Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  História do Japão  Voltar

História do Japão

 

Período Paleolítico (- 8.000aC) também é conhecido como Era Inicial de Jomon. Há mais de 15 mil anos atrás, a ilha japonesa foi conectada ao continente asiático por terra durante a Idade de Gelo. Pessoas do Continente da Eurásia começaram a migrar para o leste.

História do Japão

A razão principal para a migração pode ter sido o suprimento de alimentos, ao se considerar que as pessoas seguiam rebanhos de animais para caçar.

A agricultura não foi praticada durante essa era. Então, caçar animais e juntar plantas selvagens eram as fontes predominantes de alimentação. Um fóssil de mamute foi descoberto na parte norte do Japão e um fóssil de elefante naumann foi descoberto na parte sul. Os elefantes naumann vagaram de 300 mil anos atrás até 15 mil anos na Ásia Oriental e no Japão.

O elefante habitou em lugares com Takos mais temperados que os do mamute. A cerâmica não foi praticada durante esse período. Então, a maneira de cozinhar a carne era secá-la, defumá-la, ou grelhá-la. Esse período histórico também pode ser chamado de Idade Não-Cerâmica.

História do Japão

Há aproximadamente 10.000 a 12.000 anos atrás, começou a Era de Jomon e durou milhares de anos.

A temperatura aumentou, tornando-se mais morna, e o gelo começou a derreter.

Então, o nível do mar se elevou e o arquipélago japonês se formou nessa época. Porém, o Japão ainda não tinha se estabelecido como um país.

História do Japão
Cerâmica de Jomon

As pessoas continuavam caçando animais e juntando plantas selvagens no Período Inicial de Jomon. Eles caçavam animais grandes como o enorme cervo que depois foi extinto. Considera-se que a extinção de grande parte de animais seja resultado da atividade humana e da mudança climática. Carne e peixe eram desidratados, defumados, e assados no Período Inicial.

De maneira bastante interessante, o povo japonês ainda aplica esses métodos para preservar alguns tipos de decomposição de comida. Há ainda debates sobre o aparecimento e o fim da cultura de Jomon. O Período de Jomon é seguido pelo Período de Yayoi.

História do Japão
Cerâmica de Jomon

Período de Yayoi começou há 2.300 anos atrás e durou aproximadamente 600 anos. Muitas coisas mudaram durante esse período.

O estilo de vida do Período de Jomon poderia ter sido semelhante ao desse período de Yayoi por causa da geografia do Japão. Pessoas antigas do Japão realizaram uma viagem difícil nessa época por terem escalado montanhas longas e estreitas.

Então, idiomas e culturas diferentes desenvolveram-se em áreas distintas. No Período de Yayoi, o qual é anterior ao período de Kofun, muitas pessoas da Coréia emigraram para o Japão. Essas pessoas trouxeram a cultura do arroz e o trabalho com metal para o Japão durante o período final de Jomon.

O povo de Jomon começou a aprender e a praticar esses novos conhecimentos. O efeito cultural da Coréia foi refletido na forma de recipientes de barro, ferramentas, tecnologia e sociedade no período de Yayoi. Uma disparidade em riqueza quase não foi vista pelo Período de Jomon. Porém, foram vistos guerra, riqueza e pobreza, e diferença de tamanho e força entre aldeias pelo Período de Yayoi como resultado de diferenças na quantia de arroz cultivado e armazenado em cada aldeia.

Quando o arroz foi trazido para o Japão?

A maioria das pessoas sabe que arroz é a comida principal do japonês. Porém, a habilidade de cultivar arroz foi trazida para o Japão por pessoas da Coréia há aproximadamente 2.400 ou 2.300 anos atrás. De acordo com a história, a Coréia estava em um estado de guerra e instabilidade naquela época. Então algumas pessoas chegaram à ilha de Kyushu em navios.

A habilidade do cultivo de arroz foi espandida na parte norte da Ilha de Kyushu ao longo de todas as ilhas. O arroz pode ser preservado por muito tempo. Um líder de uma aldeia começou a manter quantidades grandes de arroz em armazenamento. Porém, toda aldeia não cultivou a mesma quantia de arroz porque o cultivo dependia da estação, da paisagem, e do tempo. A quantidade de arroz em armazenamento era uma razão pela qual a disparidade em riqueza existiu na cultura de Yayoi.

Como as pessoas da Era Yayoi cozinhavam o arroz?

Arroz refinado e arroz cru são basicamente o mesmo. Pessoas da era de Yayoi comeram arroz cru. O modo para cozinhar o arroz era fervendo ou cozinhando a vapor. Arroz cru é mais duro que o arroz refinado. Hoje os japoneses normalmente comem arroz refinado, porém agora estão sendo reconhecidos mais uma vez os benefícios de se comer arroz áspero pela efetivação no auxílio ao combate de problemas de pele, pressão alta, e muitos outros. Pratos diferente de arroz foram desenvolvidos pela era de Yayoi.

Além de cultivar e comer arroz, as pessoas comeram também carnes, peixes, legumes, frutas, e nozes. Foram cultivadas algumas variedades de legumes, como soja, azuki, e trigo, que foram introduzidas pelos chineses. Cavalos e gados também estavam começando a se tornar uma parte popular da cultura japonesa.

História do Japão
Modelo de plantação de arroz

História do Japão
Mansão de Himiko

História do Japão
Modelo de cerâmica Yayoi

Período de Kofun começou ao término do terceiro século. Algumas características desse período são a introdução de caracteres chineses, o aparecimento de enorme tumuli , a unificação do Japão pelo Tribunal de Yamato, um influxo de visitas estrangeiras, novas habilidades e conhecimentos importados da China e da Coréia, a introdução de ferramentas férreas de fazenda e armas ao longo do Japão e a introdução do Budismo no país. Ao final do quarto século, o Japão declarou guerra contra a Coréia. Ao mesmo tempo, o Japão estabeleceu uma chancelaria do governo na Coréia.

História do Japão

Essa chancelaria do governo só durou até meados do sexto século. Embora sendo introduzidos caracteres chineses, esses caracteres normalmente foram limitados ao comércio entre China, Coréia, e Japão. Então, arqueólogos e historiadores s vezes recorrem ao registro histórico chinês para entender a história japonesa durante o Período de Kofun.

Esse período é seguido pelo Período de Asuka que começou em meados do sexto século. Louça de barro e a introdução da roda do oleiro permitiram às pessoas fazerem cerâmicas mais fácil e rápidamente. Como resultado, aumentou a produtividade de cerâmica. A louça de barro era usada como talheres e panelas para armazenar comida. Alguns dos recipientes de barro eram usados como utensílios para rituais.

História do Japão
Cerâmica de Kofun

História do Japão
Cerâmica de Kofun

Período de Asuka começou ao término do sexto século e durou aproximadamente 100 anos.

Durante esse período, a capital do Japão permaneceu em Asuka. Porém, quando outro imperador assumiu o governo, a capital mudou.

História do Japão

O estabelecimento do sistema imperial de governo, a primeira constituição, o primeiro código de lei e o primeiro registro familiar foram estabelecidos durante o Período de Asuka. Somente mais tarde, mas ainda no Período de Asuka, emitiu-se a primeira moeda corrente. Ocorreram avanços no campo da arquitetura, como a construção de um templo e a construção de uma grande imagem de bronze de Buda.

Vários japoneses enviados para a China aprenderam sobre a cultura chinesa e trouxeram para o Japão idéias novas de filosofia e de política. Poder-se-ia discutir que o Período de Asuka foi a base da cultura japonesa atual. Porém, era politicamente instável uma vez que a execução de um casal de príncipes imperiais, o assassinato de um imperador e a guerra ocorrida entre as famílias poderosas e o príncipe imperial oconteceram ao longo desse período. O Período de Asuka terminou quando a capital foi transferida para outra área sob o governo da Imperatriz Genmei. O Período de Asuka foi seguido pelo Período de Nara

Quando o Budismo foi introduzido no Japão?

O Budismo foi introduzido através da visita de coreanos por volta de 550 D.C. Contudo, essa visita não acarretou a expansão imediata do Budismo ao longo do Japão, embora houvesse religiões nativas existentes em cada comunidade japonesa. Uma das razões que favoreceram a expansão do Budismo tão depressa foi Yamataikoku, um país forte e controlado por uma mulher, Himiko, que unificou países pequenos e aldeias centenas de anos antes do Budismo ser introduzido.

Entretanto, havia uma guerra entre duas famílias poderosas nomeadas Mononobe e Soga que impedia

A família de Mononobe acreditava em uma religião nativa e tentava manter o Budismo fora do Japão. Por outro lado, a família de Soga estava realmente interessada no Budismo, porque essa religião era de um país desenvolvido. O príncipe Shotoku (taishi de Shotoku) também se interessou pelo Budismo. Apoiado pela Família de Soga, ele participou da guerra contra a família de Mononobe.

Quando a família de Soga e o príncipe Shotoku estavam a ponto de iniciar a guerra, ele esculpiu o Quatro Devas de madeira. Ele o trouxe para onde a luta estava acontecendo e o pôs acima da linha dianteira. De efeito, o Tako da situação mudou e a família de Mononobe perdeu a guerra. Após o término da guerra entre as duas famílias, o Budismo floresceu no Japão.

Em tempos atuais, há várias denominações para Budismo no Japão, dentre elas, Nichiren, Shingon, Joudo, Joudoshinshu, Tendai, e Zenshu.

A cobra era uma criatura sagrada, podendo ser encontrada na decoração e no desígnio de cerâmica do Período de Jomon. A criatura sagrada eventualmente virou um pássaro durante o Período de Yayoi devido a influências culturais da Coréia.

Período de Nara começou após a antiga capital ser movida a Heijou-kyou pela Imperatriz Genmei.

Este período durou menos de 100 anos entretanto cedeu os registros históricos antecipadamente, registros geográficos, mitologia, e um livro de poemas.

O templo de Toudai foi construído e havia uma grande imagem de Buda dentro deste edifício. Este período se acabou quando a capital foi movida a Heian-kyou.

História do Japão

Este período é seguido pelo Período de Heian.

O Japão durante o Período de Nara era principalmente uma sociedade agrícola e baseada am aldeias.

História do Japão
Pagode Horyuji - Nara

A maioria dos japoneses morou em casas de cova e adorou o Deus de forças naturais e antepassados.

O desenvolvimento cultural mais influente na Era Nara foi o florescendo de Budismo.

Várias escolas de pensamento budista importadas da T'ang China tiveram seu espaço na cidade de Nara.

História do Japão
Templo Todaiji - Nara

A vitalidade de Budismo naquele tempo conduziu a uma integração mais íntima de Budismo com governo japonês.

Os imperadores de Nara reverenciaram em particular profundamente um ensino budista chamado o Sutra de Luz Dourada; nisto, Buda é não só estabelecido como um ser humano histórico mas também como a Lei ou Verdade do universo.

Cada humano tem razão para distinguir o bem do mal.

Fonte: www.guianikei.com

História do Japão

Segundo os descobrimentos sabe-se que os primeiros assentamentos em Japão sucederam à mais de 10.000 anos.

Entretanto, a primeira civilização que se estudou é a do Período Jomon que permaneceu até o século II a.C. tratava-se de um povo vinculado com os polinésios e com povos do sudeste asiático. A civilização Yayoi, no primeiro século da era cristã, distingui-se pela utilização do bronze e do ferro.

Período Nara

Ao final do século VI começa o período Nara (710.784 d.C.). é baixo o principado de Shotoku quando o país adquire uma forma e um particular sistema de administração estatal, ao mesmo tempo que se desenvolve o budismo. Nara, a capital, padeceu a influência cultural da China e Coréia.

Este período distingue-se pelo fato de que os templos budistas adquiriram poder e prova do fato é a grande fundição da enorme estatua de Buda de bronze de Nara, conhecida como Daibutsu. O governante Kammu, posterior ao 794, translada a capital a Kyoto, iniciando o período Heian.

Período Heian

O período Heian, dos anos 794 a 1192 d.C. se caracteriza pelo bom início já que se estabelecem delegações culturais em China, se conquista Ezo em Honshu Setentrional e se consolida a difusão do budismo. A família imperial instala-se em Kyoto e se converte na cidade imperial até o momento em que Tóquio é nomeada a nova capital do século XIX.

Foi um período de paz de prosperidade caracterizada pelo desarrolho das artes, momento no qual o alfabeto chino se combina com o novo sistema de escritura. Entretanto, durante o século XII, a crescente corrupção que acontecia nas famílias Fujiwara e Taira, provoca sua derrota, conseguindo o poder a família Minamoto, conhecido como os Genji, no ano de 1185.

Período Kamakura

Este período se estende do ano 1192 a 1333 e caracteriza-se pela instauração de um governo de estilo militar baixo as ordens de um shogun. Esta figura permaneceria até o ano de 1868 quando se restabelece a corte imperial. Os Genji estabeleceram o quartel militar em Kamakura, más conservam a capital imperial em Kyoto, onde o imperador não era mais uma marionete. Fazem sua aparição os samurais, uma casta guerreira com um rígido código de honor, sobre ordens dos senhores feudais.

Durante esta época Kublai Khan intenta invadir a ilha de Kyushu (entre os anos de 1274 e 1281) e em um destes ataques um tufão destrui as embarcações mongolas. Os japoneses batizaram aquela tormenta com o nome de "Kamikaze" que quer dizer "vento dos deuses", palavra que utilizaria na Segunda Guerra Mundial em referência aos pilotos que ofereciam sua vida em um ataque suicida.

Período Muromachi (1336-1573) e Período Azuchi-Momoyama

Com a vitoria dos japoneses sobre os mongois, se origina um sentimento de mal estar, sobretudo nas classes militares, já que receberam um pagamento insuficiente. Produzindo distúrbios que são aproveitados pelo imperador Godaigo para retomar o poder real. Entretanto, este período, conhecido como a Restauração Kammu, chegaria muito pronto a seu fim, já que o imperador governou inadequadamente.

A situação foi aproveitada pelo clã dos Ashikaga, quem depois de derrotar o imperador, restabelecem o shogunato. O governo militar se estabelece em Kyoto. Este período se caracterizou pela anarquia, por falta do controle e pelas penúrias, más por outro lado, se desarrolharam as artes e a cultura, junto a uma excessiva arquitetura de castelos promovidas pelos daimios (senhores feudais). Entre as expressões mais extravagantes se diferencia a de Yoshimitsu Ashikaga, quem construiria o Kinkakuji ou Pavilhão de Ouro.

Entre os anos de 1467 e 1568 estala uma guerra civil no comando o Nobunaga Oda que entra em Kyoto para restabelecer o shogunato. Foi assassinado rapidamente e Hideyoshi Toyotomi continua seus esforços para governar, unificando o país no ano de 1598.

O Período Edo (1603-1867)

É conhecido também como a Era Tokugawa, baixo o mando de leyasu Tokugawa quem estabelece um governo militar em Edo (a atual Tóquio) com um imperador marionete em Kyoto. Este período se caracteriza pelo fim do contato com o resto do mundo – contato que iniciaram no ano de 1543, data na que os japoneses conheceram as escopetas, o cristianismo e outros produtos europeus -, já que Tokugawa é considerada a influência estrangeira como uma ameaça a estabilidade.

Japão permaneceu hermeticamente asilada até o ano de 1853 quando se restabeleceu relações comerciais nos Estados Unidos. Durante este imposto isolamento se aboliu o cristianismo, enquanto que os japoneses que saiam ao exterior eram executados em seu regresso para evitar a importação de idéias estrangeiras. Os norte-americanos, com aliança com alguns países de Europa, obrigaram Japão, no ano de 1864, a comerciar com o exterior.

Tokugawa perde o controle do país e no ano de 1868 restaura-se o poder imperial baixo o comando do imperador Meiji, quem proíbe o budismo para consagrar o sintoísmo como a religião oficial (considerando a figura do imperador como um representante da divindade).

A Era Meiji (1868-1912)

Durante estes anos Japão deixa de ser um país agrícola e feudal para converter-se em uma das principais potências do mundo, graças a sua sólida base industrial e militar. Se ocidentaliza de forma muito precipitada e na ânsia de modernizar-se esquece muitas tradições.

Nesta era lhe seguiram a de Taisho (1912-1926) e as de Showa (1926-1989) caracterizadas por uma forte industrialização e pelo crescimento das forças militares. No ano de 1937 os japoneses invadem China e dadas as fortes tensões com os Estados Unidos, Japão participa na Segunda Guerra Militar, depois de firmar a aliança com as potências do Eixo.

De sua participação ficaram as amargas lembranças: as cidades destruídas pelas bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki nos dias 6 e 9 de agosto de 1945 e a conquista por primeira vez em toda sua história, por parte das forças aliadas que ocupariam o país até o ano de 1952.

Depois da Segunda Guerra Mundial

Com a derrota, o imperador Hirohito renuncia a sua divindade e se adota uma Constituição de tipo democrata. O aura do "deus" que reinava no Império do Sol Nascente extingui-se depois de perder a Segunda Guerra Mundial. Apartir daquele ano começa o desenvolvimento do país de forma tão surpreendente e incrível tão conhecida por todos. Faz sua aparição os oligopólios da indústria japonesa ligados ao Partido Demoliberal.

Nas décadas dos anos sessenta e setenta o país converte-se em uma potência mundial, reinicia suas relações com China e melhora as relações com Rússia. As tensões sobre questões econômicas e comerciais entre Japão e EEUU ou a Comunidade Européia se agravam cada vez mais, e para amenizar estes problemas Japão buscou um novo modelo de desenvolvimento, mais harmonioso com os países industrializados.

Últimos Acontecimentos

No ano de de1989, com a morte do imperador Hirohito, seu filho Akihito sobe ao trono, iniciando-se a Era Heisei, que significa "paz e harmonia". A sociedade japonesa convertida em uma das mais desenvolvidas do mundo, maior expectativa de vida, baixo índice de criminalidade, alto índice de difusão educativa, abundância de bens e serviços sofisticados em oferta e sua posição no mundo como superpotência econômica, entre outras coisas, pode dar a imagem de uma sociedade opulenta, más entretanto a qualidade de vida é ainda muito baixa em comparação com os níveis de vida de outros países mais desenvolvidos.

Os anos passados se ressentem, durante as últimas décadas em que Japão protagonizou o "milagre econômico", o objetivo nacional de situar-se na cabeça do mundo industrializado custou um alto preço a população, que traduz em uma falta de tempo para a família, o divertimento, a cultura e o descanso.

O governo atual está preocupado pelas altas taxas de violência escolar, suicídios juvenil e falta de comunicação familiar e está intentando para paliar, reduzir as horas de trabalho. Japão possui atualmente um governo democrático eleito, atualmente presididos pelo Partido Democrático Liberal.

Fonte: www.rumbo.com.br

História do Japão

ANTIGUIDADE

arquipélago japonês começou a ser habitado há mais de cem mil anos, quando ainda fazia parte da massa continental asiática. Descobertas arqueológicas revelaram que o antigo povo que habitava o arquipélago na Idade da Pedra Lascada (período paleolítico), vivia principalmente da caça e da colheita.

A Idade da Pedra Polida (período neolítico), que data de cerca de dez mil anos atrás testemunhou a manufatura dos implementos aperfeiçoados de pedra, o desenvolvimento de avançadas técnicas de caça, que usavam arco e flechas, e a produção de recipientes de cerâmica para cozinhar e armazenamento alimentos. A era que dura de cerca de 8.000 a.C a 300 a.C é chamada de período Jomon, em homenagem ao estilo Jõmon (marcado com listras) de cerâmica.

A agricultura, principalmente a plantação de arroz, e as técnicas de trabalho em metal foram introduzidas pelo continente asiático, por volta de 300 a.C. Os habitantes do Japão usavam armas de ferro e ferramentas agrícolas em sua vida diária para aumentar a produção agrícola, e espadas e espelhos de bronze nos rituais religiosos. Nessa época, a divisão do trabalho aumentou a diferença existente entre as classes governantes e os súditos, e muitos estados pequenos foram criados pelo país. A era que dura de 300 a.C a 300 d.C é chamada de período Yayoi, em homenagem à cerâmica torneada produzida nessa época.

Os pequenos estados foram unificados aos poucos e, durante o século IV, a nação foi governada por uma forte autoridade política centralizada em Yamato (hoje, prefeitura de Nara). O período que vai do século IV ao século VI viu grandes desenvolvimentos na agricultura, bem como a introdução da cultura chinesa, inclusive o confucionismo e o budismo, através da Coréia. No final do século IV foi estabelecido o contato entre o Japão e os reinos da Península Coreana.

Foram introduzidas no país, pela Coréia, técnicas industriais como a tecelagem, o trabalho em metal, o curtume e a construção de navios, que se desenvolveram originalmente na China, sob a dinastia Han.

Foi adotada a forma de escrita do chinês, baseada em caracteres ideográficos, e com essa base os japoneses aprenderam os rudimentos de medicina, os empregos do calendário e da astronomia e a filosofia do confucionismo. O budismo foi introduzido no Japão em 538, vindo da Índia através da China e Coréia.

O sistema chinês de governo proporcionou um modelo com o qual os governantes japoneses montaram seu próprio sistema.

A primeira capital permanente do país foi estabelecida em Nara, no início do século VIII. A Família Imperial do Japão residiu lá por mais de setenta anos, de 710 a 784, e aos poucos estendeu sua autoridade pelo país. Até então, a capital, ou a sede do trono, deslocava-se com frequencia dentro da região em torno das cidades atuais de Nara, Kyoto e Osaka.

Uma nova capital, cujo modelo foi a capital chinesa da época, foi construida em Kyoto, em 794. Ela permaneceu como sede do trono por quase mil anos. Essa transferência da capital para Kyoto marcou o início do período Heian, que continuou até 1192. Este foi um dos grandes períodos de desenvolvimento artístico no Japão. Os contatos com a China foram interrompidos por volta do final do século IX, e a civilização japonesa começou a assumir suas próprias características e formas especiais.

Foi um processo de assimilação e adaptação, no qual as coisas introduzidas do exterior assumiram pouco um estilo essencialmente japonês. O exemplo mais típico deste processo foi o desenvolvimento, durante o período Heian, de uma escrita japonesa. A complexidade da forma chinesa de escrever levou escritores e sacerdotes a elaborarem dois grupos de sistemas silábicos, baseados nas formas chinesas. Em meados do período Heian esses alfabetos fonéticos, ou Kana, como são chamados, foram aperfeiçoados e seu uso foi bastante ampliado, abrindo caminho pra uma literatura de puro estilo Japonês, que floresceu substituindo aquela no idioma chinês importado.

A vida na capital caracterizava-se por uma grande elegância e refinamento. Enquanto a corte entregava-se à busca das artes e dos prazeres sociais, tornava-se cada vez mais incerta sua autoridade sobre os clãs marciais da províncias. O controle efetido do império escapou aos poucos de suas mãos e tornou-se o prêmio pelo qual duas famílias militares rivais, os Minamoto e os Taira, ambas descendentes de antigos imperadores, se engajaram em um dos conflitos mais celebrados e duros da turbulenta Idade Média do Japão. No final, os Minamoto prevaleceram e aniquilaram o clã rival Taira na épica batalha de Dannoura, no mar Interior, em 1185.

ERA FEUDAL

A vitória dos Minamoto marcou o virtual ecllipse do trono imperial como fonte de poder político efetivo e o início de sete séculos de regime feudal sob o comando de uma sucessão de xóguns, ou governantes militares.

Em 1192, Yoritomo, chefe da vitoriosa família Minamoto, estabeleceu o xagunato, ou governo militar, em Kamakura, próximo a Tóquio dos dias de hoje, e assumiu certos poderes administrativos, que antes eram exercidos pelos imperadores em Kyoto. Em reação contra o que considerava a decadência de Kyoto em sua devoção às da paz, o xogunato em Kamakura encorajou a austeridade e a procuta s artes marciais e disciplinas necessárias para restaurar o controle efetivo em todo o país, em especial sobre clãs rebeldes nas províncias mais distantes. O período Kamakura, como é chamada a era do xogunato de Yoritomo, foi uma era em que prevaleceu o Bushido-o comportamento dos samurais, ou cavalheirismo japonês.

Em 1213, o poder real foi transferido dos Minamoto para os Hojo, a família da esposa de Yoritomo, servindo de regentes para o xógum, eles mantiveram o governo militar em Kamakura até 1333. Durante esse período, os mongóis atacaram duas vezes o norte de Kyushu, uma vez em 1274 e de novo em 1281.

Apesar das armas inferiores, os guerreiros japoneses foram bem-sucedidos na defesa do país e impediram que os invasores penetrassem no interior. Após a destruição da maior parte de sua frota por furacões, que se abateram sobre ambas as tentativas de invasão, as forças mongóis retiraram-se do Japão.

A restauração do governo imperial, que teve vida curta, de 1333 a 1338, foi seguida por um novo governo militar estabelecido pela família Ashikaga em Muromachi, em Kyoto. Operíodo Muromachi prolonga-se por mais de dois séculos, de 1338 a 1573. Durante este período, a austera disciplina do bushido encontra expressão na estética e nas atividades religiosas e impõe sua marca indelével nas artes do país, cuja característica principal ainda hoje em dia é um senso clássico de reserva e simplicidade.

Após dois séculos de domínio, o xogunato de Muromachi foi confrontado com um desafio crescente de sua autoridade por parte de clãs rivais em outras partes do país. Por volta do final do século XVI, o Japão foi dilacerado por guerras civis, em que os chefes das províncias lutaram pela supremacia.

Finalmente, a ordem foi restabelecida pelo grande general Toyotomi Hideyoshi, em 1590. Em 1592 e 1597, Hideyoshi invadiu a Coréia, falhando em ambas as invasões, diante da resistência dos coreanos e chineses. Seu trabalho de pacificação e unificação do Japão foi consolidado por Tokugawa Ieyasu, fundador do xogunato de Tokugawa. Foi durante esse período transitório de guerras civis que foram construídos muitos dos mais famosos castelos do Japão.

UNIDADE NO ISOLAMENTO

Após ter se estabelecido como governante efetivo de todo o Japão, Ieyasu fundou seu xogunato em Edo, como Tóquio era conhecida na época, em 1603.

Foi uma virada decisiva na história japonesa. Ieyasu criou o modelo pelo qual foram moldadas todas as facetas da vida da nação, em especial suas instituições políticas e sociais, pelos próximos 265 anos.

Como meio de preservar a integridade da estrutura político-social que Ieyasu construiu, o xogunato Tokugawa tomou a drástica medida de virtualmente fechar as portas do Japão para o mundo exterior em 1639. Os primeiros ocidentais haviam chegado às costas do Japão no século anterior, durante o período Muromachi.

Comerciantes portugueses aportaram em um pequena ilha no sudoeste do Japão e introduziram armas de fogo no país. Foram seguidos nos anos posteriores por missionários jesuítas, comandados por São Francisco Xavier, e por grupos de espanhóis. Comerciantes holandeses e ingleses também se estabeleceram em solo japonês.

A chegada dos europeus exerceu uma profunda influência no Japão. Os missionários coverteram muitas pessoas, em particular no sul do Japão. O xogunato compreendeu que o cristianismo poderia ser um poder potencialmente tão explosivo quanto as armas de fogo que o acompanharam. No final, o cristianismo foi proscrito e o xogunato Takugawa impediu a entrada de todos os estrangeiros, à execeção de uns poucos comerciantes holandeses confinados na pequena ilha Dejima, na baía de Nagasaki, alguns chineses que viviam em Nagasaki e ocasionais enviados reais da dinastia Lee, da Coréia. Durante dois séculos e meio essas pessoas foram o único contato entre o Japão e o mundo exterior. Foi através dos comerciantes de Dejima que os sábios japoneses puderam adquirir um conhecimento básico sobre a medicina ocidental e outras ciências, durante o longo período de isolamento do país.

RESTAURAÇÃO DO PODER IMPERIAL

Por volta do final do século XVIII e início do século XIX, o Japão viveu sob crescente pressão para abrir seu litoral para o mundo exterior. No país, a rígida estrutura social e política criada por Ieyasu começava a sentir a pressão provocada pelos novos tempos.

Em 1853, o comodoro Matthew C. Perry, dos Estados Unidos, entrou na baía de Tóquio com uma esquadra de quatro navios. Ele retornou no ano seguinte e conseguiu persuadir os japoneses a firmar um tratado de amizade com seu país. Isto foi seguido pela assinatura de tratados semelhantes com a Rússia, a Inglaterra e os Países Baixos, no mesmo ano, abrindo desse modo, mais uma vez, o Japão para a relação com o exterior. Quatro anos depois, esses tratados foram transformados em tratados de comércio, e firmou-se um tratado semelhante com a França.

O impacto desses acontecimento aumentou a pressão das correntes sociais e políticas que estavam minando as bases da estrutura feudal. Houve grande tumulto durante cerca de uma década, até que o sistema feudal do xogunato Tokugawa desmoronou em 1867 e foi restaurada a plena soberania do imperador, na Restauração Meiji de 1868.

PERÍODO MODERNO

A era Meiji (1868-1912) representa um dos períodos mais notáveis da história das nações. Sob o reinado do imperador Meiji, o Japão realizou em apenas algumas décadas o que levou séculos para se desenvolver no Ocidente - a criação de uma nação moderna com indústrias modernas, instituições políticas modernas e um modelo moderno de sociedade.

Nos primeiros anos de seu reinado, o imperador Meiji transferiu a capital imperial de Kyoto para Edo, sede do governo feudal anterior. A cidade foi rebatizada de Tóquio, que significa "Capital Oriental". Foi promulgada uma Constituição, que estabelecia um gabinete e uma legislatura bicameral. Foram abolidas as velhas classes nas quais a sociedade havia sido dividida durante a era feudal. O país inteiro lançou-se, com energia e entusiasmo, ao estudo e adoção da moderna civilização ocidental.

A Restauração Meiji assemelhou-se ao rompimento de um dique atrás do qual haviam se acumulado as energias e forças de séculos. A onda e o fermento provocados pela súbita liberação dessas energias se fizeram sentir no exterior. Antes do final do século XIX, o país envolveu-se na Guerra Sino-Japonesa de 1894-95, que terminou com a vitória do Japão.

Uma das conseqüencias da guerra, por parte do Japão, de Taiwan, na China. Dez anos depois, na Guerra Russo-Japonesa de 1904-05, o Japão saiu vitorioso mais uma vez, conquistando a ilha Sakalina do Sul, que havia sido cedida à Rússia em 1875 em troca das Ilhas Kurilas, e teve reconhecido seu interesse especial na Manchúria. Após ter exclúido outras potências de exercer qualquer influência sobre a Coréia, o Japão primeiro tornou a Coréia seu protetorado em 1905 e depois anexou-a em 1910.

O imperador Meiji, cujo governo ilustrado e contrutivo ajudou a conduzir a nação durante as décadas dinâmicas de transformação, morreu um 1912, antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial. No final dessa guerra, na qual o Japão entrou sob as cl´usulas da Aliança Anglo-Japonesa de 1902, o país foi reconhecido como uma das grandes potências do mundo. O imperador Taisho, que sucedeu o imperador Meiji, foi sucedido, por seu turno, pelo imperador Hirohito em 1926, e começou a era Showa.

Essa era iniciou-se em uma atmosfera promissora. As indústrias da nação continuavam a crescer e a vida política parecia estar bem enraizada no governo parlamentar. Entretanto, novos fatores começavam a exercer uma influência perturbadora. A depressão mundial desestabilizou a vida econômica da nação.

Enfraqueceu a confiança do povo nos partidos políticos após a exposição de uma série de escândalos. Extremistas exploraram a situação e a facção militar aproveitou a oportunidade oferecida então pela confusão do momento. A influência dos partidos políticos caiu verticalmente. Após o Incidente de Lugouqiao, que levou à eclosão da guerra com a China, os partidos foram forçados a se unir em torno de uma plataforma única de cooperação no esforço de guerra.

No final, eles foram dissolvidos e em seu lugar foi montado um partido de unidade nacional. Cam as funções da Dieta reduzidas a pouco mais do que as de uma marionete, não poderia haver nenhuma obstrução parlamentar à corrente dos acontecimentos, que finalmente levou à eclosão da Guerra do Pacífico, em 1941.

DE 1945 ATÉ O PRESENTE

Em agosto de 1945, um Japão exausto pela guerra aceitou os termos de rendição das forças aliadas, e por decreto imperial o povo depôos as armas. O Japão foi colocado sob controle dos Aliados, em especial dos americanos, por mais de seis anos após a rendição.

Foram realizadas várias reformas pelíticas e sociais pelas autoridades da ocupação, comandadas pelo general Douglas MacArthur. A terra cultivável foi redistribuída aos antigos arrendatários. Assegurou-se aos trabalhadores o direito de organizar sindicatos e de fazer greves. Foram dissolvidos os principais Zaibatsu-as grandes holdings baseadas nos laços familiares. As mulheres conquistaram o direito de voto e outros direitos. Foram garantidos os direitos de reunião, a liberdade de opinião e de religião. Em 1947, foi promulgada um nova constituição liberal.

Em 1951, o Japão assinou o Tratado de Paz de São Francisco, que significou seu retorno à comunidade de nações, na condição de Estado reformado. Com este tratado o Japão recuperou o direiro de conduzir as relações exteriores, que tinha sido suspenso durante a ocupação.

Uma das tarefas mais imediatas nos anos pós-guerra foi a reabilitação econômica. Com o simpático apoio dos Estados Unidos e de outras nações, o Japão foi admitido em várias organizações internacionais, que possibilitaram ao país participar no livre comércio multilateral internacional. Em meados dos anos 60, o Japão tornou-se economicamente forte o bastante para competir com o sucesso nos mercados livres do mundo.

Junto com a reabilitação da economia, o Japão fez esforços para recuperar sua posição diplomática internacional. Começando com sua admissão nas Nações Unidas em 1956, o Japão tornou-se um participante cada vez mais ativo nos fóruns internacionais tanto políticos como econômicos e sociais. Os acordos de segurança com os Estados Unidos, firmados originalmente em 1951, foram revistos em 1960 com o objetivo de torn´-lo mais recíprocos.

As indezinações de guerra haviam sido pagas em meados dos anos 60. Após uma longa série de nogociaçõs, o Japão estabeleceu relações formais com a República da Coréia em 1965. Apenas duas décadas ap&ocute;s sua derrota, o Japão se havia recuperado quase por completo das ruínas da guerra. Os Jogos Olímpicos de Tóquio em 1964 simbolizaram a nova confiança do povo japonês e a estatura crescente do país na comunidade internacional.

Desde 1945 o Japão desfruta de um extraordin´rio grau de estabilidade política interna. À exceção de um breve período de governo socialista em 1947 e 1948, os conservadores têm mantido uma maioria constante na Dieta.

Após meados da década de 60, o Japão começou a defrontar-se com vários tipos novos de problemas, tanto interna quanto externamente. Com as necessidades imediatas de vida satisfeitas, o povo começou a procurar outros objetivos, em especial melhoramentos na qualidade de vida.

Os estudantes expressavam seu descontentamento nas escolas e universidades. Vários grupos de cidadãos reinvidicavam a retificação das desigualdades sociais. E o problema da poluição provocada pela fervorosa busca do país ao desenvolvimento econômico atraía cada vez mais a atenção do público.

A mudança para um economia de crescimento lento nos anos 70, junto com um ambiente econômico internacional cada vez mais autero, influenciou em muito a vida do povo japonês, realizando mudanças em seu modo de pensar e de viver.

Os valores tornaram-se mais diversificados e agora muitas pessoas dão mais importância à expressão da própria personalidade e à busca de objetivos mais pessoais. A volta de Okinawa (as ilhas Ryukyu e as ilhas Daito) da administração americana para o Japão em 1972 e o restabelecimento das relaçõs com a República Popular da China no mesmo ano foram dois acontecimentos notáveis da década de 1970.

Em consideração a seu paoel na economia mundial, o Japão tomou várias medidas para liberalizar seus mercados. Como menbro importante do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) e da Organização para o Desenvolvimento e Cooperação Econômica empenhado na manutenção do comércio liver, o Japão desempenha, atualmente, um papel significativo nas áreas do comércio livre, o das finanças e da assistência econômica e tecnológica. Desde 1975, o Japão é membro da conferência de cúpula anual sobre economia do grupo das Sete Nações, que teve lugar em Tóquio em 1979 e 1986.

Em vista do crescente poder nacional do Japão e das expectativas cada vez maiores de outros pa&aicute;ses quanto a seu papel internacional, o governo, a partir de meados dos anos 80, tem adotado um atitude positiva para com o alargamento da contribuição do Japão à comunidade mundial.

Fonte: www.rio.br.emb-japan.go.jp

História do Japão

A história do Japão é divida em períodos (ou eras), que são os seguintes:

Período Paleolítico (...até 8000 a.C)

Vestígios de vida encontrados no arquipélago indicam a presença de homens há 100 mil anos. Na época, o território fazia parte do bloco continental asiático, como provam os fósseis de mamutes descobertos ao Norte do Japão. O povo japonês existe desde a idade da pedra lascada, ou Período Paleolítico.

Período Jomon (8000 a.C. a 300 a.C)

Um dos mais longos períodos, que durou milhares de anos. Foi quando o arquipélago se formou, com o derretimento do gelo. O homem vivia da caça de animais e de plantas selvagens, mas começava a produzir recipientes de barro (cerâmica jomon), a usar arco e flecha e a plantar.

Período Yayoi (300 a.C. a 300 d.C)

Durou cerca de 600 anos, período em que ocorreram mudanças importantes no arquipélago japonês. Os coreanos levam para o Japão as técnicas do plantio do arroz e os trabalhos com o metal (bronze e ferro). Também começam a se acentuar o poder e as diferença entre os ricos e pobres. Os chineses introduzem a soja, o feijão azuki e trigo.

Período Yamato ou Kofun (300 d.C. a 593 d.C)

O Japão continua a receber forte influência das culturas coreana e chinesa, que levaram as ferramentas agrícolas, as armas, a arte da cerâmica e a escrita (esta, vinda da China). Também foi introduzido o budismo. Durante a invasão pela Mongólia surge a dinastia Yamato, por volta de 250 d.C. Jimmu Tenno se torna o primeiro imperador do Japão e passa a integrar as pequenas vilas num único Estado.

Período Asuka (593 d.C a 710 d.C)

Shotoku cria a primeira Constituição do país (604 d.C), com 17 artigos. Em 645 d.C acontece a reforma Taika, que institui os impostos pagos pelos camponeses. O período dura cerca de 100 anos e é marcado por avanços na arquitetura e nas áreas filosóficas. Termina quando o governo da imperatriz Genmei muda a capital, que passa a ser Heijou-kyou, uma província de Nara.

Período Nara (710 d.C~794 d.C)

Tem início quando a imperatriz Genmei transfere a capital imperial para Nara, cuja construção baseava-se na capital chinesa Tang. Surgem vários templos budistas por todo o país. Nessa época a escrita chinesa (kanji) é adaptada para o japonês. O regime Uji-kabane (grandes proprietários) entra em decadência e surge o regime Ritsuriô (administrativo). O período termina com uma nova mudança da capital, desta vez para Heian-kyou.

Período Heian (794 d.C~1192 d.C)

Com a ascensão do Imperador Kammu, a capital se estabelece em uma nova cidade (Heian), que significa “capital da paz e da tranqüilidade”, atual província de Kyoto. Nessa época, surgem os saburais (que teriam dado origem aos samurais). Por volta de 838 d.C. o Japão corta as relações com a China.

No início do século X, sob o comando do clã Fujiwara, o país avança muito na área cultural. Surge o sistema de escrita com 46 símbolos básicos conhecido como kana. Ocorrem várias batalhas pelo poder, quando aparecem de fato os samurais. A família Taira vence a de Minamoto Yoritomo, e Taira Kiyomori torna-se o primeiro samurai a ocupar o poder.

Período Kamakura (1192~1333)

Depois de 20 anos, Taira Kiyomori é derrotado por Minamoto Yoritomo, que passa a ser denominado de xogum pelo imperador, iniciando assim uma nova era no Japão. É criado o regime militar conhecido como xogunato (ou bakufu).

A capital imperial muda-se para Kamamura, uma vila de pescadores bem protegida. O governo tem como base o código de honra dos samurais. Yoritomo morre e é sucedido pela família Hojo, que melhora as relações com a China. O mongol Kublai Kan, neto de Genghis Kan, resolve conquistar o Japão, desembarca no território em 1274, mas é derrotado pelos samurais

O período acaba quando o xogunato de Kamamura é derrotado pelo imperador Godaigo, em 1333.

Período Muromachi (1333~1573)

É estabelecido o xogunato Muromachi, por Ashikaga Takauji, em Kyoto. É marcado por grande evolução econômica e cultural – na arquitetura, pintura, poesia, música, cerimônia do chá, ikebana (arte do arranjo de flores) e o teatro (Nô e Kyogen). Acontece o contato com o Ocidente, quando uma embarcação portuguesa chega ao arquipélago trazendo as primeiras armas de fogo (mosquetes), e o cristianismo é introduzido no país pelo jesuíta Francisco Xavier.

Período Azuchi-Momoyama (1573~1603)

O xogunato Muromachi entra em declínio, e o general Oda Nobunaga assume o poder em meio a violentas batalhas. Nobunaga conquista a província de Owari e, anos depois, a capital graças ao armamento fornecido pelos portugueses. Acaba assassinado antes de unificar todo o país. Quem assume é Toyotomi Hideyoshi, que confisca as armas e destrói os castelos, e consegue unificar o Japão em um único governo.

Período Edo (1603~1868)

Com a morte de Hideyoshi, Tokugawa Ieyasu assume o poder. Conquista o controle total do país ao vencer a batalha de Sekigahara, que travou com grupos rivais. Torna-se o novo xogum, a mando do Imperador, estabelecendo-se na cidade de Edo (atual Tokyo).

A sociedade passa a ser dividida em quatro classes: samurais, camponeses, artesãos e comerciantes. Em 1633, são proibidas a entrada de navios portugueses, a saída de japoneses e a prática do cristianismo. O Japão praticamente fecha-se para o exterior. No final do século XVIII, estouram diversas rebeliões, exigindo uma reforma política. São, então, firmados diversos acordos com países ocidentais.

Período Meiji (1868~1912)

Inicia-se com a ascensão do Imperador Meiji, que muda a capital para Tóquio e implementa uma ampla restauração no país. Voltam a liberdade religiosa e a igualdade social. O Japão passa por uma grande industrialização e abre suas portas para grandes estudiosos ocidentais, que ajudam no progresso do país. Os feudos são extintos, e surgem as prefeituras.

Ocorre uma verdadeira invasão ocidental. Em 1880, devido aos investimentos na industrialização, o Japão mergulha numa crise que leva à criação do Banco do Japão. Há grandes avanços políticos, como a criação da primeira Constituição. Nesse período, o país trava duas batalhas - uma contra a China, em 1895, e outra contra a Rússia, em 1905. Em 1910, os japoneses ocupam a Coréia. O imperador Meiji morre em 1912, pondo fim ao período.

Período Taisho (1912~1926)

Tem início quando Taisho, filho do Imperador Meiji, assume o poder. O Japão entra na Primeira Guerra Mundial, mas sua participação fica restrita à Ásia. Após o conflito, o país enfrenta uma situação econômica difícil, que se agrava com o terremoto em 1923, que arrasou Tokyo. As mulheres começam a participar mais da vida social do país, e é estabelecida a democracia.

Período Showa (1926~1989)

Inicia-se com a subida ao trono do imperador Hirohito, filho de Taisho. Os militares passam a defender a idéia de que só a conquista de novos territórios poderia tirar o país da crise. Entra na Segunda Guerra Mundial no dia 7 de dezembro de 1941 ao atacar a base americana de Pearl Harbor, no Havaí.

Em 1945, ainda em meio ao conflito, os Estados Unidos lançam as bombas atômicas sobre as províncias de Hiroshima e Nagasaki, que levam à rendição do Japão. O país é ocupado pelos americanos e, em 1947, é criada uma nova Constituição. O Japão passa a ser uma monarquia constitucional, governado por um Parlamento. Nesse período o país se torna uma das principais potências econômicas do mundo. Em 1989 o imperador Hirohito falece, marcando o fim desse período.

Período Heisei (1989 aos dias atuais)

Iniciado pelo imperador Akihito, filho do imperador Hirohito.

Fonte: www.japao.org.br

História do Japão

Introdução

Este texto é uma visão geral da história do Japão, desde os primeiros tempos até o presente. Ao contrário da China e da Coréia, as fronteiras do Japão mantiveram-se estáveis durante a maior parte de sua história devido a seu status geográfica como um grupo de ilhas.

Até meados do século 20, histórico Japão nunca foi ocupado por um outro povo e por sua vez nunca teve posses territoriais sobre as ilhas continentais ou grandes próximos até o final do século 19, embora tentativas foram feitas em colonizar a península coreana no final do século 16.

A partir do final do século 19 até 1945, o governo imperial japonês tinha colônias em Taiwan, Coreia, nordeste da China e, durante a Segunda Guerra Mundial, peças importantes do sudeste da Ásia. Desde 1945, o Japão se manteve em seu território tradicional, apesar de algumas ilhas ainda são mantidos em disputa com vários estados da região.

O povo japonês de hoje parecem ter tido antepassados que vieram de vários lugares. Embora na antiguidade as ilhas montanhosas foram uma vez conectado ao continente, após a última Era Glacial, as águas subiram, isolando o grupo ilha. Qualquer que seja a origem dos primeiros habitantes foram, alguns grupos podem ter vindo da Sibéria perto, a península coreana, o Rio Amarelo e áreas rio Yangzi da China atual e da cadeia de ilhas do sul que levam para dentro Polinésia.

Pelo menos 300 aC, populações significativas com a tecnologia avançada de metal, agricultura, arroz e cavalos começaram a chegar a partir da península coreana, e as datas de tais migrações podem ainda ser empurrado mais para trás.

Como a cultura desenvolvida no Japão, houve vários períodos quando o ponto de evidências arqueológicas e históricas para a rápida introdução de elementos culturais de outros lugares. Esses empréstimos foram posteriormente culturais "re-feito" no Japão para atender às necessidades e gostos locais.

Em alguns períodos, empréstimo cultural prosseguiu em uma questão sistemática, com objetivos definidos em mente. Este processo de seleção controlada e adaptação foi reforçado pela insularidade do país.

A Idade da Reforma (552-710 dC), o Período Meiji (1868-1912), e as décadas logo após a Segunda Guerra Mundial são três exemplos proeminentes. Ao estudar a cultura japonesa moderna, ainda é possível ver "camadas" de essas influências do passado. Em vários momentos da história, as principais fontes de tais influências foram os estados na península coreana, as culturas da Rota da Seda, a China, a Europa e os Estados Unidos.

Após períodos de empréstimo intenso, o Japão tem muitas vezes retiradas em si e as influências estrangeiras culturais tornaram-se japonês, s vezes tomando direções novas e criativas. Um bom exemplo seria determinados estilos de arte japonesa e arquitetura que antes eram baseadas em modelos chineses.

É interessante notar que, em alguns casos, os sucessos de empréstimos e reconstrução foram de grande sucesso, a indústria automobilística moderna, por exemplo. Outros experimentos em empréstimos culturais, por vezes, tomou um rumo inesperado. Um bom exemplo é a tentativa de introduzir o estilo chinês do governo imperial a partir do século 7.

Embora certos códigos e reformas foram estabelecidas durante vários séculos, a grande experiência foi abandonada no final do século 12, quando uma forma de feudalismo japonês surgiu. Neste novo sistema, o imperador tornou-se uma figura divina, enquanto o poder real estava nas mãos do líder supremo militar conhecido como o shogun. Esta época deu lugar a uma cultura de guerreiros-estetas, bastante diferente da separação mais clara entre as culturas civis e militares do estado chinês.

Hoje, o Japão é um país super-moderna e desenvolvida que ainda é capaz de agarrar vestígios selecionadas do seu rico patrimônio cultural. Tóquio e Osaka são cidades altamente cosmopolitas que apresentam elementos culturais de todo o mundo. No entanto, uma estética "japonês" prevalece como passado e presente influências culturais continuam a interagir em um dos motores mais potentes da cultura popular do planeta.

Pré-História

Jomon c. 8,000-300 BC

A evidência de ferramentas de pedra lascada sugere que os humanos habitavam o Japão pelo menos 30.000 anos atrás. "Neolítico" culturas chamadas "Jomon" (que os traços de pedra ainda retidos ferramenta de períodos anteriores), data de pelo menos 10.000 aC.

As pessoas de Jomon eram caçadores e coletores que viviam sobre os ricos recursos do jogo, peixes e plantas silvestres nativas para a pós-Ice Age Japão. Uma das características incomuns da cultura Jomon é a mais antiga cerâmica-datado de forma confiável na terra. Por 8.000 aC, um tipo de cabo envolto em cerâmica com linhas decoradas feitas por envolvimento ou colocar cordas em argila úmida - desenvolvido.

Outros objetos de barro são os chamados Dogu ("terra de Deus") figurinhas. Estes são pequenas estátuas que parecem algo como "extra-terrestres" (ou figuras de desenho animado Pokemon!) Que podem ter sido usados no culto da fertilidade. Sempre em número reduzido, os povos Jomon parecem ter sido centrada na área de planície de Kanto ilha de Honshu.

História do Japão
A dogu "terra de Deus" estatueta

História do Japão
Jomon cerâmica com desenho corda

Yaoyoi Período c. 300 aC - 300 dC

História do Japão
Rainha Pimiko

Japão aparece pela primeira vez nos registros históricos da China, cerca de 300 aC. Nos registros os habitantes do Japão eram conhecidos como "Wa." Os registros falam de uma rainha chamada Pimiko (Himiko), que teve um domínio tribal nas áreas ao sudoeste de Honshu e Kyushu.

De acordo com as contas que ela vivia em uma fortaleza no topo da colina e foi aguardada por 1.000 mulheres jovens. Seu irmão tratado comunicações fora dos muros, agindo como uma espécie de regente. A rainha pode ter tido um papel duplo como uma espécie de xamã com links para o mundo espiritual.

Não se sabe se ela estava relacionada com os deuses. Eventualmente, os imperadores japoneses traçar descida diretamente para a Deusa do Sol, Amaterasu, que, juntamente com seu irmão, foram fundamentais para a história da criação do Japão.

História do Japão
O Sol Amaterasu Deusa emerge de sua caverna e danças

Durante o período Yayoi uma série de novos elementos tecnológicos e agrícolas chegaram do continente asiático, muito provavelmente por barco a partir da península coreana. Entre os novos atributos culturais estavam molhados-arroz agricultura, bronze e ferro, novos estilos de cerâmica, pecuária, e toda uma série de padrões culturais que têm a ver com a vida da aldeia e elite.

Muito provavelmente, esses elementos da cultura foram realizadas para o Japão por ondas de imigrantes que se estabeleceram ao redor da terra, gradualmente deslocando ou absorvendo as populações nativas. Não está claro como os Ainu indígena encaixam no quadro desses períodos iniciais do Japão, mas a guerra com tribos deslocadas continuou por séculos.

História do Japão
Campo de arroz molhado

Kingdoms primeiros e clássicos Idade

Tomb Período c. AD 300-552

Pelo túmulo centros populacionais período tivesse crescido em várias partes das ilhas e as raízes da cultura da cidade tinha ocorrido. O contato com as culturas da China e, especialmente, a península coreana continuou. Com exceção do deserto do norte de Hokkaido e partes do sul de Kyushu, clãs conhecido como Uji controlados muitas partes das ilhas.

História do Japão
Key-buraco em forma kofun

Registros chineses da última parte da época falam de uma família uji poderoso conhecido como o Yamato, localizado na planície entre as cidades atuais de Nara e Osaka. Por esta altura uma sociedade estratificada haviam desenvolvido consiste de governantes, artesãos, agricultores e até mesmo alguns escravos.

A Yamato eram apenas uma das muitas unidades tribais, que de acordo com registros chineses, lutou incessantemente entre si. O Yamato tinha relações com a China, bem como diversos estados na península coreana. O imperador do Japão presente traça a sua descida para a família governante Yamato.

A Yamato região Plain é o site dos montes antigos túmulos no Japão. Esses montes túmulo (kofun) são em alguns aspectos semelhantes aos anteriores encontrados na China e aqueles na península coreana em torno do mesmo período de tempo. Uma série de grandes montes são na forma de uma antiga chave-buraco, embora muitos menores são forma hemisférica.

História do Japão
Haniwa escultura: busto de um guerreiro

Um estilo de escultura em argila conhecida como haniwa está associada a alguns dos montes graves. O haniwa são de cerâmica de barro feito de tubos ocos de barro. Os temas são abstraídos os seres humanos de diferentes ocupações, animais de fazenda, casas, barcos, e outros itens. De maneiras que são semelhantes em espírito para os itens de barro colocados nas sepulturas na dinastia Han China.

Em alguns casos, o interior dos túmulos maiores foram decorados com murais, como visto na China no início e na Coréia. No século V, os modelos de cavalos e arreios de cavalo de bronze aparecem, junto com espadas de metal mais sofisticados, arcos e flechas, lanças.

Idade de Reforma AD 552-710

História do Japão
Príncipe Shotoku

Influências da China e de outras civilizações do continente sobre a Rota da Seda fez o seu caminho para o Japão através de pessoas que se deslocam de e para as águas do estreito de Tsushima entre Japão e Coréia e esfera maior interação Mar Amarelo. Por 607 AD um governante no Japão com o nome de Príncipe Shotoku (574-622) enviou uma missão de monges, representantes do governo e estudantes em uma prolongada "programa de estudo no exterior" para a China, a fim de aumentar a taxa de importação do positivo aspectos da cultura chinesa.

Entre as importações foram de alfabetização em chinês (Shotoku tinha um escrivão coreano para ajudar com esta tarefa), Budismo, arte, costumes e princípios do governo chinês. O príncipe dotado, regente de sua mãe, a imperatriz Suiko, encomendou um complexo de templo no dia atual Horyuji . Ele também elaborou a constituição do governo japonês escrito pela primeira vez, a Constituição de 17 artigo.

História do Japão
Uma pintura retratando a época da Reforma Taika

Conforme o tempo passava, mais de seis missões foram enviadas para a China, e as reformas foram instituídos no Japão, primeiro na corte de Yamato, em seguida, em outro lugar. Na AD 645, um reformador chamado Fujiwara no Kamatari (614-669) estendeu a implementação do modelo chinês de governo por canonizar um conjunto de reformas legais conhecidas como as reformas Taika.

Mais tarde, o Imperador Temmu (reinou 672-686) introduziu mais reformas institucionais e legais sobre o modelo de dinastia Tang, na China. Em uma ruptura com o passado (e na imitação do "filho do céu" chinês), ele levou o título de "imperador celestial" (tenno), em vez de rei. Em 702 dC, um outro conjunto de diretrizes legais chamado Código Taiho foram elaborados em uma tentativa de resolver as contradições entre os interesses do governo na tributação e as propriedades rurais de Uji grande, que estavam em constantes lutas entre facções pelo poder com o governo central. Eventualmente mosteiros e grandes propriedades ganhou um status de isenção de impostos especiais, e os camponeses ombros a carga fiscal.

Durante a Idade de Reforma, o conjunto japonês no lugar as bases para uma experiência em estilo chinês, a regra que fruto de uma cultura de elite inigualável na história japonesa, com duração até o final do século 12. As próximas duas épocas, a Nara e Heian, são conhecidos como o "idade clássica" do Japão.

Nara AD Período 710-794

Nara é considerado como a primeira capital permanente no Japão. Antes que o tempo, a capital foi transferida no fim de cada governante, devido a tabus que envolvem a poluição do local de vida pela morte. Seguindo o modelo chinês de um assento permanente do governo, a nova capital foi modelado na capital da China Tang, Chang'an (hoje cidade de Xi'an).

A primeira parte da cidade (que estava em uma escala muito menor do que Chang'an e sem uma parede) foi baseado em um retângulo de oito quadrados, construído em um norte para o eixo sul, com ruas que atravessam-los em um padrão de grade arrumado.

A cidade foi dividida em duas metades: a capital de Esquerda e da Direita Capital. O novo palácio foi colocado para o norte. A ponte principal, chamado de Phoenix Scarlet Avenue, correu pelo meio da cidade, levando para o palácio.

História do Japão
Nara foi Definiu em um padrão de grade como antigas cidades chinesas. O mapa observa vários locais importantes

Após a sua criação, em 710 dC, Nara se tornaria uma cidade conhecida até hoje pela sua arquitetura e tradição da arte budista. Embora as estruturas remanescentes em Nara hoje foram construídos em séculos posteriores, muitos foram construídos em sites de namoro para os primeiros anos do reino. Algumas das melhores descrições desses sites iniciais vêm de uma enorme guia turístico compilado por um poeta e impresso em 1681.

História do Japão
O Todaiji Templo budista é a maior estrutura de madeira na terra. É um marco importante em Nara

Muito do que se sabe sobre a vida nos centros período Nara sobre o estilo de vida da elite nas capitais. O uso de chinês como língua literária aumentou durante o período Nara. Um exemplo da influência da cultura chinesa sustentado na elite foi a primeira coleção de poemas japoneses, conhecidos como os Dez Mil Folhas, ou Manyoshu. Budismo tornou-se uma importante força na capital e foi patrocinado pelo governo.

Estátuas de Buda foram encomendados, 48 templos construídos dentro de Nara e muitos mais em toda a terra, e escrituras budistas foram produzidos em massa e espalhar por toda parte. Um escândalo no final do período envolveu um monge budista poderoso que manipulou a decisão imperatriz e quase tomou o controle do trono. Embora um número de mulheres tinham governado no Japão (geralmente após a morte de seus maridos), este costume foi trazido ao fim por causa do escândalo.

Embora a cidade capital e outras de classe alta escalões foram desenvolvidos sob a influência da cultura chinesa importada, as aldeias rurais e fazendas eram muito mais conservador. Fazendeiros em algumas áreas viviam em casas pit parcialmente subterrâneas e de criação de arroz-de-leite. Campos de terra firme foram ainda apuradas pela roça técnicas agrícolas que envolviam queimar áreas brushy e florestal e plantar no solo cinza-ricos.

O período Nara foi caracterizado pela importação contínua da cultura chinesa e da propagação do budismo. No período seguinte, o período Heian, as influências chinesas seria "re-feita" com características japonesas, em alguns casos, preservando os aspectos da cultura chinesa que estavam há muito tempo fora de moda na China.

AD Período Heian 794-1185

História do Japão
Genji

Em 794 dC uma nova capital foi fundada em Heian, o local da atual cidade de Kyoto. O período Heian viria a ser a altura da cultura clássica no Japão antigo. O samurai de épocas posteriores iria olhar para trás para Heian como fonte de padrões de cultura de elite, que eles teceram em sua visão mais militarista.

Novamente tomando a capital da dinastia Tang como modelo, a nova cidade foi um terço do tamanho de Chang'an (Xi'an) e tinha um muro baixo. Heian é a idade do "Shining Príncipe", a idade do príncipe Genji, o personagem principal no conto da Lady Murasaki Shibuku de Genji.

Com base em relatos de visitantes japoneses e ocidentais, Ivan Morris faz uma descrição da configuração da capital na era pré-industrializado:

O capital em si foi situado no belo país, rodeada em três lados por densamente montanhas cobertas de florestas e montanhas, muitas vezes delicadamente coroados com trilhas de neblina; nas noites de outono pode-se ouvir o choro do cervo na distância e da chamada desolada da sobrecarga de gansos selvagens , a paisagem era abundante em riachos e cascatas e lagos, e em suas encostas verdejantes e vales os inúmeros santuários e mosteiros misturados como se eles também se tornou uma parte da natureza. (Morris, p 34.)

A vida nos tribunais ficou isolado do resto do mundo e da relativa paz da maioria da era permitido o florescimento da cultura. Novas formas de escrita chamado kana foram criadas facilmente refletido os sons da língua japonesa. Embora muito mais fácil do que aprender chinês clássico, acadêmicos e burocratas preferiram chinês e suas associações de elite, enquanto a nova linguagem escrita logo foi usado por mulheres do tribunal como um novo meio para escrever prosa.

Tribunal mulheres como Sei Shonagon e Murasaki Shikibu contribuiu para a criação de uma "mulher" literatura que rivalizava com quaisquer escritos em prosa do mundo da época, embora, claro, foi totalmente desconhecido fora de um público pequeno no Japão. Um dos princípios estéticos refletidos na literatura do período foi o de Miyabi, ou "elegância da corte."

O termo aparece centenas de vezes no Conto de Genji e se refere aos modos suaves, muitas vezes ritualizadas, e sensível cultivados pela elite do tempo. Outro elemento importante estético, que evoluiu ainda mais com a introdução do budismo zen em séculos posteriores, é o conceito de mono no aware, ou "sensibilidade para as coisas."

Reforçada pela beleza natural do Japão, a estética foi baseada na idéia de que o coração / alma é estimulada por imagens do sublime na natureza. Assim, uma flor caindo de cereja ou uma folha de outono circulando em uma piscina cria sentimentos sutis e indescritível que só podem ser expressas por poesia ou outras artes.

Um conceito relacionado é o de wabi, o efeito de naturalidade interpretado exibido em uma obra de arte, tais como fissuras ou irregularidades no esmalte em uma bacia do chá que refletem os efeitos das técnicas de queima primitivas. Estas estética também são parte da valorização da arquitetura jardim japonês. Cultivo da estética, ligada com a meditação, tornou-se uma dimensão importante da cultura samurai em épocas posteriores da história japonesa.

História do Japão
Frente e de trás imagens de um nobre de alta patente Heian

Refinamento cortês e sensibilidade estética foram refletidas no vestido diário e costumes da elite. Ambos os homens e roupa das mulheres e adorno estavam sujeitos às convenções do dia. As mulheres usavam um traje elaborado de até 12 camadas interna e externa de tecido. Natural dentes brancos foram de cor preta com uma solução de gallnut ferro e em pó embebido em vinagre (dentes temporários escurecimento restos, como parte do processo de se tornar um artista de gueixa em Quioto hoje).

Cabelo estava decorada com ornamentos e gasto o maior tempo possível - até mesmo no chão. O pó branco foi aplicado no rosto e pescoço e rouge luz sobre as bochechas. As sobrancelhas foram arrancadas e Misty manchas escuras foram pintadas no alto da testa. Os lábios pintados de vermelho, como botões de flores minúsculas.

Como os padrões para as mulheres da dinastia Tang, as mulheres Heian cultivada números completos (embora os corpos não foram exibidas em público, escondido sob os montes de pano).

Mulheres da elite foram educados em caligrafia, poesia, música e costumes, como a preparação do incenso, que permitiu que alguns paridade intelectual com os homens de sua classe, com formação semelhante. Embora a maioria das mulheres da classe alta passavam os dias no lazer isolada em casa, possivelmente engajar-se em bordados e tingir o pano, as mulheres da corte como Sei Shonagon, teve um pouco mais vidas públicas.

Interações entre os sexos (que não familiares próximos e amantes) foram raramente direta. Comunicação, quando necessário, muitas vezes era por meio de cartas cuidadosamente preparados entregues por intermediários entre ou servos. Homens de elite levou muito mais vida pública, envolvidos na política e na execução de suas propriedades.

Embora o poder do budismo não foi autorizado a aumentar até o ponto que tinha em Nara, uma nova forma de budismo que ofereceu a salvação a todos os crentes foi importado da China por um monge chamado Saicho (767-822 dC).

Os novos Tendai (Tiantai) crenças logo se tornou generalizada entre os nobres ea população. Muitos templos e mosteiros de várias seitas do budismo permanecer em Kyoto, hoje, como vivendo testamentos da tradição budista grande no Japão.

Durante o período Heian, os experimentos com o domínio chinês centralizado e tributação desvaneceu-se gradualmente em uma situação com um governo central fraco governado por um imperador que era cada vez mais uma figura de proa. Famílias de clãs grandes como a Fujiwara, Minamoto e Taira aumentou seu poder e explorações e entrou em conflito com cada outras famílias e outros sobre o controle do reino.

Era Feudal no Japão

Kamakura AD Período 1185-1333

A turbulência do período Kamakura contrasta fortemente com a atmosfera refinada associada com a idade clássica da cultura Heian. Durante este período, foram feitas tentativas de excluir o Japão por meio de um modelo centralizado imperial chinesa, apoiada por códigos civis, que evoluiu para um sistema semelhante em espírito e substância ao feudalismo na Europa. Nesta época, a classe guerreira dos samurais sobe ao palco, e se torna a norma militância social e política.

O papel do imperador torna-se quase totalmente cerimonial, como o lado militar do governo, sob a liderança do shogun (generalíssimo do Exército Imperial), assumiu o controle real da política e implementação. Até o final da época, o Japão se tornaria uma nação ilha repleta de exércitos beligerantes associados domínios da família rivais lutam pelo domínio político e militar.

História do Japão
Yoritomo Minamoto

A época começou com a ascensão do primeiro shogun. Como o vencedor de uma luta prolongada entre o Fujiwara, Taira e Minamoto famílias para o controle do reino, um general chamado Yoritomo Minamoto (1147-1199AD) criou um novo governo na planície de Kanto, muito perto da atual cidade de Tóquio.

Neste momento, o poder real passou de Kansai a região ocidental em torno de Heian (Kyoto) ao governo militar Yoritomo em Kamakura. O novo governo foi chamado bakufu ou "governo da barraca", sugerindo um acampamento militar. Embora o imperador continuou a existir em Kyoto, e foi reconhecido por Yoritomo e sucedendo shoguns, a partir deste ponto (com uma breve exceção), o papel do imperador seria mínima até a Restauração Meiji em 1867.

Yoritomo simplificou os processos de governo e instituiu um código jurídico de base, embora o tribunal em Kyoto mantém muito de sua forma e função administrativa. Domínios da família grandes retidos números variados de samurai - profissional algo que os homens militares, como os cavaleiros da Europa. Pessoas comuns cultivaram as terras, tanto como eles sempre fizeram.

História do Japão
Samurai no desgaste diário e armadura

A maior ameaça à soberania japonesa antes das grandes mudanças dos séculos 19 e 20 veio durante o período Kamakura com as tentativas dos mongóis de Kublai Khan para invadir o Japão. Duas tentativas principais, sete anos de diferença no final do século 13, foram lançados a partir da península coreana.

Os mongóis comandou milhares de navios, barcos e tripulações da Coréia e da China nas invasões. Os guerreiros samurais que ainda usadas uma em uma batalha táctica com base no tiro com arco a cavalo, em seguida, espadas (uma vez no chão), coloque-se uma forte resistência contra as forças Mongol, mas finalmente teria sido jogo pouco para as táticas militares coordenados de arqueiros massed , bombas de incêndio, e armas de cerco no arsenal militar Mongol.

Os mongóis, no entanto, parecem ter sido páreo para o kami de proteção (deuses locais) do Japão, que enviou tufões devastadores (os "ventos divinos" ou kamikazes) que duas vezes afundados as frotas mongóis antes em escala invasões poderia ter lugar. No entanto, o medo persistente de Mongol ataca apenas a cultura fortalecida militar no Japão, que continuou a desenvolver-se nos séculos seguintes de agitação.

História do Japão
Segunda invasão mongol do Japão em 1281

Kemmu Restauração AD 1333-1336

História do Japão
Imperador Go-Daigo

Um período muito curto na história japonesa marcou a transição entre a Kamakura e Período Muromachi. Esta época é conhecida como a Restauração Kemmu e é a última vez que um imperador japonês tentou à força para tomar o controle do Japão. Isso ocorreu em 1333, quando o Imperador Go-Daigo tentou re-instituto governo imperial direta de forças acumulando contra o governo bakufu do shogun vigente. Imperador Go-Daigo enviou suas tropas sob a liderança do general Ashikaga Takauji para encaminhar as facções de resistência.

No curso dos acontecimentos Go-Daigo deu apoio a alguns dos rivais Ashikaga, que por sua vez estimulou Ashikaga para virar a mesa. Voltando a Kyoto, ele dirigia Go-Daigo para as colinas, e conseguiu colocar um novo imperador (de outra linha imperial) no trono. No entanto, Go-Daigo estabelecer um governo no exílio no sul do Japão, que durou várias décadas.

Este evento marcou o início de uma era de quase constante luta marcial entre os domínios regionais no Japão, como senhores locais recorrida para o cargo de shogun eo sistema hierárquico feudal desenvolvido.

Ashikaga AD Período 1336-1573

Embora o destino interveio para salvar o Japão de mongóis, as invasões mongóis trouxe instabilidade para o emergente sistema feudal japonês, o que acabou por cair numa situação de grande turbulência e luta incessante entre senhores da guerra locais. Nenhum líder conseguiu ganhar um firme controle sobre todo o reino neste momento. Embora Kyoto continuou como uma grande capital, a base do poder militar estava em Kamakura.

Durante este período de feudalismo desenvolvido. O imperador (habitação em Kyoto) era o líder divino da terra, embora funcionou mais como uma figura que deu legitimidade ao governo do shogun. O shogun, que geralmente residia na corte em Kamakura (perto dos dias de hoje Tóquio), realizada as rédeas do poder verdadeiro sobre os senhores regionais.

Os senhores regionais todos os exércitos empregados de samurai, e abaixo deles eram os habitantes da cidade e camponeses. O código samurai do serviço exigia lealdade ao senhor e um nome de família, bem como a auto-disciplina e perfeição nas artes marciais. Desonra foi a ocasião para o suicídio ritual pela espada.

Durante este período, uma nova literatura surgiu, muitas vezes, em temas marciais. A estética de tais obras é a de sabi, que refletia uma profunda melancolia ou tristeza sobre a brevidade da existência. The Tale of Heike é a mais conhecida dessas obras marciais. Nesta era um samurai pode contemplar a beleza de uma flor prado em um instante, e se envolver em um combate mortal em outra (como exemplificado em uma cena famosa do filme de Akira Kurosawa, Seven Samurai).

Formas mais populares de budismo como a Terra Pura (Jodo) e seitas Nichiren foram espalhados por toda a população. Zen Budismo, que chegou do continente em 1191 por meio de um monge chamado Eisai (que também introduziu o ritual do chá), tornou-se de grande interesse para a classe guerreiro samurai, em parte por causa de sua ênfase sobre a disciplina rigorosa do processo de meditação.

As Guerras Onin (1467-1477 dC), foi o momento mais sangrento e caótico do período, ea destruição foi generalizada. Quioto foi em grande parte destruída nas disputas entre duas grandes famílias que se espalharam para outras partes do reino. A devastadora guerra marcou o início de mais de cem anos de caos e conflitos.

Devido a uma avaria na central de controle que havia, a mobilidade social aumentou entre classes e senhores regionais competiram para soldados e de trabalho para promover os seus interesses. Exércitos de soldados acumularam do campesinato foram agora usados na guerra. Na primeira armados com lanças e piques, até o final da era concentraram contingentes de soldados com armas de fogo foram utilizadas de forma decisiva na batalha.

História do Japão
Oda Nobunaga

O último período da era (1568-1600 dC), é conhecido como a Era da Reunificação. Durante este período, o número de senhores locais diminuído, embora os restantes nas lutas cresceu no poder. Estes "super-senhores" eram conhecidos como daimyo.

O daimyo três grandes nas últimas décadas foram Oda Nobunaga (1534-1582 dC), o plebeu Hideyoshi (1536-1598 dC), e um líder mais jovem na comitiva de Oda Nobunaga chamado Tokugawa Ieyasu (1543-1616 dC). Todos os três homens tentou unificar o Japão por criar (ou forçar) alianças entre o daimyo poderoso da terra.

Oda Nobunaga era conhecido como um guerreiro feroz e implacável cujos exércitos estavam equipados com armas de fogo matchlock introduzido por marinheiros náufragos portugeuse volta de 1543. Oda conseguiu estender seu domínio sobre um número do daimyo alegando até seu assassinato pelas mãos de um rival que ele leve o coração golpeado na cabeça com um fã em um banquete.

Conhecido como o namban ("bárbaros do sul"), o Português foi mais tarde seguido pelo espanhol.

Os recém-chegados tinham objetivos semelhantes: comércio e conversão das almas para o cristianismo, uma atitude diferente do holandês e britânico, que queria apenas o comércio e pilhagem. Padres jesuítas de Portugal e de Espanha logo trouxe o Cristianismo para o Japão onde teve uma recepção mista.

Embora em um ponto uma sequência de cerca de dois milhões foi adquirida, ao contrário do budismo, a nova fé exigiu o abandono de todas as outras crenças e fidelidade necessária para um líder estrangeiro e longe no Vaticano. Alguns líderes japoneses como Oda Nobunaga tentou usar o cristianismo como uma força política (no seu caso, contra as facções ricos budistas), enquanto outros como Tokugawa Ieyasu viu isso como uma força desestabilizadora.

A nova religião foi praticamente eliminada do Japão, em uma série de expurgos intenso por volta de 1630, quando milhares de líderes e seguidores foram crucificados. Alguns aspectos das contradições entre essas forças concorrentes estrangeiros e nativos foram incluídas no enredo do romance Shogun, eo filme de mesmo nome.

História do Japão
Hideyoshi

Hideyoshi foi um ex-camponês e vassalo de Oda Nobunaga, que conseguiu consolidar um número ainda maior de daimyo que o seu senhor anterior. Como parte de sua tentativa de controle do Japão, ele decretou que pessoas da cidade deveriam permanecer nas cidades e os camponeses eram a permanecer nas zonas rurais, diminuindo assim a mobilidade entre classes.

As divisões de classe foram duramente re-enfatizada por um "caça espada" grande em que armas foram recolhidas das pessoas comuns e derretido em estátuas budistas. O status superior dos guerreiros samurais (os de nível ainda mais baixos) foi demonstrada, permitindo-lhes continuar usando duas espadas em público (um longa e um curta).

Em uma tentativa de mostrar o seu poder, no final dos anos 1500 Hideyoshi enviou forças duas vezes até a península coreana, na tentativa de conquistar o declínio da dinastia Ming na China, que foi constantemente incomodado por ataques de piratas japoneses.

A frota japonesa foi devastada pelos barcos blindados de tartaruga-coreano Yi Geral Logo pecado e um grande número de soldados chineses que foram enviadas pelas fronteiras do norte do Choson Coréia durante o segundo ataque. Os planos loucos para invadir a China acabou (por enquanto) com a morte súbita de Hideyoshi em 1598.

No início do século 16 chegou ao fim, uma grande batalha entre rivais daimyo ocorreu em Sekigahara em 1600, na costa sudoeste. As forças do paciente e metodológica Tokugawa Ieyasu ganhou o dia, e ele logo unificou os reinos daimyo contendoras sob uma nova forma de Estado feudal centralizado.

História do Japão
Batalha de Sekigahara

Período Tokugawa (Edo) AD 1600-1867

História do Japão
Tokugawa leyasu

Dentro de uma década após a batalha de Sekigahara, Tokugawa Ieyasu tinha estabelecido o controle completo sobre o Japão. Ele estabeleceu sua shogunato em Edo, Tóquio agora moderno, embora o imperador continuou a residir em Kyoto. As inovações que o novo xogum postas em prática acabaria por criar as condições para a entrada rápida do Japão no mundo moderno, em meados do século 19.

A fim de manter o controle sobre o reino, Tokugawa Ieyasu criou uma burocracia centralizada, mais uma vez inspirado na forma chinesa de governo, incluindo os ministérios para supervisionar a administração do Estado.

Ele também instituiu uma série de políticas para controlar o daimyo, que tinha sido dado terras perto da capital (o daimyo interior) ou na periferia (o daimyo exterior) em acordo com sua fidelidade (ou falta de) durante o final de Ashikaga guerras . Essas políticas incluído serviço regular para o reino, a manutenção necessária dos castelos locais e outros ativos, e visitas à capital a cada dois anos.

Esta política foi reforçada, exigindo que o daimyo local para alojar suas famílias em Edo. Assim, houve um constante vindo e indo de grandes procissões dos reinos do daimyo ao longo das estradas que ligam partes das ilhas. Todas as viagens isso foi bom para a economia, no entanto, e as indústrias de serviços e de fornecimento surgiram ao longo das rotas para a capital para se alimentar, alojamento, e atender às necessidades, como calçados, para os acompanhantes.

História do Japão
Os comerciantes holandeses de Nagasaki para a caminho de Edo

Outra política de controle tinha que devido às relações estrangeiras. Após a expulsão de estrangeiros (principalmente Português e Espanhol) e as campanhas anti-cristãs, o governo seguiu uma política de isolamento.

As frotas foram autorizados a cair em desuso (que coincidentemente acabou o problema da pirataria que havia atormentado a China e Coréia do Sul) e do comércio foi severamente limitada. Nenhum cidadão, sob ameaça de morte, foi autorizada a deixar o Japão livremente. Os holandeses foram eventualmente concedidos privilégios comerciais na Decima Island perto de Nagasaki e o conhecimento dos avanços europeus em ciência, medicina e tecnologia trazida por eles era conhecido como "aprendizagem holandês." Alguns comércio foi ainda continuou com os chineses. Apesar de não ser completamente vedada, por 250 anos Japão permaneceram, na maior parte em claustro do resto do mundo.

História do Japão
Kabuki desempenho teatro

Durante o longo período de paz no período Tokugawa a posição do samurai mudou gradualmente. Muitos cheio as camadas do governo central e local. Sem guerras para lutar, treinamento marcial tornou-se mais ritualizado e inter-misturado com a estética reavivou do período Heian e do budismo zen. Isso se reflete no gosto de samurai para o drama Noh austero, o ritual do chá espartano, arranjos florais (ikebana), jogos de incenso refinados de identificação (algo como degustação de vinhos moderna), e da poesia haicai. Economicamente, a classe samurai (cujos membros foram pagos pelos proprietários de terras ou de Governo em grandes arroz) estava em declínio no início do século 19.

A classe comerciante, que tinha sido subindo lentamente desde o final do período de Ashikaga, tornou-se economicamente dominante como classes médias compostas de comerciantes, lojistas, os agiotas, e agentes de transporte surgiram em cidades como Edo e Osaka. Empresas, conciliando a produção e distribuição de corrida por famílias de comerciantes ricos, como Mitsui e Mitsubishi foram os precursores das modernas empresas multi-nacionais.

A economia de dinheiro forte, (enraizada no período Ashikaga quando cunhagem foi realmente importados da China), foi apoiada por instituições bancárias e de crédito. Distritos enormes entretenimento caracterizado teatro kabuki turbulento, animadas shows de marionetes Bunraku (bonecos de madeira com 2/3 do tamanho natural), e contadores de histórias em quadrinhos, bem como beber e delícias da carne. O meio deste "mundo flutuante" de entretenimento foi refletido na pintura temática e xilogravuras da idade.

História do Japão
Show de marionetes Bunraku

Educação também foi de grande importância e a taxa de alfabetização no Japão urbano foi elevado devido, em parte, o patrocínio do governo de escolas e de tecnologia de impressão generalizada (auxiliado por avanços anteriores pela Coreia no desenvolvimento do tipo de metal móvel).

Neo-confucionismo encontrou uma seguinte e foi promovido pelo governo de Tokugawa que encontrou seus princípios seculares útil no estabelecimento de sua burocracia centralizada. Essa foi a dinâmica de uma sociedade que cumprir o seu destino com o Ocidente industrialização com a chegada de navios de guerra americanos em meados do século 19.

Moderno para o Japão Presente

Período Meiji AD 1868-1912 a Century 21 Cedo

História do Japão
Monumento Perry em Put-in-Bay, Ohio para avô almirante Perry

Em 1853 Comodoro Matthew C. Perry (neto do Almirante Oliver Hazard Perry, o herói da Batalha do Lago Erie, em 1812) navegou em Tokyo Bay, com uma pequena frota de navios de "negros" e exigiu que o Japão abrir seus portos para o comércio.

Ciente da derrota da China nas mãos dos britânicos na Guerra do Ópio recente, Japão assinaram tratados com os Estados Unidos da América, em 1854, e uma série de outros países, incluindo Grã-Bretanha, França, Holanda, Rússia e logo depois. Cláusulas de "mais da nação mais favorecida" status foram exigidos nesses tratados, o que permitiu que qualquer privilégio estendido para qualquer uma das potências estrangeiras a ser estendido a todos eles.

Townshend Harris (interpretado por John Wayne no filme 1960 "O Bárbaro ea Gueixa"), o primeiro diplomata americano a viver em solo japonês, gradualmente melhorado as relações entre os EUA eo Japão. No entanto, como legações estrangeiras foram estabelecidas em todo o país, os incidentes ocorreram humilhantes, e um movimento começou a "Revere o Imperador; expulsar o bárbaro!"

Eventualmente um evento que envolve o assassinato de um comerciante britânico estimulou a Grã-Bretanha para o fogo em um porto japonês. Vendo o poder de canhões britânicos em primeira mão, o daimyo local fez amizade com o capitão britânico, e no Japão estava em sua maneira de imitar a marinha britânica.

História do Japão
Print 1854 Japanese relativa vist Perry

Em última análise, o shogunato Tokugawa foi acusada de assinar tratados com os estrangeiros, e um movimento entre os nobres (muitos deles descendentes do "exterior" daimyo enviado para as franjas por Tokugawa Ieyasu 250 anos antes) eventualmente varreu o último shogun do poder .

Em 1868, um jovem imperador, de 16 anos, foi criado no trono e com um grupo de conselheiros esclarecidos estabelecido para bater os estrangeiros em seu próprio jogo. O novo reino foi chamado Meiji. A partir deste momento, a história japonesa seria dividido em períodos de acordo com o reinado de um imperador individual.

História do Japão
Imperador Meiji

Dentro de poucos anos, de estilo ocidental da Marinha (cópia Grã-Bretanha), Exército (cópia Prússia), indústria, banca, legais e sistemas parlamentares foram eventualmente introduzidas. O governo também se mudou para configurar ferrovias, fábricas têxteis e outras indústrias que estavam em alguns casos depois entregues ao setor privado.

Essas mudanças foram em grande parte financiado pelo aumento da carga fiscal sobre os camponeses e comerciantes, em vez de tirar enormes empréstimos estrangeiros. Embora Neo-confucionismo foi por um tempo influente na promoção do papel do imperador, Xintoísmo foi adotado como religião do estado em que o imperador estava literalmente visto como descendente do kami cedo.

História do Japão
Saigo Takamori estátua no Parque Ueno

Em uma reação a essas mudanças repentinas, um grupo de samurais encenou a chamada Rebelião de Satsuma em 1877. Essa rebelião foi uma tentativa de salvar o estado vacilante da classe samurai, o que estava sendo feito irrelevante pelo novo exército de conscritos armados com armas de fogo de repetição e de canhão moderno.

O líder, o outrora leal conselheiro Saigo Takamori, cometeu suicídio no campo de batalha em uma batalha final entre as tropas modernos e montados guerreiros samurais - ". O Último Samurai", um evento semelhante ao que no filme recente.

Em 1895 o Japão derrotou a China em uma série de batalhas terrestres e marítimas ao redor da península coreana conhecida como a Guerra Sino-Japonesa. A vitória permitiu ao Japão ganhar uma posição na Coréia e influência na península de Liaodong perto da China.

Em 1905, o japonês ganhou uma grande guerra contra a Rússia imperial na península de Liaodong, disputada uma nova ferrovia, madeira e portos marítimos na Manchúria, um canto muito estratégica do leste da Ásia. As baixas foram extremamente alta (mais de 20.000 em algumas batalhas) em ambos os lados devido a armas de fogo mecanizados e de massa, as taxas de suicídio por tropas japonesas ainda motivado pela ética samurai que considerado como rendição desonrosa.

Começando com um ataque surpresa contra a marinha russa, a batalha de decidir no Estreito de Tsushima entre a Coreia eo Japão resultou em uma perda incapacitante russa de 33 dos 35 navios afundados, efetivamente neutralizar a influência naval russa no leste da Ásia. Em muitos aspectos, esta guerra foi um prenúncio para o japonês ações militares se até o final da II Guerra Mundial e, em parte, explica o cálculo para atacar Pearl Harbor.

Como resultado de sua vitória de 1905 e do iminente colapso da dinastia Qing na China, Coréia foi colonizada pelos japoneses em 1910. Apesar de uma sociedade democrática, parlamentar estava sendo criada no Japão, nas primeiras décadas do século 20 (sufrágio universal masculino foi criada em 1925), a Grande Depressão no início de 1920 ajudou a ala radical da ascensão militar japonesa ao poder.

Poderosas empresas apoiadas pelo governo chamado zaibatsu ajudado na criação de uma máquina de guerra eficaz e moderna, diferente de tudo visto fora da Europa e dos Estados Unidos na Primeira Guerra Mundial.

Por meados de 1920, o Japão imperial se estendeu ainda mais a sua Manchúria, e uma invasão em larga escala na China estava em andamento por meados dos anos 1930. Ao início dos anos 1940 a poderosa marinha japonesa, o exército e as forças aéreas tinham permitido Japão para assegurar a maioria das ex-colônias européias na Ásia Oriental, Sudeste da Ásia e Ilhas do Pacífico.

Eles também foram posicionados a ameaçar a Austrália. A repetição de um erro de cálculo lembra invasões tentaram Hideyoshi da China no século 16, durante o final de 1941 o Japão lançou um ataque surpresa naval e aérea em território dos Estados Unidos em Pearl Harbor, no Havaí. O ataque foi desencadeado em resposta a embargos dos Estados Unidos sobre o petróleo e os materiais que alimentaram máquina do Japão guerra.

História do Japão
Pearl Harbor ataque, 07 de dezembro de 1945

Apesar de suas forças navais foram enfraquecidos por ataque a Pearl Harbor, as forças dos EUA reagiu com inesperada resolver tudo através das ilhas do Pacífico. Apesar da resistência feroz e sangrenta do exército japonês (empregar nas massas finais estágios de aviões suicidas conhecidos como kamikaze), as ambições do Japão do império foram terminou em agosto de 1945, como os EUA ea União Soviética competiam para aceitar a rendição japonesa, no nordeste do Oriente Ásia. O resultado final foi decidido pelo uso controverso pelos Estados Unidos da bomba atômica recém-criado sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki, com grandes baixas civis.

História do Japão
A cidade de Hiroshima após os EUA lançaram uma bomba atômica em agosto de 1945 (EUA foto governo)

Japão pós-guerra foi ocupada por sete anos (1945-1952) por forças aliadas, sob a liderança do general Douglas MacArthur dos Estados Unidos. Durante este período, uma nova Constituição democrática (que termina papel militar do Japão do mundo), foi aprovado, o negócio re-orientado para objetivos pacíficos, eo país re-construída em si (como outras áreas da Ásia Oriental), após a guerra devastadora.

Em uma torção interessante, a economia foi impulsionada pela Guerra da Coréia, quando as forças dos EUA tirou os contratos de bens militares. Grupos de engenheiros japoneses visitaram empresas dos EUA em um esforço sistemático para modernizar a produção, tal como tinham aprendido antes de a China eo Ocidente em períodos anteriores.

História do Japão
Japão tornou-se uma força poderosa na cultura pop mundial

Através do trabalho duro e determinação, o Japão reinventou-se na segunda metade do século XX como um produtor-consumidor orientado. É cedo assumiu a liderança em eletrônica transistor e design automóvel inovador (que beneficiou da estética tradicional japonesa), e por fim dos anos 1980 foi a maior nação credora na terra, enquanto os EUA eram o maior devedor. Com a difusão do cinema, rádio, jogos de computador e outros dispositivos eletrônicos, a cultura popular japonesa tem uma influência mundial.

O crescimento do Japão se tornou um modelo e estímulo para Hong Kong, Taiwan, Cingapura, Coréia do Sul, Sudeste da Ásia e, finalmente, a República Popular da China (e, possivelmente, a Coreia do Norte, no futuro). Apesar de velhas feridas às vezes ainda à tona, uma nova era de crescimento e prosperidade tinha chegado na Ásia Oriental pela final de 1980.

Apesar de atormentado com uma economia estagnada desde o estouro da "bolha econômica" em 1989, e cada vez mais conscientes dos problemas de uma "sociedade grisalho", em que mais de 21% em breve serão mais de 65 anos, o Japão continua sendo uma cultura única e vibrante, agora lidar com as culturas dinâmicas da China e da Coréia como a história da Ásia Oriental continua a se desenrolar.

História do Japão
Centro de Tóquio à noite

Fonte: people.cohums.ohio-state.edu

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal