Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Jaca - Página 3  Voltar

Jaca

Aspectos gerais

Jaca

A jaqueira Artocarpus integrifolia L., / Artocarpus heterophilus Lam, Moraceae, Dicotyledonae - originária da Ásia (Malásia. Índia), foi trazida para o Brasil pelos portugueses; aqui a planta adaptou-se muito bem.

Descrição/tipos

É árvore de porte ereto, elevados (atinge 20 a 25 m de altura), tronco com diâmetro acima de 1 m, tem copa densa e irregular com folhas verde-escuras coriáceas e brilhantes. As flores, sem pétalas, agrupam-se em inflorescências masculinas e femininas localizadas no tronco e ramos mais grossos.

O fruto composto - a jaca é formado pela reunião de frutos simples, soldados em torno de um eixo central; é um sincarpo, com formação globosa, oval ou alongada, tem comprimento em torno de 70 cm e peso de até 40 kg. Maduro a sua casca tem cor amarelo-acastanhada e aroma peculiar e forte.

As sementes numerosas - até 500 unidades por fruto - são envolvidas, individualmente, por uma polpa (bago) amarela, visguenta, aromática, sabor doce, de consistência mole a dura. A planta é melífera.

A composição da polpa do fruto, por 100 gramas, é: água 84%, carboidratos 18,9 g, proteína 1,9 g, gordura 0,1 g, fibra 1,1 g, cálcio 20 mg, fósforo 30 mg, ferro 0,5 mg, Vitamina A 540 U.I., tiamina 30 U.I.; a semente contem 6,6% de proteínas e 25,8% de carboidratos.

Os tipos - variedades - mais cultivados da jaqueira são: jaca-dura (com frutos grandes - 15,30, 40 kg- e bagos de consistência rígida); jaca-mole (frutos menores, bagas doces com consistência mole) e jaca-manteiga (com bagos adocicados e de consistência intermediária) é comum no Rio de Janeiro.

Utilização da jaqueira

Madeira: é branco-acinzentada que escurece, ao contato com o ar, tomando a aparência de mogno. É madeira de lei, utilizada em construção naval (cavername), e na construção mista (carpintaria e marcenaria).

Planta: utilizada em reflorestamento, em sebes quebra-ventos, para proporcionar sombra a animais em pastos e como planta ornamental.

Folhas: verdes, picadas ou moídas, são destinadas ao arraçoamento de aves, caprinos, ovinos e suínos.

Fruto: ao natural os bagos são consumidos frescos pelo homem; processados compõem doces, compotas, polpas congeladas, refrescos, sucos, bebidas (licor). Os animais consomem o fruto fresco picado, em sua integra. Em medicina caseira o bago é utilizado no tratamento de tosses (propriedades expectorantes).

Semente: rica em amido pode ser consumida assada; assada e moída produz farinha utilizável para preparo de biscoitos, doces, outros. Em medicina caseira a semente trata desarranjos intestinais.

Ainda, lenhada, a jaqueira exsuda resina medicinal de propriedades cicatrizantes.

Jaca

Clique na imagem para ampliar

Necessidades da jaqueira

Clima: planta de regiões quentes e úmidas, de clima tropical úmido, a jaqueira também se desenvolve em regiões de clima subtropical e semi-árido desde que haja a utilização da irrigação artificial (Ceará). A planta requer temperatura média anual de 25ºC, chuvas acima de 1.200 mm/ano (bem distribuídos), umidade relativa do ar em torno de 80%, dias ensolarados. Geadas são danosas à jaqueira.

Solos: profundos, bem drenados, férteis, areno-argilosos não sujeitos a encharcamento, pH entre 6 e 6,5.

Propagação/formação de mudas

A propagação da jaqueira pode dar-se via vegetativa - borbulhia em janela aberta e encostia (produzem mudas para plantios comerciais) e via sexuada (utilizando-se de sementes).

Formação de mudas via sementes: Sementes - os frutos fornecedores das sementes devem ser obtidos de árvores precoces, vigorosas, sadias e de boa produção; as sementes devem ser retiradas do fruto e mergulhadas em água fria por 24 horas e semeadas, a seguir (baixa viabilidade).

Recipientes: podem ser sacos de polietileno preto, dimensões 20cm x 30cm , cheios com mistura de terra areno-argilosa ou terra de mata (3 partes) e esterco de curral bem curtido (1 parte). Os sacos podem ser colocados em fileiras duplas espaçadas de 60-80cm e o viveiro deve ser coberto com folhas de palmeiras para proporcionar, inicialmente, 50% de sombra; a medida que as mudas desenvolvem-se vai-se permitindo entrada de mais luz.

O semeio é feito colocando-se 2 a 3 sementes, em posição horizontal, a 3 a 5cm de profundidade; quando mudinhas tiverem 5cm de altura efetuar o desbaste deixando a mais vigorosa. Alcançando 15 a 20cm de altura a muda estará apta a ser plantada em local definitivo. As irrigações devem ser feitas sem excessos.

Plantio/tratos culturais

O preparo do solo pode necessitar das operações de derruba, destoca, queima, controle de cupins e formigas, aração/gradagem do terreno, com antecedência hábil ao plantio.

Espaçamento a utilizar pode ser 10 m x 10 m ou 10 m x 8 m que propociona densidade de 100 a 125 plantas por hectare respectivamente. As covas podem ter dimensões de 50 cm x 50 cm x 50 cm ou 60 cm x 60 cm x 60 cm e são abertas 60 dias antes do plantio quando separa-se a terra dos primeiros 15 a 20 cm de altura.

Sugere-se para adubação de fundação, a mistura da parte da terra separada a 15-20 litros de esterco de curral bem curtido e a 500 g de calcário dolomítico e lança-se ao fundo (logo após sua abertura); o restante da terra é misturada a 500 g de superfosfato simples a 100 g de cloreto de potássio enchendo-se a cova pouco antes do plantio.

O plantio é efetuado no início da estação chuvosa; na cova abre-se espaço para torrão da muda de modo a que a superfície do torrão fique 5cm acima da superfície do solo. Retira-se o fundo do recipiente da muda, coloca-se o torrão na cova e vai-se retirando o plástico, chegando-se terra e comprimindo-a.

Prepara-se "bacia" com terra em volta da muda e cobre-se com palha ou capim sem sementes. Irriga-se com 20 litros de água; caso haja falta de chuvas pós-plantio, irrigar a muda, semanalmente, com 20 litros de água.

Manter controle de ervas daninhas roçando-se as ruas e efetuando capinas em "coroamento" com raio igual ao da copa da planta, pelo menos. Eliminar ramos secos, ou doentes ou praguejados ou ainda aqueles mal situados que dificultem formação da copa ou frutificação.

Sugere-se, para adubação em cobertura, a aplicação das quantidades de adubos abaixo relacionadas - por planta, por vez; no início da estação chuvosa, em cobertura sob a copa, incorporando a mistura levemente ao solo.

Os consórcios da jaqueira com outras lavouras podem ser feitos com plantas leguminosas - de baixo porte e de ciclo curto - respeitando-se a distancia hábil a haver entre jaqueira/lavoura. Podese utilizar amendoim, feijão, soja, outras.

Colheita/Rendimento

O ponto de colheita é demonstrado pelo aroma forte que os frutos exalam e por som ôco que emitem quando neles se bate. Uma jaqueira pode produzir frutos por um período de 100 anos.

Plantas provenientes de mudas de sementes iniciam frutificação no 5º ou 6º ano pós transplantio com frutos pequenos e pouco numerosos; com a sucessão dos anos tamanho e número aumentam. A produção de uma jaqueira adulta pode alcançar 50 a 100 frutos por árvore e por ano.

Frutos devem ser conservados em ambiente fresco e seco e consumidos o mais rapidamente possível.

Fonte: www.seteervas.com.br

Jaca

Jaca

A Jaqueira é uma árvore da família das moráceas . Originária da Índia e de outros paises da Ásia.

Utilidades Medicinais

Anemia

Dado o seu alto teor em ferro, a jaca(especialmente o caroço) é  indicada na anemia ferropriva.Pode-se cozer o caroço como a castanha portuguesa.

Tosse

Descaroçar os frutos, bater no liquidificador, misturar com mel e cozinhar em fogo brando por uns 40 minutos, mexendo sempre.Coar. Tomar uma colher de sopa deste xarope toda vez que a a tosse se manifestar.

Fonte: www.agrobyte.com.br

 

voltar 123456avançar

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal