Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Jerusalém (Israel)  Voltar

Jerusalém

 

 

A 62 Km. de TelAviv, Jerusalém, a Cidade Santa e a capital do país, seja talvez, o centro religioso mais importante do mundo. Para os cristãos é o lugar onde Jesus foi crucificado, para os judeus o lugar onde Salomão construiu o Templo e, para os mulçumanos, o lugar onde Mahoma ascendeu aos céus.

A cidade está dividida em duas zonas bem diferencidas: a cidade velha, rodeada pelas muralhas e a cidade nova, onde encontram-se os melhores lugares de entretenimento, hotéis, restaurantes e cafeterias. Existe uma linha circular de ônibus (No. 99) que faz o percurso, pelos principais locais de interesse de Jerusalém.

A Cidade Velha

A Cidade Velha está rodeada pelas impressionantes muralhas (restauradas no século XVI) e são oito as portas que permitem seu acesso: a Porta Nova, a de Damasco, a de Heródes, a de São Estevão, a dos Magrebíes, a de Yaffa, a de Sióm e a Porta Dourada, fechada desde o século XVI. , para descobrir a zona só há que caminhar e perder-se nos inumeráveis grandes ruas, e por atenção aos letreiros, que indicam os lugares santos mais importantes. São quatro os bairros que compõem esta parte de Jerusalém. Cada um com seu estilo e seu ambiente. Por outro lado, é possível fazer um circuito pelas muralhas e contemplar desde outro ponto de vista a Cidade Velha.

Bairro Mulçumano

É o bairro com mais vida e movimento. Acolhe centenas de lojas, postos, bazares e tenderetes, onde se vende de tudo. Além deste ambiente oriental são três os locais mais importantes: a Porta de Damasco do século XVI e a mais bela de todas, e uma das principais entradas à Cidade Velha, as Canteras de Salomão, uma série de labirintos subterrâneos de onde se extraviou a pedra necessária para a construção do Templo e a Via Dolorosa, o percurso por onde diz-se que Jesus caminhou em direção ao Gólgota.

Próximo da Porta de São Estevão se alcança a Igreja de Santa Ana do século XI, uma das mais finas construções da cidade. De estilo românico acolhe o lugar onde nasceu Maria. Próximo a esta acha-se a Piscina Betesda ou Probática, onde tem descoberto as ruinas de uma igreja bizantina e de uma piscina onde diz-se que Jesus realizou alguns milagres.

A Via Crucis ou Via Dolorosa consta de 14 estações e os cristãos costumam percorre-lo com fervor. , apesar de que trata-se de um percurso desenhado nos últimos séculos e independentemente da fé que se tenha, vale a pena percorre-lo, pois pode-se ver aspectos interessantes. Da Via há que destacar a Torre Antonia, muito perto do Colegio Mulçumano e do Monastério Franciscano, lugar onde começa o percurso, o Litostrótos no Convento das Irmãs de Sião, uma superfície coberta de grandes lajes dos tempos de Jesus, o Arco Ecce Hommo, um pórtico romano do ano 130 dC. , o Convento das Pequenas Irmãs de Jesus, onde pode-se visitar as ruinas de um mosteiro do século VI e o Santo Sepulcro, já no bairro cristão, que acolhe as cinco últimas estações.

Bairro cristão

O bairro cristão distingue-se, sobre tudo, pelo bom número de mosteiros e igrejas que acolhe. Porém, a Basílica do Santo Sepulcro, é o lugar mais sagrado. Possui uma arquitetura variada pois a Basílica se reparte entre católicos, ortodoxos, gregos, armênios, sírios, abisinios e coptos que tem feito suas próprias aportações e são mais de 25 capelas as que encontram-se em seu interior. A construção atual é do século XII, mas foi restaurada no século XIX, depois de sucumbir a um feroz incêndio. Em seu interior destaca o Calvário, a Capela de Adão, os íconos do Katolicão, a Capela de Santa Elena e o Santo Sepulcro. Neste bairro não pode deixar de visitar-se o Museu Ortodoxo grego, que acolhe um bom número de peças, manuscritos, esculturas, talhas, bordados e cristal de diferentes períodos.

O bairro Armênio

É um dos bairros mais elegantes, graças a sua particular arquitetura. Nele encontra-se a Porta de Yaffa do século XVI, principal porta de entrada à Cidade Velha, a Cidadela de David que acolhe o Museu Torre de David (um minarete otomano) com peças que narram a história da cidade, a rua David, onde abundam numerosos tenderetes, o Museu Armênio com uma interessante coleção sobre a história do povo armênio, a Igreja de Santiago Maior, sede do Patriarca, a Porta de Sióm do século XVI e a Igreja de São Salvador, onde se diz que se encontrava o Palácio de Caifás.

O bairro Judeu

Apesar de que data da Idade Média, é o bairro mais moderno da cidade velha. Acolhe numerosas sinagogas, centros de estudos bíblicos, escolas talmúdicas e modernas construções. A melhor forma para descobri-lo é entrar pela Porta dos Lixos, a menor de todas as portas da muralha e que recebe este nome, porque antigamente era o lugar onde se atirava o lixo. No bairro há que destacar a Sinagoga de Bem Zakkay que em realidade trata-se de quatro sinagogas do século XVI, a Rua do Cardo, onde pode-se ver ruinas do Primeiro e Segundo Templo, o Seminário Arqueológico, desde onde se organizam tours pelos lugares onde há escavações, a Casa Siebenberg, que exibe jóias, cristais, cerâmicas e um mosaico que mostra a vida da antiga Jerusalém encontradas em seus subterrâneos, a Casa Queimada descoberta a princípios dos anos 70 e que acolhe interessantes peças, o Museu Wohl de Arqueología, onde pode-se ver os rastros do temível incêndio que destruiu Jerusalém no ano 70 dC. a Torre Israelita, restos da antiga muralha, quando existia o Primeiro Templo, a Sinagoga de Ramban, o local mais antigo do bairro, fundado pelo Rabí espanhol Moshe Bem Nachmam no século XIII e a Sinagoga Hurvá.

O Monte do Templo ou Monte Moriah

Esta é a zona mais sagrada de toda Jerusalém, pois aqui encontra-se a Esplanada do Grande Templo e a Mesquita de O Aqsa. Respeito ao Grande Templo há que dizer que não fica nada da construção, a exceção do célebre Muro das Lamentações. O primeiro Templo foi construido pelo Rei Salomão no ano 970 aC. e foi destruido pelas tropas de Nabucodonosor. Foi edificado diversas vezes pelos Macabeos e finalmente ampliado e reconstruido por Heródes. Daquela maravilha tão só ficou o Muro Ocidental, o lugar mais sagrado para os judeus e lugar, onde lamentam e oram a Jehová. É aconselhável chegar à zona para admirar os movimentos de quem reza. Nas segunda-feira e os quinta-feira, pela manhã, tem lugar a celebração das crianças que cumprem 13 anos de idade. Por outro lado, para ter uma idéia de como era o Grande Templo, há que aproximar-se ao Centro Rachel Bem Zvi, onde encontra-se uma preciosa maqueta, réplica do Primeiro Templo.

Retornando à Esplanada, há que visitar o Arco de Wilsom que constitui a entrada a uma improvisada sinagoga, o Arco de Robinson, desde onde se obtém excelentes vistas, a Porta dos Magrebíes que constitui a entrada a Haram O Sherif, onde encontra-se a Mesquita de Omarou Domo da Roca. Sua inconfundível cúpula dourada tem-se convertido em símbolo da cidade. Construida a finais do século VII no lugar onde Mahoma ascendeu aos ceus, tem uma forma octagonal e em seu interior encontra-se a Roca Sagrada, uma imensa pedra rodeada por belas colunas. A cúpula está decorada com vivos mosaicos e gravados.

A Mesquita de O Aqsa encontra-se no encostado da Esplanada e distingue-se pela sua cúpula prateada. Está edificada sobre os restos de uma antiga igreja bizantina e possui uma preciosa fachada do século XII, enquanto que em seu interior destacam as colunas de mármore, que formam sete naves com capacidade para mais de cinco mil pessoas.

Da Esplanada distingue-se, além a Cúpula da Cadeia, um templo de reduzidas dimensões, o Pináculo do Templo, os Estábulos de Salomão, o Jardim Arqueológico de Ha´Ofel, onde estão fazendo importantes descobertas e o Museu Islâmico com interessantes alcorões, a encostado da Porta dos Magrebíes.

O Monte das Oliveiras e o Vale de Cedrão

O Monte das Oliveiras recebe este nome devido ao bom número de oliveiras que existiam na antigüidade. Na atualidade acolhe uma bom quantidade de igrejas e locais de importância para cristãos e judeus. Destaca a Igreja da Agonía, talvez uma das mais impactantes de Jerusalém e muito perto do Horto de Getsemaní, onde se afirma que Jesus agonizou. A construção, de meados do século XX, se realizou sobre as ruinas de uma igreja bizantina. Conhece-se também como a Igreja das Nações, graças às aportações de vários países que tornaram possível sua edificação. A um encostado encontra-se o Horto de Getsemaní, um pequeno terreno onde há algumas oliveiras muito antigas e onde se crê que Jesus foi traido por Judas.

Na zona do Monte das Oliveiras, não deixe de visitar a Igreja da Assunção e Tumba de Maria, a Igreja de Santa Maria Madalena com sete torres douradas e edificada pelo Czar Alexandre III de Rússia, o Dominus Flevit, onde se crê que Jesus chorou quando sua entrada triunfal a Jerusalém, a Capela da Ascenção, no alto do monte e que desde o século. XIII é uma mesquita, a Igreja do Pai Nosso, edificada sobre o antigo Templo de Eleona, o Convento Carmelita, onde pode-se ler a oração do Pai Nosso escrita nas baldosas das paredees em mais de 50 idiomas, o Cemitério Judeu, um dos cemitérios maiores do mundo e a Tumba dos Profetas Malaquías, Zacarias e Hageo.

O Vale do Cedrão, situado entre o Monte das Oliveiras e a Cidade Velha, acolhe locais importantes como a Tumba de Zacarías, um monolítico com belas colunas, a Tumba de Absalóm com uma cúpula cônica, o Oratório de São Estevão, uma capela edificada recentemente no lugar onde fora apedrejado o apóstolo e a Piscina de Siloé, situada no lugar onde se unem o Vale do Cedróm e a Gehenna.

O Monte Sião

O Monte Sião, no extremo sul ocidental da Cidade Velha muito perto do bairro Armênio e da Porta Sião, acolhe a Igreja da Dormição, do século. XX, mas construida segundo o estilo da Catedral de Aquisgrán. É uma edificação muito bonita e em seu interior sóbrio encontra-se a Cripta do Sonho Eterno que, segundo se diz, foi o lugar onde Maria se uniu a Jesus. Outro dois locais de interesse é o Cenáculo, lugar onde Jesus celebrou a última ceia com seus apóstolos. Durante a ocupação turca se edificou um minarete e o miharb. Na andar de baixo encontra-se o túmulo do Rei David, com um sarcófago de pedra e uma estrela de David. Na frente do Cenáculo localiza-se o Martiriumou Câmara da Destruição, com numerosos vãos de judeus. Se distingue no Monte Sião, além, a Igreja de São Pedro Gallicantu, onde Dize-se o Apóstol Pedro escuchó o canto do gallo por três veces. Trata-se duma construccióm do ano 1931 sobre as supuestas ruinas do Palácio de Caifás.


La Cidadee Nueva

Conocida como a Jerusalém Moderna concentra hotéis, restaurantes e centros de entretenimento, assim como os bairros onde vivem a maioria de judeus. O mais destacado são alguns de seus típicos bairros e ruas, onde a vida se mostra cheia de coloridos, sons, sabores e aromas diversos. Aconselhamos um percurso pelo bairro de Mea Shearim, onde habitam os "Hassidim", judeus ortodoxos a até a morte, que respeitam ao pé da letra as leis hebráicas. Os homems vão vestidos de negro, enquanto as mulheres cobrem sua cabeça com panos. Há numerosas sinagogas e escolas, onde se estuda a Torá. Na entrada do bairro há indicações, onde se descrevem as normas a seguir, como a de que as mulheres devem levar saia e manga longa, nos dias de descanso está proibido fumar.

Por outro lado, não deixe de fazer um percurso pela zona peatonal de Nahalat Shiva, pela zona peatonal e pela rua Bem Yehuda, uma das ruas mais interessantes de Jerusalém cheia de restaurantes, cafés, lojas, tenderetes, atuações de ruas, tudo envolvido em um ambiente cosmopolita. No centro da Cidade Nova, destacam além, a Igreja da Santa Trindade, a sede do Rabinato Central Hekal Shelomo com uma modesta sinagoga e o Museu Wolfson, o Cemitério Mamillah com túmulos da época mameluca e o Complexo Russo, igreja do século XIX e sede de diversas instituções públicas.

Na zona sul da Cidade Nova há que destacar o bairro Yemim Moshe, desde onde se obtém belas vistas da cidade e o Jardim da Campanha da Libertade em homenagem ao bicentenário dos Estados Unidos, enquanto que na zona oeste distingue-se a Igreja de São João do século XIX com belas pinturas e erguida na zona onde naceu São João Batista, a Igreja da Visitação, a Sinagoga Hadassah onde estão as famosas vidraçarias de Chagall, que mostram as doze tribos de Israel, o Parlamento Israelita ou Knesset com um esplêndida biblioteca e o Monastério da Cruz do século XI.

Principais Museus

Jerusalém conta com um bom número de museus. Entre todos eles, aconselhamos a visita aos seguintes:

Museu de Israel

É o maior museu do país e esta composto por diversos edifícios e salas. Aloja coleções de pintura e escultura com obras dos principais renacentistas, artigos e peças religiosas de diversas épocas, manuscritos hebreus, sarcófagos, tapetes, etc, além de contar com uma interessante sala dedicada à arqueologia. (Horário: Domingo a quinta-feira das 10.00 às17.00 horas As terças-feiras das 16.00 às 22.00 horas Sextas-feiras e sábados das 10.00 às 14.00 horas). Entre as salas, destaca o Santuário do Livro, onde se exibem os manuscritos do Mar Morto, quer dizer, os rolos de pergaminho de Qumram.

Museu Rockefeller

Recebe este nome pelas aportações do milionário norte americano Conta com diversas e interessantes coleções, especialmente as talhadas nas escavações arqueológicas. (Horário: de Domingos às quintas-feiras das 10.00 às 17.00 horas. Sextas-feiras e sábado das 10.00 às 14.00 h.).

Museu Arqueológico e Bíblico Samuel Bronfman

Oferece diversas peças obtidas nas escavações e que têm relação com os livros sagrados da Bíblia (Horário: Domingos às quintas-feira das 9.30 às 17.30 horas. As quartas-feiras até às 21.30 horas. Sextas-feiras e festivos das 9.30 às 14.00 horas e aos sábados das 11.00 às 15.00 h.).

Museu Bezalel de Arte Nacional

Acolhe coleções de pintura e escultura e numerosas peças de culto.

Memorial Yad Vashem

Dedicado aos 6 milhões de judeus vítimas da ocupação nazista, encontra-se no Monte Herzel. Destaca a Sala da Comemoração, a Avenida dos Justos, o Jardim dos Ninhos e o Museu do Holocausto. (Horário: Domingos à quinta-feira das 9.00 às 16.45 horas e nas sextas-feiras das 9.00 às 13.45 horas).

Fundação Mayer

Oferece interessantes coleções de peças relacionadas com o mundo islâmico. Destaca a coleção de relógios e a ourivesaria árabe. (Horário: Domingos às quintas-feiras das 10.00 às 17.00 horas Nas terças-feiras das 16.00 às 20.00 horas. Sextas –feiras e sábados das 10.00 às 14.00 h.).

Maqueta Hotel Holyland

Nos jardins deste hotel encontra-se uma preciosa maqueta a escala 1:50 de acordo como era Jerusalém, em tempos de Jesus. É uma vista imprescindível.

Museu da Cidade de Jerusalém (Cidadela)

Recorrido histórico da cidade desde tempo dos reis judeus até nossos dias.

Museu L. A

Meyer Memorial Institute for Islamic Art. Arte islâmica de diferentes períodos. Bibliotecas e arquivos.

Fonte: www.rumbo.com.br

Jerusalém

Jerusalém primeiramente foi chamada de "Orshalem" (Cidade da Paz) pelos cananeus 5000 anos atrás. Posteriormente esse nome foi modificado por "Yuroshalime" pelos judeus, logo por "Orshamam" pelos faraós, depois para "Herosulima" pelos gregos e romanos e finalmente para "Jerusalem" pelos francos.

A cidade de Jerusalém está localizada a aproximadamente 52 Km do Mar Mediterrâneo, 22 Km do Mar Morto, 250 Km do Mar Vermelho, 150 Km de Akka.

Cidade de Jerusalém
Cidade de Jerusalém

As escavações têm revelado que a origem de Jerusalém foi nas colinas Al Dhor. A cidade situa-se no alto de Sulwan, sudeste do Santuário Sagrado. Com o passar dos anos a cidade expandiu-se sobre outras colinas como Beit Al Zeitoun (também conhecida como Bezeta) no nordeste, colina Santuário ( também conhecida como Medria) no leste, colina Zion no sudoeste, e outras colinas na região do santuário, conhecida como Antiga Jerusalém, numa superfície de 1 Kilometro quadrado, incluindo os lugares sagrados para as três religiões monoteístas (Muçulmana, Cristã e Judía).

A cidade é caracterizada por sua localização estratégica, suas naturais linhas defensivas compreendendo um conjunto de vales no leste (Suleiman, Sitna Merriam, ou vales Yahu Shafat), no oeste (Wadi Eljabaneen) e no sul (Wadi Alrababeh). A região plana no norte foi a principal rota de acesso para os ataques e invasões militares na cidade. Todos os conquistadores de Jerusalém, como Naboukheth Nasser, Alexandre, Bombay e Omar Ibn Al Khattab, entraram na cidade pela zona norte.

O rápido crescimento da população tem extendido os limites da cidade além do muro que a rodeia. O Bairro Moderno, conhecido como Nova Jerusalém, localiza-se ao lado dos subúrbios de Shu´fat, Beit Haneena, Sulwan, Ein Karem, Deir Yassin e Al Qastel. Outros bairros e distritos estão sendo construídos nas proximidades das montanhas Al Masharefi, Al Qatamoun e Al Mukkaber.

Lugares Sagrados

Jerusalém é altamente respeitada e venerada pelos praticantes das três religiões monoteístas (muçulmanos, cristãos e judeus), pois a maioria dos profetas e mensageiros viveram ou estiveram alguma vez na cidade, como Abraão, Jacó, Isac, Jesus, João, Zacarias, Salé e Maomé. Várias histórias relatam que Adão encontra-se enterrado numa caverna entre Jerusalém e a sepultura de Abraão, e acredita-se que a Arca informou a Noé "este é o lugar de seus filhos". Outras histórias relatam que Abdallah Bin Omar falou "Beit Al Maqdas (Jerusalém) foi construído pelos profetas, que a paz esteja com eles, e os anjos encontram-se por toda a cidade".

A Mesquita de Al Aqsa: Esta é a segunda mesquita construída por Abraão, a primeira foi a Caaba na cidade de Meca (Arábia Saudita). Al Aqsa significa "a mais distante" , denominada assim por localizar-se distante da cidade de Meca e também porque esta mesquita foi o destino da viagem de Al Isra´a (viagem noturno que realizou o profeta Maomé entre Meca e Jerusalém).

Mesquista Al Aqsa
Mesquista Al Aqsa

A Cúpula da Roca

Foi considerada como um santuário e altar por Abraão, Jacó e outros profetas. Davi e Salomão também considerou-la como um lugar sagrado. A Cúpula da Roca foi o lugar de partida da Al Miraaj (viagem aos céus realizada por o profeta Maomé).

Cúpula da Roca
Cúpula da Roca

Al Buraq

É o Muro que rodeia a mesquita de Al Aqsa no oeste, é uma parte indivisível do santuário. Denominado Muro das Lamentações pelos judeus, que acreditam que o "Al Haykal" foi construído nesse mesmo lugar por Herodes no ano 18 AC e posteriormente destruído por Titus no ano 70 DC .

Em relação aos cristãos, a Igreja da Ressurreição (Al Qeyameh) construída pela Rainha Eliana em 335 d.C. , é o lugar onde acredita-se que Jesus passou antes de ser crucificado. A Igreja é considerada como o lugar mais venerado pelos cristãos. Os judeus estão buscando o Al Haykal, construído por Salomão, especialmente nessa área.

Fonte: casasinjel.iespana.es

voltar 12avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal