gripe suína" (virus subtype A h6N1) foi detectado na primeira década de 1930 a partir de um porco. Esse especial vírus da gripe foi agora reportadas pela primeira vez no México em março de 2009 e se espalhou para outras partes do mundo, incluindo Estados Unidos, Canadá, América Latina, Ásia, Europa e Austrália. As informações sobre este perigoso vírus enumerados no www.swine virus.org abaixo deverá ser útil a compreensão da gripe suína, incluindo sua história, sintomas e tratamento.

História

O vírus da gripe suína clássica (uma gripe de tipo A do vírus h6N1) foi primeiramente isolado de um porco em 1930 O foco deste vírus foi detectado na primeira parte do México, incluindo a Cidade do México, em março de 2009. Do México, a gripe suína tenha entrado muitas partes do do mundo. A gripe é considerada uma doença respiratória da população de suínos e pode ser contatada de suínos para o homem e para a saúde humana. De 2005 a 2009, doze conhecidos infecções humanas de gripe suína foram relatados nos Estados Unidos. Uma nova estirpe da gripe suína teve tona em 2009 que nunca foi visto ou identificado.

Esta nova estirpe criou temores na população civil e da saúde da comunidade do México, os Estados Unidos, bem como em todo o mundo.

Países e organizações mundiais de saúde tem a preocupação de que esse vírus da gripe tem a capacidade de ser a próxima gripe epidemia que começou em 1918 chamou a gripe espanhola. Este particular aviária tinha matado 20 a 100 milhões de pessoas em todo o mundo.

Sintomas

Nos adultos, os sintomas mais comuns da gripe suína são muito semelhantes à gripe comum. Eles incluem a falta de apetite, tosse, falta de energia e febre. Outros sintomas podem incluir náuseas, diarreia e vómitos, dor de garganta e, eventualmente, uma coriza nasal. Em crianças, alguns dos sintomas podem incluir gripe comum que os sintomas podem incluir irritabilidade, alteração na cor da pele, a falta de vontade de beber líquidos, problemas respiratórios, como respiração acelerada ou respirações curtas e dificuldade despertar durante cochilos.

Conclusão

A gripe suína, bem como outras epidemias gripe são consideradas perigosas para a saúde humana e podem causar a morte daqueles que nos contataram este grave aviária. Precauções são necessárias e todas as nações e agências globais são instados a prevenir, tratar e conter o surto de gripe suína.

Fonte: www.gripesuina.com

Gripe Suína

A gripe influenza A (h6N1), chamada anteriormente de gripe suína ou gripe porcina é uma doença infectocontagiosa ocasionada por uma variante do vírus influenza h6N1. Apesar do nome não é transmitida pelos porcos, por isso, discute-se a mudança do nome para não ocasionar erros.

Quais são os sintomas da gripe suína?

Os sintomas são muito parecidos com a gripe comum:

Febre alta
Nariz em forma de tomada
Dores musculares
Vontade de rolar na lama
Fadiga
Vômitos e diarréias

Como evitar o contagio da Gripe Suína

O CDC (Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA) fez algumas recomendações para evitar a doença.
Cubra seu nariz e boca com um lenço quando tossir ou espirrar. Jogue no lixo o lenço após o uso.
Lave suas mãos constantemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar. Produtos à base de álcool para limpar as mãos também são efetivos.
Evite tocar seus olhos, nariz ou boca. Os germes se espalham deste modo.
Evite contato próximo com pessoas doentes.
Se você ficar doente, fique em casa e limite o contato com outros, para evitar infectá-los.

Como os seres humanos pegam gripe suína?

Normalmente, esses vírus não infectam humanos. Entretanto, vez por outra, mutações no vírus permitem que eles contaminem pessoas. Na maioria das vezes, os contágios acontecem quando há contato direto de humanos com porcos. Mas também já houve casos em que, após a transmissão inicial do porco para o homem, a partir dali o vírus passou a circular de pessoa para pessoa. Foi o caso de uma série de casos ocorridas em Wisconsin, EUA, em 1988. Nesses casos, a transmissão ocorre como a gripe tradicional, pela tosse ou pelo espirro de pessoas infectadas.

Consumir carne de porco pode causar gripe suína?

Não. Ao cozinhar a carne de porco a 70 graus Celsius, os vírus da gripe são completamente destruídos, impedindo qualquer tipo de contaminação.

Quantos vírus de gripe suína existem?

Como todos os vírus de gripe, os suínos também mudam constantemente. Os porcos podem ser infectados por vírus de gripe aviária e humana. Quando todos os vírus contaminam o mesmo porco, pode haver mistura genética e novos vírus que são uma mistura de suíno, humano e aviário podem aparecer. No momento, há quatro classes principais de vírus de gripe suína do tipo A são h6N1, h6N2, H3N2 e H3N1.

Gripe suína mata?

Ainda é cedo para ter estatísticas precisas, mas cerca de um em cada 15 a 20 casos da doença até agora diagnosticados resultou em morte — taxa considerada alta.

Como se faz o diagnóstico de gripe suína?

Para identificar uma infecção por um vírus influenza do tipo A, é preciso analisar amostras respiratórias do paciente durante os primeiros 4 ou 5 dias da doença — quando uma pessoa infectada tem mais chance de estar espalhando o vírus. Entretanto, algumas pessoas, especialmente crianças, podem manter o vírus presente por dez dias ou mais. A identificação do vírus é então feita em teste de laboratório.

Há medicamentos disponíveis para tratar infecções de gripe suína em humanos?

As drogas zanamivir e oseltamivir (nome comercial Tamiflu) já mostraram eficácia ao tratar ou ajudar na prevenção de infecção com vírus da gripe suína. Impressões iniciais dão conta de que essas drogas diminuem a agressividade do quadro infeccioso para a versão atual do h6N1 suíno.

Há vacinas para a gripe suína?

Ainda não existe vacina contra a Gripe Suína e os únicos remédios que aprensentaram resultados interessantes foram o oseltamivir e o zanamivir. A vacina pode demorar cerca de 6 meses para ser concluída.

Fonte: www.connectionworld.org

Gripe Suína

Contaminação da Gripe Suína

Como o próprio nome diz, a gripe suína normalmente afeta somente os porcos. Humanos não são afetados. Quando um caso acontece ele é causado quando as pessoas têm contato com animais ou objetos infectados circulando entre ambos.

Como ocorre a Gripe Suína

Neste caso de contaminação e vítimas fatais de várias pessoas no México aconteceu o seguinte: os humanos normalmente não são afetados por doenças exclusivas de animais, mas os porcos podem ser infectados por doenças humanas e de aves.

Cura da Gripe Suína

Um animal que por acaso hospedou em seu corpo os vírus das gripes dos humanos e das aves desenvolveu um novo vírus mutante bem mais forte, a gripe suína e que por enquanto não há cura.

Gripe Suína em humanos

Se um humano for contaminado pela gripe suína ele pode transmitir esse vírus para outros humanos. Os sintomas são semelhantes a de uma gripe comum, apenas foram constatados um aumento no grau de vômitos e de diarréia. O vírus que causa a gripe suína é o h6N1.

Fonte: www.tudoemfoco.com.br

Gripe Suína

1 - O que é o vírus da gripe e o que quer dizer h6N1

Existem 3 tipos de influenza, o vírus que causa a gripe, o A, B e C. O influenza A é o mais variável e que causa mais estragos todos anos. Ele tem 8 pedaços de RNA (RNA mesmo, não é DNA) dentro de uma cápsula. Duas proteínas deles são mais importantes para entendermos. Uma é chamada de Hemaglutinina, fica do lado de fora do vírus e serve para fazer contato com a célula. Como ela se liga em células, quando o colocam o vírus em uma gota de sangue, os glóbulos vermelhos ficam aglutinados (hemo aglutinina, hemaglutinina). A outra é a Neuraminidase, ela quebra os açúcares onde a hemaglutinina se liga para liberar os vírus recém formados.

Como a hemaglutinina e a neuraminidase ficam para fora do vírus, são as proteínas mais reconhecidas por anticorpos e usadas nos testes de diagnóstico. Por isso as linhagens de influenza são nomeadas pelas letras HN, como h6N1, H3N2, de acordo com o tipo de cada uma.

São conhecidos 16 tipos de Hemaglutinina e 9 de Neuraminidase. Só alguns são frequentes em seres humanos, h6, 2 e 3 e N1 e 2. Todos os outros são encontrados em aves aquáticas, principalmente patos, que são o reservatório natural do Influenza A. As aves migratórias misturam os vírus em escala mundial pois nelas a gripe não causa sintomas, e infecta o sistema digestivo ao invés do respiratório. Quando param em lagos para comer durante a migração, defecam e a água fica forrada de influenza. Num lago com água fria o vírus chega a durar 30 dias. Os mais perigosos, que matam mais galinhas e pessoas quando transmitidos, são os H5 e H7. [1]

Gripe Suína
Microscopia eletrônica do vírus influenza

2 - Qual o perigo de um vírus diferente?

O motivo para não sermos imunes ao influenza A depois de uma gripe é que o vírus muta muito [2]. Dois fenômenos são importantes, o drift, onde o vírus acumula pequenas mutações nos genes H e N, suficientes para no ano seguinte nosso sistema imune não reconhecer o vírus. Mais importante (e mais frequente do que se imaginava) é o shift. O shift acontece quando dois influenza diferentes entram na mesma célula e ao saírem misturam seus cromossomos, e dos oito pedaços que levam, alguns são do vírus x e outros do y. Quando isso acontece, o vírus muda abruptamente e nosso sistema imune fica completamente despreparado. É o que faz com que vacinas falhem. Na verdade, existe um atraso entre coletar o vírus e produzir a vacina, de maneira que todo ano temos que estudar o vírus e tentar prever qual vai ser a forma mais importante na epidemia.

As maiores epidemias recentes de gripe ocorreram quando houve rearranjo entre o vírus humano e o vírus aviário, como na gripe asiática de 1957 (H2N2) e Hong Kong 1968 (H3N2). o vírus da gripe espanhola, é h6N1 e aparentemente saltou direto dos patos para o ser humano, sem rearranjo [3]. Quem intermedia o rearranjo, contraindo o vírus humano e aviário? Os porcos e galinhas.

Isso explica porque a maioria das pandemias de gripe começa na Ásia. Imagine mercados populares lotados de gente, onde se vendem em barracas patos, patos selvagens, galinhas, gansos e porcos. Soma a isso a técnica de alimentação dos porcos, onde eles colocam a gaiola dos patos e das galinhas em cima da dos porcos, e dão comida apenas para as aves. Isso gera as condições ideais para o surgimento de vírus aviários infectando humanos.

3 - E como é o vírus suíno?

O vírus mais comum em porcos é o tipo h6N1. São várias linhagens diferentes circulando na Europa, Ásia e nas Américas, e nenhuma delas é próxima da linhagem da Gripe Espanhola.

Este vírus que infectou pessoas no México e na Califórnia foi sequenciado por uma equipe canadense, e foi descrito pelo CDC aqui. Segundo o CDC, a Hemaglutinina e alguns outros genes são próximos dos vírus que normalmente circulam nos EUA, mas a Neuraminidase e outro gene são de linhagens européias e asiáticas, além de um gene parecido com o influenza humano, o qué é novo. Em local nenhum no site do CDC encontrei referências a algum gene ser próximo do H5N1, causador da Gripe Aviária, nem nada que diga que este vírus é próximo do da Gripe Espanhola.

O vírus h6N1 é um rearranjo de duas cepas suínas, uma que circula nas Américas e outra que circula na Europa. Não há genes do vírus aviário ou de alguma cepa humana.

4 - Por que a gripe suína é perigosa?

Os porcos e as aves domésticas são os "atravessadores" dos vírus que circulam em aves migratórias para os seres humanos. Por isso os vírus que eles nos transmitem são perigosos, por serem muito diferentes do que nosso sistema imune encontra normalmente. Além de poderem ser um ponto de rearranjo entre um vírus diferente e um vírus adaptado ao ser humano.

Aparentemente, o que impede o H5N1 (Gripe Aviária) de ser transmitido de humanos para humanos, é o receptor celular que o vírus usa. Até hoje, H5N1 só foi transmitido de aves para seres humanos (uma possível exceção é uma transmissão entre mãe e filha, mas o contato entre elas foi intenso) porque o vírus infecta melhor o sistema respiratório e digestivo das aves do que o humano.

O perigo é que, as células do sistema respiratório dos porcos são mais parecidas com as nossas, de forma que um vírus adaptado ao porco teoricamente pode ser transmitido entre humanos do que um vírus aviário. [4]

Outro fator preocupante é que o vírus da gripe suína atual tem infectado principalmente jovens. Normalmente, crianças e idosos sofrem de gripe. O padrão de vírus agressivo que ataca jovens, com o sistema imune bem saudável, lembra muito o da Gripe Espanhola de 1918.

5 - Quais defesas nós temos contra o vírus?

Existem poucos remédios antivirais porque os vírus usam as células para se reproduzir, possuem pouca coisa própria, ao contrário das bactérias. No caso do influenza, existem os inibidores da neuraminidase, que impedem o vírus de se liberar da célula, como a Amantadina e o Tamiflu. Mas, o vírus muta e desenvolve resistência facilmente a essas drogas, e não se sabe qual a facilidade disso acontecer com o h6N1.

A linhagem atual é resistente a Amantadina e Rimantadina, mas suscetível a Tamiflu e Zanamivir. Embora ocorram alguns casos de resistência, eles são esperados e até agora não estõa sendo transmitidos.

Outra defesa são as vacinas. Elas são a forma mais barata e rápida de se proteger da gripe. O problema está na agilidade de desenvolver uma vacina para o vírus certo e em tempo hábil para distribuir a população. E existe uma ordem de prioridades na vacinação. Primeiro pessoas em situação chave, como funcionários do governo, médicos, depois pessoas mais suscetíveis, como idosos e crianças, e por último a população como um todo.

6 - De qualquer forma, há atitudes individuais que podem ajudar

Lave bem as mãos, e frequentemente. Ao contrário do que se imagina, é mais fácil contrair o Influenza com um aperto de mão do que com um beijo no rosto. Se alguém resfriado espirra com a mão na frente da boca, e damos a mão a esta pessoa, podemos colocar a mão em contato com o olho e nariz, e contrair o vírus. Ou seja, lave bem as mãos, regularmente, e se estiver gripado, cubra o espirro com um lenço e jogue fora.

Evite aglomerações e locais fechados, principalmente com ar-condicionado. O Influenza dura mais tempo no ar em clima seco e frio, e um lugar fechado com ar-condicionado mistura várias pessoas em condições propícias para o vírus. [5]

Referências Bibliográficas

[1] Webster, R G, W J Bean, O T Gorman, T M Chambers, e Y Kawaoka. "Evolution and ecology of influenza A viruses." Microbiological Reviews 56, no. 1 (Março 1992): 152-179.
[2] Drake, J W. "Rates of spontaneous mutation among RNA viruses." Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 90, no. 9 (Maio 1, 1993): 4171-4175.
[3] Reid, Ann H., Thomas G. Fanning, Johan V. Hultin, e Jeffery K. Taubenberger. "Origin and evolution of the 1918 "Spanish" influenza virus hemagglutinin gene." Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 96, no. 4 (Fevereiro 16, 1999): 1651-1656.
[4] Suzuki, Yasuo. "Sialobiology of influenza: molecular mechanism of host range variation of influenza viruses." Biological & Pharmaceutical Bulletin 28, no. 3 (Março 2005): 399-408.
[5] Lowen, Anice C, Samira Mubareka, John Steel, e Peter Palese. "Influenza Virus Transmission Is Dependent on Relative Humidity and Temperature." PLoS Pathog 3, no. 10 (Outubro 19, 2007): e151.

Fonte: scienceblogs.com.br

Gripe Suína

A gripe suína é provocada pelo vírus da gripe tipo A sendo uma variante do vírus h6N1 que normalmente só

contaminava porcos mas que agora está contaminando seres humanos e se transmitindo entre seres humanos. O sintoma da gripe suína é parecido com o sintoma da gripe comum.

Quem possui gripe suína ou gripe humana sente:

Febre repentina.
Febre superior a 38 graus.
Febre que dura 3 a 4 dias.
Fadiga, prostração.
Dores musculares pelo corpo.
Dores nas articulações.
Dor de cabeça.
Dor de garganta.
Coriza (nariz escorrendo).
Tosse seca (sem catarro).
Diarreia.
Vômitos.
Depois que a febre termina a tosse pode durar mais 3 a 4 dias

A doença pode evoluir para uma pneumonia.

Neste caso os sintomas da pneumonia são:

Febre Alta.
Tosse.
Dor no Tórax.
Alterações da Pressão Arterial.
Confusão Mental.
Mal-estar generalizado.
Falta de Ar.
Secreção de muco purulento de cor amarelada ou esverdeada ou cor de tijolo, as vezes com rajas de sangue.
Toxemia.
Prostração.

Você deve ficar em alerta caso esteja sentindo os sintomas acima e tenha passado por uma das situações abaixo:

Tenha retornado de viagem no exterior (Argenina, Chile, EUA, México e outros países onde existem muitos casos de gripe).
Tenha retornado de viagem em cidades do Brasil onde existem muitos casos de gripe suína.
Tenha tido contato direto com pessoas que estiveram nestas localidades;
Tenha tido contato com pessoas que estão com suspeita de gripe suína.

A forma mais grave da gripe suína costuma se desenvolver em pessoas que já tem problemas de saúde como os listados abaixo.

Caso esteja com sintomas da gripe procure um médico:

Pessoas com doenças respiratória e cardíaca.
Transplantado que usam medicamentos que baixam a imunidade.
Diabetes, Aids ou insuficiência de algum órgão como os rins.
Pessoas que sofrem de hipertensão.
Pessoas com obesidade mórbida.
Mulheres grávidas.
Crianças com menos de 2 anos.
Idosos;

Todas as pessoas que estão gripadas (não importa se é gripe comum ou suína) que sentem dificuldade de respiração, dor no tórax, confusão mental, presença de secreção de muco purulento de cor amarelada, esverdeada ou cor de tijolo, as vezes com rajas de sangue, devem procurar um médico imediatamente pois a gripe pode ter avançado para um estado de pneumonia.

A gripe normal e a nova gripe suína podem progredir para uma pneumonia que precisa ser tratada imediatamente. É a pneumonia que provoca a morte das pessoas que possuem qualquer tipo de gripe. Se observar que as extremidades do corpo estão ficando roxas isso significa problemas na oxigenação dos tecidos sendo necessário atendimento de urgência.

O que fazer se você está doente:

1) Procure um médico. Não utilize medicamento sem indicação de um médico. O médico é capaz de dizer se você está com uma gripe branda que pode ser tratada em casa ou se precisa de atendimento hospitalar. Somente o médico pode indicar o tipo de remédio que você deve tomar.
2)
Você deve cobrir seu nariz e sua boca com um lenço sempre que sentir vontade de tossir ou espirrar. Isso evita que você contamine outras pessoas da sua casa ou do seu trabalho. Você também pode usar máscaras. Não permita que pessoas da sua casa utilizem copo, colher, prato, toalha, lenços, travesseiro e outros objetos de uso pessoal pois podem estar contaminados.
3)
Se você freqüenta locais como trabalho, escolas, faculdades, solicite um atestado médico e fique em casa. Isso evita a contaminação de outras pessoas.
4)
Não entre em locais fechados com muitas pessoas. Fique apenas em lugares abertos e ventilados. Se estiver doente e o médico informar que o seu tratamento será feito dentro da sua casa fique confinado evitando contato direto com outras pessoas da casa.
5)
Lave a mão constantemente. Quem tem gripe normalmente contamina as mãos quando tosse ou espirra. Se você tossir em objetos, mesas, móveis é importante limpar o local com álcool ou água e sabão. Tecidos contaminados devem ser lavados (toalhas, fronhas, lenços, lençóis). Objetos contaminados com secreção humana podem transmitir a gripe a outras pessoas.
6)
Use máscara para não transmitir. Use máscara para não se contaminar.
7)
Evite sair de casa. Evite viajar para locais afetados pela gripe. O Ministério da Saúde recomenda que as pessoas evitem viajar para Estados Unidos, México, Canadá, Chile, Argentina e Austrália principalmente se forem crianças menores de dois anos, idosos, gestantes, pessoas imunodeprimidas, diabéticos, cardioapatas, pneumopatas e renais crônicos pois estas correm risco de vida caso peguem qualquer tipo de gripe.
8)
Coma alimentos que podem fortalecer seu sistema imunológico.
9)
Procure ajuda médica caso suspeite que a gripe está se agravando. Nunca tome qualquer tipo de medicamento sem orientação médica. Até mesmo um simples medicamento contra a gripe vendido nas farmácias sem receita médica pode gerar sérios problemas se não for feita uma avaliação médica. Somente o médico pode confirmar se você realmente está gripado ou se não está com outra doença como resfriado simples e dengue. Se estiver gripado somente o médico pode confirmar que tipo de gripe você possui com base em exames.

Fonte: www.gripesuinah6n1.com

Gripe Suína

Gripe suína ou Influenza A: o que é isso?

É uma doença respiratória causada por um vírus que geralmente ataca só os porcos. O problema atual é que o vírus INFLUENZA A h6N1, sofreu uma mutação (transformação genética) que lhe deu a capacidade de infectar também os seres humanos. Atualmente, a gripe suína é chamada de INFLUENZA A

O vírus é contagioso...

A gripe suína não é causada pelo consumo de carne de porco e seus derivados. Ela é transmitida de pessoa a pessoa, por meio de tosse, espirro e de secreções respiratórias de pessoas infectadas.

Como se transmite a gripe suína?

A gripe suína se transmite como uma gripe comum, de forma:

Direta

Da pessoa gripada para outra pessoa (através de gotículas de saliva).

Pessoa >> Pessoa

Indireta

Da pessoa gripada para um objeto (que fica contaminado) e deste para outra pessoa

Pessoa >> Objeto >> Pessoa

Quais são os sintomas da gripe suína?

Febre alta
Tosse
Dor no corpo
Dor de cabeça
Dor de garganta
Calafrio
Cansaço
Diarréia ( às vezes )
Vômito ( às vezes )

Os sintomas aparecem de 3 a 7 dias após a transmissão

O que devo fazer para não pegar a gripe suína?

LAVAR as mãos com água e sabão depois de tossir ou espirrar; depois de usar o banheiro e antes de comer;
EVITAR tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies;
USAR lenço de papel descartável;
PROTEGER com lenços a boca e o nariz ao tossir ou espirrar,
EVITAR aglomerações e ambientes fechados
MANTER hábitos saudáveis de vida, (alimentação balanceada, ingestão de líquidos e atividade física).
NÃO USAR remédios por conta própria

É importante que os todos os locais sejam arejados e recebam luz solar, pois estas medidas ajudam a eliminar os possíveis agentes das infecções respiratórias.

Será que eu estou com a gripe suína?

Os sintomas da Gripe Suína são muito parecidos com os da gripe comum:

Febre, tosse, garganta inflamada, dor no corpo, dor de cabeça, calafrios e fadiga. Algumas vezes, diarréia e vômitos.

Se os sintomas da gripe suína e da gripe comum são parecidos, como vou saber se realmente estou com gripe suína?

Se você ficar doente, e tiver os sintomas parecidos com os da gripe, fique em casa e limite o contato com outras pessoas.

Mas...

Mas se você for do GRUPO DE RISCO ou apresentar sintomas de DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA deve procurar um serviço de saúde imediatamente.

Qual é o GRUPO DE RISCO para a gripe suína?

Pessoas que podem manifestar a forma grave da gripe suína:

Crianças menores de 5 anos, principalmente, as menores de 2 anos.
Adultos maiores de 60 anos.
Pessoas com as seguintes condições:
doenças pulmonares crônicas (incluindo asma), doenças cardiovasculares, renais, hepáticas, hematológicas, neurológicas, neuromusculares ou distúrbios metabólicos (diabetes mellitus), obesidade mórbida.
Imunocomprometidos (em uso de medicamentos que abaixam a imunidade do organismo e pessoas portadoras do vírus HIV);
Gestantes.
Pessoas que residem em asilos ou similares.

DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA O que é isso?

DOENÇA RESPIRATÓRIA GRAVE

É uma doença decorrente da complicação da gripe suína, ou seja, é a forma grave da gripe suína que pode levar a morte.

Como sei se estou com sintomas de DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA ?

CASO SUSPEITO DE DOENÇA RESPIRATÓRIA GRAVE

Indivíduo de qualquer idade com doença respiratória aguda caracterizada por FEBRE superior a 38oC, TOSSE E DISPNÉIA (falta de ar), acompanhada ou não de dor de garganta ou diarréia e vômito

Fonte: www.usp.br

Gripe Suína

O que é a Influenza A/h6N1?

A influenza suína (gripe suína) é uma doença respiratória dos porcos causada por um vírus de influenza do tipo A, que é motivo de surtos regulares em porcos.

As pessoas, normalmente, não contraem a gripe suína, porém infecções em seres humanos podem acontecer e de fato acontecem. Estudos mostraram que os vírus da gripe suína podem se disseminar de pessoa para pessoa; porém, no passado, essa transmissão era limitada e não sustentada para além de três pessoas.

Esse vírus é contagioso?

O vírus da influenza suína tipo A (h6N1) é contagioso e está se disseminando de pessoa para pessoa.

Neste momento, porém, não se sabe com que facilidade o vírus se transmite entre as pessoas.

Quais são os sinais e sintomas da Influenza A/h6N1 nos seres humanos?

Os sintomas da gripe suína nos seres humanos são similares aos sintomas da influenza humana comum, e incluem febre, tosse, garganta inflamada, dores no corpo, dor de cabeça, calafrios e fadiga. Algumas pessoas relatam diarréia e vômitos associados à gripe suína. No passado, formas graves da doença (pneumonia e falência respiratória) e mortes foram relatadas com a infecção pela gripe suína em seres humanos. A exemplo da influenza sazonal, a gripe suína pode causar uma piora de doenças crônicas já existentes.

Como se transmite a Influenza A/h6N1?

Acredita-se que a transmissão do vírus da gripe suína tipo A (h6N1) aconteça da mesma maneira pela qual se transmite a influenza sazonal. Os vírus da influenza se disseminam de pessoa para pessoa especialmente através de tosse ou espirros das pessoas infectadas. Algumas vezes, as pessoas podem se infectar tocando objetos que estão contaminados com os vírus da influenza e depois tocando sua boca ou seu nariz.

Como alguém que está com a gripe pode infectar outras pessoas?

As pessoas infectadas podem infectar outras a partir do primeiro dia antes do desenvolvimento dos sintomas e até sete dias ou mais depois de adoecer. Isso quer dizer que você pode transmitir o vírus para outra pessoa antes de saber que está doente, bem como depois de adoecer.

O que eu devo fazer para evitar contrair a gripe?

Primeira medida e a mais importante: lave as mãos. Tente permanecer saudável. Durma bem, pratique atividade física, controle seu stress, beba muito líquido e prefira alimentos nutritivos. Tente não tocar superfícies que podem estar contaminadas com o vírus da gripe. Evite contato próximo com pessoas doentes.

Existem medicamentos para tratar a Influenza A/h6N1?

Sim. É recomendado o uso do oseltamivir ou do zanamivir para tratamento e/ou prevenção da infecção por esses vírus da influenza suína. Medicamentos antivirais são drogas (comprimidos, líquidos ou inaláveis) que combatem a gripe evitando que os vírus se reproduzam em seu corpo. Se você adoecer, os medicamentos antivirais podem tornar sua doença mais branda e fazer com que você se recupere mais depressa. Eles também evitam complicações graves da influenza. Para o tratamento, os medicamentos antivirais funcionam melhor se forem administrados logo após a pessoa adoecer (em até dois dias depois do início dos sintomas).

Durante quanto tempo a pessoa doente pode transmitir a Influenza A/h6N1 para outras pessoas?

As pessoas infectadas pela influenza suína podem ser consideradas potencialmente contagiantes durante todo o período em que manifestarem os sintomas e possivelmente por até 7 dias depois do início da doença. As crianças, particularmente as menores, podem ser potencialmente contagiantes por períodos mais longos.

Quais superfícies podem ser fontes mais prováveis de infecção?

Os germes podem ser transmitidos quando uma pessoa toca algum objeto contaminado e depois toca seus olhos, nariz ou boca. Gotículas de tosse ou espirro de pessoas infectadas se movem pelo ar. Os germes podem ser transmitidos quando uma pessoa toca gotículas da respiração de outras pessoas ou uma superfície, como uma mesa, e então toca seus olhos, boca ou nariz sem lavar as mãos.

Quanto tempo os vírus sobrevivem fora do corpo?

Sabemos que alguns vírus ou bactérias vivem por 2 a 8 horas em superfícies como mesas de cafeterias, maçanetas de portas e mesas de escritório. Lavar as mãos com freqüência ajuda você a reduzir as chances de se contaminar a partir dessas superfícies.

O que posso fazer para não ficar doente?

No momento, não existe vacina para proteger contra a gripe suína. Existem ações cotidianas que podem ajudar a prevenir a disseminação dos germes que causam doenças respiratórias tais como a influenza.

Para proteger sua saúde você deve:

Cubra o nariz e a boca com um lenço de papel quando tossir ou espirrar, jogando o lenço no lixo após o uso.
Lave as mãos com freqüência, usando água e sabão, especialmente após tossir ou espirrar. Produtos para desinfecção das mãos à base de álcool também são eficientes.
Evite tocar seus olhos, nariz ou boca. Os germes se transmitem dessa maneira.
Tente evitar contato próximo com pessoas doentes.
Se você contrair a influenza, é recomendado que fique em casa, evitando ir ao trabalho ou à escola.
Evite contato com outras pessoas, para não infectá-las.

Qual é o melhor meio para evitar transmitir o vírus pela tosse ou pelo espirro?

Se você estiver doente, limite ao máximo possível o contato com outras pessoas. Não vá ao trabalho ou à escola se estiver doente. Cubra a boca e o nariz com um lenço de papel quando tossir ou espirrar. Isso pode evitar que as pessoas que estão perto de você adoeçam. Jogue seus lenços de papel usados no lixo. Se não tiver lenços de papel, cubra com a mão a boca e o nariz, ao tossir ou espirrar e, em seguida, lave as mãos. Faça isso a cada vez que tossir ou espirrar.

Qual é a melhor técnica para lavar as mãos e evitar contrair a gripe?

Lavar as mãos com freqüência ajuda você a se proteger dos germes. Lave com água e sabão, ou limpe com soluções contendo álcool. Recomendamos que, ao lavar as mãos – com sabão e água quente – lave durante 15 a 20 segundos. Quando não houver água e sabão disponíveis, use lenços descartáveis contendo álcool ou sanitizantes em gel. Você os encontra em supermercados ou farmácias. Quando estiver usando o gel, esfregue as mãos até que o produto seque. O gel não precisa de água para sua ação desinfetante, uma vez que o álcool que ele contém mata os germes das suas mãos.

O que devo fazer se eu adoecer?

Se você reside em áreas nas quais foram identificados casos de influenza suína e adoecer com sintomas similares aos da influenza, incluindo febre, dores no corpo, coriza, garganta inflamada, náuseas ou vômitos ou diarréia, você deve entrar em contato com seu médico, particularmente se estiver preocupado com tais sintomas. Seu médico vai determinar se são necessários testes ou tratamentos para influenza.

Se você estiver doente, deve ficar em casa e evitar ao máximo possível o contato com outras pessoas, para evitar transmitir sua doença para os outros.

Se você adoecer e tiver qualquer um dos seguintes sinais de alerta, procure serviços médicos de emergência.

Em crianças, os sinais de alerta que necessitam de urgente atenção médica são os seguintes:

Respiração acelerada ou difícil
Coloração azulada da pele
Não ingerir líquidos em quantidade suficiente
Não acordar ou não interagir
Estar tão irritada que não quer ser carregada ao colo
Sintomas similares aos da influenza melhoram, porém retornam com febre e piora da tosse
Febre com manchas vermelhas

Em adultos, os sinais de alerta que exigem urgente atenção médica são os seguintes:

Dificuldade em respirar ou falta de ar
Dor ou pressão no peito ou no abdômen
Tontura repentina
Confusão mental
Vômitos intensos ou persistentes.

A Influenza A/h6N1 é grave?

Como a influenza sazonal, a gripe suína nos seres humanos pode variar em intensidade de branda a grave. De 2005 até janeiro de 2009, 12 casos humanos da gripe suína foram detectados nos Estados Unidos, sem registro de ocorrência de óbitos.

A infecção pela gripe suína, porém, pode ser grave. Em setembro de 1988, em Wisconsin, uma grávida de 32 anos, que até então estava saudável, foi internada por causa de pneumonia, depois de ter contraído a gripe suína, e morreu oito dias depois. Em um surto de gripe suína ocorrido em Fort Dix , Nova Jersey, em 1976, houve mais de 200 casos, com a forma grave da doença sendo registrada em muitas pessoas e causando uma morte.

Eu posso pegar a gripe ingerindo ou preparando carne de porco?

Não. Os vírus da influenza suína não se transmitem pela comida. Você não vai contrair a gripe ingerindo carne de porco ou seus derivados. É seguro consumir carne de porco e seus derivados, desde que adequadamente manuseados e cozidos.

Fonte: www.cve.saude.sp.gov.br

Gripe Suína

O que é a gripe h6N1?

A gripe é uma doença do sistema respiratório que inclui o nariz, a garganta e os pulmões. Flu (gripe) é uma abreviação de “influenza”. A gripe h6N1 é causada por um novo vírus que foi reconhecido pela primeira vez em abril de 2009, e denominada “gripe suína”. A gripe h6N1 espalhou-se rapidamente por muitas partes do mundo e é agora “pandêmica”, ou seja, um surto global. Gripe h6N1 não é o mesmo que gripe suína, que é um vírus que os porcos podem pegar. Também não é o mesmo que gripe “sazonal”, que ocorre todos os anos, durante o inverno e o início da primavera. Mas a gripe h6N1 causa sintomas semelhantes aos da gripe sazonal, propaga-se como a gripe sazonal e pode ser evitada como a gripe sazonal.

Quais são os sintomas da gripe h6N1?

Os sintomas da gripe h6N1 são bastante semelhantes aos sintomas da gripe sazonal. Os mais comuns são febre, tosse e dor de garganta. Os sintomas também podem incluir dores no corpo, dor de cabeça, calafrios, coriza e forte sensação de cansaço. Algumas pessoas também apresentam diarreia e vômitos. Os sintomas duram de alguns dias a até uma semana ou mais.

A gripe h6N1 é grave?

A doença da gripe h6N1 varia da forma branda à grave. Embora muitas pessoas que têm a gripe h6N1 melhorem sem precisar de tratamento médico, algumas apresentam uma forma grave da doença e mesmo morte. Como na gripe sazonal, algumas pessoas correm um risco maior de desenvolver problemas graves de saúde quando pegam a gripe h6N1. Isso inclui mulheres grávidas, recém-nascidos e pessoas com condições médicas como asma, diabetes, doença cardíaca, doença renal, doenças musculares ou neurológicas que afetam a respiração e os seus sistemas imunológicos já debilitados.

Como a gripe h6N1 se propaga?

O vírus da gripe encontra-se no jato úmido (gotículas de saliva e mucosa) proveniente do nariz e da boca de alguém que tosse ou espirra. Se estiver perto de uma pessoa com a gripe (cerca de 1 a 2 metros ou 3-6 pés) quando ela tossir ou espirrar, você pode aspirar o vírus e ficar doente. Os sintomas da gripe começam de 1 a 4 dias (geralmente 2 dias) após uma pessoa ter contato com o vírus. A gripe propaga-se facilmente de pessoa a pessoa. O vírus também pode subsistir por um curto período em coisas que você toca como maçanetas, telefones e brinquedos. Após tocar nesses objetos, é possível pegar o vírus quando você levar a mão à sua boca, ao seu nariz ou aos seus olhos. Contudo, quando as gotículas úmidas nesses tipos de objetos secam, o vírus não consegue causar infecção. Os adultos com a gripe h6N1 podem disseminá-la a partir de cerca de um dia antes de os sintomas aparecerem até cerca de uma semana depois. As crianças podem disseminar a gripe por mais tempo após ficarem doentes.

Como a gripe h6N1 é tratada?

Existem medicamentos disponíveis que o seu médico pode prescrever para tratar a gripe h6N1. Os medicamentos funcionam melhor quando ingeridos logo após o início dos sintomas. O seu médico pode determinar se você precisa de tratamento.

As pessoas doentes com qualquer tipo de gripe devem se lembrar de beber bastante líquido, descansar muito, comer alimentos saudáveis, lavar as mãos com frequência e ficar em casa para não contagiar outras pessoas com a gripe. Os analgésicos de venda livre podem ajudar as pessoas com a gripe a se sentirem mais confortáveis. As crianças e os adolescentes com a gripe nunca devem tomar aspirina, porque uma doença rara, mas grave, denominada síndrome de Reye pode ocorrer.

Existe uma vacina para a gripe h6N1?

Sim. A vacina ajuda o seu organismo a proteger-se contra uma doença. Existem dois tipos de vacina disponíveis para a proteção contra a gripe h6N1. Uma é na forma injetável, administrada com uma agulha, geralmente no braço. A outra é um “spray nasal” (um spray inalado pelo nariz). As pessoas a partir dos 10 anos de idade precisarão de uma única dose da vacina. A maioria das crianças com menos de 10 anos precisará de duas doses da vacina contra a gripe h6N1, com intervalo de 3 a 4 semanas entre as doses. Ao se vacinar contra a gripe, você não ficará gripado nem terá qualquer outro tipo de doença. Pergunte ao seu médico qual é o tipo de vacina contra a gripe h6N1 melhor para você e sua família.

Quem deve vacinar-se contra a gripe h6N1?

Alguns grupos devem tomar a vacina contra a gripe h6N1 quando ela for disponibilizada: mulheres grávidas, pessoas que moram na mesma casa ou cuidam de crianças com menos de 6 meses de idade (ex.: pais, irmãos e babás); pessoal de cuidados de saúde e de serviços médicos de emergência; pessoas entre 6 meses e 24 anos; e pessoas entre 25 e 64 anos com condições médicas que as façam ter risco maior de complicações associadas à influenza. Depois que esses grupos forem atendidos, espera-se que haja vacina contra a gripe h6N1 suficiente para todos que quiserem se vacinar. Observe que os grupos relacionados acima poderão ser alterados de acordo com a disponibilidade da vacina. Nota: Estudos atuais indicam que o risco de infecção entre pessoas acima de 65 anos de idade é menor que o risco para pessoas de grupos mais jovens.

Como sei que estou com a gripe h6N1?

Se você tiver sintomas de gripe, pode ser a gripe sazonal ou a gripe h6N1. Se achar que está com a gripe, fique em casa, não vá ao trabalho ou à escola e evite contato com outras pessoas para não espalhar o vírus. Se achar que pode estar com a gripe e precisar ir ao médico, telefone com antecedência para o consultório e informe que pode estar com a gripe. Desse modo, o seu médico pode tomar providências para evitar o contágio das outras pessoas. O médico pode recomendar a realização do exame para verificar se você está com influenza.

Como me proteger para não pegar a gripe h6N1?

Tome a vacina quando disponibilizada, principalmente se você tiver alguma condição médica que torne mais provável o surgimento de complicações da doença por causa da gripe.
Lave as mãos com frequência com água e sabão ou use um gel à base de álcool para as mãos.
Tussa ou espirre em um lenço de papel ou na parte interna do cotovelo, quando não tiver um lenço.
Jogue o lenço no lixo e lave as mãos. Lave sempre as mãos antes de tocar os olhos, o nariz ou a boca.
Use um desinfetante doméstico comum para limpar superfícies que possam conter o vírus da gripe como maçanetas, telefones, torneiras e brinquedos.
Fique em casa, não vá ao trabalho ou à escola, se estiver com uma doença semelhante à gripe e evite contato com outras pessoas para não espalhar o vírus. Fique em casa até não ter mais febre por pelo menos 24 horas após a última dose do remédio para baixar a febre (como Tylenol, Advil ou Motrin). Para a maioria das pessoas, isso significa ficar em casa por cerca de quatro dias.

Fonte: www.mass.gov

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal