Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Hipotermia  Voltar

Hipotermia

 

A hipotermia é uma perigosa queda na temperatura do corpo. É mais comum no Inverno devido à exposição excessiva a temperatura fria. Outras causas incluem medicamentos, trauma, diabetes, ou abuso de drogas.

Os sintomas incluem tremores, respiração superficial, perda de memória, cansaço, pulso fraco, baixo consumo de energia e muito mais.

O que é Hipotermia?

Hipotermia na maioria das vezes ocorre devido a exposição prolongada ao frio. Roupa inadequada para as condições podem não proporcionar isolamento suficiente para o corpo para evitar a perda de calor. Imersão em água acelera hipotermia, e apenas a poucos minutos em água fria pode ser fatal.

O corpo mantém uma temperatura relativamente estável em que a produção de calor é em relação a perda de calor. Normalmente, a temperatura central do corpo (quando medida retalmente) é 98,6 graus F ou 37 ° C. Quando o ambiente exterior fica muito frio ou de produção de calor do corpo diminui, ocorre a hipotermia (hipo = menos hipotermia + = temperatura). Hipotermia é definida como com uma temperatura corporal inferior a 95 º C ou 35 º C.

A temperatura do corpo é controlada na parte do cérebro chamada hipotálamo , que é responsável pelo reconhecimento das alterações na temperatura do corpo e de responder apropriadamente. O corpo produz calor através das metabólicas processos nas células que suportam funções vitais do corpo. A maior parte do calor é perdido na superfície da pele, por convecção, condução, radiação e evaporação. Se o ambiente fica mais frio, o corpo pode ter de gerar mais calor por tremores (aumento da atividade do músculo que promove a formação de calor). Mas, se a perda de calor é maior do que a capacidade do corpo para fazer mais, em seguida, a temperatura central do corpo vai cair.

À medida que a temperatura desce, o corpo desvia sangue para fora da pele e a exposição aos elementos. O fluxo sanguíneo é aumentado para os órgãos vitais do corpo, incluindo o coração , pulmões , rins e cérebro. O coração eo cérebro são mais sensíveis ao frio, ea atividade elétrica nesses órgãos diminui em resposta ao frio. Se a temperatura do corpo continua a diminuir, os órgãos começam a falhar, e eventualmente a morte ocorrerá.

Quais são os fatores de risco para hipotermia?

Existem numerosos fatores que aumentam o risco de hipotermia:

Idade: Os muito jovens e muito velhos podem ser menos capazes de gerar calor. Os idosos com patologias subjacentes, tais como o hipotiroidismo ou a doença de Parkinson , que limitam a capacidade do corpo para regular a temperatura são menos capazes de gerar calor. As crianças não geram calor tão eficientemente, e com o seu tamanho relativamente grande da cabeça em relação ao corpo, que estão em risco para o aumento da perda de calor por radiação.

Estado mental: julgamento prejudicada ea função mental pode levar à exposição ao frio. Os pacientes com doença de Alzheimer são propensos a vagar e se exposto aos elementos.

O abuso de substâncias: álcool e abuso de drogas aumenta o risco de hipotermia de duas maneiras. Primeiro, julgamento prejudicado pode levar à exposição ao frio. Além disso, o álcool e drogas similares pode dilatar os vasos sanguíneos perto da pele ( vasodilatação ) e diminuir a eficiência do mecanismo de tremores, ambos os quais diminuem a capacidade do corpo para compensar a exposição ao frio.

As condições médicas: condições médicas subjacentes também pode levar à hipotermia acidental.

Pacientes com alterações hormonais (tireóide, adrenal, hipófise), e aqueles com neuropatia periférica (devido a diabetes ou outras condições), ou podem ser menos capazes de sentir o frio e gerar uma resposta tremendo.

Os pacientes com lesões na medula espinhal , da mesma forma, não pode ser capaz de tremer de forma adequada.

Pacientes que sofreram derrames ou tumores cerebrais podem ter prejudicado os centros de regulação térmica do cérebro.

Infecção generalizada e sepse podem tanto apresentar-se com uma temperatura baixou em vez de febre. Pessoas com diabetes que têm muito baixo de açúcar no sangue pode aparecer inconsciente e muito frio.

Medicamentos: Alguns medicamentos podem aumentar o risco de hipotermia, limitando o mecanismo tremores incluindo alguns psiquiátricos medicamentos.

Quais são os sinais e sintomas de hipotermia?

O corpo começa a diminuir quando a temperatura cai. Além do frio que se faz sentir e os tremores que podem ocorrer, a função mental é a mais afetada inicialmente. Um perigo particular de hipotermia é que ele se desenvolve gradualmente, e uma vez que afeta o pensamento e raciocínio, pode passar despercebida.

Fome inicial e náuseas dará lugar a apatia como a temperatura corporal cai.

Isto é seguido pela confusão , letargia , fala arrastada, perda de consciência e coma.

Muitas vezes a pessoa afetada vai se deitar, dormir e morrer. Em alguns casos, o paciente será, paradoxalmente remover suas roupas antes de este ocorre.

A diminuição na função cerebral ocorre em relação direta com a diminuição da temperatura do corpo (quanto mais frio o corpo, menos a função cerebral). A função do cérebro pára em uma temperatura central de 68 F (20 C).

O coração está sujeito aos ritmos elétricos anormais como progride hipotermia. A fibrilhação ventricular, um ritmo desorganizada na qual o coração é incapaz de bombear, pode ocorrer a temperaturas centrais inferiores a 28 F (82,4 C). Este é um tipo de parada cardíaca.

Os sintomas de hipotermia por temperatura corporal
Celsius Fahrenheit Descrição Sintomas
37
98,6
No hipotermia No hipotermia
Abaixo de 35
95
Definição de hipotermia N / D
32 a 35
89,6-95
Hipotermia leve Tremendo
Letargia, apatia, confusão
Rápida da frequência cardíaca
28 a 32
82,4-89,6
Hipotermia moderada Shivering paradas
Aumento da confusão ou delírio
Diminuindo a taxa de coração, pode ser vir irregular
Abaixo 28
Abaixo de 82,4
Hipotermia grave Coma
Fibrilação ventricular
Pode aparecer morto
20
68
  A atividade cerebral pára

Como é que hipotermia diagnosticada?

Normalmente, o diagnóstico de hipotermia é evidente, devido a circunstâncias. O paciente se encontra do lado de fora, no frio, e quer o doente ou um acompanhante pode explicar a situação. Às vezes, é menos evidente, especialmente se o paciente se encontra no interior e está confuso.

A temperatura central do corpo precisa de ser medido, o que pode ser feito com um termômetro retal especial, que é concebido para leituras muito baixos ou com um cateter da bexiga equipado com uma sonda de temperatura. Temperatura oral ou ouvido não são precisos em pacientes muito frias.

Além do diagnóstico de hipotermia, a causa precisa ser apurado. Enquanto algumas causas podem ser facilmente evidentes, podem existir fatores de confusão.

Pacientes intoxicados pode ter caído e sofrido um ferimento na cabeça. O paciente idoso pode ter diabetes e ter um baixo nível de açúcar no sangue. Embora seja importante para tratar a baixa temperatura, o indivíduo a história médica do paciente, deve ser considerada e testes de diagnóstico apropriados realizados para descartar quaisquer lesões ou condições associadas.

Como a hipotermia é tratada?

O cuidado com o paciente com hipotermia começa quando a pessoa for encontrada.

Primeiros socorros deve ser iniciado.

O paciente deve ser retirado do meio frio e colocado num abrigo quente longe do vento. Roupa molhada deve ser removido e substituído por uma cobertura quente, seco, incluindo cobertura para a cabeça.

Serviços médicos de emergência deve ser ativado (ligue para o 911 se disponível) o mais breve possível.

A respiração do paciente deve ser monitorado e, se ela se torna perigosamente lento ou pára, CPR deve ser iniciado.

Manuseio brusco ou espasmos do paciente deve ser minimizado se a pessoa está letárgica ou inconsciente. Isto pode causar um coração irritável de desenvolver alterações eléctricas, tais como fibrilação ventricular.

O reaquecimento deve ser iniciado pela aplicação de compressas quentes ao peito , pescoço e virilha. A água quente não deve ser utilizado. Uma vez que podem ser associados queimaduras , fogo direto não deve ser aplicada ao corpo. Em vez disso, cobertores quentes e corpo para o contato do corpo pode ser necessária como medida de primeiros socorros.

A gravidade da hipotermia e estado mental do paciente e a capacidade de funcionar irá determinar o que é necessário tratamento adicional. Reaquecimento passivo com roupas quentes em um ambiente quente pode ser tudo o que é necessário para uma pessoa consciente que está tremendo.

Reaquecimento ativo pode ser considerado para aqueles que são mais frios, mostrando sinais de confusão, ou tem outras condições médicas que necessitam de atenção. Aquecido fluidos intravenosos, cobertores de aquecimento, e aquecido de ar humidificado pode ser proporcionado no hospital.

Reaquecimento núcleo mais agressivo pode incluir infundindo fluidos quentes no estômago ou bexiga, irrigando soluções quentes no peito ou a cavidade abdominal, e em algumas situações, a colocação do paciente em diálise ou desvio para reaquecer o corpo.

Cada uma das opções acima necessita de ser especificamente adaptados à situação e à apresentação do paciente.

Um axioma de que continua a ser seguido em cuidados de emergência médica é que o paciente não está morto até que eles são "quentes e morto." Os sinais vitais como a respiração, batimento cardíaco e da pressão arterial pode ser difícil de detectar, em um paciente gravemente hipotérmico, e muitas vezes são feitos esforços para tentar prolongado de reanimação até que o paciente é aquecido. Histórias ocasionais são relatados na imprensa sobre os pacientes, especialmente crianças, que foram ressuscitadas de hipotermia grave devido à imersão em água fria.

Fonte: www.medicinenet.com

Hipotermia

HIPOTERMIA FALSA acontece se a temperatura axilar está entre 35 e 36oC

HIPOTERMIA VERDADEIRA ocorre quando a temperatura axilar está abaixo de 35oC

HIPOTERMIA FALSA

Não representa problema clínico significativo, mas é comum a busca de auxílio em emergências. 

As situações clínicas mais frequentes são:

Queda da temperatura, após 2-3 dias de febre. Parece que o uso agressivo de medidas antifebrís favorece o quadro.  Nesses casos, a criança sempre está com bom estado geral e não apresenta sudorese nem bradicardia. Raramente, a temperatura desce a menos de 35oC

Intoxicação exógena - pela nafazolina, usada nos olhos ou no nariz: é o exemplo clássico de urgência pediátrica. Vários medicamentos tópicos nasais e oculares e alguns outros remédios tidos como "inocentes" (fórmulas de dessensibilizantes orais) contêm alfa-adrenérgicos, como a nafazolina. Pensar no problema em todo paciente com bradicardia, sudorese e hipotermia de início súbito. É a primeira hipótese, mesmo que a mãe negue o uso da droga. Insista. Intoxicação por venenos ou outras substâncias terapêuticas também causam hipotermia

Hipoglicemia - mais comum em diabéticos e em doenças com comprometimento do estado geral

Descongestionantes para vias aéreas, de uso sistêmico, que contêm anti-histamínicos e adrenérgicos, mesmo nas doses recomendadas, causam este quadro em indivíduos susceptíveis

Insuficiência adrenal - pesquisar remédios para o nariz, pois há vários com cortisona, usados de forma não controlada, que podem causar falência adrenal. Avaliar o emprego de corticóides em pacientes crônicos (asmáticos e nefróticos)

Uso abusivo de vários fármacos, de bebida alcoólica

Outras.

CONDUTA

Tranquilize a família e informe que é evento transitório

Demonstre que a criança está bem, ativa, comendo e que, nesse contexto, a temperatura importa pouco

Aqueça com roupas e/ou cobertores ou bolsa térmica

Ofereça líquidos quentes.

HIPOTERMIA VERDADEIRA             

Significa uma situação clínica importante e classifica-se em:

Leve      Temperatura axilar entre 35ºC e 34ºC
Moderada     temperatura axilar de 34ºC
Grave (RISCO DE VIDA)      temperatura axilar menor que 34ºC

É pouco frequente  no nosso meio e causada principalmente por acidentes, que causam contato prolongado com água gelada ou gelo. Por isso, é observada sobretudo nos países de clima frio. Algumas vezes, é vista em país como o nosso, e as mesmas causas citadas para a falsa hipotermia devem ser pesquisados.

A conduta será mostrada a seguir.

CONDUTA

Casos leves:

Siga a mesma orientação citada para a falsa hipotermia.

Casos moderados:

Busque a causa: é o mais importante. Pense em hipoglicemia, outros distúrbios metabólicos, problemas neurológicos, cardiológicos (aferir TA). Fazer oximetria

Faça semiótica completa. Buscar uso de drogas. Insistir. Verificar quais os remédios que os familiares usam. Preocupar-se também com babás e enfermeiras, que podem usar produtos para a criança "dormir e não dar trabalho"

Adote medidas específicas, quando a causa for conhecida

Discuta com o colega de plantão e com o pediatra assistente

Interne e aqueça = calor irradiado de uma lâmpada + banhos quentes + bolsa (s) de água quente

Não use: corticóides ou adrenérgicos

Aqueça principalmente cabeça e pescoço 

Fiscalize a evolução em todos os casos. Dar atenção muito especial para pacientes sem diagnóstico. Monitorar oximetria, TA, outros sinais vitais e acompanhar evolução da condição diagnosticada

Rediscuta o paciente, quando o diagnóstico estiver indefinido.

Casos graves:

Há risco de fibrilação ventricular e morte. Estes pacientes devem ser atendidos em UTI. Chame ambulância para removê-los. Desenvolva esforços para identificar a causa. Lembre-se que isso é fundamental para o sucesso terapêutico e para facilitar o trabalho do colega da UTI.

Avise pediatra assistente e, enquanto mantém o cliente no serviço de saúde,  providencie:

Oximetria

Venóclise com solução de manutenção e glicose a 10%

Equipamento de reanimação cárdio-respiratória.

Fonte: www.pediatra24horas.com.br

Hipotermia

Introdução

A hipotermia ocorre quando a temperatura normal do corpo, que é 37ºC (98.6F) desce para menos de 35ºC (95ºF). A hipotermia é normalmente causada pela longa permanência num ambiente frio. A hipotermia é muitas vezes desencadeada pela exposição prolongada à chuva, ao vento, à neve ou a imersão em água fria.

Durante uma exposição prolongada ao frio, o mecanismo de defesa do organismo tenta evitar a continuação da perda de calor. A pessoa começa a tremer para tentar manter os órgãos principais a uma temperatura normal. O fluxo sanguíneo para a pele é restringido e são libertadas hormonas para produção de calor.

Se o corpo já não tiver energia, a hipotermia pode ser fatal. Os idosos e os doentes, que não se conseguem movimentar com facilidade, estão particularmente vulneráveis à hipotermia.

Os bebés também estão mais susceptíveis à hipotermia, pois a capacidade do organismo de regular a temperatura ainda não está totalmente desenvolvida. Eles perdem calor facilmente se ficarem num quarto frio demasiado tempo.

Sintomas

Os sintomas de hipotermia podem ser ligeiros, moderados ou severos, dependendo do tempo de exposição ao frio. Os sintomas mais ligeiros de hipotermia incluem tremores, pés e mãos frios, dormência nos membros, perda de destreza e pouca energia.

Tremores violentos e incontroláveis, discurso tremido e lento, respiração superficial e pulsação fraca são sintomas moderados de hipotermia. Torna-se difícil pensar e prestar atenção ao que se passa em seu redor. Poderá ter dificuldade em controlar os seus movimentos. Também poderá ter sensações de medo ou irracionalidade, perda de memória e sonolência.

Os sintomas severos de hipotermia passam por perder o controlo dos pés, das mãos e dos membros. Os tremores param e pode perder os sentidos. A respiração torna-se superficial e poderá até parar, e a pulsação tornar-se-á irregular ou inexistente. Também poderá sentir os músculos presos e as pupilas dilatadas.

Os bebés que sofram hipotermia terão a pele fria, ficarão muito quietos e com menos reação, e poderão recusar comer.

Causas

A hipotermia é causada por demasiado frio e ocorre após uma exposição prolongada a ambientes frios. O risco de hipotermia aumenta se não tiver roupa suficiente para se manter quente, ou se não tiver a cabeça coberta (perdemos 20% do calor do corpo através da cabeça).

É possível ter hipotermia num clima ameno. Por exemplo, caso se molhe na chuva e não se seque de imediato, e se vier um vento frio. A água, ao evaporar pela pele, leva a temperatura corporal a baixar.

Alguns grupos de pessoas correm o risco de ter hipotermia: os idosos, os sem-abrigo e as pessoas que praticam atividades em condições atmosféricas extremas, como alpinistas, pessoas que gostam de fazer caminhadas e praticantes de esqui.

A hipotermia também poderá ser um problema se tiver uma doença que afete a sua capacidade de tomar conta de si próprio. Os alcoólicos, as pessoas que tomam medicamentos e aqueles que estão a recuperar de acidentes estão em risco. Os bebés (com menos de 12 meses) deixados em quartos frios também correm o risco de sofrer de hipotermia se não os mantiverem quentes.

Diagnóstico

A hipotermia é diagnosticada através dos sintomas. O médico de família utilizará um termômetro para lhe medir a temperatura. Se estiver abaixo dos 35ºC (95F), é porque tem hipotermia.

Assim que o médico de família diagnosticar a hipotermia, poderá efetuar um eletrocardiograma para determinar até que ponto a temperatura baixa lhe afetou o coração. Algumas análises de rotina ao sangue também mostrarão se os órgãos foram afetados.

Tratamento

Sem tratamento, as pessoas que tenham hipotermia podem ficar bastante mal de repente, perder os sentidos e morrer.

Se suspeitar de hipotermia, ligue para os serviços de urgência de imediato para obter assistência médica.

Se não for possível obter assistência médica, tente evitar que a sua temperatura corporal baixe ainda mais. Se estiver no exterior, tente abrigar-se e proteger-se do ambiente. Tire a roupa molhada e cubra os pés e as mãos para evitar mais perda de calor.

Para proteger os órgãos principais do organismo, aqueça primeiro o centro do corpo. Utilize um saco cama, um cobertor de emergência, contato pele com pele ou camadas secas de cobertores, roupa, toalhas ou lençóis.

A hipotermia muitas vezes desenvolve-se gradualmente. Conforme o corpo vai envelhecendo, torna-se menos sensível ao frio, por isso um idoso poderá não sentir a temperatura a baixar. Volte a aquecer a pessoa gradualmente, pois se a aquecer muito rapidamente, por exemplo com um banho quente, poderá enviar sangue frio para o coração e para o cérebro demasiado rápido. Também será útil dar uma bebida quente (sem álcool).

Sem tratamento, as pessoas com hipotermia podem piorar muito rápido, perder os sentidos e morrer. Também há um risco aumentado de um AVC ou ataque cardíaco causados pela formação de coágulos sanguíneos.

Prevenção

A melhor forma de evitar a ocorrência de hipotermia é evitando ambientes frios.

No entanto, se sair quando está frio, faça questão de utilizar um vestuário adequado.

Use várias camadas finas para prender o ar quente e use um gorro ou um chapéu. Até 20% do calor corporal perde-se através da cabeça. Se se molhar, mude de roupa assim que possível. A roupa molhada perde cerca de 90% da sua capacidade de isolamento.

Mantenha-se o mais ativo que puder, para manter a o sangue a circular, e evite um vestuário apertado que possa afetar a circulação sanguínea. Evite suar, pois pode piorar a hipotermia. Encontre um local para se proteger do vento.

Comer e beber regularmente (evite o álcool) mantê-lo-á quente e fornecerá energia ao organismo.

Fonte: www.nhs.uk

Hipotermia

EFEITOS DA TEMPERATURA NO CORPO HUMANO

Dois efeitos podem ocorrer no corpo humano se sua temperatura não estiver na faixa normal de operação que é de 36,5 °C:

Hipertermia

Hipotermia

Hipertermia, é a elevação da temperatura do corpo, relacionada à incapacidade do corpo de promover a perda de calor para o ambiente em que se encontra ou, ainda, reduzir a produção de calor. Este aumento pode ser causado tanto por elementos externos, como exposição ao Sol, exposição por longo tempo a fornos ou locais de grande temperatura, como também, podem ser causados reação do organismo, frente a alguma doença ou proteção.

Enquanto a febre é um deslocamento do ponto de regulação para cima, a hipertermia resulta de sobrecarga dos mecanismos termorreguladores do corpo.temperatura humana normal está próxima aos 36,5°C. A partir de 37,5ºC até 40ºC não há riscos graves. Mas, se a temperatura passar dos 41ºC (o que é muito raro acontecer no ser humano) - sendo ativada como mecanismo de defesa contra processos infecciosos, inflamatórios e de intoxicação - pode provocar convulsões. Se exceder 43ºC, pode levar o indivíduo ao hospital e, em casos extremos, à morte, devido à destruição parcial da estrutura das proteínas.

Hipotermia é definida quando a temperatura central do corpo humano cai abaixo de 35o C. Vale dizer que essa temperatura central, em condições normais, é similar ao valor medido na axila. A hipotermia pode ser atingida rapidamente, por exemplo na imersão em água gelada ou no contato direto com neve e gelo, ou lentamente, quando da exposição do atleta a temperaturas ambientais frias, se agravando muito quando há vento, umidade ou chuva.

Quando as terminações nervosas detectam uma queda na temperatura, além da sensação subjetiva de frio e arrepios, surge uma vasoconstrição (diminuição do calibre) dos vasos sanguíneos principalmente da pele. Por isso a pele fica fria. Essa é a resposta inicial do corpo, no sentido de diminuir a perda de calor, mantendo a temperatura corporal interna. Quando essa vacoconstrição não é eficiente para evitar a queda da temperatura, surgem os tremores. Os tremores são contrações involuntárias dos músculos esqueléticos, contração essa que gera calor. Se a exposição ao frio ambiental é prolongada, os tremores diminuem ou cessam, surgem alterações mentais e diminue a performance motora. Progressivamente há um colapso do mecanismo termorregulador, inclusive com vasodilatação na pele e consequente perda de calor para o exterior. Assim, fecha-se um ciclo vicioso e o atleta começa a diminuir seu nível de consciência (fica prostrado, sonolento, torporoso), as funções vitais se alteram (principalmente frequência cardíaca, respiratória e pressão arterial), até a morte. No decorrer desses eventos, podem surgir lesões pelo frio, principalmente nas extremidades (mãos, pés, nariz, orelha e lábios), das quais a mais grave é o congelamento.

Vejamos abaixo quais são os principais sinais e sintomas de cada tipo de hipotermia:

Leve (35 a 33ºC):

Sensação de frio, tremor, diminuição da atividade motora (letargia ou prostração), espasmos musculares. A pele fica fria, as extremidades (ponta dos dedos, lábios, nariz, orelhas) mostram tonalidade cinzenta ou cianótica (levemente arroxeada). A vítima mostra sinais de confusão mental. Nessa fase, o diagnóstico de hipotermia muitas vezes nem é lembrado, pois o quadro pode sugerir uma exaustão física ou um distúrbio hidro-eletrolítico (desequilíbrio envolvendo hidratação e "sais minerais").

Moderada (33 a 30ºC):

Os tremores tendem a ir desaparecendo. O atleta começa a ficar muito prostrado, sonolento, quase inconsciente. Há mudança do humor (irritabilidade, agressividade, depressão). Algumas vezes pode ocorrer inclusive euforia e perda da auto-crítica. Tudo isso confunde quem examina pois pode parecer que o atleta "deu uma melhorada", mas na realidade está piorando gravemente Fica desorientado, com rigidez muscular, alterações da fala e da memória. A frequência cardíaca fica mais lenta ou irregular.

Grave (menos de 30ºC):

A pessoa fica inconsciente e imóvel. As pupilas tendem a dilatar e a frequência cardíaca e respiratória são quase imperceptíveis. A manipulação do atleta deve ser muito delicada, pois do contrário, podem ser desencadeadas arritmias cardíacas graves. Se não for controlada a situação, a morte é inevitável. Detalhe: a vítima em hipotermia grave tem uma depressão tão importante da consciência, da respiração e dos batimentos cardíacos que pode parecer estar morta. Tanto assim que é importante reaquecer o paciente.

Fonte: www.if.ufrgs.br

Hipotermia

A hipotermia é uma temperatura corporal anormalmente baixa.

As pessoas idosas ou as muito jovens são as mais vulneráveis. Estão particularmente expostos os que vivem sós e permanecem sentados durante horas ou dias num ambiente frio, pois lentamente começam a sentir confusão e debilidade. Metade dos idosos que sofrem de hipotermia morrem antes ou pouco depois de terem sido encontrados. De qualquer modo, nem sequer as pessoas jovens, fortes e saudáveis são imunes à hipotermia.

Causas

A hipotermia ocorre quando o corpo perde calor mais rapidamente do que leva a queimar energia para o repor. O ar frio ou o vento podem fazer perder o calor do corpo por convecção. Permanecer sentado ou imóvel durante bastante tempo sobre o solo frio ou sobre uma superfície metálica, ou então com a roupa molhada, faz com que o calor do corpo passe para a superfície mais fria por condução. O calor pode perder-se através da pele exposta, sobretudo da cabeça, através da irradiação e da evaporação do suor.

A hipotermia costuma ocorrer quando a pessoa se encontra imersa em água fria (quanto mais fria, mais rapidamente se produz a hipotermia). O início da hipotermia pode facilmente passar despercebido durante um longo período de imersão em água que não parece demasiado fria mas que, no entanto, está a subtrair calor ao corpo. É importante reconhecer o perigo de uma imersão em água gelada, mesmo que seja durante poucos minutos, ou mais tempo numa água mais morna, sobretudo porque a vítima frequentemente costuma desorientar-se.

Sintomas

O início da hipotermia costuma ser tão gradual e subtil que tanto a vítima como os outros não se apercebem do que está a suceder. Os movimentos tornam-se lentos e entorpecidos, o tempo de reação é mais lento, a mente turva-se, a pessoa não pensa com clareza e tem alucinações. Quem sofre hipotermia pode cair, andar sem destino fixo ou, simplesmente, deitar-se para descansar e até morrer. Se a pessoa se encontrar na água, move-se com dificuldade, pouco depois desiste e, finalmente, afoga-se.

Tratamento

Nas primeiras fases, vestir roupa seca e aconchegante, tomar bebidas quentes ou embrulhar-se num saco-cama com outra pessoa pode contribuir para a recuperação. Se a vítima estiver inconsciente, há que evitar que continue a perda de calor, devendo-se envolvê-la numa manta seca e quente e, na medida do possível, levá-la para um lugar aquecido enquanto se prepara a sua transferência para um hospital.

Muitas vezes não se encontra o pulso nem se ouvem os seus batimentos cardíacos. A vítima deve ser movida com suavidade porque um golpe brusco poderá provocar-lhe um ritmo cardíaco irregular (arritmia) que poderá ser mortal. Por isso, não é aconselhável recorrer à reanimação cardiopulmonar fora de um hospital, a menos que a vítima tenha estado imersa em água fria e esteja inconsciente. Como o risco de a vítima inconsciente morrer é elevado, ela deverá ser tratada e controlada num hospital. As vítimas de hipotermia não deverão ser consideradas mortas até que tenham atingido uma temperatura normal e, apesar disso, não tenham sinais de vida.

Lesões produzidas pelo frio

A pele e os tecidos que se encontram sob a mesma mantêm-se a uma temperatura constante graças ao sangue que circula por eles. A temperatura do sangue deve-se ao calor proveniente da energia libertada pelas células quando queimam alimentos (um processo que requer um fornecimento estável de alimentos e de oxigénio).

A temperatura corporal baixa quando a pele é exposta a um ambiente mais frio, o qual aumenta a perda de calor quando o sangue não pode fluir com normalidade ou quando diminui o fornecimento de alimentos e de oxigénio. O risco de sofrer lesões pelo frio aumenta quando a nutrição é inadequada ou a quantidade de oxigénio é insuficiente, como ocorre nas grandes altitudes.

As lesões que o frio provoca, normalmente, não se manifestam, nem sequer em climas extremamente frios, se a pele, os dedos das mãos e dos pés, as orelhas e o nariz estiverem bem protegidos e não ficarem expostos ao ar durante muito tempo. Quando a exposição é mais prolongada, o organismo estreita automaticamente os pequenos vasos sanguíneos da pele e dos dedos das mãos e dos pés, das orelhas e do nariz para canalizar mais sangue para os órgãos vitais como o coração e o cérebro.

No entanto, esta medida de autoproteção tem um preço: como estas partes do corpo recebem menos sangue quente, arrefecem com maior rapidez.

Evitar uma lesão provocada pelo frio é simples: há que saber onde está o perigo e preparar-se. As peças de vestuário (de preferência de lã) ou os sobretudos com capuz acolchoados com penas ou fibra sintética, além de protegerem contra o vento, constituem o vestuário ideal até nas condições mais duras. Como pela cabeça se perde grande quantidade de calor, é fundamental contar com um chapéu que proteja. É também conveniente comer e beber o suficiente.

As lesões provocadas pelo frio compreendem a hipotermia, situação em que todo o corpo arrefece, atingindo temperaturas potencialmente perigosas, o congelamento parcial, ou seja, quando partes do corpo ficam superficialmente danificadas, e o congelamento, em que alguns tecidos corporais ficam completamente destruídos. A excessiva exposição ao frio também provoca frieiras e pé-de-imersão.

Fonte: www.manualmerck.net

Hipotermia

A hipotermia ocorre quando a temperatura do corpo cai abaixo de 35 º C. O corpo humano tem um número de sistemas que mantêm uma temperatura central constante de cerca de 37 º C. Uma pessoa não tem de estar em temperaturas abaixo de zero para a hipotermia risco - muitas vezes acontece a temperaturas variando de 0 a 10 C.?

A pessoa pode também tornar-se hipotérmica como resultado de certas condições médicas. Pessoas que mentem imóvel após um acidente vascular cerebral ou depois de tomar drogas, por exemplo, pode tornar-se frio em um tempo surpreendentemente curto.

Algumas situações podem fazer com que o corpo perca mais calor do que ele pode gerar.

Estas situações podem incluir:

A exposição prolongada ao frio
Sendo em água fria durante um longo período de tempo
Passar um tempo excessivo com a roupa molhada
Deitado imóvel no ar frio ou sobre uma superfície fria

Se uma pessoa não pode gerar calor suficiente de atividade muscular para substituir o que foi perdido, ou se eles não estão vestindo roupas adequadas para proteger da perda de calor, então hipotermia pode ocorrer.

Sinais e sintomas de hipotermia

O primeiro sinal de alerta da hipotermia é o tremor incontrolável. A pessoa pára de tremer à medida que progridem em hipotermia grave. A pessoa pode entrar em coma, como a temperatura do corpo cai abaixo de 32 º C.

Uma vez que o cérebro esfria a cerca de 30 º C, a estrutura que regula a temperatura do corpo pára de funcionar. Respiração da pessoa e batimento cardíaco diminui severamente até que se torna indetectável. O coração já não bombeia o sangue de forma eficaz e o corpo é privado de oxigênio. Isto é, eventualmente, fatal sem o tratamento imediato. No entanto, as pessoas com hipotermia grave pode demonstrar uma capacidade incrível de se recuperar se gerida corretamente.

Estágios de sintomas de hipotermia

Os sintomas de hipotermia pode progredir lentamente e as pessoas muitas vezes não estão conscientes de que precisam de ajuda médica.

As fases podem incluir:

Sensação de frio
Pele fria e pálida
Tremendo
Perda de concentração, julgamento pobre
A perda de controlo sobre a coordenação motora fina - por exemplo, os músculos dos dedos
Sonolência
Letargia
Confusão, irritabilidade
Tontura
Dificuldade em respirar
Perda da coordenação física, instável em pé
Pára tremendo eventualmente
Fala arrastada, dificuldade na fala
Respiração desacelerou
Pupilas dilatadas
Coma
Morte.

Fatores de risco para hipotermia

Fatores que podem aumentar a susceptibilidade de uma pessoa à hipotermia incluem:

Infância - crianças perdem calor mais rapidamente do que os adultos, principalmente através de sua cabeça. Isto é particularmente verdade para os bebês, que devem ser protegidos contra o frio
Velhice - pessoas que tomam medicamentos ou sofrer outros problemas de saúde podem ser menos capazes de regular o seu próprio calor do corpo ou detectar que eles estão sendo afetadas pela temperatura. Eles também podem ser menos capazes de se mover ou fazer alterações necessárias para ajudar
Problemas cardíacos
Sistema de distúrbios circulatórios
Um corpo magro ou baixa gordura corporal
Fome
Fadiga
Álcool
O tabagismo
Drogas
Desidratação
Esforço físico.

Hipotermia grave é risco de vida

Hipotermia leve normalmente é fácil de tratar. No entanto, o risco de morte aumenta conforme a temperatura corporal central cai abaixo de 32 º C. Se a temperatura corporal central é inferior a 28 º C, a condição de risco de vida, sem atenção médica imediata. Sob esta temperatura, uma pessoa vai ser muito frio para tocar, sem resposta, rígida, sem respirar, não tem pulso, e os seus alunos será corrigido. Eles parecem estar mortos, mas eles podem não ser.

Primeiros socorros para hipotermia grave

Medidas de primeiros socorros para hipotermia grave incluem:

Em caso de emergência, ligue para a zero triplo.
Enquanto espera a ajuda chegar, monitorar a respiração da pessoa. Se eles têm hipotermia grave, sua respiração pode tornar-se perigosamente lenta ou superficial ou eles podem deixar de respirar.
Comece a ressuscitação cardiopulmonar imediatamente se a pessoa não mostra sinais de vida, isto é, se eles não estão respirando normalmente, são inconscientes ou não respondem, ou não se mover.

Nunca assuma que uma pessoa está morta. Uma pessoa com hipotermia grave só pode ter uma respiração por minuto, com uma frequência cardíaca inferior a 20 batimentos por minuto. Sempre assumir que eles estão vivos.

Primeiros socorros para todos os casos de hipotermia

Essas dicas de primeiros socorros se aplicam a todas as fases de hipotermia:

Não massageie ou esfregue a pessoa - e não permitir que eles para ajudá-lo. Ou mantê-los ainda correm o risco de um ataque cardíaco. Se eles se movem, a atividade muscular vai bombear o sangue frio de seus braços e pernas para a circulação central e causar a sua temperatura central a cair ainda mais.
Leve a pessoa sair do frio - se isso não for possível, protegê-los do vento, cobrem a cabeça e isolar o corpo do chão frio.
Remova a roupa molhada - substituir com uma cobertura seca, de preferência quente. Cubra a cabeça da pessoa.
Tente aquecer a pessoa -, mas não se aplicam calor direto. Aplicar compressas quentes no pescoço, parede torácica e na virilha. Não use água quente, uma almofada de aquecimento ou uma lâmpada de aquecimento para aquecer a pessoa. Não tente aquecer os braços e as pernas - o que irá enviar sangue frio de volta para o coração, fazendo com que a temperatura do corpo a cair ainda mais.
Compartilhar o calor do corpo - para aquecer o corpo da pessoa, retire sua roupa e se deitar ao lado da pessoa, fazendo contato pele a pele. Em seguida, cubra ambos os corpos com um cobertor ou entrar em um saco de dormir, se possível.
Não dê álcool - isto reduz a capacidade do corpo para reter o calor. Se a pessoa está alerta e é capaz de engolir, ter-lhes de beber quentes, bebidas não-alcoólicas. Não oferecer líquidos se o vômito.
Não deixe a pessoa sozinha - ficar com eles em todos os momentos.
Monitorar continuamente a respiração - se a respiração da pessoa pára de iniciar a reanimação cardiopulmonar imediatamente se você estiver treinado. Se tiver dúvidas, marcar a zero triplo - operadores irá recomendar o que fazer. Continue a RCP até que a pessoa começa a respirar por conta própria ou até assistência médica chega.
Não assuma a pessoa está morta - CPR pode ser a salvação para uma pessoa com hipotermia grave que pode parecer ser morto. Eles podem não estar respirando, não tem pulso, ser fria ao toque, tem pupilas fixas e ser rígido - mas eles ainda podem estar vivos.

Prevenir hipotermia quando ao ar livre

Exposição ao frio, mesmo para um curto período de tempo, pode ser perigoso se você não está preparado. Tremendo e sensação de frio ou dormência são sinais de alerta que o corpo está perdendo muito calor.

Maneiras simples de evitar a hipotermia incluem:

Evite a exposição prolongada ao frio.
Esteja alerta para as condições meteorológicas que podem aumentar o risco de hipotermia e agir de acordo, por exemplo, procurar abrigo durante uma tempestade de neve.
Use várias camadas de roupa para reter o calor do corpo, em vez de apenas uma camada de volumosos. As fibras naturais, como lã são melhores em segurando calor.
Use uma camada impermeável exterior para ficar seco.
Use luvas, cachecóis e meias, com peças de reposição para substituir quando molhado.
Usar botas isolados.
Usar capacete quente - uma grande quantidade de calor do corpo é perdido através do couro cabeludo.
Certifique-se de suas roupas e botas não estão muito apertadas. Se a sua circulação sanguínea é restrito, você está mais propenso a hipotermia.
Beba muitos líquidos.
Coma regularmente.
Faça intervalos regulares para reduzir o risco de fadiga física.
Mantenha seu olho na temperatura do corpo exata tomando um termômetro clínico no seu kit de primeiros socorros.
Trocar de roupa molhada imediatamente.
Evite álcool, cigarros e cafeína.
Verifique se o seu kit inclui uma boa oferta de fósforos impermeáveis.

Use um sistema de amigo

Ao participar de qualquer atividade ao ar livre que tem o potencial de risco de hipotermia, como caminhadas ou montanhismo, utilize o sistema de parceria e verificar outro por sinais de alerta. Você pode não ser capaz de reconhecer seus próprios sintomas de hipotermia devido à confusão mental. Formação em primeiros socorros é fortemente aconselhada.

Hipotermia em casa

A hipotermia pode ocorrer dentro de casa. Os idosos e alguns com condições médicas são mais suscetíveis à hipotermia.

O risco pode ser reduzido por:

Garantir há calor suficiente em casa
Buscar atendimento em agências governamentais de ajuda com alimentos, aquecimento e roupas se necessário
Tendo check-ups médicos regulares.

Coisas para lembrar

A hipotermia ocorre quando a temperatura do corpo cai abaixo de 35 º C.
A hipotermia pode facilmente acontecer em temperaturas que variam de 0 a 10 C.
Hipotermia grave risco de vida, sem atenção médica imediata.

Fonte: textozon.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal