Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Homero - Ilíada  Voltar

Homero - Ilíada

O rapto de Helena, mulher de Menelau, feito por Páris, um dos filhos de Príamo, rei de Tróia, fez com que os Gregos confederados declarassem guerra e sitiassem esta cidade, que foi por eles tomada e destruída depois de um cerco de dez anos (1720 A.C.) O objeto da Ilíada é um episódio do nono ano deste cerco, quando Agamemnon, chefe do exército, ultrajou a Aquiles, o mais valente dos Gregos. Irritado, o herói retirou-se à sua tenda sem pretender mais combater. Os Troianos, notando a sua ausência, tomaram coragem, atacaram o campo dos Gregos ficando os navios destes em risco de serem queimados. Aquiles, apesar da inação a que votou-se, consentiu que Pátroclo, seu amigo, se revestisse de suas armas e guiasse suas tropas contra os Troianos. Pátroclo tendo sido morto por Heitor, o implacável filho de Peleu jurou vingar a morte de seu amigo, e combatendo de novo ornado de novas armas, que a pedido de sua mãe Vulcano havia preparado, investiu contra Heitor, e imolou-o, aos manes de Pátroclo. E depois de haver insultado os restos mortais de seu inimigo, entregou-os a Príamo, pai de Heitor que os pedira ao herói.

ANÁLISE DE CADA UM DOS LIVROS DA ILÍADA

I

Exposição do assunto. — Crises, sacerdote de Apolo, vem ao campo dos Gregos para resgatar sua filha. — Repelido e ultrajado por Agamemnon, invoca a proteção de Apolo. — A peste, como um castigo divino, lavra pelo exército Grego e mata muitos de seus heróis. — Aquiles convoca a reunião dos chefes, promete sua proteção ao adivinho Calcas, e lhe pergunta a causa da cólera de Apolo. — O adivinho a revela e indica como único meio de afastar o flagelo a restituição de Criseida. — Cólera de Agamemnon contra Calcas: suas ameaças contra Aquiles. — Este lança mão da espada, Minerva lhe aconselha, e dócil à voz da deusa limita-se a responder apenas com insulto o recebido ultraje. — Agamemnon forçado a restituir Criseida a seu pai, toma de Aquiles a cativa Briseida. — Aquiles, indignado, não quer mais combater pelos Gregos; invoca sua mãe Tétis, que o consola e lhe promete vingança. — Volta de Criseida à sua pátria; sacrifício em honra de Apolo. — Entrevista de Tétis e de Júpiter consentindo em dar a vitória aos Troianos. — Queixas de Juno e ameaças de Júpiter em presença dos habitantes do Olimpo. — Graças à intervenção de Vulcano, restabelece-se a paz na assembléia dos imortais.

II

Júpiter envia um sonho a Agamemnon, mandando armar os Gregos, e prometendo-lhe a vitória antes do fim do dia. — Discurso de Agamemnon na reunião dos chefes. — Nestor toma a palavra e confirma o discurso de Agamemnon. — Os Gregos se reúnem. — Agamemnon lhes propõe voltar à pátria. — Os Gregos aceitam a proposta. — Intervenção de Juno. — Seu discurso a Minerva. — Discurso de Minerva a Ulisses. — Palavras de Ulisses aos diferentes guerreiros que encontra. — Tersites e sua intervenção contra os diferentes chefes do exército. — Resposta de Ulisses que castiga o insolente. — Aplauso dos Gregos. — Discurso de Ulisses a Agamemnon e aos Gregos. — Prodígio explicado por Calcas. — Exortação e conselhos de Nestor. — Elogio de Nestor por Agamemnon. — Agamemnon faz sacrifícios a Júpiter com os principais chefes. — Nestor dá o sinal e os chefes põem em ordem os seus guerreiros, a quem Minerva inspira o ardor dos combates. — Aspecto do exército. — Invocação às Musas. — Classificação dos navios.

III

Os dois exércitos avançam um contra o outro. — Páris à frente dos Troianos provoca os mais bravos dos Gregos ao combate. — Menelau vai ao seu encontro, mas Páris amedrontado busca refúgio entre os Troianos. — Exprobracões de Heitor. — Resposta de Páris; propõe sustentar um combate com Menelau do qual Helena será o prêmio. — Heitor, contente leva o desafio de seu irmão ao herói Grego. — Discurso de Menelau. — Preparam-se sacrifícios. — Entretanto Íris, tomando a forma de Laodice, vai ter com Helena, e lhe anuncia as disposições dos dois exércitos — Helena vai às portas Ceias, onde ela acha a assembléia dos velhos Troianos, que fazem o elogio de sua beleza. — Ela designa a Príamo os principais chefes Gregos. — Retrato de Agamemnon, de Ulisses, de Menelau e de Ajax, entre os quais Helena sente não ver Castor e Pólux, seus irmãos. — Por conselho de Ideu, Príamo vai com Antenor ao meio dos dois exércitos. — Agamemnon levanta-se, chama a cólera dos deuses sobre os perjuros e sacrifica. — Discurso de Príamo, que volta a Ílio para não testemunhar uma luta em que um de seus filhos pode ser vítima. — Aprestos e fases diversas do combate. — Páris vai sucumbir quando Vênus o livra dos golpes de Menelau, o transporta ao leito nupcial, e lhe faz esquecer a derrota nos braços de Helena, que resiste a princípio e cede enfim. — Menelau procura em vão seu rival; e Agamemnon reclama para seu irmão o prêmio da vitória.

IV

Os deuses reúnem-se no Olimpo. — Júpiter propõe restabelecer-se a paz entre os dois povos. — Indignação de Juno. — Resposta de Júpiter que entrega Tróia à sua cólera com a condição dele poder destruir a capricho qualquer cidade fosse ou não estimada por Juno. — A deusa combina, e, a seu pedido, Júpiter envia Minerva às fileiras troianas para o fim de os fazer violar os tratados. — Chega-se ao Troianno Pândaro, em figura de Laodoco, filho de Antenor, e lhe persuade de atirar uma flecha contra Menelau. — O filho de Atreo protegido por Minerva apenas foi ligeiramente ferido. — Dor e discursos de Agamemnon à vista do sangue de seu irmão. — Menelau o tranqüiliza e entrega-se aos cuidados do sábio Macaon. — Entretanto o exército dos Troianos move-se, e não respira senão guerra. — Agamemnon longe de perturbar-se, prepara-se para o combate; percorre as fileiras dos Gregos, felicitando os bravos, e exprobrando os cobardes. — Aspecto doa dois exércitos. — Descrição da peleja. — Gritos triufantes dos Gregos. — Apolo reanima os Troianos, lembrando-lhes o repouso de Aquiles. — Os mortos espalhados no campo atestam a coragem dos combatentes.

V

Minerva precipita Diomedes ao combate. — Descrição deste herói.— Sua vitória sobre os dois filhos do velho Dares. — Vulcano salva a Ideu dos golpes de Diomedes. — Minerva induz Marte a deixar o campo da batalha, e o conduz às margens do Escamandro. — Descrição da peleja. — Diomedes ferido por Pândaro, pede a Estênelo para tirar o ferro da ferida e implora o auxílio de Minerva. — A deusa acede. — Eneias influi a Pândaro contra Diomedes. — Pândaro sente a ausência de seus corcéis e maldiz de seu arco inútil. — Sobe ao carro de Eneias para dar combate a Diomedes. — Estênelo, apercebendo-o de longe, aconselha ao filho de Tideu que fuja, mas este espera o inimigo de pé firme, mata Pândaro, e fere Eneias, que escapou à morte por causa do socorro de Vênus. — Entretanto Estênelo se apodera dos corcéis de Eneias e os confia a Deipilo. — Diomedes vai em perseguição de Vênus, fere-a na mão, e Apolo se encarrega de salvar a Eneias. — Vênus, fora dos perigos do combate, pede a Marte seus rápidos corcéis e foge para o Olimpo. — Palas e Juno procuram prevenir Júpiter contra Vênus. — Diomedes ousa atacar a Apolo, que o põe em retirada e convida Marte para socorrer os Troianos. — O deus da guerra, sob os golpes de Acamas, chama os filhos de Príamo em defesa do povo Troiano. — Discurso de Sarpédon a Heitor. — Este responde pronto para o combate. — Reaparece Eneias. — Atitude dos Gregos. — Discurso de Agamemnon, que é o primeiro a atacar. — Descrição do combate. — Façanhas de Ulisses. — Heitor, indo salvar a Sarpédon, leva a mortandade às fileiras dos Gregos. — Aparato de Juno e Minerva e sua partida do Olimpo. — Fala de Juno a Júpiter. — Exortação que ela dirige aos Gregos sob a forma de Estentor. — Minerva anima a Diomedes contra Marte. — Marte ferido por Diomedes vai queixar-se a Júpiter, que depois de lhe haver exprobrado a inconstância e seus furores, o faz curar por Péon. — Volta de Juno e de Minerva ao palácio de Júpiter.

VI

Retiram-se os deuses do campo da batalha, e os Gregos se avantajam. — Suas proezas. — Heitor e Eneias detêm a fuga dos Troianos. — Helena aconselha a Heitor para ir a Tróia pedir a Hécuba para oferecer um sacrifício a Minerva. — Encontro do filho de Tideu com Glauco. — Heitor põe em prática o conselho de Heleno; depois vai ter com Páris e o encontra junto a Helena. — Admoestações que ele lhe dirige. — Entrevista de Heitor e de Andrômaca. — Páris, tomando suas armas, junta-se a Heitor, e todos dois correm para o combate.

VII

Heitor e Páris saem da cidade. — São vencedores: Páris, Heitor e Glauco. — Intervenção de Apolo e de Minerva. — Apolo propõe suspender o combate. — Minerva consente. — Por instigação de Heleno, inspirado por estas duas divindades, Heitor chama o mais bravo dos Gregos a combate. — Silêncio entre os Gregos. — Menelau estranha o receio e responde ao desafio de Heitor e Agamemnon o detém. — Nestor lamenta a sua velhice. — Nove guerreiros se apresentam e todos almejam combater com Heitor. — Ajax, filho de Telamon, é designado pela sorte. — Pedem os Gregos a Júpiter lhes conceda a vitória ou a deixe indecisa. — Ajax toma suas armas. — Heitor e Ajax se desafiam. — Combate. — Os dois Arautos Ideu e Taltíbio intervêm. — Ideu, ao aproximar-se a noite, induz os dois guerreiros a se retirarem. — Heitor consente. — Festa no campo dos Gregos. — Nestor propõe suspender a guerra para enterrar os mortos. — Pretende Antenor pôr fim à guerra e propõe a entrega de Helena e de suas riquezas. — Páris repele a proposta. — Príamo manda ao acampamento Grego arautos comunicar as concessões de Páris, e pedir uma suspensão de armas para as honras fúnebres. — Ideu junto a Agamemnon expõe o objeto de sua mensagem. — O filho de Tideu quer que se rejeite as proposições de Páris. — Agamemnon julga conceder tréguas. — Ideu volta aos Troianos. — Funerais. — Os Gregos constroem trincheiras para protegê-los e aos seus navios. — Netuno na Assembléia dos deuses. — Após a ceia, os Gregos e os Troianos se entregam ao sono.

VIII

Júpiter reúne os deuses. — Proibe-lhes auxiliarem aos Gregos e aos Troianos. — Minerva implora a permissão de aconselhar aos Gregos. — Júpiter vai ao monte Ida. — Encontro dos dois exércitos: combate. — Júpiter pesa os destinos dos dois povos em suas balanças de ouro. — Atemoriza os Gregos. — Nestor perseguido por Heitor e salvo por Diomedes. — Júpiter auxilia os Troianos e lança um raio que cai junto aos cavalos de Diomedes. — Diomedes a princípio hesita fugir. — Heitor anima os Troianos. — Juno induz Netuno a intervir em favor dos Gregos. — Netuno recusa. — Discurso de Agamemnon aos Gregos repelidos além do seu entrincheiramento. — Sua súplica a Júpiter. — Prodígio. — Façanhas de Diomedes e de Teucro. — Teucro ferido por Heitor. — Queixas de Minerva e de Juno. — As duas deusas vão em socorro dos Gregos. — Júpiter manda Íris as deter. — Íris lhes refere as ameaças de Júpiter. — Volta de Minerva e de Juno. — Júpiter deixa o Ida e volta ao Olimpo. — Prediz a glória de Heitor até que Aquiles volte ao combate. — Heitor fala aos Troianos e lhes dá suas instruções para a noite. — Sacrifícios aos deuses, que não os recebem. — Aspecto do campo dos Troianos.

IX

Desânimo dos Gregos. — Discurso de Diomedes. — Conselhos de Nestor. — Setecentos guerreiros vão postar-se entre a muralha e o fosso para velar na salvação do exército. — Agamemnon oferece uma refeição aos principais chefes. — Nestor toma a palavra e propõe abrandar a ira de Aquiles por meio de dádivas. — Agamemnon fica de acordo. — Enumeração das riquezas que lhe são oferecidas. — Nestor aprova esta deliberação e designa os chefes que devem ir à tenda de Aquiles. — Partida dos emissários. — Aquiles, vendo-os, recebe-os com agrado. — Discurso de Ulisses, em que expõe o objeto de sua missão e convida a Aquiles para ir em socorro dos Gregos. — Recriminação de Aquiles. — Discurso de Ajax, filho de Telamon. — Afinal Aquiles declara que não combaterá contra Heitor e despede os enviados. — Volta dos emissários à tenda de Agamemnon. — O filho de Atreu interroga a Ulisses. — Ulisses refere a resposta de Aquiles. — Fala de Diomedes. — Os guerreiros fazem libações aos deuses.

X

Agamemnon vela enquanto os Gregos dormem — Menelau vem ter com ele e oferece seus serviços. — Agamemnon dá suas instruções a seu irmão, e os dois Atridas vão acordar os principais chefes. — Conversação entre Nestor e Agamemnon. — Despertados os chefes, reúnem-se em conselho. — Nestor propõe mandar um espião ao campo inimigo. — Vão Diomedes e Ulisses. — De sua parte Heitor reúne os chefes Troianos e promete um esplêndido prêmio a quem vá espiar o campo dos Gregos. — Vai Dólon. — Ulisses e Diomedes, vendo-o, o prendem. — Dólon explica a situação respectiva dos diferentes povos do exército Troiano, e é morto por Diomedes. — Chegados às tendas dos Traças, Diomedes mata doze guerreiros e seu rei Reso, que dormiam, enquanto que Ulisses apodera-se dos cavalos. — A conselho de Minerva, Diomedes e Ulisses se retiram. — Despertados por Apolo, os Troianos correm ao lugar da mortandade. — Chegam Diomedes e Ulisses ao campo dos Gregos. — Nestor é o primeiro que os apercebe. — Os Gregos os acolhem com alegria. — Fala de Nestor. — Resposta de Ulisses. — Depois de haverem descansado, Ulisses e Diomedes fazem libações a Minerva.

XI

Júpiter manda a Discórdia à frota dos Gregos para os excitar ao combate. — Agamemnon orna-se de suas armas. — Conduz suas tropas ao campo da batalha. — Júpiter interessa-se pelos Troianos. — Heitor prepara-se para não recuar ante os Gregos. — Temível combate entre os Gregos e Troianos. — Agamemnon admira o valor dos Troianos. — Derrota dos Troianos. — Júpiter salva a Heitor, quando os Troianos em fuga. — Manda Júpiter que Íris leve uma mensagem a Heitor. — Heitor percorre as fileiras e inspira seus soldados com um novo ardor. — Recomeça o combate. — Novos feitos de Agamemnon, que se retira do combate ferido. — Esta circunstância reanima o exército Troiano. — Feitos de Heitor. — Vantagem dos Troianos. — Ulisses e Diomedes restabelecem por sua coragem a dúvida sobre o êxito do combate. — Júpiter deixa a vitória indecisa. — Os Troianos e os Gregos se degolam sem embaraço. — Diomedes repele a Heitor, que vai misturar-se com a multidão dos guerreiros e é ferido por Páris. — Ulisses vai em socorro de Diomedes, que é conduzido para junto dos navios. — Ulisses fica só no meio dos Troianos, põe por terra muitos combatentes, e é ferido por Soco. — Soco ia fugir quando Ulisses o traspassa com a lança. — Quase morto no meio dos inimigos, Ajax e Menelau correm e o tiram do combate. — Páris fere a Macaon. — Consternação dos Gregos. — Ajax põe o exército Troiano em fuga. — Heitor, que estava em outro lado, vem e fere a Ajax. — Aquiles chama seu amigo Pátroclo, e o manda saber de Nestor novas do combate. — Nestor lhe pinta a triste imagem das desgraças dos Gregos. — Pátroclo volta a Aquiles para pedir-lhe que socorra aos Gregos, ou que lhe empreste suas vestimentas e armas a fim de que os inimigos se iludam e tenham medo. — No caminho encontra Eurípilo ferido; o conduz à sua tenda, onde tem com ele todos os cuidados.

XII

Combate geral. — Os Gregos, repelidos aos seus entrincheiramentos temem a presença de Heitor. — Heitor, à frente de suas tropas, quer passar à muralha dos Gregos. — Polidamas lhes aconselha descerem dos carros e darem o combate a pé. — Os Troianos aceitam o conselho e marcham ao assalto, divididos em cinco falanges, sob as ordens de seus chefes. — Asio, que não obedece o conselho, foi morto por Idomeneu. — Defesa das portas. — Heitor teima destruir os obstáculos. — A aparição de uma águia. — Polidamas atemorizado quer fazer cessar o combate. — Heitor repele os temores. — Os Gregos, firmes em seus postos, fazem grande mortandade entre os Troianos. — A coragem dos dois Ajax. — Valor de Sarpédon e de Glauco. — Este ferido foge. — Os Lícios, comandados por Sarpédon são repelidos pelos Gregos, quando próximos a escalarem a muralha. — Júpiter interessa-se pelos Troianos. — Heitor lança uma enorme pedra contra uma das portas, quebra-a, entra no campo dos Gregos com todo o seu exército, e os obriga a fugir para os seus navios.

XIII

Grande mortandade feita pelos Troianos entre os Gregos. — Netuno comovido por este triste espetáculo vem em socorro dos navios Gregos. — O deus do mar desperta a coragem dos dois Ajax e dos outros combatentes. — Heitor por sua vez encoraja as suas falanges. — Teucro imola o Troiano Ímbrio — Feitos dos dois Ajax, que ferem a Heitor e o repelem para longe. — Netuno irritado pela morte de Anfimaco prepara aos Troianos novas calamidades. — O deus excita Idomeneu ao combate. — Idomeneu vai buscar em sua tenda Merion, seu fiel escudeiro, e com ele se dirige para a esquerda do exército. — Terrível peleja entre os Gregos e os Troianos. — Júpiter favorece aos Troianos, e Netuno protege os Gregos. — Idomeneu faz prodígios de valor. — Pende a vitória para o lado dos Gregos. — Heitor fica em seu posto inabalável. — Os dois Ajax avançam com seu exército ao encontro do herói Troiano. — A conselho de Polidamas, Heitor reúne todos os guerreiros, e dirige a Páris amargas censuras. — Páris defende-se das acusaçôes. — Os dois irmãos lançam-se à peleja e pretendem levar a perturbação ao centro dos Gregos. — Ajax, certo por um feliz presságio, recomeça o combate. — Horríveis clamores que se elevam de todas as partes.

XIV

Nestor, espantado pelos clamores dos combatentes, sai de sua tenda. — Observa um horrível espetáculo. — Diomedes, Ulisses, Agamemnon, posto que feridos, vão ao encontro de Nestor para salvar o exército. — Agamemnon vendo a ira de Júpiter e inquieto sobre a sorte do combate propõe a fuga. — Ulisses rejeita a proposta. — Diomedes lhe persuade para voltar ao campo de batalha e com sua presença reanimar os guerreiros. — Nestor, disfarçado em um velho guerreiro, anima a Agamemnon e o exército dos Gregos. — Juno quer prestar o seu apoio aos Gregos e prepara-se para seduzir o pai dos deuses no monte Ida. — Vai a Lemnos e pede ao Sono, irmão da morte, para adormecer Júpiter. — O Sono atende os votos da deusa. — Netuno aproveita-se do repouso de Júpiter, anima os Gregos e segue à sua frente. — Combate. — Heitor é ferido por Ajax. — Os Gregos têm a vitória.

XV

Júpiter, ao acordar, vê os Gregos vencedores e os Troianos dispersos. — Reconhece ser obra de Juno e dirige-lhe exprobações. — Juno diz que Netuno é o único culpado. — Juno, por ordem de Júpiter, vai ter com Íris e Apolo para que reanimem os Troianos. — Juno anuncia aos imortais a morte de Ascálafo, filho de Marte. — Quer este deus vingar a morte de seu filho. — Minerva o retém. — Íris força Netuno a deixar o combate. — Apolo anima a Heitor. — Feitos de Heitor. — À vista deste herói, Pátroclo aconselha Aquiles para ir ao combate. — Os Gregos lutam com valor. — Os Troianos se precipitam sobre os navios. — Os Gregos resistem, e depois fogem. — Ajax volta ao combate e a luta recomeça. — Horrível mortandade. — Ajax armado de uma lança repele os Troianos de junto dos navios.

XVI

Pátroclo vai ter com Aquiles, e depois de lhe haver pintado as desgraças dos Gregos, pede-lhe suas armas para combater com os Troianos. — Aquiles concede-lhas. — Ajax enfraquece. — Aquiles apressa o seu companheiro a partir, ordena os Tessálios e faz libações a Júpiter. — Atemorizam-se os Troianos à vista de Pátroclo. — Dá-se um combate junto aos navios, fogem os Troianos e são perseguidos. — Só Sarpédon resiste. — A Glauco é reservado o cuidado de vingar a morte de Sarpédon. — Os Troianos dão ataque. — Feitos de Pátroclo. — Valor de Glauco. — Os Gregos não se deixam abater; despojam o corpo de Sarpédon. — Pátroclo esquece as recomendações de Aquiles e avança aos muros de Tróia. — Luta de Pátroclo com Heitor. — É aquele morto por Euforbo e Heitor. Heitor persegue a Automedon.

XVII

Sentimento de Menelau quando soube da morte de Pátroclo. Avança para proteger os restos inanimados do seu amigo. — Mata a Euforbo mas é repelido por Heitor. — Menelau e Ajax vão em defesa dos restos de Pátroclo. — Recua Heitor ante Ajax. — Exprobrações de Glauco. — Heitor toma as armas de Aquiles e anima seus companheiros a combate. — Combate e mortandade de parte a parte. — Os corcéis de Aquiles são levados a combate por Automedon. — É o carro atacado por Heitor, Eneias, e por outros guerreiros. — Os cavalos, graças à sua velocidade, escapam à perseguição dos Troianos. — Minerva inspira a Menelau um generoso ardor. — Apolo reanima a Heitor. — Temor de Ajax. — Por ordem deste herói, Menelau manda anunciar a Aquiles a morte de Pátroclo e a derrota dos Gregos.

XVIII

Antíloco dá a Aquiles a notícia da morte de Pátroclo. — Dor profunda de Aquiles. — Tétis com as Nereidas vem consolar seu filho. — Vendo-o animado do desejo de vingança, ela promete-lhe para o dia seguinte uma nova armadura fabricada por Vulcano. — Despede as Nereidas e dirige-se para o Olimpo. — Durante este tempo o combate se reanima em redor dos restos de Pátroclo. — Heitor se apoderaria do cadáver, se, impelido por Juno, Aquiles não houvesse lançado o terror entre os Troianos. — Ao anoitecer os Gregos tomam o cadáver e o levam para a tenda de Aquiles. — Os Troianos reúnem-se para deliberar. — Heitor repele os prudentes conselhos de Polidamas. — Os Gregos lamentam a morte de Pátroclo e lhe fazem as honras fúnebres. — Tétis vai ter com Vulcano. — Benévolo acolhimento que teve a deusa. — Vulcano fabrica para Aquiles as melhores armas, cuja descrição vai no fim deste canto.

XIX

Ao amanhecer Tétis traz a seu filho Aquiles as armas fabricadas por Vulcano e o induz a reconciliar-se com Agamemnon. — Aquiles reúne os Gregos o vai ao campo de batalha. — Agamemnon reconhece os seus direitos. — Impetuoso a princípio, cede afinal aos conselhos de Ulisses. — Briseida é restituída a Aquiles. — Agamemnon jura que jamais tocara na cativa. — Lamentaçoes pela morte de Pátroclo. — Aquiles mesmo entrega-se à dor e anseia pela hora do combate. — Os Tessálios se formam em falanges. — Aquiles sobe a seu carro e surdo a uma voz que pressagia-lhe morto próximo, lança-se furioso no meio dos inimigos.

XX

Júpiter convoca os deuses. — Segundo as ordens de Júpiter, Juno, Mercúrio, Netuno, Minerva, e Vulcano colocam-se ao lado dos Gregos; Marte, Apolo, Diana, Latona, o Xanto, Vênus, do lado dos Troianos. — Apolo excita Eneias contra Aquiles. — Resposta de Eneias. — Eneias e Aquiles provocam-se e avançam um sobre o outro. — Eneias quase a morrer é salvo por Netuno. — Novo ardor de Aquiles. — Heitor anima os Troianos. — No momento em que ele vai atacar a Aquiles, é chamado por Apolo. — Heitor vai misturar-se com a multidão. — Aquiles mata Polidoro, filho de Príamo. — Heitor quer vingar a morte de seu irmão. — Apolo oculta o herói Troiano. — Aquiles, irritado por não poder encontrar o seu inimigo, ataca o grosso dos Troianos e faz grande mortandade.

XXI

Derrota dos Troianos à margem do Xanto. — Aquiles, já aborrecido de tantas mortes prende doze guerreiros Troianos, que devem morrer em memória da morte de Pátroclo. — Súplica de Licaon. — Morte de Licaon. — Luta de Aquiles e de Asteropeu. — Aquiles triunfa. — Indignação de Xanto. — Combate de Aquiles e do Rio. — Diversos episódios produzidos por esta luta. — Combate dos deuses. — Furor de Aquiles, depois da intervenção de Apolo em favor de Ílio, e da volta dos deuses para o Olimpo. — Apolo inspira ao divino Agenor a resolução de esperar Aquiles a pé firme. — Aquiles é ameaçado por Agenor, mas Apolo intervindo salvou-o dos golpes de Aquiles. — Por um disfarce de Apolo Aquiles afasta-se dos muros de Tróia.

XXII

Aquiles reconhece seu erro. — Volta aos muros onde Heitor ousa esperá-lo. — Súplica de Príamo a seu filho. — Hécuba exorta-o a ter prudência e lhe previne a sorte que o espera. — Resolução de Heitor. — Aparece Aquiles. — Heitor atemoriza-se. — Júpiter consulta aos deuses e lhes propõe o salvar a Heitor. — Minerva opõe-se. — Febo abandona. — Minerva encoraja a Aquiles. — A deusa disfarçada em Deifobo, induz Heitor a esperar o seu inimigo. — Heitor agradece a seu irmão ter vindo em seu socorro. — Resposta de Minerva. — Heitor promete, no caso de vencer, não profanar o corpo de Aquiles. — Este recusa fazer tratados e desafia. — Heitor evita a azagaia de seu inimigo e lança a sua que inutilizou-se contra o escudo de Aquiles. — Continuação do combate. — Aquiles triunfa. — Súplica de Heitor. — Aquiles é inflexível. — Fala dos Gregos, que vêm contemplar o cadáver de Heitor. — Insulto ao cadáver. — Dor dos Troianos. — Desespero de Príamo. — Lamentações de Hécuba. — Andrômaca ao saber da morte de seu marido. XXIII Aquiles faz os funerais de Pátroclo. — Seu juramento. — Seu sono. — A visão de Pátroclo. — Vênus e Apolo protegem os restos de Heitor. — Aquiles prepara jogos fúnebres e deposita na arena os prêmios aos vencedores. — Jogos.

XXIV

Aquiles transido de mágoa faz passar o cadáver de Heitor três vezes em redor do túmulo de Pátroclo. — Os deuses propõem a Mercúrio arrebatar o cadáver de Heitor. — Juno e Netuno se opõem. — Apolo censura a crueldade de Aquiles. — Resposta de Juno, que lembra a origem divina de Aquiles. — Juno é convidada a ir ao Olimpo, onde Júpiter a consola por haver resolvido que o cadáver fosse entregue a Príamo. — Tétis vai ter com Aquiles e lhe comunica a vontade de Júpiter. — Preparativos feitos por Príamo para ir pedir o cadáver de seu filho. — Príamo chega ao acampamento dos Gregos. — Descrição da tenda de Aquiles. — Príamo lança-se aos pés de Aquiles, e lhe implora em nome de seu pai. — Ao lembrar-se de seu pai chora o Pelides. — Episódios de tão triste encontro de Príamo e de Aquiles. — Aquiles promete a Príamo entregar-lhe o cadáver de Heitor e concede-lhe doze dias de tréguas para as honras fúnebres. — Saída de Príamo d’entre o exército Grego. — Cassandra apercebeu de longe o velho Príamo. — O povo vai às portas da cidade. — Funerais de Heitor. O EDITOR

O furacão da morte Varre medonho os campos da existência, Perdoa a secos troncos.

Leva consigo florescentes plantas, Cuidados do colono esperançoso.

............................

............................

Quão triste a final cena! Mas o quadro da vida inda é mais triste.

As breves alegrias Num só ponto aparecem mal distintas, E sombreiam-lhe o fundo os infortúnios.

Que bens há cá na terra? O crime estende o formidável cetro, Raro fulge a virtude; Em torno ao coração o prazer voa, A dor penetra e vai sentar-se no âmago.

(O sonho, Ode.) ............................

............................

Tarde serena e pura, que lembranças Não nos vens despertar no seio d’alma? Amiga tenra, dize-me, onde colhes O bálsamo que esparges nas feridas Do coração? que apenas dás rebate Cala-se a dor; só geras no imo peito Mansa melancolia, qual ressumbra Em quem sob os seus pés tem visto as flores Irem murchando, e a treva do infortúnio Pouco a pouco ante os olhos condensar-se.

............................

............................

Mas da puerícia o gênio prazenteiro Já transpôs a montanha, e com seus risos Recentes gerações vai bafejando: Aquém ficou a angústia que moderas Ó compassiva tarde! Olha-te o escravo, Sopeia em si os agros pesadumes; Ao som dos ferros o instrumento rude Tange, bem como em África adorada, Quando, tão livre! o filho do deserto Lá te aguardava; e o eco da floresta, Da ave o gorjeio, o trépido regato, Zunindo o vento, murmurando as sombras, Tudo em cadência harmônica lhe rouba A alma em mágico sonho embevecida.

(Hino à Tarde) Entretanto Odorico Mendes, em sua modéstia, nunca fez grande cabedal dessas composições originais; e daí sem dúvida resultou o pouco cuidado a que se deve o andarem dispersas, ignoradas ou perdidas. “Não possuindo (escreveu ele mesmo no prólogo da primeira edição da sua Eneida) o engenho indispensável para empreender uma obra original ao menos de segunda ordem, persuadi-me todavia de que o estudo da língua e a freqüente lição da poesia me habilitavam para verter em português a epopéia mais do meu gosto... ” “ .... só abrigado sob as asas de tão sublime escritor durarei na memória dos nossos concidadãos, ainda uns anos depois da sepultura.” Sendo este o conceito que fazia do próprio talento, tinha necessariamente de dar ao emprego dele uma direção particular. Foi assim que já desde 1831 havia publicado uma tradução da Merope de Voltaire, e em 1839 outra de Tancredo do mesmo autor. Ambas mereceram os elogios dos entendidos, e a segunda especialmente uma douta e bem elaborada análise do Sr. Francisco Sotero dos Reis, abalizado filólogo e latinista maranhense que a publicou na Revista, jornal que redigia então.

Mas foi só depois de finda em 1847 a última legislatura a que pertenceu, que Odorico Mendes, passando-se para a França, se consagrou inteiramente ao trabalho das suas versões, em que contudo anos havia já se ocupava, conforme lho permitiam as outras obrigações a que estava sujeito. À primeira edição da Eneida publicada em Paris em 1854, seguiu-se outra em 1858, compreendendo todas as obras do grande épico latino(2).

Em assunto já devidamente discutido e sentenciado, a nossa voz, por incompetente, deve calar-se. Ouçamos porém a dos grandes mestres.

“Nesta aprazível tradução (escreveu o sr. Antônio Cardoso Borges de Figueredo, distinto professor de poética e literatura clássica no liceu de Coimbra) achei fielmente transladados em a nossa língua os conceitos, as paixões e os sentimentos do épico latino, e sem diminuição nem acréscimo, repostas as suas mesmas imagens, e ainda muitas das suas figuras. Bem sabia o sr. Mendes que o verdadeiro tradutor não deve ser parafrasta senão fiel copiador e retratista, fidus interpres. Ali aparecem postos em luz clara vários passos da Eneida, onde ilustres comentadores não haviam atinado com o genuíno sentido, mas que o exímio tradutor pôde alcançar. Isto ficará evidente a quem consultar as excelentes notas, que seguem cada um dos cantos do poema, e em que o mesmo ostenta vasta erudição e crítica judiciosa e esclarecida.

“Elegante, limada e polida é a sua frase, e seus versos correm quase sempre com facilidade, são de ordinário cadentes e numerosos. A perspicuidade, a precisão, e ainda a concisão bem entendida, a propriedade dos termos, o gosto delicado; todas estas virtudes lá oferecem o seu agradável donaire. Esse grande segredo dos mestres, a harmonia imitativa, que ora pinta pela onomatopéia as qualidades sensíveis dos objetos, ora emprega a analogia dos números ou ritmos com as idéias ou com os sentimentos; essa bela harmonia, a que nenhuma das línguas modernas se presta por ventura tanto como a nossa, em inumeráveis frases e versos a descobrirá o leitor de tato fino .....................

...................................

.............. “Em forjar palavras novas alguém quisera que tão bom tradutor fosse mais sóbrio: Dabitur licentia sumpta pudenter. Quem souber todavia que, só nos Lusíadas, Camões introduzira duzentas palavras latinas, e que depois dele em todas as eras quase todos os bons poetas as foram inovando, não estranhará tanto a sobejidão dos neologismos em todas as páginas desta tradução. Para estas inovações tinha o tradutor podido vênia, e tem a sua principal descarga na necessidade; sendo que, como ele em suas notas mostra, só por aquel’arte podia guardar a precisão, que tão justamente ama, e copiar a justeza das idéias e forças do pensamento do seu prototipo.

...................................

“.................. Eu antevejo que a autoridade de tão grande filólogo, que já estimo, amo e respeito, há de achar quem abrace os seus neologismos; ver-se-ão eles, correndo o tempo, entrar no domínio do uso. Assim se há seguido o exemplo de outros; assim se tem enriquecido e hão de enriquecer as línguas. Puristas haverá de sentir menos conforme ao meu: embora: outros sentirão comigo. Grande é o serviço que à nossa literatura fez o tradutor. Longe de mim o rebaixar as traduções que já possuímos das obras de Virgílio, inteiras, e em fragmentos, como a do canto quarto da Eneida, admiravelmente traduzido por Manuel Mathias; mas das traduções completas é opinião minha, e não só minha, senão de dous respeitáveis literatos, que esta tradução a todos leva a palma.” “Um comprovinciano nosso (fala agora o já citado Sr. Sotero dos Reis) o Sr. Odorico Mendes, atualmente em França, tem feito da língua de Camões, de Ferreira, de Garção, e de Francisco Manoel, ou da linguagem poética do idioma português, um estudo tão aprofundado, que neste conhecimento, e nos que com ele têm estreita relação, como o da linguagem poética dos idiomas estranhos, não encontra rival no Brasil, e não sabemos que haja quem o exceda em Portugal nestes últimos tempos.

“Desde a mais tenra mocidade cultivamos a preciosa amizade do Sr. Odorico Mendes, e sempre o conhecemos dedicado a este gênero de estudos, que hoje tem levado a grande apuro e perfeição, como o atestam as suas obras, e com especialidade a tradução da Eneida, com que enriqueceu a nossa literatura, e em que a língua portuguesa aposta com a latina primores de concisão, clareza, flexibilidade, graça, galhardia, força, riqueza e pompa, senão pela ventura de harmonia e majestade.

.......................................

.......................................

“A tradução da Eneida pelo Sr. Odorico Mendes é indubitavelmente superior a quantas do mesmo poema se tem até hoje publicado em português, as quais são rasteiras em comparação dela e pode correr parelhas com as mais gabadas feitas em outras línguas.

Nem a de João Franco Barreto, que é uma paráfrase não poucas vezes feliz, nem as de Lima Leitão e de Barreto Feio, nos dão uma idéa tão ajustada o exata das belezas do original, porque nenhuma soube como ela reproduzir ao vivo as suas imagens, figuras, perfeição do estilo..........

.......................................

“Com ser tão primorosa, não deixa esta tradução, assim como tudo o que nos vem dos homens, de ter defeitos; e esses nascem pela maior parte de uma de suas principais virtudes, ou da concisão levada ao extremo. O nosso poeta traduziu cada um dos livros da Eneida em número de versos portugueses, que pouco excede aos hexâmetros latinos; o que, sendo estes de mais extensão que aqueles, é em verdade um grande mérito; mas o desejo de ser conciso foi por outro lado parte para que alatinasse algumas vezes a frase portuguesa...................

.......................................

“Mas, estes raros, e aliás desculpáveis defeitos, em trabalho de tão difícil execução, qual é a versão do poeta mais perfeito da antiguidade, são compensados por tanta fantasia e vigor de imagens, tanto arrojo e felicidade de figuras, tanta viveza e verdade de colorido, tanta riqueza e propriedade de linguagem, tanta poesia imitativa e onomatópica, tanta e tão sustentada harmonia métrica, ou por tantas belezas de todo o gênero, em suma, que o Sr. Odorico Mendes, depois de haver produzido uma tal obra, pode com razão dizer: 9on ego paucis offendar maculis.

“Quanto à adoção de termos latinos, reabilitação de antiquados e criação de novos, entendem alguns que o poeta abusou da permissão de o fazer, mas não têm razão; porque se não houvesse recorrido a esse meio indispensável para ser bem sucedido, teria, como seus predecessores, naufragado na empresa de dar-nos o transumpto de um poema do cunho da epopéia de Virgílio, trajado com todas as galas de uma língua tão cadente, opulenta e majestosa como é o latim, que, desacompanhado do cortejo de certas partículas que tornam arrastrados e prosaicos os idiomas que hoje falamos, caminha sempre desembaraçado, sempre livre.”(3) “De quantas versões poéticas eu conheço (diz finalmente em documento que temos à vista do Sr. Antônio José Viale, o ilustre professor de literatura, e exímio poeta e tradutor ele mesmo) nenhuma faz vantagem a esta em fidelidade, e nenhuma talvez (a não serem as de Solari) a iguala em concisão. Verdade é que a severíssima adstrição a competir em brevidade com o original (e com original latino) não pode deixar de quando em quando de empocer algum tanto à perspicuidade do estilo, e à melodia do verso (risco de que se preservam cautelosos os parafrastas). Contudo nesta novíssima e ótima das traduções de Virgílio o mais rígido Aristarco raríssimos versos achará que mereçam a censura de pouco claros ou de menos cadentes.

“Que direi da pureza, propriedade e cópia da dicção da Bucólica, Geórgica, e Eneida Portuguesa do sábio poeta brasileiro, e das excelentes notas de que são seguidas? Estou persuadido de que na sua leitura muito aprenderão os mais eruditos filólogos das duas nações que falam a mesma língua com pouca corrupção quase latina. Pela minha parte, em benefício dos meus alunos no Curso superior de Letras, nas minhas preleções associarei freqüentes vezes ao nome imortal do grande vate romano o ilustre nome do exímio tradutor brasileiro, ponderando-lhes o muito que lhe devem os cultores das musas, e os estudiosos amadores da literatura nacional.” Estes votos tão autorizados, e cuja imparcialidade é atestada pelas suas mesmas divergências em pontos secundários, bastariam só de per si a qualificar o elevado merecimento de Odorico Mendes como tradutor; mas os nimiamente escrupulosos, que se não pagam de juízos alheios, não têm mais que examinar a tradução, e as copiosas notas que a acompanham, e onde o poeta, fazendo a apologia dos notados defeitos de sobejidão de neologismos, de obscuridades, e durezas da versificação, demonstra vitoriosamente já a necessidade da adoção dos termos novos que introduziu, já que os mais dos vocábulos de origem latina, que se lhe argúem como inovações, de há muito tinham foro de nacionais, introduzidos e naturalizados por outros grandes mestres; já finalmente que em certos lugares, a aparente dureza da metrificação, aliás fácil de tornear em cadência especiosa, era mui de indústria procurada para verter com toda a energia e propriedade as belezas do original. Nem há aí duvidar da exatidão desta última asserção, se atendermos aos inumeráveis versos de uma melodia irrepreensivel que no próprio Virgílio Brasileiro deleitam o ouvido a cada passo, e que são contínuos e quase sem exceção na tradução das duas tragédias de Voltaire, onde o poeta não tinha que lutar com a concisão do latim, tão difícil de atingir.

Essas notas porém não são meramente apologéticas. Escritas com sobriedade e temperança, em estilo chão e natural, em que se reflete, como em fiel espelho, a alma singela e pura do autor, são um riquíssimo tesouro de variedade e escolhida erudição, e constituem uma maneira de cursos de literatura, em que abundam os exemplos e conselhos judiciosos, e onde muito acharão que aproveitar quantos se dedicam a este gênero de estudos.

Sem conservar-se encerrados nos limites da poesia, faz também o autor freqüentes digressões nos domínios da história e da política; e remontando-se às mais elevadas considerações da moral pública e privada, ora o veremos exprimir votos calorosos pela abolição da escravidão na sua pátria, ora confundir na mesma severa reprovação os excessos da tirania e da anarquia, ora enfim tomar a defesa do deprimido e desdenhado Portugal, como quem sente e conhece que a solidariedade dos dous povos irmãos, sem embargo de revolução que os separou politicamente, subsiste ainda a muitos respeitos, e há de perdurar por tempos infinitos. Mal podemos vencer-nos que não reproduzamos neste lugar o que sobre o último assunto escreveu este digno brasileiro, contraditoriamente acusado, em diferentes épocas, ora de parcial, ora de antagonista dos portugueses.

“Delille é quase sempre infeliz quando cita a Camões (lê-se em uma das referidas notas ao Virgílio Brasileiro) — O painel da grandeza de Roma na revista da posteridade de Enéias, diz ele, é sublime criação do poeta latino: imitaram-no Tasso, Camões, Milton e Voltaire. Na Jerusalém libertada os destinos da casa d’Est, preditos a Reinaldo, não têm historicamente assaz importância para autorizar o maravilhoso; o mesmo, a glória de Portugal, encerrada em pequeníssimo quadro, esplendor do pouca duração... De todos os imitadores, Voltaire foi sem dúvida o mais feliz, com a vantagem de pintar a época mais memorável do espírito humano, e seu estilo tem muitas vezes o brilho da corte de Luiz XIV. — Um francês, M. Villenave, assim impugna estes palavrões — O século de Luiz XIV foi de certo uma época memorável, não a mais memorável do espírito humano. E o que é um estilo que tem todo o brilho da corte de um rei? “Cada um busca celebrar as suas cousas; pequenas aos estrangeiros, são grandes aos nacionais: o italiano Tasso não devia omitir um príncipe e uma casa real de Itália para cantar, por exemplo, a de França. Delille, não contente de afrancesar a antiguidade, na sua paráfrase da Eneida, folgara de que o Tasso estrangeirasse a Jerusalém, ou pusesse de parte um meio bem cabido na sua epopéia, em comparação da qual a Henriada, cumpre confessar, não tem sobejo valor. Se todavia a pequenez da casa d’Est escusa um tanto o mau juízo do crítico, a apreciação dos Lusíadas é miserabilíssima. A época de que trata Camões principalmente (digo principalmente, porque ele canta os portugueses em geral) é a mais importante na história da navegação, vale mais que o século de Luiz XIV; o descobrimento da nova rota das Índias por Vasco da Gama, como o da América por Colombo, e o do Brasil por Cabral, mudou a face do mundo, ao comércio deu extensão prodigiosa, aumentou os gozos da vida por toda a parte; derribou, levantou nações; é o acontecimento que marca os tempos modernos.

Quanto à duração da glória portuguesa, distingo: se Delille chama glória só a conquista das Índias, é exato que oitenta anos depois caiu a nação pelo dominio castelhano, mas se a palavra compreende, como deve compreender, a honra que resulta de todas as suas façanhas, essa glória já durava seis séculos não interrompidos ao cantá-la o seu imortal poeta.

A história de França não apresentava uma tão longa série de sucessos gloriosos até aquela época.

“Insisto da digressão, porque não só Delille, os franchinotes viajantes por moda menosprezam a nossa raça. Uma nação da qual nasceu a brasileira, hoje de quase nove milhões de homens, terceira em população na América, segunda em importância política, tem a sua glória indelevemente escrita nos anais do mundo; e ninguém abrirá um mapa do nosso globo, sem nele encontrar muitos nomes de países de África e Ásia atestando a parte que o reinozinho do ocidente da Europa tem tido no movimento geral da civilização. Pena é que Delille não marcasse as léguas quadradas, a população, e os anos de celebridade que deve ter qualquer nação para poder um poeta cantar os seus feitos heróicos. Da pequenez do seu país Camões tirou motivo para o louvar na sua magnífica oitava XIV do canto VII e em mais algumas.

“Perdão, se ainda continuo e me extravio. Tenho ouvido já, quase sempre a descendentes de outros europeus, que nós seríamos felicíssimos, se tivéssemos sido colonos do outra nação. Antes de tudo este nós é um disparate: se o Brasil fosse diversamente colonizado, não seríamos nós os seus habitantes; e devemos aos compatriotas sobejo amor para querermos que eles sejam outros, e não eles mesmos.

Portugal produziu um império de nove milhões de habitantes; digam-me qual é o que proporcionalmente fez tanto? Apesar das injustiças que dos maus governos sofríamos, apesar de mesquinhos ciúmes da metrópole, nossos pais nos transmitiram: 1º a religião mais civilizadora; 2º franqueza e hospitalidade à nossa custa, não de palavras e cortesias; 3º uma legislação civil melhor que a de nações muito mais presunçosas; 4º uma língua sonora a mais opulenta, senão para as cousas da indústria moderníssima, para a história, para a navegação, para a poesia, com todos os matizes, variedade e graça. Qual é a colônia francesa emancipada? qual é a holandesa? Tiradas as de Espanha, mais as de Inglaterra, que produziu a soberba e livre república norte-americana, as restantes estão ainda debaixo da tutela. Nós já vamos forçando o orgulho a nos ter em consideração, e mais seremos se desprezarmos os medos de conquista no nosso território, e opusermos energias a vãs ameaças.” VI Vamos concluir, consignando aqui as últimas noticias e ponderações que nos ocorrem acerca da nobre existência que temos esboçado. Odorico Mendes teve assento no antigo conselho geral do Maranhão; e, em várias legislaturas, na assembléia provincial do Rio de Janeiro. É membro efetivo do instituto histórico e geográfico do Brasil; da sociedade amante da instrução, da de instrução elementar, e sócio honorário da academia das belas artes no Rio de Janeiro; e aqui em Lisboa acaba de ser nomeado sócio correspondente estrangeiro da academia real das ciencias(4). Só uma condecoração obteve, sem todavia a solicitar — a comenda da ordem de Cristo, que deve à espontânea munificência do Sr. D. Pedro II.

Os companheiros de Odorico nas lutas do primeiro reinado chegaram todos ou quase todos às maiores honras; e às mais elevadas posições políticas e sociais. Alguns as deveram sem dúvida aos seus talentos fora do comum; outros à destreza e agilidade com que souberam manobrar no mar incerto em que navegavam. Mais inflexível ou menos hábil no caminho que proferiu, Odorico Mendes tem visto sem pesar todas essas grandezas, que lhe não couberam em sorte, pago e satisfeito de haver atravessado a vida conservando-a imaculada até da menor suspeita que lhe pudessem levemente marear o lustre.

Tendo saído do Rio em 1847, viveu quatorze anos em Paris, da aposentadoria do seu emprego, e das minguadas sobras que pudera acumular anteriormente, subtraindo-as às necessidades quotidianas. A verdadeiros milagres de economia deveu não somente a subsistir tão longo espaço em honrada mediania naquela opulenta capital, foco de tentações de todo o gênero, mas ainda o poder dar uma boa educação aos filhos, dois dos quais alcançaram logo vantajosos lugares de fazenda, graças aos estudos que haviam feito, aos bons ofícios de um velho amigo nunca deslembrado, e sobretudo à política esclarecida do imperador, que a nenhum merecimento deixa sem emprego, e nenhum antigo serviço sem galardão.

O ano passado empreendeu Odorico uma viagem à Itália — sonho dourado de toda a imaginação de artista e de poeta, que enfim lhe concedeu o céu realizar após tantos anos de expectação. Dir-se-ia que a fábula de mãos dadas com a antiga e moderna história apraz-se de fazer as honras da hospedagem aos que visitam aquela terra portentosa com o espírito preparado para compreender e admirar as maravilhas que povoam as suas cidades e ruínas. Por entre essas alas esplêndidas e fantásticas de quadros, estátuas e monumentos de todo gênero, deles orgulhosos de pé, outros prostrados pelo tempo e humilhados na poeira; e no meio do arruído e alvoroço da ressurreição de um grande povo, atravessou-a Odorico Mendes, e como verdadeiro peregrino da religião das musas, foi junto ao Pausilippo, em cumprimento de voto antigo, depor uma capela de flores sobre o túmulo do poeta amado.

Agora impossibilitado de voltar à pátria, cujo clima se não compadece com o estado de sua saúde, cuida em passar da Itália a Portugal, onde acabe os dias, e onde logre, diz ele, o inefável prazer de ouvir a sua língua falada pelo povo, e sinta ainda alguns toques de que a alma se comprazia na mocidade Homem moldado à antiga, a sua velhice sossegada e digna passa-se na prática de todas as virtudes, e na efusão dos sentimentos de amizade, indulgência, e brandura que sempre caracterizaram a sua alma afetuosa. Essa placidez porém nem é inerte e egoísta, nem estéril. Se a ocasião se depara, e as idéias, as palavras, e os sucessos vibram as cordas que tocam no amor da pátria e da liberdade, ou no ódio do crime e do vício, vê-lo-eis inflamar-se como nos dias da primeira mocidade e das grandes lutas, com que poderia repetir-se, e aplícar-se-lhe o dito da rainha, cujo lastimoso fim cantou na sua versão: Sente os vestígios da primeira chama.

É assim também que, quase aos sessenta anos de idade, para coroar dignamente uma carreira tão honrosa, empreendeu com juvenil ardor a tradução completa dos poemas de Homero — tarefa colossal que leva já em mais de meio, pois finda a da Ilíada, deu já princípio à da Odisséia.

O célebre filósofo e escritor estóico exclamava transportado — que não havia espetáculo mais digno dos deuses, que o do homem justo lutando com a adversidade. Se não tão grandioso, não é certo menos meritório o do homem de bem contente da medíocre fortuna, enchendo a vida tranqüila e proficuamante enquanto lhe ela dura, prestes a deixá-la sem pesar quando aproximar-se o derradeiro dia.

Este espetáculo consolador e cheio de ensino nos apresenta Odorico Mendes. Feliz o escritor a quem coube traçar as linhas singelas que servem de moldura à sua nobre imagem, se elas conseguirem fortalecer os sentimentos de estima e veneração de que sempre foi objeto entre os seus este homem distinto, cuja preciosa amizade faz o orgulho dos que a possuem, como a sua vida toda inteira honra a terra que lhe deu o berço.”

Notas

(1) Foi publicado em francês sob o titulo: — L’Oyapoc et l’Amazone. Question bresilienne et française. — 2 vol, Paris, 1861.

(2) Sobre as diferentes produções de Odorico Mendes e as edições que têm tido, veja-se no Dicionário Bibliógrafo do sr. Inocêncio Francisco da Silva, T. 6, pag. 72, o artigo respectivo, onde também o sábio e erudito escritor português em traços concisos e substanciais faz justiça ao elevado merecimento do brasileiro, e confessa nobremente o erro a que foi induzido acerca da verdadeira originalidade do Palmeirim de Inglaterra.

(3) Ambos estes juízos que extratamos se encontram em sua íntegra na edição do Virgílio Brasileiro de 1856, pag 2. e 797.

(4) Foi admitido por votação unânime, e sob proposta do sr. Antônio José Viale, em sessão de 23 de Outubro deste ano.

Sobre a Morte de Odorico

O SR. A. R. SARAIVA ESCREVEU O SEGUINTE NA “NAÇÃO”:

“Vejo na correspondência do Rio de Janeiro, ultimamente publicada pela 9ação, comemorada a perda que teve o Maranhão, de três de seus ilustres filhos, sendo um deles o meu amigo, já do tempo de Coimbra, Manoel Odorico Mendes, homem de não vulgar merecimento, e a quem a literatura portuguesa da América, — irmã ou antes filha da nossa literatura pátria, — deve mui valiosos serviços. Parece-me pois não deixarão de ler-se com seu interesse os seguintes particulares das últimas três ou quatro semanas da sua vida, e alguns outros que lhe tocam.

“Escreveu-me de Paris, onde tinha vindo residir há 16 anos (e onde se deu a sérios e assíduos estudos e trabalhos de literatura clássica) dizendo-me nos fins de Julho próximo passado, que antes de voltar ao seu país natal, para onde tencionava partir sem demora, desejava visitar Londres; e, sendo possível, alojar-se, pelos 15 dias que estaria aqui, na mesma casa onde eu moro, apetecendo que eu pudesse em parte servir-lhe de língua e direção (entendendo ele a língua inglesa escrita, mas não falava). Respondi-lhe afirmativamente, e com efeito aqui chegou em 7 de Agosto, acompanhado de sua irmã, que há muitos anos estava sempre com ele. Abracei-o com o prazer com que se abraça um amigo sócio da mocidade ao encontrá-lo na idade madura; recordamos coisas e pessoas da sociedade dos Amigos das Letras, de que ambos fomos sócios em Coimbra nos anos de 1822 e 1823, e outros fatos e circunstâncias do mesmo tempo, cujas lembranças tinha ainda muito mais frescas e exatas do que eu. Conversamos sobre a sua boa tradução de todo o Virgílio, a que deu o título de Virgílio Brasileiro; e por sinal que, com franqueza e docilidade característica, ele mesmo acusou e admitiu a razão, com que eu amigavelmente lhe criticara duas passagens na tradução das Bucólicas. Deu-me conta da viagem que fizera ultimamente à Itália em razão principalmente do culto quase religioso, que consagrava ao cantor da Æneas, cujo túmulo fora visitar em Pausilippo, com veneração e parcialidade não menores que as de Sílio Itálico. Referiu-me como fora presenciar em Petola (a antiga Andes, a aldeia perto do Mântua, onde nascera Virgílio) os mesmíssimos lugares, o mesmíssimo aspecto do país, em que se inspirava o gênio campestre do grande poeta latino. Falou-me de Roma, de Florença, de Nápoles, de Leorne, de Pisa; tendo residido principalmente nesta última sossegada cidade; por sua facilidade para estudos, e por sua posição central, havendo feito dela sua residência principal na Itália, e dali fazendo excursões a outros lugares de interesse. Facilmente se compreenderá como a conversação de homem tão clássico sobre coisas de tais lugares não podia deixar de possuir considerável interesse.

“Com justo sentimento de merecido triunfo, me disse ter concluído e aperfeiçoado, pronto para impressão o manuscrito da sua tradução de Homero — a que dava o título de Homero Brasileiro — e que ia fazer imprimir e publicar assim que regressasse ao Brasil; tendo a assembléia provincial do Maranhão, justamente reconhecida e obsequiosa ao mérito de seu compatriota, votado, e ele recebido uma soma suficiente, para a impressão da obra.

“Durante sua estada aqui visitou os objetos mais notáveis da cidade, e não com o frívolo e superficial espírito com que a maior parte dos visitadores hoje de Paris e Londres, etc., correm à pressa do hotel para o palácio de Cristal, ao jardim dos bichos, deste para as casas do parlamento, e abadia de Westminster, dali para o túnel, à noite para as figuras de cera, ou alguma sala dançante, e na manhã seguinte para o caminho de ferro e barco para Paris.

“Odorico quis observar primeiro o aspecto geral da cidade, em suas principais feições, tomando uma carruagem descoberta, e pedindo-me dirigisse eu a excursão; o que fiz, segundo seus expressados desejos; guiando-o às mais belas e notáveis partes da capital; ruas, praças, terraços, parques, pontes, etc., entrando mesmo, bem que de corrida, em alguns edifícios, como na bela e grande catedral católica de S. Jorge, e no Museu das Artes Kensington. Viu depois em detalhe as coisas mais interessantes, comigo, quando podia acompanhá-lo, ou com outros guias.

“Tinha finalmente determinado, com a precisão que punha em todas as suas coisas, partir de novo para França no dia 19 de Agosto, e a isso se preparara. Foi convidado a jantar, em 9orwood, perto do palácio de Cristal, no dia 17, por Sir Alexandre Reid, seu amigo e muito conhecido já do Brasil, que também me fez o favor de convidar-me ao mesmo tempo. Fomos, com efeito, Odorico, sua irmã e eu às horas competentes; ali passamos agradavelmente a melhor parte do dia, estando Odorico, no mais alegre humor e disposição aparente, durante o jantar e todo o mais tempo. Pelas 7 da tarde (ainda claro dia) partimos para voltar à cidade, pela ferrovia de Croydon que tinha uma estação ali perto. Teríamos andado um terço da distância (que toda ela não chegaria a duzentos passos) quando Odorico, que ia um pouco adiante com Sir A.

Reid, seguindo logo eu e a irmã, de repente começou a gemer e queixar-se, dolorosamente, de sufocação e dor no peito, podendo apenas ter-se de pé. Demos-lhe os braços eu e Sir A. Reid, e o fomos ajudando a chegar lentamente ao fundo de uma escada por onde ali se sobe ao plano da estação: parou um instante ao fundo da mesma escada, enquanto se lhe oferecia descanso, ou voltar à casa de sir A. Reid; mas, depois de curta hesitação, animou-se a subir a escada com certa precipitação, sustentando-lhe nós os braços. Ao chegar ao cimo mal podia ter-se, e se encostou por um pouco, gemendo, à grade de pau que guarnece o caminho até à estação, que está dez ou doze passos adiante.

Aí se assentou, esperando o trem, sempre sofrendo e gemendo; mas como outra vez lhe tinha já sucedido nos mesmíssimos lugares acidente e sofrimentos semelhantes, que logo depois passaram, julgámos e julgou ele também, que assim agora sucederia, e que, entrado na carruagem agasalhada, voltaria como da outra vez à casa sem maior inconveniente.

Nisto chegou o trem, e bem que o nosso amigo se achasse muito sofrendo, e lhe propuséssemos de descansar mais, e esperar outro trem que mui breve passaria, insistiu em partir sem detença; lavantou-se e entrou na primeira carruagem que se achava na frente, e que era da terceira classe; não atendendo ao dizermos-lhe, que os nossos bilhetes de retorno eram de classe melhor, e respondendo “não importa”, porque o sofrimento o apertava muito. Moveu-se o trem, e como aquela classe não tivesse vidros nas portinholas, era mui forte e incômodo para um doente assim a corrente do ar frio que o rápido movimento do trem produzia. Aproveitei, pois, a primeira paragem, que era de coisa da dous ou três minutos depois, para chamar um dos guardas, e transferir-nos a uma carruagem de primeira classe, mui cômoda e abrigada. Nesta continuamos a jornada por coisa de um quarto de hora mais, até à estação final — que bem final foi para o meu pobre amigo, o qual foi até ali sempre sofrendo, expectorando, e gemendo. Perguntando-lhe sua irmã, já perto do termo da jornada, se lhe doía o peito? respondeu, com certa impaciência — Doi-me tudo — e foram as últimas palavras que neste mundo proferiu.

“Dous minutos depois, e passadas as oito da noite, parou o trem na estação de Londres, e D. Melitina (a irmã) me disse ansiosa — “Veja se chama um dos guardas, que nos ajude a levar meu irmão a uma sala quente, a ver se lhe passa este mal.” — Saltei da carruagem; chamei o primeiro guarda que apareceu; voltei a entrar, tudo em menos de um minuto, e achei Odorico morto, bem que encostado, como se dormisse, ao canto da carruagem! Não sabendo porém ainda se com efeito era morto, tomei-lhe o pulso, e achei que todo o movimento do sangue tinha cessado. A irmã que estava de pé na maior ânsia me disse com hesitação — “Estará morto?” — Ao que respondi: — “Infelizmente creio que sim”.

“Pronto chegou médico ou cirurgião, que os empregados da Ferrovia mandaram à pressa vir; entrou na carruagem, tomou o pulso a Odorico, e sem dizer uma palavra desatou-lhe o lenço de seda preta do pescoço, e lhe atou com ele o queixo, pondo-se também a fechar-lhe os olhos. Esta linguagem de ação do facultativo era assaz expressiva; e a pobre D. Melitina a entendeu bem, ficando como fora de si, não querendo consentir que o cadáver se removesse da carruagem, e entregando-se pelo momento àquela intensa dor em que não tem poder a razão.

“Os empregados da estação foram os mais atenciosos, e pacientes que se pode imaginar; eu persuadi, e representei o melhor que pude; e finalmente, depois de considerável demora, tirou-se o corpo do veículo, e transferindo-se a uma espécie de leito portátil, levou-se a um lugar próprio; onde a polícia tinha de se encarregar do cadáver até se fazer o exame (inquest); depositando-se no entanto na casa dos mortos da paróquia.

“Aqui foi a grande dificuldade; pois os homens não podiam deixar sair o cadáver senão levado pela polícia; e D. Melitina não queria, no excesso de sua dor, separar-se de modo algum do corpo de seu irmão.

“Passaram boas duas horas antes que afinal a razão recobrasse na triste senhora o seu império. Fui no entanto comunicar da sua parte a Paris e a Narwood a triste notícia pelo telégrafo; e finalmente, perto das onze da noite, consentiu em deixar a estação, quis ir levar a funesta nova ao digno secretário aqui da missão do Brasil, o cavalheiro Aguiar de Andrade, chegando à casa dele bem depois das onze. Ele e sua amável esposa, convidaram, com a maior simpatia e bondade a D. Melitina a ficar com eles ao menos aquela noite, antes que voltar para uma casa inglesa, donde pela manhã tinha saído alegre com seu irmão. Assim se fez, e eu voltei à minha casa, passada meia noite, como se pode supor, depois desta singular partida de prazer e de luto! “No dia seguinte (18 de Agosto) fui indagar onde estava o corpo; e tive dificuldade em descobrir o sítio, daqui mais de uma légua e meia, num lugar e beco o mais escuso e retirado, onde, junto de um cemitério, estava a casa dos mortos daquela remota freguesia. A 19 fomos, eu e D. Melitina, assistir ao inquérito diante do magistrado competente (o Coroner) e seu jury; e depor, como testemunhas presenciais, das circunstâncias da morte. Estavam presentes igualmente os oficiais da Ferrovia que tinham removido o cadáver, e também o doutor que lhe atara o queixo.

“Do que eu disse, e do que disse o mesmo doutor, concluiu-se, que fora morte natural, por moléstia asmática do coração.

“Quis D. Melitina ir ver o corpo de seu irmão à casa dos mortos que ficava a considerável distância do lugar do inquérito; e ali com toda a cortesia nos conduziu o competente empregado da paróquia. Era este depósito dos mortos uma pequena casinha térrea, de telha vã, junto ao cemitério, com uma pequena porta velha. Dentro toda a mobília era um caixão de pau sobre uma mesa ou bancos de má-morte, e, se bem me lembro, um banquinho ou cadeira sobre que estava, mui bem dobrado, o fato exterior de Odorico. No caixão, sem tampa, estava em roupa branca o corpo, tão plácido o rosto, e sem mudança que mais parecia dormindo que morto. Este espetáculo renovou naturalmente a dor de D.

Melitina, que ali se deteve ajoelhada junto ao caixão por algum tempo meditando; enquanto eu rapidamente comparava no meu espírito, o Odorico de Coimbra, de Lisboa, de posições importantes e influentes na sua sua terra, nas câmaras do Brasil; o literato de Paris, de Itália, o de anteontem de manhã, ao jantar, à tarde com aquela massa inanimada e inerte, que ia logo apodrecer e dissolver-se, para não tornar a aparecer até ao dia de juizo? Sic transit, eu dizia! “Nesse mesmo dia fizemos vir o cadáver para a competente casa funerária, de um dos principais armadores, que se encarregou do funeral; e no dia imediato, 20, fomos fazer o enterro ao cemitério católico de Kensal Green; acompanhando e oficiando o excelente e reverendo padre Tourget, da capela francesa, fazendo a missão do Brasil as despesas do funeral.

“O Dr. Cros, genro de Odorico, e hábil médico em Paris, donde chegou na manhã do mesmo dia 20, assistiu com D. Melitina, com o cavalheiro Aguiar d’Andrada, e comigo, ao enterro de seu sogro, num dos melhores lugares do cemitério sobredito.

“Tanto D. Melitina como o Dr. Cros, pediram-me muito se pusesse alguma inscrição e memória sobre a sepultura de Odorico; e a missão do Brasil generosamente se prestou a pagar a despesa.

“Fiz, pois, que se pusessem à cabeceira e aos pés do jazigo lápidas tumulárias, com esta inscrição, em que me pareceu satisfazer aos desejos dos parentes do ilustre defunto: MAOEL ODORICO MEDES ASCEU EM S. LUIZ DO MARAHÃO, A 24 DE JAEIRO DE 1799: MORREU EM LODRES A 17 DE AGOSTO DE 1864.

SOB OS TITULOS DE VIRGILIO BRAZILEIRO E HOMERO BRAZILEIRO TRADUZIO EM VERSO PORTUGUEZ OS DOUS GRADES POETAS.

“Dizem-me ser muito provável que os seus compatriotas mandem trasladar para o Maranhão os ossos de Manoel Odorico Mendes; e também me afirmam, que S. M. o Imperador do Brasil vai mandar imprimir à sua custa a tradução de Homero que o mesmo Odorico acabava de concluir e aperfeiçoar.

“Creio que a 9ação dará gosto aos nossos amigos brusileiros, publicando estes autênticos particulares acerca de um homem que ao Brasil faz honra.

A. R. Saraiva.”

[MANOEL ODORICO MENDES]

No Dicionário Bibliográfico Português diz o Sr. Inocêncio Francisco da Silva o seguinte: “Manoel Odorico Mendes, comendador da ordem de Cristo no Brasil, Inspetor aposentado da Tesouraria da província do Rio de Janeiro; Deputado que foi à Assembléia Geral Legislativa do Império em 1824 a 1847; Membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro; da Sociedade Amante da Instrução, e da Sociedade Instrução elementar; Sócio honorário da Academia Imperial das Belas Artes do Rio de Janeiro; etc. Nasceu na cidade de S. Luís do Maranhão a 24 de Janeiro de 1799, e foram seus pais o capitão-mor Francisco Raimundo da Cunha, fazendeiro de Itapicuru, e sua mulher D. Maria Raimunda Corrêa de Faria. Tomou porém o apelido de Mendes de seu tio, padrinho e pai adotivo Manoel Mendes da Silva. “Concluídos na pátria os primeiros estudos, veio para Portugal com o desígnio de graduar-se na faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra; e aí fez inteiro o curso de Filosofia natural depois de ter estudado a Filosofia racional e moral, e língua grega. Não pôde porém, lograr o seu intento, em razão de inconvenientes que lhe sobrevieram, e que o obrigaram a voltar ao Maranhão em 1824.

O aspecto que então apresentavam os negócios politicos do país, o determinou a tomar neles parte ativa, redigindo por algum tempo o Argus da Lei, periódico que lhe adquiriu a confiança dos seus comprovincianos, e a nomeação de Deputado à primeira Assembléia Geral Legislativa do Brasil. Em 1826 foi no Rio de Janeiro colaborador de uma folha liberal, escrita pelo francês Pedro Chapuis, até que este houve de sair violentamente do Brasil por ordem do Sr. D. Pedro I. Associado aos deputados Vergueiro, Costa Carvalho e Feijó, que foram depois regentes do império, entrou na criação do jornal Astréa: e passando depois com o segundo dos nomeados para a província de S. Paulo, onde se introduzia pela primeira vez a tipografia, foi redator do Farol Paulistano, que obteve grande influência nas províncias do norte. Como não houvesse ali de princípio senão um único compositor, e esse de nação espanhola, viu-se até obrigado a trabalhar ele próprio como compositor, para vencer a publicação regular daquela folha! Mais tarde em 1839, redigiu conjuntamente com o falecido Aureliano de Souza Oliveira Coutinho, depois visconde de Sepetiba outro jornal político, a Liga Americana. As demais particularidades que dizem respeito a estes trabalhos, e ainda mais a intervenção que durante alguns anos exerceu nos sucessos e crises políticas do Brasil em suas diversas fases, até retirar-se para a Europa em 1847, devem aparecer expostas à luz pública em um estudo biográfico, que se espera sairá na Revista Contemporânea de Portugal e Brasil, preparado (a pedido da redação) pela hábil pena do seu patrício e amigo o Sr. comendador J. F. Lisboa, residente há anos nesta cidade em comissão do governo imperial. Além das folhas periódicas supra-indicadas e de artigos em prosa e verso, insertos em outros jornais políticos, tem publicado pela imprensa as seguintes composições: MEROPE, tragédia de Voltaire traduzida em Português. Rio de Janeiro. Typ, Nac. 1831, 8º de 86 pags. — Saiu com as iniciais de seu nome M. O. M. TANCREDO, tragédia de Voltaire traduzida em português. Rio de Janeiro. Typ. de Laemmert 1839. 8º de XVI—169 pags. (com texto em frente). — Saiu com as ditas iniciais. Estas versões são feitos em versos hendecassílabos. Consta que uma e outra foram reproduzidas no Arquivo Teatral do Rio de Janeiro, porém não me foi possível ver até agora os números respectivos. HINO À TARDE. Rio de Janeiro, 1832. Esta muito elogiada peça foi depois reimpressa na Minerva Brasiliense, tomo I, pag. 367, e ultimamente inserta juntamente com uma ode e um soneto do autor, na coleção de poesias, que sob o título de Parnaso Maranhense se publicou em 1861 no Maranhão, volume de VI—285 pags. nitidamente impresso de que obtive há pouco um exemplar por favor de meu amigo o Sr. M. de S. Melo Guimarães. Acham-se as ditas peças de pags. 210 a 216. Eneida Brasileira, ou tradução poética da epopéia de P. Virgílio Maro, Paris na Typ. de Rignoux 1854, 8º gr. de 392 pags

. — A cada um dos livros do poema seguem-se anotações criticas e filológicas do tradutor. A propósito desta tradução, disse o secretário do Instituto Histórico do Brasil, no seu relatório inserto na Revista trimensal suplemento do tomo XVIII, pag. 31: “A Eneida Brasileira tem já merecido e conquistado altos louvores dos mais imparciais e habilitados juízes: a unha do crítico severo poderá marcar uma frase menos bem interpretada, um pensamento que a alguns pareça obscuro; poderá fazer sobressair as imperfeições que inevitavelmente selam sempre a obra do homem; acreditamos porém que não haverá quem se lembre de disputar ao nosso compatriota a glória de ter enriquecido a nossa literatura com a melhor tradução da Eneida que se tem feito em português.” Passados quatro anos o autor publicou-a de novo, aumentada com o das obras restantes do épico latino, e sob o título seguinte: VIRGILO BRASILEIRO, ou tradução do poeta latino. Paris na Typ. de W. Remquet & C. 1858, 8º gr. de 800 pags. — Compreende este grosso e compacto volume (do qual possuo um exemplar, que seu autor se dignou de ofertar-me por intervenção do já citado Sr. J. F. Lisboa) depois de uma breve advertência ao leitor, um juízo crítico sobre a versão da Eneida, assinado pelo nosso distinto latinista o Sr. A. C. Borges de Figueiredo, e concebido nos termos mais lisonjeiros para a obra, concluindo o ilustre professor “ser opinião não só sua, senão de outros respeitáveis literatos, que esta tradução leva a palma a todas as traduções completas que do poeta latino até agora possuímos.”

Segue-se uma notícia acerca de Virgílio e de suas obras. Vem depois a Bucólica, seguida de notas a cada uma das éclogas; os quatro livros das Geórgicas com notas a cada um deles; e finalmente a Eneida que difere algum tanto da edição precedente, em razão das correções e aperfeiçoamentos que o autor lhe introduziu; ampliando igualmente as anotações respectivas, que repletas de erudição de toda a espécie, manifestam não só a sua vasta instrução, e o profundo conhecimento do idioma vernáculo, mas justificam o conceito que dele formam os que o reputam como escritor mais conciso entre os seus atuais contemporâneos de Portugal e do Brasil. Para dar uma prova dessa concisão, e o exemplo da prudente sobriedade com que dispõe dos recursos da linguagem quem dela possui um riquíssimo tesouro, acumulado à custa de talento e estudo, apresentarei o seguinte quadro comparativo do número de versos hendecassílabos portugueses, que na tradução de cada um dos livros da Eneida correspondem aos hexâmetros do original latino, tanto na primeira edição de 1854, como na segunda de 1858.

A pessoa de Homero está para sempre imersa nas trevas impenetráveis da lenda. Ignoramos quando viveu; não sabemos que terra privilegiada lhe ouviu os primeiros vagidos. Apenas nos conta que várias cidades da Iônia — e outras ainda — disputavam entre si honra tão subida. Uma tradição mais persistente e quiçá menos remota da verdade o dava como natural de Esmirna, onde teria nascido por volta do século IX ou VIII antes de Cristo; dizia mais que, embora natural de Esmirna, exercera a maior parte de sua atividade na ilha próxima de Quios, onde, efetivamente, em tempos históricos, lhe era prestado culto, e que mantinha uma escola de rapsodos chamados Homéridas, ou seja “descendentes de Homero”. Venerandas tradições representavam-no como um velho cantor, pobre e cego que, peregrinando de terra em terra, recompensava a quem o agasalhava com a declamação dos seus poemas. Mas este quadro é pura fantasia a que não corresponde personalidade individual. É apenas a figura idealizada dos rapsodos perambulantes, de que Homero era tido como protótipo. Se da pessoa do poeta nada sabemos, não é menos impenetrável o véu que encobre a composição dos poemas e sua autoria. Com efeito, já entre os antigos havia profundo desacordo no tocante às obras de que Homero teria sido autor; duvidavam se eram dele tanto a Ilíada como a Odisséia, ou apenas um destes dois poemas; e bem assim se lhe pertenciam ou eram de outros poetas as epopéias que integram o chamado ciclo épico — a Tebaida, os Epígonos, os Cantos Cíprios. Tudo isto deu origem a um grave problema, a que se costuma dar o nome de “questão homérica”, problema que deita as suas raízes já na própria antiguidade e que tem por objeto delimitar a produção genuína de Homero. A princípio, além dos Hinos e de poemas menores como o Margites e a Batracomiomaquia, eram, sem discriminação alguma, atribuídos a Homero quase todos os poemas do ciclo épico. Assim, por exemplo, o poeta elegíaco Calino, que viveu no século VII antes de Cristo, dava Homero como autor da Tebaida. Mas com o despertar da crítica entre os próprios Gregos, aos poucos o cenário se foi modificando, devido, em especial, à influência dos sofistas e dos historiadores iônio-áticos no século V A.C., e ao ensino dos gramáticos alexandrinos. Heródoto, por exemplo, atribuía ainda a Homero a Tebaida, mas hesitava quanto aos Epígonos e aos Cantos Cíprios. Só no século IV, em princípio do período alexandrino, o patrimônio de Homero ficou geralmente restringido à Ilíada e à Odisséia, não tanto por motivos históricos quanto em virtude de considerações estéticas: os poemas do Ciclo eram apreendidos como obra de arte inferior e produto de inspiração diferente. Mas, dentre os gramáticos alexandrinos, alguns, como Zenão e Helânico — impugnados, a este respeito, por seu ilustre contemporâneo Aristarco de Samotrácia — foram mais longe e chegaram a negar a Homero a própria Odisséia, por este poema lhes parecer mais recente que a Ilíada; separavam, pois, uma da outra as duas grandes epopéias, sendo, por isso, alcunhados de “separatistas”, k horizontes. A maior parte dos outros gramáticos, seguindo na esteira do celebérrimo Aristarco, julgaram poder joeirar os poemas homéricos, e do elemento fundamental, genuíno, separavam acréscimos adventícios e partes de autenticidade controvertida, sem falar em interpolações de versos ou grupos de versos.

Reacesa nos tempos modernos, a questão homérica tomou novo aspecto, muito mais sério, em conseqüência de pungente dúvida que fugira aos antigos — a dúvida relativa à própria existência pessoal de Homero. O primeiro em levantar a suspeita foi o abade francês Fr. Hedelin d’Aubignac em suas Conjectures académiques ou dissertation sur l’lliade, publicadas em 1715, mais de meio século após a morte do autor, e que, naquela época, passaram quase por completo despercebidas. Seguiu-se-lhe o italiano G. B. Vico em Scienza 9uova (1725) e finalmente, com mais apreciável resultado, Frederico Augusto Wolf, cujos Prolegomena ad Homerum são de 1795. Todos eles, baseados em razões históricas, filológicas ou estéticas, sustentaram e tentaram demonstrar, por processos embora diferentes, que os chamados poemas homéricos não constituem obra pessoal de determinado poeta, mas enfeixam numerosas composições de aedos anônimos e até mesmo do próprio povo grego em seu período lendário de gestas e heroísmo. Assim Homero foi reduzido a mero símbolo e seu nome foi considerado seja como simplesmente alegórico, seja, quando muito, como o nome de um dos supostos autores primitivos, quiçá de todos o principal, seja, por fim, como o nome do compilador definitivo de rapsódias tradicionais.

A teoria era destinada a encontrar favorável acolhida nesse primeiro despertar do romanticismo, que, na poesia de épocas obscuras e barbáricas, descobria as manifestações da índole dos povos, a emancipação do estro popular, a geração espontânea das grandes epopéias nacionais.

Dos ensinamentos de Wolf surgiu toda uma escola de filólogos que desfrutaram incontestável predomínio no século XIX. Estes desagregaram em mil maneiras a unidade quer da Ilíada, quer da Odisséia, dominados pela obsessão de discriminar a contribuição parcial de cada um desses inumeráveis cantores e reconstituir os poemas primitivos — esses poemas que, segundo o conceito predominante na corrente filológica do tempo, um compilador qualquer, talvez chamado Homero, teria simplesmente amalgamado em um todo artificial. Hoje, vão-se desvanecendo aos poucos as teorias de Wolf; em geral, não por acrisia, mas por nova atitude crítica, refletida e consciente, volta-se a admitir a unidade fundamental dos dois poemas que, vistos à luz de sua inspiração poética e em sua coerência artística e espiritual, não podem resultar da fusão mais ou menos feliz de poemas diversos. Que nos poemas homéricos como em todos os poemas hajam confluído materiais preexistentes, que neles, por exemplo, estejam elaboradas as breves e vetustas canções eólicas que se nos deparam na fase evolutiva inicial da epopéia, a ninguém deverá fazer estranheza; mas este material pressuposto nada tira ao valor criativo daquele que efetivamente compôs quer a Ilíada, quer a Odisséia em sua forma atual. Em obra de arte, fator essencial é a “forma”, cunho privativo e insubstituível do gênio. A pesquisa das fontes, se é legítima e até mesmo oportuna, não deve exorbitar da própria esfera. Igualmente, torna-se a acreditar na existência de Homero considerado não já como simples rapsodo, como cantor apenas de um episódio, como autor do núcleo originário de uma das epopéias ou de ambas, senão como o poeta genial que criou aquele todo unitário. Está hoje em plena decadência o conceito romântico da poesia nascida do povo — conceito de que, ou consciente ou inconscientemente, manava toda a crítica desagregadora de Homero. Já não se admite que uma obra de arte possa ser criação coletiva de um povo e possa derivar de outra fonte que não seja uma determinada individualidade artística. Ora esta individualidade se manifesta sem dúvida alguma tanto na Ilíada como na Odisséia. Questão diferente — secundária — é a de saber se é um e o mesmo o autor de ambos os poemas. Nem tão pouco nos assiste direito algum de lhe tirarmos o nome de Homero, que lhe atribui a antiguidade. De sua pessoa, nada nos refere a história, que em seu tempo não existia; nada nos diz o próprio poeta, todo absorto na contemplação mística que ele reanima ante nossos olhos com objetividade perfeita. Sua existência, em todo caso, não será anterior ao século IX-VIII A.C.. É autor da Ilíada, e talvez da Odisséia que, no caso negativo, deverá ser considerada a mais feliz criação da escola fundada pelo sumo poeta, cujos discípulos, os Homéridas, seguindo-lhe as pegadas imortais, urdiram a rede complexa do ciclo épico da Iônia antiga. Tanto a Ilíada como a Odisséia constam de vinte e quatro livros ou cantos. Esta divisão, conquanto não primitiva, talvez seja anterior aos gramáticos alexandrinos, a que se costuma atribuir.

* * *

A Ilíada é a epopéia da conquista de Ílio, nome com que, na mais remota antiguidade, era designada a cidade de Tróia. Em poucas linhas, é o seguinte seu entrecho. Causa da guerra foi, segundo a lenda, o fato de Páris, filho de Príamo, rei de Tróia, haver raptado a jovem Helena, esposa do príncipe grego Menelau. Já corria o décimo ano da guerra, quando se produz violento dissídio, nos arraiais helênicos, entre o jovem chefe tessálico Aquiles e o poderoso rei de Argos, Agamemnon, comandante supremo de todos os Helenos ou Aqueus confederados para conquistar Ílio. Agamemnon rapta a Aquiles a jovem cativa Briseida, que lhe fora dada em prêmio de seu valor e à qual dedicava profundo afeto. Aquiles, dominado da mais violenta indignação, declara que, dora em diante, tanto ele como seus valentes guerreiros Mirmidões hão-de desistir da luta, enquanto a mãe dele, a deusa marinha Tétis, consegue de Zeus, supremo regedor dos homens e dos numes, a promessa de que fará pagar caro a afronta feita ao herói. Com efeito, Agamemnon, enganado por sonho falaz de Zeus, se apronta para desfechar sem Aquiles o ataque decisivo. Antes de tudo, tenta, pouco oportunamente, as disposições do exército, onde, por pouco, alastra a revolta, sofreada graças a Ulisses, que fustiga o insolente e rebelde Tersites e lembra o oráculo dado por Calcas em Áulis, segundo o qual Tróia devia cair após dez anos de sítio. Abalando os dois exércitos adversos para o campo da luta, Heitor, herói principal dos Troianos, propõe que a sorte da guerra seja decidida mediante um duelo entre seu irmão, o formoso Páris, raptor de Helena, e o rei de Esparta e irmão de Agamemnon, Menelau, que, para reaver a esposa, coligara contra a Ásia todas as forças da Grécia. Neste imponente cenário, aparece o venerando rei de Tróia, Príamo que, ladeado dos filhos Heitor e Páris e da própria Helena, contempla do alto de uma torre o exército grego e cada um de seus chefes, apontados por Helena. O duelo, no entanto, não leva ao desempate operado porque Páris, no momento de sucumbir, é arrebatado, envolto em nuvem, por sua protetora Afrodite e um frecheiro aliado dos Troianos, Pândaro, fere traiçoeiro a Menelau com uma frecha. Então se desencadeia furiosa batalha (cantos V-VII). Sente-se que os Troianos, culpados de traição, devem levar a pior. Estão para vencer os Aqueus, dentre os quais especialmente Diomedes, amparado por Atena, faz prodígios, chegando mesmo a ferir Afrodite e Ares, protetora de Tróia. Heitor corre por um instante à cidade para ordenar à sua mãe Hécuba e às demais mulheres que tentem com preces aplacar a adversa Atena, e, junto às portas Ceias, se encontra com sua mulher Andrômaca e o filhinho Astianax — encontro comovedor todo impregnado de trágicos presságios: sente-se que o herói deve sucumbir, que a sorte de Tróia está selada. Voltando ao campo da luta, Heitor suspende as hostilidades, desafiando a combate singular os heróis gregos. Ajax é escolhido. Mas tão pouco este duelo é decisivo, porque, antes de ele terminar, sobrevém a noite e é concluído um armistício. Os Aqueus aproveitam-se dele para sepultar os seus mortos e erguer um baluarte ao redor das tendas. E logo, de súbito, ao romper da aurora, reacende-se nova batalha, que dura o dia todo (canto VIII) e termina desastradamente para os Aqueus, pois, desamparados de suas divindades, têm que acolher-se ao baluarte. Os Troianos, de tarde, acampam, ameaçadores, a pouca distância na planura. Assim, por entre vicissitudes, vem-se cumprindo a promessa de Zeus; os Aqueus são castigados da ofensa feita a Aquiles.

E assim termina o que se pode considerar a primeira parte do poema, que abrange os cantos I-VIII, ou seja exatamente um terço da epopéia.

Durante a noite, Agamemnon é tomado de remorso e, sem esperar pela aurora, a conselho de Nestor, manda a Aquiles uma embaixada composta de Ulisses, Ájax e o velho Fênix. Mas Aquiles é inexorável. Durante a noite ainda, dois dos principais guerreiros gregos, Diomedes e Ulisses, para mostrar que a coragem não desapareceu nos arraiais helênicos, tentam uma incursão no acampamento troiano. Em seguida, pela manhã, reacende-se a batalha mais longa e furiosa do que nunca. É a terceira batalha da Ilíada que, através muitas peripécias, enche os cantos XI-XVIII. Os Aqueus, postos em fuga e perdido seu baluarte, recebem inesperado auxílio do deus marinho Posídon e da consorte de Zeus, Hera, que, com astúcia feminina, consegue adormentar no monte Ida, o divino esposo. Mas logo este, acordando, restitui a vitória aos Troianos, que já se precipitam para os navios inimigos, a atear-lhes fogo. Na iminência do perigo, Aquiles, implorado, entrega as próprias armas ao amigo Pátroclo, permitindo-lhe que, revestido com elas, desça ao campo á testa dos Mirmidões. E Pátroclo acorre e acossa os Troianos, perseguindo-os — contra a proibição de Aquiles — até às muralhas de Tróia, onde é morto de uma lançada desferida por Heitor. Em torno do cadáver, acende-se viva luta; as armas invencíveis são conquistadas por Heitor, mas Ájax arranca o cadáver aos inimigos e o leva às tendas. Então solta terríveis bramidos o desespero de Aquiles, que, sem armas, ao cair da noite, com seu grito possante, afugenta os Troianos.

E aqui termina a segunda parte do poema, de extensão pouco mais ou menos igual à primeira, e que abrange os cantos IX-XVIII. Na terceira e última parte (cantos XIX-XXIV), narra-se a volta de Aquiles ao combate e a vingança que ele toma do matador de seu amigo Pátroclo. Provido de novas armas, fabricadas por Hefesto a pedido de Tétis, reconciliado com Agamemnon, que lhe restitui Briseida, o valoroso guerreiro se atira à frente dos mais. Fere-se a quarta e definitiva batalha do poema (cantos XX-XXII), na qual, por expresso consentimento de Zeus, tomam livremente parte céu e terra, homens e deuses. Aquiles vence a Eneias, trucida muitos dos inimigos, aferrolha a fúria do rio Escamandro e chega às portas de Ílio, onde o próprio Heitor, tomado de terror invencível, deita a fugir em corrida desabalada, acossado por Aquiles. No encalço, os dois guerreiros dão várias vezes a volta da cidade e por fim Heitor, condenado pela Fatalidade, pára, e, em combate singular, é morto ante os olhos dos seus. Do alto das muralhas de Ílio, Andrômaca vê o cadáver do marido atrozmente arrastado pelo carro do vencedor, que, inteiramente tresloucado pela sede de vingar a morte do amigo, celebra com jogos solenes os funerais de Pátroclo. Mas no fim do poema, ao encerrar-se o último canto da Ilíada — de todos o mais humano, porque, na visão lastimosa das tristes vítimas da sanha guerreira, purifica as atrocidades das paixões belicosas — o velho Príamo vem, de noite, pedir o cadáver do filho em termos tão comovedores que suas palavras constituem uma obra-prima da arte oratória. Aquiles, comovido, atende à prece do venerando ancião, e o poema termina com a narrativa confortante e pacificadora das honras fúnebres prestadas ao herói inimigo que caiu gloriosamente em defesa da pátria.

* * *

Por fim, algo deveríamos dizer no tocante à versão portuguesa da Íliada. Preferimos, no entanto, furtar-nos ao difícil encargo. Toda obra-prima de qualquer literatura é constituída pelo consórcio indissolúvel da idéia com a expressão verbal que a reveste. Não se traduz. Quando muito, será possível substituir uma obra-prima por outra de valor idêntico ou, quiçá, mesmo superior, No caso de Homero mais que em qualquer, traduttore há-de ser, fatalmente, traditore. Por isso contentamo-nos com augurar que a presente tradução portuguesa da Ilíada desperte ca espíritos de escol o desejo de se habilitarem a apreciar no próprio texto os versos intraduzíveis do imortal cantor da Hélade.

Canta-me, ó deusa, do Peleio Aquiles
A ira tenaz, que, lutuosa aos Gregos,
Verdes no Orco lançou mil fortes almas,
Corpos de heróis a cães e abutres pasto:
Lei foi de Jove, em rixa ao discordarem
O de homens chefe e o Mirmidon divino.

Nume há que os malquistasse? O que o Supremo
Teve em Latona. Infenso um letal morbo
No campo ateia; o povo perecia,
Só porque o rei desacatara a Crises.

Com ricos dons remir viera a filha
Aos alados baixéis, nas mãos o cetro
E a do certeiro Apolo ínfula sacra.

Ora e aos irmãos potentes mais se humilha:
“Atridas, vós Aqueus de fina greva,
Raso o muro Priâmeo, assim regresso
Vos dêem feliz do Olimpo os moradores!
Peço a minha Criseida, eis seu resgate;
Reverentes à prole do Tonante,
Ao Longe-vibrador, soltai-me a filha.”
Que, aceito o preço esplêndido, se acate
O sacerdote murmuraram todos;
Mas desprouve a Agamemnon, que o doesta
E expele duro: “Em cerco às naus bojudas
Não me apareças mais, quer ouses, velho,
Deter-te ou retornar; nem áureo cetro,
Nem ínfula do deus quiçá te valha.

Nunca a libertarei, té que envelheça
Fora da pátria, em meu palácio de Argos
A urdir-me teias e a compor meu leito.

Sai, não me irrites, se te queres salvo.”
Taciturno o ancião treme e obedece,
Busca as do mar flutissonantes praias.

Ao que pariu pulcrícoma Latona
Afastando-se impreca: “Arcitenente,
Ouve, Esminteu, que Tênedos enfreias,
Crisa proteges e a divina Cila,
Se de festões colguei teu santuário,
Se de cabras e touros coxas pingues
Te hei queimado, compraze-me os desejos,
A tiros teus meu choro os Dânaos paguem.”
Febo, a tais preces, arco e aljava cruza,
Do vértice do céu baixa iracundo;
Vem semelhante à noite, e a cada passo
Tinem-lhe ao ombro as frechas. Ante a frota
Suspenso, a farpa do carcás descaixa,
Terrível o arco argênteo estala e zune:
Moles primeiramente a cães e a mulos,
Depois com vira acerba ataca os homens,
De cadáveres sempre a arder fogueiras.

As tropas dias nove asseteadas,
Ao décimo as convida e ajunta Aquiles;
Inspiração da bracinívea Juno,
Que seus Dânaos morrer cuidosa via.

Ele, em pinha o congresso, velocípede
Se alça e diz: “A escaparmos, julgo, Atrida,
Retrocedermos errabundos cabe:
Peste os nossos consome e os ceifa a guerra.

Eia, adivinho, arúspice, ou de sonhos
(Jove os envia) conjector se inquira,
Que explique a ofensa do agastado Febo:
Se a votos e hecatombes lhe faltamos;
Se, para desarmar-se, olor de assados
Cordeiros nos reclama e nédias cabras.”
A seu lugar tornou. De áugures mestre,
No passado e presente e porvir sábio,
Surgiu Calcas Testórides, que a Tróia
Por influxos de Apolo as naus guiara,
E concionando exordiou prudente:
“Mandas-me, ó caro a Júpiter, o agravo
Do grã frecheiro expor. Aqui prometas
Com braço e voz cobrir-me: o fel eu temo
Do amplo-reinante que domina os Graios;
E ao fraco se um monarca ódio concebe,
Cose-o e concentra, enquanto o não sacia.

Tu me assegura.” — “Afouto, brada Aquiles,
Vaticina. Por Febo, a Jove grato,
A quem rogas e oráculos te ensina,
Nenhum, desfrute eu vivo o térreo aspecto,
Nenhum violentas mãos te porá, Calcas;
Nem que seja Agamemnon, que entre Aquivos
De mais prestante e augusto se ufaneia.”
Anima-se o bom velho: “Sacrifícios
Nem votos pede Apolo; em nós o ultraje
Punindo vai do Atrida, que ao ministro
O livramento rejeitou da filha;
Nem grave a destra poupará castigos,
Se não reverte a jovem de olhos pretos,
Sem resgate ou presente, ao pai querido,
Remetendo-se a Crisa uma hecatombe.

Com isto por ventura o deus se aplaque.”
O áugur mal se abancava, o rei soberbo,
Senhor pujante, merencório ergueu-se:
Raiva as entranhas lhe intumesce e afuma,
Cintila a vista em brasa; esguelha a Calcas
Tétrico cenho: “Desastroso vate,
Nunca essa boca aprouve-me: o teu ponto
É pregoar desditas; nem palavra
Nem obra tens que preste. Agora os Dânaos,
Pena-os Febo em vingança da retida
Criseida em quem me inflamo, a quem pospunha
Clitemnestra gentil que esposei virgem,
Que não lhe cede em garbo, engenho e prendas.

Pois mais convém, liberta a restituo;
Sadio o anseio, não padeça o povo.

Mas preparai-me um prêmio; eu só dos Gregos
Dele excluído ser não me é decente;
O meu, testemunhais, me foi roubado.”
Controverte o Peleio: “Vanglorioso
Avidíssimo Atrida, que outra paga
Exiges dos magnânimos Aquivos?
Por dividir ignoro onde haja espólio;
Partiu-se o das cidades saqueadas;
Hoje um novo sorteio é repugnante.

Ao deus concede-a; recompensa triple,
E quádrupla terás, quando o Satúrnio
Derrocar nos outorgue a excelsa Tróia.”
Retorque o rei: “Se és bravo ó divo Aquiles,
Com dolo e subterfúgios não me enganes:
Possuis tua cativa, eu perco a minha;
E impões que de perdê-la me contente?
Meu peito satisfaçam de igual prenda
Os liberais Aqueus; senão, teu prêmio,
De Ulisses ou de Ajax, trarei comigo:
Amargará quem for. Sobrestejamos
Nisto por ora. Ao pélago deitemos
Negra nau bem remada, que transporte
A hecatombe e Criseida esbelta e linda.

Um dos cabos, Ajax, o egrégio Ulisses,
Idomeneu comande-a, ou tu Pelides,
Tremendíssimo herói, para que Apolo
Nos tentes granjear com sacrifícios.”
“Ah! como, o vulto fecha e estronda Aquiles,
Vulpina alma sem pejo, a teus acenos
Há quem marche a conflitos e emboscadas?
Não vim bater os valorosos Teucros
Por queixa pessoal: corcéis nem reses
Me furtaram, nem agros destruíram
Da altriz guerreira Ftia; entre nós muita
Serra medeia opaca e o mar sonoro.

Viemos, cão protervo, para em Tróia
A Menelau e a ti lavar a nódoa.

Alardeias, ingrato, e nos desprezas;
Audaz cominas arrancar-me a escrava,
A dádiva de Aqueus por tantas lidas.

Caia Ílion famosa: embora o peso
Da guerra em mim carregue, o mais opimo
Quinhão terás; com pouco eu volte a bordo
Sem boquejar, de choques fatigado.

A Ftia me recolho e os meus navios,
Já que aviltas a mão que de tesouros
A fome te fartava: eu te abandono.”
“Foge, Agamemnon replicou-lhe, foge,
Se é teu prazer; que fiques não te imploro:
Honram-me outros, e em Júpiter confio.

Dos reis alunos dele és quem detesto;
Só respiras discórdias, rixas, pugnas.

Tens valor? agradece-lho. Os navios
Recolhe e os teus; nos Mirmidões impera:
Não te demoro; esse rancor desdenho.

Priva-me de Criseida Febo Apolo:
Em nau minha esquipada vou mandá-la.

À tenda hei de ir-te mesmo, eu to previno,
Tomar-te a elegantíssima Briseida;
Sentirás em poder como te excedo,
E outrem se me antepor e ombrear trema.”
Chameja o herói, no hirsuto peito volve
Se de ante o fêmur desbainhe o estoque
E por entre os Aqueus lho embeba todo,
Ou se o furor no coração reprima.

Já meia espada a cogitar sacava:
Eis da alva Juno, que os escuda e preza,
Por ordem Palas desce, e aos mais invisa,
Atrás o aferra pela flava coma.

Volta-se ele espantado e a reconhece
Pelo medonho olhar, e sem demora:
“A que vens ó do Egífero progênie?
A assistir aos convícios de Agamemnon?
Pois to declaro, e conto já fazê-lo,
Tem de acabar a vida esse orgulhoso.”
E a déia olhicerúlea: “Vim, de acordo
Com Juno albinitente, amiga de ambos,
Comedir-te e amansar. Anda, em palavras
Tu desabafa, a lâmina embainha.

Por esta injúria, to predigo certo,
Inda haverás em triplo insignes prêmios.

Sê-nos pois dócil, a paixão modera.”
“Cumpre, o fogoso torna-lhe, é cordura
Mesmo irado curvar-me a tais preceitos:
Quem se submete, os deuses mais o escutam.”
Logo a pesada mão no argênteo punho
Conteve, encasa e esconde o gládio horrendo.

Ela a Júpiter se ala e às mais deidades.

Não deposto o furor, contra Agamemnon:
“Ébrio, acérrimo Aquiles vocifera,
Cara de perro e coração de cervo,
Nunca te armas e à liça te abalanças,
Nunca às ciladas os homens acompanhas:
Isto te é morte. Em vasto acampamento,
Sim, mais vale esbulhar os que te arrostam:
Cobardes reges, vorador do povo;
Senão, tanta insolência aqui findara.

Por este cetro juro, que estroncado
Jamais rebentará, pois na montanha
Folhas e casca cerceou-lhe o gume;
Por este, que os Grajúgenas arvoram
Do justo guarda e das leis divinas,
Juro, Atrida, é solene o juramento,
Suspirarão sem falta por Aquiles;
Nem lhes serás de auxílio, quando em barda
Esse Heitor homicida os vá segando.

Então de raiva e nojo hás de comer-te,
Porque o maior dos Gregos rebaixaste.”
Nisto, arrojando o cetro auricravado,
Sentou-se. O Atrida em cólera abafava.

Nestor Pílio intervém, de cuja língua
Doce eloqüência mais que o mel fluía.

Dos falantes que, nados na alma Pilos,
Criaram-se com ele, idade duas
Decorridas, reinava na terceira.

Discreto e afável, o discurso tece:
“Numes eternos, oh! que luto à Grécia!
Oh, que júbilo a Príamo e seus filhos!
Folgue Ílio à nova de que assim litigam
Os de mor pulso e tino. Obedecei-me,
Sou velho, ó moços. Tido em boa conta
Com melhor que vós me dava outrora.

Varões vi nunca, nem verei, qual Drias
Das gentes regedor, Ceneu e Exádio,
Um Pirítoo, um divo Polifemo,
Teseu Egides a imortais parelho.

Outros como estes não nutria a terra:
Feros pugnaram trucidando a feros
Montícolas Centauros. Lá de Pilos,
Da Ápia eu vinha rogado; conversava-os,
Quanto era em mim nas lutas me exercia.

Ninguém dos vivos de hoje os contrastara;
Atendiam contudo os meus conselhos:
Atendê-los vos praza. Ao mais estrênuo
Tu não tomes dos nossos a só paga;
Nem de ao rei contravir, Pelides, cures;
Dos eleitos que Júpiter estima,
Cetrígero nenhum se lhe equipara:
Mãe deusa te gerou, valor te sobra;
Tem ele mais poder, que impera em muitos.

Eu to suplico, Atrida, a fúria amaina,
Sê brando para quem nesta árdua empresa
É baluarte e escudo aos Gregos todos.”
E Agamemnon: “Com tento nos falaste,
Reto ancião. Primar quer sempre esse homem,
Poderio se arroga, e eu não lho sofro.

Se os imortais invicto o constituíram,
Permitem-lhe por isso os impropérios?”
“Fraco eu seria e vil, o atalha Aquiles,
Se inda me sujeitasse: os mais o aturem;
Cesse em mim teu domínio, eu to recuso.

Digo, e na mente o grava: ao retomardes
Meu galardão, contigo nem com outrem
Pendência travarei; mas não me toques
Al do que encerro em leve bojo escuro.

Ousa-o; que saberão como o defendo
Como em teu sangue impuro ensopo a lança.”
Finda a rixa, o congresso Aqueu dissolvem.

O herói para seu bordo retirou-se,
A escolta e o seu Menécio. Ao mar o Atrida
Baixel deita, e remeiros vinte elege;
Conduz no embarque a nítida Criseida,
Mais a hecatombe: sob o cauto Ulisses
Fendem rápido as úmidas campinas.

Com lustrações o exército Agamemnon
Expurga e n’água a lavadura atiram;
Cabras e touros cento a Febo ao longo
Do inesgotável pego sacrificam:
Monta ao céu pingue cheiro envolto em fumo.

Ali mesmo efeitua o chefe Argivo
Sua ameaça; dous arautos chama,
Taltíbio e Euríbate, expeditos servos:
“Ide ao Pelides e agarrai-me a escrava;
Aliás, mais agro transe, à força aberta
A formosa Briseida eu vou tirar-lha.”
E com ríspidas ordens os despede.

O infrugífero mar cercando invitos,
Junto ao real e à capitânia quedo,
Entre os seus Mirmidões na praia o acharam:
Por certo não gostou de os ver Aquiles.

De assombro estacam, nem tugir se atrevem
Ante o herói formidável, que o percebe:
“Salve, núncios de Jove e dos guerreiros;
Sus, não vos culpo, arautos. Agamemnon
Vo-lo ordenou. Vai tu, celeste aluno,
Vai por ela, Pátroclo, e a moça levem.

Aos mortais, ao rei sevo, às divindades,
Vós mo atesteis, se for mister meu braço
A desviar dos outros a vergonha...

Que furor cego! alheio do presente,
O porvir não prevê, nem como os Dânaos
Das naus sem risco em derredor pelejem.”
Da tenda, à voz do amigo, traz Pátroclo
E entrega-lhes Briseida fresca e bela,
Que os seguiu pesarosa à esquadra Argiva.

Só, carpindo-se, Aquiles na espumante
Beira ficou-se; o ponto azul esguarda,
As palmas tende e à boa mãe recorre:
“De curta vida, ó Tétis, me pariste;
Sequer me engrandecesse o Altipotente;
Mas ele não me outorga a menor glória.

Em meu despeito o soberano Atrida
Arrebatou-me o prêmio e dele goza.”
Ao pé do anoso pai, lá no áqueo fundo
Sentiu-lhe o pranto a veneranda ninfa:
Da salsa espuma, como névoa, surde;
Conchegada ao Pelides lamentoso,
Com mão fagueira consolando o anima:
“Choras? que ânsia te aflige? Nada encubras,
Comunica-me, filho, as penas tuas.”
Do íntimo o celerípede suspira:
“Sabes; que val dizer-to? A sacra Tebas
De Eetion depredada, o espólio todo
Arrecadou-se, e em regra o dividimos:
Teve o Atrida a pulquérrima Criseida.

Remir a filha com riqueza imensa
Do Longe-vibrador veio o ministro
Às lestes naus de cobre encouraçadas;
Nas mãos faixa Apolínea e o cetro de ouro,
Roga e aos dous potentados mais se abate:
Que, em reverência ao cargo, se receba
O esplêndido resgate, áfio aprovam;
Menos o Atrida, que o repulsa e afronta.

Parte o velho indignado; e o deus que o ama,
Dele a instâncias, vibrou feral contágio,
De que a gente em cardumes fenecia,
Pestíferas as setas rechinando
Por todo o exército. Eminente vate
O oráculo solveu-nos; e eu primeiro
A apaziguar o nume exorto os sócios.

Furente ergue-se o rei, minaz fulmina,
E não debalde; que olhi-espertos Gregos
Em ágil nau Criseida reconduzem
Com pios dons, e arautos mesmo agora
Do pavilhão transferem-me a donzela
Que os Dânaos me doaram. Tu, que o podes,
Socorre o filho, ao grã Tonante ascende;
Se o já serviste com palavras e obras,
Hoje o depreca. A mim no pátrio alvergue,
De única blasonavas que entre os deuses
Preservaste o nubícogo Satúrnio
Do feio opróbrio, quando, à frente a esposa
E Minerva e Netuno, o encadearam:
Mas tu, madre, lhe acorres e o desprendes,
Convocas em auxílio o Centimano,
Que é nos céus Briareu, na terra Egéon.

Mais robusto que o pai, da honra altivo,
De Jove a par se teve, e de assustados
Os imortais do empenho desistiram.

Recorda-lhe isto, abraça-lhe os joelhos:
Que ajudar queira os Troas; que os Aquivos,
Té às popas e ao mar cerrados, paguem
Por seu tirano e a maldizê-lo expirem.

O amplo-dominador confesse a culpa
De insultar o fortíssimo dos Gregos.”
E em lágrimas a déia: “Ai! Filho, como
Te amamentei gerado em hora infausta?
Oh! se de mágoa ileso a bordo fosses!
Urge-te a Parca, e mais que todos penas:
Malfadado nasceste em régios paços.

Em paz, nas prestes naus, teu ódio ceves;
Que hei-de ao nevoso Olimpo ir ver se dobro
Quem se deleita com trovões e raios.

Ele e sua corte, às abas do Oceano,
De inocentes Etíopes desd’ontem
A mesa logram. No dozeno dia,
Ao voltar à mansão de aênea base,
Revolvida a seus pés tocá-lo espero.”
Nisto, sumiu-se-lhe e o deixou raivando
De o desfalcarem da mulher garbosa.

De Crisa em funda barra entrava Ulisses.

Ferram-se as velas, no atro bojo as metem;
Enxárcias afrouxando, o mastro arreiam;
A remo aportam, a âncora seguram,
E atadas as rajeiras, desembarcam;
Pós a hecatombe do arci-argênteo Febo,
Da sulcadora nau saiu Criseida.

No altar o sábio Ulisses a apresenta,
Vira-se ao pai querido: “Aqui mandou-me,
Crises, o rei dos reis trazer-te a virgem
E estas cem reses com que o deus mitigues
Que em dores nos soçobra.” Alvoroçado
O velho ao peito ansioso aperta a filha.

A perfeita hecatombe então colocam
Em torno da ara; e, os dedos já lavados,
Pegam do salso bolo. O sacerdote
Orando eleva as palmas: “Se a meus rogos,
De Tênedos Senhor, ó tu que amparas
Crisa e a divina Cila, em desagravo
O campo Argeu feriste, hoje me escuta,
Remove a peste que devora os Dânaos.”
Febo o escutou. Completa a rogativa,
Esparso o farro, à vítima o pescoço
Vergam atrás, e degolada a esfolam;
Cérceas as coxas, no redenho envoltas,
Cobrem-nas vivas postas. Ao tostá-las
Crises na lenha tinto baco asperge:
Qüinqüedentado espeto lhe sustinha
Cada servente. Provam-se as fressuras,
Já combustas as coxas, e em tassalhos
A mais carne enroscada assam peritos,
E a obra é feita. Apronta-se o convívio:
Ninguém do seu quinhão queixar-se pôde.

Exausta a sede e a fome, das crateras
Coroadas almo vinho os moços vertem;
Cada qual auspicando os copos liba.

Por captarem favor, o dia inteiro
Jovens Dânaos entoam ledo péan,
E seus cantos o deus regozijavam.

Cedendo o sol à treva, ao pé repousam
Do amarrado navio, e assim que alveja
A aurora dedirrósea, o porto largam.

Ereto o mastro, as pandas brancas velas
A brisa enfuna que o certeiro Apolo
Bafeja, e a ressoar cerúlea vaga
Do buco em derredor, cortava a quilha
O páramo salobre. No abordarem
O arraial dos Aqueus, varado em seco
Sobre longos rolhões o bruno casco,
Por tendas e outras naus se repartiram.

Sempre enfadado nos baixéis, o ardente
Generoso Pelides na assembléia
De heróis não comparece ou nas batalhas;
Do ócio porém seu coração ralado,
Almeja o alarma e pela guerra brame.

Ao duodécimo dia, à casa etérea,
Em testa Jove, os numes se encaminham.

Dos mares Tétis, sem que olvide o filho,
Surgindo matutina, ali se alteia;
Semoto encontra o providente Padre
No fastígio do Olimpo cumioso;
Pára, da sestra prende-lhe os joelhos,
Da destra o mento afaga, e assim lhe implora:
“Se entre imortais, senhor, te fui profícua
Por dito e ação, preenche-me este voto:
Orna a meu filho a vida, já que é breve;
Que o rei possante o assoberbou de insultos
E retém-lhe o só prêmio. Glorifica-o,
Ó pai celeste; aos Frígios dá vitória,
Té que de honras os Dânaos o acumulem.”
O anuviador calou-se, e ela mais insta:
“Pois que receias? ou concede ou nega;
Que a deusa ínfima sou prove-se agora.”
Do imo geme o Tonante: “É mau que incites
A com seus ralhos molestar-me Juno,
Que, assídua em me aturdir perante os numes,
Desses Troianos parcial me acusa.

Vai-te, ela não te enxergue. A mim o tomo:
Do certíssimo aceno entre as deidades,
Selo à minha promessa irrevogável.”
Então franze as cerúleas sobrancelhas,
da cabeça imortal sacode a coma,
E estremece abalado o imenso Olimpo.

Obtido o fim, do éter puro Tétis
Pula ao mar, e o Satúrnio à régia passa.

Nenhum dos deuses o esperou sentado;
Vão respeitosos cortejá-lo todos.

Ele entronou-se; e Juno, que aventara
Da Nereida argentípede o segredo,
Assaltando o invectiva: “Quem, doloso,
Fora de mim se conluiou contigo?
Sempre agradam-te ajustes clandestinos;
Nunca um só pensamento me descobres.”
E o rei supremo: “Em penetrar não cuides
Arcanos meus; esposa embora sejas,
Penosos te serão. Nem deus nem homem
Quanto ouvir devas me ouvirá primeiro:
Mas o que a parte no ânimo concebo,
Não mo perguntes, nem mo inquiras, Juno.”
A augusta irmã contesta: “Que proferes?
Jamais pergunto nem te inquiro nada;
A teu sabor tranqüilo deliberas.

Mas temo te seduza, ó cru Satúrnio,
A branca filha do marinho velho:
Madrugou-te abraçando-te os joelhos;
E suspeito anuíste a que ante a frota
Sucumbam Dânaos por amor de Aquiles.”
Redargúi o que as nuvens amontoa:
“Ruim maliciosa, eu não te escapo;
No desagrado meu com isso incorres.

Trago pior terás; que lucro esperas?
Se é verdade o que dizes, foi meu gosto.

Não mais, submissa em teu lugar sossega:
Se as mãos te calmo invictas, pouco importa
Que te acudam do pólo os moradores.”
A olhitáurea, tremente e silenciosa,
Volve a seu posto, na alma a dor sopeia;
Os demais carregaram-se tristonhos.

Por consolar a bracinívea madre,
Vulcano ínclito fabro assim começa:
“É praga intolerável que aos Supremos
Questões humanas alvoroto excitem;
Se o mal grassa, os festins seu preço perdem.

À mãe discreta aviso a que amacie
Meu pai dileto; a repreensão de novo
Não nos turbe as delícias do banquete:
Pois, se tal se lhe antoja, o Onipotente
Destes assentos nos derriba a todos.

Sim, com ternos obséquios o acarinhes:
Plácido ele nos seja.” E em tom mais baixo;
Duplicôncava taça, erguido, oferta:
“Paciente, cara mãe, sufoca o anojo;
Estes olhos batida ah! não te vejam.

Meu zelo e meu pesar que prestariam?
Contra o fulminador árduo é lutarmos.

No acorrer-te uma vez, do pé travado,
Precipitou-me do limiar divino.

Toda a noite rolei na imensidade;
A Lemnos, posto o Sol, fui ter exânime,
E os Síntios ao cair me agasalharam.”
Sorrindo, a clara déia o copo aceita.

Pela destra, em redor, seu filho aos numes
Da cratera entornava o doce néctar.

Os beatos celícolas romperam
Numa infinita cachinada, quando
Vulcano a escancear se azafamava.

É já tarde, e regalam-se os convivas
De iguais porções de opíparos manjares.

Tange na lira Apolo, e as Musas cantam
Com suave cadência e melodia.

Dês que a diurna luz desaparece,
Desencostados, cada qual procura
Seu domicílio no esplendente alcáçar,
Do coxo mestre fábrica estupenda.

O fulgurante Olímpio ao toro sobe,
Onde usa o meigo sono acometê-lo;
Dorme-lhe em braços a auritrônia Juno.

NOTAS AO LIVRO I

As repetições de Homero se reduzem a duas classes: ora, por exemplo, manda Júpiter um recado, que o messageiro dá pelos mesmos ou quase pelos mesmos termos; ora, juntam-se epítetos, que por continuados às vezes podem enfastiar. Conservo as primeiras como próprias da singeleza do autor, e porque nelas se assemelha aos antigos da Bíblia. Quanto às segundas, procedo assim: trato do verter os epítetos com exatidão e nos lugares mais apropriados; isto feito, omito as repetições onde seriam enfadonhas. Ainda mais: vario a forma de cada epíteto, ou me sirvo de um equivalente: em vez de Aquiles velocípede, digo também impetuoso, rápido, fogoso; e assim no demais. Note-se que os adjetivos gregos, terminando em casos diversos, não têm a monotonia dos nossos, que só variam nos dois gêneros e nos dois números. — Rochefort apoda do pueril o empenho de variar: não sei como quem andava sempre agarrado ao rabicho da cabeleira de Boileau e de Racine, se levantou contra a variedade no estilo, que um recomenda e pratica o outro. Se vertêssemos servilmente as repetições de Homero, deixava a obra de ser aprazível como é a dele; a pior das infidelidades. Com isto não quero fazer a apologia das paráfrases: aspiro a ser tradutor.

1—2. Falando de Aquiles, ou de Enéias, ou de Heitor, indiferentemente uso de Pelides ou Peleio, de Anchisiada ou Anchiseo; de Priamides ou Priameo ou Priameio: a razão é que Pelides, por exemplo, significando o filho de Peleu, e Peleio o que pertence a Peleu, segue-se que Aquiles é Pelides por ser filho de Peleu, e é Peleio, por ser pertencente a Peleu; segue-se mais que o Pelides é sempre Peleio, porém não vice-versa. O mesmo raciocínio se aplica exatamente aos mais nomes semelhantes, inumeráveis em Homero. — Menin, por onde principia o poema, é ira tenaz, ira não passageira; o nosso termo desacompanhado não o verte cabalmente. Rancor é ódio encoberto, que não vai bem com a franqueza de Aquiles. Cólera é ira súbita com amarelidão no rosto; não indica a permanência da paixão do herói. Ressentimento, além de poder ser oculto, não exprime a constante irritação. Despeito, que em certo modo se lhe aproxima, tendo contraído uma acepção mais usual, carece da energia do grego. Furor, ou fúria, por impetuoso não é durável. Raiva é mais dos outros animais e pareceria dizer que estava como um cão danado. Sanha, segundo Fr. Francisco de S. Luiz, é ira que se mostra nos gestos e nas contorções do rosto. Assim, posto que em dados casos qualquer destes vocábulos se possa aplicar a Aquiles, não o pode ser à paixão que nutriu longamente e às claras, Foi-me pois necessário ajuntar o objetivo tenaz.

Não creiam porém que as principais línguas da Europa (não falo da alemã, da qual nada pesco) possuem um termo que salve a dificuldade: o correaux dos franceses é por ventura o que mais se lhe chega; mas como dele não se tem servido os seus tradutores, temo que lhe falte alguma coisa imprecetível a um estrangeiro. — O mais notável é que nisto falha o mesmo latim: Virgílio, devendo enunciar a idéia, criou o seu memorem Junonis ob iram; de sorte que a pobreza da sua língua neste ponto o fez inventar uma expressão admirável, como o são a maior parte das que se encontram neste mestre incomparável do estilo. 30—48. A’ntioõsan tem o ambíguo sentido de participar ou de tratar do leito; o nosso compor, igualmente. — A’rgoùs traduzo por moles, contra os que enxergam aqui uma antífrase e o tomam por ligeiros. Não vejo precisão de antífrase; pois, sendo a moleza o primeiro sinal da peste nos animais, o adjetivo, não de simples ornato, exprime a observação de Homero. Veja-se a pintura da peste do 3º das Geórgicas.

196. — Verteu Rochefort: “Rei embriagado de orgulho, cuja audácia pérfida junta aos olhos de um leão o coração de um cervo tímido.” A mudança de cão em leão, como o disfarce do verso correspondente ao 159 do original, vem do decoro de convenção, que às vezes esfriava os melhores engenhos do século de Luiz XIV, exceto Moliére e Lafontaine. O poeta não dissimulava que a ira, mesmo nos heróis, quebra todas as barreiras; não compassava as paixões pelo tom adotado nas cortes e salões modernos; via com olho igual veados, leões e cães, nem chamava o porco animal que se nutre de bolotas. M. Giguet, Monti e poucos mais, não se deixaram levar deste fútil escrúpulo.

287. — Salve, do verbo salveo, nós o adotamos nas saudações, mas invariável para o singular e para o plural. Os Latinos diziam salve, salvete, solveto, salvetote; conforme o número e a pessoa; nós usamos da fórmula salve em todos os casos, tomando-o como se fosse uma interjeição: desagradáveis seriam em nossa língua as outras vozes, nem há exemplo do seu uso.

494. — Boõpis, mui repetido, significa de olhos grandes ou de olhos bovinos, bem que a última acepção falte em vários lexicógrafos. A segunda refere-se à primeira: Juno é de olhos bovinos, por tê-los bonitos e rasgados; pois tais são os da novilha. Olhitáurea ou olhitoura chama Filinto a Juno, à imitação do poeta Grego. Sirvo-me do epíteto em todos os sentidos, por variedade.

LIVRO II

Deuses e campeões a noite os lia;
Só vela o Padre, a ruminar de que arte
Levante Aquiles e escarmente os Gregos.

A Agamemnon soltar por fim resolve
Um maléfico Sonho, e o chama e apressa:
“Voa, Sonho falaz, do Atrida às popas;
Quanto prescrevo, exato lho anuncia:
Que arme os crinitos Graios e as falanges,
De extensas ruas a cidade expugne;
Que, intercedendo Juno, o Céu concorde
Ameaça de ruína a excelsa Tróia.”
De cor este recado, o Sonho parte
Às naus ligeiras, e acha o Atrida preso
Do sono, que lhe cerca e embebe a tenda.

À cabeceira, os traços do Nelides
Nestor vestindo, a quem o Argeu potente
Mais do que a todos venerava, o argúi:
“Dormes, de Atreu guerreiro ó nobre filho?
E dorme em cheio o próprio em quem descansa,
A quem do exército o cuidado incumbe?
Escuta; mensageiro eu sou de Jove,
Que de longe em ti pensa e te lastima:
Arma os crinitos Graios e as falanges,
De extensas ruas a cidade expugna;
Por Juno o Céu concorde, a mão suprema
De iminente ruína ameaça Tróia.

Estas expressas ordens não te esqueçam,
Do melífico sono ao despertares.”
Eis some-se, e o rei fica em devaneios
De ir assolar de Príamo a cidade;
Ignora o que o Satúrnio lhe maquina,
Suspiros e aflições que em duros transes
A Troianos e Aquivos se aparelham.

Acorda, e em torno inda a visão lhe soa:
Sentado, a nova túnica luzente
Mórbida enfia, embrulha-se no manto,
Liga as sandálias que nos pés lhe fulgem,
Do ombro suspende a claviargêntea espada,
Cetro paterno empunha incorruptível;
Passa da tenda aos bronzeados bucos.

Do Sol embaixatriz à corte Olímpia,
A Aurora abria; com pregões o Atrida
Os comados Grajúgenas convoca,
E à voz canora dos arautos correm.

Primeiro, ante o baixel do rei de Pilos,
Os príncipes longânimos consulta:
“Sócios, visão divina eu tive à noite;
Era Nestor em talhe, em gesto e porte.

À minha cabeceira, assim me increpa:
— Dormes, de Atreu guerreiro ó nobre filho?
E dorme em cheio o próprio em quem descansa,
A quem do exército o cuidado incumbe?
Escuta; mensageiro eu sou de Jove,
Que de longe em ti pensa e te lastima:
Arma os crinitos Graios e as falanges,
De extensas ruas a cidade expugna;
Por Juno o Céu concorde, a mão suprema
Em Tróia pesa. O mando não deslembres. —
E evolou-se a visão, deixou-me o sono.

De armar a gente o meio imaginemos.

Quero apalpá-la, intimarei que fujam
Nossas naus; de propósito espalhadas,
Persuadi vós outros o contrário.”
Ei-lo assentou-se, e da arenosa Pilos
O cordato reinante em pé discorre:
” Da Grécia esteios, príncipes e amigos.

Se outrem, que não do exército o cabeça,
Tal sonho referisse, de mentira
O tacháramos todos impugnando:
Grave é seu testemunho e irresistível.

Arme-se a gente; examinemos como.”
Larga o velho o conselho, e o mesmo fazem,
Obsequiando ao maioral dos povos,
Cetrados reis. A multidão fervia:
Quais de oca pedra, em sucessivos bandos,
Brotam nações de abelhas, pressurosas
No multíplice adejo, e em cachos pousam
Do verão sobre as flores; tais, brotando
De naus e tendas, sobre a vasta praia
Grupos e grupos à assembléia afluem.

Pica-os a Fama, que enviara Jove;
Cresce a balbúrdia, arengam, tumultuam.

Do tropel freme a terra, o estrondo ecoa.

De arautos nove a brados, o alarido
Lá cede à voz dos reis, do Olimpo alunos.

Cala a turba e se abanca; alçou-se o Atrida.

O seu cetro esculpiu Vulcano a Jove,
Que ao de Argos matador brindou com ele,
E ao cavaleiro Pélope Mercúrio;
Atreu régio pastor houve-o de herança:
Depois coube a Tiestes pecoroso;
A Agamemnon Tiestes o transmite,
Com a Argólida inteira e bastas ilhas.

Neste se apóia, e rápido se explica:
“Ó fâmulos de Marte, amigos Dânaos,
Enreda-me o Satúrnio em lance infesto:
Selou que, Ílio extirpada, eu regressasse;
Hoje enganoso, tanta vida extinta,
À pátria exige que eu reverta inglório.

Do prepotente é gosto, cujo braço
Pujante há mil cidades derrocado,
E mil derrocará. Mancha indelével!
Ressoe no porvir que inumeráveis,
Sem êxito nenhum, travamos guerra
Com tão poucos varões; pois, lealmente
Ferida a paz, e os Troas computados
E em decúrias os Gregos, vinho um Troa
Vertesse a cada Grego, faltariam
Escanções a muitas decúrias:
Tanto julgo aos de Tróia sobejamos.

Porém grandes cidades a auxiliam,
Bravas lanças brandindo, que, mau grado,
Reparos seus desmoronar me tolhem.

De Júpiter nove anos decorreram,
Lenhos já podres, cabos já delidos;
E em casa à espera esposas e filhinhos
Talvez estão. Da empresa desistimos;
Assim nos é forçoso: velas dadas,
Volte-se ao ninho pátrio; não podemos
Ílio soberba conquistar; fujamos.”
Isto comove os corações estranhos
Ao privado conselho, e se afervoram,
Quais do Icário as maretas que Euro e Noto,
Fendendo a Jove as nuvens, encapelam.

Como ao volúvel Zéfiro a seara
Cicia em ondas, a assembléia toda
Se atira às naus com militar celeuma,
E à marcha o pó se enrola e o céu remuge.

Da volta ansiosos, em limpar caneiros
E em deitá-las ao pélago porfiam.

As quilhas, dos rolhões desimpedidas,
Iam partir, contra a fatal vontade
Se não se dirigisse a Palas Juno:
“Quê! do Egíaco prole, em fuga os nossos
Traçam por entre o equóreo dorso imano
Rever a pátria, a Príamo o triunfo
E aos dele abandonando Helena Argiva,
Por quem tantos em Tróia hão perecido
Longe da mesma pátria? Ah! com doçura
Os Dânaos suadindo eriarnesados,
Coíbe homem por homem, que não desçam
Ao mar nenhum baixel que a remo vogue.”
A olhigázea Minerva incontinente
Lá do pino do Olimpo se despenha;
Baixa à frota veloz, de Ulisses perto:
Sisudo como Jove, em dor imerso,
Na embarcação, de apelamento pronta,
Pausado nem tocava; e a deusa o aborda:
“Generoso Laércio, astuto Ulisses,
Em bem providas naus fugis, a palma
A Príamo deixando e em Tróia Helena,
Por quem já pereceram tantos Gregos
Longe da pátria? Sem tecer demoras,
Revista o exército, e com brandas vozes
Coíbe homem por homem, que não desçam
Ao mar nenhum baixel que a remo vogue.”
Ele a compreende, e arremessando a capa,
Que, Ítaco e arauto seu, lhe apanha Euríbate,
Ao quartel se encaminha de Agamemnon;
Toma-lhe o cetro avito. As naus perlustra
E Aqueus de ênea loriga; e, se encontrava
Magnata ou rei, dulcíloquo o detinha:
“Quê! Trepidas, varão? Teu posto guarda,
Sossega as tropas. O ânimo do Atrida
Sondaste acaso? Agora os Gregos tenta,
E breve os punirá. Nem tudo ouvimos
Do que expôs no conselho. Contra os nossos
A cólera do rei quiçá dispare.

Jove ao trono o moldou, Jove o protege.”
Mas, se topa um plebeu vociferando,
Lhe imprime o cetro e grita: “Ímprobo, cal-te;
Atende aos superiores. Néscio e ignavo,
No alvitre és nulo, és nulo nas pelejas.

Pois tantos reinaremos? Dana e empece
De muitos o primado: um rei domine,
Que houve este cetro e o jus do deus supremo.”
E assim refreia a chusma. A congregar-se
De naus e tendas outra vez ruíam
Estrepitosos, qual batendo as praias
Muge horríssima vaga e o mar reboa.

Quietos já, Tersites inda gane,
Petulante motino que, de inépcias
Pleno o bestunto, contra os reis verboso
Alterca e à soldadesca excita o riso:
Dos cercantes feiíssimo, era manco,
Vesgo e giboso, e tinha o peito arcado
E em pontuda cabeça umas falripas;
Mordia sempre a Ulisses e o Pelides,
Cego de inveja; estruge então com ladros
O rei dos reis e a todos afeleia,
E quanto mais se indignam mais braveja:
“Atrida, que te falta? A rodo os bronzes,
Tens contigo mulheres que, ao rendermos
Qualquer cidade, escolhes o primeiro.

Que inda cobiças? ouro que te oferte
Éqüite Frígio em remissão do filho,
Quer o eu traga em prisões, quer outro Grego?
Ou moça que se mescle em teus amores
E apartada retenhas? É miséria
Ser escândalo aos súditos. Voguemos,
Gregas, não Gregos, raça mole e inerte:
Cá permaneça e o que tragou digira;
Aprenda se de ajuda ou não lhe somos
Quem, de baldões coberto o mais valente,
A escrava arrebatou-lhe. Ah! se o Pelides
Não remitisse a cólera e afrouxasse,
O teu descoco, Atrida, último fora.”
Assim contra Agamemnon blasfemava.

Carregado no vulto, o assalta Ulisses:
“Pare a cantiga, charlator Tersites,
Abarbar-te com reis tu só não queiras:
Escória dos sectários dos Atridas,
Na língua os teus balofa e audaz censuras?
Vil pela fuga opinas: duvidamos
Se é bem, se é mal, que efeito isso produza;
Mas porque vituperas Agamemnon,
O maior potentado, nos é claro:
De heróis te pesa dádivas receba.

Guar-te que eu te inda veja em tais loucuras:
Fora mesmo a cabeça tenha Ulisses,
Nem pai do meu Telêmaco me chamem,
Se não te agarro e dispo-te os vestidos,
Capa, túnica e o mais que o pudor vela,
Se, da assembléia expulso e azurragado,
Choramingando às naus te não remeto.”
Na espádua eis o fustiga: ele se encolhe
E lagrimeja à dor; sangrento as costas
Lhe incha o vergão do cetro; indo sentar-se,
Pávido e oblíquo olhando, enxuga as faces;
Do afogo em meio espraia-se a risada.

Um virou-se ao vizinho: “À fé, que o douto
Conselheiro sagaz, na guerra instruto,
Nunca entre Aqueus obrou com tanto acerto,
Como açaimando agora esse palreiro,
Que os reis há-de poupar de escarmentado.”
Sussurra o vulgo, e em pé de cetro acena
O de cidades vastador Ulisses;
De arauto em forma a deusa olhicerúlea
Impõe silêncio nas fileiras todas,
Para que simultâneo o sábio aviso
Do eloqüente orador nos Dânaos cale:
“Querem-te, ó rei dos reis, que o labéu sejas
Dos falantes mortais, os que a ti mesmo
Juraram não rever da Grécia os campos,
Sem que de Ílio as muralhas destruíssem:
Qual ou pobre viúva ou criancinha,
Da casa estão chorando com saudades.

Após fadigas tais, regresso triste!
Longe um mês da mulher definha o esposo
Em nau remeira, de invernais marulhos
Retardada: nove anos devolvidos,
Como estranhar ao povo a impaciência?
Porém se é torpe, amigos, a demora,
Não o é menos tornarmos de vazio.

Constância um pouco mais, e averigüemos
As predições de Calcas: bem nos lembram;
Testemunhai-me, todos vós da Parca
Redimidos fatal. Inda ontem, Gregos,
Não foi que em Áulis congregou-se a frota
Contra Príamo e Tróia? Ante uma fonte,
No imolarmos completas hecatombes,
De um plátano frondoso, donde mana
Límpida veia, surge grã prodígio:
Drago horrendo, malhado em sangue o lombo,
(À luz o Olímpio sumo o expediu mesmo)
Do supedâneo da ara deslizando,
Ao plátano rojou. Nele acoutadas
Sob a rama oito implumes avezinhas,
Novena a mãe fagueira as aninhava.

Pipitando era dó se debaterem,
Quando ele as engolia, e a mãe carpindo
Em torno revoar; última o drago
Da asa lhe trava e súbito a devora.

Mas, durante o holocausto, em pedra o muda
Quem o mandara; e a nós, emudecidos
E extáticos do horrífico portento,
Calcas vaticinou: — Comantes Graios,
Estupefatos sois? Previsto Jove
Daqui nos prognostica um tardo evento,
Se bem de glória eterna. As oito implumes,
E nona a mãe, tragou-as a serpente:
Forçoso é pelejar por tantos anos,
Mas ao dezeno cairá Dardânia. —
A profecia é tal, cumprir-se deve.

Eia, grevados sócios, persistamos,
Té sucumbir a soberana Tróia.”
Um geral grito, horrendo retumbando
Pelas côncavas naus divino o aclama.

Presto o Gerênio: “Discursais, oh! pejo,
Fracos meninos da milícia alheios.

Onde a jurada fé? Tem gasto o fogo
Viris projetos e consultas, pactos
Que as libações e as destras consagraram?
Disputas vãs! o tempo aqui perdemos.

Cessem palavras: como sempre, Atrida,
Rege firme os combates. Apodreçam
Em ócio os raros díscolos; mas nunca
Tornar conseguirão, sem deslindarmos
Se nos falseia o egífero Satúrnio:
Ele anuiu, no dia em que embarcamos
De Ílio trazendo o fado em naus veleiras,
E à destra fulgurou, propício agouro.

Com a esposa de um Teucro antes que durma,
Rapto e mágoas de Helena assim vingando,
Nenhum se apresse; e quem, da fuga amigo,
De crenado baixel tocar nos bancos,
O mortal trago provará primeiro.

Agamemnon, reflete e os bons escuta,
Nem este meu alvitre, ó rei, desdenhes:
Divisa em tribos toda a gente e em cúrias,
Socorra cúria a cúria e tribo a tribo.

Coadjuvem-te os Dânaos; que, seu braço
Na ação mostrando cada qual, o esforço
Distinguirás do chefe ou do soldado;
Se obstam os deuses a que expugnes Tróia,
Ou dos teus a imperícia e cobardia.”
Respondeu-lhe Agamemnon: “Consumado
Na eloqüência, ó Nestor, superas todos.

Júpiter, Palas, Febo, quem me dera
Dez conselheiros tais! Breve arrasadas
As muralhas de Príamo seriam.

De pesares transbordo! Em lide amarga
Pelo Satúrnio imersos eu e Aquiles,
Acres sobre a donzela contendemos;
Primeiro eu me irritei. Se inda o congraço,
Num só momento acabará Dardânia.

Ide comer, que pelejar nos cumpre:
Afilem-se hastas, lustrem-se rodelas;
Bem fartos os sonípedes, os coches
Bem revistados, cuide-se na guerra;
É sacro o dia todo a Marte sevo.

Depois, nem trégua nem repouso, enquanto
A noite resfriar o ardor não venha:
Quente o suor do escudo a soga banhe,
Pulsos fatigue o menear da lança,
Ao carro terso o corredor espume.

Porém se algum, para fugir à pugna,
Eu souber se desleixa em nau rostrada,
Aos abutres e cães fugir não conte.”
Alteia-se um clamor, qual de onda equórea
Que arroja Noto sobre aguda penha,
Sempre de opostos ventos combatida:
Já se levantam; pelas tendas lume
Acendem logo, a refeição preparam;
Cada Argivo a seu nume ofrenda, roga
Livre-o da morte e bélicos perigos.

Ao pai sumo Agamemnon sacrifica
Pingue touro qüinqüene; os mais conspícuos,
Nestor em frente e Idomeneu, convida;
Um e outro Ajax, Diomedes; sexto Ulisses,
No siso igual a Jove: per si mesmo
Vem Menelau guerreador, ciente
Dos generosos fraternais cuidados.

Com seus bolos nas mãos, a rês circundam,
E ora o chefe de heróis: “Senhor etéreo
Das cerrações, glorioso onipotente,
Antes que o sol transmonte e assome a treva,
Dá-me o esplêndido paço, em brasa as portas,
A Príamo assolar; de Heitor ao seio
Romper a brônzea túnica, e de rastos
Os seus em torno dele a terra mordam.”
Sem que anua, lhe aceita a oferta Jove,
E aumenta o afã. Perfeita a rogativa,
Esparso o farro, à vítima o pescoço
Vergam atrás, e degolada a esfolam;
Cérceas as coxas, no redenho envoltas,
Vivas postas em cima, esgalhos secos
As vão tostando. As vísceras ao fogo
No espeto enroscam; mas, provadas estas,
Já combustas as coxas, em tassalhos
A mais carne enfiada assam peritos.

Finda a obra, adereça-se o banquete,
E das iguais porções nenhum se queixa.

Exausta a sede e a fome, assim perora
O picador Gerênio: “Ó rei sublime,
Augustíssimo Atrida, ócios quebremos,
Urge a façanha que nos fia o Padre:
Os arautos na praia, eia, arrebanhem
Emalhados Aqueus; pelo amplo exército
Vamos nós despertar mavórcios brios.”
Agamemnon concorda, e arautos manda
O assalto apregoar: crinita gente
Convocada referve; os circunstantes
Reis da escolha de Jove as linhas formam;
A gázea Palas a imortal embraça
Égide incorruptível, donde pendem
Cem franjas de áurea tela, cada franja
Do preço de cem bois: de fila em fila
A vibrá-la, os Aquivos apressura
A pugnar valorosos e incessantes;
E combater então lhes foi mais doce
Que à pátria regressar. Como edaz fogo,
Selva imensa abrasando em serranias,
Longe fulgura; a hoste assim marchava
Entre aêneo esplendor, que inflama os ares.

Como, aleando em batalhões volúveis,
Por Ásio pasto, em cerco do Caístro,
Ora uns, ora outros a avançar, exultam
Gansos ou grous ou colilongos cisnes,
E o grasnido confuso atroa o prado;
Assim da frota e pavilhões as turbas
Ali se esparzem, do tropel medonho
De homens e de corcéis rebrama a terra;
Tantos as veigas do Escamandro pisam.

Quantas folhas vernais ou flores brotam.

Quais erram moscas pelo estio, quando
Nos tarros do pastor esguicha o leite;
É tal no plaino a soma desses Dânaos,
Do sanguíneo triunfo ambiciosos.

Mas, de inúmeros fatos nos pastios
Se o cabreiro separa as notas crias,
Seus soldados na ação discerne e alinha
Cada chefe. Exalçava-se Agamemnon:
O Tonante emprestou-lhe o porte e os olhos,
Netuno os peitos, a cintura Marte.

Entre novilhas armental o touro
A fronte eleva: Júpiter não menos
Fez que o primaz Atrida aquele dia
Entre celsos varões se abalizasse.

Oh! Celícolas Musas, inspirai-me;
Sois deusas e na mente abrangeis tudo:
Roçou-nos único o rumor da fama.

Nem que dez bocas, línguas dez houvesse,
Voz infrangível, coração de bronze,
Pudera eu memorar quantia e nomes
Dos que às plagas Ilíacas vieram:
Isso às filhas do Egífero compete.

Vou pois enumerar as naus e os cabos.

Os Beócios governa Peneleu,
Protenor, Clônio, Leuto e Arcesilau:
De Aulide pétrea, Esqueno, Téspia, Escolo,
Da Serrana Eteone íncolas eram,
De Híria, Graia e espaçosa Micalesso;
Ou de Hile, Harma, Elíola, Hésio, Eritas,
Péteon, Ocaleia, Eutresis, Copas,
Da columbosa Tisbe e torreada
Medeona; ou de Glissa e Coroneia,
Da virente Haliarto e de Plateias,
Ou de Hipotebas de edifícios nobres;
Mais do aprazível Netunino luco,
Ou de Mideia e de Arne pampinosa,
Da augusta Nissa, Antédona postrema.

Cada Beócia nau, de umas cinqüenta,
Guerreiros tripulavam cento e vinte.

Os da Minieia Orcómeno e de Asplédon
São com Iálmeno e Ascálafo, que a Marte
Pariu de Actor Azida em casa Astíoque:
À interna alcova da pudica virgem
O deus subiu furtivo e entrou com ela.

Naus destes filhos abordaram trinta.

Sob Epístrofo e Esquédio, nado insigne
De Ífito Naubolides, os Focenses,
Quer de Píton fragosa e augusta Crissa,
Daulida, Ciparisso e Panopeia,
De arredores de Hiâmpole e Anemória,
Quer do ilustre Cefisso, ou de Lilaia
Dele matriz, em galeões quarenta,
Dos Beócios à esquerda os colocaram.

Não como o Telamônio alto e membrudo,
Pequeno em corpo e o seu jubão de linho,
Mas no dardo excedendo Aqueus e Helenos,
O lesto Ajax de Oileu movia os Lócrios,
De Cino, Escarfe, Opóente e Calíaro,
De Bessa a Angeia amena habitadores,
De Tarfe e Trônio, às abas do Boágrio:
Dos que d’além da sacra Eubéia moram,
Seguem-lhe a voz quarenta escuros vasos.

Eubéia expede Abantes alentados:
São de Estira e Caristo, Erétria e Cálcis,
De Histieia racimosa, Dio alpestre
E litoral Cerinto. O Calcodôncio
Príncipe Elefenor, de Márcia estirpe,
Em quarenta galés os petrechara;
Ágeis, forçosos, de comada nuca,
Destros na hasta fraxínea e aos tresdobrados
Peitos hostis em desfazer couraças.

Os da orgulhosa Atenas (corte egrégia
De Erecteu magno, da alma Télus parto,
A quem Palas Dial, que o educara,
Deu sede em ricas aras, onde o povo
De lustro em lustro imola e de ano em ano
Cordeirinhos e bois que a deusa abrandem)
Capitaneia-os Menesteu Petides.

Homem nenhum como ele ordenar soube
Jungidos carros e adargadas hostes,
Salvo o experto Nestor por mais longevo.

Cinqüenta embarcações lhe obedeciam.

De Salamina as doze, reuniu-as
O Telamônio às Áticas falanges.

De Tirinto munida, Argos, Trezene,
Lá do golfo de Hermíone e de Asine,
De Eiona e da vitífera Epidauro,
E de Egina e Masete a flor guerreira,
Tidides fero, Estênelo do exímio
Capaneu filho amado, os reprimiam;
Mais o divino Euríalo, do régio
Talaionides Mecisteu progênie:
Diomedes belicoso o máximo era.

Bojos negros oitenta os encerravam.

Os de Órnias, da magnífica Micenas,
Da altaneira Cleona, áurea Corinto,
Sicíone em que reinou primeiro Adrasto;
Os da fresca Aretírea, os que Hiperésia,
Agros de Hélice extensa e a costa habitam,
E Gonoessa altiva, Égion, Pelena:
Todos em cascos cem trouxe Agamemnon.

Tropa extremada e imensa o rei mantinha;
Em bronze reluzindo, galhardeia
De ser entre os Aqueus o assinalado,
Em forças o maior e o mais possante.

Os do vale da grã Lacedemônia,
Fáris e Esparta, Messa altriz de pombas,
De Amiclas, Lãa, Brísea e leda Augia;
De Helos marinha, de Étilo e contornos:
O estrênuo Menelau, segundo Atrida,
A parte armou-os em galés sessenta.

Afouto os acorçoa, ardido anela
Desagravar o rapto e ais da esposa.

Nestor o velho de Gerena, em cavos
Baixéis noventa, presidia os Pílios,
Os de Épi encastelada e Arena aprica,
De Trio vau do Alfeu, Ciparessenta,
Ptéleon e Anfigênia, de Helos, Dórion,
Onde ufanoso, ao vir de Eurito e Ecália,
A cantar provocou Tamires Trácio
As do Egíaco filhas doutas Musas,
Que o tino e a vista irosas lhe apagaram:
Da alma a poesia lhe fugiu celeste,
Nem na cítara mais dedilhar soube.

Os de perto pugnazes, das da Arcádia
Cilênias faldas, junto à Epítia campa,
De Feneu, Ripe e Orcômeno armentosa,
Tégea, Estrátia e risonha Mantineia,
Ventosa Enispe, Estínfalo e Parrásia,
Práticos na milícia, os acaudilha
Em naus sessenta, cada qual mais cheia,
O Anceides Agapénor. Para o ponto
Cérulo transfretano atravessarem,
Pois que eles da marinha careciam,
Deu-lhas aparelhadas Agamemnon.

Os de Hirmine e Buprásio, Elide santa,
Mírcino extrema, Alísio, Olénia sáxea,
Em dez quadripartida ocupam frota
Que Epeus esquipam. De Cteato filho,
Os manda Anfímaco; após ele Tálpio,
Do Actoriônio Eurito; o Amarineides
Belaz Diores é terceiro; é quarto
O divinal formoso Polixino,
Do Augeiada Agastenes procriado.

Os Dulíquios e os mais das ilhas sacras
Equínades, ao mar de Elide sitas,
Em quarenta baixéis com Márcio arrojo
Meges dirige: a vida a Fileu deve,
Équite a Jove grato, que em Dulíquio
Emigrando esquivou paternas iras.

Os Cefalenses e Ítacos briosos,
Os da áspera Egilipe e de Crocílio,
Zacinto, Samos, Nérito sombria,
E os do Epiro e fronteiro continente,
Ao divo prudentíssimo Laércio
Em doze rubros galeões seguiam.

Em quarenta os Etólios velejaram,
De Olenos, de Pleurona e de Pilene,
Cálcis marinha e Cálidon fragosa,
Sob o Andremônio Toas, que imperava;
Eneu já sendo e a boa prole extintos,
Pois nem restava o louro Meleagro.

Fuscos oitenta cascos, das famosas
Licto, Mileto, Rício, Festo e Cnosso,
Da murada Gortina, alva Licasto,
Na hecatômpola Creta abastecidos,
Anima Idomeneu de invicta lança,
E o de Belona Merion querido.

Nove outros forneceu dos Ródios feros,
Entre Jalisso, Linde e a branquejante
Camiro tripartidos, grande e forte
O hábil hasteiro Tlepolemo, estirpe
De Astioqueia e de Hércules, que a trouxe
De Efírio e do Seleis, cidades várias
Tendo a alunos de Jove derruído.

Crescendo em casa, ele matou Licinos,
Idoso de seu pai materno tio,
Renovo do Gradivo. Esquadra a furto
Forma e guarnece, e escapa-se dos netos
E outros filhos de Alcides à vingança.

Flutua e a Rodes, pesaroso, arriba:
Em tribos três seu povo ali segrega,
Povo benquisto ao nume soberano,
Que largueou-lhe pródigas riquezas.

Nireu três naus irmãs de Sine ostende,
Nireu do rei Caropo e Aglaia prole,
O Grego mais gentil que veio a Tróia,
Depois do em tudo sem senão Pelides;
Mas, pusilânime, arrebanha poucos.

Fidipo e Antifos trinta bucos enchem
(Tessalo Heráclida é seu pai) de quantos
Cultivam Cason, Crápato e Nisiro,
E Cós ilha de Eurípilo e as Calidnas.

De Álope, Argos Pelasga, Álon, Trequina,
De Ftia e de Hélade em beldades fértil,
Os Mirmidões e Aqueus e Helenos ditos,
Aquiles em cinqüenta os refreava.

De horríssonas contendas se deslembram,
Falta-lhes capitão; que, ausente a jovem
Crinipulcra Briseida, o herói a bordo
Irado jaz. Tomou-a de Lirnesso,
Que ele a bem custo soverteu com Tebas,
Mortos Mínete e Epístrofo belazes,
De Eveno Selepíada nascidos.

Mas do ócio ainda surgirá terrível.

Os de Fílace e Itone mãe de ovelhas,
Do Pirrásio de Ceres flóreo parque,
De Ptélon pascigosa e Ântron costeira,
Denodado os juntara em naus quarenta
Protesilau, que a terra já cobria:
Primeiro no saltar, um Teucro o mata;
No inacabado alvergue as faces rasga
Em Fílace a mulher. Saudosos dele,
Do em rebanhos ali possante Ificlo
Nado menor, Podarces ordenava-os;
Tão prestante não era e apessoado,
Mas dignamente pelo irmão supria.

Dos de Glafire e altíssima Iaolcos,
Beba e Feres ao pé do lago Bébis,
Tem galés onze Eumelo, prenda cara
De Admeto e Alceste, exemplo de matronas,
Das que Pélias gerara a mais formosa.

Das sete em que os Metónios e os Taumácios,
Os da tosca Olizona e Melibeia,
Continha o magno archeiro Filoctetes,
Remavam sagitíferos cinqüenta
Cada bélica popa. Em Lemnos sacra
Dos seus desamparado, ele agras dores
Da úlcera de tetra e feroz hidra
Mestíssimo curtia. Os próprios Gregos
Se hão-de amiúde lembrar de Filoctetes;
Mas, bem que tarde por seu rei suspirem,
Submetem-se a Medon, que em Rena espúrio
Houve o urbífrago Oileu. — Tem Podalírio
E Macaon, herdeiros de Esculápio,
Trinta vasos de Trica e bronca Itone,
Também de Ecália capital de Eurito.

De Evemon garfo ilustre, manda Eurípilo,
Da alva serra Titane, Hipéria fonte,
Ormênio e Astério, embarcações quarenta.

Noutras tantas os de Orte, Elon, Gírtone,
Da branca Oloossona e Argissa, o firme
Campeador Polipetes sujeitava-os.

Do rebentão de Jove Pirítoo
Bela Hipodame o concebeu, do Pélion
Nesse dia em que às Étices montanhas
Ultriz lançara os híspidos Centauros.

Leonteu se lhe agregou de Márcio esforço,
Digna vergôntea de Coron Cenides.

Em vinte duas traz Guneu de Cifo
Aguerridos Perebus e Enienes,
Os da fria Dodona, os que residem
Nas lavras do suave Titarésio,
Que sem mesclar-se no Peneu deságua
De vórtices de argento e pulcra a veia
Como óleo sobrenada; pois da Estige,
Grave para jurar-se, ele dimana.

Em quarenta os Magnetes, do frondoso
Pélion e margens de Peneu, vogaram
Sob o veloz Protôo Tentredônio.

Tais são da Grécia os cabos. Lembra, ó Musa,
Qual o mais forte assecla dos Atridas,
Quais dos ginetes os melhores eram.

De um livel, pêlo e dorso, equevas ambas,
Éguas de Feres que maneja Eumelo,
Alípedes que Apolo arco-de-prata
Na Piéria nutrira, muito excelem,
Fêmeas de ímpeto e fogo e as mais tremendas.

O Telamônio Ajax vencia a todos,
Enquanto Aquiles, que sem par sofreia
Os mais guapos frisões, raivoso estava
Nos bicudos baixéis contra Agamemnon.

Nas tendas a coberto, junto aos carros,
Aipo os corcéis palustre e loto pascem.

Pela praia os soldados se divertem
Ao disco, ao dardo e seta; ou, desgostosos
Da inação, na peleja o herói ver querem,
Nos arraiais aqui e ali vagueiam.

Os demais Graios fervem, qual se a flama
Vorasse a terra; e a terra do estrupido
Muge e calcada geme, como quando
Em cólera o Tonante o chão verbera
De Arima, em que Tifeu se diz repousa.

Eles transpunham rápido a campina.

Mais que o vento ligeira, aos Teucros Íris
Do Egífero desceu com triste anúncio:
Mistos velhos e moços discutiam
Aos pórticos reais; com rosto e fala
Do Priâmeo Polites, sentinela
De Esiete no túmulo vetusto,
Que, em pés fiado, a ponto vigiava
Se do recinto os Gregos se buliam,
Acomete a celeste mensageira:
“Como em dias de paz, senhor, debates,
E a guerra hoje rebenta inelutável.

Afeito a pugnas, tropas tais e tantas
Nunca vi: da cidade assaltadores
Iguais às folhas e às areias marcham.

Heitor, ouve-me agora. Auxiliares
De vária casta e língua em Tróia abundam.

Cada príncipe os seus, tu firma os nossos;
Mas a suma ordenança a ti pertença.”
Heitor, apenas reconhece a deusa,
Despede o parlamento; o al’arma soa.

Abertas, precipitam-se das portas
Em burburinho equestres e pedestres.

Ante Ílio na planície avulta um cole,
De caminhos cercado, que os humanos
Batícia, imortais sepulcro chamam
De Mirina agilíssima: distintos
Aí perfilam Teucros e aliados.

Dos Troianos à testa, o Priamides
Cristado exímio Heitor em cópia armara
Seletos belacíssimos hastatos.

Os Dardânios alenta o grande Eneias:
A deusa Vênus do mortal Anquises
Teve-o no cume Ideu. Com ele Acamas
E Arquíloco Antenóridas comandam,
Em omnígeno prélio examinados.

Aos que às raízes do Ida em Zélia bebem
Água do fundo Esepo, venturosos,
De Licaon precede o claro filho
Pândaro, a quem doou seu arco Apolo.

Nos de Pitieia, Adéstria, Apeso e Téries,
Alto monte, imperava Adrasto e Ânfio
De couraça de linho; irmãos que o padre
Percóssio Méropo, adivinho e cauto,
Vedou que entrassem na homicida guerra:
Surdos a nera Parca os atraía.

Os varões de Percote, Sesto e Abido,
Prátio e Arisba divina, desta o Hirtácio
Príncipe Ásio os viera estimulando;
Ásio que doma férvidos cavalos,
Das ribas do Seleis famosas crias.

Das Larisseias glebas os Pelasgos
Lanceiros com Pileu manda de Hipotoo,
Do Teutamides Lito márcios filhos.

Do estuoso Helesponto rege Acamas
E herói Piroo os Traces. — Rege Eufemo
Sagitários Cicones, de Trezênio
Ceades geração, dileta a Jove.

Tem Pirecme os Peônios de arco e amentos,
Lá de Amídone, do Áxio largo à margem,
Do Áxio que inunda límpido a campanha.

Pilemeneu veloso os Paflagônios
De Enete move, altriz de agrestes mulas,
Os que o Citoro e Sésamo possuem,
As lindas várzeas do Partênio rio,
Comna e Egíalo e os celsos Eritinos.

Da longe Aliba vêm de argênteas minas,
Sob Epistrofo e Hódio, os Halisones.

Os Mísios Crómis guia, e o vate Enono,
A quem da morte agouros não livraram:
Furente o Eácida o prostou no rio,
Que rubro intumesceu de humano sangue.

Acesos Fórcis e o deiforme Ascânio
Da Ascânia os Frígios à batalha impelem.

Das Tmólias faldas os Meônios seguem
A Antifo e Mestles, Pilemênios ambos,
Da Gigeia lagoa produzidos.

Os Cares de Mileto e Ftiro umbroso,
Do Meandro e Micale de árduos picos,
De linguagem barbárica, os sopeiam
Os filhos dois de Nómion preclaro,
Nastes e Anfímaco. Este, qual donzela
De ouro enfeitado, insano floreava:
O enfeite o não salvou; que às mãos de Aquiles
Tem de haurir no Escamandro o gole amaro,
Será do vencedor esse ouro presa.

Os Lícios lá do Xanto vorticoso
Conduz Sarpédon, e o sem mancha Glauco.

NOTAS AO LIVRO II

148. Na Eneida quis servir-me de abordar no figurado, mas receei que cheirasse a galicismo: aqui aventurei-me. Este verbo significa em português por a borda de uma embarcação contígua à de outra, ou abalroar, e figuradamente acometer: Barros e outros clássicos o trazem a miúdo. Será galicismo na significação de chegar, se quem chega não vem com ânimo de hostilizar ou de repreender; mas se vem com esse ânimo, então o figurado facilmente corre do sentido próprio, e é admissível. Não sou dos que fogem do verbo exigir, que é do latim e tem um sentido muito especial, só porque os Franceses dele usaram primeiro. Em semelhantes palavras, o essencial é lançar mão delas discretamente: exigir, em vez de pedir, em vez de requerer é abusivo; garantia (para darmos outro exemplo) é indispensável no sentido das constituições modernas, e é insuportável na significação de abono ou fiança ou segurança; e assim por diante. Aspiro a ser puro e não a ser purista.

170. Minerva manda Ulisses impedir a partida, e recomenda-lhe bons termos e doçura; mas o sábio entendeu que isso era para os magnatas, e levou o povo a golpes de cetro. É antiquíssimo haver duas justiças, uma para os figurões e outra para os pequenos. É aqui Homero fiel historiador.

238—246. Glaukópis é quem tem olhos verdemares ou cor de azeitona. Os nossos o vertem por de olhos gázeos ou garços ou zarcos: deixo-me ir com a maior parte, posto que tenha por mais exato o primeiro sentido. Crêem outros, não sei com que fundamento, que o adjetivo quer dizer cor de olhos de coruja. — Qual no singular torna-se invariável nas comparações; vem em Moraes, que cita a Camões: — Qual para a cova as próvidas formigas.

— Não o traz Constâncio, sem embargo de ser útil por abreviado e elegante.

262—273. Francisco Manuel, em nota aos Mártires, verteu esta passagem admiravelmente. Adotei-lhe os versos com leve diferença; e fi-la, porque ele omitiu alguma cousa que se refere aos antecedentes, e eu nada podia omitir.

319. Alguns tradutores não se lembraram de que em Homero, se às vezes podemos sem inconveniente alterar a ordem em que vêm os nomes próprios, nem sempre é isso permitido. Aqui não se poderia pôr Febo em primeiro lugar que Palas, porque esta ocupava as honras depois logo de Júpiter, e só lhas disputava Juno. Diz Horácio: Proximos illi (Jovi) tamen occupavit Pallas honores.

429. Começa a enumeração das naus, difícil de verter pelos muitos nomes próprios de homens e terras. Os Italianos ordinariamente não omitem os epítetos; o que lhes levou a mal Rochefort, afirmando que sendo a passagem excelente em grego, é impossível trasladá-la em francês em muitas particularidades, e ralha com eles por ousarem fazê-lo: ao mesmo tempo tachou a língua toscana de inconsistente e não sei de que mais, quando na verdade é sonora, doce, poética e locupletíssima. Para o francês mostrou M. Giguet, na sua tradução em prosa, que se podiam traspassar os epítetos gregos. Se idéias há que mais sobressaem numa língua do que em outra, não é menos certo que o belo o é em todas e em todos os séculos: quando uma boa obra no original torna-se má na versão, culpa é do tradutor. — Este lugar, cheio de adjetivos compostos e de nomes individuais, para agradar aos modernos deve ser sustentado com harmoniosa versificação ou com prosa à Chateaubriand. Outros constam de miudezas, interessantes aos antigos e fora do gosto presente; outros parecem vulgares ou baixos. O meio de acabar o tradutor com essa vulgaridade ou baixeza, é exprimir-se em termos precisos e frisantes; por exemplo, quando se fala da matança ou talho das reses, dos golpes em certos membros ou partes do corpo. Que há de mais comum e simples que preparar um chá e convidar para ele um amigo? Porém Garção pintou com tão vivas cores todos os pratos, que é esse um dos seus admiráveis sonetos: o espírito, ocupado em confrontar a expressão com os objetos, sente um grandíssimo prazer; não nos deleitamos somente com o sublime e com o patético, e no mundo de pensamentos e imagens que se chama epopéia bom é haver de tudo.

— Não sou pois daqueles que desprezam formosos pedaços de Homero sob o pretexto de serem contra o paladar moderno. Cumpre lutar com o original, temperando a iguaria com os adubos que nos ministra cada língua, ou pedindo-os às estranhas em caso de necessidade: o mais não é traduzir; é emendar ou corrigir o que não há mister emenda nem correção; é tirar aos leitores o gosto de penetrar na antiguidade.

571. O epíteto hecatômpola, que ouso introduzir, quer dizer de cem cidades: não se confunda com hecatômpila, isto é de cem portas, introduzido por Francisco Manuel; do qual me servirei também nesta versão.

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal