Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Haiti  Voltar

Haiti

 

 

Os espanhóis utilizaram a Hispaniola (da qual o Haiti é a parte ocidental e da República Dominicana é o oriental) como ponto de partida para explorar o resto do hemisfério ocidental.

Corsários franceses usavam mais tarde um terço ocidental da ilha como um ponto a partir do qual perseguiam os navios ingleses e espanhóis.

Em 1697, a Espanha cedeu um terço ocidental da ilha de Hispaniola para a França.

Como a pirataria foi suprimidos, gradativamente, alguns aventureiros franceses tornaram-se senhores de engenho, tornando - Saint-Domingue - como a parte francesa da ilha e foi então chamado - uma das mais ricas colônias do império francesa do século 18.

Haiti

Durante este período, os escravos africanos foram trazidos para trabalhar nas plantações de cana e café.

Em 1791, a população de escravos - liderados por Toussaint L'Ouverture, Jean Jacques Dessalines e Christophe Henri - revoltaram-se e ganharam o controle da parte norte de Saint-Domingue.

Em 1804, as forças locais derrotaram o exército implantado por Napoleão Bonaparte, a independência foi estabelecida a partir da França, que rebatizou a área se Haiti.

A derrota dos franceses no Haiti é amplamente creditado como contribuindo para a decisão de Napoleão de vender o território da Louisiana para os Estados Unidos em 1804.

Haiti é a mais antiga república negra do mundo e a segunda república mais antiga, depois dos Estados Unidos no hemisfério ocidental. Haitianos ajudaram ativamente a Revolução Americana eos movimentos de independência dos países latino-americanos.

Dois regimes distintos (norte e sul) surgiu após a independência, mas foram unificados em 1820.

Dois anos depois, o Haiti conquistou Santo Domingo, a leste, de Hispaniola.

Em 1844, no entanto, Santo Domingo rompeu com o Haiti e se tornou a República Dominicana.

Com 22 mudanças de governo a partir de 1843 até 1915, o Haiti experimentou numerosos períodos de desordem política e econômica intensa, levando a intervenção militar dos Estados Unidos em 1915. Forças militares dos EUA foram retirados em 1934, a pedido do Governo eleito do Haiti.

A partir de 1986, quando a ditadura de 30 anos da família Duvalier terminou, em 1991, o Haiti foi governado por uma série de governos provisórios.

Em 1987, uma constituição foi adotada e constituiu um eleito parlamento bicameral, um presidente eleito que atua como chefe de Estado, e um primeiro-ministro, o gabinete de ministros, e do Supremo Tribunal nomeados pelo presidente com o consentimento do Parlamento. A Constituição haitiana previu também a eleição de prefeitos e órgãos administrativos competentes para o governo local.

Aristide e o Golpe de Estado de 1991

Em dezembro de 1990, Jean-Bertrand Aristide, um carismático padre católico romano, ganhou 67% dos votos em uma eleição presidencial que observadores internacionais considerada em grande parte livre e justo.

Aristide assumiu o cargo em fevereiro de 1991, mas foi derrubado por elementos descontentes do exército e forçado a deixar o país em setembro do mesmo ano. Estima-se que entre 300 e 500 haitianos foram mortos nos dias seguintes ao golpe de Estado e em setembro de mais de 3000 nos três anos seguintes.

O golpe criou um êxodo em grande escala do país, na verdade, a Guarda Costeira EUA resgatou um total de 41.342 haitianos de 1991 a 1992, mais do que o número de refugiados resgatados nos 10 anos anteriores somados.

Desde outubro de 1991 a junho de 1992, Joseph Nerette, como presidente, liderou um regime inconstitucional de faco e governou com uma maioria parlamentar e as forças armadas.

Em junho de 1992, ele renunciou e o Parlamento aprovou Marc Bazin como primeiro-ministro de um governo de fato, nomeado sem reposição para presidente.

Bazin procurou negociar uma solução com o exilado presidente Aristide e para acabar com o embargo econômico e isolamento diplomático do Haiti imposta após a queda de Aristide.

Em junho de 1993, demitiu-se e Bazin através da ONU impôs um embargo de armas e petróleo, trazendo os militares haitianos para a mesa de negociação.

Transição para a Democracia

O presidente Aristide e o general Raoul Cedras, chefe das forças armadas haitianas, assinado mediado pela ONU e Governadores Acordo da Ilha em 03 de julho de 1993, estabelecendo um processo de 10 passos para a restauração do governo constitucional ea volta do presidente Aristide até 30 de outubro, 1993.

Como parte deste processo, Robert Malval foi empossado como primeiro-ministro em 30 de agosto de 1993. Os militares descarrilou o processo e as Nações Unidas restabelecia sanções econômicas.

Malval renunciou em 15 de dezembro de 1993, mas permaneceu como primeiro-ministro por 11 meses. O clima político e humano direitos continuou a deteriorar-se como os militares e o governo de fato sancionou repressão, assassinato, tortura, estupro e em desafio aberto à condenação da comunidade internacional.

Em maio de 1994, os militares selecionados pelo Supremo Tribunal de Justiça Emile Jonassaint para ser presidente provisório de seu terceiro regime de fato.

A ONU e os EUA reagiram a este movimento extraconstitutional apertando sanções econômicas (ONU Resolução 917).

Em 31 de julho de 1994, a ONU aprovou a Resolução 940, que autorizava os membros dos Estados a usar todos os meios necessários para facilitar a saída da liderança militar do Haiti e restaurar a ordem constitucional e a presidência de Aristide.

Em agosto de 1994, o Haiti teve governos paralelos, o regime ilegítimo Jonassaint apoiado pelos militares, que controlava o aparato do governo no Haiti, e o governo constitucional, cujos membros, como o presidente Aristide, estavam no exílio ou que, como Primeiro Ministro Malval, foram bloqueados do exercício das suas funções.

Nas semanas que se seguiram, os Estados Unidos tomaram a iniciativa de formar uma força multinacional (MNF) para realizar o mandato da ONU, por meio de uma intervenção militar.

Em setembro, as tropas americanas preparadas para entrar Haiti, em questão de horas, o presidente Clinton enviou uma equipe de negociação liderada pelo ex-presidente Jimmy Carter para discutir com a liderança de fato haitiana os termos de sua partida. Como resultado, o MNF foi implantado de forma pacífica, Cedras e outros altos líderes militares deixaram o Haiti, e a restauração do governo legítimo começou, levando ao retorno de Aristide em 15 de outubro.

Condições atuais

As eleições para o parlamento e escritórios do governo local foram realizadas com sucesso entre Junho e Outubro de 1995, embora tenham sido adiada por sete meses e marcado por graves problemas administrativos e alguma violência.

Lavalas de Aristide presidente do partido e suas afiliadas chegaram ao poder em todos os níveis.

Em dezembro de 1995 a eleição presidencial, com Aristide barrado pela Constituição haitiana de suceder a si mesmo, proeminente Lavalas figura René Préval (que foi primeiro-ministro de Aristide principal em 1991) oprimido seus 13 adversários, conquistando 88% dos votos e tomou posse fevereiro do ano seguinte.

Eleições territoriais destinados a descentralizar o poder político foram realizadas no início de abril de 1997. O governo do primeiro-ministro Rosny Smarth renunciou em 9 de junho de 1997. Ele continuou em estado interino até Novembro de 1997.

Com a situação no Haiti gradualmente estabilizada, a presença internacional de segurança foi reduzido. O MNF, que ao mesmo tempo tinha mais de 20 mil soldados no Haiti, deu lugar em Março de 1995 uma missão de paz da ONU (Missão das Nações Unidas no Haiti), sob a liderança dos EUA, incluindo cerca de 6.000 soldados.

Em meados de 1996, as forças da ONU não estava incluído todo o pessoal militar dos EUA, e da Missão Especial das Nações Unidas no Haiti (UNSMIH) foi reduzida para cerca de 600 soldados, sob a liderança do Canadá, bem como monitores de 300 policiais internacionais de seis países diferentes. A missão UNSMIH, inicialmente prevista para expirar no final de novembro de 1996, foi prorrogado até 31 de julho de 1997. A Missão de Transição das Nações Unidas no Haiti (UNTMIH) substituiu UNSMIH 30 de novembro de 1997.

Após 12 meses as Nações Unidas Missão de Polícia Civil no Haiti (MIPONUH) foi estabelecido pelo Conselho de Segurança e iniciou suas operações em 1 de dezembro de 1997, após a conclusão do UNSMIH. Seus mais de 300 policiais civis autorizados (CIVPOL) foram divididos em dois grupos. Até 160 mentores CIVPOL, incluindo 30 policiais norte-americanos, tiveram a tarefa de trazer a Polícia Nacional Haitiana (PNH) para níveis de competência operacional necessários antes de agências especializadas da ONU, incluindo o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), pode assumir a responsabilidade de um longo prazo de desenvolvimento institucional. O CIVPOL 140 restantes são gendarmes argentinos que, como parte de uma unidade especial da polícia (SPU), estão de plantão para garantir a segurança de CIVPOL de situações em que PNH pode não ser capaz de fazê-lo. MIPONUH não tem um elemento militar.

O sistema judicial do Haiti ainda é fraca e continua sendo uma prioridade para os doadores internacionais. Os programas da USAID se concentrar em melhorar a administração em procuradorias e os tribunais, estabelecendo um sistema de rastreamento de casos, assistência jurídica e formação de juízes, tribunais e funcionários do Ministério Público. Funcionários internacionais e haitianos estão a cooperar para investigar vários assassinatos de alto perfil que pode ter sido politicamente motivadas, incluindo os assassinatos de políticos da oposição Antoine Leroy e Mireille Durocher Bertin.

O Governo dos EUA ajudaram o Governo do Haiti para criarem uma Unidade Especial de Investigação da Polícia Nacional do Haiti, e a investigação de vários desses crimes ainda está em andamento. Foram tomadas medidas para acabar com a cultura de impunidade que dominou o Haiti durante décadas.

O Escritório do Inspetor Geral da Polícia Nacional do Haiti investiga queixas contra policiais, e cerca de 200 foram demitidos.

A formação continua em um esforço para construir a Polícia Nacional inexperiente em uma força não-política, totalmente profissional comprometido com o Estado de Direito.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Haiti

História

DADOS HISTÓRICOS

Até meados do século XVII a história do Haiti mistura-se com a história da antiga colônia espanhola. Nesses tempos o que hoje é Haiti era ocupado por piratas e corsários franceses.

Os Tempos Pré-colombianos

Antes da chegada de Colombo a Hispaniola ou "Quisqueya", como chamavam-na os indígenas taínos (habitantes pré-colombianos) estava ligada culturalmente ao resto das Antilhas. Os indianos da Espanhola eram principalmente taínos (o que significa "Os bons") e arawaks, mas não faltavam também alguns representantes dos macories e dos ciboney, povos em um estado de civilização paleolítica e que habitavam também Cuba.

Os taínos nunca foram uma civilização comparável, no que diz respeito ao desenvolvimento, a outras culturas como a maia, asteca ou inca, no entanto possuiam um nível cultural muito maior ao dos outros aborígens antilhanos. Grandes artistas na pintura corporal praticavam a poesia e as danças rituais, além do jogo da bola. Não era um povo guerreiro viviam calmamente em pequenos grupos habitando choças cônicas feitas em madeira e fibra trançada. Na época da chegada dos espanhóis o reino estava organizado em diferentes cacicazgos e o seu mais famoso líder era mulher, Anacaona ("flor de ouro"); o seu trágico fim nas mãos dos espanhóis fez dela uma peça fulcral da história épica da ilha.

A Descoberta e os Primeiros Espanhóis

Colombo chegou à ilha em 5 de dezembro de 1492, e foi precisamente nessa costa atlântica onde afundou a nau Santa Maria, na véspera de Natal do mesmo ano. A nova terra foi nomeada como A Espanhola, e com os restos da embarcação naufragada foi construido um forte que chamaram O Natal.

Deve-se salientar que na ilha A Espanhola aconteceram muitos dos feitos que governaram o desenvolvimento do continente na época colonial: aqui foi construida a primeira cidade do Novo Mundo (A Isabela, no território atualmente chamada República Dominicana); também aqui funcionou o primeiro tribunal de justiça, fez-se a primeira missa e a primeira câmara, sem esquecer o primeiro acordo de paz do continente americano, assinado nos arredores do Lago Enriquillo, em território dominicano.

Cristóvão Colombo deixou 48 homens no forte, sob mando de Diego de Arana e partiu rumo à Espanha na Pinta. Quando voltou um ano depois acompanhado por 1.300 homens achou a pequena colônia destruida pelos taínos. Em pouco tempo construiram vários estabelecimentos militares e formaram-se as primeiras cidades.

A primeira metade do século XVI foi uma época muito próspera para A Espanhola. São Domingo converteu-se na capital das Antilhas, na sede do arcebispado e economicamente, no porto mais importante do Caribe extendendo a sua jurisdição por todo o arquipélago. Pela zona setentrional da América do Sul e inclusive até Honduras. Na segunda metade do século traz a conquista do México e a crescente importância da Havana, A Espanhola passou a jogar um rol de menor importância.

No período do seu máximo esplendor, A Espanhola teve também uma vida artística muito ativa, graças às contribuições de artistas castelhanos. Porém, na segunda metade do século XVI e todo o século XVII foram tempos muito confusos, com os piratas a percorrer a zona e a progressiva perda de autoridade da Coroa Espanhola perante a crescente influência francesa.

A Ocupação Francesa e a Independência

Passados duzentos anos, os espanhóis tinham eliminado os taínos e arawaks nativos, no tempo que começavam os tempos dos bucaneros, onde a ilha de A Tartaruga, na frente do que atualmente é Cabo Haitiano (Cap Haitien), converteu-se na capital corsária do mundo. A primeria divisão da ilha fez-se em 1697, mediante o Tratado de Ryswick, na qual a Espanha era compelida a ceder metade da ilha à França. Após o traspasso, as duas colônias fizeram poucos contatos, embora em 1795, mediante o Tratado de Basilea, França ganhou todo o território da ilha até 1844, ano em que foram estabelecidas as fornteiras com a atual República Dominicana.

Os franceses repovoaram totalmente a ilha com escravos trazidos da África e foi assim que a ilha entrou em uma nova época de esplendor, chegando a ter pela colônia mais rica do mundo: nessa época, Cap Français (hoje Cap Haitien) era conhecida como "A Paris do Novo Mundo". A cana de açúcar, o café e o índigo fizeram dos colonos pessoas ricas até finais do século XVIII os escravos iniciaram um movimento de resistência visando pôr fim à exploração. O poderoso sacerdote vudu Boukman deu o sinal para o alçamento na ceremônia de Bois Cayman, em 20 de agosto de 1791. As centenas de plantações de cana de açúcar e moinhos foram destruídas pelo fogo, assinalando o começo da revolta.

A personalidade mais notável deste período foi Toussaint Louverture, um escravo negro que deteve os massacres e atingiu um compromisso mediante negociações pacificas entre negros e brancos, declarando mais tarde a independência da colônia. Napoleão respondeu enviando ao Haiti seu genro Leclerc com tropas. Toussaint foi apressado e deportado à Europa, onde morreu em Fort de Jeux, perto de Besançon, em 7 de abril de 1803. Infelizmente, não viveu para poder vêr o seu sucessor, Jean Jacques Dessalines, junto com os generais Henri Christophe, que construiram a Citadelle de la Ferrière, e Alexandre Pétion, vencer os franceses e declarar a primeira república negra do Novo Mundo, em 1 de Janeiro de 1804 em Gonaives.

A nova república chamou-se Haiti, uma palavra arawak que significa "terra montanhosa". Apesar deste trascendente acontecimento, as potencias européias rejeitaram reconhecer o Estado negro durante muitos anos, e Haiti ficou isolada. Os conflitos políticos internos levaram às rápidas mudanças no governo, mais de 60 até 1994. De 1915 a 1934 os Estado Unidos ocuparam Haiti e logo até começos dos anos cinquenta continuaram sendo um poder por trás da cena.

O Século XX

A época mais trágica da história do Haiti começou em 1957 com a eleição de François Duvalier como presidente. Duvalier, que havia sido doutor, tornou-se um dos distadores mais cruéis da sua época, com o apoio dos Estados Unidos, pois este país não queria ver o Haiti sob a influência comunista, como tinha acontecido em Cuba. Duvalier, conhecido pelos haitianos como "Papa Doc" reprimiu brutalmente a elite mulata e acredita-se que o número das suas vítimas atinge 200.000 pessoas. Após a sua morte, em 1971, o seu filho, Jean Claude Duvalier, tomou conta do poder e levou o país para uma decadência ainda maior.

Em 6 de fevereiro de 1986, após 29 anos de domínio criminoso, "Baby Doc" Duvalier foi obrigado a exilar-se, passando a viver na França onde viveu uma vida de milionário.

Apesar do exílio de "Baby Doc" a paz não veio logo ao Haiti. Em 1987 chegou a nova constituição, ao mesmo tempo que grandes revoltas aconteciam na cidade de Jean Rabel, ao noroeste do país. No ano seguinte fazem-se as primeiras eleições após a queda dos Duvalier e são ganhas por Leslie Manigat, que foi não obstante tirado do poder pela ação militar do general Henry Namphy. Só dois meses depois o general Proper Avril derrota a Namphy e auto proclama-se presidente.

Em 1989 fracassa um novo golpe de estado contra o governo. Como consequência disto, o general Avril proclama o estado de sítio e o mantém durante 9 dias.

Após dez dias de fortes protestos populares, Avril desiste em 10 de março de 1990, tomando conta da presidência Ertha Pascal-Trouillot, magistrada da corte suprema. Em dezembro desse mesmo ano, nas primerias eleições realmente democráticas no país foi eleito presidente Jean Bertrand Aristide, um padre católico.

Apenas um mês depois, Roger Lafontan, ex-chefe dos Tontons Macoutes (a temível polícia pessoal dos Duvalier) toma o Palácio Presidencial e obriga a desistir ao cargo de presidente, mas as forças leais ao regime constitucional conseguem deter a tentativa de golpe de estado. Aristide toma conta do cargo em fevereiro mas é derrotado pelo general Raoul Cedras em setembro. A OEA envia aos altos mandos militares uma mensagem na qual diz não reconhecer os membros da junta militar e que está a considerar o envio de uma força multinacional. Pouco depois, a Assembléia da OEA vota por unanimidade uma resolução de bloqueio do país para obrigar o governo a trazer de volta o presidente Aristide. Enquanto que a câmara dos deputados e o senado haitianos, sob vigilância de soldados armados, ratificaram como primeiro ministro a Jean Jacques Honoret, os Estados Unidos começam a mandar de volta os refugiados haitianos interceptados no mar quando pretendem chegar a território norte-americano.

Em janeiro de 1992, Aristide exilado nos Estados Unidos aceita a nomeação de René Theodore, líder do Partido Comunista Unificado, como primeiro ministro o que foi considerado um passo para a normalização democrática. Uns anos depois o mesmo Aristide assina um acordo com a ONU para anistiar os oficiais do exército implicados nos fatos acontecidos. Em julho Aristide e Cedras, que mantém-se como homem forte de Haiti concordam em cumprir a resolução da ONU e dar o poder ao presidente legítimo em outubro de 1993. Ao mesmo tempo, segundo observadores da ONU e a OEA continuam as violações dos direitos humanos dos partidários do exilado Aristide.

Já em outubro, forças paramilitares ao serviço dos generais golpistas impedem o desembarque das tropas de paz norte-americanas e canadenses que visavam supervisionar a reinstalação do poder a Aristide. Como consequência, o Conselho de Segurança da ONU acorda reimpôr o embargo do petróleo e armas ao país e congelar as contas dos golpistas no exterior.

Em fevereiro de 1994, a comissão de direitos humanos da ONU estima 3.000 mortos no país desde o golpe militar. Em outubro desse mesmo ano, dois dias antes dos chefes militares golpistas marcharem para o exílio ao Panamá, Aristide nomeia primeiro ministro a Smarck Michel. Em janeiro de 1995 o Banco Mundial anuncia que os donativos internacionais têm acordado uma ajuda de 660 milhões de dólares para o Haiti e o presidente Aristide, já instalado no poder anuncia a retirada forçosa de 43 oficiais do exército. Em 31 de março o presidente de Estados Unidos, Bill Clinton, de visita a Porto Príncipe reune-se com o secretário general da ONU, Boutros Boutros-Ghali e transfere a responsabilidade da ordem no país aos soldados de paz da ONU. Em junho com a situação normalizada a OEA celebra a sua Assembléia Geral no Haiti.

Em novembro teve eleições presidenciais nas quais ganhou René Preval, atual presidente da nação, nomeado em fevereiro de 1996 para um mandato de cinco anos. O país, embora continua sendo um dos mais pobres do continente americano tem recuperado a normalidade e estão a potenciar-se ao máximo as possibilidades turísticas do país como fonte de ingressos.

CLIMA

O clima é tropical, com temperaturas quentes variando entre os 25 e 32 graus centigrados nas zonas costeiras. A época de chuvas extende-se de abril até novembro, normalmente são breves mas intensas.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

Aconselhamos roupas de algodão, calçado confortável, capa de chuva, óculos de sol, chapéu ou boné, protetor solar e repelente contra insetos.

DIFERENÇA HORÁRIA

Em Haiti os relógios vão cinco horas por trás com respeito ao horário GMT.

IDIOMA

O idioma oficial é o francês, embora esteja muito extendido o créole (crioulo), mistura de francês e línguas indígenas africanas. Também está muito extendido o inglês e, pela vizinhança com a República Dominicana, o espanhol.

RELIGIÃO

A religião principal é a católica, praticada oficialmente pelo 80% da população. O 10% são protestantes (batista, principalmente), e o outro 10% pratica o vudu.

Há que lembrar, porém, que um grande número de haitianos combinam os cultos católico e vudu.

ELETRICIDADE

A rede elétrica é de 10 volts a 60 Hz.

EMERGÊNCIA - SAÚDE - POLICIAMENTO

As autoridades haitianas não exigem nenhuma vacina obrigatória. É muito recomendada, no obstante, a profilaxis anti-malaria, não beber água da torneira, não comer alimentos sem cozinhar e evitar as frutas sem pelar e os cubitos de gelo. Para emergências médicas ou policiais o melhor é solicitar ajuda nas recepções dos hotéis.

Embora os níveis de criminalidade contra turistas não são alarmantes, têm-se observado alguns assaltos a estrangeiros, pelo que é bom manter certas precauções para evitar problemas. É bom assim mesmo não levar objetos valiosos à vista, e fazer atenção a mostrar dinheiro em público. Salvo se viajar com um grupo, escolha o transporte privativo melhor do que o público, e evite sempre passear só a noite fora das zonas propriamente turísticas.

CORREIOS E TELEFONIA

O serviço de correios ainda é deficiente, pelo que será melhor reservar as necessidades postais para a vizinha República Dominicana, no caso de ir lá depois. O escritorio principal dos correios está em Porto Príncipe.

Para ligar Haiti tem que marcar 00-509 e a seguir o número de assinante (não existem prefixos para as diferentes cidades).

FOTOGRAFIA

É melhor levar consigo todo o material fotográfico que vai utilizar, pois o material que pode comprar em Haiti nem sempre é da melhor qualidade, e os preços podem ser elevados. O mesmo pode-se dizer da revelação de filme, sendo aconselhável levá-los à República Dominicana se vai fazer alguma passagem por lá.

HORÁRIO COMERCIAL

As lojas e mercados têm um horário muito comprido, desde muito cedo de manhã até a noite. Os bancos só abrem de manhã, das 9 às 13, de segunda a sexta-feira.

GORJETAS

Em restaurantes e hotéis geralmente inclui-se na conta um 10% em conceito de gorjeta. Quando não seja assim, aconselhamos deixar entre um l0 e um 15% da conta, segundo o serviço recebido. Os taxistas não esperam gorjeta.

TAXAS E IMPOSTOS

Existe uma taxa de saída do aeroporto.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Extendendo-se por 27.400 quilômetros quadrados, Haiti ocupa a terceira parte da ilha La Espanhola, conhecida também como ilha de São Domingo.

É a segunda maior ilha das Antilhas e está situada no centro do arquipélago, muito perto do Trópico de Câncer.

Haiti equidista de Miami, Estados Unidos e Caracas, Venezuela. Limita-se ao norte, sul e oeste com o Mar Caribe, e a leste com a República Dominicana. As duas nações não estão claramente separadas por nenhuma fronteira natural, pelo que partilham muitos rios, vales e montanhas, fazendo do território uma só região física. A máxima altitude é La Selle, no sul do Haiti com 2.680 metros e o principal rio é o Artibonite, que nasce na República Dominicana e desemboca no Golfo de Gonave. Os outros rios do território são muito curtos e de rápidas correntes.

A sua orografia vem caracterizada por um terreno predominantemente montanhoso, formado por duas cordilheiras maiores e uma menor situada entre elas. As costas do Haiti são, sobretudo rochosas, e distingue-se nela duas peninsulas, a peninsula de Saint Nicholas ao norte, e a do Tiburão ao sul, formando o Golfo de Gonave, onde situa-se uma pequena ilha do mesme nome.

A capital do país é Porto Príncipe (Port au Prince). Outras cidades importantes são Cap Haitien, Gonaives, Les Cayes, Pétionville, Port-de-paix, Saint Marc e Jacmel.

FLORA E FAUNA

A natureza de Haiti é rica e variada, com predomínio de regiões úmidas e pouco elevadas nas quais cresce a floresta tropical, rica em madeiras valiosas como o ébano ou a caoba. O território haitiano possui mais de 4.000 espécies de plantas, das quais o 36% são endêmicas (nativas). Estas apresentam uma grande semelhança com as plantas do resto do continente, pois são originárias das eras geológicas, quando a ilha estava ligada à massa continental. Das espécies endêmicas salientam as orquídeas, supondo 67 gêneros e mais de 300 variedades classificadas, como por exemplo a Oncidium hanekeníi (tem forma de uma pequeníssima "cacata"), a Polyradicion lindenii (com forma de rãzinha), a Oncidium variegatum (com forma de anjo) ou a Leochilus laniatus (parece com uma freira).

São espécies originárias a palma real, o guayacán, a chirimoia, a mandioca, o maní, o tabaco, o milho, a batata, a goiaba, entre outras espécies. Plantas como o cacao, o abacate, os cítricos, o café, a cana de açúcar ou as bananas foram introduzidas pelos indígenas nas suas migrações, assim como pelos espanhóis durante os tempos da colonização.

Da fauna haitiana deve-se salientar ser tipicamente antilhana, quer dizer com um grande número de espécies inferiores, muitas aves e poucos mamíferos. Dentre as espécies nativas de maior interesse, salientam as iguanas da rocha, o cocodilo americano e a jutía dos gêneros Solenodon e Plagidontia.

Na ornitofauna podemos achar o zumbador, o guaraguao, o flautero, o barrancolí e a cigua palmera.

Dos poucos mamíferos presentes na ilha salientam os manaties e as baleias corcundas.

Os manaties são mamíferos aquáticos que habitam manglares, estuarios, desembocaduras de rios e lagoas a beira mar. As baleias corcundas emigram todos os anos desde as regiões árticas para reproduzirem-se. Estima-se que 85% das mais de 6.000 baleias corcundas da metade norte do Atlântico visitam estas águas.

A melhor temporada para observá-las decorre entre novembro e abril. Graças às baleias procurarem águas pouco fundas perto das ilhas pode-se contemplá-las de perto.

Arte e Cultura

A pintura

Haiti pode ser uma grande descoberta para o amante da pintura. Os seus folhetos turísticos afirmam que muitas vocações de colecionadores de arte começaram neste país. Certamente, a pintura no Haiti converte-se quase em uma arte de viver, invadindo calçadas, paredes e casas. Por todas partes oferecer-lhe-ão pinturas. Serão mais ou menos boas, mas se souber escolher, (há grande variedade de preços), pode descobrir verdadeiros tesouros.

Para ter a certeza, o melhor é visitar alguma das galerias bem instaladas. Em Porto Príncipe, Cabo Haitiano ou Jacmel, há vendedores de arte que já têm selecionado o melhor. Se for curioso, as ruas oferecem todas as oportunidades. Muitos amadores têm encontrado obras mestras nas galerias assim como nas ruas e mercados. É uma questão de ter bom olfato… e sorte.

O primeiro lugar a visitar é o Centro de Arte em Porto Príncipe, onde tudo começou. Dir-se-ia um "Quatrocento" do Caribe. Nos princípios dos anos quarenta, um jovem professor norte-americano, Dewitt Peters, ficou encantado com a arte do Haiti. Maravilhado pela vitalidade da pintura naif, decideu criar um lugar onde os pintores pudessem mostrar as suas obras. Foi o Centro de Arte, que cedo atrairia colecionadores do mundo inteiro. Uma maré de criadores invadiu Porto Príncipe, fazendo da pintura naif a sua entrada na cena cultural internacional. Este estilo pictórico surgiu no século XIX como uma manifestação sincrética das propostas francesas e os estilos populares, especialmente os trazidos pela cultura de raça negra. Já durante o século XX este estilo começa a perfilar-se como propriamente haitiano, salientando nas pinturas os motivos indígenas e nacionais, com vivas cores e cenas costumeiras.

Também pode descobrir no país uma pintura erudita de grande qualidade. Os jovens pintores modernos surgem sucedidos no mundo da arte contemporânea, e a pintura haitiana está representada atualmente nos melhores museus dos Estados Unidos e da Europa, e em algumas prestigiosas coleções privadas.

Existem muitas galerias de arte, dentre as quais salientam a Nader Art Gallery e a Galerie Marassa. Em Pétionville, a Nader Art Gallery está desde 1958, promocionando a arte pictórica haitiana no mundo inteiro, e as suas peças têm sido exibidas em museus do mundo todo, incluindo a Galeria Nationale du Grand Palais em Paris, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, a Galeria Bunkamura em Tóquio, a Galeria Oas em Washington e o Centro de Arte de Maracaibo na Venezuela, entre outros. A galeria oferece uma grande seleção de arte haitiana naif, primitiva e contemporânea em uma nova sala de 450 metros quadrados.

Há exposições cada mês, e o colecionador pode gozar nela da maior coligação de arte haitiana do mundo. Também em Pétionville, Galerie Massara tem exibido as suas obras em mais de 50 museus ao redor do mundo. Esta galeria está especializada na promoção de jovens talentosos da arte haitiana. Entre as grandes figuras da galeria, conta-se com Philippe Dodard, Gesner Armand, Tiga, Edouard Duval, Sacha Tébo, Levoy Exil e muitos outros. As coleções incluem pintura, escultura, artesanato e acessórios.

Música

Além da pintura, a música é a segunda manifestação cultural da ilha (como na República Dominicana), e também a que maior influência tem tido fora de suas fronteiras.

Existem várias teorias sobre a origem do merengue. Supõe-se ser um um rítmo mestiço, tendo a sua origem na fusão das músicas africanas e o pasodoble espanhol. Nasceu entre 1844 e 1850, e os seus começos foram difíceis, pois considerava-se um rítmo vulgar com letras pouco musicais. O merengue é um rítmo vibrante e rápido que faz dançar de forma livre e ao qual é quase impossível não render-se.

Os instrumentos mais típicos do merengue são o acordeon, a güira e o bumbo. A güira é uma espécie de ralho de lata com forma de cilindro oco, quando tocado emite um som "zumbador" compassado. Tem as suas origens no areito, uma série de melodias e canções dos antigos aborígens das Antilhas. Por outro lado, o bumbo deve o seu particular som à pele de chivo com a qual é fabricado.

O merengue compõe-se de três partes: um breve passeio e dois movimentos de oito figuras; a primeira delas realiza-se através de uma melodia pausada e vagarosa, enquanto que na segunda e terceira partes a música cresce em rítmo, velocidade e intensidade.

Mas o merengue não é a única dança da ilha, mas apenas a mais popular. Também existem muitos outros rítmos, a salsa é um exemplo.

Gastronomia

É certamente paradoxal falar de gastronomía num dos países mais pobres do mundo. A pesar de todo, como consequência da rica mistura de culturas taína, europeia e africana, Haiti possui uma rica gastronomía cujos ingredientes principais são a carne de porco, o arroz, os peixes e o marisco. Entre os pratos mais típicos encontram-se o chamado griot, preparado com carne de porco; o e labí, feito com lagosta, arroz e yon yon; acras, uma raíz (malanga) frita e temperada com muitas espeçarias; o griot, carne de porco; e o tassot, sendo este perú, vitela ou bode preparados com um marinado picante.

Compras

Entre as compras mais solicitadas pelos visitantes estão as pinturas haitianas de estilo naif, caracterizadas pelas suas vivas cores e assuntos da vida cotidiana do país. Com um pouco de paciência e diálogo poderá conseguir magníficas obras a preços muito acessíveis em algumas das galerías e mercados de Porto Príncipe e Cabo Haitiano, principalmente. Outros artigos interessantes são as esculturas e talhas de madeira, artigos de mimbre, joalharía de cobre e de carey, roupa bordada a mão, objetos de ferro forjado e um rico e variado artesanato relacionado com os ritos do vudu. O principal mercado é o Mercado do Ferro em Porto Príncipe, e o mais tradicional é o de Kenscoff, perto da capital.

População e Costumes

A população de Haiti é de 6.731.500 habitantes (censo de 1995). A maior parte (95%) são de raça negra, sendo a língua oficial o francês. Mantêm-se algumas condutas e costumes de origem francesa, assim como de alguns grupos africanos, herança dos tempos da escravidão.

O carácter dos haitianos é amável e aprazível, um pouco fatalista e indiferente às vezes, o que pode ser causa e efeito ao mesmo tempo da sua história de dominações (Espanha, França, as ditaduras dos Duvalier) e a mistura de catolicismo e budismo.

ENTRETENIMENTO

Por causa das extremas circumstâncias políticas, económicas e sociais vividas por Haiti nos últimos anos, a sua infra-estrutura turística não está plenamente desenvolvida, pelo que é dificil encontrar atividades a realizar fora dos hotéis. Aos poucos, as cidades vão recuperando a normalidade e com ela os lugares que tempo atrás albergaram certa atividade social começam a recuperá-la. Esse é o caso da zona de Pétionville, na qual já é posível gozar uma vida noturna com aceitáveis ofertas para praticar a salsa ou o merengue.

Respeito às atividades de ar livre, salientam sobretudo os esportes aquáticos, especialmente o mergulho. Qualquer pessoa, sem importarem sua idade ou experiência esportiva, pode realizar fácilmente o percurso até São Cay (Cayo Areioso). Éste realiza-se em lanchas com fundo de vidro para poder observar tudo o que tem para oferecer "o arrecife mais precioso do Caribe". Alí os visitantes podem usar um equipamento de mergulho para deleitar-se vindo as caprichosas formações coralinas, a multitude de peixes de diferentes cores e outras maravilhas submarinas. Em vários balnearios de praia podem alugar-se botes para navegar a vela e esquiar Em alguns deles organizam-se programas de mergulho em profundidade completos, com instrutor e tramitação dos certificados respectivos. Nas águas de Haiti os mergulhadores esperientes poderão gozar das melhores condições do Caribe para praticar o seu esporte, pois a costa ainda não está invadida pelos turistas.

Os esportes nacionais são o futebol e as lutas de galos, embora estas estão sujeitas a uma forte perseguição pelas autoridades.

Outro espetáculo submarino digno de experimentar-se é a exploração dos restos navais que estão nos fondos do Golfo de Gonaives. Dúzias de embarcações inglesas, holandesas, francesas e espanholas jazem no fundo do litoral haitiano, como testemunhas das lutas que tiveram lugar pelo seu dominio. Faça para ser acompanhado por guias mergulhadores experientes e goze do mais apaixonante e original museu submarino imaginável.

FESTIVIDADES

As festas oficiais de Haiti são: 1 de janeiro Dia da Independência, 2 de janeiro Dia dos Pais da Patria, 1 de maio Dia do Trabalho e a Agricultura, 18 de maio Dia da Bandeira e a Universidade, 17 de outubro Aniversário da morte de Dessalines, 18 de novembro Aniversario da Batalha de Vertieres e 5 de dezembro Dia do Descobrimento.

Além destas, a iconografia católica e as tradiciones indígenas e africanas geram grande número de celebrações, algumas de caráter nacional, como o Carnaval, e outras no nível local. Entre outros, celebra-se SantoTomás de Aquino, São Jose, São Marcos, São Felipe, São Isidro, São João Batista e São Pedro.

Transportes

Avião

Desde Europa, a melhor escolha para chegar diretamente a Porto Príncipe são os vôos de Air France que saem de Paris no mínimo dois dias por semana. Desde Espanha, a proliferação de vôos charter para a República Dominicana tem diminuido muito o custo da viagem ao Haiti. Desde São Domingo, Air Dominicana tem vôos diarios entre as capitais dos dois países. Dentro de Haiti existem vôos entre algumas das principais cidades, mas não é aconselhável utilizá-los pois não atingem os padrões mínimos de segurança exigidos pelas autoridades aeronáuticas internacionais.

Sem sair da zona das Caraibas, Air France tem vários vôos semanais a Cayenne, Fort de France, Point-á-Pitre e São João. Air Jamaica a Kingston, ALM (Aerolíneas Antillanas) a Curação e um vôo semanal a Barranquilla, Panamá e Paramaribo. American Airlines voa desde Miami duas vezes por dia a Porto Príncipe, igual que Nova Iorque. American Eagle cobre a rota São João-Porto Príncipe-Mirabel seis dias na semana. Air Canada voa vários dias por semana desde Mirabel a Porto Príncipe, a mesma rota que faz Canada 3000. A companhía Halissa Air voa a diário desde Miami à capital de Haiti, Aserca faz-o desde Caracas, e Copa desde Panamá City.

São Domingo fica a 40 minutos de avião desde Puerto Príncipe, Miami uma hora e São João de Puerto Rico uma hora e dez minutos.

Barco

Há navios cargueiros privados pela costa, onde é posível arranjar transporte de uma vila a outra. Existem serviços regulares entre Porto Príncipe e Jeremie e Porto Príncipe e Sãod Cay. Desde Cabo Haitiano saem cargueiros que ligam Haiti com a República Dominicana.

Alternativas de Transporte

Para chegar do aeropuerto ao hotel de escolha, há taxis disponíveis no aeroporto. Os taxis da ACGH são geralmente os que oferecem um melhor tratamento ao cliente e os mais seguros. Estão acreditados pela ACGH (Associação des Chauffeur-Guides d'Haiti), e é fácil reconhecer aos condutores graças a sua guaiabera branca e ao pin da associação que sempre levam consigo. Levam pessoas a todos os vôos. Asset, uma das principais agências de viagens de Haiti, conta com diferentes micro-ônibus com ar condicionado que por 10 dólares incluiem um serviço de boas vinda ao viajante. Asset também dispõe de serviços charter de ônibus e um tour multi-lingüe em Puerto Príncipe e em Cabo Haitiano.

Para deslocar-se pela cidade, pode-se combinar com o condutor ACGH ir pegar-lo para sair onde precisar, ou pode-se ligar diretamente a ACGH e solicitar o serviço. O telefone da agência é o 45-10-15. Há que reparar que as garagens estão situadas no centro de Porto Príncipe, pelo que se quiser ser apanhando em Pétionville deve avisar com antecedência.

Pode encontrar fácilmente taxis particulares na zona de estacionamento do Hotel Montana, e naquela situada entre os hotéis O Rancho e Vila Creole, em Pétionville. Provavelmente o hotel será a melhor fonte de informacões sobre taxis. Geralmente os hotéis têm feitos alguns acordos com taxistas que oferecem total garantia. Os taxis de ruaa podem diferenciar-se fácilmente pela grande dupla letra "o" pintada nas portas. As normativas sobre o serviço de taxi têm melhorado muito nos dois últimos anos, mas é bom acordar o preço da viajem antes de iniciar o mesmo.

Haití tem quase 5.000 quilómetros de estradas, e nem todas são transitáveis durante a época de chuvas. Além do taxi, também podem-se percorrer de carro, mini-ônibus e kombis. Mas o mais barato e típico são os tap-tap, (chamados assim pelo barulho que faz o motor), pequenos caminhões abertos atrás, com assentos para os pasajeiros. Param em qualquer lugar, e a tarifa mais cara é aquela que permite-lhe ir ao lado do condutor.

Aluguel de Viaturas

Outra possibilidade para viajar por Haiti é alugar um carro. As principais companhías de aluguel de carros têm escritórios em Porto Príncipe ou Pétionville, mas também é posível alugá-los no aeroporto. Faça conta que muitas companhías estão dispostas a oferecer tarifas especiais se pensar em alugar o veículos por una semana ou mais. Convém pois ligar com antecedência e pedir sempre um tratamento preferencials. Não é preciso uma carta de condução especial, a internacional dá perfeitamente. Lembre-se de dirigir pela direita.

Preste muita atenção quando estiver a dirigindo: ao mau estado de muitas das estradas junta-se o perigo das costumes do haitiano ao volante, bastante anárquicos na sua interpretação do código de circulação.

Movendo-se dentro do País

Desde Porto Príncipe chega-se a Cabo Haitiano por uma estrada relativamente nova mas montanhosa. A noite, no mínimo são quatro horas de viagem. Os tap-tap e as camionhonetes partem do mercado Mahogany, no porto. De caminho passa-se também por Gonaives, a terceira cidade do país. Em Les Cayes, desde Porto Príncipe, a estrada é aceitávelmente boa. Desde Les Cayes pode-se percorrer o suloeste do país, em tap-taps ou em barcos costeiros.

Para viajar por estrada entre Haiti e a República Dominicana faz falta uma autorização especial. Pelo norte, desde Cabo Haitiano, há uma estrada em mau estado com pouco tráfego, mas não há serviços de ônibus que transitem por ela. Desde Porto Príncipe há serviços de ônibus pouco frequentes, nos quais é dificil arranjar vaga. É possível encontrar no porto caminhões dispostos a levar passageiros à República Dominicana.

LOCAIS TURÍSTICOS

Para descobrir Haiti temos dividido o país em quatro zonas. Começaremos o nosso percurso por Porto Príncipe, a capital, para depois continuar para Jacmel.

Daqui viajaremos a Cabo Haitiano e terminaremos com um belo percurso pelas Praias do Haiti. Em cada zona assinalamos os principais hotéis e lugares onde ficar. No fim descrevemos algumas das Excursões mais interessantes que pode-se fazer no país.

PORTO PRINCIPE

Porto Príncipe é uma cidade agitada: a vida não pára nunca. Durante o dia, vibra sob um sol fortíssimo; a noite, ilumina-se com as luzinhas dos vendedores ambulantes. O vertiginoso espetáculo das suas ruas fará lembrar os turistas lugares como Estambul, Bangkok ou Nova Delhi, não obstante com um sabor único, encontrado só no Caribe. É impossível descrever Porto Príncipe, o turista descobre-a com amor e gozo, sendo muito dificil não reparar no seu encanto especial. A capital de Haiti seduz pela intensidade da sua vida cotidiana, pela sua vitalidade e pelo sorriso dos seus habitantes. O calor humano e a amizade são os melhores passaportes para adentrar-se nesta "cidade de senhores farrapentos", como alguém definiu-a em uma ocasião.

Primeiro descobrirá as peculiares viaturas para transporte público, os famosos tap-taps. Não verá mais que tap-taps.

Estranhos, barulhentos, ao ritmo dos últimos merengues de moda, cobertos de luzes, decorados com legendas cheias de graça ou enigmáticas: "A vida louca", "Minha doce Simone, no fim voltas-te!", "O fruto do meu trabalho", "Os funerais do reis de França", "Do eterno, ao fim!".

O local de concetração dos tap-taps de Porto Príncipe é o Mercado de Ferro ou Mercado "Vallières", um edificio tão peculiar como o resto da cidade.

Imagine-se em um pavilhão "Baltard" com minaretes: um edificio morisco no meio do Caribe. Dizem que o presidente Hippolyte o comprou, há um século, de uma empresa francesa que queria envia-lo à Turquia.

Hoje, o Mercado de Ferro está cheio de gente ocupada e barulhenta. Franquear a avalanche de propostas que invadir-lhe-ão, e safar-se das montanhas de objetos espalhados por todas partes não é uma tarefa fácil. Lâmpadas, gaiolas, louça ou brinquedos desenhados com latas de conservas, sandálias de borracha feitas com pneus velhos, tudo interessará, mas o Mercado de Ferro esconde verdadeiros tesouros. Entre as abundantes pinturas naif pode-se encontrar maravilhas; é surpreendente a grande variedade de louças de caoba, cestos e chapéus de palha, esculturas de madeira ou feitas com vasilhas de lata e todo tipo de artigos feitos a mão, alguns excelentes. Tudo isto valerá o esforço feito. Deve negociar por puro prazer e deixar-se levar pelo capricho, porque os preços são incrivelmente baixos.

Deixando o centro de Porto Príncipe, podemos dirigir-nos ao bairro administrativo, dominado pelo Palácio Nacional, cópia do Petit Palais de Versalles, um enorme edificio de luminosa brancura, já exorcisado dos macabros fantasmas da família Duvalier. Os habitantes da cidade passeiam agora sem medo pelos arredores do Palácio, símbolo da democracia reconquistada.

A Esplanada dos Heróis da Independência exibe as estátuas dos fundadores do Haiti.

O imperador Dessalines, o guerreiro Pétion, o primeiro presidente de Haiti, o rei Christophe, Toussaint Louverture, e o mais amado de todos pelo povo: o Marron Inconnu, o escravo rebelde quebrando as correntes, soprando no seu lambi, símbolo da revolta contra todas as opressões.

A praça de Champ de Mars, a qual rodeia o Palácio Nacional e está cheia de edificios construidos nos anos trinta. Nela encontra-se o Museu de Arte do Pantéon Nacional e a Casa Defly, adorável construção do princípio deste século, transformada em museu da vida crioula e em armazém de antiguidades.

Na Catedral da Santa Trindade, o visitante pode observar murais bíblicos descrevendo a explosão da arte naif nos anos quarenta.

A cidade de Porto Príncipe ultrapassa hoje um milhão de habitantes e extende-se gradualmente para as alturas. Os bairros comerciais ocupam a beira do mar, com as ruas invadidas pelos vendedores ambulantes, enquanto que ao remontar-mos para as colinas o ar aligeira-se e a massa perde intensidade.

Atrás de Champ de Mars extende-se Bois Verna, o bairro aristocrático da cidade até os anos cinquenta. Passeando pelas suas labirínticas ruas e subindo para Pacot, entramos no paraíso das Casas Gingerbread, um pouco velhas mas encantadoras. Estas elegantes residências, muito apreciadas pelos habitantes da cidade e ternas pela sua decadência suntuosa, é a manifestação certa de uma arte do viver crioulo, hoje desaparecido.

A maior parte são do princípio do século, e vale a pena visitar no bairro de Pacot as mais ousadas "gingerbread" da capital: a Casa Cordasco, a Casa Peabody, e o resto das suas irmãs.

Subindo ainda mais encontra-se Pétionville, bairro residencial que com a sua natureza e as suas flores absorve as casas luxuosas dos privilegiados do país, as discotecas, os elegantes restaurantes e os hotéis mais caros da ilha.

Um pouco mais acima, encontra-se a Destilaria de Ron Barbancourt. Esta destileria produz rum enriquecido com manga, coco, laranja e café, entre outros sabores. Durante décadas, Haiti foi famoso pelos seus ricos runs feitos com sumo de cana fermentado e destilado, em lugar de melaço. Ainda mais interessante é a lenda do Castelo de Barbancourt, morada de uma história de amor clássica entre um homem de negócios e uma beleza haitiana. Nos anos trinta, o fabricante de perfumes alemão Rudolph Linge conheceu e apaixonou-se da então Miss Haiti, Jane Babancourt. Casaram-se e voltaram ao seu país natal. Graças às grandes plantações de cana de açúcar da familia da sua esposa e a sua privilegiada narina para os aromas, Linge começou a misturar licores de rum com o sucesso que já temos referido. Um dia quis ver um filme. Como não havia nenhum cinema em Haiti, apanhou um vôo para Nova Iorque e viu "A Cenicienta" de Walt Disney e ficou encantado com o castelo do filme.

Comprou uma fotografia do filme ao proprietário do cinema, voltou à casa, deixou a fotografia acima da mesa de um arquiteto e pediu-lhe: "Construia-me este castelo". O edificio é agora um monumento a Linge, que morreu em 1991.

Nos arredores extende-se a vila de Kenscoff, situada numa área montanhosa que poupa o calor. As colinas vizinhas estão cobertas de solo de cultivo e bosques de pinheiros. Aqui estão as ruínas de Fort Alexandre e Fort Jacques, e desde este último podem-se disfrutar de magníficas vistas da cidade e do seu porto.

E mais para acima ainda, na montanha de Boutilliers, pode-se contemplar, no pôr-do-sol, a cidade de Porto Príncipe descendo desde as colinas até o mar, extendendo-se como um espelho abraçando tenramente as águas da sua baía, uma das mais formosas do mundo.

OS ARREDORES DE PORTO PRINCIPE

A cinquenta quilometros, em direção à fronteira dominicana, depois passar Croix des Bouquets e Mirebalis, encontra-se Ville Bonheur, o centro mágico da ilha e destino de milhares de peregrinos entre o 12 e 16 de julho de cada ano. Aqui, na metade do século passado, numa palmeira ao pé de uma cascata enorme, em Saut d'Eau, dizem que a Virgem Maria apareceu-se a um homem da zona chamado Fortuné. Quando relatou a sua visão aos freires, estes não acreditaram no princípio e foram para esse lugar, que desde então é sagrado para os haitianos. E não só para os cristãos mas também para os que acreditam no vudu, os quais vêem na Virgem Maria a sua deusa Maîtresse Erzuli.

HOTÉIS EM PORTO PRINCIPE

Os hotéis no Haiti não são grandes blocos de cimento. Normalmente são estabelecimentos construidos sobre edificios históricos.

Os que recomendamos são de cinco estrelas, com todos os serviços que podem oferecer os hotéis desta categoria: televisão, mini-bar, piscina, esportes, restaurantes, etc. Costumam ter poucas quartos, pelo que não sentirá a pressão das grandes massas de turistas.

Para uma estadia comoda num ambiente tropical, o Hotel Olofsson oferece três tipos de quartos: Os Standart estão situados no edificio "La Maternidad", construido pelos marines durante a ocupação norte-americana, quando o hotel serviu como hospital. As cabanas são cada uma delas únicas, espalhadas em redor dos jardins. Todas têm móveis antigos e banheiros modernos, e a maior parte possuem ar condicionado. Todas os quartos têm telefone, e as suítes incluem televisão. O restaurante situa-se no portão que está sobre os jardins e oferecem uma cozinha criolla. A famosa piscina, descrita na obra de Graham Greene "Os cómicos" é o lugar perfeito para afastar-se de tudo. Mergulhe, arranje uma cortiça e beba avidamente um ponche de fruta. A noite, o Oloffson também é um lugar para alentar-se e se renovar com os espetáculos cheios de ritmos de vudu cativadores, roupas exóticas e coreografias interessantes.

No lobby barroco do hotel pode-se disfrutar também de outros aspectos da cultura haitiana: a exibição de arte naif, conferências e festas. Há que assinalar que o hotel é um dos mais conhecidos, pelo que lamentavelmente encontra-se muito deteriorado. Por outro lado o serviço deixa muito a desejar.

Um "Caribean clasico", o Hotel Villa Créole continua meio século de boas vindas aos viajantes distintos de Haiti, com um renome internacional para o serviço discreto, alojamentos impecáveis e um pessoal amistoso. Os 68 quartos estão situados num jardim, e todos possuem ar condicionado, televisão por satélite e um sistema de telefonia moderno. O hotel dispõe de duas quadras de tênis, um ginásio e uma grande piscina. O Villa Créole é muito conhecido pela sua espetacular coleção de arte haitiana. O visitante não deve esqueçer provar o desejum debaixo das árvores de amendoas, com uma seleção completa de frutas tropicais e sucos. O almoço e o jantar podem ser servidos no recentemente inaugurado restaurante Villa Bele ou nas barbacoas e buffets ao redor da piscina. Situado em Pétionville, nas colinas sobre Porto Príncipe, o Villa Créoloe fica perto do aeroporto e a só uns minutos das galerías de arte, cassinos e restaurantes de Haiti.

Situado nas colinas de Pétionville, o Rancho Hotel é mais parecido a um Palácio privado do que a um estabelecimento hoteleiro. As 95 quartos dispõem de ar condicionado e televisão a cabo, e estão decoradas com móveis e objetos haitianos, trabalhados a mão.

Tem dois restaurantes: O Continental Bar Restaurant, com uma atmosfera de patio de jardim, e o Gourmet Restaurant, com um belo pub feito de madeira inglesa e decorado com uma delicada mistura de antigüidades e móveis modernos, embelezados com deliciosas pinturas haitianas. Há também um Lobby Bar e um Pool Bar. O Rancho Hotel também possui um equipadíssimo ginásio e várias quadras de tênis. Após o jogo, o hospede pode gozar também de uma sauna ou uma massagem por profissionais. Três salas de conferências ou banquetes que podem acolher entre 30 y 150 pessoas. O Hotel também dispõe de casino, no qual pode-se jogar roleta, black jack e outros jogos. No caso o visitante quiser uma privacidade especial, existem várias quartos VIP com esse propósito.

Também sobre a montanha da velha cidade de Pétionville eleva-se o Kinam Hotel, originariamente uma mansão gingerbread do século XIX, recém restaurada e ampliada para oferecer maiores confortos. Encontra-se situado entre as ruas Lamarre e Moise, frente à praça de Saint Pierre, e a pouca distância de lojas, galerias, restaurantes, o casino e a vida noturna de Pétionville. Possui 38 quartos e três suítes atrativas, limpas, com banheiros modernos, telefone e televisão. No seu restaurante serve-se uma excelente comida criolla e francesa, e fica aberto desde as seis da manhã até meia noite, igual ao bar da piscina, onde pode beber excelentes cocktails tropicais.

O Christopher Hotel domina a colina sobre a qual está situado, e oferece aos seus residentes uma magnifica vista panorámica de Porto Príncipe e sua baía. As 74 quartos são confortáveis e amplas, e possuem terraças, ar condicionado, telefone e televisão. Dispõe também de piscina, restaurante, bar e uma sala de conferencias para 550 pessoas.

O Hotel Montana possui 85 quartos com ar condicionado, piscina, restaurante, bar e, sobretudo, uma espetacular vista de Porto Príncipe e a baía. Este hotel era um dos favoritos de jornalistas e técnicos no periodo do embargo e da intervenção internacional. A arquitetura não é espetacular mas tem umas agradáveis áreas exteriores para passeiar ou tomar uns drinkes. Atualmente muito frequentado por homnes de negocios e turistas.

O Visa Lodhe Hotel salienta pelo prático das suas instalações, pois está especialmente desenhado para as viagens de negocios. Está situado na estrada que leva ao aeroporto, e conta com 26 quartos com ar condicionado.

O Villa de St-Louis Hotel está situado perto de Pétionville, a 10 minutos do aeroporto e a 15 do parque público de Champs de Mars, e o transporte público leva-lhe até a porte do hotel. Conta com 25 confortáveis e espaçosos quartos com ar condicionado e terraças com vistas da cidade e ao campo em volta. No restaurante oferece-se uma deliciosa comida de estilo continental e crioulo, com um agradável serviço. Os hóspedes podem escolher para a sua estadia entre os planos europeu, continental ou americano. O hotel tem dois bares, e fica a pouca distância dos principais lugares de lazer da capital. Dispõe também de piscina e quadras de tênis e saídas para praticar mergulho ou visitar os principais locais turisticos de Porto Príncipe.

O Prince Hotel está numa antiga mansão restaurada, no alto de uma das colinas dominando Porto Príncipe. Conta com 20 quartos, decorados com uma mistura de estilo europeu e elegancia tropical e com ar condicionado, televisão a cabo, telefone e algumas delas com belas vistas à baía. Entre as suas instalações também há piscina, bar, e restaurante.

O Coconut Villa Hotel encontra-se numa zona aprazível rodeada de árvores tropicais a 3 quilometros do areoporto e do centro de Porto Príncipe. Tem 50 quartos com ar condicionado e alguns apartamentos mobilados de aluguel. Dispõe também de piscina, barbacoa e um restaurante especializado em comida italiana e criolla. Muito perto do hotel há um centro comercial, dois bancos e um cinema.

HOTÉIS DE PRAIA PERTO DE PORTO PRÍNCIPE

As seguintes praias estão situadas ao norte de Porto Príncipe. Indo de carro para o norte pela Rota Nacional 1 observam-se as montanhas Chaine des Matheux à direita, e as aguas da baía de Porto Prícipe à esquerda. Embora os hotéis de que vamos falar estão perto de Porto Príncipe, o pesado tráfego nas estradas de aceso durante certas horas do dia faz com que seja muito dificil dormir neles para ir todos os dias à cidade.

Moulin Sur Mer é um local restaurado de uma plantação colonial de 1750, atualmente mobilada com antiguidades. Está em Montrouis, a 50 minutos de Porto Príncipe. Nas suas instalações, um museu chamado Musée Ogier-Fombrun é uma obra arquitetonica mestra que faz referencia à luta contra os colonos franceses pela independência de Haiti. Les Boucaniers é o nome do restaurante do hotel, situado na praia e especializado em marisco e comida criolla. Cada um ds espaçosos e elegantes quartos está decorado artísticamente e tem o seu banheiro privado, terraça ou solarium. A piscina é semi-olímpica e está rodeada por um pórtico e um bar. Mas se quiser uma outra escolha, o hotel tem uma praia privativa de duzentos metros de branca areia. "Salle 1804" é uma ampla zona de 600 metros quadrados, perfeita para conferências, seminarios ou acontecimentos sociais como casamentos, banquetes, etc. Entre as possibilidades de praticar esportes oferecidas por Moulin Sur Mer estão o tênis, racket ball, criquet, basketball, ping pong, voleibol, badmington, esquí aquático, mergulho, mini-golf e outros. Para deslocar-se pelas instalações, o hotel põe a disposição dos hospedes uns simpáticos automoveis elétricos.

O hotel Kyona Beach está situado perto de Luly, a maior vila de pescadores, a 45 minutos (se não houver muito tráfego) de Porto Príncipe. Kyona é uma praia arenosa, e tem um bar e um restaurante. Dispõe de 22 quartos com ventiladores no teto. Há muitos espaços para crianças e saídas frequentes ao arquipélago de Les Arcadins.

O Club Med está a uma hora e meia de distância de Porto Príncipe, após a cidade de Montrouis, numa preciosa praia. Dispõe de 350 quartos com todos os confortos, assim como vários restaurantes e umas completíssimas instalações desportivas.

A 50 quilómetros de Porto Príncipe, o hotel Kalico apresenta-se sobre uma preciosa ilha, metade areia e metade rocha. Dispõe de 40 quartos com ar condicionado, tênis, piscina, bar e restaurante. Está no coração da costa de Les Arcadins, numa esplendida praia de areia branca desde a qual obtém-se uma bela vista da costa e da ilha de La Gonave. Conta com modernas e amplas quartos, suítes, apartamentos e bungalows, todos equipamentados com ar condicionado. Tem um centro de conferências e facilidades para a prática do windsurf, tênis, saídas a cavalo, navegação, mergulho, pesca sub-aquática, voleivol e futébol de praia. O seu restaurante, ao pé da praia, está especializado em peixe, marisco e comida francesa. Sem dúvida, este hotel é o melhor da zona na modalidade "all include". Nestes momentos encontra-se fechado por obras de recondicionamento e melhora. A direção está a cargo de pessoas de origem libanesa.

JACMEL

Saindo de Porto Príncipe pela porta sul, começa o caminho a Jacmel. Após um passeio de duas horas atraves de uma belíssima paisagem montahosa, chegará à baia que dá o nome à cidade e que, majestosa, extende a sua opulência azul ao pé das montanhas. A cidade, pequena pérola, dorme no fundo da baia como um capricho esqueçido pelo tempo, quase intacto nos vestígios do seu esplendor.

As suas casas com balcões de ferro forjado, são de principios deste século, a idade dourada do café. Nessa época a cidade fervilhava de animação, e ao seu porto chegavam cargueiros vindos do mundo inteiro. Atualmente, languidece com uma pequena comunidade de artistas haitianos, europeus e americanos, refugiados nela, animando o sonho das suas fantasias e transformando-o numa espécie de Ibiza do Caribe. Se tiver a sorte de visitar Jacmel na época de Carnaval, há que perder-se sem pensar mais nada no mais belo e confidencial cortejo das ilhas. No seu ambente de festa, as máscaras de "papier maché", de estranhas cores, dançam saidas diretamente dos seus sonhos e pesadelos.

Jacmel é a cidade de Préfète Duffaut, o seu pintor. Pintou incansavelmente a cidade e a baia, adornando-as com o caudal da sua imaginação. Jacmel é também a cidade de René Dépestre, prémio Renaudot 1987. Hadriana, a sua famosa heroína, igual do que outras personagens dos seus romances, passeia pelas ruas, as praças, as velhas casas da Jacmel, cidade de todos os sonhos.

Nos arredores de Jacmel nao deixe de visitar o Bassin Bleu, uma série de três maravilhosas cataratas.

HOTÉIS EM JACMEL

O principal hotel da primeria categoria é La Jacmelienne, com 40 quartos com ar condicionado. Está situado numa pitoresca praia e é também ótima para passear pelos arredores. O hotel encontra-se a poucos minutos a pé do centro de Jacmel.

CABO HAITIANO

A viagem de Porto Príncipe a Cabo Haitiano (Cap Haitien) é uma beleza inimaginável. Após passar a porta norte de Porto Príncipe econtrará os melhores hotéis costeiros.

Através das hortas, graneiros de Porto Príncipe, atravessam-se os campos de arroz que enchem a planicie até perder-se da vista. De seguida chegará a Monte Puilboreau, desde onde contempla-se a rica planicie do norte. Aí pode jogar com a sua imaginação e tentar visionar as imensas plantações coloniais com as suas fábricas de açúcar, povoadas por milhares de escravos, riscadas por carros de bois carregados de cana.

Descobrirá o Cabo Haitiano, antiga capital da colônia. A porta da cidade, a "Barreira Bouteille", viu passar sob o seu arco a carruagem do rei Christophe.

O Cabo é agora uma pequena cidade portuaria, cheia de gente e muito vital. As suas ruas estreitas seguem o traçado da cidade colonial. As casas antigas, cheias de encanto e de tenras cores, são do século XIX, a época do reis Christophe. Entre os monumentos salienta a Sé, sita na Praça de Armas. A Sé, do século XVIII, está coroada por uma espetacular cúpula prateada.

O rei Christophe parece reinar ainda sobre toda a região do Cabo. Mas a sua presença sente-se principalmente nas ruinas do seu Palácio, "Sans Souci". A monumental escada está intacta e a sua elegante silhueta destaca sobre a cor verde escuro da montanha, produzindo um efeito alucinante. O Palácio foi construido a imagem do Palácio do Federico II da Prusia e, embora um tremor de terra destruiu em 1842 a maior parte do edificio, pode-se ainda contemplar a monumentalidade que teve na sua época de esplendor.

Um dos muitos guias que acompanham o visitante pelas ruínas assinala para acima e explica: "Aí é exatamente onde o Reis Christophe disparou-se uma bala de ouro como o seu revolver em 1820".

Na verdade, é certo: o rei tinha reprimido demais os seus súditos, os quais revoltaram-se propiciando o suicidio. Os suditos não tinham esquecido a morte de 20.000 pessoas pelos esforços realizados durante a construção da Cidadela. Cada pedra do imenso forte era trasportada a mão durante quilometros e depois carregada até 980 metros de altitude da montanha.

O encanto da cidade mostra-se mais claramente quando sube à Montanha do Bonete do Bispo e surge a Cidadela La Ferrière, construida por comando do Rei Christophe para proteger o país dos franceses. Os franceses nunca voltaram, mas a Cidadela ficou alí como testemunha da luta do povo haitiano pela independência, dominando a baia de Acul. É a maior fortaleza das Caraibas, com muralhas de 15 metros de largura, e capaz de abrigar mais de 10.000 pessoas.

A construção durou 14 anos. Atualmente, ainda há mais de 250.000 balas de canhão diante da fortaleza. O passeio de duas horas sobre mansas mulas desde Sans Souci até a Cidadela é, sem dúvida, um dos percursos mais interesantes nas Caraíbas.

Outra das possibilidades de Cabo Haitiano é contemplar o ponto exato onde Colombo ancorou os seus barcos na primeira viagem ao Novo Mundo, o 21 de dezembro de 1492, assim como o lugar em que afundou a Santa Maria, no que hoje é a baía de Cabo Haitiano.

Esta baía está ainda virgem, sem contato com ocidente, e é facil levar uma lembrança valiosa da visita a Cabo Haitiano. Passeando pelas suas ruas ou visitando uma das três boas galerias de arte pode-se comprar uma pintura naif da famosa "Escola do Cabo Haitiano". Talvez não possam oferecer-lhe a obra do famoso Philomé Obin, mas há muitos pintores jovens no Cabo a encher de graça e cores delicadas as pitorescas ruas e o ambiente da cidade.

Fonte: www.rumbo.com.br

Haiti

"Além do sol, as praias e os hotéis de luxo tem uma mistura misteriosa e assustadora de arte, história, cultura e magia. "

Haiti
Haiti

Haiti é um país do Caribe que ocupa o terço ocidental da ilha Hispaniola, possuindo uma das duas fronteiras terrestres das Caraíbas, a fronteira que faz com a República Dominicana, a leste. Além desta fronteira, os territórios mais próximos são as Bahamas e Cuba a noroeste, Turks e Caicos a norte, e Navassa a sudoeste.

Capital: Port-au-Prince.

Diversão

Em vários balnearios de praia podem alugar-se botes para navegar a vela e esquiar Em alguns deles organizam-se programas de mergulho em profundidade completos, com instrutor e tramitação dos certificados respectivos. Nas águas de Haiti os mergulhadores esperientes poderão gozar das melhores condições do Caribe para praticar o seu esporte, pois a costa ainda não está invadida pelos turistas.

Transportes i

Haití tem quase 5.000 quilómetros de estradas, e nem todas são transitáveis durante a época de chuvas. Além do taxi, também podem-se percorrer de carro, mini-ônibus e kombis. Mas o mais barato e típico são os tap-tap, (chamados assim pelo barulho que faz o motor), pequenos caminhões abertos atrás, com assentos para os pasajeiros. Param em qualquer lugar, e a tarifa mais cara é aquela que permite-lhe ir ao lado do condutor.

Aluguel de Carros

As principais companhías de aluguel de carros têm escritórios em Porto Príncipe ou Pétionville, mas também é posível alugá-los no aeroporto. Faça conta que muitas companhías estão dispostas a oferecer tarifas especiais se pensar em alugar o veículos por una semana ou mais. Convém pois ligar com antecedência e pedir sempre um tratamento preferencials. Não é preciso uma carta de condução especial, a internacional dá perfeitamente. Lembre-se de dirigir pela direita.

Dinheiro

O Gourde é a unidade monetária das Honduras e está dividida em 100 centavos.

Por questões de segurança, a troca de moeda deve ser feita de preferência nas raras casas de câmbio.

É aconselhável o respeito dos conselhos habituais de segurança:

não passear durante a noite ou em locais isolados

evitar as praias desertas

transporte consigo uma cópia do passaporte

Compras

Com um pouco de paciência e diálogo poderá conseguir magníficas obras a preços muito acessíveis em algumas das galerías e mercados de Porto Príncipe e Cabo Haitiano, principalmente.

Artigos interessantes são as esculturas e talhas de madeira, artigos de mimbre, joalharía de cobre e de carey, roupa bordada a mão, objetos de ferro forjado e um rico e variado artesanato relacionado com os ritos do vudu. O principal mercado é o Mercado do Ferro em Porto Príncipe, e o mais tradicional é o de Kenscoff, perto da capital.

Capital

Porto Príncipe (em francês Port-au-Prince e em crioulo haitiano Pòroprens) é a capital e a maior cidade do Haiti. Localiza-se no sudoeste do país e é um porto no golfo de Gonaives. A população da cidade soma 2,5 a três milhões de habitantes. Foi fundada em 1749 pelos franceses.

Clima

O clima é tropical, com temperaturas quentes variando entre os 25 e 32 graus centigrados nas zonas costeiras. A época de chuvas extende-se de abril até novembro, normalmente são breves mas intensas.

Idioma

O idioma oficial é o francês, embora esteja muito extendido o créole (crioulo), mistura de francês e línguas indígenas africanas. Também está muito extendido o inglês e, pela vizinhança com a República Dominicana, o espanhol.

Fonte: www.souturista.com.br

Haiti

Capital: Port-au-Prince

Idioma: francês e creole

Moeda: gourde

Clima: equatorial

Fuso horário (UTC): -5 (-4)

Pontos turísticos

Jacmel

Antigo porto do café, constrasta a decoração colonial francesa com as praias de areia preta, e casas coloniais vitorianas transformadas em lojas e cafeterias.

Petiónville

Cidade localizada nas colinas à sudeste de Port-au-Prince, é o reduto da sociedade mais abastada do país.

Possui lojas finas e alguns dos melhores restaurantes do país.

Próximo è cidade está a Destilaria Jane Barbancourt, que produz mais de 20 tipos diferentes de rum, incluindo os de sabor de café, coco e hibiscus.

Fonte: www.geomade.com.br

Haiti

O Haiti é um país do Caribe.

A capital é Port-au-Prince.

A principal religião é o Cristianismo (sobretudo o Catolicismo), cerca de metade da população também pratica o Vodu.

As línguas nacionais são o Francês e o Crioulo.

Os nativos Índios Taino - que habitavam a ilha de Hispaniola quando foi descoberta por Colombo em 1492 - foram praticamente aniquilados pelos colonizadores Espanhóis no prazo de 25 anos. No início do século 17, os Franceses estabeleceram uma presença em Hispaniola. Em 1697, a Espanha cedeu aos Franceses o terço ocidental da ilha, que mais tarde se tornou o Haiti. A colônia Francesa, com base na silvicultura e nas indústrias conexas ao açúcar, se tornou uma das mais ricas do Caribe, mas apenas através da importação pesada de escravos Africanos e da degradação ambiental considerável. No final do século 18, quase meio milhão de escravos do Haiti revoltaram-se sob Toussaint L'Ouverture. Após uma luta prolongada, o Haiti se tornou a primeira república negra a declarar independência em 1804. O país mais pobre do Hemisfério Ocidental, o Haiti tem sido assolado pela violência política durante a maior parte de sua história.

Depois de uma rebelião armada que levou à demissão forçada e ao exílio do Presidente Jean-Bertrand Aristide em Fevereiro de 2004, um governo interino assumiu o cargo de organizar novas eleições sob a égide da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH). A violência contínua e atrasos técnicos solicitaram adiamentos sucessivos, mas o Haiti finalmente inaugurou um presidente democraticamente eleito e o Parlamento em Maio de 2006. O catastrófico terremoto de Janeiro de 2010 media 7.0 na escala Richter. Ele destruiu a maior parte de Port-au-Prince e muito da infra-estrutura da nação. Muitas agências de ajuda internacionais responderam ao desastre. O foco inicial do esforço de alívio era fornecer alimentos, abrigo e cuidados médicos para os sobreviventes do terremoto. A recuperação total do país deve levar décadas.

O Haiti é um pequeno país nas Índias Ocidentais, que ocupa o terço ocidental da ilha Caribenha de Hispaniola. No Haiti, a Citadelle Laferrière é um símbolo das aspirações das pessoas do país e de todos os povos negros de ascendência Africana no Novo Mundo. A fortaleza proibida foi construída pelo herói nacional do Haiti Henry Christophe entre 1805 e 1820. Ela foi projetada para proteger a nação recém-independente dos ataques dos colonialistas Franceses recentemente expulsos de suas praias. A longa luta pela liberdade começou como uma revolta de escravos em 1791. Ela durou até a derrota dos Franceses em 1803 e a celebração da independência do Haiti no dia primeiro de Janeiro de 1804.

A luta de sucesso pela independência marcou a primeira vez na história do Novo Mundo que os escravos negros haviam se levantado contra os colonizadores brancos e ganhado o direito de se governar de forma independente. Mas a negligência, os estragos do tempo, e um terremoto em 1842 danificaram o orgulhoso monumento de liberdade dos negros. Então, em 1979, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) colocou o local, juntamente com as ruínas do palácio de Sans Souci de Henry Christophe e o local fortificado de Ramiers, em sua Lista do Patrimonio Mundial de importantes locais culturais. Isto abriu o caminho para o financiamento internacional e a restauração das estruturas em ruínas à sua magnificência original como parte de um Parque Histórico Nacional.

Outra estrutura bem conhecida no Haiti foi o palácio do presidente na capital, Port-au-Prince. Ele foi destruído quando um forte terremoto atingiu o Haiti em 12 de Janeiro de 2010. Tanto quanto 316 mil pessoas podem ter morrido nesta tragédia. Outras 1,5 milhões perderam suas casas.

Terra

O Haiti é ainda mais montanhoso do que seu vizinho, a República Dominicana, com o qual compartilha a ilha de Hispaniola. Oitenta por cento da paisagem do Haiti é composta por cadeias de montanhas escarpadas ou planaltos elevados. A montanha mais alta da ilha é Morne La Selle no sudeste; sua elevação é de cerca de 8.800 pés (2.680 m).

Várias grandes planícies encontram-se entre as montanhas. A primeira delas é a planície Cul-de-Sac, encontrando-se a nordeste de Port-au-Prince. Bem irrigada, é a região mais produtiva do Haiti, fornecendo a maior parte da safra de açúcar do país. É a área mais densamente povoada do país.

O Haiti tem duas penínsulas de grande porte, que são separadas pelo Golfo de Gonâve. A península do sul, que tem 50 milhas (80 km) de comprimento, é a mais densamente povoada das duas. Ela aponta em direção da Jamaica. A península do norte, que é menor do que a do sul e em grande parte muito seca, aponta em direção a Cuba. Entre elas no Golfo do Gonâve fica a ilha de Gonâve. O Artibonite é o rio principal do Haiti.

O clima do Haiti é tropical. As altas diárias em Port-au-Prince, a capital, são em média de 88 °F (31 °C) em Janeiro e 95 °F (35 °C) em Julho, mas caem tão baixo quanto os 50 °F (10 °C) em regiões montanhosas do interior. Os totais de chuva são de 54 polegadas (137 cm) em Port-au-Prince e mais de 100 polegadas (254 cm) nas montanhas. A maior parte da precipitação cai durante duas temporadas de chuvas - entre Abril e Junho e novamente entre Outubro e Novembro. Furacões ocasionais causam grande sofrimento, e secas e cheias periódicas afligem a ilha.

A paisagem do Haiti traz marcas da história infeliz e pobre do povo. As outroras exuberantes florestas virgens que cobriam a ilha nos dias de Colombo agora são vistas apenas em algumas zonas de montanha inacessíveis. Em outros lugares, o país tem muitas encostas nuas ou erosão, onde os agricultores cortaram árvores para lenha ou para limpar a terra para a agricultura. Como a terra está despida de árvores, enchentes graves e a erosão do solo tornaram-se comuns no Haiti.

Mais de 1.500 Haitianos morreram ou desapareceram devido às inundações causadas pela Tempestade Tropical Jeanne, em 2004.

População

Haiti, um país de quase 10 milhões de pessoas, é o país mais densamente povoado do Hemisfério Ocidental. Seu povo também está entre os mais pobres do mundo. Apenas metade deles vivem em áreas urbanas; o restante habita em grande parte nas áreas rurais pobres. Muitos Haitianos têm migrado do campo para Port au-Prince, onde as elites ricas e educadas do Haiti têm tradicionalmente vivido. A maioria dos migrantes não encontrou as oportunidades que esperavam na capital, no entanto. Sem emprego e educação, eles tornaram-se moradores de algumas das favelas mais miseráveis do mundo. Outros Haitianos têm procurado trabalhar no exterior, nos Estados Unidos e nas Bahamas.

A maioria dos Haitianos são descendentes dos negros escravos Africanos, com os de ascendência branca e negra misturadas constituindo uma minoria tradicionalmente rica e poderosa. O Francês é a língua oficial, mas a maioria das pessoas falam um dialeto local de origem Francesa e Africana chamado Crioulo.

A história do Haiti tem sido conturbada e tumultuada, mas o povo Haitiano tem sobrevivido ao tumulto. Eles são notáveis por sua resistência e por seu freqüente humor sarcástico.

Vodu

O vodu é uma parte integrante da vida de muitos Haitianos. Esta religião foi derivada originalmente de religiões tribais dos Africanos trazidos para o Haiti como escravos. Foi a força unificadora e inspiradora do vodu que fez possível a revolta dos escravos contra os seus mestres Franceses em 1791. Em 2003, o governo Haitiano fez o vodu uma religião oficial.

Quando as religiões tribais Africanas foram misturadas no Haiti, certos deuses ou espíritos chamados loa passaram a predominar. Alguns dos loa do vodu se originaram em Hispaniola em si. Alguns são realmente santos Cristãos que foram levados para a religião. Muitos Haitianos que participam do vodu também se consideram Cristãos, e vários símbolos, cerimônias e formas exteriores do Cristianismo têm sido incorporados nos ritos do vodu. O vodu é mais mutável, menos abstrato, e menos sistemático do que as grandes religiões do mundo. As leis e crenças do vodu são não-escritas.

As cerimônias do vodu podem ser realizadas a qualquer momento quando um indivíduo ou comunidade precisa de ajuda e está disposto a pagar pelos serviços do houngan ou sacerdote. Todo o propósito de uma cerimônia de vodu é para que o participante torne-se possuído. Tendo uma convulsão emocional, o participante perde temporariamente a sua identidade terrena e assume a identidade do loa a quem ele ou ela invocou. Qual loa que acontece depende do problema do participante. Quando o participante se sente possuído pelo loa, ele ou ela está limpo de preocupações.

A posse é provocada por uma combinação de meios. A maioria das cerimônias do vodu ocorrem à noite. O escuro e lotado tonnelle, ou ponto de encontro, é iluminado por mechas flutuando no querosene. A configuração estranha ajuda a convencer o participante que ele ou ela entrou em um mundo remoto, onde tudo pode acontecer. A cerimônia começa. O bater estrondoso dos tambores, repercutidos em baterias de três, ajuda a quebrar as inibições conscientes do participante, assim como a dança e o vever, um abstrato desenho muito complicado que o houngan desenha com farinha ou cinzas no chão de barro do tonnelle.

Finalmente, o sacrifício do sangue de uma galinha, cabra, porco ou boi lembra do passado Africano, onde os sacrifícios humanos foram feitos, e a religião era uma questão de vida ou morte.

Ao longo dos anos o vodu, que é essencialmente considerado bem-intencionado, se tornou associado com a magia negra, que não carrega tais intenções benignas.

Uma rica vida cultural

Com o seu folclore tradicional por um lado, e uma elite moderna, por outro lado, o Haiti tem uma vida cultural que é surpreendentemente completa para uma nação que é tão pobre em coisas materiais.

Pintura e Escultura

A pintura e a escultura primitivas do Haiti se tornaram mundialmente famosas na década seguinte à Segunda Guerra Mundial. Antes disso, a rica herança da cultura popular do Haiti tinha sido expressa quase que inteiramente na música e na dança. Então, em 1944, um pintor Americano chamado DeWitt Peters abriu o Centre d'Art ("centro de arte") em Port-au-Prince. Este era uma escola de arte, bem como uma saída para a venda das obras dos artistas Haitianos. A decisão foi sabiamente feita para deixar os autodidatas artistas populares do Haiti desenvolverem-se em grande parte por conta própria, com um premio colocado em altos padrões de habilidade e gosto. O resultado desta política foi ajudar a desenvolver a primeira escola de artistas autodidatas em qualquer lugar.

Entre os exemplos mais impressionantes da arte resultantes estão os murais da Catedral Episcopal da Santíssima Trindade (Saint-Trinité) em Port-au-Prince. Eles foram pintados pelos artistas Haitianos Philomé Obin, Castera Bazile, Wilson Bigaud, Rigaud Benoit, e outros entre 1949 e 1951. Outros pintores conhecidos internacionalmente incluem Hector Hippolyte, líder do movimento de renascimento da Arte Africana no Caribe; André Pierre; Enguerrand Gourgue; Préfête Duffaut; Pétion Savain, Jean-René Jérome, e Bernard Séjourné. Notáveis escultores Haitianos incluem Jasmin Joseph, Georges Liautaud, Albert Mangones e A. V. Dimanche e seu filho René.

Literatura

Ao contrário de grande parte da melhor pintura do Haiti, que se inspira na arte popular primitiva, a literatura Haitiana está associada com a minoria da elite. Cerca de 77 por cento da população Haitiana é analfabeta, e quase todos só falam Crioulo, um dialeto formado principalmente do Francês e de algumas palavras e frases Africanas. (Ele também inclui elementos do Inglês, Espanhol e Holandês). O Crioulo não é uma linguagem literária e assim a literatura Haitiana é em Francês. Esforços estão em curso, no entanto, para fazer o Crioulo mais amplamente aceito como uma linguagem literária, utilizando-o como uma língua de instrução nas escolas para aumentar os níveis de literacia baixos atualmente.

O Haiti tem um grande corpo de literatura. Os primeiros escritores foram inspirados pela luta pela independência e a unidade nacional. A floração ocorreu nas décadas de 1920 e de 1930 durante a ocupação do país pelos Estados Unidos. Antes disso a escrita do Haiti tinha sido pouco mais que uma extensão da literatura Francesa. No entanto, durante a longa ocupação Americana, os intelectuais do Haiti tornaram-se recentemente conscientes de si mesmos como Haitianos. O resultado desse movimento foi uma literatura vigorosa e original. Ela incluía a poesia de Emile Roumère e de Magloire St. Aude e os romances dos irmãos Marcellin - Philippe Thoby-Marcellin e Pierre Marcellin.

Outros escritores de renome internacional incluem Oswald Durand, Jean Brierre, Félix Morisseau-Leroy, Jacques Roumain, Milo Rigoud, e René Depestre. A obra do poeta-jornalista Pierre Clitandre fez sua estréia na língua Inglêsa em 1987, com o romance épico Cathedral of the August Heat.

Economia

O Haiti é um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo. Mesmo antes do terremoto de 2010, cerca de 80 por cento de sua população viviam na pobreza. Tradicionalmente, a riqueza tem se concentrado nas mãos da pequena minoria mulata (mistura de Africano e Francês).

As culturas básicas de destaque na dieta do Haiti são o milho e o arroz, juntamente com o feijão para proteínas e alguns tomates, quiabo, e fruta-pão para variar.

Algumas culturas de mandioca, batata doce, banana e inhame também são criadas na maioria das áreas. O millet e o sorgo são importantes nas regiões secas. A carne, de cabras, porcos, aves, e ocasionalmente algumas cabeças de gado, é consumida apenas raramente em casas mais pobres.

O café é a principal cultura de rendimento e de exportação. Outras culturas de exportação incluem a cana, o sisal e o cacau. A bauxita, o minério de alumínio, é extraída e exportada quando os preços mundiais do metal estão elevados. A fabricação está em sua infância. O turismo já foi de grande importância para a economia do Haiti. Mas ele caiu acentuadamente como resultado da turbulência política e outros problemas.

O catastrófico terremoto de Janeiro de 2010 mediu 7.0 na escala Richter. A maior parte de Port-au-Prince e grande parte da infra-estrutura do país foram destruídas. Alimentos e medicamentos e outros socorros em desastres chegaram com bastante rapidez. Um ano depois do terremoto, no entanto, não muito progresso havia sido feito na reconstrução do país. A remoção dos entulhos era um problema particular. Um ambicioso plano para "reconstruir melhor" e mover muitas pessoas de distância da capital não foi realizado. Mais de um milhão de Haitianos ainda estavam vivendo em abrigos temporários. Uma epidemia de cólera deu ainda mais um golpe às pessoas do Haiti.

Economia - visão geral:

O Haiti é uma economia de mercado livre que goza das vantagens de custos trabalhistas mais baixos e acesso livre de tarifas para os EUA para muitas de suas exportações. Corrupção, pobreza e falta de acesso à educação para a maioria da população estão entre os mais graves desvantagens do Haiti. A economia do Haiti sofreu um grave revés, em janeiro de 2010, quando um terremoto de magnitude 7,0 destruiu grande parte da capital, Port-au-Prince, e áreas vizinhas. Já o país mais pobre do Hemisfério Ocidental, com 80% da população vivendo abaixo da linha de pobreza e 54% em extrema pobreza, o terremoto causado $ 7,8 bilhões em danos e causou o PIB do país a contrair 5,4% em 2010. Depois do terremoto, o Haiti recebeu 4,59 bilhões dólar em promessas internatioonal para a reconstrução, que avançou lentamente. Dois quintos de todos os haitianos dependem do setor agrícola, principalmente a agricultura de subsistência em pequena escala, e permanecem vulneráveis a danos causados por freqüentes desastres naturais, agravados pelo desmatamento do país. EUA engajamento econômico sob a Oportunidade Hemisférica Haitiana através do Incentivo Parceria (HOPE) Act, aprovada em dezembro de 2006, impulsionou as exportações de vestuário e de investimento, proporcionando acesso livre de impostos para os EUA. Congresso votou em 2010 para estender a legislação até 2020 sob a Lei de Programa Haiti Econômica Elevador (HELP), as contas de vestuário setor representa cerca de 90% das exportações do Haiti e cerca de um décimo do PIB. As remessas são a principal fonte de divisas, o que equivale cerca de 20% do PIB e mais que o dobro das receitas de exportação. Haiti sofre de uma falta de investimento, em parte por causa da infra-estrutura limitada e uma falta de segurança. Em 2005, o Haiti pagou sua dívida com o Banco Mundial, abrindo o caminho para a reinserção com o Banco. Haiti recebeu o perdão da dívida de US $ 1 bilhão por meio da iniciativa País pobres altamente endividados, em meados de 2009. O restante de sua dívida externa foi cancelada pelos países doadores após o terremoto de 2010, mas, desde então, subiu para mais de US $ 600 milhões. O governo conta com a ajuda internacional económico formal para a sustentabilidade fiscal, com mais de metade do seu orçamento anual vindo de fontes externas. A administração Martelly em 2011 lançou uma campanha destinada a atrair investimentos estrangeiros para o Haiti como um meio para o desenvolvimento sustentável.

História e Governo

A ilha Caribenha de Hispaniola, a qual o Haiti divide com a República Dominicana, foi descoberta por Cristóvão Colombo - navegando para a Espanha - em 5 de Dezembro de 1492. Por volta do século 17, Hispaniola havia se tornado um paraíso para os corsários, ou piratas, muitos dos quais eram Franceses com um ódio violento pela Espanha. Os piratas fizeram da pequena ilha de Tortuga, na costa norte de Hispaniola, seu reduto. Em 1697, quando um tratado foi assinado pela França e a Espanha que, na verdade, estabelecia a área onde os seus piratas podiam operar, à França foi dado o terço ocidental de Hispaniola, que hoje é o Haiti.

Saint-Domingue

Seguiram-se para os Francêses 90 anos de prosperidade, talvez, sem paralelo, antes ou depois no Caribe. Por volta de 1780, a colônia de Saint-Domingue, como o Haiti era então chamado, estava produzindo a maior parte do café e do açúcar para a Europa. Meio milhão de escravos negros trabalhavam os canaviais e as plantações de café. Eles estavam tão sobrecarregados e tão enfraquecidos pela doença que a cada geração, quase todo o seu número tinha de ser substituído. Os brancos, numerando cerca de 25.000 no total, administravam a colônia com eficiência implacável e colhiam lucros principescos para si mesmos.

Vivendo inquietação entre brancos e escravos estavam os mulatos, um povo livre de parentesco negro e branco misturado, e dos negros "livres". Eles tinham a liberdade de possuir a terra e ter escravos, mas eles não eram aceitos socialmente pelos brancos e não podiam exercer cargos políticos ou profissões práticas.

Revolução e Independência

A explosão inevitável no Haiti foi desencadeada pela Revolução Francesa (1789). A Constituição da França revolucionária previa que os novos e importantes direitos civis seriam estendidos aos homens livres. Os colonos brancos no Haiti se recusaram a cumprir. No final de 1790, uma força de mulatos armados marcharam sobre Cap-Haïtien (então chamada Cap-Français). A insurreição foi colocada abaixo. Os líderes mulatos foram executados no início de 1791.

Nos meses seguintes, os brancos e mulatos de Saint-Domingue manobraram uns contra os outros. Mas foram os esquecidos escravos que fizeram a revolução do Haiti, levantando-se contra seus mestres (Agosto de 1791) numa onda de matar e queimar. Anos de lutas e de mudança de alianças seguiram-se.

Os mulatos ladearam com os negros em algumas partes do Haiti e com os brancos em outras partes. Os brancos mesmos ladearam os negros em áreas onde os mulatos eram particularmente fortes. Os líderes brancos dividiram-se em facções, de apoio ou de oposição ao governo revolucionário na França. Para complicar ainda mais, a Espanha e a Grã-Bretanha entraram em guerra com a França em 1793 e enviaram tropas para Saint-Domingue. Mas no final, a Espanha e a Grã-Bretanha foram expulsas de Hispaniola, os mulatos foram derrotados, e toda a ilha foi unificada em 1801 sob o líder negro Toussaint L'Ouverture.

Pierre Dominique Toussaint L'Ouverture

Toussaint era um ex-escravo. Ele era pequeno em estatura, mas possuía a sagacidade para jogar as nações e facções uma contra a outra, e a ousadia para ganhar o controle final das forças revolucionárias no Haiti. Infelizmente ele teve, por prevalecente em Hispaniola, ganhado como inimigo não menos do que o grande líder militar Napoleão Bonaparte, que então governava a França.

Apesar de Hispaniola permanecer uma possessão Francesa, Napoleão queria o controle completo - e ele queria voltar a impor a escravidão. Ele montou uma enorme expedição militar anfíbia contra o Haiti, com seu cunhado, Charles Leclerc, no comando. Os exércitos de escravos de Toussaint foram derrotados.

Toussaint foi preso e enviado para o exílio e a prisão na França, onde ele finalmente morreu. Mas a grande vitória em Hispaniola não acrescentou nada para a França. A temida febre amarela do Caribe matou o General Leclerc e a maior parte de seu exército. Os tenentes mais confiáveis de Toussaint, Jean-Jacques Dessalines, Henry Christophe, e Alexandre Pétion, expulsaram os últimos remanescentes do exército Francês.

Em 1 de Janeiro de 1804, o ex-colônia Francesa de Saint-Domingue tornou-se a República do Haiti - a primeira nação soberana no Caribe e a segunda no Hemisfério Ocidental, depois dos Estados Unidos. Dessalines proclamou-se imperador posteriormente.

Caos político e ocupação

Dessalines conseguiu segurar o conturbado país junto, mas em 1806, ele foi assassinado. O Haiti foi dividido em um reino do norte, governado pelo líder negro Christophe, que coroou-se Rei Henrique I, e uma república do sul liderada pelo líder mulato Pétion. O Haiti foi reunido pelo mulato Jean Pierre Boyer após a morte de Christophe em 1820. Boyer, em seguida, conquistou a vizinha Santo Domingo (hoje República Dominicana) e governou toda a Hispaniola até que foi derrubado em 1844, o mesmo ano em que Santo Domingo proclamou-se independente. Os padrões de instabilidade política definidos por Pétion e Boyer têm continuado desde então.

Neste país de maioria negra e cada vez mais pobre, os negros geralmente detinham a presidência. Os mulatos controlavam o pouco do comércio e da indústria que havia e também formavam uma elite social e cultural com o monopólio da educação. Eventualmente, os mulatos controlavam a política também.

Entre 1912 e 1915, o Haiti se aproximou da anarquia quando um presidente tinha sido explodido no palácio nacional; um segundo tinha sido envenenado; um terceiro, um quarto, e um quinto tinham sido derrubados; e um sexto tinha sido morto por uma multidão enfurecida. Os Estados Unidos intervieram em 1915, começando uma ocupação de 19 anos do país.

Desenvolvimentos Recentes

Após a ocupação pelos Estados Unidos terminar em 1934, uma sucessão de presidentes da primeira raça mista (antes de 1946) e de negros posteriores governaram o país, e o caos político continuou. Em 1957, o médico negro François Duvalier, conhecido como "Papa Doc", tornou-se presidente. Em 1964, ele declarou-se presidente vitalício e em 1971, pouco antes de sua morte, ele fez uma revisão constitucional que concedia a seu filho Jean-Claude (conhecido como "Baby Doc") a sucessão.

Ambos os Duvalier foram duros ditadores, empregando os serviços brutais de uma polícia secreta conhecida como os Tontons Macoute, que é um termo Crioulo para "bicho-papão". Estimulados pela crescente crítica de violações dos direitos humanos pelos EUA, as manifestações no Haiti contra o regime de Duvalier ganharam impulso de tal forma que, em 1986, Duvalier foi forçado ao exílio. O governo militar interino prometeu um retorno à democracia, mas em Junho de 1988, o novo governo civil do Presidente Leslie F. Manigat foi derrubado em um golpe pelo General Henry Namphy, chefe das forças armadas.

Sob Namphy, os Tontons Macoute ressurgiram, e membros dos partidos da oposição e da Igreja Católica Romana foram brutalizados. A ajuda externa praticamente terminou. O Tenente-general Prosper Avril, que depôs Namphy em Setembro de 1988, impôs o estado de sítio em Janeiro de 1990 e foi forçado ao exílio em Março pela fúria dos protestos populares.

Jean-Bertrand Aristide, um ex-pároco populista apoiado pela maioria de língua Crioula, ganhou as primeiras eleições democráticas do Haiti. Ele tomou posse como presidente em Fevereiro de 1991, mas foi derrubado por um golpe liderado pelo Tenente-general Raoul Cédras em 30 de Setembro. Os líderes militares do Haiti se recusaram a ceder o poder apesar da condenação internacional, da violência crescente, e da desintegração econômica; eles instalaram Émile Jonassaint como presidente provisório em Maio de 1994.

Em 31 de Julho, o Conselho de Segurança das Nações Unidas autorizou a invasão Norte-americana do Haiti para restaurar a democracia. Em 18 de Setembro, como as forças dos EUA preparavam-se para invadir, os generais concordaram em renunciar. Tropas dos EUA desembarcaram pacificamente em 19 de Setembro. Cédras renunciou, e Aristide retornou em 15 de Outubro.

Em 1995, as forças dos EUA entregaram o poder à uma missão das Nações Unidas que supervisionou novas eleições. René Préval sucedeu Aristide como presidente em 7 de Fevereiro de 1996, e as últimas forças das Nações Unidas deixaram o Haiti em Março de 2000. Apesar dessa transição ordenada, a violência e graves problemas econômicos e políticos continuaram a assolar o país.

Na sequência da demissão do primeiro-ministro Rosny Smarth, em Junho de 1997, o governo manteve-se num beco sem saída por 21 meses, até que o Presidente Préval nomeou um novo gabinete por decreto. As eleições legislativas há muito adiadas foram realizadas em meados de 2000. O partido de Aristide obteve a maioria nas duas casas, e ele novamente assumiu a presidência em Fevereiro de 2001.

Em Janeiro de 2004, o Haiti marcou o 200º aniversário da fundação da primeira república negra do mundo, mas a situação política e econômica estava se deteriorando rapidamente. Um prolongado impasse político tinha segurado a muito necessária ajuda, os mandatos da maioria dos legisladores tinha expirado, e Aristide tinha começado a governar por decreto. Isso provocou violentas manifestações anti-Aristide e a tomada de várias cidades por grupos rebeldes armados.

Aristide fugiu para o exílio em 29 de Fevereiro de 2004, e uma força liderada pelos EUA moveu-se para restaurar a ordem. As responsabilidades de manutenção da paz foram posteriormente assumidas por uma força das Nações Unidas. Um governo de transição tomou o poder pendente de novas eleições, que foram finalmente realizadas em 2006, após sucessivos adiamentos.

O ex-presidente René Préval venceu a caótica eleição presidencial. Ele assumiu o cargo em 14 de Maio de 2006, e começou a difícil tarefa de restaurar a ordem e reconstruir a devastada economia. Seu trabalho foi complicado pelo aumento dos preços mundiais dos alimentos, que provocou tumultos na primavera de 2008. Mais tarde naquele ano, a extensa destruição de duas tempestades tropicais e dois furacões pioraram a situação já desesperada dos pobres.

Por causa do terremoto de Janeiro de 2010, as eleições presidenciais de Janeiro de 2010 foram adiadas para 28 de Novembro. Nenhum candidato conquistou a maioria. Houve alegações de fraude em nome do candidato apoiado pelo governo Jude Célestin, a quem fôra inicialmente adjudicado o segundo lugar. O segundo turno foi adiado, enquanto uma equipe de especialistas internacionais contavam os votos. Eles declararam que a ex-primeira-dama Mirlande Manigat havia vencido o maior número de votos, seguido pelo popular cantor Michel Martelly.

No segundo turno das eleições presidenciais de 20 de Março de 2011, Martelly foi o vencedor claro. Ele foi empossado como presidente em Maio. Como novo presidente do Haiti, ele enfrentou enormes desafios. A maioria dos escombros causados pelo terremoto de 2010 ainda não estavam limpados. E centenas de milhares de pessoas desenraizadas pelo terremoto ainda estavam sem casas permanentes.

Selden Rodman

Fonte: Internet Nations

Haiti

Nome oficial: República do Haiti

Capital: Porto Príncipe

Nacionalidade: haitiana

Idioma oficial: francês e crioulo

Religião: católica 68.5% (1995)

Território: 27.797 Km2

Moeda: gourde

População: 6.964.549 (2001)

População urbana: 34% (1998)

Taxa de crescimento demográfico: 1,77% ao ano (1995-2000)

PIB (em milhões de US$): 3.800 (2000)

Renda per capita: US$ 1.000

Crescimento do PIB: 1,2% (2000)

Força de trabalho: 2,3 milhões

Exportações (em milhões de US$): 186 (2000)

Importações (em milhões de US$): 1.200 (2000)

Principais cidades: Porto Príncipe (884.472 hab), Carrefour (290.204 hab), Cap-Haïtien (102.233 hab) – Dados 1996

Produção agrícola – Principais produtos: café, manga, cana-de-açúcar, arroz, banana, milho, batata-doce e arroz.

Pecuária: eqüinos, bovinos, caprinos, aves.

Produção industrial

Principais indústrias: alimentícia, siderurgia (ferro e aço), têxtil, petroquímica (plástico e borracha).

Riquezas da terra: mármore, argila e calcário.

Principais parceiros comerciais: EUA, Japão, França, Canadá, Itália e Bélgica.

HISTÓRIA

Haiti ocupa um terço da ilha Hispaniola (outros dois terços pertencem à República Dominicana). O país declarou-se independente, em 1804. Em 1822, anexou ao seu território a República Dominicana, mas em 1844 foi obrigado a devolver a soberania, pressionado pelas revoltas da população dominada. Em 1850, Faustin Soulouque proclamou-se imperador com o nome de Faustino I, mas foi deposto em 1859 por um movimento militar, seguindo-se um longo período de instabilidade política.

Em 1915, após o assassinato do presidente Vibrun Guillaue, os Estados Unidos ocuparam militarmente o país, onde ficaram até 1934, temendo que seus investimentos fossem prejudicados. A paz política voltou a ser perturbada em1946, com a derrubada do então presidente Lescot. Seguiram-se os mandatos de Dumarsais Estimé e de Pablo Eugenio Magloire. Este último renunciou, criando uma situação caótica que se estendeu até 22 de outubro de 1957, quando subiu ao poder Francisco Duvalier. Em 1964, Duvalier (que morreu em 1971) se nomeou presidente vitalício do país.

GEOGRAFIA

O Haiti ocupa o lado Oeste da ilha de Santo Domingo (a República Dominicana está na porção Leste), uma das que formam as Grandes Antilhas, no mar do Caribe. Na região Sul está o ponto mais alto do país, o Pico La Selle (2.680m).

O clima é tropical, caracterizado pela pouca variação dos termômetros nas estações do ano. A temperatura média anual é de 27ºC, e chuvas caem em maior quantidade nas zonas montanhosas.

É a nação mais pobre do continente americano e apresenta uma das mais elevadas densidades populacionais do mundo (299,27 habitantes por km2).

POLÍTICA

O país é uma República que adota a forma mista de governo e é dividido administrativamente em nove Departamentos. O presidente é eleito pelo voto direto, para mandato de 5 anos. O primeiro-ministro é indicado pelo presidente, mas seu nome deve ser ratificado pelo Congresso.

A Assembléia Nacional do Haiti (Poder Legislativo) é bicameral. O Senado é composto por 27 membros, com mandato de 6 anos, sendo 1/3 renovado a cada dois anos. A Câmara dos Deputados é integrado por 83 membros, com mandato de quatro anos.

A Constituição em vigor data de 1987.

ECONOMIA

Cerca de 75% da população haitiana vive da agricultura, que emprega dois terços da mão-de-obra do país. O setor representa 31,2% do PIB nacional, contra apenas 7,3% das indústrias.

O fracasso dos acordos com credores internacionais, no final de 1995, resultou em aumento dos gastos públicos e alta da inflação. Essa situação fez com que os potenciais investidores nacionais e internacionais ficassem à espera do que ocorreria com o novo governo e com a saída das forças de paz da ONU.

Há necessidade de o governo impor medidas econômicas impopulares para obter a ajuda do exterior e melhorar a capacidade de o Haiti atrair o capital estrangeiro. De qualquer forma, ainda continuará dependendo, a médio prazo, da ajuda internacional.

O país exporta basicamente produtos agrícolas (9%) e manufaturados leves (81,6%). Em contrapartida, importa principalmente produtos alimentícios (28,3%), bens manufaturados (21,8%), combustível e lubrificantes (10,6%) e matérias-primas (2,4%).

As relações Brasil-Haiti têm sido bastante modestas. Há muitas áreas de cooperação possível entre o Brasil e aquele país, entre as quais atividades agropecuárias, formação de sindicatos, mineração, educação à distância, metalurgia, processamento de frutas tropicais, embalagem de alimentos, criação de micro-empresas, indústria de bens de consumo, produção de artigos artesanais, irrigação, hotelaria, turismo e sistemas de transporte coletivo.

Fonte: www.portaljapao.org.br

Haiti

Haiti tornou-se república negra do mundo, liderada primeiro e o primeiro estado do Caribe independente quando jogou fora de controle colonial francês ea escravidão no início do século 19.

Mas a instabilidade crónica, ditaduras e desastres naturais deixaram-o como a nação mais pobre das Américas.

Forças de paz da ONU foram implantados em 2004 para restaurar a ordem depois de uma revolta, e mais de 10.000 funcionários uniformizados permanecer no chão. A missão tem atraído controvérsia, incluindo alegações de força excessiva.

Além disso, muitos haitianos estão lutando com o legado do terremoto de magnitude 7,0 que devastou a capital, Port-au-Prince, em janeiro de 2010. Mais de 250.000 pessoas foram mortas. Centenas de milhares de pessoas ficaram desabrigadas, e muitos deles ainda vivem em acampamentos.

Estes problemas foram agravados por uma epidemia de cólera posterior que já matou mais de 7.000 pessoas.

Bilhões de dólares em ajuda, prometeu ao Haiti depois do terremoto, têm sido lentos para chegar em meio a preocupações dos doadores sobre a corrupção.

Infra-estrutura precária é outro obstáculo para a degradação do investimento e ambiental é uma grande preocupação. Mas as autoridades têm elogiado o potencial do Haiti turismo e tem havido algum sucesso com as exportações de culturas, incluindo mangas.

Volatilidade política, a agitação civil e criminalidade colocam sérios desafios ao desenvolvimento. E a diferença enorme riqueza entre a maioria pobre crioulo de língua negra ea minoria francófona permanece sem solução.

Com o desemprego a correr em torno de 40%, muitos haitianos busca de trabalho e uma vida melhor em os EUA ou outros países do Caribe, incluindo a vizinha República Dominicana, que é o lar de centenas de milhares de imigrantes haitianos.

"Dívida da independência"

Independência do Haiti veio com um custo. Ele teve que pagar indenizações à França, que exigia uma compensação para os proprietários de escravos. O século 19 "dívida da independência" não foi pago até 1947. Houve apelos recentes para França para devolver o dinheiro.

Entre 1915 e 1934, os EUA ocuparam o Haiti com o objetivo de proteger os ativos americanos e decorrentes influência alemã na região.

Haiti alcançou notoriedade a partir da década de 1950, durante as ditaduras brutais do vodu médico François "Papa Doc" Duvalier e seu filho, Jean-Claude, ou "Baby Doc". Dezenas de milhares de pessoas foram mortas sob seu governo de 29 anos.

O país mudou para a democracia na década de 1990, mas os golpes e rebeliões continuaram a atormentar a vida política. Duas vezes presidente Jean-Bertrand Aristide, ex-padre, foi derrubado por um golpe militar 1990 e, novamente, por uma revolta popular em 2004.

Uma cronologia dos principais eventos:

1492 - Cristóvão Colombo terras e nomes da Ilha Hispaniola, ou Little Espanha.

Haiti
O ex-escravo Jean-Jacques Dessalines foi o primeiro governante independente do Haiti

1496 - Espanhol estabelecer colonização européia no primeiro hemisfério ocidental em Santo Domingo, capital da agora República Dominicana.

1697 - Espanha cede parte ocidental da Hispaniola para a França, e isso se torna Haiti, ou terra de montanhas.

1801 - Um ex-escravo negro que se tornou um líder guerrilheiro, Toussaint Louverture, conquista Haiti, abolindo a escravatura e proclamar-se governador-geral de um governo autônomo sobre toda a Hispaniola.

1802 - força francesa liderada por Napoleão irmão-de-lei, Charles Leclerc, não para conquistar interior do Haiti.

Independência

1804 - Haiti torna-se independente, o ex-escravo Jean-Jacques Dessalines declara-se imperador.

1806 - Dessalines assassinado e Haiti dividida em um norte-negro controlada e um mulato governado sul

1818-1843 - Pierre Boyer unifica Haiti, mas exclui os negros do poder.

1915 - EUA invadem o Haiti após mulato-negro atrito, o que ele pensou em perigo os seus bens e investimentos no país.

1934 - EUA retira tropas do Haiti, mas mantém o controle fiscal até 1947.

Ditaduras Duvalier

1956 - Voodoo médico François "Papa Doc" Duvalier toma o poder no golpe militar e é eleito presidente um ano depois.

1964 - Duvalier declara-se presidente vitalício e estabelece uma ditadura com a ajuda da milícia Tontons Macoutes.

1971 - Duvalier morre e é sucedido por seu filho de 19 anos de idade, Jean-Claude, ou "Baby Doc", que também declara-se presidente vitalício.

1986 - Baby Doc foge Haiti na sequência de montagem descontentamento popular e é substituído por Henri Namphy tenente-general como chefe de um conselho de governo.

1988 - Leslie Manigat se tornar presidente, mas é deposto em um golpe de Estado liderado pelo brigadeiro-general Prosper Avril, que instala um governo civil sob controlo militar.

Golpe de Estado, Democracia e intervenção

1990 - Jean-Bertrand Aristide eleito presidente em primeiro Haiti urnas livres e pacíficas.

1991 - Aristide deposto em um golpe de estado liderado por Raoul Cedras brigadeiro-general, provocando sanções por os EUA ea Organização dos Estados Americanos.

1994 - regime militar abandona poder em face de uma invasão dos EUA iminente; forças dos EUA supervisionar uma transição para um governo civil; retorno de Aristide.

1995 - Tropas da ONU começam a substituir as tropas dos EUA; partidários de Aristide ganhar eleições parlamentares

René Préval, do Lavalas de Aristide partido, é eleito em dezembro para substituir Aristide como presidente.

1997-1999 - impasse político grave; novo governo nomeado.

1999 - Preval declara que o termo parlamento expirou e começa a decisão por decreto após uma série de desentendimentos com deputados.

Segundo mandato de Aristide

De novembro de 2000 - Aristide presidente eleito para um mandato não consecutivo, em meio a denúncias de irregularidades.

Julho de 2001 - O porta-voz presidencial acusa ex-oficiais do exército de tentar derrubar o governo depois de homens armados atacam três locais, matando quatro policiais.

De dezembro de 2001 - 30 homens armados tentam aproveitar o Palácio Nacional, em uma tentativa de golpe aparente; 12 pessoas são mortas no ataque, que o governo acusa os membros do exército anteriores.

Julho de 2002 - Haiti é aprovado como membro de pleno direito da Comunidade do Caribe (Caricom) bloco comercial.

Abril de 2003 - Voodoo reconhecido como uma religião, a par com outras religiões.

2004 Janeiro-Fevereiro - Celebrações marcam os 200 anos de independência por sua vez, em revolta contra o presidente Aristide, que é forçado a se exilar. Um governo interino assume.

2004 Maio - graves inundações no sul, e em partes da vizinha República Dominicana, deixam mais de 2.000 mortos ou desaparecidos.

Junho de 2004 - forças de paz da ONU chegar primeiro, para assumir funções de segurança da força norte-americana e para ajudar os sobreviventes da inundação.

Julho de 2004 - Os doadores internacionais comprometem mais de US $ 1 bilhão em ajuda.

Setembro de 2004 - Cerca de 3.000 mortos em inundações no norte, na esteira da tempestade tropical Jeanne.

L comeu 2004 - Os crescentes níveis de violência política e de gangues mortal na capital; gangues armadas leais ao ex-presidente Aristide diz-se ser responsável por muitas mortes.

Abril de 2005 - proeminente líder rebelde Ravix Remissainthe é morto pela polícia na capital.

Julho de 2005 - O furacão Dennis mata pelo menos 45 pessoas.

Fevereiro de 2006 - As eleições gerais, o primeiro desde o ex-presidente Aristide foi deposto em 2004. René Préval é declarado vencedor da eleição presidencial depois que um acordo seja alcançado sobre os boletins de voto nulos.

Junho de 2006 - Um governo democraticamente eleito liderado pelo primeiro-ministro Jacques-Edouard Alexis toma posse.

Setembro de 2006 - Lançamento de um esquema da ONU prazo para desarmar membros de gangues, em troca de subsídios, formação profissional.

Outubro de 2006 - EUA levanta parcialmente um embargo de armas, imposto em 1991.

2007 Janeiro - As tropas da ONU lançar nova ofensiva dura contra gangues armadas em Cité Soleil, uma das favelas maiores e mais violentos da capital.

2008 Abril - motins da fome. Governo anuncia plano de emergência para cortar o preço do arroz em tentativa de deter a agitação. Parlamento rejeita o primeiro-ministro Alexis.

Maio de 2008 - EUA e Banco Mundial anuncia ajuda alimentar adicional, totalizando 30m de dólares.

Em resposta ao apelo do presidente Preval para mais polícia para ajudar a combater a onda de seqüestros-para-resgate, o Brasil compromete-se a aumentar a sua força de manutenção da paz.

As tempestades tropicais

2008 Agosto / Setembro - Cerca de 800 pessoas são mortas e centenas ficam feridas como Haiti é atingido por uma série de tempestades e furacões devastadores.

De setembro de 2008 - Michele Pierre-Louis sucessor de Jacques-Edouard Alexis como primeiro-ministro.

2009 Maio - O ex-presidente dos EUA Bill Clinton nomeado enviado especial da ONU para o Haiti.

De julho de 2009 - O Banco Mundial eo Fundo Monetário Internacional cancelar US $ 1,2 bilhão da dívida do Haiti - 80% do total - depois de julgá-lo por ter cumprido a reforma económica ea condições de redução da pobreza.

Outubro-Novembro 2009 - Jean-Max Bellerive, torna-se primeiro-ministro depois que o Senado passa moção de censura contra o seu antecessor, Michelle Pierre-Louis.

De janeiro de 2010 - Até 300.000 pessoas são mortas quando um terremoto de magnitude 7,0 atinge a capital Port-au-Prince e sua vasta região - o pior no Haiti em 200 anos.

EUA assume o controle do principal aeroporto para garantir a chegada ordenada de voos de ajuda.

Março de 2010 - Doadores internacionais prometem US $ 5,3 bilhões para reconstrução pós-terremoto em uma conferência de doadores na sede da ONU.

2010 Julho - raiva Popular cresce sobre o ritmo lento da reconstrução de seis meses após terremoto.

2010 Outubro - Execute-se a presidenciais, eleições parlamentares devido em 28 de Novembro. A preocupação com a exclusão de candidatos populares.

Protestos

Outubro-Dezembro 2010 - Surto de cólera reivindica cerca de 3.500 vidas e triggers protestos violentos. A fonte do surto é pensado para ser um acampamento para recém-chegados soldados da ONU.

2010 Novembro - Eleições presidenciais e parlamentares.

Dezembro de 2010 - Anúncio da inconclusivos resultados provisórios das eleições presidenciais desencadeia protestos violentos.

2011 Janeiro - O ex-presidente Jean-Claude Duvalier retorna do exílio, enfrenta a corrupção e acusações de direitos humanos de abuso.

2011 Março - Michel Martelly vence segundo turno das eleições presidenciais.

2011 Julho - Número de mortos da epidemia de cólera sobe para quase 6.000.

2011 Outubro - O presidente Martelly nomeia especialista em desenvolvimento da ONU Garry Conille como seu primeiro-ministro, depois que o Parlamento rejeitou seus dois candidatos anteriores.

2012 Janeiro - Presidencial Martelly propõe reviver o exército do Haiti, que foi dissolvida em 1995 por seu papel em golpes e sua história de abusos dos direitos humanos.

2012 Fevereiro - O primeiro-ministro Garry Conille renuncia em protesto contra a recusa de muitos de seus ministros e da administração presidencial para cooperar com um inquérito parlamentar sobre a dupla cidadania entre os altos funcionários.

2012 Maio - Parlamento aprova ministro das Relações Exteriores Laurent Lamothe como primeiro-ministro.

2012 Outubro - Centenas de protesto contra o alto custo de vida e pedir a renúncia do presidente Martelly. Eles acusam o presidente de corrupção e de falta de entrega de suas promessas de aliviar a pobreza.

2012 novembro - O furacão Sandy causar danos às culturas extensa e deixa pelo menos 20 mil pessoas desabrigadas, agravando a epidemia de cólera.

Fonte: news.bbc.co.uk

Haiti

Nome oficial: República do Haiti (République d'Haïti/Repiblik Dayti).

Nacionalidade: haitiana.

Data nacional: 1º de janeiro (Independência).

Capital: Porto Príncipe.

Cidades principais: Porto Príncipe (884.472), Carrefour (290.204), Cap-Haïtien (102.233) (1996).

Idioma: francês e crioulo (oficiais).

Religião: cristianismo 92,6% (católicos 68,5%, protestantes 24,1%), outras 7,4% (1995).

Geograifia

Localização: América Central, mar do Caribe. 
Hora local: -2h. 
Área: 27.400 km2. 
Clima: tropical.

População

Total: 8,2 milhões (2000), sendo afro-americanos e eurafricanos 96%, europeus meridionais 3%, outros 1% (1996). 
Densidade: 299,27 hab./km2. 
População urbana: 34% (1998).
População rural: 66% (1998).
Crescimento demográfico: 1,7% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 4,38 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 51/56 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 68 por mil nascimentos(1995-2000). 
Analfabetismo: 51,4% (2000). 
DH (0-1): 0,440 (1998).

Política

Forma de governo: República com forma mista de governo. 
Divisão administrativa: 9 departamentos subdivididos em distritos e comunas. 
Principais partidos: Organização do Povo em Luta (OPL), Movimento da Organização do País (MOP), Família Lavalas (FL). 
Legislativo: bicameral - Senado, com 27 membros (1/3 renovável a cada 2 anos); Câmara dos Deputados, com 83 membros. Ambos eleitos por voto direto para mandatos de 6 e 4 anos, respectivamente. 
Constituição em vigor: 1987.

Economia

Moeda: gourde. 
PIB: US$ 3,9 bilhões (1998). 
PIB agropecuária: 30% (1998). 
PIB indústria: 20% (1998). 
PIB serviços: 50% (1998). 
Crescimento do PIB: -1,7% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 410 (1998). 
Força de trabalho: 3 milhões (1998). 
Agricultura: Os principais são o café, cana-de-açúcar, banana, milho, batata-doce e arroz. 
Pecuária: eqüinos, bovinos, caprinos, aves. 
Pesca: 5,6 mil t (1997). 
Mineração: mármore, argila, calcário. 
Indústria: alimentícia, siderúrgica (ferro e aço), têxtil, petroquímica (plástico e borracha). 
Exportações: US$ 175 milhões (1998). 
Importações: US$ 797 milhões (1998). 
Principais parceiros comerciais: EUA, Japão, França, Canadá, Itália e Bélgica.

Defesa

Gastos: US$ 47 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Haiti

História

Após a sua descoberta, a ilha em que se baseia a República do Haiti foi nomeado Hispaniola.

Este é o século XVII, sob a liderança de Colbert, que a França impôs a sua presença na ilha, tendo os espanhóis gradualmente o controle da parte ocidental. A economia foi na época da escravidão (os primeiros escravos negros foram importados no início do século XVI).

Este sistema gerou distúrbios que levou, em 1791, a revolta dos negros, liderado pelo Haiti geral Toussaint L'Ouverture. Em favor da Revolução Francesa, os rebeldes obtiveram satisfação. Um decreto da Convenção aboliu a escravidão em 1794. Toussaint então reuniram-se para o governo francês, antes de mostrar, em 1801, a sua intenção de estabelecer uma república negra do Haiti. Em 1802, ele foi preso pelos franceses e morreu em cativeiro um ano depois.

A ideia de independência sobreviveu Toussaint Louverture, desde 1804, um outro Black, Jean-Jacques Dessalines, expulsaram os franceses proclamou a independência da ilha de Hispaniola, que se tornou o Haiti, e levou o título Imperador (Jacques I).

Após o assassinato de Dessalines em 1806, o país foi dividido em dois: o norte, um reino governado por Henri Christophe, uma república sul governado por Alexandre Pétion Sabes disse.

Pétion sucessor, Jean-Pierre Boyer, conseguiu reunificar as duas partes da ilha, em 1822. Em 1844, o Oriente foi finalmente se separaram e se tornou República de Santo Domingo, enquanto o Ocidente tornou-se república do Haiti.

A primeira vez na história do Haiti foram difíceis, marcados por lutas de poder intratáveis entre negros e mulatos. Ainda financeiramente dependente de França, Haiti não foi capaz de estabilizar politicamente. Problemas agrários gerou, em 1844, um camponês de grande porte, chamados de "pólos", que foi brutalmente reprimida. Em 1849, Faustin Soulouque, um homem negro, proclamou-se imperador (Faustin I) e iniciou uma forte repressão contra os mulatos. Ele reinou despoticamente o país por 10 anos, antes de ser derrubado em 1859 por Nicolas mulato Geffrard, que restaurou a república e governou o país até 1867.

Até 1910, o país, governado exclusivamente por mulatos, desfrutou de um período de relativa prosperidade. O Estados Unidos , já está presente na República Dominicana, em seguida, começou a se interessar por esta ilha promissor militarmente e ocuparam o Haiti 28 de julho de 1915. Eles permaneceram lá até 1934.

Sob a ocupação norte-americana, o Haiti voltou temporariamente para a estabilidade, mas ao preço de agitação social que promoveria a ascensão ao poder dos militares. Washington estabelecer um governo sob a sua vontade e prometeu em troca de fornecer assistência ao país política e economicamente.

Em 1918, os americanos suprimida no sangue de uma revolta camponesa (mais de 15 000 mortes). A hostilidade da população para o ocupante cresce, e levou, em agosto de 1934, a saída dos americanos. Haiti não tinha, no entanto, terminou com a influência americana. O fim da ocupação, juntamente com o impacto da crise econômica global, e gerou um retorno à tendência de instabilidade e ditatorial incentivou alguns.

Chegou ao poder em um golpe de Estado em agosto de 1945, Dumarsais Estime foi derrubado em novembro de 1949 por uma junta militar. Poder permaneceu nas mãos do exército até setembro de 1957, quando François Duvalier (conhecido como "Papa Doc"), um ex-membro da estimativa do governo, foi eleito presidente.

Eleito com o apoio dos negros, que viram nele a meios para lutar contra a elite mulata, Duvalier imposta imediatamente política extremamente repressiva (proibição de partidos da oposição, a criação do estado de sítio, 02 de maio de 1958) e recebeu autorização do Parlamento para governar por decreto (31 de Julho de 1958).

O regime de Duvalier foi baseada em uma milícia paramilitar, os Voluntários de Segurança Nacional, apelidado de "Tonton Macoutes", que espalhou o terror nas fileiras da oposição e conseguiu sufocar qualquer resistência. Duvalier dissolveu o Parlamento em 8 de abril de 1961, os Estados Unidos suspenderam a sua ajuda em desaprovação.

Confrontado com a oposição de uma parte do exército (uma conspiração militar foi frustrada 19 abril de 1963) e os exilados haitianos que tentaram várias vezes desde a República Dominicana, uma revolta popular, fortalecida Duvalier repressão. Em 1964, declarou-se presidente vitalício e engajados com o Tonton Macoutes, uma campanha sangrenta contra adversários (2.000 execuções em 1967).

Duvalier não deixou nada ao acaso: em janeiro de 1971, a Assembleia Nacional alterou a Constituição para permitir que ele a nomear seu filho, Jean-Claude, como seu sucessor. Com a morte do ditador, 21 de abril de 1971, Jean-Claude Duvalier ascendeu, assim, a Presidência da República. Ele tinha 19 anos (daí o apelido de "Baby Doc"). Ele começou aplicando textualmente a política de seu pai, antes de iniciar uma liberalização tímida.

A repressão ea pobreza extrema em que o regime manteve o povo provocou, desde o final de 1970, o êxodo do povo do Haiti, para a Flórida e as Bahamas, em particular. Em 1986, uma revolta popular, derrubou Jean-Claude Duvalier, que se refugiaram no sul da França.

O fim da era Duvalier não significa o fim da ditadura. Imediatamente depois de sua partida, uma junta militar liderada pelo general Henri Namphy resolvido no poder. A eleição de Leslie Manigat como Presidente da República, em 1988, foi um interlúdio antes de outro golpe militar do general Namphy (junho), ele próprio substituído em setembro pelo general Prosper Avril. No poder até 1990, foi confrontado com novas revoltas. Sua renúncia abriu o caminho para as eleições sob supervisão internacional, e uma aparência de normalização da vida política.

Jean-Bertrand Aristide, um padre católico que foi um defensor dos pobres, ganhou uma brilhante vitória em dezembro de 1990. Sua adesão à presidência da República devolveu esperança ao povo haitiano, mas em setembro de 1991, ele foi derrubado por um golpe militar e se refugiou nos Estados Unidos.

Como para as milhares de pessoas de barco haitiano tentam chegar aos Estados Unidos, eles foram em sua maioria reprimidos pela Guarda Costeira dos EUA.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) ea Organização das Nações Unidas (ONU) decretou sanções contra o novo regime militar do general Raoul Cedras. O país foi submetido a um bloqueio econômico a partir de 1993. A situação alimentar e saúde deteriorou-se, e as negociações para o retorno de Aristide se arrastou.

Finalmente, os Estados Unidos decidiram uma intervenção militar. As tropas norte-americanas desembarcaram no Haiti em 19 de Setembro de 1994. A junta militar teve de deixar o Governo eo Presidente Aristide foi restabelecida em outubro de 1994. Seu mandato, porém, tocou o seu fim ea Constituição não permite que ele seja executado em um segundo. Eleito em Dezembro de 1995, o ex-primeiro-ministro René Préval tomou posse em Fevereiro de 1996.

Em fevereiro de 2001, Jean-Bertrand Aristide foi novamente reeleito para o Haiti, mas o país, além de terminar mais em crise e violência. Ele deve renunciar e deixar o Haiti 29 de fevereiro de 2004 a procurar refúgio na África do Sul, acusado de corrupção e tráfico de drogas. Ele foi substituído por Boniface Alexandre após o golpe militar.

Em fevereiro de 2006, o ex-presidente René Préval, perto de Jean-Bertrand Aristide ganhou a eleição presidencial depois de uma tempestade.

Geografia

Haiti consiste em duas penínsulas separadas pelo Golfo de Gonâve. Gonâve é a maior das ilhas ao largo das suas costas, Turtle Island, famoso refúgio de piratas no século XVII, está localizado no norte, na costa de Port-de-Paix, ea ilha Vaca no sudoeste, no Mar do Caribe, ao largo das Cayes.

O país tem um terreno muito acidentado. É principalmente montanhoso, com enorme leste-oeste, separadas por vales estreitos. O pico mais alto da ilha está localizada no Maciço de la Selle, que se eleva a 2.640 m. O serras margeando o litoral em quase toda parte, muito cortado. Os rios são difíceis de navegar, mas o principal deles, Artibonite, em parte. O país tem dois grandes lagos perto da fronteira dominicana.

O clima é tropical. A estação chuvosa se estende de abril a junho e de outubro a novembro. A costa oeste ea ilha de La Gonave desfrutar de um clima quente e seco, com uma temperatura média de 27 ° C e as variações térmicas são muito pequenas entre o verão eo inverno. As montanhas ao sul e ao norte, e as planícies costeiras estreitas experimentando um clima mais frio e úmido.

Companhia

População do Haiti está estimada em 6,70 milhões. Cerca de 74% da população vive em áreas rurais. Quase todos os haitianos (95%) são descendentes de escravos negros, o resto da população constituída de mulato (a partir de uma mistura entre Africano e francês). A rivalidade entre estas duas comunidades têm influenciado fortemente a vida política desde a independência.

Haiti é dividida em nove departamentos dirigidos por um prefeito nomeado pelo governo. A capital, Port-au-Prince, é de longe a maior cidade do país, com 1,1 milhões de habitantes. Outras cidades, embora menores, são Cap-Haitien, no norte, Les Cayes, Gonaives sul e oeste. A Constituição de 1987 reconhece o francês eo crioulo haitiano como as duas línguas oficiais do país.

Governo e Política

A constituição que rege a vida política do Haiti remonta ao pós-Duvalier. Após a queda do ditador, uma nova Constituição foi aprovada por referendo em Março de 1987. O Presidente é eleito por sufrágio universal para um mandato de cinco anos. Ele escolhe o primeiro-ministro dentro do partido que detém a maioria no Parlamento.

O parlamento bicameral inclui uma Câmara dos Deputados de 77 membros e um Senado de 27 membros, ambos eleitos por sufrágio universal. O sistema judicial está praticamente paralisado. Ele inclui os tribunais cíveis, tribunais de magistrados, vários tribunais de recurso e Supremo. O presidente nomeia os juízes e tem o direito de perdão.

Economia

O Haiti é um dos países mais pobres do mundo e uma grande parte de sua população sobrevive em condições muito precárias.

Afetada por secas e tempestades, a agricultura do Haiti (65% dos ativos) não é tão eficiente quanto poderia ser, campanhas superpopulação resultaram em esgotamento do solo e erosão.

A maioria das fazendas são pequenas fazendas familiares, onde praticam a agricultura de subsistência (milho, mandioca, batata-doce, feijão, arroz, banana), grandes fazendas que fornecem poucos produtos exportáveis: café, cana de açúcar, sisal, cacau, tabaco, coco e algodão.

Pesca continua a ser muito tradicional e madeira utilizada para a fabricação de produtos artesanais (máscaras, esculturas) destinados principalmente para a exportação.

A moeda nacional é a cabaça, que é dividido em 100 cêntimos.

Fonte: www.americas-fr.com

Haiti

História do Haiti

O HAITI QUER RENASCER

A primeira nação das Américas a abolir a escravidão clama por ajuda. Mais de 80% do povo vive abaixo da linha da pobreza.

A convite da ONU, nossos soldados estão lá para ajudar a população a encontrar algo há muito perdido: a paz

A miséria corrói o Haiti de ponta a ponta. A foto desta página mostra um flagrante das ruas de Porto Príncipe, a capital. Se essa é uma cena comum na cidade que, teoricamente, deveria ser o centro financeiro do país, como é a situação nas outras localidades mais distantes? Os dois milhões de habitantes de Porto Príncipe vivem cercados por lixo.

O órgão que deveria removê-lo faliu faz tempo. Água potável é artigo de luxomiséria corrói o Haiti de ponta a ponta. A foto desta página mostra um flagrante das ruas de Porto Príncipe, a capital. Se essa é uma cena comum na cidade que, teoricamente, deveria ser o centro financeiro do país, como é a situação nas outras localidades mais distantes?

Os dois milhões de habitantes de Porto Príncipe vivem cercados por lixo. O órgão que deveria removê-lo faliu faz tempo. Água potável é artigo de luxo por ali.

Quem não pode pagar para têla, lava a comida, o corpo, a roupa... no esgoto que corre a céu aberto. E os especialistas da política internacional observam que a situação deve piorar muito mais por lá. E pensar que tudo poderia ser diferente...

Ao avistar as caravelas de Cristóvão Colombo invadindo o golfo da ilha de Quisqueya, naquela manhã de dezembro de 1492, os índios aruaques e caraíbas não imaginavam que ali surgiria a primeira nação americana a conquistar a independência e a pôr fim à escravidão. Menos ainda que, depois disso, teriam uma História trágica marcada por miséria, guerras civis, furacões e doenças (entre elas a aids).

Nação de desempregados

Haiti
Desde o ano passado, uma tropa de 1.400 soldados brasileiros atua no país em nome da paz e da ordem

Para homenagear os reis da Espanha, que financiaram a viagem que o levou a descobrir a América, Colombo chamou de Ilha Hispaniola aquela região do planeta. Depois foi rebatizada de São Domingos.

Hoje, considerada a segunda maior ilha das Grandes Antilhas (com 96% da população de negros), abriga dois países: a República Dominicana, em dois terços de suas terras, e o Haiti, no terço restante.

Visto no mapa, o Haiti tem a forma da cabeça de um caimão - um pequeno crocodilo comum na região -, com a boca aberta.

O norte do país é banhado pelo Oceano Atlântico (ver mapa); o sul, pelo Mar do Caribe, e o oeste, pela Passagem de Sotavento. A leste, faz fronteira com a República Dominicana. As principais cidades são Carrefour, Delmas e Cap-Haïtien.

Embora seja o francês a língua oficial, só é falado por 20% da população. A maioria se expressa com o creole, mistura de francês antigo, espanhol, inglês e dialetos africanos. Quase 70% dos haitianos estão desempregados. A renda per capita do país é de 400 codólares, algo em torno de 1.100 reais. Adultos alfabetizados não passam de 45%. Quanto à religião, 80% se declaram católicos e 16%, protestantes - no entanto, mais da metade dos haitianos também pratica o vodu, crença inspirada em rituais africanos.

A rebelião dos escravos

Por que o francês é o idioma oficial do Haiti?

A explicação é simples: em 1697, a Espanha entregou aos vizinhos europeus a parte oeste da ilha de São Domingos, onde está o país. Não demorou muito tempo para a França tornar as recém-adquiridas terras na mais próspera colônia da América. Ali produzia e exportava café, cacau, algodão e açúcar.

Na passagem dos séculos 18 para 19, mais de meio milhão de escravos negros labutam nas plantações e engenhos de São Domingo sob o domínio de apenas 30 mil brancos e mestiços.

Até que, em 1789, na França, os miseráveis uniram-se e fizeram a Revolução Francesa. A revolta na França influenciou a História do Haiti.

Logo, o país foi palco da maior rebelião negra da História e os escravos tornam-se os primeiros a conquistar a liberdade, nas Américas. Dois anos depois, Toussaint Bréda, um ex-escravo que depois passou a se chamar Toussaint L'Ouverture,torna-se governador geral. Mas os franceses logo interrompem os sonhos revolucionários haitianos. Derrubam o governador e o deportam para Paris, onde foi morto nos calabouços de Napoleão. E prendem os outros líderes.

Assim que reconquistaram a liberdade, os revolucionários voltaram à ativa.

E tornaram-se cruéis como seus feitores: invadiram casas, massacraram famílias inteiras de fazendeiros e envenenaram a água para exterminar pessoas e animais.

Como resposta, as tropas formadas por franceses e espanhóis queimaram vivos muitos rebelados. Para vingá-los, os revolucionários enforcaram centenas de soldados e civis.

O sangue jorrou durante anos nos confrontos dos negros contra franceses e espanhóis. Até que, em 31 de dezembro de 1803, os haitianos comemoram grande vitória. Sob a proteção da Inglaterra, Jacques Dessalines declara a independência do país, o rebatiza com o nome indígena de Haiti (que significa "terra da montanha") e se proclama imperador.

Repressão sangrenta

Da segunda metade do século 19 ao início do século passado, 20 presidentes se sucederam no poder do Haiti. Desses, 16 foram assassinados ou depostos. Em 1915, os Estados Unidos invadiram o país, sob pretexto de defender interesses próprios na ilha. E só foram embora em 1934.

No fim dos anos 50, o médico François Duvalier, conhecido como Papa Doc, é eleito presidente do Haiti e não demora a revelar-se um feroz ditador.

Esquadrões da morte instauram no país um regime de terror.

Assassinaram opositores e perseguiram a Igreja Católica. Em 1964 acontece o golpe fatal: com a ajuda da sangrenta guarda pessoal, conhecida como tontons macoutes (bichos-papões), Papa Doc passa a se autodenominar presidente vitalício. Ele ficou no poder até sua morte, em 1971. Mas nem assim os haitianos livraram-se da tirania dos Doc.

O poder foi para as mãos de Jean- Claude Duvalier, o Baby Doc, filho de Papa, cujo "reinado" durou 15 anos. E só terminou quando ele decretou estado de sítio para conter os protestos contra o governo que chefiava. Irada, a população expulsou a família Duvalier do país.

Boicotado pelos países ricos, o Haiti conhece o extremo empobrecimento. Em 1990, o padre Jean-Bertrand Aristide foi eleito presidente. Cinco meses depois, é derrubado por um golpe militar. Após três anos, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Organização das Nações Unidas (ONU) impõem novas sanções econômicas ao país. Os militares são forçados a permitir a volta de Aristide ao poder para estancar o êxodo de refugiados, realizar os ajustes econômicos exigidos pelo FMI e a promover eleições.

Apoio dos brasileiros

Nesse meio tempo, parte do Haiti é devastado por um furacão e o Congresso dos Estados Unidos veta o envio de dinheiro para minimizar a tragédia. Aristide cobra da França uma indenização de 20 bilhões de dólares pelos 107 anos de escravidão sofrida pelo povo. Mas não recebe um tostão.

Acusado pela oposição de manipular as eleições de 2000, Aristide enfrenta três anos de protestos e a crise se torna incontrolável. Em 2004, conflitos armados eclodiram pelo país. Sem forças para controlar a situação, Aristide foge para a África do Sul. Assim, o poder vai para as mãos de Bonifácio Alexandre, presidente da Suprema Corte.

Por considerar a situação uma "ameaça à paz e à segurança da região", a ONU estabelece a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti. Com o objetivo de garantir a ordem, 6.700 soldados de diversas nações - entre elas Brasil, Canadá, Chile e França - estão até hoje nas ruas daquele país.

Ao aceitar o convite para capitanear as forças de paz, o Brasil tenta provar que está apto a ocupar uma vaga no Conselho de Segurança, grupo de elite da ONU. E, de certa forma, tem o apoio do Haiti. Lá também o futebol é a paixão.

Para os haitianos, Ronaldos e Roberto Carlos são deuses e, conseqüentemente, os 1.400 militares brasileiros, bem tratados por eles. Mas muitos criticam a missão brasileira. O deputado federal Fernando Gabeira, do PV, integra a lista. "Se o Brasil quiser ajudar o Haiti é melhor mandar sementes em vez de tanques", diz.

Ajuda verde-e-amarela Já Antônio da Silva Pinto, subsecretário de Planejamento da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), que esteve no Haiti, em dezembro, durante a visita do ministro Celso Amorim, das Relações Exteriores, garante: "O Brasil não está lá como uma tropa de Exército, mas para realizar trabalhos de solidariedade".

A Seppir promoverá este ano um show com grandes nomes da música brasileira que terá como ingresso materiais escolares - tudo será encaminhado ao Haiti. "A educação é decisiva no processo em que se encontra o país", completa Antônio.

A música de Caetano e Gil sugere que a gente reze pelo Haiti. Quem sabe nossas orações ajudem para que a paz seja semeada por lá e tragam nossos meninos de volta pra casa.

Fonte: racabrasil.uol.com.br

Haiti

Nome oficial: República do Haiti

Organização do Estado: República presidencialista

Capital: Porto Príncipe

Área: 27,750 Km2

Maiores cidades: Porto Príncipe, Jacmel, Gonaïves e Cap Haïtien

População (2005): 8,121 milhões

Unidade monetária: Gourde

Geografia e População

O Haiti ocupa o oeste da ilha de Hispaniola (a República Dominicana situa-se na porção oriental da ilha), no mar do Caribe. Seu relevo é montanhoso e a agricultura é a base da economia. É a nação mais pobre do continente americano e apresenta uma das mais elevadas densidades populacionais do mundo.

O Haiti apresenta duas planícies montanhosas, que fecham o Golfo de Gonaives e são separadas por vales e outras planícies. A região sul é montanhosa, e lá está localizado o ponto mais alto do país, o Pico La Selle.

O rio mais importante de todo o território haitiano é o Artibonite, que se origina na península do norte. Seu clima é tropical, caracterizado pela pouca variação de temperatura nas estações do ano. A temperatura média anual gira em torno de 27ºC e chuvas caem em maior quantidade nas zonas montanhosas.

Os idiomas adotados no Haiti são o francês e o créole. Noventa e cinco porcento da população é negra, sendo os 5% restantes mulatos e brancos. Ainda que haja uma força de trabalho estimada em 3,6 milhões, há escassez de mão-de-obra qualificada, e o índice de analfabetismo é de 47,1%. O Haiti sofre com uma altíssima taxa de desemprego e subemprego; mais de dois terços da população em empregos informais.

Sistema Político

Em fins de 2003, um movimento unindo partidos políticos oposicionistas, organizações civis e o setor privado começou a clamar pela renúncia do Presidente Aristide. A despeito de várias iniciativas diplomáticas da CARICOM e da Organização dos Estados Americanos, uma rebelião armada eclodiu em fevereiro de 2004. Na iminência de um banho de sangue, Aristide partiu para o exílio.

Em 31 de janeiro de 2004, a Comunidade Caribenha (CARICOM) ofereceu-se como mediadora e apresentou um Plano de Ação Preliminar. Tal Plano, que contava com a concordância de Aristide, previa reformas amplas, incluindo um novo gabinete. A oposição, no entanto, recusou-se a tomar parte nos planos.

O então Primeiro-Ministro Yvon Neptune tomou a iniciativa de implementar uma variante do plano proposto pela CARICOM para a instalação de um Governo Transitório. Na noite de 29/2, o Representante Permanente do Haiti junto às Nações Unidas submeteu ao Conselho de Segurança cópia da carta de renúncia de Aristide e um pedido de assistência. Na mesma noite, foi aprovada, pelo CSNU, a Resolução 1529 (2004), que autorizou tropas estrangeiras a entrarem em território haitiano.

Em 4 de março, foi nomeado o "Conselho Tripartite", que foi incumbido de selecionar sete pessoas eminentes que formariam o "Conselho de Sábios", o qual, por sua vez, selecionaria um novo Primeiro-Ministro.

Em 5 de março, o "Conselho de Sábios" foi escolhido e, em 9 de março indicou Gérard Latortue como Primeiro-Ministro.

Nos dias subseqüentes, o Primeiro-Ministro Interino do Haiti, juntamente com o Conselho de Sábios, nomeou o restante do governo entre técnicos reconhecidos por sua competência e não pela filiação partidária. Os 13 membros do Ministério foram empossados em 17 de março.

Poder Executivo

Chefe de Estado

Presidente Interino Boniface Alexandre (desde 29 de fevereiro de 2004) que, como Chefe da Suprema Corte, sucedeu constitucionalmente Aristide.

Chefe de Governo

Primeiro Ministro Interino Gerald Latortue (desde 12 de março de 2004), escolhido pelo Conselho extraconstitucional de Pessoas Iminentes.

Eleições

Presidente eleito por voto popular para um mandato de 5 anos. As próximas eleições serão realizadas em novembro de 2005. O primeiro ministro é apontado pelo presidente e ratificado pela Assembléia Nacional.

Poder Legislativo

A Assembléia Nacional do Haiti (Assemblee Nationale) é bicameral, composta pelo Senado (27 membros com mandato de 6 anos, e 1/3 eleito a cada dois anos) e pela Câmara dos Deputados (83 membros eleitos pelo voto popular para mandato de quatro anos).

A Assembléia Nacional parou de funcionar em janeiro de 2004, quando o mandato de todos os Deputados e de dois terços dos Senadores se expiraram. Substitutos não foram eleitos e o Presidente está atualmente governando por decreto.

Eleições

Eleições para o Senado e para a Câmara do Deputados serão realizadas em 2005.

Poder Judiciário

A instância máxima do judiciário haitiano é a Suprema Corte (Cour de Cassation).

Economia

Composição setorial do Produto Interno Bruto: Agricultura (30%), indústria (20%), serviços (50%).

Pauta de exportação (2003)

Vestuário e seus acessórios, de malha (71,4%), vestuário e seus acessórios, exceto de malha (10,5%), frutas, cascas de frutas e de melões (2,3%), demais produtos (15,8%).

Pauta de importação (2003)

Vestuários e seus acessórios, de malha (13,9%), cereais (11,8%), veículos automóveis, tratores e ciclos (6,9%), gorduras, óleos e ceras animais e vegetais (4,6%), combustíveis, óleos e ceras minerais (4,4%), demais produtos (58,4%) .

Principais parceiros comerciais (2003)

EUA (77,9 %), República Dominicana (8,9%), Canadá (5.3%).

Indicadores econômicos

Estima-se que o PIB haitiano totalize US$ 4,3 bilhões em 2004. As exportações estimadas para o mesmo ano totalizam US$ 338,1 milhões e as importações, US$ 1,085 bilhões. A taxa anual de inflação estimada para 2004 é de 22%.

Relações bilaterais

O Brasil enviou duas missões diplomáticas de alto nível para contatos com dirigentes de países da Caricom e com as forças políticas haitianas. Nos encontros mantidos, verificou-se a grande preocupação no Caribe com a situação no Haiti, e também grande disposição para ajudar a reintegrar o país à região. A recepção da notícia de que o Brasil estava disposto a participar da Força de Estabilização das Nações Unidas foi excelente. Todos os interlocutores vêem a participação brasileira como muito positiva e mesmo essencial para assegurar que a reconstrução e a redemocratização do Haiti se dêem de forma respeitosa da soberania haitiana e coordenada com os países da Caricom.

O Brasil já está presente no Haiti com contingente de 1200 homens e o General Augusto Heleno Pereira Ribeiro comanda a força militar da MINUSTAH.

Diversos países da América do Sul mostraram interesse em coordenar-se com o Brasil e contribuir com tropas para a Missão da ONU (Argentina, Uruguai, Paraguai, Uruguai, Chile, e Peru). O Paraguai e a Guatemala desejam integrar seus efetivos ao contingente brasileiro e ficariam, em tal caso, sob o comando do General de Brigada Américo Salvador de Oliveira, Comandante da Brigada Brasil na MINUSTAH.

Na semana de 23 a 28 de agosto de 2004, ampla missão multidisciplinar brasileira, encabeçada pela Agência Brasileira de Cooperação e englobando inúmeros representantes do Executivo e do Judiciário, visitará o Haiti, onde se reunirá com autoridades do Governo de transição para identificar áreas nas quais poderá ser estreitada a cooperação entre os dois países.

Busca-se , por meio dessa cooperação, apoiar o Governo de Latortue na recuperação de estradas vicinais, no desenvolvimento de tecnologias agrícolas, nas áreas de saúde pública (treinamento de multiplicadores e vacinação em massa), treinamento de magistrados e criação de cartórios, aperfeiçoamento da educação, entre outras atividades. No dia 25 de agosto, no âmbito dessa missão, chegará ao Haiti uma usina modelo de beneficiamento de castanhas de caju, que será doada pela EMBRAPA ao povo haitiano.

Do ponto de vista bilateral, o Brasil pode contribuir significativamente na busca de uma solução para a crise, especialmente participando de missão que eventualmente venha a ser enviada ao país para apoiar a preparação de eleições, que são ponto crucial das providências para reconduzir a situação política à normalidade.

A missão das Nações Unidas para a estabilização do Haiti - MINUSTAH

Em relatório divulgado em 19 de abril de 2004, o Secretário-Geral das Nações Unidas recomendou uma missão multidimensional para, com enfoques tanto no curto quando no médio e longo prazos, auxiliar na solução dos problemas do país e atacar suas causas.

As principais áreas de assistência identificadas foram:

Diálogo nacional e reconciliação

Processos eleitorais

Construção de instituições

Combate ao tráfico de drogas

Programas de desarmamento, desmobilização e reintegração de ex-combatentes

Respostas à violência contra as mulheres

Garantia do abastecimento de alimentos

Restauração da saúde pública

Combate ao HIV/AIDS

Apoio à educação

Apoio à preservação do meio ambiente

Programas de geração de emprego

MINUSTAH foi criada pela Resolução 1542 (2004) do Conselho de Segurança, aprovada em 30 de abril.

O mandato da MINUSTAH divide-se, de acordo com o parágrafo 7 da, em três partes:

1. Estabelecer um ambiente seguro e estável (é a parte colocada sob o escopo do Capítulo VII)

2. Apoiar o processo político, inclusive a realização de eleições na data mais próxima possível

3. Apoiar, monitorar e informar a respeito da situação de Direitos Humanos.

Além disso, a MINUSTAH deve coordenar-se com outros parceiros (OEA, por exemplo) para auxiliar o Governo transitório na investigação de violações de Direitos Humanos e do Direito Humanitário, e desenvolver uma estratégia para a reforma e fortalecimento do Judiciário haitiano (parágrafo 9). Deve, também, auxiliar a prover e coordenar a assistência humanitária e o acesso de agentes humanitários à população necessitada (parágrafo 10).

Por fim, o sistema das Nações Unidas como um todo, outros órgãos (OEA, CARICOM) e outros Estados devem contribuir para a promoção do desenvolvimento econômico e social do Haiti, em particular no longo prazo, de forma a alcançar a estabilidade e combater a pobreza (parágrafo 13) e auxiliar o Governo Transitório do Haiti no desenvolvimento de uma estratégia de longo prazo de desenvolvimento.

Principais Acordos Bilaterais em vigor

Convenção de Arbitramento: 21/11/1912
Acordo Administrativo para a Troca de Correspondência Oficial em Malas Diplomáticas, por Via Comum: 
19/03/1951
Acordo Administrativo para a Troca de Correspondência Oficial em Malas Diplomáticas Especiais por Via Aérea
: 23/5/1951
Convênio de Intercâmbio Cultural
: 5/5/1973
Protocolo de Intenções para o Desenvolvimento de Programas de Cooperação nas Áreas de Energia e Mineração
: 26/9/83
Acordo sobre a Criação da Comissão Mista Brasil-Haiti
: 14/9/84

Fonte: www2.mre.gov.br

Haiti

Nome oficial: République d'Haïti - Repiblik Dayti.

Capital: Porto Príncipe (Port-au-Prince).

Nacionalidade: Haitiana.

Idioma: Francês e crioulo (oficiais). Francês é a língua oficial, embora 90% da população fala crioulo - um dialeto que combina o francês com vários dialetos africanos.

Religião: Cristianismo 96,1% (católicos 80,3%, protestantes 15,8%), sem filiação 1,2%, outras 2,7% (1982). A religião oficial é a católica, mas a influência africana é arcante em práticas religiosas como o vodu.

Localização: Leste da América Central.

Características: Ocupa a parte oeste da ilha Hispaniola - costa recortada pelo golfo de Gonaïves e com várias ilhas (Gonaïves e de la Tortue, principais); relevo montanhoso com maciços (N e S); planalto central e planície (SE).

População: 7,4 milhões (1997)

Composição: afro-americanos e eurafricanos 96%, europeus meridionais 3%, outros 1% (1996).

Principais Cidades: Carrefour, Delmas, Cap Haïtien.

Patrimônios da humanidade: Parque Histórico Nacional com o Palácio de Sans Souci; o Sítio Ramiers; e La Citadelle.

Divisão administrativa: 9 departamentos subdivididos em distritos e comunas.

Moeda (numismática) do Haiti

Gourde. Código internacional ISO 4217: HTG. O gourde é a unidade monetária do Haiti e está dividida em 100 cêntimos. A palavra "Gourde" significa uma americana tropical evergreen that produces large round gourds...

Localizado no Caribe, Haiti é banhado ao norte pelo Oceâno Atlântico e ao sul pelo Mar do caribe, a oeste da República Dominicana.

O Haiti é a primeira colônia de maioria negra a conquistar a libertação dos escravos, em 1794, e a independência, em 1804.

Ocupa o lado oeste da ilha Hispaniola (a República Dominicana tem os outros dois terços da ilha), no mar do Caribe. Seu relevo é montanhoso e a agricultura, a base de sua economia.

É o primeiro território americano a ser descoberto por Cristóvão Colombo!

É o país mais pobre da América Central. Nos últimos anos apresenta ligeiro avanço na qualidade de vida de sua população. A taxa de analfabetismo, por exemplo, que em 1985 era de 62%, diminui para 55% em 1995.

História

A ilha Hispaniola é descoberta por Cristóvão Colombo em 1492. Os espanhóis ocupam, de início, apenas o lado oriental. No final do século XVI, quase toda a população de índios arauaques havia sido dizimada.

A parte ocidental da ilha, onde hoje fica o Haiti, é cedida à França pela Espanha em 1697 e renomeada Saint Domingue.

No século XVIII é a mais próspera das colônias francesas: graças aos escravos africanos, exporta açúcar, cacau e café. Foi entre 1795 a 1804, uma colônia francesa. Em 1844, a parte oriental da ilha tornou-se República Dominicana.

Ex-escravos no poder

Influenciados pela Revolução Francesa, os escravos - cujo número superava em dez vezes o de franceses e mestiços - se rebelam em 1791 e três anos depois conquistam a abolição da escravatura.

O ex-escravo Toussaint L'Ouverture comanda em 1794 um exército local que defende a colônia contra forças inglesas e espanholas, ganhando para a França o domínio de toda a ilha.

Em 1801, Toussaint convoca uma Assembléia que o nomeia governador vitalício e promulga uma Constituição, mas logo depois é preso e enviado à França, onde morre.

Os generais Jacques Dessalines e Alexandre Pétion expulsam definitivamente os franceses em 1803, e a independência é declarada em 1804.

Dessalines proclama-se imperador, mas, após seu assassinato, em 1806, o país se divide em dois, e a parte oriental (atual República Dominicana) é retomada pela Espanha.

Em 1822, o presidente Jean-Pierre Boyer consegue reunificar a nação, mas a união não sobrevive a sua derrubada em 1844.

Para proteger seus privilégios comerciais no país, os EUA ocupam o Haiti entre 1915 e 1934, favorecendo a elite mulata Haitiana, que vive em conflito com a população negra.

Duvalierismo

Após novo período de instabilidade, o médico negro François "Papa Doc" Duvalier é eleito presidente em 1957 e instaura uma ditadura baseada no terror dos tontons macoutes (bichos-papões), sua guarda pessoal, e no vodu - culto originário do Benin (África), semelhante ao candomblé.

Presidente vitalício a partir de 1964, Papa Doc, como Duvalier fica conhecido, extermina a oposição e persegue a Igreja Católica. Sua morte, em 1971, conduz ao poder seu filho Jean-Claude Duvalier, o Baby Doc.

Ao final de 15 anos de desequilíbrio econômico e social, repressão política e corrupção, os protestos populares se intensificam e, em 1986, Baby Doc foge para a França, deixando em seu lugar uma junta chefiada pelo general Henri Namphy.

Aristide deposto

Sob nova Constituição realizam-se eleições presidenciais livres em dezembro de 1990, vencidas pelo padre de esquerda Jean-Bertrand Aristide.

Empossado em fevereiro de 1991, Aristide é deposto em setembro em um golpe de Estado liderado pelo general Raoul Cédras.

A ONU e os EUA impõem sanções econômicas ao país para forçar a volta de Aristide, que, em julho de 1993, assina um pacto com Cédras, em Nova York, prevendo seu retorno ao cargo.

Em outubro, grupos paramilitares impedem o desembarque de soldados norte-americanos de uma Força de Paz da ONU no Haiti.

O crescimento do êxodo de refugiados Haitianos para os EUA aumenta as pressões de Washington pela volta de Aristide. Em maio de 1994, o Conselho de Segurança da ONU decreta o bloqueio total ao país.

Os EUA denunciam como ilegal a manobra da junta Haitiana que colocara o civil Émile Jonassaint na Presidência e em julho obtêm autorização da ONU para uma intervenção militar no Haiti.

Intervenção norte-americana

O ex-presidente e mediador dos EUA Jimmy Carter obtém um acordo com Cédras: em troca de anistia, os militares deixam o poder, e tropas norte-americanas entram no país em setembro de 1994 para assegurar o retorno à legalidade.

Aristide volta e reassume como presidente em outubro, escolhendo Smarck Michel seu primeiro-ministro. Em março de 1995, as forças dos EUA começam a ser substituídas por soldados da ONU. O Exército é dissolvido em abril.

O Movimento Lavalas - uma aliança de três partidos ligados a Aristide - ganha a maioria das cadeiras nas eleições legislativas de junho de 1995 e, em dezembro, seu candidato René Préval é eleito presidente com 87,9% dos votos.

Novo governo

A posse de Préval, em 7 de fevereiro de 1996, é a primeira no Haiti em que um presidente eleito entrega o poder a um sucessor também escolhido em eleições.

No final do mês, o economista Rony Smarth é aprovado primeiro-ministro pelo Congresso.

Em março, Préval anuncia plano de privatizar as estatais, desencadeando uma onda de protestos. Em agosto, o Lavalas é responsabilizado pelo assassinato de dois líderes direitistas.

Aristide, que anuncia sua intenção de concorrer à Presidência no ano 2000, afasta-se do Lavalas e funda em novembro o movimento Família Lavalas.

Em janeiro de 1997, a República Dominicana decide expulsar os imigrantes ilegais Haitianos, mas interrompe o envio diante dos protestos do Haiti à chegada dos primeiros 16 mil deportados.

No país crescem os protestos contra a adoção de um programa de ajuste e corte de gastos públicos acertado pelo primeiro-ministro Smarth com o FMI.

Smarth sobrevive a um voto de desconfiança do Congresso, em março, mas a crise política se acentua, e menos de 10% dos eleitores votam nas eleições legislativas e municipais de abril.

Uma greve dos professores fecha as escolas do país, no qual o desemprego atinge 70% da população ativa. A fome se alastra no interior.

Smarth renuncia em junho, porém continua no cargo até outubro. Em julho, o contingente da ONU deixa o Haiti.

Em novembro, o presidente Préval indica Hervé Denis para o cargo de primeiro-ministro, decisão que ainda precisa ser ratificada pelo Congresso...

Contribuição brasileira: Em 2004, o governo do Brasil envia tropas do exército ao país para promover a paz e ajudar o povo Haitiano...

Fonte: www.girafamania.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal