Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Ilhas Fiji  Voltar

Ilhas Fiji

 

História

Apesar das evidências de que Fiji foi habitada por mais de 2.500 anos, pouco se sabe de sua história antes da vinda dos europeus.

Em épocas anteriores, as Ilhas Fiji eram conhecidos como os "Cannibal Islands"; fijianos de hoje, com suas formas abertas, amigáveis, têm pouca semelhança de seus antepassados guerreiros.

O primeiro europeu conhecido a vista das ilhas Fiji foi o holandês Abel Tasman em 1643. Missionários europeus, baleeiros, comerciantes e desertores resolvida durante a primeira metade do século 19. Seu influência corruptora causou guerras cada vez mais graves para incendiar-se entre as confederações nativos de Fiji.

Ilhas Fiji

Em 1871, os europeus em Fiji (Cerca de 2000) estabeleceu uma administração sob Ratu Seru Cakobau, que havia se tornado primordial chefe do leste da Viti Levu alguns anos antes. Caos seguido até uma convenção de chefes cedeu Fiji incondicionalmente ao Reino Unido em 10 de outubro de 1874.

O padrão de colonialismo em Fiji durante o século seguinte foi semelhante ao de outras possessões britânicas: a pacificação do campo, a expansão da agricultura de plantação, e com a introdução de mão de obra contratada indiana. Muitas instituições tradicionais, incluindo o sistema de propriedade comunal da terra, foram mantidas.

Chefe reverenciado Fiji, Ratu Sukuna, lutou na Legião Estrangeira Francesa durante a Primeira Guerra Mundial e foi condecorado. Unidades Fiji ajudado Forças britânicas em papéis não-combatentes. Fiji soldados lutaram ao lado dos Aliados na Segunda Guerra Mundial, ganhando uma boa reputação na dura Salomão Ilhas campanha.

Os Estados Unidos e outros aliados países mantiveram instalações militares em Fiji durante a guerra, mas os japoneses não atacar Fiji.

Em abril de 1970, uma conferência constitucional em Londres concordaram que Fiji deve tornar-se uma nação totalmente soberana e independente dentro da Commonwealth em 10 de outubro de 1970.

Em abril de 1987, o Partido da Aliança de Ratu Sir Kamisese Mara, que Fiji tinha governado desde a independência, perdeu uma eleição geral e foi substituído por um governo de coligação NFP-Trabalho.

O novo Governo foi chefiada pelo Dr. Timoci Bavadra, um Fiji étnica, com mais apoio vindo da comunidade de etnia indiana. Em 14 de maio 1987, o tenente-coronel Sitiveni Rabuka, Chefe de Operações do Real Fiji Forças militares, deram um golpe militar.

Razões expostas Rabuka para o golpe era impedir inter-comunal violência e restaurar a domínio político dos fijianos étnicos em suas ilhas de origem. Depois de um período de confusão, o governador-geral Ratu Sir Penaia Ganilau levou carga.

Em setembro, o Governador-Geral e do político duas principais agrupamentos chegaram a acordo sobre um governo de unidade nacional (o Deuba Acordos).

No entanto, Rabuka opuseram à participação pela Coligação deposto em O governo propôs ea exclusão dos militares do negociações e, consequentemente, um golpe segunda em 25 de setembro 1987. O governo militar de Fiji declarou uma república em 10 de outubro.

Esta ação, juntamente com protestos por parte do Governo da Índia, levou a Expulsão de Fiji da Commonwealth. O regime militar foi sem sucesso no governo e Rabuka voluntariamente entregou o rédeas do governo para os civis em 06 de dezembro de 1987.

Antigo Governador-Geral Ratu Sir Penaia Ganilau tornou-se presidente. Ratu Sir Kamisese Mara foi trazido de volta como primeiro-ministro e formou uma Gabinete principalmente civil contendo quatro policiais militares, incluindo Rabuka.

Em janeiro de 1990 o prazo do primeiro governo interino chegaram a um final, e o presidente anunciou um segundo governo provisório com um reduzido Gabinete 17 membro, desprovido de serviço ativo militar oficiais.

Este governo promulgou uma nova Constituição em 25 de julho 1990. Rabuka, agora um major-general, voltou para o quartel como comandante das Forças Militares Fiji. Em julho de 1991, Rabuka sair do militar para se tornar co-vice-primeiro-ministro e ministro do Interior Assuntos.

A eleição geral em Junho de 1992 voltou Fiji ao governo eleito.

Rabuka foi nomeado primeiro-ministro pelo Presidente Ganilau. Sua governo foi dissolvido em Janeiro de 1994 com a incapacidade para passar um projeto de lei substantiva - o orçamento FY94. Uma eleição geral foi realizada 18-26 fevereiro de 1994, e Rabuka foi novamente nomeada primeiro-ministro depois que seu partido ganhou a maioria dos assentos perto.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Ilhas Fiji

Fijo, Ilhas Infinitas

O arquipélago mais conhecido da Melanésia está formado por 320 ilhas, onde apenas um terço está povoada. Seu nome evoca praias paradisíacas, ilhas de coral e complexos de luxo, e o visitante não se sente defraudado nas expectativas, pois Fiji é isso e muito mais. As maiores ilhas de origem vulcânica, têm um interior montanhoso de frondosos bosques selvagens, impactantes paisagens e pitorescos povoados.

Os lagos vulcânicos de águas transparentes concorrem em beleza com as águas turquesas das barreiras de arrecifes e nas possibilidades de exploração e prática de esportes.

Porém, Fiji também é cultura, ou melhor, mistura de culturas: polinésios, hindus e europeus têm dado lugar a uma peculiar arquitetura, linguagem, cozinha, religião e, sobre tudo, um caráter hospitaleiro que faz o forasteiro sentir-se em casa.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

As ilhas Fiji situam-se ao sudoeste do Oceano Pacífico, ao sul do Equador e ao norte do trópico de Capricôrnio. Seus limites territoriais cobrem mais de 1.3 milhões de quilometros quadrados, os quais apenas 1.5% são terra firme. No total a superfície desta terra firme é de uns 18.300 quilometros quadrados.

O arquipélago compreende umas 300 ilhas, mas se contamos todas as pequenas ilhotas da zona, o número pode subir à 800. A maior das ilhas é Viti Levu, com 10.390 quilometros quadrados, e a segunda Vanua Levu, com 5.538 quilometros quadrados. Só um terço das ilhas estão habitadas, devido principalmente ao isolamento e falta de água em muitas delas.

Os restantes grupos de ilhas são: Lau, formado por 57 ilhas; Moala, formado por três; Lomaiviti, composto de 12 ilhas, o grupo Kadavu e o arquipélago de Yasawa, com 20 ilhas, que formam a fronteira ocidental.

A maior elevação é o Monte Vitória, com 1.323 metros de altitude, situado no extremo norte da cadeia montanhosa que divide Viti Levu no leste e oeste.

Flora e Fauna

Flora

Fiji caracteriza-se por uma grande quantidade de vegetação tropical e densa selva virgem. O dacua e o jaca junto com os vesi, fazem parte das árvores mais comuns. Os coqueiros, os pandanos cujas folhas se utilizam para fazer cestas, o bambú e os juncos, fazem parte da paisagem tropical do arquipélago.

Também típica da selva, a tagimaucia é a flor nacional de Fiji. Abundam as orquídeas e a baunilha. Dentro das plantas comestíveis destaca a tavioka e o dalo, cujas raízes possuem um alto valor nutritivo, sendo usadas também suas folhas na cozinha tradicional fijiana. Os nativos distinguem até 80 espécies diferentes de dalo. A kava, uma planta pertencente à família do pimentão, é muito cultivada em Fiji; suas raízes se secam e misturam com água para produzir a yaqona, uma bebida ritual.

Entre as plantas de jardim a mais frequente é o hibisco, usada como elemento decorativo, alimento e medicina. Do Brasil foram trazidas o buganvile e a alemanda, que produzem formosas flores amarelas durante todo o ano.

Fauna

Os únicos mamíferos terrestres endêmicos são seis espécies de morcegos. A mais comum é a do morcego da fruta, conhecido como raposa voadora ou beka, que aninha nas árvores mais altas dos bosques. Outras duas espécies de morcegos insetívoros vivem em grutas, pelo que raramente podem ser vistos.

Dos mamíferos exógenos, o mais comum é a mangosta, trazido da Índia em 1883 para controlar as pragas de ratos nas plantações de cana de açúcar. Várias espécies de golfinhos e baleias podem ser avistadas ocasionalmente nas costas, quando emigram fugindo das frias águas do Antártico.

A fauna fijiana é rica em répteis: há 20 espécies de répteis terrestes, quatro de tartarugas e quatro de serpentes de mar. Há vários tipos de iguanos, sendo os mais frequentes o iguano de cresta e o ralhado. Entre os anfibios, o mais notório é o sapo da cana.

Fiji possui uma variada e interessante fauna ornitológica. Das cem espécies a sobrevoar seus céus, 23 são nativas. Porém, a maior riqueza animal das ilhas encontra-se sob a água.

As massas coralinas e as lagoas protegidas das costas alojam infinitas espécies de peixes de maravilhosas cores e as mais fantásticas formas com nomes sugestivos como peixe soldado, peixe cirurgião, peixe lagarto e peixe trombeta, entre muitos outros.

Dados Históricos

Segundo evidências arqueológicas, as ilhas Fiji foram povoadas em três diferentes ondas migratórias: a primeira teve lugar no século XVII a.C.; a segunda entre o ano 400 e o 100 a. C., e a última entre os séculos X e XIX.

O nome de Fiji vem do nome tonganês das ilhas, cuja população tem sido modelada por polinésios, melanésios e alguns micronésios. O nome que os nativos davam a Fiji era Viti.

Povo Lapita

O povo lapita foi o primeiro a estabelecer-se em Fiji, e povoar sobre tudo as costas, baseando-se na subsistência da pesca. Assumiu-se que os lapitas chegaram procedentes de Vanuatu ou das Salomão Orientais.

No século X d.C., povos de Tonga e Samoa chegaram desde o leste, propiciando guerras de maior calibre e mais organizadas. Mais tonganos chegaram no XVIII, fazendo os povoadores refugiarem-se de novo nas fortificações.

Embora houvesse extensos períodos de paz, Viti sofria uma intensa crise quando chegaram os europeus. À princípios do XIX, os atritos locais entre as tribos tinham às ilhas à beira da guerra civil. Isto fez pensar os primeiros colonizadores que as ilhas estavam em constante estado de guerra.

Primeiros Europeus

O holandês Abel Tasmam foi o primeiro europeu em informar do avistamento em 1643 de alguma parte destas ilhas. Conseguiu evitar os perigosos arrecifes ao noroeste de Vanua Lavu e Tavenui, mas sua descrição do sistema de arrecifes manteve longe os marinheiros ocidentais durante 130 anos.

Em 1774, o Capitão Cook chegou à pequena ilha de Vatoa, ao sul do grupo de Lau. Sua descrição dos nativos como ferozes guerreiros e caníbais fez com que durante anos ninguém ousasse acercar-se da zona.

As ilhas principais seriam avistadas em 1789 por William Bligh durante seu histórico périplo desde Tonga a Timor. Não permaneceu muito tempo na ilha devido à hostil acolhida dos nativos, mas voltou em 1792 para levar a cabo uma exploração do arquipélago.

Em 1830 estabeleceu-se em Levua, Ovalau, pequeno assentamento de baleeiros e presos escapados da Austrália. Os estrangeiros casaram com mulheres nativas e Levuka converteu-se em um dos melhores portos do sul do Pacífico para comerciantes e navios de guerra.

Em 1846, John Brown Williams foi nomeado agente comercial norte americano nas ilhas, e os ingleses, temerosos de que franceses ou americanos tentassem anexar o arquipélago, enviaram W.T.Pritchard a Levuka como consul em 1858.

As Fiji tinham-se convertido naquela época em um importante lugar comercial, e os chefes nativos assinavam constantes alianças com norte-americanos, franceses, alemães ou ingleses, segundo as necessidades de cada momento.

O principal chefe nativo, Cakobau, dominava quase todo o território, mas não era capaz de manter a paz interna. Perante o perigo da adesão por parte de qualquer potência devido à grande instabilidade internacional da época, Cakobau decidiu ouvir o chamado do consul britânico Thurston, à favor da união à coroa britânica.

Colônia britânica

Fiji foi proclamada colônia britânica em 10 de outubro de 1874 em Levuka. O governador de Nova Gales do Sul foi nomeado provisoriamente governador da nova província, sendo substituido posteriormente.

Para assegurar-se, o tradicional apoio dos chefes locais, Gordon introduziu um sistema administrativo que incorporava a hierarquia existente na sociedade fijiana. O cristianismo imposto pelos missionários serviu também como elemento de integração e controle social e de proteção do sistema capitalista que começava-se implantar.

Até 1904, o Conselho Legislativo tinha estado constituido inteiramente por europeus escolhidos pelo governador, pelo que a Constituição teve que ser modificada para poder incluir seis europeus e dois fijianos escolhidos pelo grande Conselho dos Chefes.

Em 1916 o Governador decidiu nomear um membro hindu (milhares de hindus tinham chegado a Fiji em décadas anteriores para servir como mão de obra barata); haveria que esperar até 1929 para serem eleitos pela primeira vez para o governo da colônia, após uma década de intensa luta pela melhora de condições de vida.

Fiji manteve-se isolada da I Guerra Mundial dada a distancia do campo de operações, mas o conflito no Pacífico durante a II Guerra Mundial envolveu mesmo aos fijianos, que lutaram nas Salomão contra os japoneses entre 1942 e 1943. Após a guerra, Fiji ficou mais exposta ao Ocidente, especialmente a Nova Zelândia.

Os anos sessenta foram a década da formação de governos ministeriais, da obtenção do direito ao voto pelas mulheres, do estabelecimento de partidos políticos e de mudanças constitucionais dirigidas a favorecer o auto-governo.

A Independência

Fiji obteve a independência em 10 de outubro de 1970, após 96 anos de domínio colonial. A constituição de 1970 seguia o modelo britânico de duas câmaras, com um senado composto por chefes nativos e uma câmara de representantes.

Em abril de 1987, a derrota nas eleições do Partido da Aliança por uma coligação acusada de estar dominada por hindus, fez explodir as tensões raciais. Após um mês, o tenente coronel Sitiveni Rabuka chefiava um golpe de estado sem sangue, proclamando-se diretor do conselho de ministros, apoiado pelo grande Conselho de Chefes fijianos.

Após abolir a constituição de 1970 e numerosos direitos civis, Rabuka elegeu-se presidente da República.

Estas circunstâncias abismaram o país em uma grande instabilidade política, social e racial, além de provocar uma profunda crise econômica. Em julho de 1990 foi aprovada uma nova constituição que favorecia primordialmente os intereses da etnia fijiana nativa, provocando a total quebra dos grupos hindus e seus líderes.

Após sucessivas reformas constitucionais, hoje ainda continuam as discusões sobre a representatividade que cada grupo deseja ter no governo das ilhas.

Arte e Cultura

Alguns marcos da sociedade dos primitivos habitantes de Viti têm sobrevivido à repressão de missionários e governantes ocidentais e os mutantes modos de vida nas ilhas.

Assim, a maioria dos nativos fijianos vivem em povoados em mataqui (grupos familiares amplos) cultivando sua própria terra e sob o mando de um chefe, geralmente varão, cujo cargo é hereditário. Os diferentes clãs reunem-se para os nascimentos, casamentos, funerais e outras celebrações onde são trocados presentes.

Outorga-se a cada família um lote de terra, mas há algumas obrigações comunais a serem feitas, como a colheita para o chefe do clã e construir e manter em bom estado as edificações da comunidade. A vida no povoado está baseada na inter-dependência, por isso existe um grande apoio mútuo a criar um forte sentimento de identidade de grupo.

Apesar do tradicionalismo, as diferenças sociais e culturais observadas no passado estão desaparecendo rapidamente. Os povoados já não são assim tão auto-suficientes, e cada dia são mais jovens a emigrar para as cidades em procura de educação ou emprego.

As tradições e os valores dos maiores são menos respeitados nas cidades, onde as ligações familiares perdem força e obrigam os jovens fijianos adaptarem-se rapidamente aos novos modos de vida.

Em todas as ocasiões especiais, como pode ser a cerimônia de boas-vindas de um chefe ou de um novo funcionário, os habitantes das ilhas oferecem um dente de baleia na cerimônia da kava, à qual só podem assistir homens.

Gastronomia

Há quatro tipos de cozinha em Fiji: a local ou fijiana, a européia, a chinesa e a hindu.

A cozinha local é parecida à do resto desta zona do Pacífico: os pratos típicos são preparados a base de peixe, marisco, fruta-pão, taro (dalo), cassava (tavioka), carne de vaca, arroz, frango, suco de coco (lolo), frutas tropicais (goiaba, abacaxi, manga) e várias folhas verdes como as do taro (roro) ou as de feto.

Qualquer comida fijiana deve incluir carne ou peixe, folhas de taro fervidas rociadas com creme de coco e cassavas fervidas como guarnição.

A comida hindu tende a estar fortemente temperada, e uma comida típica deste tipo consiste em carne ao curry com arroz, sopa de lentilhas e roti (um tipo de pão). Os pratos chineses costumam ser mexidos de carne e verduras fritas, arroz e alguns pratos ardorosos com curry.

Os fijianos comem em suas casas com as mãos e sentados no chão. Se um visitante é convidado a comer, lhe oferecerão em abundância, embora a família seja pobre. Em reciprocidade, o visitante deve levar alguns alimentos comprados nas lojas do povoado.

É frequente encontrar em alguns restaurantes vonu (carne de tartaruga). Isso está proibido, pois põe em perigo diversas espécies, pelo que deverá rejeitá-la sempre.

Bebidas

Pode-se encontrar numerosas marcas de água mineral engarrafada local e importada, que sempre é recomendável, pois não se deve beber nunca da torneira. Os sucos de frutas são excelentes e a água de coco verde fria é tremendamente refrescante. Outro refresco local é o feito com suco de banana.

Entre as bebidas locais, a mais popular é a cerveja (herança britânica); pode ser ruiva ou amarga. Também é produzido rum de aceitável qualidade.

A bebida tradicional é a Yaqona, parte integral da vida social fijiana.

Compras

O artesanato local é variado e oferece boas oportunidades de levar atrativas lembranças de volta para casa. As peças clássicas do artesanato fijiano são os paus de guerra, garfos, boles de yaqona, conchas, sândalo, sabonete de coco, peças esculpidas em coral e tecidos tapa em forma de cartões postais ou cartazes.

Há também peças muito boas de olaria. Deve evitar comprar instrumentos de carei ou similares extraidos da tartaruga, pois está proibido seu comércio.

Como tecido típico aconselha-se adquirir o Sulu, uma tela retangular de 2 metros de largura, uma espécie de pareo muito colorido. Em artesanato hindu pode-se obter coloridos saris (túnicas para a mulher) e joalheria.

População e Costumes

Fiji tem uma população aproximada de 770.000 habitantes, segundo o censo de 1993. A ilha mais povoada, Viti Levu, acolhe 75% da população total. 39% dos fijianos habitam em áreas urbanas, e as cidades mais densamente povoadas são Suva, Nadi, Lautoka e as áreas açucareiras de Rewa e Ba.

A mistura de raças em Fiji é a mais marcada de toda a Polinésia, até o ponto de não haver uma clara identidade nacional no país. Hoje em dia os fijianos indígenas representam 50% da população, e os hindus 45%, dividindo-se os 5% restante entre as outras etnias.

Os hindus formam um importante grupo racial e cultural das Fiji, e são descendentes dos emigrantes que no século XIX optaram por ficar, após seus contratos de trabalho perderem a validade. À partir de 1916 não mais foram admitidos trabalhadores estrangeiros nas plantações.

Anteriormente, os nativos negavam-se a realizar este tipo de trabalhos. Na atualidade muitos destes índios cultivam cana de açúcar ou arroz em terras arrendadas aos fijianos; a outra principal ocupação é a do comércio, na qual tem chegado a prosperar notavelmente.

Entretenimento

Nas Ilhas Fiji pode-se fazer quase de tudo, especialmente quanto a esportes náuticos, desde mergulho, surfing, windsurfing ou snorkelling e pesca submarina.

Para os que têm inquietudes antropológicas existe a possibilidade de visitar os povoados mais anscestrais e tentar conhecer mais a fundo seus habitantes, lembrando que a maioria da população fala inglês.

Em contato com a natureza há também excelentes oportunidades para a prática do senderismo e a escalada. Excursões são organizadas em bicicletas de montanha e veículos de terreno. Nas reservas naturais, além de sombrios bosques selvagens, pode-se contemplar multidões de espécies de pássaros tropicais que neles aninham.

Para quem gosta dos espetáculos esportivos, nas Fiji pode ver rugby, jogo e criket. Por outro lado, existem facilidades de primeira classe para a prática do golfe e tênis.

Nas principais cidades é possível também encontrar uma animada vida noturna, com abundância de música ao vivo e espetáculos folclóricos locais.

Festividades

Fiji conta com numerosas festas e festivais de grande colorido ao longo do ano todo. As festas de carácter regional há que somar as celebrações das populações chinesa e hindu.

Entre os festivais mais importantes encontra-se o Festival de Diwali (outubro ou novembro), celebrado pelos hindus, mas com a participação de todos os habitantes das ilhas. Outros eventos religiosos mais importantes são Natal e a Páscoa.

Destacam, também, o Festival Hibiscus, o maior carnaval das Fiji (una longa semana no mês de agosto), o Festival do Açúcar, na cidade de Lautoka (setembro) e o Festival Bula, no povoado de Nadi (julho).

Os dias festivos oficiais são: 1 de janeiro Ano Novo, 16 ao 19 de abril Páscoa, 14 de junho Aniversário da Rainha, 31 de maio Dia de Ratu Sukuna, 26 de julho Dia da Constituição, 11 de outubro Dia de Fiji, 30 de agosto Aniversário do profeta Maomé, 15 de novembro Aniversário do Príncipe Carlos, 25 de dezembro Natal e 26 de dezembro Boxing Day.

Transportes

Avião: Fiji está bem comunicado por via aérea. As companhias da zona como Air Pacific, Air New Zeland, Canadiam Airlines ou Qantas operam vôos a diversos destinos desde o aeroporto Internacional de Nadi. Ao aeroporto Internacional de Nausori, a 23 quilometros ao nordeste de Suva, operam Royal Tongam Airlines, Air Marshall Ilands e Air Naru.

Quanto a vôos nacionais, Fiji encontra-se muito bem servida, com vôos frequentes e confiáveis entre numerosos pontos do arquipélago. As três principais linhas são Air Fiji, Sunflower Airlines e Vanua Air Charters.

Barco: Pode-se chegar de barco às Fiji, principalmente em iate ou cruzeiros organizados. Há serviços regulares de transbordador entre Viti Levu, Vanua Levu e Taveuni; entre Viti Levu e Ovalau e entre Viti Levu e Kadavu. Navios aceitam tanto pasajeros como veículos, e vão providos de lanchonetes onde pode-se beber e comer comidas leves.

Trem: O único trem de passageiros em Fiji é o Coral Coast, em Viti Levu, que cobre a rota entre o Fiji Resort e Natadola Beach.

Ônibus: Deslocar-se em Fiji é muito econômico, especialmente nas povoações de Viti, Levu, Vanua Levu, Taveuni u Ovalau, com ônibus abertos, sem ar condicionado.

Para distâncias mais longas, é conveniente abordar os que têm ar condicionado.

Carro: As principais firmas de aluguel de carros estão presentes em Fiji. Dirige-se pela esquerda e é necessário possuir licença de motorista, seja internacional ou nacional. A velocidade máxima em zonas urbanas é de 50 km. por hora e de 80 km. por hora nas estradas.

Bicicleta Dado o íngreme da maioria das estradas não é frequente o uso da motocicleta, mas sim o da bicicleta, sobre tudo para as excursões para o interior das ilhas. Pode-se transportar nos transbordadores sem problemas, e assim a mesma bicicleta serve para percorrer todas as ilhas. Existem várias empresas de aluguel.

Táxi Em Fiji abundam táxis, todos eles com taxímetro. Porém, para distâncias maiores é conveniente combinar o preço antes de iniciar o trajeto.

Locais Turísticos

Inciaremos nosso percurso pela ilha de Viti Levu (a maior), nas povoações de Suva, Nadi e Lautoka. Daqui viajaremos para as ilhas de Vanua Levu e Vatulele, para depois continuar pelas ilhas que formam o Grupo de Lomaviti. A nossa viagem finda nas formosas ilhas do Grupo Yasawa.

ILHA DE VITI LEVU

Viti Levu (Grã Fiji) é a maior, a mais antiga e a mais povoada das ilhas do arquipélago. Sua forma oval abrange 10.400 quilometros quadrados, com comprimento máximo de 146 quilometros e largura de 106.75% da população de Fiji mora aquí, pois a ilha é o centro político e administrativo do país.

SUVA

A capital de Fiji é uma das mais importantes do Pacífico Sul e um importante centro de referência na região: nela está a Universidade do Pacífico Sul e numerosas embaixadas estrangeiras. Em Suva e seus arredores vivem umas 150.000 pessoas, o que representa mais da metade da população urbana de Fiji. É uma cidade multi-racial e multi-cultural, e abundam as igrejas, mesquitas e templos.

Suva possui magnífica paisagem, e através da baia observam-se as montanhas em volta. Aloja uma peculiar arquitetura, mistura do passado colonial com mansões e jardins e as construções indígenas.

Vitória Parade é a maior rua de Suva, e nela alinham-se lojas, bancos, clubes noturnos e significativos prédios coloniais, como o Hotel Grand Pacific e a Antiga Casa do Governador, onde mora atualmente o Presidente do país.

Junto encontram-se os Jardins Botânicos Clock Tower e os Jardins de Thurston, o botânico britânico que introduziu numerosas espécies na região.

Nos terrenos destes jardins pode-se visitar o Museu de Fiji, que contém uma fabulosa coleção de instrumentos rituais dos nativos fijianos e uma completa mostra das diversas influências das culturas que em um momento ou outro da história chegaram à ilha.

No final de Vitória Parade encontra-se o malecão do porto, desde onde avistam-se as montanhas, entre as quais destaca o Polegar de Joske.

Pelo passeio do porto chega-se ao Mercado Municipal de Suva, onde vende-se todo tipo de frutos, hortaliças e especiarias em meio de uma autêntica mistura de raças. Este é um bom lugar para adquirir a tradicional Kava.

Na Cumming Street encontra-se o edifício Morris Hedstrom (1918), característico pela fachada veneziana. No fim da rua, a Igreja Católica, de princípios do século. Muito perto estão também os emblemáticos edifícios da Fiji International Communications e a antiga Prefeitura, de arquitetura vitoriana.

A melhor mostra da fusão das arquiteturas fijiana e ocidental é o Complexo do Parlamento em Battery Road.

Partindo da capital, existem numerosas opções para realizar trajetos pelos arredores, que garantem a diversão e admiração de magníficas paisagens.

NADI

Outra das cidades importantes da ilha e mais frequentada pelo aeroporto internacional é Nadi. A maioria dos habitantes são hindus, o qual a converte em um importante centro religioso.

A cidade vive quase do turismo e, embora não contém muitos atrativos, é uma boa base para organizar viagens pela ilha. A rua principal está lotada de lojas livres de impostos e lojas de souvenirs.

No fim da rua encontra-se a principal atração de Nadi, o Templo Sri Siva Subramanyia Swami, um centro religioso de culto hinduísta dedicado ao deus Murugan.

Os artistas que o construiram e os materiais empregados foram todos trazidos da Índia, como também o grande sacerdote que fez a inauguração em 1994. É um colorido monumento cheio de obras de arte, com o marco incomparável das montanhas nas costas.

Outro dos pontos de interesse é Waqadra Garden, jardim botânico rodeado de árvores de bambú, hibiscos, orquídeas e árvores de anacardos e de teka.

LAUTOKA

Lautoka é a segunda cidade em importância das Fiji, com uma população de 40.000 habitantes. É ponto de saída de muitos cruzeiros para as outras ilhas do grupo. Situada a 24 quilometros do aeroporto internacional de Nadi, o turismo faz uma parte importante de sua economia, embora segue sendo uma cidade eminentemente açucareira, encontrando-se nela algumas das principais fábricas de açúcar do hemisfério sul.

De fato, uma das maiores atrações da cidade é a fábrica de açúcar da Fiji Sugar Corporation durante a época da safra. Deve chamar ao 60800 para marcar visita.

A 10 quilometros para o interior, o Abaca Cultural and Recreational Park representa uma magnífica opção para o ecoturismo, pois oferece imexoráveis facilidades, em meio de uma espetacular natureza para o senderismo, montanhismo e a arqueologia.

Querendo desfrutar de praia, Saweni Beach é a melhor extensão de areia entre Nadi e Lautoka, muito popular entre os regionais e ideal para passar um fim de semana em algum de seus muitos apartamentos e campings. No caminho para esta praia fica South Sea Orchids, propriedade dos descendentes do intérprete do tratado de cessão das ilhas à coroa, e que contém belos jardins e uma magnífica coleção de orquídeas.

Vuda Point é a península entre Nadi e Lautoka, e tem um grande valor histórico, pois aqui é onde parece que chegaram os primeiros melanésios.

ILHA DE VANUA LEVU

Vanua Levu ("Grã Terra") é a segunda maior ilha do arquipélago e a segunda também em população. Tem a metade da extensão de Viti Levu, e está menos desenvolvida, com exceção de Savusavu e arredores, embora devido à aproximidade com a ilha maior cada dia atrai mais turistas.

A ilha é de origem vulcânica e tem poucas praias de areia, mas oferece magníficas oportunidades para o snorkeling e o mergulho, a observação ornitológica e os passeios em kayak.

Os nativos estão pouco acostumados ao turismo, pelo que não pode-se fazer excursões para o íngreme interior sem a permissão dos proprietários das terras. Há lugares arqueológicos interessantes perto de Savusavu e em Wasavula.

Savusavu é o segundo maior assentamento urbano de Vanua Levu (uns 2.000 habitantes), e está situada na península que divide sua baia do mar de Koro. A cidade tem uma rua principal que corre paralela à costa, um mercado e um porto. No outro lado da baia extende-se uma cadeia de colinas desde onde apreciam-se espetaculares pôr do sol.

A península de Tunuloa encontra-se ao sudeste da ilha, e é uma boa zona para observar aves, fazer senderismo ou explorar estações naturais em veículos de terreno.

Recomenda-se especialmente a Hibiscus Highway, uma estrada de areia e pedras desde onde observam-se inacreditáveis paisagens marinhas e selvagens. A estrada acaba na charmosa baia de Buca. Ao sudeste de Buca, em Dakuniba, pode-se contemplar inscrições em pedras de origem muito antiga.

Labasa, ao noroeste da Vanua Levu, é a maior cidade da ilha. Foi um importante centro açucareiro, e ainda conserva pegadas arquitetônicas do esplendor passado. É um importante centro administrativo, e sua população é maioritariamente de origem hindu.

A dois quilometros ao sul da cidade encontra-se o lugar cerimonial de Wasavula, uma construção religiosa de grande interesse arqueológico. A um quilometro e meio ao leste, as Fontes Termais de Waiquele são sinais característicos da origem vulcânica da ilha.

ILHA DE VATULELE

Vatulele está 32 quilometros ao sul da costa de Viti Levu, na altura de Korolevu, ao oeste da Lagoa de Beqa. Tem 13 quilometros de longitude e uma superfície de 31 quilometros quadrados. A ilha tem quatro povoados que somam apenas 1.000 habitantes, além de um exclusivo resort.

A ilha é conhecida pelos sítios arqueológicos. Uma impressionante barreira de coral de três quilometros de longitude forma uma paradisíaca lagoa de águas turquesas frente à costa.

ILHAS DE LOMAIVITI

O grupo das Lomaiviti, ao leste de Viti Levu, é conhecido também como o Grupo Central. Tem sete ilhas principais e muitas outras pequenas. Ovalau é a principal de todas, e ao sul dela encontram-se Motoriki, Caquelai e Leluvia.

Gau é a mais meridional e é eminentemente vulcânica; Nairai e Batiki estão rodeadas de arrecifes de coral; Magokai, ao nordeste de Levuka, é um antigo leprosário, e Wakaya e Koro estão começando a promover-se turisticamente.

A paisagem vulcânica de Ovalau e o valor histórico da capital, Levuka, definitivamente fazem-na valedora de uma pausada visita.

LEVUKA

Levuka é o centro agro-cultural, educativo e administrativo do grupo de Lomaiviti e outras partes da divisão oriental de Fiji. Apesar disto e de ser um dos portos de entrada ao país, apenas 3.000 pessoas vivem na cidade e nos arredores. Seu porto está protegido por uma magnífica barreira de arrecife coralino.

Levuka pode ser conhecido a pé, e o lugar mais indicado para começar é o Cessiom Site, onde assinou-se a cessão das ilhas à Inglaterra. Está rodeado de uma cerca e lá encontra-se três grandes pedras com placas comemorativas da assinatura.

Outro lugar a atrair a curiosidade dos visitantes é a Pacific Fishing Company (PAFCO), que emprega quase 30% da população de Levuka, e onde são processadas e enlatadas, por ano, 15.000 toneladas de atum procedentes de todo Fiji e outras ilhas do Pacífico Sul. Mais de 30 marcas diferentes saem desta feitoria.

Ao longo de Beach Street pode-se contemplar os melhores exemplos da arquitetura vitoriana da época dourada da cidade. Destacam entre estes edifícios o do antigo estabelecimento comercial de Morris Hedstrom, a estação da polícia e o Ovalau Club.

O Museu e Biblioteca de Levuka têm uma curiosa coleção de objetos nativos e europeus que encenam a história da cidade até nossos dias. Entre os edifícios religiosos não há que deixar de ver a Igreja do Sagrado Coração (1858) ou o Colégio e Convento Marista (1891) fundado por maristas franceses procedentes da Austrália.

A Igreja Metodista de Navoka (1860) é uma das mais antigas das Fiji, igual que o Royal Hotel (1864), com sua estrutura de madeira completada com pedra e coral. Para o viajante físicamente apto é muito recomendável subir os 199 degraus da Missão Hill, desde onde contempla-se uma magnífica vista da cidade e arredores.

A principal excursão a realizar desde Levuka vai através da selva e de um vulcão extinto à vila de Lovoni. No meio da ilha de Ovalau, Lovoni está encaixada na mesma cratera do vulcão. Não tem alojamento para turistas, e a ela chega-se só em excursões desde Levuka.

Além da paisagem convém ver o Chief's Burial Site e a Fortificação de Korolevu Hill, mostras do bravo passado do clã de Lovoni, o único de Fiji que jamais foi derrotado pelo guerreiros de Cakobau.

A 17 quilometros de Levuka, frente à ilha de Naigani, pode-se desfrutar de Rukuruku, uma praia de areia preta vulcânica muito tranquila.

ILHA DE WAKAYA

Também dentro do grupo das Lomaiviti, Wakaya é uma belíssima ilha de 880 hectares, propriedade de David e Jill Gilmour. Está situada a uns 20 quilometros ao leste de Ovalau, sendo visível desde Levuka. Possui bosques, rochedos, formosas praias de areia branca e alguns lugares arqueológicos de importância e, sobre tudo, as mansões de muitos milionários com sua correspondente marinha.

Pode-se chegar à ilha em avião pequeno desde o aeroporto internacional de Nadi ou em trajeto de 20 minutos e em lancha rápida desde Levuka.

OUTRAS ILHAS DE LOMAIVITI

Outras ilhas do grupo de Lomaiviti são Yanuca Lailai (Ilha Perdida), onde pode-se praticar o snorkeling; Moturiki, Caqelai, propriedade da Igreja Metodista de Fiji e com magníficas praias de fina areia e ambiente amistoso e distendido; Leluvia é uma pequena e formosa ilha coralífera que aos poucos vai sendo acondicionada para o turismo organizado.

A ilha Naigani, também conhecida como a ilha do mistério, é uma belíssima formação montanhosa na metade de caminho entre Ovalau e Viti Levu. São 220 hectares de magníficas praias, lagoas e um estupendo arrecife coralífero.

Namenalala é uma ilha vulcânica de 44 hectares a 25 quilometros ao sudeste da costa de Vanua Levu, na barreira coralífera de Namena. A ilha tem também uma reserva ideal para a observação ornitólógica e o trekking. Tartarugas verdes depositam seus ovos nas praias entre os meses de novembro e março.

ILHAS DO GRUPO YASAWA

O Grupo de Yasawa é uma cadeia de 20 ilhas vulcânicas a extender-se quase em linha reta 90 quilometros no Great Sea Reef. As ilhas mais para o sul começam a 40 quilometros ao noroeste de Viti Levu. Das 17 ilhas do grupo há seis principais.

Possuem espetaculares praias de areia fina e branca, lagoas de água transparente e um relevo selvagem montanhoso, tudo faz delas um dos principais destinos turísticos do arquipélago.

A ilha de Wayasewa, também conhecida como Wayalailai (Pequena Waya), é a ilha principal mais meridional. Tem uma importante formação coralífera nas costas, assim como, magníficas praias.

Waya possui formosas colinas selvagens, praias e lagoas. Há nela quatro povoados indígenas e vários resorts.

A ilha Tavewa não tem população indígena, apenas três hotéis econômicos, ideais para mochileiros, embora as vezes devam estar um tanto massificados, e uma estação de mergulho.

Sawa-I-Lau é uma pequena ilha de rocha caliça cujo maior atrativo são as grutas alagadas de água cristalina onde pode-se nadar e apreciar as enigmáticas pinturas e inscrições nas paredes.

Nanuya Levu, também conhecida como "Turtle Ilhand" é uma ilha de propriedade privada de 200 hectares de extensão. Tem praias arenosas protegidas, uma formosa lagoa azul e escarpados rochedos vulcânicos.

Yasawa é a mais setentrional das ilhas, e nela há quatro pequenos povoados e um hotel de luxo.

Fonte: www.rumbo.com.br

Ilhas Fiji

Fiji é um país no Pacífico.

A capital é Suva.

As principais religiões são o Cristianismo e o Hinduísmo.

As línguas nacionais são o Inglês, Fiji e Hindi.

Fiji se tornou independente em 1970 após quase um século como colônia Britânica. O regime democrático foi interrompido por dois golpes militares em 1987, causados pela preocupação com um governo percebido como dominado pela comunidade indígena (descendentes de trabalhadores contratados trazidos para as ilhas pelos Britânicos no século 19).

Os golpes de Estado e uma Constituição de 1990, que consolidou o controle nativo Melanésio das Ilhas Fiji levou à pesada emigração Indiana; a perda populacional resultou em dificuldades economicas, mas garantiu que os Melanésios se tornassem maioria.

A nova Constituição promulgada em 1997, foi mais eqüitativa. Eleições livres e pacíficas em 1999 resultaram em um governo liderado por um Indo-Fijiano, mas um golpe de estado civil-liderado em Maio de 2000 marcou o início de um prolongado período de turbulência política.

Eleições parlamentares realizadas em Agosto de 2001 proveram Fiji com um governo democraticamente eleito, liderado pelo Primeiro Ministro Laisenia Qarase.

Reeleito em Maio de 2006, Qarase foi derrubado em Dezembro de 2006 por um golpe militar liderado pelo Comodoro Bainimarama, que inicialmente se nomeou presidente em exercício, mas em Janeiro de 2007 tornou-se primeiro-ministro interino. Desde que assumiu o poder Bainimarama neutralizou seus adversários, aleijou as instituições democráticas das Ilhas Fiji, e recusou-se a realizar eleições.

Uma vez conhecidas como as "Ilhas Cannibal" por uma prática a que seu povo renunciou em 1850, Fiji hoje, é uma maravilhosa nação ilha tropical que serve como um centro de comunicações e de transporte no sudoeste do Pacífico.

Fiji é amplamente reconhecida como o mais importante grupo de ilhas da Oceania ao norte da Nova Zelândia. Seu nome é uma corruptela da palavra Tongan para Viti, que os Fijianos nativos chamam sua terra natal.

Terra

As 332 ilhas de Fiji, das quais cerca de um terço estão ocupadas, estão espalhadas por cerca de 250.000 milhas quadradas (647.500 km2) do oceano. As principais ilhas estão amarradas na forma de um U de cabeça para baixo, com o Mar Koro no centro. Viti Levu ("Grande Fiji"), a ilha maior e mais populosa, está no oeste, junto com muitas ilhas menores.

Vanua Levu ("Grande Terra") e Taveuni, as próximas maiores em tamanho, estão no Norte. As 57 ilhas do Grupo Lau estão no leste. Muitas ilhas menores pontuam o relativamente raso Mar Koro. Cerca de 240 mi (386 km)noroeste de Vanua Levu está a ilha vulcânica geograficamente isolada de Rotuma. Ela foi adicionada ao grupo de Fiji em 1881.

A maioria dos Fijianos vivem em duas ilhas, Viti Levu e Vanua Levu, que representam a metade da área de terra da nação. Compostas principalmente de rocha vulcânica, as principais ilhas são geralmente resistentes.

Mas elas têm áreas relativamente grandes de terra plana onde os rios formaram deltas. Planícies férteis são encontradas em todo o litoral. As áreas mais fortemente estabelecidas são as cidades costeiras e vales dos rios onde a terra é adequada para a agricultura.

Muitas das ilhas menores são baixos atóis de coral, com praias de areia e palmeiras imponentes.

O clima de Fiji é tropical, com temperatura anual média de 80 °F (27 °C). Os lados sudeste das ilhas, encharcados pelas fortes chuvas, contêm florestas tropicais densas. Os lados nordeste recebem menos chuva. Eles são muitas vezes secos e sem árvores.

Um quinto de todos os Fijianos vivem em Suva, cidade capital de Fiji, na costa sudeste de Viti Levu. Suva é uma cidade portuária internacional emocionante, com prédios de escritórios, parques cuidadosamente mantidos, e instituições de ensino superior que incluem a Universidade do Pacífico Sul e a Escola de Medicina de Fiji.

População

Fiji é o terceiro mais populoso grupo de ilhas na Oceania, após a Nova Zelândia e o Havaí. A população está crescendo rapidamente, criando tensões econômicas, incluindo o desemprego.

Cerca de 44 por cento das pessoas de Fiji são descendentes de trabalhadores trazidos para as ilhas da Índia para trabalhar nas plantações de açúcar e abacaxi, entre 1879 e 1920. O maior grupo é composto por pessoas de origem das Ilhas Fiji. Elas representam cerca de 51 por cento da população. O resto são europeus, parte-europeus, chineses e pessoas de outras ilhas do Pacífico.

Os Fijianos nativos e os de origem Indiana vivem vidas muito diferentes. A maioria dos Fijianos nativos vivem muito como seus ancestrais, em aldeias de 50 a 400 pessoas lideradas por chefes hereditários.

As escolas e rádios trouxeram novas idéias para até as mais remotas aldeias. Hoje, 92 por cento de todos os Fijianos sabem ler e escrever.

A tradicional casa de Fiji é um cepo de palha ou de estrutura de bambu chamado de mbure. Os mbure'smats de folhas de coqueiro tecido ou palhetas podem ser descidos quando chove para manter a casa seca.

Recentemente, muitos moradores têm vindo a substituir a madeira e a palha com duradouros estanho e concreto. Os Fijianos nativos crescem muito de seus próprios alimentos, e poucos passam fome. Segundo o costume, alimentos e ferramentas agrícolas devem ser compartilhados com aqueles que pedem por eles. Praticamente todos os Fijianos nativos são Cristãos, principalmente Metodistas.

Cerca de 60 por cento dos Fijianos indígenas vivem em pequenas fazendas, que eles desenvolveram em terras arrendadas de Fijianos nativos. (Apenas os Fijianos nativos e o governo pode possuir propriedades).

Os Fijianos indígenas produzem cana de açúcar e outras colheitas comerciais. Nas cidades, os Fijianos Indianos operam lojas e outros pequenos negócios. Muitos Fijianos Indianos seguem a fé Hindu. Uma minoria são Muçulmanos.

O Inglês é a língua oficial do país. Os Fijianos nativos falam Fijiano entre si, enquanto os Fijianos Indianos falam Hindustani em casa. Há muito poucos casamentos ou mistura social entre os dois grupos.

Economia

Os Fijianos nativos crescem taro, mandioca, inhame, banana, e fruta-pão para seu próprio uso. O açúcar, cultivado por Fijianos de origem Indiana em pequenas explorações, e cocos, cultivados em grandes plantações, são as principais culturas comerciais.

Mas desde que Fiji ganhou sua independência, o governo tem estimulado o crescimento das indústrias de manufatura de pequeno porte. Também tem favorecido a introdução de novas culturas e a expansão do turismo, pesca, pecuária e as indústrias de laticínios.

A mineração de ouro, tradicionalmente importante, está em declínio. Outros minerais, como o manganês e o cobre, começaram a tomar o lugar do ouro na economia. Esforços também estão sendo feitos para explorar os enormes recursos de madeira da nação.

A economia de Fiji foi devastada por uma crise de reféns de oito semanas em 2000. Ataques dos rebeldes em resorts para estrangeiros afugentaram os turistas.

Os trabalhadores Indianos se recusaram a colher a safra de cana para protestar por serem excluídos da vida política. E outras nações impuseram sanções economicas sobre as Ilhas Fiji, em um esforço para forçar um retorno à democracia.

Economia - visão geral:

Fiji, dotado de floresta, minerais e recursos pesqueiros, é uma das mais desenvolvidas das economias insulares do Pacífico embora ainda com um setor de subsistência de grande porte.

As exportações de açúcar, as remessas dos fijianos de trabalho no exterior, e uma indústria turística em crescimento - com 400.000 a 500.000 turistas anualmente - são as principais fontes de divisas.

Açúcar Fiji tem acesso especial aos mercados da União Europeia, mas vai ser prejudicado por decisão da UE de cortar os subsídios de açúcar. Processamento de açúcar torna-se um terço da atividade industrial, mas não é eficiente.

Fiji indústria do turismo foi danificado pelo golpe de Estado de dezembro de 2006 e está enfrentando um tempo de recuperação incerta. Em 2007, as chegadas de turistas caíram quase 6%, com substanciais perdas de empregos no setor de serviços, eo PIB caiu.

O golpe criou uma situação empresarial difícil. A UE suspendeu toda a ajuda até que o governo interino toma passos em direção a novas eleições. Problemas de longo prazo incluem baixo investimento, direitos de propriedade incertos de terra, e a incapacidade do governo de gerir o seu orçamento.

Remessas ao exterior de fijianos de trabalho no Kuwait e no Iraque diminuiu significativamente. Fiji déficit em conta corrente atingiu um pico de 23% do PIB em 2006, e tem vindo a melhorar desde aquele ano.

História e Governo

Acredita-se que os Fijianos ancestrais vieram de algum lugar do sudeste asiático e, durante um longo período de tempo, fizeram o seu caminho através das ilhas do Pacífico para Fiji. O primeiro europeu conhecido por ter atingido as ilhas foi o explorador Holandês Abel Tasman, em 1643.

Haviam riscos consideráveis para os primeiros visitantes às ilhas, porque os Fijianos daquela época eram canibais. No entanto, os Americanos e os Europeus vieram para saquear os recursos do sândalo, que eles esgotaram completamente em um período de cerca de 10 anos.

Baleeiros e outros navios chamavam por suprimentos. Comerciantes navegaram pelas ilhas, e alguns lá se estabeleceram. Missionários, eventualmente, converteram os chefes principais ao Cristianismo.

Para ganhar favor, missionários e comerciantes venderam ou forneceram armas aos líderes nativos. Isso intensificou as rivalidades tribais e habilitou Cakobau, chefe da ilha de Bau, a governar uma grande parcela de Fiji.

Confrontado com a derrota em 1854, Cakobau abraçou o Cristianismo e ganhou o apoio dos missionários. Mas ele nunca foi capaz de reger todas as pessoas em seu reino. Em 1874, Fiji tornou-se uma colônia Britânica. Ela ganhou a independência em 10 de Outubro de 1970 - 96 anos depois de ter sido cedida à rainha Victoria.

Por quase 17 anos, Fiji desfrutou uma democracia parlamentar de estilo britânico, com uma Câmara de Representantes eleitos e um Senado nomeado. As eleições em 1987 produziram um governo dominado por Indianos étnicos, o que provocou um golpe liderado pelo oficial do exército Sitiveni Rabuka.

Ele suspendeu a Constituição e proclamou Fiji uma república. Uma Constituição aprovada em 1990, reservou mais da metade das cadeiras legislativas para todos os Fijianos nativos. Rabuka tornou-se primeiro-ministro após as novas eleições em 1992.

O Primeiro-ministro Mahendra Chaudhry, um Indiano étnico, assumiu o cargo em 1999 após a aprovação de uma nova Constituição que eliminou o racismo institucionalizado. Em Maio de 2000, no entanto, rebeldes que reivindicavam representar os Fijianos étnicos tomaram o edifício do parlamento.

A crise dos reféns terminou em Julho, depois que a Constituição de 1998 foi abandonada e que o Grande Conselho de Chefes selecionou um quase inteiramente governo de Fijianos. Nenhum dos principais partidos conquistou a maioria dos assentos nas eleições de Agosto de 2001.

Os Indianos étnicos foram impedidos de participar no novo gabinete liderado por Fijianos, uma ação mais tarde considerada inconstitucional.

Depois que os Fijianos indígenas ganharam as novas eleições em Maio de 2006, os Indianos étnicos (mas não Chaudhry) foram novamente incluídos no gabinete.

As tensões continuaram, no entanto. Em 5 de Dezembro de 2006, Fiji experimentou seu terceiro golpe. O comandante do exército Voreque Bainimarama declarou-se presidente interino e nomeou um novo primeiro-ministro para evitar que o governo liberasse os líderes da rebelião de 2000.

Ele restabeleceu o ex-presidente em Janeiro. Ele então se tornou primeiro-ministro. Assim, ele manteve o controle sobre um governo interino que foi a regra até que novas eleições pudessem ser realizadas. Como as tensões étnicas continuaram, a data para tais pesquisas foi repetidamente adiada.

O Presidente Ratu Josefa Iloilo anunciou sua aposentadoria em Julho de 2009. No mês seguinte, quando Bainimarama ainda se recusava a realizar eleições até Outubro de 2010, Fiji foi suspenso da Commonwealth of Nations.

Ele já havia sido suspenso do Fórum das Ilhas do Pacífico por sua falta de progresso para a democracia. Bainimarama disse que uma nova constituição que abandonara o sistema de 1997 com base étnica seria introduzida em 2013, com eleições a seguir em 2014.

John Miles

Fonte: Internet Nations

Ilhas Fiji

Nome completo: República das Ilhas Fiji
População: 868.000 (ONU, 2011)
Capital: Suva
Área: 18.376 km ² (7.095 milhas quadradas)
Principais idiomas: Inglês, fijiano, Hindi
Grandes religiões: Cristianismo, Hinduísmo, Islamismo
Expectativa de vida: 67 anos (homens), 72 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 dólar = 100 centavos de Fiji
Principais exportações: açúcar, roupas, ouro, peixe processado, madeira
RNB per capita: EUA 3680 dólares americanos (Banco Mundial, 2011)
Domínio da Internet:. Fj
Código de discagem internacional: 679

As ilhas somam mais de 800 ilhas vulcânicas e corais que formam a nação do Pacífico de Fiji desfrutar de um clima tropical e hospedar uma indústria de turismo significativo.

No entanto, desde 1987 as tensões raciais e políticos têm sido uma constante fonte de instabilidade e de isolamento internacional.

Em 1987, um golpe de Estado por cidadãos autóctones derrubou o eleito, a coalizão de índio-dominado. Isso desencadeou uma série de eventos adversos, incluindo a introdução - e posterior retirada - de uma Constituição que consagra a supremacia Fiji político indígena.

Ilhas Fiji
Ilhas Fiji - O turismo é um ganhador de chave de divisas

Um golpe ainda mais em 2000, liderado pelo empresário George Speight, viu o primeiro país da etnia indiana primeiro-ministro, seu gabinete e vários deputados mantidos reféns por várias semanas.

Esses eventos causaram um grande dano à economia - a indústria de turismo, em particular - e reputação internacional de Fiji.

Rancor sobre o golpe de 2000 persistiu, com divisões amargas sobre os planos para conceder uma anistia para aqueles por trás dele. As contínuas tensões geradas por esses conflitos culminaram em um golpe sem derramamento de sangue militar em 2006 - quarto golpe de Fiji, em 20 anos.

Em setembro de 2009, Fiji foi suspenso da Commonwealth sobre a sua falta de progresso para a democracia. Foi apenas a segunda suspensão total na história da organização.

Em 2012, o governo concordou em realizar eleições livres em 2014, levando a poderosa Fiji vizinhos Austrália e Nova Zelândia para restaurar relações diplomáticas plenas.

Em dezembro de 2012, o corpo encarregado de elaborar uma nova Constituição para pavimentar o caminho para as eleições de 2014 produziram um documento preliminar para apreciação por uma Assembléia Constituinte nomeado pelo primeiro-ministro.

O chefe da Comissão Constitucional tem chamado para o exército para ficar fora da política depois de 2014, mas o militar afirma que não tem intenção de restringir o seu papel e não hesitará em intervir, se surgir uma situação que o militar considera a representar uma ameaça para o interesse nacional.

População de Fiji, que reside principalmente nas duas principais ilhas de Viti Levu e Vanua, é dividida entre cidadãos autóctones e indo-fijianos, os descendentes de trabalhadores contratados trazidos da Índia.

Os dois grupos eram de números aproximadamente iguais, até meados dos anos 2000, pelo qual golpes de tempo e de agitação havia solicitado milhares de indo-fijianos a fugir. Fijianos agora compõem a maioria da população pequena.

Mistura entre os dois grupos é mínima, e segregação informal é mais profunda em quase todos os níveis da sociedade.

Há também muito pequenas não indo-fijiano, comunidades não-Fiji minoritários, como o chinês e Rotumans.

Apesar de a ex-colônia britânica depende muito das indústrias de açúcar e turismo para o seu câmbio, sua economia é diversificada. Ouro, prata e calcário são minadas, e não há um setor de serviços forte e alguma indústria leve.

No entanto, Fiji tem sido dificultada pelo comércio persistente e déficits orçamentários, tornando-se um dos maiores do mundo, receptores per capita de ajuda.

Cronologia:

1643 - explorador holandês Abel Tasman é o primeiro europeu a visitar as ilhas.

1830 - missionários cristãos ocidentais começam a chegar.

1840-50 - cristão convertido chefe Cakobau ganha o controle da maior parte ocidental Fiji, enquanto outro cristão convertido, Ma'afu de Tonga, controla o leste.

1868 - Cakobau vende Suva - a atual capital de Fiji - para uma empresa australiana.

1871 - Os colonos europeus em Levuka ilha organizar um governo nacional eo nome Cakobau rei de Fiji seguindo desordem local.

Domínio britânico

1874 - Fiji se torna uma colônia da coroa britânica, a pedido de Cakobau e outros chefes.

1875-1876 - toalhetes epidemia de sarampo fora um terço da população de Fiji; forças britânicas e Fiji chefes suprimir a rebelião.

1879-1916 - Mais de 60 mil trabalhadores contratados trazidos do subcontinente indiano para trabalhar nas plantações de açúcar.

1904 - Conselho Legislativo, composto de europeus eleitos e nomeados fijianos, criado para aconselhar o governador britânico.

1916 - O governo colonial britânico na Índia deixa ao recrutamento de trabalhadores contratados.

1920 - Todos os contratos de trabalho na escritura de emissão final Fiji.

Fijianos obtem o voto

1963 - Mulheres e fijianos enfranchised; predominantemente Fiji Partido da Aliança (AP), instituído.

1970 - torna-se independente com Fiji, Ratu Sir Kamisese Mara da AP como primeiro-ministro.

1985 - Timoci Bavadra configura a Fiji Partido Trabalhista, com o apoio dos sindicatos.

Golpes de supremacia

1987 Abril - indiano, dominado coalizão liderada pelo Bavadra eleição vitórias geral, terminando 17 anos de governo do AP eo primeiro-ministro Mara.

1987 Maio - O tenente-coronel Sitiveni Rabuka toma o poder no golpe de Estado com o objetivo de tornar fijianos politicamente dominante.

De outubro de 1987 - Rabuka encena um segundo golpe, proclama uma república Fiji e nomeia o governador-geral Ratu Sir Penaia Ganilau presidente; Ganilau por sua vez indica Ratu Mara primeiro-ministro; Fiji expulso Commonwealth; Grã-Bretanha, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia suspender a ajuda.

1989 - Milhares de indianos étnicos fugir Fiji.

1990 - A nova Constituição consagra o domínio político para fijianos introduzido.

1992 - Rabuka, do político de Fiji Party (FPP), torna-se primeiro-ministro após a eleição geral.

1994 - Grande Conselho dos Chefes nomeia Ratu Sir Kamisese Mara presidente em janeiro, após a morte de Ganilau no mês anterior; Rabuka ea FPP vitória eleição geral.

1997 - Fiji re-admitido na Commonwealth depois que introduz uma Constituição não-discriminatória.

1999 - Mahendra Chaudhry, um índio étnica, torna-se primeiro-ministro após a Fiji Partido Trabalhista emerge da eleição geral com assentos suficientes para governar sozinho.

O primeiro-ministro refém

2000 Maio - falido empresário George Speight e aposentados principal Ilisoni Ligairi tempestade parlamento, com o objetivo de fazer fijianos a força política dominante. Eles levam o primeiro-ministro Mahendra Chaudhry, e seu refém gabinete. Speight proclama a si próprio como premier. Sacos Presidente Mara governo Chaudhry sob as ordens do Grande Conselho de Chefes de Fiji.

Junho de 2000 - Commonwealth suspende Fiji.

Julho de 2000 - Chaudhry e outros reféns libertados; Grande Conselho dos Chefes nomeia Ratu Josefa Iloilo - um ex-pai-de-lei do irmão de Speight - presidente

Julho de 2000 - Speight e 369 de seus partidários foram presos.

De novembro de 2000 - Oito soldados são mortos em um motim do exército falhou.

Eleições

Agosto de 2001 - Eleições para restaurar a democracia; George Speight se torna MP em um novo governo.

De setembro de 2001 - Indígena primeiro-ministro Laisenia Qarase empossado, mas não oferece postos ministeriais a oposição do Partido Trabalhista, em desafio a Constituição.

De dezembro de 2001 - George Speight expulso do parlamento por não assistir às sessões.

De dezembro de 2001 - Fiji readmitido no Commonwealth.

Fevereiro de 2002 - George Speight condenado à morte por traição. Presidente Iloilo comuta sua sentença para prisão perpétua.

Novembro de 2002 - Governo anuncia plano de privatização radical projetado para evitar o colapso da indústria do açúcar vital ameaçado pela retirada dos subsídios da UE.

Julho de 2003 - As regras da Suprema Corte que Laisenia Qarase deve incluir étnico-indígenas membros do Partido Trabalhista oposição em seu gabinete.

Abril de 2004 - Ex-líder Ratu Sir Kamisese Mara, considerado fundador independente de Fiji, morre com 83 anos.

Agosto de 2004 - O vice-presidente Ratu Jope Seniloli considerado culpado de traição por seu envolvimento maio tentativa de golpe de 2000. Ele serve de alguns meses de uma pena de quatro anos.

Novembro de 2004 - Partido Trabalhista declina assentos de gabinete em favor do papel da oposição.

Soldados de Fiji deixar de manutenção da paz deveres no Iraque.

Julho de 2005 - O chefe militar avisa que ele irá remover governo se anistia proposta para as pessoas envolvidas, em 2000 golpe vai em frente.

Março de 2006 - Grande Conselho de Chefes elege o atual presidente Iloilo para um segundo, mandato de cinco anos.

Maio de 2006 - O ex-PM Sitiveni Rabuka é acusado de orquestrar um motim do exército falhou em Novembro de 2000.

Líder do partido governista e compete PM Laesenia Qarase pouco ganha as eleições e é empossado para um segundo mandato.

Golpe militar

Outubro de 2006 - Novembro - Tensões aumento entre PM Laesenia Qarase e chefe militar Frank Bainimarama, que ameaça derrubar o governo, depois que tenta, e não consegue, para substituí-lo. Sr. Qarase vai ficar escondido enquanto a crise se agrava.

De dezembro de 2006 - Frank Bainimarama diz em um discurso televisionado que tomou poderes executivos e rejeitou PM Laisenia Qarase. Commonwealth suspende Fiji por causa do golpe.

2007 Janeiro - O Sr. Bainimarama restaura poderes executivos ao presidente Iloilo e assume o papel de primeiro-ministro interino.

Fevereiro de 2007 - Deputado Bainimarama anuncia planos para realizar eleições em 2010.

2007 Abril - sacos Sr. Bainimarama o Grande Conselho de Chefes e suspende todas as futuras reuniões, depois de os chefes se recusam a endossar seu governo e sua nomeação para vice-presidente.

Junho de 2007 - Estado de emergência levantado, mas restabelecida em setembro. Levantou novamente em outubro.

Novembro de 2007 - Sr. Bainimarama diz polícia frustrou um complô para assassiná-lo.

Fevereiro de 2008 - Deputado Bainimarama nomeia-se como presidente do Grande Conselho dos Chefes (GCC), um corpo que ele suspensa depois que não conseguiu fazer sua dezembro 2006 golpe.

De julho de 2008 - eleições Sr. Bainimarama adia prometido para o início de 2009, com o fundamento de que as reformas eleitorais não puderam ser concluídas a tempo.

De agosto de 2008 - Os líderes do Pacífico Sul Fiji avisar que enfrenta suspensão de seu grupo regional se não mostrar progressos para a realização das eleições.

De janeiro de 2009 - Os líderes do Pacífico exigir Fiji realizar eleições até o final do ano.

Constituição revogada

Abril de 2009 - Tribunal da Relação rege o regime militar foi ilegalmente nomeado após o golpe de 2006 e diz que um ministro interino principal deve ser nomeado para convocar eleições para restaurar a democracia.

Presidente Iloilo revoga a Constituição, nomeia-se chefe de Estado, estabelece um prazo eleição de 2014 e sacos de todos os juízes. Ele, então, reconduz chefe militar Frank Bainimarama como primeiro-ministro interino. A lei marcial é imposta.

2009 Maio - Pacífico Sul nações suspender Fiji do Fórum das Ilhas do Pacífico bloco regional para a sua incapacidade de realizar eleições.

De julho de 2009 - governante militar Frank Bainimarama, anuncia planos para uma nova constituição em 2013, antes das eleições em 2014. Ele diz que, sob as alterações propostas, o sistema de base étnica introduzido em 1997 serão demolidos.

Presidente Iloilo desce, conseguiu de forma interina por Nailatikau Epeli Vice-Presidente.

Suspensão da Commonwealth

De setembro de 2009 - A Commonwealth suspende Fiji totalmente após a recusa do governo militar para ceder às exigências de convocar eleições até 2010. É apenas a segunda suspensão total na história da organização.

2010 Março - A prisões judiciais oito homens para tentar matar Commodore Bainimarama em 2007. Críticos dizem que o oito não têm um julgamento justo.

2010 Outubro - As autoridades das Ilhas Fiji admitem perder documento legal confirmando a independência do Reino Unido.

2011 Agosto - cancelamento de ordens de Governo conferência anual da Igreja Metodista de Fiji - que tem sido muito crítico do regime militar liderada interino - dizendo que sua liderança é muito político.

2012 Janeiro - governante militar Frank Bainimarama anuncia o levantamento da lei marcial e diz que as consultas sobre uma nova Constituição começará em fevereiro.

2012 Julho - Austrália e Nova Zelândia concordam em restabelecer relações diplomáticas plenas com Fiji após Commodore Bainimarama concorda em convocar eleições até 2014.

2012 Agosto - deposto ex-primeiro-ministro Laisenia Qarase é preso por um ano por acusações de corrupção que datam de seu tempo como chefe de uma empresa de investimento do Estado na década de 1990.

2012 Dezembro - Comissão de Constituição produz projeto de Constituição planejado para abrir caminho para o retorno à democracia com eleições livres em 2014. A Comissão diz que o seu princípio orientador foi o de orientar Fiji longe de corrida baseados em política da Constituição anterior, o que favoreceu fijianos sobre a minoria indiana.

Fonte: news.bbc.co.uk

Ilhas Fiji

O clima aprazível, as praias e uma paisagem deslumbrante convidam o transeunte a conhecer este magnífico arquipélago, de formação rochosa e de recifes.

Este é sem dúvida um destino de sonho. Para muitos será mesmo a viagem de suas vidas.

A tranquilidade, as praias com as suas águas transparentes, o clima e o magnífico espólio natural são mais do que aliciantes.

Localização Geográfica

O arquipélago de Fiji fica localizado no Pacífico Sul, a cerca de três mil quilómetros a Leste da Austrália e a 1930 quilómetros a Sul do Equador.

À Descoberta

Situada no centro do Oceano Pacífico, as Ilhas Fiji são o primeiro país do Mundo onde se inicia um novo dia. São 230 mil quilómetros quadrados de paraíso.

O arquipélago é constituído por 322 ilhas mas apenas 105 são habitadas. Existem diferentes pólos de interesse. Na capital, Suva, existem muitas lojas antigas e mercados tradicionais.

O National Museum, o velho edifício do Parlamento e o Centro Cultural, na ilha Orchid, são locais a visitar. Não se esqueça da gastronomia local, repleta de fabulosos mariscos.

Fonte: pontodepartida.aeiou.pt

Ilhas Fiji

As Ilhas Fiji são um dos mais fascinantes paraísos do Pacífico Sul, com os seus mil e um recifes de corais, águas transparentes e soberbas praias a perder de vista.

Há muito vocacionadas para o turismo, nem por isso perderam a sua autenticidade: a generosa natureza dos seus domínios permanece imaculada assim como a exótica e multifacetada cultura do seu povo que ainda evoca eras passadas. Um mundo à parte para umas férias de sonho.

Descrição

As ilhas Fiji situam-se no Pacífico Sul, três mil quilómetros a este da Austrália. O arquipélago integra 322 ilhas, sendo as duas maiores Viti Levu e Vanua Levu, ambas de origem vulcânica. A par das paisagens paradisíacas, as Fiji possuem uma riqueza cultural única que resultou da interessante mistura de influências das mais diversas origens.

Partilha muitas das tradições e costumes com as suas vizinhas Melanésia, Polinésia e Micronésia, mas também revela influências indianas, chinesas e, claro, europeias, afinal esteve um longo período sob o domínio do império colonial britânico.

A par de interessantes tesouros históricos e de exóticos costumes, o visitante também se vai surpreender com a imensidão das plantações de cana-de-açúcar e cacau, a principal base de sustentação da economia do país.

As solarengas praias e os soberbos recifes de corais são o seu maior cartão de visita. É de fato, um dos melhores lugares do mundo para praticar desportos aquáticos, como o mergulho e o "snorkelling" no topo da lista, logo seguido do "surf". Mas há muito mais para fazer nestas ilhas do Pacífico.

O principal centro turístico é a capital do país, Suva, situada em Viti Levu, a maior ilha das Fiji. É uma cidade surpreendentemente desenvolvida e sofisticada, onde, inclusive, existe uma universidade. Muito colorida e animada, Suva está pejada de exóticos mercados e lojas, onde se pode comprar o belíssimo artesanato das Fiji.

A cidade também possui um interessante patrimônio histórico. Na costa ocidental de Viti Levu, a turística Nadi, a terceira maior cidade do país, é o melhor ponto de partida para explorar as maravilhas da ilha.

As ilhas Mamanucas, que se estendem junto à costa oeste de Viti Levu, encerram os mais belos recifes de corais do arquipélago. É o destino mais popular entre os adeptos dos desportos aquáticos. Em terra firme podem observar-se várias espécies de aves migratórias e curiosos répteis.

Em Vanua Levu, a segunda maior ilha, o modo de vida dos locais ainda segue ancestrais tradições.

Não faltam inúmeros vestígios arqueológicos a merecer uma visita atenta. Apesar da sua origem vulcânica e de não ter boas praias para descansar na areia, as suas águas transparentes são um convite para passar uma boa parte das férias debaixo de água.

Há muito que as ilhas Fiji são um dos destinos mundiais de eleição para férias de sol e praia. As boas infra-estruturas turísticas são já uma realidade num país que soube cativar os visitantes sem perder a sua autenticidade.

Preserva saudáveis as incontáveis belezas naturais mas também o modo de vida tradicional do seu povo. Entre recifes de corais, águas tranquilas e pitorescas aldeias e cidades também está a hospitalidade de um povo encantador.

História

Os primeiros habitantes das Fiji vieram da Melanésia, há cerca de 3500 anos atrás, e estabeleceram uma hierarquia social baseada em clãs. Pouco se conhece da história e dos indígenas destas ilhas antes da chegada dos europeus, em meados do século XVII.

As trocas comerciais eram a base do relacionamento entre a comunidade indígena e os ocidentais. Um relacionamento que correu razoavelmente até que foram implantadas as primeiras plantações nas ilhas, nos anos 60 de 1800.

Os desentendimentos entre os chefes dos clãs e os europeus tornaram-se uma constante por causa da questão da propriedade da terra. Entretanto, o Pacífico passava a ser alvo de atiçadas rivalidades entre as principais potências do velho continente.

E em 1874, as Fiji acabariam por vir parar às mãos da Grã-Bretanha. Para desenvolver as plantações (açúcar, algodão e cacau) nas ilhas, os britânicos importaram uma larga quantidade de trabalhadores indianos para a nova colônia.

Por volta da década de 20 do século XX, a comunidade indiana das Fiji já ascendia às 60 mil pessoas. As tensões entre indianos e os clãs indígenas foram se agudizando ao longo dos tempos.

Mesmo depois da independência do país, em 1970, o conflito entre as duas principais comunidades, a nativa e a indiana, continua a ser um dos principais fatores de destabilização nas Fiji. Nos 17 anos que se seguiram à independência, o conservador Partido da Aliança governou o país sem interrupções.

A política externa era claramente (e ainda é) pró-ocidental e girava em torno do desenvolvimento de alianças regionais. O país faz parte da Commonwealth, organização da qual foi temporariamente suspenso em 1987 e, mais recentemente, em 2000.

A suspensão em 1987 seguiu-se às eleições gerais desse ano, que retiraram do poder o Partido da Aliança. Saiu vitoriosa a coligação entre o principal partido de etnia indiana, o Partido da Federação Nacional, e o Partido Trabalhista, de cariz multicultural.

O novo Governo tinha uma maioria de ministros indianos, fato largamente reprovado pelos nativos mais nacionalistas (conhecidos como Taukei). Aliás, foi essa a gota de água que originou um golpe de estado armado, liderado por Sitiveni Rabuka e que pretendia assegurar a preservação dos direitos dos Taukei.

Rabuka declarou-se chefe de um governo militar provisório e introduziu uma nova constituição que estabelecia para a nova assembleia a criação de blocos de lugares específicos para grupos étnicos, garantindo assim uma maioria Taukei no Parlamento.

As eleições de 1992, que mantiveram esse formato parlamentar, deram o poder à coligação dominada pelo principal grupo étnico Fiji, o Sqosoqo ni Vakavulewa ni Taukei (SVT). Rabuka assumia oficialmente a liderança. No entanto, pressões internas e internacionais obrigaram o governo de Rabuka a fazer várias alterações à constituição, para garantir direitos iguais para todos.

Em 1998, altura em que a versão revista se tornou efetiva, a popularidade do governo tinha diminuído bastante por causa da fraca performance econômica do país.

O Partido Trabalhista reunia então todas condições para, nas eleições seguintes, garantir a maioria absoluta e colocar na função de primeiro-ministro um indiano. Um resultado muito contestado pelos militantes Taukei. Em Maio de 2000, um novo golpe de estado volta a desequilibrar o país.

Os rebeldes fazem reféns os membros do governo exigindo o cumprimento de certas questões. Os outros centros de poder do país, o Exército e o Grande Conselho dos Chefes, reagem cautelosamente. Durante dois meses o país vive num impasse.

Depois de cumprir parte das exigências dos rebeldes, os militares tomam o controlo da situação em inícios de Julho. Umas semanas mais tarde os rebeldes são presos e instala-se um governo provisório liderado pelo político Taukei Ratu Josefa Iioilo.

Depois das eleições de Agosto de 2001, subiu ao poder um governo de coligação formado pelo Partido da Aliança e pelo Partido Unido Fiji.

O que visitar

Suva

A capital das Fiji, Suva, fica situada na costa sudeste da ilha de Viti Levu. Enquanto Nadi, na parte ocidental desta ilha, é o centro de turismo do país, Suva é o centro político e administrativo e também o principal porto do arquipélago. Metade da população das Fiji concentra-se na capital e nos seus subúrbios.

Suva é uma das maiores e mais sofisticadas cidades do Pacífico Sul, tanto que é ali que está instalada a Universidade do Pacífico Sul. Vale a pena visitar o fascinante Museu Fiji e os inúmeros edifícios coloniais. É uma cidade multicultural, com inúmeras mesquitas, templos, igrejas e centros culturais.

A Catedral Católica Romana (1902) é um dos seus ex-líbris. Na encantadora zona ribeirinha da cidade, o Mercado Municipal de Suva é de visita obrigatória, com o seu animado colorido de bancas de exóticas frutas e vegetais, peixes, mariscos e especiarias.

Grupo Mamanuca

As Mamanuca são um conjunto de pequenas ilhas que se situam mesmo junto à costa ocidental de Viti Levu e de fácil acesso via barco a partir de Nadi. Pode-se fazer uma viagem de um dia para as conhecer mas também é possível ficar num dos vários "resorts" que as ilhas oferecem.

As ilhas são muito populares para quem gosta de mergulho, "snorkelling", "surf" ou simplesmente de se estender nas belas praias de areais brancas. Os maravilhosos recifes e os coloridos peixes destas águas fazem do "snorkelling" uma das atividades preferidas dos visitantes. Apenas algumas das ilhas, como Monu e Monuriki, encerram grandes áreas de floresta nativa que constituem "habitat" de muitas espécies de aves e répteis.

Sigatoka

Sigatoka é uma pequena cidade situada na costa sul de Viti Levu, 61 km a sul de Nadi e 127 km a ocidente de Suva, e que se estende ao longo das margens do segundo maior rio das Fiji. É, essencialmente, uma comunidade de agricultores, mas também concentra inúmeros serviços que dão apoio aos "resorts" da Coral Coast. Existe um animado mercado, uma grande mesquita e alguns lugares para ficar e comer.

Um dos locais mais fantásticos é a estranha e fantasiosa mansão que se impõe no alto de uma colina sobranceira à cidade. Sigatoka é um bom ponto de partida para explorar as enormes dunas de areias que se encontram às portas da cidade, toda a costa sul da ilha e o Vale Sigatoka, uma faixa de terra muito fértil que encerra cerca de 200 locais de interesse cultural e arqueológico, incluindo o Forte Tavuni Hill, construído no século XVIII.

Nausori Highlands

No interior da ilha de Viti Levu os visitantes encontram fantásticas paisagens e as aldeais remotas das Nausori Highlands, sendo a de Navala, talvez, a mais pitoresca de todas as aldeias das Fiji. Enquanto a maior parte dos habitantes das ilhas já preferem o cimento armado, quase todas as casas de Navala são "bures" tradicionais arranjados em volta de avenidas com um passeio central que desce em direção ao rio.

Não aparecem muitos visitantes e é de boa educação perguntar pelo chefe da aldeia para lhe pedir autorização para visitar e tirar fotografias da aldeia. Mais a ocidente, a aldeia de Bukuya também merece uma visita.

Melhor altura para visitar

O clima tropical temperado faz das Fiji um óptimo destino em qualquer altura do ano, mas o ideal é visitar o país durante a estação seca, entre Maio e Outubro: as temperaturas são mais frescas, há menos humidade e chuva, além de menores possibilidades de ocorrerem ciclones.

Atividades

As Fiji são um paraíso para as atividades ao ar livre. Os inúmeros recifes que as ilhas encerram são esplêndidos para desportos aquáticos. Algumas praias oferecem óptimas ondas para a prática do "surf", embora seja preciso um barco para sair das zonas de recife e chegar à linha de rebentação.

Em terra firme, os visitantes podem andar de bicicleta, fazer "trekking" e montar a cavalo, ou então, observar as aves autóctones e explorar as várias estações arqueológicas das Fiji.

Como deslocar-se

Estrategicamente localizadas no centro do Pacífico Sul, as Fiji são um dos principais pontos de escala das carreiras áreas que passam pela região.

Estão muito bem servidas por carreiras áreas internacionais que, na sua maioria, aterram no Aeroporto Internacional de Nadi, a 9 km do centro da cidade. As viagens dentro do país estão muito facilitadas graças às boas vias de comunicação.

Os voos domésticos garantem boas ligações entre as ilhas, mas são dispendiosos. Os "ferries" e pequenos barcos locais revelam-se os meios de transporte ideais e também menos dispendiosos para visitar as ilhas. As maiores têm bons serviços de autocarro.

Fonte: www.millenniumbcp.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal