Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Hipomania  Voltar

Hipomania

Uma condição semelhante à mania, mas menos grave. Os sintomas são semelhantes com humor elevado, aumento da atividade, diminuição da necessidade de sono , grandiosidade, pensamentos de corrida, e assim por diante. No entanto, hipomania diferem em que eles não causam sofrimento significativo ou prejudicar o trabalho da pessoa, família ou vida social de uma forma óbvia, enquanto episódios maníacos fazer.

Hipomaníacos pessoas tendem a ser excepcionalmente alegre, tem mais do que suficiente de energia, e pouca necessidade de sono.

A hipomania é um estado agradável. Pode conferir um senso de criatividade e poder. No entanto, a hipomania pode sutilmente prejudicar o julgamento de uma pessoa. Muita confiança pode esconder as consequências das decisões.

A hipomania pode ser difícil de diagnosticar porque pode mascarar-se como mera felicidade. É importante diagnosticar a hipomania, porque, como uma expressão de transtorno bipolar , pode ciclo em depressão e realizar um aumento do risco de suicídio .

Fonte: www.medterms.com

Hipomania

A hipomania é geralmente descrito como um estado de humor ou nível de energia que é elevada acima do normal, mas não tão extremo quanto para causar prejuízo - a característica mais importante distingui-lo de mania. Na verdade, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, quarta critérios de edição (DSM-IV) para hipomania e mania são quase idênticos.

A palavra hipomania tende a confundir algumas pessoas, por causa do prefixo "hipo". Hipo (do grego) significa "no", e que é utilizado no presente caso, porque este é o estado de humor baixo, ou menos maníaco, do que a mania. Mas, em comparação com o humor normal, hipomania é realmente superior.

A diminuição da necessidade de sono que você descreve é uma das marcas da hipomania. Algumas pessoas que estão sono hypomanic apenas algumas horas por dia, e ainda assim eles dizem se sentir descansado. Ao mesmo tempo, muitas pessoas criativas são enérgicos e enquanto eles estão no "fluxo" pode precisar de menos horas de sono do que o normal. Isso não significa necessariamente que eles (ou você) são hypomanic exceto em um sentido informal, descritivo.

Os critérios de diagnóstico do DSM-IV formais para hipomania exigem pelo menos três dos seguintes sintomas por pelo menos quatro dias: auto-estima inflada ou grandiosidade, necessidade de sono diminuída, aumento da tagarelice; pensamentos acelerados ou idéias; distração acentuada; agitação ou aumento da atividade , participação excessiva em atividades que são prazerosas, mas convidar dano pessoal ou fiscal (fazer compras, indiscrições sexuais, investimentos em negócios impulsivos, e assim por diante). Para mania, os sintomas são praticamente os mesmos, exceto que o DSM-IV especifica que duram pelo menos uma semana, levar a hospitalização, ou incluir sintomas psicóticos (uma ruptura com a realidade).

A hipomania pode ocorrer por si só, ao passo que a mania, por definição, só ocorre em conjunto com a doença bipolar. Além disso, a presença de mania é também o que diferencia os dois tipos principais de doença bipolar a partir de uma outra. No tipo 1, doença bipolar, uma pessoa geralmente experimenta episódios de depressão e de mania alternados; no transtorno bipolar do tipo 2 - geralmente considerado menos grave - uma pessoa alterna entre depressão e hipomania e nunca experimentou mania.

Se você realmente não tenho nenhum dos outros sintomas descritos acima, então talvez você é um dos felizardos que pode queimar o óleo da meia-noite, sem conseqüências preocupantes. Eu tenho um amigo muito produtivo e bem sucedido, que diz que ele simplesmente nunca se sente cansado e é muito bem com muito menos sono do que os especialistas recomendam. I inveja, pelo menos, que ele tem mais horas de vigília para desfrutar de sua vida!

Mas, se você tiver problemas por causa da falta de sono - pode aparecer em períodos de humor deprimido, ou relacionamentos ou trabalho pode sofrer, ou você pode observar algumas das outras características de hipomania - então você pode querer ver um médico para submeter-se a uma avaliação psiquiátrica e receber tratamento.

Graves episódios de hipomania pode exigir estabilizadores do humor utilizados no tratamento da mania. Para episódios leves ou moderadas, no entanto, pode ser possível a uma pessoa para lidar com hipomania adoptando hábitos básicos estilo de vida saudável. Isso significa comer refeições regulares, fazendo atividade física todos os dias (uma ótima maneira de queimar energia adicional), e tentar obter pelo menos sete ou oito horas de sono por noite. Ele também pode ajudar a aprender a reconhecer os gatilhos comuns de hipomania, como a privação de sono ou excesso de cafeína.

Michael Craig Miller

Fonte: www.health.harvard.edu

Hipomania

Uma crise de Hipomania, chamada de Episódio Hipomaníaco, é definido como um período distinto, durante o qual existe um humor anormalmente e persistentemente elevado, expansivo ou irritável. Pelo DSM.IV, o período de humor anormal deve ser acompanhado por pelo menos três sintomas adicionais de uma lista que inclui auto-estima inflada ou grandiosidade (não-delirante), necessidade de sono diminuída, compulsão para falar demais, fuga de idéias, distraibilidade, maior envolvimento em atividades dirigidas a objetivos ou agitação psicomotora, e envolvimento excessivo em atividades prazerosas com um alto potencial para conseqüências dolorosas.

Os critérios para diagnóstico da Hipomania são os mesmos sintomas adicionais necessários para caracterizar o Episódio Maníaco, exceto pela ausência de delírios ou alucinações na Hipomania. O humor durante um Episódio Hipomaníaco deve estar nitidamente diferente (mais eufórico) do humor não-deprimido habitual do indivíduo, e deve haver uma nítida alteração no funcionamento sócio-ocupacional e familiar habitual do indivíduo. Uma vez que as alterações no humor e funcionamento devem ser observáveis por outros, a avaliação deste critério freqüentemente exigirá a entrevista de outros informantes (por ex., membros da família).

A história obtida a partir de outros informantes é particularmente importante na avaliação de adolescentes. Comparado com um Episódio Maníaco, o Episódio Hipomaníaco não é suficientemente severo para causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou ocupacional ou para exigir a hospitalização, nem existem características psicóticas. A alteração no funcionamento em alguns indivíduos pode assumir a forma de um aumento acentuado na eficiência, realizações ou criatividade. Entretanto, em outros, a hipomania pode causar algum prejuízo social ou ocupacional.

A perturbação do humor e outros sintomas não devem ser decorrentes dos efeitos fisiológicos diretos de uma droga de abuso, de um medicamento, outro tratamento para a depressão (terapia eletroconvulsiva ou terapia com luzes) ou exposição a uma toxina. O episódio também não deve ser decorrente dos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral (por ex., esclerose múltipla, tumor cerebral).

Sintomas como os que são vistos no Episódio Hipomaníaco podem ser devido aos efeitos fisiológicos diretos de um medicamento antidepressivo, terapia eletroconvulsiva, fototerapia ou medicamentos prescritos para outras condições médicas gerais (por ex., corticosteróides).

Fonte: www.psiqweb.med.br

Hipomania

Classificação Internacional de Doenças - CID 10 F 30.0

Transtorno caracterizado pela presença de uma elevação ligeira mas persistente do humor, da energia e da atividade, associada em geral a um sentimento intenso de bem-estar e de eficácia física e psíquica.

Existe freqüentemente um aumento da sociabilidade, do desejo de falar, da familiaridade e da energia sexual, e uma redução da necessidade de sono; estes sintomas não são, entretanto, tão graves de modo a entravar o funcionamento profissional ou levar a uma rejeição social.

A euforia e a sociabilidade são por vezes substituídas por irritabilidade, atitude pretensiosa ou comportamento grosseiro.

As perturbações do humor e do comportamento não são acompanhadas de alucinações ou de idéias delirantes.

Fonte: cid10.bancodesaude.com.br

Hipomania

Manias

Mania - do grego mania (loucura) - é, para a Psiquiatria, o distúrbio mental caracterizado pela alteração de pensamento, com alteração comportamental dirigido, em geral, para uma determinada ideia fixa e com síndrome de quadro psicótico grave e agudo, característico, embora não exclusivo (mania secundária), do Transtorno ou Distúrbio Bipolar e se caracteriza por grande agitação, loquacidade, euforia, insônia, perda do senso crítico, grandiosidade, prodigalidade, exaltação da sexualidade e agressividade. (WIKIPEDIA)

Todas as subdivisões desta categoria se aplicam exclusivamente a um episódio isolado. Um episódio hipomaníaco ou maníaco em indivíduo que já tenha apresentado um ou mais episódios afetivos prévios (depressivo, hipomaníaco, maníaco, ou misto) deve conduzir a um diagnóstico de Transtorno Bipolar.

Hipomania

Transtorno caracterizado pela presença de uma elevação ligeira e persistente do humor, da energia e da atividade associada em geral a um sentimento intenso de bem-estar e de eficácia física e psíquica.

Existe frequentemente um aumento da sociabilidade, do desejo de falar, da familiaridade e da energia sexual e uma redução da necessidade de sono. Esses sintomas não são, entretanto tão graves de modo a entravar o funcionamento profissional ou levar a uma rejeição social. A euforia e a sociabilidade são por vezes substituídas por irritabilidade, atitude pretensiosa ou comportamento grosseiro.

As perturbações do humor e do comportamento não são acompanhadas de alucinações ou de ideias delirantes.

Mania sem sintomas psicóticos

Presença de uma elevação do humor fora de proporção, podendo variar de uma jovialidade descuidada a uma agitação praticamente incontrolável.

Esta elação se acompanha de um aumento da energia, levando à hiperatividade, um desejo de falar e uma redução da necessidade de sono. A atenção não pode ser mantida, e existe frequentemente uma grande distração.

O sujeito apresenta frequentemente um aumento da autoestima com ideias de grandeza e superestimativa de suas capacidades. A perda das inibições sociais pode levar a condutas imprudentes, inapropriadas ou deslocadas.

Mania com sintomas psicóticos

Presença dos mesmos sintomas do quadro clínico descrito em Mania sem sintomas psicóticos, porém com ideias delirantes (em geral de grandeza), de alucinações (em geral do tipo de voz que fala diretamente ao sujeito) ou de agitação; de atividade motora excessiva e de fuga de ideias de uma gravidade tal que o sujeito se torna incompreensível ou inacessível a toda comunicação normal.

Fonte: www.galenoalvarenga.com.br

Hipomania

EPISÓDIO HIPOMANÍACO

Um Episódio Hipomaníaco é definido como um período distinto, durante o qual existe um humor anormal e persistentemente elevado, expansivo ou irritável, com duração mínima de 4 dias (Critério A).

O período de humor anormal deve ser acompanhado por pelo menos três sintomas adicionais de uma lista que inclui auto-estima inflada ou grandiosidade (não-delirante), necessidade de sono diminuída, pressão da fala, fuga de idéias, distratibilidade, maior envolvimento em atividades dirigidas a objetivos ou agitação psicomotora, e envolvimento excessivo em atividades prazerosas com um alto potencial para conseqüências dolorosas (Critério B).

Se o humor é irritável ao invés de elevado ou expansivo, pelo menos quatro dos sintomas anteriores devem estar presentes. Esta lista de sintomas adicionais é idêntica àquela que define o Episódio Maníaco, exceto pela ausência de delírios ou alucinações.

O humor durante um Episódio Hipomaníaco deve estar nitidamente diferente do humor não-deprimido habitual do indivíduo, e deve haver uma nítida alteração no funcionamento, que não é característica do funcionamento habitual do indivíduo (Critério C).

Uma vez que as alterações no humor e funcionamento devem ser observáveis por outros (Critério D), a avaliação deste critério freqüentemente exigirá a entrevista de outros informantes (por ex., membros da família). A história obtida a partir de outros informantes é particularmente importante na avaliação de adolescentes.

Comparado com um Episódio Maníaco, um Episódio Hipomaníaco não é suficientemente severo para causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou ocupacional ou para exigir a hospitalização, nem existem características psicóticas (Critério E).

A alteração no funcionamento em alguns indivíduos pode assumir a forma de um aumento acentuado na eficiência, realizações ou criatividade. Entretanto, em outros, a hipomania pode causar algum prejuízo social ou ocupacional.

A perturbação do humor e outros sintomas não devem ser decorrentes dos efeitos fisiológicos diretos de uma droga de abuso, de um medicamento, outro tratamento para a depressão (terapia eletroconvulsiva ou terapia com luzes) ou exposição a uma toxina. O episódio também não deve ser decorrente dos efeitos fisiológicos diretos de uma condição médica geral (por ex., esclerose múltipla, tumor cerebral) (Critério F).

Sintomas como os que são vistos no Episódio Hipomaníaco podem ser devido aos efeitos fisiológicos diretos de um medicamento antidepressivo, terapia eletroconvulsiva, fototerapia ou medicamentos prescritos para outras condições médicas gerais (por ex., corticosteróides).

Estas apresentações não são consideradas Episódios Hipomaníacos e não contam para um diagnóstico de Transtorno Bipolar II. Por exemplo, se uma pessoa com Transtorno Depressivo Maior recorrente desenvolve sintomas de um episódio do tipo hipomaníaco durante um curso de medicamento antidepressivo, o episódio é diagnosticado como Transtorno do Humor Induzido por Substância, com Características Maníacas, não se modificando o diagnóstico de Transtorno Depressivo Maior para Transtorno Bipolar II.

Algumas evidências sugerem a possível existência de uma "diátese" bipolar em indivíduos que desenvolvem episódios tipo maníacos ou tipo hipomaníacos após um tratamento somático para a depressão. Esses indivíduos podem ter uma maior probabilidade de futuros Episódios Maníacos ou Hipomaníacos não relacionados a substâncias ou a tratamentos somáticos para a depressão.

O humor elevado em um Episódio Hipomaníaco é descrito como eufórico, incomumente bom, alegre ou excitado. Embora o humor da pessoa possa ter uma qualidade contagiante para o observador sem envolvimento, ele é reconhecido como uma alteração do humor habitual da pessoa por aqueles que a conhecem bem.

A qualidade expansiva da perturbação do humor é caracterizada por entusiasmo por interações sociais, interpessoais ou profissionais. Embora o humor elevado seja considerado prototípico, a perturbação do humor pode ser irritável ou alternar entre euforia e irritabilidade. Caracteristicamente, está presente uma auto-estima inflada, geralmente em nível de uma autoconfiança sem crítica ao invés de grandiosidade acentuada (Critério B1).

Existe, com bastante freqüência, uma necessidade de sono diminuída (Critério B2): a pessoa desperta antes do horário habitual com maior energia. A fala de uma pessoa em um Episódio Hipomaníaco pode ser um pouco mais alta e mais rápida do que o habitual, mas não é tipicamente difícil de interromper.

Ela pode apresentar-se repleta de piadas, trocadilhos, jogos de palavras e irrelevâncias (Critério B3). A fuga de idéias é incomum e, se presente, dura por períodos muito breves (Critério B4).

A distratibilidade também está freqüentemente presente, evidenciada por rápidas mudanças na fala ou atividade em conseqüência da resposta a vários estímulos irrelevantes (Critério B5). O aumento da atividade dirigida a objetivos pode envolver planejamento e participação de múltiplas atividades (Critério B6).

Essas atividades com freqüência são criativas e produtivas (por ex., escrever uma carta ao editor, colocar a papelada em ordem). A sociabilidade geralmente está aumentada e pode haver um aumento da atividade sexual. Pode haver atividade impulsiva, como surtos de compras, direção imprudente ou investimentos financeiros tolos (Critério B7).

Entretanto, essas atividades geralmente são organizadas, não bizarras, e não acarretam o nível de prejuízo característico de um Episódio Maníaco.

Características Específicas à Cultura e à Idade

As considerações culturais sugeridas para os Episódios Depressivos Maiores valem também para os Episódios Hipomaníacos. Em pessoas mais jovens (por ex., adolescentes), os Episódios Hipomaníacos podem estar associados com gazeta à escola, comportamento anti-social, repetência ou uso de substâncias.

Curso

Um Episódio Hipomaníaco tipicamente inicia com um rápido aumento dos sintomas dentro de um ou dois dias. Os episódios podem durar várias semanas a meses e em geral têm um início mais abrupto e são mais breves do que os Episódios Depressivos Maiores.

Em muitos casos, o Episódio Hipomaníaco pode ser precedido ou seguido por um Episódio Depressivo Maior. Estudos sugerem que 5 a 15% dos indivíduos com hipomania acabam desenvolvendo um Episódio Maníaco.

Diagnóstico Diferencial

Um Episódio Hipomaníaco deve ser diferenciado de um Transtorno do Humor Devido a uma Condição Médica Geral. O diagnóstico é de Transtorno do Humor Devido a uma Condição Médica Geral se a perturbação do humor é considerada a conseqüência fisiológica direta de uma condição médica geral específica (por ex., esclerose múltipla, tumor cerebral, síndrome de Cushing).

Esta determinação fundamenta-se na história, achados laboratoriais ou exame físico. Se o clínico julgar que os sintomas hipomaníacos não são a conseqüência fisiológica direta da condição médica geral, então o Transtorno de Humor primário é registrado no Eixo I (por ex., Transtorno Bipolar I) e a condição médica geral, no Eixo III (por ex., infarto do miocárdio).

Um Transtorno do Humor Induzido por Substância é diferenciado de um Episódio Hipomaníaco pelo fato de que uma substância (por ex., droga de abuso, medicamento ou exposição a uma toxina) está etiologicamente relacionada à perturbação do humor.

Sintomas como os que são vistos em um Episódio Hipomaníaco podem ser precipitados por uma droga de abuso (por ex., os sintomas hipomaníacos que ocorrem apenas no contexto da intoxicação com cocaína são diagnosticados como Transtorno do Humor Induzido por Cocaína, Com Características Maníacas, Com Início Durante Intoxicação).

Sintomas como os que são vistos em um Episódio Hipomaníaco também podem ser precipitados por um tratamento antidepressivo tal como medicamentos, terapia eletroconvulsiva ou fototerapia. Estes episódios também são diagnosticados como Transtornos do Humor Induzidos por Substâncias (por ex., Transtorno do Humor Induzido por Amitriptilina, Com Características Maníacas; Transtorno do Humor Induzido por Terapia Eletroconvulsiva, Com Características Maníacas).

Os Episódios Maníacos devem ser distinguidos dos Episódio Hipomaníaco. Embora Episódios Maníacos e Episódios Hipomaníacos tenham idênticas listas de sintomas característicos, a perturbação do humor nos Episódios Hipomaníacos não é suficientemente severa para causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou ocupacional ou para exigir a hospitalização. Alguns Episódio Hipomaníaco podem evoluir para Episódios Maníacos.

O Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade e Episódio Hipomaníaco são caracterizados por atividade excessiva, comportamento impulsivo, fraco julgamento e negação dos problemas.

O Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade distingue-se de um Episódio Hipomaníaco pelo início caracteristicamente precoce (isto é, antes dos 7 anos), curso crônico ao invés de episódico, ausência de inícios e remissões relativamente nítidos e ausência de um humor anormalmente expansivo ou elevado.

Um Episódio Hipomaníaco deve ser diferenciado da eutimia, particularmente em indivíduos cronicamente deprimidos que não estão acostumados à experiência de um estado de humor não-deprimido.

Critérios para Episódio Hipomaníaco

A. Um período distinto de humor persistentemente elevado, expansivo ou irritável, durando todo o tempo ao longo de pelo menos 4 dias, nitidamente diferente do humor habitual não-deprimido.

B. Durante o período da perturbação do humor, três (ou mais) dos seguintes sintomas persistiram (quatro se o humor é apenas irritável) e estiveram presentes em um grau significativo:

(1) auto-estima inflada ou grandiosidade
(2) necessidade de sono diminuída (por ex., sente-se repousado depois de apenas 3 horas de sono)
(3) mais loquaz do que o habitual ou pressão por falar
(4) fuga de idéias ou experiência subjetiva de que os pensamentos estão correndo
(5) distratibilidade (isto é, a atenção é desviada com demasiada facilidade para estímulos externos insignificantes ou irrelevantes)
(6) aumento da atividade dirigida a objetivos (socialmente, no trabalho, na escola ou sexualmente) ou agitação psicomotora
(7) envolvimento excessivo em atividades prazerosas com alto potencial para conseqüências dolorosas (por ex., envolver-se em surtos desenfreados de compras, indiscrições sexuais ou investimentos financeiros tolos)

C. O episódio está associado com uma inequívoca alteração no funcionamento, que não é característica da pessoa quando assintomática.

D. A perturbação do humor e a alteração no funcionamento são observáveis por outros.

E. O episódio não é suficientemente severo para causar prejuízo acentuado no funcionamento social ou ocupacional, ou para exigir a hospitalização, nem existem aspectos psicóticos.

F. Os sintomas não se devem aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (por ex., droga de abuso, medicamento, ou outro tratamento) ou de uma condição médica geral (por ex., hipertiroidismo).

Nota: Os episódios tipo hipomaníacos nitidamente causados por um tratamento antidepressivo somático (por ex., medicamentos, terapia eletroconvulsiva e fototerapia) não devem contar para um diagnóstico de Transtorno Bipolar II.

Fonte: www.psiqweb.med.br

Hipomania

Quais são os tratamentos para Hipomaníacos?

A hipomania é parte do espectro de desordens bipolares. O transtorno bipolar é caracterizado por oscilações entre períodos de depressão e períodos de humor anormalmente elevado, que às vezes são chamados de episódios maníacos. As pessoas que experimentam um episódio maníaco normalmente têm aumento de energia, diminuição da necessidade de sono, aumento da impulsividade, diminuição julgamento, delírios e alucinações. Hipomaníacos são semelhantes aos episódios de mania, mas sem os delírios e alucinações. O tratamento para a hipomania é semelhante ao tratamento para o transtorno bipolar completo, mas muitas vezes mais conservadora, já que a hipomania é uma mania menos debilitante.

Lítio

Lítio, sob a forma de carbonato de lítio, é a base do tratamento da perturbação bipolar. Lítio é bastante eficaz para tratar e prevenir hipomania, mas, infelizmente, a sua dose eficaz está muito próximo da sua dose tóxica. Os sintomas de toxicidade do lítio incluem náuseas, dores de estômago, tonturas e fraqueza. Os doentes que tomam lítio precisam ter os seus níveis sanguíneos cuidadosamente monitorizados para assegurar que eles são suficientemente elevada para ser eficaz, mas não tão elevado que seja tóxico. Uma vez que não são hipomania tão perigoso quanto full-blown mania, impedindo-os é menos crítica. Por estas razões, o lítio não é sempre a primeira escolha para o tratamento de episódios hipomaníacos.

Ácido valpróico

Ácido valpróico, vendido sob o nome comercial Depakote, é uma alternativa de tratamento para o transtorno bipolar em pacientes que não toleram o lítio e é muitas vezes usada como um tratamento de primeira linha para hipomania. Eficácia do ácido valpróico na prevenção de episódios maníacos é menos bem estabelecida do que o lítio, mas a dose correta é mais fácil de encontrar do que para o lítio. O ácido valpróico é também útil para o tratamento de crises epilépticas; evidência apoia a utilização de outras medicações anti-epilépticos, tais como a carbamazepina e a lamotrigina, em perturbações bipolares, assim, embora somente a lamotrigina tem sido aprovado pela FDA para este efeito.

Antipsicóticos atípicos

Enquanto hipomaníacos ocorrem geralmente como parte de uma forma mais branda da doença bipolar, que também pode ser uma característica de transtorno esquizoafetivo. Transtorno esquizoafetivo é caracterizada por sintomas de humor flutuação, semelhante à doença bipolar, em combinação com a resposta emocional achatado e padrões de pensamento distorcidos observados em esquizofrenia. Os antipsicóticos atípicos são frequentemente utilizados para tratar a esquizofrenia e que se verificou ser eficaz para o tratamento de episódios maníacos e hipomaníacos também. Antipsicóticos atípicos são geralmente a primeira escolha para o tratamento de episódios hipomaníacos visto como parte de transtorno esquizoafetivo.

Fonte: textozon.com

Hipomania

A hipomania (literalmente "sob-mania") é um estado psicológico caracterizado por um transtorno de humor , o que pode ser irritável, animado, persistente e generalizada, bem como pensamentos e comportamentos concomitante. Um indivíduo que sofre a hipomania, chamada hipomania, geralmente tem uma menor necessidade de sono e repouso, é muito extrovertido , muito competitivo, e mostra significativa de energia. Ao contrário de maníaca , eles são regularmente produtivo e não apresentar sintomas psicóticos.

Um número significativo de indivíduos com alta criatividade relataram sintomas de bipolar , no entanto percebe que há mais que eles são hiperatividade (TDAH), e ser reivindicação dependente. Hipomanicos também são mais propensas a hipersexualidade.

Definições

A hipomania é também devido ao uso de drogas, efeitos colaterais, muitas vezes - mas não sempre - usado drogas psicoativas. Pacientes com uma forte depressão com hipomania sob a influência de drogas (por exemplo), pode expor uma forma de transtorno bipolar não categorizados.

Ocorrência

Muitas vezes os pacientes que sofreram um primeiro episódio de hipomania (que pode ser uma forma de moderar) - geralmente sem sintomas psicóticos aparentes - haveria uma história deprimido que poderia levar a sintomas maníacos, eles que normalmente ocorre durante a adolescência . Os pacientes podem, possivelmente, expor mudanças de humor e transtorno bipolar já instalada não pode ser diagnosticada, apesar de uma fase de mania / hipomania do óbvio.

Hipomania também pode ocorrer como um efeito secundário devido a tomar medicamentos prescritos para outras condições / psicológico de doenças. Por conseguinte, no caso de hipomania causados pelas drogas em pacientes com depressão unipolar, hipomania poderia quase invariavelmente ser eliminado pela redução da dose de droga, a droga ou alterar completamente o desmame medicação, se a ficha pode ser interrompido.

Alguns, como o psicólogo John Gartner, explica que a hipomania é mais visto como um temperamento não-patológica, em vez de um episódio de doença mental.

DSM, no entanto, define claramente a hipomania como comportamento aberrante.

Sintomatologia

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV-TR) define um episódio hipomaníaco durante um período de quatro dias, o que implica um estado de espírito positivo, bem como três dos seguintes sintomas ou irritável e quatro dos seguintes sintomas de humor:

Distúrbio de linguagem
Estima alta ou megalomania
No sonolento
As rápidas mudanças nos tópicos quando o paciente se comunica
Facilmente distraídos e falta de atenção semelhante transtorno de déficit, a atenção
Forte agitação psicomotora
Forte envolvimento em atividades que podem ter potenciais conseqüências psicossociais e físicos muito fortes.

Fonte: fr.wikipedia.org

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal