Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  A Morgadinha Dos Canaviais: Crônicas Da Aldeia (Júlio Dinis)  Voltar

A Morgadinha dos Canaviais: Crônicas da Aldeia

Júlio Dinis

AO cair de uma tarde de Dezembro, de sincero e genuíno Dezembro, chuvoso, frio, açoutado do Sul e sem contrafeitos sorrisos de Primavera, subiam dois viandantes a encosta de um monte por a estreita e sinuosa vereda, que pretensiosamente gozava das honras de estrada, à falta de competidora, em que melhor coubessem.

Era nos extremos do Minho e onde esta risonha e feracissima província começa já a ressentir-se, senão ainda nos vales e planuras, nos visos dos outeiros pelo menos, da vizinhança de sua irmã, a alpestre e severa Trás-os-Montes.

O sítio, naquele ponto, tinha o aspecto solitário, melancólico, e, nessa tarde, quase sinistro. Dali a qualquer povoação importante, e com nome em carta corogràfica, estendiam-se milhas de pouco transitáveis caminhos. Vestígios de existência humana raro se encontravam. Só de longe em longe, a choça do pegureiro ou a cabana do rachador, mas estas tão ermas e desamparadas, que mais entristeciam do que a absoluta solidão.

Nao se moviam em perfeita igualdade de condições os dois viandantes, que dissemos, Um, o mais moço e pela aparência o de mais grada posição social, era transportado num pouco escultural, mas possante muar, de inquietas orelhas, músculos de mármore e articulações fiéis ; o outro seguia a pé, ao lado dele, competindo, nas grandes passadas que devoravam o caminho, com a quadrupedante alimária, cujos brios, além disso, excitava por estímulos menos brandos do que os da simples e nobre emulação.

Contra o que seria plausível esperar deste desigual processo de transporte, dos dois o menos extenuado e impaciente com as longuras e fadigas da jornada não se pode dizer que fosse o cavaleiro.

A postura de abatimento que lhe tomara o corpo, o olhar melancólico, fito nas orelhas do macho, a indiferença, a taciturnidade ou o manifesto mau humor, que nem as belezas e acidentes da paisagem natural conseguiam já desvanecer, o obstinado silêncio que apenas de quando em quando interrompia com uma frase curta mas enérgica, com uma pergunta impaciente sobre o termo da jornada, contrastavam com a viveza de gestos e desempenado jogo de membros do pedestre, com a sua torrencial verbosidade, a que não opunha diques, e com as joviais cantigas e minuciosas informações a respeito de tudo, por meio das quais se encarregava de entreter e ao mesmo tempo instruir o seu sorumbático companheiro.

Explica-se bem esta diferença, dizendo que o cavaleiro era um elegante rapaz de Lisboa, que fazia então a sua primeira jornada, e o outro um almocreve de profissão.

O leitor provavelmente há-de ter jornadeado alguma vez; sabe portanto que o grato e quase voluptuoso alvoroço, com que se concebe e planiza qualquer projecto de viagem, assim como a suave recordação que dela guardamos depois, são coisas de incomparavelmente muito maiores delícias, do que as impressões experimentadas no próprio momento de nos vermos errantes em plena estrada ou pernoitando nas estalagens, e mormente nas clássicas estalagens das nossas províncias.

As pequenas impertinencias, em que se não pensa antes, que se esquecem depois, ou que a saudade consegue dourar até e poetizar a seu modo; esses microscópicos martírios, que de longe não avultam, actuam-nos, na ocasião, a ponto de nos inabilitar para o gozo do que é realmente belo. A dureza do colchão, em que se dorme, do albardão ou selim sobre que se monta, o tempero ou destempero do heteróclita cozinhado com que se enche o estômago, a lama que nos incrusta até os cabelos, o pó que se nos insinua até os pulmões, o frio que nos inteiriça os membros, o sol que nos congestiona o cérebro, tudo então nos desafina o espírito, que trazíamos na tensão necessária para vibrar perante as maravilhas da natureza ou da arte.

Só pelo preço de muitas jornadas se compra o hábito de ficar impassível no meio dos episódios destas pequenas odisséias, que atormentam e exaurem o ânimo dos Ulisses novatos ; mas ai, quando se adquire esse hábito, também nos achamos já com a sensibilidade mais embotada para as comoções do belo.

Examina-se com mais minuciosidade, mas com menos entusiasmo ; analisa-se mais e melhor; porém a própria análise é a prova de que se sente menos. Onde domina o sentimento e a imaginação, mal têm cabida a paciência e fleuma, necessárias aos processos analíticos.

O homem positivo e frio recolhe de qualquer excursão à pátria com a carteira cheia de apontamentos; o entusiasta e poeta nem uma data regista. Viu menos, sentiu mais.

Mas Henrique de Souselas — que era este o nome do cavaleiro — fora educado e passado da infância à plena juventude, em Lisboa, levan- A MORGADINHA DOS CANAVIAIS tando-se por avançada manhã, frequentando o teatro, o Grêmio, as câmaras, parolando no Chiado ou no Rossio, e indo alguns dias no ano a Sintra, ou qualquer praia de banhos, desenfadar-se da monotonia da capital.

Desde que fazia perfeito e consciente uso da razão, fora esta ornada, em que o encontrámos, a primeira levada a efeito, e logo sob ão maus ausoícios, que era para sufocar-lhe à nascença os instintos de turista, se porventura quisessem despertar nele.

Havia dois dias que cavalgava aquele rocinante, único veículo acomodado aos caminhos por que passara. E então que dois dias ! Daqueles, durante os quais o céu, uniformemente pardo, parece desfazer- se em água, e a chuva cai sem interrupção e com uma teimosia e constância impacientadoras ; daqueles em que a terra saciada rejeita já a água que recebe, a qual escorre nos declives, trasborda dos algares, e encharca-se nos terrenos baixos, transformando em brejos as lezírias ; em que as lufadas do sui vergam e torcem os ramos, melancólicamente despidos, dos álamos e sobreiros, e emprestam aos pinheirais a voz dos mares ; em que os campos se mostram desertos, a noite se antecipa, e tão densas nuvens cobrem o firmamento, que parece tomar-nos a persuasão de que nunca mais o veremos com as suas formosas vestes de azul.

Vejam se, nestas circunstâncias, o pobre rapaz podia deixar de ir cabisbaixo, triste e dando ao Diabo a viagem que cometera.

E para quê e porquê a cometera ele assim? Em poucas palavras procuraremos satisfazer a natural interrogação, que é de supor nos dirigissem os leitores, se pudessem fazê-lo.

Este Henrique de Souselas atingira a idade dos vinte e sete anos, vivendo, como dissemos, aquela enlanguescedora vida da capital, e dividindo as atenções do espírito pela política, pela literatura e pelos destinos do teatro de São Carlos, do qual estava habilitado a fazer circunstanciada crónica, que abrangesse os últimos dez anos.

Não concebia vida fora daquilo.

O mundo para ele era Lisboa. Não sentia desejos, nem imaginava possibilidade de visitar a Europa, quanto mais a província ; o que seria maior façanha.

Não que lhe faltassem recursos para realizar qualquer projecto desta natureza.

Henrique herdara dos pais rendimentos bastantes, dos quais vivia folgadamente e sem precisar de sacrificar nos altares da economia.

Mas a indolência lisbonense manietava-o ali. A poucos ia tão direita a apostrofe de Garrett aos seus «queridos alfacinhas», a qual se pode 1er no livro sétimo das «Viagens».

De certo tempo em diante começou, porém, a incomodá-lo uma espécie de vácuo interior, um mal-estar, doença infalível nos celibatários sem família, quando chegam à idade a que chegou Henrique, s passam a vida como ele.

Tudo lhe causava fastio. Bocejava em São Carlos, bocejava nas câmaras, bocejava no Grêmio, bocejava no Suíço, no Chiado e nos círculos dos seus amigos, os quais principiaram também a achá-lo insuportável de insipidez; porque poucas coisas há que mais perturbem o espírito, do que o espectáculo de um homem que boceja ou dorme, onde e quando os outros forcejam por divertir-se.

O demônio da hipocondría, esse demônio negro e lùgubre, implacável verdugo dos ociosos e egoístas, o qual havia muito o espiava, apoderou-se dele em corpo e alma.

Aí temos, desde esse instante, Henrique muito preocupado com a sua pessoa, imaginando-se vítima de mil e uma moléstias, as mais disparatadas e incompatíveis, suspeitando-se conjuntamente predestinado para a apoplexia e para a tísica, para o cancro e para a alienação, para a cegueira e para os aneurismas, tremendo à leitura do obituàrio da semana, folheando livros de medicina, construindo teorias fisiológicas, consultando todos os médicos da capital, experimentando todo o arsenal farmacêutico e todos os anúncios, em parangona, da quarta página dos periódicos, e elevando as crenças do seu espírito amedrontado até às misteriosas e nevoentas alturas do credo homeopático ! Ao mesmo tempo manifestou-se nele uma progressiva degeneração de gosto ; não podia 1er uma página dos livros que lhe eram predilectos ; desfazia-se sem desgosto de quadros, móveis, estátuas e objectos curiosos que coleccionara com paixão ; detestava a música, o teatro, numa palavra, tornara-se um dos maiores flagelos que podem pesar sobre a humanidade e que muito em especial causam o suplício dos médicos que os aturam.

Foram estes os que, em parte de boa fé, em parte com o desculpável intuito de sacudirem de si tal pesadelo, lhe deram um dia de conselho que fosse viajar.

Henrique de Souselas julgou ouvir uma heresia nesta palavra : viajar.

Viajar? E os seus aneurismas? E as suas iminências apoplécticas? E as suas disposições para tantas outras enfermidades ? Pois um homem pode lá viajar com esta bagagem patológica? E se lhe desse alguma coisa pelo caminho? Recusou com mau humor a receita, e ficou na capital.

Exacerbaram-se os padecimentos, repetiram-se as consultas, e os médicos, como se para isso apostados, a insistirem em que saísse de Lisboa.

— O senhor não tem nada — diziam alguns.

Henrique perdia a cabeça, ao ouvir isto.

Prolongou-se este estado de coisas, até que um dia o hipocondríaco rapaz persuadiu-se muito sèriamente de que estava chegada a sua hora extrema..

Um médico velho e grave, que por essa ocasião o escutou, em vez de se rir dele, disse-lhe, muito sisudo: — Homem ! O senhor está realmente mal. Esse estado de imaginação não pode prolongar-se mais tempo, sem romper por aí em alguma doença que o sacrifique. Se quiser salvar-se, saia-me daqui, enquanto é tempo. Quebre por todos os hábitos, e escolha entre as fortes impressões de uma grande capital, como Paris ou Londres, ou as mornas sensações de um completo viver de aldeia. Os revulsivos e os emolientes curam por meios opostos às vezes as mesmas moléstias.

Ora sucedeu que nesse mesmo dia recebesse Henrique um presente de fruta de uma sua tia, santa criatura que ele, desde criança, não ornara a ver.

Vivia regalada em uma aldeia sertaneja do Minho onde na idade de cinco anos Henrique passara alguns meses na companhia de sua mãe.

Aquela presente frugal recordara-lhe esse tempo, já meio apagado na memória, e conseguira fazer-lhe saudades. Daí uns vagos desejos de voltar a ver aqueles sítios.

Por isso ao ouvir o conselho do doutor, Henrique nomeou-lhe a aldeia, em que esta sua parents vivia.

O velho facultativo aplaudiu a idéia e instou para que fosse abraçada.

O sobrinho escreveu então à tia, e, passados dias, punha-se a caminho.

Mil vezes se arrependeu, depois da resolução tomada ; mil vezes mandou ao Diabo o conselho do médico e fantasiou horríveis exacerbases em todos os seus males. Os inconvenientes de uma jornada, feita ainda segundo os velhos processos, com malas, coldres e pistolas, cotas de montar e almocreve, ampliava-lhos a proporções estupendas, o prisma da hipocondría.

No momento em que nos associamos ao cavaleiro, caíra ele num desalento profundo, num quase convencimento de próxima aniquilação, do qual nem a loquacidade do almocreve, condimentada, como era, de pragas eloqüentes e de cantigas pouco edificantes, o conseguiu arrancar.

Havia mais de uma hora que estavam lutando com as dificuldades da ascensão do íngreme e escabroso caminho, que torneava o monte como as voltas de uma hélice.

Era este monte uma como irregular pirâmide, levantada no meio da amplíssima bacia, onde tinha assento a aldeia que Henrique demandava ; por isso o estafado rapaz não podia atinar a razão de conveniência pela qual, tendo de procurar o vale, assim porfiavam em descrever as fastidiosas curvas da quase interminável espiral, que os aproximava do vértice.

Não se concebe uma estrada menos lógica do que aquela.

No nosso país são porém freqüentes estas faltas de lógica nas estradas.

O almocreve havia-se separado por momentos de Henrique com o fim de encurtar distâncias, seguindo por um atalho só franqueável a gente de pé.

Henrique nem desviara os olhos ptra o fundo vale, que se abria à esquerda, velado pela densa névoa daquela atmosfera saturada de humidade, nem prestava atenção à agreste e selvática paisagem, do lado direito, toda encrespada de pinheirais nascentes e de espinhosas tojeiras.

Os olhos procuravam, em ansiosa interrogação, o mais alto da flexuosa ladeira que subia, no sítio em que ela, formando um cotovelo, furtava à vista o seguimento ulterior.

Nestas curvas das estradas sorri sempre de longe ao viajante, cansado e aborrecido, que pela primeira vez as trilha, uma prometedora esperança.

— Dali verei talvez o termo do caminho — pensava ele.

Mas quantas vezes, ao aproximar-se, esta esperança lhe foge ! Assim aconteceu a Henrique, que, ao chegar à almejada inflexão e quando esperava principiar enfim a descer para o vale e aproximar- se da aldeia, viu que o macho, prático no caminho, e à disposição de cujo instinto ele colocara a razão, dobrava ainda para a direita e continuava a contornar e a subir o monte. A espiral não terminara ainda. Henrique olhou em torno de si, profundou a vista nas sombras do vale, nada pôde descobrir, que lhe prometesse a aldeia procurada.

Muita árvore, povoação nenhuma. Teve um paroxismo de impaciência.

— Isto não é estrada ! — exclamou ele, exasperado. — São os nove círculos do Inferno de Dante virados para fora.

E a luz do dia a fugir cada vez mais, e a chuva a aumentar, a calar através do grosso gabão de jornada que Henrique vestia ! O desgraçado vergava sob o peso da sua consternação.

Ajuntou-se-lhe outra vez o almocreve, assobiando com fleuma desesperadora.

— com um milhão de demônios ! — bradou-lhe Henrique, não podendo conter-se. — Essa maldita terra foge diante de nós, homem ! — Estamos quase lá, meu patrão. É ali logo adiante — respondeu o almocreve, sem se alterar. Vê aquela capelinha branca em cima daquele monte? pois fica já para além da povoação. E a ermida da Senhora da Saúde. É um instante.

— Desde as duas horas da tarde que me dizes que é um instante, e eu estou acreditando que cada vez nos afastamos mais. Pois se a aldeia fica ali em baixo, para que diabo subimos nós? Ãs voltas que temos dado, estou persuadido de que vamos tão adiantados como quando principiamos a subir.

— Pois olha que dúvida ! Se se fosse a direito lá por baixo, era mais perto, mas...

— Mas foi então pelo prazer de trepar, que me trouxests por aqui? — Não é isso, patrão ; mas bem vê V. S." que o caminho lá por baixo é todo cortado por quintas e campos, e é preciso dar tais voltas, que afinal fica mais longe. Depois, com a chuva que tem caído, faz lá idéia de como estão os riachos por lá! Só o esteiro do almargeal e para uma pessoa se afogar. Mas tenha o patrão paciência, que pouco ;alta agora. Vê V. S.' aquele tronco de sobreiro que parece, visto daqui, um frade de "capuz? — É ali? — Não, senhor — disse o homem rindo ; — mas vêem-se daquele sítio as primeiras casas da aldeia.

— As primeiras ! — murmurou Henrique em tom lastimoso ; e penderam- lhe os braços com mais desalento e aumentou-se-lhe a flexão da coluna vertebral.

O almocreve prosseguiu, para o distrair : — Tenho passado por estes sítios muita vez com neve de se cortar à faca e de noite. E olhe que nunca tive medo. Qual história ! Medo ! Isso sim ! E vamos lá ! o sítio não é dos mais seguros. Vê o senhor essa cruz preta, aí à sua mão direita, pregada no tronco desse pinheiro? Pois aí mesmo mataram um homem, que vinha com uns centos de mil- -réis da Feira Franca de Viseu, fez pelo S. Miguel um ano. E ainda hoje se está para saber quem foi. Num ermo destes só os santos podem valer a uma criatura.

Henrique sentiu-se pouco à vontade com as elucidações do cicerone ; olhou para ele com desconfiança e quase julgou ver moverem-se sombras suspeitas por entre os troncos dos pinheiros. Apalpou nos coldres os cabos das pistolas, e aproximou as esporas dos ilhais da cavalgadura.

Dentro em pouco atingiam o indicado tronco de sobreiro, de junto do qual deviam avistar a aldeia.

Henrique olhou ; viu lá no fundo do vale muitas árvores, mas continuou a não enxergar vestígios de casas.

— Onde está a aldeia que dizias, homem? — Daí já se vê — disse o almocreve, correndo para alcançar o cavaleiro.—Não vê V. S.*. além. além, aqueles pinheirais mansos? — Vejo, sim.

— Pois já são da freguesia. Se fosse mais claro havia de avistar a casa do guarda. É a tapada dos Bajuncos, que pertence à morgadinha dos Canaviais.

Henrique não respondeu. A distância a que ficava ainda a tal tapada fê-lo suspirar.

Enfim, passados minutos, principiaram a descer para o vale, costeando sempre obliquamente o monte.

Cem passos andados, fez-lhe o almocreve notar um pequeno ponto branco, que se divisava ao longe por entre a rama do arvoredo, mas já indistintamente, em virtude do adiantado da hora e da intensidade da neblina.

— Lá está a capela da freguesia — dizia o homem.

— Ali ? E um século para lá chegar ! — Qual ! Estamos aqui, estamos lá. Eh, ruço ! E aplicou uma vigorosa vergastada nas ancas do macho, que acelerou o passo.

O homem continuou : — Até se fosse mais dia podia-se ver daqui a pedra, que está no cemitério, e que é da família da morgadinha dos Canaviais. Foi a mãe dela a primeira pessoa que lá se enterrou, e até hoje mais ninguém.

O povo, como o outro que diz, tem sua aquela em se enterrar fora da igreja. Ele, a falar a verdade... Eu bem sei que tudo vai do costume...

mas enfim a gente foi criada nisto... Mas a pedra é coisa asseada.

É como as que estão na cidade.

Henrique, transido de frio, quebrado de desalento, já nem atendia ao que o homem ia dizendo.

Cerrara-se a noite de todo, quando atingiram enfim o vale. O terreno mudava agora de aspecto. Apareciam já, aqui e ali, alguns indicios de cultura, anunciando a proximidade de um povoado. Os caminhos estreitavam, internando-se no vale, e seguiam tortuosamente por entre muros toscos de pedra ensossa, silvados e sebes naturais. A chuva, que não cessara de cair, transformara estes caminhos, onde o declive não dava escoamento às águas, em charcos e tremedais.

Novos indícios da vizinhança da aldeia iam sucessivamente aparecendo.

Aqui era uma manada de bois soltos, em direcção do curral, guiados por uma criança de palhoça e pernas nuas, os quais paravam a olhar com aquela expressão de composta curiosidade, que lhes é peculiar, para o recém-chegado visitante da aldeia. Não faltou receio a Henrique, que supôs a estes bonacheirões quadrúpedes a índole travessa e bravia dos touros, a cuja chegada tantas vêzes fora assistir em Lisboa.

Mais adiante passava por eles uma fileira de carros a vergarem sob o peso do mato e atroando os ares com o chiar incômodo das rodas sob o eixo, incomodo para os ouvidos cidadãos de Henrique, cujos nervos se irritavam com ele, mas aparentemente agradabilíssimo para os condutores aldeãos, que ou dormiam ou cantavam com aquele acompanhamento.

Num e noutro ponto deparavam-se-lhe já algumas casas de tectos de colmo, de cujas inúmeras fendas saía um fumo espesso, que a atmosfera húmida mal deixava elevar nos ares. No olfacto desabituado de Henrique de Souselas o cheiro resinoso e activo das pinhas e das agulhas secas dos pinheiros, queimadas no lar, produziam sensações muito longe de serem agradáveis.

Aumentava-se-lhe com tudo isto a funda melancolia que já lhe tomara o ânimo.

— Tantas fadigas para este resultado ! — pensava ele. — Sair de Lisboa para me enterrar nesta aldeia escura e suja! Enganou-se o parvo do doutor. Cuidava que me salvava e matou-me. Eu morro por certo aqui. Deus lhe perdoe o homicídio.

Os caminhos sucediam-se aos caminhos, qual mais tortuoso e incómodo de trilhar ; as curvas complicavam-se como as ruas de um labirinto. Aqui subiam ; desciam mais além, para subir outra vez. umas vezes caminhavam em terreno descoberto, outras penetravam em tão estreitas quelhas, apertadas entre paredes argilosas e húmidas e toldadas de ramos entrelaçados, que só o instinto do animal podia evitar-lhes cs perigos. Ora soavam as patas do macho como em chão lajeado, ora amortecia-lhes o som um terreno, que a chuva encharcava, e a água amacenta vinha salpicar o rosto do cavaleiro.

As casas eram já freqüentes, e algumas de menos humilde apaência.

Os cães, que, pelo timbre de voz, mostravam ser gigantes, ladravam raivosos por dentro dos portões ou de sobre os muros das quintas, ao ouvirem os passos da cavalgadura ou a voz do almocreve, que falava ou cantava sempre.

Outras vezes era um inarmónico grunhir suíno que acusava a vizinhança das cortes ou, partindo de um casebre rústico, o chorar de crianças, entremeado com os ralhos das mães e com as pragas dos chefes de família.

O almocreve não desistira das suas funções de cicerone, que somente interrompia para saudar alguns conhecidos seus, a cuja porta passavam.

— Estes campos e lameiros — ia dizendo — são da morgadinha dos Canaviais ; andam arrendados a um compadre meu.

E exclamava para dentro de uma casa térrea, escassamente alumiada por uma candeia: — Boas noites, tia Escolástica. como vai a pequenada? — Ai, é vossemecê, Sr. José? Então não entra? — respondia-lhe uma voz feminina.

— Agora, não, amanhã.

E prosseguiu para Henrique : — É uma santa criatura. A moraadinha...

Henrique interrompeu-o : — Onde fica, afinal, a quinta de Alvapenha? Onde mora minha ia? Não me dirás? — É logo aí adiante, meu patrão. Em nós passando umas casas amarelas que há aí... é logo ao pé. Essas casas que digo são também da morgadinha, mas há uma demanda pelos modos.

O almocreve falava pela décima ou undécima vez na morgadinha.

Até esta periódica referência a uma personagem que ele não conhecia, impacientava Henrique de Souselas.

E continuavam a suceder-se em enredado dédalo as quelhas e azinhagas, a ponto de fazer perder tôda a orientação. umas vezes ouviam o ruído das levadas, que as ultimas chuvas tinham engrossado ; adiante, transpunham uma ponte rústica, escutando das profundezas do despenhadeiro, que ela atravessava, o fragor das cascatas nos açudes ou o ranger das rodas dos moinhos.

Henrique a cada momento imaginava cair num abismo.

— São os açudes do Casal — dizia o almocreve, berrando para se fazer ouvir através do estrondo da torrente. — Pertencem à morgadinha dos Canaviais.

Henrique nem alento já tinha para falar.

Ao triste e quase sinistro aspecto daquela aldeia, tão cerrada lhe envolveu o coração a nuvem de melancolia, que cedeu sem resistência ao crescente torpor gue o invadia, como o que desespera da vida e da salvação.

Mais adiante, excitou-lhe ainda as atenções uma toada piangente, melancólica, monótona, que exacerbou estes efeitos.

— É uma fiada em casa do Tapadas — disse o almocreve. — E um dos maiores amigos do pai da morgadinha. Vê aquele muro acolá ? — Eu não vejo nada. Deixa-me ! — Pois pertence já à quinta dos Canaviais, que a morgadinha...

— Outra vez ! Cala-te para aí com essa morgadinha ! — exclamou Henrique.

Era evidente enfim que estavam em pleno coração do povoado.

As casas apareciam mais juntas. De algumas saía um surdo rumor de vozes que tinha o que quer que era de lugubre. Era a coroa rezada em família a Nossa Senhora. A voz grave do lavrador casava-se com a voz quebrada e trémula do avô, com a voz sonora e fresca da mãe, e a juvenil das raparigas e crianças naquele piedoso coro, produzindo um efeito que acabou por levar ao auge a impaciência do nosso esplenético viajante.

— Sumiu-se essa endiabrada cruinta de Alvapenha, que não a acabamos de atingir? O almocreve desta vez nem respondeu; sacudiu uma chicotada sibilante junto às orelhas do muar, o qual com desusada rapidez galgou uma ladeira orlada de árvores, volveu à direita e, à voz do almocreve, estacou em frente de um Dortão de ouinta resguardado por um telheiro rústico.

— É aqui — disse o guia.

— Até que enfim ! — exclamou Henrique, suspirando. Suspiro de conforto e de tristeza ao mesmo tempo, como o do homem cansado da vida, quando antevê o repouso do túmulo. Em Henrique era íntima a convicção de que a quinta de Alvapenha lhe havia de servir de cemitério.

II almocreve assentou duas vigorosas pancadas no sólido portão de castanho, diante do qual tinham parado.

As primeiras vozes, a responderem-lhe, foram as de dois cães, que acudiram de longe ao sinal e vieram ladrar à porta com furia, que fez agourar mal a Henrique da cordialidade da recepção que o esperava. De facto as intenções dos quadrúpedes não pareciam demasiado hospitaleiras. O almocreve divertia-se excitando-os de fora com uma vara de vime, apesar de quantas recomendações de prudência lhe fazia Henrique, não em demasia sossegado.

Afinal ouviu-se uma voz áspera e rouca, chamando os cães à ordem, se é lícito, sem irreverência, empregar neste caso a frase consagrada para outro género de algazarra.

Henrique ouviu rodar a chave, correr os ferrolhos, levantar a aldraba, gemerem os gonzos, e enfim um homem de lavoura alto e magro, trazendo em punho um lampião de frouxíssima luz, apareceu- -lhes à porta e saudou-os com a fórmula do estilo : — Ora Nosso Senhor lhes dê muito boas noites.

E, levantando a luz à altura do rosto de Henrique, pôs-se a mirá-lo com a menos cerimoniosa curiosidade.

— É o sobrinho cá da senhora, não é verdade ? — Sou eu mesmo.

— Está um tempo muito azedo. Eu já julgava que não vinham.

Entre.

Henrique não se resolvia a aceitar o convite, porque lhe continuavam a impor respeito os olhares ferinos e os rugidos surdos dos dois façanhosos quadrúpedes, cuja má vontade era a custo refreada.

— Entre, entre — insistia o homem.

— Mas esses animalejos?...

— Ah ! isto não faz mal. Sai-te para lá, Lobo ; passa, Tirano ! Lobo ! Tirano ! Que nomes ! E dizia o homem que não faziam mal ! — Com os diabos! ti'Manel — disse o almocreve — em ocasião de e esperarem hóspedes, nã~ se soltam assim os cães. Os diabos não são nenhuns cordeiros. Olhe no outro dia o Sr. Joãozinho das Perdizes, que por pouco lhes deixava nos dentes as barrigas das pernas.

— Forte perca ! — resmoneou o outro. — Não trouxesse cá os ele. Não tem dúvida; entre o senhor, que eles não lhe fazem mal.

— Não entro; assim é que não entro — teimou Henrique, aquém as palavras do almocreve acabaram de fortificar na sua resolução.

O homem em vista disto encolheu os ombros e bradou : — O Luis ! Uma criança de cinco anos, e quase nua, correu ao chamamento.

— Enxota para lá esses cães, que aqui o senhor tem medo.

A criança, à palavra medo, fitou Henrique com uns olhos espan tados, e tomando do chão um tronco de tojo, deu-se a zurzir desapig, dadamente nas feras, que, com todos os sinais de respeito, de orelha baixa e cauda abatida, fugiram diante dela.

O orgulho de Henrique de Souselas ficou um tanto maltratado com o desfecho da cena; mas a prudência consolava-o, dizendo-lhe que andara ajuizadamente.

— Agora vossemecê — disse o camponês para o almocreve arranje-se como puder e mais a besta aí pelas lojas, enquanto eu ensino o caminho ao senhor.

— Vão, vão com Nossa Senhora, que eu cá me arranjarei. Muito boas noites, Sr. Henriquinho.

— Adeus, José — disse Henrique, passando para a mão do guia a espórtula da gorjeta, e após seguiu, com as pernas trôpegas de cavalgar, o homem do lampião.

Nao era para dissipar a impressão penosa, que subjugava o espirito de Henrique, o aspecto que lhe oferecia, àquela hora da noite, a parte da quinta, por onde era conduzido para a casa de Alvapenha, Primeiro, trilhou o pavimento mole de um quinteiro ou eido, estradado de altas camadas de mato e embebido de chuva, de onde se exalava um cheiro de curtumes, pouco de lisonjear a olfacto mal habituado a estes aromas campesinos. A luz do lampião a custo conseguiu evitar a Henrique o tropeçar num carro desaparelhado, numa dorna, numa pia para galinhas, e em outros objectos que atrancavam o quinteiro. Transpondo a cancela que terminava este, seguiram por uma rua de folhas ; atravessaram diagonalmente a horta, pelo carreiro que a dividia ; ladearam a eira e a casa do cabañal, e, efectuados mais alguns rodeios, acharam- se finalmente junto da escadaria de pedra, por onde se subia para uma espécie de patamar ou varanda alpendrada, que servia de um modesto pórtico à casa de Alvapenha.

A propriedade da tia de Henrique era um genuíno tipo de casa rústica, à moda do Minho.

Ao subir as escadas, e apesar de mal poder divisar os objectos à escassa luz que os alumiava, recebeu Henrique a primeira impressão agradável de tôda aquela mal estreada excursão.

Estas escadas, esta varanda de pedra e este alpendre avivaram nele memórias, quase apagadas. Lembrava-se agora vagamente de ter brincado ali, a cavalo nesse mesmo parapeito, então, como agora, enfeitado de uma formidável coorte de abóboras meninas, vítimas votadas às festas do próximo Natai.

A um canto do patamar deparou-se-lhe ainda um grande vaso de louça, que ele, havia vinte e tantos anos, conhecera, e ao qual tinha a idéia vaga de haver quebrado uma asa ; abaixou-se no intento de se certificar, e viu que de facto ainda lhe faltava a asa, sendo este o único estrago que após tanto tempo o velho utensílio sofrerá.

— É admirável ! — não pôde deixar de exclamar Henrique ao fazer a descoberta, vendo que em oito dias operava maior reforma nos seus aposentos em Lisboa, do que num quarto de século se realizava em Alvapenha.

O hortelão bateu à porta e disse para dentro que era o sobrinho ja senhora que chegava.

Seguiu-se um mexer de cadeiras, um trocar de vozes, um arrastar de passos ; moveu-se a chave na fechadura ; abriram-se as portas e no limiar apareceu de braços abertos a tia Doroteia, e por trás dela, elevando a luz acima do ombro da ama, a criada Maria de Jesus, a que, havia trinta anos, lhe era companheira e interessada em lágrimas e pesajes.

Já Henrique lhe andara ao colo no tempo em que estiverà criança na quinta.

Diante da figura esbelta, do tipo varonil e do comprido bigode de Henrique, a Sr.a Doroteia reprimiu as suas expansões e quase recuou.

Nunca mais vira Henrique desde que este, aos cinco anos, deixara Alvapenha, e dir-se-ia que esperava ainda encontrar os mesmos cabelos louros e anelados e o mesmo rosto menineiro da travessa criança de outros tempos, em vez do homem feito, em que os vinte e tantos anos volvidos o tinham transformado.

Há destas ilusões na gente.

A mais segura razão não está precavida contra elas ; a infundada surpresa invade-nos de súbito, e os lábios não podem prender a exclamação que a denuncia.

— Pois na verdade tu és o Henriquinho ? ! — disse espantada a boa senhora.

— Eu julgo que sim, tia Doroteia.

— Tu ! Ai como estás um homem ! Ó Maria de Jesus, você não quer ver isto ! ? •— Parece mesmo um soldado ! — disse a criada, igualmente estupefacta.

— Credo, mulher ! Santíssima Trindade ! Você que está a dizer ? Nossa Senhora nos livre de tal ! — exclamou a ama, em cujo conceito o soldado estabelecia a transição do homem para o Diabo.

No entretanto Henrique de Souselas abraçava a tia, que havia tanto tempo que não vira, e ela correspondia-lhe, beijando-o com todo o carinho e chorando.

Chorando porquê ? Porquê ? Pela muita bondade que tinha naquela alma. A bondade é um rico manancial, que brota lágrimas ao toque da menor comoção ! Henrique não tinha ainda bem conseguido libertar-se dos roxeados amplexos e mais provas de afecto de sua tia, quando se sentiu preso em novos laços. Era Maria de Jesus, que o abraçava também e lhe pespegava nas faces dois beijos muito chiados, como aqueles que vêm a ferver do coração, e isto acompanhado de um — Ai o meu rico filho ! — tão eloquente comò os beijos.

Henrique, habituado às etiquetas da civilização urbana, que esta.

belece entre amos e criados distâncias desconhecidas na aldeia, estra, nhou um pouco a familiaridade, mas sujeitou-se a ela sem reflexões.

Maria de Jesus dizia, ainda admirada : — Ó senhora ! Não que uma coisa assim ! Pois é este o menino que vinha à cozinha limpar o tacho, em que se fazia a marmelada ! — É verdade ! E que boa marmelada cá se fazia ! — Lambareiro ! — disse a tia, sorrindo. — Se eu soubesse que eras assim, não tinha mandado lavar o tacho do doce, que ainda hoje serviu.

— Sim ? Então ainda se faz doce cá em casa, como dantes ? — perguntou Henrique.

— Pois então? todos os anos. Mas valha-me Deus! E nao querem ver nós aqui postas à palestra ! Entra, menino, entra cá para dentro, que está frio e tu deves vir cansado.

— Um pouco, um pouco, tia Doroteia.

E Henrique entrou para a sala.

Demoremo-nos no limiar para informar o leitor sobre as pessoas em cuja casa se vai alojar Henrique de Souselas.

Não se imagina a santa paz de espírito, a placidez de paraíso que estas duas mulheres — D. Doroteia e Maria de Jesus, ama e criada —• gozavam na quinta de Alvapenha, onde Henrique de Souselas i procurar alívio aos seus muitos e variados males.

Ambas da mesma idade, ambas muito aferradas aos seus hábitos ambas muito tementes a Deus e amigas do próximo, as duas celibatárias passavam ali uma vida, rescendente a um suave perfume de santi dade, como o da alfazema e do rosmaninho, que lhes aromatizava as gavetas e de que se repassava tôda a roupa branca, objecto muito dos seus cuidados.

A inalterável harmonia, mantida havia tantos anos entre as duas poderia ser exemplo à maior parte das famílias deste mundo. Entre velhas, que nunca tiveram filhos, circunstância que em geral faz o humo mais acre e desabrido, era tanto mais para admirar o caso.

Tinham elas porém a precisa tolerância para fazerem mútuas con cessões ; cada uma fechava os olhos aos pequenos caprichos da outra e tudo corria bem. Nunca adentro daquelas paredes se ouviu uma so palavra, que, por mais alto pronunciada ou por menos expressiva de paciência, destoasse da invariável monotonia dos seus habituais diálogos.

Eram um exemplo edificante para os vizinhos, que, pela maio parte, devorados por demandas entre primos e irmãos, pais e filhos marido e mulher, mostravam infelizmente ser esta abençoada sèment caída em improdutivo terreno.

As discórdias intestinas nas famílias do seu conhecimento afligiam as duas sexagenárias e aumentavam o número de padre-nossos com que todas as noites se faziam lembrar dos santos, de quem eram vali das pedindo-lhes a felicidade dos outros tanto ou mais do que a sua própria Ouvir rezar as duas santas velhas — e era essa a ocupação dos seus curtos serões — eqüivalia a escutar uma resenha das diferentes calamidades, que perseguem e apoquentam o género humano, e que elas, desta maneira, pretendiam evitar.

— Um padre-nosso e uma ave-maria a S. Marcal, para que nos ivre do fogo — dizia D. Doroteia, e seguia-se o Padre-Nosso. — Outro a Santa Luzia milagrosa, para que nos dê vista e claridade na alma e no corpo; outro a S. Brás, para que nos proteja da garganta: outro a g, Vicente, por causa das bexigas, etc. Seguia-se um padre-nosso por todos os que andam sobre as águas do mar; outro por os pobres sem abrigo nem alimento ; outro por os órfãos ; outro pelos doentes ; um pelos vivos ; outro pelos mortos ; um pelos justos ; outro pelas almas do purgatório, não hesitando até a sua caridade em transpor as portas do Inferno e pedir também a remissão dos condenados. E ainda depois desta minuciosa e longa enumeração, um último padre-nosso fechava aprimeira série, compreendendo todos os não contemplados por esquedos, ou por não terem lugar na classificação.

Compunha a segunda série a menção especial de cada uma das pessoas falecidas das suas relações : parentes, amigos e conhecidos, por cujo «eterno descanso entre os resplendores da luz perpétua» oravam com verdadeira compunção. Nesta falange ia também D. João VI, por quem, havia quarenta anos, se costumara a rezar D. Doroteia, e não era ela mulher que rompesse com hábitos semi-seculares. Era esse talvez o único padre-nosso que a alma do monarca recebia no Céu, com procedência do seu antigo reino.

Quanto às qualidades físicas, a imaginação dos leitores pintar-lhas-á melhor do que a minha descrição. Forçosamente conheceram uma destas boas velhas, para quem nos sentimos atraídos ; a quem se estima e com quem se brinca ao mesmo tempo ; que nos podem inspirar sacrifícios e simultaneamente nos tentam a travessura ; a quem mistificamos agora e logo beijamos respeitosamente a mão ; contra quem não reprimimos impaciencias, escutando depois submissos os seus nunca terminados sermões.

Ora estas velhas assim têm quase sempre um tipo uniforme, que é o reflexo exterior da bondade do coração; esse era o tipo da tia Doroteia com o seu vestido roxo, o seu lenço castamente cruzado no peito, a sua touca de folhos alvíssimos e de fitas escuras, o molho de chaves à cinta, o livro de orações na algibeira e os óculos a marcarem no livro a reza habitual.

Maria de Jesus de igual maneira. Era apenas uma edição popular da mesma alma. Sucedera de mais com elas o que é sempre de esperar de uma longa e íntima convivência ; haviam reciprocamente adoptado maneiras e modos de pensar e de ver e de dizer as coisas uma da outra, a ponto de qualquer delas ser como que uma premissa de onde a modo de conclusão, se deduzia a outra facilmente.

Tudo isto percebeu logo Henrique de Souselas ao primeiro exame que fez das duas santas mulheres.

Entremos agora com ele para dentro da sala.

Quem, vinte anos antes, tivesse visitado a casa de Alvapenha e ai voltasse de novo com Henrique julgaria, à vista da uniforme disposição de coisas mantida ali dentro em tão distantes épocas, que todo esse tempo não fora mais do que um sonho de momentos.

Encontraria os mesmos móveis, na mesma colocação ; as mesmas cobertas nos leitos, apenas mais desbotadas ; as mesmas ou iguais cortinas nas janelas ; o mesmo cheiro de feno e alfazema na atmosfera dos quartos, os mesmos quadros na parede, as mesmas jarras nas cómodas.

A memória de Henrique, aquela inconstante e leviana memória de rapaz estouvado, sentia-se acordar, à vista daquilo tudo.

A sala tinha uma fisionomia característica.

Suponha-se uma não muito ampla quadra de pouca altura, tôda pintada a oca, e alumiada por duas mal rasgadas janelas de peitoril, com os seus competentes assentos de pedra, um defronte do outro, com meias cortinas de cambraia sempre corridas — pleonasmo de discrição que se não justificava, visto que as janelas, abrindo para a quinta, não tinham vizinhança de cujos olhares precisassem de recatar- se. O tecto era de almofadas de castanho, em tempos pintado de azul, agora de uma cor duvidosa. Havia quinze anos que D. Doroteia falava em o mandar retocar, mas o projecto, momentoso como era, ia sendo adiado de Primavera para Primavera. Orlava a sala, no alto, um friso ou cornija saliente, onde coroadas maçãs de Inverno aguardavam, em vistosa fileira, a completa maturação, e derramavam no aposento o mais agradável aroma. O pavimento, apesar de muito picado de caruncho, andava limpo e escafunado — termo do vocabulário de casa — que metia gosto vê-lo. Cada parede era um museu de estampas de devoção. Poucos santos e santas da corte celestial não estavam ali representados e com um colorido, que era o maior pecado, a que estes bem-aventurados haviam dado lugar cá no mundo.

Cá se via Santa Quitéria e as suas sete companheiras ; Santa Ana ensinando Nossa Senhora a 1er ; o Senhor dos Passos, venerado em S. João Novo, no Porto ; o Bom Jesus de Bouças, representação da imagem, que, segundo reza a respectiva crônica, é obra das mãos de José de Nicodemo ; os Santos Mártires de Marrocos, da igreja de S. Francisco, etc, etc. Sobre a comoda de pau-preto era devotamente venerado o mais rubicundo, menineiro e bem disposto Santo Antônio, que ainda modelaram as mãos de santeiro afamado. E seja dito de passagem que não sei por que a tradição popular dá a este austero franciscano o aspecto chorudo de um moderno reitor de farta abadia de aldeia.

No interior da redoma onde se abrigava o santo estava estabelecido o museu de raridades da tia Doroteia. Eram flores artificiais, conchazinhas e caramujos, um rosário de caroços de azeitonas, uns poucos de vinténs de prata, enfiados e pendentes do braço do menino Jesus, que o santo sustentava ao colo, verónicas, escapulários, uma campainha benta, uma medida do braço do Senhor de Matosinhos, um pão do saco de Santa Isabel, que vai na procissão de Cinza, no Porto, e outros objectos curiosos.

A mobília da sala consistia em cadeiras de palhinha, que gemiam quando entravam em serviço, como militar, cujas articulações o reumatismo invadiu ; mesas cobertas com colchas de chita ; baús cravados de pregaria amarela, disposta em letras e arabescos ; uma papeleira de pau-santo, e uma gaiola com um canário decrépito, objecto, havia muitos anos, das tentações de um gato, mais decrépito do que ele e pertencente as classes inactivas.

Henrique, adivinhando por todo aquele cheiro de beatitude e de antigüidade que ali se respirava, os hábitos da casa, sentia já certo desconforto, corno de quem é arrancado de súbito ao ambiente, em que se educou e vive, e engolfado num ambiente estranho ; espécie de asfixia moral, nao menos angustiosa do que a do peixe fora da água.

A saudade que ao princípio sentira, dissipara-se já. O perfume da saudade é como o de certas flores, que só se percebe quando de longe o recebemos. Se, iludidos, as tentamos aspirar de perto, dissipa-se.

Acontecera isto com Henrique.

Cada vez portanto se lhe radicava mais funda a crença de que não seria por muito tempo que se demoraria ali.

— Os emolientes do doutor — pensava ele, enquanto sua tia falava — serão eficazes para quem os puder sofrer sem enjôo, mas para mim...

No entretanto sentou-se.

— Ora o Henriquinho ! — dizia ainda D. Doroteia, pondo-se de braços cruzados em contemplação defronte dele. — Ó menino, onde foste tu arranjar esses bigodes tamanhos? Então isso agora usa-se? Pergunta que sobremaneira embaraçou Henrique.

— Quem quer usar, usa, tia. Não é obrigação — respondeu ele, com leve mau humor.

— Em nome do Padre e do Filho ! — dizia Maria de Jesus, benzendo- se e tomando lugar ao lado da ama. — Até nem sei que parece, lembrar-se a gente que trouxe este marmanjão ao colo! O termo «marmanjão» não soou bem a Henrique. Principiava também a impacientá-lo o ver as duas embasbacadas diante dele; um homem sujeito a uma exposição destas, por mais que faça, -não atina com o modo de arrostar com ela, que não seja ridículo. Ora Henrique, como todo o homem da sociedade, o que mais que tudo temia neste mundo era o ridículo.

Felizmente acudiu-lhe a caridosa intervenção da tia Doroteia, que fez perceber à criada a conveniência de ir preparando a ceia de Henrique, que havia de querer recolher-se. Henrique, apesar de não costumar cear, aceitou a idéia, porque o frio, as fadigas e a má alimentação dos últimos dias, haviam-lhe desafiado o apetite. Demais, o espanto de D. Doroteia, quando lhe ouviu dizer que as ceias não entravam nos seus hábitos, foi tal que lhe tirou o ânimo de rejeitar.

— Não ceias! O menino, que me dizes? então vais-te deitar sem ceia? Ora essa! Por isso vocês são uns pelens. Vejam lá que arranjo este ! ficar tôda a santa noite sem alguma coisa que dê sustento ao estômago, que aconchegue. Nada, nada ; a ceiinha em todo o caso. E tu hás-de também querer mudar de fato? — Eu venho bastante molhado.

— Ai, então depressa, menino, que nao há nada pior do que a roupa molhada no corpo. Maria... ou deixe estar, eu vou... Anda, Henriquinho, anda lá, que eu guio-te ao teu quarto para te arranjares.

Meia hora depois, Henrique banhado, enxugado e comodamente vestido, saboreava uma gorda galinha de canja, sobre uma mesa coberta de toalha lavada, e na melhor louça da copeira.

Ele que tinha sempre severidades de crítica contra os mais afamados cozinheiros de Lisboa, estava achando deliciosa aquela comida primitiva, com que o regalava a tia.

Esta sentou-se a vê-lo comer, e com a mema familiaridade, que Henrique já anteriormente estranhara, Maria de Jesus sentou-se ao lado da ama.

Ambas tinham ceado já; pois que o faziam ao cerrar da noite.

Enquanto Henrique comia, elas, sem deixarem de o observar com a natural curiosidade de quem havia tanto tempo não tivera um hóspede, faziam-lhe perguntas, às quais ele ia respondendo conforme lhe era possível.

— Tu dizias-me na tua carta que estavas doente ; pois olha que na cara não o parece.

— Não — concordou a criada — tem boas cores, e, vamos, a magreza ainda não é lá essas coisas.

Era este o ponto fraco de Henrique ; respondeu logo ao reclamo.

— Não me digam isso ! Então não vêem como estou ? Pois isto é lá cor de saúde? de febre, será. Gordo? pois acham-me gordo?! — Gordo, não digo, mas assim, assim... E depois como Vieste de jornada... Mas afinal que moléstia é a tua, menino? — Eu sei lá, tia Doroteia? Nem os médicos a conhecem bem.

É, entre outras coisas, uma tristeza, uma melancolia, que me não deixa, que me persegue por tôda a parte. Às vezes parece-me que sinto apertar-se-me dolorosamente o coração ; outras, são palpitações, ânsias...

Tenho quase vontade de chorar, irrito-me, impaciento-me, não quero que me falem, nada quero ver, nada quero ouvir ; não leio, não durmo, não como. Finalmente todo eu sou doença e tristeza.

A boa tia Doroteia olhava com sisudez e atenção para o sobrinho, enquanto ele falava, e na fisionomia iam-se-lhe desenhando, ao ouvi-lo, os mais expressivos sinais de espanto e consternação.

Assim que Henrique terminou a exposição, ela disse-lhe com uma adorável candura: — Então é assim uma espécie de mania ! À palavra «mania» Henrique sobressaltou-se. Seria a consciência que se sentiu ferida? — Mania ? Ó tia Doroteia ! Mania ! Veja bem, olhe que o termo é forte ! Mania ? — Sim, menino — insistiu ingènuamente a boa senhora — pois olha que não é outra coisa. Pois isto de estar triste sem ter de quê... sim...

porque não te morrendo ninguém, nem te doendo nada...

Ó poetas devaneadores, ó almas melancólicas, que percebeis no sussurrar das brisas, no ciciar das folhas, no murmurar dos arroios, queixas ocultas de dríades e de náiades, sentidas vibrações das harpas de fadas aéreas, que vivem em palácios de nuvens ; ó corações inoculados de poesia, quo vos confrangeis e gotejais lágrimas sinceras ao desmaiar do dia, ao desfolhar das árvores no Outono; ooetas, que escutais, com Vítor Hugo, as vozes interiores, os cantos do crepúsculo, e com ele adivinhais os mistérios dos raios e das sombras, perdoai a involuntária blasfêmia da tia Doroteia, que não contém o menor fermento de malícia ; perdoai-lhe a dura expressão de que ela se serviu para caracterizar os vossos arroubamentos, as vossas tristezas vagas, os vossos devaneios, e crede que, apesar da frase, teríeis nela uma alma mais afinada para simpatizar convosco, do que tantas que por aí fazem gala de vos compreender melhor.

Henrique não podia porém digerir a expressão, de que se servira a tia, para diagnosticar o seu mal.

— Mania ! — repetia ele — essa agora ! Sempre é forte de mais.

Mania, não, tia Doroteia, lá isso não. Mania! — Eu lhe digo — acudiu a criada. — Nao vá sem resposta ; que está quase como o cunhado da Rosa do Bacelo. A senhora nao se lembra? Andou aquela alminha por aí sempre triste, sempre a falar só, até que afinal lá foi parar...

— Aonde ? — perguntou Henrique, erguendo os olhos mterregadoramente para a criada.

— Lá foi parar a Rilhafoles — concluiu esta, espevitando a vela o mais naturalmente deste mundo.

Henrique de Souselas pulou com a sinceridade.

Nem acabou de sorver a última colher de caldo de arroz, que lhe estava sabendo como nunca manjar lhe soubera.

— Então não comes mais ? — perguntou a tia.

— Muito gradecido ; eu o mais que tenho é sono.

— Pois sim, mas é preciso fazer por comer — insistiu ela.

— Ora va mais este coxão — disse a criada.

— Não é possível — teimou Henrique, e insistiu para e recolher ao quarto.

— Tens razão, tens — concordou a tia Doroteia — deves estar fatigado.

Vai com Nossa Senhora, menino. E deixa-te lá de pensar e estar triste, que isso não é bom. É fazer por espairecer. Come, bebe, passeia, que é o que dá saúde. Nada de malucar.

— Sim — acrescentou a criada — e não queira estar doente, que não tem graça nenhuma.

— E olha, Henriquinho, tu tens por aí com quem te podes distrair.

O brasileiro Seabra, que tem uma casa como um palácio ; o Augustito do doutor, que é um bom mocinho. E depois vai dar um passeio por aí, um dia até aos moinhos, outro dia até à ermida da Senhora da Saúde, Agora me lembra: a Lenita já mandou aí outra vez saber se tinha chegado o hóspede — disse D. Doroteia.

— Não foi só a morgadinha...

— Aí está você a chamar-lhe também a morgadinha.

— Então, senhora? isto é o costume. Mas todas as outras senhoras mandaram também o Torcato saber do Sr. Henrique. A Sr.* D. Vitória e a Cristininha.

— Ai, pois cuidadosas são elas ! Tu hás-de-te entender com aquela gente. É uma gente muito dada e sem cerimônia. É preciso lá ir. Olha, amanhã podes ir visitá-las. É um passeio bonito.

Henrique, que tinha estado distraído durante a conversa das duas, nem se dava ao trabalho de intervir no diálogo em que elas dispunham já do seu tempo e traçavam-lhe planos de vida.

— Mas vai descansar, menino, vai e faz por dormir. Olha lá, tu costumas dormir com luz? — Não, tia, não costumo.

— É porque nesse caso... Maria, onde está aquela lamparina, que me serviu quando eu estive doente, há seis anos? — Está lá dentro, senhora; se a senhora quer eu...

— Vê lá, menino...

— Não, tia, não quero.

— Há pessoas que não podem dormir às escuras — dizia a criada.

— Eu, graças a Deus, durmo bem de qualquer forma.

— Pois sim, mas nem todos são como você. Olha, ó Henriquinho, hás-de ver se queres o travesseiro mais alto ou...

— Muito agradecido, tia Doroteia, tudo deve estar bom— disse Henrique, procurando fugir às muitas reflexões, perguntas e conselhos, com que as duas o iam perseguindo até ao quarto.

— Olha, ó menino, tu bebes água de noite ? — Às vezes.

— Você pôs-lhe água no quarto, Maria? — Pus, sim, minha senhora; pois então? Já minha mãezinha dizia, que antes sem luz do que sem água.

— Bem, então está bom. Então muito boa noite, menino.

— Boa noite, tia.

— Ai, é verdade. Hás-de ver se queres mais roupa na cama.

— Não hei-de querer, não, tia.

— Olha que está muito frio. Você quantos cobertores lhe deitou, ó Maria? — Cinco, senhora.

— Cinco ! — exclamou Henrique, quase horrorizado. — Cinco cobertores.

— É pouco ? — Pouco ? É de morrer esmagado debaixo deles.

— Ai, quer não ! Olha que está muito frio.

— Bem, bem ; eu cá me arranjarei.

— Então, muito boa noite.

— Muito boa noite, tia.

E Henrique ia a fechar a porta.

— Olha... — disse ainda a tia.

Henrique parou.

— Não sei o que é que me esquece...

— Não há-de ser nada, tia ; boa noite.

— Não esquecerá ?... Eu sei ?... Enfim... boa noite. Ai, é verdade...

Sempre é bom ficar com lumes prontos — Ai, sim; lá isso sempre é bom.

— Vês ? não que bem me parecia.

— Já lá estão, senhora — disse a criada de longe.

— Melhor ; então muito boa noite nos dê Nosso Senhor, menino.

— Muito boa noite, tia.

E Henrique conseguiu fechar a porta.

Estava finalmente só.

— Que desastrada lembrança a minha ! — disse o pobre rapaz, ao fechar a porta sobre si. — como posso eu viver com esta santa e virtuosa gente, que chama manias aos meus padecimentos? Que futuro de impertinências me espera ! Ai, Lisboa, Lisboa, e pensar eu que só posso voltar para ti à custa de outra jornada ! O quarto de Henrique era arranjado com simplicidade. Um alto leito de almofadas na cabeceira e rodapé de chita, tão alto que se não dispensava o auxílio de cadeira para trepar acima dele, uma cômoda com um pequeno espelho, um baú, um lavatorio e duas cadeiras mais, constituíam a mobília tôda.

Henrique de Souselas sentiu a falta de mil pequenos objectos de toucador, a que estava habituado. Aquele estritamente necessário não lhe prometia grandes confortos.

Deitou-se. A roupa da cama era de linho alvíssimo e respirava um asseio e frescura convidativos : os travesseiros, de largos folhos engomados, possuíam uma moleza agradável às faces ; o colchão de penas abatia-se suavemente sob o peso do corpo fatigado.

Henrique conchegou a roupa a si; à falta de velador, pousou o castiçal no travesseiro, e, abrindo um livro que trouxera de Lisboa, pôs-se a 1er, para obedecer a um hábito adquirido.

Não teria ainda lido um quarto de página, quando ouviu a voz da tia Doroteia, que lhe dizia de fora da porta: — Ó menino, tu já te deitaste? — Já, sim, tia Doroteia.

— Olha se tens cautela com a luz. Eu tenho um medo de fogos ! — Esteja descansada, tia. Eu apago já.

— Então será melhor. S. Marcai nos acuda.

E afastou-se, rezando ao santo.

Henrique continuou a 1er.

Daí a pouco a mesma voz: — Tu já dormes, Henriquinho? — Não, tia, ainda não durmo.

— Olha que não vás adormecer sem apagar a luz. Eu tenho um medo de fogos ! Não descanso, enquanto não vejo tudo apagado em casa.

Henrique perdeu a paciência.

— Pois pode sossegar, olhe.

E apagou a vela, meio zangado.

— Fizeste bem, fizeste bem; isto já é tarde, e é melhor fazer por dormir. Então, muito boas noites.

— Muito boas noites — respondeu Henrique quase amuado ; e ajeitando-se na cama, dizia consigo:—E esta! Já vejo que nem 1er me é permitido aqui. Olhem que vida me espera ! É isto o que me devia curar ? Que fatalidade ! Dentro em pouco, os dois felpudos cobertores de papa, únicos que conservava dos cinco primitivos, começaram a fazer o seu efeito, insinuando nos membros cansados da jornada um agradável calor. Convidavam ao sono o som da água num tanque que ficava por debaixo das janelas do quarto e as gotas da chuva, que dos beirais do telhado caíam compassadas na tábua do peitoril.

A noite sossegara. De quando em quando apenas algumas lufadas de vento, já menos impetuosas, faziam bater as vidraças.

Eram como estes estados, que sucedem a um choro aberto. Correm ainda algumas lágrimas nas faces, mas já não brotam novas dos olhos : saem ainda do peito os soluços, porém mais espaçados ; dentro em pouco será completa a serenidade.

Henrique começou a experimentar uma languidez, um delicioso bem-estar naquele confortável leito e no meio daquele sossego ; fecharam- se-lhe enfraquecidos os olhos, e deslizou suave, insensivelmente, no mais profundo, tranquilo e restaurador sono, que, havia muito tempo, tinha dormido.

voltar 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14
15
16 17 18 19 avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal