Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Indonésia  Voltar

Indonésia

 

INDONÉSIA, ARQUIPÉLAGO INFINITO

Grandiosos museus, delicadas mesquitas e majestosos templos, símbolo da grande tradição cultural e religiosa, paisagens infinitas de um verde vivo que embeleza, e quilometros e quilometros de praias de águas cristalinas, são tão somente alguns dos atrativos que cativam ano após ano, a milhares de turistas procedentes de todo o mundo.

Tanto Jakarta, a capital e principal centro comercial, como qualquer das ilhas que conformam o arquipélago "infinito", como Java, Bali As Molucas ou Sulawesi, são um autêntico paraíso tropical, lugares privilegiados, onde não tem tempo para o tédio e para o aborrecimento. Para os amantes da comida, a diversão e o sol, encontram-se por todo o país, uma rica e variada gama de deliciosos pratos para todos os gostos e para todos os bolsos, assim como, preciosas praias, onde acomodar o corpo e desfrutar do descanso.

Indonésia, o maior estado insular do mundo, tem sabido conciliar em seu interior a tradição e a modernidade, sem provocar conflitos. De sua população pode-se dizer, sem dúvidas, um ápice, que são de o mais abertas, acolhedoras e providas de um singular sentido do humor. São eles que fazem da Indonésia uma experiência inesquecível.

Indonésia, arquipélago infinito, capricha assim, como uma imenso leque, onde a possibilidade volta-se à realidade.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

A República da Indonésia ocupa a maior parte do vasto arquipélago situado entre o sudeste do continente asiático e o continente insular de Austrália. Indonésia está banhada pelo Oceano Índico, o Pacífico e pelos mares de Chinesa Meridional, Java, Flores, Banda, Ceram, Noluca, Célebes, Timor e de Arafura. Tem fronteiras terrestres com Malásia (na Ilha de Borneo) e com Papúa Nova Guiné e fronteiras marítimas com Austrália, Filipinas e Malásia.

O território compreende umas 13.700 ilhas, distribuidas em quase dois milhões de quilometros quadrados de superfície total. As mais destacadas são as de Sumatra, Java, Sulawesi (Célebes), Iriam Jaya e Kalimantan, na Ilha de Borne os que constituem quase 90% do área total da república.

O restos das ilhas bem podem serem classificadas em dois grupos: as Ilhas Menores da Sonda (Bali, Flores e Timor) e As Molucaso Ilhas das especiarias (Halmahera, Ceram e Buru são as mais importantes, embora a mais conhecida seja Ambon).

As ilhas meridionais constituem a parte emergida de impressionantes cadeias montanhosas, formadas no mesmo período alpino-himalaio. Na atualidade, ditos plegamentos se manifiestam mas cadeias montanhosas, alcançando alturas importantes, que ocupam a parte meridional de Sumatra, todas as ilhas da Sonda, boa parte de Borneo, as Molucas e as Célebes.

As ilhas diferem entre si não somente em tamanho, mas também em relevo, quando todas elas, a exceção das menores (como já temos anotado), tem alturas consideráveis, e em muitas de suas áreas, prossegue a atividade vulcânica, muito especialmente nas centenas de vulcões, que hoje em dia se mantém ativos.

Existem diferenças geográficas básicas entre ilhas como Sumatra, Java, Iriam e Borneo, que levantam-se sobre rochas e as ilhas como Sulawesi, As Molucas e as ilhotas da Sonda, que surgem abruptamente da profundeza dos mares. Assim, ao longo da costa meridional de Sumatra e o flanco setentrional de Iriam Jaya surgem, de maneira contínua, cadeias montanhosas e de grande altura, a partir das mesmas margens do mar. Na mudança, suas costas, que estão situadas na parte oposta, são baixas e estão bordeadas de amplas extensões de marismas. Pelo contrário, a ilha de Sulawesi é montanhosa e escassa em terras baixas.

Parecidas condições, embora em menor escala, se repetem na maioria das ilhas menores da Sonda e nas Molucas.

Java se distingue, porque as marismas ao longo de sua costa setentrional cobrem somente uma estreita parte, ao tempo que suas montanhas interiores não formam uma cordilheira contínua, que estão constituídas por uma série de grandes, comos vulcões separados entre si, em sua maior parte, por um terreno que descende suavemente, e é relativamente baixo.

FLORA E FAUNA

Com um clima tão quente como o da Indonésia, em quase todas as zonas cresce abundantemente a vegetação. O país conta com uma excepcional diversidade de plantas e defeitos, os Jardins Botânicos de Bogor, são famosos em todo o mundo. Entre os arbustos importantes encontra-se o bambú e a árvore de teca, sem esquecer as abundantes e variadas árvores frutíferas, como a banana e a manga.

Ao longo da franja costeira, a vegetação típica se manifesta em forma de mangues e marismas que, nas terras mais firmes do interior, sendo passagem às selvas tropicais. São estas as que recobrem a maior parte de Sumatra, Borneo, Sulawesi e Iriam Jaya. Em Java central, os bosques naturais vão perdendo densidade a medida que se avançam em direção sudeste, fazendo sua aparição progressivamente as tecas e os eucalíptos. Sobre a maior parte das ilhas menores da Sonda, a vegetação mais abundante é muito similar à que aparece na savana.

No interior do país achará também uma grande variedade de vida animal. Entre os grandes mamíferos pode-se narrar os elefantes, que encontram-se em Sumatra e Borneo os rinocerontes de Java. Porém, o boi selvagem, é a mais conhecida das espécies maiores desta ilha. Tigres, leopardos, numerosas classes de macacos, crocodilos, lagartos e serpentes de todos os tamanhos se repartem por diversas zonas do país.

ARTE E CULTURA

O termo que melhor pode definir a cultura na Indonésia é o sincretismo. Quer dizer, a conciliação na mistura de diversos elementos forasteiros e indígenas.

Partindo desta base, sabe-se que a influência cultural mais antiga, que não é a mais determinante, foi a chinesa, que, embora os contínuos contatos, não consiguindo assentar-se definitivamente. Pelo contrário, a influência indiana foi muito mais significativa, já que o budismo e o hinduismo ficaram refletidos na escrita, na literatura e na construção de templos.

Os indonésios desenvolveram uma trabalhada arte palatina, inspirando-se fundamentalmente, na religião. E assim, entre os séculos VIII e X, construiram em Java, uma série de templos monumentais decorados com cuidadas esculturas e que ainda hoje em dia são capazes de transmitir os conceitos sobre a vida e o sentir religioso deste povo.

Na cultura balinesa a religião e a arte (influênciados pelo hinduismo) tem sido fatores determinantes no seu desenvolvimento e que manifesta-se nos estilos que prevalecem nas construções dos templos e na plástica cultural. É por isso que em Bali predominam as formas primitivas que representam figuras da mitologia indiana. Em contraposição, as talhas de madeira reproduzem imágens da vida cotidiana.

Quanto às obras pictóricas que podem ser vistas em Bali, é preciso assinalar que chama poderosamente a atenção a pintura mitológica, enquanto que o artesanato apresenta-se muito similar ao javanes, no que domina o batique, técnica consistente em colorir tecidos mediante um laborioso sistema artístico, baseado em desenhos antigos.

Além das influências culturais chinesa e indiana que apreciam-se na arte indonésia, também é possível perceber a influência árabe na escrita arábica e sobre tudo, nas formas ornamentais dos objetos de latão e nas armas.

Porém, os fundamentos das culturas dos povos indonésios desenvolveram-se antes de que estas influências alcançassem as ilhas, dai que a tradição artística mais antiga seja manifestada na representação simbólica que os locais fazem dos motivos animísticos e cenas sobre o rítmo vital dos seres humanos.

Em outras zonas do país, como na Ilha Nias, predomina a cultura megalítica do sudeste asiático e, talvez, as figuras dos antepassados são as mais significativas de todas as obras religiosas. Em Sumatra, pelo contrário, a cultura foi promovida pelos bataker do norte e os minang do oeste e suas talhas de madeira estão muito relacionadas com os ritos mágicos. Em Borneo são muito importantes os chamados pilotes Tiweh que, segundo a lenda, eram os condutos através dos quais as almas dos mortos chegavam no além.

Fonte: www.rumbo.com.br

Indonésia

" Todos os ingredientes para um paraíso tropical: o clima, praias arenosas, águas límpidas e povo hospitaleiro."

Indonésia
Indonésia

A República da Indonésia é um grande país localizado entre o sudeste asiático e a Austrália que é composto pelo maior arquipélago do mundo, as Ilhas de Sonda, e ainda a metade ocidental da Nova Guiné.

Tem fronteiras terrestres com a Malásia, em Bornéu, com Timor-Leste, e com a Papua-Nova Guiné; e marítimas com as Filipinas, Malásia, Singapura, Palau, Austrália e com o estado indiano de Andaman e Nicobar. A localização entre dois continentes, a Ásia e a Oceania, faz da Indonésia uma nação transcontinental.

Sua capital é: Jacarta.

É o quarto país mais populoso do mundo e o primeiro entre os países islâmicos.

Diversão

A vida noturna costuma girar em torno dos hotéis, embora, como em quase toda Ásia, abundam os karaoques. E como no país todo, onde o calor aperta, ao cair da noite, as ruas enchem de atividade entre numerosos barracos ambulantes de grande colorido.

Em Jakarta não irá faltar bares ao estilo ocidental, discotecas ou clubes para divertir-se e passar o tempo. Entre estes cabe destacar o Regent Space Palace, o clube noturno maior da Ásia, aonde vão os executivos estrangeiros.

Transportes

Em Jakarta os taxis são frequentes e estão providos de taxímetro, caso contrário é imprescindível negociar o preço antecipado. Os ônibus urbanos, presentes em todas as grandes cidades, cobren trajetos fixos, embora pelo geral estejam lotados e costumem dar muitos e amplos rodeios.

Um dos meios de transporte mais tradicional para trajetos curtos é o triciclo chamado risckshaw ou beak, muito popular em vários países asiáticos. Só encontram-se em centros urbanos, embora cada vez limita-se mais sua circulação pela zona cêntrica das grandes cidades.

Gastronomia

Mais tradicional alimento na Indonésia é o arroz. O povo cozinha ou frita o arroz servindo-o com uma grande variedade de outras comidas. Os indonésios geralmente preparam seus alimentos com leite de coco e óleo e muitas vezes a serve envolvidas por folhas de bananeira ou coqueiros.

Dinheiro

RUPIA é Moeda oficial de vários países entre os quais a Índia, o Paquistão, Sri Lanka e IndonésiaO cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares.Os principais cartões de crédito como American Express, Visa, Mastercard ou Dinners Club, aceita-se nos principais hotéis, centros comerciais e restaurantes de luxo.

Ilha de Java

A ilha de Java é a mais visitada por ter muito o que ver e fazer. As principais cidades como Jakarta, Bandung e Yogyakarta têm exibições regulares das formas artisticas tradicionais interessantes aos visitantes incluindo fantoches do couro do wayang kulit, o ballet de Ramayana e apresentações de música. Esta é também a região para vislumbrar animais selvagens raros, templos, palácios e beleza natural. Aqui você pode ver Krakatau, o famoso vulcão que entrou em erupção em 1893. Perto de Yogyakarta está o maior monumento indonésio, o verdadeiramente temido templo Borobudur. Próximo está o esplendido templo hindu de Prambanan, há o coração cultural de Indonésia e os festivais sobre os anos passados. A maioria dos festivais envolve a música, a dança e contextos esportivos.

Freqüentemente, a música pode durar todo o dia e a noite e os eventos esportivos são variados como corridas de barco, lutas e competição pombas-rola.

Idioma

O idioma oficial é o malayo bahasa.

O inglês se fala com freqüência, como o tamil, língua originária do sul da Índia. Existem, mais dialetos chineses, entre os que destaca o cantonês e o mandarín.

Fonte: www.souturista.com.br

Indonésia

Nome oficial: República da Indonésia (Republik Indonesia).

Nacionalidade: indonésia.

Data nacional: 17 de agosto (Independência).

Capital: Jacarta.

Cidades principais: Jacarta (aglomerado urbano: 11 500 000 em 1995; Cidade: 9 160 500 em 1995); Surabaya (2 743 400), Bandung (2 429 000), Medan (1 942 000), Palembang (1 394 300), Semarang (1 366 500) (1996).

Idioma: indonésio (oficial), línguas regionais (principal: javanês).

Religião: islamismo 87,2%, cristianismo 9,6%, hinduísmo 1,8%, budismo 1%, outras 0,4% (1990).

GEOGRAFIA

Localização: sudeste da Ásia.
Hora local: +11h.
Área: 1 948 732 km2.
Clima: equatorial.
Área de floresta: 1,1 milhão km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 212,1 milhões (2000), sendo javaneses 45%, sundaneses 14%, madureses 8%, malaios litorâneos 8%, outros 25% (1996).
Densidade: 108,84 hab./km2.
População urbana: 39% (1998).
População rural: 61% (1998).
Crescimento demográfico: 1,4% ao ano (1995-2000).
Fecundidade: 2,58 filhos por mulher (1995-2000).
Expectativa de vida M/F: 63/67 anos (1995-2000).
Mortalidade infantil: 48 por mil nascimentos (1995-2000).
Analfabetismo: 13% (2000).
IDH (0-1): 0,670 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista.
Divisão administrativa: 26 províncias (a anexação de Timor Leste, 27ª província, é anulada em outubro de 1999).
Principais partidos: Secretariado Conjunto de Grupos Funcionais (Golkar), do Desenvolvimento Unido (PPP), Democrático Indonésio (PDI), do Despertar Nacional (PKB).
Legislativo: Unicameral - Câmara dos Representantes, com 500 membros (75 representantes das Forças Armadas e 425 eleitos por voto direto) com mandato de 5 anos.
Constituição em vigor: 1945.

ECONOMIA

Moeda: rúpia.
PIB: US$ 94,1 bilhões (1998).
PIB agropecuária: 20% (1998).
PIB indústria: 45% (1998).
PIB serviços: 35% (1998).
Crescimento do PIB: 5,8% ao ano (1990-1998).
Renda per capita: US$ 640 (1998).
Força de trabalho: 98 milhões (1998).
Agricultura: arroz, mandioca, cana-de-açúcar, látex, fruto de palma, café, chá, cacau, tabaco, coco, banana.
Pecuária: bovinos, ovinos, caprinos, suínos, búfalos, aves.
Pesca: 4,4 milhões t (1997).
Mineração: petróleo, gás natural, estanho, cobre.
Indústria: refino de petróleo, têxtil, alimentícia, madeireira, equipamentos de transporte.
Exportações: US$ 48,8 bilhões (1998).
Importações: US$ 27,4 bilhões (1998).
Principais parceiros comerciais: Japão, EUA, Alemanha, Coréia do Sul, Cingapura, Austrália, China.

DEFESA

Efetivo total: 299 mil (1998).
Gastos: US$ 4,9 bilhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

voltar 123avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal