Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  João Simões Lopes Neto  Voltar

João Simões Lopes Neto

 

Nascimento: 9 de março de 1865, Pelotas, Rio Grande do Sul.

Falecimento: 14 de junho de 1916, Pelotas, Rio Grande do Sul.

João Simões Lopes Neto - Vida

João Simões Lopes Neto
João Simões Lopes Neto

O maior escritor regionalista do Rio Grande do Sul, nasceu em Pelotas, em 9 de março de 1865, na Estância da Graça, a 29 quilômetros da cidade e de propriedade de seu avô paterno, João Simões Lopes Filho, o Visconde da Graça - que chegou a ter uma orquestra particular composta por escravos em sua grande fazenda. Era filho dos pelotenses Catão Bonifácio Lopes e Teresa de Freitas Ramos. Viveu na estância até 1876.

Aos treze anos, foi para o Rio de Janeiro, estudar no famoso colégio Abílio.

Em seguida, teria freqüentado até a terceira série da Faculdade de Medicina, mas sobre esta passagem acadêmica nunca houve provas.

Retornando ao Sul, fixa-se em sua terra natal, Pelotas, então rica e próspera pelas mais de cinqüenta charqueadas que lhe davam a base econômica. Nesta cidade dinâmica e aristocrática, o jovem patrício enceta a mais bizarra, surpreendente e malograda trajetória vivida por um escritor gaúcho. Com idéias cheias de audácia, tornou-se um agente empreendedor da industrialização pelotense.

Criou, mediante o sistema de cotas, uma fábrica de vidros, cujos operários eram todos franceses e os aprendizes, meninos pobres da região. Participou da montagem de uma poderosa destilaria, convencendo dezenas de homens de posse a se tornarem acionistas da nova empresa. Todas fracassaram porque a década de 1890 - onde elas surgiram - tinha sido marcada pela devastadora guerra civil no Rio Grande do Sul e a economia local fora duramente abalada.

Mesmo assim, na virada do século e com recursos próprios - advindos das heranças do avô e do pai - construiu uma fábrica de cigarros.

Os produtos, fumos e cigarros, receberam o nome de Diabo, Marca Diabo. O sucesso inicial, causado pelo impacto da marca, deu lugar à ameaças de excomunhão e pressões religiosas que inviabilizaram a empresa.

Montou também uma firma de moer e torrar café, a Café Cruzeiro, que segundo Simões tinha um preço acessível: "E muito mais barato seria se não fosse o desgraçado do imposto", segundo os anúncios que criava para divulgar o produto. Inventou uma fórmula à base de tabaco para combater sarna e carrapatos, a Tabacina, que se manteve no mercado por dez anos. Para culminar este processo que passa da audácia empresarial para uma certa centelha de loucura, fundou a Empresa de Mineração do Taió.

A mineradora tinha como alvo as lendárias minas de prata, localizadas em Santa Catarina. Um ferreiro esperto e que se apresentava como engenheiro lhe extorquiu belas somas, inclusive fundindo moedas comuns de prata para dar-lhe a ilusão das primeiras descobertas do rico tesouro. Ele amava Pelotas e queria trazer o progresso para a cidade. Suas empresas nunca deram certo, não porque as idéias não eram boas o suficiente, mas porque ele não era capitalista e sim um artista.

João Simões Lopes Neto
João Simões Lopes Neto e Dona Velha no casamento em 1892

Aos 27 anos, casou-se com Francisca de Paula Meireles Leite, a Dona Velha, de 19 anos, no dia 5 de maio de 1892. O casal não teve filhos legítimos, mas adotou a menina Fermina de Oliveira Lopes, nascida em 1896. Apesar das inúmeras atividades que exercia, sempre foi um pai amoroso e dava atenção especial à filha.

Apesar de reduzida produção literária no que diz respeito à publicação, João Simões Lopes Neto teve uma expressiva contribuição intelectual ao regionalismo sul-rio-grandense. É intensa a valorização histórica do gaúcho, apresentando fidelidade aos costumes crioulos e à linguagem.

Além de escritor, Simões Lopes foi jornalista e passou por vários estágios dentro da profissão como: cronista, redator, editorialista, secretário da redação, folhetinista e diretor de jornal. Aí estampou seus relatos, em uma linguagem que fugia dos padrões reconhecidos na época. Ninguém percebia a sua importância literária. Sua primeira aparição na imprensa pelotense ocorreu no jornal Pátria, de seu tio, Ismael Simões Lopes, onde criou a coluna Balas de Estalo.

Entre 15 de outubro e 14 de dezembro de 1893, J. Simões Lopes Neto, sob o pseudônimo de Serafim Bemol, em parceria com Sátiro Clemente e D. Salustiano, escreveram, em forma de folhetim, "A Mandinga", poema em prosa no "Correio Mercantil". Desconfia-se, porém, que nunca existiu Sátiro Clemente e D. Salustiano e ambos seriam o próprio Simões Lopes Neto, pois em toda obra está o seu estilo inconfundível.

Entre 1895 e 1913 reestabeleceu a coluna Balas d'Estalo no Diário Popular; em 1913 e 1914, sob o pseudônimo João do Sul, assinou as crônicas de Inquéritos em Contraste nas páginas de A Opinião Pública; de 1914 a 1915 ocupou a direção do Correio Mercantil; em 1916, voltou para A Opinião Pública com a coluna Temas Gastos.

Cidadão ativo e dono de uma visão progressista, que o distinguia dos demais membros de uma sociedade conservadora, criou a Sociedade Protetora dos Animais e o Clube Ciclista. Foi Conselheiro Municipal entre 1896 e 1900. Participou da diretoria de diversas entidades, como União Gaúcha, fundada em 1899 com sua participação e onde foi presidente por dois mandatos, e da Biblioteca Pública Pelotense. A União Gaúcha é o primeiro marco do tradicionalismo gaúcho no interior do Estado e que funciona até hoje com o nome de União Gaúcha João Simões Lopes Neto. Foi também professor e capitão da Guarda Nacional. Em 1910, como fundador, ingressou na Academia de Letras do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. Em 1911, a Revista da Academia de Letras do Rio Grande do Sul, publicou A Recolhida, como parte de um livro escolar que estava no prelo.

Empobrecido, João Simões sobreviveu das atividades jornalísticas. Muitos pelotenses ainda o tratavam com deferência, por suas origens aristocráticas e seu caráter generoso; outros viam nele apenas um derrotado, um tipo que merecia piedade. Sofreu muito preconceito e não teve reconhecimento merecido em vida. O reconhecimento definitivo desta grande personalidade veio tarde, talvez porque ele escrevesse para o futuro e não para o presente.

João Simões Lopes Neto publicou três livros em vida, todos lançados em Pelotas, pela Livraria Universal: Cancioneiro Guasca (1910), Contos Gauchescos (1912), Lendas do Sul (1913). A julgar, porém, pelos sonhos literários que acalentou, sua bibliografia era para ter sido bem mais volumosa. Ele próprio chegou a anunciar, por intermédio de seu editor, a existência de nada menos de seis outros livros, dois "a sair" (Casos do Romualdo e Terra Gaúcha) e quatro "inéditos" (Peona e Dona, Jango Jorge, Prata do Taió e Palavras Viajantes).

Embora as expressões "a sair" e "inéditos" estejam a indicar que todos os livros já existiam, em originais, é fora de dúvida que apenas um - Casos do Romualdo - chegaria a aparecer em vida do autor, ainda assim na forma de folhetim, e, em livro, apenas em 1952. Passados quarenta e dois anos da morte do escritor, apareceria o primeiro volume de Terra Gaúcha (os originais do segundo volume foram extraviados). Temos assim que, dos seis títulos dados naquela ocasião, como "a sair" e "inéditos", somente Casos do Romualdo havia sido escrito, nenhum outro existindo na condição de obra pronta e acabada para ser composta e impressa ou para entrar efetivamente no prelo. Quantos aos demais, foi profudamente lamentável que não tivessem passado de projetos irrealizados, malogro esse que cresce de vulto em relação a Peona e Dona e a Jango Jorge, sonhados ambos nos moldes apaixonantes de romances regionalistas. Um caso... não do Romualdo, mas do próprio Capitão João Simões. Bastava ter continuado a dar trela a Blau Nunes, o vaqueano. Não lhe faltaria gênio criador. Nem estilo. O de sua marca e sinal daria soberanamente. E com fartura.

Morreu em 14 de junho de 1916, em Pelotas, aos cinqüenta e um anos, de uma úlcera perfurada. Para arrecadar algum dinheiro, Dona Velha fez um leilão de toda a documentação do marido, mas ninguém se interessou.

Então toda a obra do escritor se dispersou entre colecionadores, bibliotecas e museus.

Atualmente, João Simões Lopes Neto e sua prosa ultrapassam os limites territoriais e expressam uma visão do mundo, o que torna sua literatura universal. Como prova disso, podemos encontrar traduções de sua obra em italiano, espanhol, inglês e até japônes.

João Simões Lopes Neto - Biografia

João Simões Lopes Neto
João Simões Lopes Neto

João Simões Lopes Neto foi, segundo estudiosos e críticos de literatura, o maior escritor regionalista do Rio Grande do Sul. Nasceu em Pelotas, em 9 de março de 1865, filho de família abastada da região.

Com treze anos de idade, foi para o Rio de Janeiro, estudar no famoso colégio Abílio. Retornando ao Sul, fixa-se em sua terra natal, Pelotas, então rica e próspera pelas mais de cinqüenta charqueadas que lhe davam a base econômica.

Envolveu-se em uma série de iniciativas de negócios que incluíram uma fábrica de vidros e uma destilaria. Os negócios fracassaram pois a época foi marcada pela devastadora guerra civil no Rio Grande do Sul e a economia local fora duramente abalada. Depois disto, construiu uma fábrica de cigarros. Os produtos, fumos e cigarros, receberam o nome de "Diabo", "Marca Diabo", o que gerou protestos religiosos. Sua audácia empresarial o levou ainda a montar uma firma para torrar e moer café, e desenvolveu uma fórmula à base de tabaco para combater sarna e carrapatos. Fundou ainda uma mineradora, para explorar prata em Santa Catarina.

Casou-se aos 27 anos com Francisca de Paula Meireles Leite, de 19 anos, no dia 5 de maio de 1892.

Como escritor, Simões Lopes Neto procurou em sua produção literária valorizar a história do gaúcho e suas tradições.

Entre 15 de outubro e 14 de dezembro de 1893, J. Simões Lopes Neto, sob o pseudônimo de "Serafim Bemol", e em parceria com Sátiro Clemente e D. Salustiano, escreveram, em forma de folhetim, "A Mandinga", poema em prosa. Mas a própria existência de seus co-autores é questionada. Provavelmente foi mais uma brincadeira de Simões Lopes Neto.

Em certa fase da vida, empobrecido, sobreviveu como jornalista em Pelotas.

Publicou apenas três livros em sua vida: Cancioneiro Guasca (1910), Contos Gauchescos (1912), e Lendas do Sul (1913).

Morreu em 14 de junho de 1916, em Pelotas, aos cinqüenta e um anos, de uma úlcera perfurada.

Sua literatura ultrapassou fronteiras e hoje pertence à literatura universal, tendo sido traduzido para diversas línguas.

João Simões Lopes Neto - Escritor

João Simões Lopes Neto
João Simões Lopes Neto

João Simões Lopes Neto, enquanto vivo, o escritor não teve sua obra reconhecia.

Consideravam-no por outros motivos, não pelos seus livros.

A modificação a seu respeito aconteceria a partir de 1924, através de estudos críticos de João Pinto da Silva, Augusto Meyer e Darcy Azambuja.

Desde então, seu nome começou a tomar vulto na posteridade, para afinal impor-se como nosso maior escritor regionalista.

A copiosa bibliografia hoje existente sobre a sua obra, em que avultam os trabalhos de Flávio Loureiro Chaves e Lígia C.

Moraes Leite, não deixa dúvidas a esse respeito.

Com ele o regionalismo ultrapassou as aparências nativistas e as limitações localistas, para tornar-se francamente universal, como sempre acontece com os criadores verdadeiramente representativos da sua terra e da sua gente.

Dos três livros por ele publicados em vida, dois se encarregariam, postumamente de fazer-lhe a "carreira literária": "Contos Gauchescos" (1912) e "Lendas do Sul" (1913), ambos editados pela Livraria Universal, de Pelotas — RS.

Fonte: www.ufpel.tche.br/www.bibvirt.futuro.usp.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal