Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Independência da América Espanhola  Voltar

Independência da América Espanhola

 

Independência da América Espanhola
Independência da América Espanhola

A Independência da Espanha veio de repente durante a maior parte da América Latina.

Entre 1810 e 1825, a maioria das ex-colônias da Espanha havia declarado e ganharam a independência e dividiram-se em repúblicas.

A Independência da Espanha

Processo de emancipação das colônias espanholas no continente americano durante as primeiras décadas do século XIX. Resulta das transformações nas relações entre metrópole e colônia e da difusão das idéias liberais trazidas pela Revolução Francesa e pela independência dos EUA. Recebe influência também das mudanças na relação de poder na Europa em conseqüência das guerras napoleônicas.

Durante o século XVIII, a Espanha reformula aspectos de seu p~çto colonial. A suspensão do monopólio comercial da Casa de Contratação de Sevilha dá maior flexibilidade às relações comerciais entre metrópole e colônia. Mas, ao mesmo tempo, procura impedir o desenvolvimento das manufaturas coloniais e combate o contrabando inglês. Essas medidas contrariam os interesses da elite colonial, os criollos (descendentes de espanhóis nascidos na América), que lideram a maioria dos movimentos emancipacionistas. Eles são considerados inferiores pela elite e proibidos de ocupar cargos públicos, civis ou militares.

As guerras travadas peloImpério Napoleônico alteram o equilíbrio de forças na Europa, que se reflete nos domínios coloniais. Em junho de 1808, Napoleão Bonaparte invade a Espanha, destrona o rei Carlos IV e seu respectivo herdeiro, Fernando VII. Impõe aos espanhóis um rei francês, seu irmão, José Napoleão (José I). Na América, os cabildos (instituições municipais que são a base da administração colonial), sob comando dos criollos, declaram-se fiéis a Fernando VII e desligam-se do governo de José I. Passam a exigir ainda maior autonomia, liberdade comercial e igualdade com os espanhóis.

Com a restauração da Monarquia após a derrota de Napoleão, a Espanha passa a reprimir os movimentos emancipacionistas. Diante dessa situação, a elite criolla decide-se pela ruptura com a metrópole. Conta com a aprovação da Inglaterra, que, interessada na liberação dos mercados latino-americanos para seus produtos industrializados, contribui militar, financeira e diplomaticamente com as jovens nações. O Paraguai proclama a independência em 1811 e a Argentina, em 1816, com o apoio das forças do general José de San Martín. No Uruguai, José Artigas lidera as lutas contra as tropas espanholas e obtém vitória em 1811. No entanto, a região é dominada em 1821 pelo rei dom João VI e anexada ao Brasil, sob o nome de Província Cisplatina, até 1828, quando consegue sua independência.

San Martín organiza também no Chile a luta contra a Espanha e, com o auxílio do líder chileno Bernardo O''Higginsjump: BAHFF, liberta o país em 1818. Com isso, alcança o Peru e, com a ajuda da esquadra marítima chefiada pelo oficial inglês Lord Cockrane, torna-se independente do país em 1822.

Enquanto isso, no norte da América do Sul, Simón Bolívar atua nas lutas pela libertação da Venezuela (1819), da Colômbia (1819), do Equador (1822) e da Bolívia (1825).

Em 1822, os dois líderes, Bolívar e San Martín, reúnem-se na cidade de Guayaquil, no Equador, para discutir o futuro da América hispânica. Bolívar defende a unidade das ex-colônias e a formação de uma federação de repúblicas, e San Martín é partidário de governos formados por príncipes europeus. A tese de Bolívar volta a ser discutida no Congresso do Panamá, em 1826, mas é rejeitada.

Em toda a América hispânica há participação popular nas lutas pela independência, mas a elite criolla se mantém hegemônica.

No México, no entanto, a mobilização popular adquire contornos de revolução social: a massa da população, composta de índios e mestiços, rebela-se ao mesmo tempo contra a dominação espanhola e contra os criollos.

Liderados pelos padres Hidalgo e Morelos, os camponeses reivindicam o fim da escravidão, a divisão das terras e a abolição de tributos, mas são derrotados.

Os criollos assumem a liderança do movimento pela independência, que se completa em 1821, quando o general Itúrbide se torna imperador do México. O movimento pela emancipação propaga-se pela América Central (que havia sido anexada por Itúrbide), resultando na formação da República Unida da América Central (1823-1838), que mais tarde dá origem a Guatemala, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e El Salvador.

O Panamá obtém independência em 1821 e a República Dominicana, em 1844.

Cuba permanece como a última possessão espanhola no continente até a Guerra Hispano-Americana.

Ao contrário da América portuguesa, que mantém a unidade territorial após a independência, a América espanhola divide-se em várias nações, apesar de tentativas de promover a unidade, como a Grã-Colômbia, reunindo Venezuela e Colômbia, de 1821 a 1830, a República Unida da América Central e a Confederação Peru-Boliviana, entre 1835 e 1838. A fragmentação política da América hispânica pode ser explicada pelo próprio sistema colonial, uma vez que as diversas regiões do império espanhol eram isoladas entre si. Essa situação favorece também o surgimento de lideranças locais fortes, os caudilhos, dificultando a realização de um projeto de unidade colonial.

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Independência da América Espanhola

As origens do movimento de independência na América espanhola

Durante o período colonial alguns setores da população crioula (descendentes espanhóis nascidos nas Américas) tornou-se cada vez mais frustrados com o domínio espanhol.

Seu descontentamento cresceu a partir da crença de que a ambição local e prosperidade foram reprimidas pelo colonial administrativo, fiscal e política comercial e o status superior conferido aos residentes de origem espanhola. Outra queixa foi a expulsão dos jesuítas em 1767 pela Coroa espanhola, a fim de garantir o seu poder nas colônias.

A ocupação da Espanha por Napoleão, em 1808, abriu o caminho para a independência dos territórios da América espanhola.

A crise constitucional na Espanha causado pela prisão de Fernando VII na França ea imposição de José Bonaparte no trono espanhol criou uma oportunidade para os crioulos para proclamar a sua independência da Espanha.

Revoltas generalizada e guerra civil eclodiu em toda a região e juntas (órgãos de governo locais) tomou o assunto em suas próprias mãos.

Fernando VII voltou ao trono espanhol em 1814 e iniciou uma "reconquista" das colônias hispano-americanas, mas a resolução da crise chegou tarde demais para conter a onda de rebelião.

As repúblicas hispano-americanas

Os territórios do século 17 passou por muitas mudanças após as guerras de independência.

As guerras civis entre facções crioulas e disputas territoriais trouxe um longo período de instabilidade.

Na ocasião, a autoridade real espanhola foi temporariamente restaurada. Circunstâncias variaram de região para região, mas a maioria das repúblicas estavam livres do domínio espanhol em meados da década de 1820.

Argentina

O processo de independência começou em 1810 com a criação de uma junta em Buenos Aires. A independência nacional foi declarada em 1816.

Bolívia

Anteriormente conhecida como Alto Peru. Em 1809, um levante revolucionário em Chuquisaca foi colocado para baixo. Lutando contra as forças espanholas durou até 1825.

Chile

A junta foi formada em Santiago, em 1810, mas o Chile foi retomada pelos espanhóis em 1814 Independência foi selado em 1818.

Colômbia

O Comunero Revolta de 1781 foi suprimido. Em 1810, uma junta foi formada em Bogotá e na luta pela independência continuou. A República da Grande Colômbia foi formada em 1819 e incluiu a Colômbia, Venezuela, Panamá e Equador. A união dividida em 1830.

Costa Rica

Independência da Espanha em 1821 parte dos Estados Unidos da América Central até a independência total em 1838.

Cuba

Em 1898, Espanha abandonou Cuba para os Estados Unidos. Cuba garantiu a sua independência em 1902.

República Dominicana

Declarou a independência em 1821, mas foi invadida por Haiti apenas algumas semanas mais tarde e ocupou até 1844. ataques haitianos significava que a República Dominicana voltou para o império espanhol entre 1861 e 1865.

Equador

A junta foi formada em Quito em 1809, mas a rebelião foi esmagada em 1812 Após a independência da Espanha em 1822, o Equador passou a fazer parte da República da Grande Colômbia. Ele retirou-se da união em 1830.

El Salvador

Independência em 1821 parte das Províncias Unidas da América Central até a região se separou em 1838 Nomeado El Salvador, em 1844.

Guatemala

Independência em 1821 parte das Províncias Unidas da América Central, uma federação formada em 1821, que também incluiu El Salvador, Honduras, Costa Rica e Nicarágua e dissolvida em 1838.

Honduras

Independência em 1821 Honduras separou-se as Províncias Unidas da América Central em 1838.

México

Guerra pela independência começou em 1810 Independência foi conquistada em 1821.

Nicarágua

Independência em 1821 Nicarágua separou-se as Províncias Unidas da América Central em 1838.

Panamá

Independência da Espanha em 1821 e, em seguida, tornou-se parte da República da Grande Colômbia. Tornou-se uma nação independente em 1903.

Paraguai

Independência da Espanha em 1811.

Peru

O levante Túpac Amaru em 1780 foi suprimido. Independência declarada em 1821.

Uruguai

Ocupado pelo Português e, em seguida, o Brasil recém-independente desde 1816 torna-se uma nação independente em 1828.

Venezuela

Em 1806, Francisco de Miranda lançou uma tentativa frustrada de libertar a Venezuela. Luta revolucionária começou de novo em 1810, mas a autoridade espanhola foi restaurada até 1821 Venezuela se separou da República da Grande Colômbia, em 1829.

Grã-Bretanha e da independência americana Espanhola

Britânicos oficiais navais e militares, soldados, marinheiros e aventureiros desempenhou um papel fundamental nas guerras que lutam com os patriotas e criação de novas repúblicas: as façanhas de Daniel O'Leary (companheiro mais próximo de Bolívar), William Miller, Thomas Alexander Cochrane e Gregor MacGregor são lendários, para não mencionar Richard Vowell, Alexander Alexander e muitos outros.

Grã-Bretanha foi a primeira grande nação da Europa a reconhecer a independência dos novos países da América espanhola. Ao dar este passo, o governo britânico queria proteger as novas nações formadas contra a ameaça de retaliação por parte de Espanha, estabelecendo relações comerciais com estes países, até então sob o monopólio econômico da metrópole. Americanos espanhol saudou este apoio internacional importante. A instituição dos regimes republicanos nos novos países da América espanhola foi fortemente inspirado no sistema parlamentar britânico.

Matérias-primas e recursos minerais, bem como oportunidades de investimento e novos mercados potenciais para os produtos estrangeiros, atraídos Grã-Bretanha para os territórios da América espanhola. Alguns dos estados incipientes receberam empréstimos britânicos e os acordos comerciais firmados com a Grã-Bretanha. Milhares de comerciantes ingleses passaram a residir na América espanhola. Da mesma forma, um número de espanhóis americanos residia em Londres, incluindo o intelectual Andrés Bello eo revolucionário Francisco de Miranda, ambos de Caracas.

Espanhol movimento de independência norte-americana foi observado com interesse na Grã-Bretanha e muitos livros relacionados foram publicados em Londres.

Fonte: www.bl.uk

Independência da América Espanhola

A partir do século 15 em diante, os países sul-americanos foram colônias espanholas.

Mas a partir do século 16 em muitas revoluções ocorreram, incluindo a Revolução Francesa , que pôs fim à monarquia.

Na América do Sul as péssimas condições das classes trabalhadoras e escravos causou uma série de revoltas e Inglês tentou invadir colônias que pertenciam a Espanha.

Isso tudo gerou uma consciência do continente no que diz respeito às suas próprias capacidades e poderes e vários corpos militares locais foram criados. Por outro lado, a própria monarquia espanhola tinha planejado para dar total independência para os vice-reinados americanos, mas as coisas aconteceram e dramáticos acontecimentos interrompido estes processos sob Filipe IV reinado 's. O fato de que esses países todos tinham a língua espanhola em comum não é importante.

As causas para os movimentos de independência em cada país são diferentes e particular, mas a Revolução Francesa ea Declaração de Independência dos Estados Unidos são reconhecidos entre as influências que eram comuns para a maioria, se não todos.

Independência da América Espanhola
Criollos

Mas é verdade que os crioulos queriam sua independência da Espanha e formar a sua própria nação. Eles queriam mais poder político e econômico. Eles acreditavam que o sistema colonial era injusto, pois foram excluídos do processo de tomada de decisão política.

Havia também as idéias liberais difundidas na América graças à ilustração. Outro fator importante foi a de que os crioulos não concordava com alguns aspectos da Constituição espanhola de 1812 , como a distribuição de terras, o da igualdade política entre eles e os povos indígenas.

Algumas outras causas foram relacionadas à proeminência declínio de Portugal e Espanha, especialmente patente quando a invasão da Península Ibérica e do apoio que recebeu do Reino Unido e os EUA, que foram interesse na independência da Espanha destes países de Napoleão, o que permitiria uma fluxo mais livre de comércio, este apoio traduzido para financiamento e fornecimento de materiais para seus projetos de independência.

Os movimentos de independência e as Juntas

Independência da América Espanhola
Juntas

Se não tivesse sido para a ocupação napoleônica na Espanha não poderia ter acontecido em seguida. As aulas de espanhol pegou nos braços, que resultaram na Guerra da Independência Espanhola ea criação de auto-regulam Juntas (uma forma administrativa de governo que contempla um conselho de administradores, e não apenas uma pessoa que toma todas as decisões) nos diferentes províncias espanholas.

Durante os anos seguintes houve declarações em todo a América Latina para formar Juntas do governo americano, a fim de manter o rei Fernando VII direitos, apesar do fato de que Napoleão ele e seu pai em abrir mão da coroa para ajustar-se a seu irmão Joseph) tinha enganado. Estas Juntas Autónomas e mantiveram a sua independência da Espanha, seja ele o império napoleônico ou não.

Uma série de movimentos independentistas locais começaram desmentiu que as nomeações provenientes do governo colonial espanhol, e sua justificativa foi que os legítimos herdeiros da coroa espanhola tinha sido forçado a abdicar eo trono foi usurpado por Joseph Bonaparte.

Nos anos seguintes, no entanto, o conflito tornou-se ainda mais radical e as Juntas tornou-se um Congresso Nacional, em que cada estado declarou sua independência da Espanha. Este processo iniciou-se no Paraguai em 1811 e terminou na Bolívia, 24 anos depois

Inevitavelmente, a violência seguiu. Os revolucionários desmentiu as autoridades monárquicas na América, eles estabeleceram repúblicas e exércitos.

O governo espanhol eo monarca restaurado Ferdinand VII negou a legitimidade das juntas do governo americano e grandes exércitos leais a realeza foram convocados, embora a maioria dos soldados eram americanos.

Independência da América Espanhola
Simon Bolivar

Os principais atores da independência da Espanha teatro de guerra foram Simon Bolívar e José de San Martin , conhecido como os libertadores (libertadores), e os líderes dos monarquistas foram Pablo Morillo e Viceroy Fernando Abascal.

Apesar dos esforços do país europeu para manter suas colônias como acampamentos de verão, mais cedo ou mais tarde, cada país da América do Sul ganhou sua independência da Espanha ao custo de sangue e morte e:

Primeiro Império Mexicano
Grande Colômbia
Províncias Unidas do Rio de la Plata
Chile
Peru
Bolívia

Eventualmente, estas primeiras nações resultaria em que os atuais:

Colômbia
Argentina
Uruguai
Chile
México
Equador
Peru
Bolívia
Panamá
Paraguai
Venezuela
México
Guatemala
El Salvador
Honduras
Nicarágua
Costa Rica
Brasil (o Brasil se tornou independente de Portugal, e não Espanha).

No entanto, o Caribe, Cuba e Porto Rico permaneceram parte do reino espanhol até 1898.

As Conseqüências

Muitas regiões da América do Sul foram empobrecidos após as guerras de independência, principalmente devido ao desaparecimento do monopólio do comércio e protecionismo. Eles simplesmente não podiam competir com a Europa e Bolívar sonho de criar os Estados Unidos da América do Sul não no Congresso do Panamá em 1826.

Independência da América Espanhola
Congresso do Panamá

No entanto, alguns são da opinião de que a independência da Espanha se beneficiou dos novos estados, porque eles tiveram a oportunidade de desenvolver em relação às suas próprias necessidades. Infelizmente não houve mudanças sociais reais para as raças misturadas, crioulos ou raças indígenas e escravos.

O espanhol parecia bastante indiferente, eles simplesmente não achava que era o seu problema. Para os comerciantes eo governo, uma importante fonte de renda desapareceu por completo, especialmente para a tesouraria. Mas a imersão em espanhol em suas próprias guerras civis estava em seu auge, esta ea perda de suas colônias americanas feitas de Espanha aa segunda potência mundial ordem.

Fonte: www.spanishwars.net

Independência da América Espanhola

No decorrer do século XVIII, o sistema colonial implementado pelos espanhóis na América passou a sofrer importantes transformações, fruto do envolvimento metropolitano nas guerras européias e da crise da mineração.

O NOVO COLONIALISMO

O Tratado de Ultrecht ( 1713) foi uma decorrência da derrota da Espanha na "Guerra de Sucessão Espanhola", sendo forçada a fazer concessões à Inglaterra, garantindo-lhes a possibilidade de intervir no comércio colonial através do asiento - fornecimento anual de escravos africanos - e do permiso - venda direta de manufaturados às colônias.

Esse tratado marca o início da influência econômica britânica sobre a região e ao mesmo tempo, o fim do monopólio espanhol sobre suas colônias na América.

Se os direitos reservados aos ingleses quebravam o pacto colonial, a Espanha ainda manteve o controle sobre a maior parte do comércio colonial, assim como preservou o controle político, porém foi obrigada a modificar de maneira significativa sua relação com as colônias, promovendo um processo de abertura.

As principais mudanças adotadas pela Espanha foram:

A abolição do sistema de frotas, e abolição do sistema de porto único, tanto na metrópole, como nas colônias, pretendendo dinamizar o comércio, favorecendo a burguesia metropolitana e indiretamente o próprio Estado. Na América foi liberado o comércio intercolonial (desde que não concorresse com a Espanha) e os criollos passaram a ter o direito de comercializar diretamente com a metrópole.

AS TRANSFORMAÇÕES NAS COLÔNIAS

As mudanças efetuadas pela Espanha em sua política colonial possibilitaram o aumento do lucro da elite criolla na América, no entanto, o desenvolvimento econômico ainda estava muito limitado por várias restrições ao comércio, pela proibição de instalação de manufaturas e pelos interesses da burguesia espanhola, que dominava as atividades dos principais portos coloniais.

Os criollos enfrentavam ainda grande obstáculo à ascensão social, na medida em que as leis garantiam privilégios aos nascidos na Espanha. Os cargos políticos e administrativos , as patentes mais altas do exército e os principais cargos eclesiásticos eram vetados à elite colonial.

Soma-se à situação sócio econômica, a influência das idéias iluministas, difundidas na Europa no decorrer do século XVIII e que tiveram reflexos na América, particularmente sobre a elite colonial, que adaptou-as a seus interesses de classe, ou seja, a defesa da liberdade frente ao domínio espanhol e a preservação das estruturas produtivas que lhes garantiriam a riqueza.

O MOVIMENTO DE INDEPENDÊNCIA

O elemento que destravou o processo de ruptura colonial foi a invasão das tropas de Napoleão Bonaparte sobre a Espanha; no entanto é importante considerar o conjunto de alterações ocorridas tanto nas colônias como na metrópole, percebendo a crise do Antigo regime e do próprio sistema colonial, como a Revolução Industrial e a revolução Francesa.

A resistência à ocupação francesa iniciou-se tanto na Espanha como nas colônias; netas a elite criolla iniciaram a formação de Juntas Governativas, que em várias cidades passaram a defender a idéia de ruptura definitiva com a metrópole, como vimos, para essa elite a liberdade representava a independência e foi essa visão liberal iluminista que predominou.

Assim como o movimento de independência das colônias espanholas é tradicionalmente visto a partir dos interesses da elite, costuma-se compara-lo com o movimento que ocorreu no Brasil, destacando-se:

A grande participação popular, porém sob liderança dos criollos
O caráter militar, envolvendo anos de conflito com a Espanha
A fragmentação territorial, processo caracterizado pela transformação de 1 colônia em vários países livres
Adoção do regime republicano - exceção feita ao México

Fonte: www.historianet.com.br

Independência da América Espanhola

COMÉRCIO LIVRE COM PAÍSES LIVRES

No início do século XIX a América hispânica, inspirada nas idéias liberais do Iluminismo, travou sua guerra de independência vitoriosa contra colonialismo espanhol para, em seguida, fragmentar-se em um grande número de jovens repúblicas oprimidas por caudilhos militares, exploradas por oligarquias rurais e acorrentadas a uma nova dependência econômica imposta pelo capitalismo industrial inglês.

A CRISE DO SISTEMA COLONIAL

O fim do Antigo Regime nas últimas décadas do século XVIII foi conseqüência das transformações ideológicas, econômicas e políticas produzidas pelo Iluminismo, pela Revolução Industrial, pela independência dos Estados Unidos e pela Revolução Francesa. Estes acontecimentos, que se condicionaram e se influenciaram reciprocamente, desempenharam um papel decisivo no processo de independência da América espanhola.

As elites da América colonial encontraram na filosofia iluminista o embasamento ideológico para seus ideais autonomistas. A luta pela liberdade política encontrava sua justificativa no direito dos povos oprimidos à rebelião contra os governos tirânicos e á luta pela liberdade econômica na substituição do monopólio comercial pelo regime de livre concorrência.

"A Revolução Industrial Inglesa: Viu-se a necessidade de substituir o monopólio comercial por livre concorrência".

Indústrias Early séc. XIX

Por esta época a Revolução Industrial inglesa inaugurava a era da indústria fabril e da produção mecanizada. A exportação das mercadorias inglesas exigia a abertura dos mercados americanos ao livre comércio e esbarrava nos entraves criados pelo pacto colonial. O monopólio comercial favorecia apenas as metrópoles que lucravam duplamente revendendo os produtos coloniais à Europa e as manufaturas inglesas às suas colônias. Esta política monopolista, entretanto, prejudicava tanto a burguesia inglesa quanto as elites coloniais, e, assim, o desenvolvimento do moderno capitalismo industrial acelerou a crise do antigo sistema colonial mercantilista. E a quebra do pacto colonial e sua substituição pelo libre comércio só poderia se fazer através da independência das colônias em relação às antigas metrópoles.

"A independência dos Estados Unidos e a Revolução Francesa aceleraram o fim do sistema colonial luso-espanhol".

Batalha de Boston 1770

A independência das treze colônias e a formação dos Estados Unidos, primeiro país soberano do Novo Mundo, tornaram-se o exemplo e a fonte de inspiração para os movimentos latino - americanos que lutavam pela emancipação política e pela ruptura do pacto colonial. O regime republicano, baseado no pensamento iluminista, exerceu enorme fascínio sobre a aristocracia "criolla" da América Espanhola.

O maior impacto veio, entretanto, da Revolução Francesa, cujas conseqüências se fizeram sentir tanto na Europa quanto na América. A ascensão de Napoleão Bonaparte, a imposição da supremacia francesa à Europa e o estabelecimento do Bloqueio Continental contra a Inglaterra desferiram um golpe de morte no decadente sistema colonial ibero-americano. A invasão de Portugal pelos franceses rompeu o pacto colonial luso-brasileiro e acelerou a independência do Brasil, ao mesmo tempo em que a ocupação da Espanha por Napoleão e a imposição de José Bonaparte como rei do país desencadearam as lutas de independência nas colônias da América espanhola.

A CONJUNTURA HISPANO - AMERICANA

No início do século XIX, quando ocorreu o choque entre a Revolução Industrial inglesa e a Revolução Francesa, o império colonial espanhol na América estava dividido, em termos administrativos, em quatro vice-reinados e quatro capitanias gerais.

"A administração colonial: vice-reinados e capitanias gerais. Os entraves do monopólio comercial".

Os vice-reinados existentes eram Nova Espanha ( México e parte do território atualmente pertencente aos Estados Unidos), Nova Granada ( Colômbia e Equador), Peru e Prata ( Argentina, Uruguai, Bolívia e Paraguai). As capitanias gerais eram Cuba, Guatemala, Venezuela e Chile. Os cargos de vice-rei e capitão-geral eram exercidos por representantes da Coroa vidos diretamente da Espanha, como o eram igualmente todos os altos postos da administração colonial. Desta forma, o aparelho político-administrativo colonial era dominado e monopolizado por espanhóis natos.

A economia colonial baseava-se na exportação de matérias-primas e, portanto, era dependente do mercado externo monopolizado pela metrópole através do pacto colonial. A mineração baseava-se na extração de ouro e prata e estava concentrada no México e na Bolívia. A agricultura tropical desenvolveu-se na América Central e nas Antilhas, com base no sistema de "plantation", ou seja, grandes propriedades monoculturas, trabalhadas por escravos. A pecuária concentrava-se principalmente no México e no vice-reinado do Prata. O comércio era praticado nas grandes cidades portuárias, como Buenos Aires, Valparaíso, Cartagena e Vera Cruz.

A Espanha exercia o monopólio comercial entre suas colônias e a Europa, o que afetava os interesses econômicos da elite colonial, obrigada a vender, a baixos preços, seus produtos à metrópole e dela comprar, a altos preços, as manufaturas importadas. O mesmo acontecia com os comerciantes e industriais ingleses, forçados a aceitar a intermediação da Espanha e impedidos de vender diretamente as suas mercadorias à América.

O fim do monopólio comercial interessava, assim, tanto à elite colonial como à burguesia inglesa, à medida que ambas aumentariam seus lucros com a adoção do livre comércio. Esta convergência de interesses foi um fator decisivo para a vitória do movimento de independência hispano-americano.

"A sociedade colonial: brancos, mestiços, índios e negros. Os conflitos entre a aristocracia ‘criolla’ e os ‘chapetones’.".

Por essa época a sociedade colonial era formada por uma população de dez milhões de habitantes, divididos em diversas classes sociais. Os brancos constituíam cerca de três milhões e trezentos mil e classificavam-se em chapetones e criollos. Os chapetones, perto de trezentos mil, eram os espanhóis natos que, monopolizando o poder político, dominavam os altos cargos da administração colonial. Os criollos, cerca de três milhões, eram descendentes de espanhóis nascidos na América e formavam a elite econômica e intelectual da colônia, à qual pertenciam os latifundiários, comerciantes, profissionais liberais e membros do baixo clero.

A contradição entre a estrutura econômica, dominada elos criollos (partidários do livre comércio), e a estrutura política, controlada pelos chapetones (defensores do monopólio metropolitano), foi também um dos fatores importantes do processo de independência.

Os mestiços, descendentes de espanhóis e índios, eram cerca de cinco milhões e dedicavam-se ao pequeno comércio e ao artesanato, enquanto os índios, mais de dez milhões, constituíam a mão-de-obra explorada na mineração e na agricultura. Os negros, perto de oitocentos mil, concentravam-se principalmente nas Antilhas e formavam a mão-de-obra escrava utilizada nas plantations tropicais.

Embora sendo esmagadora minoria, eram os criollos e os chapetones que dominavam e determinavam a condução das relações econômicas e políticas das colônias hispano-americanas e era a eles que interessava a ligação com a metrópole ou o rompimento de laços com ela. Assim, a guerra de independência caracterizou-se por ser uma luta entre os criollos, apoiados pela Inglaterra, e os chapetones, apoiados pela Espanha, pelo domínio do aparelho político-administrativo.

A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA

O processo de independência hispano-americano dividiu-se, grosso modo, em três fases principais: os movimentos precursores (1780 - 1810), as rebeliões fracassadas (1810 - 1816) e as rebeliões vitoriosas (1817 - 1824).

"Os movimentos precursores da guerra de independência: revoltas de Tupac Amaru e de Francisco Miranda".

Os movimentos precursores, deflagrados prematuramente, foram severamente reprimidos pelas autoridades metropolitanas. Ainda que derrotados, contribuíram para enfraquecer a dominação colonial e amadurecer as condições para a guerra de independência travada posteriormente. A mais importante dessas insurreições iniciou-se no território peruano em 1780 e foi comandada por Tupac Amaru. Essa rebelião indígena mobilizou mais de sessenta mil índios e só foi totalmente esmagada pelos espanhóis em 1783, quando foram igualmente reprimidas outras revoltas no Chile e na Venezuela. Inspirado no exemplo dos Estados Unidos, o criollo venezuelano Francisco Miranda liderou, a partir desta época, vários levantes e se tornou o maior precursor da independência hispano-americana.

Após os Estados Unidos, a segunda independência da América foi realizada pelos escravos trabalhadores das plantations que, em 1793, através de uma insurreição popular contra a elite branca libertaram o Haiti.

"As rebeliões de independência fracassadas: a falta de apoio da Inglaterra e dos Estados Unidos".

Em 1808, a ascensão de José Bonaparte ao trono da Espanha iria desencadear a guerra de independência na América espanhola, devido aos desdobramentos políticos daquela situação. Na Espanha, o povo pegou em armas contra a dominação francesa; na América, os criollos pronunciaram-se pelo "lealismo" e se colocaram ao lado de Fernando VII, herdeiro legítimo de Coroa espanhola. Os criollos, entretanto, evoluíram rapidamente do "lealismo" para posições emancipacionistas e, em 1810, iniciaram a luta pela independência.

O fracasso das rebeliõs iniciadas em 1810, foi conseqüência, em grande parte, da falta de apoio da Inglaterra, que empenhada na luta contra a França napoleônica, não pôde fornecer ajuda aos movimentos de independência liderados pela aristocracia criolla. Os Estados Unidos, que possuíam acordos comerciais com a Junta de Sevillha, também não forneceram qualquer ajuda aos rebeldes hispano-americanos. Em 1816, os movimentos emancipacionistas, isolados internamente e sem apoio internacional, foram momentaneamente vencidos pelas tropas espanholas.

"A vitória do movimento de independência: apoio da Inglaterra e dos Estados Unidos. A doutrina Monroe".

Após a derrota de Napoleão e 1815, a Inglaterra, liberta da ameaça francesa, passou a apoia efetivamente as rebeliões de independência na América, que se reiniciaram em 1817 e só terminariam em 1824 com a derrota dos espanhóis e a emancipação de suas colônias americanas. Naquele ano Simon Bolívar desencadeou a campanha militar que culminaria com a libertação da Venezuela, da Colômbia e do Equador e, mais ao sul, José de San Martín promovia a libertação da Argentina, do Chile e do Peru. Em 1822 os dois libertadores encontraram-se em Guayaquil, no Equador, onde San Martín entregou a Bolívar o comando supremo do exército de libertação.

O processo de independência tornou-se irreversível quando, em 1823, os EUA proclamaram a Doutrina Monroe, opondo-se a qualquer tentativa de intervenção militar, imperialista ou colonizadora, da Santa Aliança, no continente americano. Em 1824, os últimos remanescentes do exército espanhol foram definitivamente derrotados pelo general Sucre, lugar-tenente de Bolivar, no interior do Peru, na Batalha de Ayacucho.

Ao norte, a independência do México fora realizada em 1822 pelo general Iturbide, que se sagrou imperador sob o nome de Agustín I. Um ano de pois, foi obrigado a abdicar e, ao tentar retomar o poder, foi executado, adotando o país o regime republicano. Em 1825, após a guerra de independência, apenas as ilhas de Cuba e Porto Rico permaneceram sob o domínio espanhol.

AS CONSEQÜÊNCIAS DA INDEPENDÊNCIA

Em 1826, Bolivar convocou os representantes dos países recém-independentes para participarem da Conferência do Panamá, cujo objetivo era a criação de uma confederação pan-americana. O sonho boliviano de unidade política chocou-se, entretanto, com os interesses das oligarquias locais e com a oposição da Inglaterra e dos Estados Unidos, a quem não interessavam países unidos e fortes. Após o fracasso da Conferência do Panamá, a América Latina fragmentou-se politicamente em quase duas dezenas de pequenos Estados soberanos, governados pelas aristocracia criolla. Outros fatores que interferiram nessa grande divisão política foram o isolamento geográfico das diversas regiões, a compartimentação populacional, a divisão administrativa colonial e a ausência de integração econômica do continente. O pan-americanismo foi vencido pela política do "divida e domine".

"À emancipação e divisão política latino-americana segue-se nova dependência em reação à Inglaterra".

Assim, entre as principais conseqüências do processo de emancipação da América espanhola merecem destaque: a conquista da independência política, a conseqüente divisão política e a persistência da dependência econômica dos novos Estados. O processo de independência propiciou sobretudo a emancipação política, ou seja, uma separação da metrópole através da quebra do pacto colonial.

A independência política não foi acompanhada de uma revolução social ou econômica: as velhas estruturas herdadas do passado colonial sobreviveram à guerra de independência e foram conservadas intactas pelos novos Estados soberanos.

Assim, a divisão política e a manutenção das estruturas coloniais contribuíram para perpetuar a secular dependência econômica latino-americana, agora não mais em relação à Espanha, mas em relação ao capitalismo industrial inglês. As jovens repúblicas latino-americanas, divididas e enfraquecidas, assumiram novamente o duplo papel de fontes fornecedoras de matérias-primas essenciais agora à expansão do industrialismo e de mercados consumidores para as manufaturas produzidas pelo capitalismo inglês.

Fonte: www.velloso.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal