Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Primeiras Máquinas de Calcular  Voltar

Primeiras Máquinas de Calcular

A história do computador, ao contrário do que muitos podem imaginar, tem seu início há muito tempo atrás, desde quando o homem descobriu que somente com os dedos, ou com pedras e gravetos, não dava mais para fazer cálculos...

Então foi criado, há aproximadamente 4.000 a.C., um aparelho muito simples formado por uma placa de argila onde se escreviam algarismos que auxiliavam nos cálculos. Esse aparelho era chamado de ÁBACO - palavra de origem Fenícia.

Cerca de 200 a.C., o Ábaco era constituído por uma moldura retangular de madeira com varetas paralelas e pedras deslizantes.

Primeiras Máquinas de Calcular
Ábaco - Séc. III - d.C. com discos ou contas móveis para acelerar as operações matemáticas

O próximo passo na história dos computadores (ano de 1642), ocorreu quando um francês de 18 anos de nome Blaise Pascal, inventou a primeira máquina de somar: PASCALINA, a qual executava operações aritméticas quando se giravam os discos interligados, sendo assim a precursora das calculadoras mecânicas.

Primeiras Máquinas de Calcular
Pascalina - 1642

Por volta de 1671 na Alemanha, Gottfried Leibnitz inventou uma máquina muito parecida com a Pascalina, que efetuava cálculos de multiplicação e divisão, e qual se tornou a antecessora direta das calculadoras manuais.

Primeiras Máquinas de Calcular
Calculadora de Leibniz - 1673

Em 1802 - na França, Joseph Marie Jacquard passou a utilizar Cartões Perfurados para controlar suas máquinas de tear e automatizá-las.

Primeiras Máquinas de Calcular
Tear de Jacquard - 1804

No início início do século XIX, mais especificamente em 1822, foi desenvolvido por um cientista inglês chamado Charles Babbage uma máquina diferencial que permitia cálculos como funções trigonométricas e logaritmas, utilizando os cartões de Jacquard.

Primeiras Máquinas de Calcular
Máquina Diferencial - 1822
Projetada para produzir tabelas matemáticas

Já em 1834, desenvolveu uma máquina analítica capaz de executar as quatro operações (somar, dividir, subtrair, multiplicar), armazenar dados em uma memória (de até 1.000 números de 50 dígitos) e imprimir resultados.

Porém, sua máquina só pode ser concluída anos após a sua morte, tornando-se a base para a estrutura dos computadores atuais, fazendo com que Charles Babbage fosse considerado como o "Pai do Computador".

Máquina Analítica - 1834

Fonte: geocities.com

Primeiras Máquinas de Calcular

A máquina de calcular

CÁLCULO DA MÁQUINA MAIS ANTIGA DA HISTÓRIA

O primeiro passo na direção de cálculo automático foi tomada em 1623, quando o astrônomo alemão Wilhelm Schickard (1592-1635) construiu sua "relógio cálculo", como ele chamava.

Esta máquina era capaz de executar as quatro operações aritméticas básicas:

Adição e subtração poderia realizar puramente mecânica, enquanto a multiplicação ea divisão necessária também várias intervenções por parte do operador entre digitar os números e lendo o resultado. É usado elementos cilíndricos que operavam nos mesmos princípios como "ossos de Napier".

Em 20 de Setembro de 1623, Schickard escreveu o seguinte a seu amigo Kepler:

"Os cálculos que você faz com a mão, eu recentemente tentou conseguir mecanicamente ... Eu construí uma máquina que, imediata e automaticamente, calcula com números dados, que soma, subtrai, multiplica e divide. Você vai chorar de alegria quando você ver como ele leva adiante dezenas e centenas, ou deduz-los em subtrações ... " Kepler certamente teria apreciado tal invenção para ajudar a sua própria obra, muito ocupado como ele era então pelos cálculos para criar suas tabelas dos movimentos dos planetas e não tendo outra ferramenta que os logaritmos inventados por Napier.

Por tudo isso, esta invenção não teve impacto, nem no público em geral, para quem cálculo mecânico tinha sido meramente uma idéia puramente teórica, nem mesmo em posteriores invenções de máquinas de calcular, já que um Schickard e única cópia de sua própria máquina foi destruída por fogo em 22 de Fevereiro de 1624.

Talvez este incêndio não foi acidental:

Possivelmente um espírito do mal, nenhum prisioneiro dúvida do obscurantismo do período, sussurrou-lhe que a máquina deve ser destruída desde que - como era dotado com a capacidade de calcular de acordo com o "sagrado e inviolável "espírito humano certamente deve ter surgido das entranhas do inferno!

[P122]

Máquina aritmética de Pascal

Consequentemente, a possibilidade de aritmética mecanização foi demonstrado pela primeira vez em público em 1642, quando Blaise Pascal (1623-1662), o grande matemático e filósofo francês, então com apenas 19 anos de idade e totalmente inconsciente das conquistas de seu antecessor Schickard, construiu sua célebre "Pascaline". Ele foi estimulado a inventá-lo pelos cálculos intermináveis ??que ele fez para as contas de seu pai (a quem havia nomeado intendente Richelieu de Rouen), que ele realizou por meio de um ábaco com contadores.

A característica principal da máquina de Pascal foi sua facilidade para transporte automático. Isto foi conseguido através da utilização de uma série de rodas dentadas, cada uma, numeradas de 0 a 9, ligados (por catracas ponderadas) de tal forma que, quando uma roda completou uma rotação da roda seguinte avançado por um passo. O protótipo tinha cinco rodas, e assim poderia lidar com números de cinco dígitos; versões posteriores tiveram seis ou oito rodas.

[Números ser adicionados foram inseridos ligando de fixação de rodas na parte da frente da máquina, as quais foram ligadas por uma série de engrenagens de coroa para as rodas que apresentaram os resultados. Adição foi feito pela primeira virando as rodas de ajuste à mão de acordo com os dígitos de um número, e depois transformá-los de acordo com os dígitos do Transl outro.].

Essencialmente, esta era uma máquina de calcular que não poderia correr no sentido inverso, de modo que direta subtração era impossível. No entanto, foi possível realizar a subtração por o processo de adicionar o complemento decimal do número a ser subtraído.

O INÍCIO DE UMA NOVA ERA COMPLETAMENTE

Pascal se fez a seguinte observação, que é tão verdadeiro hoje como era então a respeito de qualquer calculadora ou computador: 19 "A máquina aritmética produz efeitos que mais se aproximam pensei que qualquer coisa 19

A observação cuja verdade é, talvez, menos óbvia, nos anos mais recentes, em que não só é a pesquisa genética e neurológica começando a indicar que o comportamento dos organismos vivos, incluindo seres humanos, podem ser menos intencional do que se supunha, mas os computadores modernos estão cada vez capaz de um grau de autonomia que pode escapar do controle humano e compreensão.

Computadores já podem projetar e construir-se, robô-fashion. Em termos de hardware e software, a proteção contra queda de energia, falhas de software e hardware, e invasão indesejada é, já comum em ambientes onde a segurança e confiabilidade são fundamentais. Em muitos casos, eles gostam de mobilidade física. Novos conceitos de programação, tais como "redes neurais" e "algoritmos genéticos", dar computadores poder aprender com a experiência aleatória e de experimentar "geneticamente" com variantes de seu software para o bem de alcançar objetivos definidos internamente ainda não ao seu alcance; depois de um tempo, o "mestre" da máquina humana pode já não sabe, nem ser capaz de decifrar e entender, qual o programa que a máquina está executando.

Agora que a rede mundial de computadores está em vigor, e de comunicação não precisa depender de cabos, mas pode usar ondas de rádio ou luz, não está além da imaginação que uma comunidade de computadores podem desenvolver o que tinha a sua "agenda" própria, e cuja economia interna seria não ser diretamente acessíveis aos seres humanos. Nosso entendimento deles, confiando unicamente na observação e princípios gerais, seria em muito o mesmo nível que a nossa compreensão de um cão.

Nem de, caso tal comunidade de computadores se tornam "rebelde", que pode ser simples para simplesmente desligar a energia ...

A questão é também abordada pelo autor em seu capítulo final, ver 367ff pp. [Transl.]

[P123]

que os animais podem fazer, mas não pode fazer nada que possa levar-nos a dizer que possui o livre arbítrio, como os animais têm "(Pensées, 486)..

"Meu irmão", escreveu Gilberte Pascal, "inventou a máquina aritmética por que você não pode apenas fazer cálculos sem o auxílio de contadores de qualquer espécie, mas, mesmo sem saber nada sobre as regras da aritmética, e com confiabilidade infalível. Este instrumento foi considerado uma maravilha, por ter reduzido uma ciência - cuja origem está na mente humana -. ao nível de uma máquina, por descobrir como realizar cada operação com confiabilidade absoluta e sem qualquer necessidade de raciocínio "

Em seu entusiasmo, irmã de Pascal sem dúvida um tanto exagerada a "confiança absoluta" da Pascaline, que, na verdade, estava longe de ser perfeitamente confiável. Seu componente essencial, o mecanismo de ajuste das rodas, tinha uma tendência a não se envolver bem com as rodas que era suposto a girar, enquanto o mecanismo de transporte automático tendem a geléia quando várias rodas foram simultaneamente às 9, necessitando de vários carrega simultâneas.

No entanto, o sucesso de Pascal abriu o caminho para novos desenvolvimentos, enquanto nós podemos notar que foi também a primeira máquina cálculo a ser comercializado -. Pelo menos uma dúzia, talvez como muitos como 50, foram construídos e vendidos na Europa 20

O sucesso de "prova de conceito" de Pascal é demonstrado pelo grande número de inventores de vários países que lançaram-se ao longo do mesmo caminho em gerações subseqüentes: Samuel Morland (1664), na Inglaterra; Tito Livio Buratini (1670), na Itália; Rene Grillet de Roven (1678), De Lepine (1724-1725), Hillerin de Boistissandeau (1730), na França; Christian Ludwig von Gersten (1735), na Alemanha; Pereire (1750), na França; Senhor Stanhope (1780), na Inglaterra, e assim por diante. Suas concepções eram, no entanto, de qualidade variável, enquanto algumas melhorias feitas para os mecanismos básicos, outros produzidos máquinas nitidamente inferiores à Pascaline.

Ao mesmo tempo, carta irmã de Pascal de perceptivamente previu a natureza da época que seu irmão tinha acabado de inaugurar. Esta época foi para coroar dois mil anos de evolução na técnica mecânica, e para marcar a ruptura final com a idade longa de ignorância, superstição e misticismo que acima de tudo tinha parado a raça humana da contemplação que certas operações mentais poderiam ser enviados para estruturas materiais 20

Não que ele provou ser muito popular: o seu custo foi de cerca de um ano de salário de um trabalhador de renda média, e as pessoas em condições de gastar esse dinheiro foram os mesmos que consideraria o cálculo a ser trabalho criados. [Transl.]

[P124] composta de elementos mecânicos, concebido para obter os mesmos resultados. Pascal, por isso, tinha publicamente inaugurou uma era que em breve será marcado pelo rápido desenvolvimento de uma grande variedade de máquinas que não só aliviou o pesado fardo de operações tediosas e repetitivas, mas, na realização automaticamente um campo cada vez maior de tarefas intelectuais com total confiabilidade, viria a substituir o ser humano, que seria capaz de usá-los sem ter um conhecimento mínimo das leis físicas e matemáticas que regem seu funcionamento.

A primeira conhecida DIGITAL máquinas de contagem

Máquina aritmética de Pascal e Relógio Calculando Schickard não foram os primeiros dispositivos para fazer uso direto dos dígitos. Eles foram precedidos pelo podômetro (do grego podion, pé, e medida metron). 21 Jean Errard de Bar-le-Duc descreveu este instrumento como "um novo instrumento geográfica que, ligado a sela do cavalo, usa passos do cavalo para mostrar a duração da viagem um fez" ou, ainda, "por que, e de acordo para o passo do cavalo ou o homem, pode-se medir exatamente o circuito de um lugar ou o comprimento de um caminho ". [Errard de Bar-le-Duc (1584), Avis au Lecteur, artigos 37-381.

O mais antigo instrumento conhecido deste tipo data de 1525, que pertencia ao francês Jean Fernel artesão.

Estes pequenos instrumentos mecânicos, em forma de um relógio, automaticamente fez uma contagem do número de passos dados e, portanto, a distância percorrida por um cavalo ou de um andador.

Eles compreendia um sistema de rodas dentadas e pinhões impulsionados pelo movimento de um tipo de alavanca oscilante, que se transformou de agulhas em volta das faces de quatro mostradores que sucessivamente contados unidades, dezenas, centenas e milhares [cf. Errard de Bar-le-Duc (1584)].

Um caminhante pode, por exemplo, anexá-lo à esquerda de seu cinto, e anexar a alavanca correspondente por um fio no joelho direito. Em cada passo, o cabo que puxa a alavanca e a agulha do mostrador de fundo iria avançar por uma unidade. Quando isto passou 9-0, a agulha no mostrador dezenas avançaria por uma unidade. Quando este, por sua vez passado 90-0, a agulha no mostrador centenas se avançar de uma unidade, e assim por diante.

Desde que rendeu uma visualização automática das unidades de cada ordem decimal, essas pedômetros eram ancestrais originais das máquinas da Schickard e Pascal, bem como de todos os nossos atuais máquinas de contagem (doméstico ou industrial), odômetros, taxímetros, cyclometers, etc ., e assim eles são as primeiras máquinas de contagem de história.

21 Em Inglês, geralmente pedômetro (e, subsequentemente, a seguir) (do latim pes, peals, pé, misturou-se com o grego como acima). [Transl. Eu [P125]

Isso leva nenhum crédito longe de Schickard nem de Pascal, no entanto, já que não foram máquinas de calcular: eles não foram capazes de executar qualquer operação aritmética salvar a operação muito primitiva da adição de uma unidade. O seu lugar na história do cálculo elementar artificial é semelhante ao lugar que as antigas técnicas primitivas de contagem humana ocupam na história da aritmética.

EXTENSÃO DE CÁLCULO mecânica para as operações aritméticas QUATRO

O escopo de Pascaline e suas irmãs mais jovens foi muito limitado: enquanto a multiplicação ea divisão eram teoricamente possível, as máquinas tiveram nenhum mecanismo para esses fins e realizá-las envolvidas numerosas intervenções, exigindo um esforço considerável da mão do operador.

Este problema foi abordado por Gottfried Wilhelm Leibniz, o matemático e filósofo alemão. Desconhecendo o trabalho de Schickard, e pedindo nada de Pascal, ele criou mecanismos que realizam multiplicação e divisão por meio de sucessivas adições e subtrações.

MÁQUINA de Leibniz

Concebido em 1673, mas apenas construído em 1694, Leibniz foi, portanto, a primeira máquina de calcular capaz de realizar todas as quatro operações aritméticas fundamentais por meios puramente mecânicos.

Ao contrário da máquina de Pascal, no entanto, Leibniz nunca foi comercializada, apesar de uma segunda foi feito em 1704. Máquina de Leibniz nunca funcionou bem: seus mecanismos altamente complexos, muito mais complicados do que os do Pascaline, subiu contra grandes dificuldades na fabricação, desde as técnicas de fabricação de tais mecanismos ainda não tinha atingido o grau de alta precisão necessários para montar um cálculo máquina confiável e robusto. 22

Foi, no entanto, Leibniz ainda mais do que Pascal, que abriu o caminho para o desenvolvimento de cálculo mecânico. No domínio técnico, ele fez algumas inovações importantes, tais como uma inscriptor para inserir um número antes de adicioná-lo; uma janela que permite a exibição do número digitado, um carro que, em posição fixa, permitiu a adição e subtração de tomar lugar, ao mesmo tempo que pode ser movida da direita para a esquerda para 22

Também deu respostas erradas. Por exame da máquina, em 1893, descobriu-se que um erro na concepção do mecanismo de transporte significa que se desvaneceu para levar dezenas correctamente quando o multiplicador era um número de dois ou três dígitos. [Transl.]

[P126], multiplicação e da esquerda para a direita para permitir a divisão, um cilindro com fileiras de dentes de engrenagens-afixados em distâncias cada vez maiores ao longo dela (o "Leibniz Gear"), tais que um sistema ligado destes poderia alterar a exibição de uma forma correspondente a multiplicação por um único dígito substituindo assim 10 independentes de um dígito rodas, etc

Contribuição de Leibniz foi, portanto, considerável, uma vez que é a raiz de toda uma genealogia de invenções que continuaram a ser desenvolvido até o início do século XX.

Gerações subseqüentes de inventores gradualmente se afastou das idéias de Pascal e suas máquinas e trouxe uma série de melhorias detalhadas para o seu trabalho original. Entre estes, estavam aquelas inventadas por: o italiano Giovanni Poleni (1709), que foi distinguido pelo uso de engrenagens com número variável de dentes, o austríaco Antonius Braun (1727), o alemão Jacob Leupold (1727), melhorada por Antonius Braun em 1728 e construída em 1750 por um mecânico chamado Vayringe, o alemão Philipp Matthaus Hahn, desenvolvido em 1770, dos quais uma série foram construídos entre 1774 e 1820, o Inglês Stanhope Senhor, cuja duas calculadoras foram construídos em 1775-1777, o alemão Johann Hellfried Muller (1782-1784), etc

A revolução industrial e do crescimento de cálculo automático

Apesar de todas estas tentativas, máquinas de calcular não se tornou um produto comercializável antes do início do século XIX. Eles não atender às necessidades reais de pessoas que enfrentam grandes quantidades de cálculo da vida real e, além de ser de grande interesse para os matemáticos e inventores, nunca foram além curiosidades.

No século XIX, no entanto, a Revolução Industrial trouxe um imenso aumento na atividade comercial e na banca internacional; eventos tomaram um rumo completamente diferente a partir daquele momento.

A necessidade de cálculo automático cresceu enormemente, enquanto, ao mesmo tempo, uma sociedade totalmente nova de usuários surgiu. Anteriormente, o interesse sério foi principalmente confinado a uma elite científica, agora se espalhou para um grupo cada vez mais vasto e heterogêneo que incluía especialmente "computadores" - cálculo funcionários - cujo trabalho foi realizar os cálculos contábeis de grandes empresas comerciais.

Portanto, nesta altura, uma necessidade premente de se sentir por uma solução que permitiria que os cálculos a efetuar o mais rápida e eficientemente quanto possível, com a máxima fiabilidade e um custo mínimo.

A busca por uma solução foi perseguido em dois sentidos: em primeiro lugar, a perfeição dos aspectos mecânicos de modo a atingir grande simplicidade de [P127], a utilização e fiabilidade de operação, em segundo lugar, a busca de automatizar os reflexos de um operador humano até o máximo tanto, a fim de reduzir o tempo necessário para o cálculo de, tanto quanto possível, e, a fim de trazer o uso de máquinas de calcular dentro ao alcance de todos.

O Arithmometer THOMAS: Os primeiros CALCULADORA amplamente COMERCIALIZADOS
O primeiro avanço importante após a invenção de Leibniz foi feita pelo engenheiro francês e industrial Charles-Xavier Thomas de Colmar, diretor de uma companhia de seguros de Paris, que em 1820 inventou uma calculadora que ele nomeou o Arithmometer.

Construído em 1822 e constantemente melhorada durante as décadas seguintes, a máquina foi concebida em moldes semelhantes ao de Leibniz. O "Leibniz Gears" foram já fixado na posição de deslizamento, em vez de na horizontal, o pinhão que empenhados cada um deles tendo, com efeito, foi efetuada capaz de rodar em torno do seu eixo.

Thomas introduzido um sistema de transporte automático, que trabalhou em todos os casos (ao passo que a de Leibniz trabalhado somente no primeiro nível), um mecanismo de cancelamento de números (reduzindo os registos para zero); uma peça de bloqueio em forma de uma cruz de Malta, que poderia imobilizar as peças do mecanismo quando eles tinham atingido um ponto de paragem escolhida, e assim por diante.

Embora tais elementos já eram conhecidos, Thomas tinha colocá-los em conjunto de modo a que se crie uma máquina muito robusto, prático, funcional e de confiança.

Sua métrica aritimética marcou uma etapa decisiva na história do cálculo automático, uma vez que foi o primeiro a ser comercializado em grande escala.

O sucesso foi tanto que inspirou um grande número de inventores, e muitas empresas em vários países vendido sob suas marcas próprias Saxonia, Arquimedes, Unitas, TIM ("tempo é dinheiro"), etc - seja na sua forma original ou ligeiramente modificada.

MÁQUINAS E DA ODHNER Baldwin

A partir da segunda metade do século XIX, a máquina Thomas estava em competição com pelo menos duas outras calculadoras.

O primeiro deles foi inventado e construído em 1875 pelo americano Frank S. Baldwin, pioneiro da indústria de máquina de calcular, nos Estados Unidos.

O segundo foi inventado em 1878 pelo engenheiro sueco e industrial Willgot T. Odhner estabelecida em São Petersburgo. Esta máquina viu [P128] uma enorme produção e foi vendido sob licença sob uma variedade de nomes: Original-Odhner, Brunsviga, Triumphator, Marchant, Rapide, Dactyle Britannic, Arrow, Eclair, Vaucanson, etc A partir da década de 1880 até meados do século XX ela estava em uso em todo o mundo.

Outros desenvolvimentos no cálculo mecânico

O período em análise viu muitos desenvolvimentos notáveis, mas o orgulho do lugar deve ir para o arithmometer inventado em 1841 pelo francês; Maurel, e construído em 1849 por seu compatriota Jayet, que veio a ser chamado de Arithmaurel. Estes dois inventores levou sistema de Thomas e melhorou muito isso. Entre máquinas construídas em princípios relógio, este foi distinguido pelo seu alto grau de inventividade. O Arithmaurel pode executar, em poucos segundos, multiplicações cujos resultados foram tão grandes quanto 99999999 e divisões de número de tamanho semelhante por divisores menos de 10.000. O mecanismo de transmissão da máquina, o que foi feito por Winnerl (um dos melhores fabricantes de cronômetros marítimos da época), era complexo, frágil e delicado. Seu custo foi, portanto, muito alta, o que ficou no caminho do sucesso na comercialização.

Também notável foi a máquina inventada pelo americano Joseph Edmonson, que usou uma espécie de versão circular do princípio da calculadora feita por Thomas de Colmar.

Estas máquinas, a partir do Arithmometer Thomas para que de Maurel, não estavam limitados a multiplicação e divisão uma vez que, graças a uma fórmula relativo às séries de números ímpares, o cálculo da raiz quadrada pode ser reduzida a uma série de subtrações. 23 Estes aparelhos facilmente emprestados, se a esta operação.

D'Ocagne escreve, a propósito da máquina curioso inventado pelo americano George B. Grant, que "tinha algumas características muito originais. Foi 23 A soma de números ímpares sucessivos, começando com 1, é o quadrado do número de números ímpares tomadas.

Por exemplo, a:

1 = 1 2,
1 + 3 = 2 2,
1 + 3 + 5 = 3 2, etc

A fórmula geral é:

1 + 3 + 5 +. .. + (2n - 1) 2 = n 2.

Para encontrar a raiz quadrada de um número que é um quadrado, você pode subtrair números ímpares sucessivos até que o resultado é zero, o número de subtrações feitas é a raiz quadrada. Se o número não é exata, quadrado, a raiz quadrada fica entre o número de subtrações feitas até que o resultado está prestes a tornar-se, negativo, e esse número mais um.

O resultado deste modo obtido é um número inteiro. Para encontrar a raiz quadrada de um não-quadrado a um determinado número de casas decimais, você pode encontrar a raiz quadrada de número inteiro aproximado este número vezes uma potência de 100, e dividir o resultado pelo mesmo poder de 10. Por exemplo, para encontrar a raiz quadrada de 2-2 casas decimais (1,41 ...) você pode encontrar a raiz quadrada de 20.000 inteiro e dividir por 100. No entanto, o método anterior exigiria 141 subtrações sucessivas de números ímpares. Embora, de acordo com a máquina, há truques manipulativos para acelerar esta subtração sucessiva existem formas muito mais rápidos que não dependem da fórmula acima - se está a utilizar uma máquina capaz de multiplicação e adição ... [Transl.]

[P129] essencialmente composto de uma série de paralelos trilhos dentados que, no princípio de pinhão e cremalheira, envolvidos com rodas ligadas à bateria numeradas. Estes trilhos foram fixados a uma armação que foi movido por duas bielas e deslizou em duas barras na armação da máquina, fazendo com que o movimento para a frente e para trás por cada volta completa da manivela manual do punho. Dedos verticais, de correr em sulcos cujas fronteiras foram numeradas de 0 a 9, levantou os trilhos correspondentes com 0, 1, 2, ... , 9 dentes. Quando o carro foi movido para a frente, as calhas agido sobre as rodas dentadas 10, da bateria de número; no movimento inverso, os trilhos de desencaixe das rodas sob a ação de uma came que levantada a parte da estrutura de transporte das rodas. Além disso, realiza-se durante o movimento de retorno, que a execução é realizada de dígitos a serem transportados, para cada pedido decimal sucessiva de magnitude. No entanto, a máquina não se presta a subtracção que portanto tinham de ser realizados por meio do complemento de decimal. Uma alavanca, na extremidade do veio de carregar os tambores numerados, operado um mecanismo de cancelamento que trouxe todos os dígitos de zero ".

Finalmente, podemos mencionar calculadora Tchebishev de 1882, notável pelo seu mecanismo de engrenagem epicicloidal para números de transporte, bem como uma componente que automaticamente deslocado o transporte durante a multiplicação, pela qual esta operação se tornou quase completamente automático.

O teclado numérico: uma inovação importante

TÉCNICA

No entanto eles trabalharam bem mecanicamente, todas estas máquinas eram deficientes especialmente onde rapidez de operação foi em causa. Eles foram, na prática, não mais do que uma calculadora de habilidade humano médio.

Este desempenho foi lenta em grande parte, devido ao método de inserir os números para as máquinas, que ainda requeriam a atenção do operador, o que envolve a circulação de uma lâmina ou uma alavanca dentro de uma ranhura reta ou curva e necessário o uso de pelo menos dois dedos.

Neste tempo de corrida de pós-industrial para a eficiência, tornou-se urgente para reduzir a entrada de números, bem como a ativação das operações aritméticas, para o nível de reflex simples, por parte do utilizador.

Para este efeito, afigura-se que não havia nenhuma escolha mais simples, preciso, rápido e eficiente do que o teclado numérico. Para introduzir os dígitos, que é suficiente para pressionar uma vez com um único dedo sobre a tecla apropriada que retorna automaticamente à sua posição de partida, uma vez libertada.

Este avanço foi feito no meio do século XIX, aparentemente sob a influência do desenvolvimento da máquina de escrever, cuja história, como um prelúdio para a história da chave operados máquinas de calcular, será dada na próxima seção. [P130]

O teclado entra em cena. Da máquina de adição de Cash Register

Ajuda mecânica para a escrita da caneta duplo para ESCREVER

Um dos avanços mais úteis no desenvolvimento de máquinas de calcular ocorreu quando eles adquiriram as chaves que o operador poderia imprensa, em vez de manipular outros tipos de controle, a fim de definir os números e iniciar sua operação. Começamos traçando um pouco da história de ajuda mecânica para escrever, que levou à invenção e desenvolvimento da máquina de escrever. [See G. Tilghman Richards (1964); T. de Galiana (1968)].

A empresa Remington (fabricantes de armas, máquinas agrícolas e máquinas de costura), agora teve um interesse na máquina Sholes-Glidden, apesar do ceticismo de um dos seus diretores, que não via interesse em máquinas para substituir as pessoas para o trabalho que já fez bem. Remington construída uma série destas máquinas, a partir de 1873. Foram montados num chassis da máquina de costura, e tinha um pedal para retornar o carro para o início da linha. Este modelo, batizado Remington Modelo I, foi a primeira máquina de escrever comercializado nos Estados Unidos, a máquina criada por Malling Hansen na Dinamarca foi vendido na Europa a partir de 1870.

Em 1878, a limitação para letras maiúsculas da máquina Sholes-Glidden foi removido, e letras minúsculas podem ser digitados também. Finalmente, em 1887, o tipo-bares foram montados de forma a atingir a faixa de frente, para que o texto pode ser lido enquanto estava sendo digitado, e a forma moderna da máquina de escrever veio à existência.

As primeiras máquinas de somar com teclados

O fluxo de desenvolvimento que levou o teclado de máquina de escrever, conforme descrito acima, tornou-se agora um outro afluente do desenvolvimento da máquina de calcular e ao computador, proporcionando uma das melhorias mais decisivos técnicas em toda a história do cálculo artificial.

[P132]

Paradoxalmente, no entanto, este avanço provado, no início, para ser um revés.

A primeira calculadora aritmética com um teclado foi construído em 1849 e patenteado em 1850, pelo inventor americano David. D. Parmalee. Era uma máquina de somar, cujo componente essencial era uma engrenagem de pinhão e cremalheira vertical ativados pelo movimento de uma alavanca quando uma tecla foi pressionada. Mas o acumulador teve uma única roda e, portanto, só poderia adicionar números de um dígito.

A fim de adicionar números com vários dígitos, era necessário trabalhar manualmente, após a forma de aritmética manuscrita, acrescentando separadamente as unidades, as dezenas, as centenas, e assim por diante, o tempo todo sendo obrigados a anotar no papel os resultados parciais assim obtido e entrando cada resultado de tal, antes da fase seguinte!

Inúmeros inventores americanos e europeus mais tarde trouxeram melhorias para este projeto: Schilt (1851), Hill (1857), Arzberger (1866), Chapin (1870), Robjohn (1872), Carroll (1876), a Borland e Hoffman (1878), Stettner (1882), Bouchet (1883), Bagge (1884), D'Azevedo (1884), Spalding (1884), Starck (1884), Petetin (1885), Max Mayer (1886), Burroughs (1888), Shohe Tanaka (1893), etc

Para começar, no entanto, as melhorias foram insuficientes e as máquinas ainda necessária a manipulação prévia e atenção consciente contínuo da parte do operador. Pior ainda: essas máquinas não tinham nem velocidade nem capacidade numérica de conseqüência, e eram frágeis em uso, de modo que eles deram respostas erradas se não for tratado com delicadeza e destreza.

Felt Comptometer

A primeira máquina de somar o que foi muito útil e utilizável pelo público em geral foi a máquina de somar, inventado e construído pelo industrial americano Dorr E. Felt em 1884-1886. Ele foi capaz de realizar adições e subtrações, números envolvendo com vários dígitos, vantajosamente, rápida e confiável. O Felt e Tarrant Manufacturing Company de Chicago, fabricado e vendido em larga escala a partir de 1887, ea máquina fez sucesso em todo o mundo até meados do século XX.

Outras melhorias que vieram um pouco mais tarde incluído:

Intermediário de Dalton registro, o que permitiu uma entrada tardia de números que já haviam sido definidas usando o teclado, de modo que correções podem ser feitas antes de operar a alavanca que iniciou o cálculo;

Teclado compacto Runge (1896), seguido pelo de Hopkins (1903), [p133], que tinha apenas 10 teclas, mas trabalhou através de um distribuidor automático, o que permitiu que o operador, sem deslocamento das mãos, para entrar nas unidades, dezenas, centenas, etc sucessivamente.
Um novo reforço: o registro

IMPRESSO

Para ser adequadamente adaptado para as necessidades do comércio, tais máquinas necessário a capacidade de produzir um registo impresso de transações, por um mecanismo que imprimir cada uma das quantidades no total, e o total em si, sobre uma tira de papel. O operador humano poderia, então, não só verificar uma vez que os números corretos foram utilizados, mas também manter a impressão como um registro permanente dos cálculos.

Trataremos mais tarde, com os desenvolvimentos alcançados por Charles Babbage e pelo Georg suecos e Scheutz Edvard (1853). Além destes, as primeiras tentativas sérias de desenvolvimento de um mecanismo de impressão foram devido ao Edmund americano D. Barbour, que em 1872 inventou uma máquina de somar com as teclas e também com uma "impressora", que, no entanto, era um dispositivo um tanto primitivo, que só impressa Os totais e subtotais: as operações individuais foram ainda executados manualmente, mais ou menos, e o dispositivo de impressão, em vez operado à maneira de uma marca de dia.

Em 1875, o americano Frank S. Baldwin trouxe algumas melhorias que de alguma forma permitiram a máquina para imprimir seus próprios resultados.

A próxima etapa nesta linha de desenvolvimento foi tomada pelo francês Henri Pottin, cujo dispositivo listado os itens individuais de uma adição e, em volta da mesma época, pelos inventores americanos George Grant (1874) e AC Ludlum (1888). Em 1882, Pottin desenvolveu um dos primeiros registros de caixa com um dispositivo de impressão.

A MÁQUINA BURROUGHS PRIMEIRO

Os desenvolvimentos decisivos nesta área ocorreu entre 1885 e 1893, quando o americano William S. Burroughs inventou e aperfeiçoou sua máquina Adicionando e listagem, a primeira calculadora mecânica com chaves e uma impressora que também foi prático, confiável, robusto e perfeitamente adaptado ao requisitos das operações bancárias e comerciais da época. Por estas razões, as suas máquinas teve um notável sucesso em todo o mundo, até a eclosão da Primeira Guerra Mundial.

A solução completa do problema de impressão para a adição de máquinas foi também alcançado a quase o mesmo tempo (1889-1893) por Dorr E. Felt que tinha inventado a máquina de somar.

Bibliografia

A História Universal da computação: A partir do Ábaco ao Computador Quântico. John Wiley and Sons, Inc: New York. pp121-133.

Fonte: www.ict.griffith.edu.au

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal