Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Islamismo  Voltar

Islamismo

 

Islamismo – Seus Enganos Proféticos e Expansão

“Convencido da sua ‘chamada’, Maomé passou a pregar a sua doutrina”

O islamismo foi fundado pelo profeta Maomé (570 a 632 a.D.), no ano 622 a.D., em Latribe, atual Medina, Arábia Saudita.

A palavra árabe íslam significa “submissão a Deus”. Os seguidores dessa religião são chamados de maometanos (seguidores de Maomé) ou muçulmanos (palavra francesa que vem do árabe muslim e que significa “aquele que se entrega de corpo e alma a Deus”).

No islamismo não há sacerdócio profissional; é recomendado aos seus seguidores a abstenção do vinho.

Além da aceitação e da récita do credo (chahada), o devoto tem mais quatro obrigações: a oração; o jejum durante o mês lunar do Ramadã; distribuição de esmolas e, se possível, uma peregrinação à cidade santa de Meca. É uma religião missionária; contudo, os muçulmanos não consideram pagãos os judeus e cristãos, aos quais quando conquistados, é permitido continuar praticando sua religião.

Em séculos passados, os exércitos muçulmanos ocuparam grande parte da Índia e chegaram certa vez aos arredores de Paris.

O islamismo adotou certas práticas de conquistas, dentre as quais, a guerra, embora, nos dias atuais esteja tentando corrigir-se; ela foi conveniente como meio de expandir a religião e o Estado, bem como a poligamia, escravidão e intolerância...

“Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai”. Romanos 8:15.

Histórico

O fundador do islamismo, segundo a onomástica árabe, chamava-se bulgasim Mohammad Ibn Abdullah Ibn Abd Al-Muttalib Ibn Hãshim.

O nome Maomé vem de Mohammad e significa “altamente louvado”. Nasceu em Meca, na atual Arábia Saudita, provavelmente no ano 570 a.D., e foi filho de um pobre mercador da tribo Quaraych. Seus pais morreram pouco depois do seu nascimento, tendo sido educado por seu avô e, mais tarde, por seu tio. Foi em sua juventude, pastor e guia de caravanas de comerciantes.

Maomé casou-se com Khádidja – uma rica viúva bem mais velha que ele – quando tinha 25 anos. Estabeleceu-se em Meca e tornou-se um próspero mercador, iniciando uma vida contemplativa. Quinze anos depois, na caverna do monte Hira, ao norte de Meca, Maomé declarou ter recebido uma revelação de Alá, na qual teria sido ordenado que pregasse uma nova religião em todo o mundo.

Afirmou ainda ter recebido muitas outras revelações e visões de anjos e arcanjos. Em Hira, por exemplo, apregoou a aparição do anjo Gabriel, que lhe teria dado um manuscrito para ler, e anunciado sua “eleição” como profeta enviado de Deus aos homens. Conta-se também que, certa vez no deserto uma eremita cristã lhe teria revelado sua “missão” de profeta, identificando-o por uma mancha branca nas costas tomada por marca identificadora.

Segundo crêem, Maomé passou a ouvir vozes que o mandavam pregar ou lhe transmitiam certos ensinamentos, registrados mais tarde no Alcorão.

A chamada Convencido de sua “chamada”. Maomé passou a pregar sua doutrina.

Os árabes – possíveis descendentes de Abraão através de Ismael, filho de Agar – consideram-no o único profeta de Deus e julgam ser o islamismo o cumprimento da promessa de Deus em Gênesis 17:20:

“Quanto a Ismael, eu te ouvi: abençoá-lo-ei, fá-lo-ei fecundo e o multiplicarei extraordinariamente; gerará doze príncipes, e dele farei uma grande nação.”

Maomé conseguiu alguns discípulos em Medina (colônia judaica), cujo significado do nome em aramaico é “a cidade”.

Dos seus discípulos (califas), o mais fiel era Abu Bakr, companheiro de todas as horas. Depois de uma conspiração dos coraixitas. Maomé fugiu em direção a Medina para não ser morto, chegando lá em 22 de setembro de 622, data que marca a Hégira (emigração ou separação) e o início do calendário muçulmano.

Em Medina foi fundada oficialmente a sua religião.

Maomé, chefiando os muçulmanos, partiu para invadir Meca em 628, supostamente, em obediência a uma ordem de Alá. Conquistou a cidade e, depois de um acordo com os coraixitas, destruiu todos os ídolos da Caaba (não confundir com Cabala) e anunciou o advento de uma era de paz e prosperidade geral.

Decorridos aproximadamente dois anos, os vultos de maior projeção em Meca já tinham aderido ao islã.

Depois da sua morte, em 8 de junho de 632, seu fiel discípulo Abu Bakr se empenhou na islamização das tribos e empreendeu expedições para a conquista da Síria e da Pérsia. Abu Bakr foi morto em 634 e teve por sucessor Umar, que governou por um período de dez anos, durante o qual estendeu os domínios do Estado islâmico até a Índia, vencendo as forças de Bizâncio para tomar a Síria, a Palestina, o Egito e outros territórios pertencentes ao império persa.

Umar foi assassinado em 644, e Otman o substituiu à frente do já então império muçulmano. Otman se dedicou a redigir a versão definitiva do Alcorão.

Governou até 655 e foi morto por Ali, cunhado de Maomé, que seria o quarto dos califas eleitos. Depois dele, a chefia dos muçulmanos passou a ser hereditária.

A expansão

Apesar de alguns períodos de luta civil entre muçulmanos, a expansão do islamismo prosseguiu durante um século. No Ocidente, os muçulmanos ocuparam o Norte da África até o Atlântico, atravessaram para a Espanha e por alguns anos mantiveram em seu poder a região de Narbona, no Sul da França.

Na famosa batalha de Tours, em 732, uma expedição de ataque muçulmana foi derrotada pelo exército francês, mas isso não abrandou o domínio muçulmano sobre a Espanha.

Para o Norte, avançaram até Constantinopla (a moderna Istambul), mas não conseguiram ocupar nenhum território da Ásia Menor (Turquia). Para Leste, depois de conquistar toda a Pérsia e o Afeganistão, penetraram na Ásia Central e atravessaram a linha do rio Indo, no atual Paquistão. Até o ano 750, toda essa área constituiu um único Estado, governado pelos califas da dinastia Omíada.

A maioria dos habitantes dessas regiões não se converteu logo ao Islã, mas tornaram-se minorias protegidas.

A idéia de que aos oponentes era dado escolher entre “o Islã ou a espada” é falsa, exceto no caso das tribos pagãs árabes.

No seu conjunto, as “minorias protegidas” eram bem tratadas, uma vez que os governantes consideravam ponto de honra uma “proteção” eficiente. Contudo, os membros dessas minorias viam-se como cidadãos de segunda classe, de modo que se verificou uma constante corrente de conversões ao longo dos séculos.

Foi desse modo que o Islã tornou-se a religião predominante nas terras que, originalmente, constituíam a pátria do cristianismo.

Antes do aparecimento de Maomé, os árabes viviam em tribos. Eram politeístas e não tinham governo centralizado. Maomé, através da religião, controlou toda a Arábia e, à medida que dominava os povos pela guerra, impunha-lhes também a religião muçulmana. Surgiu então o império árabe politicamente falando.

Após a morte de Maomé, os quatro primeiros califas (sucessores de Maomé) expandiram o Islã.

A máxima expansão dos árabes, no século XI, já não correspondeu a um império unido, pois governavam califados independentes. Atualmente, entre as principais áreas de influência do islamismo estão o Oriente Médio, o Norte da África, a Ásia Ocidental e numerosas comunidades na Indonésia, Malásia e Filipinas. Essa influência aumenta ainda rapidamente nos países africanos do Sul do Saara.

É a segunda maior religião do mundo, com mais de meio bilhão de adeptos.

Facções

Antigos debates sobre o califa (sucessor de Maomé) levaram a cisões dentro do islamismo.

O Islã é formado por dois grupos básicos: os sunitas e os xiitas.

As suas origens remontam à questão enfrentada pelos primeiros muçulmanos: quem iria suceder Maomé como líder da comunidade islâmica? Para os muçulmanos, essa foi sempre tanto religiosa como política.

Sunitas: o consenso da comunidade

A resposta ou pensamento dos sunitas, que constituem maioria muçulmana (cerca de 90%), pode ser resumida da seguinte forma:

“Ninguém pode suceder Maomé na sua natureza e qualidade de profeta, pois o Corão termina e aperfeiçoa a revelação da vontade divina, e declara Maomé como o último dos profetas”.

Assim, o sucessor de Maomé não poderia ser mais do que o guardião do legado profético.

Xiitas: autoridade e liderança

Para os muçulmanos xiitas, a principal figura de autoridade religiosa é o imã. Maomé completou o ciclo dos profetas e com ele a possibilidade de mais revelações divinas. Porém, os muçulmanos xiitas acreditam que ele instituiu o “ciclo da iniciação” como contínuo da comunidade, ao nomear um imã como seu sucessor. Este estava investido com as qualidade necessárias para uma interpretação inspirada e infalível do Corão. Desse modo, os xiitas referem-se a si mesmos como “povo de nomeação e identificação”.

O primeiro imã foi Ali. Como primo, filho adotivo e mais tarde genro de Maomé, não era apenas um membro da tribo de Maomé, mas também “uma pessoa da casa”.

Essa relação familiar íntima é significativa: os xiitas acreditam que Ali herdou as “capacidades espirituais” de Maomé, a sua wilaya. Era infalível na interpretação do Corão e na liderança da comunidade e passou essa característica aos filhos do seu casamento com Fátima, Hassan e Hussein, e estes aos seus descendentes da linha dos imãs.

Os xiitas acreditam que o ciclo da wilaya prosseguirá até o fim da história humana quando, no Última Dia, a humanidade será ressuscitada e julgada para a segunda vida. A maioria dos xiitas, conhecidos por “imamis” (vivendo quase todos no Irã), acredita que o ciclo ficará completo com o messiânico regresso do décimo segundo imã, muitas vezes citado como o “imã do período”, que se diz ter sido retirado para um estado de “ocultação” desde o século III do Islã. Os seus conselhos são ainda acessíveis através de agentes ou “doutores da lei” (mujtahidun), entre os quais os mais importantes no Irã são os aiatolás. São eles que têm o direito de interpretar a Sharia e de estabelecer as regras religiosas.

A literatura

Islamismo
O livro sagrado do Islã, o Alcorão

O livro sagrado do Islã, o Alcorão

Alcorão Al Quran ou Corão significa “recitações”. Contém as revelações místicas de Maomé. Segundo o profeta, o Alcorão, também chamado livro de Deus (Kitab Alah), não deveria ser traduzido, pois seria inspirado por Deus. Num total de 114 suratas (capítulos) e 6.216 aiat (versículos), o Alcorão é um conjunto de dogmas e preceitos morais e, segundo os muçulmanos, é a única fonte do direito, da moral, da administração, etc.

É, na realidade, uma mistura de zoroatrismo, judaísmo, budismo, confucionismo e ainda boas porções do Novo Testamento, interpretados pela fértil mente de Maomé.

Suna:Coleção de tradições (provérbios morais e anedotas) que identificam a tradição árabe com o islamismo.
Ijma:
Estabelece a crença de que a maioria dos muçulmanos não poderia concordar em erro. O alcorão, a Suna e o Ijma são três alicerces da doutrina islâmica.
Doutrinas Trindade:
O islamismo não aceita a doutrina cristã da Trindade. Acredita no Espírito Santo como uma força emanada de Deus e vê  em Jesus Cristo apenas um profeta posterior a João Batista.
Deus:
O islamismo prega a unidade de Deus e também a Sua unicidade, na qual todas as coisas criadas existiram na dependência de Deus, em obediência ao poder criador e sustentador. Daí a palavra “muçulmano” significar “o que vive a sua vida de acordo com a vontade de Deus” e Islã, “submissão a Deus”. Seria o mesmo Deus de Abraão, contudo, teria terminado sua revelação em Maomé.
Jesus Cristo:
Maomé é considerado o último dos profetas, aquele que veio depois de Adão, Noé, Abraão, Moisés e Jesus. Nesse caso, nega a Jesus todos os atributos e conceitos que o cristianismo Lhe dá ou Lhe atribui.
Céu:
O Céu é, para os muçulmanos, um superoásis; o sonho de um povo que vive no deserto. Nele, os bem-aventurados que seguiram os preceitos do Senhor, encontrariam rios de leite, mel, vinho e multidões de virgens com olhos negros de gazeta... A situação inferior ocupada pela mulher nos clãs particulares dos beduínos seria perpetuada no Céu. Os soldados mortos em guerra santa para expandir o Islã teriam entrada garantida nos supostos oito círculos do paraíso, mesmo antes do julgamento final.
Inferno:
O inferno para o islamismo nada tem de especial; apenas leo fervente e fogo para aqueles que não seguiram os preceitos de Alá.
Oração:
Os muçulmanos rezam cinco vezes por dia. Nas orações que têm por objetivo dar graças e glorificar a Alá (Deus).
Imagens:
Homens, animais, plantas e pedras são criação divina e, por isso, os homens não devem recriá-los.
Predestinação:
Para os muçulmanos, o homem tem um destino traçado e, por isso, quando acontece um fato qualquer, o árabe costuma dizer: “Estava escrito!”.
Guerra:
Chamava-se “guerra santa” toda aquela promovida com a finalidade de expansão do islamismo.

Maomé massacrava todos aqueles que se colocavam em seu caminho, após tal massacre teria declarado: “Assim queria Alá”.

Em países como o Paquistão, por exemplo, os não muçulmanos foram banidos da vida política do país.

Há cada vez mais restrições à liberdade religiosa.

Pecado original: Segundo o islamismo, Alá criou o mundo, o homem e também os anjos.

O Islã, porém desconhece o pecado original, uma vez que o erro de Adão não teria recaído sobre sua descendência.

Escatologia: Segundo a escatologia islâmica, a história humana terá fim no julgamento final, o qual será precedido por acontecimentos terríveis como por exemplo a vinda de personagens maléficos ou propícios: o Mahdi, espécie de messias; o anticristo, falso messias que aparecerá entre o Iraque e a Síria, e Cristo, que matará o anticristo.

Caaba: No interior da Caaba (espécie do templo pagão) existiam 360 ídolos: o sol, a lua, os astros, o destino, vários espíritos ou anjos. Era uma espécie de panteão dos espíritos tribais dos beduínos.

Maomé, quando entrou em Meca com seu exército, destruiu todos os ídolos da Caaba .

Considerações finais

De uma ou outra forma, o islamismo crê na doutrina do judaísmo, do qual uma vez ou outra tira ingrediente para misturar com doutrinas de outras religiões.

Disse Maomé:

“Eu acredito em Deus; em seus anjos; livros e mensageiros; no último dia; na ressurreição dos mortos; na predestinação por Deus; no bem e no mal; no julgamento; na justiça; no paraíso e no fogo do inferno.”

Para os muçulmanos de hoje, Maomé permanece como modelo de ser humano. Sua autoridade como mensageiro da verdade e líder da luta pela justiça continua sendo suprema. No entanto, para aqueles que acreditam nos ensinamentos do Novo Testamento, não resta dúvida de que Maomé foi um falso profeta. À medida que foi dominando as nações e aumentando seu próprio poderio, as suas “revelações” de Deus mudaram de estilo e começaram a responder diretamente às questões de política local e beduína, tornando-se, por isso, muitas vezes obscuras para nós.

Seus ensinamentos se chocam, muitas vezes, com os ensinamentos de Jesus que, dentre outras coisas, afirmou que o seu reino não é desse mundo.

Fonte: www.stbnata.org

Islamismo

I. Histórico

O Islam foi fundado em 622 d.C., na cidade de Madina, Arábia. Seu fundador, Mohammad, nasceu na cidade de Makka, em 570 d.C, num contexto religioso que mesclava animismo, politeísmo, monoteísmo etc. Cristãos e judeus vivam nas imediações. Havia em Makka um santuário chamado Caaba, que conserva até hoje uma pedra negra, considerada sagrada pelos árabes. Alguns desses praticavam a adoração a "Allah"† , porém, este era visto como um deus tribal, sem caráter universal.

Em 610 d.C., aos quarenta anos, Mohammad, enquanto meditava numa caverna, teria recebido a visita do anjo Gabriel (Jibril, em árabe), que lhe revelou o que hoje é conhecido como o Alcorão (veja Escrituras). Começou a pregar que só havia um único Deus, o Juízo Final e que ele era o derradeiro mensageiro de Deus, o restaurador da religião verdadeira que há muito havia desaparecido. Essa pregação trouxe forte oposição de seus contemporâneos. Isso levou Mohammad a fugir para Madina, em 16 de julho de 622. Esse acontecimento, conhecido como Hégira (migração), marcou o início do calendário muçulmano.

Nessa cidade ele estabeleceu sua doutrina, recrutou adeptos e construiu a primeira mesquita. Em 630, com seus seguidores, entrou em Makka, submetendo-a, sem combate, à nova fé. Sua primeira atitude foi destruir os ídolos da Caaba. Morreu dois anos depois, aos 63 anos. Antes disso, a maior parte da Arábia já era muçulmana.

Islamismo

Atualmente o Islam é a segunda maior religião do mundo – depois do Cristianismo – contando com cerca de 1 bilhão de adeptos. A sede no Brasil fica em São Bernardo do Campo, SP. Sua população não passa dos 50 mil adeptos, segundo os últimos dados fornecidos pelo pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (Censo Demográfico de 1991).

II. Escrituras

O Alcorão (literalmente: recitação) é a autoridade primeira do Islam, que ensina ter Deus revelado cada palavra através do anjo Gabriel a Mohammad, que era analfabeto. Este teve de memorizar todas as palavra, ditando-as aos seus discípulos. Depois de sua morte, um grupo de escribas começou a assentar tudo por escrito. O resultado final é uma obra contendo 114 suratas (capítulos). Há extensa citação (indireta) tanto do Antigo quanto do Novo Testamentos (embora apregoe que estas obras literárias tenham sido corrompidas através dos séculos). A segunda fonte de autoridade para os muçulmanos é a Sunna, a coleção da tradição das declarações e dos feitos de Mohammad, apresentados em forma de hadis (breves narrativas).

III. Deus

A fé Islam é essencialmente monoteísta (Hanif). Sua concepção da unicidade de Deus, leva-a a rejeitar a crença cristã na doutrina da Trindade, afirmando que esta deturpa o monoteísmo bíblico. Diz que os cristãos "inventaram a Trindade ou a copiaram da idolatria pagã".

IV. Jesus Cristo

Jesus é respeitado e reverenciado no Islamismo como um dos maiores mensageiros de Deus para a humanidade (Mohammad é o maior e o último deles). Crêem que nasceu da virgem Maria, contudo, ele não pode ser considerado "Filho" de Deus num sentido especial como o Cristianismo atribui. Negam também sua divindade, bem como sua morte na cruz, e assim, conseqüentemente, negam seu sacrifício vicário e a redenção do gênero humano por meio de sua morte, que são sustentáculos do Cristianismo. Isso se dá devido ao fato de que o retrato feito de Jesus no Alcorão é baseando nos evangelhos apócrifos – que foram rejeitados pelo Cristianismo – e não nos canônicos (Mateus, Marcos, Lucas e João). A idéia da Encarnação (veja Cristianismo – Jesus Cristo) parece aos olhos dos muçulmanos como algo degradante, diminuindo a transcendência de Deus.

V. Espírito Santo

Os eruditos muçulmanos dizem tratar-se do anjo Gabriel. Crêem também que as palavras de Jesus referentes ao Espírito Santo sejam aplicadas a Mohammad.

Este seria o Consolador, o Espírito da verdade, que Jesus havia profetizado no Evangelho de João, cap. 16, vv. 12 e 13.

VI. Salvação

A salvação no Islam depende da aplicação dos cinco pilares sobre os quais o Islam está fundamentado, a saber: a fé (chahada), a oração (salat), a caridade (zakat), jejum (siyam) e a peregrinação à Makka (hajj).

VII. Vida após a morte

O Islam prega a sobrevivência da alma após a morte física e o Dia do Juízo Final. Antes do Juízo, porém, os mortos vão para um lugar ou estado intermediário, conhecido como Barzakh, onde os justos vivem períodos de felicidade e os ímpios de sofrimento. Ambos aguardam a ressurreição no Juízo Final. Os que reconheceram que "não há outra divindade além de Deus, e que Mohammad é seu mensageiro" — esse é o resumo de tudo o que o muçulmano deve crer — receberão as alegrias do Paraíso eternamente e contemplarão a Deus. Os que não viveram de acordo com essa profissão de fé serão lançados no inferno.

Quanto ao inferno, os peritos muçulmanos divergem em relação à durabilidade do castigo: para alguns, Deus poderá perdoar todos os pecados dos infiéis, com exceção da descrença em Deus; para outros, contudo, haverá a salvação universal, ou seja, todos serão perdoados, até mesmo o que cometeram o pecado da descrença em Deus.

VIII. Informações adicionais

Nega a idéia de pecado original, pois crê que a pureza é inerente ao homem, que, ao corromper-se, pagará por seus pecados pessoais.

O Islam possui um calendário próprio, que tem como marco inicial a Hégira, ou migração, de Mohammad de Makka para Madina. Sendo assim, eles contam o ano de 622 d.C. como o ano 1 H. Seu calendário é o lunar; tendo seu ano, portanto, 354 dias.

IX. Vocabulário

Caaba – sagrada mesquita muçulmana em Makka; também designa a pedra negra sagrada que se encontra no interior dessa mesquita.
Califa –
nome dado aos sucessores de Mohammad.
Chahada – literalmente: "testemunho"; é o primeiro dos cinco pilares do Islam (sua profissão de fé):
"Não há divindade além de Deus e Mohammad é seu mensageiro".
Hajj –
O quinto pilar do Islam, que consiste numa peregrinação anual à cidade sagrada de Makka (para quem tiver condições físicas e econômicas para isso) ou pelo menos uma vez na vida.
Islam –
palavra árabe que significa "submissão"; no contexto muçulmano, significa "submissão ou entrega total a Deus"; no contexto histórico, refere-se à religião iniciada por Mohammad.
Jibril –
nome árabe para o anjo Gabriel, que supostamente forneceu a Mohammad a "revelação" (Alcorão).
Mesquita –
local de adoração dos muçulmanos (masjid, em árabe).
Ramadan –
mês do calendário Islam em que os adeptos devem jejuar, pois nesse mês Mohammad teria recebido a "revelação".
Salat –
orações obrigatórias que os muçulmanos devem praticar cinco vezes ao dia; são recitadas em árabe, contendo versículos do Alcorão. É o segundo pilar do Islam.
Siyam –
é o quarto pilar do Islam, o jejum, que deve ser observado durante todo o mês de Ramadan, do nascer ao pôr-do-sol, seguido da abstenção de comida, bebida e dos relacionamentos sexuais.
Surata –
cada capítulo do Alcorão.
Zakat – literalmente:
"purificação"; é o terceiro pilar do Islam, consistindo na prática obrigatória se de dar uma porcentagem do que se ganha ao Islam para sua propagação e outros fins.

Aldo Menezes

Fonte: solascriptura-tt.org

Islamismo

O ISLÃ

UM PERIGO QUE PODE AFLORAR!

1 - RESUMO HISTÓRICO

Como Tudo Começou

O Islã foi fundado em 622 d.C., na cidade de Medina, Arábia. Seu fundador, Mohammad ou Maomé, nasceu na cidade de Meca, em 570 d.C, num contexto religioso que mesclava animismo, politeísmo, monoteísmo, etc. Cristãos e judeus vivam nas imediações. Havia em Meca um santuário chamado Kaaba ou Caaba, que conserva até hoje uma pedra negra, considerada sagrada pelos árabes. Alguns desses praticavam a adoração a "Ala", porém, este era visto como um deus tribal, sem caráter universal.

Corrobora conosco o escritor Libanês Albert Hourani: “... O nome dado a Deus era Alá, já em uso para um dos deuses locais”

Em 610 d.C., aos quarenta anos, Maomé, enquanto meditava numa caverna, teria recebido a visita do anjo Gabriel (Jibril, em árabe), que lhe revelou o que hoje é conhecido como o Alcorão. Começou a pregar que só havia um único Deus, o Juízo Final e que ele era o derradeiro mensageiro de Deus, o restaurador da religião verdadeira que há muito havia desaparecido. Essa pregação trouxe forte oposição de seus contemporâneos. Isso levou Maomé a fugir para Medina, no ano 622 d.C.. Esse acontecimento, conhecido como Hégira (migração), marcou o início do calendário muçulmano.

Nessa cidade ele estabeleceu sua doutrina, recrutou adeptos e construiu a primeira mesquita. Em 630, com seus seguidores, entrou em Meca, submetendo-a, com seu exército, à nova fé. Sua primeira atitude foi destruir os ídolos da Kaaba. Morreu dois anos depois, aos 63 anos. Antes disso, a maior parte da Arábia já era muçulmana. Atualmente o Islã é a segunda maior religião do mundo – depois do Cristianismo – contando com cerca de 1 bilhão de adeptos.

O Alcorão

O Alcorão, que literalmente significa "a recitação", é a máxima autoridade no Islã, que ensina ter Deus revelado cada palavra através do anjo Gabriel a Maomé, que era analfabeto.

Os primeiros adeptos do Islã memorizavam o Alcorão. Albu Bakr, a conselho de Omar, decidiu fazer uma coleção das revelações. Deve-se observar que por volta do ano 11 da Hégira havia morrido em combate grande número de adeptos do Profeta que sabiam decor os textos corâmicos. Zaid ben Tsabit, que fora um dos escribas de Maomé, recebeu a incumbência de reunir tudo que havia escrito sobre os diferentes temas de revelação e também tudo que os companheiros do Profeta haviam retido na memória. Essa primeira compilação dos textos corâmicos, embora não possuísse autoridade oficial, iria desempenhar papel relevante por ocasião da elaboração de uma nova compilação sob o califado de Otmã.

Deve-se observar que a redação feita por Zaid não foi à única: outros companheiros de Maomé promoveram também compilações particulares que apresentavam divergências entre si e provocaram naturalmente divisões doutrinárias entre os crentes. Compreende-se assim a decisão de Otmã no sentido de mandar fazer uma redação oficial do livro santo. O califa apelou para o auxilio de Zain cuja compilação serviu de base para o estabelecimento do novo texto.

A nova versão foi então imposta oficialmente pelo califa: enviaram-se cópias às principais cidades com ordem de destruição das demais cópias e coleções.

O resultado final é uma obra contendo 114 suras (capítulos). Há extensa citação (indireta) tanto do Antigo quanto do Novo Testamento (embora apregoe que estas obras literárias tenham sido corrompidas através dos séculos).

Outras Fontes de Autoridade Espiritual Além do Alcorão A segunda fonte de autoridade para os muçulmanos é a Sunna, a coleção da tradição das declarações e dos feitos de Maomé, apresentados em forma de hadis (breves regras).

1.1 - FATOS HISTÓRICOS QUE CONTRIBUÍRAM PARA A EXPANSÃO DO ISLÃ

Os historiadores apresentam as seguintes causas para a expansão árabe:

Causas Religiosas

Estudando as causas das conquistas árabes no século 7, temos de considerar o entusiasmo religioso dos muçulmanos que alcançava o grau supremo do fanatismo e da intolerância, e vê-se nele uma das causas determinantes dos espantosos êxitos militares obtidos pelos árabes em sua luta contra a Pérsia e contra o Império Bizantino no século 7. Deduz-se que os árabes se tenham precipitado sobre as províncias asiáticas e africanas com a determinação de cumprir a vontade de seu profeta que lhes havia prescrito a conversão de todo o mundo nova fé. Em resumo, costuma-se explicar em geral as vitórias árabes pelo entusiasmo religioso que preparava os muçulmanos fanáticos para encarar a morte com desprezo, fazendo-os assim invencíveis na ofensiva, mas também existe o lado da atração da pilhagem e das rapinas, o entusiasmo religioso dos muçulmanos contratados com um mundo profundamente dividido e etnicamente heterogêneo. É importante mencionar ainda que os chefes muçulmanos eram discípulos apaixonados de Maomé, oravam mais do que lutavam e, com o tempo, inspiraram aos seus adeptos um fanatismo que aceitava a morte numa guerra =santa‘ como um =abre te sésamo‘ para o paraíso.

Causas Econômicas

A Arábia, reduzida em recursos naturais, não poderia satisfazer já às necessidades físicas de sua população e, então, sob a ameaça da miséria e da fome, os árabes viram-se na necessidade de fazer um esforço desesperado para libertar-se da ardente prisão do deserto. A isca do saque e da rapina constituiu, sem dúvida, um poderoso atrativo para as hordas beduínas. A promessa de uma rica presa incitou as tribos a se alistarem sob a bandeira do Califa. O êxodo triunfante da península recebeu um enorme estímulo bem depressa ao chegarem notícias das fabulosas riquezas encontradas na Síria e no Iraque.

Causas Militares

As tropas árabes eram mais rigorosamente disciplinadas e conduzidas com habilidades, estavam habituadas às agruras e eram recompensadas com os despojos.

Podiam lutar com o estômago vazio e dependia da vitória a sua comida. Finalmente havia causas militares da invasão, à medida que os vitoriosos exércitos árabes cresciam com recrutas famintos ou ambiciosos, criava-se o problema de lhes fornecer novas terras e conquistar apenas para prover-lhes alimentos e soldos. Cada vitória exigia outra, até que as conquistas árabes — mais rápidas do que as romanas e mais duradouras do que as dos mongóis, resultaram no mais espantoso feito da história militar.

Além disso, o exército árabe era mais adaptado ao meio onde se movimentara para atacar o inimigo — o deserto vasto e uniforme. A cavalaria árabe soube tirar proveito do uso do camelo especialmente como eficiente meio de transporte a longas distâncias, em relativamente pouco tempo. Camelo e deserto formavam um quadro harmônico em que o guerreiro árabe atuava com vantagem sobre o adversário.

Afinidade racial e cultural

Outro fato importante foi que os conquistadores árabes encontraram em algumas regiões populações de origem semítica. Na Palestina e na Síria, existiam numerosos habitantes de origem árabe. No Iraque, havia muito, processara-se uma infiltração de tribos árabes.

Assim, para as províncias conquistadas, os árabes não eram considerados bárbaros ou estrangeiros; por intermédio do comércio, essas populações sempre tiveram relações com os árabes.

Fraqueza dos adversários

O Império Bizantino possuía os seguintes pontos fracos: problemas religiosos, o descontentamento existente entre a população ortodoxa das províncias orientais em relação ao governo central por causa de certas concessões de compromissos outorgados aos monofisistas; problemas socioeconômicos e impostos exagerados pesavam sobre a população revoltada, especialmente quando a população teve de arcar com as despesas da guerra com o Império Persa. Em relação aos problemas militares, o Império Bizantino estava profundamente enfraquecido em virtude da tremenda luta contra os persas. As tropas esgotadas não podiam opor uma resistência eficaz aos exércitos árabes constituídos por soldados bem dispostos à luta. Ainda havia outros fatores como as constantes invasões persas na Síria e Palestina; as fronteiras do Império Bizantino estavam desguarnecidas.

As lutas entre o Império Bizantino e o Império Persa haviam enfraquecido a ambos, os persas tinham sido derrotados pelo Império Bizantino; estavam desmobilizados, com sérios problemas econômicos e com profundas divisões na sociedade e na religião zoroastrista.

Tolerância muçulmana e benefícios econômicos

Os árabes eram extremamente tolerantes, exigiam apenas que admitissem a supremacia política do Islã, materializada, sobretudo no pagamento de impostos especiais, na interdição de qualquer proselitismo junto a muçulmanos e no caráter puramente árabe do exército.

Essa tolerância explica porque os judeus de Jerusalém receberam os árabes como verdadeiros libertadores (637 d.C.) e que os cristãos monofisistas de Alexandria tenham acolhido o maometano Omar (643 d.C.). Quando da última tentativa de Heráclito para conquistar a Síria, os cristãos colaboraram com os muçulmanos e, segundo o historiador Abd-A1-Hakam, as autoridades eclesiásticas do Egito, ordenaram aos coptas que não se opusessem aos árabes, por ódio pelas perseguições bizantinas, e o patriarca Ciro, representante da autoridade imperial, entendeu-se facilmente com os árabes.

Além do bom entendimento entre árabes e cristãos, encontramos aqui os benefícios econômicos que o jovem império árabe trouxe a essas regiões, com contato comercial em vários lugares da Síria à Índia, da Mesopotâmia até as ilhas distantes, tudo sob a administração árabe.

1.2 – Os Pilares da Doutrina Islâmica

Recitação do credo islâmico: Não existe nenhum deus além de Alá e Maomé é o seu profeta. (Ao recitar esta frase o indivíduo torna-se um islâmico).

Preces cotidianas: chamadas de slãts, feitas cinco vezes ao dia, cada vez em uma posição diferente (de pé, ajoelhado, rosto no chão, etc), e virados em direção à Meca. A chamada para a oração é feita por uma corneta, denominada de muezim, desde uma torre chamada de minarete, a qual faz parte de um santuário ou lugar público de adoração conhecido como mesquita.
Observação do mês de Ramadã:
o qual comemora a primeira revelação do Alcorão recebida por Maomé. Durante um mês, as pessoas jejuam desde o nascer até o pôr do sol. Segundo eles, os portões do paraíso se abrem, os do inferno se fecham, e os que jejuam têm seus pecados perdoados.
Pagamento do zakat:
imposto anual de 2,5% do lucro pessoal, como forma de purificação e ajuda aos pobres. Também ofertam para a riquíssima Liga Muçulmana.
Peregrinação para Meca:
ou Hajj, ao lugar do nascimento de Maomé, na época de Eid el Adha (festa islâmica que rememora o dia em que o profeta Abraão aceitou a ordem de sacrificar um carneiro em lugar de seu filho), pelo menos uma vez na vida por muçulmano, dotado de condições físicas e econômicas, deve fazer essa peregrinação até a cidade santa. "A peregrinação (a Meca) é uma idéia pré-hislâmica. O primeiro a mencionar a Kaaba foi Diodorus Siculus, em 60 a.C.”.

O Jihad, Ou Guerra Santa

É a batalha por meio da qual se atinge um dos objetivos do islamismo, que é reformar o mundo. Qualquer muçulmano que morra numa guerra defendendo os direitos do islamismo ou de Alá, já tem sua vida eterna garantida. Por esta razão, todos que tomam parte dessa "guerra santa", não têm medo de morrer ou de passar por nenhum risco. Diz o livro santo dos Islâmicos "Alcorão" – “... Matai os idólatras onde quer que os encontreis e capturai-os e cercai-os e usai de emboscada contra eles... Quando, no campo de batalha, enfrentardes os que descrêem, golpeai-os no pescoço. Combatei os que não crêem no último dia e nãoproíbem o que Deus e Seu Mensageiro (Maomé) proibiram... Até que paguem, humilhados, o tributo (Jyza, uma taxa especial para os que não eram muçulmanos)... E combatei-os até que não haja mais idolatria e que a religião pertença exclusivamente a Deus (Ala)... Sura 9:5; 47:4; 9:29; 8:39” (parênteses nosso). Detalhe, entre os idólatras, estão os cristãos que acreditam na Trindade (Sura 4:171; 5:72-73) que, para os Islâmicos, é idolatria por serem três deuses. A questão não é se há islâmicos radicais e islâmicos não radicais, ser islâmico já é radical, pois no dorso doutrinário do Islã está o problema. Quando alguém aceita o Alcorão e Maomé como mensageiro de Deus essa pessoa já é um perigo radical. O ocorrido nos EUA, na Indonésia, na Rússia (isso tudo recentemente) nos montra um pouco da ameaça que essa religião pode vir a ser a todo o mundo. Imaginem se no dia de amanhã há uma dissidência entre o nosso governo e algum país islâmico! O perigo que seria para nossa nação!

Sem contar o número imenso de missionários cristãos que já foram mortos em países islâmicos e o quanto o Islã é contrário à fé cristã.

Baseados no principio da Guerra santa, o Islã dividiu o mundo em duas partes: O Dhar-ul-Islam e o Dhar-ul-Harb, isto é, o território do Islã e o território de guerra! O Brasil, por não ser um país islâmico, encontra-se em um território considerado de guerra para o Islã. Por isso não podemos nos excluir de uma responsabilidade em níveis governamentais em relação ao Islamismo, pois todos os países do mundo que têm islâmicos passam ou podem vir a passar por sérios problemas! Nós nunca podemos confiar nessa espécie de religiosos. O Radicalismo Islamismo é um câncer para a humanidade, sendo que pode destruir os seus seguidores e, na questão terrorista, matar milhares de inocentes. A tentativa de passar uma imagem de pessoas pacíficas e de boas obras que o Islã vem anunciando pela mídia é demagoga e foge de suas verdadeiras raízes que são extremamente guerreiras!

Mandamentos de Morte

Veja só uma parcial de alguns mandamentos do livro sagrado muçulmano – O Alcorão (Extraído do site oficial do Islã no Brasil): Sura 2:191 - Matai-os onde quer que os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram, porque a perseguição é mais grave do que o homicídio. Não os combatais nas cercanias da Mesquita Sagrada, a menos que vos ataquem. Mas, se ali vos combaterem, matai-os. Tal será o castigo dos incrédulos.

Sura 4:91...capturai-os e matai-os, onde quer que os acheis, porque sobre isto vos concedemos autoridade absoluta.
Sura 9 - 111.
Deus cobrará dos fiéis o sacrifício de seus bens e pessoas, em troca do Paraíso.

Combaterão pela causa de Deus, matarão e serão mortos. É uma promessa infalível, que está registrada na Tora, no Evangelho e no Alcorão. E quem é mais fiel sua promessa do que Deus? Regozijai-vos, pois, a troca que haveis feito com Ele. Tal é o magnífico benefício.

Sura 9:5;29 - Mas quando os meses sagrados houverem transcorrido, matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os...

Combatei aqueles que não crêem em Deus e no Dia do Juízo Final, nem abstêm do que Deus e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião...

Na Tradição Islâmica se encontra o seguinte: Fazei guerra, com sangue e extermínio, a todos que não crêem em Deus (Alá)... Quando encontrardes com os infiéis, matai-os.(Hadith) Como alguém pode aceitar como verdade absoluta isso que lemos acima e ainda não ser radical? (pois todos os islâmicos aceitam o Alcorão como a única e verdadeira revelação de Alá) Precisamos alertar a população dos "prós e contras" que essa religião pode trazer à nossa sociedade. Não estamos lidando somente com religiosos, mas com pessoas que vivem uma religião/política de maneira fanática. É nesse aspecto que precisamos tomar os devidos cuidados.

2 – O ISLAMISMO EM CONTRASTE COM O CRISTIANISMO

Termo: Vida após a morte

Cristianismo: Cristãos estarão com o Deus no céu (Filipenses 1:21-24; 1 Coríntios 15:50-58). Os não cristãos serão lançados no inferno para sempre (Mateus. 25:46). O Paraíso é um estado intermediário entre a morte e a ressurreição (Lc.19:16-31). O Inferno e todos os infiéis serão lançados no lago de fogo para todo o sempre (Ap. 20:14).
Islamismo:
Há uma vida após a morte (75:12) uma vida ideal no Paraíso (29:64), para muçulmanos fiéis ou Inferno para os que não são.

Termo: Anjos

Cristianismo: Seres criados, não-humanos alguns dos quais, caíram em pecado e tornaram-se demônios. Eles são muito poderosos. Os anjos que não caíram levam a cabo a vontade de Deus.
Islamismo:
Seres criados sem própria vontade que servem a Deus. Anjos são criados da luz.

Termo: Reconciliação

Cristianismo: O sacrifício de Cristo na cruz (1 Pedro 2:24) por meio do Seu sangue torna-se o Sacrifício que leva embora a ira de Deus (1 Jo. 2:2) do pecador quando o pecador o recebe (João 1:12), pela fé (Romanos. 5:1), no trabalho de Cristo na cruz.
Islamismo:
Não há nenhum trabalho de reconciliação no Islã diferente de uma sincera confissão de pecado e arrependimento pelo pecador.

Termo: Bíblia

Cristianismo: Inspirada por Deus e formulada sem erros (2 Timóteo. 3:16).
Islamismo:
Palavra respeitada dos profetas mas a Bíblia foi corrompida pelos séculos e só é correta na medida em que concorda com o Alcorão.

Termo: Crucificação

Cristianismo: O lugar onde o Jesus expiou pelos pecados do mundo. Só por este sacrifício que qualquer um pode ser salvo da ira de Deus (1 Pedro 2:24).
Islamismo:
Jesus não morreu na cruz. Ao invés, Deus permitiu que Judas se parecesse com Jesus e este fosse crucificado ao invés de Jesus. Alá mentiu e enganou o povo e foi injusto com Judas, pois fez o rosto de Cristo aparecer sobre ele.

Termo: Diabo

Cristianismo: Um Anjo caído que opõe a Deus de todos os modos. Ele também busca destruir a humanidade (Isaías 14:12-15; Ezequiel 28:13-15).
Islamismo:
Íblis, um jinn caído. Jinn não são anjos nem homens, mas seres criados com vontades próprias. Os Jinns foram criados do fogo, (2:268; 114:1-6).

Termo: Deus

Cristianismo: Deus é uma trindade de pessoas: Pai, Filho, e Espírito Santo. A Trindade não são três deuses em um deus, nem uma pessoa que tem três formas.
Trinitarianismo é estritamente monoteístico. Não há nenhum outro Deus em existência. (Mt. 28:19).
Islamismo:
Deus é conhecido como Alá. Alá é uma pessoa, uma unidade rígida. Não há nenhum outro Deus em existência. Ele é o criador do universo (3:191), soberano acima de tudo (6:61-62). No alcorão lemos acerca de Maomé: Fui mandado adorar o senhor desta Terra (ou metrópole) - (Sura 27:91). Alá era um nome que se usava para um dos deuses da Arábia, que era conhecido como o pai das deusas Lat, Uzza e Manat, adoradas por muito.

Termo: Céu (Paraíso)

Cristianismo: O lugar onde Deus mora. Céu é a casa dos cristãos que são salvos pela graça de Deus. É céu porque é onde Deus e os cristãos desfrutarão amizade eterna com Ele. (Jo. 14:1-3; II 5:1).
Islamismo:
Paraíso para muçulmanos, um lugar de alegrias inimagináveis (32:17), um jardim com árvores e comida (13:35;15:45-48) onde são conhecidos os desejos de muçulmanos fiéis, (3:133; 9:38; 13:35; 39:34; 43:71; 53:13-15). Interessante é que há promessas de virgens belas só para os homens (Sura 56:1-56), deveria haver promessas de jovens belos para as mulheres também! Mas não há. O céu do islamismo parece algo bem estranho aos olhos de quem conhece a Bíblia, principalmente no NT que condena veementemente a poligamia e a prostituição (I Cor. 7).

Termo: Inferno

Cristianismo: Um lugar de tormento em fogo fora da presença de Deus. Não há fuga do Inferno (Mateus 25:46).
Islamismo:
Inferno é um lugar de castigo eterno e tormento (14:17; 25:65; 39:26), em fogo (104:6-7) para esses que não são os muçulmanos (3:131) bem como esses de quem o trabalho e a fé não são suficientes (14:17; 25:65; 104:6-7).

Termo: Espírito Santo

Cristianismo: Terceira pessoa da Trindade. O Espírito Santo é completamente Deus em natureza. (Jo. 14:26).
Islamismo:
O arcanjo Gabriel que entregou as palavras do Alcorão a Maomé. Os eruditos muçulmanos aplicam o texto de João 14:16 como se fosse uma referência a Maomé, pois no "Alcorão", livro sagrado dos islâmicos, ele é chamado de "Ahmad" (periclytos - que eles consideram a forma correta de parakletos). Acontece porém que o texto no original grego do Novo Testamento não traz "periclytos" (o que é louvado), mas "parakletos" que é consolador. Para tentar dar consistência a seus argumentos os apologistas islâmicos se apegam ao evangelho apócrifo de Barnabé que ao invés de trazer a forma correta "parakletos", traz "periklutos" que expressa o significado do nome Maomé. Mesmo sabendo que é um evangelho espúrio e com erros de gramática, os muçulmanos fazem vistas grossas a isto. O que eles querem mesmo é fazer Maomé ser o "outro consolador" a qualquer custo)!

Termo: Jesus

Cristianismo: Segunda pessoa da Trindade. Ele é a palavra que se tornou carne (João 1:1, 14). Ele é Deus e homem (Colossenses. 2:9).
Islamismo:
Um grande profeta, só sucede a Maomé. Jesus não é o filho de Deus (9:30) e certamente não é divino (5:17, 75)) e ele não foi crucificado (4:157). Ou seja, o Jesus do Islamismo é um outro Jesus (II Cor. 11:4).

Termo: Dia do julgamento

Cristianismo: Acontece no dia da ressurreição (João 12;48) onde Deus julgará todas as pessoas. Os cristãos vão para o céu. Todos os outros para o inferno (Mateus.25:46).
Islamismo:
Acontece no dia da ressurreição onde Deus julgará todas as pessoas.
Muçulmanos vão para o paraíso. Todos os outros para o inferno (10:53-56; 34:28). O Julgamento está baseado nas ações de uma pessoa (14:47-52; 45:21-22).

Termo: Alcorão

Cristianismo: O trabalho de Maomé. Não é inspirado, nem é considerado como escritura. Não há nenhuma verificação precisa dos originais. É um livro que não está estribado no amor, pois manda perseguir e matar os inimigos, enquanto que o NT manda oferecer a outra face (Mt. 5:39).
Islamismo:
A revelação de Deus para todo gênero humano dado pelo arcanjo o Gabriel para Maomé num período de mais de 23 anos. Está sem erro e resguardada de erros por Alá. Apesar disso, os muçulmanos acreditam que alguns versos mais antigos foram substituídos. Alguns especialistas afirmam que 225 versos foram suprimidos, o que é motivo de constrangimento para os muçulmanos.

Termo: Homem

Cristianismo: Feito à imagem de Deus (Gênesis 1:26). Isto não significa que Deus tem um corpo, mas que o homem é feito como Deus em suas habilidades (razão, fé, amor, etc.).
Islamismo:
Não feito na imagem de Deus (42:11). O Homem é feito do pó da terra (23:12) e Alá soprou o fôlego da vida no homem (32:9; 15:29).

Termo: Muhammad ou Maomé

Cristianismo: Um homem não inspirado nascido em 570 em Mecca que começou a religião islâmica que é completamente diferente da ensinada por Jesus Cristo.
Islamismo:
O último e maior de todos os profetas de Alá e o Alcorão é o maior de todos os seus livros.

Termo: Pecado original

Cristianismo: Este é um termo que descreve o efeito do pecado de Adão nos seus descendentes (Rom. 5:12-23). Especificamente, é nossa herança da natureza pecaminosa de Adão. A natureza pecaminosa de Adão é passada de pai para filho.
Nós somos por natureza os filhos da ira (Efésios. 2:3).
Islamismo:
Não existe nenhum pecado original. Todas as pessoas são sem pecado até que eles se rebelem contra Deus. Elas não têm natureza pecaminosa.

Termo: Ressurreição

Cristianismo: Ressurreição de todas as pessoas, são ressuscitados os não cristãos para condenação eterna e cristãos à vida eterna (1 Cor. 15:50-58).
Islamismo:
Ressurreição, alguns para o céu, alguns para o inferno (3:77; 15:25;75:36-40; 22:6).

Termo: Salvação

Cristianismo: Um dom gratuito de Deus (Efésios. 2:8-9) para a pessoa que acredita em Cristo e no Seu sacrifício na cruz. Ele é o nosso mediador (1 Timóteo. 2:5). Nenhum esforço é de qualquer forma suficiente para merecer a salvação desde que nossos esforços são todos inaceitáveis a Deus (Isaías 64:6).
Islamismo:
A salvação depende do esforço e das boas obras de cada um.

Termo: Filho de Deus

Cristianismo: O termo que define que Jesus é divino (João 5:18).
Islamismo:
Jesus não pode ser filho de Alá.

Termo: A Palavra

Cristianismo: "No princípio era o verbo e o verbo estava com Deus e o verbo era Deus... e o verbo se tornou carne e habitou entre nós..." (João 1:1, 14).
Islamismo:
A ordem de Alá que resultou em Jesus que foi formado no útero de Maria.

2.1 – CHOQUE TEOLÓGICO ENTRE O ISLAMISMO E O CRISTIANISMO

Existem várias doutrinas que poderíamos aqui contrastar com a Bíblia e mostrarmos como o Islã é diferente do Cristianismo, mas a minuta não nos permitiria usar tanto espaço. Então farei uma resenha, sintetizando o máximo.

O islamismo afirma que a Bíblia foi corrompida - Entretanto há só do Novo Testamento mais de 24 mil manuscritos, sendo que grandes partes desses manuscritos são anteriores à Hégira e a fundação do Islã no século VII. A variação desses manuscritos é de menos de 5% e todas irrelevantes teológica e historicamente, ou seja, temos subsídios suficientes para acreditarmos que a Bíblia é perfeitamente confiável. Já do Alcorão; não podemos dizer o mesmo.

O Céu que Alá oferece é cheio de virgens para serem desfrutadas pelos fiéis (Surata 3:15); - A Bíblia mostra uma outra realidade de céu, onde a paz, e a justiça reinarão sendo uma pátria de santos (Fl.3:20).

O Islã permite que o marido possua até quatro esposas (Sura 4,3) - A poligamia nunca foi parte do plano de Deus (Gn 1,27; 2,24; Deut 17,17; 1Cor 7,2; 1Tim 3,2).

O Alcorão permite que se mate em nome de Alá (Sura 9:5) - Jesus nos ensinou oferecer a outra face (Mt. 5:39).

Negam a crucificação de Cristo (Sura 4,157) - O muçulmano nega a verdadeira razão pela qual Jesus Cristo veio ao mundo! A Bíblia é clara - Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado (I Cor. 2:2).

Não aceitam a Trindade e afirmam que os cristãos que assim pensam são idolatras

O Alcorão erra em seu retrato da Trindade ao ter Jesus e Maria como dois deuses, além de Alá:

"Ó Jesus, filho de Maria! Não dissestes aos homens de boa vontade: 'Toma-me e a minha mãe como dois deuses ao lado de Alá'?" (Sura 5,116); "Como pode Ele (Deus) ter um filho, quando não tem uma esposa?" (Sura 6,101). Eles, de fato, desacreditaram em quem disse: "Alá é o Messias, filho de Maria" (Sura 5,17). "Longe de nós retirá-lo de sua majestade transcendente para que tenha um filho" (Sura 4,171). Esta ótica que os muçulmanos possuem dos cristãos, acreditando que Deus tomou Maria como sua esposa, e ela, com seu filho Jesus, se tornaram deuses separados é uma ofensa aos cristãos tanto quanto aos muçulmanos, embora haja evidências de seitas heréticas banidas da Arábia que ensinavam isso no tempo de Maomé (conhecidas como Mariamia ou Coloridianos). A Trindade é encontrada na Bíblia desde a primeira página, Gênesis 1:1-3,26, até a última, Apocalipse 22:3 e 17. Os cristãos verdadeiros não crêem que haja três deuses em um. Crêem, isto sim, que existem três Pessoas, todas da mesma substância, co-iguais, co-existentes e co-eternas (I Jo. 5:7).

Acreditam que a justificação é feita pelas obras e não pela Graça - No Islamismo os pecados são erros que você faz e, se você diz "lamento" a Deus, Ele lhe perdoa. Na soma, nossas boas obras apagam nossas más obras (Sura 11,114). Mas, segundo a teologia cristã, somente pela Graça de Deus é que somos salvos (Ef. 2:8-9).

... Enfim, há muitas outras coisas a serem consideradas, mas pela proposta dessa minuta, acreditamos que o relatado aqui dá para perceber como as doutrinas islâmicas são extrabíblicas e antibíblicas.

João Flávio Martinez

Fonte: www.ibacnaweb.com

Islamismo

CURIOSIDADES SOBRE O ISLAMISMO

Duas perguntas devem nortear o inicio da nossa abordagem:

1 – O Islamismo é uma religião pagã? SIM!
2 –
Alá é o mesmo Deus da Bíblia? NÃO!

Todos os do movimento ecumênico afirmam que Alá é o mesmo Deus da Bíblia, e você pega uma Bíblia em árabe e encontra o nome de Alá para Deus. Porém, o Islã é uma religião pagã e Alá não é o mesmo Deus da Bíblia!

Isso nós podemos provar!

Antes de Maomé fundar o islamismo, os árabes eram politeístas, adoravam centenas de deuses. Onde? Em Meca, na Caaba! Porém, dentre as centenas de deuses na Caaba, existia um deus principal, chamado Alá, o deus lua ‘quarto crescente’. Alá, segundo a história, tinha três filhas. Daí surge à pergunta, como era a adoração antes do advento de Maomé, se Alá já existia?

Os árabes peregrinavam a Meca uma vez no ano, davam sete voltas ao redor da caaba, entravam na caaba, beijavam a pedra e acreditavam que seus pecados estavam saindo. Corriam de uma montanha para a outra, chamada Afra e atiravam pedras no demônio. Maomé veio e destruiu o politeísmo, mas manteve Alá, o deus lua. O que os mulçumanos fazem hoje? Peregrinam a Meca uma vez no ano (mês do ramadã, Setembro em 2008), andam em volta da caaba sete vezes, beijam a pedra, correm para a montanha e jogam pedra no demônio...isso é uma religião pagã! Esse não é o mesmo Deus da Bíblia. O concilio Vaticano II declara que Alá é o mesmo Deus que os cristãos adoram.

Mas o corão fala que Alá não teve filho algum, acredito que todos vocês conhecem o texto de João 3.16, que na versão árabe ficaria assim: “porque Alá amou o mundo de tal maneira, que deu o seu filho unigênito...”, mas espera aí? Que filho? Segundo o Islã, se você acredita na Trindade, vai direto para o inferno.

E nós sabemos que o Deus da Bíblia é Pai, Filho e Espírito Santo. teve filho algum, acredito que todos vocês conhecem o texto de João 3.16, que na versão árabe ficaria assim: “porque Alá amou o mundo de tal maneira, que deu o seu filho unigênito...”, mas espera aí? Que filho? Segundo o Islã, se você acredita na Trindade, vai direto para o inferno. E nós sabemos que o Deus da Bíblia é Pai, Filho e Espírito Santo.

No Corão está escrito: “não fique amigo de nenhum judeu ou de nenhum cristão”, Alá odeia os cristãos e judeus, mas o Deus da Bíblia é chamado 213 vezes de o “Deus de Israel”. Eles não podem ser a mesma pessoa.

I - A RELIGIÃO ISLAMICA E SEU MENSAGEIRO

Qualquer grande religião deve ser conhecida, em primeiro lugar, por intermédio dos olhos do seu fundador. Tanto no cristianismo quanto no Islã, os fundadores requerem respeito e submissão. Tanto Maomé, quanto Cristo, disseram a seus seguidores para darem ouvidos as suas palavras.

Paulo escreveu aos Filipenses: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus” (compare Filipenses 2.5 com Mateus 11.29; Lucas 6.46; João 14.21).

No alcorão, o profeta explica: “O mensageiro de Deus é um belo exemplo para os que confiam em Deus e que no último dia recordam deus com freqüência” (surrata 33.21). Bem, vocês já conhecem os exemplos de Jesus, vamos conhecer os exemplos de Maomé e saber se pode ser seguido, como menciona o Alcorão.

A melhor fonte de informação sobre a vida de Maomé é o Hadith (tradição oral), o terceiro livro sagrado do Islã (Alcorão, Suna e o Hadith).

Maomé nasceu em 570 d.C em Meca. Sua família guardava a caaba.

Abdulá, seu pai, morreu antes dele nascer. Sua mãe, Amina, morreu quando Maomé tinha 6 anos. O avô, Abd al-mutalib cuidou do menino por dois anos e depois também morreu. Só então, seu tio, Abu Talib tomou conta dele. Quando jovem, recebeu patrocínio de uma viúva rica chamada Khadija, e conduziu uma bem-sucedida caravana comercial para a Síria. Casou-se com Khadija, que era mais velha do que ele 15 anos. Teve dois filhos homens que morreram ainda criança e quatro filhas que se casaram com Califas. Quando completou 50 anos, Khadija morreu, só então, Maomé teve mais onze mulheres e duas concubinas. A mais jovem tinha apenas nove anos de idade.

O Islã é uma religião firmada em revelações extra-bíblicas. Maomé teve a sua primeira visão com 40 anos de idade, onde ele alega que o anjo Gabriel o chamou para ser o último profeta e o de maior autoridade (ler Gálatas 1.8 e II Corintios 2.11). O proselitismo islâmico se desenvolveu por meio da morte e da ameaça, conhecido como Jihad.

Vejamos algumas surratas que comprovam isso:

– “Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, matai os idólatras onde quer que os encontreis, capturai-os e cercai-os e usai de emboscadas contra eles”

– “combatei os que não crêem em Deus (Alá) nem no último dia”

Maomé, durante a sua luta de expansão pelo Islã derramou muito sangue. Mas, na surrata 33.21 diz que Maomé é um bom exemplo para ser seguido. Será? Leia a história do Islamismo e você verá uma verdadeira trilha de sangue. Como se não bastasse, na surrata 4.34 o profeta orienta seus seguidores a bater nas mulheres. Em um determinado momento de sua vida, Maomé recebeu ordem para casar com a mulher de deu filho adotivo, fato narrado no Corão.

Conforme relatos, Maomé esteve pensando na possibilidade de casar-se com a nora, mas ficou com medo, tendo recebido uma ordem divina (de Alá) para tal façanha na surrata 33.37:

“E quando disseste aquele a quem Deus conferiu favores e a quem tu conferiste favores: ‘guarda tua esposa para ti e teme a Deus’. Enquanto ocultavas em ti o que Deus revelaria. Agia assim por temer a Deus. E quando Zaid satisfez seu desejo de sua mulher, nós ta demos em casamento para que os crentes soubessem que não é crime para eles casarem-se com as mulheres de seus filhos adotivos, uma vez que estes tenham satisfeito seu desejo delas. O mandamento é sempre cumprido”.

Com esta autorização, casou-se com a esposa do filho adotivo, chamada Zaid.

II - OS CINCO PILARES DO ISLÃ

O Credo – quando uma pessoa se converte ao Islã ele tem que recitar esta frase: ILAHA ILLA ALLAH. MUHAMMAD RASUL ALLAH. Que significa “existe um só Deus, Allah e Maomé é seu profeta. Quando uma criança nasce em um País muçulmano o pai recita estas palavras em seus ouvidos. A partir daqui, essas palavras serão repetidas para ela até o resto da vida. Mas não é suficiente uma simples aceitação intelectual desses detalhes. O muçulmano devoto deve unir crença (imam) com prática (din). A combinação dos princípios certos com um desempenho dedicado orientará o muçulmano na direção dessa vida e na vida futura.

Oração – 5 vezes ao dia – A oração é a adoração suprema do muçulmano.

Na sua convocação, percebe-se como ela é vinculada ao conceito de adoração:

Deus é Grande, Deus é Grande, Deus é Grande, Deus é Grande.
Eu testifico que ninguém é digno de adoração a não ser Deus.
Eu testifico que ninguém é digno de adoração a não ser Deus.
Eu testifico que Maomé é o mensageiro de Deus.
Eu testifico que Maomé é o mensageiro de Deus.

Venha para a oração! Venha para a oração! Venha para o sucesso! Venha para o sucesso! Deus é Grande! Deus é Grande! Ninguém é digno de adoração a não ser Deus.

Esta convocação para a oração também ilustra a importância da repetição na vida de oração do muçulmano. Na purificação (wudu, “limpeza”) que precede a oração, os muçulmanos são chamados a purificar-se.

Eles devem:

Lavar suas mãos até o pulso três vezes
Enxaguar a boca três vezes
Limpar as narinas ao aspirar água três vezes
Lavar o rosto da testa até o queixo e de orelha a orelha
Lavar os antebraços até os cotovelos três vezes
Passar a mão molhada sobre toda a cabeça
Lavar os pés até os tornozelos três vezes, primeiro o direito e depois o esquerdo.

Os muçulmanos acreditam que Alá ouvirá as orações somente se estiverem fisicamente limpos.

Esmola – Zakat - Se alguém recita o credo, oferece orações e faz o bem, mas negligenciar o dar caridoso, anula a salvação. O zalcat é necessário para herdar a misericórdia de Alá.

O Hadith ilustra as conseqüências em reter a doação obrigatória:

O apóstolo de Alá disse: “Todo aquele que é enriquecido por Alá e não paga o zakat da sua riqueza, no Dia da Ressurreição sua riqueza se tornará como uma serpente macho venenosa e careca com duas marcas pretas acima dos olhos.

A serpente envolverá seu pescoço e morderá suas bochechas e dirá: ‘Eu sou a sua riqueza; eu sou seu tesouro’ ” (2:486).

O Ramadã - Mês sagrado reverenciando a chegada do Alcorão – Jejum. Durante esse período eles não comem nada durante o dia, porém, é o mês que mais gastam com consumo de alimentos, pois passam a noite inteira comendo. Nada mais é do que uma exigência anual vitalícia.
A Peregrinação –
conhecido com Hajj e é para honrar Abraão – todo muçulmano tem a obrigação de ir pelo menos uma vez a Meca na vida.

III - COMPARAÇÃO ENTRE O ALCORÃO E A BÍBLIA

O principal livro sagrado do Islamismo é o Alcorão ou Corão, mas existem ainda outros dois livros de relevante grandeza:

1 – Hadith – Coleção de ditados, em quatro versões diferentes
2 – Suna –
Coleção de exemplos.

Quando observamos os relatos bíblicos, sabemos de forma segura que estamos diante de relatos históricos. Eventos que abalaram os alicerces do mundo e mudaram a história da humanidade! Mas, no Corão e nos escritos sagrados do islã podemos constatar a presença de relatos mitológicos, como nos escritos sagrados do hinduismo.

Vejamos alguns exemplos:

Maomé disse que a primeira coisa que você deve fazer ao acordar de manhã é assuar o nariz três vezes. Segundo ele é o local onde satanás passa a noite, no nariz das pessoas
Certa vez, ele estava em um cemitério e pegou um galho de arruda, dividiu em dois e colocou em duas sepulturas, dizendo:
“o sofrimento dessas pessoas vai minimizar lá no inferno até que esses galhos sequem”
Existe lá no Corão um evento que narra uma grande guerra entre o exercito de Salomão e um exército de formigas. Porém, as surratas 2. 23 e 10.37,38 desafiam qualquer um a apresentar outro livro de igual beleza
Vocês lembram do bezerro de ouro lá no Sinai? O Corão fala que foi construído por um samaritano. Ora, o evento do Sinai aconteceu 700 anos antes dos samaritanos existirem!
Quem construiu a caaba em Meca? Eles dizem que foi Abraão e Ismael.
Ora, nem sequer Abraão chegou perto da Arábia!
O Alcorão tem 114 capítulos (surratas) e a Bíblia tem 1189 capítulos.
Não se pode comparar.

IV - PRINCIPAIS CONFLITOS COM A BÍBLIA

A mulher de faraó adotou Moisés (surrata 28.9). êxodo 2.10 declara que foi a filha de faraó quem adotou Moisés
Maria faz parte da Trindade (surrata 5.116). Afirma que os cristãos adoram três deuses:
O Pai, A Mãe (Maria), e O Filho (Jesus). Muitas passagens no Corão que falam sobre Jesus são do Evangelho apócrifo de Tomé
Faraó e a torre de Babel (surrata 28.38), onde o alcorão afirma que um homem chamado Hamã, servo de Faraó, construiu uma torre alta para subir até Deus. Mas, essa torre é descrita em Gênesis 11, muitos anos antes da existência dos faraós. Isso se chama anacronismo, onde um personagem ou evento histórico é apresentado fora de sua época real

Saul liderou o exercito de Gideão (surrata 2.249).

V - ENSINOS ESTRANHOS NO ALCORÃO

1. A surrata 65.12 afirma que deus criou 07 céus e sete terras
2.
A surrata 37.6-10 menciona que meteoros e estrelas cadentes são mísseis atirados contra satãs e dijins que tentam ouvir a leitura do Alcorão no céu para passar aos homens em forma de surratas
3.
As surratas 2.65-66 e 7. 163-167 mencionam que Alá transformou certos pescadores em macacos por quebrarem o sábado judaico. Interessante é que o mulçumano não guarda o sábado e por isso não foi transformado em macaco
4.
Na surrata 2.69 Deus ordenou através de Moisés que o povo imolasse uma vaca amarela.

VI - DECLARAÇÕES CONTRADITÓRIAS NO ALCORÃO

1. A surrata 19.17-21 afirma que um anjo veio a Maria. Porém, as surratas 3.43 e 45 mencionam que foram vários anjos
2.
Qual a duração de um dia para Alá? A surrata 22.47 afirma que o dia de Alá é como mil anos solares, mas a surrata 70.4 afirma que um dia é igual a 50.000 anos
3.
Dias da Criação – em quantos dias Alá criou a terra? As surratas 7.54 10.3; 11.7; 25.29 afirmam que foi em seis dias, mas em 41.9-12 a
criação ocorre em oito dias
4.
Qual e o mais antigo? O céu ou a terra? A surrata 2.29 diz claramente que Alá criou primeiro a terra, mas em 79.27-30 reverte a ordem
5.
De que o homem foi feito? No Alcorão as respostas são: de sangue coagulado (96.1-2); de água (21.30); de argila seca (15.26); do barro (3.59) do nada (19.67); da terra (11.61); ou de uma gota de sêmen ejaculado (16.4; 75.37)
6.
A idolatria é o pecado imperdoável? O Alcorão não é claro. O pecado é imperdoável nas surratas 4.48, 116. Mas, perdoável nas surratas 4.153 e 25. 68-71. Abraão cometeu o pecado de politeísmo ao adorar a lua, o sol e as estrelas, segundo o Alcorão (6.76-78), contudo, os mulçumanos dizem que todos os profetas não pecaram
7.
Será que o filho de Noé morreu afogado? A surrata 21.76 diz que Noé e toda a sua família sobreviveram ao dilúvio, mas a surrata 11.42-43 relata que um dos filhos de Noé afogou-se
8.
Castigo por adultério - na surrata 24.2 é cem açoites para o homem e para a mulher. Na surrata 4.15 o castigo para a mulher é a prisão perpetua, mas o homem que se arrepende e se corrige não existe castigo
9.
Os cristãos irão para o céu ou para o inferno? As surratas 2.62 e 5.69 ensinam que os cristãos entram no paraíso. Mas as surratas 5.72 e 3.85 dizem que nós iremos para o inferno.

Walson Sales

Fonte: sefer.com.pt

Islamismo

É uma religão e um projeto de organização da sociedade expresso na palavra árabe Islã, a submissão confiante a Alá (Allah, em árabe – Deus, ou "a divindade", em abstrato).

Seus seguidores chamam-se muçulmanos (muslimun, em árabe): os que se submetem a Deus para render-lhe a honra e a glória que lhe são devidas como Deus único.

Maomé, fundador do islamismo, nasceu em Meca (na tribo árabe coraixita), no atual Reino da Arábia Saudita, em 570 da era cristã, portanto meio milênio depois de Cristo. Trabalhou como mercador e pregou a existência de um só Deus, Alá, Onisciente e Onipotente.

Se no cristianismo o verbo se faz carne, pode-se dizer que no islamismo o verbo se fez livro, porque o islamismo repousa num só livro: o Corão, que é a "palavra de Deus".

Livro sagrado do islamismo, o Corão (que significa recitação) é revelado a Maomé pelo arcanjo e redigido ao longo de cerca de 20 anos de sua pregação. É fixado entre 644 e 656 sob o califado de Uthman ibn Affan. São 6.226 versos em 114 suras (capítulos).

Traz o mistério do Deus-Uno e a história de suas revelações de Adão a Maomé, passando por Abraão, Moisés e Jesus, e também as prescrições culturais, sociais, jurídicas, estéticas e morais que dirigem a vida individual e social dos muçulmanos.

Nota: A esposa de Abraão, Sara, tinha uma escrava chamada Asgar, a qual serviu Abraão e teve um filho chamado Ismael... Entretanto, Ismael, primogênito de Abraão, só é considerado como primeiro filho para os muçulmanos... Enquanto que para os judeus é considerado como primeiro o filho de Abraão com Sara, Isac...

Abaixo, um selo que ilustra o livro "The Spring of Koran", emitido em 2001 pela República Islâmica do Irã, com valor facial de 500 Rial iranianos. Ao lado, selo do Estado Islâmico do Afeganistão de 22/11/2003, com valor facial de 9 Afeganis e impresso por Sahara Printing Company, o selo mostra "Coming down of the Holy Quran".

A palavra Maomé é uma corruptela hispânica de Mohammed, nome próprio derivado do verbo hâmada e que significa "digno de louvor". Segundo a tradição, aos 40 anos recebe a missão de pregar as revelações trazidas de Deus pelo arcanjo Gabriel...

Muitas pessoas tem esse nome, uma delas é o famoso pachá do Egito: Mohammed Ali... Amir significa príncipe árabe ou governador, é um título dado a um homem descendente de Mohammed...

Seu monoteísmo choca-se com as crenças tradicionais das tribos semitas e, em 622, Maomé é obrigado a fugir para Iatribe, atual Medina, onde as tribos árabes vivem em permanente tensão entre si e com os judeus.

Maomé estabelece a paz entre as tribos árabes com as comunidades judaicas e começa uma luta contra Meca pelo controle das rotas comerciais. Conquista Meca em 630. Morre dois anos depois (632), deixando uma comunidade espiritualmente unida e politicamente organizada em torno aos preceitos do Corão...

Os estudos na linha da História Política permitem identificar as complexas relações que existem entre a religião e o fenômeno político.

Por esta perspectiva, percebe-se que, com relação ao Islã, o sistema religioso tornou-se uma dimensão da política, na medida em que o espaço privilegiado para a vivência da fé e para a concretização das promessas de Alá aos seus fiéis é o Estado Islâmico juridicamente constituído e reconhecido enquanto tal.

Além disso, a Shariah (a jurisprudência) nasceu a partir dos textos sagrados e regulamenta as relações políticas, sociais e religiosas do Estado com a Umma (a comunidade muçulmana).

No Islam, o poder político e a estrutura social são benefícios de Deus, graças concedidas para a felicidade de todos os homens. Assim, o propósito dos muçulmanos não é tanto o de debater sobre a essência de Deus, mas, sobretudo, o de interpretar a vontade divina e de conhecer e observar as leis que são religiosas e políticas ao mesmo tempo.

Os governantes devem ser capazes de concentrarem em si as atribuições de chefe de Estado e de Iman (aquele que conduz os fiéis nas orações).

Por isso, o melhor sistema de poder para o Islam, de acordo com o Corão e a Sunna, é o califado, que foi determinado após a morte do Profeta Muhammad, e que constitui o modelo eterno de uma forma perfeita de Estado que Deus desejou que atuasse no tempo histórico.

A deturpação do califado, na perspectiva dos pensadores muçulmanos do século XIX, como Rashîd Ghannîsh, da Tunísia, surgiu do desejo de se adotar a modernidade ocidental, a ponto dos Estados de maioria muçulmana se apropriarem do princípio da separação dos poderes temporal e espiritual, o que contribuiu para o divórcio entre religião e política e para o enfraquecimento do poder do governante, distanciando-o da comunidade de fé e aproximando-o dos Kafir (os ignorantes dos princípios islâmicos).

Tal fato teve como consequência o abandono da observância da Shariah, o que fez com que diversos Estados deixassem de ser reconhecidos como Islâmicos, provocando a restrição do espaço para a vivência da fé, pautado e orientado pelo Corão e pela Sunna.

Para se reconquistar o bem perdido tornou-se necessário percorrer o salaf (o caminho dos antigos), porque foi no passado, ou melhor, no auge do sistema do califado, durante a Idade Média, que os muçulmanos souberam, na perspectiva das correntes islâmicas dos século XIX e XX, praticar corretamente os ensinamentos de Alá.

Este movimento de relembrar as virtudes dos antepassados de fé transformou o Islã, no século XIX, em um princípio mobilizador da defesa da identidade dos povos não europeus islamizados e também uma alternativa política e social antimperialista que atraiu populações não muçulmanas na África e na Ásia...

Como foi comprovado no surgimento de várias revoluções islâmicas onde o percentual de participação de aliados não convertidos foi bastante significativo, como a Mahdia no Sudão (1881-1898), por exemplo...

Comunidade do Islã

Alá é o Deus único e Maomé é o seu profeta maior e último. O islamismo se propagou numa época em que a Arábia Saudita era politeísta, cultivava mais de 360 deuses, e os próprios cristãos se arrebatavam com discussões sobre a Santíssima Trindade...

É permitida a poligamia com até 5 esposas legítimas, o divórcio e fomenta-se a guerra santa, contra os infiéis, Djihad, semelhante às cruzadas, graças qual este sistema religioso se expandiu muito no primeiro século de sua existência. Hoje, a cultura islâmica ocupa 21% da superfície do planeta, aproximadamente.

A fuga de Maomé de Meca para Medina, em 622, chamada hégira (busca de proteção) marca o início do calendário muçulmano e indica a passagem de uma comunidade pagã para uma comunidade que vive segundo os preceitos do Islã.

A doutrina do profeta e a idéia de comunidade do Islã (al-Ummah) formam-se durante a luta pelo controle de Meca - todos os muçulmanos são irmãos e devem combater todos os homens até que reconheçam que só há um Deus.

Suna – A segunda fonte doutrinal do islamismo. É um compêndio de leis e preceitos baseados nos ahadith (ditos e feitos), conjunto de textos com as tradições relativas às palavras e exemplos do Profeta.

Deveres dos Muçulmanos

Todo muçulmano deve prestar o testemunho (chahada), ou seja, professar publicamente que Alá é o único Deus e Maomé é seu profeta.
Fazer a oração ritual (salat) cinco vezes ao dia (ao nascer do Sol, ao meio-dia, no meio da tarde, ao pôr-do-sol e à noite), voltado para Meca e prostrado com a fronte por terra.
Dar a esmola legal (zakat) para a purificação das riquezas e a solidariedade entre os fiéis.
Jejuar do nascer ao pôr-do-sol, durante o nono mês do calendário muçulmano Ramadãm.
Fazer uma peregrinação (hadjdj) à Meca ao menos uma vez na vida, seja pessoalmente, se tiver recursos, ou por meio de procurador, se não tiver.

Mesquita na cidade de Meca - centro de peregrinação muçulmana

Festas Islâmicas

Ramadãm ou Ramadan (fevereiro/março)? durante o nono mês do calendário muçulmano....

Pequena Festa (Eid Al-Fitr), celebrada nos três primeiros dias do mês de Shaual (março/abril), ao final do jejum do mês de Ramadãm, comemora a revelação do Corão.

Grande Festa ou Festa do Sacrifício (Eid Al-Adha) é celebrada no dia 10 do mês de Thul-Hejjah (maio/junho).

Hégira (fuga de Maomé de Meca), marca o Ano-novo do calendário muçulmano, no dia 1° do mês de Al-Moharam (junho/julho).

Aniversário de nascimento do Profeta, no dia 12 do mês de Rabi'I (agosto/setembro).

Calendário muçulmano – Mede o ano pelas 12 revoluções completas da Lua em torno da Terra e é, em média, 11 dias menor do que o ano solar. O ano 1994/1995 foi o 1.415° da hégira.

Abaixo, um de uma série de 4 selos, emitida 29/11/2004 pelo Irã, com valor facial de 500 Rial iranianos, sobre "The First International Biennial of Islamic World Poster". O selo mostra a meia-lua, um dos símbolos do Islã.

Divisões do Islamismo

Os muçulmanos estão divididos em dois grandes grupos, os sunitas e os xiitas. Essas tendências surgem da disputa pelo direito de sucessão a Maomé.

A divergência principal diz respeito à natureza da chefia:

Para os xiitas, o Imã ou "Imam" (líder da comunidade) é herdeiro e continuador da missão espiritual do Profeta.

Para os sunitas, o Imã é apenas um chefe civil e político, sem autoridade espiritual, a qual pertence exclusivamente à comunidade como um todo (umma).

Sunitas e xiitas fazem juntos os mesmos ritos e seguem as mesmas leis (com diferenças irrelevantes), mas o conflito político é profundo.

Sunitas – Os sunitas são os partidários dos califas abássidas, descendentes de all-Abbas, tio do Profeta. Em 749, eles assumem o controle do Islã e transferem a capital para Bagdá. Justificam sua legitimidade apoiados nos juristas (alim, plural ulemás) que sustentam que o califado pertenceria aos que fossem considerados dignos pelo consenso da comunidade.

A maior parte dos adeptos do islamismo é sunita (cerca de 85%). No Iraque a maioria da população é xiita, mas o ex-governo (2003) era sunita...

Xiitas – Partidários de Ali, casado com Fátima, filha de Maomé, os xiitas não aceitam a direção dos sunitas.

Argumentando que só os descendentes do Profeta são os verdadeiros imãs: guias infalíveis em sua interpretação do Corão e do Suna, graças ao conhecimento secreto que lhes fora dado por Deus. São predominantes no Irã e no Iêmen.

A rivalidade histórica entre sunitas e xiitas se acentua com a revolução iraniana de 1979 que, sob a liderança do aiatolá Khomeini (xiita), depõe o xá Reza Pahlevi e instaura a República Islâmica do Irã.

Selo da Arábia Saudita emitido em 27/12/2004, com valor facial de 2 Rial Sauditas, impresso por Saudi Arabia State Printing House, para promover a paz no Islamismo: Islã é Paz!

Outros grupos – Além dos sunitas e xiitas, existem outras divisões do islamismo, entre eles os zeiitas, hanafitas, malequitas, chafeitas, bahais, drusos e hambaditas.

Algumas destas linhas surgem no início do Islã e outras são mais recentes.

Todos esses grupos aceitam Alá como deus único, reconhecem Maomé como fundador do Islamismo e aceitam o Corão como livro sagrado. As diferenças estão na aceitação ou não da Suna como texto sagrado e no grau de observância das regras do Corão.

Fonte: www.sergiosakall.com.br

Islamismo

OS ÁRABES E O ISLAMISMO

A civilização árabe-muçulmana nasceu na Arábia, extensa península banhada pelo Mar Vermelho, a oeste, pelo Golfo Pérsico, a leste, e pelo Mar Arábico, ao sul.

Na Península Arábica, o clima é quente e seco. O território é formado por planícies áridas ou desertos enormes pontilhados de oásis, pequenas áreas cobertas de vegetação em razão da existência de água.

Península Arábica no século VII

A presença humana na Península Arábica é muito antiga. Até o século VII, os povos árabes viviam dispersos por essa península, cada qual com seus líderes e seu modo de viver.

No deserto viviam os beduínos, grupos nômades que criavam camelos, carneiros e cabras, animais capazes de sobreviver no clima quente e seco do deserto.

Próximo aos oásis viviam os agricultores que cultivavam plantas, como a palmeira e a tamareira, cereais, como o trigo. Já os artesãos e os comerciantes residiam nas vilas e cidades. O grupo de maior prestígio era o de comerciantes.

No sudoeste, a região mais fértil da Península Arábica, estavam situadas as duas maiores cidades árabes da época, Meca e Yatreb.

Meça, um centro religioso

No início do século VII, Meca era o principal centro religioso da Arábia. Todos os anos durante alguns meses, os árabes suspendiam qualquer tipo de hostilidade para ir a Meca orar pedir e agradecer. As preces eram feitas ao redor da Caaba, templo religioso em forma de cubo que abrigava imagens de vários deuses, pois na época, os árabes eram politeístas. Dentro da Caaba estava, e ainda está, a Pedra Negra, que, segundo se conta, era branca, mas foi escurecendo por causa dos pecados das pessoas. Esse templo era controlados por ricos comerciantes da tribo coraixita. Foi justamente em Meca que nasceu Maomé, o criador do islamismo.

Maomé, o profeta do Islã

Maomé nasceu por volta de 570 numa família humilde da tribo coraixita; era menino ainda quando ficou órfão e foi morar com o avô no deserto, entre os beduínos.

Aos 15 anos, no entanto voltou para a cidade de Meca e começou a trabalhar como condutor de caravanas, viajando para lugares distantes, como Síria e Palestina.

Nessas viagens, entrou em contato com duas importantes religiões monoteístas: o judaísmo e o cristianismo.

Aos 25 anos, casou-se com uma viúva chamada Cadija; pouco tempo depois, interessou-se pela vida religiosa, passando a fazer retiros espirituais nas montanhas da região. Conta-se que num desses retiros Maomé recebeu do arcanjo Gabriel uma revelação e começou a pregar que Deus é um só (Alá) e que aqueles que o aceitassem podiam confiar na sua misericórdia.

Pregando a crença num Deus único e verdadeiro, Maomé foi reunindo a sua volta um grupo de seguidores, os muçulmanos. Isso desagradou muito aos comerciantes coraixitas, pois eles lucravam com a multidão de peregrinos que iam a Meca cultuar os deuses locais. Os comerciantes passaram, então, a perseguir Maomé, que, por isso, decidiu mudar-se de Meca para Yatreb, chamada depois de Medina, “cidade do profeta”. Esse episódio, conhecido como Hégira, ocorreu em 622, data que os muçulmanos usam como ano I de seu calendário. Oito anos depois, no entanto, Maomé e seus seguidores conquistaram Meca pela força das armas e destruíram as estátuas dos deuses locais, mas conservaram a Caaba. Esse fato marca o nascimento do Islã, palavra derivada do árabe que significa “submissão total a Deus”.

Meca tornou-se, desde então, a capital da religião muçulmana. Medina continuou capital política e residência de Maomé, que, em pouco tempo, passou a governar vasta região da Arábia. O dinheiro que alimentava a expansão vinha das doações e dos impostos cobrados dos que convertiam. Ao falecer, 632, Maomé já havia conseguido unir em torno do islamismo as populações árabes das cidades e do deserto; ao mesmo tempo, havia criado um Estado árabe.

CORÃO, O LIVRO SAGRADO DOS MUÇULMANOS

Maomé não deixou nada escrito. Alguns dos seus seguidores, porém, anotaram o que ele dizia em suas pregações. Após sua morte, Abu Bakr, sucessor imediato de Maomé, ordenou que se reunissem todas as anotações, as quais estavam espalhadas por diferentes lugares. Assim, duas décadas após a morte do líder árabe, havia a versão do Corão considerada definitiva. Ao todo, o Corão possui 114 suras (capítulos) e mais de 6.200 versículos. O Corão foi traduzido para muitas línguas. Crianças ainda, os muçulmanos dedicam-se a sua leitura.

Islamismo

A religião criada por Maomé é chamada islamismo, e seu princípio fundamental é a crença num único Deus (monoteísmo). O islamismo é uma religião simples, e este é, com certeza, um dos motivos de sua rápida expansão pelo mundo.

Todo muçulmano deve:

Crer em um só Deus (Alá) e seguir os ensinamentos de Maomé, seu mensageiro
Orar cinco vezes ao dia com o rosto voltado para Meca
Jejuar durante os trinta dias do Ramadã (mês do jejum). O fiel não deve ingerir alimento nem água, do nascer ao pôr do sol
Dar esmolas proporcionais aos bens que possui
Ir a Meca ao menos uma vez na vida.

XIITAS E SUNITAS

Com a morte de Maomé, em 632, ocorreram violentas disputas entre seus sucessores, os califas. Os quatro primeiros califas foram eleitos entre os parentes de Maomé. Em 661, o quarto califa, de nome Ali e genro de Maomé, foi assassinado.

Os muçulmanos então se dividiram quanto à sucessão: uns defendiam que somente um membro da família de Maomé podia sucedê-lo; para outro i o não era necessário.

A vitória nessa disputa coube a um governante da Síria que não era parente de Maomé. A minoria dos muçulmanos revoltou- e, pois queria que o sucessor fosse um dos filhos do califa assassinado. Essa minoria formou a seita xiita, para a qual só os parentes de Maomé podem liderar os muçulmanos. Além disso, os xiitas acreditam que o líder (político e religioso) possui uma proteção divina contra o erro e o pecado.

A maioria dos muçulmanos, por sua vez, formou a seita sunita. Atualmente os sunitas são maioria em quase todos os países muçulmanos. O Irã e o Iraque estão entre os poucos países muçulmanos de maioria xiita.

A expansão islâmica

Após a morte de Maomé, os primeiros califas partiram para a conquista de terras e homens para o islamismo. A justificativa para a conquista era a jihad, guerra santa contra os infiéis, ou seja, contra as pessoas de outras religiões. O que movia os árabes muçulmanos era o interesse em expandir o comércio e a crença de que quem morresse lutando pela expansão do islamismo ganharia o paraíso.

A conquista de terras e pontos-chave do comércio internacional pelos árabes se deu numa velocidade espantosa; em cem anos - a contar da morte de Maomé - formaram um Império imenso, que ia desde as fronteiras da China, a leste, até o nordeste de Portugal dos dias atuais.

O islamismo hoje

O islamismo é hoje a segunda maior religião do mundo, e os muçulmanos parecem estar prestes a passar os católicos em número de seguidores. Com base em dados de 2005, existem hoje 1 bilhão, cento e quinze milhões de católicos no mundo, o equivalente a 17,3% da população mundial; já o número de muçulmanos no mesmo ano foi avaliado em 1 bilhão, cento e doze milhões, ou seja, 17,2% da população mundial.

O Comércio Árabe

Desde os tempos de Maomé, os árabes já se destacavam como comerciantes. Com a formação e a expansão do Império Islâmico, o comércio árabe cresceu de modo extraordinário. Agindo como intermediários entre o Oriente e o Ocidente, os árabes transportavam e vendiam, sobretudo, artigos de luxo, como tapetes, sedas, armas, móveis, joias e as especiarias do Oriente (pimenta, cravo, canela, mostarda etc.), muito cobiçadas na Europa. Suas caravanas levavam artigos da Índia e da China até os portos do Mediterrâneo, de onde eram distribuídos para diversos pontos da Europa.

Os árabes também praticavam o artesanato nas principais cidades do Império:

Damasco, na Síria, era conhecida por seu tecido estampado
Marrakesh
, no norte da África, por sua produção de couro
Bagdá
, no atual Iraque, por seus vidros, joias e sedas. .

Entre os gêneros agrícolas que a Europa, e depois a América, conheceu por intermédio dos árabes estão o café, a cana-de-açúcar e o algodão.

A Cultura Islâmica

A civilização árabe medieval foi, sobretudo, urbana e comercial. Com o comércio, os árabes promoveram a circulação de ideias e conhecimentos; foram eles que introduziram na Europa a bússola, o papel e a pólvora, inventados pelos chineses. Além disso, produziram conhecimento, sobretudo no campo da Medicina, da Matemática e da Química.

Na Medicina descobriram o contágio por meio da água, da comida e das roupas e identificaram as causas de várias doenças contagiosas, como a varíola e o sarampo

Por meio da prática da alquimia, os árabes inventaram o sabão e descobriram novos compostos, como o álcool e o ácido sulfúrico que têm hoje várias aplicações na indústria; tais avanços contribuíram para o desenvolvimento da Química como ciência. Na literatura, os árabes muçulmanos revelaram-se imaginosos, como se pode concluir lendo As mil e uma noites, coletânea de histórias persas, chinesas e árabes mundialmente conhecidas.

Fonte: marista.edu.br

Islamismo

Origem, crenças e tradições

Origem

O islamismo foi fundado no ano de 622, na região da Arábia, atual Arábia Saudita. Seu fundador, o profeta Maomé, reuniu a base da fé islâmica num conjunto de versos conhecido como Corão - segundo ele, as escrituras foram reveladas a ele por Deus por intermédio do Anjo Gabriel.

Assim como as duas outras grandes religiões monoteístas, o cristianismo e do judaísmo, as raízes de Maomé estão ligadas ao profeta e patriarca Abraão. Maomé seria seu descendente. Abraão construiu a Caaba, em Meca, principal local sagrado do islamismo. Para os muçulmanos, o islamismo é a restauração da fé de Abraão.

Ainda no início da formação do Corão, Maomé e um ainda pequeno grupo de seguidores foram perseguidos por grupos rivais e deixaram a cidade de Meca rumo a Medina. A migração, conhecida como Hégira, dá início ao calendário muçulmano. Em Medina, a palavra de Deus revelada a Maomé conquistou adeptos em ritmo acelerado.

O profeta retornou a Meca anos depois, perdoou os inimigos e iniciou a consolidação da religião islâmica. Quando ele morreu, aos 63 anos, a maior parte da Arábia já era muçulmana. Um século depois, o islamismo era praticado da Espanha até a China. Na virada do segundo milênio, a religião tornou-se a mais praticada do mundo, com 1,3 bilhão de adeptos.

Profeta Maomé

Maomé nasceu em Meca, no ano de 570. Órfão de pai e mãe, foi criado pelo tio, membro da tribo dos coraixitas. De acordo com historiadores, tornou-se conhecido pela sabedoria e compreensão, tanto que servia de mediador em disputas tribais. Adepto da meditação, ele realizava um retiro quando afirmou ter recebido a primeira revelação de Deus através do anjo Gabriel. Na época, ele tinha 40 anos. As revelações prosseguiram pelos 23 anos restantes da vida do profeta.

Contrário à guerra entre tribos na Arábia, Maomé foi alvo de terroristas e escapou de várias tentativas de assassinato. Enquanto conquistava fiéis, empregava as escrituras na tentativa de pacificar sua terra - tarefa que cumpriu antes de morrer, aos 63 anos, depois de retornar a Meca. Para os muçulmanos, Maomé é uma figura digna de extrema admiração e respeito, mas não é o alvo de sua adoração. Ele foi o último dos profetas a trazer a mensagem divina, mas só Deus é adorado.

Conversão

Não é preciso ter nascido muçulmano ou ser casado com um praticante da religião. Também não é necessário estudar ou se preparar especialmente para a conversão. Uma pessoa se torna muçulmana quando proferir, em árabe e diante de uma testemunha, que "não há divindade além de Deus, e Mohammad é o Mensageiro de Deus". O processo de conversão extremamente simples é apontado como um dos motivos para a rápida expansão do islamismo pelo mundo. A jornada para a prática completa da fé, contudo, é muito mais complexa. Nessa tarefa, outros muçulmanos devem ajudar no ensinamento.

Crenças

A base da fé islâmica é o cumprimento dos desejos de Deus, que é único e incomparável. A própria palavra Islã quer dizer "rendição", ou "submissão". Assim, o seguidor da religião islâmica deve obedecer às escrituras, orar e glorificar apenas seu Deus e ser fiel à mensagem que Maomé trouxe.

Os muçulmanos enxergam nas escrituras divulgadas por Maomé a continuação de uma grande linhagem de profecias, trazidas por figuras que fazem parte dos livros sagrados dos judeus e cristãos - como Adão, Noé, Abraão, Moisés, Davi e Jesus. Os cristãos e judeus, aliás, são chamados no Corão Povos das Escrituras, com garantia de respeito e tolerância.

O seguidor do islamismo tem como algumas de suas obrigações "promover o bem e reprimir o mal", evitar a usúria e o jogo e não consumir o álcool e a carne de porco. Um dos principais desafios do muçulmano é obter êxito na jihad - que, ao contrário do que muitos acreditam no Ocidente, não significa exatamente "guerra santa", mas sim o esforço e a luta do muçulmano para agir corretamente e cumprir o caminho indicado por Deus.

Os muçulmanos acreditam no dia do juízo final e na vida após a morte, quando o praticante da religião recebe sua recompensa ou sua punição pelo que fez na Terra. Acreditam também na unidade da "nação" do Islã - uma crença simbolizada pela gigantesca peregrinação anual a Meca, que reune muçulmanos do mundo todo, lado a lado.

Cinco pilares

Os cinco pilares do islamismo formam a estrutura de vida do seguidor da religião.

São eles:

Pronunciar a declaração de fé intitulada "chahada": "Não há outra divindade além de Deus e Mohammad é seu Mensageiro".

Realizar as cinco orações obrigatórias durante cada dia, no ritual chamado "salat". As orações servem como uma ligação direta entre o muçulmano e Deus. Como não há autoridades hierárquicas, como padres ou pastores, um membro da comunidade com grande conhecimento do Corão dirige as orações. Os versos são recitados em árabe, e as súplicas pessoas são feitas no idioma de escolha do muçulmano. As orações são feitas no amanhecer, ao meio-dia, no meio da tarde, no cair da noite e à noite. Não é obrigatório orar na mesquita - o ritual pode ser cumprido em qualquer lugar.

Fazer o que puder para ajudar quem precisa, no chamado "zakat". A caridade é uma obrigação do muçulmano, mas deve ser voluntária e, de preferência, em segredo. O muçulmano deve doar uma parte de sua riqueza anualmente, uma forma de mostrar que a prosperidade não é da pessoa - a riqueza é originária de Deus e retorna para Deus.

Jejuar durante o mês sagrado do Ramadã, todos os anos. Nesse período, todos os muçulmanos devem permanecer em jejum do amanhecer ao anoitecer, abstendo-se também de bebida e sexo. As exceções são os doentes, idosos, mulheres grávidas ou pessoas com algum tipo de incapacidade física - eles podem fazer o jejum em outra época do ano ou alimentar uma pessoa necessitada para cada dia que o jejum foi quebrado. O muçulmano que cumpre o jejum se purifica ao vivenciar a experiência de quem passa fome. No fim do Ramadã, o muçulmano celebra o Eid-al-Fith, uma das duas principais festas do calendário islâmico.

Realizar a peregrinação a Meca, o "haj". Todos os muçulmanos com saúde e condição financeira favorável deve realizar a peregrinação pelo menos uma vez na vida. Todos os anos, cerca de 2 milhões de pessoas de todas as partes do mundo se reúnem em Meca, sempre com vestimentas simples - para eliminar as diferenças de classe e cultura. No fim da peregrinação, há o festival de Eid-Al-Adha, com orações e troca de presentes - a segunda festa mais importante.

O Corão

O livro sagrado dos muçulmanos reúne todas as revelações de Deus feitas ao profeta Maomé através do anjo Gabriel. No Corão estão instruções para a crença e a conduta do seguidor da religião - não fala apenas de fé, mas também de aspectos sociais e políticos. Dividido em 114 "suratas" (capítuolos), com vários versículos cada (o número varia de 3 a 286 versículos), o Corão foi escrito em árabe formal e, com o tempo, tornou-se de difícil entendimento.

O complemento para sua leitura é a Sunna, coletânea de registros de discursos do profeta Maomé, geralmente em linguagem mais clara e fluente. Cada uma dessas mensagens tiradas dos discursos é conhecida como "hadith".

Como os relatos foram de pessoas diferentes, há muitas divergências entre os registros de ensinamentos do profeta: cada um contava a mensagem da forma que o interessava. Além de contradições, as "hadith" provocaram também uma expansão dos conceitos do Islã, ao incorporar tradições e doutrinas sobre sociedade e justiça - aspecto importante na formação da cultura islâmica em geral, que não ficou restrita à religião.

Sharia

É a lei religiosa do islamismo. Como o muçulmano não vê distinção entre o aspecto religioso e o resto da sua conduta pessoal, a lei islâmica não trata só de rituais e crenças, mas de todos os aspectos da vida cotidiana. Apesar de ter passado por um detalhado processo de formatação, a lei islâmica ainda é aplicada de formas variadas ao redor do mundo - os países adotam a sharia têm interpretações mais ou menos rigorosas dela.

Na Arábia Saudita, por exemplo, vigora uma das mais conservadoras versões da lei islâmica. O Afeganistão da época da milícia Talibã teve a mais dura e radical aplicação da sharia nos tempos modernos - proibia música e outras expressões culturais e esportivas, restringia gravemente todos os direitos das mulheres e ordenava punições bárbaras. A sharia, porém, é adotada formalmente numa minoria de países com grandes populações islâmicas.

Mesquitas

As construções reservadas para as orações dos muçulmanos são chamadas mesquitas, ou "masjids". Os prédios, contudo, não precisam ser especialmente construídos com esse fim - qualquer local onde a comunidade muçulmana se reúne para orar é uma mesquita.

Há dezenas de milhares de mesquitas no mundo, e elas vão desde as construções mais esplendorosas, com arquitetura riquíssima, às mais modestas, adaptadas dentro de outras estruturas.

A mesquita de Caaba, em Meca, é uma das mais famosas, pois é o centro da peregrinação do "haj". A mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, também é um local muito visitado pelos muçulmanos de todo o mundo - ela abrigaria a pedra de onde Maomé "ascendeu ao céu".

Festas e datas

As duas principais festividades do islamismo são o Eid-Al-Adha, que coincide com a peregrinação anual a Meca, e o Eid-al-Fith, quando se quebra o jejum do mês do Ramadã. O mês sagrado, aliás, é o principal período do calendário islâmico.

Os muçulmanos xiitas também comemoram o Eid-al-Ghadir - aniversário da declaração de Maomé indicando Ali como seu sucessor. Outras festas islâmicas são o aniversário de Maomé (Al-Mawlid Al-Nabawwi) e o aniversário de sua jornada a Jerusalém (Al-Isra Wa-l-Miraj).

A RELIGIÃO ISLÂMICA

Grupos

Os muçulmanos estão divididos entre sunitas, o grupo majoritário, e xiitas, a minoria dentro da religião. Os sunitas formam o tronco principal da religião, ligado à interpretação mais aceita da história islâmica, e reúnem cerca de 90% dos muçulmanos no mundo. A diferença em relação ao Islã xiita é a aceitação seqüência de califas da história islâmica. Sem características comuns entre si, os muçulmanos sunitas incluem praticantes da religião em todas as partes do mundo e de todas as tendências, dos mais conservadores até os moderados e seculares.

Os xiitas, que reúnem cerca de 10% dos muçulmanos, surgiram como movimento político de apoio a Ali e acabaram formando uma ramificação da religião islâmica. A dissidência surgiu quando os xiitas se uniram para apoiar Ali, primo de Maomé, como o herdeiro legítimo do poder no Islã após a morte do profeta, com base na suposta declaração de que ele era seu sucessor ideal.

A evolução para uma fórmula religiosa diferente teria começado com o martírio de Husain, o filho mais novo de ali, no ano de 680, em Karbala (no atual Iraque).

Os clérigos xiitas são os mulás e mujtahids, mas o clero não tem uma hierarquia formal. Os xiitas foram os responsáveis pela revolução islâmica do Irã, em 1979, e têm graves divergências com setores do islamismo sunita.

O Islã no centro do mundo

A religião que mais cresce vive uma hora decisiva

O mundo islâmico vem sendo rotineiramente devassado nos meios acadêmicos há muito tempo. Contudo, até 11 de setembro de 2001, quando dezenove muçulmanos praticaram o maior atentado terrorista da História, as multidões nos países ocidentais não sabiam que o universo dos turbantes era muito mais complexo do que parecia. Depois do fim do comunismo, os Estados Unidos e seus aliados - os países industrializados da Ásia e da Europa - convenceram-se de que a modernidade, a democracia e a economia de mercado são desejadas em todo o mundo. Devido a outra escala de valores, porém, tais novidades não são bem-vindas para um número significativo de muçulmanos. Foi a descoberta de que o Islã era um dos limites da globalização, até então despercebido.

Após o choque resultante da carnificina cometida em nome de Alá, o mundo islâmico foi repentinamente iluminado por um holofote. Nunca, até onde a memória alcança, uma civilização foi tão escrutinada como a muçulmana está sendo nos dias atuais. Uma cultura e uma fé que viviam relegadas à periferia do mundo dito civilizado despertam agora um interesse voraz em pessoas que até outro dia dispunham de pouquíssimas referências sobre o universo islâmico. Os governos das nações poderosas também estão ávidos por entender e agir de forma a evitar uma explosão nas sociedades dos turbantes que elegeram como seu herói o terrorista Osama bin Laden e como bandeira a guerra santa aos valores ocidentais. E, no decorrer desse processo de exploração, a opinião pública mundial descobriu que esse universo era menos administrável do que se imaginava.

20% do mundo - Para elevar ainda mais o grau de importância dessa revelação, pesquisas realizadas ao redor do globo mostraram que o islamismo é a religião que mais cresceu nas últimas décadas, e que essa tendência não mudou depois do 11 de setembro. Em 1973, havia 36 países com maioria muçulmana no planeta; exatos trinta anos depois, eles já eram 47. Também no início dos anos 70, o islamismo reunia cerca de 370 milhões de fiéis. Três décadas depois, eles chegaram a 1,3 bilhão. Hoje, quase 20% da população do mundo é muçulmana, e estima-se que, em 2020, de cada quatro habitantes do planeta um seguirá o islamismo. Essa explosão demográfica - em parte provocada pela proibição religiosa do uso de métodos contraceptivos - está devolvendo ao islamismo uma força considerável.

E não é só no Oriente: com o liberalismo religioso da maior parte do Ocidente, os muçulmanos também se espalham com alguma facilidade. Só na Europa, berço da civilização cristã, existem 20 milhões de muçulmanos, e quase metade deles está instalada na Europa Ocidental. Há mesquitas até na Roma dos papas.

Outro fator que emprestou maior visibilidade aos países islâmicos está em sua imensa riqueza estratégica: são donos das mais generosas reservas de petróleo do mundo. Entre os cinco maiores produtores de óleo do Oriente Médio, o PIB conjunto quadruplicou nos últimos trinta anos, enquanto o PIB mundial apenas dobrou de tamanho. O crescimento do rebanho e a fartura do petróleo, no entanto, produziram um barril de pólvora.

Bomba-relógio - Em geral, os regimes dos países islâmicos são ditaduras teocráticas e a riqueza não é distribuída, deixando a maior parte da população relegada à miséria. É dentro desse caldeirão paradoxal que ressurgiu a força da religião, em especial depois da Revolução Islâmica no Irã, em 1979.

O Islã é multifacetado por várias nações, mas tem uma característica curiosa: não produziu um só país democrático e desenvolvido. O contraste entre a pobreza dos fiéis e a riqueza do Ocidente fomentou rancor.

A resposta às dificuldades materiais e à falta de liberdade, levantada nas mesquitas, é a de que a identidade religiosa supera todos os valores políticos.

A questão tornou-se urgente depois do 11 de setembro, mas até agora não se encontrou uma resposta: como desarmar a bomba-relógio do radicalismo islâmico?

Enquanto os nós não forem desfeitos, é possível que o extremismo e o fanatismo, embora restritos a grupos minoritários, sigam achando espaço para ensangüentar a história humana.

As raízes de uma religião pacífica

A mensagem do profeta Maomé era de tolerância

A ligação entre a carnificina provocada pelos terroristas muçulmanos e as raízes verdadeiras da fé islâmica é o maior problema enfrentado nos dias atuais pela religião mais praticada do planeta. Dezenas de milhões de pessoas, em especial no Ocidente, confundem o islamismo com uma prática religiosa radical e raivosa, que convoca seus seguidores a matar inocentes, permite (e recompensa) o suicídio em nome de Deus e não tolera crenças diferentes.

De acordo com a esmagadora maioria dos especialistas, religiosos e fiéis, contudo, a verdadeira face do Islã é exatamente oposta: a de uma fé que estimula o entendimento e desencoraja o conflito.

A própria origem do termo Islã - ou "rendição", em árabe - está ligada à palavra salam, que significa "paz". O fundador do islamismo, o profeta Maomé, dedicou sua vida à tentativa de promover a paz em sua terra, a Arábia. Antes do Islã, as tribos árabes estavam presas num círculo vicioso de ataques, revides e vinganças.

O próprio Maomé e seus primeiros seguidores escaparam de dezenas de tentativas de assassinato e de uma grande ofensiva para exterminá-los em Meca. O profeta teve de lutar, mas em nome da própria sobrevivência - quando acreditou estar a salvo, passou a dedicar-se exclusivamente à reconciliação das tribos, através de uma grande campanha ideológica de não-violência. Quando morreu, no ano de 632, a meta havia sido cumprida - e justamente em função de seus ensinamentos sobre paz e tolerância.

Espírito de caridade - Quando revelou a base da crença islâmica pelos versos do Corão, Maomé convivia com uma guerra em larga escala em sua terra. Assim, muitas passagens das escrituras sagradas dos muçulmanos tratam de conflitos armados, da execução de inimigos, da guerra em nome de sua crença.

Os terroristas e radicais de hoje, contudo, gostam de citar o Corão apenas nos trechos em que se convoca a luta, e não nos versos em que se prega a paz e o entendimento. Pouco depois do ataque de 11 de setembro de 2001, a escritora americana Karen Armstrong, autora de vários livros sobre a religião islâmica, compilou alguns desses versos.

A seguir, alguns deles:

No Corão, os muçulmanos recebem a ordem de Deus para "eliminar os inimigos onde quer que eles estejam". A frase é uma das preferidas de Osama bin Laden e seus discípulos do terror. No verso seguinte, contudo, a mensagem é a segunte: "Se eles deixarem-no em paz e não fomentarem guerra, e oferecerem a paz, Deus não permite que sejam machucados".

O texto sagrado dos muçulmanos diz que a única forma aceitável de guerra é aquela conduzida em auto-defesa. Os muçulmanos jamais devem iniciar as hostilidades. A guerra é sempre manifestação do mal, indica o Corão, mas s vezes é preciso lutar para preservar seus valores - ou, como fez o profeta Maomé em Meca, para combater perseguições e se livrar dos opressores.

Em certo trecho, o Corão cita a Torá, escritura sagrada dos judeus, ao dizer que é permitido ao muçulmano retribuir uma agressão - olho por olho, dente por dente. O texto ressalta, porém, que perdoar e deixar de lado as vinganças em nome de um espírito de caridade é uma atitude digna de mérito e admiração.

Quando a guerra é necessária e justificada, as hostilidades contra o inimigo devem acabar logo que for possível. A guerra termina quando o inimigo acena com um gesto de paz. O Corão também diz que os outros povos, mesmo quando forem inimigos, jamais devem ser forçados a seguir a crença dos muçulmanos: "Não deve haver coerção nos assuntos da fé!"

Na mais famosa distorção a respeito da doutrina muçulmana, a palavra "jihad" é traduzida no Ocidente como "guerra santa" - quando, na verdade, equivale a "luta", "esforço", "empenho". O termo se refere ao esforço que deve ser empregado para que a vontade de Deus seja colocada em prática em todos os aspectos da vida - não só na política, como também na vida pessoal e social. Há relatos de que Maomé disse certa vez, ao retornar de uma batalha: "Estamos voltando da jihad menos importante para a jihad maior", que seria a tentativa de curar os males da sociedade.

O Corão diz que os "Povos das Escrituras", os cristãos e judeus - principais alvos dos extremistas islâmicos hoje, - devem ser respeitados. Em um de seus últimos discursos, o profeta Maomé teria dito: "Formamos nações e tribos para que conhecessem uns aos outros" - ou seja, não para que os povos conquistassem outros povos e tentassem oprimir suas crenças.

Reação à modernidade - Se a brutalidade contra outros povos e religiões é proibida, se a guerra é uma manifestação do mal, se o inimigo só pode ser atacado se agredir primeiro, por que os radicais muçulmanos continuam usando a religião para justificar seus atos de terrorismo? Para quase todos os especialistas, essa pergunta não tem uma resposta sensata - o que significa que a luta dos extremistas é, de fato, ilegítima e injustificada.

Na avaliação de Karen Armstrong, a forma militante de culto religioso surgida no século XX sob a classificação de fundamentalismo é uma reação à modernidade. Seus seguidores estão convencidos de que a sociedade liberal e secular visa acabar com a religião - assim, os princípios de sua fé acabam desvirtuados e distorcidos em nome de uma luta irracional.

Desta forma, enxergar em Osama bin Laden e em seus seguidores terroristas uma representação legítima da tradição e da fé islâmica é um erro gravíssimo. Resta à maioria dos muçulmanos, que condenam os atos terroristas e as interpretações radicais das escrituras, a árdua missão de reverter essa imagem e reforçar as raízes pacíficas de sua crença.

A minoria que agride e assusta

O que está por trás do extremismo no mundo islâmico?

Com o surgimento dos primeiros indícios de que a onda de terror de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos foi obra de radicais islâmicos, uma questão tornou-se inevitável: quem é essa gente que se suicida jogando aviões contra edifícios? Que se veste de bombas e se explode em supermercados e pizzarias de Israel? Que estoura carros recheados de explosivos contra muros de quartéis? Quem é, enfim, essa gente que se mata em nome de Alá? Atualmente, calcula-se que exista em torno de 1,3 bilhão de muçulmanos no mundo, divididos em diversas correntes religiosas - e apenas uma parcela pequena está disposta a entregar a vida pela causa.

São muçulmanos que integram ramificações extremistas da religião, como os sunitas do Afeganistão e os xiitas do Líbano, para os quais o suicídio em nome de Alá, normalmente cometido aos gritos de "Deus é grande", é uma forma suprema de entrega ao amor divino. A maioria dos muçulmanos, no entanto, repudia os ataques suicidas e os considera pecado extremo, uma ofensa contra Alá, na medida em que atenta contra o dom da vida - um dom divino. "O primeiro equívoco comum entre ocidentais e cristãos é considerar todo islâmico um extremista suicida e, por extensão, um terrorista em potencial", adverte a historiadora Maria Aparecida de Aquino, da Universidade de São Paulo.

O islamismo é a religião que mais cresce no planeta, e ganhou visibilidade nas últimas décadas em função de sua imensa riqueza estratégica: eles são donos das mais generosas reservas de petróleo do mundo. O crescimento do rebanho e a fartura do petróleo, no entanto, produziram um barril de pólvora.

Em geral, os regimes dos países islâmicos são ditaduras teocráticas e a riqueza não é distribuída, deixando a maior parte da população relegada à miséria. É dentro desse caldeirão paradoxal que ressurgiu a força da religião, em especial depois da Revolução Islâmica no Irã, em 1979. "Num ambiente de carência social e autoritarismo político, a religião funciona como uma poderosíssima válvula de escape", define a historiadora Maria Aparecida de Aquino, da USP.

Mas isso não é tudo. Até pouco tempo atrás, a América Latina também convivia simultaneamente com miséria e ditadura - e, no entanto, nunca se viram grupos extremistas de latino-americanos promovendo atos de terrorismo pelo mundo afora em nome de sua libertação econômica e política. Por que então alguns grupos de fanáticos islâmicos chocam o mundo com espetáculos inimagináveis de terror?

A explicação sobre o que move esses extremistas, segundo alguns especialistas, talvez esteja num dado mais sutil: o choque de civilizações.

Cimitarra no coração - "Os Estados nacionais permanecerão como os atores mais poderosos no cenário mundial, mas os principais conflitos globais ocorrerão entre nações e grupos de diferentes civilizações", aposta o professor Samuel P. Huntington, especialista em estudos internacionais da Universidade Harvard e autor de um livro dedicado ao assunto. "O choque de civilizações será a linha divisória das batalhas do futuro." Nem todos os estudiosos do assunto concordam com a tese de Huntington, mas não há como negar que, num mundo cada vez menor, cada vez mais próximo, a religião também funciona como um instrumento de afirmação da identidade nacional. E a globalização crescente é um processo que se desenrola sob o comando inequívoco do mundo ocidental - em especial, do império americano.

As potências ocidentais não trilham sua trajetória segundo parâmetros da Bíblia, da fé cristã, dos ensinamentos de Jesus, mas, mesmo assim, elas acabam por se contrapor, culturalmente, aos países muçulmanos, muitos dos quais se pautam pelo Corão, pela fé islâmica, pelos ensinamentos de Maomé.

Hoje, as potências ocidentais encontram-se no auge do poder. Os Estados Unidos, com sua incomparável pujança econômica, seu formidável poderio militar e sua vigorosa influência política e cultural sobre os destinos do mundo, representam o triunfo dos valores ocidentais - pelo menos aos olhos de fundamentalistas islâmicos, que, é sempre bom lembrar, são uma minoria entre os muçulmanos. Daí por que o terror de 11 de setembro não se esgotou na destruição de arranha-céus e na morte de inocentes. Pretendeu, sobretudo, cravar uma cimitarra no coração e no orgulho da maior potência ocidental.

McDonalds no Líbano - Os extremistas, que enxergam o mundo pela oposição entre Jesus e Maomé, se ressentem da avassaladora influência ocidental sobre o planeta - nos costumes, nos hábitos de consumo, no modo de vida. Tanto que, em países dominados por radicais islâmicos, especialmente os talibãs do Afeganistão, tudo o que lembra a cultura ocidental é proibido e severamente punido. Mas, de novo, isso não é uma regra. No Irã, há grandes anúncios de produtos ocidentais pelas ruas de Teerã, existem mulheres procurando cirurgiões plásticos, num sinal de vaidade antes inadmissível, e é muito expressivo o contingente feminino que freqüenta a universidade - uma raridade em algumas nações islâmicas que confinam a mulher aos limites do lar. "Há aspectos do capitalismo ocidental que são plenamente aceitos pelas populações muçulmanas", diz um diplomata brasileiro que serviu por oito anos no Líbano. "As cadeias de fast food, como o McDonald's, fazem sucesso do Marrocos ao Líbano," diz ele.

"Sem dúvida, o extremismo religioso está ligado às frustrações, principalmente entre os mais jovens, pois os países árabes têm economia fraca, analfabetismo e desemprego crescente", afirma Sharif Shuja, professor de relações internacionais da Universidade Bond, na Austrália. "Mas, além disso, o massacre de muçulmanos na Bósnia, na Chechênia, na Palestina e na Caxemira faz o mundo árabe imaginar que o Ocidente está contra ele", completa o especialista. A melhor maneira de reduzir o crescimento do extremismo talvez esteja na expansão democrática dos países islâmicos - tema ao qual as potências ocidentais vinham dedicando pouca atenção até 11 de setembro. A riqueza econômica do petróleo, por si só, não foi capaz de melhorar esse cenário. "Na verdade, ocorreu o contrário", analisa o professor Michael Hudson, da Universidade Georgetown. "Jordânia, Líbano, Marrocos e Palestina, que não têm reservas petrolíferas, hoje são países muito mais abertos que os ricos em petróleo, como Arábia Saudita, Iraque e Líbia." A exceção é o Irã, único islâmico rico que vive um acelerado processo de democratização.

'Todas as armas' - Osama bin Laden e sua corte de fanáticos vivem na clandestinidade, enfurnados em cavernas do Afeganistão, envoltos numa aura de mistério, mas seus objetivos são bem claros. Basta consultar os escritos do milionário que virou o mais exaltado dos radicais islâmicos. Primeiro, ele pretende expulsar os militares americanos das bases que eles mantêm na Arábia Saudita, onde a mera presença de não-muçulmanos é vista pelos fanáticos como uma profanação do solo santo onde nasceu o Islã.

"Todos os esforços devem ser concentrados em combater, destruir e matar o inimigo até que, pela graça de Alá, esteja completamente aniquilado", esclarece Laden, em documento datado de 1996.

Realizada a primeira missão divina, ele pretende partir para a segunda, de alcance mais amplo: unir todos os muçulmanos numa mesma comunidade, governada de acordo com a interpretação mais literal e estrita dos preceitos do Corão.

Para isso, os governos dos países muçulmanos considerados corrompidos pela influência ocidental - ou seja, todos - devem ser varridos do mapa. Sem fronteiras nacionais, unificados sob esse governo ideal, chamado califado, os verdadeiros crentes se lançariam então rumo à etapa final - arrebatar o resto do planeta.

"Chegará o tempo em que vocês desempenharão papel decisivo no mundo, de forma que a palavra de Alá seja suprema e as palavras dos infiéis sejam subjugadas", prometeu ele a seus seguidores. Em qualquer uma dessas etapas, o dever dos muçulmanos é empregar todas as armas possíveis para atacar os inimigos de Alá.

O título do documento em que faz essa afirmação diz tudo: "A Bomba Nuclear do Islã". Parece coisa de uma mente delirante, dos gênios do mal caricaturados no cinema ou nas histórias em quadrinhos. A forma aberrante de fanatismo religioso pregada por Laden, porém, tem raízes bem fincadas na história da religião muçulmana, constantemente marcada por esse desejo de mergulhar na fonte original, de beber da palavra mais pura do Corão, de reviver um passado mítico.

Período de decadência - Uma comparação que ajuda a entender a mentalidade fundamentalista é com a Igreja Católica na fase em que se encontrava quando tinha a mesma "idade" do Islã hoje. Naquela época, os padres da Santa Inquisição queimavam pessoas que não acreditassem em dogmas católicos.

Torturavam e matavam suspeitos de crimes como bruxaria. Qualquer idéia inovadora era condenada, mesmo que fosse uma idéia científica defendida por pesquisadores de talento, como Galileu Galilei, que sofreu perseguição no século XVII por ter afirmado que a Terra girava em torno do Sol.

Os historiadores também coincidem ao apontar as razões desse movimento de refluxo: em comparação com seu passado glorioso, os países islâmicos vivem hoje um período de decadência. O Ocidente cristão, com o qual conviveram e combateram ao longo dos séculos em pé de igualdade, às vezes até de superioridade, superou-os vastamente em matéria de progresso material, científico, administrativo e tecnológico. A primeira organização fundamentalista moderna, a Fraternidade Muçulmana, foi criada em 1928 pelo xeque Hasan al-Banna num Egito humilhado pelo colonialismo britânico. Também ganharam contornos de males a ser combatidos as liberdades individuais, a emancipação das mulheres, as mudanças nos padrões familiares e outras transformações que se sucederam nas sociedades ocidentais.

Chegamos, assim, àquilo que distingue o fundamentalismo em sua vertente mais extremada: o recurso à violência como meio não só legítimo como obrigatório.

Ancorados em textos do Corão ou ensinamentos do profeta e seus seguidores, evidentemente interpretados da maneira mais literal, os fundamentalistas aperfeiçoam há séculos uma teoria da violência total. "Aqueles que ignoram tudo do Islã pretendem que ele recomende não fazer a guerra. São insensatos.

O Islã diz: 'Matem todos os infiéis da mesma maneira que eles os matariam'", escreveu um dos aiatolás que lançaram as bases da revolução fundamentalista que derrotou o regime do xá Reza Pahlevi no Irã.

O aiatolá complementa: "Aqueles que estudam a guerra santa islâmica compreendem por que o Islã quer conquistar o mundo inteiro. Todos os países subjugados pelo Islã receberão a marca da salvação eterna. Pois eles viverão sob a luz da lei celestial". Quando Osama bin Laden diz que "matar americanos e seus aliados, civis e militares, é um dever individual de todo muçulmano que tenha condições de fazer isso, em qualquer lugar onde seja possível fazer isso", ele está seguindo exatamente o mesmo raciocínio.

A democracia poderá prosperar?

A ofensiva para reformar os regimes mais opressores

Entre mais de meia centena de países com maioria muçulmana, apenas três nações adotaram regimes com características democráticas: Turquia, Bangladesh e Indonésia. Com exceção da Turquia, no entanto, nenhum governo islâmico seria reconhecido como democrata pelos padrões ocidentais. Eles são governados por teocracias, monarquias absolutas, ditaduras de partido único e presidentes perpétuos. Mesmo na Turquia a situação é bastante diferente se comparada às democracias ocidentais.

Na fundação do país sobre as ruínas do Império Otomano, o Estado tornou-se laico na marra: foram impostas roupas ocidentais, o uso do véu feminino em repartições e escolas públicas foi proibido e o alfabeto árabe foi substituído pelo latino no prazo recorde de seis meses. Os militares turcos trataram de impedir, desde então, que os fundamentalistas chegassem ao poder - na única vez em que isso ocorreu, na década de 90, eles caíram um ano depois de assumir o governo. O Estado supervisiona a educação religiosa, nomeia os 80.000 clérigos do país e paga seus salários. Mesmo assim, o islamismo continua forte. De cada dez turcos, nove fazem o jejum no mês do Ramadã e metade reza cinco vezes por dia para Alá.

A esperança de democracia no Oriente Médio se assenta principalmente na multiplicação dos muçulmanos moderados. Esses personagens não oferecem perigo ao Ocidente. Eles são, no entanto, uma ameaça para os regimes totalitários da região - que ganharam a tolerância do Ocidente por tanto tempo justamente por combaterem os extremistas - na verdade, oprimindo qualque voz forte de oposição.

Serão necessárias centenas de milhares deles em dezenas de países para que a química explosiva da região encontre um mínimo de equilíbrio. Para muitos analistas ocidentais, essa possibilidade não passa de uma utopia. Mas todos concordam que a única barreira real de longo prazo para deter o terrorismo religioso são os moderados islâmicos. A eficiência dos serviços de contenção dos radicais prestados por regimes totalitários pró-ocidentais na região está se exaurindo.

Essa tendência deve acentuar-se com a presença dos Estados Unidos no Iraque, na exata medida em que os americanos sejam bem-sucedidos na instalação de um governo minimamente representativo no país que já foi de Saddam Hussein e seus asseclas.

Maldição do petróleo

Se no mundo islâmico em geral a democracia é raridade, nos países árabes ela inexiste. Segundo especialistas, a dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos. De um lado, existe um estado permanente de beligerância, pela vizinhança com Israel, o que tende a concentrar o poder nas mãos de um líder ou de um grupo. O constante clima de guerra, além disso, torna prioridade o fortalecimento do Exército, do serviço de inteligência, da polícia secreta, da guarda nacional, instituições que também servem para conter aspirações populares malvistas pelos dirigentes.

De outro lado, a comunidade árabe é dividida pela glória e pela desgraça do petróleo. Quem tem senta-se sobre ele. Quem não tem usa sua influência junto aos países ricos em petróleo para garantir investimentos e ajuda externa. Assim, tanto os com-petróleo quanto os sem-petróleo, excessivamente amarrados dependência de capital externo, tendem a ignorar as demandas internas por maior participação política. "A principal barreira à democracia no mundo árabe não é o islamismo ou a cultura árabe.

É o petróleo", diz o jornalista Fareed Zakaria, jornalista da revista Newsweek e professor da Universidade Harvard. "Como bastava furar o chão para o dinheiro jorrar, não houve a necessidade de criar uma economia capitalista moderna, que exige trabalho duro. Costumo dizer que o petróleo é a maldição do mundo árabe. Pelo menos no que diz respeito à modernização econômica e política. De todos os países com petróleo, apenas um, a Noruega, é democrático."

Sinais de mudança

Na avaliação de outro importante especialista no assunto, o escritor Bernard Lewis, os exemplos de democracia no mundo islâmico são "raros, mas não impossíveis". "É um processo lento e difícil. Não podemos esquecer que generalizações são sempre imprecisas. Quando discutimos o Islã, estamos falando de mais de catorze séculos de história, mais de cinqüenta países, uma tradição cultural de uma diversidade enorme. O Islã pode ser interpretado de várias formas", diz ele. É inegável que os sinais de mudança estão aparecendo.

Além dos casos do Iraque e do Afeganistão, em que os americanos investem pesado para estimular a democracia, e do Irã, onde o rígido regime islâmico não impediu uma onda de apoio popular às reformas democráticas, há vários episódios animadores:

Horas depois da queda da capital iraquiana, o presidente do Egito, Hosni Mubarak, anunciou sua desistência de fazer o filho, Gamal, seu sucessor no poder. O Egito está submetido a variações de estado de sítio desde 1931 e seus principais órgãos de imprensa são estatais. Portanto, o gesto de Mubarak tem um peso.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Abdullah bin Abdul Aziz, anunciou em 2003 o desencadeamento de um plano de "aprimoramento econômico e político" que, segundo Alkebsi, prevê a eleição de um Parlamento. Monarquia religiosa, a Arábia Saudita é o país formalmente mais alinhado com o Ocidente na região. Mas existem evidências desconcertantes de que, nos bastidores, a dinastia saudita dá sustentação a grupos terroristas. O aceno com a possibilidade de eleger um Parlamento é a melhor notícia ventilada daquele lado do deserto há dezenas de anos.

Em setembro de 2002, o Marrocos promoveu as primeiras eleições livres de sua história. A ida às urnas foi fiscalizada por monitores internacionais. Um partido ligado ao clero islâmico ganhou um bom número de cadeiras no Parlamento, e o governo reconheceu oficialmente o resultado.

Também no fim de 2002, o Barein, um pequeno país do Golfo com menos de 1 milhão de habitantes, convocou eleições gerais em que, pela primeira vez, as mulheres também puderam votar e se candidatar a cargos eletivos.

Do Iraque à Suíça

A empolgação sobre a possibilidade de espalhar a democracia pelo mundo islâmico contagia os ocidentais, mas os próprios defensores da idéia de que vale a pena semear democracia no deserto alertam para os perigos. O mais evidente deles é o fato de que naturalmente os políticos com ligações com o clero islâmico serão, pelo menos no primeiro momento, os mais populares.

Há possibilidade também de que os radicais sejam os mais votados e até que cheguem ao poder pelo voto. Na Argélia, em 1992, os militares deram um golpe preventivo assim que as pesquisas não deixavam mais dúvidas de que os fundamentalistas chegariam ao poder nas eleições gerais daquele ano. O que fazer nesses casos?

Esse é um ponto crucial, pois, se os eleitores dos países árabes suspeitarem que a democracia só vale quando forem eleitos políticos com simpatia pelo Ocidente, todo o processo ficará desmoralizado. "Não esqueçamos que Adolf Hitler chegou ao poder na Alemanha por meio de uma eleição. Se a democracia for introduzida de forma prematura, é possível que tenha vida curta", afirma Bernard Lewis.

"Uma eleição livre é o fim de um processo de democratização, não o começo. A democracia é um remédio forte que tem de ser tomado em doses pequenas e com cuidado. Não se pode importar a democracia como quem compra um brinquedo com instruções no estilo monte você mesmo. O Iraque não vai transformar-se numa Suíça da noite para o dia."

Fonte: veja.abril.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal