Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Indonésia  Voltar

Indonésia

 

A Indonésia não existia ainda durante o período Paleoceno (70 milhões de anos aC), o período Eoceno (30 milhões de anos aC), o período Oligacene (25 milhões de anos aC) e do período Mioceno (12 milhões de anos aC). Acredita-se que a Indonésia deve ter existido durante o período Pleistoceno (4 milhões de anos aC), quando foi ligada com o continente asiático presente.

Foi durante este período que os Homonids fez sua primeira aparição e Homem de Java habitavam a parte do mundo agora chamado Indonésia. Homem de Java, chamado Pithecanthropos por Eugence Dubois, que encontrou os fósseis na ilha de Java, deve ter sido o primeiro habitante da Indonésia.

História da Indonésia foi moldada por sua posição geográfica, seus recursos naturais, a série de migrações humanas, contatos, economia e comércio, conquistas e política.

Indonésia é um arquipélago de 17.508 ilhas país (6.000 habitado) se estende ao longo do equador no Sudeste Ásia.

A posição do país marítimo pista estratégica promovida entre as ilhas e do comércio internacional, o comércio tem desde então fundamentalmente a forma da história da Indonésia.

A área da Indonésia é habitada por povos de várias migrações, criando uma diversidade de culturas, etnias e idiomas. Acidentes geográficos do arquipélago e do clima influenciou significativamente a agricultura e o comércio, e a formação dos Estados.

Indonésia

Restos fossilizados de Homo erectus e suas ferramentas, popularmente conhecido como o " Homem de Java ", sugere que o arquipélago indonésio foi habitada por pelo menos a 1,5 milhões de anos atrás. Pessoas austronésias , que formam a maioria da população moderna, são pensados para ter sido originalmente de Taiwan e na Indonésia chegou por volta de 2000 aC.

A partir do século 7 dC, o poderoso reino naval de Srivijaya floresceu trazendo influências dos hindus e budistas com ele.

A agricultura budista Sailendra e as dinastias hindus posteriormente prosperaram e cairam no interior de Java. O último reino muçulmano não-significativo, o reino Hindu Majapahit, floresceu a partir do século 13, e sua influência se estendia sobre grande parte da Indonésia.

Os primeiros indícios de populações islamizada na Indonésia remonta ao século 13 no norte de Sumatra; outras áreas da Indonésia gradualmente adotaram o Islã, que se tornou a religião dominante em Java e Sumatra até o final do século 16. Para a maior parte, o Islã sobrepostos e misturados com as atuais influências culturais e religiosas.

Os europeus chegaram na Indonésia a partir do século 16 tentando monopolizar as fontes de valiosas noz-moscada , cravo e pimenta cubeb em Maluku.

Em 1602, os holandeses estabeleceram a holandesa Companhia Oriente India (VOC) e tornou-se a potência dominante Europeia.

Após a falência, o VOC foi formalmente dissolvida em 1800, e o governo da Holanda estabeleceu as Índias Orientais Holandesas como uma colônia nacionalizados.

No início do século 20 o domínio holandês foi estendido para o que viria a se tornar limites atuais da Indonésia. A invasão japonesa e posterior ocupação durante a Segunda Guerra Mundial terminou com o domínio holandês, e incentivou o movimento de independência da Indonésia anteriormente suprimidos.

Dois dias depois da rendição do Japão em agosto de 1945, o líder nacionalista, Sukarno, declarou a independência e foi nomeado presidente. A Holanda tentou restabelecer o seu domínio, mas uma amarga luta armada e diplomática terminou em dezembro de 1949, quando, em face da pressão internacional, o holandês reconheceu formalmente a independência da Indonésia.

Uma tentativa de golpe em 1965 levou a um violento exército liderado expurgo anti-comunista em que mais de meio milhão de pessoas foram mortas. general Suharto politicamente atropelada Presidente Sukarno, e foi formalmente nomeado presidente em março de 1968. Sua administração New Order ganhou o favor do Ocidente cujo investimento na Indonésia foi um fator importante nos próximos três décadas de crescimento econômico substancial.

No final de 1990, no entanto, a Indonésia foi o país mais duramente atingidos pela crise financeira do leste asiático, que levou a protestos populares e renúncia de Suharto em 21 de Maio de 1998.

O Reformasi após a renúncia de Suharto, levou a um fortalecimento dos processos democráticos, incluindo um programa de autonomia regional, a secessão do Timor Leste, ea primeira eleição presidencial direta em 2004.

A instabilidade política e econômica, a agitação social, corrupção, desastres naturais e terrorismo atrasaram o progresso.

Embora as relações entre os diferentes grupos religiosos e étnicos são em grande parte harmoniosa, o descontentamento e violência sectária aguda continuam a ser problemas em algumas áreas.

Fonte: colegiosaofrancisco.com.br

Indonésia

INDONÉSIA, ARQUIPÉLAGO INFINITO

Grandiosos museus, delicadas mesquitas e majestosos templos, símbolo da grande tradição cultural e religiosa, paisagens infinitas de um verde vivo que embeleza, e quilometros e quilometros de praias de águas cristalinas, são tão somente alguns dos atrativos que cativam ano após ano, a milhares de turistas procedentes de todo o mundo.

Tanto Jakarta, a capital e principal centro comercial, como qualquer das ilhas que conformam o arquipélago "infinito", como Java, Bali As Molucas ou Sulawesi, são um autêntico paraíso tropical, lugares privilegiados, onde não tem tempo para o tédio e para o aborrecimento. Para os amantes da comida, a diversão e o sol, encontram-se por todo o país, uma rica e variada gama de deliciosos pratos para todos os gostos e para todos os bolsos, assim como, preciosas praias, onde acomodar o corpo e desfrutar do descanso.

Indonésia, o maior estado insular do mundo, tem sabido conciliar em seu interior a tradição e a modernidade, sem provocar conflitos. De sua população pode-se dizer, sem dúvidas, um ápice, que são de o mais abertas, acolhedoras e providas de um singular sentido do humor. São eles que fazem da Indonésia uma experiência inesquecível.

Indonésia, arquipélago infinito, capricha assim, como uma imenso leque, onde a possibilidade volta-se à realidade.

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

A República da Indonésia ocupa a maior parte do vasto arquipélago situado entre o sudeste do continente asiático e o continente insular de Austrália. Indonésia está banhada pelo Oceano Índico, o Pacífico e pelos mares de Chinesa Meridional, Java, Flores, Banda, Ceram, Noluca, Célebes, Timor e de Arafura. Tem fronteiras terrestres com Malásia (na Ilha de Borneo) e com Papúa Nova Guiné e fronteiras marítimas com Austrália, Filipinas e Malásia.

O território compreende umas 13.700 ilhas, distribuidas em quase dois milhões de quilometros quadrados de superfície total. As mais destacadas são as de Sumatra, Java, Sulawesi (Célebes), Iriam Jaya e Kalimantan, na Ilha de Borne os que constituem quase 90% do área total da república.

O restos das ilhas bem podem serem classificadas em dois grupos: as Ilhas Menores da Sonda (Bali, Flores e Timor) e As Molucaso Ilhas das especiarias (Halmahera, Ceram e Buru são as mais importantes, embora a mais conhecida seja Ambon).

As ilhas meridionais constituem a parte emergida de impressionantes cadeias montanhosas, formadas no mesmo período alpino-himalaio. Na atualidade, ditos plegamentos se manifiestam mas cadeias montanhosas, alcançando alturas importantes, que ocupam a parte meridional de Sumatra, todas as ilhas da Sonda, boa parte de Borneo, as Molucas e as Célebes.

As ilhas diferem entre si não somente em tamanho, mas também em relevo, quando todas elas, a exceção das menores (como já temos anotado), tem alturas consideráveis, e em muitas de suas áreas, prossegue a atividade vulcânica, muito especialmente nas centenas de vulcões, que hoje em dia se mantém ativos.

Existem diferenças geográficas básicas entre ilhas como Sumatra, Java, Iriam e Borneo, que levantam-se sobre rochas e as ilhas como Sulawesi, As Molucas e as ilhotas da Sonda, que surgem abruptamente da profundeza dos mares. Assim, ao longo da costa meridional de Sumatra e o flanco setentrional de Iriam Jaya surgem, de maneira contínua, cadeias montanhosas e de grande altura, a partir das mesmas margens do mar. Na mudança, suas costas, que estão situadas na parte oposta, são baixas e estão bordeadas de amplas extensões de marismas. Pelo contrário, a ilha de Sulawesi é montanhosa e escassa em terras baixas.

Parecidas condições, embora em menor escala, se repetem na maioria das ilhas menores da Sonda e nas Molucas.

Java se distingue, porque as marismas ao longo de sua costa setentrional cobrem somente uma estreita parte, ao tempo que suas montanhas interiores não formam uma cordilheira contínua, que estão constituídas por uma série de grandes, comos vulcões separados entre si, em sua maior parte, por um terreno que descende suavemente, e é relativamente baixo.

FLORA E FAUNA

Com um clima tão quente como o da Indonésia, em quase todas as zonas cresce abundantemente a vegetação. O país conta com uma excepcional diversidade de plantas e defeitos, os Jardins Botânicos de Bogor, são famosos em todo o mundo. Entre os arbustos importantes encontra-se o bambú e a árvore de teca, sem esquecer as abundantes e variadas árvores frutíferas, como a banana e a manga.

Ao longo da franja costeira, a vegetação típica se manifesta em forma de mangues e marismas que, nas terras mais firmes do interior, sendo passagem às selvas tropicais. São estas as que recobrem a maior parte de Sumatra, Borneo, Sulawesi e Iriam Jaya.

Em Java central, os bosques naturais vão perdendo densidade a medida que se avançam em direção sudeste, fazendo sua aparição progressivamente as tecas e os eucalíptos. Sobre a maior parte das ilhas menores da Sonda, a vegetação mais abundante é muito similar à que aparece na savana.

No interior do país achará também uma grande variedade de vida animal. Entre os grandes mamíferos pode-se narrar os elefantes, que encontram-se em Sumatra e Borneo os rinocerontes de Java. Porém, o boi selvagem, é a mais conhecida das espécies maiores desta ilha. Tigres, leopardos, numerosas classes de macacos, crocodilos, lagartos e serpentes de todos os tamanhos se repartem por diversas zonas do país.

ARTE E CULTURA

O termo que melhor pode definir a cultura na Indonésia é o sincretismo. Quer dizer, a conciliação na mistura de diversos elementos forasteiros e indígenas.

Partindo desta base, sabe-se que a influência cultural mais antiga, que não é a mais determinante, foi a chinesa, que, embora os contínuos contatos, não consiguindo assentar-se definitivamente. Pelo contrário, a influência indiana foi muito mais significativa, já que o budismo e o hinduismo ficaram refletidos na escrita, na literatura e na construção de templos.

Os indonésios desenvolveram uma trabalhada arte palatina, inspirando-se fundamentalmente, na religião. E assim, entre os séculos VIII e X, construiram em Java, uma série de templos monumentais decorados com cuidadas esculturas e que ainda hoje em dia são capazes de transmitir os conceitos sobre a vida e o sentir religioso deste povo.

Na cultura balinesa a religião e a arte (influênciados pelo hinduismo) tem sido fatores determinantes no seu desenvolvimento e que manifesta-se nos estilos que prevalecem nas construções dos templos e na plástica cultural. É por isso que em Bali predominam as formas primitivas que representam figuras da mitologia indiana. Em contraposição, as talhas de madeira reproduzem imágens da vida cotidiana.

Quanto às obras pictóricas que podem ser vistas em Bali, é preciso assinalar que chama poderosamente a atenção a pintura mitológica, enquanto que o artesanato apresenta-se muito similar ao javanes, no que domina o batique, técnica consistente em colorir tecidos mediante um laborioso sistema artístico, baseado em desenhos antigos.

Além das influências culturais chinesa e indiana que apreciam-se na arte indonésia, também é possível perceber a influência árabe na escrita arábica e sobre tudo, nas formas ornamentais dos objetos de latão e nas armas.

Porém, os fundamentos das culturas dos povos indonésios desenvolveram-se antes de que estas influências alcançassem as ilhas, dai que a tradição artística mais antiga seja manifestada na representação simbólica que os locais fazem dos motivos animísticos e cenas sobre o rítmo vital dos seres humanos.

Em outras zonas do país, como na Ilha Nias, predomina a cultura megalítica do sudeste asiático e, talvez, as figuras dos antepassados são as mais significativas de todas as obras religiosas. Em Sumatra, pelo contrário, a cultura foi promovida pelos bataker do norte e os minang do oeste e suas talhas de madeira estão muito relacionadas com os ritos mágicos. Em Borneo são muito importantes os chamados pilotes Tiweh que, segundo a lenda, eram os condutos através dos quais as almas dos mortos chegavam no além.

Fonte: www.rumbo.com.br

Indonésia

" Todos os ingredientes para um paraíso tropical: o clima, praias arenosas, águas límpidas e povo hospitaleiro."

Indonésia
Indonésia

República da Indonésia é um grande país localizado entre o sudeste asiático e a Austrália que é composto pelo maior arquipélago do mundo, as Ilhas de Sonda, e ainda a metade ocidental da Nova Guiné.

Tem fronteiras terrestres com a Malásia, em Bornéu, com Timor-Leste, e com a Papua-Nova Guiné; e marítimas com as Filipinas, Malásia, Singapura, Palau, Austrália e com o estado indiano de Andaman e Nicobar. A localização entre dois continentes, a Ásia e a Oceania, faz da Indonésia uma nação transcontinental.

Sua capital é: Jacarta.

É o quarto país mais populoso do mundo e o primeiro entre os países islâmicos.

Diversão

A vida noturna costuma girar em torno dos hotéis, embora, como em quase toda Ásia, abundam os karaoques. E como no país todo, onde o calor aperta, ao cair da noite, as ruas enchem de atividade entre numerosos barracos ambulantes de grande colorido.

Em Jakarta não irá faltar bares ao estilo ocidental, discotecas ou clubes para divertir-se e passar o tempo. Entre estes cabe destacar o Regent Space Palace, o clube noturno maior da Ásia, aonde vão os executivos estrangeiros.

Transportes

Em Jakarta os taxis são frequentes e estão providos de taxímetro, caso contrário é imprescindível negociar o preço antecipado. Os ônibus urbanos, presentes em todas as grandes cidades, cobren trajetos fixos, embora pelo geral estejam lotados e costumem dar muitos e amplos rodeios.

Um dos meios de transporte mais tradicional para trajetos curtos é o triciclo chamado risckshaw ou beak, muito popular em vários países asiáticos. Só encontram-se em centros urbanos, embora cada vez limita-se mais sua circulação pela zona cêntrica das grandes cidades.

Gastronomia

Mais tradicional alimento na Indonésia é o arroz. O povo cozinha ou frita o arroz servindo-o com uma grande variedade de outras comidas. Os indonésios geralmente preparam seus alimentos com leite de coco e óleo e muitas vezes a serve envolvidas por folhas de bananeira ou coqueiros.

Dinheiro

RUPIA é Moeda oficial de vários países entre os quais a Índia, o Paquistão, Sri Lanka e IndonésiaO cambio de moeda pode-se realizar tanto nos bancos como nos escritórios de cambio situados em aeroportos, estações, hotéis e em numerosos lugares.Os principais cartões de crédito como American Express, Visa, Mastercard ou Dinners Club, aceita-se nos principais hotéis, centros comerciais e restaurantes de luxo.

Ilha de Java

A ilha de Java é a mais visitada por ter muito o que ver e fazer. As principais cidades como Jakarta, Bandung e Yogyakarta têm exibições regulares das formas artisticas tradicionais interessantes aos visitantes incluindo fantoches do couro do wayang kulit, o ballet de Ramayana e apresentações de música. Esta é também a região para vislumbrar animais selvagens raros, templos, palácios e beleza natural.

Aqui você pode ver Krakatau, o famoso vulcão que entrou em erupção em 1893. Perto de Yogyakarta está o maior monumento indonésio, o verdadeiramente temido templo Borobudur. Próximo está o esplendido templo hindu de Prambanan, há o coração cultural de Indonésia e os festivais sobre os anos passados. A maioria dos festivais envolve a música, a dança e contextos esportivos.

Freqüentemente, a música pode durar todo o dia e a noite e os eventos esportivos são variados como corridas de barco, lutas e competição pombas-rola.

Idioma

O idioma oficial é o malayo bahasa.

O inglês se fala com freqüência, como o tamil, língua originária do sul da Índia. Existem, mais dialetos chineses, entre os que destaca o cantonês e o mandarín.

Fonte: www.souturista.com.br

Indonésia

Nome oficial: República da Indonésia (Republik Indonesia).
Nacionalidade: indonésia.
Data nacional: 17 de agosto (Independência).
Capital: Jacarta.

Cidades principais: Jacarta (aglomerado urbano: 11 500 000 em 1995; Cidade: 9 160 500 em 1995); Surabaya (2 743 400), Bandung (2 429 000), Medan (1 942 000), Palembang (1 394 300), Semarang (1 366 500) (1996).

Idioma: indonésio (oficial), línguas regionais (principal: javanês).

Religião: islamismo 87,2%, cristianismo 9,6%, hinduísmo 1,8%, budismo 1%, outras 0,4% (1990).

GEOGRAFIA

Localização: sudeste da Ásia. 
Hora local: +11h. 
Área: 1 948 732 km2. 
Clima: equatorial. 
Área de floresta: 1,1 milhão km2 (1995).

POPULAÇÃO

Total: 212,1 milhões (2000), sendo javaneses 45%, sundaneses 14%, madureses 8%, malaios litorâneos 8%, outros 25% (1996). 
Densidade: 108,84 hab./km2. 
População urbana: 39% (1998). 
População rural: 61% (1998).
Crescimento demográfico: 1,4% ao ano (1995-2000). 
Fecundidade: 2,58 filhos por mulher (1995-2000). 
Expectativa de vida M/F: 63/67 anos (1995-2000). 
Mortalidade infantil: 48 por mil nascimentos (1995-2000). 
Analfabetismo: 13% (2000). 
IDH (0-1): 0,670 (1998).

POLÍTICA

Forma de governo: República presidencialista. 
Divisão administrativa: 26 províncias (a anexação de Timor Leste, 27ª província, é anulada em outubro de 1999). 
Principais partidos: Secretariado Conjunto de Grupos Funcionais (Golkar), do Desenvolvimento Unido (PPP), Democrático Indonésio (PDI), do Despertar Nacional (PKB). 
Legislativo: Unicameral - Câmara dos Representantes, com 500 membros (75 representantes das Forças Armadas e 425 eleitos por voto direto) com mandato de 5 anos. 
Constituição em vigor: 1945.

ECONOMIA

Moeda: rúpia. 
PIB: US$ 94,1 bilhões (1998). 
PIB agropecuária: 20% (1998). 
PIB indústria: 45% (1998). 
PIB serviços: 35% (1998). 
Crescimento do PIB: 5,8% ao ano (1990-1998). 
Renda per capita: US$ 640 (1998). 
Força de trabalho: 98 milhões (1998). 
Agricultura: arroz, mandioca, cana-de-açúcar, látex, fruto de palma, café, chá, cacau, tabaco, coco, banana. 
Pecuária: bovinos, ovinos, caprinos, suínos, búfalos, aves. 
Pesca: 4,4 milhões t (1997). 
Mineração: petróleo, gás natural, estanho, cobre. 
Indústria: refino de petróleo, têxtil, alimentícia, madeireira, equipamentos de transporte. 
Exportações: US$ 48,8 bilhões (1998). 
Importações: US$ 27,4 bilhões (1998). 
Principais parceiros comerciais: Japão, EUA, Alemanha, Coréia do Sul, Cingapura, Austrália, China.

DEFESA

Efetivo total: 299 mil (1998). 
Gastos: US$ 4,9 bilhões (1998).

Fonte: www.portalbrasil.net

Indonésia

Indonésia é um país do Sudeste Asiático.

A capital é Jacarta.

A principal religião é o Islamismo (Sunita).

A língua nacional é o Bahasa da Indonésia, a língua principal é o Javanês.

Os Holandeses começaram a colonizar a Indonésia no início do século 17; o Japão ocupou as ilhas de 1942 a 1945. A Indonésia declarou sua independência após a rendição do Japão, mas foram necessários quatro anos de negociações intermitentes, recorrentes hostilidades, e a mediação da ONU antes da Holanda concordar em transferir a soberania em 1949. A primeira eleição parlamentar livre da Indonésia após décadas de regime repressivo teve lugar em 1999.

A Indonésia é agora a terceira-maior democracia do mundo, o maior estado de arquipélago do mundo, e abriga a maior população Muçulmana do mundo.

Os problemas atuais incluem: redução da pobreza, melhoria da educação, prevenção do terrorismo, consolidar a democracia após quatro décadas de autoritarismo, a implementação de reformas economicas e financeiras, a corrupção recorrente, prender os militares e a polícia responsável por violações dos direitos humanos, as alterações climáticas, e controlar a gripe aviária.

Em 2005, a Indonésia alcançou um histórico acordo de paz com os separatistas armados na província de Aceh, que levou à realização de eleições democráticas em Aceh em Dezembro de 2006. A Indonésia continua a enfrentar uma resistência armada de baixa intensidade pelo separatista Movimento da Papua Livre.

Rica em recursos naturais, a República da Indonésia é a maior nação do Sudeste Asiático e a quinta nação mais populosa do mundo. Situada entre os oceanos Pacífico e Índico, ela se estende por uma distância maior do que entre as costas leste e oeste dos Estados Unidos. Uma nação-ilha exuberante com um rico passado cultural, ela está envolvida em um esforço gigantesco para modernizar a sua economia.

A Indonésia já foi famosa por suas especiarias, e foi a fim de encontrar uma rota mais curta para estas "Ilhas das Especiarias" que Colombo e Magalhães zarparam em suas viagens. Começando no início dos 1600s, os Holandeses gradualmente assumiram o controle sobre a área, desenvolvendo-a em uma colônia chamada de Índias Orientais Holandesas.

Em 1949, a colônia ganhou a independência formal como a República da Indonésia. Ela ganhou a Holandesa-mantida Nova Guiné Ocidental, agora Irian Jaya, em 1963. De 1976 a 1999, a ex-colônia Portuguêsa do Timor Leste foi violentamente incorporada à Indonésia.

Terra

A Indonésia é um arquipélago constituído por mais de 13.500 ilhas e ilhotas minúsculas. Mais de 6.000 destas ilhas são habitadas. As ilhas se estendem como uma ponte de degraus de pedras entre o continente Asiático e o continente da Austrália. Montanhas sobem muito e muitas vezes a grandes alturas em muitas das ilhas.

As mais altas destas montanhas, localizadas em Irian Jaya (a parte Indonésia da Nova Guiné), estão permanentemente cobertas de neve. Muitas das montanhas da Indonésia são vulcões ativos ou inativos. Provavelmente o mais famoso vulcão Indonésio seja o Krakatoa em uma ilha no Estreito de Sunda. Em 1883, o Krakatoa entrou em erupção em um dos piores casos da história da atividade vulcânica.

Clima

Porque a Indonésia está sobre ou perto do equador, o seu clima é tropical. As temperaturas são geralmente elevadas, mas variam de acordo com a altura acima do nível do mar. A maioria das grandes cidades - onde 25 por cento de todos os Indonésios vivem agora - estão localizadas ao longo das costas ou nas planícies de várzea.

Aqui o tempo é geralmente muito quente e úmido. Ventos sazonais conhecidos como monções bufam sobre as ilhas, resultando em duas estações principais, uma úmida e uma seca. Pela maior parte da Indonésia, a precipitação é suficiente para fazer a terra verde e rica todo o ano. Mas em algumas das ilhas menores do sudeste, a estação seca é longa e severa. Ali a terra é adequada principalmente para o gado de pasto e o cultivo que exigem pouca umidade.

As Ilhas Sunda Maior

As cinco principais ilhas da Indonésia são Java; Sumatra; Kalimantan, a parte Indonésia de Bornéu; Sulawesi, ex-Célebes; e Irian Jaya, a parte Indonésia da Nova Guiné. As cinco primeiras formam as Ilhas de Sunda Maior, com uma área de cerca de 493.000 milhas quadradas (1.277 mil km quadrados).

Por quase toda a história da Indonésia, Java tem sido a mais importante destas ilhas. Hoje, dois terços das pessoas da Indonésia, cerca de 124 milhões, vivem nesta ilha densamente povoada, que é quase tão grande quanto o Estado de Nova York. Felizmente, os solos do Java são muito férteis, particularmente ao longo da planície costeira do norte, em parte devido às cinzas dos numerosos vulcões da ilha.

A agricultura é o principal meio de suporte para a maioria das pessoas em Java, embora a maior parte da indústria de fabricação da Indonésia esteja encontrada lá, também. Java é também uma fonte de petróleo e gás natural. Jacarta, a capital da Indonésia, está localizada em Java.

Sumatra é a segunda ilha mais importante da Indonésia. Uma longa cadeia de montanhas, o Bukit Barisan, se estende ao longo da costa sudoeste de Sumatra. O interior da ilha é densamente florestado, e a região leste do litoral é coberta por pântanos.

Sumatra tem um grande número de grandes plantações, que produzem borracha, chá, café, tabaco, e óleo de palma. Sumatra é o principal produtor da Indonésia de petróleo e gás natural. Estanho, extraído nas ilhas offshore, e bauxita são outros recursos.

Bornéu é a terceira maior ilha do mundo, e a maior parte dela é território Indonésio, chamado Kalimantan. A porção restante da ilha é constituída de Sarawak e Sabah (partes da Malásia) e da rica em petróleo nação de Brunei.

Muito do Kalimantan é terreno montanhoso e mata quase impenetrável. A maioria da população vive ao longo da costa. Arroz e borracha são os principais produtos agrícolas. Os recursos minerais incluem gás natural, petróleo, níquel, cobre, bauxita, estanho, diamantes, ouro e prata. A silvicultura é uma atividade econômica principal.

Sulawesi (Celebes), a última das Ilhas Sunda Maior, consiste em quatro penínsulas montanhosas. Porque o terreno acidentado divide os ilhéus em uma seção daqueles em outra, a população de mais de 10 milhões consiste principalmente de pequenos grupos de pessoas com diferentes línguas, costumes e crenças religiosas.

Os principais produtos da ilha são o arroz, o milho, a carne de coco seco (copra), café e vários produtos de madeira, incluindo o rattan (palm). Ujung Pandang, anteriormente chamada de Macassar (Makassar), é a principal cidade da ilha. Era uma vez um importante centro colonial de especiarias. Embora as especiarias já não sejam mais importantes mercadorias da ilha para a exportação, a cidade ainda é o principal centro de comércio para o leste da Indonésia.

As Ilhas Sunda Menor

Através dos mares de Banda e Flores de Sulawesi estão as Ilhas Sunda Menor, totalizando cerca de 28.000 mi. quadradas (73.000 km quadrados). Deste grupo, a mais interessante é Bali. Uma ilha de rara beleza, Bali é conhecida pela sua antiga cultura Hindu. Como Java, Bali é densamente povoada, e seu povo são na sua maioria agricultores que trabalham pequenos campos de arroz irrigado. Menos densamente povoadas e na maior parte demasiadas secas para o arroz úmido são as ilhas de Flores, Sumba, Lombok, e Timor.

As Ilhas Molucas (Maluku)

Centenas de ilhas compõem este grupo, conhecidas historicamente como as Ilhas das Especiarias e localizadas entre Sulawesi e Irian Jaya. As ilhas principais são Ceram, Buru, Ambon (Amboina), Ternate, Halmahera, e Tidore. A partir destas ilhas vieram as ricas especiarias - cravo, noz-moscada e clavas - que levou à colonização da Indonésia pelas potências marítimas Europeias. Copra, coco, especiarias, sagu, óleo de coco e madeira são os produtos mais importantes da ilha.

Irian Jaya

A área mais oriental da Indonésia é Irian Jaya, a parte Indonésia da Nova Guiné. (A outra, ou parte oriental da Nova Guiné é a maior parte da Papua Nova Guiné). Coberta por florestas densas, Irian Jaya tem uma população de mais de 2 milhões Irianêses, a maioria dos quais vivem em um nível modesto de tecnologia.

No interior estão as Montanhas Jayawiyaya (Montanhas Nevadas), cujo mais elevado pico, Puncak Jaya (Monte Carstensz), é de 16.400 pés (4.999 m) de altura. A maioria das pessoas em Irian Jaya vivem ao longo da costa. Na verdade, grande parte do interior da ilha só recentemente foi explorado. O governo da Indonésia planeja desenvolver Irian Jaya reassentando as famílias Javanesas lá.

Animais e Plantas

Os animais e plantas da Indonésia estão divididos basicamente em dois grupos por uma linha imaginária chamada de Linha de Wallace, depois do naturalista que a estabeleceu. A linha corre norte-sul entre Kalimantan e Sulawesi. A oeste da linha, as plantas e os animais são muito parecidos com os do Sudeste Asiático.

Existem densas florestas tropicais, um grande número de palmeiras e bananeiras, e um grande número de variedades de flores silvestres. Entre os animais nesta região estão o orangotango, o tigre, o búfalo selvagem, e - muito raramente agora o elefante e o rinoceronte. Outro animal encontrado aqui é o rato cervo (kantjil), uma pequena criatura lendária cuja esperteza em enganar os inimigos maiores tornou-o herói dos contos populares da Indonésia.

A leste da Linha de Wallace, a vida animal é muito mais parecida com a da Austrália. Algumas das criaturas mais incomuns incluem o canguru e o pássaro do paraíso de penas brilhantes. A razão para a diferença acentuada na vida natural é provavelmente o fato de que as ilhas ocidentais da Indonésia, que se encontram em águas rasas, foram uma vez uma parte do continente Asiático. Mas as ilhas orientais, que são cercadas por mares profundos, foram sempre separadas do continente e, portanto, não desenvolveram o mesmo tipo de vida selvagem.

Recursos Naturais

A Indonésia tem grandes depósitos de vários minerais valiosos, incluindo petróleo, gás natural, cobre, níquel, enxofre, manganês, estanho, ferro, bauxita e carvão.

As florestas são um outro recurso natural, e fornecem grandes quantidades de madeira de teca, ébano, e sândalo. A quinina, usada no tratamento da malária, é fabricada a partir da casca da árvore cinchona. Bambu e rattan são usados para fazer cadeiras de vime e outros móveis. Já que é cercada pelo mar, a Indonésia tem uma abundância de tipos diferentes de peixes, que formam uma parte importante da dieta diária da família da Indonésia.

População

Há 300 diferentes, se relacionados, grupos étnicos na Indonésia. De ilha para ilha - e mesmo dentro de cada ilha - línguas diferentes são faladas e costumes diferentes são observados. A maioria dos Indonésios são do estoque da etnia Malaia. Eles são geralmente de constituição leve e têm a pele marrom e o cabelo preto em linha reta.

Mas nas ilhas do leste da Indonésia, as pessoas são maiores, mais escuras na coloração da pele e de cabelos encaracolados. Estes são os Irianeses, o povo dominante de Irian Jaya, cuja língua e cultura são bastante diferentes daquelas da maioria dos Indonésios.

Em um nível tecnológico, os Irianêses ficam para trás da maioria dos outros Indonésios. O governo está tentando várias políticas para reduzir o fosso entre os Irianeses e a maioria da população. Muitos Irianêses continuam a considerar-se como diferentes dos outros Indonésios, no entanto.

Os Javanêses e os Sundaneses, os maiores grupos étnicos da Indonesia, vivem na ilha de Java. Eles compõem quase 60 por cento da população da Indonésia. Seu modo de vida mostra traços da antiga cultura dos reinos da Indonésia de séculos passados, que foram influenciados pelas religiões (Hindu, Budista) e idéias culturais Indianas. Os Sundaneses agora são Muçulmanos ortodoxos, mas muitos Javaneses misturaram o Islã com as suas anteriores religiões Hindu e animista.

Como resultado, há uma nítida diferença na sociedade Javanesa entre Muçulmanos estritos, conhecidos como santri, e aqueles que praticam o Islã menos ortodoxo, que são conhecidos como abangan.

Os povos Batak e Minangkabau de Sumatra são os mais importantes dos menores grupos étnicos da Indonesia. Ambos são considerados entre os povos mais empreendedores da Indonésia. Os Batak e os Minangkabau têm provido a Indonésia moderna com muitos de seus líderes.

Os Dayaks predominam no interior do Kalimantan, enquanto uma mistura de outros grupos étnicos se estabeleceu em áreas costeiras da ilha. No Sulawesi, os Buginêses e os Makassareses, bem conhecidos comerciantes e marítimos com suas próprias tradições, predominam. Os Amboineses predominam nas Molucas.

Alguns dos mais de 4 milhões de residentes Chineses do país têm sido autorizados a tornarem-se cidadãos Indonésios, mas os Chineses estão se segregando em muitas partes da Indonésia por causa da riqueza acumulada nos negócios durante os tempos coloniais.

Linguagem

Cerca de 250 línguas e dialetos são falados na Indonésia. A língua oficial é o Bahasa Indonésia, compreendido por toda a terra. Dos muitos dialetos, o Javanês é o mais falado.

Religião

O Islã é a religião principal da Indonésia, tendo sido introduzido na área cerca de 500 anos atrás. A Indonésia tem a maior população Muçulmana de qualquer país do mundo, com quase nove em cada 10 Indonésios aderindo a essa fé. Cerca de 25% dos Muçulmanos se consideram devotos e se identificam com o Islã ortodoxo praticado por Árabes e Iranianos no Oriente Médio.

Os Muçulmanos restantes misturam as antigas crenças Hindu-Budistas com as do Islã. Enquanto que os Muçulmanos Indonésios geralmente são tolerantes com outras religiões, militantes fundamentalistas Islâmicos estão ganhando uma posição lá.

Muitos devotos Muçulmanos homens usam um boné de veludo preto chamado de pit ji. As mulheres Muçulmanas ortodoxas, por vezes, usam um lenço branco sobre a cabeça, especialmente na Sexta-feira, o Sábado Muçulmano. Mas as mulheres Muçulmanas na Indonésia tradicionalmente não vedam seus rostos, como muitas vezes é o costume na Arábia Saudita e outros países do Oriente Médio, e desfrutam de uma posição social relativamente alta. As mulheres são ativas na vida política e econômica. Em 2001, pela primeira vez, uma mulher tornou-se presidente da nação.

As pessoas em Bali estão entre os 2 por cento de todos os Indonésios que são Hindus. Em regiões do interior de outras ilhas, especialmente quando o terreno montanhoso e as florestas causam isolamento, as pessoas praticam a adoração e o culto aos ancestrais. Aproximadamente 8 por cento de todos os Indonésios são Cristãos - cerca de dois terços deles Protestantes, e um terço Católicos Romanos.

Tradicionais formas de arte

Os Indonésios são famosos por sua alta qualidade de artesanato. O Batik, uma maneira de tingimento de tecidos, é especialmente importante. Os escultores de madeira também produzem artigos bonitos. Muitas casas tradicionais Indonésias têm figuras de madeira esculpidas à mão na entrada, e designs complexos esculpidos em pilares, telhados, tetos de alpendre, e nas paredes. Intrincadas esculturas de pedra adornam as fachadas de muitos templos históricos Hindus e Budistas encontrados na ilha de Bali, no centro de Java, e em outros lugares.

Uma parte importante da cultura Indonésia é o wayang (wajang), ou jogo de sombras, que data da época dos reinos Hindus Indonésios. Estas peças são encenadas por fantoches de couro, que lançam sombras sobre uma tela iluminada. Os artistas de fantoches são acompanhados por um narrador e uma orquestra, ou gamelan, que toca instrumentos tradicionais da Indonésia.

Economia

O principal objetivo econômico da Indonésia é criar empregos para todos os que os querem. Para este fim, a nação tem feito grandes ganhos desde a independência. No entanto, o objetivo permanece indefinido, pois vários milhões de pessoas entram no mercado de trabalho a cada ano.

A competição por empregos tem mantido a maioria da renda pessoal dos Indonésios baixa. Muitos trabalhadores estão desempregados, subempregados, ou dispostos a trabalhar por baixos salários - cerca da metade do salário, na verdade, que os trabalhadores na Malásia e na Tailândia demandam.

Ironicamente, esses baixos salários têm ajudado a Indonésia atrair investimentos estrangeiros de lugares como o Japão, Taiwan, Coréia do Sul, os Estados Unidos, Alemanha e Austrália. Centenas de empresas estrangeiras criaram fábricas na Indonésia, proporcionando empregos em áreas como - calçados, brinquedos, têxteis, eletrônicos, fabricação de papel e petroquímica. Muitas das novas fábricas faliram durante a crise econômica do final dos anos 1990s, lançando milhares de Indonésios urbanos fora do trabalho e alimentando as tensões políticas e étnicas.

Agricultura

Cerca de 45 por cento de todos os trabalhadores Indonésios estão envolvidos na agricultura. O arroz, o alimento básico para os Indonésios, é a cultura principal.

A maioria dos Indonésios comem o arroz com especiarias diversas e às vezes pedaços de peixe, frango ou carne. O milho e a mandioca (uma planta cujas raízes fornecem um alimento com amido) são as principais culturas em áreas muito secas para o arroz crescer.

O milho e a mandioca também são cultivados como segundas culturas durante a estação seca em Java, Bali e outras ilhas onde o arroz é a cultura preferida da época úmida. Outros Indonésios trabalham em pequenas propriedades ou grandes plantações que produzem culturas arbóreas, como a borracha, coco e óleo de palma.

A produção agrícola foi impulsionada nos últimos anos pela alta produção de sementes híbridas e programas educacionais que ensinam os agricultores como fazer melhor uso de fertilizantes, pesticidas e irrigação. Não muito tempo atrás, a Indonésia era o maior exportador mundial de arroz.

Mais recentemente, exceto quando extremos climáticos provocam quebras de safra, os agricultores da Indonésia têm sido capazes de suprir quase todo o arroz do país. Para manter as pessoas em áreas rurais de verter para as cidades em busca de trabalho, o governo tem tentado dotar os indivíduos sem-terra com habilidades de trabalho não-agrícola, como o artesanato. Em 1996, ele também tinha voluntariamente mudado mais de 6 milhões de pessoas das superlotadas Java, Bali, e Madura para as ilhas exteriores menos lotadas.

Silvicultura e pesca

A teca é cultivada nas plantações em Java, enquanto as florestas naturais apoiam uma indústria florestal em Kalimantan, Sumatra e outras ilhas. Em anos de seca, incêndios ateados ilegalmente para limpar a terra para a exploração madeireira e agricultura podem causar muito do Sudeste Asiático a ser coberto de fumaça.

O peixe é a principal fonte de proteína animal na dieta da Indonésia, mas a pesca comercial é relativamente pouco desenvolvida. Isto é porque aos pescadores Indonésios faltam os arrastões e instalações modernas de congelamento utilizados pelos Japoneses e outras frotas de pesca estrangeiras. A maioria dos peixes da Indonésia são capturados no mar, mas quantidades crescentes são produzidas em lagoas de água doce.

Mineração

A Indonésia produz petróleo e gás natural. No início dos 1980s, produtos baseados no petróleo - em grande parte do petróleo bruto e refinado - respondiam por cerca de 75 por cento das exportações da nação. Em 2008, no entanto, a Indonésia já não era um exportador líquido de petróleo, e, portanto, retirou-se da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

Quando as exportações de petróleo recuaram, ela começou a enfatizar outros produtos. De especial importância foi o gás natural liquefeito ou GNL. Hoje, a Indonésia é o maior exportador mundial de GNL, principalmente para o Japão, Taiwan, e Coréia.

Desde os anos 1990s, a indústria de carvão da Indonésia tem crescido rapidamente. O país exporta carvão para a Europa Ocidental, China e Índia. A Indonésia é também um dos principais produtores de estanho, que é fundido na Ilha Bangka.

O níquel é produzido em Sulawesi, onde há uma fundição de grande porte, e nas ilhas ao largo da costa noroeste de Irian Jaya. A bauxita é extraída e transformada em alumina na e em torno da Ilha Bintan, e a alumina é fundida em alumínio em Asahan no norte de Sumatra.

Manufatura

A maioria da manufatura, com exceção das indústrias da madeira e o processamento de minerais, está concentrada em Java, e é lá que a industrialização da economia da Indonésia é mais evidente. Durante as primeiras décadas da independência, o governo investiu pesadamente no desenvolvimento das indústrias básicas, como aço, fertilizantes, produtos químicos, cimento e petroquímica.

Estas indústrias fornecem os materiais necessários para apoiar outras indústrias. Por exemplo, a indústria do vestuário usa fibras sintéticas produzidas pela indústria petroquímica e coloca um grande número de Indonésios para trabalhar no corte e costura de roupas para exportação.

Cidades

Jacarta, no noroeste de Java, é a capital da Indonésia e de longe a maior cidade do país. É também o porto principal do país e seu mais importante centro de comércio e comunicações. Seis pistas de estradas cortam a cidade, e estão alinhadas com edifícios modernos e cheios de gente com carros e bicicletas.

Surabaya é apenas segunda à Jakarta como um porto e cidade manufatureira, e é o centro das indústrias de produção da Indonésia. Bandung, a mais moderna cidade da Indonésia, é uma cidade resort popular e a casa do instituto técnico líder do país. Outra cidade importante Javanesa é Yogyakarta, uma das antigas capitais reais e um centro de belas-artes e da cultura tradicional Indonésia.

A principal cidade de Sumatra é Medan. Seu movimentado porto de Belawan lida com a maioria das exportações da ilha. Palembang, no Rio Musi, é uma importante via de escoamento para os produtos petrolíferos e borracha. Suas indústrias incluem estaleiros e siderurgia. Outras importantes cidades da Indonésia são Banjarmasin, em Borneo; Ujung Pandang (ex-Macassar), a maior cidade em Sulawesi; e Ambon, nas Molucas.

História e Governo

Em 1891, cientistas Holandeses trabalhando em Java descobriram ossos humanos com centenas de milhares de anos. Estes eram os restos do famoso Homem de Java, que muitos cientistas acreditam que foi um dos primeiros seres humanos. Ainda assim, os Indonésios são descendentes dos povos Malaios que começaram a imigrar para as ilhas apenas 4.000 a 5.000 anos atrás.

Mesmo nos tempos antigos, as ilhas Indonésias foram importantes no comércio internacional, pois estavam ao longo da rota marítima que ligava a China, Índia, Pérsia e o Império Romano. Navios de muitas terras ancoravam nos portos da Indonésia para pegar cargas de especiarias, resinas e madeiras preciosas.

Os Indonésios eram qualificados marítimos e mercadores, e seus navios mercantis viajavam até a Índia e a China. Embora as ilhas Indonésias nunca foram unidas sob um único governo antes do período do domínio colonial Holandês, elas no entanto estavam amarradas umas às outras por uma longa história de contato e comércio.

Influência da Índia

Os muitos comerciantes que visitavam as ilhas introduziram idéias e costumes estrangeiros aos Indonésios. A cultura Indiana, incluindo a crença no poder real, tornou-se a influência mais importante pelos primeiros séculos A.D. A idéia clássica Indiana de um rei todo-poderoso apelava aos ambiciosos governantes Indonésios, que até então haviam sido pouco mais do que chefes tribais.

Ambas as crenças Hindu e Budistas da Índia foram adotadas pela classe dirigente da Indonésia. As idéias Indianas também filtraram para o resto do povo. O Hinduísmo misturou-se, ou às vezes substituiu as crenças tradicionais.

Vários reinos Hindus e Buditas da Indonésia chegaram ao poder nas ilhas maiores. Os dois maiores desses reinos foram o Sriwijaya (a partir dos 600s aos 1200s) no sul de Sumatra, e o Majapahit (dos anos 1200s aos 1500s), no leste de Java. Ambos os reinos eram potências comerciais, e eles controlavam grande parte do comércio das ilhas.

A vinda do Islã

Durante os anos 1200s, o famoso viajante Marco Polo se tornou o primeiro Europeu conhecido a visitar as Índias. Pouco depois da visita de Marco Polo, o poderoso imperador Mongol da China, Kublai Khan, tentou conquistar Java, mas seu exército foi derrotado. Entre os anos 1100s e 1400s, a religião do Islã foi trazida para a Indonésia por comerciantes da Índia e da Península Malaia. O Islã ganhou uma posição nas cidades costeiras e eventualmente se tornou a religião principal da área.

O ano de 1511 marcou o início do envolvimento Europeu na Indonésia. Os Portuguêses capturaram Malacca, o que lhes deu o controle do estreito entre a península Malaia e Sumatra. Os Portuguêses foram seguidos pelos Espanhóis, Holandeses e Britânicos. Durante os anos 1500s, as grandes potências marítimas Europeias competiram pelo controle das Índias, especialmente as Ilhas das Especiarias (Molucas).

O Governo Holandês

No início dos anos 1600s, a Companhia das Índias Orientais Holandesas criou postos de comércio nas Ilhas Spice e em Java, com a sua base principal na atual Jacarta. Gradualmente, os Holandeses ampliaram sua influência para o resto das ilhas. Pelo final dos 1600s, a Holanda foi a grande potência Europeia no que ficou conhecido como as Índias Orientais Holandesas.

O domínio Holandês espalhou-se lentamente através das ilhas. Nas ilhas maiores, particularmente Sumatra e Java, muitas grandes plantações foram desenvolvidas pelos Holandeses e outros não-Indonésios. Em algumas das ilhas, como Java, os Holandeses governavam diretamente.

Mas nas ilhas periféricas, os Holandeses só apoiavam o governador local ou chefe tribal, e as pessoas de lá tinham pouco contato com as idéias políticas e econômicas Européais. Como resultado, a Indonésia não se desenvolveu como uma nação unificada. Diferenças regionais tornaram difícil unificar a nação após a independência.

O ressentimento contra o domínio Holandês levou ao surgimento de um movimento de independência da Indonésia, que começou em 1908 com a fundação da Budi Utomo ("nobre esforço"), uma associação de intelectuais Javaneses. Outros grupos nacionalistas foram formados durante as duas décadas seguintes, incluindo o Partido Nacionalista da Indonésia (PNI), que foi liderado por Sukarno.

Os Holandeses estabeleceram um Volksraad ("conselho do povo") em 1918 para dar aos Indonésios alguma voz no seu próprio governo. Mas o sentimento nacionalista continuou, e uma rebelião Comunista-liderada sem sucesso teve lugar em 1926-1927. Muitos dos líderes do movimento de independência, incluindo Sukarno, foram mais tarde presos ou enviados para o exílio.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Japoneses ocuparam a Indonésia (1942-1945). A fim de ganhar apoio em sua guerra contra os Aliados, os Japoneses liberaram o líderes presos e encorajaram o movimento nacionalista. Perto do fim da guerra, os Japoneses permitiram aos líderes nacionalistas Sukarno e Hatta Mohammed para estabelecer um governo Indonésio-operado.

Independência

Em 17 de Agosto de 1945, poucos dias após a rendição do Japão, os líderes nacionalistas declararam a independência da Indonésia. Mas os Holandeses não reconheceram o novo governo, e quatro anos de luta e negociações seguiram. Finalmente, em Dezembro de 1949, os Holandeses reconheceram a independência do que foi chamado pela primeira vez os Estados Unidos da Indonésia. Em 1950, ela foi renomeada República da Indonésia.

A Constituição de 1945, que previa uma forte forma de governo presidencial, foi mantida. Sukarno se tornou o primeiro presidente do novo país. Em 1950, uma nova Constituição previa uma forma parlamentar de governo, com um presidente, um primeiro-ministro, e um legislativo de uma-casa.

O sistema parlamentar mostrou-se inviável na Indonésia, onde cerca de 30 partidos políticos disputavam o poder. O Presidente Sukarno respondeu em 1959 por restabelecer a Constituição de 1945 por decreto. Ao fazer isso, ele ganhou quase ilimitada autoridade como chefe de governo e chefe de Estado. Ele chamou o seu conceito de governo de "democracia guiada", com ele próprio como "Presidente Vitalício".

Sukarno dirigiu o governo de uma forma cada vez mais ditatorial e se opôs à criação do novo estado da Malásia, em 1963. Ele trabalhou em estreita colaboração com as principais nações Comunistas, particularmente a China, e favoreceu o Partido Comunista Indonésio em casa. Em 1965, os Comunistas Indonésios sequestraram e mataram seis generais do exército. Sob a liderança do General Suharto, os militares revidaram e eliminaram os conspiradores. Esquadrões da morte de direita grassaram, matando um número estimado de 100.000 pessoas suspeitas de simpatias comunistas.

Era Suharto

Suharto se tornou presidente interino em 1967 e foi eleito para esse cargo em 1967 pela Assembleia Consultiva do Povo (MPR, que então consistia na legislatura de 500-membros, ou Conselho de Representantes, além de 500 membros que representavam vários grupos nacionais e organizações, incluindo os militares).

Durante o longo governo de Suharto, eleições regulares foram realizadas. Para promover a unidade nacional, os partidos anteriormente divididos em étnicos, religiosos, e regionais foram obrigados a se unir em apenas dois grupos de oposição. Porque os militares nomeavam 100 dos legisladores e o partido do governo, o Golkar, detinha uma grande maioria dos lugares eleitos, o presidente de fato governava por decreto.

Ao contrário de seu antecessor, o Presidente Suharto colocou grande ênfase no desenvolvimento econômico. Tanto a ajuda externa como o investimento privado eram bem-recebidos, e o padrão de vida do país, que vinha caindo, melhorou significativamente. Entre 1970 e 1996, o número de Indonésios vivendo em pobreza absoluta caiu de 70 por cento para menos de 15 por cento.

O quadro mudou no final dos 1990s, quando a Indonésia tornou-se envolvida em uma crise financeira regional que começou na Tailândia em 1997. Como a alta inflação elevava o custo dos bens básicos fora do alcance dos pobres, e uma onda de falências levaram a demissões em massa, o descontentamento com o governo de Suharto subiu.

Em Maio de 1998, após centenas morrerem em tumultos generalizados, Suharto renunciou, entregando o poder ao seu vice-presidente. B. J. Habibie. Repetidos esforços para trazer Suharto a julgamento sob acusação de corrupção e abusos dos direitos humanos foram negados pelos tribunais por razões de saúde. Ele morreu em 27 de Janeiro de 2008.

Indonésia depois de Suharto

Em Janeiro de 1999, o legislativo aprovou uma série de mudanças constitucionais destinadas a tornar o governo mais democrático. O MPR foi reduzido de 1.000 para 700 membros (dos 500 membros da legislatura, 135 delegados eleitos pelos senados regionais, e 65 representantes de grupos sociais), e a representação militar garantida no Legislativo foi reduzida para 38 lugares. O calendário das eleições foi avançado, e uma ampla gama de partidos políticos foi autorizada a participar, quando elas foram realizadas em 7 de Junho de 1999.

Em Outubro, o MPR elegeu o líder Muçulmano moderado Abdurrahman Wahid como novo presidente da Indonésia. A filha de Sukarno Megawati Sukarnoputri (que assumiu o comando do dia-a-dia do governo no ano seguinte, quando aos civis foi dado o controle sobre os militares) foi nomeada vice-presidente.

No mesmo mês o legislativo formalmente transferiu o controle da problemática província do Timor Leste, que tinha votado para se separar da Indonésia, em Agosto, para uma administração de transição das Nações Unidas, em preparação para sua independência, o que foi alcançado em 20 de Maio de 2002.

O doente Wahi, que morreu em 30 de Dezembro de 2009, se mostrou incapaz de lidar com as questões sociais, políticas e econômicas enfrentando o novo governo. Ele foi cassado pelo MPR em 23 de Julho de 2001, e foi automaticamente substituído como presidente por Megawati Sukarnoputri. Seu governo ainda enfrentou dificuldades econômicas, a necessidade de limitar o poder dos militares, revoltas separatistas em Aceh e Irian Jaya, e os conflitos étnicos e religiosos em muitas áreas, especialmente nas Molucas.

Em Agosto de 2002, como os manifestantes exigiam reformas adicionais, o MPR aprovou emendas constitucionais que, entre outras coisas, acabou com a reserva de lugares no MPR para os militares. O governo Indonésio reprimiu os grupos extremistas locais depois que um atentado terrorista em Outubro de 2002 em Bali matou mais de 180 pessoas, a maioria delas de turistas Australianos.

As primeiras eleições presidenciais diretas da Indonesia foram realizadas em 2004. Megawati perdeu para seu ex-ministro da segurança, Susilo Bambang Yudhoyono, que ganhou facilmente um segundo mandato em 2009.

A costa oeste de Sumatra foi a mais próxima área habitada para o epicentro de um mortal terremoto offshore em 26 de Dezembro de 2004. Com uma magnitude de 9.15, ele foi o terremoto mais poderoso em 40 anos, e causou um tsunami que matou mais de 170 mil pessoas em 12 países, cerca de 100.000 delas na Indonésia. Muitos dos que sobreviveram foram deixados sem comida, abrigo ou água potável.

Um esforço de ajuda internacional maciça foi organizada, mas a reconstrução da infra-estrutura da região vai levar anos. O desastre levou a um acordo de paz na província de Aceh devastada pela guerra, que realizou eleições para um governo autônomo da província em 2006.

Em 17 de Julho de 2006, um terremoto de 7.7 graus na escala Richter provocou um outro tsunami mortal, que matou centenas de pessoas, na ilha de Java. Um sistema de alerta de tsunami, concluído em Junho de 2006, detectou o terremoto, e emitiu um aviso. Mas as autoridades locais não foram capazes de alertar os que estavam no caminho do tsunami à tempo. Em Setembro de 2009, mais de 1.000 pessoas morreram quando um terremoto atingiu Sumatra.

Indonésia
Kuta Beach, Bali

Indonésia
Vista da falésia em Pura Luhur Uluwatu, Bali

Indonésia
O Templo do Mar de Pura Luhur em Uluwatu em Bali sul remonta ao século 11

Indonésia
O Templo do Mar de Pura Luhur em Uluwatu em Bali sul empoleira-se em alguns penhascos impressionantes

Ruth McVey

Fonte: Internet Nations

Indonésia

Indonésia, país do sudeste asiático, é um arquipélago formado por mais de 17 mil ilhas entre os oceanos Índico e Pacífico, sendo o mais extenso arquipélago do planeta, numa área de 1.948.732 km².

Sua população, a quarta maior do mundo, com cerca de 220 milhões de habitantes, é composta por cerca de 300 etnias que falam mais de 500 línguas e dialetos diferentes. A ilha com mais populosa do país é Java, da capital Jacarta que contava com uma aglomeração urbana de 11.018.000 habitantes (em 2000), a maior do país, seguida por Bandung (3.409.000), Surabaya (2.461.000), Medan (1.879.000), Palembang (1.422.000) (aglomerações urbanas) (2000), Semarang (1.366.500).

Convertida ao Islamismo desde o séc. XV, a Indonésia convive com conflitos envolvendo a maioria muçulmana e as minorias cristã e hinduísta. Movimentos separatistas e confrontos entre migrantes e nativos de algumas ilhas também têm sido comuns ao longo da história.

Grande parte dos conflitos é resultado da política de transmigração adotada pelos colonizadores holandeses no início do séc. XX para reduzir o superpovoamento de algumas ilhas, como Java e Madura, que concentravam cerca de 80% da população, índice que foi reduzido para cerca de 60% no final da década de 1990.

O território da Indonésia é dividido pela maioria dos geógrafos em três grandes grupos:

As Grandes Ilhas de Sonda, que compreendem Bornéu (três quartos da ilha pertencem ao país), Célebes ou Sulawesi, Java e Sumatra

As Pequenas Ilhas de Sonda, que se estendem no sentido oeste-leste, por cerca de 1.100 km, desde Bali até Timor (parte oeste)

E as Molucas, que se situam nos dois lados do Equador, entre Célebes e Nova Guiné.

Irian Ocidental, a parte ocidental de Nova Guiné, também pertence à Indonésia. Florestas equatoriais cobrem grande parte do país, onde há diversos vulcões ativos cujas cinzas fertilizam o solo.

A Indonésia é um dos maiores produtores mundiais de arroz - alimento básico de seu povo. O país tem grandes depósitos de estanho, petróleo e gás natural. A produção de componentes eletrônicos também tem importante peso na economia local.

História

Cientistas encontraram, em Java, fósseis de um antigo homem pré-histórico: o homem de Java, que viveu provavelmente há cerca de 1,5 milhão de anos.

Os ancestrais da maioria dos indonésios chegaram às ilhas provenientes do sudeste asiático entre 2500 e 500 a.C. A partir do séc. V d.C., reinos hindus e budistas revezaram-se no controle do arquipélago até a chegada dos europeus, no séc. XVI.

A região havia se tornado islâmica no séc. XV, sob influência de Melaka, reino portuário na Costa sudoeste da Península Malaia, que controlava as mais importantes rotas comerciais do arquipélago.

Em 1497 e 1498, o explorador português Vasco da Gama contornou a África e descobriu uma rota marítima ligando a Europa à Índia. Os portugueses conquistaram Melaka em 1511 e passaram a controlar o comércio da Indonésia. No final do séc. XVI, comerciantes ingleses e holandeses começaram a ameaçar os portugueses.

Tanto a Inglaterra como os Países Baixos criaram sua própria Companhia das Índias Orientais para negociar na região. Essas companhias puseram fim ao controle comercial de Portugal e passaram a disputar o poder entre si.

Na década de 1620, os holandeses forçaram os ingleses a deixar Ambon e as outras ilhas Molucas. O controle do comércio pelos holandeses espalhou-se rapidamente. Em 1641, os holandeses tiraram Melaka das mãos dos portugueses.

No final do séc. XVII, os holandeses ampliaram sua influência sobre a Indonésia. Em 1677, depois de ajudar um governante local a esmagar uma rebelião, eles obtiveram territórios javaneses, além de importantes direitos comerciais. Por meios semelhantes, ou pela força, o arquipélago tornou-se colônia, denominada Índias Orientais Holandesas.

Desde o princípio da colonização, em algumas áreas da Indonésia houve resistências ocasionais contra a dominação holandesa, mas apenas no início do séc. XX surgiu um movimento nacionalista importante: o Grande Empenho, fundado em 1908. Em 1912, a Associação Islâmica, que era comercial, tornou-se uma agremiação política e passou a constituir um foco de oposição aos Países Baixos. Numa tentativa de esvaziar o movimento nacionalista, os holandeses criaram o Conselho Popular, com alguns representantes indonésios, mas seu poder era limitado.

O Partido Comunista da Indonésia (PCI), fundado em 1920, organizou uma série de revoltas nacionalistas entre 1926 e 1927, sem sucesso. Depois de 1926, surgiram vários partidos anticolonialistas, entre eles o Partido Nacionalista da Indonésia, fundado por Sukarno, em 1927.

Em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, forças japonesas ocuparam a região. Em 1945, depois que o Japão se rendeu aos Aliados, os dirigentes do Partido Nacionalista declararam a independência da Indonésia, não reconhecida pela Holanda, e elaboraram uma Constituição para o país, que passou a ser governado por Sukarno.

Em novembro de 1949, pressionados pela Organização das Nações Unidas (ONU), os holandeses concordaram em conceder a independência a todas as Índias Orientais Holandesas, exceto a Nova Guiné Ocidental (atual Irian Ocidental). Em 1950, a Indonésia filiou-se à ONU e adotou uma nova Constituição.

Em 1959, Sukarno, apoiado pelo Exército, restabeleceu a Constituição de 1945, que lhe outorgava mais poderes. Em 1960, substituiu o Parlamento eleito por um nomeado. Em 1963, foi declarado presidente vitalício pelo Congresso Consultivo do Povo. Em 1962, os Países Baixos passaram o controle temporário de Irian Ocidental à ONU que, no ano seguinte, reconheceu a região como parte da Indonésia.

Em 1965, Sukarno retirou o país da ONU em protesto contra a eleição da Malásia para o Conselho de Segurança. Durante seu governo, a economia da Indonésia passou por uma grave crise. As exportações diminuíram e a dívida externa aumentou rapidamente. A inflação elevou os preços de forma descontrolada e o poder aquisitivo da população diminuiu.

No início dos anos de 1960, o PCI ampliou de forma significativa sua força política. Em 1965, um grupo de oficiais do Exército indonésio tentou dar um golpe de Estado, sendo acusado de pertencer a um complô comunista. A repressão aos rebeldes foi confiada ao tenente-general Suharto, do Exército, pelo alto comando das Forças Armadas.

Suharto tomou o poder e anulou a nacionalização da exploração de petróleo. Em fevereiro de 1968, foi formalmente declarado presidente da República, dando início a um governo ditatorial que perduraria até o final da década de 1990.

Em 1975, o Exército indonésio invadiu o Timor Leste, aproveitando-se do fato de que a ilha estava se tornando independente de Portugal. A região de Timor Leste foi transformada numa província da Indonésia. O governo de Suharto ignorou a condenação da invasão feita pela ONU. Teve início, então, a luta da Frente Revolucionária do Timor Leste Independente (Fretilin) contra o domínio indonésio.

No governo Suharto, a Indonésia voltou a integrar a ONU e abandonou a política nacionalista adotada por Sukarno, passando a integrar o país à economia global. Durante os anos de 1980, a Indonésia passou a fazer parte do segundo grupo dos Tigres Asiáticos, conhecido como Novos Tigres.

Para manter o ritmo do desenvolvimento econômico, durante a década de 1990, o governo de Suharto buscou atrair investimentos estrangeiros, passando a depender cada vez mais do capital especulativo internacional. Em 1997 o país foi atingido pela crise financeira que abalou o Sudeste Asiático.

Por conta disso, o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou um plano de ajuda econômica ao país e, em contrapartida, exigiu o cumprimento de algumas medidas, tais como o desmantelamento dos monopólios estatais e o fim dos incentivos fiscais. A implementação do pacote do FMI e a elevação de tarifas públicas gerou uma série de protestos reprimidos com violência. Mais de 500 pessoas morreram.

Em maio de 1998, diante da incapacidade de controlar o caos social em que se transformou a Indonésia, Suharto renunciou e foi substituído pelo vice-presidente, Bacharuddin Jusuf Habibie.

Em 7 de junho de 1999, o país realizou sua primeira eleição democrática depois de 31 anos de governo ditatorial. O líder islâmico Abdurrahman Wahid, do Partido do Despertar Nacional (PKB), tornou-se presidente e Megawati Sukarnoputri, filha de Sukarno, vice-presidente. Ainda em 1999, a redemocratização possibilitou a realização de um referendo no Timor Leste, em que a maioria da população local votou a favor da independência.

Em 2001, Wahid sofreu várias acusações de corrupção. Além disso, foi responsabilizado pela intensificação da violência separatista e pelos abalos na economia do país. Em 23 de julho de 2001, Wahid foi destituído da Presidência, e a vice-presidente Megawati assumiu o governo do país.

A diversidade de etnias tem alimentado diversos conflitos na Indonésia. Nas ilhas Molucas, predominam conflitos etno-religiosos; em Kalimatan (Bornéu), há conflitos étnicos; em Irian Ocidental, existem conflitos étnicos e movimentos separatistas; em Aceh, separatistas tentam instaurar uma república islâmica independente.

Recentemente, em outubro de 2002, duas bombas explodiram simultaneamente em boates na ilha de Bali, principal centro turístico da Indonésia, matando 180 pessoas, a maioria estrangeiros.

Em novembro do mesmo ano, a polícia indonésia prendeu o responsável pelo atentado, Imam Samudra, importante membro do Jemaah Islamiyah, grupo terrorista ligado à milícia islâmica Al Qaeda, liderada por Osama bin Laden. Pouco tempo depois é preso o líder espiritual Abu Bakar Bashir, acusado de chefiar a organização extremista Jemaah Islamiyah.

Três acusados do atentado em Bali são condenados à morte e um à prisão perpétua, mas Bashir pega apenas três anos de prisão por delitos menores.

Em dezembro de 2002, foi assinado um cessar-fogo entre os rebeldes do Movimento Aceh Livre e o governo indonésio, prevendo a realização de eleições na província de Aceh. No entanto, os conflitos se acirraram e, em maio de 2003, o governo indonésio impôs a Lei Marcial, aumentando a repressão sobre os separatistas armados e até civis. Em 31 de dezembro, um atentado à bomba matou nove pessoas na província. Até o final de janeiro de 2004, a ofensiva militar contra os guerrilheiros prosseguia.

Em abril de 2004, o Golkar vence as eleições legislativas. As eleições presidenciais de setembro são vencidas pelo general Susilo Bambang Yudhoyono, do Partido Democrata (PD).

Fonte: www.pedalnaestrada.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal