Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Guerras Médicas  Voltar

Guerras Médicas

 

Guerras Greco-persa, também chamado Guerras Persas, (492-449 aC), foram uma série de guerras travadas pelos Estados gregos e a Pérsia durante um período de quase meio século.

As Guerras Greco-persas são uma sequência de guerras travadas entre o grande império da Pérsia e da coalizão de cidades-estados gregas. Durou cerca de metade de uma década a partir de 499 aC a 488 aC.

A luta foi mais intensa durante duas invasões que Persia lançados contra continente Grécia entre 490 e 479.

Embora o império persa estivesse no auge de sua força, a defesa coletiva montado pelos gregos venceram obstáculos aparentemente impossíveis e ainda conseguiu cidade- grego libertadora afirma à margem da própria Pérsia.

O triunfo grego assegurou a sobrevivência da cultura grega e estruturas políticas muito tempo depois da morte do império persa.

O que foi as Guerras Médicas

Foi um conflito entre persas e gregos.

Durante sua expansão em direção ao Ocidente, o poderoso Império Persa conquistou diversas colônias gregas na Ásia Menor, entre elas a importante cidade de Mileto. Essas colônias, lideradas por Mileto e contando com a ajuda de Atenas, tentaram, em vão, libertar-se do domínio persa, promovendo uma revolta.

Foi o que bastou para Dário I, rei dos persas, lançar seu poderoso exército sobre a Grécia Continental, dando início às Guerras Médicas. A causa principal desses conflitos foi a disputa entre gregos e persas pela supremacia marítimo-comercial no Mundo Antigo.

Nesse primeiro confronto, para surpresa de todos, 10 mil gregos, liderados pelo ateniense Milcíades, conseguiram impedir o desembarque de 50 mil persas, vencendo-os na Batalha de Maratona, no ano de 490 a.C.

Os persas, entretanto não desistiram. Dez anos depois voltaram a atacar as cidades gregas. Essas, por sua vez, esqueceram as divergências internas e uniram-se, conseguindo com isso vencer os persas nas batalhas de Salamina (480 a.C.) e Platéia (479 a.C.)

Conscientes de que os persas poderiam voltar a qualquer momento, várias cidades lideradas por Atenas formaram a Confederação de Delos, cuja sede ficava na ilha de Delos. Ficou acertado que cada uma dessas cidades deveria contribuir com navios, soldados e dinheiro.

Atenas, porém, aproveitou-se do fato de ser a responsável pelo dinheiro da Confederação e passou a usá-lo em benefício próprio.

Com isso, impulsionou sua indústria, seu comércio e modernizou-se, ingressando numa fase de grande prosperidade, e impondo sua hegemonia ao mundo grego.

O apogeu dessa fase correspondeu aos anos entre 461 e 431 a.C., tempo em que Atenas foi governada por Péricles. Daí o século V a.C. ser chamado de Século de Péricles.

Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br

Guerras Médicas

As Guerras Médicas, também conhecidas como Guerras Pérsicas, os conflitos resultam dos interesses expansionistas dos povos gregos (aqueus, jônios, dórios e eólios) e medo-persas, em razão do domínio persa sobre a Jônia, na Ásia Menor.

As disputas começam em 492 a.C. e duram até 448 a.C. O Tratado de Susa, ou Paz de Kallias, reconhece a hegemonia grega na Ásia Menor e nos mares Egeu e Negro em 448 a.C.

Colonizada pelos gregos, a Jônia é dominada pelos medo-persas e reage ao jugo dos conquistadores, que interferem na política local e colocam tiranos no poder.

A maior revolta ocorre na cidade jônia de Mileto, apoiada pela cidade-Estado grega de Atenas. Mileto é arrasada pelos persas, a população é escravizada e deportada para a Mesopotâmia.

Primeira Guerra Médica

Dominadas pelos gregos, a Trácia e a Macedônia são invadidas pelo rei persa Dario, o Grande. A recusa de Atenas e Esparta a se render ao Exército adversário desencadeia em 492 a.C. a I Guerra Médica. Sob o comando de Mardônio (?-479 a.C.), os persas desembarcam em Atenas mas são derrotados por Milcíades (540 a.C.-489 a.C.) e seus hoplitas (soldados da infantaria) na Batalha de Maratona (490 a.C.). Essa vitória converte Atenas na potência hegemônica grega.

Segunda Guerra Médica

Em 480 a.C., Xerxes (519 a.C.-465 a.C.), filho de Dario, avança com 250 mil soldados sobre a Grécia central. Ao mesmo tempo, 1,2 mil navios persas se acercam do litoral grego. Essa movimentação deflagra a II Guerra Médica. Atenas é incendiada, mas os gregos vencem a Batalha de Salamina. Sem abastecimento nem cobertura naval, o Exército persa foge para Platéia, onde é derrotado em 479 a.C. Um ano depois, os gregos criam uma aliança marítima de defesa, a Confederação de Delos. Comandados por Címon (510-450 a.C.), filho de Milcíades, derrotam de vez os persas na foz do rio Erimedonte, em 448 a.C.

Fonte: : br.geocities.com

Guerras Médicas

As guerras médicas, entre gregos e persas, foram motivadas pelos seguintes fatores:

a) choque de interesses entre o imperialismo grego e o imperialismo persa, ambos visando aos mercados consumidores do Oriente Próximo. Os persas, senhores das costas asiáticas do Mar Egeu, e das comunicações marítimas, ameaçavam o comércio, a prosperidade das cidades da Grécia balcânica e, principalmente, o aprovisionamento de trigo do Mar Negro;

b) revolta das cidades gregas da Ásia Menor contra o domínio persa, encabeçada pela cidade de Mileto, governada por Aristágoras, auxiliada por Atenas e por Erétria, que enviaram dois mil homens. Os aliados entraram na Ásia e incendiaram Sardes. Os persas reagiram. Teve início a luta.

A primeira Guerra Médica (490 a.C.)

O poderoso exército persa, organizado por Dario I, depois de submeter os jônios e arrasar Mileto (494) dirigiu-se para a Grécia (490). Numa frota composta de 60 navios, atacou Naxos, incendiou Erétria e desembarcou na Planície de Maratona, próxima de Atenas. Filpíades correu até Esparta para pedir auxílio, mas não chegou a tempo. Milcíades, grande general ateniense, conseguiu derrotar os invasores salvando a Grécia.

A segunda Guerra Médica (480 a 479 a.C.)

Xerxes, filho e sucessor de Dario I, depois de sufocar as revoltas internas com um poderoso exército, atacou a Grécia na primavera de 480 a.C., depois de atravessar o Helesponto numa ponte de barcos. Esparta assumiu o comando supremo das forças gregas, e, para impedir a penetração na Grécia central, colocou um exército no desfiladeiro das Termópilas, sob o comando de Leônidas que, traído por Efialto, morreu com os seus trezentos espartanos. Atenas foi incendiada. Seus habitantes refugiaram-se na Ilha de Salamina onde o general Temístocles impôs espetacular derrota aos persas. Nas batalhas de Platéia e Micala saíram vitoriosos Pausânias e Xantipo, respectivamente.

A Confederação de Delos (478 a.C.)

Por iniciativa de Aristides, o Justo, foi formada um liga de cidades gregas sob a proteção de Atenas, denominada "Confederação de Delos", com sede em Delos.

Seu objetivo era combater os persas. As cidades que dela faziam parte deveriam contribuir, anualmente, com dinheiro, homens e barcos.

A Terceira Guerra Médica (468 a.C.)

Os persas foram derrotados pelo ateniense Címon, filho de Milcíades, na Ásia Menor. Por um tratado concluído em Susa, os persas reconheceram o domínio grego sobre o Mar Egeu.

As conseqüências das Guerras Médicas foram:

a) hegemonia de Atenas sobre as demais cidades gregas;
b)
revigoramento da democracia;
c)
decadência do Império Persa;
d)
formação da Conferação de Delos;
e)
rivalidade entre Atenas e Esparta.

Fonte: : montfort.org.br

Guerras Médicas

Guerras Greco-Persas

No século 5 aC, o império persa lutou as cidades-estado da Grécia, em uma das lutas mais profundamente simbólicos da história. Suas guerras iria determinar a viabilidade de uma nova direção na cultura ocidental, até mesmo para a Grécia ficou prestes a embarcar em uma viagem sem precedentes da mente, Persia ameaçou impedir os helenos de nunca atingir o seu destino.

Persia representadas as velhas formas - um mundo de magos e reis-deuses, onde os sacerdotes montou guarda ao conhecimento e imperadores tratados até mesmo os seus maiores temas como escravos.

Os gregos lançaram fora os seus próprios reis-deuses e estavam apenas começando a testar um conceito limitado de liberdade política, de inovar na arte, literatura e religião, para desenvolver novas formas de pensar, sem restrições pela tradição sacerdotal.

E, no entanto, apesar dessas diferenças fundamentais, a batalha mais memorável entre gregos e persas dependeria menos ideológica e mais fatores universais: a personalidade de um rei e da formação e coragem de uma banda extraordinária de guerreiros.

O longo caminho para a batalha das Termópilas começou no que hoje é o Irã, coração do outrora vasto império persa. Hoje em dia, ruínas antigas, testemunham a sua grandeza há muito desaparecida, mas para os gregos do início do século 5 aC, o império persa era jovem, agressivo e perigoso. Expansão persa havia começado em meados de 6 século, quando sua primeira xá, ou grande rei, Cyrus, havia liderado uma revolta contra os medos dominantes. Por 545 aC, Ciro tinha estendido hegemonia persa para a costa da Ásia Menor.

Os gregos da Ásia Menor foram abençoados durante o seu período de subjugação apenas na medida em que os reis persas permaneceram geralmente figuras remotas do poder. Histórias abundavam de execuções e torturas ordenadas dos caprichos de monarcas irritados. A esposa de um xá teria tido 14 filhos enterrados vivos em uma tentativa de enganar a morte. Não parece ter sido pouco fugir da tirania arbitrária dos governantes conhecidos pelos gregos simplesmente como "o rei ou o Grande Rei, impostas por um sistema de espiões que atuavam como seus olhos e ouvidos. Tal era a atmosfera geral de opressão que um nobre persa que não conseguiu cumprir a ordem do Xá foi forçado a comer a carne de seu próprio filho - e ao ser mostrado que ele tinha acabado de fazer isso, conseguiu reunir mais potente uma resposta do que dizer, Que o rei será feito.

Era inevitável, portanto, que não haveria tensão entre gregos e persas formas de vida, e em 499 aC várias cidades gregas da Ásia Menor se revoltaram contra o rei persa Dario. Darius havia tomado o poder em 521, quando ele e outros seis homens esmagados uma conspiração de sacerdotes em um dia que se tornou célebre no calendário persa como Magophonia - The Killing dos Magos. Um homem vingativo, Darius havia ordenado que as cabeças decepadas dos magos ser desfilaram pelas ruas em piques.

Segundo o historiador grego Heródoto, Darius foi especialmente furioso ao saber que uma cidade distante chamado Atenas tinha ousado para ajudar seus súditos rebeldes na Ásia Menor. Grant, ó Deus, disse ele, atirando uma flecha para o ar, para que eu possa punir os atenienses. Ele até mesmo comandou um de seus servos para interrompê-lo durante todo o jantar três vezes para lembrá-lo de seu objetivo com a admoestação, Master, lembre-se os atenienses. A primeira guerra persa terminou mal para Darius, no entanto, quando suas tropas foram derrotados por um exército ateniense menor na Maratona em 490 aC. Grécia foi salva - mas só por um tempo.

Filho Darius 'Xerxes não parece ter sido especialmente orientada para concluir negócios inacabados de seu falecido pai. Ele vacilou sobre se a punição muito atraso de Atenas mereciam uma campanha tão longínquo. Enfim um fantasma supostamente apareceu em seus sonhos, instando-o a invadir a Grécia - este que está sendo interpretado por seu magi como um presságio para a conquista do mundo.

Xerxes passou mais de quatro anos reunindo soldados e estocando suprimentos de todos os cantos do seu império. O anfitrião resultante ascendeu a um exército colossal cosmopolita dos exércitos. Nele eram persas, medos e Hyrcanians, todos usando bonés sentidas, túnicas, correio e calças, e armados com lanças curtas, escudos de vime leves e mortais, poderosos arcos compostos. Assírios se juntou a eles, protegidos por capacetes de bronze e escudos e lanças que ostentam, punhais e bastões de madeira cravejado de ferro. Bactrians, partos e Chorasmians acrescentou arcos curtos e lanças. O cita Sacae, em seus altos chapéus pontudos, cerdas com arcos, punhais e machados de batalha. Auxiliares indianos vestindo Cotton estavam armados com arcos que atiraram flechas com ponta de ferro. Havia Paricanians, Pactyans, árabes, etíopes, os líbios, Paphlagonians, Ligyans, Matieni, Mariandynians, sírios, frígios, lídios, trácios, Pysidians, Cabalians, Moschians, Tibareni, Macrone e Mossynoeci. A lista, mesmo na sua forma abreviada, lê-se como um catálogo dos povos perdidos. Juntos, eles formaram um exército que o historiador grego Heródoto estimado em 1,7 milhões, excluindo a marinha. Quando ele acrescentou lutadores originados pelos navios e aliados europeus ao total, ele chegou a um montante de 2,6 milhões, valor que ele teria contado para ser duplicada para dar conta dos funcionários, tripulações e seguidores do acampamento.

Números de Heródoto certamente deve ser exagerada, mas nunca vai saber por quanto. Nós só podemos aceitar que o exército de Xerxes era uma força enorme e aparentemente inspiradora - de acordo com Heródoto, quando ele parou para saciar a sua sede, bebeu rios inteiros seco.

Dentro do exército de Xerxes, o contingente persa nativa era mais privilegiada. Carruagens cheias de mulheres e servos acompanhado os persas em marcha.

Uma unidade persa foi particularmente estimados: a força de combate de crack que Heródoto chamou os Imortais, alegando que qualquer soldado morto, ferido ou doente em suas fileiras foi substituído tão rapidamente que a sua força de 10.000 homens nunca parecia diminuir.

Assistindo o seu próprio passe exército em avaliação, o próprio Xerxes disse ter chorado quando ele refletiu sobre a brevidade da vida humana. Nenhum deles, observou ele, estaria vivo no tempo 100 anos. Foi um momento improvável de insight para um rei que já tinha encomendado um de seus próprios soldados dividido em dois.

Os persas manteve uma esplêndida ordem de marcha. Na parte da frente era mais do que a metade do exército, sucedido por uma lacuna para manter essas tropas comuns de estar em contato com o rei. Seguiu-se 1.000 dos melhores cavaleiros da Pérsia, outros 1.000 pegou lanceiros, carregando as suas lanças de cabeça para baixo, 10 cavalos sagrados, uma carruagem santo desenhada por oito cavalos, então carruagem de Xerxes. O rei foi então seguido por 1.000 lanceiros persas nobres com suas lanças apontou para cima, outros 1.000 pegou cavalaria, infantaria 10.000, muitos com ornamentos de ouro ou de prata em suas lanças, e, finalmente, mais de 10.000 cavaleiros antes de uma outra lacuna que separava essas tropas finas do comum soldados que trouxeram até a traseira.

É inteiramente possível que Xerxes não antecipar ter que lutar qualquer batalhas significativas na Grécia. A magnitude de sua força foi tão grande que ele deve ter antecipado só rendição exigente, a fim de recebê-la. Assim como seu pai antes dele, ele enviou mensageiros à frente exigindo os tokens tradicionais de submissão - terra e água. Muitas cidades gregas cedeu diante da destruição certa. Para o rei persa, que admitiu, pertencia a terra eo mar.

Duas cidades foram poupados a indignidade do ultimato persa. Xerxes bem lembrou o destino dos mensageiros seu pai tinha enviado para Atenas e Esparta. Os atenienses tinham jogado em uma cova. Em Esparta os diplomatas persas foram mostrados o lugar para encontrar a terra e água que procuravam - por ser empurrado em um poço.

Xerxes estava familiarizado com os atenienses dolosos que tinham impedido seu pai, a Marathon 10 anos, mas ao longo da marcha lenta ele se familiarizou com outra mais poderosa cidade-estado da Grécia. Em um ponto ele perguntou a um exílio Spartan se alguém na Grécia se atreveria a resistir à sua força. O exílio, para quem não havia amor perdido para a cidade que o havia expulsado, admitiu que nenhum comprimento de odds poderia convencer os espartanos se submeter. Os espartanos, disse ele, temia apenas a lei, e sua lei proibiu-os a recuar na batalha. Ele ordenou-lhes que se manter firme sempre e para vencer ou morrer.

Sabendo que não podia esperar para derrotar os persas como cidades individuais, os gregos convocaram uma conferência a fim de coordenar a defesa Pan-helénico. Foi lá que os espartanos, cuja cidade próprio era o único que não tinha paredes (contando apenas sobre a bravura de seus cidadãos para a defesa), defendeu a construção de um muro através do istmo de Corinto, protegendo, assim, apenas a parte mais ao sul do Grécia. As cidades norte de Corinto, no entanto, sabendo que Xerxes poderia oscilar em torno do mar Egeu e atacar a Grécia a partir do norte, procurou uma defesa mais cedo. O congresso aprovou sua estratégia. Os gregos eleito para desenhar a linha nas Termópilas.

Para os estrategistas gregos em 481 aC, Thermopylae representou a sua melhor chance de parar ou pelo menos retardar o exército persa tempo suficiente para permitir que as suas frotas combinadas de chamar a marinha persa em uma batalha naval decisiva. A passagem de montanha estreito, Thermopylae era um gargalo através do qual o exército persa de alguma forma tinha que continuar. Forçado a lutar lá, os persas não seria capaz de tirar proveito de sua preponderância enorme em números; em vez disso, eles teriam que enfrentar os gregos em close-trimestre, combate corpo-a-corpo.

Dois exércitos agora preparado para convergir na pequena passagem de montanha. Para Xerxes nenhuma força, nem mesmo a natureza, seriam autorizados a resistir ao seu progresso. Quando uma violenta tempestade rasgou a primeira ponte de seus engenheiros haviam construído através do Helesponto, o grande rei ordenou a seus engenheiros condenado à morte, e ele tinha seus homens chicote e amaldiçoar as águas para desafiá-lo. Novos engenheiros então uma ponte sobre o Helesponto novamente. Construído a partir de cerca de 700 cozinhas e triremes amarradas juntas, a ponte era uma maravilha da engenharia militar improvisada. Cabos de linho e papiro realizou os barcos na linha, e os lados foram construídos para manter os animais de ver a água e entrar em pânico durante a sua travessia. O exército persa avançou inexoravelmente para a Grécia.

A força grega que já correu para Termópilas foi ridiculamente pequeno para o desafio que a aguardava-lo: 300 espartanos, 80 Myceneans, 500, 700 Tegeans Thespians e assim por diante, num total de cerca de 4.900. Os compatriotas que deixaram para trás parecem ter colocado pouca fé neste exército. Os atenienses votaram para evacuar a sua cidade. Seus homens em idade militar embarcou em navios, enquanto as mulheres e crianças foram enviados para o território mais seguro do Peloponeso. Somente tesoureiros e sacerdotisas ficou para trás, acusado de guardar a propriedade dos deuses sobre a Acrópole.

Se algum grego entendeu o perigo de sua missão, que era quase certamente o comandante espartano, Leonidas. Embora contingente de cada cidade tinha seu próprio líder, Leonidas tinha sido colocado no comando geral do exército grego. Um dos dois reis espartanos - Sparta não tinha reinado em qualquer sentido real - Leonidas traçou sua ascendência até o semideus Hércules. Ele havia escolhido a dedo os 300 guerreiros sob seu comando; Todos eram homens de meia-idade com filhos a deixar para trás como herdeiros. Ele havia escolhido os homens a morrer, e feito aparentemente sem a relutância filosófica de Xerxes. Leônidas e os espartanos tinham sido treinados para fazer o seu dever, e, depois de ter recebido um oráculo que Sparta deve ou perder um rei ou ver a cidade destruída, Leonidas estava convencido de que seu dever final foi a morte.

No caminho para Thermopylae, Leonidas enviou seus amplamente admiradas Spartans à frente das outras tropas para inspirá-los com confiança. Eles chegaram para encontrar o passe desocupado. Foi apenas a 50 metros de largura e muito mais estreito em alguns pontos. Havia fontes termais lá - estes deu o passe seu nome - um altar ao Heracles e os restos de uma parede velha com portões que haviam caído em ruína. Os gregos já correram para reconstruí-lo.

Quando o exército de Xerxes se aproximava, um olheiro persa montou para o levantamento do acampamento grego. O que ele viu o surpreendeu - os espartanos, muitos deles nus e fazer exercício, o resto calmamente pentear o cabelo. Era uma prática comum para os espartanos para fixar os cabelos quando eles estavam prestes a arriscar suas vidas, mas nem o olheiro nem o seu rei pudesse compreender tal vaidade aparente.

Os gregos, também, começou a receber informações sobre o tamanho da força de persa. Algum tempo antes da batalha, o Spartan Dieneces foi dito que quando os arqueiros persas soltou uma saraivada, suas flechas se esconder do sol. Para Dieneces que foi tão bem. Porque, se os persas esconder o sol, ele disse, vamos lutar na shade.Despite a coragem imperturbável de Dieneces e outros espartanos, os gregos foram abalados quando o exército persa finalmente se aproximava a sua posição. Em um conselho de guerra os líderes debateram retiro, até parecer Leonidas 'prevaleceu. A Spartan faria o seu dever. Os gregos iria ficar e tentar adiar os persas até que os reforços poderiam chegar.

O exército persa acamparam nas terras planas da cidade de Trachis, apenas a uma curta distância de Thermopylae. Lá, Xerxes parou suas tropas durante quatro dias, esperando pelo vôo inevitável dos gregos intimidados. No quinto dia, 17 de agosto de 480 aC, o grande rei não podia mais controlar seu temperamento. Os gregos eram insolentes, como a tempestade no Helesponto, desafiando a sua vontade. Ele agora enviado para a frente a sua primeira onda de tropas - Medos e Cissians - com ordens para levar os gregos vivo.

Os medos e Cissians foram repelidos com pesadas baixas. Determinado a punir os resistentes, Xerxes enviou em seus Immortals. O crack tropas persas avançaram com confiança, prevendo uma vitória fácil, mas eles não tinham mais sucesso do que os medos.

O que Xerxes não tinha previsto era que os gregos segurou a vantagem tática nas Termópilas. O campo de batalha apertada anulado preponderância numérica dos persas, e também os impediu de lutar da maneira que eles tinham sido treinados.

Meninos persas, dizia-se, eram ensinadas apenas três coisas: a passeio, para dizer a verdade e para usar o arco. Não havia lugar para a cavalaria nas Termópilas e, ainda mais importante, não há lugar para vôlei flechas. Os gregos haviam se posicionado atrás do muro reconstruído. Eles teriam de ser erradicado da maneira mais difícil.

O exército persa foi formados nem equipado para o próximo combate. Sua tática preferida era de vôlei setas à distância, os arqueiros atirando por trás da proteção de escudos de vime plantados no chão. Eles usavam muito pouco armadura e levou apenas punhais e lanças curtas para o combate corpo-a-corpo.

Embora os estudantes de história militar argumentam que a guerra de choque verdade raramente tem sido praticada - uma vez que é a antítese desejo natural do soldado para a auto-preservação - os gregos tinha feito a sua tática padrão. Soldados gregos talvez tirou alguma confiança de sua armadura pesada e suas longas lanças, o que poderia outreach as espadas persas.

Mas os gregos também tinha um outro, mais intangível, borda: algo por que lutar. Eles estavam defendendo suas casas, e eles estavam fazendo o seu dever - eles não estavam lutando como escravos de algum meio louco deus-rei. Como pesadas baixas minou determinação de seus soldados, os comandantes persas tiveram que recorrer a chicotear-los com chicotes, a fim de levá-los contra os defensores gregos determinados.

Durante esse longo primeiro dia de combates, os espartanos liderou a resistência grega. Experientes guerreiros espartanos iria sair de trás das paredes, fazer a batalha feroz com os persas, em seguida, fingir retiro a fim de chamar os persas em uma armadilha. Xerxes supostamente saltou para seus pés três vezes com medo para o seu exército.

O segundo dia de Thermopylae seguido muito o mesmo curso que o primeiro. Os vários contingentes gregos agora se revezaram rechaçar os ataques, mas os persas não conseguiu fazer nenhum progresso.

É difícil dizer quanto tempo os gregos poderiam ter prendido fora os persas em Termópilas - suas vítimas, até agora, eram comparativamente luz - mas a questão foi logo fez discutível.

Quando os gregos havia chegado em primeiro lugar, eles aprenderam que o site presumivelmente inexpugnável possuía uma fraqueza escondida: Havia uma trilha pelas montanhas que poderiam ser usados por uma força inimiga para cercar e aniquilar os defensores do portão. Reconhecendo o perigo, Leonidas tinha despachado seu contingente Focion para guardar o caminho. Assim, o já pequeno número de tropas disponíveis no portão foi feito ainda menor pela divisão das forças gregas. O Phocians próprios foram cobrados com a difícil tarefa de defender uma rota sem defesas naturais. Sua melhor esperança - a melhor esperança da Grécia - estava na trilha da montanha restante desconhecido para os persas.

Tratava-se, no final, um grego que traiu o segredo. O traidor, Ephialtes, aparentemente foi motivada pela ganância, quando ele revelou o caminho da montanha de Xerxes. Agindo imediatamente sobre as novas informações, o rei enviou tropas persas até o caminho durante a noite, quando a escuridão oculta seu movimento entre as árvores de carvalho. Perto do topo, eles completamente surpreendeu o Phocians luckless. Finalmente livre para lutar em sua forma usual, os persas choveu setas como o Phocians freneticamente procurava recolher as armas. Em desespero, os Phocians correram para lugares mais altos para uma última posição. Os persas, no entanto, não tinha interesse em perseguir o Phocians superior, mas declinou a fuga, apontando para a passagem das Termópilas.

Observadores desceu correndo a colina para avisar Leonidas do exército persa decrescente. Havia pouco tempo que resta. Um conselho rápida de guerra levou à decisão de dividir a força grega. Não havia nenhuma razão para todo o exército para ser aniquilado na parede. A maioria dos contingentes foram agora autorizados a voltar para casa e se preparar para um confronto mais tarde. Leônidas e seus espartanos, no entanto, permaneceria em Termópilas. Parado por eles foram os Thespians fiéis, que consideravam uma honra morrer lutando ao lado dos espartanos. Leonidas também mantidos como reféns cerca de 400 Thebans quem ele suspeita de simpatias persas.

Embora alguns tenham questionado a sabedoria da decisão Leonidas ", perguntando se ele foi excessivamente influenciado por um oráculo Mumbo-jumbo profetizando a sua morte sacrificial, a situação não lhe deu alternativa. Se todo o exército grego tinha fugido, teria eventualmente sido pego por trás e abatidos pela cavalaria persa mais rápido em movimento. Leonidas estava dando as tropas em retirada a única chance que eles tiveram que fugir e lutar outro dia.

É em muitos aspectos, a ironia de Thermopylae que Sparta, sem dúvida, o menos livre de todos os estados gregos, agora ficou como o defensor final da liberdade grega. Todas as coisas que fariam grande Grécia - ciência, arte, poesia, teatro, filosofia - eram estrangeiros para Sparta. Os espartanos tinham desenvolvido uma constituição de subordinação quase total do indivíduo para a comunidade. Anciãos espartanos determinado que a criança poderia viver ou morrer. Meninos espartanos foram enviados para treinamento militar na idade de 7. homens espartanos viviam em barracas, longe de suas esposas, para grande parte da sua vida adulta. Os espartanos comeram em uma mesa comum, que distribuiu terras igualmente de forma quase comunista e eles foram proibidos de se envolver em que foram consideradas supérfluas as artes. Tais liberdades como a sua elite guerreiro gostei não se estendia aos não-espartanos que vivem no seu território, os Helots, que serviu como seus escravos. No entanto, a elite Spartan acreditava apaixonadamente na sua liberdade, e seu senso de dever, imbuído em uma idade precoce, garantiu que nenhum comandante espartano jamais ter que recorrer a chicotes para conduzir seus soldados para a batalha.

Em 19 de agosto, os gregos eleito para infligir o máximo dano possível sobre o exército persa. Sabendo que a luta deste dia seria seu último, eles pressionaram impassível frente, deixando para trás a segurança da parede para lutar na parte mais larga do passe. Lá, eles iriam lutar contra o exército persa maciço em terreno aberto. Eles iriam fazê-lo, no entanto, sem a Thebans, que como Leonidas esperava se rendeu aos persas antes do assalto final começou.

Xerxes ordenou aos seus homens para o matar. Mais uma vez seus comandantes amarradas suas próprias tropas para conduzi-los para a frente. Muitos persas foram pisoteados até a morte por seus próprios camaradas. Outros, deixado de lado, se afogou no mar. Todo o tempo, os espartanos e Thespians fez seu trabalho mortal. Ninguém, escreveu Heródoto, poderia contar o número de mortos.

Os gregos lutaram com suas longas lanças até os veios tinha tudo quebrado. Em seguida, eles lutaram com espadas. No decorrer da luta, Leonidas cumpriu a profecia que lhe tinha condenado. Quatro vezes os gregos, em seguida, levou o inimigo para longe de seu corpo antes de os persas finalmente conseguiu arrastá-lo para longe. Foi então que a segunda força persa chegou da passagem de montanha.

Agora completamente cercada, os gregos retiraram exaustas pela última vez atrás da parede e formou-se em um único corpo compacto. Aqui, escreveu Heródoto, que resistiu até o fim, com as suas espadas, se as tem, e, se não, com as mãos e dentes, até que os persas, aproximando-se de frente sobre as ruínas do muro e fechando a partir de trás, finalmente esmagada eles.

A batalha de Thermopylae tinha acabado. Leônidas e seus 300 espartanos todos estavam mortos, assim como os 700 Thespians que estavam com eles. O Persa mortos foram disse a número em torno de 20 mil, embora Xerxes tentou esconder esta perda terrível por ter a maioria deles enterrado secretamente, deixando apenas cerca de 1.000 corpos persas para o seu exército para ver como ele marcharam através da passagem.

Era costume em Esparta para fazer uma grande cerimônia com a morte de um rei. Riders levaria a notícia em todo o país, e as mulheres iriam ao redor da capital, batendo caldeirões. Mas Leonidas foi negado até mesmo um enterro apropriado. Xerxes ordenou a sua cabeça cortada e fixada em uma estaca. O restante dos mortos grego Ele ordenou enterrado a fim de ocultar quão poucos haviam se mantido até seu exército por tanto tempo, e para lembrar seus veteranos de Thermopylae que os espartanos eram mortais, afinal.

Os gregos 'posição corajosa na passagem de montanha tinha nem sequer abrandou Xerxes' antecedência. Quatro dias de espera e três dias de combates - heroísmo Leonidas 'tinha comprado apenas mais uma semana para seus compatriotas. Atenas, praticamente abandonada, logo foi demitido.

E ainda Termópilas não foi um fracasso total. O exército invasor tinha sido sangrando - mal, se Heródoto é para ser acreditado - e deve ter tido algum efeito sobre o moral persa. A influência da batalha sobre os gregos era indiscutível. Quando a guerra acabou - para a Grécia acabou por derrotar os persas - eles estabeleceram feriados comemorativos Termópilas e memoriais erguidos sobre o campo de batalha.

Quatro mil homens da terra Pelops '/ contra três milhões já fez ficar ler um.

Outra comemorou Leônidas e seus 300 homens: Diga aos espartanos, passando por estranho / que aqui, obedecendo suas ordens, mentimos.

Thermopylae, assim, adquiriu uma importância que transcende o seu impacto militar tangível. No final, o valor da batalha não estava em terra ganho ou perdido ou em homens mortos ou capturados, mas na inspiração. Os espartanos e Thespians tinha ensinado a Grécia e ao mundo uma lição duradoura sobre a coragem em face de probabilidades impossíveis.

David Frye

Fonte: www.historynet.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal