Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Ingá  Voltar

Ingá

 

Nome popular: ingá-da-praia; ingá-verdadeiro

Nome científico: Ínga edulis Mart

Família botânica: Leguminosae - Mimosoideae

Origem: Brasil - Amazônia

Ingá
Ingá

Características da planta

Árvore de grande porte que pode atingir 15m de altura.

Folhas divididas em 6 a 8 folíolos presos a uma haste folhosa com pilosidade de coloração ferrugíneo-tomentosa.

Flores aglomeradas de coloração branco-esverdeada. Floresce quase o ano todo.

As espécies comestíveis de ingá produzem frutos em vagem, grandes e verdes, com sulcos no sentido comprido, que podem atingir até 1m de comprimento. A polpa é branca, levemente fibrosa e adocicada, bastante rica em sais minerais. Em geral, ela é consumida ao natural, pois não se presta a preparações culinárias.

Também é usada na medicina caseira, sendo útil no tratamento da bronquite (xarope) e como cicatrizante (chá).

Fruto

Longo, linear, atingindo até I m de comprimento, de coloração verde-pardacenta. Polpa branca, fibrosa que envolve sementes pretas. Frutifica quase o ano todo.

Cultivo

Cultivo por sementes. Prefere solos arenosos próximos aos rios. De crescimento rápido, esta espécie é a mais conhecida dentre os "ingás".

"Escorrego por um labirinto com árvores prenhas sentadas no escuro. Raízes com fome mordem o chão Carobas sujas levantam os vestidos como cachos de lama pingando Açaís pernaltas movem as folhas lentas no ar pesadoc omo pernas de aranha espetadas num caule Miritis abrem os grandes leques vagarosos." COBRA NORATO - Raul Bopp

Em meio à densa e rica floresta, por onde serpenteiam as águas móveis dos igapós, nascem, também, uma infinidade de árvores conhecidas como ingás.

Ali, na beira d'água, os ingás juntam-se às bacabas e às touceiras das palmeiras acaí, cheias de frutos e alimento.

Nas matas de terras firmes, repletas de árvores gigantescas intrincadas num emaranhado de cipós e de raízes aparentes, folhas, frutos e bichos por trás deles, encontram-se outros e variados ingás.

Tudo isso envolto em perfumes inebriantes, magia e silêncios, quebrados apenas pelas revoadas ruidosas dos pássaros.

De acordo com Pio Corrêa, pelo nome indígena de ingá - que significa "embebido, empapado, ensopado", devido talvez à consistência de seu arilo, polpa aquosa que envolve as sementes são conhecidas mais de duzentas espécies do gênero Inga, da família das Leguminosas.

Nem todas elas são nativas das florestas amazônicas, como o ingá-cipó.

Mas, em geral, os ingás preferem nascer às margens dos igapós, embrenhando-se pelas matas marginais dos rios amazônicos.

Quando ocorrem em outras regiões, os ingás também são característicos das matas de galeria que seguem os cursos d'água por onde passam.

Assim como todos os outros ingás brasileiros, o fruto do ingá-cipó é uma vagem. Nesse caso, vagens grandes e verdes.

A principal característica deste ingá - e que faz com que ele se destaque dos demais - é o fato de sua vagem conseguir atingir até 1 metro de comprimento sem se partir. E é provavelmente por esse motivo, por ser tão comprido e ficar meio espiralado, que ele leva o nome do cipó.

Dentro dessa vagem encontram-se sementes negras e brilhantes. Envoltas pelo arilo - de cor branca, levemente fibroso, de consistência macia e sabor adocicado estas sementes são chupadas e depois botadas fora. Apesar do conteúdo dessa polpa ter propriedades nutritivas, esse fruto é consumido pela população da Amazônia mais como espécie de distração ou passatempo.

As vagens do ingá-cipó são facilmente encontradas à venda nos mercados das cidades amazônicas, podendo ser transportadas da floresta e das áreas de cultivo com facilidade sem se estragarem.

Bastante apreciado em toda a Amazônia, o ingá-cipó é muito cultivado nos arredores das habitações e por toda parte, sendo freqüente na mata, no estado subespontâneo.

É muito comum, também, utilizar-se a árvore do ingá-cipó para o sombreamento dos cafezais plantados na região.

Fonte: www.bibvirt.futuro.usp.br

Ingá

As espécies comestíveis de ingá produzem frutos em vagem, grandes e verdes, com sulcos no sentido comprido, que podem atingir até 1 m de comprimento.

A polpa é branca, levemente fibrosa e adocicada, bastante rica em sais minerais.

Em geral, ela é consumida ao natural, pois não se presta a preparações culinárias.

Também é usada na medicina caseira, sendo útil no tratamento da bronquite (xarope) e como cicatrizante (chá).

Origem

Nativa da América Central e do Caribe, o Ingá é uma árvore da floresta espalhando sua coroa em forma de guarda-chuva de até 15 m de altura.

Ela serve como sombra para plantações de café ou nas proximidades de calçadas e ruas da América Central e do Sul.

As folhas são compostas por dois pares de grandes folhetos elípticas.

Flores, brancas e belas, se reúnem em longas inflorescências 10-15 cm de comprimento reminiscência de um pincel.

As crianças realmente apreciam a polpa branca doce que envolve as sementes.

Para alcançar este objetivo, elas abrem o vagem ao longo do seu comprimento.

Duas outras espécies com polpa comestível também estão presentes no Caribe: as ervilhas cinza suave (Inga ingoides) em vagens pilosas ervilhas castanhos e doces em grandes vagens (40 a 60 cm de comprimento).

Frutificação

A frutificação do ingá acontece geralmente entre os meses de março e maio.

É o fruto de uma árvore alta que alcança até 30 metros de comprimento, que cresce bem junto às margens de rios ou igapós.

As características do ingá são: casca verde quando madura, tamanho de aproximadamente 30 cms de comprimento e formato semelhante a uma vagem.

Suas sementes são envolvidas por uma polpa branca de sabor adocicado.

Ingá (Inga edulis)

Muito comum nas margens de rios e lagos, é muito procurada pela fauna e pelo homem por suas sementes com arilo branco e adocicado.

Existem várias espécies, que se diferenciam pelo tamanho do fruto.

Costuma apresentar floração mais de uma vez por ano, porém a mais forte é entre Setembro e Outubro.

Fonte: www.geocities.com

Ingá

Ingá
Ingá

A fruta é originária da Amazônia, O ingá produz frutos em vagem, grandes e verdes. A fruta é branquinha e levemente adocicada e as sementes são pretas.

Deve ser consumida ao natural, pois, não serve para as preparações na culinária. É também utilizada para combater bronquites e cicatrizantes.

A árvore pode chegar a uma altura de 15 metros, a árvore é muito utilizada para sombreamento dos cafezais. A planta prefere solos arenosos perto de rios.

Fonte: www.midiaville.com.br

Ingá

Ingá-cipó

Nome científico: Inga edulis

Família: Fabáceas (sinonímia: Leguminosas)

Nome comum: ingá-cipó, ingá, ingá-rabo-de-mico (no Brasil); guaba (Peru); pois sucre (Guiana Francesa); guano (Costa Rica); guamo (Colômbia).

Origem: América Latina tropical

Ingá
Ingá

Descrição e característica da planta

Essa é uma planta de clima tipicamente tropical, daí ser encontrada principalmente na região Amazônica.

Árvore de 10 a 15 metros de altura e com ramos longos e ramificados.

Folhas – compostas de 4 a 6 pares de folíolos, grandes, formato elíptico, cor verde-clara a verde-escura.
Flores –
em inflorescências terminais ou subterminais nas axilas das folhas com os ramos.
Frutos –
vagens cilíndricas, indeiscentes (não se abrem como nos feijões), 20 a 100 centímetros de comprimento por 3 a 4 centímetros de diâmetro, contêm muitos sulcos longitudinais e a cor da casca verde-oliva.

Em cada vagem contêm muitas sementes envoltas por uma massa branca flocosa (alilo) que é a parte comestível. As sementes são pretas e brilhantes com 3,5 centímetros de comprimento e 2 centímetros de diâmetro.

As condições favoráveis ao bom desenvolvimento da planta e frutificação são: clima ameno a quente, boa disponibilidade de água durante o ano e solosricos em matéria orgânica. A propagação é feita através de sementes.

Produção e produtividade

A planta inicia a frutificação a partir de 2 anos de idade e produz por cerca de 20 anos. Na região Amazônica, ela produz duas vezes ao ano.

Utilidade

O alilo é comestível ao natural e é muito apreciado pelos povos da região.

Composição da polpa: 70% de umidade; ºBrix – 25; grande parte tomada por açúcar e fibras. As sementes contêm 17% de proteína.

Fonte: globoruraltv.globo.com

Ingá

INGA CINNAMOMEA, INGA EDULIS, INGA QUADRANGULARIS

NOME POPULAR: Ingá açú (I. cinnamomea), Ingá cipó (I. edulis), Ingá peua (I. quadrangularis)

Ingá
Ingá cipó (I. edulis)

Ingá
Ingá Açu (I. cinnamomea)

Ingá
Ingá peua (I. quadrangularis)

NOME INDIGENA: Ingá vem do tupi guarani e significa “semente empapada” aludindo ao arilo aquoso que envolve a semente. Açu –“grande, largo”, Cipó –“que é enrolado”, Peua – “chato, quadrado”.

Origem: Ingá peua nativo da floresta atlântica; Ingá açu e ingá cipó nativo da Amazônia, Brasil.

Características: São arvores de troco curto e copa ampla quando cultivada, na floresta crescem de 6 a 18 metros de altura. As folhas são compostas e pinadas (semelhante a pena), no caso do Ingá açu, são três pares de folíolos e a nervura não é alada; No caso do Ingá cipó são 4 a 6 pares de folíolos com textura ondulada e no caso do ingá peua são 8 a 12 peres de folíolos. As flores são caracterizadas por 40 a 70 estames (tubos masculinos) longos, de 4 a 7 cm de comprimento, de cor branca.

Plantado no Sitio Frutas Raras em: Peua em novembro de 2.002, Ingá cipó em outubro de 2.004, Ingá açú em janeiro de 2.005.

Dicas para cultivo: Arvore de crescimento rápido que não resiste a geadas inferiores a 0 grau, vegeta bem em altitudes superiores a 400 m. O solo pode ser profundo, úmido, neutro, com constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho) e rico em matéria orgânica. A arvore inicia a frutificação no primeiro ano após o plantio no caso do Ingá açu, no 2 ano no caso do ingá cipó e no 3 ano no caso do ingá peua. Convém plantar no mínimo 2 plantas para uma melhor produção.

Mudas: Sementes alongadas, verdes, de casca delicada e recalcitantes (perde o poder germinativo em 4 dias) germinam em 10 a 30 dias, as mudas crescem rápido, adaptando-se a qualquer tipo de solo. Depois de plantada a muda cresce mais de 2 metro no primeiro ano A arvore é ótima para compor reflorestamentos e para fazer sombra refrescante para as pessoas que tem pressa de terem arvores grandes.

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol como em bosques com arvores grandes bem espaçadas. Espaçamento 5 x5 m para o Ingá açú e 7x7 m para outras especies. Adicione a cova 1kg de calcário e1 kg de cinzas e 8 litros de matéria orgânica. Irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada.

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco. Adubar com composto orgânico, pode ser (6litros) cama de frango + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano.

Usos: os frutos são consumidos in-natura, sendo muito refrescantes e doces.

Floração no sitio Frutas Raras: outubro novembro para o Ingá Peua e Cipó e dezembro a Março para o Ingá Açú.

Frutificação no sitio Frutas Raras: fevereiro março e outubro.

Fonte: frutasraras.sites.uol.com.br

Ingá

Inga edulis / ingá-de-metro

Árvore média (8-10 m), de rápido crescimento e copa aberta e ramificada.

De floração abundante e perfumada, produz frutos em profusão. Estes são favas enormes (0,80-1,00 m) na variedade, contendo uma polpa aerada e muito doce, que se destaca facilmente das sementes.

Ingá
Ingá

Usos

Trata-se da espécie de ingá mais popular na Amazônia, sendo muito valorizada pelo seu excelente sabor. Utilizada também como ornamental pela sua exuberante floração branca, e como árvore pioneira sombreadora de culturas umbrófilas (cacau e café, por exemplo). A semente contém 17% de proteína e presta-se à alimentação animal.

Cultivo

De fácil cultivo em climas tropicais e subtropicais, a sol pleno e solos que retenham umidade, ou arenosos próximos a coleções de água. Aprecia uma boa adubação orgânica.

Origem

Amplamente distribuído pela Amazônia e Mata Atlântica.

Família: Fabaceae (subfamília Mimosoideae)

Observações: A polpa contém 70% de umidade, com Brix de 25 graus.

Fonte: www.e-jardim.com

Ingá

Nome Científico: Inga edulis

Nome Popular: Ingá

Sinonímea: ingá de metro, ingá cipó.

Outros Nomes: Ingá-cipó, ingá-de-metro

Partes usadas: casca, sementes, frutos.

Ingá
Ingá

Características

Árvore de 10 a 15 metros de altura, de ramos longos e ramificados. Suas folhas compostas de 4 a 6 pares de folíolos, grandes, formato elíptico, cor verde-clara a verde-escura.

As flores são em inflorescências terminais ou subterminais nas axilas das folhas com os ramos. Seus frutos são vagens cilíndricas, de 20 a 100 centímetros de comprimento por 3 a 4 centímetros de diâmetro, contêm muitos sulcos longitudinais e a cor da casca verde-oliva.

Em cada vagem contêm muitas sementes envoltas por uma massa branca flocosa (alilo) que é a parte comestível. As sementes são pretas e brilhantes com 3,5 centímetros de comprimento e 2 centímetros de diâmetro. O gênero possui representantes no México, Antilhas Maiores e Menores e em toda a América do Sul.

Origem

Cerca de cem espécies deste vegetal podem ser localizados nas zonas quentes da Ásia e da América do Sul, o que dificulta ser definido o seu lugar de origem. O "ingá edulis" é considerado como tendo a sua origem na Amazônia brasileira.

Família: Leguminosae-Mimosoideae

Altura: Até 25 metros

Finalidade

Ingá
Ingá

Frutos comestíveis. A madeira é utilizada apenas para lenha e carvão. Ultimamente, como o crescimento do uso de gaseificadores na geração alternativa de energia elétrica, os "ingás" (principalmente o "chinelo", assim chamado por lembrar o solado de um chinelo ou tamanco), e o "de metro", (este "edulis", o mais popular, comprido e retorcido), estão tendo plantios intensivos experimentais para uso como biomassa.

Propriedades: antidiarréicas, emoliente, adstringente.

Indicações: O decocto da casca em clisteres combate as diarréias e para curar "feridas velhas".

Finalidade terapêutica

O cozimento das folhas é usado empiricamente para o combate às diarréias e para curar "feridas velhas".

Dicas de Cultivo

Planta originária do Brasil (mais de 300 espécies), de clima tipicamente tropical, daí ser encontrada principalmente na região Amazônica. Prefere clima ameno a quente, com boa disponibilidade de água durante o ano e solos ricos em matéria orgânica.

A propagação é feita através de sementes.

Fonte: www.maniadeamazonia.com.br/www.cantoverde.org

Ingá

A árvore que deu o primeiro nome de Andirá

Nome popular: ingá-da-praia / ingá-verdadeiro

Nome científico: Ínga edulis Mart.

Família botânica: Leguminosae - Mimosoideae

Origem: Brasil - Amazônia.

Existem dezenas de espécies de ingás amplamente disseminadas pelo Brasil. São muito comuns nas beiras dos rios e planícies aluviais, preferindo solos úmidos e até brejosos.

De modo geral, florescem entre agosto e novembro e frutificam de dezembro a fevereiro. O desenvolvimento da planta no campo é rápido, atingindo facilmente 3 m de altura aos dois anos de plantio. As flores do ingazeiro são melíferas e bastante atrativas para as abelhas.

Ingá
Ingá

Ingá
Ingá

Os frutos são consumidos pelo homem e muito procurados pela fauna silvestre: macacos, periquitos, papagaios e peixes, especialmente os pacus e as piaparas.

Árvore de grande porte que pode atingir 15m de altura. Folhas divididas em 6 a 8 folíolos presos a uma haste folhosa com pilosidade de coloração ferrugíneo-tomentosa. Flores aglomeradas de coloração branco-esverdeada. Floresce quase o ano todo.

Cultivo

Cultivo por sementes. Prefere solos arenosos próximos aos rios. De crescimento rápido, esta espécie é a mais conhecida dentre os "ingás".

De acordo com Pio Corrêa, pelo nome indígena de ingá - que significa "embebido, empapado, ensopado", devido talvez à consistência de seu arilo, polpa aquosa que envolve as sementes são conhecidas mais de duzentas espécies do gênero Ingá, da família das Leguminosas.

Nem todas elas são nativas das florestas amazônicas, como o ingá-cipó.

Mas, em geral, os ingás preferem nascer às margens dos igapós, embrenhando-se pelas matas marginais dos rios amazônicos.

Quando ocorrem em outras regiões, os ingás também são característicos das matas de galeria que seguem os cursos d'água por onde passam.

Assim como todos os outros ingás brasileiros, o fruto do ingá-cipó é uma vagem. Nesse caso, vagens grandes e verdes.

A principal característica deste ingá - e que faz com que ele se destaque dos demais - é o fato de sua vagem conseguir atingir até 1 metro de comprimento sem se partir. E é provavelmente por esse motivo, por ser tão comprido e ficar meio espiralado, que ele leva o nome do cipó.

Dentro dessa vagem encontram-se sementes negras e brilhantes. Envoltas pelo arilo - de cor branca, levemente fibroso, de consistência macia e sabor adocicado estas sementes são chupadas e depois botadas fora. Apesar do conteúdo dessa polpa ter propriedades nutritivas, esse fruto é consumido pela população da Amazônia mais como espécie de distração ou passatempo.

As vagens do ingá-cipó são facilmente encontradas à venda nos mercados das cidades amazônicas, podendo ser transportadas da floresta e das áreas de cultivo com facilidade sem se estragarem.

Bastante apreciado em toda a Amazônia, o ingá-cipó é muito cultivado nos arredores das habitações e por toda parte, sendo freqüente na mata, no estado subespontâneo. É muito comum, também, utilizar-se a árvore do ingá-cipó para o sombreamento dos cafezais plantados na região.

Ingá-macaco (Inga sessilis)

Outros nomes: Ingá-ferradura, ingá-carneiro.

Ocorrência

É árvore típica da Floresta Atlântica de planície e de encosta da Serra do Mar, ocorre no sul e sudeste do Brasil, desde o sul do Estado de Minas Gerais até o Estado do Rio Grande do Sul.

Sementes

Frutifica na primavera, nos meses de setembro e outubro. Coletados da árvore ou do solo, devem ser abertos manualmente, com faca; as sementes devem ser lavadas e postas em peneiras para secar. Cada quilo produz de 3 a 5 mil sementes. Armazenadas ao natural, perdem o poder germinativo em 15 dias; logo após lavadas e secas, em recipiente bem vedado (plástico, lata ou vidro), resistem até 8 ou 10 meses.

Mudas

Colocar as sementes para germinação imediatamente após a retirada das vagens em canteiros semi-sombreados contendo substrato organo-argiloso. Irrigar duas vezes ao dia. Semeadas diretamente ou em embalagens, germinam bem e rapidamente entre 10 e 30 dias, sem nenhum tratamento. A partir do 4º mês em viveiro, estarão prontas para o plantio.

Plantio

Pode ser plantado a céu aberto, puro ou associado a outras espécies e em faixas abertas, nas capoeiras. Seu crescimento é de moderado a rápido (1 metro por ano), necessitando podas para formar tronco alto.

Madeira

Madeira leve, é pouco utilizada pela sua baixa resistência natural. Fornece, contudo boa lenha e é adequado para arborização de pastagens, associado a cultivos perenes, áreas degradadas e paisagismo. A mucilagem que envolve as sementes é comestível, de ótimo sabor.

A árvore é grande fixadora de nitrogênio do ar através dos nódulos radiculares, é ótima para reflorestamento.

Resumo

O Ingá cipó (Inga edulis Martius) é uma leguminosa arbórea da sub-família Minosoideae, nativa da América Tropical, e amplamente cultivada pela população local por fornecer fruto comestível, madeira boa para lenha, como árvore de sombra, e mais recentemente como componente agroflorestal.

O estudo do ingá cipó ajuda a planejar a comercialização dos frutos e o manejo dos plantios. Observou-se quatro períodos de floração durante o ano, com picos em março, maio, agosto, setembro, janeiro; algumas árvores apresentaram cinco florações. Os picos de frutificação seguiram em abril, junho, setembro, outubro, novembro, fevereiro.

Os ingazeiros de 3-4 anos produziram de 20.000 a 100.000 flores (média 50.000) e 200 a 800 frutos (média 500). O vingamento dos frutos variou de 0,4 a 1,8%, com uma média geral de 1,1%. O peso dos frutos variou de 250 a 600g (média de 470g), contendo 22+-4% de polpa comestível. A produção anual de frutos por árvore variou de 300 a 1.700kg (média 960kg).

Martha de Aguiar Falcão

Charles R. Clement

Fonte: www.vejaandira.com.br

Ingá

Ingá é o fruto da ingazeira, planta da família das leguminosas e muito comum em regiões próximas a lagos e rios.

O nome ingá é de origem indígena, que significa “embebido, empapado, ensopado”, devido o aspecto aquoso que envolve as sementes.

São conhecidas cerca de 300 espécies do gênero Ingá, todas produzem frutos em vagens grandes e verdes, com sulcos no sentido comprido, que podem atingir até 1m de comprimento dependendo da espécie, mas de forma geral grande parte das espécies possuem frutos com até cerca de 10-30cm de comprimento.

A árvore pode chegar a uma altura de 15 metros, é muito utilizada para sombreamento dos cafezais. A planta prefere solos arenosos perto de rios. Com flores de coloração branco-esverdeada, a ingazeira frutifica praticamente em todo o ano.

A polpa da fruta é branca, levemente fibrosa e adocicada, bastante rica em sais minerais. Em geral, ela é consumida ao natural, pois não se presta a preparações culinárias. Também é usada na medicina caseira, sendo útil no tratamento da bronquite (xarope) e como cicatrizante (chá).

Ingá
Ingá

É na Floresta Amazônica que se encontra a maior diversidade de espécies do ingá.

Além de ser encontrado no Brasil, o ingá também se desenvolve em outras regiões de clima neotropical, como México, Antilhas Maiores e Menores e outros países da América do Sul, como Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, entre outros.

As vagens de ingá podem ser encontradas facilmente em mercados das cidades da região Norte do Brasil.

Jussara Dutra Izac

Fonte: www.senado.gov.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal