Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Bandeira da Índia  Voltar

Bandeira da Índia

A Bandeira Nacional da Índia, conhecida localmente como Tiranga ou tricolor, foi escolhida como a bandeira do país durante um encontro da Assembléia Constituinte realizada no dia 22 de julho de 1947, pouco antes da independência da Índia em 15 de agosto do mesmo ano.

A bandeira é um tricolor horizontal, com a cor laranja no topo, branco no meio e verde na parte inferior. No centro está uma roda azul marinha com 24 raios, conhecida como a Ashoka Chakra, retirada do pilar de Ashoka em Sarnath. O diâmetro deste Chakra é 3/4 da altura da faixa branca. A proporção da altura da bandeira para sua largura é de 2:3. A bandeira também é a bandeira de guerra do Exército Indiano, içada diariamente nas instalações militares.

A bandeira nacional indiana foi desenhada por Pingali Venkayya. As especificações oficiais da bandeira requerem que ela seja feita somente de "khadi", um tipo especial de estame feito à mão.

Bandeira da Índia
Bandeira da Índia

Simbolismo

O Congresso Nacional Indiano, o maior partido político da Índia antes da independência, adotou uma bandeira branca, verde e vermelha como sua bandeira não-oficial em 1921. O vermelho inicialmente era relacionado ao hinduísmo, o verde pelo islamismo e o branco por outras religiões minoritárias. Porém alguns acreditam que o branco também formava uma espécie de pára-choque de paz entre as duas comunidades, como na bandeira da Irlanda. Em 1931, o partido adotou uma outra bandeira com as cores laranja, branco e verde, com um chakra no centro, como sua bandeira oficial. Já para esta bandeira não foi atribuído nenhum significado religioso.

Bandeira da Índia
O Chakra ou roda: Spinning Ashoka Chakra representa a roda eterna da lei

Poucos dias antes da Índia tornar-se um país independente em agosto de 1947, a Assembléia Constituinte decidiu que a bandeira do Congresso Nacional Indiano deveria ser adotada como a bandeira nacional da Índia com pequenas modificações, para torná-la aceitável a todos partidos e comunidades.

Mas já a que a bandeira anterior possuía conotações religiosas, Sarvapalli Radhakrishnan, que mais tarde tornaria-se o primeiro vice-presidente do país, deixou claro que a bandeira adotada não possuía nenhuma dessas conotações e descreveu seu significado da seguinte maneira:

"Bhagwa ou cor de laranja denota renúncia ou desinteresse. Nossos líderes devem ser indiferentes aos ganhos materiais e devem se dedicar ao seu trabalho. O branco no centro é leve, o caminho da verdade para guiar nossa conduta. O verde mostra nossa relação ao solo, nossa relação com a vida das plantas aqui, da qual toda a vida depende. A roda Ashoka no centro do branco é a bandeira da lei do dharma. Verdade, ou satya, dharma ou virtude deve ser o princípio que controla aqueles que trabalham sob esta bandeira. Novamente, a roda denota movimento. Há morte na estagnação. Há vida no movimento. A Índia não deverá resistir mais à mudança, deve mover-se e seguir em frente. A roda representa o dinamismo de uma mudança calma."

Uma interpretação não-oficial muito popular da bandeira é a que a cor laranja representa a pureza e espiritualidade, branco para paz e verdade e verde para fertilidade e prosperidade.

História

No início do século XX, enquanto o movimento pela independência da Índia, que buscava livrar o país da dominação britânica, sentiu-se a necessidade para uma bandeira nacional que servisse como símbolo destas aspirações. Em 1904, Margaret Elizabeth Noble (Irmã Nivedita), uma discípula irlandesa de Swami Vivekananda, veio com a primeira bandeira da Índia, que mais tarde seria conhecida por "bandeira da Irmã Nivedita". Era uma bandeira vermelha em formato de quadrado com interior amarelo; continha no centro um raio (Vajra Chinha) com um lótus branco ao lado. As palavras (Vande Mataram, que significa "aclame sua pátria") estavam escritas na bandeira, em bengali. A cor vermelha representava a luta pela liberdade, o amarelo, a vitória e o lótus branco a puridade.

Bandeira da Índia
A bandeira de Calcutá

O primeiro tricolor foi desfraldado em 7 de agosto de 1906, durante um protesto contra a partição de Bengala, por Schindra Prasad Bose na Praça Parsi Bagan em Calcutá. Esta bandeira passou a ser conhecida como "bandeira de Calcutá". A bandeira tinha três faixas horizontais de largura igual com a superior laranja, a do centro amarela e a inferior verde. Possuía oito flores de lótus meio-abertas na faixa superior e uma imagem do Sol e uma Lua crescente na faixa inferior. As palabras "Vande Mataram" foram escritas no centro, na escrita devanagari.

Bandeira da Índia
A bandeira feita por Madame Cama em 1907

Em 22 de agosto de 1907, Madame Cama apresentou outra bandeira tricolor em Stuttgart, Alemanha. Esta possuía verde no topo, laranja no centro e vermelho na parte de baixo, o verde para o islã, o laranja para ambos hinduísmo e budismo e o vermelho para o sikhismo. A bandeira tinha oito lótus numa linha na faixa verde representando as oito províncias da Índia britânica. As palavras "Vande Mataram" estavam novamente presentes na faixa central. Na faixa inferior, na esquerda estava uma lua crescente e à direita um sol. Junto de Madame Cama, a bandeira foi feita também com Veer Savarkar e Shyamji Krishna Varma. Após o início da Primeira Guerra Mundial, esta bandeira ficou conhecida como a "bandeira do Comitê de Berlim" após ser adotada pelos revolucionários indianos no Comitê de Berlim. Esta bandeira também foi muito usada na Mesopotâmia durante a 1ª Guerra. A bandeira do partido Ghadar também foi usada nos Estados Unidos como símbolo para a Índia por um curto período de tempo.

Bandeira da Índia
A bandeira usada durante o movimento por um governo próprio indiano em 1917

Bal Gangadhar Tilak e Annie Besant, principais representantes do movimento pela instalação de um governo próprio na Índia (com o propósito de torná-la um país do Commonwealth) adotaram uma nova bandeira que era composta de cinco faixas horizontais vermelhas e quatro verdes. No canto superior esquerdo estava a bandeira do Reino Unido para simbolizar o status de dominion que o movimento buscava. Uma lua crescente e uma estrela, ambas em branco, localizam-se na parte direita. Sete estrelas brancas estão organizadas como na constelação Saptarishi (a Ursa Maior), que é sagrada para os hindus. Esta bandeira não foi popular entre as massas, principalmente porque havia um grande desgosto presença da bandeira britânica.

Bandeira da Índia
A bandeira adotada de maneira não-oficial em 1921

Um ano antes, em 1916, Pingali Venkayya, de Machilipatnam (hoje em dia no Estado de Andhra Pradesh) tentou inventar uma nova bandeira nacional comum. Seus empenhos foram percebidos por Umar Sobani e SB Bomanji, que juntos formaram a "Missão por uma Bandeira Nacional Indiana". Quando Venkayya buscou a aprovação de Mahatma Gandhi pela bandeira, Gandhi sugeriu a incorporação da "Charka" ou roda que gira na bandeira, simbolizando "a incorporção da Índia e a redenção de todas suas doenças". A modesta roda acabou tornando-se um símbolo sagrado da regeneração econômica da Índia sobre o campeonato de Gandhi. Pingali Venkayya veio com uma bandeira com o charkha em um fundo vermelho e verde. No entanto, Gandhi achou que a bandeira não representava todas as religiões da Índia.

Atendendo às preocupações de Mahatma Gandhi, outra nova bandeira foi produzida. Este tricolor trazia uma faixa de cor branca no topo, verde no centro e vermelho na parte de baixo, simbolizando as religiões minoritárias, os muçulmanos e os hindus respectivamente, com um charkha desenhado através das três faixas. Alguns consideraram a bandeira muito parecida com a da Irlanda, símbolo de outra grande luta contra o Império Britânico. Esta bandeira foi exibida pela primeira vez num encontro do Partido Congressista em Ahmedabad. Apesar da bandeira não ter sido adotada como bandeira oficial do partido do Congresso Nacional Indiano, foi muito usada como símbolo do movimento pela libertação.

Brasão de Armas da Índia

Bandeira da Índia
Brasão de Armas da Índia

O brasão de armas de um país é um símbolo de que o país usa para si.

O brasão de armas da Índia é o símbolo da Índia , formalmente chamado de "emblema nacional".

Ele tem quatro indianos leões de pé em um círculo.

A idéia para este brasão de armas foi retirado da Capital Leão Sarnath que foi construído por um imperador indiano chamado Ashoka.

É um pilar na cidade chamado Sarnath.

Ashoka construiu em torno de 250 aC com uma única peça de arenito polido.

O símbolo é invariavelmente usado em todos os tipos de notas e moedas da Índia.

Na visão bidimensional deste símbolo, só se pode ver três leões, de frente para a esquerda e em linha reta.

O quarto permanece escondido atrás dos três.

Os leões representam a realeza e orgulho.

A roda debaixo dos leões é chamado de Ashoka Chakra ou Dharmachakra vem do Budismo, que representa a verdade ea honestidade.

O cavalo eo touro, provavelmente, representam a força (mental) do povo da Índia.

Há quatro Chakras Ashoka no total em todo o emblema e dois cavalos e touros cada.

O versículo escrito abaixo, Satyamev Jayate é muito popular e reverenciado dizendo no antigo idioma sânscrito.

Ela pode ser dividida em três palavras foneticamente - Satyam, que significa verdade, Ev ou AEV, isto é, apenas e Jayate que significa vitórias ou ganhou.

O versículo inteiro pode ser traduzido como: "Só (aquele que fala) a verdade vai ganhar ou vitórias."

Este versículo descreve o poder da honestidade e da verdade na sociedade e religião.

Você pode mentir para seus amigos, familiares, até mesmo Deus o seu, mas você não pode mentir para si mesmo. Sua consciência será sempre manchada.

O verso também pode ser traduzido como "(No final) Só a verdade vai vencer". O que significa que, mesmo depois de todas as mentiras e enganos com que temos sido enganados, a verdade vai finalmente sair vitorioso.

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal