Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  História da ONU  Voltar

História da ONU

O nome "Nações Unidas", cunhada pelo presidente dos Estados Unidos Franklin D. Roosevelt foi usado pela primeira vez na Declaração das Nações Unidas de 01 de janeiro de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, quando representantes de 26 nações se comprometeram seus Governos de continuar a lutar juntos contra o Potências do Eixo.

Estados primeira estabelecida organizações internacionais para cooperar em assuntos específicos. A União Internacional de Telecomunicações foi fundada em 1865 como União Telegráfica Internacional, e da União Postal Universal foi fundada em 1874. Ambos são agora das Nações Unidas agências especializadas.

Em 1899, a Conferência Internacional da Paz foi realizada em Haia, para elaboração de instrumentos para a resolução de crises pacificamente, evitar guerras e codificação regras da guerra. É aprovada a Convenção para a Solução Pacífica dos Conflitos Internacionais e estabeleceu o Tribunal Permanente de Arbitragem , que começou a trabalhar em 1902.

O precursor das Nações Unidas foi a Liga das Nações , uma organização concebida em circunstâncias similares durante a Primeira Guerra Mundial, e criada em 1919 pelo Tratado de Versalhes "para promover a cooperação internacional e conseguir a paz ea segurança". A Organização Internacional do Trabalho também foi criada pelo Tratado de Versalhes como uma agência afiliada da Liga. A Liga das Nações encerrou suas atividades depois de falhar em evitar a Segunda Guerra Mundial.

Em 1945, representantes de 50 países reuniram-se em San Francisco na Conferência das Nações Unidas sobre a Organização Internacional para elaborar a Carta das Nações Unidas. Esses delegados deliberaram sobre a base das propostas elaboradas pelos representantes da China, da União Soviética, do Reino Unido e dos Estados Unidos em Dumbarton Oaks, Estados Unidos, em agosto-outubro de 1944. A Carta foi assinada em 26 de junho de 1945 pelos representantes dos 50 países. A Polônia, que não esteve representada na Conferência, assinou mais tarde e se tornou um dos primeiros 51 Estados-Membros

A ONU entrou oficialmente em existência em 24 de outubro de 1945, quando a Carta foi ratificada pela China, França, União Soviética, Reino Unido, Estados Unidos e pela maioria dos outros signatários. Dia das Nações Unidas é celebrado em 24 de Outubro em cada ano.

Declaração das Nações Unidas 01 de janeiro de 1942

A Declaração das Nações Unidas, Washington DC: Com a assinatura da declaração conjunta, cada um dos 26 governos se comprometeram "a empregar seus recursos completos, militares ou econômicas" "na luta para a vitória sobre o hitlerismo".

Carta das Nações Unidas

NOTA INTRODUTÓRIA

A Carta das Nações Unidas foi assinada em 26 de junho de 1945, em San Francisco, na conclusão da Conferência das Nações Unidas sobre a Organização Internacional, e entrou em vigor em 24 de outubro de 1945. O Estatuto da Corte Internacional de Justiça é uma parte integrante da Carta.

Alterações aos artigos 23, 27 e 61 da Carta foram adotadas pela Assembléia Geral em 17 de Dezembro de 1963 e entrou em vigor em 31 de agosto de 1965.

Uma posterior emenda ao Artigo 61 foi aprovada pela Assembléia Geral em 20 de Dezembro de 1971 e entrou em vigor em 24 de setembro de 1973. Uma alteração ao artigo 109, aprovada pela Assembléia Geral em 20 de dezembro de 1965, entrou em vigor em 12 de junho de 1968.

A alteração ao artigo 23 eleva o número de membros do Conselho de Segurança 11-15. O Artigo 27 emendado estipula que as decisões do Conselho de Segurança, em questões processuais, serão tomadas pelo voto afirmativo de nove membros (anteriormente sete) e em todas as outras questões, pelo voto afirmativo de nove membros (anteriormente sete), incluindo os votos de todos os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança.

A emenda ao artigo 61, que entrou em vigor em 31 de agosto de 1965, ampliou a composição do Conselho Econômico e Social 18-27. A alteração posterior a esse artigo, que entrou em vigor em 24 de setembro de 1973, aumentou ainda mais a composição do Conselho de 27-54.

A emenda ao artigo 109, que se refere ao parágrafo primeiro do mesmo artigo, prevê que uma Conferência Geral de Estados-Membros com o propósito de rever a Carta pode ser realizada em data e local a serem fixados pelo voto de dois terços dos membros da Assembléia Geral e pelo voto de nove membros quaisquer (anteriormente sete) do Conselho de Segurança. § 3 º do artigo 109, que trata da análise de uma conferência de revisão do possível, durante a décima sessão ordinária da Assembléia Geral, foi mantido em sua forma original na sua referência a um "voto de sete membros quaisquer do Conselho de Segurança" , o parágrafo ter sido posta em prática em 1955 pela Assembléia Geral, em sua décima sessão regular, e pelo Conselho de Segurança.

PREÂMBULO

NÓS OS POVOS DAS NAÇÕES UNIDAS DETERMINADO

a preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra, que por duas vezes em nossa vida, trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade, e a
reafirmar a fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos de homens e mulheres e das nações grandes e pequenas, e

estabelecer condições sob as quais a justiça eo respeito às obrigações decorrentes de tratados e outras fontes do direito internacional possam ser mantidos, e

para promover o progresso social e melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla,

E para esses fins

de praticar a tolerância e viver em paz uns com os outros, como bons vizinhos, eunir as nossas forças para manter a paz ea segurança internacionais, e

para garantir, pela aceitação de princípios ea instituição de métodos, que a força armada não deve ser utilizada, salvo no interesse comum, e

a empregar um mecanismo internacional para a promoção do progresso econômico e social de todos os povos,

RESOLVEMOS COMBINE nossos esforços para realizar estes objetivos

Assim, nossos respectivos Governos, por intermédio de representantes reunidos na cidade de San Francisco, que exibiram os seus plenos poderes para a boa e devida forma, concordaram com a presente Carta das Nações Unidas e estabelecem uma organização internacional a ser conhecido como as Nações Unidas.

CAPÍTULO I: propósitos e princípios

Artigo 1 º

Os propósitos das Nações Unidas são:

  1. Para manter a paz ea segurança internacionais, e para esse fim: tomar medidas coletivas eficazes para a prevenção e remoção de ameaças à paz, e para a supressão de atos de agressão ou outra qualquer ruptura da paz, e para trazer por meios pacíficos , e em conformidade com os princípios da justiça e do direito internacional, um ajuste ou solução das controvérsias ou situações que possam levar a uma perturbação da paz;
  2. Desenvolver relações amistosas entre as nações, baseadas no respeito ao princípio da igualdade de direitos e da autodeterminação dos povos, e tomar outras medidas apropriadas ao fortalecimento da paz universal;
  3. Para conseguir a cooperação internacional na solução de problemas internacionais de caráter econômico, social, cultural ou humanitário, e para promover e estimular o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião; e
  4. Para ser um centro destinado a harmonizar a ação das nações para a consecução desses objetivos comuns.

Artigo 2 º

A Organização e seus Membros, para a realização dos propósitos mencionados no Artigo 1, agirão de acordo com os seguintes princípios.

  1. A Organização é baseada no princípio da igualdade soberana de todos os seus membros.
  2. Todos os Membros, a fim de garantir a todos os direitos e benefícios resultantes da adesão, deverão cumprir de boa fé as obrigações por eles assumidas de acordo com a presente Carta.
  3. Todos os Membros deverão resolver suas controvérsias internacionais por meios pacíficos, de tal maneira que paz e segurança internacionais, e da justiça, não sejam ameaçadas.
  4. Todos os membros devem abster-se nas suas relações internacionais da ameaça ou uso da força contra a integridade territorial ou a independência política de qualquer Estado, ou de qualquer outra forma incompatível com os Propósitos das Nações Unidas.
  5. Todos os Membros darão às Nações toda assistência em qualquer ação que leva em conformidade com a presente Carta e se absterão de dar assistência a qualquer Estado contra o qual as Nações Unidas agirem de modo preventivo ou coercitivo.
  6. A Organização fará com que os Estados que não são membros das Nações Unidas ajam de acordo com esses princípios em tudo quanto for necessário para a manutenção da paz e segurança internacionais.
  7. Nada contido na presente Carta autorizará as Nações Unidas a intervir em assuntos que dependam essencialmente da jurisdição interna de qualquer Estado, ou obrigará os membros a submeterem tais assuntos a uma solução, nos termos da presente Carta;, mas este princípio não prejudica a aplicação de medidas coercitivas constantes do capítulo VII.

CAPÍTULO II: ADESÃO

Artigo 3 º

Os Membros originais das Nações Unidas serão os Estados que, tendo participado na Conferência das Nações Unidas sobre a Organização Internacional de San Francisco, ou, tendo assinado previamente a Declaração das Nações Unidas, de 1 de Janeiro de 1942, assinarem a presente Carta ea ratificaram, de acordo com o artigo 110.

Artigo 4 º

  1. Membro das Nações Unidas fica aberta a todos os outros Estados amantes da paz que aceitarem as obrigações contidas na presente Carta e que, a juízo da Organização, estiverem aptos e dispostos a cumprir tais obrigações.
  2. A admissão de qualquer desses Estados como membro das Nações Unidas será efetuada por decisão da Assembléia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança.

Artigo 5 º

Um membro das Nações Unidas contra o qual a ação preventiva ou de execução foi tomada pelo Conselho de Segurança, poderá ser suspenso do exercício dos direitos e privilégios de membro pela Assembleia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança. O exercício desses direitos e privilégios poderá ser restabelecido pelo Conselho de Segurança.

Artigo 6 º

Um membro das Nações Unidas que houver violado persistentemente os princípios contidos na presente Carta poderá ser expulso da Organização pela Assembléia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança.

CAPÍTULO III: ÓRGÃOS

Artigo 7 º

  1. Ficam estabelecidos como órgãos principais das Nações Unidas: uma Assembléia Geral, um Conselho de Segurança, um Conselho Econômico e Social, um Conselho de Tutela, uma Corte Internacional de Justiça e um Secretariado.
  2. Órgãos subsidiários como poderá ser necessário pode ser estabelecido em conformidade com a presente Carta.

Artigo 8 º

As Nações Unidas não farão restrições quanto à elegibilidade de homens e mulheres para participarem em qualquer caráter e em condições de igualdade em seus órgãos principais e subsidiários.

CAPÍTULO IV: DA ASSEMBLÉIA GERAL

COMPOSIÇÃO

Artigo 9 º

  1. A Assembleia Geral será constituída por todos os membros das Nações Unidas.
  2. Cada Membro não deverá ter mais de cinco representantes na Assembléia Geral.

Funções e poderes

Artigo 10

A Assembléia Geral poderá discutir quaisquer questões ou assuntos do âmbito da presente Carta ou relacionadas com os poderes e funções de qualquer dos órgãos previstos na presente Carta, e, salvo o disposto no artigo 12, poderá fazer recomendações aos membros das das Nações Unidas ou ao Conselho de Segurança ou a ambos em qualquer daquelas questões ou assuntos.

Artigo 11

  1. A Assembléia Geral poderá considerar os princípios gerais de cooperação na manutenção da paz e segurança internacionais, inclusive os princípios que regem o desarmamento ea regulamentação dos armamentos, e poderá fazer recomendações relativas a tais princípios aos Membros ou ao Conselho de Segurança ou a ambos.
  2. A Assembléia Geral poderá discutir quaisquer questões relativas à manutenção da paz e segurança internacionais que lhe sejam submetidos por qualquer membro das Nações Unidas, ou pelo Conselho de Segurança, ou por um Estado que não seja membro da Organização das Nações Unidas, em conformidade com o artigo 35, parágrafo 2, e, salvo o disposto no artigo 12, poderá fazer recomendações relativas a quaisquer daquelas questões ao Estado ou Estados interessados ou ao Conselho de Segurança ou a ambos. Qualquer destas questões, em que a ação é necessária deve ser encaminhada ao Conselho de Segurança pela Assembléia Geral, antes ou depois da discussão.
  3. A Assembléia Geral poderá solicitar a atenção do Conselho de Segurança para situações que possam constituir ameaça à paz e segurança internacionais.
  4. Os poderes da Assembleia Geral enumerados neste artigo não limitarão o alcance geral do artigo 10.

Artigo 12

  1. Enquanto o Conselho de Segurança estiver exercendo, em relação a qualquer controvérsia ou situação, as funções que lhe são atribuídas na presente Carta, a Assembléia Geral não fará nenhuma recomendação a respeito dessa controvérsia ou situação, a menos que o Conselho de Segurança a solicite.
  2. O Secretário-Geral, com o consentimento do Conselho de Segurança, comunicará à Assembléia Geral, em cada sessão, quaisquer assuntos relativos à manutenção da paz e da segurança internacionais que estiverem sendo tratados pelo Conselho de Segurança e será igualmente notificar a Assembleia Geral, ou os membros das Nações Unidas se a Assembléia Geral não estiver em sessão, logo que o Conselho de Segurança terminar o exame dos referidos assuntos.

Artigo 13

  1. A Assembléia Geral iniciará estudos e fará recomendações com o objetivo de: a. promover a cooperação internacional no terreno político e incentivar o desenvolvimento progressivo do direito internacional ea sua codificação; b. promover a cooperação internacional nos domínios econômico, social, cultural, educacional e de saúde, e ajudar na realização dos direitos humanos e liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião.
  2. As outras responsabilidades, funções e atribuições da Assembléia Geral, em relação às matérias referidas no parágrafo 1 (b) acima, estão enumeradas nos Capítulos IX e X.

Artigo 14

Sem prejuízo do disposto no artigo 12, a Assembléia Geral poderá recomendar medidas para a solução pacífica de qualquer situação, independentemente da origem, que considera susceptíveis de prejudicar o bem-estar geral ou às relações amistosas entre nações, inclusive em situações que resultem da violação das disposições da presente Carta que estabelecem os Propósitos e Princípios das Nações Unidas.

Artigo 15

  1. A Assembléia Geral receberá e examinará os relatórios anuais e especiais do Conselho de Segurança; esses relatórios devem incluir uma descrição das medidas que o Conselho de Segurança tenha adotado ou aplicado para manter a paz ea segurança internacionais.
  2. A Assembléia Geral receberá e examinará os relatórios dos outros órgãos das Nações Unidas.

Artigo 16

A Assembléia Geral desempenhará, com relação ao sistema internacional de tutela, são atribuídas a ele nos Capítulos XII e XIII, inclusive a aprovação de acordos de tutela referentes às zonas não designadas como estratégicas.

Artigo 17

  1. A Assembleia Geral apreciará e aprovará o orçamento da Organização.
  2. As despesas da Organização serão custeadas pelos membros segundo quotas fixadas pela Assembleia Geral.
  3. A Assembleia Geral apreciará e aprovará quaisquer ajustes financeiros e orçamentários com as entidades especializadas referidas no artigo 57 e examinará os orçamentos administrativos de tais instituições especializadas com vista a fazer recomendações aos órgãos envolvidos.

VOTAÇÃO

Artigo 18

  1. Cada membro da Assembleia Geral terá um voto.
  2. As decisões da Assembléia Geral, em questões importantes, serão tomadas por maioria de dois terços dos membros presentes e votantes. Essas questões incluem: recomendações relativas à manutenção da paz e segurança internacionais, a eleição dos membros não-permanentes do Conselho de Segurança, a eleição dos membros do Conselho Econômico e Social, a eleição dos membros do Conselho de Tutela de acordo com o parágrafo 1 (c), do artigo 86, a admissão de novos membros para as Nações Unidas, a suspensão dos direitos e privilégios de membros, a expulsão de membros, as questões relativas ao funcionamento do sistema de tutela e questões orçamentais.
  3. As decisões sobre outras questões, inclusive a determinação de categorias adicionais de assuntos a serem decididas por uma maioria de dois terços, serão tomadas por maioria dos membros presentes e votantes.

Artigo 19

Um membro das Nações Unidas que estiver em mora no pagamento de suas contribuições financeiras à Organização não terá voto na Assembleia Geral, se o valor em atraso for igual ou superior ao montante das contribuições devidas para o anterior duas total anos. A Assembléia Geral poderá, no entanto, permitir que o referido membro vote, se ficar provado que a falta de pagamento é devida a circunstâncias alheias ao controle do membro.

PROCEDIMENTO

Artigo 20

A Assembleia Geral reunirá em sessões anuais regulares e em sessões especiais exigidas pelas circunstâncias. As sessões extraordinárias serão convocadas pelo Secretário-Geral, a pedido do Conselho de Segurança ou da maioria dos membros das Nações Unidas.

Artigo 21

A Assembléia Geral adotará suas próprias regras de procedimento. E elegerá seu presidente para cada sessão.

Artigo 22

A Assembléia Geral poderá estabelecer os órgãos subsidiários que julgue necessários para o desempenho de suas funções.

CAPÍTULO V: O Conselho de Segurança

COMPOSIÇÃO

Artigo 23

  1. O Conselho de Segurança será composto de quinze Membros das Nações Unidas. A República da China, a França, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, e os Estados Unidos da América serão membros permanentes do Conselho de Segurança. A Assembléia Geral elegerá dez outros Membros das Nações Unidas para membros não-permanentes do Conselho de Segurança, tendo especialmente pago, em primeira instância, para a contribuição dos membros das Nações Unidas para a manutenção da paz e segurança internacionais e para os outros propósitos da Organização e também a distribuição geográfica eqüitativa.
  2. Os membros não-permanentes do Conselho de Segurança serão eleitos para um mandato de dois anos. Na primeira eleição dos membros não-permanentes, depois do aumento dos membros do Conselho de Segurança 11-15, dois dos quatro membros novos serão eleitos para um mandato de um ano. Um membro cessante não são elegíveis para reeleição imediata.
  3. Cada membro do Conselho de Segurança terá um representante.

Funções e poderes

Artigo 24

  1. A fim de assegurar uma ação pronta e eficaz por parte das Nações Unidas, seus membros conferem ao Conselho de Segurança a responsabilidade primária pela manutenção da paz e da segurança internacionais e concordam em que no cumprimento dos deveres impostos por essa responsabilidade o Conselho de Segurança aja em seu nome.
  2. No cumprimento desses deveres, o Conselho de Segurança deve agir de acordo com os Propósitos e Princípios das Nações Unidas. Os poderes específicos concedidos ao Conselho de Segurança para o cumprimento desses deveres estão definidos nos capítulos VI, VII, VIII e XII.
  3. O Conselho de Segurança submeterá relatórios anuais e, quando necessário, especiais à Assembléia Geral para sua consideração.

Artigo 25

Os membros das Nações Unidas concordam em aceitar e executar as decisões do Conselho de Segurança, de acordo com a presente Carta.

Artigo 26

A fim de promover o estabelecimento ea manutenção da paz e da segurança internacional com o mínimo desvio de armamentos de recursos humanos e econômicos do mundo, o Conselho de Segurança terá o encargo de formular, com a assistência da Comissão de Estado-Maior se refere o artigo 47, os planos a serem submetidos aos membros das Nações Unidas para o estabelecimento de um sistema de regulamentação dos armamentos.

VOTAÇÃO

Artigo 27

  1. Cada membro do Conselho de Segurança terá um voto.
  2. Decisões do Conselho de Segurança, em questões processuais, serão tomadas pelo voto afirmativo de nove membros.
  3. As decisões do Conselho de Segurança em todos os outros assuntos serão tomadas pelo voto afirmativo de nove membros, incluindo os votos de todos os membros permanentes, desde que, nas decisões previstas no Capítulo VI e no parágrafo 3 º do artigo 52, uma festa para uma disputa deve abster-se de votar.

PROCEDIMENTO

Artigo 28

  1. O Conselho de Segurança será organizado de maneira que possa funcionar continuamente. Cada membro do Conselho de Segurança para esta finalidade ser representado em todos os momentos na sede da Organização.
  2. O Conselho de Segurança terá reuniões periódicas, nas quais cada um de seus membros podem, se assim o desejar, ser representado por um membro do governo ou por outro representante especialmente designado.
  3. O Conselho de Segurança poderá reunir em outros lugares, fora da sede da Organização, em seu juízo, possam facilitar o seu trabalho.

Artigo 29

O Conselho de Segurança poderá estabelecer os órgãos subsidiários que julgue necessários para o desempenho de suas funções.

Artigo 30

O Conselho de Segurança deve adotar suas próprias regras de procedimento, incluindo o método de escolha de seu Presidente.

Artigo 31

Qualquer membro das Nações Unidas, que não é membro do Conselho de Segurança poderá participar, sem voto, na discussão de qualquer questão submetida ao Conselho de Segurança, sempre que este considere que os interesses do referido membro estão especialmente em jogo.

Artigo 32

Qualquer membro das Nações Unidas, que não é membro do Conselho de Segurança ou qualquer Estado que não seja membro das Nações Unidas, se é uma festa para uma controvérsia submetida ao Conselho de Segurança, será convidado a participar, sem voto, na discussão dessa controvérsia. O Conselho de Segurança determinará as condições que lhe parecerem justas para a participação de um Estado que não seja membro das Nações Unidas.

CAPÍTULO VI: SOLUÇÃO PACÍFICA DE CONTROVÉRSIAS

Artigo 33

  1. As partes em uma controvérsia, de que é susceptível de pôr em perigo a manutenção da paz e segurança internacionais, deve, antes de tudo, procurar uma solução por negociação, inquérito, mediação, conciliação, arbitragem, solução judicial, recurso a entidades regionais ou arranjos, ou outros meios pacíficos de sua própria escolha.
  2. O Conselho de Segurança, quando julgar necessário, as referidas partes a resolver o seu diferendo por esses meios.

Artigo 34

O Conselho de Segurança poderá investigar sobre qualquer controvérsia, ou qualquer situação que possa provocar atritos entre as Nações ou dar origem a uma controvérsia, a fim de determinar se a continuação de tal controvérsia ou situação é susceptível de pôr em perigo a manutenção da paz e segurança internacionais.

Artigo 35

  1. Qualquer membro das Nações Unidas poderá chamar qualquer controvérsia, ou qualquer situação da natureza referida no artigo 34, à atenção do Conselho de Segurança ou da Assembléia Geral.
  2. Um Estado que não seja membro das Nações Unidas poderá chamar a atenção do Conselho de Segurança ou da Assembléia Geral para qualquer controvérsia em que seja parte, uma vez que aceite previamente, para os efeitos da controvérsia, as obrigações da Pacific liquidação prevista na presente Carta.
  3. Os trabalhos da Assembleia Geral a respeito dos assuntos submetidos à sua atenção, nos termos do presente artigo, estarão sujeitos às disposições dos artigos 11 e 12.

Artigo 36

  1. O Conselho de Segurança poderá, em qualquer fase de uma controvérsia da natureza a que se refere o artigo 33, ou de uma situação de natureza semelhante, recomendar procedimentos adequados ou métodos de ajuste.
  2. O Conselho de Segurança deverá tomar em consideração quaisquer procedimentos para a solução de uma controvérsia que já tenham sido adotados pelas partes.
  3. Ao fazer recomendações, nos termos do presente artigo, o Conselho de Segurança deverá tomar em consideração que as controvérsias jurídicas devem, como regra geral, ser submetidas pelas partes à Corte Internacional de Justiça, em conformidade com as disposições do Estatuto do Tribunal.

Artigo 37

  1. Se as partes numa controvérsia da natureza que se refere o Artigo 33 não conseguirem resolvê-la pelos meios indicados no mesmo artigo, deverão submetê-la ao Conselho de Segurança.
  2. Se o Conselho de Segurança julgar que a continuação dessa controvérsia pode, de fato, susceptíveis de pôr em perigo a manutenção da paz e da segurança internacionais, decidirá se deve agir de acordo com o Artigo 36 ou recomendar os termos de solução que julgue adequados.

Artigo 38

Sem prejuízo do disposto nos artigos 33 a 37, o Conselho de Segurança poderá, se todas as partes em uma controvérsia assim o solicitarem, fazer recomendações às partes, tendo em vista uma solução pacífica da controvérsia.

CAPÍTULO VII: ação com respeito às ameaças à paz, ruptura da paz, e atos de agressão

Artigo 39

O Conselho de Segurança determinará a existência de qualquer ameaça à paz, violação da paz ou ato de agressão, e fará recomendações ou decidirá que medidas deverão ser tomadas de acordo com os artigos 41 e 42, para manter ou restaurar a paz internacional e segurança.

Artigo 40

A fim de evitar um agravamento da situação, o Conselho de Segurança poderá, antes de fazer as recomendações ou decidir a respeito das medidas previstas no artigo 39, convidar as partes interessadas a aceitar as medidas provisórias que julgar necessário ou desejável. Tais medidas provisórias não prejudicarão os direitos ou pretensões, nem a situação das partes interessadas. O Conselho de Segurança tomará devida nota do não cumprimento dessas medidas.

Artigo 41

O Conselho de Segurança pode decidir que medidas que não impliquem o uso da força armada devem ser empregadas para tornar efetivas suas decisões e poderá instar os membros das Nações Unidas a aplicarem tais medidas. Estes podem incluir a interrupção completa ou parcial das relações econômicas e de transportes ferroviários, marítimos, aéreos, postais, telegráficos, rádio e outros meios de comunicação, eo rompimento das relações diplomáticas.

Artigo 42

Caso o Conselho de Segurança considerar que as medidas previstas no artigo 41 seria inadequada ou demonstraram ser inadequadas, pode tomar tal ação por ar, mar, ou as forças terrestres que possam ser necessárias para manter ou restabelecer a paz ea segurança internacionais. Tal ação poderá compreender demonstrações, bloqueios e outras operações, por ar, mar, terra ou forças dos membros das Nações Unidas.

Artigo 43

  1. Todos os membros das Nações Unidas, a fim de contribuir para a manutenção da paz e segurança internacionais, se comprometem a proporcionar ao Conselho de Segurança, a seu pedido e em conformidade com um acordo ou acordos especiais, forças armadas, assistência e facilidades, incluindo os direitos de passagem, necessários para a manutenção da paz e segurança internacionais.
  2. Tal acordo ou tais acordos determinarão o número e tipo das forças, seu grau de preparação e sua localização geral, bem como a natureza das facilidades e da assistência a serem prestados.
  3. O acordo ou acordos serão negociados o mais cedo possível, por iniciativa do Conselho de Segurança. Serão concluídos entre o Conselho de Segurança e Membros ou entre o Conselho de Segurança e grupos de membros e estará sujeito à ratificação pelos Estados signatários, de acordo com seus respectivos processos constitucionais.

Artigo 44

Quando o Conselho de Segurança decidir o emprego de força, deverá, antes de solicitar a um Membro nele não representado o fornecimento de forças armadas em cumprimento das obrigações assumidas nos termos do artigo 43, convide esse membro, se o Membro assim o desejar, a participar nas decisões do Conselho de Segurança relativas ao emprego de contingentes das forças armadas do dito Membro.

Artigo 45

A fim de que as Nações Unidas a tomar medidas militares urgentes, os Membros deverão manter, imediatamente disponíveis forças aéreas nacionais, contingentes para uma ação coercitiva combinado internacional. A potência eo grau de preparação desses contingentes, como os planos de ação combinada, serão determinados dentro dos limites estabelecidos no acordo ou acordos especiais referidos no artigo 43, pelo Conselho de Segurança com a assistência da Comissão de Estado-Maior.

Artigo 46

Os planos para a aplicação da força armada serão elaborados pelo Conselho de Segurança com a assistência da Comissão de Estado-Maior.

Artigo 47

  1. Será criada uma Comissão de Estado-Maior para assessorar e auxiliar o Conselho de Segurança sobre todas as questões relativas às exigências militares do Conselho de Segurança para a manutenção da paz e segurança internacionais, utilização e comando das forças colocadas à sua disposição, regulamentação de armamentos, e possível desarmamento.
  2. A Comissão de Estado-Maior é composto pelos chefes do Estado Maior dos membros permanentes do Conselho de Segurança ou de seus representantes. Qualquer membro das Nações Unidas que não estiver permanentemente representado na Comissão será convidado pela Comissão para ser associado a ele quando o eficiente cumprimento das responsabilidades do Comitê exige a participação de Membro que em seu trabalho.
  3. A Comissão de Estado-Maior será responsável, sob o Conselho de Segurança, pela direção estratégica de todas as forças armadas postas à disposição do Conselho de Segurança. As questões relativas ao comando dessas forças serão resolvidas ulteriormente.
  4. A Comissão de Estado-Maior, com a autorização do Conselho de Segurança e depois de consulta com os organismos regionais adequados, poderá estabelecer subcomissões regionais.

Artigo 48

  1. A ação necessária ao cumprimento das decisões do Conselho de Segurança para a manutenção da paz e segurança internacionais devem ser tomadas por todos os membros das Nações Unidas ou por alguns deles, como o Conselho de Segurança poderá determinar.
  2. Essas decisões serão realizadas pelos membros das Nações Unidas diretamente e através de sua ação nos organismos internacionais apropriados de que façam parte.

Artigo 49

Os Membros das Nações Unidas prestar-se-ão assistência mútua para a execução das medidas determinadas pelo Conselho de Segurança.

Artigo 50

Se medidas preventivas ou coercitivas contra um Estado são tomadas pelo Conselho de Segurança, qualquer outro Estado, se um membro das Nações Unidas ou não, que enfrente dificuldades econômicas especiais resultantes da execução daquelas medidas, terá o direito de consultar o Conselho de Segurança a respeito da solução de tais problemas.

Artigo 51

Nada na presente Carta prejudicará o direito inerente de individual ou coletiva autodefesa se um ataque armado ocorre contra um membro das Nações Unidas, até que o Conselho de Segurança tenha tomado as medidas necessárias para manter a paz ea segurança internacionais. As medidas tomadas pelos Membros no exercício desse direito de legítima defesa serão comunicadas imediatamente ao Conselho de Segurança e não afeta de modo algum a autoridade e a responsabilidade do Conselho de Segurança termos da presente Carta de tomar a qualquer momento as medidas que julgar necessário, a fim de manter ou restabelecer a paz ea segurança internacionais.

CAPÍTULO VIII: acordos regionais

Artigo 52

  1. Nada na presente Carta impede a existência de acordos ou de entidades regionais para tratar dos assuntos relativos à manutenção da paz e segurança internacionais, são suscetíveis de ação regional, desde que tais acordos ou entidades regionais e suas atividades sejam compatíveis com os Propósitos e Princípios da Nações Unidas.
  2. Os membros das Nações Unidas, que em tais acordos ou que constituírem tais organizações devem fazer todos os esforços para alcançar uma solução pacífica das controvérsias locais mediante os referidos acordos regionais ou por tais agências regionais, antes de as submeter ao Conselho de Segurança.
  3. O Conselho de Segurança estimulará o desenvolvimento da solução pacífica de controvérsias locais mediante os referidos acordos regionais ou por tais agências regionais, por iniciativa dos Estados interessados ou a instância do próprio Conselho de Segurança.
  4. Este artigo em nada prejudica a aplicação dos artigos 34 e 35.

Artigo 53

  1. O Conselho de Segurança, se for o caso, utilizar tais acordos e entidades regionais para uma ação coercitiva sob a sua autoridade. Mas não ação de execução devem ser tomadas no âmbito de acordos regionais ou por organismos regionais sem autorização do Conselho de Segurança, com exceção das medidas contra um Estado inimigo, como definido no parágrafo 2 do presente artigo, previsto nos termos do artigo 107 ou na regional arranjos dirigidos contra renovação de uma política agressiva por parte de qualquer desses Estados, até o momento em que a Organização, a pedido dos Governos interessados, ser carregado com a responsabilidade de prevenir novas agressões por tal estado.
  2. O termo Estado inimigo, usado no parágrafo 1 do presente artigo aplica-se a qualquer Estado que, durante a Segunda Guerra Mundial, foi inimigo de qualquer signatário da presente Carta.

Artigo 54

O Conselho de Segurança deve ser sempre mantido informado de atividades desenvolvidas ou em conformidade com os acordos regionais ou por agências regionais para a manutenção da paz e segurança internacionais.

CAPÍTULO IX: econômica internacional e cooperação social

Artigo 55

Com vista à criação de condições de estabilidade e bem-estar, necessárias às relações pacíficas e amistosas entre as nações, baseadas no respeito ao princípio da igualdade de direitos e auto-determinação dos povos, as Nações Unidas promoverão:

a. padrões mais elevados de vida, pleno emprego e condições de progresso econômico e social e desenvolvimento;

b. solução dos problemas internacionais econômicos, sociais, de saúde, e problemas relacionados; ea cooperação cultural e educacional e internacional;

c. o respeito universal e efetivo dos direitos humanos e das liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião.

Artigo 56

Todos os Membros comprometem-se a tomar medidas conjunta ou separadamente, em cooperação com a Organização para a consecução dos fins previstos no artigo 55.

Artigo 57

  1. As várias entidades especializadas, criadas por acordos intergovernamentais e com amplas responsabilidades internacionais, definidas em seus instrumentos básicos, nos campos econômico, social, cultural, educacional, de saúde e conexos, serão vinculadas às Nações Unidas, em conformidade com o disposto no artigo 63.
  2. Tais entidades assim vinculadas às Nações Unidas são a seguir referidas como agências especializadas.

Artigo 58

A Organização fará recomendações para a coordenação das políticas e atividades das agências especializadas.

Artigo 59

A Organização, se necessário, iniciar negociações entre os Estados interessados para a criação de novas entidades especializadas que forem necessárias para a realização dos fins previstos no artigo 55.

Artigo 60

Responsabilidade pela quitação das funções da Organização previsto neste capítulo será da competência da Assembleia Geral e, sob a autoridade da Assembléia Geral, do Conselho Econômico e Social, que terá para o efeito os poderes estabelecidos em Capítulo X.

CAPÍTULO X: CONSELHO ECONÔMICO E SOCIAL

COMPOSIÇÃO

Artigo 61

  1. O Conselho Econômico e Social será composto de 54 membros das Nações Unidas eleitos pela Assembléia Geral.
  2. Sem prejuízo do disposto no parágrafo 3, 18 membros do Conselho Econômico e Social serão eleitos cada ano para um mandato de três anos. Um membro cessante pode ser elegível para reeleição imediata.
  3. Na primeira eleição após o aumento do número de membros do Conselho Econômico e Social 27-54 membros, além dos membros eleitos no lugar dos nove membros cujo mandato expira no fim desse ano, 27 membros adicionais serão eleitos. Desses 27 membros adicionais, o mandato de nove membros assim eleitos expirará no fim de um ano, e de nove outros no fim de dois anos, de acordo com disposições adoptadas pela Assembleia Geral.
  4. Cada membro do Conselho Econômico e Social terá um representante.

Funções e poderes

Artigo 62

  1. O Conselho Econômico e Social poderá fazer ou iniciar estudos e relatórios a respeito de economia internacional, social, saúde cultural, educacional, e conexos, e poderá fazer recomendações a respeito de tais assuntos à Assembleia Geral, aos membros das Nações Unidas , e para as agências especializadas interessadas.
  2. Ele poderá fazer recomendações com o objetivo de promover o respeito ea observância dos direitos humanos e das liberdades fundamentais para todos.
  3. Poderá preparar projetos de convenções a serem submetidos à Assembléia Geral, com respeito às matérias da sua competência.
  4. Poderá convocar, de acordo com as regras estipuladas pelas Nações Unidas, conferências internacionais sobre assuntos de sua competência.

Artigo 63

  1. O Conselho Econômico e Social poderá estabelecer acordos com qualquer das entidades referidas no artigo 57, que define as condições em que a entidade interessada deve ser levado para relacionamento com as Nações Unidas. Tais acordos serão submetidos à aprovação da Assembleia Geral.
  2. Pode coordenar as atividades das agências especializadas, por meio de consultas e recomendações às mesmas e de recomendações à Assembléia Geral e aos Membros das Nações Unidas.

Artigo 64

  1. O Conselho Econômico e Social poderá tomar as medidas adequadas para obter relatórios regulares das entidades especializadas. Ele pode fazer acordos com os membros das Nações Unidas e com as agências especializadas para obter relatórios sobre as medidas tomadas para cumprimento de suas próprias recomendações e recomendações sobre questões da sua competência feita pela Assembléia Geral.
  2. Ele pode comunicar as suas observações sobre estes relatórios à Assembléia Geral.

Artigo 65

O Conselho Econômico e Social poderá fornecer informações ao Conselho de Segurança e auxiliará o Conselho de Segurança, a seu pedido.

Artigo 66

  1. O Conselho Econômico e Social desempenhará as funções que forem de sua competência em relação à execução das recomendações da Assembleia Geral.
  2. Ele pode, com a aprovação da Assembléia Geral, prestar os serviços a pedido de membros das Nações Unidas e, a pedido de agências especializadas.
  3. Desempenhará as demais funções específicas em outras partes da presente Carta ou que possa ser atribuído a ele pela Assembléia Geral.

VOTAÇÃO

Artigo 67

  1. Cada membro do Conselho Econômico e Social terá um voto.
  2. As decisões do Conselho Econômico e Social serão tomadas por maioria dos membros presentes e votantes.

PROCEDIMENTO

Artigo 68

O Conselho Econômico e Social criará comissões para os assuntos econômicos e sociais e para a promoção dos direitos humanos, e como outras comissões que podem ser necessários para o desempenho de suas funções.

Artigo 69

O Conselho Econômico e Social poderá convidar qualquer Membro das Nações Unidas a participar, sem voto, em suas deliberações sobre qualquer assunto que interesse particularmente a esse membro.

Artigo 70

O Conselho Econômico e Social poderá tomar medidas para que representantes das entidades especializadas tomem parte, sem voto, em suas deliberações e nas das comissões por ele criadas, e para seus representantes para participar das deliberações das agências especializadas.

Artigo 71

O Conselho Econômico e Social poderá tomar as providências adequadas para a consulta com organizações não-governamentais que se preocupam com os assuntos da sua competência. Tais entendimentos poderão ser feitos com organizações internacionais e, quando apropriado, com organizações nacionais, depois de consultas com o Membro das Nações Unidas no caso.

Artigo 72

  1. O Conselho Econômico e Social adotará suas próprias regras de procedimento, incluindo o método de escolha de seu Presidente.
  2. O Conselho Econômico e Social deve reunir sempre que necessário, de acordo com as suas regras, que devem incluir disposições referentes à convocação de reuniões a pedido da maioria dos seus membros.

CAPÍTULO XI: DECLARAÇÃO SOBRE NÃO-autônomos TERRITÓRIOS

Artigo 73

Membros das Nações Unidas que assumiram ou assumam responsabilidades pela administração de territórios cujos povos não tenham atingido a plena capacidade de auto-governo reconhecer o princípio de que os interesses dos habitantes desses territórios são fundamentais, e aceitam, como missão sagrada, a obrigação de promover ao máximo, dentro do sistema de paz e segurança internacionais estabelecido na presente Carta, o bem-estar dos habitantes desses territórios, e, para este fim:

a. Assegurar, com o devido respeito pela cultura dos povos interessados, o seu progresso político, econômico, social e educacional, o seu tratamento equitativo ea sua proteção contra abusos;

b. desenvolver a auto-governo, a ter em devida conta as aspirações políticas dos povos e auxiliá-los no desenvolvimento progressivo das suas instituições políticas livres, de acordo com as circunstâncias particulares de cada território e seus habitantes e os diferentes graus de avanço;

c. para a paz ea segurança internacionais;

d. promover medidas construtivas de desenvolvimento, incentivar a investigação, e de cooperar um com o outro e, quando for o caso, com entidades internacionais especializadas, com vistas à realização prática dos propósitos sociais, econômicos e científicos estabelecidos no presente artigo, e

e. para transmitir regularmente ao Secretário-Geral, para fins de informação, sujeitos a uma limitação, como segurança e de ordem constitucional, informações estatísticas ou de outro caráter técnico, relativas às condições econômicas, sociais e educacionais dos territórios pelos quais são respectivamente responsáveis , com excepção dos territórios aos quais capítulos XII e XIII.

Artigo 74

Membros das Nações Unidas concordam também em que a sua política em relação aos territórios a que se aplica este capítulo, não menos do que em relação a suas áreas metropolitanas, deve basear-se no princípio geral de boa vizinhança, tendo na devida conta os interesses e bem-estar do resto do mundo, em matéria social, econômica e comercial.

CAPÍTULO XII: INTERNATIONAL sistema de tutela

Artigo 75

A Organização das Nações Unidas estabelecerão sob sua autoridade um sistema internacional de tutela para a administração e fiscalização dos territórios que possam ser colocados sob esse regime por futuros acordos individuais. Esses territórios são a seguir designados como territórios de confiança.

Artigo 76

Os objetivos básicos do sistema de tutela, de acordo com os Propósitos das Nações Unidas enumerados no artigo 1 º da presente Carta, serão:

a. para a paz ea segurança internacionais;

b. promover o avanço político, econômico, social e educacional dos habitantes dos territórios tutelados eo seu desenvolvimento progressivo para a auto-governo ou a independência como pode ser apropriado às circunstâncias particulares de cada território e seus habitantes e aos desejos livremente expressos dos os povos interessados, e como pode ser previsto nos termos de cada acordo de tutela;

c. estimular o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais para todos, sem distinção de sexo, raça, língua ou religião, e favorecer o reconhecimento da interdependência dos povos do mundo, e

s. para assegurar a igualdade de tratamento em matéria social, econômico e comercial para todos os Membros das Nações Unidas e seus nacionais e, também, a igualdade de tratamento para o último na administração da justiça, sem prejuízo da realização dos objetivos anteriores e sujeitas às disposições do artigo 80.

Artigo 77

1. O sistema de tutela será aplicado aos territórios das categorias seguintes, que podem ser colocados sob esse regime por meio de acordos de tutela:

a. um territórios atualmente sob mandato;
b. territórios que possam ser separados de Estados inimigos em conseqüência da Segunda Guerra Mundial, e
c. territórios voluntariamente colocados sob tal sistema por Estados responsáveis pela sua administração.

2. Será objeto de acordo ulterior a determinação dos territórios das categorias acima mencionadas a serem colocados sob o sistema de tutela e das que termos.

Artigo 78

O sistema de tutela não será aplicado a territórios que se tenham tornado Membros das Nações Unidas, cujas relações mútuas deverão basear-se no respeito pelo princípio da igualdade soberana.

Artigo 79

As condições de tutela para que cada território será colocado sob o regime de tutela, bem como qualquer alteração ou emenda, serão acordados entre os Estados diretamente interessados, inclusive a potência mandatária no caso de território sob mandato de um Membro das Nações Unidas , e devem ser aprovados, como previsto nos artigos 83 e 85.

Artigo 80

  1. Salvo o que for estabelecido em acordos individuais de tutela, feito nos termos dos artigos 77, 79 e 81, colocando cada território sob o regime de tutela, e até que tais acordos tenham sido concluídos, nada neste Capítulo será interpretado ou de si mesmo para alterar de qualquer forma os direitos de qualquer Estado ou povo ou dos termos de instrumentos internacionais existentes para que os Membros das Nações Unidas forem partes.
  2. § 1 º deste artigo não será interpretado como motivo para demora ou adiamento da negociação e conclusão de acordos destinados a colocar territórios sob mandato e outro sob o sistema de tutela, conforme previsto no artigo 77.

Artigo 81

O acordo de tutela deverá, em cada caso, incluir as condições sob as quais o território tutelado será administrado e designar a autoridade que exercerá essa administração do território confiança. Tal autoridade, a seguir chamada a autoridade administradora, poderá ser um ou mais Estados ou a própria Organização.

Artigo 82

Não pode ser designado, em qualquer acordo de tutela, uma ou várias zonas estratégicas que compreendam parte ou a totalidade do território tutelado a que o acordo se aplica, sem prejuízo de qualquer acordo ou acordos especiais feitos ao abrigo do artigo 43.

Artigo 83

  1. Todas as funções da Organização das Nações Unidas relativamente às zonas estratégicas, inclusive a aprovação das condições dos acordos de tutela e de sua alteração ou emendas, serão exercidas pelo Conselho de Segurança.
  2. Os objetivos básicos enumerados no Artigo 76 serão aplicáveis aos habitantes de cada zona estratégica.
  3. O Conselho de Segurança, sem prejuízo das disposições dos acordos de tutela e sem prejuízo de considerações de segurança, valer-se da assistência do Conselho de Tutela para desempenhar as funções das Nações Unidas pelo sistema de tutela, relativamente a política, econômica, social e questões educacionais dentro das zonas estratégicas.

Artigo 84

Deve ser o dever de a autoridade administrativa para assegurar que o território tutelado desempenhar o seu papel na manutenção da paz e segurança internacionais. Para este fim, a autoridade administradora poderá fazer uso de forças voluntárias, de facilidades e da ajuda do território confiança no cumprimento das obrigações perante o Conselho de Segurança assumidas a este respeito pela autoridade da administração, bem como para a defesa local e para a manutenção da lei e da ordem dentro do território tutelado.

Artigo 85

  1. As funções das Nações Unidas relativas a acordos de tutela para todas as zonas não designadas como estratégicas, inclusive a aprovação das condições dos acordos de tutela e de sua alteração ou emenda, serão exercidas pela Assembléia Geral.
  2. O Conselho de Tutela, que funcionará sob a autoridade da Assembléia Geral assiste a Assembléia Geral no desempenho dessas funções.

CAPÍTULO XIII: O Conselho de Tutela

COMPOSIÇÃO

Artigo 86

1. O Conselho de Tutela será composto dos seguintes Membros das Nações Unidas:

um. Os membros que administrem territórios tutelados;

b. aqueles dentre os Membros mencionados nominalmente no Artigo 23, que não estiverem administrando territórios tutelados e

c. Quantos outros membros eleitos para mandatos de três anos pela Assembléia Geral, sejam necessários para assegurar que o número total de membros do Conselho de Tutela fique igualmente dividido entre os Membros das Nações Unidas que administrem territórios tutelados e aqueles que não o fazem.

2. Cada membro do Conselho de Tutela designará uma pessoa especialmente qualificada para representá-lo perante.

Funções e poderes

Artigo 87

A Assembleia Geral e, sob sua autoridade, o Conselho de Tutela, no desempenho das suas funções, poderão:

a. examinar os relatórios apresentados pela autoridade administradora;
b. Aceitar petições e examiná-las, em consulta com a autoridade administradora;
c. Providenciar sobre visitas periódicas aos territórios tutelados em épocas acordado com a autoridade administradora, e
d. tomar estas e outras medidas em conformidade com os termos dos acordos de tutela.

Artigo 88

O Conselho de Tutela formulará um questionário sobre o avanço político, econômico, social e educacional dos habitantes de cada território, confiança e pela administração de cada território confiança dentro da competência da Assembléia Geral, fará um relatório anual à Assembléia Geral sobre a base do questionário.

VOTAÇÃO

Artigo 89

  1. Cada membro do Conselho de Tutela terá um voto.
  2. As decisões do Conselho de Tutela serão tomadas por maioria dos membros presentes e votantes.

PROCEDIMENTO

Artigo 90

  1. O Conselho de Tutela adoptará o seu próprio regulamento, que incluirá o método de escolha de seu Presidente.
  2. O Conselho de Tutela reunir sempre que necessário, de acordo com as suas regras, que devem incluir disposições referentes à convocação de reuniões a pedido da maioria dos seus membros.

Artigo 91

O Conselho de Tutela, quando for o caso, valer-se da assistência do Conselho Econômico e Social e das agências especializadas, a respeito das matérias em que eles estão, respectivamente, em causa.

CAPÍTULO XIV: O TRIBUNAL INTERNACIONAL DE JUSTIÇA

Artigo 92

A Corte Internacional de Justiça será o principal órgão judicial das Nações Unidas. Funcionará de acordo com o Estatuto anexo, que é baseado no Estatuto da Corte Permanente de Justiça Internacional e faz parte integrante da presente Carta.

Artigo 93

  1. Todos os membros das Nações Unidas são ipso fato partes do Estatuto da Corte Internacional de Justiça.
  2. Um Estado que não seja membro das Nações Unidas poderá tornar-se parte do Estatuto do Tribunal Internacional de Justiça, em condições a definir em cada caso, pela Assembléia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança.

Artigo 94

  1. Cada membro das Nações Unidas compromete-se a cumprir a decisão da Corte Internacional de Justiça em qualquer caso em que seja parte.
  2. Se uma das partes num caso deixar de cumprir as obrigações que lhe incumbem em virtude de sentença proferida pela Corte, a outra parte pode recorrer ao Conselho de Segurança, que pode, se julgar necessário, fazer recomendações ou decidir sobre medidas a serem tomadas dar o cumprimento da sentença.

Artigo 95

Nada na presente Carta impedirá os membros das Nações Unidas de confiarem a solução de suas divergências a outros tribunais, em virtude de acordos já vigentes ou que possam ser concluídos no futuro.

Artigo 96

a. A Assembléia Geral ou o Conselho de Segurança pode pedir ao Tribunal Internacional de Justiça para dar um parecer consultivo sobre qualquer questão jurídica.

b. Outros órgãos das Nações Unidas e agências especializadas, que forem em qualquer época devidamente autorizados pela Assembléia Geral, poderão também solicitar pareceres consultivos da Corte sobre questões jurídicas surgidas dentro da esfera de suas atividades.

CAPÍTULO XV: SECRETARIA

Artigo 97

O Secretariado será composto de um Secretário-Geral e pelo pessoal que a Organização necessitar. O Secretário-Geral será indicado pela Assembléia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança. Ele será o principal funcionário administrativo da Organização.

Artigo 98

O Secretário-Geral atuará neste caráter em todas as reuniões da Assembléia Geral, do Conselho de Segurança, do Conselho Econômico e Social e do Conselho de Tutela e desempenhará outras funções que lhe forem atribuídas por estes órgãos. O Secretário-Geral fará um relatório anual à Assembléia Geral sobre os trabalhos da Organização.

Artigo 99

O Secretário-Geral poderá levar à atenção do Conselho de Segurança qualquer assunto que, em sua opinião possa ameaçar a manutenção da paz e segurança internacionais.

Artigo 100

  1. No cumprimento dos seus deveres, o Secretário-Geral eo pessoal não solicitarão nem receberão instruções de qualquer governo ou de qualquer autoridade exterior à Organização. Devem abster-se de qualquer ação que possa afetar a sua posição de funcionários internacionais responsáveis unicamente perante a Organização.
  2. Cada Membro das Nações Unidas se compromete a respeitar o caráter exclusivamente internacional das atribuições do Secretário-Geral e do pessoal ea não procurar influenciá-los no desempenho de suas funções.

Artigo 101

  1. O pessoal é nomeado pelo Secretário-Geral, de acordo com regras estabelecidas pela Assembléia Geral.
  2. Pessoal adequado deve ser atribuído de forma permanente para o Conselho Econômico e Social, o Conselho de Tutela, e, se necessário, para outros órgãos das Nações Unidas. Esses funcionários farão parte do Secretariado.
  3. A consideração dominante no recrutamento do pessoal e na determinação das condições de serviço será a da necessidade de assegurar os mais elevados padrões de eficiência, competência e integridade. Deverá prestar-se em conta a importância de recrutar o pessoal do mais amplo critério geográfico possível.

CAPÍTULO XVI: DISPOSIÇÕES DIVERSAS

Artigo 102

  1. Todo tratado e todo acordo internacional, concluídos por qualquer membro das Nações Unidas depois da presente Carta entrará em vigor logo que possível, ser registrado na Secretaria e publicado por ele.
  2. Nenhuma parte em qualquer tratado ou acordo internacional que não tenha sido registrado de conformidade com as disposições do parágrafo 1 deste Artigo poderá invocar tal tratado ou acordo perante qualquer órgão das Nações Unidas.

Artigo 103

Em caso de conflito entre as obrigações dos membros das Nações Unidas, sob a presente Carta e as obrigações decorrentes de qualquer outro acordo internacional, as obrigações decorrentes da presente Carta deve prevalecer.

Artigo 104

A Organização gozará no território de cada um dos seus membros, da capacidade jurídica, como pode ser necessário para o exercício das suas funções e à realização de seus propósitos.

Artigo 105

  1. A Organização gozará, no território de cada um dos seus membros, dos privilégios e imunidades necessários para o cumprimento de suas finalidades.
  2. Os representantes dos Membros das Nações Unidas e os funcionários da Organização gozarão, igualmente, dos privilégios e imunidades necessários para o exercício independente de suas funções relacionadas com a Organização.
  3. A Assembléia Geral poderá fazer recomendações com o fim de determinar os pormenores da aplicação dos parágrafos 1 e 2 deste Artigo ou poderá propor convenções para os membros da Organização das Nações Unidas para este fim.

CAPÍTULO XVII: medidas de segurança TRANSITÓRIAS

Artigo 106

Antes da entrada em vigor dos acordos especiais a que se refere o artigo 43, que, a juízo do Conselho de Segurança, o habilitem para iniciar o exercício das suas responsabilidades nos termos do artigo 42, as partes na Declaração das Quatro Nações, assinada em Moscou, 30 de outubro 1943, ea França, deverão, de acordo com as disposições do parágrafo 5 daquela Declaração, consultar um com o outro e com a ocasião exige, com outros Membros das Nações Unidas, com vista a uma ação conjunta, em nome da Organização, pode ser necessário para a manutenção da paz e segurança internacionais.

Artigo 107

Nada na presente Carta invalidará ou impedirá qualquer ação que, em relação a qualquer Estado que, durante a Segunda Guerra Mundial, foi inimigo de qualquer dos signatários da presente Carta, tomadas ou autorizada em consequência da dita guerra, pelos governos responsáveis por tal ação.

CAPÍTULO XVIII: ALTERAÇÕES

Artigo 108

As alterações ao presente Carta entrará em vigor para todos os Membros das Nações Unidas quando foram aprovadas pelo voto de dois terços dos membros da Assembléia Geral e ratificada de acordo com seus respectivos processos constitucionais, por dois terços dos membros do das Nações Unidas, inclusive todos os membros permanentes do Conselho de Segurança.

Artigo 109

  1. Uma Conferência Geral dos Membros das Nações Unidas para o fim de rever a presente Carta poderá ser realizada em data e local a serem fixados pelo voto de dois terços dos membros da Assembléia Geral e pelo voto de nove membros quaisquer do Conselho de Segurança. Cada Membro das Nações Unidas terá um voto na conferência.
  2. Qualquer alteração da presente Carta recomendado por um voto de dois terços da Conferência, terá efeito depois de ratificada, de acordo com seus respectivos processos constitucionais, por dois terços dos membros das Nações Unidas, inclusive todos os membros permanentes do Conselho de Segurança.
  3. Se essa Conferência não for celebrada antes da décima sessão anual da Assembleia Geral, após a entrada em vigor da presente Carta, a proposta de chamar uma conferência serão colocadas na ordem do dia da sessão da Assembléia Geral, ea Conferência será realizada, se assim for decidido por maioria de votos dos membros da Assembléia Geral e pelo voto de sete membros quaisquer do Conselho de Segurança.

CAPÍTULO XIX: RATIFICAÇÃO E ASSINATURA

Artigo 110

  1. A presente Carta deverá ser ratificada pelos Estados signatários, de acordo com seus respectivos processos constitucionais.
  2. As ratificações serão depositadas junto do Governo dos Estados Unidos da América, que notificará a todos os Estados signatários de cada depósito, bem como o Secretário-Geral da Organização, quando ele foi nomeado.
  3. A presente Carta entrará em vigor depois do depósito de ratificações pela República da China, a França, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, e os Estados Unidos da América, e por maioria de outros Estados signatários. Um protocolo das ratificações depositadas deverá então ser elaborado pelo Governo dos Estados Unidos da América, que enviará cópias dos mesmos a todos os Estados signatários.
  4. Os Estados signatários da presente Carta que a ratificarem depois de sua entrada em vigor será Membros originais das Nações Unidas na data do depósito de suas respectivas ratificações.

Artigo 111

A presente Carta, cujos textos em chinês, francês, russo, Inglês e espanhol são igualmente autênticos, será depositado nos arquivos do Governo dos Estados Unidos da América. Cópias devidamente autenticadas dos mesmos serão transmitidas por este último Governo aos Governos dos outros Estados signatários.

Em fé do que os representantes dos Governos das Nações Unidas assinaram a presente Carta. Feito na cidade de San Francisco, no dia vinte e seis de junho, 1945.

Fonte: www.un.org

História da ONU

Em 1945, representantes de 50 países reuniram-se em San Francisco, nos Estados Unidos, na Conferência das Nações Unidas para uma Organização Internacional.

No encontro, foi elaborado um rascunho da Carta das Nações Unidas. A Carta foi assinada em 26 de junho de 1945, e ratificada por 51 países em 24 de outubro de 1945.

História da ONU
Organização das Nações Unidas tem sede em Nova Iorque

Seu formato, porém, começou a ser discutido pelas grandes potências nas conferências aliadas realizadas a poucos anos antes. A expressão “Nações Unidas”, cunhada pelo presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt (1882-1945), foi utilizada pela primeira vez na “Declaração das Nações Unidas”, em 1º de janeiro de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, quando representantes de 26 nações expressaram a intenção de continuar lutando contra os países do Eixo (Alemanha, Japão e Itália). Dois anos depois, líderes da China, da União Soviética, do Reino Unido e dos Estados Unidos esboçaram uma proposta de estatuto para uma organização internacional de países.

Antes mesmo de ser constituída oficialmente a organização, realizou-se na cidade de Bretton Woods, nos Estado de New Hampshire, nos EUA, a Conferência Monetária e Financeira das Nações Unidas, em 01/07/1944, tendo em vista as questões econômicas relacionadas ao final da Segunda Guerra Mundial e ao pós-guerra. Na mesma linha, realizou-se em Washington, em 21/08/1944, a Conferência para a Organização da Paz no Mundo do Pós-Guerra.

Pensada como um sucedâneo da Liga das Nações, a ONU foi criada com os objetivos principais de salvaguardar a paz mundial, proteger os direitos humanos, fomentar direitos iguais para todos os povos e melhorar os padrões de vida no mundo. Seu principal órgão é o Conselho de Segurança, hoje formado por dez membros não-permanentes e cinco membros permanentes com direito de veto - Estados Unidos, União Soviética, Grã-Bretanha, França e China. Há ainda a Assembléia Geral, que se reúne uma vez por ano, constituída por todos os Estados-membros; a Secretaria Geral, que é o principal órgão administrativo, chefiada por um representante escolhido pelo conjunto dos membros da Organização; o Conselho Econômico e Social, o Conselho de Tutela, a Corte Internacional de Justiça e agências especiais.

A missão da ONU parte do pressuposto de que diversos problemas mundiais – como pobreza, desemprego, degradação ambiental, criminalidade, Aids, migração e tráfico de drogas – podem ser mais facilmente combatidos por meio de uma cooperação internacional. As ações para a redução da desigualdade global também podem ser otimizadas sob uma coordenação independente e de âmbito mundial, como as Nações Unidas.

Atualmente, as Nações Unidas e suas agências investem, em forma de empréstimo ou doações, cerca de US$ 25 bilhões por ano em países em desenvolvimento.

Esses recursos destinam-se a proteção de refugiados, fornecimento de auxílio alimentar, superação de efeitos causados por catástrofes naturais, combate a doenças, aumento da produção de alimentos e da longevidade, recuperação econômica e estabilização dos mercados financeiros. Além disso, a ONU ajuda a reforçar o regime democrático em várias regiões, e já apoiou mais de 70 eleições nacionais. As Nações Unidas foram catalisadoras e promotoras de um grande movimento de descolonização, que levou à independência de mais de 80 países.

Fique por dentro:

No âmbito das Nações Unidas, são produzidos vários documentos jurídicos, sobre os mais diversos temas – de direitos políticos da mulher até escravatura, de direito penal internacional à preservação da diversidade biológica, de proibição de armas químicas a direitos das crianças. Os instrumentos mais comuns para expressar a concordância dos Estados-membros sobre temas de interesse internacional são acordos, tratados, convenções, protocolos, resoluções e estatutos.

O termo acordo é usado, geralmente, para caracterizar negociações bilaterais de natureza política, econômica, comercial, cultural, científica e técnica. Acordos podem ser firmados entre países ou entre um país e uma organização internacional. Tratados são atos bilaterais ou multilaterais aos quais se deseja atribuir especial relevância política.

A palavra convenção costuma ser empregada para designar atos multilaterais, oriundos de conferências internacionais e que abordem assunto de interesse geral.

Protocolo designa acordos menos formais que os tratados. O termo é utilizado, ainda, para designar a ata final de uma conferência internacional. Resoluções são deliberações, seja no âmbito nacional ou internacional. Estatuto é um tipo de leis que expressa os princípios que regem a organização de um Estado, sociedade ou associação.

Fonte: www.unificado.com.br

História da ONU

Organização das Nações Unidas (ONU), organização internacional fundada logo após a Segunda Guerra Mundial. Ela substituiu a Liga das Nações.

Em 1945, quando a ONU foi fundada, havia 51 membros; 193 países são agora membros da organização (ver quadro intitulado Membros das Nações Unidas.

História

Origens

O primeiro plano concreto para a formação de uma nova organização mundial foi iniciada sob a égide do Departamento de Estado dos EUA no final de 1939.

O nome das Nações Unidas foi cunhado pelo presidente Franklin Delano Roosevelt, em 1941, para descrever os países que lutam contra o Eixo. Foi usado pela primeira vez oficialmente em 1 de janeiro de 1942, quando 26 estados participaram da Declaração das Nações Unidas, comprometendo-se a continuar seu esforço de guerra conjunta e não para fazer a paz em separado. A necessidade de uma organização internacional para substituir a Liga das Nações foi declarado oficialmente em 30 de outubro de 1943, na Declaração de Moscou, emitido pela China, Grã-Bretanha, os Estados Unidos ea URSS.

Na Conferência de Dumbarton Oaks (agosto-outubro de 1944), esses quatro países elaborou propostas específicas para um charter para a nova organização, e na Conferência de Ialta (fevereiro de 1945) novo acordo foi alcançado. Todos os estados que tinham finalmente aderiram à declaração de 1942 e declarou guerra à Alemanha ou o Japão por 01 de março de 1945, foram chamados para a conferência de fundação, realizada em San Francisco (25 abril - 26 junho, 1945). Elaborado em San Francisco, a Carta das Nações Unidas foi assinada em 26 de junho e ratificada pelo número necessário de estados em 24 de outubro (oficialmente Dia das Nações Unidas). A Assembléia Geral se conheceram em Londres em 10 de janeiro de 1946.

Decidiu-se localizar a sede da ONU nos Estados Unidos E Estados. Em dezembro de 1946, a Assembléia Geral aceitou o presente 0,5 milhões de John D. Rockefeller, Jr., para comprar um pedaço de terra ao longo do East River, em Nova York, para a sua sede. Os principais edifícios lá, a Secretaria, a Assembléia Geral, eo Edifício Conferência, foram concluídas em 1952. O Dag Hammarskjöld Memorial Library foi dedicado em 1961.

Originais Visão e Realidades Guerra Fria

Na prática, a ONU não evoluiu como foi previsto. Originalmente foi composto em grande parte dos aliados da Segunda Guerra Mundial, os países, principalmente europeus, países da Commonwealth, e as nações das Américas. Ele foi concebido como uma organização de "amantes da paz" nações, que foram combinados para evitar a agressão futuro e para outros fins humanitários. Cooperação estreita entre os membros era esperado, o Conselho de Segurança, especialmente se esperava para trabalhar em relativa unanimidade. As esperanças de acordo essencial logo foram frustradas pelos atritos da guerra fria , o que afetou o funcionamento do Conselho de Segurança e outros órgãos das Nações Unidas.

A carta tinha previsto uma força militar regular à disposição do Conselho de Segurança e determinou a criação do Comité de Pessoal Militar para fazer planos apropriados. O comitê-composto pelos chefes de equipe (ou seus representantes) do Big Five-foi incapaz de chegar a um acordo, com a URSS e os outros quatro estados em lados opostos, assim não há forças regulares foram estabelecidas. A mesma divisão frustrou as atividades de dois corpos de segurança especiais do Conselho, a Comissão de Energia Atômica e da Comissão sobre Armamentos Convencionais. Daí não acordos foram concluídos para regular a produção de bombas atômicas ou reduzir outros tipos de armamentos (ver desarmamento nuclear, ). A Carta prevê que os acordos regionais de segurança seria complementar o sistema global da ONU, mas na verdade essas alianças abrangentes como o Tratado do Atlântico Norte Organização (OTAN), a Organização dos Estados Americanos , a Organização do Tratado do Sudeste Asiático e da Organização do Tratado de Varsóvia a uma extensão o sistema das Nações Unidas ignorada.

Houve alguns casos iniciais de cooperação soviética com os Estados Unidos e outras potências que permitiram sucessos da ONU para restaurar ou preservar a paz. Estes incluíram a liquidação (1946) da queixa da Síria e do Líbano que a França ea Grã-Bretanha foram ocupando ilegalmente o seu território, o particionamento da Palestina (ver Israel ), a luta pelo controle da Caxemira entre a Índia eo Paquistão (ver Guerras entre Índia e Paquistão ); ea retirada dos holandeses da Indonésia. No entanto, em muitas outras questões de maior importância direta para as grandes potências, o conflito entre a URSS e os restantes membros do Big Five impedido resolução. O Conselho de Segurança foi prejudicado pelo veto, que até o final de 1955 havia sido usado 78 vezes, 75 delas pela União Soviética.

Atividade crescente da Assembleia

Em reação às limitações que a guerra fria imposta ao Conselho de Segurança, os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e outras nações tentaram desenvolver a Assembléia Geral além de seu escopo original. No conjunto dos Estados Unidos e Grã-Bretanha teve apoio forte por parte da Comunidade e os países latino-americanos e, geralmente, comandava uma maioria. A União Soviética conseguiu reunir apenas um pequeno bloco, suficiente para criar debate entre o Oriente eo Ocidente, mas menos eficaz na votação.

De maior importância foram procedimentos evoluíram na crise da Coreia em 1950. Nessa altura, a União Soviética estava boicotando o Conselho de Segurança por causa da recusa das Nações Unidas a admitir a República Popular da China como um membro. Desde que a URSS não estava presente para lançar um veto, o Conselho de Segurança foi habilitado para estabelecer forças armadas para repelir o ataque norte-coreano na Coreia do Sul (ver Guerra da Coreia ). Assim, no momento em que a organização jovem tinha começado a parecer politicamente estéril, ela deu à luz o primeiro exército da ONU e para o maior "segurança coletiva" ação da história até aquele momento, embora os Estados Unidos forneceram a maior parte dos dois combates pessoal e material. Além disso, uma ação mais firme da ONU em crises futuras estava preparado para, quando, em novembro de 1950, a Assembleia aprovou a "Unidos pela Paz" resolução, que lhe permitiu tomar suas próprias medidas quando o uso do veto paralisou o conselho. Embora a assembléia foi convocado algumas vezes sob a presente resolução, a sua autoridade para exigir ação de membros permaneceu vaga, e que nunca desenvolveu máquinas de aplicação viável.

Algumas áreas foram abertas para a intervenção da ONU, no entanto, em que a opinião pública mundial e capacidade de resposta grande poder favoreceu isso.

Na luta pela independência, em Marrocos, na Argélia e em outros lugares, os poderes dominantes coloniais argumentaram que esses conflitos a nível interno, com seus assentos no Conselho de Segurança que estavam em uma posição de vetar resoluções da Assembléia, e com os governos oficiais dos territórios rebeldes sob seu controle que eles foram capazes de evitar a intervenção da ONU. Na revolta húngara (1956), os pedidos de que a URSS retirar suas tropas da Hungria e que os observadores da ONU ser admitido para o país foram rejeitados pela União Soviética. Na crise de Suez (1956), no entanto, a resolução da Assembleia Geral, para um cessar-fogo imediato e para a retirada das forças invasoras foi atendido pela Grã-Bretanha, França e Israel (ver guerras árabe-israelenses ).

Crescente papel do Secretário-Geral

Paralelamente à crescente atividade do conjunto foi a ampliação da participação do secretário-geral. Trygve Lie, como secretário-geral, fez grandes esforços para reunir a opinião mundial em dificuldades como a crise da Coréia, mas a sua rotulagem de a Coreia do Norte como agressor lhe valeu a inimizade Soviética e, portanto, limitada a sua eficácia. Sob a "diplomacia silenciosa" de Dag Hammarskjöld o secretário generalship ganhou maior abrangência. O secretário-geral, e não o impasse do Conselho de Segurança, foi confiada a organização e estabelecer as forças da ONU na crise de Suez. Ele trabalhou em estreita colaboração com a Assembleia Geral sobre outras questões. Em 1958, quando uma resolução da Assembleia pedindo uma força de observadores da ONU no Líbano haviam sido vetados pelo conselho, o secretário-geral, no entanto, seguiu a recomendação da assembléia.

Além de tais missões Hammarskjöld interpretada seu escritório como responsável pela preservação da paz, mesmo quando a própria assembléia estava num impasse e não poderia emitir instruções definidas. Na prática, ele operava em grande parte sob um mandato da Assembléia Geral, mas freqüentemente tomou medidas executivas que não poderia ser completamente detalhadas por instruções. Assim, o cargo de secretário-geral foi evoluindo como autoridade de fato da ONU executivo em matéria de conflitos internacionais, eo Conselho de Segurança começou a cumprir muito menos frequência.

Efeitos de um crescente número de membros

Ao final dos anos 1950 a ONU foi sendo revolucionada por uma mudança na sociedade. Desde o início da ONU tinha havido um crescimento constante de sentir que a organização deve incluir todas as nações do mundo. Mas a adesão foi muito novo bloqueado por rivalidade Leste-Oeste; cada lado era antagônica à admissão de novos membros desfavoráveis a seus pontos de vista, e como não-comunistas em menor número os países comunistas da URSS foi especialmente intransigente. De 1947-1955 só Iêmen (1947), Paquistão (1947), Mianmar (1948), Israel (1949) e Indonésia (1950) ganhou admissão. O caminho para um acordo foi liderado pelo Canadá, em 1955; 16 novos membros foram admitidos naquele ano e, posteriormente, a expansão foi rápida.

Expansão acompanhante veio realinhamento de votação. A grande maioria dos Estados Unidos e seus aliados desapareceu como o grupo Afro-Asiática de nações (ver Terceiro Mundo ) obtido mais da metade dos assentos na assembleia. Novos blocos de voto formado, incluindo as nações da OTAN, as nações árabes, as nações da Commonwealth, e, cada vez mais, um bloco afro-asiático em geral. América Latina se afastado de sua posição pró-EUA. Outros temas começaram a igualar a da guerra fria, em debates, montagem e estandes mais militantes foram tomadas contra os restos de colonialismo.

A natureza mudou da ONU foi revelado na ONU política para a África em 1960. A ONU atuado fortemente na crise no Congo , e durante o seu envolvimento lá o secretário-geral desenvolveu seu escritório para um nível sem precedentes. Quando a ONU foi convidado (1960) pelo governo do Congo para enviar tropas para lá, uma força da ONU foi rapidamente organizada por Hammarskjöld entre neutro Europeu e Africano estados. As tropas da ONU, confrontados pelo caos social e político, envolvido na ação militar direta para forçar Katanga província de reintegração com o Congo, o que finalmente fez em 1963.

Ação da ONU no Congo e, mais tarde no envio de forças de paz para o Chipre (1964) demonstraram uma vontade de intervir em situações basicamente internos, tanto para restaurar a ordem e evitar a propagação da doença para estados vizinhos. Esta vontade foi especialmente evidente na atenção dada às áreas remanescentes coloniais, principalmente na África. A ONU condenou várias vezes as políticas coloniais de Portugal (até que país começou a liberar suas colônias após o golpe de 1974) e as políticas raciais da África do Sul e Rodésia, contra a qual severas sanções econômicas foram aplicadas.

Influência da ONU diminuída e seu renascimento incerto

Tendo perdido sua maioria automática na assembléia, os Estados Unidos se juntou à União Soviética, em limitar o poder e autoridade da ONU, principalmente, mantendo as principais questões da competência do Conselho de Segurança e do veto, com a inação o resultado normal. Houve uma queda correspondente na liberdade de movimento permitiu que o secretário-geral. Na esteira da operação Hammarskjöld Congo e morte acidental, a União Soviética "troika" plano para um de três pessoas secretário generalship-um oriental, um ocidental, e um membro neutralista, cada um com um veto, era um sinal de que a URSS não tolerar outro ativista secretário-geral. Embora seu plano foi derrotado, o objetivo da URSS foi amplamente alcançado, desde que sucedeu secretários-gerais evitadas ações que possam ser controversas.

Graves pressões financeiras também serviram para restringir a ação da ONU. Um certo número de países, incluindo a União Soviética, se recusaram a pagar por ações da ONU, como a operação Congo, não diretamente, aprovadas pelo Conselho de Segurança. Os Estados Unidos com sucesso empurrado para uma redução da sua avaliação a 25% do orçamento da ONU, em 1977, em vez de um terço ou mais, mas ainda tem sido em atraso substancial. (Até o final de 1990 o problema do atraso dos Estados Unidos se tornou tão grande que os Estados Unidos estavam em perigo de perder o seu voto na Assembleia Geral.).

Finalmente, as grandes potências tendem a lidar uns com os outros fora do âmbito da ONU. Enquanto alguns acordos em áreas periféricas de desarmamento e cooperação internacional têm sido desenvolvidas no âmbito da ONU, por exemplo, o uso pacífico da energia atômica (ver Agência de Energia Atómica, Internacional ), a cooperação no espaço exterior, e limitação de armas no fundo do mar internacional mais- grandes negociações e acordos têm sido numa base bilateral.

Como resultado, até 1991, a ONU desempenhou um papel relativamente secundário na maioria das crises mundiais, incluindo as guerras árabe-israelenses de 1967 e 1973, a Guerra Indo-Paquistanesa de 1971, a Guerra do Vietnã e da Guerra do Afeganistão. No entanto, com a colaboração soviética, a ONU desempenhou um papel importante aprovar medidas no Golfo Pérsico, em 1991, para dirigir o Iraque do Kuwait, e ativamente supervisionou a posterior cessar-fogo, embargo, e remoção de armas estratégicas do Iraque (ver Guerra do Golfo Pérsico ).

Desde os anos 1970, a ONU expandiu a sua atividade no desenvolvimento de países menos desenvolvidos. A ONU e suas agências relacionadas tiveram um impacto significativo no controle da doença, a ajuda aos refugiados, e cooperação tecnológica. Constituiu um mecanismo através do qual os países desenvolvidos podem contribuir conjuntamente com um mínimo de antagonismo nacional e de que países menos desenvolvidos podem receber ajuda com um mínimo de desconfiança e ressentimento. A ONU também tem sido ativa na definição de normas de dignidade humana e à liberdade, como na Declaração Universal dos Direitos Humanos e do estabelecimento de normas internacionais do trabalho, e tem sido um fórum de discussão sobre alguns problemas ambientais, como a Terra " Summit ", em 1992.

A ONU atual é uma instituição toda, mas universal global. Suas forças de manutenção da paz foram agraciados com o Prêmio Nobel da Paz em 1988, e em 2001 a própria ONU, juntamente com o Secretário-Geral, Kofi Annan, foi agraciado com o prêmio. A partir dos anos 1990, a ONU estava cada vez mais envolvido nos esforços de manutenção da paz em todo o mundo. Embora a ONU desempenhou um papel subsidiário na Guerra do Golfo Pérsico , o seu potencial para ganhar um papel de manutenção da paz mais proeminente foi reforçada com o fim da guerra fria. Nos últimos anos, a ONU supervisionou as eleições de 1993 no Camboja (como parte de seu esforço maior de manutenção de paz de sempre) e do referendo de 1999 em Timor Leste (embora não pudesse impedir a violência seguido), e tem montado operações de paz em Angola, Bósnia, Congo (Kinshasa), a Eritreia ea Etiópia, Haiti, Kosovo, Moçambique, Serra Leoa, Somália e Sudão e no Chade, entre outros. Além disso, a ONU deu forças policiais em regiões, como o Kosovo, na Bósnia e em Timor-Leste, onde o governo local não podia.

Assertividade do Conselho de Segurança na aplicação da Guerra do Golfo de cessar-fogo resoluções no início de 1990 parecia indicativo de um novo vigor.

Divisões posteriores sobre o conselho sobre essa questão, no entanto, e sucesso limitado no que diz respeito à manutenção da paz na Somália, Bósnia, Haiti, Serra Leoa e Côte d'Ivore indicam que, a menos que as partes supervisionados por essas forças estão desejosos de paz, talvez o conselho pode afirmar-se com êxito somente quando as grandes potências estão convencidos de que os seus interesses estão em jogo. O fato foi feita por demais óbvio pelas divisões que surgiram entre os Estados Unidos ea Grã-Bretanha, de um lado, e da França, Rússia e China sobre a possibilidade de aprovar uma ação militar contra o Iraque em 2003. Outras divisões prejudicado a capacidade da ONU para o desenvolvimento (2007) uma missão de paz totalmente funcional no Sudão e no Chade, onde a rebelião na região sudanesa de Darfur e regiões fronteiriças do Chade criado um grande número de refugiados a partir de 2003. Por outro lado, a missão de paz da ONU ao longo da fronteira Eritréia-Etiópia (2000-2008) foi encerrada após as duas nações beneficiadas minou-lo.

Em um esforço para garantir que as missões de paz da ONU que são montados são eficazes, Annan empurrou para as forças que eram grandes o suficiente para ser capaz de impor a paz, no entanto, que nem sempre foi possível. As forças de paz da ONU também se tornaram mais assertiva sobre o uso da força para proteger os civis e mais ativa no cumprimento da paz. Em 2011, em resposta a lutar na Líbia, o Conselho de Segurança autorizou uma zona de exclusão aérea na Líbia para proteger os civis e as sanções impostas ao governo, mas a missão da NATO-árabe impor a zona também atuou em momentos em aparente apoio dos rebeldes , que finalmente derrubou o governo. A missão de paz para a Síria em 2012, que só envolveu os observadores da ONU, não foi bem sucedida em conter a Primavera Árabe conflito lá.

Um problema relacionado e premente foi a crise financeira criada pelos atrasados devidos pelos Estados Unidos e outras nações, uma crise agravada pela despesa de operações de manutenção de paz aumento. Mesmo que as nações do mundo têm vindo a expandir o papel da ONU como força de paz, a sua capacidade de financiar tais operações tem sido dificultada pela falta de pagamento de dívidas da ONU. Insatisfação americana com a ONU levou a oposição dentro do Congresso para pagamento de dívidas da ONU e resultou em inflexível oposição dos EUA à reeleição de Boutros-Ghali como secretário-geral. Kofi Annan, que sucedeu Boutros-Ghali, em 1997, trabalhou para agilizar as operações da ONU e reduzir os custos, em parte para restaurar a confiança dos americanos e interesse na organização. Em 1999, o Congresso dos EUA aprovou uma legislação que pagar alguma da nação de volta dívidas, mas também pediu uma maior redução na avaliação de que os Estados Unidos devem pagar. Um acordo em dezembro de 2000, apelou a uma redução nos EUA dívidas para 22% do orçamento da ONU. Em 2000, os atrasos dos EUA atingiu 0,3 bilhões, segundo cálculos da ONU, mas até o final de 2004, que havia sido reduzida em mais de 80%.

Em 2004, a reputação da ONU foi manchada por revelações sobre corrupção no programa Petróleo por Alimentos, que permitiu ao Iraque, começando em 1996 e terminando depois da invasão liderada pelos Estados Unidos, para exportar óleo de geração de renda que era para ser usado para a compra de alimentos e ajuda humanitária outro. Governo de Saddam Hussein recebeu propinas consideráveis através do programa (embora o dinheiro ganho através Iraque óleo contrabando no exterior foi muito maior), e muitos fora do Iraque ilicitamente beneficiado também. Uma investigação detalhada da ONU sobre o programa, liderado por Paul Volcker , começou em 2004, e lançou o seu relatório final em 2005. A investigação acusou o funcionário da ONU que tinha dirigido o programa de pessoalmente beneficiando com isso, e criticado a conduta dos outros, incluindo dois dos assessores mais próximos de Annan. A integridade do filho de Annan, que beneficiaram de emprego e pagamentos de uma empresa envolvida no programa, foi questionado, embora Annan não foi acusado de beneficiar ou de manipular o programa para beneficiar ninguém. No entanto, Annan foi criticado por ter exercido a supervisão inadequada (como foi o Conselho de Segurança) e por não ter conseguido fazer um inquérito exaustivo sobre o caso quando surgiu pela primeira vez perguntas sobre isso.

Também em 2005 Annan tentou ganhar o apoio internacional para um grupo de reformas abrangentes dentro das Nações Unidas, mas o acordo foi difícil de proteger. Os membros da ONU não aprovou a criação de uma Comissão de Consolidação da Paz, destinado a ajudar países devastados pela guerra para restabelecer a estabilidade política e crescimento econômico. Em dezembro de 2005, sob pressão dos Estados Unidos e outras nações ricas, os membros da ONU aprovou um orçamento de dois anos com um limite de gastos para 2006, que era esperado para ser alcançado em junho do mesmo ano. A intenção era a de vincular a aprovação de gastos ainda mais a passagem das reformas da gestão pela Assembléia Geral.

A Assembleia Geral aprovou (março de 2006) a substituição da Comissão de Direitos Humanos da ONU, com um Conselho de Direitos Humanos. O movimento foi concebido para restaurar a credibilidade corpo da ONU de direitos humanos, que foi criticada por ter incluído entre seus países membros muitos países que tinham sido denunciadas por violações dos direitos humanos, mas o novo corpo logo enfrentou críticas semelhantes. Em Maio, a Assembleia se recusou a aprovar a peça central de ambiciosos planos de reforma de Annan administrativos para as Nações Unidas; algumas reformas modestas foram aprovados em julho. O limite orçamentário, entretanto, tinha sido removido em junho pela Assembléia Geral. Annan foi sucedido como secretário-geral por sul-coreano Ban Ki-diplomata Lua em 2007.

Organização e Princípios

A Carta das Nações Unidas compreende um preâmbulo e 19 capítulos divididos em 111 artigos.

A Carta estabelece os propósitos da ONU como: a manutenção da paz e da segurança internacionais, o desenvolvimento de relações amistosas entre os Estados, ea realização da cooperação internacional na solução de problemas econômicos, sociais, culturais e humanitárias. Ela expressa uma forte esperança para a igualdade de todas as pessoas e da expansão das liberdades básicas.

Os principais órgãos da ONU, como especificado na carta, são a Assembleia Geral, o Conselho de Segurança, o Conselho Econômico e Social , o Conselho de Tutela (ver tutela, territorial ), o Tribunal Internacional de Justiça eo Secretariado. Outros organismos que funcionam como agências especializadas das Nações Unidas, mas não são especificamente previstas na Carta são a Organização para a Alimentação e Agricultura , o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento eo associado International Finance Corporation e Associação Internacional de Desenvolvimento, a Organização da Aviação Civil Internacional , a Organização Internacional do Trabalho , a Organização Marítima Internacional, o Fundo Monetário Internacional , a União Internacional de Telecomunicações , o Fundo das Nações Unidas para a Infância , a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência ea Cultura , a União Postal Universal , a Organização Mundial da Saúde , Organização Mundial da Organização da propriedade, ea Organização Meteorológica Mundial . Agências de trabalho temporário têm incluído a Nações Unidas de Assistência e Reabilitação de Administração , a Organização Internacional de Refugiados (cujas responsabilidades foram, posteriormente, assumido pelo Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados ), ea Nações Unidas de Assistência e Obras Públicas para os Refugiados da Palestina no Oriente Médio , que ainda está em vigor.

As línguas oficiais da ONU são Árabe, Chinês, Inglês, francês, russo e espanhol. As línguas de trabalho da Assembléia Geral são: Inglês, Francês e Espanhol (no Conselho de Segurança só Inglês e francês são línguas de trabalho).

A Secretaria e do Secretário-Geral

Todas as funções da ONU administrativos são tratados pela Secretaria, com o secretário-geral na sua cabeça. A Carta não prevê um prazo para o secretário-geral, mas um mandato de cinco anos tornou-se padrão.

Trygve Lie, o primeiro secretário-geral, foi sucedido por Dag Hammarskjöld (1953-1961), que serviu até sua morte.

U Thant , secretário-geral em exercício, foi eleito secretário-geral (1962), foi reeleito em 1966, e serviu até 1971.

Sucedendo secretários-gerais foram: Kurt Waldheim (1972-1981); Javier Pérez de Cuéllar (1982-1991), Boutros Boutros-Ghali (1992-1996), Kofi Annan (1997-2006), e Ban Ki-Moon (2007 - ). (Veja também o quadro intitulado Nações Unidas secretários-gerais .) O secretário-geral transcende um papel meramente administrativo com a sua autoridade para trazer situações a atenção de vários órgãos da ONU, por sua posição como uma parte imparcial na realização de conciliação e, especialmente, por seu poder para "realizar tal ... funções que lhe são confiadas a ele" por outros órgãos da ONU. Também o reforço do cargo de secretário-geral é a equipe da Secretaria de grande porte, que é recrutado numa base geográfica ampla e é necessário para trabalhar exclusivamente no interesse da organização.

A Assembleia Geral

O único órgão da ONU estabelecido pela Carta em que todos os Estados membros estão representados é a Assembléia Geral. A Assembléia Geral foi projetado para ser um órgão deliberativo lidando principalmente com questões gerais de natureza política, social ou econômica. Reúne-se em sessão ordinária anual, começando a terceira terça-feira de setembro, sessões especiais às vezes são realizadas. Ele tem sete principais comitês criados para tratar de assuntos específicos designados como (1) política e de segurança, (2) econômica e financeira, (3) social, humanitária e cultural, de tutela (4), (5), administrativo e orçamental, (6) legal, e (7) política especial. Ele também tem pé, processual, e muitas comissões ad hoc. O conjunto passa sobre o orçamento e define as avaliações dos países membros. Pode realizar estudos e fazer recomendações, mas não pode aconselhar sobre as questões em consideração do Conselho de Segurança, a não ser por pedido do Conselho de Segurança. No conjunto, as decisões sobre assuntos de rotina são tomadas por maioria simples dos membros votantes, uma maioria de dois terços é necessária para assuntos de importância, tais como a admissão de novos membros, a revisão da Carta, e questões orçamentais e de tutela.

O Conselho de Segurança

O Conselho de Segurança foi construído como um órgão com a responsabilidade primária para preservar a paz. Ao contrário da Assembléia Geral, foi dado o poder de aplicar medidas e foi organizado como um órgão executivo compacto. Também ao contrário da assembléia, o Conselho de Segurança em funções teoria continuamente na sede da ONU.

O conselho tem 15 membros. Cinco China (até 1971 a República da China [Taiwan], e desde então República Popular da China), França, Grã-Bretanha, Estados Unidos e Rússia (até 1991 URSS), são permanentes. Os 10 (originalmente seis) membros não-permanentes são eleitos para mandatos de dois anos pela Assembléia Geral, a distribuição geográfica eqüitativa é necessária. Habitualmente há cinco membros não-permanentes de Estados africanos e asiáticos, um do Leste Europeu, dois da América Latina, e dois da Europa Ocidental e outros países. No Conselho, a presidência é ocupada por um mês-termos em ordem alfabética dos nomes dos membros em Inglês.

Em 1997, uma comissão da ONU propôs alterações ao Conselho, incluindo a adição de cinco novos membros permanentes sem direito de veto, acrescentando mais quatro membros não-permanentes, e colocando restrições sobre o uso do veto. As alterações propostas foram consideradas por muitos países como uma base para as negociações sobre a reestruturação eventual do conselho. Brasil, Alemanha, Índia, Japão e África do Sul têm procurado assentos permanentes no conselho, e em julho de 2005, os primeiros quatro nações apresentou uma resolução da Assembleia Geral pedindo a ampliação do Conselho de (mas não para poder de veto para os novos membros permanentes). A União Africano, no entanto, foi chamado para novos membros permanentes para que o veto e para a África a receber dois assentos permanentes. Não houve nenhum progresso significativo sobre o assunto, mas em setembro de 2008, a Assembléia Geral, por unanimidade chamado para as negociações intergovernamentais sobre a ampliação do Conselho, que começou em fevereiro de 2009.

Existem dois sistemas de votação no Conselho de Segurança. Em questões processuais o voto afirmativo de nove membros quaisquer é necessário, mas em questões substantivas os nove votos favoráveis necessários devem incluir os dos cinco membros permanentes. Esta exigência de unanimidade Big Five encarna o veto chamado. Na prática, o conselho, em questões mais substantivas, não tratou uma abstenção de um membro permanente como um veto. Em duas situações, no entanto, aqueles de candidatos recomendando para a adesão da ONU e de aprovação de propostas de alteração ao regulamento, o concurso real de todos os membros permanentes tem sido necessário. O veto impediu muita ação substantiva pela ONU, mas ele encarna a realidade que a resolução de crises graves requer o acordo das grandes potências.

Segundo a Carta do conselho pode tomar as medidas relativas a qualquer perigo para a paz mundial. Ele pode agir de acordo com denúncia de um membro ou de um não-membro, sobre a notificação pelo secretário-geral ou pela Assembléia Geral, ou por sua própria vontade. Em geral, o conselho considera questões de dois tipos. A primeira é a "disputas" (ou situações que podem dar origem a eles) que ponham em perigo a paz. Aqui, o conselho se limita a fazer recomendações às partes depois de ter exaurido outros métodos de chegar a uma solução. No caso de assuntos mais sérios, como "ameaças à paz", "violações da paz" e "atos de agressão", o Conselho pode tomar medidas de coação. Estes podem variar de ruptura total ou parcial das relações econômicas ou diplomáticas para operações militares de qualquer âmbito considerado necessário. Pelos termos da Carta, a ONU foi proibido de intervir em assuntos que dependam essencialmente "... doméstica", mas esta limitação não se destinava a prejudicar as medidas do Conselho de Segurança para evitar ameaças à paz. A carta foi intencionalmente ambíguo sobre questões domésticas que também poderiam ser interpretadas como ameaças à paz e deixou uma abertura potencial para intervenção em questões internas que ameaçam ter repercussões perigosas internacionais.

Bibliografia

A Organização das Nações Unidas publica uma série de anuários abrangentes (1947 -). Veja também M. Águas, A Organização das Nações Unidas (1967)
LM Goodrich, EI Hambro, e AP Simons, Carta das Nações Unidas: Comentário e Documentos (3 ª ed 1969.)
DW Wainhouse, Manutenção da Paz Internacional na Encruzilhada (1973), LM Goodrich, As Nações Unidas num Mundo em Mudança (1974)
DP Moynihan, um lugar perigoso (1978), Conferência das Nações Unidas sobre Procedimentos, negociações globais e Desenvolvimento Econômico (1980)
E. Luard, Uma História das Nações Unidas (2 vol, 1982-1989.)
JP Humphrey, Direitos Humanos e as Nações Unidas (1983)
PR Baehr e L. Gordenker, As Nações Unidas: Realidade e Ideal (1984)
Departamento de Informação Pública, As Nações Unidas e Direitos Humanos (1984)
R. Riggs e J. Plano, A Organização das Nações Unidas: Organização Internacional e Política Mundial (1987)
PJ Fromuth, ed, uma visão Sucessor: A Organização das Nações Unidas de Amanhã (1988)
A. Roberts. Nações Unidas, Mundo Dividido: o papel da ONU em Relações Internacionais (1988)
R. Berridge, Voltar para a Organização das Nações Unidas: ONU Diplomacia em conflitos regionais (1991)
S. Meisler, Nações Unidas: os primeiros cinqüenta anos (1995)
T. Hoopes e D. Brinkley, FDR ea Criação da ONU (1997)
SC Schlesinger, Ato de Criação: A fundação da Organização das Nações Unidas (2003)
M. Mazower, No Palácio Encantado: O Fim do Império e da origens ideológicas da Organização das Nações Unidas (2009)
R. Jolly et al, Idéias da ONU que Mudaram o Mundo (2009)..

Fonte: www.infoplease.com

História da ONU

ONU: ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

A ONU é um organismo internacional criado ao final da Segunda Guerra Mundial, com o propósito de manter a paz e a cooperação entre as nações. A necessidade desse organismo e o interesse em cria-lo foi expressa durante a guerra, como por exemplo, na Carta do Atlântico, de 1941, assinada pelos Estados Unidos e Inglaterra e que se referia à necessidade de um "sistema mais amplo e permanente de segurança geral".

Em 26 de junho de 1945 foi assinada a Carta das Nações Unidas, depois de dois meses de discussões que reuniram representantes de 50 países na cidade de São Francisco na Califórnia. Em 24 de outubro a carta entrou oficialmente em vigor. A nova instituição tinha como objetivos manter a paz e a segurança internacionais, desenvolver relações amistosas entre as nações e conseguir a cooperação internacional para resolver os problemas socioeconômicos, culturais e humanitários.

Do ponto de vista estrutural, a Assembléia Geral seria o organismo interno à ONU mais importante, formado por um representante de cada país membro, com direito a um voto. Na prática, o Conselho de Segurança se tornou o organismo mais importante nas últimas décadas, formado por 15 membros, sendo que 5 são considerados membros permanentes (EUA, URSS, China Nacionalista, França e Inglaterra) e 10 são membros temporários, eleitos a cada dois anos.

Em 1971 a China Nacionalista foi substituída pela China Comunista e, em 1991, a URSS foi substituída pela Rússia. Outro organismo importante é a Corte Internacional de Justiça, com sede em Haia, Holanda, formada por nove juízes eleitos pela Assembléia Geral. O Conselho Econômico e Social é formado por 54 países, com mandato de três anos, sendo responsável por coordenar as Instituições especializadas.

A Assembléia Geral é o órgão central das Nações Unidas, no qual todas as nações-membros estão representadas, podem falar e ser ouvidas sobre qualquer assunto. Cada país tem direito de voto, em pé de igualdade com os outros, independentemente de sua riqueza ou poder bélico. As questões importantes são decididas por uma maioria de dois terços dos votos.

A Assembléia Geral se reúne regularmente uma vez por ano, com início na terceira terça-feira de setembro, por um período de pelo menos três meses. Mas podem ser convocadas reuniões de emergência, em qualquer momento. Elege todos os anos o seu Presidente que tem a tarefa de dirigir as reuniões da Assembléia Geral, podendo debater e fazer recomendações sobre qualquer assunto (a menos que ele se encontre em mãos do Conselho de Segurança).

A Assembléia recebe relatórios do Conselho de Segurança e dos outros órgãos principais da ONU, bem como do Secretário-Geral. Admite novos Membros, nomeia o Secretário-Geral, que é o "Administrador" das Nações Unidas, mediante recomendação do Conselho de Segurança e elege os membros dos outros órgãos e O Conselho de Segurança foi pensado para ser o principal guardião da paz mundial. Enquanto a Assembleia Geral pode debater qualquer preocupação mundial, o Conselho de Segurança só trata de questões de paz e segurança. Todos os Membros da ONU concordaram em aceitar as decisões do Conselho de Segurança.

Ao contrário da Assembleia Geral, o Conselho de Segurança não reúne regularmente. Pode ser convocado a qualquer momento e com pouca antecedência se qualquer país, membro ou não das Nações Unidas, julgar que exista ameaça concreta a paz e segurança mundial.

A Presidência do Conselho de Segurança é assegurada rotativamente pelos seus membros, pelo período de um mês. A rotatividade faz-se seguindo a ordem alfabética, em Inglês, dos nomes dos respectivos países.

A votação no Conselho de Segurança é diferente da votação na Assembléia Geral. Para aprovar qualquer resolução é preciso o voto favorável de, no mínimo, nove membros do Conselho; porém os "membros permanentes" têm direito a veto. Isso quer dizer que é necessário que apenas um dos cinco países vete, para que uma proposta apresentada seja rejeitada.

Conselho Econômico e Social

O Conselho Econômico e Social ocupa-se de problemas econômicos, tais como o comércio, os transportes, a industrialização e o desenvolvimento econômico, e de questões sociais, que incluem a população, as crianças, a habitação, a segurança social, a juventude, o ambiente humano, a alimentação. É responsável por formular recomendações sobre a forma de melhorar as condições da educação e da saúde e de promover o respeito e a observância dos direitos e liberdades das pessoas, em todo o mundo.

O Conselho tem normalmente uma reunião ordinária por ano e as suas decisões são tomadas por maioria de votos. O trabalho do Conselho depende das agências especializadas e Programas das Nações Unidas. Muito frequentemente, trabalham em conjunto em projetos específicos.

IFAD - Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola
WMO - Organização Meteorológica Mundial
IMO - Organização Marítima Internacional
FAO - Organização para a Alimentação e Agricultura
OMS - Organização Mundial de Saúde
UNIDO - Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial
OIT - Organização Internacional do Trabalho
UPU - União Postal Universal
WIPO - Organização Internacional da Propriedade Intelectual
ITU - União Internacional de Telecomunicações
BIRD - Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (Banco Mundial)
ICAO - Organização de Aviação Civil Internacional
FMI - Fundo Monetário Internacional
IDA - Associação Internacional para o Desenvolvimento
IFC - Corporação Financeira Internacional
UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

Duas outras agências similares mas separadas são:

IAEA - Agência Internacional de Energia Atómica
GATT - A cordo Geral sobre tarifas e Comércio

O Conselho de Tutela

Quando as Nações Unidas nasceram, havia algumas partes do mundo onde as pessoas não podiam escolher os seus próprios Governos. Essas zonas foram colocadas sob proteção especial das Nações Unidas e ficaram conhecidas pelo nome de Territórios sob Tutela.

O Conselho de Tutela acompanha o progresso social dos povos que vivem nesses territórios. Inicialmente, havia onze destes Territórios, a maioria em África e no Oceano Pacífico, mas hoje em dia já existe apenas um, as ilhas do Pacifico, administradas pelos Estados Unidos.

Os membros do Conselho de Tutela são os membros permanentes do Conselho de Segurança, isto é, a China, a França, o Reino Unido, a Federação Russa e os Estados Unidos. Cada membro tem um voto e as decisões são tomadas por maioria simples.

O Conselho de Tutela se reúne normalmente uma vez por ano, durante os meses de Maio e Junho.

Tribunal Internacional de Justiça

O Tribunal Internacional de Justiça é o principal órgão das Nações Unidas que elabora sentenças judiciais. Só os países e não as pessoas é que podem apresentar casos ao Tribunal. Quando um país concorda em submeter um caso ao Tribunal, tem de Comprometer-se a acatar a sua decisão.

O Tribunal reúne em Haia, na Holanda, e está em sessão permanente. Tem quinze juízes, que são eleitos pela Assembléia Geral e pelo Conselho de Segurança.

Não pode haver dois juízes do mesmo país. As decisões têm de ser tomadas por, pelo menos, nove juízes.

Secretariado, chefiado pelo Secretário-Geral, é formado pelo pessoal das Nações Unidas, que desempenha as suas tarefas diárias. O Secretário-Geral é o mais alto funcionário das Nações Unidas. É nomeado pela Assembléia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança, para um mandato de cinco anos.

Ao Secretário-Geral foi atribuído o mesmo tipo de poder político dos Chefes dos Estados Membros. Pode apresentar ao Conselho de Segurança qualquer problema que considere constituir uma ameaça à paz mundial. Pode propor questões para debate na Assembléia Geral ou em qualquer órgão das Nações Unidas.

Fonte: www.historianet.com.br

História da ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) nasceu oficialmente em 24 de outubro de 1945, data de promulgação da Carta das Nações Unidas, que é uma espécie de Constituição da entidade, assinada na época por 51 países, entre eles o Brasil.

Criada logo após a 2ª Guerra Mundial, o foco da atuação da ONU é a manutenção da paz e do desenvolvimento em todos os países do mundo.

História da ONU
Pôster com o preâmbulo da Carta das Nações Unidas, de 24/10/1945

Bem antes da fundação da ONU já haviam surgido outras organizações internacionais, relacionadas a temas específicos. A União Internacional de Telecomunicações (UIT) , na época chamada de União Internacional de Telégrafos, foi fundada em 1865; nove anos mais tarde, em 1874, surgiu a União Postal Universal (UPU) . Hoje, ambas são agências especializadas da ONU.

História da ONU
Sessão da Liga das Nações, em Genebra, na Suíça, em 15/11/1920

Em 1899, realizou-se na cidade de Haia, na Holanda, a Conferência Internacional da Paz, para elaborar instrumentos que pudessem resolver crises pacificamente, evitar guerras e desenvolver regras internacionais de convivência entre os países. Com objetivos semelhantes, foi criada a Liga das Nações, estabelecida em 1919, no Tratado de Versalhes, na França. Considerada a precursora da ONU, tinha como missão "promover a cooperação internacional e alcançar a paz e a segurança". A entidade encerrou as atividades depois de falhar em evitar a Segunda Guerra Mundial.

História da ONU
Declaração pelas Nações Unidas, assinada em Washington em 01/01/1942

A expressão "Nações Unidas", cunhada pelo presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt (1882-1945), foi utilizada pela primeira vez na "Declaração das Nações Unidas", em 1º de janeiro de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, quando representantes de 26 nações expressaram a intenção de continuar lutando contra os países do Eixo (Alemanha, Japão e Itália). Dois anos depois, líderes da China, da União Soviética, do Reino Unido e dos Estados Unidos esboçaram uma proposta de estatuto para uma organização internacional de países.

História da ONU
Conferência de Bretton Woods (EUA), em 01/07/1944

Antes mesmo de ser constituída oficialmente a organização, realizou-se na cidade de Bretton Woods, nos Estado de New Hampshire, nos EUA, a Conferência Monetária e Financeira das Nações Unidas, em 01/07/1944, tendo em vista as questões econômicas relacionadas ao final da Segunda Guerra Mundial e ao pós-guerra. Na mesma linha, realizou-se em Washington, em 21/08/1944, a Conferência para a Organização da Paz no Mundo do Pós-Guerra.

História da ONU
Conferência de San Francisco (EUA), em 26/06/1945

Em 1945, representantes de 50 países reuniram-se em San Francisco, nos Estados Unidos, na Conferência das Nações Unidas para uma Organização Internacional. No encontro, foi elaborado um rascunho da Carta das Nações Unidas. A Carta foi assinada em 26 de junho de 1945, e ratificada por 51 países em 24 de outubro de 1945.

A missão da ONU parte do pressuposto de que diversos problemas mundiais - como pobreza, desemprego, degradação ambiental, criminalidade, Aids, migração e tráfico de drogas - podem ser mais facilmente combatidos por meio de uma cooperação internacional. As ações para a redução da desigualdade global também podem ser otimizadas sob uma coordenação independente e de âmbito mundial, como as Nações Unidas.

Atualmente, as Nações Unidas e suas agências investem, em forma de empréstimo ou doações, cerca de US$ 25 bilhões por ano em países em desenvolvimento.

Esses recursos destinam-se a proteção de refugiados, fornecimento de auxílio alimentar, superação de efeitos causados por catástrofes naturais, combate a doenças, aumento da produção de alimentos e da longevidade, recuperação econômica e estabilização dos mercados financeiros.

Além disso, a ONU ajuda a reforçar o regime democrático em várias regiões, e já apoiou mais de 70 eleições nacionais. As Nações Unidas foram catalisadoras e promotoras de um grande movimento de descolonização, que levou à independência de mais de 80 países.

Fonte: www.onu-brasil.org.br

História da ONU

A ONU foi oficialmente criada em 26 de junho de 1945, quando representantes de 50 países assinaram a Carta de São Francisco. Seu formato, porém, começou a ser discutido pelas grandes potências nas conferências aliadas realizadas a partir de 1943.

Pensada como um sucedâneo da Liga das Nações, a ONU foi criada com os objetivos principais de salvaguardar a paz mundial, proteger os direitos humanos, fomentar direitos iguais para todos os povos e melhorar os padrões de vida no mundo. Seu principal órgão é o Conselho de Segurança, hoje formado por dez membros não-permanentes e cinco membros permanentes com direito de veto - Estados Unidos, União Soviética, Grã-Bretanha, França e China.

Há ainda a Assembléia Geral, que se reúne uma vez por ano, constituída por todos os Estados-membros; a Secretaria Geral, que é o principal órgão administrativo, chefiada por um representante escolhido pelo conjunto dos membros da Organização; o Conselho Econômico e Social, o Conselho de Tutela, a Corte Internacional de Justiça e agências especiais.

Além do Conselho de Segurança, outras características distiguem a ONU da Liga das Nações, entre elas a determinação para que cada Estado-membro disponha de suas Forças Armadas para compor missões de paz ou para agir na eventualidade de a Organização ter de repelir um agressor. Oswaldo Aranha foi eleito presidente da Primeira Sessão da Assembléia Geral da ONU, realizada em abril de 1947.

Desde então a sessão anual de trabalhos da Assembléia Geral anual é aberta por discurso de um representante do Brasil.

Fonte: www.cpdoc.fgv.br

História da ONU

O que é a ONU?

A Organização das Nações Unidas, também conhecida pela sigla ONU, é uma organização internacional formada por países que se reuniram voluntariamente para trabalhar pela paz e o desenvolvimento mundiais.

O preâmbulo da Carta das Nações Unidas – documento de fundação da Organização - expressa os ideais e os propósitos dos povos cujos governos se uniram para constituir as Nações Unidas:

Nós, os povos das Nações Unidas, resolvidos a preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra, que, por duas vezes no espaço da nossa vida, trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade, e a reafirmar a fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor do ser humano, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, assim como das nações grandes e pequenas, e a estabelecer condições sob as quais a justiça e o respeito às obrigações decorrentes de tratados e de outras fontes de direito internacional possam ser mantidos, e a promover o progresso social e melhores condições de vida dentro de uma liberdade mais ampla.

E para tais fins praticar a tolerância e viver em paz uns com os outros, como bons vizinhos, unir nossas forças para manter a paz e a segurança internacionais, garantir, pela aceitação de princípios e a instituição de métodos, que a força armada não será usada a não ser no interesse comum, e empregar um mecanismo internacional para promover o progresso econômico e social de todos os povos.

Resolvemos conjugar nossos esforços para a consecução desses objetivos. Em vista disso, nossos respectivos governos, por intermédio de representantes reunidos na cidade de São Francisco, depois de exibirem seus plenos poderes, que foram achados em boa e devida forma, concordaram com a presente Carta das Nações Unidas e estabelecem, por meio dela, uma organização internacional que será conhecida pelo nome de 'Nações Unidas'.

Qual é a origem da ONU?

Depois da II Guerra Mundial, que devastou dezenas de países e tomou a vida de milhares de seres humanos, existia na comunidade internacional um sentimento generalizado de que era necessário encontrar uma forma de manter a paz entre os países. Porém a idéia de criar a ONU não surgiu de uma hora para outra. Foram necessários anos de planejamento e dezenas de horas de discussões antes do surgimento da Organização.

O nome Nações Unidas, foi concebido pelo Presidente Norte-Americano Franklin Roosevelt e utilizado pela primeira vez na Declaração das Nações Unidas de 12 de Janeiro de 1942, quando os representantes de 26 países assumiram o compromisso de que seus governos continuariam a lutar contra as potências do Eixo.

A Carta das Nações Unidas foi elaborada pelos representantes de 50 países presentes à Conferência sobre Organização Internacional, que se reuniu em São Francisco de 25 de abril a 26 de junho de 1945.

As Nações Unidas, entretanto, começaram a existir oficialmente em 24 de outubro de 1945, após a ratificação da Carta pela China, Estados Unidos, França, Reino Unido e a ex-União Soviética, bem como pela maioria dos signatários. 0 24 de outubro é comemorado em todo o mundo como o "Dia das Nações Unidas".

Organizações internacionais que precederam a ONU

No final do século XIX países começaram a criar organismos internacionais para cooperar em assuntos específicos. Por exemplo, já em 1865 foi fundada a União Telegráfica Internacional, conhecida hoje como União Internacional de Telecomunicações (ITU) e em 1874 surgiu a União Postal Universal (UPU). Hoje ambas são agências do Sistema das Nações Unidas.

Em 1899 aconteceu a primeira Conferência Internacional para a Paz, em Haia (Holanda) que visava elaborar instrumentos para a resolução de conflitos de maneira pacífica, prevenir as guerras e codificar as regras de guerra.

A Organização que podemos chamar de predecessora da ONU é a Liga das Nações, uma instituição criada em circunstâncias similares durante a I Guerra Mundial em 1919 sob o Tratado de Versailles. A Liga das Nações deixou de existir devido à impossibilidade de evitar a II Guerra Mundial.

Onde fica a sede da ONU?

Durante a primeira reunião da Assembléia Geral que aconteceu na capital do Reino Unido, Londres, em 1946, ficou decidido que a sede permanente da Organização seria nos Estados Unidos. Em dezembro de 1946, John D. Rockefeller Jr. ofereceu cerca de oito milhões de dólares para a compra de parte dos terrenos na margem do East River, na ilha de Manhattan em Nova York. A cidade de NY ofereceu o resto dos terrenos para possibilitar a construção da sede da Organização.

Hoje em dia, a ONU possui, além da sede central em Nova York, outra sede em Genebra, na Suíça e escritórios espalhados em grande parte dos países do planeta.

Quais são os propósitos e princípios da ONU?

As Nações Unidas são regidas por uma série de propósitos e princípios básicos aceitos por todos os Países-Membros da Organização.

Os propósitos das Nações Unidas são:

Manter a paz e a segurança internacionais;
Desenvolver relações amistosas entre as nações;
Realizar a cooperação internacional para resolver os problemas mundiais de caráter econômico, social, cultural e humanitário, promovendo o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais;
Ser um centro destinado a harmonizar a ação dos povos para a consecução desses objetivos comuns.

As Nações Unidas agem de acordo com os seguintes princípios:

A Organização se baseia no principio da igualdade soberana de todos seus membros;

Todos os membros se obrigam a cumprir de boa fé os compromissos da Carta;

Todos deverão resolver suas controvérsias internacionais por meios pacíficos, de modo que não sejam ameaçadas a paz, a segurança e a justiça internacionais;

Todos deverão abster-se em suas relações internacionais de recorrer à ameaça ou ao emprego da força contra outros Estados;

Todos deverão dar assistência às Nações Unidas em qualquer medida que a Organização tomar em conformidade com os preceitos da Carta, abstendo-se de prestar auxílio a qualquer Estado contra o qual as Nações Unidas agirem de modo preventivo ou coercitivo;

Cabe às Nações Unidas fazer com que os Estados que não são membros da Organização ajam de acordo com esses princípios em tudo quanto for necessário à manutenção da paz e da segurança internacionais;

Nenhum preceito da Carta autoriza as Nações Unidas a intervir em assuntos que são essencialmente da alçada nacional de cada país.

Que idiomas são falados na ONU?

Os seis idiomas oficiais da Assembléia Geral das Nações Unidas são: inglês, francês, espanhol, árabe, chinês e russo. Os idiomas oficiais nos outros órgãos principais variam.

No Conselho de Segurança, por exemplo, eles são apenas cinco: inglês, francês, espanhol, chinês e russo.

Fonte: www.unicrio.org.br

História da ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU), com mais de 180 países-membros, tem a sede mundial em Nova York graças à fabulosa doação de 8,5 milhões de dólares pelo americano John Rockefeller Jr. A área de 7 hectares em Manhattan, à beira do East River, é considerada zona internacional com selos e correio próprios.

Resumo

A Organização das Nações Unidas é composta por mais de 180 países-membros cujo objetivo é promover a paz, igualdade social e desenvolvimento econômico mundial.

Região: Lower Midtown East

Nos jardins, além dos mais de 25 tipos de rosas, estátuas doadas por países como Iugoslávia, Luxemburgo e Japão, simbolizam os principíos da ONU: Não-Violência, Trabalho e Paz.

História

O termo "Nações Unidas" foi usado pelo presidente americano Franklin Roosevelt e pelo primeiro-ministro inglês Winston Churchill durante a II Guerra Mundial para se referir aos países Aliados.

A Organização foi então fundada em 24 de Outubro de 1945 pelos países vencedores da guerra com o objetivo de intervir em conflitos internacionais e evitar novas guerras.

O que ver

A visita guiada começa com uma visão geral da Organização e sua estrutura. A maior parte do passeio consiste em conhecer as câmaras (chambers) do Conselho de Segurança (Security Council), Conselho de Tutela (Trusteeship Council) e do Conselho Econômico e Social (Economic and Social Council) que estão localizadas no Conference Building.

Durante a visita, é possível observar rapidamente uma reunião. Em média, 5 mil reuniões oficiais são realizadas na sede da ONU anualmente. É importante saber, no entanto, que algumas das câmaras podem estar fechadas para o público.

Os visitantes também podem ver exibições sobre a paz e o desarmamento, assim como murais, mosaicos, tapeçarias e esculturas provenientes dos países membros.

A parada final do roteiro é o Hall da Assembléia Geral, o maior e mais famoso salão. Em seguida, os visitantes são levados ao Public Concourse, onde está a agência de correios das Nações Unidas, a loja de presentes, a livraria, um café e os sanitários.

Dicas

Além da visita guiada disponível em 20 idiomas, faça um passeio pelo jardim das esculturas.

Fonte: www.novayork.com

História da ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) é uma união de países criada para promover a paz mundial, a segurança e a colaboração internacional.

A ONU foi fundada em 1945, após a Segunda Guerra Mundial, e atualmente está empenhada em missões de paz, em programas econômicos, sociais e educacionais e em muitas outras atividades pelo mundo.

A Origem da Organização

Antes da criação das Nações Unidas existia a Liga das Nações, criada durante a Primeira Guerra Mundial (1919) com o mesmo objetivo de sua sucessora, a ONU: manter a paz no mundo. A Liga das Nações foi incapaz de evitar a Segunda Guerra Mundial e se dissolveu, dando origem a um novo órgão, criado levando em consideração os defeitos e erros da mesma.

Um dos problemas da Liga das Nações foi ser composta por apenas 63 países, entre as quais não se incluíam todas as nações poderosas, como por exemplo, os Estados Unidos.

Em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, o presidente americano Franklin D. Roosevelt e o primeiro-ministro britânico, Sir Winston Churchill, assinaram o Tratado do Atlântico. No Tratado, eles se comprometiam a trabalhar por um melhor sistema para manter a paz mundial e promover a colaboração entre as nações. Em 1º de janeiro de 1942, o presidente Roosevelt usou pela primeira vez a expressão “Nações Unidas” numa declaração na qual os representantes de 26 nações declaravam que seus governos continuariam a lutar juntos contra os Poderes do Eixo. Os 26 países assinaram o acordo aceitando os princípios do Tratado do Atlântico. Um ano depois, quatro dos Aliados – os Estados Unidos, o Reino Unido, a União Soviética e a China – concordaram em estabelecer uma organização internacional. Assim sendo, em 1944, redigiram um tratado para a nova organização, chamada Nações Unidas.

Em 1945, os Estados Unidos, o Reino Unido, a União Soviética e a China reuniram-se novamente em Yalta, onde estabeleceram os detalhes da organização e pediram uma conferência das nações. A conferência ocorreu em abril de 1945 em São Francisco, nos Estados Unidos, para desenvolver o Tratado das Nações Unidas. Representantes de 50 países membros participaram da conferência, estabelecendo a estrutura, as normas e propostas para a ONU. A Organização nasceu oficialmente em 24 de outubro de 1945. A Polônia, que não foi representada na Conferência, assinou posteriormente o tratado e tornou-se um dos 51 estados membros originais.

O Tratado estabelecia as seguintes propostas: manter a segurança internacional, promover a colaboração entre os países membros para solucionar problemas mundiais (por exemplo: segurança, questões socioeconômicas, culturais e humanitárias, pobreza, doenças e degradação ambiental), promover o respeito pelos direitos humanos e ajudar a construir e manter um bom relacionamento entre as nações. Porém, seu principal objetivo era manter a paz e evitar outra guerra mundial.

A ONU oferece um fórum para que os países apresentem suas idéias, resolvam conflitos de forma pacífica e trabalhem em conjunto para solucionar os problemas mundiais. A ONU ajuda a coordenar o trabalho de centenas de agências e programas (como a UNESCO e a Unicef), além de colher e publicar informações internacionais.

História da ONU
Bandeira da ONU

As Nações Unidas reúnem países de todos os tipos e tamanhos e está aberta a qualquer nação que aceitar seu tratado. Cada país tem direito a apenas um voto na Assembléia Geral, não importando seu tamanho ou poder. Porém, para assegurar que isso não ameace a soberania das grandes nações, a ONU concedeu aos cinco membros mais poderosos o direito de veto sobre ações e decisões da ONU.

Inicialmente estes cinco países eram: Estados Unidos, Reino Unido, França, União Soviética e China. Em 1991, após o desmembramento da União Soviética, a Rússia herdou esse direito.

Atualmente a ONU é composta por 191 países membros, que representam praticamente todas as nações do mundo. A Suíça, porém, não faz parte da organização, apesar de participar de suas missões de paz.

A sede das Nações Unidas fica na cidade de Nova Iorque.

Estrutura

A Organização das Nações Unidas é dividida em seis órgãos principais: a Assembléia Geral, o Conselho de Segurança, o Secretariado, o Conselho Socioeconômico, o Tribunal Internacional de Justiça e o Conselho de Tutela. Além dos órgãos principais, a ONU é composta por muitas agências e programas.

1- A Assembléia Geral

A Assembléia Geral é constituída por todos os 191 países membros, cada país com direito a um voto. Este setor é responsável por todas as principais discussões e decisões sobre as ações da ONU. A Assembléia pode avaliar, fazer recomendações e votar sobre qualquer questão dentro do tratado da organização, mas estas são somente recomendações, já que a Assembléia não possui autoridade para impô-las. A Assembléia tem o poder de admitir novos membros e aprovar o orçamento a ser destinado para seus programas e operações. Além disso, pode estabelecer agências e programas para implementar suas recomendações.

As seções da Assembléia são traduzidas simultaneamente em diversas línguas para que os representantes das várias nações possam entender o que é dito por qualquer palestrante.

2 - O Conselho de Segurança

O Conselho de Segurança é o mais poderoso órgão da ONU, responsável por manter a paz internacional e por restaurá-la quando surgem conflitos.

O Conselho possui 15 membros, cinco dos quais detêm lugares permanentes: os Estados Unidos, o Reino Unido, a França, a Rússia e a China. A Assembléia elege os 10 outros países para servirem um mandato de dois anos. As decisões do Conselho exigem nove votos para entrar em vigor, mas qualquer um dos membros permanentes pode vetar uma decisão.

Diante de uma ameaça à segurança mundial, o Conselho de Segurança determina como a ONU deverá agir e ordena que os membros tomem certas atitudes. As decisões do Conselho são obrigatórias para todos os membros da Organização.

Diante de uma possível ou real situação de guerra, o Conselho de Segurança tenta estabilizar desentendimentos entre os países, agindo como mediador e sugerindo soluções. Em certos casos, o Conselho envia tropas de paz para a região, pede por um cessar-fogo, pressiona países por meio de sanções, como um embargo comercial, ou intervém por meio de ação militar.

3 – Secretariado

O Secretariado é a banca executiva que coordena a administração de programas, políticas e operações diárias da ONU. O Secretariado é comandado pelo secretário geral, uma pessoa escolhida pela Assembléia Geral. O Secretário Geral é o porta-voz da ONU.

4 - Conselho Socioeconômico

O Conselho Socioeconômico coordena estudos e aconselha ações econômicas e sociais dos países. Em sua área de atuação também estão saúde e educação internacional.

5- Corte Internacional de Justiça

A Corte Internacional de Justiça é a banca judicial da ONU, localizada em Haia, na Holanda. O júri lida com casos de nações que acusam outras nações de práticas impróprias.

6- Conselho de Tutela

O Conselho de Tutela ainda existe, porém encontra-se desativado dentro da ONU. Seu objetivo inicial era administrar territórios que estavam sob sistema internacional de tutela, entre eles colônias que não haviam conquistado sua independência. O Conselho ajudou estas nações a conquistar sua independência e auto-governo.

Conclusão

A influência das Nações Unidas sobre os problemas mundiais variou ao longo dos anos.

Durante a Guerra Fria, a ONU não teve voz ativa, já que os dois principais membros, URSS e EUA, eram inimigos. Recentemente, a Organização vem-se empenhando em missões de paz: o cessar-fogo da Guerra Irã-Iraque (1980-88e o conflito da Bósnia e Herzegovina (1992), entre outros exemplos.

A ONU também trabalha para promover a educação, combater a fome e as doenças, proteger os animais e o meio-ambiente e promover os direitos humanos. Muitos destes programas são eficazes e ajudam os países pobres.

Um dos principais desafios encontrados pelas Nações Unidas é seu limitado poder, devido à falta de autoridade sobre os estados membros. A ONU normalmente condena violações aos direitos humanos e outros atos de terror; porém, a não ser que apoiada por seus membros, tem pouco poder de ação.

Muitos países o relutam em ceder sua própria autoridade e seguir as ordens da ONU.

Fonte: www.10emtudo.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal