Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Queda de Napoleão  Voltar

Queda de Napoleão

Mais uma vez noticia-se ter sido Napoleão envenenado por arsênico quando esteve aprisionado pelos ingleses na solitária Ilha de Santa Helena, ou entre 1799 e 1815, a política européia está centrada na figura carismática de Napoleão Bonaparte, que de general vitorioso se torna imperador da França, com o mesmo poder absoluto da realeza que a Revolução Francesa derrubara.

Napoleão Bonaparte, jovem general corso, começa a se destacar como militar em 1795, quando sufoca uma revolução monarquista em Paris. Depois de ter se destacado na guerra contra a Itália e na Campanha do Egito, Napoleão é escolhido para chefiar o golpe que depõe o Diretório, em 18 brumário.

Em 10 de novembro de 1799 (dia 18 brumário, segundo o calendário republicano) Napoleão Bonaparte, com o auxílio de militares e membros do governo, derruba o Diretório, dissolve a Assembléia e implanta o Consulado, uma ditadura disfarçada. O golpe de 18 brumário retoma princípios do Antigo Regime e encerra dez anos de lutas revolucionárias que influenciariam profundamente os movimentos de independência na América Latina e a organização dos países da Europa. Em 1804 Napoleão cria o Império, espécie de monarquia vitalícia que se sustenta pelo êxito das guerras e reformas internas.

O Consulado é o período de 1799 a 1804, no qual Napoleão promulga uma nova Constituição, reestrutura o aparelho burocrático e cria o ensino controlado pelo Estado. Em 1801 declara o Estado leigo, com a subordinação do clero às autoridades seculares. Em 1804 promulga o Código Napoleônico, que garante a liberdade individual, a igualdade perante a lei, o direito à propriedade privada, o divórcio e incorpora o primeiro código comercial. Em 1805 a França volta a adotar o calendário gregoriano. Napoleão realiza um governo ditatorial, com censura à imprensa e repressão policial, com o apoio do Exército.

Após um plebiscito, Napoleão coroa-se imperador, em 1804, com o nome de Napoleão I. Intervém em toda a Europa, derrotando as tropas austríacas, prussianas e russas, e passa a controlar a Áustria, Holanda, Suíça, Itália e Bélgica. Avança na Espanha mas enfrenta resistência de guerrilheiros locais. Temendo a expansão napoleônica, a família real portuguesa foge em 1808 para o Brasil, sua colônia na América. Em 1812 o Império Napoleônico incorpora 50 milhões dos 175 milhões de habitantes do continente europeu e introduz as reformas burguesas nos demais países da Europa, quebrando as estruturas feudais remanescentes.

Impõe o sistema métrico decimal, implanta o direito moderno e difunde amplamente as idéias de liberdade e igualdade da Revolução Francesa.

Em 1806, Napoleão decreta o Bloqueio Continental contra a Inglaterra, após a derrota dos exércitos franceses em Trafalgar, na Espanha. A França proíbe que qualquer país europeu abra seus portos ao comércio com a Inglaterra. O objetivo é enfraquecer os ingleses e reservar o mercado continental europeu às manufaturas francesas. O bloqueio recebe a adesão da Espanha e da Rússia em 1807. Portugal, aliado da Inglaterra, recusa-se a aderir e é invadido pelas tropas francesas.

Em 1812, a pretexto de punir o abandono do Bloqueio Continental pela Rússia, Napoleão declara guerra a Moscou, mas a campanha, em pleno inverno, é um desastre. Diante da iminência da invasão o governador russo ordena que as pessoas abandonem Moscou e incendeia a cidade. O Exército napoleônico encontra apenas destroços. Dos 600 mil homens, sobram cerca de 37 mil para fazer a retirada.

A derrota de Napoleão na Rússia incentiva a formação de uma coalizão reunindo russos, ingleses, espanhóis, prussianos, suecos e austríacos contra a França. Em 1813, os exércitos aliados conseguem derrubar o sistema napoleônico e libertar a Alemanha, a Holanda e o norte da Itália. Em 1814 tomam Paris e formam um governo provisório, dirigido por Talleyrand, que depõe Napoleão. Ele abdica do posto do imperador e exila-se na ilha de Elba, que obtém como principado. Os Bourbon retornam ao poder e entronizam Luís XVIII, irmão de Luís XVI (guilhotinado durante a Revolução Francesa).

Napoleão, do fundo de seu retiro, não deixava de se informar do que sucedia no continente. Conhecendo as deficiências do governo, sabe que o exército quer vê-lo novamente no comando. Foi em tais circunstâncias que Napoleão fugiu da Ilha de Elba e desembarcou na costa Meridional da França, a 1º de março de 1815. Foi recebido em toda a parte com alegria delirante pelos camponeses e pelos ex-soldados.

A partir de 20 de março de 1815, Napoleão reinará por mais cem dias. A retomada do poder, entretanto, não fez ressurgir o antigo despotismo imperial. O regime se reorganizará através de um “Ato Adicional” à Constituição, tornando-se um império liberal.

Os soberanos coligados, então reunidos no Congresso de Viena, surpreendidos com o acontecimento, renovam a aliança, declaram Napoleão fora da lei e decidem levantar novo exército destinado a destruir de vez Napoleão Bonaparte. Entendendo ser melhor tomar a ofensiva, a fim de frustrar os planos de seus inimigos, Napoleão marcha sobre a Bélgica e vence os prussianos, comandados por Blucher, em Ligny.

Dias depois, em 18 de junho, em Waterloo, foi fragorosamente derrotado pelo Duque de Wellington e pelo general Blucher, à frente de um exército coligado. No dia 21 de junho, Napoleão abdicou pela segunda vez, sendo deportado em exílio definitivo para a ilha de Santa Helena, onde morre em 5 de maio de 1821. A dinastia dos Bourbons voltou a reinar na França. Era o fim do império.

Observação: Mais uma vez noticia-se ter sido Napoleão envenenado por arsênico quando esteve aprisionado pelos ingleses na solitária Ilha de Santa Helena, ou entre 1799 e 1815, a política européia está centrada na figura carismática de Napoleão Bonaparte, que de general vitorioso se torna imperador da França, com o mesmo poder absoluto da realeza que a Revolução Francesa derrubara.

Napoleão Bonaparte, jovem general corso, começa a se destacar como militar em 1795, quando sufoca uma revolução monarquista em Paris. Depois de ter se destacado na guerra contra a Itália e na Campanha do Egito, Napoleão é escolhido para chefiar o golpe que depõe o Diretório, em 18 brumário.

Em 10 de novembro de 1799 (dia 18 brumário, segundo o calendário republicano) Napoleão Bonaparte, com o auxílio de militares e membros do governo, derruba o Diretório, dissolve a Assembléia e implanta o Consulado, uma ditadura disfarçada. O golpe de 18 brumário retoma princípios do Antigo Regime e encerra dez anos de lutas revolucionárias que influenciariam profundamente os movimentos de independência na América Latina e a organização dos países da Europa. Em 1804 Napoleão cria o Império, espécie de monarquia vitalícia que se sustenta pelo êxito das guerras e reformas internas.

O Consulado é o período de 1799 a 1804, no qual Napoleão promulga uma nova Constituição, reestrutura o aparelho burocrático e cria o ensino controlado pelo Estado. Em 1801 declara o Estado leigo, com a subordinação do clero às autoridades seculares. Em 1804 promulga o Código Napoleônico, que garante a liberdade individual, a igualdade perante a lei, o direito à propriedade privada, o divórcio e incorpora o primeiro código comercial. Em 1805 a França volta a adotar o calendário gregoriano. Napoleão realiza um governo ditatorial, com censura à imprensa e repressão policial, com o apoio do Exército.

Após um plebiscito, Napoleão coroa-se imperador, em 1804, com o nome de Napoleão I. Intervém em toda a Europa, derrotando as tropas austríacas, prussianas e russas, e passa a controlar a Áustria, Holanda, Suíça, Itália e Bélgica. Avança na Espanha mas enfrenta resistência de guerrilheiros locais. Temendo a expansão napoleônica, a família real portuguesa foge em 1808 para o Brasil, sua colônia na América. Em 1812 o Império Napoleônico incorpora 50 milhões dos 175 milhões de habitantes do continente europeu e introduz as reformas burguesas nos demais países da Europa, quebrando as estruturas feudais remanescentes. Impõe o sistema métrico decimal, implanta o direito moderno e difunde amplamente as idéias de liberdade e igualdade da Revolução Francesa.

Em 1806, Napoleão decreta o Bloqueio Continental contra a Inglaterra, após a derrota dos exércitos franceses em Trafalgar, na Espanha. A França proíbe que qualquer país europeu abra seus portos ao comércio com a Inglaterra. O objetivo é enfraquecer os ingleses e reservar o mercado continental europeu às manufaturas francesas. O bloqueio recebe a adesão da Espanha e da Rússia em 1807. Portugal, aliado da Inglaterra, recusa-se a aderir e é invadido pelas tropas francesas.

Em 1812, a pretexto de punir o abandono do Bloqueio Continental pela Rússia, Napoleão declara guerra a Moscou, mas a campanha, em pleno inverno, é um desastre. Diante da iminência da invasão o governador russo ordena que as pessoas abandonem Moscou e incendeia a cidade. O Exército napoleônico encontra apenas destroços. Dos 600 mil homens, sobram cerca de 37 mil para fazer a retirada.

A derrota de Napoleão na Rússia incentiva a formação de uma coalizão reunindo russos, ingleses, espanhóis, prussianos, suecos e austríacos contra a França. Em 1813, os exércitos aliados conseguem derrubar o sistema napoleônico e libertar a Alemanha, a Holanda e o norte da Itália. Em 1814 tomam Paris e formam um governo provisório, dirigido por Talleyrand, que depõe Napoleão. Ele abdica do posto do imperador e exila-se na ilha de Elba, que obtém como principado. Os Bourbon retornam ao poder e entronizam Luís XVIII, irmão de Luís XVI (guilhotinado durante a Revolução Francesa).

Napoleão, do fundo de seu retiro, não deixava de se informar do que sucedia no continente. Conhecendo as deficiências do governo, sabe que o exército quer vê-lo novamente no comando. Foi em tais circunstâncias que Napoleão fugiu da Ilha de Elba e desembarcou na costa Meridional da França, a 1º de março de 1815. Foi recebido em toda a parte com alegria delirante pelos camponeses e pelos ex-soldados.

A partir de 20 de março de 1815, Napoleão reinará por mais cem dias. A retomada do poder, entretanto, não fez ressurgir o antigo despotismo imperial. O regime se reorganizará através de um “Ato Adicional” à Constituição, tornando-se um império liberal.

Os soberanos coligados, então reunidos no Congresso de Viena, surpreendidos com o acontecimento, renovam a aliança, declaram Napoleão fora da lei e decidem levantar novo exército destinado a destruir de vez Napoleão Bonaparte. Entendendo ser melhor tomar a ofensiva, a fim de frustrar os planos de seus inimigos, Napoleão marcha sobre a Bélgica e vence os prussianos, comandados por Blucher, em Ligny. Dias depois, em 18 de junho, em Waterloo, foi fragorosamente derrotado pelo Duque de Wellington e pelo general Blucher, à frente de um exército coligado. No dia 21 de junho, Napoleão abdicou pela segunda vez, sendo deportado em exílio definitivo para a ilha de Santa Helena, onde morre em 5 de maio de 1821. A dinastia dos Bourbons voltou a reinar na França. Era o fim do império.

Fonte: www.geocities.com

Queda de Napoleão

Quando Napoleão lançou a malfadada invasão à Rússia, em 1812, motivada pela recusa do czar Alexandre I em apoiar o bloqueio antibritânico, a autoridade francesa sofreu um forte desgaste em toda a extensão do império, exceto no núcleo composto pela França, pela Renânia e pelo sul da Itália.

Ao mesmo tempo, na Espanha, a chamada Guerra Peninsular havia terminado com a derrota de José Bonaparte, irmão do imperador, para as forças britânicas e espanholas.

Napoleão ainda tentou debelar a situação, mas um levante geral já havia sido formado. Prússia, Áustria, Suécia, Rússia, Espanha e Inglaterra se alinhavam novamente contra o império francês.

Em outubro de 1813, Napoleão foi batido em Leipzig, na Batalha das Nações. Recuando para a França e empreendendo uma série de combates, Napoleão parecia haver retomado a eficiência militar do início da carreira. Mas a rendição de Paris forçou-o à renúncia, ocorrida em 6 de abril de 1814. Após um curto exílio de dez meses em Elba, uma pequena ilha, distante apenas 20 km da costa da Itália, Napoleão retornou à França para o chamado "governo dos 100 dias".

Nesse período, tentou mais uma ofensiva contra ingleses e prussianos até ser definitivamente batido em Waterloo, no dia 18 de junho de 1815.

A GUERRA PENINSULAR (1807-1814)

Envolveu espanhóis, portugueses e ingleses contra os franceses. Após tomar Portugal e promover um golpe que culminou com a ascensão de José Bonaparte ao trono da Espanha, os franceses amargaram anos de combates de guerrilha e desembarques de tropas inglesas até o colapso militar, em 1813, do país de Napoleão.

INVASÃO DA RÚSSIA (1812)

Com um exército de 650 mil homens, Napoleão perdeu a imensa maioria de seus combatentes ao tentar tomar a Rússia. Conquistou Moscou sem luta (14 de setembro de 1812) para depois vê-la incendiada pelos próprios russos. Seu exército retornou em pleno inverno. Apenas 27 mil homens - os sobreviventes da fome, do frio e dos ataques russos - conseguiram cruzar o rio Berezina na volta.

ILHA DE SANTA HELENA 1815-1821

A remota ilha no Atlântico Sul foi o lugar escolhido pelos ingleses para exilar Napoleão Bonaparte, após a derrota de seus exércitos na Europa. Lá, sob a vigilância de uma guarnição inglesa, ele viveu por seis anos, até morrer.

SÉTIMA COALIZÃO (1815)

Preocupados com o retorno de Napoleão, Inglaterra, Rússia, Prússia, Áustria, Suécia, Países Baixos e pequenos estados alemães declararam guerra à França.

Bonaparte mobilizou seu exército para bater prussianos e ingleses na Bélgica. Mas foi derrotado em Waterloo (18 de junho).

EXÍLIO EM ELBA (1815)

Após a capitulação, Napoleão foi mandado para a pequena ilha de Elba. O exílio durou pouco. Em 1 de março de 1815, ele desembarcou em Cannes.

Os soldados que iam prendê-lo se uniram a ele. Napoleão chegou triunfalmente em Paris, em 20 de março, para reassumir como comandante do país.

PRÚSSIA E ÁUSTRIA (1813)

Após o exército francês perder grande parte dos soldados em território russo, a Prússia entrou em guerra contra Bonaparte, seguida pela Áustria.

Em inferioridade numérica e com homens inexperientes, o imperador francês ainda venceu a coalizão em Bautzen, Lutzen e Dresden. Mas foi batido por mais de 450 mil soldados da coalizão - em Leipzig (16 de outubro de 1813).

DEFESA DA FRANÇA (1814)

Pressionado pela coalizão de quase 500 mil homens de vários exércitos europeus, Bonaparte combateu em solo francês, culminando com a vitoriosa Campanha dos Seis Dias (fevereiro de 1814).

Seu pequeno exército impôs quatro derrotas seguidas.

Ainda assim, com a rendição de Paris, ele foi obrigado a renunciar.

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

voltar 12avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal