Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Iêmen  Voltar

Iêmen

História

Iêmen foi um dos mais antigos centros de civilização no Oriente Próximo.

Entre o século 12 aC e o século 6 dC, era parte do Minaean, Sabá, e os reinos himyarita, que controlava o lucrativo comércio de especiarias, e mais tarde veio sob o domínio etíope e persa.

No século 7, califas islâmicos começaram a exercer o controle sobre a área. Após este califado se separou, o ex-norte do Iêmen veio sob o controle dos imãs de várias dinastias normalmente da seita Zaidi, que estabeleceu uma estrutura política teocrática que sobreviveu até os tempos modernos. (Imam é um termo religioso.

Os xiitas aplicá-la a Ali o profeta Maomé, filho-de-lei, seus filhos Hassan e Hussein, e os subsequentes descendentes diretos, que eles consideram ter sido divinamente ordenada sucessores não classificados do profeta.)

Iêmen

Sunita egípcio califas ocuparam grande parte do norte do Iêmen durante todo o século 11.

Por volta do século 16 e novamente no século 19, no norte do Iêmen fazia parte do Império Otomano e, em alguns períodos seu Imames exerceu sua soberania sobre o sul do Iêmen.

O ex-Iêmen do Norte

Otomano governo controle foi largamente confinado às cidades com suserania do Imam sobre áreas tribais formalmente reconhecidos. Forças turcas se retirou em 1918, e Imam Yahya fortaleceu seu controle sobre o norte do Iêmen. Iêmen se tornou um membro da Liga Árabe em 1945 e as Nações Unidas em 1947.

Imam Yahya morreu durante uma tentativa fracassada de golpe em 1948 e foi sucedido por seu filho Ahmad, que governou até sua morte, em setembro de 1962.

Imam Ahmad reinado foi marcado por uma crescente fricção repressão, renovou com o Reino Unido sobre a presença britânica no sul, e as crescentes pressões para apoiar os objetivos árabes nacionalistas do presidente egípcio Qamal Abdul Nasser.

Pouco depois de assumir o poder, em 1962, filho de Ahmad, Badr, foi deposto por forças revolucionárias que tomaram o controle de Sanaa e criou a República Árabe do Iêmen (YAR). Egito ajudou o YAR com tropas e suprimentos para combater as forças leais ao Imamate. Arábia Saudita e Jordânia apoiou as forças de Badr monarquistas se opor à república recém-formado. Conflito continuou periodicamente até 1967, quando tropas egípcias foram retirados.

Em 1968, depois de um cerco monarquista final de Sanaa, a maioria dos líderes de oposição chegaram a um reconciliação; Arábia Saudita reconheceu a República em 1970.

O ex-Iêmen do Sul

A influência britânica aumentou no sul e parte do leste do Iêmen depois que os britânicos capturados no porto de Aden em 1839. Foi governado como parte da Índia britânica até 1937, quando Aden foi feita uma colônia da coroa com o restante da terra designada como a leste de Aden e protetorados oeste Aden.

Em 1965, a maioria dos estados tribais dentro dos protetorados e colônias do Aden adequadas se juntou para formar a federação britânica, patrocinado do sul da Arábia.

Em 1965, dois grupos nacionalistas rivais - a Frente de Libertação de Ocupado Iêmen do Sul (FLOSY) ea Frente de Libertação Nacional (FLN) - virou-se para o terrorismo em sua luta para controlar o país. Em 1967, em face da violência incontrolável, as tropas britânicas começaram a se retirar, federação regra entrou em colapso, e os elementos NLF assumiu o controle depois de eliminar seus rivais FLOSY.

Arábia do Sul, incluindo Aden, foi declarado independente em 30 de novembro de 1967, e foi renomeado República Popular do Iêmen do Sul. Em junho de 1969, uma ala radical da NLF marxista ganhou poder e mudou o nome do país em 1 de dezembro de 1970, a República Popular Democrática do Iêmen (PDRY). No PDRY, todos os partidos políticos foram reunidos no Partido Socialista Iemenita (YSP), que se tornou o único partido legal. O PDRY estabeleceu laços estreitos com a União Soviética, China, Cuba e palestinos radicais.

República do Iêmen

Em 1972, os governos do PDRY eo YAR declarou que eles aprovaram uma futura união. No entanto, pouco progresso foi feito no sentido da unificação e as relações muitas vezes eram tensas. Em 1979, tensões contidas levaram à luta, que só foi resolvida após a mediação da Liga Árabe. O objetivo da unidade foi reafirmado pelos chefes do norte e do sul do estado, durante uma reunião de cúpula no Kuwait, em março de 1979.

No entanto, nesse mesmo ano o PDRY começou a patrocinar uma insurgência contra o YAR. Em abril de 1980, PDRY presidente Abdul Fattah Ismail renunciou e foi para o exílio. Seu sucessor, Ali Nasir Muhammad, assumiu uma postura menos intervencionista para tanto YAR e Omã vizinho.

Em 13 de janeiro de 1986, uma violenta luta começou em Aden entre Ali Nasir Muhammad e voltou Abdul Fattah Ismail e seus apoiantes. Lutando durou mais de um mês e resultou em milhares de mortes, a queda de Ali Nasir, e morte Ismail. Cerca de 60.000 pessoas, incluindo Ali Nasir e seus partidários, fugiu para o YAR.

Em maio de 1988, os governos Yar e PDRY chegou a um entendimento que reduziu consideravelmente as tensões incluindo acordo para a renovação discussões sobre a unificação, para estabelecer uma zona de exploração conjunta de petróleo ao longo da fronteira indefinida, de desmilitarizar a fronteira, e para permitir a passagem da fronteira iemenitas irrestrita em a base de apenas um cartão de identificação nacional.

Em novembro de 1989, os líderes da YAR (Ali Abdallah Salih) eo PDRY (Ali Salim Al-Bidh) concordaram com uma constituição unidade projeto originalmente redigido em 1981. A República do Iêmen (ROY) foi declarada em 22 de maio de 1990. Ali Abdallah Salih tornou-se presidente e Ali Salim Al-Bidh se tornou vice-presidente.

Um período de transição de 30 meses para a conclusão da unificação dos dois sistemas políticos e econômicos foi definida. Um conselho presidencial foi eleito pelo conjunto de 26 membros YAR conselho consultivo e de 17 membros PDRY presidência. O conselho presidencial nomeou um primeiro-ministro, que formou um gabinete. Houve também um 301-sede provisória do Parlamento unificado, composto por 159 membros do norte, 111 membros do sul, e 31 independentes "em-grandes" membros nomeados pelo presidente do conselho.

Uma constituição unidade foi acordado em Maio de 1990 e ratificada pela população em maio de 1991. Ele reafirmou o compromisso do Iêmen para eleições livres, um sistema político multipartidário, o direito à propriedade privada, igualdade perante a lei e respeito dos direitos humanos básicos.

As eleições parlamentares foram realizadas em 27 de abril de 1993. Grupos internacionais ajudou na organização das eleições e votando real observado. O Parlamento resultante incluiu 143 GPC, 69 YSP, 63 Islaah (agrupamento iemenita para a reforma, um partido composto de vários grupos tribais e religiosos), 6 Baathis, 3, 2 nasseristas Al Haq, e 15 independentes. O chefe da Islaah, Paramount Hashid Sheik Abdallah Bin Hussein Al-Ahmar, é o orador do Parlamento.

Islaah foi convidado para a coalizão governista, e o conselho presidencial foi alterado para incluir um membro Islaah. Conflitos dentro da coligação resultou no exílio auto-imposto do vice-presidente Ali Salim Al-Bidh para Aden início em agosto de 1993 e uma deterioração da situação de segurança em geral como rivais políticos estabeleceu pontuações e elementos tribais se aproveitaram da situação instável.

Haydar Abu Bakr Al-Attas (ex-primeiro-ministro sul) continuou a servir como o primeiro-ministro ROY, mas seu governo foi ineficaz devido a disputas políticas internas. Negociações contínuas entre os líderes do norte e do sul resultou na assinatura do documento de compromisso e acordo em Amã, na Jordânia, em 20 de fevereiro de 1994. Apesar disso, confrontos intensificaram até que a guerra civil eclodiu no início de maio de 1994.

Quase todos os combates na guerra civil de 1994 ocorreu na parte sul do país, apesar de ataques aéreos e de mísseis contra cidades e instalações principais no norte. Sulistas buscou apoio de estados vizinhos e recebeu bilhões de dólares de equipamentos e assistência financeira. Os Estados Unidos apoiaram fortemente unidade iemenita, mas repetidamente pediu um cessar-fogo e um retorno à mesa de negociações.

Várias tentativas, incluindo por um enviado especial da ONU, foram infrutíferas para efetuar um cessar-fogo. Líderes do sul declarou a secessão eo estabelecimento da República Democrática do Iêmen (DRY) em 21 de maio de 1994, mas a seca não foi reconhecida pela comunidade internacional. Partidários de Ali Nasir Muhammad muito assistidos operações militares contra os separatistas e Aden foi capturado em 7 de julho de 1994. Outra resistência rapidamente entrou em colapso e milhares de líderes do sul e militares foram para o exílio.

Logo no início da luta, o presidente Ali Abdallah Salih anunciou uma anistia geral que se aplica a todos, exceto uma lista de 16 pessoas. A maioria dos sulistas retornou ao Iêmen depois de um exílio curto.

Uma oposição armada foi anunciado da Arábia Saudita, mas nenhum incidente significativas dentro Iêmen materializou. O governo preparou casos legais contra quatro líderes do sul (Ali Salim Al-Bidh, Haydar Abu Bakr Al-Attas, Abd Al-Rahman Al-Ali Jifri, e Salih Al-Munassar Siyali) por desvio de fundos oficiais.

Outros na lista de 16 disseram informalmente que eles pudessem voltar para aproveitar a anistia, mas a maioria permaneceu fora Iêmen. Embora muitos dos seguidores de Ali Nasir Muhammad foram nomeados para altos cargos governamentais (incluindo o vice-presidente, Chefe de Gabinete, e Governador de Aden), Ali Nasir Muhammad se manteve no exterior, na Síria.

No rescaldo da guerra civil, os líderes YSP dentro Iêmen reorganizou o partido e elegeu um novo Politburo em julho de 1994. No entanto, o partido manteve-se desmotivada e sem a sua influência anterior. Islaah realizada uma convenção do partido, em setembro de 1994. A GPC fez o mesmo em junho de 1995.

Em 1994, emendas à Constituição unidade eliminou o conselho presidencial. Presidente Ali Abdallah Salih foi eleito pelo Parlamento em 01 de outubro de 1994 para um mandato de cinco anos. A Constituição prevê que, doravante, o Presidente será eleito por voto popular a partir de pelo menos dois candidatos selecionados pelo Legislativo.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Iêmen

YEMEN, ENCANTO ORIGINAL

Aberto ao turismo de forma amável. O Yemen oferece um paraíso de lendas e história única. Depois de muitos anos de divisão entre o norte, dominado pelos ingleses e o sul, baixo domínio soviético, Yemen se reunificou em 1990, mais uma larga série de obstáculos originou em 1994, uma guerra civil. Atualmente reina a paz, quebrada só em poucas ocasiões, e sempre na província de Marib, pelas tribos da zona, ainda que sem conseqüências fatais pois só querem realizar ações revindicatórias.

Apesar da união política dos dois setores do Yemen, se encontram ainda duas sociedades bastantes diferentes, que se correspondem com seu passado recente mais também com duas idiossincrasias.

Também existem o Yemen moderno e progressista cosmopolita ao lado do Yemen que se refugia na sua tradição, no paraíso da sua paisagem cheio de contrastes e independência como são suas gentes. A aridez das praias dos sul, onde em outros tempo se assentou a mística cidade de Moka pouco tem que ver com o verdor de outras zonas do Yemen que os romanos batizaram como a Arábia feliz. Os duros desertos que assolam a península se contrapõem com as terras altas verdes e férteis.

O viajante que visita Yemen se encontra envolto numa aventura cultural e espiritual. Isolado durante séculos de influências estrangeiras, é um dos rincões do mundo que não perdeu seu encanto original.

ALFÂNDEGA E DOCUMENTAÇÃO

Passaporte em vigor com uma validez mínima de 6 meses é imprescindível obter um visto (que se obtém nos consulados e apresentar o bilhete de saída. Yemen tem embaixadas repartidas por todo o mundo mas não em todos os países, pelo que pode-se conseguir um visto por correio. Geralmente a estada máxima é de 90, mas para os turistas é de 30 dias. É possível solicitar uma extensão no Departamento de Imigração do Ministério do Interior.

CLIMA

Yemen possui o melhor solo para o cultivo da península arábiga, graças aos ventos monções que duas vezes ao ano arrastam chuvas desde o sul ao sudoeste. As épocas de chuva são irregulares e variam de ano em ano, inclusive podem não aparecer algum ano.

As temperaturas variam consideravelmente. A costa sul e Tihama corresponde a uma região quente e árida, mas o ar é muito úmido. As temperaturas oscilam entre os 32 graus centígrados no inverno e os 40 no verão. As temperaturas noturnas caematé 20 graus de dezembro a fevereiro e a 27 graus ou 35 nos meses de junho e julho.

Os meses mais chuvosos nesta região são julho, agosto e setembro. A temperatura nas terras altas é suave e não cai a menos de 0 graus pela noite em janeiro, que corresponde à estação seca, nem a menos de 10 graus em julho, entre as duas estações chuvosas. Graças isso as chuvas diminuem gradualmente, e nunca chove em Ruubal-Khali.

EQUIPAMENTOS DE VIAGEM

É conveniente ser seletivo na hora de preparar as malas, pois as pequenas coisas de necessidade diária, higiene pessoal, remédios, etc. pode-se encontrar nas grandes cidades de Yemen, ainda que dificilmente nos povoados pequenos. É uma boa idéia ir provisto de lanterna porque quando a noite cai, as cidades e povoados de Yemen não ficam iluminadas.

Não é necessário que as mulheres ocidentais levem véus mas sim que se vistam mais conservadoras, e para ambos sexos, um lenço na cabeça permite mover-se com mais comodidade e ao mesmo tempo protege da dureza do clima.

IDIOMA

O árabe é o idioma oficial e constitui a única língua para muitos dos habitantes. Nas províncias do norte é possível encontrar alguém que fale inglês, posto que ensinam nas escolas. A saudação mais comum é "salaam alaykm", algo assim como "a paz seja contigo", cuja contestação é "wa alaykum as-salaam", "contigo seja a paz".

RELIGIÃO

A religião estatal de Yemen é o Islam. Religião fundada por Maomé no século VI, cujo dogma se baseia na crença em um só Deus. A doutrina do Islam está fundamentada no Alcorão, livro de Deus, e o Sunna, conjunto de narrações que refletem atos e palavras do profeta.

Existem duas ramificações importantes dentro do Islam: os sunnistas, fiéis à Sunna e os chiitas, partidários legitimistas da família do profeta. Cada uma delas tem várias seitas. Há uma pequena, mas importante comunidade judia, ainda que a maioria dos judeus que vivem em Yemen tenham partido após a criação do estado de Israel.

Não é permitida a entrada na maioria das mesquitas aos não muçulmanos. É possível em algumas fora das horas de reza e nas mesquitas históricas que não mantêm atividade ritual. Nunca deve entrar em uma mesquita sem permissão prévia e se esta é concedida, há que descalçar-se. As mulheres devem cobrir seu cabelo assim como qualquer outra parte do corpo exceto rosto, mãos e calcanhar. Por outro lado, existem lugares dentro das mesquitas onde não pode-se entrar nenhum visitante.

ELETRICIDADE

A tensão elétrica é de 220 voltz.

MOEDA E CÂMBIO

A moeda oficial é o Riyal de Yemen, dividido em 100 fils. Existem moedas de 1, 5, 10, 25 e 50 fils. Notas de 1, 5, 10, 50 e 100 riyales. Em algumas regiões se aceitam dinares, especialmente no sul. É recomendável viajar com dólares norte-americanos.

Os câmbios podem ser feitos no aeroporto, bancos ou com os numerosos "cambistas" que se encontram nos mercados. Sana é um bom lugar para os câmbios. O cartão de crédito (como Visa, MasterCard o American Express) são aceitos nos principais hotéis.

EMERGÊNCIA - SAÚDE - POLICIAMENTO

Se necessita vacina contra a febre amarela se procede de região infectada. É recomendável a vacina contra a pólio e tifus, profilaxias antimalária e não beber água da torneira nem ingerir alimentos sem cozinhar. É aconselhável levar uma caixa de primeiros socorros bem preparada com analgésicos, anti-histamínicos, anti-diarréicos, antibióticos, anti-sépticos, repelentes para insetos, cremes contra picadas ou alergias, gazes, tesouras, pinças, termômetro e seringas hipodérmicas. É recomendável viajar com um seguro médico e assistencial. Para emergências médicas ou policiais se aconselha solicitar ajuda nas recepções dos hotéis ou no consulado ou embaixada mais próxima.

CORREIOS E TELEFONIA

As principais cidades contam com agências de correios. Para ligações nacionais pode-se utilizar telefones de moedas que existem nas agências de correios.

Normalmente para outras ligações (internacionais), a pessoa de serviço lhe porá em contato com o número solicitado. Para telefonar à Yemen se deve marcar 00-969, seguido do prefixo da cidade e o número do assinante. >

FOTOGRAFIA

Se pode encontrar material fotográfico nas grandes cidades com facilidade, mas não nos povoados remotos. Se devem respeitar tradições islâmicas que proíbem tirar fotos de pessoas. Antes de fazê-lo se deve pedir permissão mostrando a câmara e usando a frase "mumkin sura". Não se costuma fotografar mulheres. Por outra parte muitos jovens yemeneses insistem em ser fotografados. As instalações e edifícios militares não podem ser fotografados, assim como os lugares de culto no interior das mesquitas.

HORÁRIO COMERCIAL

Os bancos e repartições do governo abrem das 8 ou 9 até as 13.00h e fecham a tarde. As sextas-feiras estão fechados. A maioria das lojas e restaurantes abrem de manhã e a tarde e algumas lojas fecham ao meio dia.

GORJETAS

Dar gorjetas não é comum em Yemen.o serviço está incluído nos restaurantes e hotéis. Como sempre, se está satisfeito com o serviço prestado pode deixar alguma gorjeta. Carregador de malas, guias e garçons esperam algumas moedas.

TAXAS E IMPOSTOS

Existe uma taxa de aeroporto.

Localização Geográfica

Dois terços dos seus 532.000 quilômetros quadrados estão desabitados. Arábia Saudita e Oman são seus vizinhos mais próximos. Situado no sudoeste da península arábica, banham suas costas o Mar Vermelho e o Golfo de Aden. A topografia do país é uma das mais variadas da Península Arábica. As montanhas do oeste se elevam desde a costa de Tihama até os 3.000 metros.

O pico mais alto é o Jaban al- Nabi Sh’ayb, que se eleva 3.700 metros por cima do nível do mar. Entre o oeste e as menores montanhas do leste, se encontram férteis planícies sobre os 2.000 metros. A capital San’a está situada a uma altitude de 2.250 metros.

Parte das terras altas são zona vulcânicas ativas com fontes termais e eventuais terremotos. A montanhas do leste descendem até os 1.000 metros em direção a fronteira com Oman. No norte emergem a vastidão das areias do deserdo arábico ar-Ruba’ al- Khali que se estendem ao sul, chegando até a metade do território do país.

Flora e Fauna

A terra do Yemen goza de cultivos intensivos que por outra parte destruem a vegetação natural. Em Tihama a vegetação varia desde as resistentes plantas costeiras até os prados e arbustos nos vales cobertos de dunas no interior.

Nas encostas das montanhas e nas margens do deserto pode-se admirar uma extensa e verde vegetação onde dominam palmeiras e acácias. No oeste e as montanhas do sul a vegetação é abundante com plantas tropicais e sempre verdes bosques de acácias e ficus. As frutas tropicais são comuns nas zonas de baixas depressões enquanto que os cereais são típicos das terras altas. Café e qat crescem entre os 1.500 e 2.000 metros.

Nas planícies centrais se cultiva sorgo a 2.300 metros sobre o nível do mar. Abundam na região, também plantas de espécies e outros vegetais, assim como numerosas árvores frutíferas tais como as bananeiras e tâmaras.

No tocante a fauna, a caça há diminuído a vida selvagem levando-a ao extremo da extinção de algumas espécies. São comuns os camelos, asnos, aves de curral, bovinos, caprinos, ovinos e cavalos.

História

Provavelmente o homem de Yemen tenha a voz árabe que significa prosperidade e felicidade. A civilizações mais antigas conhecidas datam de mais de 1.000 anos antes de Cristo. Os primeiro reinos basearam sua existência na agricultura e logo no comércio. Os produtos mais importantes eram a resina, incenso e mirra.

Produtos altamente valorizados pelas civilizações de então e que eram a sua vez sinônimo de magia. O Yemen tão cedo povoado gozou de um notório progresso, sobretudo na época do reino de Himyar e do legendário reino de Saba no que os romanos chamaram a Arábia Feliz. Existiu durante 14 séculos, este místico reinado que data do ano 1.000 antes de Cristo. Aparece citado no antigo testamento quando sua rainha visitou ao Rei Salomão.

Conquistado pelos muçulmanos, o Yemen ficou no século VI baixo a dependência do Império Otomano. Se converteu ao Islam. Depois de séculos de hostilidades entre as forças que governavam o território , no ano de 1.500 os poderes coloniais europeus lhe disputaram e fizeram florescer a região.

Ocupação Britânica do Sul do Yemen

Em 1839, os britânicos se apoderaram de Aden, ponto de aprovisionamento para os navios que cobriam as rotas entre Egito e a Índia e em 1914 estenderam seu protetorado sobre os emirados e sultanatos da zona. Desde 1959 até 1965, estes foram federando-se gradualmente. Esta agrupação territorial se denominou, a partir de 1962, Federação da Arábia do sul.

Pressionada pelas ações da Frente Nacional de Liberação, a metrópole teve que conceder a plena independência ao governo provisório do Yemen, retirar suas forças da zona e fechar as instalações da grande base aérea e militar. O novo estado se chamou então Yemen do Sul. Entretanto em 1970 trocou seu nome pelo de República Democrática Popular do Yemen, (RDPY).

República Árabe do Yemen (RAY)

O território da República Árabe do Yemen era independente desde 1920. Depois, entre 1958 e 1959, se uniu a República Árabe Unida, ainda que conservando sua soberania. Mais tarde a morte do rei Ahmed em 1962 foi proclamada a república e, em outubro do mesmo ano, se aprovou uma constituição provisória.

O marechal Abdullah al-Sallal, ajudado militarmente pela R.A.U. se converteu em presidente, enquanto que o iman Badr, filho do rei morto. E suas forças os monarquistas eram apoiados pela Arábia Saudita.

Um golpe de estado derrubou a al-Sallal, e trás 8 anos de guerra civil (1962-1970), se chegou a um acordo entre os republicanos e os monarquistas, por este acordo se proclamou uma constituição que criava a república do Yemen. Apesar de suas tendências pró-ocidentais recebia uma importante ajuda da União Soviética

Os dois Yemen mantinham uma viva tensão, exacerbada pelos próprios problemas internos. A RAY sofreu um golpe de estado e o assassinato de dois presidentes e um presidente do Yemen do Sul foi executado. Os atritos que protagonizaram na década de setenta foram fatais para ambos países.

Já na década de oitenta os dois países adotaram um acordo de cooperação econômica como passo prévio a unificação. Se criou o Conselho Superior do Yemen, de cujas reuniões surgiu um partido de Unidade Popular comum a ambos países.

Se descobriu petróleo numa área do deserto que ocupavam os dois Yemen e os governos formaram uma zona neutra de cooperação. Em maio de 1991 trás muitos acordos e a oposição de alguns poderes se consolidou a unificação num referendo declarando-se a República do Yemen, com uma constituição provisória.

Arquitetura

A arquitetura yemenesa é única. As casa são construídas com materiais da região, barro, tijolo, cana nas planícies e desertos, e pedras nas montanhas. Os estilos das construções assim como a decoração variam segundo as regiões. O mais extraordinário é que a harmonia sempre se manifesta entre a paisagem e as construções

Música

A música é parte da vida yemenesa e uma forma mais de preservar sua cultura. O instrumento mais venerado é o al-‘ud. Os estilos variam segundo a região.

Meios de Comunicação

Quanto a meios de comunicação, o jornal mais apropriado para o visitante é o Yemen Times que vem escrito em inglês e com algumas páginas em francês. O rádio é escutado unicamente em árabe. O mesmo acontece com a televisão, exceto um programa de noticias que se emite as 19:30 horas.

LOCAIS TURÍSTICOS

Dividimos o país em 4 regiões. Iniciaremos nosso percorrido pela Região do Noroeste, partindo da capital do país. Visitaremos, depois, a Região de Thiama ou da Costa do Mar Vermelho, até a cidade de Al-Mkha, fazendo uma incursão até Ta’izz. Nos deslocaremos pela Região Sul especificamente em Aden, para finalizar pela Região Leste, visitando a mística e espetacular Shibam.

O NOROESTE

SAN’A

San’a, a capital do país, é considerada como uma das jóias arquitetônicas do mundo muçulmano. Situada a 2.500 metros de altitudes apresenta o típico aspecto das cidades da península arábica. As janelas enquadradas em branco adornam os exteriores das altas e estreitas casa, com as fachadas de tijolo de argila cor ocre, protegidas por uma espécie de ralo de porta de estuco que permitem contemplar, sem ser visto desde o exterior, o espetáculo das ruas.

As vezes as janelas estão rematadas por impostas lavradas com vidrarias de alabastro. As casas se agrupam nos bairros, sem atender a nenhum planejamento especifico, entorno as aproximadamente de cinqüenta mesquitas, cujos alminares dominam a cidade.

A Cidade Antiga é uma das vistas mais imponentes da capital, sobretudo na parte leste. Muitas casas datam de 400 anos atrás e estão construídas no mesmo e único estilo de há 1000 anos. É considerada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade. As casas de San’a representam uma mistura de estilos e materiais yemenesês muito particulares.

Os andares mais baixos são feitos de uma escura pedra basáltica, enquanto que os superiores se construíam a base de tijolos. Os minaretes das mesquitas se elevam por encima das torres das casas. Abundam os Hammams, o casas de banhos e muitos deles datam da época turca. Formosos jardins privados se escondem atrás dos muros da antiga cidade.

A muralha que rodeia a cidade antiga é uma das melhores conservadas do mundo árabe. Ao sudeste da muralha se encontra, sobre uma elevação, a antiga cidadela. Infelizmente não pode-se entrar nela já que é utilizada, em algumas ocasiões, pelas forças armadas.

Suq al-Milh ou Mercado Central, na zona de Bad al-Yaman (construído durante a domínio turco em 1870), é outro dos pontos de interesse. Conta com uma grande mesquita digna de admiração. El suq (mercado) funciona todos os dias, mas é aconselhável ir nas primeiras horas da manhã, em plena atividade ou também, o por do sol, entre as 6 e as 7 da tarde, quando a luz envolve em fantasia todo o ambiente.

Nos pequenos estantes pode-se encontrar de tudo, alimentos, especiarias, qat, cerâmica, roupa e variado artesanato. Próximo do mercado também existem alguns estabelecimentos mais modernos. No Jambiya suq o visitante pode admirar uma série de armas brancas de complicada manufatura.

O mercado da prata tem uma alta reputação com aval dos altos preços que pagam os estrangeiros. Dentro de cada suq há um samsara, um edifício que serve para armazenar os produtos e também como centro para aqueles que levam para vender sua mercadoria.

Principais Mesquitas

Para os muçulmanos a preferida é a Grande Mesquita, al-jam’al-Kabir. Foi construída em 630, em vida do profeta Maomé. A maioria das atuais estruturas, incluídos os minaretes, datam do século XII. Só se permite o acesso aos muçulmanos.

A Mesquita Salah ad-Din, que se localiza na parte leste da cidade, foi construída em autêntico estilo yemenês, enquanto que a Mesquita Qbbat Talha, na parte oeste, apresenta um estilo tipicamente turco, especialmente no desenho de suas cúpulas.

O formoso e brilhante minarete da pequena Mesquita al’aqil, pode ser contemplado durante a noite dominando Suq al-Milh. La relativamente recente mesquita de estilo turco al-Mutwakil se encontra em Ali abdul Mogni. Foi construída pelo Iman Yahaya a princípios do século XX.

Por último a Mesquita Qubbat al-Bakiliya, que se encontra na parte da antiga cidade; construída no ano 1600 e restaurada no século XIX (ambos trabalhos realizados pelos turcos), é uma bom lugar para refletir sobre esta interessante cidade.

Principais Museus

O Museu Nacional encontra-se em ali abdul Mogni, ao norte da praça de Tahrir, muito próximo a Mesquita de al-Mutwakil. Trata-se de uma construção na forma de palácio real, realizado em 1930.O museu está aberto diariamente desde a 9 da manhã até o meio-dia e pela tarde de 3 a 5, exceto às sextas-feiras, que só abre pela manhã.

Ocupa cinco andares, distribuídos em diversas salas dedicadas a antigos reinos como o de Sba, Ma’rib, Ma’in ou Himyar, ao passado islâmico yemenês e a cultura folclórica yemenesa do século XX.

O Museu Militar localiza-se ao sudoeste de Tahrir. O edifício está decorado de forma exuberante com rigoroso equipamento militar. O museu conta a história de Yemen desde um ponto de vista sobretudo militar. Está aberto diariamente exceto às sextas-feiras e a última quinta-feira de cada mês, de 9 da manhã até o meio-dia e de 4 a 8 pela tarde.

OS ARREDORES DA CAPITAL

Ao oeste de San’a há lugares maravilhosos que formam parte das tradicionais rotas turísticas. Apesar de que estes pequenos povoados estão situados no alto das montanhas, vale a pena atravessar esta região do país. Se costuma fazer em caravanas formadas por carro todo terreno (vigiadas por soldados do exército).

Todo um roteiro adereçado com a típica comida árabe que é possível consumir em qualquer funuk, hotéis ou hospedarias, que a pesar de sua modéstia, oferecem garantias ao viajante. Nesta região encontrará lugares repletos de beleza que fascinaram como são as Muralhas de barro de Amram; o belo povoado fortificado de Kohlan na ladeira de uma montanha; o sonho de Hababa, construída ao redor de uma represa de água, onde se refletem as casas medievais; a Fortaleza de Kawkaban, encravada em uma impressionante montanha de pedra de mais de 300 metros, construída para proteger a parte baixa da cidade de Shiban ou a Cordilheira do Haraz, com os picos mais altos do país.

WADI DHAHR

A apenas 15 quilômetros ao noroeste de San’a se encontra este fértil vale, repleto de verde e salpicado de pequenos povoados onde se destaca o Palácio de Pedra, instalado a 50 m. de altura sobre um imenso bloco de rocha. Se construiu em 1930 por ordem do Iman Yahya como residência veraneia e sobre as ruínas de um edifício pré-histórico que se destacava no alto desta extraordinária formação rochosa.

Não deixe de visitar nas proximidades o belo povoado de Qaryat al-Qabil, assim como percorrer os postos do pequeno mercado que se instala nas sextas-feiras.

A região esteve habitada desde tempos muito antigos e conserva numerosas covas e formações rochosas interessantes, cascatas de água, e se pergunta às crianças da região lhe indicaram onde se encontram algumas pinturas de animais e caçadores nas rochas.

SHIBAM

Não se deve confundi-lo com o Shibam do Leste. Se trata de um pequeno povoado com um passado tranqüilo que deixou escrito em suas pedras, mesquitas e outras antigas construções, o passado as antigas civilizações. Subindo às colinas se localiza o que serviu em seus dias como fortaleza da cidade Kawkaban.

THILLA (Thula)

Ao norte de Shibam se encontra este velho e misterioso povoado, um dos mais conservados nas terras altas. Suas casas, elevando-se como torres de pedra ao pé da montanha, a dupla muralha de pedra e os excelentes aquedutos muito bem conservados fazem deste uma parada obrigatória do viajante,.

AL-MAHWIT

Esta pequena província oferece ao visitante a possibilidade de explorar suas montanhas salpicadas de aldeias e povoados, um lugar interessante para realizar excursões à pé.

MANAKHA

Esta localidade se encontra no centro de uma bela e fértil região. As terras desta zona são ideais para o cultivo graças às águas da chuva.

Um passeio à pé através das montanhas lhe porá em contato com povoados e aldeias tais como: Al-khutayb e Hajjara, suspensos no alto das colinas como orgulhosas fortalezas.

HAJJA

Esta cidade é uma moderna capital de província que se destaca no alto da montanha. Apesar de seu aspecto moderno, a cidadela construída pelos turcos no alto da cidade, dá mostra de sua idade. Na cidade em si não há muito que ver, mas a estrada de Hajja lhe levará ao coração das terras altas de Yemen, uma viagem que vale a pena realizar.

O trecho que vai de Amran à Hajja oferece umas vistas espetaculares. A estrade se eleva a uma altitude de 2.800 m através de passagens montanhosas muito altas. Depois desce serpenteando até chegar a Wadi Sharas, situado a 1000 m acima do nível do mar.

Ao norte da província de Hajja se encontra uma das mais famosas cidades fortaleza de Yemen, Shihara. Situada a 2.600 m de altitude foi um lugar inacessível para muitos conquistadores, entre eles os turcos. A cidade conta com 23 depósitos de água e uma ponte de pedra construída no século XVII, sobre uma profunda garganta de 300 m que comunica à cidade esparzidas pelos altos picos da montanha.

SA’DA

É a província situada mais ao norte do Yemen. O mais impressionante da cidade é a Grande Mesquita de Sa’da, construída no século XII. O Iman Yahya, fundador do Zaydismo foi enterrado aqui com outros onze sacerdotes muçulmanos baixo doze cúpulas. A entrada aos não muçulmanos não é permitida. Também não pode-se entrar na fortaleza situada na colina central da cidade, que é utilizada por instituições governamentais.

As muralhas da cidade permanecem quase intactas e parte delas foram restauradas. De especial interesse é a porta norte, Bab Najran. As casas de Sa’da são exemplos da característica arquitetura zabur, todas elas construídas sobre capas de argila. Dentro da cidade o mais impressionante é o mercado do domingo.

MA’RIB

A capital do antigo Reino de Saba é o ponto arquitetônico mais destacável de Yemen. Seus limites resultam tão imprecisos como a antigüidade de sua história.

Os imemoráveis domínios da rainha de Saba são o lar das tribos beduínas. Vale a pena, sobretudo, percorrer sua região deserta, de beleza acolhedora, e as ruínas arqueológicas situadas, no que supostamente, foram os territórios da mítica rainha que enamorou a Salomão.

Ainda restam os restos dos famosos Templos de Saba, cinco pilares do Templo da Lua, Àrsh Bilqis, ou o trono de Bilqis, que se mantém erguidos desde o século VI antes de Cristo; Mahram Bilqis, o templo de Bilqis quase sepultado pela areias do deserto.

A misteriosa cidade de Marib, cujas casas estão clandestinamente habitadas, conserva o mesmo estado à centenas de anos. A 35 quilômetros se encontram as ruínas de Baraqish, uma visita que não pode deixar de fazer.

Não se esqueça de levar lembranças de fósseis, moedas, jóias e toda classe de antigüidades a baixo preço, que lhe mostraram numerosos vendedores ao longo do caminho.

TIHAMA, A COSTA DO MAR VERMELHO

A terceira parte do país vive nesta região, a mais importante economicamente falando. Quase a metade da produção agrícola provém daqui. O clima da região é forte, quente e úmido, exacerbado por fortes ventos de areia. O interesse que oferece este lugar ao viajante é, sobretudo, sua espetacular arquitetura.

AL-HUDAYDA

Al-Hudayda é a maior localidade da região. Uma jovem cidade que foi assolada por várias guerras. A parte velha, próxima da área do antigo mercado, está composta pelos típicos bairros turcos. Dominando o Mar Vermelho se estendem as antigas casas da costa, com suas varandas e janelas de madeira decoradas com ossos brancos e suas cúpulas ressaltando sobre os telhados.

Do mar chegam à estas cidades numerosas espécies de pescado. Ainda pode-se ver muitos pescadores que utilizam tradicionais barcos de madeira para seu trabalho.

Em direção ao interior e como sucede em todos os povoados, é aconselhável visitar nas sextas-feiras o mercado de Bayt af-Faqit, o mais popular dos mercados semanais do país. Nele pode-se comprar qualquer dos produtos típicos da agricultura da região.

ZABID

A 37 quilômetros ao sul, se encontra Zabid, uma cidade que conta com um fascinante passado. Data do ano 820 e nelas se fundou uma universidade islâmica que atraiu numerosos estudantes. Somente há que dizer que durante os dias da universidade havia 236 mesquitas. Através dos séculos muitas delas desapareceram. As cúpulas de suas mesquitas incluindo as da Grande Mesquita al-Ashar, não são muito altas.

Dentro dos muros da cidadela, às aforas da cidades, se encontra a Mesquita Iskandar, que tem um mirante de 60 metros de altura. Nas proximidades há outra mesquita interessante de origem turca, a Mesquita de Mustafa Pasha e que conta com uma dúzia de cúpulas. Outro monumento importante é o Palácio Nasr, construído em 1800 e que é hoje utilizado pelo governo. Em seus muros há uma relação da história de Zabid.

AL-MAKHA

Mais em direção ao sul se localiza um pequeno porto de comércio de café ideal para os românticos, Al-Makha. Vale a pena visitar nas proximidades a Mesquita de Ash-Shadhli (com mais de 500 anos), cujo estilo arquitetônico guarda uma clara influência Zabidí. Meio sepultados pelas areias restam ainda na região as ruínas das antigas cidades da época gloriosa do comércio do café.

TA’IZZ E SEUS ARREDORES

Ta’izz está situada a uma altitude de 1.400 m ao pé do majestoso Monte Sabir. A parte mais vital da cidade antiga é a área do mercado. A Mesquita de al-Kabir domina a cidade e foi construída entre os séculos XIII e XIV.

Outra interessante mesquita é a de al-Mu’yabiya construída no século XVI pelos turcos. Tem várias cúpulas (20) mas nenhum mirante. O antigo palácio do Iman Ahmad é hoje o Museu Nacional. Não se esqueça, se dispõe de tempo, uma visita ao Palácio de Salah, convertido hoje em museu.

Em Hujjariya, muito próximo de Ta’izz existe uma mesquita de 500 anos, a Mesquita Branca de Yifrus. Em al-Janad se encontra outra bonita mesquita. Um bom lugar para deter-se se viaja à Ta’izz desde San’a é a localidade de Ibb.

Nas proximidades também se encontra uma cidade pequena com uma grande história, Jibla. Uma vez ali não se vá sem visitar a Mesquita da rainha Arwa, que com um pouco de sorte lhe permitiram visitar o interior. Não muito distante e se dispõe de tempo, lhe aconselhamos aproximar-se à pequena mesquita Qubbat Bayt az-Zum.

A REGIÃO DO SUL

A aridez das praias do sul contrasta com o verde das águas do Golfo de Aden. Em outros tempos se assentou sobre suas areias a mítica cidade de Moka, cultivadora de uma planta muito particular, o café. A cortina de areia, comum na região, permite entrever as casas vazias e em ruínas com suas paredes sustentadas por madeiras e os pórticos das janelas arrancados ou já podres.

É o que resta das magníficas vilas de fábricas que comerciantes árabes e europeus levantaram junto ao mar. A prosperidade de Moka, nome que dá passo também a uma denominação que chegou até nossos dias, veio abaixo quando o grão de café foi sacado de contrabando e para ser plantado no Brasil e Java e quando os ingleses fizeram de Aden o porto mas ativo entre Ásia e África. De Aden a Mukaya se estende a costa arenosa que se perde no infinito deserto. O sol é abrasador e o ar é úmido.

Um dos lugares mais antigos da legendária cidade portuária de Aden, no golfo do mesmo nome, é o Tanque de Aden em jabal Shamsan. Próximo dali está o Museu Etnográfico rodeado de jardins, aberto diariamente de 8 a 13.00 h. No velho palácio de um sultão se encontra o Museu Nacional, que guarda numerosos tesouros fruto das escavações feitas na região. Uma das mesquitas mais antigas de Aden é al-Aidrus.

A REGIÃO LESTE

Caminho das vastas mesetas de Rub al Khali nos adentramos no Leste. Avançando mais em direção ao deserto chegamos à Região de Hadramut, repleta de restos arqueológicos que demonstram seu antigo esplendor. Podemos fazer uma visita a Shabwa, a antiga capital da província, que desde o século III d.C. agoniza no deserto.

Desde ali podemos seguir até a costa e chegar à cidade de Al-Mukalla, um porto de mar centro de pesca importante. Na baía se encontra o Museu da cidade. Se pode ver também algumas mesquitas interessantes como ar-Radwdha e a Mesquita de Ùmar, assim como a fortaleza de Husn al-Ghuwayzi.

SHIBAM

Nos remontamos de novo em direção ao interior, seguindo sempre para o Leste para ver uma miragem que ficará para sempre em nossa lembrança da cidade dos arranha-céus do deserto, Shibam, capital do Reino de Hadramut desde as destruições de Shabwa. É um retângulo amuralhado quase perfeito, formado por 433 edifícios de até 30 metros de altura, uma miragem de arranha-céus de barro de até oito andares em meio de um mar de areia.

O Wadi Hadramut, um dos rios mais quentes do país quando chove (geralmente em maio e agosto) e portador de grande riqueza, se transforma, durante a maior parte do ano, num gigantesco sulco de areia de mais de 600 metros de largura e que ao entardecer se converte em lugar de encontro para os habitantes da antiga Shibam e os de Sahil Shibam, o povoado que surgiu recentemente em outra margem.

Como todas as cidades de Yemen, Shibam se levanta com o sol, aproximadamente às cinco da manhã, e com ele se deita, umas doze horas depois. As restrições de energia elétrica, vigentes em todo país, faz que a partir das sete da noite a cidade suma em uma profunda escuridão na qual somente permanece iluminada as janelas daqueles que têm um gerador.

Shibam nasceu no século III antes de Cristo, e ainda que daquela época não restam vestígios, é considerada uma das poucas cidades históricas do mundo árabe que se conserva tal como foi concebida, é dizer, como uma quadra de arranha-céus desde cujos telhados pode-se controlar um amplo horizonte, e tão próximos entre eles como para criar um movimento de ar e sombra suficiente para resistir o calor equatorial que assola a região.

Os edifícios originais foram desgastados por sua composição muitas vezes ao longo dos séculos, mas cada vez são reconstruídos com o mesmo barro ancestral.

Na atualidade, o mais antigo tem aproximadamente três séculos, enquanto que a Mesquita da Sexta-Feira, a maior das cinco que há em Shibam, segue intacta desde 753 (se encontra muito próxima da única porta que dá acesso a cidade).

OUTROS

O maior deserto da península arábiga é o Wadi Hadhramawt, que se estende 160 quilômetros de leste a oeste. Não deixe a região sem visitar Say’un, a cidade das palmeiras que se encontra o Palácio do Sultão, a Tumba de Habshi e a Mesquita de al-Haddade entre outros monumentos interessantes; Tarim, um bonito lugar dominado por elevados minaretes de suas mesquitas, entre elas a de al-Muhdar. O palácio próximo a ela, Sayyid’Umar bin Shaykl-Qafy, é digno de ver.

Também ali se encontra a Biblioteca Al-Afqah, que guarda uma interessante herança espiritual dos maestros do Islam.

Fonte: www.rumbo.com.br

Iêmen

Capital: Sana
Idioma: árabe
Moeda: rial iemenita
Clima: árido
Fuso horário (UTC): +3

Pontos turísticos

Ma´rib

Antiga capital do Reino de Saba, é o melhor sítio arqueológico do país. No século VIII a.C, uma represa de 16m foi criada aqui e por 1000 anos abasteceu os campos com irrigação.

No século II d.C., o império caiu, e a cidade se desintegrou.

Em 1986, após a descoberta de petróleo, a cidade foi restaurada, e pode se ver as construções com pequenas janelas, algumas com inscrições feitas na pedra.

Ruínas de vários templos podem ser vistas na região, em especial o Templo de Bilqis, de 400 a.C.

Sanaa

Possui a maioria dos edifícios construídos com uma técnica secular, usando uma mistura de barro, pedras e gesso, e com torres geométricas.

A cidade se tornou um museu à céu aberto.

O Palácio da Rocha, Dar Al Hajjar, fica num vale verdejante no meio do deserto e desponta na paisagem circundante.

Fonte: www.geomade.com.br

Iêmen

Nome oficial: República do Iêmen (Al-Jumhuriya al-Yamaniya).
Nacionalidade: iemenita.
Data nacional: 22 de maio (Dia da Unificação).
Capital: Sanaa.
Cidades principais: Sanaa (972 000), Áden (562 000) (1995); Ta'izz (290 107), Hodeida (246 068) (1993).
Idioma: árabe (oficial).
Religião: islamismo 99,9% (sunitas 53%, xiitas 46,9%), outras 0,1% (1980).

Geografia

Localização: sudoeste da Ásia. 
Hora local: +6h. 
Área: 527 968 km2. 
Clima: árido tropical (N) e tropical (S).

População

Total: 18,1 milhões (2000), sendo árabes iemenitas 80%, outros árabes, afro-árabes e sul-asiáticos 20% (1996). 
Densidade: 34,28 hab./km2. 
População urbana: 24% (1998). 
População rural: 76% (1998).
Crescimento demográfico: 3,7% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 7,6 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 57/58 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 80 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo: 53,8% (2000). 
IDH (0-1): 0,448 (1998).

Política

Forma de governo: República com forma mista de governo. 
Divisão administrativa: 17 governadorias. 
Principais partidos: Congresso Geral do Povo (CGP), al-Islah, Socialista do Iêmen. 
Legislativo: unicameral - Casa dos Representantes, com 301 membros eleitos por voto direto para mandato de 4 anos. 
Constituição em vigor: 1991.

Economia

Moeda: rial iemenita. 
PIB: US$ 4,3 bilhões (1998). 
PIB agropecuária: 18% (1998). 
PIB indústria: 49% (1998). 
PIB serviços: 33% (1998). 
Crescimento do PIB: 3,8% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 280 (1998). 
Força de trabalho: 5 milhões (1998). 
Agricultura: cereais, café, algodão em pluma, frutas. 
Pecuária: bovinos, ovinos, caprinos, aves. 
Pesca: 115,6 mil t (1997). 
Mineração: petróleo, sal, gipsita, gás natural. 
Indústria: alimentícia, refino de petróleo, materiais de construção (cimento), siderúrgica (ferro e aço), têxtil, couro, jóias, papel e derivados. 
Exportações: US$ 1,5 bilhão (1998). 
Importações: US$ 2,2 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais: Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, EUA, Coréia do Sul, Cingapura, Japão, Egito, Malásia, China, Tailândia, Brasil.

Defesa

Efetivo total: 66,3 mil (1998). 
Gastos: US$ 388 milhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Iêmen

Iêmen localiza-se na Península Arábica e tem fronteira com a Arábia Saudita ao norte e Omã a oeste. Grande parte da fronteira com a Arábia Saudita ainda não está definida. O país situa-se sobre uma importante cadeia de montanhas que separa uma pequena faixa litorânea dos desertos ao norte e no interior da Península Arábica. O relevo também é caracterizado pela presença de inúmeros vales onde se pode cultivar uma grande variedade de produtos agrícolas.

Mais de 18 milhões de pessoas vivem no país. Em sua esmagadora maioria são árabes pertencentes a uma das 1.700 tribos ou clãs que habitam a região, porém há também minorias de somalis, africanos, indianos e paquistaneses.

Mais de 65% da população vive em áreas rurais e cerca da metade dos habitantes possui idade inferior a 15 anos. A expectativa de vida é de 55 anos. Embora 50% de toda a população adulta seja alfabetizada, apenas 25% possui escolaridade formal.

A população cresce rapidamente e provavelmente dobrará de tamanho em apenas vinte anos.

Impérios ligados ao comércio ocuparam o atual território do Iêmen entre 1200 a.C. e 525 d.C. No século X a.C., a região abrigou o Reino de Sabá, que é mencionado no Velho Testamento. O islamismo, por sua vez, chegou ao país no século VII d.C. A história do Iêmen é recheada de guerras e, até 1990, o sul e o norte eram duas nações politicamente distintas, embora fossem interligadas econômica e culturalmente.

No fim da década de 80, o Iêmen do Sul renunciou ao comunismo e iniciou um diálogo com o Iêmen do Norte que resultou na unificação das duas nações em maio de 1990. Em 1994, o sul tentou tornar-se independente outra vez, mas foi derrotado após dois meses de guerra civil.

O antigo Iêmen do Norte foi uma teocracia islâmica feudal que perdurou por mais de mil anos. Já o Iêmen do Sul sempre demonstrou maior abertura e aceitou uma considerável exposição ao cristianismo. Ainda assim, a região sul do Iêmen continua sendo uma área muito difícil para implantação de ministérios cristãos.

Além disso, essa dicotomia entre norte e sul é bastante simplista, pois o país contém pelo menos seis áreas ou grupos culturais distintos: as tribos do norte, a população das montanhas, a costa do Mar Vermelho, o vale do Rio Adramaut, a região do Áden e a Ilha de Socotra.

A maioria dos iemenitas são agricultores, pescadores ou artesãos que fornecem produtos aos varejistas das áreas urbanas. A classe média é quase inexistente e a maioria da população é pobre, porém há uma pequena elite, formada por pessoas extremamente ricas. Muitos agricultores iemenitas cultivam uma espécie de árvore (Catha edulis) cujas folhas possuem uma substância alucinógena conhecida como Khat. Quando as folhas são mastigadas ou utilizadas em chás, obtem-se um efeito alucinógeno moderado.

O governo, dominado pela elite econômica, é repleto de heróis de guerra. O serviço militar é obrigatório no país e as bases militares estão espalhadas pelo campo. O atual presidente é um herói da guerra civil.

O islamismo é a religião oficial do país. O norte é mais conservador e deseja a implantação radical da sharia, enquanto o sul mantém uma posição mais moderada. Quase todos os habitantes são muçulmanos, dois terços dos quais de tradição sunita, enquanto os demais são xiitas. Poucos cristãos residem no país.

A Igreja

Tradicionalmente, o Iêmen é identificado com o antigo Reino de Sabá citado na Bíblia. Muitos cristãos viviam no país por volta do ano 500 d.C., mas foram expulsos pelo avanço do islamismo. Uma minoria de alguns milhares de cristãos habita o país, constituída principalmente de trabalhadores estrangeiros provenientes de países como Alemanha, Cuba, Rússia e Estados Unidos. Esses estrangeiros são católicos ou ortodoxos em sua maioria.

Os cristãos nativos somam menos de mil pessoas e muitos deles chegaram ao conhecimento de Jesus Cristo por meio de transmissões radiofônicas. Eles mantêm suas identidades religiosas em sigilo, pois temem o que pode lhes acontecer se forem descobertos.

História da Igreja

Século 4º - No tempo dos romanos, os himiaritas governavam sobre o que hoje é o Iêmen. No meio do 4º século é mandada uma missão lá para fortalecer os laços políticos. O líder desta missão é o diácono Teófilo. Ele testemunha sua fé perante o rei himiarita, que se converte e ordena a construção de três ou quatro igrejas em seu reino.

Século 6º - Os cristãos de Najran (hoje a área fronteiriça entre a Arábia Saudita e o Iêmen) apelam por ajuda dos cristãos etíopes para depor o rei himiarita, que tinha se convertido ao judaísmo. Eventualmente instala-se um rei etíope sob quem os cristãos progridem. Ele constrói uma grande catedral em Sanaa.

Século 7º - Estima-se que de 1 milhão de pessoas que viviam na Arábia quando chegou o islamismo, cerca de 100 mil eram cristãos. Na época da morte de Maomé, a Península Arábica une-se sob o islamismo. Devido a um acordo, os cristãos de Najran têm permissão para ficar e praticar sua religião livremente mediante pagamento de tributo. Entretanto, sob o reinado de Umar (634-644) fica estabelecido que não pode haver duas religiões ao mesmo tempo na Península Arábica. Contudo um diminuto grupo de cristãos permanece em Najran.

717 – Umar ibn Abd al-Aziz assume o poder. Os cristãos de Najran queixam-se a ele de que correm perigo de extinção. Por ordem de Umar é feito o recenseamento deles e descobre-se que eles estão reduzidos a um décimo da quantidade original.

1839-1937 – O Iêmen do Sul faz parte da Índia britânica. Em 1937 ele torna-se colônia da coroa britânica. Nesse período estabelecem-se as igrejas cristãs e os postos missionários.

1918 – As forças turcas retiram-se do Iêmen do Norte, que mais tarde se torna a República Árabe do Iêmen. Segue-se um longo período de guerra civil.

1967 – Depois de anos de instabilidade política, a Inglaterra sai do Iêmen do Sul, deixando o país para a Frente de Libertação Nacional, comunista. Nasce a República Democrática do Povo do Iêmen. Os comunistas fecham as igrejas existentes e confiscam seus edifícios para uso secular.

1990 – A República Árabe do Iêmen e a República Democrática do Povo do Iêmen se unem, tornando-se assim a República Árabe do Iêmen. Ali Abdallah Salih torna-se presidente. As organizações religiosas são convidadas a procurar a restituição de suas propriedades.

1994 – Irrompe a guerra civil e é travada principalmente na parte sul do país. Na cidade de Áden, soldados atacam e destroem a Igreja Sagrada Família, que tem 139 anos. A igreja de Cristo é seriamente danificada. A guerra acaba com a tomada de Áden pelas forças do norte. Em setembro o parlamento iemenita aprova uma constituição baseada na sharia depois de pressionado pelo partido islâmico Al-Islah.

A Perseguição

Por muitos séculos, o norte do país tem sido governado pela sharia. Apesar disso e de a evangelização ser proibida no país, a região manteve-se aberta no passado a alguns ministérios cristãos de ajuda humanitária. O Iêmen do Sul, por sua vez, chegou a expulsar alguns missionários do país em 1973. Nenhuma missão cristã tem permissão oficial para atuar no Iêmen e geralmente não há autorização para a construção de novas igrejas. Alguns cristãos têm sido presos e torturados sob falsas acusações.

Em julho de 1998 um muçulmano fundamentalista de origem bósnia matou três freiras católicas romanas da ordem das Missionárias de Caridade na cidade de Al Hudaidah, no mar Vermelho. Elas trabalhavam lá entre pessoas deficientes físicas e mentais. O assassinato foi atribuído à ação de um homem. Foi dada proteção policial a obreiros religiosos e o presidente Salih ordenou uma investigação sobre o ataque.

Em 2000 o muçulmano somali convertido, Omer Haji foi detido em Áden e acusado de apostasia. Foi dada a ele a alternativa de retornar ao islamismo ou enfrentar a pena de morte. Finalmente, Haji foi solto da prisão e recebeu asilo político na Nova Zelândia. Ele chegou lá com sua esposa Sarah e o bebê, Roger em 24 de agosto.

No Dia de Ano Novo de 2001, explodiu uma poderosa bomba na igreja de Cristo em Áden. Ninguém se feriu, mas a igreja ficou seriamente danificada.

Em dezembro de 2002 um membro do Jihad Islâmico, um grupo iemenita local, matou três americanos de um hospital missionário em Jibla, a 170 quilômetros ao sul de Sanaa. O atirador declarou que ele tinha executado o ataque para "limpar sua religião e ficar mais perto de Alá". O presidente Salih mandou uma mensagem de condolência ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, manifestando abalo e tristeza com o ataque a pessoas que estavam trabalhando para ajudar os iemenitas.

Para uma mulher iemenita chamada Bilquis, estudar o cristianismo significou ser espancada por sua própria família muçulmana. Segundo uma amiga de Bilquis, ela conheceu o Evangelho quando ouviu a transmissão de uma rádio cristã. A mensagem tocou seu coração e ela desejou saber mais sobre o cristianismo.

Surpreendentemente, Bilquis descobriu que havia uma mulher cristã morando perto de sua casa e elas começaram a estudar a Bíblia juntas. Sua família, porém, suspeitou que ela estivesse interessada no cristianismo e a espancou. Ela ainda se encontra com sua vizinha cristã, mas vive sob constante medo. Bilquis sabe que se seus familiares descobrirem, ela será novamente espancada e ficará confinada dentro de sua casa.

A constituição declara que o islamismo é a religião do Estado e que a sharia (lei islâmica) é a fonte de toda legislação. O governo proíbe os não-muçulmanos de exercerem proselitismo. Sob o islamismo na forma como é aplicado no país, a conversão de um muçulmano para outra religião é considerada apostasia, um crime punível com a morte.

A lei iemenita permite que um homem muçulmano se case com uma mulher cristã, mas nenhuma mulher muçulmana pode se casar fora do islamismo.

Existem algumas igrejas na cidade de Áden. Não existem lugares públicos não-muçulmanos de culto no antigo Iêmen do Norte. O governo não permite a construção de novos locais públicos não-muçulmanos de culto sem permissão.

Em 1998 o Iêmen estabeleceu relações diplomáticas com o Vaticano e concordou com a construção e operação de um "centro cristão" em Sanaa. Eram realizados num auditório do edifício de uma empresa privada em Sanaa serviços religiosos semanais para estrangeiros católicos, protestantes e cristãos etíopes.

Mas, isso está suspenso devido a tensões políticas. Em outras cidades os cultos cristãos são realizados em casas particulares ou instalações como de escolas.

Missionários cristãos operam no Iêmen e a maioria deles dedica-se a serviços médicos, outros estão empregados em serviços de ensino e social.

Aconteceu esporadicamente, da polícia maltratar estrangeiros por possuírem literatura religiosa não-islâmica. Alguns membros das forças de segurança censuram ocasionalmente a correspondência do clero cristão, provavelmente para evitar o proselitismo.

As escolas públicas ensinam o islamismo, mas não outras religiões.

Os não-muçulmanos podem votar, contudo, não podem se candidatar a cargos eletivos.

Em seguida à unificação do Iêmen do Norte e do Iêmen do Sul em 1990, as organizações religiosas foram convidadas a buscar a restituição de suas propriedades. Entretanto, a implementação do processo tem sido extremamente limitado e bem poucas propriedades voltaram a seus antigos donos.

O Futuro

O governo atual ficará no controle e tentará seguir um curso moderado, tendo a modernização do país como uma de suas principais metas. Para manter boas relações com o Ocidente, o governo iemenita está inclinado a tomar uma ação firme contra os partidos islâmicos do país. É provável que a raiva causada por isto, seja dirigida aos cristãos.

Pode ser esperada uma crescente procura por Bíblias e literatura cristã, devido a uma resposta positiva a programas de rádio e de televisão. Entretanto, não se podem fazer livres importações e distribuição de materiais na língua árabe. A pressão sobre os crentes indígenas irá continuar sendo severa. A perseguição vem de membros da família, autoridades locais e de líderes religiosos.

A igreja está crescendo, mas em um ritmo bastante lento. Durante o século XX, o número de conversões anuais foi mínimo e, devido às atuais circunstâncias, é pouco provável que haja mais de dez mil conversões neste século. Apesar disso, muitos observadores acreditam na possibilidade de ocorrer um grande avanço espiritual em um futuro próximo.

Ainda que isso ocorra, a grande maioria de cristãos no país continuaria a ser constituída de estrangeiros, e a parcela de cristãos nativos permaneceria pequena, talvez abrangendo de 10 a 20 mil pessoas. O mais provável, no entanto, é que até 2050 a igreja iemenita continue sendo severamente perseguida, temendo por sua própria existência.

A cidade de Áden

Áden está edificada sobre o topo de um vulcão inativo numa ilha perto da costa. Com o passar dos anos, a ilha tornou-se ligada ao continente. No lado leste a cidade limita-se com a Baía Holkat, um porto natural, que em tempos antigos costumava ser um importante porto por onde passavam produtos valiosos como incenso e mirra. Do século 16 ao 19, a cidade foi dominada pelos turcos, que foram substituídos pelos britânicos em 1839.

Depois da independência em 1967, seguiu-se um período de dificuldade econômica. Pragas de ratos, epidemias e rebeliões populares ocorriam regularmente. A situação melhorou vagarosamente só depois da unificação com o Iêmen do Norte em 1990. Durante a curta guerra civil de 1994, Áden foi duramente atingida. O aeroporto foi destruído e irromperam doenças, matando muitas pessoas. Durante os conflitos, os soldados iemenitas atacaram e destruíram a Igreja Sagrada Família, que tinha 139 anos.

A população (cerca de 600 mil habitantes) de Áden é muito variada. A maioria dos iemenitas pertence a várias seitas muçulmanas xiítas. Uma pequena minoria é zoroastriana. Devido ao comércio internacional, pessoas da Indonésia, Quênia, Etiópia, Sudão, Tanzânia e Egito estabeleceram-se na cidade. Muitos trabalhadores europeus ocidentais vieram trabalhar no porto e um grande número de somalis estão abrigados em campos de refugiados nas vizinhanças de Áden.

Existe uma notável diferença no número de homens e mulheres. Devido às guerras e ao trabalho migratório, existe cerca do dobro de mulheres em relação aos homens que vivem na cidade.

Áden é a única cidade iemenita onde existem e funcionam templos. A Igreja de Cristo (anglicana) foi construída nos anos de 1860 pelos britânicos no distrito de Tawahi. O edifício foi transformado num clube de esportes marítimos depois da independência, mas voltou a ser igreja em 1993 e abriu em 1996. Até recentemente os cristãos estrangeiros, que trabalhavam em Áden, freqüentavam cultos todas as semanas. No Dia de Ano Novo de 2001, explodiu uma poderosa bomba no templo. Ninguém se feriu, mas a igreja ficou seriamente danificada. Anexa à Igreja de Cristo há uma clínica onde voluntários prestam serviços médicos.

Além desta igreja protestante, umas poucas igrejas católicas romanas estão operando na cidade.

No cemitério cristão de Áden pode ser encontrada a tumba do evangelista Ion Keith Falconer. O escocês Falconer viajou para o Iêmen pela primeira vez em 1885. Em seu relatório de viagem ele mencionou que a população de Áden era formada principalmente por muçulmanos árabes e africanos e uns poucos judeus.

Ele apresentou um plano para estabelecer uma escola, um orfanato e um hospital ao xeique otomano, no interior de Áden, e um ano depois assumiu a tarefa de realizar o projeto, arcando ele próprio com a parte mais difícil do custo do projeto.

Em dezembro de 1886 ele chegou ao Iêmen e em maio do ano seguinte, esse missionário pioneiro morreu de febre, com apenas 30 anos de idade. O seu projeto quase não foi feito, mas o seu trabalho inspirou muitos outros a seguirem seus passos e conscientizarem os cristãos do Ocidente do enorme campo missionário que existia naquela parte do mundo.

Motivos de Oração

1. Os iemenitas sofrem por não conhecerem o Evangelho. O islamismo já domina o Iêmen por mais de mil anos. Ore para que o Evangelho alcance uma maior penetração no país.

2. Formas criativas são necessárias para levar o Evangelho ao Iêmen. Ore pela eficácia dos "fazedores de tendas" – cristãos que trabalham no país e têm a chance de testemunhar de forma discreta. Alguns têm obtido êxito em compartilhar o Evangelho e converter pessoas.

3. Os cristãos iemenitas são excluídos da estrutura social. Ore para que os cristãos nativos se unam e desenvolvam companheirismo. Em geral, os cristãos que vivem em países muçulmanos são marginalizados pela sociedade, o que pode resultar em profunda solidão. O companheirismo entre os cristãos, mesmo que estejam em pequeno número, pode ajudar a atenuar esse sentimento.

4. A única comunhão de alguns cristãos são os programas das rádios cristãs. Transmissões de rádio em ondas curtas direcionadas ao Iêmen têm sido responsáveis por centenas de conversões secretas. Ore pela continuidade da eficácia das rádios e pelo desenvolvimento de métodos que promovam o relacionamento entre os cristãos que mantêm sua fé em sigilo.

5. Muitos convertidos iemenitas sentem-se completamente sós, ainda que estejam rodeados por seus familiares muçulmanos. Os maridos ou esposas dos convertidos são muçulmanos, assim como seus filhos, por isso eles temem compartilhar sua fé com a própria família. A descoberta poderia levar à prisão, condenação e até à morte. No entanto, sem ter ninguém com quem se relacionar, muitos convertidos correm o risco de abandonarem o recém-descoberto relacionamento com Cristo.

6. É comum que cristãos nativos sejam presos. Alguns são até mesmo torturados e muitos são detidos sob falsas acusações. Ore para que o governo perdoe e liberte os cristãos que estão presos. Ore também para que ocorra um avanço nas relações entre a igreja e o governo.

7. Os lideres do país necessitam de um relacionamento com Jesus Cristo. Ore para que os governantes aprovem e cumpram leis que assegurem a liberdade religiosa, permitindo o livre exercício da religião e a evangelização. Peça pela conversão dos governantes.

Fonte: www.portasabertas.org.br

Iêmen

Yemen é um país na Arábia.

A capital é Aden.

A principal religião é o Islã.

A principal língua é o Árabe.

Yemen do Norte tornou-se independente do Império Otomano em 1918. Os Britânicos, que haviam criado uma área de protetorado em torno do porto de Aden no século 19, se retiraram em 1967 do que se tornou o Yemen do Sul. Três anos depois, o governo do sul adotou uma orientação Marxista.

O êxodo em massa de centenas de milhares de Yemenitas do sul para o norte contribuiu para duas décadas de hostilidade entre os estados. Os dois países foram formalmente unificados como a República do Yemen em 1990. Um movimento separatista do sul em 1994 foi rapidamente controlado.

Em 2000, a Arábia Saudita e o Yemen concordaram com a delimitação de suas fronteiras. Lutando no noroeste entre o governo e os rebeldes Huthi, um grupo buscando um retorno ao tradicional Zaydi Islã, começou em 2004 e desde então resultou em seis rounds de luta - a última terminando no início de 2010 com um cessar-fogo que continua a se manter.

O movimento separatista do sul foi revitalizado em 2008, quando um movimento de protesto popular, sócio-econômico iniciado no ano anterior teve ganhos de objetivos políticos, incluindo a secessão.

Comícios públicos em Sanaa contra o Presidente SALIH - inspirados em manifestações semelhantes na Tunísia e no Egito - lentamente construíram momentum no final de Janeiro 2011 alimentados por queixas sobre desemprego, más condições economicas e corrupção. No mês seguinte, alguns protestos resultaram em violência, e as manifestações se espalharam para outras grandes cidades.

Em Março a oposição endureceu suas demandas e estava unida por trás das chamadas para a expulsão imediata Salih. O Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) no final de Abril de 2011, em uma tentativa de mediar a crise no Yêmen, propôs um acordo no qual o presidente deixaria o cargo em troca de imunidade às acusações.

A terceira recusa de SALIH para assinar o acordo do GCC no final de Maio levou a pesados combates de rua, e no início de Junho uma explosão na mesquita do complexo presidencial feriu Salih, que foi evacuado para a Arábia Saudita para tratamento. Junho testemunhou um número crescente de confrontos com as forças governamentais e anti-governo - algumas com ligações à al-Qaeda na Península Arábica - em um número de cidades e vilas no sul do Yêmen.

No final de Setembro, SALIH voltou a Sanaa sob o fogo de bombardeios pesados e metralhadora entre as forças do regime leais e desertores das forças militares. O Conselho de Segurança da ONU aprovou a Resolução 2.014 em Outubro chamando ambos os lados para acabar com a violência e concluir um acordo de transferência de poder.

No final de Novembro de 2011, o Presidente SALIH assinou o acordo intermediado pelo GCC , para transferir alguns de seus poderes ao Vice Presidente Abd al-Hadi Rabuh Mansur HADI, e para convocar eleições antecipadas em Fevereiro de 2012.

A fusão das regiões Norte e Sul do Yemen, em 1990, deu à luz uma nova nação, a República do Yemen, na ponta sul da Península Arábica. Como resultado, todos os Yemenitas estão unidos sob um único governo, pela primeira vez em três séculos. As duas nações separadas, entre as mais pobres do mundo, uniram-se na esperança de alcançar juntas um nível de prosperidade que não conseguiram alcançar separadas. Em vez disso, as tensões entre os vários grupos do Yêmen dificultaram o progresso.

Os Yemenitas do norte e do sul têm muito em comum, incluindo as suas raízes Árabes e sua religião Muçulmana. Eles também compartilham um legado que inclui Saba, o bíblico Sheba - um dos muitos reinos que floresceram do século 10 ao século 2 aC.

A Terra e a Economia

Yemen fronteira com o Mar Vermelho a oeste; a Arábia Saudita ao norte; Omã a leste; e o Golfo de Aden ao sul. As possessões do Yemen incluem a ilha de Socotra, de 1400 milhas quadradas (3.636 km²) no Golfo de Aden; as ilhas de Perim, Al Hanish al Kabar, Jabal Zuqar Jazirat, e Kamaran no Mar Vermelho; e ilhas menores no Mar da Arábia.

A geografia do Yêmen desempenhou um papel fundamental no seu desenvolvimento econômico e político e na formação dos duros e independentes Yemenitas.

A localização do país na entrada do Mar Vermelho tornou-o um alvo atraente para os invasores de várias nações. Sua paisagem áspera, especialmente no seu interior montanhoso, permitiu às tradições Yemenitas sobreviver longos períodos de ocupação estrangeira. Estas mesmas montanhas ajudaram a manter os Yemenitas no norte isolados dos avanços acontecendo nas proximidades.

A região ocidental que foi uma vez o Yêmen do Norte contém a maioria das terras férteis da nação. Ao lado do Mar Vermelho está uma faixa de planície semideserta chamada Tihama. Cerca de 40 milhas (64 km) de largura, a Tihama é uma região quente de areia com vegetação esparsa e um oásis ocasional.

Wadis, cursos secos de água que inundam durante a estação chuvosa, correm das montanhas para o mar. Sistemas de irrigação ao longo dos wadis permitiram aos agricultores produzir uma abundância de vegetais, frutas e algodão. O antigo porto de Mocha, que deu ao café Yemenita o seu nome, está localizado na Tihama. Hoje, o principal porto da região é Hodeida.

A leste da faixa litorânea, a terra sobe em montanhas que atingem 4.000 a 12.000 pés (1.200 a 3.600 m). Mais de 15 polegadas (38 cm) de chuvas caem durante o verão, quando os ventos das monções sopram do Oceano Índico. A temperatura média de Julho é de 70 °F (21 °C).

Os agricultores nas terras altas cultivam plantações em terraços. As últimas décadas têm visto um número crescente desses terraços virarem para o cultivo de khat, um arbusto cujas folhas os Yemenitas mastigam pelo seu efeito narcótico leve. A produção expandida do khat colocou mais dinheiro no bolso dos agricultores, mas acrescentou aos problemas de alimentos da nação. O Yemen depende das importações de açúcar, grãos e farinha de trigo para atender às suas necessidades alimentares.

A capital do país, Sana, situada à mais de 7.120 pés (2.170 m) acima do nível do mar, é a antiga capital do Yêmen do Norte. Uma muralha de tijolos de barro rodeia esta antiga cidade. Dentro das paredes estão alguns dos altos edifícios típicos do Yêmen. Estas casas retangulares de pedra e tijolos de barro são muitas vezes de mais de cinco andares. Suas janelas são decoradas com traços delicadamente concebidos. Taizz, 4.600 pés (1.402 m) acima do nível do mar, é uma grande cidade no sudoeste.

A parte sul destas montanhas do oeste desce para o que era anteriormente o Yêmen do Sul. Os agricultores cultivam grãos e tâmaras nas úmidas terras altas daqui. O cultivo do algodão é importante ao longo dos wadis de Bana e Tibban, ao norte da cidade portuária de Aden. Aden, um importante centro de comércio, costumava ser a capital do Yêmen do Sul. Os Yemenitas se referem a ela como a "capital econômica" da nova nação.

A cidade de Marib se encontra a leste do planalto ocidental, quando as montanhas se inclinam fora no deserto. Três mil anos atrás, caravanas de camelos serpenteavam por esta cidade em seu caminho ao norte para o Mar Mediterrâneo. Elas levavam especiarias, sedas e jóias do Leste da Ásia, e a resina adocicada de duas árvores Yemenitas, o incenso e a mirra. Hoje, arqueólogos visitam Marib para escavar os segredos das civilizações passadas.

Pequenos depósitos de petróleo foram descobertos perto de Marib, em 1984. A exportação de petróleo e derivados fornece fundos para o desenvolvimento.

Em casa, o gás de botijão e o querosene de baixo custo são substitutos de boas-vindas para a escassa lenha. A demanda por lenha era tão forte antes da descoberta do petróleo, que alguns ambientalistas previram a perda iminente de todas as árvores e arbustos do norte.

Uma planície costeira arenosa separa a margem do sul do Yêmen das montanhas que se afilam em direção ao leste. Ao norte das montanhas, a terra se funde com a do deserto - o Rub'al Khali "Empty Quarter", ou Quarteirão Vazio, da Arábia Saudita. Wadis cortando as montanhas permitem as culturas crescer.

Algumas das melhores terras agrícolas do país estão localizadas no centro da região leste, nas margens do wadi Hadhramaut, onde o café e o tabaco são as principais culturas. Longe das montanhas, as temperaturas do verão no sul regularmente aumentam acima de 130 °F (55 °C).

Muitas pessoas em Hodeida e nas cidades do planalto ocidental trabalham em fábricas, no refino de petróleo e na produção de bens de couro, têxteis, alimentos processados, cimento e produtos de alumínio. As minas do Yêmen produzem sal e pequenas quantidades de carvão e cobre. A pesca é uma grande indústria, especialmente no sul, onde há um comércio de exportação saudável em peixes salgados e secos. A indústria de Aden está na maior parte concentrada nas necessidades dos navios que param para reabastecer. Sua refinaria de petróleo cria produtos do petróleo bruto importado.

Estima-se que 40-50 por cento dos Yemenitas vivem com menos de $2 dólares por dia, fazendo do Yêmen o país mais pobre do mundo Árabe. O desemprego é alto em todo o país, e os recursos de água e óleo estão em declínio. O governo está tentando diversificar a economia para reduzir a dependência do Yêmen do petróleo. Em 2009, o Yêmen começou a exportar gás natural liquefeito como parte de seu programa de diversificação economica.

Economia - visão geral:

O Yêmen é um país de baixa renda que é altamente dependente dos recursos de petróleo em declínio nas receitas. O petróleo responde por cerca de 25% do PIB e 70% das receitas do governo. O Yêmen tentou combater os efeitos de seus recursos de petróleo diminuíram diversificação da sua economia através de um programa de reforma econômica iniciada em 2006, que é projetado para impulsionar setores não petrolíferos da economia e do investimento estrangeiro.

Em outubro de 2009, o Iêmen exportou seu primeiro gás liquefeito natural como parte deste esforço de diversificação. Em janeiro de 2010, a comunidade internacional estabeleceu os Amigos do Iêmen grupo que tem como objetivo apoiar os esforços do Iêmen para a reforma econômica e política.

A revolução árabe, que começou no início de 2011 causou PIB para mergulhar mais de 10% em 2011 e PIB em 2012 começou uma recuperação modesta, mas não chegou a pré-2011 níveis. Iêmen continua a enfrentar difíceis desafios de longo prazo, incluindo os recursos hídricos em declínio, o desemprego elevado, e uma elevada taxa de crescimento da população.

População

O Yêmen tem uma população de mais de 24 milhões de pessoas. Todos os Yemenitas falam Árabe. Os habitantes da área de Mahra, no extremo leste, falam várias línguas não-Árabes também.

O Islã foi trazido para o Yêmen no ano 630 A.D., apenas alguns anos depois do Profeta Maomé começar a pregar, e hoje, todos, exceto um punhado de Yemenitas são Muçulmanos. Cerca de dois terços pertencem à seita Shafi'i do ramo Sunita do Islã, e um terço à seita Zaidi do ramo Xiita.

A maioria dos Zaiditas vivem no planalto ocidental, geralmente em pequenas aldeias. Lá, os moradores cultivam ou mantêm ovinos, caprinos, gado e camelos. Cerca de 10 por cento dos sulistas são Beduínos, pastores nômades que criam uma boa parte do gado do país.

As lealdades tribais e a sensação de estarem unidos por um ancestral comum, são fortes no Yêmen, especialmente no norte. As distinções de classe são importantes, também. Os proprietários de terras (sayyids) e os burocratas (qadis) estão no topo da escada social Yemenita.

Os prestadores de serviços ou artesãos (bani kums), como açougueiros e carpinteiros, estão abaixo deles. Na parte inferior da escala social estão os abid, as pessoas de ascendência Africana que são descendentes de escravos. A escravidão não foi proibida no Yêmen do Norte até 1967.

Muito mais fraco do que era antes, este sistema de classes ainda orienta as decisões pessoais, especialmente nos planaltos ocidentais. Por exemplo, as mulheres vão se casar em uma classe acima delas, mas nunca em uma mais baixa.

O status das mulheres tem sido uma preocupação especial no sul, onde o governo do Yêmen do Sul fez um esforço especial para dar às mulheres mais poder sobre suas vidas. As mulheres foram alvo de campanhas de alfabetização especiais, e foram incentivadas a trabalhar fora de suas casas. No norte, as mulheres nas aldeias trabalham sem véus no campo.

Nas cidades, elas são envolvidas da cabeça aos pés em xales brilhantes, e elas são muito veladas quando se aventuram fora de suas casas. A mulher média Yemenita tem sete filhos.

Os homens Yemenitas usam apertados barretes bordados com fios de ouro ou prata. Sobre estes eles usam brilhantes turbantes coloridos. O manto de um homem, que chega abaixo dos joelhos, é usado com um cinto de couro bordado. Uma adaga curva, ou jambiya, muitas vezes é orgulhosamente mostrada no cinturão.

Desde 1960, os Yemenitas no norte e no sul têm trabalhado duro para fazer a assistência médica e a escolaridade mais amplamente disponíveis. No sul, uma ênfase em cuidados de saúde levantou a expectativa de vida de 36 anos em 1960 para cerca de 50 anos em 1990. O percentual de sulistas capazes de ler saltou de 15 para 32 por cento entre 1967 e 1988. Os nortistas também viram ganhos, embora menos espetaculares.

Em 2004, a expectativa de vida do país ultrapassou os 61 anos. Cerca de 70 por cento de todos os homens e 30 por cento de todas as mulheres podem ler.

História

O Yêmen já fez parte de vários reinos antigos, incluindo o reino Himyarita, que foi conquistado em 525 dC por Cristãos Etíopes. Grupos Cristãos e Judeus já viviam lá na época. Os Persas derrotaram os Etíopes 50 anos depois.

A Turquia controlou o norte por longos períodos do século 16 ao século 20. Uma linha de imãs (líderes espirituais) assumiu após o Yêmen conseguir a independência em 1918, até que um golpe de 1962 fez do Yêmen do Norte uma república.

A história tomou um rumo diferente no sul. A Companhia Britanica das Índias Ocidentais ocupou Aden, um pequeno porto de pesca, em 1839. Como uma colônia Britânica, Aden tornou-se um centro comercial após o Canal de Suez abrir em 1869. A Grã-Bretanha finalmente trouxe os sultanatos, emirados, e califados da região sob sua influência. Em 1965, ela persuadiu 16 destes pequenos Estados, incluindo Aden, para formar a Federação da Arábia do Sul.

Os Britânicos se retiraram em 1967, e um grupo Marxista, a Frente de Libertação Nacional (FLN), assumiu o comando desses 16 estados e mais quatro outros.

Usando a União Soviética como seu modelo, a FLN tentou transformar o Yêmen do Sul no único estado Árabe socialista do mundo. Mas a ajuda do Bloco do Leste não conseguiu acabar com sua pobreza. Os dois Yemens incorporaram-se em 22 de Maio de 1990. Ali Abdullah Saleh, o ex-presidente do Yêmen do Norte, em seguida, tornou-se chefe de um conselho interino presidencial.

Por causa de sua postura pró-Iraquianos durante a Guerra do Golfo de 1991, o Yêmen perdeu muito da ajuda externa, embora esta diferença fosse parcialmente compensada pelas receitas do petróleo. Nas primeiras eleições democráticas da Península Arábica, um parlamento de uma-casa foi eleito em 1993 sob uma nova constituição.

Ele elegeu um novo conselho presidencial que escolheu Saleh como seu líder. Em 1994, o Yêmen do Sul tentou se separar mas foi derrotado quando as tropas Norte-Yemenitas capturaram Aden. Posteriormente, o Yêmen e a Arábia Saudita estabeleceram uma disputa de fronteira de longa data.

Saleh ganhou a primeira eleição presidencial direta da nação em 1999 e foi reeleito em 2006. Desde 2004, o governo vem lutando contra uma insurgência Houthi Xiita no norte. As forças Sauditas foram atraídos para a luta em 2009. O governo Yemenita também enfrentou um movimento separatista em curso, no sul.

Enquanto isso, o grupo terrorista Al Qaeda encontrou refúgio nas áreas tribais remotas e sem lei do sul e do leste do Yêmen. Em 2009, eles formaram um grupo chamado Al Qaeda na Península Arábica (AQAP), que foi ligado a vários planos terroristas contra os Estados Unidos.

Em Janeiro de 2011, o Yêmen experimentou protestos anti-governamentais semelhantes aos que derrubaram os líderes de longa data da Tunísia e do Egito naquele ano. Em resposta, o Presidente Saleh prometeu deixar o cargo quando seu mandato terminasse em 2013 e abandonou os planos de ter seu filho a sucedê-lo. Ele também disse que iria realizar um referendo sobre uma nova Constituição que daria ao legislativo uma maior influência no governo. Apesar das concessões, os protestos continuaram.

Saleh deixou o Yêmen temporariamente para tratamento médico na Arábia Saudita após ser gravemente ferido em um atentado de 3 de Junho de 2011, na mesquita do complexo do palácio. À medida que o ano avançava, os protestos continuaram; o combustível tornou-se escasso; e os preços da água e dos alimentos dispararam.

Richard W. Bulliet

Fonte: Internet Nations

Iêmen

Nome Oficial: Iêmen
Capital: Sanaa
Idioma: árabe (oficial)
Data Nacional: 22 de maio (Dia da Unificação)
Nacionalidade: iemenita
Moeda: RIAL IEMENITA
Tipo de Governo: República com forma mista de governo
Religião: islamismo 99,9% (sunitas 53%, xiitas 46,9%), outras 0,1% (1980)

O atual Iêmen é resultado da fusão, em 1990, do Iêmen do Norte - nação de forte tradição islâmica - com o Iêmen do Sul, mais ocidentalizado e pró-socialista.

Localizado na entrada do mar Vermelho e bastante montanhoso, o país tem as terras mais férteis da península Arábica e numerosas fontes de água, que favorecem as culturas de cereais, algodão, frutas, vegetais e café. Segundo a tradição, o cafezinho teria sido inventado ali no século XI. O qat, planta de ação estimulante mascada pelos habitantes - e que dá origem a uma droga poderosa - também ocupa parte da área cultivada.

Descoberto em 1984, o petróleo responde por 90% das exportações iemenitas. As reservas, porém, são modestas se comparadas às de outros Estados da região. O governo espera iniciar a exploração de gás nos primeiros anos do século XXI.

A taxa de desemprego é alta, problema agravado a partir de 1990, quando cerca de 850 mil iemenitas que trabalhavam na Arábia Saudita são expulsos e retornam ao país. A decisão saudita foi considerada uma represália ao governo do Iêmen por este não haver condenado com veemência a invasão do Kuweit pelo Iraque.

Os indicadores sociais da nação são baixos: a expectativa de vida gira em torno de 54 anos e mais de 60% dos habitantes são analfabetos. Há diversas comunidades tribais no país e as federações de tribos do norte têm grande influência na política. A fusão entre um regime islâmico e outro socialista gerou características peculiares. As mulheres iemenitas têm direito a voto - coisa rara nos países que vivem sob a lei islâmica - mas a poligamia é admitida para os homens.

História

A região é chamada pelos romanos de Arábia Feliz por causa de suas terras férteis, em contraste com o deserto que domina o restante da península Arábica.

Abrigou na Antiguidade vários Estados

O mais famoso, o Reino de Sabá, é mencionado no Velho Testamento. No século VII converte-se ao islamismo. A partir do século IX, o território é governado por uma dinastia de sacerdotes zaiditas, uma das seitas xiitas islâmicas. Iêmen do Norte - É ocupado pelos turcos entre 1538 e 1630 e, mais tarde, de 1849 a 1918. Com a independência, em 1918, o poder volta às mãos dos zaiditas, que mantêm o país isolado.

Em 1962, militares dão um golpe de Estado, derrubam a monarquia e proclamam a República. Tribos fiéis à monarquia resistem, ajudadas pela Arábia Saudita e pelo Reino Unido. Tropas do Egito intervêm na guerra civil em auxílio aos republicanos, que por fim saem vitoriosos. Um cessar-fogo é assinado em 1970.

Diversas facções militares tomam o governo, numa sucessão de golpes de Estado, até que, em 1988, nas primeiras eleições livres, o coronel Ali Abdullah Saleh - no poder desde 1978 - é escolhido para a Presidência.

Iêmen do Sul - Em 1834, os ingleses ocupam o Porto de Áden, importante entreposto comercial entre a África e a Índia, e estabelecem um protetorado que inclui as áreas tribais do sul da península Arábica.

Em 1967 concedem-lhe a independência. O poder fica nas mãos da Frente de Libertação Nacional, que implanta o único regime comunista no Oriente Médio, com a ajuda econômica e militar da União Soviética (URSS).

Iêmen unificado - A unificação do Iêmen é objetivo declarado do governo dos dois países desde a década de 60, cada um buscando a hegemonia sobre a região.

Eles entram em guerra em 1972 e 1979. No final da década de 80, sob o impacto da liberalização soviética, o Iêmen do Sul renuncia ao comunismo e inicia o diálogo com o Iêmen do Norte. Em maio de 1990, o Iêmen torna-se uma única nação e passa a ser governado por um presidente do norte (Ali Abdullah Saleh) e um primeiro-ministro do sul (Haidar al-Attas).

Guerra civil - O Congresso Geral do Povo (CGP), partido do presidente Saleh, obtém maioria nas eleições legislativas de 1993. A permanência de Saleh, porém, não agrada aos sul-iemenitas. Em maio de 1994, o sul tenta se separar outra vez, mas é derrotado após dois meses de guerra civil. Saleh reforça sua posição política em setembro, com emendas à Constituição que extinguem o Conselho Presidencial - onde havia representantes do antigo Iêmen do Sul - e estabelecem eleições diretas para presidente. A lei islâmica torna-se a base de toda a legislação.

Eleições e renúncia - Em abril de 1997, o CGP conquista 187 das 301 cadeiras do Parlamento nas primeiras eleições após a guerra civil. O partido al-Islah, aliado do governo, obtém 53 cadeiras. O Partido Socialista do Iêmen, dos ex-dirigentes sul-iemenitas, boicota o pleito. Faraj Said Bin Ghanem assume como primeiro-ministro. No início de 1998, a Justiça iemenita condena à morte cinco líderes da revolta separatista de 1994, que vivem no exílio. Em abril de 1998, Bin Ghanem renuncia e é substituído pelo vice, Abdul Ali al-Karim al-Iryani, do CGP.

Seqüestro de estrangeiros - O seqüestro de estrangeiros (cerca de 120 pessoas desde 1993) torna-se uma forma de as tribos iemenitas chamarem a atenção do governo para suas reivindicações. O assassinato de três turistas britânicos e um australiano em dezembro de 1998 cria um incidente diplomático entre o Iêmen e o Reino Unido. Em janeiro de 1999, as relações entre os dois países deterioram-se depois que o governo iemenita prende oito britânicos e dois argelinos acusados de planejar seqüestros e ataques terroristas com a facção extremista islâmica de Abu Hanza al-Masri, ex-combatente no Afeganistão. Detido em Londres, Masri é extraditado para o Iêmen e fuzilado pela Justiça, em outubro de 1999. Em setembro, Ali Abdullah Saleh é reeleito com 96,3% dos votos.

Geografia

Continente: ÁSIA
Localização: sudoeste da Ásia
Área: 527,968.00 Km2
Principais Cidades: Sanaa (972.000), Áden (562.000) (1995); Ta'izz (290.107), Hodeida (246.068) (1993)

População

Total da População (Est. Jul/2001): 18,078,035 
Composição Étnica: árabes iemenitas 80%, outros árabes, afro-árabes e sul-asiáticos 20% (1996)
Mortalidade Infantil: 16.6
Expectativa de Vida: 57/58 H/M
Analfabetismo: 53.8
IDH: 0.448

Fonte: www.tropasdeelite.xpg.com.br

Iêmen

Nome oficial: Reino da Arábia Saudita
Capital: Riade
Data Nacional: 23 de setembro
Dias de descanso: quinta e sexta-feira
Chefe de Estado e de Governo: Rei e Primeiro-Ministro Abdullah bin Abdul Aziz Al-Saud
Ministro dos Negócios Estrangeiros: Príncipe Saud al-Faisal
População: 26,4 milhões de habitantes (2005 – CIA World Factbook)
População Rural: 12% (2004 – UNICEF)
População Urbana: 88% (2004 – UNICEF)
Densidade Demográfica: 11,4 hab/Km² (2004 – The Economist)
PIB: US$ 340,5 bilhões (2005 – CIA World Factbook)
PIB per capita: US$ 12.900 (2005 – CIA World Factbook)
Composição do PIB (2005):

Agricultura: 3,3%
Indústria: 74,7%
Serviços: 21,9%

Valor do Comércio Exterior (2005 – CIA World Factbook):

Exportação (FOB): US$ 165 bilhões
Importação (FOB):
 US$ 44,9 bilhões

Principais Produtos de Importação: Máquinas e equipamentos, química, veículos motores, produtos alimentícios, têxteis

Principais Produtos de Exportação: Petróleo e derivados de petróleo

Valor do Comércio com Brasil (US$ F.O.B – Fonte MDIC):

Importação: US$ 825.821.862 (2004)/US$ 1.203.338.542 (2005)

Exportação: US$ 1.231.859.218 (2004)/US$ 1.339.503.681 (2005)

Saldo: saldo de US$ 406.037.356 (2004)/saldo de US$ 136.165.139 (2005)

Principais Produtos da Pauta Comercial com o Brasil:

Importação (2004/2005)

Carnes de frango e bovina, minério de ferro, açucar, resíduos de soja para alimentação animal, veículos motores

Exportação (2004/2005)

Óleos brutos de petróleo, óleo diesel, querosene.

Fonte: www.mre.gov.br

Iêmen

Nome completo: República do Iêmen
População: 24,8 milhões (ONU, 2011)
Capital: Sanaa
Área: 536.869 km ² (207.286 milhas quadradas)
Grande língua: Árabe
Principal religião: o Islã
Expectativa de vida: 65 anos (homens), 68 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: uma iemenita riyal = 100 fils
Principais exportações: petróleo bruto, algodão, café, peixe
RNB per capita: 1.070 dólares EUA (World Bank, 2011)
Domínio da Internet:. Vós
Código de discagem internacional: 967

Perfil

Iêmen tem estado no cruzamento da África, Oriente Médio e Ásia há milhares de anos, graças à sua posição nas rotas de especiarias antigas. É um dos possíveis locais para o reino bíblico de Sabá.

Os romanos conheciam este país fértil como Arábia Felix, em contraste com a relativamente estéril Arábia Deserta para o norte.

A moderna República do Iêmen nasceu em 1990, quando tradicional Iêmen do Norte e Iêmen do Sul Comunista fundiu depois de anos de confrontos. Desde a unificação do Iêmen tem sido lenta modernização e abertura para o mundo, mas ainda mantém muito do seu carácter tribal.

Uma curta guerra civil, em 1994, terminou em derrota para os sulistas separatistas, mas as tensões regionais re-emergiu no verão de 2009, quando as tropas do governo e rebeldes Houthi da seita xiita Zaidi se enfrentaram no norte, matando centenas de pessoas e deslocando mais de um quarto de milhão de pessoas.

Iêmen foi atingido por mais agitação política séria no início de 2011, quando manifestantes - inspirados por levantes da Primavera Árabe na Tunísia e no Egito - se reuniram contra a regra de três décadas de idade do presidente Saleh. Ele desceu como parte de um acordo mediado pelos países vizinhos no final do ano, dando início a um período de transição de reformas políticas.

Al-Qaeda

Enquanto isso, o Iêmen se tornou uma base importante para militantes islâmicos após a repressão sobre a Al-Qaeda fecharam suas bases traning no Afeganistão e no Paquistão. O ramo iemenita da Al-Qaeda estava por trás de um ataque falhado contra um avião EUA no dia de Natal de 2009, levando um maior esforço do governo para esmagar os insurgentes.

Trégua com os rebeldes Houthi em fevereiro de 2010 permitiu ao governo concentrar em al-Qaeda e separatistas do sul ressurgentes, mas a revolta anti-governo em 2011 deu a al-Qaeda uma oportunidade para estabelecer fortalezas diversas na província de Abyan.

Desde então, as forças do governo e da Al-Qaeda lutaram pelo controle de várias cidades no sul, enquanto os EUA tem usado aviões não tripulados contra os islâmicos.

Uma cronologia dos principais eventos:

1500 - otomanos absorver parte do Iêmen em seu império, mas são expulsos em 1600.

1839 - Aden vem sob domínio britânico, e quando o Canal de Suez abre em 1869 serve como uma porta de reabastecimento importante.

1849 - otomanos voltar para o norte, mas mais tarde revolta face.

1918 - Império Otomano se dissolve, Iêmen do Norte ganha a independência e é governado por Imam Yahya.

1948 - Yahya assassinado, mas seu filho Ahmad bate os adversários do regime feudal e sucede ao seu pai.

1962 - Imam Ahmad morre, sucedido por seu filho, mas oficiais do exército tomar o poder, criou a República Árabe do Iêmen (YAR), o que provocou uma guerra civil entre monarquistas apoiados pela Arábia Saudita e republicanos apoiados pelo Egito.

Iêmen do Sul formada

1967 - Formação do sul do Iêmen, compreendendo Aden e ex-protetorado da Arábia do Sul. País mais tarde é conhecido oficialmente como República Democrática Popular do Iêmen (PDRY). Programa de nacionalização começa.

1971 - Milhares fogem para o norte repressão sobre dissidentes seguinte. Grupos armados formados na tentativa de derrubar o governo.

1972 - confrontos de fronteira entre YAR e PDRY, cessar-fogo mediado pela Liga Árabe.

1978 - Ali Abdallah Saleh nomeado como presidente da YAR.

1979 - novos combates entre YAR e PDRY. Os esforços renovados para unir os dois estados.

1982 - tremor de terra mata 3.000.

1986 - Milhares morrem no sul de rivalidade política. Presidente Ali Nasser Muhammad foge do país e mais tarde é condenado à morte por traição. Novo governo formado.

Norte e sul se unem

1990 Maio - Unified República do Iêmen proclamou, com Saleh como presidente.

1991 - Iêmen se opõe a ação norte-americana contra o Iraque na Guerra do Golfo.

1992 - motins dos preços dos alimentos em grandes cidades.

De abril de 1993 - governo de coligação formada, composta de partidos dominantes do norte e do sul ex.

1993 agosto - Vice-Presidente Ali Salim al-Baid retira para Aden, alegando que o sul está sendo marginalizados e que os sulistas estão sendo atacados por nortistas.

1994 - Os exércitos do norte e ex-sul, que deixaram de integrar, reunir na fronteira anterior, como as relações entre líderes do sul e do norte se deteriorar.

Tentativa de divisão

1994 Maio - Saleh declara estado de emergência e rejeita al-Baid e outros membros do governo sul seguindo impasse político e combates esporádicos. Estrangeiros fogem do combate escalada.

1994 21 de maio - Al-Baid declara a independência da República Democrática do Iêmen. Saleh rejeita a secessão como ilegal.

Julho de 1994 - As forças norte assumir o controle de Aden, os líderes separatistas fugir para o exterior e são condenados à morte à revelia.

1995 - Iêmen, Eritréia embate sobre o território ilha disputada.

EUA ataque navio

Outubro de 2000 - EUA embarcação militar USS Cole danificado em ataque suicida em Aden que é posteriormente culpou a Al-Qaeda. Dezessete militares norte-americanos mortos.

Outubro de 2000 - bomba explode em embaixada britânica. Quatro iemenitas que estão presos dizem que ataque realizado em solidariedade com os palestinos.

2001 Fevereiro - Violência em vésperas de eleições municipais e do referendo, em que os eleitores mostram apoio à reforma constitucional que prorroga mandato presidencial e poderes.

Repressão Terror

Novembro de 2001 - O presidente Saleh visita EUA, diz o presidente Bush que o Iêmen é um parceiro na luta contra o terrorismo.

Fevereiro de 2002 - Iêmen expulsa mais de 100 estudiosos islâmicos estrangeiros, incluindo cidadãos britânicos e franceses, na repressão ao terrorismo e suspeitos membros da Al Qaeda.

Outubro de 2002 - superpetroleiro Limburg danificado no ataque, atribuído à Al-Qaeda, na costa do Iêmen.

Abril de 2003 - Os 10 principais suspeitos do atentado contra o navio USS Cole fuga da prisão em Aden.

Março de 2004 - Dois militantes, suspeitos de planejar atentado contra USS Cole, estão presos novamente.

Confrontos no norte

2004 Junho-Agosto - partidários do governo tropas de combate do clérigo dissidente Hussein al-Houthi no norte; estimativas da faixa de mortos de 80 para mais de 600.

Agosto de 2004 - sentenças judiciais 15 homens sob a acusação de terrorismo, incluindo o bombardeio de Limburg petroleiro em 2002.

Setembro de 2004 - O governo diz que suas forças mataram dissidente clérigo Hussein al-Houthi, líder de uma revolta no norte.

Março-Abril de 2005 - Mais de 200 pessoas são mortas em um recrudescimento dos combates entre forças do governo e partidários do clérigo rebelde morto Hussein al-Houthi.

Maio de 2005 - O presidente Saleh diz que o líder da rebelião no norte concordou em renunciar a campanha em troca de um perdão. Confrontos menores continuar.

Julho de 2005 - A polícia e testemunhas dizem que pelo menos 36 pessoas são mortas em todo o país em confrontos entre a polícia e manifestantes que protestavam sobre um corte dos subsídios aos combustíveis.

Dezembro de 2005 - Mais de 60 pessoas são mortas quando um deslizamento de terra destrói uma aldeia de montanha em torno de 20 quilômetros de Sanaa.

Março de 2006 - Mais de 600 seguidores do clérigo xiita morto Hussein al-Houthi que foram capturados depois de uma rebelião que conduziu, em 2004, são liberados sob uma anistia.

Setembro de 2006 - O presidente Saleh ganha mais um mandato nas eleições.

2007 Janeiro-Março - As pontuações são mortos ou feridos em confrontos entre forças de segurança e rebeldes al-Houthi, no norte.

Junho de 2007 - O líder rebelde Abdul-Malik al-Houthi aceita um cessar-fogo.

Julho de 2007 - Homem-bomba ataca um comboio turístico matando oito espanhóis e dois iemenitas na província de Marib.

De agosto de 2007 - Cidadãos proibidos de levar armas de fogo em Sanaa. Manifestações sem autorização são proibidas.

Outubro de 2007 - Vulcão entra em erupção na ilha do Mar Vermelho de Jabal al-Tair onde Iêmen tem uma base militar.

Novembro de 2007 - Confrontos entre tribos do Iêmen e de pessoal do exército que protegem uma companhia petrolífera ucraniana deixar 16 mortos no sudeste da província de Shabwa.

2008 Janeiro - novos confrontos entre forças de segurança e rebeldes leais a Abdul-Malik al-Houthi.

Abril de 2008 - Confrontos com tropas iemenitas como protesto contra a parcialidade do sul norte alegada na alocação de trabalho do estado. Um homem morto.

Março-Abril de 2008 - Série de ataques a bomba contra a polícia, oficial, de negócios, diplomático estrangeiro e metas de turismo. Embaixada dos EUA evacua todo o pessoal não-essenciais.

De setembro de 2008 - Ataque a embaixada dos EUA em Sanaa de capital do Iêmen mata 18 pessoas, incluindo seis agressores. Seis suspeitos presos.

Outubro de 2008 - O presidente Saleh anuncia prisão de supostos militantes islâmicos supostamente ligados à inteligência israelense.

Demandas por reforma

2008 novembro - Polícia alerta tiros de fogo em comício comum Fórum oposição em Sanaa. Os manifestantes exigem a reforma eleitoral e as pesquisas frescos.

Pelo menos cinco manifestantes e dois policiais feridos.

De fevereiro de 2009 - Governo anuncia liberação de 176 al-Qaeda suspeita na condição de bom comportamento.

Junho de 2009 - Nove estrangeiros são sequestrados na região de Saada remoto. Os corpos dos três foram encontrados mais tarde. O destino dos outros seis reféns ainda não está claro, embora os rebeldes locais negam responsabilidade.

De agosto de 2009 - O exército iemenita lança uma nova ofensiva contra os rebeldes xiitas na província de Saada norte. Dezenas de milhares de pessoas estão deslocadas pelos combates.

Outubro de 2009 - Confrontos sair entre os rebeldes do norte e forças de segurança sauditas ao longo da fronteira entre os dois países comum. Os rebeldes acusam a Arábia Saudita de apoiar o governo iemenita em ataques contra eles. O governo saudita nega.

Novembro de 2009 - A Arábia Saudita diz que recuperou o controle do território tomado por rebeldes iemenitas em uma incursão transfronteiriça.

2009 Dezembro - Yemen baseado ramo da al-Qaeda afirma que estava por trás não ataque a avião dos EUA. O governo convida o Ocidente por mais apoio para ajudar a combater a ameaça da Al-Qaeda.

2010 Janeiro - O presidente Saleh diz que o governo abra negociações com a Al-Qaeda, desde que renuncie à violência.

Fevereiro de 2010 - Governo assina cessar-fogo com os rebeldes do norte.

Março de 2010 - Os rebeldes do norte liberar 178 prisioneiros depois que o governo acusa o grupo xiita Houthi de não cumprir com os termos da trégua alcançada em fevereiro.

2010 Setembro - Milhares fogem ofensiva do governo contra os separatistas do sul da província de Shabwa.

2010 Outubro - alerta terrorista global após pacotes contendo explosivos originários do Iémen são interceptados em aviões de carga com destino para os EUA.

Dezembro de 2010 - Iêmen diz que 3.000 soldados mortos no recente surto de combate envolvendo rebeldes Houthi.

2011 Janeiro - EUA secretária de Estado Hillary Clinton visita para expressar "preocupação urgente" na Al-Qaeda no Iêmen.

Protestos de rua da Tunísia que derrubar o presidente Ben Ali parecem incentivar manifestações semelhantes em outros países, incluindo o Iémen.

Presidente Saleh se compromete a não alargar a sua presidência em 2013 ou a entregar a seu filho.

2011 Março - Pro-reforma manifestações continuam. Atiradores da polícia abrir fogo em campo pró-democracia em Sanaa, matando mais de 50 pessoas.

Altas figuras militares, incluindo a chave geral, Ali Mohsen al-Ahmar, declarar o seu apoio para o movimento de protesto. Vários ministros e outras figuras do regime seniores também desertar para os manifestantes.

Presidente Saleh diz riscos agitação mergulhar país em uma guerra civil. Estado de emergência é imposta.

2011 Abril - Inquietação e resposta do governo violento continuar. Presidente Saleh promete permanecer no cargo.

2011 Maio - Dezenas morrem em confrontos entre soldados e combatentes tribais em Sanaa. Fecha aeroporto e milhares fugir da cidade.

2011 Junho - O presidente Saleh é ferido em um ataque com foguete e é levado para Arábia Saudita.

Forças britânicas e francesas se preparam para evacuar estrangeiros em caso de uma guerra civil.

2011 Setembro - Presidente Saleh retorna para casa.

Nascidos nos al-Qaeda Anwar al-Awlaki é assassinado por forças americanas.

2011 Outubro - ativista de direitos humanos iemenita Tawakul Karman ganha Prêmio Nobel da Paz, juntamente com Ellen Johnson Sirleaf e Leymah Gbowee da Libéria.

Conselho de Segurança da ONU passa resolução condenando a violência, apela para transferência de poder.

2011 novembro - O presidente Saleh concorda em entregar o poder a seu vice, Mansour Hadi Abdrabbuh, que toma posse em não contestados eleições presidenciais em fevereiro.

Governo de unidade - incluindo um primeiro-ministro da oposição - é formado.

2012 Janeiro - O presidente Saleh deixa o país. Parlamento lhe concede imunidade total em face de acusações de milhares de manifestantes de rua.

2012 Fevereiro - Mansour Hadi Abdrabbuh empossado como presidente após as eleições não contestados.

2012 Maio - Os doadores internacionais comprometem mais de US $ 4 bilhões em ajuda ao Iêmen para ajudar a melhorar infra-estrutura e segurança. As agências de ajuda advertem que o Iêmen está à beira de crise alimentar. O governo é pensado para ter pedido cerca de US $ 10 bilhões.

Um al-Qaeda, Fahd al-Quso no Iêmen queria sobre o bombardeio de 2000, do navio de guerra USS Cole EUA é morto em um ataque de drones não-tripuladas.

2012 Junho - O Exército recaptura três redutos da Al-Qaeda no sul - Shuqra, Zinjibar e Jaar.

2012 Setembro - ministro da Defesa, Muhammad Nasir Ahmad sobrevive ataque com carro-bomba em Sanaa que mata 11 pessoas, um dia depois de a Al-Qaeda local, vice-chefe Said al-Shihri é supostamente morto no sul.

2012 novembro - Um diplomata saudita e seu guarda-costas são mortos a tiros em Sanaa. Autoridades de segurança dizem que os assaltantes, que abriram fogo contra o comboio do diplomata, estavam vestidos com uniformes da polícia.

Fonte: news.bbc.co.uk

Iêmen

Onde Fica o Iêmen?

O Iêmen se situa no Oriente Médio, banhado pelo Mar Árabe, Golfo do Aden e o Mar Vermelho, entre Omã a e Arábia Saudita.

Geografia
Localização Oriente Médio, entre Omã e a Arábia Saudita.
Coordenadas geográficas 15 00 N, 48 00 E
Área Total: 527.970 Km2

Comparativo: Aproximadamente 0,21% do Estado de São Paulo

Dimensão fronteiriça terrestre Total: 1.746 Km
Fronteiras Omã 288 km, Arábia Saudita 1,458 km.
Litoral 1,906 Km
Clima Principalmente deserto, quente e úmido ao longo costa oeste, temperado na parte ocidental da montanha afetadas pelas monções sazonais, extraordinariamente quente e seco no leste do deserto.
Terreno Estreita planície costeira apoiada por colinas e montanhas acidentadas,montanhas no deserto no centro,  encostas nas planícies do deserto interior da península Arábica.
Extremos de altitude Ponto mais baixo: Mar Arábico 0 m 
Ponto mais elevado: Jabal an Nabi Shu'ayb 3,760 m.
Recursos naturais Petróleo, peixe, pedras de sal, mármore, pequenos depósitos de carvão, ouro, chumbo, níquel e cobre; solos férteis no oeste.
Uso de terras Terra cultivável: 2.91% 
Colheitas permanentes: 0.25% 
Outros: 96. 84% (2005)
Terra irrigada 5.500 Km2 (2003)
Desastres naturais Tempestades de poeira no verão.
Meio Ambiente

 

Questões atuais:
Limitados recursos naturais de água doce, inadequado fornecimento de água potável, erosão do solo e desertificação.

Acordos internacionais:

À parte: Biodiversidade, Mudanças Climáticas, as Alterações Climáticas-Protocolo de Quioto, Desertificação, Espécies Ameaçadas, Modificação Ambiental, Resíduos Perigosos, Direito do Mar, Proteção Camada de Ozônio.

 

Demografia
População 23.013.376 (julho 2008 est.)
Estrutura por faixa etária 0-14 anos: 46.2% (Masc. 5.415.385/Fem. 5.218.237) 
15-64 anos: 51.2% (Masc. 5. 996.202/Fem. 5.795.779) 
65 anos e sobre: 2.6% (Masc. 284.195/Fem. 303.578) (est 2008).
Taxa do crescimento demográfico 3,46% (est 2008.)
Taxa de natalidade 42.42 (est 2008.)
Taxa de mortalidade 7.83 (est 2008.)
Taxa de migração -
Relação entre os sexos Ao nascimento: 1.05 masculino/feminino 
sob 15 anos: 1.04 masculino/feminino
15-64 anos: 1.03 masculino/feminino 
acima de 65 anos: 0.94   masculino/feminino 
população total: 1.03 masculino/feminino (est 2008.)
Taxa de mortalidade infantil Total: 56.27

Masculino: 60.78
Feminino: 51.54 (est 2008.)

Expectativa de vida População total: 62.9 anos 
masculina: 60.96 anos 
Economia 64.94 anos (est 2008.)
Taxa de fecundidade 6.41 (est 2008.)
HIV/AIDS Infectados: 12 000(est 2001)

Mortes: -

Nacionalidade Substantivo: Iêmen 
Adjetivo: 
Iêmen
Grupos étnicos: Predominantemente árabe, sul-asiáticos e europeus.
Religiões Muçulmanos (incluindo sunitas e shi’a), pequeno número de judeus, cristãos e hindus.

 

Línguas Árabe (oficial)
Alfabetização População total: 50.2%

Homens: 70.5% 
Mulheres: 30% (est 2003).

 

Dados Econômicos
PIB $52.61 bi (est. 2007).
PIB (taxa de câmbio oficial) $22.74 bi (est. 2007).
PIB - taxa de crescimento real 3.2% (est. 2007).
PIB - per capita: $2.400 (est. 2007).
PIB - por setor: Agricultura: 12.4% 
Indústria: 40.9% 
Serviços: 46.7% (est. 2007).
Força Trabalhadora 6.316 milhões (est. 2007)
Força Trabalhadora - por ocupação: A maioria das pessoas estão  empregadas na agricultura e pastoreio, serviços, construção, indústria, comércio que resulta em um quarto da força de trabalho.
Taxa de desemprego: 35% (est. 2003).
População abaixo da linha de pobreza: 45.2% (est. 2003).
Distribuição de renda familiar – coeficiente de Gini 33.34 (1998)
Taxa de inflação 10.7% (est. 2007).
Investimento 19.1% do PIB (est. 2007).
Orçamento $7.902 bi (est. 2007)

Despesas: $8. 167bi (est. 2007).

Dívida pública 32.9 % do PIB (est. 2007).
Produtos da agropecuária Cereais, frutas, produtos agropecuários, leguminosas secas, café, algodão, produtos lácteos, gado (ovinos, caprinos, bovinos, camelos) e peixes.
Indústrias Produção de petróleo bruto, pequena produção de algodão, têxteis e couro, transformação de alimentos, artesanato, pequena fábrica de alumínio, cimento, reparação naval comercial.
Taxa de crescimento da produção industrial 3.2% (est. 2007).
Energia elétrica Produção: 4. 456 bi kWh (est. 2005)

Consumo: 3.381 bi kWh (est. 2005)

Exportação: 0 mi kWh (est. 2005)

Importação: 0 mi kWh (est. 2005)

Petróleo Produção: 402.000 barris/dia (est. 2005)

Exportações: 320. 600 barris/dia (est. 2004)

Importações: 58.100 barris/dia (est. 2004.)

Reservas: 4 bi barris (est. 2006)

Gás natural Produção: 0 m cu (est. 2005)

Consumo: 0 cu m (est. 2005)

Exportações: 0 bi cu m (est. 2005)

Importações: 0 cu m (2005)

Reservas: 459 bi cu m (est.2006)

Balança comercial $178 bilhões (est. 2007)
Exportação $7.586 bilhões f.o.b. (est. 2007)

Commodities:

Petróleo bruto, café, peixes secos e salgados.

 Parceiros:

China 31,4%, Índia 17,4%, Tailândia 16,7%, Coréia do Sul 7%, U.E. 6,7%, UAE 4,1% (2006).

Importações $6.592 bilhões f.o.b. (est. 2007).

Commodities:

Alimentos e animais vivos, máquinas e equipamentos, produtos químicos.

Importações:

UAE 16,4%, China 12,8%, 7,7% da Arábia Saudita, Kuwait 5,8%, Brasil 4,5%, 4,2% Malásia, Estados Unidos 4% (2006).

Reservas $7.871 bi (est. 2007)
Divida externa $6.122 bilhões (est. 2007)
Moeda (código) Rial do Iêmen (YER)
Taxas de câmbio Rial do Iêmen pelo Dólar - 199.14 (2007), 197.18 (2006), 192.67 (2005), 184.78 (2004), 183.45 (2003).

 

Informações Políticas
Tipo de governo República
Capital Sanaa
Independência 22 de Maio de 1990   (República do Iêmen foi criada com a fusão da República Árabe do Iêmen [Iêmen (Sanaa) ou Iêmen do Norte], e os marxistas dominaram  a República Democrática Popular do Iêmen.
Feriado nacional Dia da Unificação, 22 de Maio (1990)
Constituição 16 de maio de 1991, alterada 29 setembro de 1994 e em fevereiro de 2001.
Maior idade 18 anos
Chefe de estado Presidente Ali Abdallah Salih( desde 1990).
Chefe do governo Primeiro ministro Ali Muhammad Mujawwar(desde 31 de Março 2007).
Gabinete Conselho de ministros nomeados pelo presidente sobre o conselho do primeiro-ministro.
Poder Maximo do judiciário Corte Suprema
Legislativo Bicameral:
Conselho Shura(111 lugares, membros nomeados pelo presidente) e uma Câmara dos Representantes (301 lugares, membros eleitos pelo voto popular para servir por seis anos termos).

Organizações internacionais AFESD, AMF, CAEU, FAO, G-77, IAEA, IBRD, ICAO, ICCt (signatário), ICRM, IDA, IDB, IFAD, IFC, IFRCS, ILO, IMF, IMO, Interpol, IOC, IOM, IPU, ISO (correspondente), ITSO, ITU, ITUC, LAS, MIGA, MINURSO, NAM, OAS (observador), OIC, OPCW, UN, UNCTAD, UNESCO, UNHCR, UNIDO, UNMIS, UNOCI, UNOMIG, UNWTO, UPU, WCO, WFTU, WHO, WIPO, WMO, WTO.
Divisões administrativas 19 províncias; Abyan, 'Adan, Ad Dali', Al Bayda ', Al Hudaydah, Al Jawf, Al Mahrah, Al Mahwit,' Amran, Dhamar, Hadramawt, Hajjah, IBB, Lahij, Ma ' costela, Sa'dah, Sana, Shabwah, Ta'izz.

 

Transportes
Aeroportos 50 (2007)

Com pistas pavimentadas: 17

Com pistas não pavimentadas: 33

Heliporto: -

Ferrovias -
Rodovias Total: 71.300 Km 
pavimentadas: 6.200Km 
não pavimentadas: 65.100 Km (2005)
Portos e terminais Aden, Hudaydah, Mukalla.

Fonte: www.arabesq.com.br

Iêmen

Conhecida na antiguidade como Arabia felix (Arábia feliz) graças a suas riquezas, o Iêmen foi unificado em 1990, depois de ter permanecido dividido durante décadas entre a República Árabe do Iêmen (Iêmen do Norte) e a República Popular Democrática do Iêmen (Iêmen do Sul).

O Iêmen localiza-se no sul da península arábica. Limita-se ao norte com a Arábia Saudita, ao sul com o golfo de Áden, a oeste com o mar Vermelho e a leste com Omã. Ocupa uma superfície de 531.869km2, que inclui uma faixa indefinida na fronteira com a Arábia Saudita. Também fazem parte do país as ilhas de Perim e Kamaran (no extremo sul do mar Vermelho), de Socotra (na entrada do golfo de Áden) e Kuria Muria (próximas ao litoral de Omã).

Geografia física

A estreita planície litorânea, conhecida pelo nome de Tihama, é dominada por uma cadeia de montanha cujo ponto culminante é o Djebel Suwaib, com 3.760m.

A leste das montanhas estende-se um planalto desértico, que ocupa três quintas partes da superfície do país. As montanhas são de origem vulcânica e constituem um centro de atividade sísmica.

Na zona oriental, correspondente ao antigo Iêmen do Sul, o território divide-se em três regiões. A primeira é uma estreita franja de costas banhadas pelo golfo de Áden, que se estende por cerca de 1.400km.

A partir dessa franja, levanta-se bruscamente o planalto, mais elevado na zona subocidental, que alcança altitude máxima no Djebel al-Hasha, com 3.227m. O planalto é cortado por dois rios principais, o Adramaut, de curso permanente, e o Masila, de curso temporário. Na direção noroeste, o planalto desce lentamente até fundir-se com o deserto, que constitui a terceira região do país.

Clima

O clima do Iêmen varia de acordo com a altitude. A franja costeira e o deserto recebem menos de 100mm de precipitações pluviais por ano; e o setor subocidental do planalto, 400mm.

Na região mais ocidental do país, cerca de 14% do solo apresenta extraordinária fertilidade. Contribui para isso um regime de chuvas abundantes, que caem em duas estações por ano, e que permitem a prática da agricultura sem necessidade de irrigação. As temperaturas são altas em todo o país, e elevam-se com freqüência a mais de 38oC na costa.

População

Os iemenitas, em sua imensa maioria de raça árabe, distribuem-se em três grupos principais, de acordo com a forma de vida:agricultores sedentários, população urbana e pastores nômades.

O árabe é a língua oficial. A densidade demográfica é relativamente elevada, em comparação com outros países da região. As taxas de natalidade e mortalidade são muito elevadas. As principais cidades são Áden, Sana, Taiz, Hodeida, Muqalla, Saiun, al-Shihr e Tarim.

Economia

No território do antigo Iêmen do Norte, a agricultura e a pecuária se desenvolvem nas áreas de altitudes intermediárias, cujas encostas foram transformadas em terraços cultiváveis. Na produção de cereais, destacam-se o sorgo, o trigo, o milho e a cevada.

Também se cultivam hortaliças, cítricos, damasco, pêssego, uva e batata, além de culturas comerciais como fumo, café, algodão, cana-de-açúcar e gergelim. Os pastos cobrem cerca de um terço das terras férteis e permitem criar cabras, ovelhas, vacas, asnos e dromedários; essas duas últimas espécies são empregadas, em grande escala, no transporte de pessoas e cargas. O Iêmen desenvolveu também uma grande frota pesqueira, com capitais nacionais e estrangeiros, que pesca principalmente sardinha, cavala e siba.

O território do Iêmen não contém jazidas minerais significativas. As principais riquezas minerais são petróleo, gás natural, ouro, cobre, chumbo, molibdênio e zinco. O setor industrial encontra-se claramente dividido entre o artesanato tradicional, como o ramo têxtil, e as indústrias modernas, como a do petróleo.

As exportações são muito inferiores às importações, o que gera um vultoso déficit comercial, compensado pelas remessas dos emigrantes que trabalham em outros países e pelos empréstimos externos, sobretudo da Arábia Saudita. O comércio exterior flui pelos portos de Hodeida, al-Muja e Salif. As cidades de Sana, Hodeida e Taiz contam com aeroportos internacionais. A situação econômica geral teve de ser revista e replanejada a partir da unificação das duas repúblicas iemenitas, em 1990.

História

O reino lendário de Main, no século VII a.C., que exportava incenso para o Egito no século XIV a.C., é o primeiro de que se tem notícia em terras do Iêmen.

Outro reino antigo foi o de Sabá, estabelecido no sudoeste do país, cuja rainha visitou Salomão, segundo o Antigo Testamento.

Durante o primeiro milênio antes da era cristã, o sul do Iêmen dividia-se em dois reinos: o de Qataban e o de Adramaut, que comerciavam com incenso e eram famosos por seus sistemas de irrigação. No século I a.C., o reino de Sabá entrou em decadência, e o poder passou para os himiaritas, que estabeleceram a capital em Sana. Após a destruição de Jerusalém, no ano 70 da era cristã, chegaram ao país colonos judeus, e em meados do século IV estabeleceram-se os primeiros grupos cristãos.

Em 525, o reino cristão da Abissínia derrubou o último rei himiarita. Em 575 o país foi invadido pelos persas sassânidas, e na segunda metade do século VII incorporou-se ao Islã. Na década de 630, o primeiro califa muçulmano, Abu Bakr, realizou incursões em território do Iêmen, que chegou a dominar por inteiro, unificando assim toda a península árabe. Apesar da integração, o território conservou um alto grau de autonomia, governado de fato por pequenas dinastias tribais.

As turbulências políticas prosseguiram, e no final do século IX foi instaurada a dinastia dos zaiditas, família poderosa, cujos membros participaram do governo do Iêmen do Norte até 1962. Entre 1173 e 1229 o Iêmen foi regido pela dinastia egípcia dos aiúbidas, e até o final do ano 1450, pelos resúlidas, período de florescimento artístico e científico. A arquitetura e agricultura tiveram grande avanço. Em princípios do século XVI, o Iêmen foi invadido por mamelucos egípcios, e em 1517 por turcos otomanos, expulsos em 1635 pelos zaiditas. No século XVIII houve nova divisão do território iemenita, provocada por lutas entre tribos inimigas. Durante o século seguinte, o desejo egípcio de recuperar Áden esbarrou na oposição do Reino Unido, que ocupou o Iêmen do Sul em 1839 e o transformou em protetorado e colônia em 1937. Enquanto isso, os turcos consolidavam seu domínio no Iêmen do Norte.

Um acordo anglo-turco tentou fixar os limites entre o Iêmen do Norte e o protetorado do Áden em 1914, mas a questão só foi resolvida em 1934. Uma revolução socialista proclamou, em 26 de setembro de 1962, a República Árabe do Iêmen (Iêmen do Norte). Apesar da oposição dos nacionalistas iemenitas, o protetorado foi incorporado à Federação da Arábia do Sul, criada em 1963. Os britânicos prometeram conceder a independência em 1968, mas um ano antes o poder foi ocupado pela Frente de Libertação Nacional, de orientação marxista. Nesse mesmo ano foi proclamada a República Popular do Iêmen (Iêmen do Sul), que em 1970 adotou o nome de República Democrática Popular do Iêmen.

Em 1979 as duas repúblicas iemenitas entraram em guerra. Forças do Iêmen do Sul penetraram na República Árabe do Iêmen. Após um mês de combates, ambas as partes aceitaram a mediação da Liga Árabe, e dois anos depois iniciaram conversações com vistas à unificação. As negociações começaram em 1981, mas a República Árabe do Iêmen acusou o vizinho de financiar as forças guerrilheiras da Frente Nacional Democrática que operavam em seu território. Na República Popular Democrática do Iêmen desencadeou-se em 1986 uma luta entre facções que provocou mais de duas mil mortes e a destituição do presidente Ali Nasir Mohamed Husani.

Ao cabo de muitas lutas, conseguiu-se a união em 22 de maio de 1990, quando os dirigentes de ambos os países, Ali Abdala Sale, pelo Iêmen do Norte, e Haidar Abu Bakr al-Attos, pelo Iêmen do Sul, proclamaram a República do Iêmen, em cerimônia histórica, festejada em todo o novo país. O governo foi confiado a Ali Abdala Sale, que promoveu eleições livres em 1993 e teve que enfrentar outra guerra civil contra os separatistas do sul no ano seguinte.

Sociedade e cultura

O sistema de previdência social é bastante deficiente. São altos os índices de doenças como tuberculose, gastrenterite, febre tifóide e malária. A população divide-se entre os ramos sunita e xiita do islamismo. O ensino é gratuito e cobre a grande maioria das crianças em idade escolar, embora haja altos índices de analfabetismo. O ensino religioso tem um centro avançado em Tarim.

O Museu Nacional de Arqueologia de Áden conserva restos das civilizações que se sucederam no sul da Arábia. No Museu Etnográfico Nacional há coleções do artesanato tradicional iemenita.

A literatura oral é rica em provérbios, contos, expressões místicas e poesia. A literatura escrita, mais limitada, prefere os temas históricos e teológicos, as biografias e a poesia.

Fonte: www.coladaweb.com

Iêmen

Fortaleza extremo da Península Arábica, com vista para o Mar Vermelho e o Oceano Índico, este país 527.970 km 2, que viveu muito tempo dobrado sobre si mesmo, desmente seu antigo nome de "Arábia Felix". Rasgada no século XIX entre o Otomano e influências britânicas, ele sofreu três guerras civis desde 1962 e passou por um período de convulsão social e econômica.

A história do Iêmen antiga, pouco estudada, está enterrado sob a areia. Os textos mais antigos descobertos até agora tornar difícil para voltar para além do século V aC. AD é conhecido, no entanto, para algumas inscrições do Sul árabes, como civilizações floresceram nessas terras desde antes do primeiro milênio.

O reino da Rainha de Sabá

A lenda da rainha de Sabá visita ao Rei Salomão , narrada tanto na Bíblia e no Alcorão, comer alguma fascinação Europeia para esta terra distante.

Vários reinos sucessivos 1500 aC. AC a 300 dC. AD O mais famoso deles, que tinha capital Saba Marib.

O poder desses reinos nas margens do deserto com base em dois fatores: agricultura possível graças ao controle de irrigação e uma atividade comercial intensa.

A Arábia do Sul teve o privilégio de produzir - especialmente em Dhofar e Hadramaut - incenso, mirra, canela e especiarias, incluindo as civilizações do Mediterrâneo ( Grécia , Egito ) foram muito asilo para necessidades de rituais religiosos e usos médicos.

Coberto por caravanas imensas, a Rota do Incenso, de ponta desenhado do deserto, relevos evitados. Por esta via também transitado riqueza da Índia. O clímax destes reinos da Arábia parece ser o terceiro e segundo séculos aC.

Mas o surgimento de novas rotas comerciais foi o fator determinante para o declínio: o comércio por terra com a Índia passou de estrada para sul da Arábia para o trânsito através da Mesopotâmia e se juntar aos portos do Mediterrâneo.

Himyarites terras altas em seguida, tomou a ascendência no sul da Arábia. Alguns governantes adotou o judeu , o outro cristão . Invasão etíope colocar um fim à sua dinastia em 525, e se tornou a capital Sanaa. Esta nova regra foi de curta duração, e sul da Arábia, cobiçado pelo persas , tornou-se um tempo para um satrapia.

Iêmen países muçulmanos do Zaydi

Em 628, o governador persa do Iêmen convertidos ao Islã, resultando em sua abordagem para todo o seu povo. Muitas mesquitas foram construídas, eo país amplamente envolvidos na propagação do Islã. Impulsionado pelo zelo das coortes de novos conversos iemenita tornaram a ponta de lança dos exércitos muçulmanos, o grande instrumento de conquistas árabe. Muitas vezes acossada por rivalidades tribais, o Iêmen se tornou uma província do império abássida.

É precisamente para mediar disputas tribais descendente de Imam Ali, fundada no final dos anos nono século xiita zaidita dinastia. A história do Imamate Zaydi revela conflitos entre as tribos de consistência e imãs (Imamate está lutando pela supremacia com muitas outras dinastias).

A partir do século XVI, Iêmen, esgotado por brigas internas, sofreu dominação estrangeira. O Português tentou, sem sucesso, estabelecer postos de comércio, e os otomanos tomou conta do país por mais de um século. Esta é a cultura do café Otomano e ganhar impulso comercial. Zaydi imãs recriar um Estado independente, mas não sempre estabelecer a autoridade permanente sobre todo o país.

Partilha entre os britânicos e otomanos

Em 1839, o britânico controlado parada Aden importante na rota para a Índia. Em 1843, a cidade, sob o controle do império colonial das Índias, tornou-se um reduto. Esta facilidade é se espalhar, ea Grã-Bretanha assinaram a "proteção" tratados com muitos governantes ou líderes tribais locais. Os territórios britânicos controlados que mais tarde formou o Iêmen do Sul. Por sua vez, os turcos voltaram para o Iêmen em 1849 e reforçar a sua presença de forma significativa após a abertura do Canal de Suez.

No início do século XX, as esferas de influência turca e britânica especificar, e, em 1905, um acordo entre as duas potências a faixa "Purple Line", que posteriormente tornou-se a fronteira entre os dois Yemens. Os turcos se retiraram do Iêmen, em 1919, no rescaldo da sua derrota.

Ambos Yemens

Portanto, as duas entidades territoriais operar independentemente um do outro.

Iêmen do Norte

Sob a tutela do Imam Yahya, Iêmen do Norte é um país subdesenvolvido como e para trás, fechado à influência estrangeira. O imame tentou, sem sucesso, conseguir a unidade do país. No Norte, ele entrou em conflito com a Arábia Saudita, mas batido, deve admitir a soberania sobre a região saudita de Asir (1934), para o Sul, um tratado de 1926 regra reconhecida britânico em Aden e territórios vizinhos. Em 1948, o Imam Yahya foi morto. Seu filho Ahmad conseguiu tomar o poder. Até sua morte, em setembro de 1962, ele governou o país desde Taiz, abre a influências externas e embarcou em uma política de modernização e desenvolvimento do ensino. Em 1962, uma semana após a morte de Ahmad, um golpe militar, apoiado pelo Egito, derrubou o imã, que fugiu para a Arábia Saudita e Iêmen árabe República (YAR) foi proclamada.

Iêmen entrou em um período de sete anos de guerra civil sangrenta contra os republicanos, apoiados pelo Egito de Nasser por cinco anos, que envia uma força expedicionária, os monarquistas apoiados pela Arábia Saudita. O conflito terminou em 1967 com a retirada das tropas egípcias.

Em 1970, uma nova Constituição foi promulgada, pró-ocidental poderes Arábia Saudita reconhece a República do Norte. No entanto, o país enfrenta cada vez mais violenta seu vizinho marxista para o sul.

A guerra entre os dois Yemens (setembro-outubro de 1972) termina com um tratado planos de longo prazo, a unificação dos dois estados, mas não tem efeito. O assassinato do Presidente da República, em junho de 1978, causando a ruptura de relações diplomáticas e, em março de 1979, uma guerra com o Sul do Iêmen.

O tenente-coronel Ali Abdallah Saleh nomeado presidente em julho de 1978, revela uma política inteligente: Não obstante a pressão de Riad e Washington, ele apelou para a ajuda militar soviética em 1980, e leva à No interior, um difícil equilíbrio político entre forças conservadoras e progressistas. Em novembro de 1981, ele recebeu Aden (com quem as relações melhoraram significativamente) reduziu a sua ajuda aos guerrilheiros da Frente Nacional Democrática (FDN), envolvido em guerra de guerrilha no sul. Uma paz honrosa foi finalmente assinado no início de 1983, a FDN desarma.

Em Maio de 1983 e Julho de 1988, Ali Abdullah Saleh foi reeleito para a presidência da República. Em 1989, foi assinado um acordo com o Iêmen do Sul, o que permitiu a reunificação dos dois países em 1990. Quatro anos mais tarde, uma nova separação condições são satisfeitas, novamente, enfraquecendo ainda mais a economia.

Iêmen do Sul

Na década de 1960, Iêmen do Sul está enfrentando eventos violentos. Para o britânico, que queria estar com os principados da um hinterland federação da Arábia do Sul, Aden manteve uma base de importância primordial. Enquanto um poderoso movimento nacionalista diz - liderada pela Frente de Libertação Nacional (FNL) - retira da Grã-Bretanha, ea independência foi proclamada em 1967.

Em 1969, a ala esquerda das vitórias frente, e em 1970, o presidente Ali Salim Rubayyi estabelece o regime único marxista da Península Arábica. A reforma administrativa ea reforma agrária levantou a oposição de chefes tribais e religiosos, apoiado pela Arábia Saudita. As contradições da política Rubayyi (reaproximação com a Arábia Saudita em 1976, mas a política agressiva para o Iêmen do Norte), suas ambições pessoais e seu isolamento dentro da causa FNL em junho de 1978 um levante militar em que foi deposto e executado.

Um novo homem forte requer o chefe de Estado em outubro de 1980: Ali Nasir Muhammad. Convencido apoiador, marxista incondicional da URSS , ele é, no entanto, ansioso para quebrar o isolamento diplomático de seu país. Mas esta abordagem é desafiado por extremistas iemenita Partido Socialista (partido); conflitos tornam-se exasperado e acerto de contas entre os oponentes, deixando um país devastado. Ali Nasir Muhammad, expulsos, forçado ao exílio. O novo presidente, Abu Bakr al-Attas, continua no entanto, sob pressão de Moscou, a política de aproximação com o Iêmen do Norte levando a reunificação em 1990.

O problema da reunificação

Embora a reunificação foi proclamada em 22 de Maio de 1990, a reconciliação tem sido difícil. Pendente eleições marcadas para abril de 1992, arranjos foram feitos por um período de transição. O Partido Socialista Iemenita (YSP) e do Congresso Geral do Povo (GPC), que reinou inconteste (o primeiro no Sul, o segundo no Norte), concordou em dirigir o país, dividindo o poder no Parlamento e do Conselho Presidencial.

O compromisso rapidamente torna-se difícil de implementar. Motins urbanos e ataques estão aumentando. Nem exércitos, nem serviços de televisão, nem as companhias aéreas se fundem. A estrutura de governo novo não para substituir a ordem tradicional tribal, especialmente na parte norte do país. Discórdia reinado.

Depois de um longo período de incerteza e confronto, as eleições parlamentares finalmente realizou 27 abril de 1993: Este é um sucesso para o processo de democratização da reunificação.

Os resultados são favoráveis para as três partes principais: 121 assentos de volta para o PMC, a PSY 56, 62 em Gathering iemenita para a Reforma (o partido islâmico). Esses três partidos formam uma coalizão de governo. A política foi dominada pela reforma da Constituição e da criação de novas instituições.

Mas a desilusão está rapidamente ganhando o iemenitas do Sul, que respondem por apenas 3 milhões da população total.

O acordo de reconciliação assinado em Amã (Jordânia) em 20 de Fevereiro de 1994, que deu satisfação aos sulistas, contudo, não impede a declaração unilateral de independência (21 de Maio de 1994). Mas depois de um mês de combates, as tropas da União entrar Aden (5 de julho) e os líderes do sul caça.

Declarada ilegítima pelo presidente Ali Abdullah Saleh, a declaração de secessão do sul do Iêmen feita pelo vice-presidente Ali Salem al-Baid, revivendo a luta entre nortistas e sulistas, apesar da intervenção de vários países árabes que têm a disputa Conselho de Segurança da ONU.

Em maio de 1998, o presidente Saleh enfrenta uma crise política após a renúncia do primeiro-ministro Faraj Bin Ghanem. Ele confia Abdel Karim al-Iriany a formação do novo governo.

Fonte: www.memo.fr

Iêmen

País do Sul da Península Arábica, resultante da fusão entre Iêmen do Norte (república islâmica) e Iêmen do Sul (república socialista), em 1990.

Banhado pelo Golfo de Áden e pelo Mar Vermelho, possui férteis planícies na costa, com muitos cursos de água que favorecem a agricultura, e interior montanhoso. O Iêmen apresenta alto índice de analfabetismo, de mortalidade infantil e de desemprego.

Ao contrário dos outros países da região, possui poucas reservas de petróleo (só descobertas em 1984) que, ainda assim, representam cerca de 90% das exportações. Este país é uma das poucas nações islâmicas onde a mulher tem direito a voto.

História

Iêmen fez parte do Reino de Sabá citado no Antigo Testamento. No século VI d.C. foi conquistado pelos persas sassânidas. No século VIII, a região foi ocupada pelos islâmicos, sendo governada pelos zaiditas, poderosa família do Norte do país, a partir do século IX. Ao longo da história, o Norte e o Sul do Iêmen seguiram trajetórias diferentes até serem reunificados em 1990.

A região Norte, que caiu sob controle dos turcos entre 1538 e 1630 e de 1849 a 1918, voltou a ser governada pelos zaiditas (islâmicos) em 1918. Em 1945, o Iêmen do Norte aderiu à Liga Árabe. Em 1962, um golpe de Estado militar depôs o imame (soberano muçulmano) e estabeleceu a República Árabe do Iêmen. A oposição monarquista foi sustentada pela Arábia Saudita e pela Grã-Bretanha. O Egito apoiou os republicanos, que saíram vitoriosos.

A região Sul, objeto de cobiça do Egito, foi ocupada pelos britânicos em 1834, transformada em protetorado e, mais tarde, em colônia. Em 1967, a Frente Nacional de Libertação proclamou a independência do Sul do país, implantando um regime comunista. Denominada inicialmente República Popular do Iêmen do Sul, a nova nação mudou seu nome para República Democrática Popular do Iêmen em 1970.

De 1972 a 1979 os dois países (Iêmen do Norte e Iêmen do Sul) travaram uma guerra civil. Na década de 1980, porém, o Iêmen do Sul renunciou ao comunismo e iniciou o diálogo com o Iêmen do Norte, com vistas à reunificação. Em 1990, o país foi reunificado. Ali Abdullah Saleh (Norte) assumiu a presidência e Haidar Abu Bakr Al-Attas (Sul) tornou-se primeiro-ministro. O Iêmen apoiou o Iraque na Guerra do Golfo Pérsico, em 1991.

Em 1994, a coalizão formada pelos principais partidos do Norte e do Sul, que dava sustentação ao governo, foi rompida. Houve nova guerra civil entre as forças do Norte e os separatistas do Sul. Por meio de emendas, Saleh introduziu modificações na Constituição, diminuindo o poder do Sul e estabelecendo eleições para presidente. A lei islâmica passou a ser a base de toda a legislação iemenita.

Durante a década de 1990, as comunidades tribais passaram a sequestrar turistas e diplomatas estrangeiros como forma de pressionar o governo a atender suas reivindicações, como demarcação de terras, abertura de estradas e construção de escolas. Vários reféns, embora tratados como hóspedes pelos sequestradores, acabaram morrendo durante as operações de resgate.

Em 1999, o presidente Abdullah Saleh foi reeleito com mais de 95% dos votos. Em junho de 2000, o Iêmen e a Arábia Saudita assinaram um acordo que colocou fim a mais de 60 anos de disputa territorial entre os dois países. Em 2001, a população aprovou, em referendo, modificações na Constituição. No dia da votação, mais de 40 pessoas morreram em combate entre grupos políticos rivais.

Fonte: www.klick.com.br

Iêmen

Nome oficial: Al-Jumhuriya al-Yamaniya.
Capital: Sanaa.
Religião: Islamismo 99,9% (sunitas 53%, xiitas 46,9%), outras 0,1% (1980).
Situação: sul do Oriente Médio, oeste da Ásia (Western Asia / Middle East) localizado ao sul da península Arábica, na entrada do mar Vermelho.
Características: planície litorânea semidesértica com ilhas - Perim (golfo de Áden), Socotra (oceano Índico) e Camaram (mar Vermelho); regiões montanhosas com vales profundos e rios temporários (centro).
Cidades principais: Áden, Ta´izz, Hodeida.
Patrimônios da humanidade: Antiga Cidade de Sanaa; Antiga Cidade e Muralhas de Shibam; Cidade Histórica de Zabid.
Divisão administrativa: 17 governadorias.
Moeda (numismática): Rial Iêmenita / bogache (Yemeni Rial / Bogshah).
Código internacional ISO 4217: YER.
Sistema monetário: "rial".

Entre 1405 a 1433, Aden (grande cidade no Golfo de Aden), compreendeu as Sete Expedições Marítimas de Zheng He!

Curiosidade

O atual Iêmen, localizado ao sul da península Arábica, na entrada do mar Vermelho, é resultado da fusão, em 1990, do Iêmen do Norte - nação de forte tradição islâmica - com o Iêmen do Sul, mais ocidentalizado.

O petróleo, descoberto em 1984, responde por 90% das exportações, mas não garante ao país bons índices sociais e econômicos. A expectativa de vida é de 52 anos e o analfabetismo atinge mais de metade da população.

O Iêmen possui uma faixa litorânea fértil a oeste, na qual produz frutas, cereais e algodão. Também há produção agrícola na costa do Golfo de Áden (Somália) graças à irrigação. O interior do país é dominado pelo inóspito deserto da Arábia.

História

A região é chamada pelos romanos de "Arábia Feliz" por causa de suas extensões de terras férteis, em contraste com o deserto que domina a península Arábica.

Abrigou na Antiguidade vários Estados.

O mais famoso deles, o reino de Sabá, é mencionado no Velho Testamento. No século VII converte-se ao islamismo. A partir do século IX é governada por uma dinastia de sacerdotes zaiditas, uma das seitas xiitas islâmicas.

Iêmen do Norte

É ocupado pelos turcos entre 1538 e 1630 e, mais tarde, também entre 1849 e 1918. Com a independência, em 1918, o poder volta às mãos dos zaiditas, que mantêm o país isolado.

Em 1962, um grupo de militares dá um golpe de Estado, derrubando a Monarquia e proclamando a República. Tribos fiéis à Monarquia resistem, ajudadas pela Arábia Saudita e pelo Reino Unido.

Tropas do Egito intervêm na guerra civil em auxílio aos republicanos, que por fim saem vitoriosos. Um cessar-fogo é assinado somente em 1970.

Diversas facções militares passam pelo governo em uma sucessão de golpes de Estado, até que, em 1988, nas primeiras eleições livres, o coronel Ali Abdullah Saleh - no poder desde 1978 - é escolhido para a Presidência.

Iêmen do Sul

Em 1834, os ingleses ocupam o Porto de Áden, importante entreposto comercial entre a África e a Índia. Estabelecem um protetorado que inclui as áreas tribais do sul da península Arábica.

Em 1967 concedem-lhe a independência. O poder fica nas mãos da Frente de Libertação Nacional, que implanta o único regime comunista no Oriente Médio, com a ajuda econômica e militar da URSS.

Iêmen unificado

A unificação dos dois Iêmen é objetivo dos governos de ambos os países desde a década de 60. Ela mostra-se inviável em virtude da diferença de regimes políticos. O Norte e o Sul entram em guerra em 1972 e 1979.

Com o início do processo de fragmentação da URSS, no fim da década de 80, os dirigentes do Iêmen do Sul renunciam ao comunismo, o que permite a abertura de negociações com o Iêmen do Norte.

Em maio de 1990, o Iêmen torna-se um único país, sendo governado por um presidente do Norte (Ali Abdullah Saleh) e por um primeiro-ministro do Sul (Haidar al-Attas).

Fonte: www.sergiosakall.com.br

Iêmen

História

República Árabe do Iêmen (YAR), também conhecido como o Iêmen do Norte, entrou em vigor em 26 de setembro de 1962 após um golpe militar que derrubou o imã da Mutawakkilite. A República Popular do Iêmen do Sul (mais tarde conhecido como a República Popular Democrática do Iêmen) foi constituída em 30 de novembro de 1967 a partir do território da antiga federação da Arábia do Sul e do Protetorado de Áden. Os dois países se uniram em 22 de maio de 1990 a formar um único Estado-nação pela primeira vez, a República do Iêmen (ROY).

Em maio de 1994, em grande escala combates eclodiram entre as forças militares de apoio no sul e aqueles que apóiam o norte após uma avaria na cooperação política. A luta continuou até julho, quando caiu Aden. Desde então, o governo tem tentado promover a reconciliação entre o norte eo sul. Este é um desafio constante, especialmente agora que o Governo de Unidade Nacional e recém-eleito presidente prosseguir com transição e, em diálogo, em particular Nacional.

Geografia

Iêmen está no extremo sul da Península Arábica. Tem fronteiras com a Arábia Saudita e Omã e controla o estreito estratégico na entrada sul do Mar Vermelho (Bab al Mendab).

O norte do país tem três áreas bem definidas: uma faixa costeira ao longo do Mar Vermelho, do interior e uma área de planalto do deserto para o leste. O sul consiste em grande parte de montanhas e deserto. A população é pobre e predominantemente rural, mas não houve grande escala de urbanização na última década e quase metade da população vive agora em cidades.

Economia

O Iêmen é o país mais pobre do Oriente Médio, enfrentando difíceis desafios de longo prazo, tais como a taxa de crescimento em declínio e uma população em expansão.

O óleo descoberto em 1984 forneceu mais de renda do país, com as receitas do petróleo representam cerca de 25% do PIB e 70% das receitas do governo. O país tem cerca de 3 bilhões de barris de reservas provadas de petróleo bruto, muito pequena em relação às reservas de outros países da região, e produz cerca de 260.000 barris de petróleo por dia.

A produção tem vindo a diminuir progressivamente ao longo da última década desde que atingiu um pico de 440 mil barris de petróleo por dia em 2001. A produção de petróleo deverá continuar a cair nos próximos anos. Iêmen exporta cerca de 105 mil barris por dia e consome internamente o resto do óleo que produz.

A produção de petróleo e as reservas são modestos, ea infra-estrutura de distribuição é vulnerável a ataques, com ataques contínuos sobre o gasoduto Marib.

Iêmen tentou limitar sua dependência das receitas do petróleo, diversificando a sua economia através de um programa de reforma econômica iniciada em 2006.

Em outubro de 2009, o Iêmen exportou seu primeiro gás liquefeito natural como parte deste esforço de diversificação.

Contrabando, corrupção e insegurança, juntamente com o crescente problema do aumento da pirataria ao largo da costa do Iêmen no Golfo de Aden, também danificaram a confiança dos investidores. Os doadores internacionais de 39 países e agências de desenvolvimento (Grupo Consultivo) reuniu-se em Londres em novembro de 2006 tentar resolver estas questões econômicas através de aprovação de um pacote de apoio ao desenvolvimento. Cerca de 5,3 bilhões dólares foram prometidos na conferência, para cobrir um período de quatro anos 2007-2010, mas estima-se que apenas 10% deste foi finalmente desembolsados.

Em janeiro de 2010, o Reino Unido organizou um encontro internacional em Londres para discutir os muitos desafios enfrentados pelo povo do Iêmen. A reunião foi realizada como parte de um amplo "Amigos do Iêmen" do processo, que visa apoiar os esforços do Iêmen para a reforma econômica e política. Uma nova reunião foi realizada em Nova York em setembro de 2010.

Política

Os recentes acontecimentos políticos

Como parte de um período de dois anos do plano de transição política intermediado pelo Conselho de Cooperação do Golfo, intercalares eleições presidenciais em 21 de fevereiro. O ex-vice-presidente Abd Rabbuh Mansour Hadi foi eleito como Presidente, como o sucessor do presidente Saleh. Presidente Hadi está agora incumbido de levar uma criança de dois anos processo de transição política, incluindo um diálogo totalmente inclusiva Nacional, e da reforma constitucional e eleitoral, até completos eleições presidenciais e legislativas são realizadas em 2014.

Recentes mudanças políticas acompanhar mais de 12 meses de violência e agitação civil em todo o Iêmen. Em janeiro de 2011, estimulados pelo levante na Tunísia, manifestantes pró-democracia começou a protestar nas ruas do Iêmen. A resposta do governo foi por vezes violenta, e os confrontos entre partidários do governo, rebeldes e pró-democracia continuaram. Em 18 de março, mais de 50 manifestantes foram mortos pelas forças de segurança em Sanaa.

Algumas figuras importantes militares, incluindo o general Ali Mohsen Al-Ahmar, declararam seu apoio à reforma política. A comunidade internacional condenou o uso da violência contra manifestantes pacíficos, expressou sua profunda preocupação com o agravamento da situação humanitária e pediu uma ação urgente de chegar a um acordo político.

O GCC formulou uma iniciativa para a transição política. A preocupação das Nações Unidas no crescente descontentamento foi a de nomear Benomar Jamal ao papel do Assessor Especial para o Iêmen em março de 2011. O Reino Unido apoia transição na base da iniciativa do CCG, reconhecendo-o como o único plano credível para a paz e estabilidade.

O Reino Unido trabalhou de perto com o GCC, UE, ONU e outros parceiros internacionais para instar todos os lados no Iêmen a se comprometer com a mudança pacífica e inclusiva. Um resultado importante de nossos esforços combinados foi o Conselho de Segurança Resolução 2014, aprovada por unanimidade em outubro de 2011. Presidente Saleh concordou formalmente em transição em 23 de Novembro de 2011 por assinar a Iniciativa e seu plano de implementação.

Este compromisso que ele deixar o cargo após 33 anos como presidente. De acordo com o plano de implementação, o Poder Executivo foi passado para o Vice-Presidente, um novo primeiro-ministro e uma partilha de poder Governo de Unidade Nacional foram nomeados. Após a eleição recente de sucesso, agora estamos ansiosos para o novo presidente para inaugurar a segunda fase de transição que levou à Conferência do Diálogo Nacional, uma constituição alterada e as eleições de 2014.

Eleições

A eleição presidencial interino em 21 de Fevereiro foi a primeira eleição desde 2006. Presidente interino Abd Rabbuh Mansour Hadi foi o candidato de consenso e será novo chefe de Estado do Iêmen através da próxima fase de transição.

Eleição direta do Iêmen primeira presidencial (Setembro de 1999) foi vencido confortavelmente pelo presidente Saleh. Um referendo realizado em 2001, estendeu o mandato presidencial de cinco anos para sete anos. Saleh permaneceu no poder após a eleição presidencial de 2006, tendo obtido 77% dos votos.

Terceira eleição parlamentar do Iêmen desde a unificação foi realizada em abril de 2003. Congresso Geral do Povo (GPC), o partido do presidente, ganhou 238 assentos, enquanto que o maior partido da oposição, Islah, ganhou apenas 46 assentos. As próximas eleições parlamentares foram devido em abril de 2009, mas depois de uma disputa entre os principais partidos eleições foram adiadas para 2011.

As eleições locais foram realizadas pela primeira vez em fevereiro de 2001, e novamente em 2006.

Direitos Humano

O Governo britânico tem uma série de preocupações sobre os direitos humanos no Iêmen. Estes incluem aspectos do sistema judicial; detenção arbitrária, a liberdade de expressão, civis em áreas de conflito, os direitos das mulheres ea pena capital.

Após meses de instabilidade interna e relatórios de violações de direitos humanos credíveis, e no contexto de um agravamento da situação humanitária, uma missão da ONU de direitos humanos visitou o Iêmen em Junho / Julho de 2011, para conduzir uma investigação. Em 13 de Setembro de 2011, o Gabinete para o Alto Comissariado para os Direitos Humanos (ACNUDH) emitiu um relatório sobre o Iêmen, em que sublinhou a necessidade de "internacional, investigações independentes e imparciais" sobre as denúncias de abusos de direitos humanos relacionados com o movimento de protesto pacífico no Iêmen desde o início deste ano.

O Reino Unido manifestou o seu apoio à 18 ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, as recomendações do relatório. O Reino Unido também apoiou a resolução holandesa liderada chamando para a ação do Governo do Iêmen para responder às preocupações sobre seu histórico de direitos humanos e de fazer progressos para a transição política. O ACDH deverá apresentar uma atualização para a 19 ª sessão do Conselho de Direitos Humanos, em fevereiro.

Resolução do Conselho de Segurança da ONU 2014 de outubro de 2011 "salientou que todos os responsáveis pela violência, violações dos direitos humanos e abusos devem ser responsabilizados." O Reino Unido apoia esta posição e insta Iêmen para defender suas obrigações sob a lei internacional de direitos humanos.

O novo Governo de Unidade Nacional está empenhada em defender internacionais do Iêmen obrigações de direitos humanos e iniciando justiça de transição para tratar as queixas dos iemenitas.

Fonte: www.fco.gov.uk

Iêmen

História

De sua posição estratégica, no extremo sul da Península Arábica, o Iêmen, embora relativamente pequeno, sofreu sucessivas ondas de ocupação ao longo de sua história.

Os primeiros vestígios de ocupação humana (Iêmen não é mencionado no texto apenas a partir do século VII. Av. JC) de volta para o Neolítico, cerca de 700.000 aC. Porto no Oceano Índico, a Rota do Incenso de revezamento, o Iêmen é o reino de Sabá, no final do décimo século aC.

Após o fracasso da invasão romana no século I aC., O Iêmen é parte do sexto século Abyssinian reino então sofre a dominação persa do sexto tarde para sétimo século cedo antes de se tornar a terra do Islã 630 dC. É uma história turbulenta que se segue, com uma sucessão de dinastias muçulmanas no poder, incluindo Zaydi dinastia xiita que, de alguma forma manter as rédeas do país durante vários séculos (várias tentativas de golpe de Estado.)

É, finalmente, os otomanos apreendidos no Iêmen, no século XVI, mas no século XIX, o país foi ocupado pelo Inglês. Iêmen está agora experimentando vários conflitos e acordos entre os dois poderes, o Império Otomano, que controlava o Oriente Médio, por um lado, o império colonial britânico sobre o outro. Ele se tornou um Estado independente em 1918, quando o colapso do Império Otomano.

O país vai para a guerra com a Arábia Saudita, que faz fronteira com o norte 1926-1934. Iêmen é então dividido em dois, a República Árabe do Iêmen, no norte passando por hegemonia Saudita, República Popular Democrática para o sul. Duas guerras civis em antes de seguir a reunificação do Iêmen, em 1990, e a proclamação do presidente Saleh, o atual presidente, que vai tentar reconstruir um país devastado, rica em história, mas a evidência sangrenta na última guerra civil, em 1994.

Clima e Geografia

Iêmen é um país relativamente pequeno no Oriente Médio, que ocupa uma posição estratégica no extremo sul da Península Arábica. Avançado formando um mar de mais de 3000 km, Iêmen leva ao Mar Vermelho para o oeste eo Oceano Índico, no sul. Faz fronteira com a Arábia Saudita ao norte-oeste e nordeste de Omã. Sua cidade portuária de Aden, o local de escolha - com vista para as rotas marítimas do Oceano Índico e foi, até o fechamento do Canal de Suez, em 1967, uma parada na rota para a Índia, para onde a ocupação britânica no século XX - como um abismo com vista para a Somália.

Banda estreita esmagado pela Arábia, se espalhou de comprimento, com uma área de 528,000 km ², quase, o Iêmen tem mais de 20 milhões de habitantes, distribuídos por uma maior densidade no norte e no sul.

Se houver algumas grandes cidades como Aden ou capital Sanaa, Iêmen é composta principalmente de aldeias, muitas vezes construídas nas ocupações antigas, como Bir Ali no Oceano Índico, construído sobre a Qana antiga.

Terreno geográfico iemenita é principalmente montanhosa (baixa altitude) e vulcânica. O deserto saudita de Rub al-Khali estende ao Iêmen ocupa pequena parte.

Como toda a área geográfica, o clima local é difícil: o clima anual média de 32 ° 5 c e com uma humidade raramente inferior a 50%. No verão, a temperatura raramente cai abaixo de 37 ° C e no inverno, muitas vezes superior a 28 ° c. Baixa precipitação tem causado uma para armazenar a água da chuva em cisternas.

Geografia do Iêmen teria sido um país turístico principal se sua economia era vulcões florescentes com vista para as praias, aldeias típicas iemenita arqueológico riqueza da terra construção inegável tradicional ...

Arte, tradição e educação

O Iêmen é rica em contrastes: as suas tradições têm desenvolvido, a sua arte de renome, mas em termos de educação, o país tem um longo caminho a percorrer.

A língua oficial é o árabe literal, mas há uma abundância de dialetos árabes, dependendo da região, para não falar hindi, Somália, etc. comunidades estrangeiras em todo o país. A religião oficial é o islamismo, enquanto comunidades judaicas, budistas e cristãos estão relativamente bem integrados.

O Iêmen é uma sociedade tradicional: tributos diferentes hierárquico dividir o país, cada uma com seu próprio terno. Como em muitos países árabes, as pessoas são amigáveis. Esgotando, eles começaram a crescer ainda mais "qat" narcótico tradicional incrível é fumado ou mastigado.

Iêmen é conhecida por sua cultura, incluindo a sua arte, música e poesia, este último muitas vezes acompanhado pelo primeiro que canta. Outra típica arquitetura arte iemenita antigo estilo árabe, com arcos e arcadas, mesquitas, banhos turcos e souks, mas os países de hardware (incluindo granito ou lama) e algumas variantes (como o uso de tinta branca em algumas aldeias.)

O setor da educação pública é de baixa qualidade, e que desde 1962, quando o Iêmen já foi famosa por suas escolas de direito, história, religião ou poesia.

Em 1990, apenas cerca de 40% dos iemenitas eram alfabetizados. Não pode ser que hoje a duas grandes universidades em Sanaa e Aden. Para melhorar a qualidade dos serviços educacionais, vários projetos têm sido decretado, o mais importante é a YALA, um projeto que visa tornar a educação primária de qualidade de serviço acessível e procura os pais, muitas vezes analfabetos, ciente da importância da educação para seus filhos.

Economia, trabalho e emprego

Desde os tempos antigos até a era moderna, o Iêmen tem experimentado uma economia próspera. Apesar de um clima quente e precipitação relativamente baixos, a agricultura floresceu com a ascensão do reino de Sabá ao século VII. BC. JC., Graças ao trabalho de irrigação intensiva. Iêmen ", Arábia Blessed" exporta seus grãos e frutas, temperos e sabores, incluindo café e mirra usado em cerimônias rituais.

O Iêmen é também uma parada na rota de caravanas de navegação e relés na rota para a Índia. Este é um país rico, onde as pessoas podem encontrar facilmente um emprego, até o fechamento do Canal de Suez em 1967 e os vários conflitos, tanto internos como externos travessia para o Iêmen desde o século XIX.

A reunificação, em 1990, o norte outrora fértil e sul da área ex-exportação, tornando-se um dos países mais pobres da Península Arábica, apesar aumento da renda com o petróleo e gás natural no território. A taxa de desemprego desde o retorno de milhares de iemenitas.

Saleh, depois de sua eleição, em 1990, apela para a ajuda externa: fundos monetários internacionais permitirá que, no futuro próximo, a reestruturação da economia através de duas fases (reduzir o déficit orçamentário através de reformas financeiras e monetária e fazer reformas estruturais, especialmente na esfera civil) e do Banco Mundial está trabalhando na modernização do setor público, educação e água.

E com o apoio da China e da Rússia, a economia está a recuperar gradualmente desde 2003. O local e estrangeira aumento de investimentos, empregos estão aumentando, principalmente através do incentivo ao desenvolvimento do setor privado e da política de livre comércio. O crescimento das exportações foi retomado (óleo, algodão, café, peixe). Hoje Iêmen tende a pertencer aos países moderadamente desenvolvidos.

Turismo

Iêmen oferece, a diversidade de suas paisagens (mar, deserto, montanhas, vulcânica), a beleza de suas cidades e aldeias e hospitalidade de seus habitantes, um destino de escolha, embora o turismo é ainda subdesenvolvido. Arthur Rimbaud e Paul Nizam não hesitou em fazer a viagem.

Ao contrário do que teria direito de acreditar, a rica fauna e flora - especialmente no leste do país, ou nas montanhas do norte de Sanaa, com milhares de terraços de cultivo, ou no coração do deserto com wadis (Wadi ver Hadhramawt), ou, finalmente, nas ilhas (como Sacotra ilha no Oceano Índico) - oferece um cenário. Estes sites oferecem aos viajantes uma variedade de atividades, incluindo mergulho - abundante fauna aquática também - ou trekking no sopé.

Outros destinos turísticos, cidades e aldeias no Iêmen, diversidade promissor, algumas por seus vestígios arqueológicos (com sua mãe Marib do século oitavo. AC), outros por sua arquitetura tradicional árabe.

Para chegar ao Iêmen, o viajante deve obter um visto de turista e apelo coletivo para uma agência local ou como Bilquis Iêmen Tours. Recomenda-se a formar pequenos grupos, o que permite, entre outras aluguel veículos off-road a um custo menor, como compartilhada (os ônibus e táxis restantes disponíveis em cidades ou vilas.) O país é pobre, os preços são muito acessível e uma grande viagem é entre 23 e 100 euros para o dia, dependendo do luxo desejado.

Por razões de segurança, o turista deve saber que ter cuidado ao viajar. Recomenda-se a ser acompanhado por um guia local, evite áreas de Saada e Jawf Al (alguns reféns foram identificados) e prestar atenção à água e alimentos não lavados ( malária.) Para saber que serpentes pertencem à fauna do Iêmen.

Fonte: www.firdaous.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal