Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Economia da Borracha  Voltar

Economia da Borracha

 

Economia da Borracha

Durante quase meio século, de 1870 a 1920, a produção de borracha na Amazônia é uma das mais importantes atividades econômicas do país.

Envolvendo cerca de 100 mil pessoas, em grande parte nordestinos retirantes das grandes secas da década de 1870, a exportação do látex amazônico chega a atingir médias anuais de 40 mil toneladas, enviadas para os Estados Unidos e para a Europa.

Grandes bancos, empresas de comércio e companhias de navegação inglesas, francesas e norte-americanas instalam agências em Belém e Manaus, algumas delas centralizando seus negócios no Brasil e na América do Sul.

A prosperidade e a modernização exibidas por essas duas cidades, com seus teatros, cafés, palacetes, lojas, bondes, telefones e luz elétrica, são resultado da combinação da riqueza natural da floresta com o avanço da revolução industrial.

Os milhões de seringueiras nativas concentradas na Amazônia Ocidental, sobretudo nas áreas que viriam a constituir o estado do Acre, representam uma imensa fonte de goma elástica. E a aceleração da indústria automotiva, a partir da invenção do motor a combustão e dos pneus de borracha vulcanizada, cria um enorme mercado consumidor dessa matéria-prima.

Juntando as duas pontas do processo estão os milhares de seringueiros, com sua mão-de-obra barata, e os agenciadores; os coronéis donos das terras; os regatões, arrendatários dos seringais e transportadores do produto; e as empresas exportadoras.

A riqueza da borracha parece ilimitada, e a modernidade da belle époque chega à selva. Mas, logo após a I Guerra Mundial (1914-1918), notam-se sinais de rápido declínio.

O consumo mundial diminui momentaneamente e, o mais grave, começa a ser suprido por países da Ásia, para onde a seringueira fora levada clandestinamente por grupos ingleses.

A Amazônia fica sem o monopólio dessa matéria-prima e, com isso, perde o interesse para os grandes investimentos e empreendimentos capitalistas internacionais, entrando então num processo de decadência econômica.

Fonte: EncBrasil

Economia da Borracha

Com o aperfeiçoamento do processo de vulcanização, a borracha proveniente da seringueira tornou-se um produto altamente valorizado no mercado internacional e crucial para a expansão da então nascente indústria automobilística, tendo ainda muitas outras aplicações industriais.

Por volta de 1880 até 1914, a borracha amazônica foi um dos principais produtos da pauta brasileira de exportações, ficando atrás somente do café, o que gerou para os cofres dos governos estadual e federal elevadas somas advindas do recolhimento de impostos.

Daí as duas décadas seguintes à proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, terem sido marcadas de forma contundente pela exploração da seringueira na Amazônia, que abundava nas regiões dos altos rios amazonenses.

Já no século XX, a alta carga de impostos federais que incidia sobre o produto amazônico teria tornado viável e lucrativa a implantação, por parte de europeus e norteamericanos, de extensos seringais no Sudeste Asiático.

Aproveitando o excepcional aquecimento da economia amazonense, Manaus transformou-se de um simples vilarejo à beira do rio Negro em uma pujante cidade, dotada de infraestrutura urbana moderna, tornando-se a sede dos negócios que giravam em torno da borracha na Amazônica ocidental.

O governador Eduardo Ribeiro destacou-se por suas ações administrativas visando à estruturação urbana e paisagística de Manaus, dotando, inclusive, a cidade com o Teatro Amazonas, a mais importante demonstração de refinamento e bom gosto da Belle Époque no Brasil, inaugurado em dezembro de 1896.

Manaus tornou-se tão poderosa que abrigava um dos maiores milionários do mundo, o comendador J. G. Araújo, proprietário de extensos seringais. De 1899 a 1903, a capital amazonense custeou o processo de usurpação de parte do território boliviano, o Acre, que por fim foi anexado ao Brasil mediante o pagamento de dois milhões de libras esterlinas.

Em janeiro de 1909, os amazonenses criaram a primeira universidade brasileira, que recebeu o nome de Escola Universitária Livre de Manaus, atualmente denominada de Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Economia da Borracha
Seringueiro, o Heroi Anônimo

Com o declínio da economia da borracha, o Amazonas passou por um longo período de estagnação econômica, que vai de 1914 ao início da década de 1940.

Com o acesso aos seringais asiáticos bloqueado pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial, os norteamericanos financiaram a retomada da produção da borracha durante um breve período, de 1941 a 1945, em que houve a exportação de mais de 70 mil toneladas do produto.

Data dessa década a criação do Banco da Amazônia (Basa) e de outros mecanismos de apoio ao desenvolvimento regional. Com o fim da guerra e o desinteresse norteamericano pelo produto amazônico, o governo brasileiro passou a considerar a Amazônia em seus planos de desenvolvimento.

Com a criação da Zona Franca de Manaus, em 1967, e sua consolidação na década de 1990, a economia industrial amazonense se agiganta a cada dia, gerando cerca de 400 mil empregos, diretos e indiretos, além de um faturamento anual que em 2008 ultrapassou os US$ 30 bilhões.

O governo amazonense, aproveitando a excepcional fase econômica, que se estende desde 1994, investe em infraestrutura para dotar o Estado com as condições necessárias para manter e expandir o atual crescimento econômico e garantir o bem-estar social de sua gente, com sustentabilidade ambiental e comprometimento com o futuro.

Fonte: www.amazonas.am.gov.br

Economia da Borracha

DA ECONOMIA COLONIAL AMAZÔNICA À CRISE DA BORRACHA

Antecedentes históricos do desenvolvimento amazônico.

A Amazônia é uma região conhecida desde os primórdios da colonização européia na América, pois o espanhol Vicente Yañez Pinzón já havia descoberto a foz do Amazonas, em janeiro de 1500. Pelo Tratado de Tordesilhas (1494), ela era então domínio da Espanha. Isso, portanto, pouco antes da expansão do capitalismo trazer os portugueses para fundar sua colônia em terras do Novo Mundo.

A Amazônia, no entanto, permanece livre da presença do colonizador europeu por todo o século XVI e, também, na maior parte do primeiro quartel do século XVII.

Por que isso se deu? Ou perguntando-se de um modo direto: por que essa vasta região não foi logo de início colonizada? As razões desse fato devem-se, inicialmente, às dificuldades de navegação e penetração na densa floresta, bem como ao acatamento dos portugueses ao Tratado de Tordesilhas – já que estavam ocupados com o comércio do Oriente e com a exploração do pau-brasil no Sul da colônia americana.

Já os colonizadores espanhóis, desde logo apropriam-se do ouro acumulado pelas civilizações astecas (México) e incas (Peru), e a exploração de metais preciosos (ouro e prata) passa a se constituir na própria razão de ser da ação colonizadora espanhola no Novo Mundo, no século XVI. É claro que a concentração de esforços na defesa dessas áreas acarretou a perda das Antilhas para os seus principais inimigos (ingleses, franceses e holandeses), durante o século seguinte. A agricultura só vai se tornar uma atividade de destaque nas colônias espanholas ao longo dos séculos XVII e XVIII.

Na verdade, o processo inicial de colonização européia na América faz parte de um amplo e complexo processo histórico, cujo papel essencial da colônia é o de ser instrumento de acumulação primitiva de capital, fonte de riqueza a ser explorada e apropriada pelo capital colonizador, seja português ou espanhol.

A colonização portuguesa americana enceta-se somente a partir de 1530, pesando a decisão política de povoar para preservar a posse, em face da iminente perda do domínio para os espanhóis, franceses, holandeses e ingleses, através da concessão de privilégios e latifúndios a donatários de capitanias que explorassem a agricultura.

Daí, organiza-se a produção açucareira no Nordeste voltada para suprir o mercado consumidor europeu e assim segue a colonização dos portugueses no século XVI.

Quando Portugal passa para o jugo espanhol a partir de 1580, permanecendo nessa condição até 1640, caracteriza-se assim um estado de inexistência de fronteiras nas terras americanas dominadas por estes colonizadores europeus.

A disputa pelo domínio da Amazônia entre holandeses, ingleses e franceses constitui a motivação política para o início da ocupação portuguesa, fundando o povoado de Santa Maria de Belém, em 1616. Neste mesmo ano, os portugueses expulsam do vale amazônico todos os seus inimigos.

No ano de 1622 é criado o Estado do Maranhão e Grão-Pará, que é totalmente desvinculado do Estado do Brasil e dividido em seis capitanias.

A agricultura é então ensaiada como suporte da exploração econômica colonizadora, ao se tentar estabelecer aí a lavoura de cana-de-açúcar. Mas, entretanto, condições naturais desfavoráveis, baixo nível de domínio sobre a natureza amazônica e estágio incipiente da própria colonização constituem-se em obstáculos ao seu desenvolvimento. Ademais, a produção açucareira exigia investimentos iniciais e o capital era algo escasso na região por essa época.

É tão somente na segunda metade do século XVII que vai se dar início ao processo de exploração econômica , dando origem aos “ciclos agrícolas” amazônicos ou também chamados de “ciclos de exploração ligados ao extrativismo vegetal”.

A região amazônica, enquadrando-se no sistema colonial português, não foge à regra e monta um aparato produtivo a fim de produzir para o mercado, como meio de contribuir para a reversão da depressão que atingia a economia portuguesa (e toda a Europa) nesse período, mas, fundamentalmente, para cumprir seu papel de alavanca estimuladora da acumulação burguesa metropolitana e da própria economia européia.

A Amazônia, com sua parcela de produção de riqueza, constituir-se-á assim, num instrumento efetivo para acelerar a acumulação primitiva de capital, num momento de desenvolvimento do capitalismo mercantil.

A produção é organizada por missionários e colonos à base de trabalho compulsório do nativo. A Amazônia é a região colonial na qual predomina o trabalho escravo indígena e cuja atividade econômica consiste na extração de produtos da floresta conhecidos como especiarias ou “drogas do sertão”- cacau, cravo, canela, salsaparilha, baunilha, copaíba -, que passam a ser comercializados no mercado internacional.

Nessa época, a Amazônia era um território ocupado por missionários (jesuítas, carmelitas, mercedários capuchos de Santo Antônio e outros) que dominavam na extensão do Amazonas cerca de 60 aldeias de índios mansos e população por volta de 50 mil índios. Era uma área na qual não adentravam colonos e nem agentes oficiais, conformando, assim, uma região puramente indígena sob direção missionada.

A supremacia missionária decorria, além da pequena presença de colonos, do recurso ao “descimento” como método de escravização indígena e, ainda, por ser a missão o centro de criação do tapuio, isto é, do índio despossuído de sua identidade étnica e principal fornecedor de força de trabalho da região.

O engajamento de colonos no aprisionamento de índios no alto e baixo amazonas, por volta de 1640, abre um comércio escravista indígena de âmbito restrito, na medida em que seus ganhos internam-se na região.

Isso era bem diferente do que ocorria com o comércio de escravos africanos: era integrado ao sistema colonial português, sendo os lucros dos mercadores portugueses carreados para a Europa e, assim, também contribuía para impulsionar a acumulação burguesa na metrópole.

Ao longo do processo de constituição da economia colonial missionária amazônica, vão-se conformando uma série de processos correlatos:

Constituição de uma incipiente economia extrativa exportadora de produtos tropicais amazônicos para o mercado capitalista europeu e relativo crescimento do produto exportado;
Incorporação de territórios ao domínio colonial português;
Rarefação da força de trabalho indígena decorrente de vários fatores:
vitimada por maus-tratos, trabalho avassalador ou doenças, como a Febre de sarampo de 1748 e 1749 e, ainda, em razão de fugas para o interior da floresta;
Destribalização e geração do tapuio;
E, por fim, a ascensão econômica e política dos missionários em relação aos colonos, particularmente os missionários jesuítas. Isso porque, no plano econômico, este grupo dirigente constituía a própria camada burguesa, na medida em que monopolizava a produção e comércio dos produtos tropicais extrativos, apropriando-se integralmente do excedente gerado pelo trabalho escravo indígena, já que nem os tributos eram recolhidos pelo Estado colonial português.

Dentre os produtos florestais exportados, o cacau vai cada vez mais firmando-se como o produto de maior demanda no mercado metropolitano: exportava-se 28.216 arroubas de cacau, em 1730, e passa-se para 58.910 arroubas, em 1740, o que representava 90% do valor total exportado regional. No entanto, logo em seguida as exportações voltam a cair entre 1750 e 1754.

A queda das exportações de cacau implicou o reforço oficial na região, que aparece sob a forma de criação da Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (1755- 1778), proporcionando a consolidação do contato da região com o mercado metropolitano e introduzindo o tráfico negreiro na Amazônia.

A essa altura, terceiro quartel do século XVIII, Portugal tentava reverter o atraso econômico em função da tutela inglesa, reestruturando sua política mercantilista e formulando as grandes linhas para a consolidação das fronteiras na colônia brasileira.

Daí criam-se companhias com o monopólio do comércio e do transporte, com a função de reforçar a reserva de mercado para os mercadores lusitanos e dinamizar o comércio metropolitano, no bojo da política mercantilista; daí constróem-se fortificações por todo o território colonial para defesa e afirmação do domínio português. E isso foi sendo desencadeado durante o governo de Pombal.

A expulsão dos jesuítas em todas as regiões da colônia brasileira(1759), conseqüência da luta travada por Pombal, foi o modo de abolir o poder missionário na América portuguesa e evitar o risco de perda efetiva de parcela significativa do domínio territorial português.

Assim, a desorganização do sistema jesuítico desembocou na “letargia econômica” da região, na opinião de Celso Furtado. Para Roberto Santos, “Não há ainda como avaliar até que ponto essa organização (companhia pombalina) seria superior à dos missionários”.

No entanto, parece não haver dúvida de que o sistema jesuítico não mais se enquadrava no esquema delineado e em execução por Pombal e, por isso, foi demolido para proceder a promoção de um grupo dirigente exportador, formado por colonos, empenhados na expansão da atividade produtiva da região e na aceleração da acumulação do capital mercantil metropolitano.

A Amazônia era importante para Portugal e, portanto, fazia-se necessário que a política pombalina se expressasse em ações concretas a fim de tanto preservar o domínio territorial amazônico conquistado, quanto para ampliar a produção regional, e por conseqüência, realizar o seu intento maior: a transferência do excedente para a burguesia metropolitana.

Por isso é que na era pombalina passa-se a incentivar a agricultura como atividade complementar à economia do extrativismo cacaueiro, introduzindo-se alguns cultivos na região, como o café, o algodão, o tabaco e o arroz. Cria-se também pesqueiros reais no Solimões e a pecuária é também incentivada no vale do rio Branco. Entretanto, todo esse esforço de diversificação produtiva não logra êxito.

Durante a vigência da Companhia pombalina o cacau segue sendo o produto dominante na pauta de exportação, representando, em média, 61% das exportações da Amazônia para a metrópole portuguesa. Em seguida, vinham o café e o cravo, em torno de 10% e 11% do valor total exportado, respectivamente.

É nessa época também que o arroz silvestre da região é deslocado pela introdução do arroz branco da Carolina (1772). A partir de 1773, já se exportava cerca de 605 toneladas para a metrópole.

A exportação de cacau era predominante na região, mas com produção de origem puramente extrativa e que enfrentava restrições, como a existência de pequena população e relativa escassez da força de trabalho indígena, o que não permitia que suas exportações alcançassem maior expressão econômica em relação à produção exportada da colônia.

A administração pombalina também busca reformar o papel da força de trabalho indígena nos quadros do sistema colonial a fim de melhor adequá-la ao esquema delineado:

a) promove a abolição formal da escravidão indígena, que era uma decorrência da legislação colonial de 1757. Mas é claro que a escravidão indígena permanece sendo o método de exploração empregado por colonos e pelo próprio Estado;
b)
promove a transformação das aldeias em vilas, ao criar o regime do Diretório de índios, substituindo, assim, a tutela missionária pela do Estado e que representa-se na nomeação de um funcionário secular, o qual passa a receber o produto de um sexto da força de trabalho na repartição dos índios tutelados.

O Diretório deveria cumprir, essencialmente, a função de incorporar os índios das missões no esforço de consolidação do domínio colonial português e, eventualmente, os índios tribais. Daí intensifica-se o recrutamento da força de trabalho indígena para a atividades extrativas dos colonos e para os empreendimentos mercantis e obras públicas promovidas pelo Estado colonial.

Se a política pombalina não conseguiu lograr êxito quanto à pretensão de diversificar e, assim, ampliar significativamente a produção na região – provavelmente porque não haveria força de trabalho indígena para ser ocupada em todas as atividades pretendidas - , também fracassa sua política indigenista, cuja razão reside na própria inviabilidade de integração servil do tapuio à sociedade colonial.

Será que essa economia colonial amazônica efetiva-se como instrumento da acumulação primitiva? Como isso se concretiza? Qual a lógica subjacente ao movimento dessa economia? As respostas a essas indagações podem ser dadas a partir da análise da sua estrutura econômica, conforme teorizadas por Paul Singer e/ou Fernando Novais, cuja característica fundamental é a não existência de ciclo econômico próprio. Daí a economia colonial amazônica definir-se como uma economia dependente, na medida em que a produção principal orienta-se para a exportação de produtos extrativos para o mercado capitalista metropolitano. Assim, toda a dinâmica do seu setor exportador encontra-se determinada pelo influxo externo, isto é, por aquele mercado.

Por outro lado, existe, também, o setor de subsistência, com baixo grau de divisão do trabalho, vinculado e dependente do primeiro, que produz alguns produtos de subsistência para atender o consumo de ambos os setores, naquilo que não consegue importar da metrópole.

Fica claro que o aumento da demanda do mercado capitalista metropolitano para o produto extrativo cacau e a conseqüente elevação das exportações vai caracterizar a fase de prosperidade regional e o reverso, a depressão.

Destaque-se que a renda gerada pelas exportações de cacau dividia-se em três parcelas principais: a) grande parte era apropriada pela burguesia metropolitana em função do monopólio do comércio de cacau. Ademais, também pelo monopólio na exportação de manufaturados para a Amazônia, cuja produção era proibida em todas as regiões da colônia; b) outra parte era apropriada pelo Estado Colonial, via tributação; e c) uma pequena fração da renda era retida pelos colonos para a manutenção da atividade ou expansão das unidades produtivas extrativas e, ainda, para o consumo importado de manufaturas metropolitanas.

Todo esse processo econômico significa, em última análise, que o excedente (ou mais-valia) gerado pelo trabalho escravo indígena da Amazônia era transferido em sua maior parte para a burguesia metropolitana, sob a forma de lucro comercial, cumprindo com a função de estimular a acumulação primitiva do capital mercantil, não existindo, assim, qualquer possibilidade de acumulação endógena na região.

No último quartel do século XVIII, a Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão é extinta (5/1/1778) e, depois, a Companhia de Pernambuco e Paraíba (21/4/1780), encerrando-se, assim, a etapa do monopólio do comércio reservado apenas para a burguesia da metrópole portuguesa, mas passando, a partir daí, para a burguesia em seu conjunto, ao mesmo tempo em que coincide com o início da crise do sistema colonial português e de todo o Antigo Regime.

Nessa época assiste-se o desencadear da Revolução Industrial na Inglaterra, o que consolida o modo de produção capitalista. Isso se traduz na incorporação do progresso técnico como método apropriado de acumulação e no conseqüente aumento da produtividade do trabalho e redução dos preços das manufaturas. A Inglaterra requer, em contrapartida, o alargamento do mercado consumidor composto por toda a sociedade do ultramar, o que implica a generalização de relações mercantis e, ao mesmo tempo, compromete e instala a crise no sistema colonial português e em todo o chamado Antigo Regime.

Ao tempo em que o sistema colonial entra em crise e desenvolve-se o capital industrial na Inglaterra, há uma relativa expansão na Amazônia, impulsionada, basicamente, por três fatores:

a) aumento da produção exportada de algodão para a metrópole, cuja produção exportada inicia-se com um total de 60 arroubas, em 1773, passa para 2.125 em 1775, 8572 em 1781 e 14.049 arroubas em 1800;
b)
um surto de realizações de obras pelos governantes do Pará e Rio Branco; e c) elevação do preço do cacau no mercado de Amsterdã (durante o período de 1800 a 1813, mas com queda nos preços a partir de 1818), favorecido também pela redução das exportações de cacau cultivado na Venezuela.

A essa altura, fins do século XVIII e início do seguinte, há relatos de autores como Martius, Fernando de Souza e outros acerca de um violento processo de extermínio indígena, de descimentos para os centros regionais e tratamento do índio como puro escravo.Isso, certamente, deve ter contribuído para a expansão dessas exportações, baseado no aumento do recrutamento e, sobretudo, na elevação do grau de exploração da força de trabalho indígena.

Basta atentar-se para o fato de que, no final do século XVIII, vários grupos indígenas haviam desaparecido, num extermínio de cerca de cento e cinqüenta tribos da Amazônia.

Quando a família real transfere-se para o Brasil, em 1808, em razão da invasão napoleônica de Portugal, sua política econômica logo determina a abertura dos portos às nações aliadas portuguesas. Isso atrai alguns negociantes ao Pará que se estabelecem e passam a transacionar no mercado europeu ( mais tarde, viriam os norte-americanos). E a presença desses comerciantes estrangeiros aparentava um clima otimista para os negócios da região.

Ao mesmo tempo, a política de D. João VI altera a política indigenista anterior, que era norteada na busca de integração do índio. Agora, passa a ser a de “rejeição radical do índio, que deve ser eliminado fisicamente e substituído por populações mais concordes às exigências do progresso e da civilização” Daí fica mais fácil entender porque se intensifica a repressão contra as populações indígenas tribais da Amazônia, assegurada pela legislação colonial vigente.

Na realidade, não se pode falar que a situação da Amazônia era de prosperidade, já que sua economia estava imersa na crise da economia colonial.

Vejamos algumas manifestações dessa crise na região:

A crise instalara-se no Pará desde 1806 até 1819. No ano de 1820, com a chegada de mercadorias do mercado capitalista externo -inglesas, francesas, portuguesas e africanas- verificou-se um aumento no movimento comercial local, parecendo que a crise seria revertida.

No entanto, esse afluxo de mercadorias foi obstaculizado com as “comoções e agitações políticas internas”; A crise também estava presente na Capitania do Rio Branco, perdurando até meados do século XIX; Além disso, como o cacau seguia representando 58% do valor total exportado regional, em média, e como os seus preços vinham declinando no mercado de Belém - com cotação de 3.100 réis por arrouba em 1805, cai para 2.600 réis em 1809 e chega a 2280 réis em 1822 - fica patente o quadro de dificuldades por que passava a região, nessa época.

Por que há crise na economia colonial amazônica e esta coincide com a crise em todas as regiões da colônia brasileira? A explicação não deve ser apenas porque os preços dos produtos tropicais declinavam no mercado mundial, atingindo as exportações, as regiões, não havendo perspectiva para nenhuma economia colonial regional, já que, também, a economia mineira encontrava-se em decadência.

A explicação deve partir do perspectiva de vê-la, em primeiro lugar, que trata-se não como crise da economia colonial amazônica, mas da crise histórica de um tipo de economia: a economia colonial latino-americana. Em segundo lugar, que os fundamentos históricos têm origem no processo que combina a extinção do monopólio comercial português, a ascensão e hegemonia da Inglaterra no mercado mundial, a qual provoca crise na economia colonial, e, em última análise, desemboca no rompimento do “Pacto Colonial e constituição do Estado Nacional”.Sob o ponto de vista do interesse da Inglaterra, era o meio de expandir mercado para os seus produtos industriais, ou seja, como meio de desenvolvimento do capital industrial inglês.

Em outras palavras, explica-se o motivo básico da crise da economia colonial, manifestada na situação desfavorável para os seus produtos e queda de suas exportações, no próprio perfil da oferta de produtos em contradição com os desígnios do capital inglês, na medida em que a este apenas interessava a produção de produtos primários a baixos preços – alimentos e matérias-primas -, no sentido de elevar sua taxa de lucro via rebaixamento dos custos industriais (rebaixando os custos com capital variável e elementos do capital).

A crise na Amazônia era agravada ainda em função de três fatores de ordem interna:

a) invasão da Guiana Francesa por tropas paraenses, determinada por D. João VI, com invasão e conquista entre dezembro de 1808 e janeiro de 1809, mas cuja ocupação vai até o ano de 1817, o que reduzia o contingente da força de trabalho regional;
b)
as agitações políticas na Província do Pará, iniciadas em 1821, motivadas por partidários de idéias liberais contra o absolutismo monárquico do porto, em confronto com defensores da incorporação do Pará ao domínio português, numa atmosfera radical que ultrapassa o ano de 1822. Daí a adesão à concepção de independência brasileira, de Estado-Nação, na Amazônia, só ter vindo posteriormente, em 15 de agosto de 1823; c) a guerra civil amazônica, isto é, o movimento social nativista denominado Cabanagem (1835/1839), que resultou na “destruição de vidas e do patrimônio de colonizadores e nativos”.

Convém aqui lembrar que o Pará correspondia a toda a Amazônia, em 1822, e sua população não ultrapassava 100.000 habitantes, composta de 78% de índios (puros, arredios, ou já contatados com a “civilização”), excluindo-se os mestiços.

E que a insurreição de índios e mamelucos amazônicos constitui um dos mais importantes movimentos nativistas da história brasileira, assim definido por Moreira Neto: “A Cabanagem foi um momento histórico da tentativa de emergência dessa massa de ‘tapuios’ e outros mestiços, social e etnicamente degradados, e que procuravam escapar aos duros moldes da sociedade colonial por uma rebelião armada que, a despeito de seus aspectos políticos mais aparentes e explícitos, tinha um conteúdo de mudança social extremamente revolucionário para as condições locais.” O desfecho da Cabanagem resultou no extermínio de 30 mil pessoas e na criação da Província do Amazonas.

O período entre 1750 e 1850 marca, tanto a perda da face indígena da Amazônia, quanto a falta de dinamismo em toda a economia brasileira, pois esta não apenas apresenta-se estagnada, mas também regride.

Os auges exportadores da economia colonial eram então resquícios: auge das exportações de açúcar da economia do Nordeste (1650); e o auge das exportações de ouro da economia mineira de Minas Gerais (1750).

Como o mercado capitalista mundial, sob comando inglês, retraíra-se para o cacau amazônico, pelo fato de não se conseguir ampliar a oferta desse produto a preços baixos, o resultado era queda nos preços, no valor das exportações e decadência regional, durante toda a primeira metade do século XIX. Ocorre, também, um processo de desestruturação dessa modesta produção mercantil para exportação, assumindo, em seu lugar, uma produção de subsistência de autoconsumo, com evidentes inexpressivos resultados econômicos.

Quando mais tarde consolida-se a indústria de chocolate na Europa e Estados Unidos e, simultaneamente, o consumo eleva-se nesses mercados, será o sul da Bahia a região produtora que assumirá a hegemonia brasileira, pois passa a representar 90% da produção total do Brasil.

Nessa época, o que é que a Bahia tem que a Amazônia não tem? A Bahia tem terras virgens e adequadas para o cultivo do cacau, fácil acesso e, principalmente, investimentos de capital. São, portanto, esses fatores que se traduzirão numa produtividade do trabalho e competitividade superior ao da produção extrativa amazônica.

Quer dizer que a economia amazônica iria mesmo regredir a uma economia de subsistência, já que os preços do cacau encontravam-se em queda no mercado mundial? É verdade que os preços internacionais do cacau encontravam-se em baixa, como também estava em curso a metamorfose da economia amazônica mercantil em economia de subsistência, mas, este último fenômeno não chega a se efetivar completamente.

A deterioração das relações mercantis na região não se completa em virtude do surgimento incipiente de produção e exportações de borracha, ensaiadas ainda na primeira metade do século XIX.

A produção de borracha (Hevea Brasilienses) - planta originária da Amazônia e conhecida pelos indígenas, que a utilizavam para fazer bolas, seringas e também para impermeabilizar objetos - é iniciada com 31 toneladas exportadas, em 1827. Em 1830, a produção exportada passa para 156 toneladas. Isso, graças ainda à força de trabalho indígena, pois, após a abolição (1888), e mesmo durante a passagem para o século XX, o trabalho compulsório do índio seguia sendo o suporte da exploração extrativa. Entretanto, a força de trabalho indígena terá participação marginal na atividade extrativa da borracha, em virtude de redução sofrida em sua população e afastamento dos índios tribais dos centros produtores iniciais.

Na primeira metade do século XIX, a borracha surge, assim, como um alento para a economia regional, mas é ainda um produto extrativo que não tem nenhuma capacidade de reversão do seu panorama de crise e decadência. Ela é aí uma matériaprima de restrito consumo industrial e de baixa capacidade de oferta interna.

Do lado da oferta, a produção extrativa de borracha era restringida pelo reduzido número de trabalhadores engajados no processo produtivo, já que concorria por força de trabalho indígena com a atividade principal, o que bloqueava o crescimento da produção exportada: as exportações de borracha representavam apenas 16,6% do valor total exportado regional, em 1838, e não chegavam a ultrapassar 24% , em 1848.

Do lado da demanda, era incipiente o estado da indústria de artefatos de borracha da Inglaterra e dos Estados Unidos, evidenciando-se na limitada procura desses países capitalistas no período: a Inglaterra importava 23 toneladas de borracha, em 1830, e passa para 68 toneladas em 1845; 209, em 1850, e 1818 toneladas, em 1855. Os Estados Unidos importavam 1000 toneladas, em 1850, e passam para 3000 toneladas, em 1855. Ademais, contribuía o fato de que a invenção da vulcanização (1838), por Charles Goodyar, ainda não havia se incorporado ao processo produtivo industrial da borracha e, portanto, isso também comprimia a demanda externa.

Assim, pode-se entender a irrisória produção exportada e o fato da borracha amazônica, enquanto fonte de matéria-prima para o suprimento da indústria capitalista pós- Revolução Industrial, não ter ainda grande capacidade de atrair o interesse dos capitais ingleses e norte-americanos.

A emergência do segundo “ciclo de exploração extrativista vegetal” da Amazônia somente pode dar-se, efetivamente, a partir da segunda metade do século XIX, à medida em que se desenvolve a indústria de artefatos de borracha vulcanizada inglesa e norte-americana, concomitante ao estímulo para o aumento da produção de látex. E coincide com a melhoria no setor mercantil de transportes, com a introdução do navio a vapor (1853), cuja linha é monopolizada pela companhia do Barão de Mauá, o que vai ampliar o acesso às regiões produtoras – mais tarde (1866), as pressões imperialistas inglesas e norte-americanas conseguem a abertura do Amazonas à navegação internacional. Em seguida, a Amazon Steam Navigation incorpora as companhias existentes (1874) e monopoliza todas as operações (1876), o que vai se traduzindo em caminho para a penetração e domínio do capital mercantil internacional na Amazônia.

Inicialmente, os centros locais produtores do látex da seringueira concentravamse no Pará e em algumas ilhas, mas tão logo ocupadas essas áreas, ou mesmo esgotadas em decorrência do emprego de técnicas predatórias, a produção gomífera continuava incorporando as áreas de seringueiras do Amazonas e de novas áreas produtoras, na direção dos rios Madeira, Juruá, Purus e Acre, incorporando, inclusive, novas áreas ao território brasileiro, como foi o caso do Acre.

A borracha constitui-se na principal atividade econômica, concentrando todos os recursos produtivos da região, no terceiro quartel do século XIX. Ela sai de uma posição de apenas 10,7% do valor total exportado regional, em 1848, para participar com 71,9% do valor total, em 1872.

A supremacia do extrativismo da borracha, cuja produção implicava na utilização intensiva da força de trabalho disponível, aliado ao fato da demanda de consumo ser suprida com importações, inclusive gêneros alimentícios para a população regional, traduzia-se em desalento e entrave ao desenvolvimento de relações mercantis na agricultura amazônica.

O mundo capitalista passava para a sua segunda fase imperialista, no último quartel do século XIX e primeiros anos do século atual, cujos traços principais são os seguintes:

a) concentração do capital via incorporação do progresso técnico de modo acelerado; b) monopolização de mercados industriais como resultado do capital financeiro, originário da fusão entre o capital industrial e o capital bancário; c) exportação de capital como forma de obter-se o domínio completo sobre o Estado dos países periféricos; d) surgimento de novas potências industriais; e) a luta intercapitalista entre países centrais visando a anexação de territórios exclusivos para a exportação de capitais e, paralelamente, o surgimento do colonialismo monopolista que, em última análise, isso desemboca na própria luta pela partilha do mundo entre os Estados Unidos, Japão e Alemanha.

Há, por sua vez, uma conjugação de fatores (interno e externo) que vão proporcionar as condições para expansão e auge da produção de borracha da Amazônia, entre o último quartel do século XIX e o primeiro decênio deste século:

1) a longa estiagem nordestina (1877-1880), o estado de decadência do Nordeste, a propaganda e translado subsidiado pelos governos amazônicos, resultaram numa corrente migratória na ordem de 260.000 trabalhadores para as áreas extrativistas de borracha da região, sendo este o grande responsável pela expansão da oferta, na medida em que os métodos extrativistas de produção de borracha permaneceram os mesmos; 2) no último quartel do século XIX e o primeiro decênio deste século, o capital monopolista elege a borracha como uma matéria-prima de expressiva demanda no mercado mundial, em função da intensa expansão da indústria automobilística inglesa e norte-americana.

É surpreendente o crescimento das exportações amazônicas, nesse período. As exportações médias de borracha, que atingiam 6.000 toneladas nos anos setenta, passam para 11.000 toneladas nos anos oitenta, 21.000 toneladas nos anos noventa e 35.000 toneladas na primeira década do século XX.

No último quartel do século XIX, a Amazônia torna-se a região produtora de borracha para a indústria automobilística mundial, quando os seus preços internacionais são ascendentes: elevação moderada, entre 1866 e 1888, e crescimento acelerado, entre 1889 e 1910. Em seguida, veio o declínio dos preços internacionais de borracha, entre 1911 e 1912.

À medida que os preços da borracha elevavam-se no mercado capitalista internacional e a Amazônia detinha o monopólio de sua produção, cuja matéria-prima era cada vez mais disputada e imprescindível para a indústria dos países centrais, o capital inglês elabora um plano para deslocar a produção para fora da região, ou seja, para as suas colônias. O objetivo evidente era monopolizar a fonte dessa matériaprima, a fim de elevar sua taxa de lucro, ao tempo em que reduzisse os custos dos elementos do capital constante.

Em 1873 e 1876, a Inglaterra transplanta a semente de seringueira (hevea) para o Jardim Botânico londrino de Kew, iniciando experimentos para a sua produção nos seringais de cultivo, em suas colônias do Sudeste Asiático (Ceilão e Malásia). O capital inglês investe na formação de extensas plantações, o que vai se expressando no aumento da produtividade do trabalho, melhor qualidade e menor preço da borracha ofertada por suas colônias no mercado internacional. Em seguida, os holandeses e franceses também passam a fazer parte da disputa pelo domínio das fontes supridoras dessa matéria-prima, na medida em que introduzem plantações comerciais em sua colônias, Indonésia e Indochina, respectivamente.

A entrada das plantações comerciais de borracha das colônias inglesas, holandesa e francesas no mercado mundial, sob o comando do capital industrial monopolista e colonialista, inicialmente, rompe a hegemonia da produção silvestre amazônica, a partir de 1889. Entretanto, a produção asiática, que se assenta numa produtividade do trabalho relativamente superior e materializa-se no menor preço, vai progressivamente excluindo a produção de borracha natural amazônica do mercado, e, em última análise, é isso que vai provocar a marginalização da produção gomífera da Amazônia.

A produção asiática apresentava uma produção de pouco mais de 28.000 toneladas de borracha exportada, em 1912, e, em 1913, já exportava 48.000 toneladas.

Em 1914, passa para 71.000 toneladas e, progressivamente hegemônica, chega, em 1919, a representar 90% da produção de borracha mundial.

A exportação de borracha natural da Amazônia atinge seu pico com o total de 42.000 toneladas, em 1912, representado cerca de 40% do valor total exportado do país.A partir daí, encerra-se o segundo “ciclo”, com o estabelecimento da crise da economia extrativista da borracha, expressada em estagnação e decadência regional.

O que se poderia dizer acerca das relações de produção na economia do extrativismo da borracha amazônica? Pode-se dizer que a economia extrativista da borracha organizara-se pelos proprietários dos meios de produção (seringalista ou arrendatário), de um lado, e pelo produtor direto (seringueiro ou extrator), juridicamente livre, de outro.

As tarefas do seringueiro na unidade produtiva (seringal) consistiam em corte da seringueira, coleta do látex e defumação, numa jornada de trabalho com duração média de 14 a 16 horas diárias.

O excedente gerado pelo seringueiro era apropriado pelo sistema de aviamento, cujos mecanismos fundamentais consistiam na venda da borracha a preços rebaixados ao seringalista, de um lado, e, de outro, na compra de gêneros de subsistência com preços aviltados pelo intermediário. Destarte, a sujeição do seringueiro ao seringalista era reproduzida numa cadeia creditícia, na qual os agentes exportadores e importadores (bancos e casas aviadoras), em função do mercado internacional, financiavam a produção gomífera e a importação na região, resultando no predomínio do capital comercial no extrativismo amazônico, nessa época.

Embora o translado fosse subsidiado pelos governos da Amazônia, desde a chegada do trabalhador nordestino na região, este encontra-se preso ao seringal, em função de dívidas contraídas pelos adiantamentos fornecidos pelo seringalista, que incluíam gêneros alimentícios e instrumentos de trabalho.

Para Celso Furtado, o seringueiro da Amazônia era um trabalhador que sobrevivia isolado na colocação do seringal, endividado e num regime de servidão.

A economia do extrativismo da borracha, portanto, não realiza a dissolução completa entre o produtor direto e as condições objetivas do processo de trabalho, em face da sujeição e subordinação do seringueiro ao seringalista, e, por isso, não introduz a relação social de produção básica do capitalismo na região, isto é, o trabalho assalariado.

No plano econômico, qual o legado do extrativismo da borracha para o desenvolvimento amazônico? Não há dúvida de que a economia do extrativismo da borracha na Amazônia não constitui um processo de desenvolvimento, devido às seguintes razões:

a) não estabelece uma agricultura comercial produtora de alimentos;
b)
não faz surgir o assalariamento;
c)
a economia do aviamento, o conseqüente domínio do capital mercantil e sua apropriação do excedente gerado, não permite uma acumulação endógena, na medida em que grande parte do excedente econômico transferia-se para o exterior, seja através de remessas de lucros, juros ou via importação de bens e serviços.

A crise da economia da Amazônia perdurará até os primeiros anos da década de 1940, quando, depois de desencadeada a Revolução de 1930 e o processo de desenvolvimento do capital industrial do Brasil avançar “restringidamente”, a economia do extrativismo da borracha vai tendo uma maior articulação com o mercado nacional.

Considerações finais

Essa reconstrução histórica revela que, similarmente às demais regiões coloniais portuguesas, a Amazônia brasileira constitui uma economia colonial baseada no trabalho escravo indígena que, com sua parcela de produção de riqueza, efetiva-se como instrumento de aceleração da acumulação primitiva de capital, num momento de desenvolvimento do capitalismo mercantil europeu, no quadro do Antigo Sistema Colonial Mercantilista.

Uma característica fundamental da economia amazônica é a ausência de ciclo econômico próprio. Isso decorre do fato de que o excedente gerado pelo trabalho escravo indígena da Amazônia era transferido em sua maior parte para a burguesia metropolitana, sob a forma de superlucro comercial, cumprindo, portanto, a função de estimular a acumulação primitiva do capital mercantil e impossibilitando a acumulação endógena na região. Daí a economia colonial amazônica ser uma economia dependente, na medida em que a produção principal orienta-se para a exportação de produtos extrativos para o mercado capitalista metropolitano.

Assim, toda a dinâmica do seu setor exportador fica determinada apenas pelo influxo do mercado externo.

A produção extrativa é, inicialmente, organizada pela empresa comercial missionária. Os missionários, particularmente os jesuítas, constituíam a maior parcela da própria camada burguesa, na medida em que monopolizavam a produção e comércio dos produtos tropicais extrativos. Por isso, apropriavam-se quase integralmente do excedente gerado pelo trabalho escravo indígena.

Dentre os produtos florestais exportados pelos jesuítas, o cacau vai firmando-se como o de maior demanda no mercado metropolitano. A queda das exportações de cacau implicou a intervenção mercantilista portuguesa na região, que objetivou-se sob a forma de criação da Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão.

Esta visava consolidar o monopólio do comércio, do transporte e introduzir o comércio de escravos na Amazônia.

Por sua vez, a política pombalina não consegue lograr êxito quanto à pretensão de diversificação da produção na região – provavelmente porque não haveria força de trabalho indígena para ser ocupada em todas as atividades pretendidas -, nem tampouco quanto à sua política indigenista, obstaculizada pela própria inviabilidade de integração servil do tapuio à sociedade colonial.

Em que pese a constituição do Estado-Nação, com a conquista da soberania política pelo Brasil, a economia do extrativismo da borracha na Amazônia mantém inalterada a estrutura de economia colonial durante o período estudado. Daí seu processo não poder ser caracterizado como um processo de desenvolvimento econômico, porque não estabelece uma agricultura mercantil de alimentos, não possibilita o surgimento do assalariamento e nem permite uma acumulação endógena.

Esta é inviabilizada pelo domínio do capital mercantil na região e pela transferência de grande parte do excedente produzido para o exterior, seja sob a forma de lucros, de juros ou de importação de bens e serviços.

Sinedei de Moura Pereira

Referências Bibliográficas

CORDEIRO, Mâncio Lima. Considerações acerca da nova dinâmica da produção de matérias-primas na Amazônia, Campina Grande, UFPb, Dissertação de Mestrado, 1982.
FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil, 23 ed., São Paulo, Editora Nacional, 1989.
KARAVAEV, A. Brasil passado e presente do “Capitalismo periférico”, Moscovo, Edições Progresso, 1987.
MELLO, João Manuel Cardoso de. O capitalismo tardio: contribuição à revisão crítica da formação do desenvolvimento da economia brasileira, 1. Ed., São Paulo, Brasiliense, 1982.
MOREIRA NETO, Carlos de Araújo. Índios da Amazônia, de maioria a minoria (1750-1850), Petrópolis, Rio de Janeiro, Editora Vozes, 1988.
NOVAIS, Fernando A. Portugal e Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial (1777- 1808), 2.ed., São Paulo, Editora Hucitec, 1981.
PANDULFO, Clara. Amazônia Brasileira: ocupação, desenvolvimento e perspectivas atuais e futuras, Belém, CEJUP, 1994.
PEREIRA, Luiz C. Bresser. Economia Brasileira, uma introdução crítica, 3. Ed., São Paulo, Editora Brasiliense, 1983.
PINTO, Nélson Prado Alves. Política da borracha no Brasil: a falência da borracha no Brasil, São Paulo, Hucitec, 1984.
PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil, 25 ed., São Paulo, Editora Brasiliense, 1970.
RIBEIRO, Berta G. O Índio na História do Brasil, Editora Global, 1983.
RIBEIRO, Darcy. Os Índios e a Civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno, 5. Ed., Petrópolis, Editora Ltda, 1986.
SANTOS, Roberto Araújo de Oliveira. História econômica da Amazônia: 1800-1920, São Paulo, T. A. Queiroz, 1980.
SILVA, Luís Osírio. A luta pela Amazônia, São Paulo, Fulgor, 1962.
SIMONSEN, Roberto Cocharane. História Econômica do Brasil: 1500/1820, 8 ed., São Paulo, Ed. Nacional, 1978.
SINGER, Paul. Desenvolvimento econômico e evolução urbana: análise da evolução econômica de São Paulo, Blumenau, Porto Alegre, Belo Horizonte e Recife, São Paulo, Editora Nacional, 1977.
SOBRINHO, Pedro Vicente Costa. Capital e trabalho na Amazônia Ocidental: contribuição à história social e das lutas sindicais no Acre, São Paulo, Cortez, 1992.

Fonte: www.sep.org.br

Economia da Borracha

A Economia da Borracha no Pará

No fim da década de 1840-1850, a população do Pará estava ainda sofrendo os efeitos da Cabanagem e da repressão anticabana.

O período que segue é caracterizado pelo ciclo da borracha: a antiga “droga do sertão” se tornou a matéria-prima da nova industria automobilística. A Amazônia era, então, a única região produtora de borracha no mundo.

O período de exploração da borracha na região amazônica pode ser dividida em cinco fases:

1) No começo da produção da borracha a atividade estava entregue a aventureiros desorganizados e escravizadores de índios, a produtividade não chegava a 90 quilos por homem ao ano, ou seja, 1/3 da produção do século XX. Durante a fase de elevação inicial moderada, de 1830 a 1850, a produção ocorria em um mundo selvagem e atrasado em que a maior parte da mão-de-obra era de índios e tapuios.
2)
A fase de melhoria do tirocínio (aprendizado ou exercício), permitiu um desenvolvimento acelerado da produtividade, de 1850 a 1870; algumas técnicas novas foram empregadas; havia certas divisões de tarefas operacionais; o emprego da navegação a vapor, que permitiu a descoberta de seringais virgens; este momento permitia uma produção de uns 200 quilos por seringueiro ao ano.
3)
A “fase de adestramento nordestino”, de 1870 a 1890, com modesta elevação; ocorreu um grande contingente de imigrações originários do Nordeste, no entanto, tornava-se necessário uma nova aprendizagem pois os nordestinos não tinham experiências com a floresta amazônica.
4)
A fase acreana, de 1890 a 1910; o aproveitamento em larga escala dos seringais do Acre impulsionou a produção, permitindo uma produção que subiu de 210 para 230 quilos média por homem.
5)
No período mais recente, por ocasião da Segunda Guerra Mundial e nas décadas seguintes, a melhoria das condições de saúde, e a assistência governamental via Banco da Borracha, mais tarde a SUDHEVA, etc., permitiu que a produtividade se desenvolvesse mais que no passado.

A borracha

A Borracha é uma substância natural ou sintética que se caracteriza por sua elasticidade, repelência à água e resistência elétrica. A borracha natural é obtida de um líquido leitoso de cor branca chamado látex, encontrado em numerosas plantas. A borracha sintética é preparada a partir de hidrocarbonetos insaturados.

Uma das árvores produtoras de borracha é a seringueira Hevea brasiliensis, da família das Euforbiáceas, originária do Amazonas. Outra planta produtora é a árvore-de-goma, Castilloa elastica, originária do México.

Economia da Borracha
A seringueira ou Hevea brasiliensis

Economia da Borracha
A borracha bruta é branca ou incolor. Através de um corte inicial e da remoção seletiva da casca, uma seringueira
produz em média 1,8 kg de borracha bruta anualmente

Em estado natural, a borracha bruta é um hidrocarboneto branco ou incolor. À temperatura do ar líquido, cerca de 195 ºC, a borracha pura é um sólido duro e transparente. De 0 a 10 ºC, é frágil e opaca e, acima de 20 ºC, torna-se mole, flexível e translúcida. Ao ser amassada mecanicamente ou aquecida em temperatura acima dos 50 ºC, a borracha adquire uma textura de plástico pegajosa. A borracha pura é insolúvel em água, álcali ou ácidos fracos e solúvel em benzeno, petróleo, hidrocarbonetos clorados e dissulfureto de carbono. Na fabricação atual de artigos de borracha natural, esta é tratada em máquinas com outras substâncias. A mistura é processada mecanicamente sobre uma base ou moldada, sendo logo colocada em moldes para posterior vulcanização.

A descoberta dos europeus da borracha (séc. XVIII)

Quando os portugueses descobriram a borracha, chamaram-na assim porque o produto permitia apagar a tinta no papel em que se havia escrito. Os portugueses do Pará aprenderam com os omáguas (tribo do Médio Amazonas) a fazer com essa substância umas bolas de seringa.

Logo, a palavra seringa serviu para designar a própria árvore, como se pode perceber no relato do viajante português Alexandre Rodrigues Ferreira, em 1783:

A seringueira, nome comum de cerca de 10 espécies de um gênero de árvores produtoras de látex, nativas da Amazônia. É a célebre “árvore da borracha”. A espécie mais explorada, por dar o látex de melhor qualidade, distribui-se de forma espontânea por toda a região compreendida entre a bacia do rio Ucaiali e o Xingu, ao sul, e o estuário do rio Amazonas ao norte. Mede entre 20 e 30 m de altura, podendo chegar a 50 metros.

Do uso artesanal até a grande industria

Sérios problemas técnicos existiam, dificultando uma boa utilização da borracha: ela se tornava pegajosa com o calor da região e ficava dura nos países com estação fria. A solução foi a invenção da vulcanização, um processo que torna elástica, resistente, insolúvel, a borracha natural. Tal descoberta foi feita por Goodyear, nos Estados Unidos, em 1839. A vulcanização é um processo pelo qual a borracha, cozida com enxofre, perde suas propriedades não desejáveis (pegajosidade).

Economia da Borracha
Logomarca da Companhia de Pneus Goodyear, fundada em 1898 por Frank Seiberling.
O nome da fabrica foi em homenagem de Charles Goodyear. Goodyear inventou a vulcanização em 1839

Economia da Borracha

Economia da Borracha
Em 1898, fabrica da Goodyear em Akron, Ohio, EUA. Foto da Biblioteca do Congresso Americano, EUA

Economia da Borracha
Pneu Goodyear, hoje

Comparada com a borracha vulcanizada, a não tratada apresenta muito poucas aplicações. É usada em cimentos, fitas isolantes, fitas adesivas e como isolante para mantas e sapatos. A borracha vulcanizada é empregada nas correias transportadoras, para fabricar mangueiras, pneus e rolos para uma ampla variedade de máquinas, para fabricar roupa impermeável, em materiais isolantes e em muitas outras aplicações. É possível chamar borracha sintética a toda substância elaborada artificialmente que se pareça com a borracha natural. Obtém-se por reações químicas, conhecidas como condensação ou polimerização, a partir de determinados hidrocarbonetos insaturados.

Produzem-se vários tipos de borracha sintética: neoprene, buna, borracha fria e outras borrachas especiais.

Com a vulcanização, a demanda do novo produto se intensificou. Por exemplo, a Grã-Bretanha importou 200 quilos de borracha em 1830, 10.000, em 1857 e 58.000, em 1874. Mas o salto decisivo foi com a invenção da roda pneumática. O inventor foi Dunlop, que aplicou à bicicleta de seu filho, em 1888. A invenção e a produção do automóvel com o emprego de rodas pneumáticas tornaram, definitivamente, a industria contemporânea dependente da borracha. O pessoal empregado na industria da borracha nos Estados Unidos passou de 2.600, em 1850, para 50.000, em 1910.

Da “droga do sertão” à borracha industrial: o Pará é transformado

Precedida de um conhecimento científico que se desenvolvia desde 1736, a descoberta da vulcanização da borracha nos Estados Unidos e Inglaterra, cerca de um século após, criara novas oportunidades para a combalida economia da Amazônia.

A procura externa do produto foi um fator para suscitar uma atmosfera propicia para os negócios regionais, justificando a importação de tecnologia então moderna. A oferta regional, de início limitada a artigos rudimentares de borracha, expandiu-se até 1875, fazendo forte apelo a uma organização produtiva escravista, da qual o índio foi primeiro e principal sustentáculo.

No entanto, a nova atividade necessitava de muitos braços o que gerou grande mobilidade intra-setorial e espacial da população ativa. De 1825 a 1850, a produção comercial de borracha restringia-se principalmente a Belém e às ilhas, mas logo se expandira até o Xingu e o Tapajós, no Pará.

Entre 1850 e 1870, as imigrações transpõe a fronteira do Amazonas e se dirigem aos seringais dos rios Madeira e Purus. É nesse período que a população da Província do Amazonas começa a ter expressão maior. Ao aproximar-se o fim da década de setenta, o problema da escassez de mão-de-obra assumiu feição mais grave. A borracha destronara o cacau.

Desta forma, em meados do século XIX, a economia tradicional, baseada nas “drogas do sertão” privilegiou uma delas, a borracha. Com efeito, à época, a Amazônia era o único fornecedor mundial da borracha; em conseqüência, ela se beneficiou do aumento da demanda estrangeira. A partir de 1857, a borracha tornou-se o produto mais exportado (mais de 30% do total). Seis anos depois, já ultrapassava com mais de 43% das exportações.

O aumento da produção foi cada vez mais rápido e se estendeu do Pará ao resto da Amazônia, a partir de 1890. A partir dos anos 80, o Pará, primeiro, a Amazônia toda, em seguida, entram no período de auge da produção da borracha, crescendo até a década de 1900-1910. A produção passa de 8.500 ton., em 1880, para mais de 40.000 ton., em 1910.

Havia um aspecto original e único, também: uma grande industria, a industria automobilística, começou a se desenvolver a partir de um produto (látex) extraído da mata amazônica, graças ao trabalho manual do seringueiro, seguindo a experiência dos índios.

O seringueiro era (e é) um homem que trabalha na mata, vivendo da extração do látex da seringa (ou seringueira) trabalhando diariamente na “estrada”, usando como principais instrumentos o facão do mato ou machadinha, o terçado, a tigelinha e um balde (para até 6 ou 10 litros de látex).

Economia da Borracha
Seringueiro da Amazônia extrai o látex da Hevea brasiliensis, a mais explorada das 10 espécies de seringueira

Após sangrar a árvore, o seringueiro coloca a tigelinha, que deve receber o látex, escorrendo das incisões feitas. Uma árvore suporta em média 4 tigelinhas.

Volta mais tarde para recolhê-las. Então entrega-se a defumação do látex. Despeja o leite numa bacia, acende o fogo, empregando a madeira resinosa de que dispõe, o que provoca a fumaça necessária e apropriada à coagulação do látex na forma comercial. O seringueiro derrama um pouco do látex na extremidade de um pau chato, com a forma de espátula.

O pau é virado com as mãos, devagar, na fumaça e o látex se coagula pela ação do ácido carbônico contido na fumaça. Depois de feitas grandes bolas de borracha, o pau é suspenso a um gancho, ou girado em barras paralelas, em quanto elas são colocadas de modo a permitir a ação de rolar para diante e para trás, na fumaça. As bolas feitas por esse modo variam de 5 e 10 kg (cada bola).

Economia da Borracha
Ferramentas do seringueiro - a) facão ou machadinha, b) terçado, c) tigelinha, d) balde

Economia da Borracha
Seringueiro incisando

Economia da Borracha
A coagulação do látex

O Sistema de Aviamento

O seringueiro não era um trabalhador assalariado. Embora não tendo um patrão, como um assalariado, o seringueiro era dependente do dono do barracão (o aviador). Vendia sua produção para ele; comprava dele o que precisava para viver no meio da mata.

Economia da Borracha
Seringueiro no barracao com as bolas de borracha

Inicialmente foi utilizado para o trabalho da exploração da borracha a mão-de-obra indígena, os brancos tentaram engajar índios de algumas tribos na produção.

Contudo, foram os trabalhadores nordestinos que sustentaram a força de trabalho da borracha. Nascidos no meio dos sertões secos, a chegada no mundo amazônico foi um grande desafio. Os trabalhadores nordestinos desconheciam as técnicas de trabalho, os segredos da mata, ele é um estranho ao meio físico e ao meio sócio-econômico da região. Nos primeiros momentos do uso da mão-de-obra de nordestinos cometeu-se diversos erros e grandes imprudências na exploração da borracha. Desta forma, os trabalhadores nordestinos tiveram que ser adestrados para a nova função. No final do século XIX, os nordestinos constituíam quase que a totalidade dos seringueiros na região amazônica.

A extração do látex para a borracha se fazia no seringal, parte da mata com muitas seringueiras. Antes de poder extrair o látex, o mateiro devia descobrir e delimitar um seringal dentro da mata. Depois abriam-se as “estradas” de seringa. A produção da borracha dependia de uma rede de comercialização.

O seringueiro dependia do aviador do barracão, aquele que “aviava”. Mas, o aviador, dependia também do seringueiro, da sua entrega esperada da borracha.

Desta forma, os dois eram ligados mutuamente.

No entanto, nas relações entre aviador e seringueiro não havia igualdade: o segundo dependia, até para a manutenção de sua vida, do primeiro, vivendo isolado no seringal. O aviador aproveitava-se dessa situação, impondo os preços dos produtos, consumidos pelos seringueiros, que vinham de Belém. Em Belém, meia dúzia de grandes firmas estrangeiras, com matrizes na Inglaterra, Alemanha e nos Estados Unidos, reuniam toda a produção regional, monopolizando a comercialização da borracha.

Assim era o sistema de “aviamento”: o seringueiro era “aviado” pelo barracão; o barracão era “aviado” por casas exportadoras; as casas exportadoras eram financiadas por bancos estrangeiros.

A decadência do ciclo da borracha

Uma mudança ocorreu na produção da borracha e que veio a modificar a produção paraense. Na Ásia passou-se a plantar a hévea e a se produzir a borracha.

Ao invés de ser extrair o látex de árvores que crescem espontaneamente, como se faz dentro da mata, na Ásia planta-se a hévea em locais determinados. Era a heveicultura, o plantio da hévea. Essa nova produção foi lançada pelos ingleses em suas colônias da Ásia, onde o clima é semelhante ao clima tropical úmido da Amazônia.

Em 1876, o botânico inglês Wickman transportou, às escondidas, sementes de hévea da Amazônia para Londres. Pouco depois, 7. 000 mudas de hévea foram transportadas para o Ceilão no sul da Índia. Na década de 1890, já se tinha certeza de que a hévea havia se adaptado ao meio natural da Ásia. Em 1900, as plantações se estendiam às colônias inglesas (Ceilão, Malásia e Birmânia) e holandesas (Indonésia).

Os resultados foram espetaculares: 3 ton. de borracha, em 1900 e 16.000, em 1910. Foi um sucesso agronômico e econômico, depois de 25 anos dedicados à pesquisa experimental.

Além disto, ocorreu a aparição de fungos nas árvores plantadas na Amazônia, assim como nas plantações das Guianas – era o “mal das folhas”. No Brasil os pesquisadores não se interessaram muito pelo combate do fungo, somente o botânico Jacques Huber, diretor do Museu Emilio Goeldi, pesquisou sobre a questão. Desta forma, após o botânico falecer, a problema do fungo, inexistente na Ásia, permaneceu na região amazônica.

Também o preço mundial da borracha caiu brutalmente, a partir do mês de maio de 1910, pela entrada da produção asiática, suprindo a demanda. Este fato acabou sendo o começo da decadência da produção da borracha.

Como conseqüência, as importações da região diminuíram em até 50%: não havia mais dinheiro para importar. E a queda dos impostos (sobre as exportações) impediram que o governo terminasse obras públicas que beneficiariam a economia.

A crise afetou todos os setores da economia da borracha: no “centro” do seringal, onde o seringueiro desenvolvia suas atividades; na “beira”, onde o seringalista fazia seus negócios; no rio, onde o barqueiro transportava borracha e alimentos e, na cidade, pequena ou grande, onde o aviador e o exportador faziam as suas transações.

Borracha: novas tentativas

Na região amazônica, houve duas novas tentativas para se produzir, de novo, o látex em quantidade, pelo cultivo e pela coleta silvestre. Entre 1934 e 1945 houve uma tentativa da Companhia Ford.

A economia dos Estados Unidos era muito dinâmica nos anos 20: o número de carros em circulação aumentou significativamente entre 1920 e 1930. O país era o maior produtor mundial de carros. A borracha cultivada respondia a demanda para fabricar pneumáticos. Mas 90% desta produção dependiam das colônias européias da Ásia.

A Companhia Ford, que utilizava um quarto da borracha produzida no mundo, teve a idéia de produzir, ela mesma, a borracha necessária para suas usinas. Henry Ford escolheu o Brasil, que dava vantagens aos que queriam fazer plantações de hévea. Importou da Ásia mudas da planta e, em 1934, plantou-as em Fordlândia, ao sul de Santarém. A doença das folhas manifestou-se logo. Em 1935, foi aberta uma nova plantação (em Belterra), a sudeste de Santarém, como campo de experimentação. Contudo, depois de 10 anos a demanda não foi suficiente, assim, a plantação encerrou suas atividades em 1945.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), os países da Ásia com plantações da hévea foram ocupados pelo exército do Japão que, nessa conflagração, era inimigo dos Estados Unidos.

O EUA ficaram com dificuldades em obter borracha para a produção de pneus e outros produtos. Desta forma, o governo deste país, firmou um acordo com o governo brasileiro para a produção da borracha. Houve ajuda financeira com a criação do Banco de Crédito da Borracha. Na época 32.000 nordestinos foram trazidos para trabalhar na Amazônia. No entanto, os resultados não foram os esperados. Com o fim da Segunda Guerra Mundial e a nova concorrência da borracha sintética, a exportação da borracha amazônica voltou a entrar em decadência.

Agricultura X Extrativismo

O desenvolvimento da agricultura na Amazônia foi comumente associado ao início de um processo civilizador da região. Neste sentido, a formação do território amazônico a partir da fixação da população em áreas nas quais praticassem a atividade agrícola foi vista por muitos pensadores, políticos e pessoas influentes da região amazônica como uma promessa de transformação econômica e social a qual transformaria a Amazônia de um deserto em um “celeiro do mundo”.

Contudo, neste contexto, muitos membros ilustres pertencentes às principais capitais da região amazônica são unânimes em responsabilizar a valorização da borracha pelo extermínio das atividades agrícolas na Amazônia. Nesta discussão surge a problemática do conflito existente entre agricultura x extração. Esta problemática encontra seu momento máximo exatamente no período que corresponde ao surgimento da borracha como um dos principais produtos na pauta da exportação das províncias do extremo-norte (entre as décadas de 1850 e início da década de 1860).

A discussão sobre a problemática agricultura x extração esclarece muito sobre as próprias ações políticas e econômicas das elites da região amazônica em relação ao desenvolvimento regional. De fato, a busca pelo estabelecimento de uma política de colonização agrícola na região amazônica estava intimamente ligada a revitalização da agricultura regional na medida em que a valorização da borracha vai sendo vista como a responsável por um progressivo escasseamento de gêneros agrícolas, em especial os alimentícios, os quais passaram a ser obtidos principalmente através da importação de outras regiões, a preços mais elevados.

Desta forma, percebemos como as discussões críticas sobre a economia gomífera era orientada no sentido de se pensar a atividade extrativa da borracha como promotora e intensificadora dos problemas sócio-econômicos da região.

É neste contexto que surge o ideal do estabelecimento de uma política de colonização agrícola, especialmente implantada a partir da imigração européia, com a finalidade de amenizar na Província, segundo muitos paraenses acreditavam, seus problemas crônicos, principalmente a escassez de produtos alimentícios e de mão-de-obra, assim como seria também um elemento fundamental para dar origem a uma forma mais duradoura de desenvolvimento regional.

Contudo, os projetos de colonização agrícola não seriam bem-sucedidos senão contasse como apoio do governo central; isto surgia como um grande obstáculo para o desenvolvimento agrícola da região pois a Corte demonstrava muito mais interesse em financiar assentamentos de imigrantes no Extremo-Sul do Brasil.

É exatamente sob esse contexto que surge a idéia da formação da Amazônia como “celeiro do mundo”. Percebemos como desde o governo de Lauro Sodré há toda uma preocupação pelo fato de a Amazônia ter se tornando cada vez mais dependente do negócio da extração da borracha para sua sobrevivência econômica e o seu desenvolvimento social.

Neste sentido, basicamente se pensava em se estabelecer uma colonização agrícola, baseada na pequena propriedade e na imigração de estrangeiros (os quais teriam supostamente uma maior qualificação profissional). De fato, a inspiração para tal projeto já vinha da Lei n.º 601, de 18-09-1850 (conhecida como a “lei de terras”).

Contudo, foi durante o governo de Paes de Carvalho (1897-1901) em que houve um maior apoio às políticas de colonização e povoamento na região amazônica, especialmente o Pará no qual houveram patrocínios destinados a transformar algumas regiões em um verdadeiro “celeiro do mundo”.

Neste sentido, a região litorânea e a Bragantina, quase que desabitadas antes dos projetos de colonização, tornaram-se um dos maiores centros populacionais da Amazônia. Além disto, em 1897, Vigia e Bragança, eram os dois municípios mais populosos do Pará.

Leonardo Castro

Referência Bibliográfica

DEAN, Warren. A luta pela borracha no Brasil. São Paulo: Nobel, 1989.
PROST, Gérard. História do Pará: do período da borracha aos dias atuais. Volume II. Belém: Secretaria de Estado de Educação, 1998.
REIS, Artur C. Ferreira. O seringal e o seringueiro. Rio de Janeiro: Serviço de Informação Agric. 1953.
SANTOS, Roberto. História Econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo: T. A. Queiroz, 1980.
WEINSTEIN, Bárbara. A borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: HUCITEC, 1993.

Fonte: geocities.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal