Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Guiana  Voltar

Guiana

 

 

Guiana, um país bonito na coroa da América do Sul. Guiana significa "terra de muitas águas".

Antes da chegada dos europeus, a região era habitada por ambos Carib e Arawak tribos, que a nomeou Guiana, que significa terra das águas.

Os holandeses se estabeleceram em Guiana no final do século 16, mas seu controle acabou quando os ingleses se tornaram os governantes de fato em 1796.

Em 1815, as colônias de Essequibo, Demerara e Berbice foram oficialmente cedida à Grã-Bretanha no Congresso de Viena e, em 1831, foram consolidados a Guiana Inglesa.

Guiana

Após a abolição da escravatura, em 1834, milhares de trabalhadores contratados foram levados para a Guiana, para substituir os escravos nas plantações de cana-de-açúcar, principalmente da Índia, mas também de Portugal e da China. Os britânicos abandonaram a prática em 1917. Muitos dos escravos afro-guianenses mudaram-se para as cidades e tornaram-se a maioria da população urbana, enquanto que o indo-guianense permaneceu predominantemente rural.

Um esquema em 1862 para trazer os trabalhadores negros dos Estados Unidos não teve sucesso. A pequena população indígena vivia no interior do país.

As pessoas provenientes de diversas origens coexistiram pacificamente em sua maior parte. Revoltas de escravos, como a que em 1763 liderada pelo herói nacional da Guiana, Cuffy, demonstraram o desejo dos direitos fundamentais, mas também uma vontade de compromisso. Politicamente inspirados os distúrbios raciais entre indianos e negros entrou em erupção em 1962-64. No entanto, a natureza basicamente conservadora e cooperativa da Guiana sociedade contribuiu para o arrefecimento das tensões raciais.

A política da Guiana, no entanto, ocasionalmente tem sido turbulento. O partido moderno primeira política na Guiana foi o Partido Popular Progressista (PPP), criado em 1 de janeiro de 1950, com a Forbes Burnham, um britânico-educado afro-guianense, como presidente; Jagan Cheddi, um educado nos EUA indo-guianense, como segundo vice-presidente, e sua esposa americana-nascido, a Sra. Janet Jagan, como secretário-geral. O PPP ganhou 18 das 24 cadeiras nas primeiras eleições populares permitidas pelo governo colonial em 1953, e tornou-se líder Dr. Jagan da casa e ministro da Agricultura no governo colonial.

Cinco meses depois, em 9 de outubro de 1953, os britânicos suspenderam a Constituição e desembarcaram as tropas porque, segundo eles, o Jagans eo PPP estavam planejando fazer a Guiana um estado comunista. Estes acontecimentos levaram a uma divisão na PPP, em que Burnham se separou e fundou o que se tornou Nacional Popular Congresso (PNC).

Eleições foram autorizados novamente em 1957 e 1961, e bilhete Cheddi Jagan PPP ganhou em ambas as ocasiões, com 48% dos votos em 1957 e 43% em 1961. Cheddi Jagan tornou-se o primeiro premiê da Guiana Inglesa, cargo que ocupou por sete anos.

Em uma conferência constitucional em Londres, em 1963, o governo britânico concordou em conceder a independência colônia, mas só depois de uma outra eleição em que a representação proporcional seria introduzido pela primeira vez.

Acreditava-se amplamente que este sistema poderia reduzir o número de assentos conquistados pelo PPP e impedir a obtenção de uma clara maioria no Parlamento. Os dez 1964 eleições deram a PPP de 46%, o PNC 41%, e da Força Unidas (TUF), um partido conservador, 12%. TUF jogou seus votos no Legislativo a Forbes Burnham, que se tornou primeiro-ministro.

Guiana alcançou a independência em maio de 1966, e se tornou uma república em 23 de fevereiro de 1970 - o aniversário da rebelião de escravos Cuffy.

De dezembro de 1964 até sua morte, em agosto de 1985, Forbes Burnham governou a Guiana de uma forma cada vez mais autocrático, primeiro como primeiro-ministro e, mais tarde, após a adoção de uma nova Constituição em 1980, como presidente executivo. As eleições foram vistas na Guiana e no exterior como fraudulenta.

Os direitos humanos e as liberdades civis foram suprimidas, e dois grandes assassinatos políticos ocorreu: O padre jesuíta e jornalista Bernard Darke em julho de 1979, e o historiador e o Trabalho Aliança Popular (WPA) o líder do partido Walter Rodney, em junho de 1980. Agentes do presidente Burnham, acredita-se ter sido responsável por duas mortes.

Após a morte de Burnham, o Primeiro Ministro Hugh Desmond Hoyte aderiram presidência e foi formalmente eleito nas eleições de dezembro de 1985 nacionais. Hoyte gradualmente revertida políticas de Burnham, passando de socialismo de Estado e de partido único de controle para uma economia de mercado e irrestrita liberdade de imprensa e de reunião.

Em 5 de outubro de 1992, uma nova Assembleia Nacional e os Conselhos Regionais foram eleitos nas primeiras eleições da Guiana desde 1964 a ser reconhecido internacionalmente como livre e justa. Cheddi Jagan foi eleito e empossado como presidente em 9 de outubro de 1992.

Quando o presidente Jagan morreu em março de 1997, o primeiro-ministro Samuel Hinds substituiu-o de acordo com as disposições constitucionais.

História

O território da Guiana foi reconhecido no início do século XVII, e da cidade de Caiena, fundada em 1637. Guiana foi contestada pelos Países Baixos e França, mas o francês que se estabeleceu ali, finalmente, uma solução sustentável.

Anglo-francês rivalidade fez passar a Guiana sob o controle da Inglaterra, que, depois de ter tomado o território, finalmente deu na Holanda pelo Tratado de Breda em 1667. Os franceses Estrees almirante d'reconquistada para o território da França.

No século seguinte, a França tentou um desenvolvimento da Guiana, mas essas tentativas fracassaram principalmente por causa de condições meteorológicas difíceis, e para o desenvolvimento econômico relativo foi possibilitada pelo uso da escravidão.

Desde 1794 e até 1805, a Guiana tornou-se um lugar de exílio para os adversários políticos dos vários regimes que se sucederam na França. Em 1804, a restauração da escravatura provocou a fuga de uma parte da população negra, privando de trabalho da economia da Guiana também afetada pelas dificuldades da França.

Em 1809, as forças portuguesas, vizinho do Brasil, Guiana anexo em retaliação invasão francesa de Portugal, liderado por Napoleão. Portugal manteve a sua soberania sobre a Guiana até 1814, quando voltou para a França, após a abdicação de Napoleão primeiro.

Um breve período de estabilidade é, então, aberto para a colônia, apesar de disputas de fronteira com o Brasil, experimentou um lento desenvolvimento econômico através da escravidão nas plantações. Esta relativa prosperidade terminou em 1848, com a abolição da escravatura.

Compensar parcialmente as dificuldades econômicas em 1852, a Guiana foi escolhido pela França para estabelecer uma colônia penal, com as prisões de Saint-Laurent-du-Maroni, Cayenne e Ilha do Diabo. Foi apenas em 1938 que foram abolidos na legislação francesa criminoso toda a servidão penal.

Em 1940, a Guiana declarou-se a favor do marechal Pétain e reuniu as Forças Francesas Livres março 1943. No rescaldo da II Guerra Mundial, em 1945, a colônia foi finalmente fechada, e em 1946, a Guiana recebeu o status de departamento ultramarino.

A instalação, em 1968, o centro de lançamento em Kourou pela Agência Espacial Europeia estimulou a economia local também se beneficiou do impacto 1983 do programa Ariane.

Geografia

Além disso, a Guiana Francesa em si, o departamento inclui várias ilhas, como as Ilhas Oi, Ilha do Diabo, que é o mais famoso. O chefe do departamento de Cayenne também é maior cidade e principal porto da Guiana francesa.

O interior, sujeito a um clima tropical, forma um planalto de floresta muito densa que sobe para formar as montanhas, sopé da Serra de Tumucumaque, que representa uma parte da fronteira com o Brasil. O território é bem regada especialmente pelo Rio Maroni, que faz fronteira com o Suriname eo rio Oiapoque fronteira com o Brasil.

Fonte: portalsaofrancisco.com.br

Guiana

GUIANA, TERRA DAS ÁGUAS

Guiana significa "Terra das águas" segundo uma expressão indígena.

Trata-se de um atrativo país cheio de natureza selvagem, de cascatas impressionantes e com uma mistura cultural muito interessante.

Uma viagem inesquecível está assegurada.

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Passaporte em regra com uma validez mínima de 6 meses, passagem de saida e dinheiro suficiente. Não precisa de visto para estadias que não sobrepassem os 90 dias

CLIMA

O clima é de tipo tropical. No entanto, a presença dos ventos do nordeste suavizam as temperaturas na área costeira, variando entre 15 e 39 graus centígrados.

A época de chuvas extende-se de abril até agosto e de novembro até janeiro.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Recomenda-se roupas de algodão leves, calçado cômodo, um impermeável, óculos de sol, chapéu, protetor solar e repelente para insetos.

DIFERENÇA HORÁRIA

Menos quatro horas em respeito ao GMT.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Recomenda-se roupas de algodão leves, calçado cômodo, um impermeável, óculos de sol, chapéu, protetor solar e repelente para insetos.

DIFERENÇA HORÁRIA

Menos quatro horas em respeito ao GMT.

IDIOMA

O idioma oficial é o inglês. Também fala-se o inglês crioulo, hindu urdu, arauco, português, chinês, etc. Guiana tem uma singular mistura demográfica, daí a variedade de línguas.

RELIGIÃO

Hindu 37%, protestante 16 % e anglicanos 14%.

ELETRICIDADE

A rede eléctrica é de 110 volts. e 60 Hz.

MOEDA E CÂMBIO

A moeda oficial é o Dólar de Guiana (GYD). 1 GYD equivale a 100 centavos. Existem moedas de 1, 5, 10, 25 e 50 centavos. Notas de 1, 5, 10, 20, 100, 500, e 1.000 dólares de Guiana. Os dólares USA são as divisas mais convenientes. Há mercado negro (ilegal). Os bancos abrem de segunda a sexta, das 8 às 12 horas, e aos sábados das 8 às 11 horas.

EMERGÊNCIA - SAÚDE - POLICIAMENTO

Não é precisa nenhuma vacina nem certificado médico para entrar em Guiana, a menos que chegue-se de lugares infectados pela febre amarela. É sempre aconselhável a profilaxia antimalária, não beber água da torneira, não ingerir alimentos sem cozinhar ou frutas sem descascar. Em caso de emergência médica ou policial, o melhor é pedir ajuda nas recepções dos hotéis.

CORREIOS E TELEFONIA

A principal oficina dos correios está em Nrth Rd. e abre das 7.30 às 16.00 horas. Deve marcar 00-592 mais o prefixo da cidade, e a seguir o número do assinante.

FOTOGRAFIA

Recomendamos ir acompanhado de muito material, pois não vai querer parar de tirar fotos. Tome cuidado com a luz solar, potente de mais em muitas ocasiões, repare também na força das cores. Nas grandes localidades achará material fotográfico, mas nunca nas vilas longínquas.

HORÁRIO COMERCIAL

Os horários variam muito. Em geral, as lojas abrem de manhã e a tarde, no entanto os escritórios e instituções públicas só trabalham de manhã.

GORJETAS

Como em muito outros países da América, a gorjeta é um dos principais ingressos dos trabalhadores. Se ficar satisfeito com o serviço, aconselhamos oferece-las.

TAXAS E IMPOSTOS

Existe uma taxa de aeroporto para os vôos internacionais.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Guiana encontra-se ao norte da América do Sul entre Venezuela, que a reclama para si e Suriname. Ao sul limita-se com o grande Brasil. Na costa o Oceano Pacífico traz as suas águas. O território ocupando 215.000 quilômetros quadrados, está formado por uma planície costeira; a região do Aznderij, uma localidade de serras arenosas, que eleva-se à uma planície; ao sul a savana de Rupununi; e ao oeste as montanhas de Pakaraima.

FLORA E FAUNA

Poderá encontrar pastos, colinas cobertas de bosques, e todo gênero de flora tropical. Guiana tem uma espetacular fauna incluindo pássaros de cores belas e brilhantes, mamíferos como o tapir, ocelotes e macacos. Alguns animais selvagens que habitam na vegetação não puderam ser espreitados.

História

Os antigos povoadores do território de Guiana pertenciam as tribos aborígens dos Caribes e Arawak. Os primeiros europeus assentados nestas terras foram holandeses e britânicos, os quais visavam apoderarem-se destes territórios. O resultado destas apropriacões dependeu em parte das guerras empreendidas na Europa.

Após as guerras napoleônicas, França apodera-se do território de Guiana. Em 1831 as colônias de Suriname, Guiana e Guiana Francesa juntaram-se sob o nome de Guiana Britânica, o qual permaneceu até 1953. Em 1830 aboliu-se a escravidão e as plantações tiveram de arranjar trabalhadores estrangeiros.

A autonomia chegou em 1953. Os primeiros anos foram difíceis, com problemas raciais e crises econômicas. Em 1966 o país converteu-se em membro independente da comunidade britânica. Desde então tem sofrido muitas tensões entre interesses negros e asiático-indígenas

Nos anos 70 o país mudou para uma república com um presidente eleito democraticamente. Até 1985 ficou no poder Forbes Burnham, líder do Partido Socialista no Congresso Nacional do Povo (PNC). Durante o seu governo, teve lugar um suicídio coletivo de uma ceita norte-americana, o qual trouxe consigo graves problemas e o presidente foi culpado por estar implicado.

Seu substituto foi Desmond Hoyte, chefe do Partido Oficialista. O principla partido opositor é o PPP, de ideologia marxista.

GEORGETOWN

A cidade de Georgetown, capital do país, espalha-se pela ribeira do rio Demerara. Nela percebe-se uma atrativa arquitetura colonial. Está situada por baixo do nível do mar e protegida das águas por um terraplanagem e um sistema de barreiras, que abrem quando desce a maré.

Entre os prédios que valem a pena visitar, salientam a Câmara, a Catedral a qual é um dos edificios de madeira mais altos do mundo. Outros são os tribunais e a casa do presidente.

São interesantes também o Stabroek Market e o Mercado de Water St., onde poderá encontrar todo gênero de mercadorias até artesanato, abrangindo trabalhos de bronze da Índia.

A cidade toda é bela para passear e se quiser ver coleções de palmeiras, orquídeas e lírios Vitória Régia, visite o Jardim Botânico. Não se esqueça de visitar Bartica, uma pequena localidade ao sul da capital.

OUTROS LUGARES DE INTERESSE

A pequena cidade de Lethem extende-se junto a fronteira com Brasil. A zona está salpicada de aldeias e mercados ameríndios muito interesantes. Visite também as suas cascatas.

Um dos maiores atrativos do país são as Cascatas de Kaieteur, acessíveis em vôos militares, para o qual é preciso juntar um grupo de pessoas. A zona está rodeada de uma vegetação surpreendentemente bela. As águas caem de 250 m. de altura e segundo a estação, podem chegar a 100 m. de profundidade. O lugar está pouco povoado, dessa maneira as tribos ameríndias vivem tranquilamente.

Outro atrativo lugar para o sul são as cascatas de Orinduik.

Gastronomia

Dos pratos mais típicos do país, encontra-se o pepper pat, um guisado de carne com tapioca e pimenta, só para os mais ousados. Em geral, a base da gastronomia de Guiana é o arroz.

Bebidas

Encontrará algumas bebidas das marcas internacionalmente conhecidas. Aconselhamo-lhe provar o rum local e beber só água engarrafada.

Compras

Em Guiana achará artesanato muito variado, sobretudo peças de latão, jóias, diamantes, ouro, figuras de madeira e diversa cesteria. Salientamos os tocados de plumas e as redes. Entre os lugares mais visitados, Maragarita Gift Shop, Guiana Craft Cooperative e algumas lojas en Middle St., e Regent St.

População e Costumes

Guiana tem uma população de 825.000 habitantes. A maior parte desta população vive na costa, o interior está muito pouco povoado, exceto por algumas tribos de ameríndios. O país apresenta uma singular mistura de pessoas de origem asiático-indígena, trazidas pelos ingleses para trabalharem após o final da escravidão, os quais vivem na faixa costeira e em Georgetown, e outros de origem africana descendentes dos escravos. Os diferentes grupos conservam no possível as suas culturas próprias.

ENTRETENIMENTO

As excursões pelo país deixarão você exausto. Poderá explorar os campos de diamantes e ouro, as cachoeiras, rodeado de uma natureza que com certeza ficará impressionado Pode-se fazer excursões a cavalo, pescar nos rios e no mar, fazer rafting no Essequibo, Kamuni e Mazaruni. Nadar em Bartica e olhar à fauna, especialmente pássaros, em Lethem.

FESTIVIDADES

Os días feriados oficiais são o 1 de Janeiro Ano Novo, 19 e 23 de Fevereiro, Páscoa 5, 8 e 27 de Abril, Dia do Trabalhador 1 de Maio, 4 e 26 de Julho, 1 de Agosto, 10 de Novembro e 25 e 26 de Dezembro.

TRANSPORTES

Há vôos internos. Guiana Airways é uma das companhias que opera no interior. As únicas ligações por terra decorrem na costa. Pode-se chegar ao país desde os paises vizinhos de carro e de avião. Também há taxis coletivos desde o aeroporto.

Fonte: www.rumbo.com.br

Guiana

Guiana é uma verdadeira fronteira natural - terra com poucas estradas, antigas florestas e grande oportunidades para o ecotourismo. A região litorânea é repleta por palmeiras, música de calipso, sistemas de drenagem holandeses, templos hindus, arroz e açúcar Demerara. Deixando a costa para trás, esta é uma terra de cachoeiras e floresta tropical, dando lugar à savanas ricas em vida selvagem e isoladas fazendas.

A capital, Georgetown, é conhecida como Cidade Jardim do Caribe, apesar de estar no Atlântico. A cidade possue largas avenidas arborizadas e canais que se alinham às antigas propriedades da época do açúcar. Casas do século XIX, feitas de madeira e pintadas de branco, flores e árvores enchem as ruas desta cidade.

À noite vagabundos se reúnem na praia e na Páscoa há uma aglomerações de papagaios de papel coloridos.

O interior é pouco povoado e quase não tocado, os rios são muitas vezes o único modo de transporte. Destacam-se a cachoeiras de Kaieteur - quase cinco vezes maior que que as de Niagara, com uma queda de 226m - e a cachoeira de Orinduik, onde o rio flui e terraços com jasper. O prolongamento das montanhas de Pakaraima cobertos por grama chegam ao pico mais alto na Guiana - Monte Roraima - que compartilha com a Venezuela e o Brasil.

Ao norte, a Praia de Shell está em vasto litoral no Atlântico: 145 km protegidos para que tartarugas marinhas verdes, hawksbill, e Olive Ridley possam colocar seus ovos. O restante da costa compõe-se de mangue cheios de íbis, papagaio, tucanos, iguanas e, ocasionalmente, golfinhos de rio.

Guiana
Shanklands Rainforest resort

Guiana
Kaieteur Falls

Capital: Georgetown

Tamanho: 214,970 km²

População: 729,500

Moeda: Dólar Guyanese

Idioma: Inglês, e línguas indígenas

Visto: Não é necessário para os cidadãos da Comunidade Europea.

Comida: A mistura de diferentes influências nacionais - índio, africano, chinês, crioulo, inglês, português, Amerindian, norte-americano - dá um sabor distintivo à cozinha Guyanese. Um prato bem conhecido, tradicional no Natal, é a pimenteira, carne cozinhada na mandioca amarga (casareep) molho com pimentão e ervas.

Bebida: O Rum é a bebida na Guiana.

Fonte: www.lata.org

Guiana

Nome oficial: República Cooperativa da Guiana (The Republic of Guyana).
Nacionalidade: guianense ou guianesa.
Capital: Georgetown.
Cidades principais: Georgetown (248.500), Linden (27.200), New Amsterdam (17.700) (1992).
Idioma: inglês (oficial), hindi, urdu, línguas regionais.
Religião: cristianismo 52% (protestantes 34%, católicos 18%), hinduísmo 34%, islamismo 9%, outras 5% (1990).

Geografia

Localização: América do Sul. 
Hora local: 
-45min. 
Área: 
214.970 km2. 
Clima:
 tropical (N) e equatorial (S). 
Área de floresta: 
186 mil km2 (1995).

População

Total: 860 mil (2000), sendo indianos 51%, afro-americanos 30%, eurameríndios 11%, ameríndios 5%, outros 3% (1996).
Densidade:
 4,01 hab./km2. 
População urbana: 
37% (1998).
População rural:
 63% (1998). 
Crescimento demográfico: 
1% ao ano (1998). 
Fecundidade:
 2,32 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 
61/68 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil:
 58 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 
1,5% (2000). 
IDH (0-1):
 0,709 (1998).

Política

Forma de governo: República com forma mista de governo. 
Divisão administrativa: 
10 regiões. 
Principais partidos: 
Progressista do Povo (PPP), Cívico, Congresso Nacional Popular (PNC). 
Legislativo: 
unicameral - Assembléia Nacional, com 65 membros (53 eleitos por voto direto para mandato de 5 anos e 12 delegados regionais eleitos por voto indireto). 
Constituição em vigor:
 1980.

Economia

Moeda: dólar guianense. 
PIB: 
US$ 721 milhões (1998). 
PIB agropecuária:
 35% (1998). 
PIB indústria: 
32% (1998). 
PIB serviços: 
33% (1998). 
Crescimento do PIB:
 -2% ao ano (1998). 
Renda per capita: 
US$ 780 (1998). 
Força de trabalho: 
360 mil (1998). 
Agricultura:
 Principalmente cana-de-açúcar e arroz. 
Pecuária:
 bovinos, ovinos, aves. 
Pesca:
 57,4 mil t (1997). 
Mineração:
 bauxita, ouro, diamante.
Indústria: 
metalúrgica (alumínio), alimentícia (açúcar e arroz), madeireira. 
Exportações:
 US$ 485 milhões (1998). 
Importações: 
US$ 565 milhões (1998). 
Parceiros comerciais: 
Trinidad e Tobago, Venezuela, EUA, Reino Unido, Canadá e Japão.

Defesa

Efetivo total: 1,6 mil (1998). 
Gastos: 
US$ 7 milhões (1998).

Fonte:www.portalbrasil.net

Guiana

Guiana é um país da América do Sul.
A capital é Georgetown.
As principais religiões são o Cristianismo e o Hinduísmo.
A língua nacional é o Inglês, outro idioma principal é o Hindi.

Originalmente uma colônia Holandesa no século 17, em 1815 a Guiana tornou-se uma possessão Britânica. A abolição da escravatura levou ao assentamento de negros das zonas urbanas e à importação de servos da Índia para trabalhar nas plantações de açúcar. Esta divisão etnocultural tem persistido e conduziu à políticas turbulentas.

A Guiana alcançou a independência do Reino Unido em 1966, e desde então tem sido governada na maior parte por governos socialistas-orientados. Em 1992, Cheddi Jagan foi eleito presidente no que é considerada a primeira eleição livre e justa do país desde a independência.

Após a sua morte, cinco anos depois, sua mulher, Janet Jagan, tornou-se presidente mas renunciou em 1999 devido a problemas de saúde. Seu sucessor, Bharrat Jagdeo, foi reeleito em 2001 e novamente em 2006. Donald Ramotar foi eleito presidente em 2011.

Em 26 de Maio de 1966, a Guiana, ex-colônia da Guiana Britânica, tornou-se um país independente na Commonwealth of Nations, e em 1970, tornou-se uma república. A Guiana está situada na costa nordeste da América do Sul. Embora sua história como uma nação independente seja curta, o seu passado colonial tem mais de três séculos.

Terra

A tropical Guiana ocupa cerca de 83.000 milhas quadradas (214.970 km²) ao norte do equador. Ela é maior e mais a oeste do que a vizinha Guiana Francesa e o Suriname. Estas três pequenas entidades são únicas no continente Sul-americano em que as primeiras pessoas a estabelecerem assentamentos permanentes na área não foram nem Espanhóis nem Portuguêses, mas Holandeses.

Todas as três foram originalmente chamadas pelo nome Ameríndio Guiana, que significa "terra de muitas águas", porque elas são cruzadas por ramos do Rio Amazonas e de outros rios. Hoje elas são por vezes referidas como As Guianas.

Os rios Essequibo, Demerara e Berbice fluem através do planalto da Guiana, que é coberto com uma densa floresta tropical, e depois se estendem abaixo através da estreita faixa da planície baixa ao longo da costa. Profundas nas montanhas estão espetaculares cachoeiras, entre elas as Cataratas de Kaieteur (741 pés ou 226 metros de altura), com a sua bela névoa do arco-íris. A sudoeste, a floresta dá lugar à savana Rupununi.

População

A Guiana tem uma grande diversidade de grupos raciais e étnicos. Séculos atrás, os índios Ameríndios se recusaram a lavrar os canaviais dos colonos brancos, e gradualmente retornaram para a floresta, onde eles têm mais ou menos permanecido. Para o trabalho, então, os colonos importaram milhares de escravos do Oeste Africano.

Após a escravidão ser abolida em 1834, os Africanos se recusaram a trabalhar nas plantações, mesmo por salários. Os plantadores então importaram trabalhadores contratados de outras terras, particularmente da Índia.

Os Índios, adeptos da cultura do arroz, plantaram suas próprias plantações de arroz e, finalmente, estabeleceram uma classe agrícola livre. Hoje seus descendentes compõem pouco mais da metade da população da Guiana e formam o maior bloco político da nação. 33% das pessoas - os de descendência Africana - compõem o grupo político rival. O resto são Portuguêses ou outros Europeus, Chinêses, Ameríndios, e misturas destes.

Cerca de 90 por cento das pessoas vivem na costa. Georgetown, a capital, e Nova Amsterdam são as principais cidades.

Economia

A economia da Guiana é dependente da agricultura e da mineração. As atividades agropecuárias são o açúcar e seus derivados, produzidos em grandes propriedades nas planícies férteis, onde as precipitações médias são de 90 polegadas (230 cm) por ano. O arroz, cultivado principalmente por pequenos agricultores, é uma outra cultura de exportação.

A mineração perto das cidades de Mackenzie e Kwakwani provê a Guiana com sua outra grande exportação, a bauxita (minério de alumínio). A Guiana é, de fato, o quarto-maior produtor mundial do minério. As minas também produzem quantidades significativas de ouro e diamantes.

A floresta tropical é rica em madeiras valiosas, e o governo tem recentemente concedido à exploração madeireira Asiática vários consórcios e os direitos de colher vastas áreas. Há alguma pecuária na savana.

A Guiana é um dos países mais pobres do Hemisfério Ocidental. Os baixos preços mundiais para suas principais exportações contribuíram para um declínio no padrão de vida após a independência e provocaram a emigração maciça para os Estados Unidos, Canadá e Grã-Bretanha. Nos últimos anos, o governo tem vendido muitas empresas estatais ineficientes.

Em um esforço para diversificar a economia, novas indústrias, como a pesca do camarão e o turismo foram ampliadas. O investimento estrangeiro tem sido procurado, sobretudo para desenvolver o setor de mineração. O governo planeja construir instalações de geração de energia hidrelétrica a fim de reduzir as importações do petróleo caro e terminar a escassez crônica de eletricidade da nação, que tem dificultado o desenvolvimento.

Economia - visão geral:

A economia da Guyana apresentou crescimento econômico moderado nos últimos anos e é baseada principalmente na agricultura e indústrias extrativas. A economia é fortemente dependente da exportação de seis commodities - açúcar, ouro, bauxita, camarão, madeira, arroz e - o que representa quase 60% do PIB do país e são altamente suscetíveis a condições climáticas adversas e as flutuações nos preços das commodities.

Entrada Guiana'' s para o Mercado Único da Caricom e Economia (CSME) em janeiro de 2006 ampliou o mercado'' s país de exportação, principalmente no setor de matérias-primas. Guiana tem experimentado um crescimento positivo quase todo ano durante a última década. A inflação foi mantida sob controle.

Nos últimos anos temos visto o estoque'' Governo s da dívida reduziu significativamente - com dívida externa agora menos da metade do que era no início de 1990. Problemas crônicos incluem a escassez de mão de obra qualificada e uma infra-estrutura deficiente. Apesar das melhorias recentes, o governo ainda está manipulando uma dívida considerável externa contra a necessidade urgente de investimento público expandido.

Em março de 2007, o Banco Interamericano de Desenvolvimento, principal doador Guiana'' s, cancelou a dívida Guiana'' s quase US $ 470 milhões, equivalente a 21% do PIB, que junto com outros pobres perdão país altamente endividado da dívida (HIPC) trouxe o dívida-PIB para baixo de 183% em 2006 para 120% em 2007.

Guiana tornou-se altamente endividados, como resultado da introspectivo modelo de desenvolvimento, liderada pelo Estado prosseguida em 1970 e 1980. O crescimento abrandou em 2009, como resultado da recessão mundial, mas pegou em 2010-11. A desaceleração da economia nacional e reduzir os custos de importação ajudou a reduzir o déficit do país'' s em conta corrente, apesar de geralmente mais baixos rendimentos provenientes das exportações.

História e Governo

Os exploradores Espanhóis que chegaram ao continente no século 16 contornaram os manguezais da costa nordeste. Os Holandeses, no entanto, mestres em reclamar terras baixas do mar, começaram no início do século 17 a estabelecer postos comerciais e plantações na área e a protegê-los com um elaborado sistema de diques. Logo os Britânicos e os Franceses também fincaram o pé ao longo da costa, e durante dois séculos, os assentamentos mudaram de mãos entre as três nações. Em 1814, as colônias de Essequibo, Demerara e Berbice foram cedidas à Grã-Bretanha pelos Holandeses; as colônias foram mais tarde incorporadas pela colônia da coroa da Guiana Britânica em 1831.

A mudança da Guiana para a independência começou com o direito ao voto qualificado em 1945 e uma constituição concedendo o sufrágio universal em 1953.

As eleições de 1953 foram ganhas pelo Partido Progressista do Povo (PPP), apoiado na época pelos Africanos e Índios e liderado por Cheddi Jagan. Depois de meses de tumulto, a Grã-Bretanha suspendeu a Constituição e estabeleceu um governo interino.

Várias vezes, a seqüência foi repetida: nova Constituição, novas eleições, vitória do PPP (que se tornou quase que exclusivamente Índio em seu apoio), tumultos e brigas entre os Africanos e Índios, e, finalmente, a intervenção Britanica. Em 1964, Forbes Burnham, líder do Partido do Congresso Nacional Popular (composto em sua maioria de Africanos), tornou-se o primeiro-ministro, formando uma coalizão com a pequena Força Unida. O governo de Burnham, ajudado por uma grande infusão de ajuda dos EUA, começou a construir estradas, sistemas de água e escolas, e tomou muitas ações para curar a ampliação da ruptura racial.

Após Burnham morrer em Agosto de 1985, seu antigo seguidor Desmond Hoyte se tornou o presidente interino; Hoyte venceu a eleição em seu próprio direito em Dezembro. Em 1992, Hoyte perdeu sua licitação por mais um mandato para Cheddi Jagan do PPP.

Jagan morreu no cargo em Março de 1997. Sua viúva Chicago-nascida Janet Rosenburg Jagan, venceu as novas eleições presidenciais realizadas mais tarde naquele ano, mas foi forçada a renunciar em 1999 devido a problemas de saúde; ela morreu em 2009. Seu sucessor como presidente foi o ex-ministro das Finanças, Bharrat Jagdeo.

Em 2001, pouco antes de novas eleições serem vencidas por Jagdeo, uma decisão judicial declarou a eleição de 1997 nula porque milhares de pessoas haviam sido impedidas de votar. Jagdeo ganhou outro mandato presidencial em 2006.

O potencial da Guiana é grande. Seu interior praticamente desabitado é rico em recursos minerais, e 98 por cento da sua população são alfabetizados. Mas para realizar o seu potencial, ela deve resolver os conflitos entre seus povos, e resolver uma disputa de longa data com a Venezuela, que reivindica mais da metade da Guiana.

Uma longa disputa com o Suriname sobre sua fronteira marítima foi resolvida por um tribunal das Nações Unidas em 2007. O tribunal concedeu a maior parte da bacia da Guiana-Suriname, que se acredita ser rica em petróleo, para a Guiana. Isto abriu o caminho para a exploração que poderia transformar a economia da Guiana.

Anne Jardim

Fonte: Internet Nations

Guiana

Conhecida como a Guiana Britânica, o país alcançou a independência em 1966.

Geografia

A Guiana confina ao norte com o oceano Atlântico, a este com a Venezuela e o Brasil, a oeste com o Suriname e ao sul de novo com o Brasil.

O país é como uma longa planície. A maior parte do território está abaixo do nível do mar e defende-se das inundações através dum sistema de diques e de canais construídos pelos escravos negros no tempo da dominação holandesa, que aplicaram ali o sistema dos polders.

No interior do país há uma extensa região selvagem com uma vegetação exuberante. É nesta área onde se podem extrair os recursos mineiros.

No sudoeste situa-se o maciço de Guianas (que significa terra das águas), formado por antigas cadeias montanhosas. A rede hidrográfica é abundante em consequência do clima tropical. A época das chuvas vai de Abril a Agosto e depois de Novembro a Janeiro. Ao longo de 643 quilómetros o rio Corentine marca a fronteira com o Suriname.

População

Colonizada primeiro pelos holandeses e depois pelos britânicos, a Guiana foi uma terra de imigração para os escravos africanos, cujos descendentes constituem cerca de 30 por cento da população. Depois da abolição da escravatura, os britânicos trouxeram um grande número de indianos. Atualmente, os seus descendentes foram a maioria da população, ultrapassando os 50 por cento.

Aproximadamente 90 por cento da população está concentrada nas planícies costeiras. Só 27 por cento vive nos núcleos urbanos. As cidades mais importantes, além de Georgetown, a capital, são Linden e New Amsterdam.

Economia

A cana-de-açúcar e o arroz são os principais produtos de exportação. Por este motivo, o crescimento econômico do país depende muito do interesse do mercado internacional por aqueles produtos e também dos preços praticados.

A fragilidade da economia da Guiana parece incompreensível num país com grandes recursos mineiros e agrícolas e com menos de um milhão de habitantes repartidos numa zona que é algo mais que o dobro de Portugal. Mas a sua origem está nas políticas econômicas que desejaram limitar os gastos da população e acabaram por fazer aumentar o desemprego.

História

A história da Guiana está ligada ao famoso mito do «El Dorado». Tanto os conquistadores e aventureiros espanhóis como a seguir os holandeses e por fim os ingleses desembarcaram nas suas praias atraídos por esta lenda.

Foi no séc. XVII que o país ficou sob a dominação dos holandeses. Estes instauraram uma economia baseada na plantação da cana-de-açúcar e importaram escravos de África.

A partir de 1814, a Guiana passou a fazer parte da coroa inglesa, que, por ter sido abolida a escravatura, decidiu levar para ali trabalhadores da Índia.

Por fim, no Governo de Forbes Burnham foi proclamada a independência. Era o dia 26 de Maio de 1966. Este governante, durante os 21 anos do seu mandato, reforçou a sua autoridade e derrubou as poucas garantias democráticas conquistadas pelo povo durante o tempo de colonização.

Uma das particularidades da sociedade da Guiana é que a maioria indiana e os indígenas vêm-se marginalizados por uma elite negra que tem o poder nas suas mãos.

Religião

A Guiana foi evangelizada por missionários portugueses em 1548, pouco depois da chegada de Cristóvão Colombo à América.

No tempo da colonização inglesa, os católicos gozaram de uma certa tolerância religiosa. Durante este tempo pôs-se fim à perseguição que vinham sofrendo, e puderam construir a primeira igreja do país em 1826. Todavia, foi só em 1956 que se constituiu a diocese de Georgetown.

A vida social e política do país é condicionada pela seita casa de Israel. Esta seita foi fundada por um negro americano chamado David Hill, que se faz chamar por «Rabbi Washington». Segundo ele, Deus é negro e Burnham era a sua reencarnação. Perante esta realidade, os católicos e os fiéis da Igreja Anglicana sentem sérias dificuldades para realizar a sua missão evangelizadora.

A Igreja Católica tem como prioridade na sua missão a criação de pequenas comunidades de crentes que se reúnem para aprofundar a fé e programar a sua vida de acordo com os valores do Evangelho. Estas comunidades reúnem-se pelo menos uma vez por semana e tentam dar respostas aos problemas do seu bairro.

País

Superfície: 214.969 quilómetros quadrados.

População: 740 mil habitantes.

Capital: Georgetown.

Independência: 26 de Maio de 1966.

Grupos étnicos: 54% asiáticos, 12$0% mestiços, 30% negros e os restantes são brancos.

Idioma: Inglês (oficial). Crioulo-inglês (patois) e idiomas indígenas.

Moeda: Dólar da Guiana.

Economia: Cana-de-açúcar e arroz. Rum e alumínio.

PNB per capita: 530 dólares.

Religião: 50% cristãos protestantes, 33% hindus; 9% muçulmanos. Os católicos são pouco mais de 120 mil.

Dados sociais: Alfabetização 96,4 por cento. Esperança de vida à nascença, 67 anos. Mortalidade infantil, 45 por mil nascimentos.

Fonte: www.audacia.org

Guiana

Capital: Georgetown

Idioma: inglês

Moeda: dólar guiano

Clima: tropical úmido

Fuso horário (UTC): -3

Pontos turísticos

- Kaieteur Falls

É comparada às Cataratas do Iguaçú, Niágara e Victoria, pelo sua força além de estar envolta por floresta virgem. A queda d´água se precipita por 250 metros.

Seu isolamento requer determinação para chegar ao local, feito por pequenos aeroplanos ou por dois dias de caminhada na selva.

- Bartica

Cidade mineira localizada ao sul da capital, é a cidade base para quem pretende explorar as minas de diamante e ouro, além de ótimo lugar para nadar e apreciar o colorido mercado local.

Fonte: www.geomade.com.br

Guiana

Guiana (América do Sul)

Geografia

Localizado na costa nordeste da América do Sul e com vista para o Oceano Atlântico ao norte, a Guiana é naturalmente limitada a oeste pelo rio Maroni, a leste pelo rio Oiapoque e sul por montanhas Tumuc Humac. 90% do território é coberto por floresta tropical.

A população se baseia principalmente na Costa Leste. Oi Ilhas (vulcânica), composto de Isle Royale, Ilha do Diabo e São José ilha localizada no mar 17 km da cidade de Kourou estão ligados à terra.

Países fronteiriços:

Oeste: Suriname
Sul do Brasil

Status: departamento e região da França (DOM ROM)

Capital: Cayenne

Línguas: francês, crioulo haitiano, e muitos dialetos

Área: 90 000 km ²

População: 190 000 habitantes

Moeda Nacional: Euro (EUR)

Dia Nacional: 14 de julho (Dia da Bastilha - Revolução Francesa 1789)

Clima

O clima é equatorial, pontuada por duas estações: a estação seca, de meados de julho a dezembro, a estação das chuvas de abril a meados de julho. Na costa, a presença de ventos podem mitigar mercúrio (26 ° C em média). Umidade permanece aplicação em todo o território! É importante saber que Guiana não é afetado por ciclones.

Saúde

Atualizado Gerais vacinas recomendadas (poliomielite, tétano, difteria ...) Cuidado com as queimaduras solares e picadas de mosquitos!

Descubra

Em Kourou, não perca o centro espacial famoso.

Prefeitura Cayenne também vale a pena visitar: as praças de Amêndoa e Palmistes, o Museu da Francônia e do mercado. Finalmente, os amantes da natureza, bem-vindo! Talvez você vai ter a chance de ver a tartaruga de couro (a maior tartaruga do mundo) colocam seus ovos na praia.

Fonte: www.continent-americain.com

Guiana

Guiana, um país de excepcional beleza natural, é uma combinação esplêndida do Caribe e América do Sul, com toques fascinantes de um passado às vezes turbulento. Empoleirado no canto nordeste do continente sul-americano, a Guiana se estende 450 milhas de sua costa atlântica longa em floresta equatorial densa e savana ampla do Rupununi.

A capital pitoresca e porta principal é Georgetown, uma cidade de confortáveis, modernos hotéis, belas construções coloniais, e largas, arborizadas avenidas.

A arquitetura marcante de madeira é uma reminiscência de séculos da Guiana como um holandês, e então uma colônia britânica. Georgetown oferece uma introdução evocativa para a terra da Guiana. Não perca a imponente Catedral de São Jorge, a fama de ser o mais alto edifício de madeira do mundo.

Vida na Guiana é dominado por grandes rios, incluindo o Demerara, o Berbice e Essequibo, que fornecem rodovias essenciais para as florestas e selvas do interior. A humanidade tem pouco impacto aqui, e na Guiana hoje continua sendo um dos destinos mais interessantes do mundo para viagens aventureiro e exploração.

Partindo para o interior de aeronaves barco, luz ou 4x4, você encontra o patrimônio natural extraordinário da Guiana se espalhando como um tapete tropical.

Jaguar ainda rondam a floresta, e os gritos sobrenaturais de trupes de bugios ecoa por entre as árvores. A ariranha, o jacaré-açu, eo pirarucu (o maior peixe de água doce do mundo) nadar nos rios do Rupununi. Flashes da explosão, vermelho amarelo e azul por verde intenso da floresta como araras voam como flechas através de uma clareira no dossel.

Tucanos, e o incrível Harpy Eagle, swoop através das árvores, enquanto a bela, mas esquivo Galo-da-rocha-Guiana permanece em torno das águas do Kaieteur Falls. Mais de 700 espécies nativas de pássaros adornam as florestas da Guiana.

Os rios que caem e densas florestas tropicais da Guiana estão cheios de extraordinárias paisagens naturais. Kaieteur Falls, onde a 400 metros de largura Potaro Rio mergulha 741 pés para baixo do Planalto Pakaraima, é uma das grandes cachoeiras do mundo. A magnificência de Kaieteur está além de qualquer comparação em sua majestade e tamanho.

Você também pode visitar o impressionante beleza das Cataratas do Orinduik, as Cataratas do Marshall, o desfiladeiro de Kaieteur e Monte Roraima remoto - a inspiração para Lost World Conan Doyle.

Para o aventureiro, a Guiana é um lugar de maravilha, porque o eco-turismo, que é um país onde a natureza colocou suas maiores riquezas. Sinta a beleza da natureza sussurro através de seu coração. Descubra uma experiência para nunca mais ser esquecido. Descubra o deserto extraordinário da Guiana.

Fonte: www.geographia.com

Guiana

Descoberta

Foi durante a sua terceira viagem, 5 de agosto de 1498, Cristóvão Colombo, pela primeira vez ao longo das costas da Guiana. Dois anos depois, Vicente Pinzón explora esse território através do Oiapoque. Ameríndia indígena e são então distribuídos principalmente ao longo da costa.

Tratadas como seres inferiores, eles são rapidamente demonstrou uma hostilidade feroz aos imigrantes. Ilha aprimoramento várias missões de Cayenne resultado em fracasso abjeto.

Colonização

Grandes empresas devem reconsiderar a sua posição e para iniciar as negociações com o Cépérou chefe índio. Em 1643, ele, no entanto, permite que o Governador do Cabo Norte, PONCET Brétigny, estabelecendo-se no Cépérou colina com vista para a Ilha de Caiena. Assim nasceu a cidade de Cayenne.

Apesar disso, a colonização da Guiana está longe de ser um dado. Eles foram capazes de neutralizar a hostilidade das populações locais, os europeus vão encontrar as maiores decepções com o ambiente natural.

A partir de 1669, os primeiros escravos foram trazidos para a Guiana, para tentar desenvolver esta terra, que carece de mão de obra. Culturas de cacau, café e outros estão surgindo. Não foi até quase um século mais do que uma tentativa de voltar a ser considerado. Em 1763, enquanto a França é terrivelmente enfraquecido por sua derrota na Guerra dos Sete Anos, CHOISEUL organiza uma vasta operação para povoar e desenvolver a Guiana.

Gravuras de publicidade que os recrutadores projetado em aldeias pobres da França, Guiana Francesa, apresentada como uma terra prometida (clima ideal, os equipamentos destinados à recepção, camaradagem no ambiente de trabalho, etc ..). O transporte é Kourou 14.000 europeus que então desembarcar em Kourou em condições terríveis.

A maioria deles vai morrer em condições atrozes (febre amarela, sífilis e disenteria tem esperanças por causa dos colonos). Tentando escapar da doença, alguns sobreviventes se estabeleceram nas ilhas do Diabo, mais tarde rebatizado Oi Islands. Aqueles que finalmente encontrou o retorno de saúde para a França.

É suas histórias que deram origem à imagem terrível da Guiana que, ainda hoje, em seu detrimento

Após este fracasso, a história da Guiana irá experimentar um período conturbado, reinar sem autoridade real. Napoleão primeira é o envio de um novo governador, Pedro Malouet, que é a origem da modernização da Guiana. Portanto, nós enviamos de toneladas de especiarias, madeira e têxteis para o continente.

Este período de prosperidade durou até a Revolução Francesa. No início do século XIX, a França sofreu os efeitos da derrota de Trafalgar.

Além disso, o Inglês eo Português decidiu ocupar a Guiana.

Eles desembarcaram em Cayenne, em 1809 e ocuparam o país por oito anos, sem perturbar a vida cotidiana dos habitantes.

Abolição da escravatura

Guiana
Estátua homenageando o trabalho de Schoelcher abolicionista (Cayenne)

Aos poucos, um novo sopro de liberdade se espalha na Guiana. Por iniciativa de V. Schoelcher, a escravidão foi oficialmente abolida em 1848, no território francês, o princípio implica que qualquer escravo porte tocando solo francês é declarado livre. Esta decisão faz com que a fuga em massa de escravos sob os proprietários de corte brasileira.

Eles reagem violentamente maio 1851, eles vão para Mapa para recuperar 200 escravos fugidos. Este caso levanta a questão delicada dos limites do território francês. Em seguida, as lutas são mais freqüentes perto da fronteira, especialmente o ouro recém-descoberto ea terra é mais cobiçado. Em 1900, o veredicto ea Guiana perde 26.000 km ².

Ao mesmo tempo, toneladas de ouro são extraídos Inini River, um afluente do Alto Maroni, no sudoeste do país. Este é o início da corrida do ouro da Guiana, que trará muitos imigrantes principalmente do Caribe.

Com uma economia em declínio despovoamento, causada pelo fechamento da prisão, e um estado deplorável de saúde, Guiana, em 1946, obtém o status de um departamento francês. O Governo é rapidamente medidas sanitárias têm resultados imediatos, mas a balança comercial continua a ser negativa, com custos de produção elevados.

Em 1964 foi decidido que a Guiana vai se tornar base espacial europeia: esta é a instalação do Centro Espacial da Guiana em Kourou. A instalação do CSG também deve gerar desenvolvimento econômico para todos da Guiana. Construímos estradas, hospitais, lojas, especialmente na região de Kourou.

A construção do CSG promove o desenvolvimento de outros setores, como a construção e gera um número significativo de postos de trabalho. Se a emergência da atividade espacial sido uma benção para a Guiana, é, no entanto, a dependência lamentável que ele cria. Ariane quando enfrentando contratempos, é quase tudo Guiana sofre.

GEOGRAFIA

Este departamento, com uma área de 86,504 km ², é limitada:

para o norte pela costa como um todo é terra plana e pantanosa formada recente sedimentar;

es de t, pelo rio Oiapoque entre a Guiana eo Brasil;

a oeste pelo rio Maroni, que separa o Suriname Guiana;

ao sul, na fronteira com o Brasil é marcada pela linha da bacia hidrográfica da Amazônia.

Guiana tem 300 km de costa, 520 km de fronteiras com o Suriname e 700 km fronteira com o Brasil.

Caiena, capital do departamento de mentiras 7072 km de Paris e 1500 km de Fort-de-France, 5000 km do Rio de Janeiro e 5.000 quilômetros de Nova York.

A Guiana alívio

Ao longo da costa, com uma largura média de 20 km, estender as "terras baixas" (6% da área total), constituídos por depósitos quaternários marinhos.

O "terras altas" que surgem como uma sucessão de pequenas colinas raramente ultrapassam algumas dezenas de metros de norte a sul são:

da cadeia norte do tipo de terreno "Appalachian" (350 metros no máximo) o Maciço Central Guiana, "colméia" alívio (800 metros no máximo)

a peneplanície Sul (150 metros).

O ponto culminante da Guiana Francesa para 800 metros (tabular maciça).

CLIMA

O clima é equatorial, a uma temperatura constante, aproximando-se o mínimo de 22 ° C e no máximo de cerca de 36 ° C. A característica essencial é, obviamente, a humidade relativa a uma velocidade raramente cai abaixo de 80%.

Chuvas (2500 a 4000 mm / ano) diminuir de intensidade para o oeste e, especialmente, para o interior.

Eles determinam quatro estações:

curta estação chuvosa de dezembro a fevereiro;

o verão pouco de Março;

A principal estação chuvosa de abril a julho;

a longa estação seca, de agosto a dezembro.

Guiana é exposto a ventos do setor leste, mas os ciclones são desconhecidas.

Fonte: www.horizo.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal