Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Guerra dos Boxers  Voltar

Guerra dos Boxers

 

A Guerra dos Boxers foi uma revolta camponesa de 1900 que tentou conduzir todos os estrangeiros da China.

Boxers era um nome que os estrangeiros deram a uma sociedade secreta chinesa conhecida como a Yihequan.

O grupo praticava certo boxe e rituais calisthenic na crença de que este fez invulnerável. Ele foi pensado para ser um desdobramento do Oito trigramas Society (Baguajiao), que tinha fomentado rebeliões contra a dinastia Qing no final dos anos 18 e início do século 19.

Seu objetivo inicial era a destruição da dinastia e também dos ocidentais que tinha uma posição privilegiada na China.

No final do século 19, por causa do crescente empobrecimento econômico, uma série de calamidades naturais infelizes, e agressão estrangeira desenfreada na área, os Boxers começou a aumentar a sua força nas províncias do norte da China.

Em 1898, conservador, as forças antiforeign ganhou o controle do governo chinês e convenceu os Boxers a cair a sua oposição à dinastia Qing e unir-se com ele em destruir os estrangeiros. O governador da província de Shandong começou a matricular Boxer bandas como grupos de milícias locais, mudando seu nome para Yihequan Yihetuan ("Righteous e harmoniosas Militia"), que soou semioficial. Muitos dos funcionários Qing neste momento, aparentemente, começou a acreditar que os rituais do pugilista realmente fez-los impermeáveis às balas, e, apesar dos protestos pelas potências ocidentais, eles e Cixi, a Imperatriz no poder, continuou a incentivar o grupo.

Atividades missionárias cristãs ajudou a provocar os Boxers; Cristãos convertidos desrespeitada cerimônias tradicionais chineses e relações familiares; e missionários pressionaram as autoridades locais a lado com os convertidos-cristãos que muitas vezes eram das classes mais baixas da sociedade-in Chinese ações locais e disputas de propriedade. No final de 1899 os Boxers foram abertamente atacar cristãos chineses e missionários ocidentais.

Em maio de 1900, bandas Boxer foram percorrendo o campo em torno da capital em Beijing . Finalmente, no início de junho uma força internacional de auxílio de cerca de 2.100 homens foi enviado a partir do porto do norte de Tianjin para Pequim.

No dia 13 de Junho, o Imperatriz ordenou que as forças imperiais para bloquear o avanço das tropas estrangeiras, ea pequena coluna de alívio foi girado para trás. Enquanto isso, em Pequim, os Boxers queimado igrejas e residências estrangeiras e matou supostos cristãos chineses à vista.

Em 17 de junho os poderes estrangeiros apreendidos os fortes DAGU na costa, a fim de restaurar o acesso de Pequim para Tianjin. No dia seguinte, Maria Feodorovna ordenou que todos os estrangeiros ser morto. O ministro alemão foi assassinado, e os outros ministros dos Negócios Estrangeiros e das suas famílias e funcionários, juntamente com centenas de cristãos chineses, foram cercados em seus aposentos das delegações e na catedral católica romana em Pequim.

Vice-reis imperial no centro de Rio Yangtze vale (Chang Jiang) e no Sul da China ignorado as ordens do governo e suprimiu surtos antiforeign em sua jurisdição.

Eles, assim, ajudou a criar o mito de que a guerra não era a política do governo chinês, mas foi o resultado de um levante indígena no nordeste, a área em que os distúrbios foram confinados principalmente.

Em 14 de agosto de 1900, uma força internacional finalmente capturado Beijing, aliviando os estrangeiros e cristãos sitiada há desde junho de 20. Enquanto as tropas estrangeiras saquearam a capital, a Imperatriz e sua corte fugiram para o oeste a Xi'an em Shaanxi província, deixando para trás um alguns príncipes imperiais para conduzir as negociações. Após amplo debate, um protocolo foi finalmente assinado em setembro de 1901, terminando as hostilidades e que prevê a reparação a ser feita para as potências estrangeiras.

Talvez um total de até 100.000 ou mais pessoas morreram no conflito, embora as estimativas sobre as vítimas têm variado muito. A grande maioria dos mortos eram civis, incluindo milhares de cristãos chineses e cerca de 200 a 250 cidadãos estrangeiros (principalmente missionários cristãos). Algumas estimativas citam cerca de 3.000 militares mortos em combate, a grande maioria deles sendo Boxers e outros lutadores chineses.

Como foi a Guerra dos Boxers

Revolta dos nacionalistas chineses contra estrangeiros e cristãos chineses ocorrida entre 1900 e 1901. É uma reação à intervenção externa e à submissão da dinastia Manchu à dominação européia na China.

O movimento parte de uma associação secreta, a Sociedade Harmoniosos Punhos Justiceiros, conhecida como Sociedade dos Boxers, presente no norte do país.

Apesar dos esforços do governo para suprimi-la durante o século XIX, a Sociedade dos Boxers conta com o apoio popular crescente e promove rebeliões e atentados contra estrangeiros e missionários cristãos.

Em 17 de junho de 1900, os rebeldes sitiam a parte da cidade de Pequim ocupada pelas delegações estrangeiras. Reino Unido, França, Japão, Rússia, Alemanha e EUA organizam uma expedição conjunta para combater o movimento.

As tropas estrangeiras no norte do país fazem a corte chinesa se transferir para o Sião (atual Tailândia) e obrigam os boxers a se dispersar.

A coalizão ocupa Pequim em 14 de julho de 1900. Derrotada, a China é condenada a pagar uma grande indenização e a aceitar a política da Porta Aberta, pela qual seria reconhecida sua integridade territorial em troca de concessões econômicas ao Ocidente.

O tratado, porém, não impede novas perdas territoriais. O Japão ocupa a Coréia, os alemães dominam a península de Chan-tung, os franceses atacam a Indochina e a Rússia avança sobre a Manchúria.

Fonte: www.geocities.yahoo.com.br

Guerra dos Boxers

Início da Guerra dos Boxers na China

Dois missionários britânicos são assaltados em Pequim, morrendo um deles. Anteriormente, já se tinham verificado tumultos em diversas cidades chinesas, de que resultou a morte de numerosos cristãos chineses. As embaixadas ocidentais apresentam um utimatum, dando um prazo de 24 horas para o governo chinês dissolver a "Sociedade dos Boxers", designação depreciativa para a I Ho Chuan ou Sociedade dos Harmoniosos Punhos Justiceiros, considerada responsável pelo crescente clima de hostilidade contra os ocidentais e, em especial, contra os missionários cristãos e os chineses convertidos.

Esta Sociedade, que já existia desde o século XVIII, corporizava o ódio aos "diabos estrangeiros", responsabilizados pela destruição da cultura tradicional chinesa e pelo progressivo domínio económico da China pelas potências ocidentais, que faziam do comércio do ópio uma atividade altamente lucrativa e, ao mesmo tempo, um instrumento de dependência de toda a sociedade chinesa. Por outro lado, a fragilidade da dinastia manchu - que seria derrubada onze anos depois com a implantação da República por Sun Yat-sen - estava bem demonstrada com as sucessivas humilhações sofridas (derrota frente ao Japão entre 1894 e 1895, ocupação pela Alemanha, pela Inglaterra e pela França de vários portos, cruciais para o comércio do ópio, arrendamento forçado de Port Arthur e Darien pela Rússia, etc.), ao mesmo tempo que crescia a fome e o desemprego em todo o Império do Meio.

Esta situação facilitou a ambiguidade da Corte Imperial, que primeiro reprimiu e, depois, incentivou os ataques desencadeados pelos Boxers contra os estrangeiros e, em especial, tentando limitar o tráfico do ópio, que já custara à China a imposição de diversos tratados injustos, designadamente o que consagrara a cedência de Hong Kong aos britânicos em 29 de Agosto de 1842, assim como a legalização do comércio do ópio e a permissão de propaganda religiosa cristã em todo o território chinês. No dia 31 de Maio, um destacamento militar de pouco mais de 300 homens (da Alemanha, Áustria-Hungria, Estados Unidos da América, França, Inglaterra, Itália, Japão e Rússia) avançaram sobre Pequim, destruindo facilmente a resistência das tropas chinesas e ocuparam mesmo a Cidade Proibida. A 9 de Junho, é atacada e incendiada a pista de corridas dos estrangeiros em Pequim, originando o protesto dos embaixadores ocidentais e a chamada de tropas estacionadas nas zonas costeiras.

No dia seguinte, o bairro das embaixadas está praticamente isolado, com a linha de telégrafo para Tientsin cortada e a artilharia chinesa cercando o bairro, ao mesmo tempo que é nomeado o principe Tuan, aliado dos Boxers, para Ministro das Relações Exteriores. A onze, o conselheiro da embaixada japonesa, Sugiyama, é assassinado quando saíu de Pequim para entrar em contato com as tropas ocidentais que marchavam sobre a cidade (a coluna Seymour).

A 16 de Junho, os ocidentais e os chineses convertidos ao cristianismo refugiam-se no bairro das Embaixadas e na Catedral Pei Tang, onde o bispo Favier se encontra protegido por uma força de marinheiros franceses e italianos. Os Boxers incendeiam largas áreas da cidade, isolando ainda mais os súbditos ocidentais e as representações diplomáticas. A 19 de Junho, o Ministério das Relações Exteriores chinês declara não garantir a segurança das embaixadas ocidentais, dando 24 horas para a sua evacuação para Tientsin.

Os diplomatas ocidentais recusam e tentam entrar em contato com as autoridades chinesas, saindo no dia seguinte o Embaixador alemão, barão von Ketteler, para procurar encontrar-se pessoalmente com o ministro, sendo morto por um soldado imperial. A 14 de Julho, uma expedição internacional, que incluía forças americanas e japonesas, tomou a cidade de Tientsin, na China. Os Estados Unidos da América reafirmam publicamente a política de «porta aberta» na China.

Perante o avanço das tropas estrangeiras na libertação das suas representações em Pequim, que durou cerca de três meses, o exército chinês acabou por ceder.

Um mês depois, uma força internacional liberta as embaixadas em Pequim. A 22 de Dezembro, as potências ocidentais (Alemanha, Áustria-Hungria, Bélgica, Espanha, Estados Unidos da América, Grã-Bretanha, Holanda e Itália), assim como o Japão e a Rússia, apresentam uma nota à China impondo as condições para preservar a sua "integridade territorial" - que são aceites pelo decreto do Imperador da China de 27 de Dezembro.

A Paz ou Protocolo de Pequim, assinada em 7 de Setembro de 1901, põs fim à revolta boxer, obrigando a China a pagar avultadas indemnizações às grandes potências (cerca de 330 milhões de dólares em ouro), impondo a soberania estrangeira em zonas da capital, entregando numerosos portos à exploração ocidental, abrindo novos tratados comerciais de "porta aberta" com as potências signatárias e proibindo a importação de armamento. A cedência chinesa acentuou a humilhação sentida, abrindo, no entanto, caminho à aplicação de reformas na administração pública, no ensino e nas forças armadas, que haviam sido iniciadas em 1898 por K'ang Yu-wei ("Os 100 Dias de Reforma").

Fonte: www.fmsoares.pt

Guerra dos Boxers

1900-1901)

Como foi

A Guerra dos Boxers começou em novembro de 1899, na província de Shandong e terminou em 7 de Setembro de 1901, com a assinatura do Protocolo de Boxer.

Foi uma revolta nacionalista chinesa contra o domínio estrangeiro iniciado pela Sociedade Harmoniosos Punhos Justiceiros (Sociedade dos Boxers).

Os boxers contavam com o apoio popular e promoveram diversos, ataques e rebeliões até que em 17 de Junho de 1900, os rebeldes sitiaram Pequim.

Uma coalizão estrangeira (Reino Unido, EUA, França, Japão, Rússia e Alemanha) ocupou Pequim em 14 de Julho de 1900 e após derrotar os Boxers, impõem pesadas indenizações de guerra e facilidades comerciais em troca da manutenção territorial, mas mesmo com o acordo Alemanha, Rússia, Japão e França anexaram territórios chineses.

A Guerra dos Boxers

Os nacionalistas chineses reagiam contra intervenção estrangeira e ao tíbio comportamento da dinastia Manchu, então ocupante do trono imperial.

No Norte da China, uma associação secreta, denominada Sociedade Secreta Harmoniosos Punhos Justiceiros, promoveu atentados e rebeliões contra estrangeiras e missionários cristãos.

Em 1900, com respaldo popular crescente, os boxers (eram os membros da associação secreta) sitiaram o bairro ocupado pelas delegações estrangeira em Pequim.

Foi o início da Guerra dos Boxers, que se espalhou das zonas costeiras para as cidades que margeiam o rio Yang-Tsé.

A luta terminou com a derrota dos chineses e a imposição pelas potências estrangeiras da política da "Porta Aberta", pela qual a China era obrigada a fazer novas concessões econômicas.

Principal característica

O nacionalismo "destruir os estrangeiros", para enfrentar o domínio estrangeiro se dedicavam ao treinamento de lutas marciais.Seus movimentos eram semelhantes a uma luta de boxe, daí o nome guerra dos Boxers.

Resultado

Os colonizadores venceram, colocando fim em mais uma tentativa de pôr fim ao imperialismo ocidental na Ásia.

Fonte: www.vestibular1.com.br/www.iped.com.br

Guerra dos Boxers

LEVANTE DOS BOXERS

Levante, Rebelião ou Guerra dos Boxers (1899-1900) - chamada também de Movimento Yijetuan - foi o movimento popular antiocidental e anti-cristião na China.

Em Agosto de 1900, no auge da revolta, tinham sido mortos mais de 230 estrangeiros e milhares de chineses cristãos por um número desconhecido de rebeldes e simpatizantes. A sociedade secreta de Righteous and Harmonious Fists, que se opunha à expansão estrangeira e à corte Manchu, sustentava que com treino (incluindo o ritual do boxe), seus membros poderiam tornar-se imunes a balas.

Boxers em Tianjin

O movimento começou na província de Shandong, e tinha suas raízes na pobreza rural e no desemprego, cuja responsabilidade era atribuída às importações do Ocidente. Atacaram as missôes, os estabelecimentos estrangeiros e cortaram as linhas telefônicas e vias férreas. Impelido em direção ao oeste, missionários, chineses e cristãos, além do povo que possuía bens estrangeiros, foram atacados também. O movimento foi apoiado pela imperatriz Cixi (Tseu-Hi) e alguns governadores de províncias. Em 1900 os boxers cercaram os legados estrangeiros em Beijing por dois meses.

Tropas Estrangeiras na Cidade Proibida durante a Rebelião dos Boxers.

Um Boxer

Para sufocar a rebelião, organizou-se uma internacional colonialista, uma tropa composta de 20 mil soldados (russos, americanos, ingleses, franceses, japoneses e alemães). Ela foi enviada para ocupar a sede imperial, onde penetrou em 14 de agosto de 1900, rendendo, ocupando e saqueando a capital. Cixi e o imperador fugiram disfarçados.

Página de assinaturas do Protocolo Boxer

As forças estrangeiras lançaram ataques punitivos na região de Beijing e negociaram pesadas reparações no Protocolo Boxer (1901). A monarquia salvou-se aceitando a liquidação das sociedaes secretas, o pagamento de uma indenização de guerra e a proibição de importar armas.

A Guerra dos Boxers

Depois dessa aberta e brutal intervenção militar, o outrora orgulhoso Império Celestial definitivamente tornara-se a "colônia de todas as metrópoles". Para infamar ainda mais as autoridades do império, os colonialistas obrigaram a que fossem chineses os carrascos que executaram as sentenças de morte dos principais líderes da rebelião. O levante fez com que aumentasse a interferência estrangeira na China, e logo diminuísse a autoridade da dinastia Qing.

Fonte: historiaemfoco.xpg.uol.com.br

Guerra dos Boxers

Não é de hoje que a China chama a atenção das grandes potências mundiais em decorrência de seu extenso mercado. Desde meados do século XIX, o país encontra-se na rota de cobiça das potências ocidentais. Neste período, a dinastia reinante (Mandchu/ Qing) – muito contestada internamente, principalmente por não pertencer à maioria Han - começa a perder o controle do grande império e de seus reinos vizinhos e vassalos.

Embora a China não tenha sido formalmente colonizada, havia simultaneamente uma penetração de valores ocidentais - desde as modernizações até o cristianismo - e a concessão de privilégios jurídicos e econômicos. Entre os mais notáveis podemos destacar o principio da extraterritorialidade, que isenta estrangeiros da lei chinesa, e a imposição de tarifas de importação artificialmente baixas que permitia aos produtos ocidentais competir favoravelmente no mercado chinês. Tais práticas desagradavam largos setores da sociedade chinesa, da elite até o campesinato.

Aos descontentamentos soma-se a Guerra Sino-Japonesa (1894-1895), com a derrota da China para um ex-reino vassalo modernizado — que gera grande humilhação no antigo poderoso império, convertido em “homem doente da Ásia” —, começa uma nova etapa na desagregação política e social da China tradicional: indenização gigantesca devida ao Japão (além das devidas aos outros países ocidentais), bases militares em seu território, além de incentivos para outras potências pedirem novos privilégios.

Porém, não foram apenas as condições supracitadas do país que criaram o terreno ideal para florescer a revolta dos Boxers. A província de Shandong agregava outros fatores, embora específicos, contribuindo para o início e uma grande adesão ao levante.

Estas sendo:

1) Suscetibilidade a catástrofes: secas e inundações.Além do assoreamento do Grande Canal que prejudicava o comércio tradicional;
2)
Pobreza generalizada causada pelas mudanças na economia,pelos desastres ambientais já citados e pelo desemprego causado pela concorrência com os produtos importados(especialmente os têxteis);
3)
Inabilidade do governo dos Qing em controlar a região,o que facilitava roubos e o banditismo,assim como a ação do Boxers;
4)
Grande atividade de missionários cristãos,que gerava insatisfação nos nativos tradicionalistas. Insatisfação esta que era também agravada devido aos “Tratados Desiguais” que eram assinados com as potências ocidentais e a não obediência das leis chinesas por parte dos missionários, gerando assim toda sorte de abusos por parte dos mesmos e de seus protegidos. Shandong também tinha uma grande quantidade de convertidos.

Em meio a essas tensões, o movimento dos Boxers começou a se expandir atingindo todas as províncias do norte chinês.

Guerra dos Boxers
Os Boxers

Os Boxers surgiram junto com várias outras seitas secretas após a Guerra Sino-Japonesa. Suas raízes estavam em seitas anteriores, tais como A sociedade da grande faca que eram Pro-chineses e anti-Mandchu. O movimento possuía forte apelo nas áreas rurais, principalmente em homens jovens e desempregados devido à seca. Segundo alguns autores, estes se deslumbrariam com as apresentações públicas de artes marciais feitas pelos Boxers.

Buscando adesão ao movimento, os Boxers percorriam diversas províncias do Norte do país realizando apresentações de exercícios físicos e artes marciais para impressionar a população, aumentando assim o recrutamento. Assim, os fundamentos dos Boxers foram propagados juntamente com seu slogan “Apoiar a [dinastia] dos Qing, destruir o estrangeiro.”

Embora seu nome europeu seja o mais conhecido, principalmente devido a sua larga utilização em publicações ocidentais, o grupo se auto-intitulava Yihequan (Punhos da Justiça e da Concórdia). O movimento Boxer era de cunho religioso, popular, social, e ao menos indiretamente, antiimperialista. Como a maioria das sociedades secretas, seu passado está envolto em mitos e lendas, contudo há estudos que mostram sua presença no século XVIII durante a expulsão de alguns jesuítas.

As irrupções de violência coletiva se iniciaram em 1899 com ataques a cristãos chineses, contudo ganham impacto ao atingir o primeiro estrangeiro no final do mesmo ano. Aqui é importante destacar um aspecto da crença tradicional: as ações terrenas causariam reações divinas. Assim, a penetração estrangeira (com suas inovações técnicas, igrejas etc) estaria ocasionando a seca daquele período: logo, a eliminação física e a expulsão dos “demônios brancos” acabariam com a seca.

Guerra dos Boxers
Soldado Boxer

Os Boxers entendiam que para a efetiva expulsão ou extermínio dos “diabos estrangeiros” era necessário o uso dos rituais das artes marciais e das armas tradicionais chinesas.

Eles pregavam que "verdadeiros crentes" seriam imunes a armas ocidentais e, de acordo com alguns pesquisadores, classificavam seus inimigos em classes distintas: os estrangeiros eram demônios “de primeira classe”, os chineses convertidos ao cristianismo a “segunda classe” e os que trabalhavam para os estrangeiros a “terceira classe” de demônios.

Dentre as diversas formas de combate, a literatura também tinha espaço, como é o exemplo de uma publicação intitulada "Death to blow Corrupt Douctrines" (Morte como meio para destruir doutrinas corruptas2) e algumas propagandas, como esta que segue:

... Sem chuva vinda do céu.
A terra está ressecada e seca.
E tudo porque as igrejas
Têm- na engarrafado no céu.

Os deuses estão com muita raiva.
Os espíritos procuram vingança.
Em massa que vêm do céu
Para ensinar o caminho aos homens. [...]

Espíritos surgem das grutas;
Deuses descem das montanhas,
Para possuir os corpos dos homens,
Transmitindo suas habilidades de luta

Em pouco tempo de conflito, instalações (ferrovias, fábricas etc.), casas e estabelecimentos estrangeiros - e os próprios estrangeiros - tornam-se alvos dos Boxers.

O Yihequan, dessa forma, começou a interferir nos interesses das potências e estas começam a cobrar do governo imperial uma atitude repressiva mais forte em relação aos Boxers. O que nos leva a duas ambigüidades referentes à relação entre os rebelados e o governo Mandchu.

Dentro do governo havia facções com opiniões divergentes em relação aos Boxers. Se por um lado um grupo, como, por exemplo, a imperatriz Cixi Tseu-Hi, motivado pela tentativa de eliminar a intrusão ocidental e japonesa no império e pelo resgate de seus valores tradicionais, se mostrava a favor do movimento, outro se opunha a ele na tentativa de não se indispor com as nações estrangeiras. Tal cisão expunha a fragilidade do governo Mandchu.

Outra ambigüidade era o caráter anti-mandchu do movimento: os Mandchus eram vistos por muitos como os responsáveis pela invasão dos “demônios brancos”, seja por fraqueza, seja por conivência. Porém, com o desenrolar dos eventos e o posterior apoio da Corte aos rebelados, é difícil ser peremptório sobre a dimensão anti-Qing do levante.

A reação das potências vem na forma de uma expedição multinacional, que mobilizou oito nações - Hungria, França. Alemanha, Grã-Bretanha, Itália, Japão, Rússia e os Estados Unidos, sem contar as que participaram das negociações de paz com o objetivo de reprimir os Boxers, liderada pelo almirante inglês Edward Seymour: a expedição Seymour. E é a invasão e outros atos de desrespeito em território chinês que faz o governo apoiar os boxers e declarar guerra às potências.

Com o apoio do governo, os boxers, que já haviam se expandido para fora de Shandong para o eixo Pequim-Tianjin, área nevrálgica dos interesses imperialistas, entram em Pequim. E é na capital onde acontecem os ataques às embaixadas e aos embaixadores, com dois assassinatos de diplomatas mais marcantes: a do Barão von Ketteler, alemão, e a do japonês Sugiyama, ambos cometidos por soldados do exército chinês e não por Boxers.

Com a declaração de guerra, o governo chinês dá um ultimato para todos os estrangeiros saírem de Pequim, ultimato este que é ignorado pelos diplomatas. Tal recusa motiva, então, o cerco de 55 dias empreendido pelos Boxers ao bairro das embaixadas.

Com a declaração de guerra e o cerco, a expedição Seymour busca então tomar Pequim, encontrando resistência não apenas do exército chinês, como também dos Boxers. Reconhecendo a dificuldade, muda de estratégia e ocupa os fortes litorâneos para dali apoiar a tomada da cidade.

Em 14 de agosto de 1900 a capital é tomada e saqueada pelos expedicionários, inclusive a Cidade Proibida, sede do governo chinês. A imperatriz regente Cixi deixa a cidade para Xi’an, velha capital imperial. Em 7 de setembro de 1901, é firmado um tratado de paz entre a China e os aliados.

O tratado, como todos os outros firmados com potências imperialistas, foi extremamente desvantajoso para a China. Determinava a execução dos políticos e militares ligados aos boxers; proibia qualquer atividade hostil aos estrangeiros; proibia a importação de armas; exigia o desmonte dos fortes de Dagu e a entrega de outros para o controle estrangeiro; estabelecia controle militar estrangeiro sobre a estradas de ferro Pequim-Tianjin e o envio de missões expiatórias aos países da aliança – medida particularmente humilhante.

A derrota na Guerra dos Boxers marca um novo estágio na sujeição aos estrangeiros. Possibilitou à Rússia ocupar a Mandchúria, no norte do país, e construir uma ferrovia, superando as resistências chinesas.

Stephanie Godiva

Fernando Falci

REFERÊNCIAS

BODIN, Lynn E. The Boxer Rebellion.(Men- at-arms series).London: Osprey Publishing London, 1979.
COHEN, Paul A. “The Contested Past: The Boxers as History and Myth”. IN: The Journal of Asian Studies, Vol. 51, No. 1 (Feb., 1992), pp. 82-113. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2058348. Acesso em 20 set. 2011.
GUO, XUEZHI. The Ideal Chinese Political Leader: A Historical and Cultural Perspective.Westport, CT: Praeger. 2002.
HARRINGTON, Peter. Peking 1900 – The Boxer Rebellion. (Campaign series). London: Osprey Publishing London, 2001.
KO, Walter. The Boxer Movement. In: Chinese American Forum - XVI. NO.4 - APRIL 2001.
LANDOR, Arnold Henry Savage. China and the Allies. London: William Heinemann, 1901.
LANGE, Sven. Revolt against the West: a comparison of the Boxer Rebellion of 1900-1901 and the current war against the west. California: Naval Postgraduate School, 2004.
MANNING, William R. China and the Powers Since the Boxer Movement. In: The American Journal of International Law, Vol. 4, No. 4, Oct. 1910, pp. 848-902.
NUSSBAUM, Lydia R. From Paternalism to Imperialism: the U.S. and the boxer Rebellion. Disponível em: http://www.arts.cornell.edu/knight_institute/ publicationsprizes/discoveries/discoveriesfall2002/12lydianussbaum.pdf. Acesso em 20 de set. 2011.
THE NEW YORK TIMES ARCHIVE. New York, 1895 - 1901
THORALF, Klein. “The Boxer War – The Boxer Uprising”. 23 jul.2008. Disponível em: http://www.massviolence.org/PdfVersionid_article=152. Acesso em 20 de set.de 2011.

Fonte: www.historia.uff.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal