Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  José De San Martín  Voltar

José de San Martín

1778 - 1850

José de San Martín
José de San Martín

Herói de movimentos por independência sul-americano, tal qual Simón Bolívar, nascido em Yapeyú, no vice-reino do Prata, depois cidade de San Martín, província de Corrientes, Argentina, conhecido como o Herói dos Andes, libertador do Chile e do Peru do domínio espanhol. Filho de Juan de San Martín, oficial do Exército espanhol, foi com a família para a Espanha (1784) e estudou no Seminário de Nobres de Madri e iniciou a carreira militar como cadete no regimento de infantaria de Murcia (1789) até alcançar por mérito e façanhas militares, os postos de capitão (1804) e de tenente-coronel de cavalaria (1808).

Depois da batalha de Albuera (1811), foi designado comandante do regimento de dragões de Sagunto, porém não assumiu o posto, preferindo partir para a América do Sul para se reunir com patriotas americanos que defendiam a independência da América, chegando a Buenos Aires (1812), onde lhe foi encomendada a organização de um regimento de granadeiros. Convencido de que a independência das Províncias Unidas do Rio da Prata não seria possível enquanto o os realistas controlassem o Peru, concebeu o plano de chegar a terras peruanas por mar, através do Chile.

Com o apoio de Bernardo O'Higgins, comandante das tropas chilenas, que se havia refugiado em Mendoza depois de derrotado pelos realistas na batalha de Rancágua (1814), defendeu a independência das províncias unidas da América do Sul e foi designado pelo governo de Buenos Aires general-em-chefe do Exército andino (1816). Cruzou com suas tropas a cordilheira dos Andes através do pico do Aconcágua (1817) e derrotou os realistas em Casas de Chacabuco, vitória que lhe abriu o caminho até Santiago, onde lhe foi oferecido o cargo de dirigente supremo do Chile, que declinou em favor de O'Higgins. Depois da vitória na batalha de Maipú (1818), que consolidou a independência chilena, preparou-se para a batalha definitiva: a captura de Lima.

Com ajuda do governo chileno, organizou uma frota que, sob o comando do almirante escocês Thomas Cochrane, partiu de Valparaíso e desembarcou em Pisco (1820), marchou por terra até Lima, entrou em Lima e proclamou a independência em 28 de julho (1821) e assumiu o governo com o cargo de protetor. No ano seguinte encontrou-se com Simon Bolívar em Guayaquil (1822). na volta à Lima, doente e decepcionado com a crescente oposição a seu governo, renunciou ao cargo de protetor e partiu em exílio voluntário (1824) para a Europa e fixou-se em Bruxelas. Depois de uma curta viagem à América (1828), instalou-se na França e viveu primeiro em Paris e depois em Boulogne-sur-Mer, onde morreu.

Fonte: www.dec.ufcg.edu.br

José de San Martín

José de San Martín
José de San Martín

José de San Martín y Matorras, nasceu na Argentina, em 1778. Era filho de espanhóis e viveu sua infância na Europa. Quando jovem, retornou à Argentina e, em 1816, saiu vitorioso da luta de independência daquele país. Foi um grande estrategista militar.

Em 1818, participou da luta pela independência do atual Chile. Em 1820, San Martín partiu do Chile, juntamente com o marinheiro e aventureiro inglês lorde Cochrane, para libertar o Peru do domínio espanhol. San Martín conseguiu conquistar Lima e tornou-se protetor do Peru (1821), mas ainda estava longe de derrotar os exércitos espanhóis. Ele precisava, na verdade, de apoio externo para vencer definitivamente os espanhóis, que veio de Simón Bolívar.

O encontro daqueles que ficaram conhecidos como os dois grandes libertadores da América espanhola - San Martín e Simón Bolívar - deu-se na cidade de Guaiaquil, em 1822. Até hoje não se sabe o teor da conversa entre os dois, mas, depois desse encontro, San Martín decidiu abandonar o Peru e deixar para Bolívar a tarefa de torná-lo independente.

Após encontrar-se com Simón Bolívar em 1822, San Martín exilou-se na Bélgica e depois na França, onde faleceu em 1850. Defendia a adoção da monarquia constitucionalista.

Fonte: www.historiamais.com

José de San Martín

José de San Martín nasceu a 25 de Fevereiro de 1778 em Yapeyú, na que actualmente é a província argentina de Corrientes, filho de um coronel, governador do departamento local.

Contudo, partiria ainda jovem para Espanha, onde estudou e militou no exército. Aí conheceria outros militares da América do Sul, despertando entre eles os sentimentos de promoção da independência.

Em 1811, renunciaria à carreira militar no exército espanhol, partindo de Inglaterra, em direcção ao Rio de la Plata, onde chegaria a 9 de Março de 1812, e onde se envolveria no movimento independentista americano.

Definiria como estratégia expulsar os espanhóis do território americano, promovendo a independência dos territórios vizinhos.

O governo independente de Buenos Aires encarregá-lo-ia de criar um corpo de combate que, em Fevereiro de 1813, venceriam, em San Lorenzo, as forças realistas, que haviam chegado por mar, com vários navios, desde o porto de Montevideo.

Em Janeiro de 1814, San Martín assumia o comando do Exército do Norte, após a sua derrota no Alto Peru (actual Bolívia).

Após ter conseguido a libertação da Argentina, com a proclamação da independência em 1816, San Martín continuaria a preparar o exército que, no ano seguinte, cruzaria os Andes para libertar o Chile.

Fonte: memoriavirtual.wordpress.com

José de San Martín

José Francisco de San Martín nasceu em Yapeyú, atual Província da Argentina de Corrientes, às margens do caudaloso Rio Uruguai, no dia 25 de Fevereiro de 1778. Em 1786, com 8 anos, viaja à Espanha com sua família, onde estuda primeiro no seminário de Nobres de Madri e, em 1789, começa sua carreira militar no regimento de Murcia, servindo ao exército Espanhol durante as guerras contra os Franceses.

Em 1808, combate na batalha de Baylén(1) contra os exércitos de Napoleão que haviam invadido a Península Ibérica.

No mesmo ano, é iniciado na Loja Integridad Nº 7 de Cádiz e no dia 6 de Maio do mesmo ano recebe o Grau de Mestre Maçom. Dois Irmãos desta loja comoveram o coração de San Martín.

Ao longo da vida sempre deles recordou-se. Primeiramente, o Venerável Mestre Francisco Maria Solano - Marques do Socorro, por sua brilhante personalidade, San Martín era o seu Ajudante de Ordens, na hora da sua morte. Ocorreu que, o povo indignado ao extremo pelo calamitoso estado do reino, levantou-se contra o Venerável Magistrado. Atiraram-no à rua, assassinaram-no e arrastaram o seu cadáver como troféu de vitória. Isto causou grande comoção em San Martín, razão pela qual foi sempre inimigo dos movimentos demagógicos e dos procedimentos dos governos baseados em convulsões sociais.

Com o segundo - o Irmão Alejandro Aguado, desta mesma Loja Integridad Nº 7, San Martin teve também fraternal vínculo; amizade, esta, que teria projeções imensuráveis no longínquo porvir da vida de San Martín. Foi exatamente este amigo que San Martín voltaria a encontrar, já no ocaso de sua vida, na França. Juntos freqüentam a loja de Ivri. Aguado viria nomear San Martín em seu testamento, como tutor de seus filhos menores.

Em sua segunda Loja Caballeros Racionales Nº 3 de Cádiz, à qual se incorpora em 1808 conhece muitas personalidades da emancipação Americana como o Peruano Pablo de Olavide, o primeiro a conceber o ideal da emancipação Americana. Esta loja inicialmente fundada em Madri, frente ao avanço dos franceses, muda-se para Sevilha e depois para Cádiz, tendo sempre contado, entre seus 63 patrióticos membros, com Irmãos colombianos, mexicanos, guatemaltecos, etc.

A Loja Caballeros Racionales teve similares em Madri, Sevilha, Cádiz, Bogotá, Caracas, Filadélfia, México, Buenos Aires, Uruguai, Londres, etc.

Assim, cientes da situação nas Colônias Hispânicas, os Americanos decidem retornar a seus países de origem para iniciar a luta da emancipação que estava por começar.

Em 1811 renuncia a sua carreira militar na Espanha e viaja à Londres onde obtém a ajuda de um dos chefes do exército inglês, Sir Charles Stuart. Consegue, assim, um passaporte e cartas de recomendação para Lord Mac Duff que havia pertencido à loja fundada em Londres pelo insigne precursor Francisco de Miranda.(2)

Durante os quatro meses em que permaneceu em Londres, San Martín funda com seus amigos a loja Caballeros Racionales Nº 7, cujo primeiro Venerável foi Carlos de Alvear e contou com Holmberg, Zapiola, Manuel Moreno - irmão de Mariano Moreno(3) - e os Venezuelanos Luís Lopes Mendes, Andrés Bolo e o Marques do Apartado. Nesta loja, San Martín ascende ao 5º Grau.

Em Londres, com a ajuda de Lord Mc Duff, arma a fragata George Canning em janeiro de 1812, que chega em 9 de Março de 1812 ao Rio da Prata trazendo diversos militares de carreira: além dele mesmo, Tenente Coronel de Cavalaria José Francisco de San Martín, vieram ainda o Alferes de Carabineiros Carlos de Alvear, o Capitão de Cavalaria Francisco de Vera, o Alferes de Navio Martín Zapiola, o Capitão de Milícias Francisco de Chilavert, o Subtenente de Infantaria Antônio Aroano e o Tenente das Guardias Walonas, Barão de Holmberg.

O governo independente de Buenos Aires aceita os serviços de San Martín, reconhece a sua patente de Tenente Coronel e dá-lhe a tarefa de formar um Corpo de Combate que, mais tarde, seria o glorioso Regimento de Granadeiros à Cavalo. Em 1812 casa-se com Maria dos Remédios de Escalada, oriunda de uma distinguida família.

Continuando com o seu trabalho, entra em contato com o Venerável Mestre da Loja Independência. Em Junho de 1812, San Martin já havia filiado a totalidade dos que tinham vindo na fragata George Canning, e fundado uma nova Loja, denominado-a Caballeros Racionales Nº 8 e não Lautaro, denominação que só receberia em 1815; o seu lema foi União Força e Virtude.

Os requerimentos para afiliar-se a essa loja era: ser Americano, jurar lutar pela independência e de trabalhar pela instauração do sistema republicano. Alem do mais, como expressão de Fé democrática, estes Irmãos juramentados afirmavam que não reconheceriam governo legítimo na América, senão aquele que nascesse da vontade dos povos.

Vemos assim que, ao ver a falta de representatividade do Primeiro Triunvirato, no dia 8 de Outubro de 1812, exigem uma mudança de governo e forma-se o 2º Triunvirato integrado por Juan José Paso, Rodrigues Peña e Alvarez Jonte, todos irmãos da Ordem, cujo primeiro ato de governo foi convocar à Assembléia do Ano XIII, em 1813.

San Martín e Alvear foram os árbitros desta Loja e esta, por sua vez, do destino da Pátria. Dos 55 Membros, 3 pertenciam ao Poder Executivo, 28 eram representantes da Assembléia Geral Constituinte, 13 eram partidários de San Martín e 24 de Alvear.

Em 3 de Fevereiro de 1813, os Granadeiros à Cavalo vencem, no combate, de San Lorenzo, as forças realista Espanholas que chegaram em varias naus procedentes do porto de Montevidéu.

Em janeiro de 1814, San Martín assume o comando do exército do Norte, das mãos de Belgrano (4) que regressava, derrotado do Alto Peru, hoje a República de Bolívia,. Ambos se encontram na Posta de Yatasto. A partir de então, os dois patriotas estabelecem uma grande amizade.

Decorrido pouco tempo de estar em Tucumán, San Martín percebe que era impossível chegar à Lima - nesse momento o centro do poder realista - pelo caminho terrestre do Alto Peru. Foi então que o Coronel concebeu a idéia, que, no futuro realizaria com sucesso, de cruzar a Cordilheira dos Andes e atacar a Cidade dos Vice-reis, pelo mar.

Una luta sorrateira originada pelas ambições de Alvear no decorrer de 1815, leva a Loja a um estado de dissolução, mas San Martín a reorganiza e a chama de Lautaro, não como homenagem ao índio Lautaro (5), mas sim como uma expressão Maçônica que resultou numa expedição ao Chile.

Uma doença o obriga a pedir uma licença, mas San Martin é nomeado Governador de Cujo e, assim, parte para Mendoza. Ao pé da Cordilheira, onde se restabelece e começa a preparar o exército para cruzar os Andes.

Em todas as partes onde passava (Mendoza, Córdoba, Santa Fé, Chile, Peru), sempre organizava sociedades secretas. Todas elas eram denominadas Lautaro e mantinham, entre si, uma ativa coordenação e cooperação.

Em 1816, envia delegados à província de Cujo, para participarem do congresso que se reunia em Tucumán com ordens expressas de insistir na Declaração da Independência. A Declaração da Independência da Espanha foi aclamada em 9 de Julho deste mesmo ano.

De Mendoza San Martin, prepara, com escassos meios, um exército. Todo o povo contribui com seu trabalho e com seus bens para realizar a perigosa expedição. Insiste frente ao governo de Buenos Aires para que autorize suas tropas a cruzar a Cordilheira.


Em Janeiro de 1817, começa o avanço do exército. Aproximadamente 4000 homens, Cavalaria, Artilharia de Campanha e provisões para um mês, cruzaram a Cordilheira dos Andes divididas em duas colunas, uma pela passagem de Os Patos e outra pela de Uspallata. As colunas iriam confluir em Santa Rosa dos Andes.

Em 12 de fevereiro de 1817, poucos dias depois da passagem pela Cordilheira, o exército dos Andes vence os realistas na Batalha de Chacabuco. Poucos dias depois, o Libertador entra na cidade de Santiago. O Cabildo (6) reuniu-se no dia 18 e nomeou San Martín como Diretor Supremo, que renunciou à honra, tendo sido, então, eleito para o cargo o general Bernardo O´Higgins (7) .

Nos primeiros dias de 1818, entre tanto, um exército realista desembarca no Peru, e avança sobre a Capital do Chile. A 19 de Março, num ataque noturno, os realistas derrotaram os patriotas na Batalha de Cancharrayada, resultando ferido O´Higgins.

O exército unido Argentino-Chileno se refez e, em 5 de Abril derrotou completamente os realistas na Batalha de Maipú, pondo fim aos esforços Hispânicos de retomar o País.

Estava assim aberto o caminho em direção à Lima pelo mar, Mas era necessário criar uma frota que ainda não existia. Com alguns barcos capturados ao inimigo e outros comprados aos Estados Unidos e Inglaterra, cria-se a Marinha Chilena que esteve sob o comando de Blanco Encalada (8) e, depois, do almirante inglês Lord Cochrane (9), ambos membros da Loja Lautaro de Chile.

A 20 de agosto de 1820, parte o exército expedicionário Argentino-Chileno do porto de Valparaíso ao Peru.

No mês de Julho de 1821, San Martín entra triunfante em Lima, proclamando a Independência, é sendo cognominado Protetor do Peru e designado para exercer o governo.

Em 26 de julho de 1822 San Martín encontra Simón Bolívar na cidade de Guayaquil - hoje Equador - e os dos Libertadores Sul-Americanos do Norte e do Sul, conferenciam em secreto por mais de quatro horas. San Martín regressa a Lima na mesma noite.

Em 20 de setembro desse ano reúne-se em Lima o primeiro Congresso do Peru. San Martín renuncia ao cargo, e no mesmo dia embarca para o Chile. Meses mais tarde retorna a Mendoza.

Em 3 de agosto de 1823 morre sua esposa em Buenos Aires. Em 10 de fevereiro de 1824, desgosta-se com a Guerra Civil em que estavam envolvidas as Províncias Unidas do Rio da Prata, embarca para França com sua filha Mercedes. Na Europa educa sua filha e escreve as Máximas para sua filha, que em definitivo, na verdade, um resumo de sua filosofia de vida.

Reside na Europa onde desenvolve uma intensa vida Maçônica até sua morte, em 17 de Agosto de 1850, na cidade de Boulogne Sur Mer, na França

Notas:

(1) Em 1808, Napoleão invadiu a Espanha para colocar seu Irmão José no trono. A Batalha de Baylén, travada em 19 de Julho do mesmo ano, entre os exércitos espanhol, comandado pelo General Xavier de Castaños, e francês, comandados pelo Conde Dupont de l´Etang, terminou com a capitulação dos franceses e deu grande estímulo aos espanhóis na resistência ao invasor francês, que se prolongaria até a vitória em 1813, ajudados pelos britânicos. Muitos sul-americanos lutaram pelos espanhóis, sendo inevitável que se entusiasmassem igualmente pela causa da liberdade em seus próprios países de origem, ameaçada pelo próprio Rei que eles haviam ajudado a recuperar o trono, Fernando VII, infelizmente um reacionário de carteira assinada. A não ser por um breve intervalo, depois de uma revolução liberal em 1820. Fernando reimplantaria um absolutismo estúpido e repressor na Espanha até sua morte, em 1833 - ironicamente ajudado por tropas francesas.

(2) Francisco de Miranda (1750 - 1816) patriota venezuelano conhecido como o Precursor, luto por mais de uma década pela independência das colônias espanholas da América. Chegou a chefiar o governo após a proclamação da independência da Venezuela, em 5 de julho de 1811. As rivalidades regionais e à lealdade à coroa espanhola de ainda boa parte da população, associaram-se as conseqüências do terrível terremoto de 1812, quase que limitado às regiões insurgentes, que foi apresentado pelo clero como castigo divino aos rebeldes. Miranda acabou preso e deportado para Espanha, vindo a morrer em uma prisão de Cadiz.

(3) Mariano Moreno (1778-1811), patriota argentino, depois de haver publicado uma representação em defesa do livre comercio e dos interesses rurais argentinos, participou abertamente da revolta de maio de 1810. Foi secretario da primeira junta revolucionária. Em Buenos Aires, criou a Escola de Matemáticas e a Biblioteca Publica. Designado ministro plenipotenciário para Londres, faleceu no viagem.

(4) Manuel Joaquin del Córazon de Jusús Belgrano (1770-1820) fez seus estudos na Espanha, nas universidades de Salamanca e Valladolid. Lutou contra a invasão inglesa de Buenos Aires, foi um dos fundadores da Sociedade Patriótica, Literária y Econômica. Muito ativo na revolução de maio de 1810, chefiou os exércitos de libertação do Paraguai e da Bolívia (então Alto Peru), indo a Europa para tentar o reconhecimento das Províncias Unidas do Prata

(5) Lautaro foi um indígena araucano, do Chile, que liderou uma violenta reação contra a conquista e a escravização pelos espanhóis no século XVI. A rebelião, que impediria o desdobramento dos colonizadores espanhóis para o sul até o século XIX, foi celebrada pelo soldado poeta Alonso de Ercilla y Zuñiga em La Araucana (1569).

(6) Os Cabildos eram o equivalente das câmaras municipais, na administração colonial espanhola, representando principalmente os interesses da oligarquia agrícola e dos comerciantes.

(7) Bernardo O´Higgins Riquelme (1776-1842), filho natural do governador colonial do Chile e vice-rei do Peru, foi o Libertador de Chile. Ao fazer seus estudos na Inglaterra, foi influenciado por Francisco Miranda. Lutou ao lado de San Martin com o Exército dos Andes, na decisiva Batalha de Maipú. Governou o Chile de forma autoritária de 1818 a 1823, mas procurou diminuir a intolerância religiosa. Abdicou do poder para evitar uma conflagração civil e passou a viver no Peru.

(8) Thomas Cochrane, Conde de Dundonald (1755-1860), destacou-se como oficial de marinha por sua coragem e audácia contra a marinha de Napoleão e como político radical no Parlamento Britânico. Acabou envolvido em um escândalo na Bolsa e demitido do Parlamento e da Marinha Real. Voltou à carreira naval, destacando-se nas lutas pela independência do Chile e do Brasil, onde recebeu o título de Marques do Maranhão . Em 1832, seria reintegrado na Royal Navy.

(9) Simón Bolívar (1783-1830), o libertador de Venezuela, Colômbia, Equador e Bolívia, nasceu e foi educado em Caracas, mas foi na Europa que aprofundou-se nas teorias de Rousseau, Montesquieu, e Voltaire. Influenciado pelo encontro com o cientista alemão Alexandre von Humboldt, que se declara convencido da independência inevitável das colônias hispânicas, Bolívar juro em Roma (1807) dedicar sua vida a essa causa. A partir de 1807 , com muita determinação, enfrenta muitas adversidades, até o triunfo final, na Batalha de Carabobo, em 1821. Mas os desgostos políticos abreviariam a sua vida, tendo seu sonho, a Grande Colômbia, fragmentado-se em países independentes.

Máximas do General San Martín para a educação de sua filha Mercedes Tomasa

• Humanizar o caráter e fazê-lo sensível até com os insetos que não prejudicam. Stern disse ao abrir a janela, a uma mosca para que saísse: "Voa pobre animal, o mundo é muito grande para nós dois".
• Inspirá-la no amor à verdade, e no ódio à mentira.
• Inspirá-la a uma grande confiança e amizade mas, unindo-a ao respeito.
• Estimular em Mercedes a caridade com os pobres.
• Respeito sobre a propriedade alheia.
• Acostumá-la a guardar um segredo.
• Inspirá-la nos sentimentos de tolerância para com todas as religiões.
• Doçura com os desprovidos, os pobres e os velhos.
• Que fale pouco e o necessário.
• Acostumá-la a estar formalmente à mesa.
• Amor ao asseio e desprezo ao luxo.
• Inspirá-la no amor pela Pátria e pela liberdade.

Testamento do Libertador

General Dom José de San Martín
(Transcrição textual - "El sabre do General San Martín", Instituto Nacional Sanmartiniano)

Paris, 23 de janeiro de 1844

Em nome de Deus todo Poderoso a quem conheço como Fazedor do Universo: Digo eu José de San Martín, Generalíssimo da República do Peru, e Fundador de sua liberdade, Capitão General do Chile e Brigadeiro General da Confederação Argentina, em vista do precário estado da minha saúde, declaro pelo presente Testamento o seguinte:

1º- Deixo como minha absoluta Herdeira dos meus bens, havidos e por haver a minha única Filha, Mercedes de San Martín atualmente casada com Mariano Balcarce.

2°- É minha expressa vontade que minha Filha subministre a minha Irmã Maria Elena, uma pensão de Mil francos anuais, e a seu falecimento, se continue pagando a sua filha Petronila, uma quantia de 250 até sua morte, sem que para assegurar esta dádiva que faço a minha irmã e Sobrinha, sejam necessárias outras hipotecas e que a confiança que me assiste de que minha filha e seus herdeiros cumprirão religiosamente, esta minha vontade.

3°- O Sabre que tem me acompanhado em toda a Guerra da Independência da América do Sul, seja entregue ao General da República Argentina Dom Juan Manuel de Rosas, como uma prova de satisfação que como Argentino tenho tido ao ver a firmeza com que tem sustentado a honra da República contra as injustas pretensões dos estrangeiros que tratam de humilhá-la.

- Proíbo que se faça qualquer tipo de funeral, e que. desde o lugar em que venha a falecer me conduzirão diretamente ao cemitério sem nenhum acompanhamento, mas sim desejaria que meu coração fosse depositado no cemitério de Buenos Aires.

- Declaro não dever nem ter jamais devido nada, a ninguém.

6°- Ainda que é verdade que todos meus anseios não tem tido outro objeto que o do bem estar de minha Filha amada, devo confessar, que a honrada conduta desta, e o constante carinho e esmero que sempre ela tem manifestado para comigo, tem recompensado com usura, todos meus esmeros fazendo minha velhice feliz. Eu rogo continue com o mesmo cuidado e contração a educação de suas filhas (às quais abraço com todo meu coração) se é que pôr sua vez quiser ter a mesma feliz sorte que eu tenho tido; igual encargo faço a seu esposo, cuja honradez, e homem de bem não desmentiu a opinião que havia formado dele, o que me garantirá que continuará fazendo a felicidade de minha filha e netas.

7°- Qualquer outro Testamento ou disposição anterior ao presente fica nulo e sem nenhum valor.

Feito em Paris aos vinte e três de Janeiro do ano de mil oitocentos quarenta e quatro e escrito tudo do meu punho e letra.

Fonte: www.sanmartin.sejalivre.org

voltar 12avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal