Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Henry Ford - Página 3  Voltar

Henry Ford

Henry Ford e as teorias clássicas de organização

Henry Ford
Henry Ford

Introdução

Henry Ford foi um homem com grande sentido de criatividade e responsabilidade, uma pessoa que deixou uma marca na História. Este trabalho fala da forma como criou e desenvolveu vários modelos de carros.

Biografia

Henry Ford nasceu em 1863, nos Estados Unidos. Era filho de pais emigrantes, William e Mary Irish Ford, que exploravam uma quinta em Dearborn, Michigan. Henry ajudava o pai nas colheitas e frequentava a escola pública. Com 16 anos de idade, partiu para Detroit à procura de emprego. Foi aprendiz de mecânica e mais tarde, quando regressou a casa, trabalhou para a Westinghouse Motor

Company. Em 1888, casou com Clara Bryant. Passados alguns anos, mudaram-se para Detroit, onde Ford fundou a Ford Motor Company, em 1903. Logo após a criação da empresa, foi processado pela associação de fabricantes de automóveis licenciados, mas, em 1911, ganhou o caso em tribunal.

O Modelo T foi introduzido no mercado em 1908, tendo sido produzido ao longo de 19 anos.

Em 1914, a produtividade aumentou e o custo dos automóveis diminuiu. Para assegurar uma mão-de-obra estável, Ford instituiu um salário mínimo de 5 dólares por dia. Em 1916, os lucros da fábrica ascenderam aos 60 milhões de dólares.

Em 1927, o Modelo T foi retirado do mercado, após terem sido fabricados e vendidos cerca de 15 milhões de viaturas. Nos anos que se seguiram, a Ford perdeu terreno para as empresas concorrentes.

Henry Ford morreu no dia 7 de Abril de 1947.

As suas criações

Henry Ford revolucionou a indústria com o seu Modelo T e foi responsável pela popularização do automóvel como meio de transporte. Na Primavera em 1896, completou a sua primeira «carruagem sem cavalos», que mais tarde vendeu por 200 dólares, de forma a construir outro automóvel, mais leve e forte.

Em 1899, já tinha construído três carros e ganho a experiência necessária. Abandonou a Edison Illuminating Company, juntou-se a dois sócios e, com o apoio de um pequeno grupo de empresários, organizou a Detroit Automobile Company, da qual era engenheiro-chefe.

A companhia desmembrou-se em 1900, depois de Ford se queixar de que os directores não estavam dispostos a massificar a produção de um modelo padrão.

Em 1901, criou outra empresa e fabricou modelos de corridas impraticáveis. Nesse mesmo ano construiu o «999», com o qual Barney Oldfield disputou várias corridas, alcançando vitórias que funcionaram como publicidade e trouxeram apoio financeiro às ideias de Ford.

A 16 de Junho de 1903, aliado a um empresário de carvão de Detroit, Alexander Y. Malcolmson, e a um pequeno grupo de investidores, fundou a Ford Motor Company.

O primeiro carro produzido pela nova companhia demorou um mês a ser vendido, mas a partir daí os pedidos e a produção aumentaram rapidamente. Os primeiros lucros constituíam mais de 100% do investimento inicial, o que permitiu melhorar os modelos e aumentar a produção. Entre 1904 e 1905, foram vendidos mais de 5000 veículos.

Em 1905, Malcolmsom e Ford, apesar de concordarem com a produção de um único modelo, divergiram sobre qual. Enquanto Malcolmsom defendia um modelo dispendioso, Ford acreditava que um modelo simples seria mais interessante para os negócios. Estas divergências levaram Ford a assumir a presidência em 1906.

Nos anos seguintes, viu-se obrigado a travar uma batalha judicial com George Baldwin Selden, que detinha a patente, datada de 1879, de fabricação de uma locomotiva, mas que abrangia as máquinas de estrada de um modo geral.

Em 1906 e 1907, Ford implantou na companhia a política de produzir um carro padronizado relativamente barato, que necessitasse de um mínimo de cuidado e custos de manutenção. Projectou primeiro o fiável Modelo N e melhorou-o, construindo o Modelo T, que ficou conhecido em todo o mundo como o «carro Ford».

Em 1909, anunciou que a companhia fabricaria apenas o chassis do Modelo T e que o cliente poderia ter um carro pintado com a cor que desejasse desde que fosse preto.

A fábrica de Ford formulou planos para a produção em quantidades até então impensáveis.

Durante 1912 e 1914, foram instalados os métodos de produção em massa, incluindo as linhas de montagem de movimento contínuo. Tornou-se, então, possível montar um carro em cada 93 minutos.

Em 1915, já circulava um milhão de Modelos T e, antes de 1925, as vendas anuais atingiram cem milhões de dólares.

Para Henry Ford, o ciclo de produção começava com o cliente:

Considerava que a mercadoria deveria ser ajustada de forma a atender ao maior número possível de consumidores em qualidade e preço.

O número de clientes tenderia a aumentar continuamente conforme o preço do artigo.

O poder de compra aumentaria se os salários daqueles que trabalhavam na produção e distribuição fossem substanciais.

Em Janeiro de 1914, Ford e o seu sócio James Couzens aumentaram os salários para um mínimo de 5 dólares por oito horas de trabalho (a média até então era de $2.40 por nove horas de trabalho). Esta medida serviu como um incentivo até então desconhecido pelos funcionários e as horas improdutivas diminuíram sensivelmente. Nas fábricas de Ford, a teoria geral preconizava que tudo deveria estar em movimento: «o trabalho deveria ir até ao homem e não o homem até ao trabalho». Em 1925, um carro emergia das linhas de montagem em cada 15 segundos.

Ford fez planos para evitar o lucro de intermediários, mantendo as suas próprias minas de ferro, carvão e fontes de madeira, os seus próprios caminhos de ferro e barcos a vapor. Economizar em todos os sectores era regra predominante: todo o refugo era convertido, todos as sobras das fornalhas iam para a fábrica de cimento.

Com o desenvolvimento do negócio tornou-se claro que era um desperdício montar carros somente numa fábrica. Em Highland Park começaram a fabricar-se as partes que eram transportadas até às unidades responsáveis pela montagem final. As filiais foram instaladas em diversas partes do mundo. A grande central nos arredores de Detroit era a mais completa e equipada do mundo.

Quando James Couzins deixou a companhia, Ford tomou o controle absoluto.

Em 1927, houve uma quebra na fabricação dos Modelos T, pois os consumidores passaram a exigir não só economia, mas também velocidade e estilo. As estradas da época já podiam acomodar carros mais modernos. O novo modelo, o A, exigia uma completa reestruturação da produção em relação ao velho T, tanto em projecto como em métodos de fabricação.

Praticamente toda a madeira que existia em modelos antigos foi abolida. Aproximadamente 40000 peças de maquinaria tiveram que ser remodeladas e substituídas.

O custo total de conversão efectuada nas fábricas de Ford foi de cerca de duzentos milhões de dólares, aos quais devem ser adicionadas as perdas de fornecedores e distribuidores devido ao período em que a produção parou (aproximadamente 6 meses).

Em meados dos anos 20, a General Motors Company, que já possuía dois quintos do volume de negócios de automóveis, superou a Ford Motor Company. Durante algum tempo, o Modelo A foi altamente lucrativo, mas a situação não se manteve. Enquanto o engenho de Ford estava estagnado, outras companhias introduziram motores de seis cilindros, freios hidráulicos, transmissões mais eficientes e melhores linhas. Walter P. Chrysler, comprador da Dodge Automobile, tornou-se um competidor destacado.

O novo modelo da Ford, o V-8, foi bem recebido, atingindo um quinto da produção norte-americana, mas o modelo de luxo, o Lincoln, teve resultados decepcionantes.

Ford não produzia apenas automóveis. Por volta de 1920, vendia três quartos dos tractores fabricados no país, mas a General Motors e a International Harverter ganharam terreno e, em 1930, a supremacia destas empresas já estava claramente estabelecida.

Ford foi foi também um dos pioneiros na fabricação de motores aeronáuticos.

Em Detroit, construiu o hospital Henry Ford, com equipamentos muitas vezes únicos. Também promoveu numerosas experiências de interesse educacional, baseado no princípio de que os livros didácticos não deveriam estar isolados das experiências da vida.

Durante a sua vida, Ford elaborou projectos grandiosos e foi alvo tanto de ataques como de congratulações.

Conclusão

Podemos concluir que Henry Ford, com a sua criatividade, teve uma grande influência no desenvolvimento dos meios de transporte.

Na nossa opinião, é uma pessoa que merece ser reconhecida pelo seu esforço e força de vontade, por ter tentado realizar todos os seus sonhos.

Rafaela Machado, Sónia Paulo, José Pereira

Fonte: www.esec-valenca.rcts.pt

Henry Ford

Henry Ford
Henry Ford

No dia 30 de julho de 1863, nascia em Michigan um dos maiores nomes da indústria americana: Henry Ford.

Ele era o irmão mais velho dentre seis irmãos, neto de imigrantes irlandeses, e todos na família trabalhavam na fazenda.

Durante seus primeiros anos, Henry trabalhou na fazenda da família em Dearborn, Michigan.

Henry considerava os ofícios da fazenda desinteressantes. Ele gostava de trabalhar na ferraria da fazenda. Ele tinha um talento nato para a matemática, o que proporcionou a habilidade necessária para desenhar e construir máquinas. Ele tinha uma natureza inteligente e questionadora, o que também contribuía para que fosse um ávido experimentador. Uma vez, para provar a força do vapor, ele colocou uma rolha no bico de uma chaleira com água fervente e ela explodiu! Conforme crescia, seu pai permitia que ele consertasse e usasse muitas das ferramentas da fazenda. Sua mãe o chamava de "mecânico de nascença".

Talvez o evento mais dramático em sua vida aconteceu em 1876, aos 13 anos de idade. Enquanto andava com seu pai em uma carroça, eles viram uma máquina a vapor percorrendo a estrada com sua própria força! Ford pulou da carroça imediatamente e foi questionar o condutor sobre sua máquina. Usada para propósitos estacionários, como serrar madeira, a máquina tinha sido montada sobre rodas para se auto propulsar. O engenheiro explicou tudo sobre a máquina e até deixou Ford colocá-la em movimento. Mais tarde, Ford disse: "Aquilo me mostrou que eu era um engenheiro por instinto". A semente da idéia de que poderia existir um veículo com auto-propulsão foi plantada naquele momento, e ocupou sua imaginação por anos.

Aos 17 anos, Henry deixou a fazenda da família e foi trabalhar em Detroit. Começou trabalhando na Michigan Car Company por $1,10 por dia. Ele foi rapidamente demitido por causar insatisfação aos empregados mais antigos: ele fazia consertos em meia hora, quando o usual era de 5 horas.

Henry trabalhou na Detroit Drydock Company, onde aprendeu o funcionamento das máquinas a vapor. Em 1882, Henry se tornou um mecânico certificado pela Westinghouse Company, onde ele viajava pelo sul de Michigan ajustando e consertando máquinas a vapor.

Em 1885, conheceu Clara Jane Bryant e se casaram em 1888. Seu pai o presenteou com uma fazenda de 40 acres, de onde Henry poderia tirar seu sustento. Em seu tempo livre, Henry satisfazia sua paixão por construir máquinas leves. Três anos mais tarde, Henry e Clara Ford se mudaram para Detroit, onde ele poderia trabalhar como engenheiro chefe para a Detroit Illuminating Company. No final de 1893, Henry construiu sua primeira máquina de combustão interna, movida a gasolina. E em 1896, estava com seu quadriciclo pronto para ser testado. O invento assustou os cavalos, causou muitos protestos, mas funcionou!

Durante o tempo em que trabalhou na Detroit Edison Illuminating Company, Henry Ford pôde ser apresentado a Thomas Edison como "o jovem que fez um carro a gasolina". Depois de discutir suas idéias com o grande inventor, Ford ficou grato em saber que Edison achava que suas idéias tinham grande mérito. Edison disse: "Meu jovem, você a tem, uma máquina que carrega seu próprio combustível. Mantenha-se nela". O encontro com Thomas Edison deu a Henry Ford nova inspiração e seu espírito foi renovado pelas palavras de encorajamento do famoso inventor.

Em 1899, Ford viu-se diante do conflito entre seu trabalho de desenvolvimento de automóveis com sua posição na Detroit Edison Illuminating Company. Mesmo com a satisfação da companhia com seu trabalho e com a oferta da posição de Superintendente Geral, eles o pediram para fazer uma escolha. Poderia ele desistir de seu "hobby" de construção de automóveis para se decidir integralmente à Companhia? Ford decidiu que ele queria fazer automóveis.

Em 1901, Henry com Alexander Malcomson fundaram a Ford and Malcomson Company. Ford empregou 10 trabalhadores e teve os chassis do carro construído por John e Horace Dodge. Em 16 de junho de 1903, com 10 investidores e as patentes, conhecimento e máquinas, Henry Ford criou a Ford Motor Company. O Modelo A tinha um preço de $850, com velocidade máxima de 30 mph e era produzido a uma taxa de 15 carros por dia, em julho de 1903.

O auge de sua vida foi comentado por Will Rogers, um comediante da época, que disse: "Centenas de anos serão necessários para dizer se você nos ajudou ou nos machucou. Mas certamente você não nos deixou como encontrou".

Com a presença de Clarence Avery, que usava os estudos de tempos e movimentos de Frederick Taylor, foi possível aperfeiçoar a técnica para o uso na manufatura de Ford.

O Modelo T foi o novo modelo feito. Começou a ser vendido em outubro de 1908 e dominou as vendas pelos próprios 18 anos. Devido ao seu desenvolvimento da linha de montagem, usada para a produção em massa de automóveis, Ford vendeu mais da metade dos carros na indústria, no período 1918-1919 e 1921-1925. Do período da introdução do Modelo T ou "Tin Lizzie" em 1908 a 6 anos depois, Ford construiria fábricas maiores e diminuiria o tempo de montagem de um carro de 12 horas e meia para 93 minutos. Ford disse: "O modo de se fazer um automóvel é fazer um automóvel é fazer um igual a outro. Se você não alterar o design e concentrar na produção, conforme o volume aumenta, os carros certamente ficarão mais baratos. Isto significa fazer carros que os trabalhadores possam comprar". Disse ainda: "Eu vou construir um automóvel para a grande multidão...construído com os melhores materiais, pelos melhores homens, com os designs que a moderna engenharia pode proporcionar...tão baixo no preço que qualquer homem ganhando um salário razoável poderá adquirir um e aproveitar com sua família a bênção das horas de prazer". Esta filosofia de negócios fez de Henry um dos homens mais ricos do mundo e um herói americano.

Em 1914, antes da Primeira Guerra Mundial, Henry Ford formou uma organização pela paz. A paz não foi mantida e em 1917 os Estados Unidos entraram na guerra. Ford parou de produzir o seu Modelo T e passou a produzir itens necessários aos Estados Unidos na guerra. No final da guerra, o presidente Woodrow Wilson pediu a Ford para concorrer às eleições para o Senado. Henry não era político, mas concorreu como candidato independente e perdeu por pouco. Henry voltou a fazer o que ele fazia de melhor: construir e aperfeiçoar seus automóveis. Em 1924, a companhia já tinha vendido 10 milhões de automóveis. Um ano mais tarde, as vendas começaram a cair, pois a competição apresentava inovações em seus carros.

Para voltar ao topo da indústria automobilística, Ford introduziu o segundo Modelo A, em 1927. Foi um grande sucesso! Em 1929, a companhia produziu próximo de 2 milhões de carros. Para facilitar a aquisição do Modelo A, um novo sistema de vendas foi desenvolvido. Através da companhia financeira de Ford, a Universal Credit Company, o método de prestações iniciou-se.

Em outubro de 1929, a Grande Depressão começou. A Ford Company não foi afetada até 1931, quando perdeu dinheiro. Para energizar a companhia, um novo modelo foi introduzido, a um preço mais baixo, o Ford V-8. Em 1934, a Ford Motor Company estava rentável novamente. Durante este tempo, Ford também cortou os salários e aumentou as horas de trabalho de seus funcionáriso. Contra sua vontade, muitos de seus empregados trocaram a Ford Company pela United Auto Workers Union. Em 1941, novamente Ford parava de fabricar bens para a Segunda Guerra Mundial.

Na noite de 7 de abril de 1947, Henry Ford morria, aos 84 anos. A pessoa se foi, mas seus sonhos e sua companhia permanecem. Ele teve o louvor de um patriota, filantropo, reformista, economista e professor. Representou o símbolo da genialidade produtiva. Os empreendedores modernos devem tirar uma lição da história de como o processo de dedicação conduz ao sucesso.

Fonte: members.tripod.com

Henry Ford

30/07/1863, Greenfield Township, Michigan
07/04/1947, Dearborn, Michigan

Parecia não haver futuro para os automóveis do início do século 20: eram caros, difíceis de dirigir e de fazer funcionar. Até que Henry Ford criou a fábrica moderna e um carro simples, acessível e fácil de usar. Lançado em 1908, a 850 dólares cada, o Modelo T foi um sucesso e foram vendidos 15 milhões em cerca de 20 anos. Ao contrário dos outros modelos, não eram brinquedos quase artesanais para os ricos se exibirem e sim um produto em série para usar todos os dias.

Para ter um produto mais barato, Ford inventou a linha de montagem. As várias etapas de fabricação foram distribuídas ao longo de uma esteira rolante e cada empregado deveria acoplar um componente padronizado. A idéia era evitar hesitações e perda de tempo.

Gente de todos os Estados Unidos foi atraída pelo trabalho que era repetitivo e cansativo, mas bem pago: cinco dólares por jornada de oito horas de trabalho - o dobro do que se pagava na época por 12 horas. Além da criação de uma classe média, essas mudanças provocaram grandes transformações econômicas e sociais, conhecidas como fordismo.

Com o avanço de Ford e seus concorrentes, de fornecedores de peças, de revendedores e oficinas de reparos, os postos de gasolina e as estradas asfaltadas se multiplicaram. Com o carro, as pessoas puderam viajar mais e morar longe das áreas centrais. A poluição, o barulho, os acidentes e os congestionamentos substituíram outros problemas urbanos: no início do século, os cavalos espalhavam em Nova York mais uma tonelada de esterco e 200 mil litros de urina por dia.

Nascido e criado numa fazenda, passou a infância desmontando coisas, especialmente relógios. Começou a carreira como mecânico, engenheiro e, depois, tornou-se dono de um império com siderúrgicas, usinas, navios, ferrovia e minas de carvão. Apesar de empresário genial, era mau administrador. Gostava da fábrica e não do escritório. Não tinha paciência para balanços, detestava banqueiros e mantinha dinheiro vivo no cofre.

Também não era muito bom em marketing. Durante 19 anos, produziu apenas o Modelo T preto. Um dos slogans da campanha de vendas era exatamente esse: você pode ter o Ford que quiser, desde que seja na cor preta. Lançou o Modelo A em 1927, com mais cores, mas já estava sendo ultrapassado pela General Motors.

Ford sofreu seu primeiro acidente vascular cerebral em 1938, o que o afastou da vida pública. Ele morreu aos 83 anos de hemorragia cerebral. O fordismo teve seu ápice após a Segunda Guerra, e, nos anos 1970, houve queda da produtividade e lucros, o que obrigou a uma revisão da filosofia produtiva criada e implantada pelo fundador do império Ford.

Fonte: educacao.uol.com.br

Henry Ford

Henry Ford
Henry Ford

Henry Ford nasceu no dia 30 de Julho de 1863, no estado do Michigan (EUA).

Era filho de imigrantes irlandeses, William e Mary Ford, que se tinham fixado numa quinta em Dearborn.

Aos 16 anos, Henry Ford, que não gostava nem da escola, nem de ajudar o pai nos trabalhos manuais de campo, por pensar que essas tarefas se podiam fazer mecanicamente com vantagem sobre todos os pontos, partiu para Detroit à procura de emprego.

Começou a trabalhar como aprendiz numa oficina, onde aprendeu tudo acerca do motor de combustão interna.

Após alguns anos, Henry voltou para casa, e para além de ajudar na lavoura da família trabalhava em part-time na WestingHouse Engine Company.

Com espírito aventureiro e independente, acabou a consertar motores e máquinas.

Casou em 1888 com Clara Bryant.

Anos mais tarde, Henry e sua mulher mudaram-se para Detroit, onde Henry foi nomeado engenheiro chefe da Detroit Edison Company, onde viria a ser a General Electric.

O cargo obrigava a Henry estar 24 horas por dia a trabalhar, mas ao mesmo tempo dava-lhe a oportunidade de fazer experiências, na medida em que se tornou colaborador directo e amigo íntimo do seu patrão, Thomas Edison.

Entretanto, Henry Ford já tinha tentado construir veículos movidos a gasolina e carruagens motorizadas até conseguir que o seu primeiro veículo estivesse completo.

Durante os anos que se seguiram, Ford continuou a tentar melhorar o motor dos seus veículos.

Em complemento, construiu um carro de corrida que ele próprio conduzia.

Em 1903 produziu um automóvel que estava pronto a introduzir no mercado e, por essa altura, não tendo capital próprio, fundou a Ford Motor Company com a estratégia de arranjar o capital necessário com o dinheiro dos cidadãos de Detroit.

Em 1908 introduziu no mercado o famoso Model T, cujo projecto inicial havia começado 19 anos atrás a ser concebido e construído.

Foi aí que foi construído o primeiro carro feito em série.

Pouco tempo depois da formação da Ford Motor Company, Henry Ford foi ameaçado pela Associação dos Fabricantes de Automóveis.

Após anos de luta em tribunais, Ford ganhou o caso em 1911, acabando com o monopólio e assim viabilizando que outros pudessem tornar-se construtores do ramo automóvel.

Devido à sua avançada tecnologia de produção, Ford conseguiu que o seu Modelo T fosse comercializado com sucesso.

A fábrica da Ford Motor Company, em Highland Park, no Michigan, introduziu a primeira linha de montagem em 1913, reduzindo drasticamente o tempo gasto na montagem dos veículos.

Instituiu igualmente o salário mínimo de US$5,00 diários, o que, segundo Ford, fez aumentar significativamente a produção.

Em 1926, Ford começou a perder vendas para o seu principal concorrente, a General Motors, porque o Model T estava ultrapassado.

As fábricas Ford fecharam durante cinco meses, após Henry Ford introduzir o Model V8, que apesar de ter tido algum sucesso, foi ultrapassado pela General Motors e pela Chrysler.

Apesar do filho Edsel Ford ter sido nomeado presidente em 1919, o pai continuava com um controlo total da Companhia.

O seu filho Edsel morreu em 1943 e Henry Ford voltou ao cargo de presidente.

Contudo, já tinha sofrido dois enfartes e, dois anos mais tarde, passou o cargo de presidente para o neto, Henry Ford II.

Henry Ford faleceu no dia 7 de Abril de 1947.

Fonte: www.americaslibrary.gov

voltar 1234avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal