Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Júlio Ribeiro  Voltar

Júlio Ribeiro

 

Nascimento: 16 de abril de 1845, Sabará, Minas Gerais.

Falecimento: 1 de novembro de 1890, Santos, São Paulo.

Júlio Ribeiro - Vida

Júlio César Ribeiro Vaughan era mineiro de Sabará. Nasceu em 10 de abril de 1845.

Após concluir o curso médio em Minas, mudou-se para a capital do Império em 1862 e ingressou na Escola Militar.

No entanto, três anos depois abandona a Escola e muda-se para São Paulo, onde passa a lecionar latim e retórica.

Em 1870, funda O Sorocabano, um jornal que lhe servirá como forma de expressar seus ideais anticlericais, republicanos e abolicionistas.

Fundou ainda outros dois jornais: A procelária e O rebate.

Mas é através da publicação de romances e ensaios que divulgará seus conceitos e polemizará com diversos intelectuais.

A primeira dessas polêmicas foi em torno da Gramática portuguesa.

Elogiada por muitos, como Rui Barbosa e Capistrano de Abreu, foi considerada um plágio por outros, motivando o professor a publicar outro livro, Cartas sertanejas. A segunda polêmica foi política.

Júlio Ribeiro viu na eleição à câmara dos deputados dos jovens Prudente de Morais e Campos Sales uma mera manobra política, pois ambos não eram, segundo Ribeiro, "cientificamente preparados" para exercerem cargo político.

Uma terceira polêmica foi motivada pela publicação de seu principal romance, A carne.

Conforme se depreende da leitura, o autor via no casamento e em outras práticas uma convenção religiosa, e que, portanto, não correspondiam a uma verdade científica.

O Padre Sena Freitas em um artigo chamada "A carniça" critica o romance de Ribeiro classificando-o de "carne de bordel", pela tematização sem pudores do sexo ou de temas afins, como a menstruação.

O artigo fez Ribeiro responder prontamente ao padre para defender o romance e atacar a Igreja Católica.

Na verdade, Júlio Ribeiro aderira às idéias do seu tempo, que, em geral, tinham como objetivo chegar à verdade das coisas não pelos olhos da Igreja, e sim pela pesquisa científica. Daí o tom de pesquisa que muitas vezes assume A carne.

Júlio Ribeiro viu realizarem-se alguns de seus ideais: a libertação dos escravos em 1888, e a proclamação da República no ano seguinte.

Mas em 1890, não resiste à tuberculose e vem a falecer na cidade de Santos.

Foi eleito, postumamente, patrono da cadeira nº 17 da Academia Paulista de Letras.

Júlio Ribeiro - Autor

Júlio Ribeiro
Júlio Ribeiro

Raro são os livros que foram tão combatidos pela crítica quanto A Carne: Álvaro Lins o expulsou da história da literatura brasileira, José Veríssimo disse que ele era o parto monstruoso de um cérebro artisticamente enfermo e p. Sena Freitas, à época, abrindo forte polêmica com o autor, afirmou Carne pútrida, exibida a 3$000 a posta nos açougues literários de SP.

Paralelamente, seu sucesso popular foi estrondoso, a ponto de, ao longo dos anos, o livro ter ganho três adaptações cinematográficas e, apesar da tentativa de proibição dos mais velhos, ter sido lido insistentemente pela juventude. Pode-se realmente imaginar o que significou, em 1888, a abordagem de temas como a menstruação, casamentos falidos, divórcios, amor livre, sadismos escravocratas, novo papel da mulher e conteúdo erótico obsceno.

Seguindo a escola naturalista no que ela tinha de mais tecnicista, Júlio Ribeiro buscou um hibridismo entre arte e ciência, com viés ensaístico e didático, nomeando, inclusive, com todo seu conhecimento de lingüista, inúmeras espécies da fauna e da flora brasileira descritas por ele com tanta plasticidade.

Júlio Ribeiro - Biografia

Júlio Ribeiro
Júlio Ribeiro

Nascido em Sabará, Minas Gerais, em 10 de abril de 1845, Júlio César Ribeiro Vaughan era filho da professora brasileira Maria Francisca Ribeiro com um norte-americano boêmio-circense George Washington Vaughan, de Virgínia, que abandonara a esposa e o filho.

Orgulhoso, passou, por opção, a assinar apenas o nome da mãe: Júlio Ribeiro, como é conhecido nos meios jornalístico e literário.

Estudou num colégio interno em Beapendi, Minas Gerais.

Ao terminar os estudos, segue, aos 17 anos, para o Rio de Janeiro, a fim de ingressar na Escola Militar.

Três anos depois, abandona a idéia de seguir o militarismo.

Vai para São Paulo, dedicando-se ao magistério, onde passa a lecionar Latim na Faculdade de Direito e Retórica no Instituto de Educação Secundária.

Presenciou momentos importantes da História do Brasil, como a Proclamação da República e a Abolição da Escravatura.

Tornou-se excelente jornalista e gramático respeitado. Publicou seus dois romances, Padre Belchior de Pontes (1876/7) e A carne (1888), inicialmente nos jornais em que trabalhava, como folhetim. Por causa deles, recebeu muitas críticas pelas idéias extremamente radicais e vanguardistas, contidas no desenrolar das tramas.

Onze anos depois de publicar o romance Padre Belchior de Pontes, Júlio Ribeiro ganha maior notorie-dade com o polêmico A carne, de 1888. Porém, essa fama trouxe a ele demérito em vez de encômios.

Isso deu-se pelas trajetórias críticas e denúncias contundentes com que Júlio Ribeiro desenvolvera sua narrativa: o bacharelismo conserva-dor, o atraso da JÚLIO RIBEIRO rural, os maus tratos aos escravos, a impunidade, os preconceitos racial e social, o casamento, divórcio, o amor livre. Entretanto, todas essas marcas de Júlio Ribeiro foram pouco notadas, ou nem o foram pelos críticos. Preferiam observar o lado erótico do romance.

Com uma personagem diferente, ativa com intensos desejos sexuais, nosso romancista foi alvo de infinitas ofensas e injúrias. Por causa de uma mulher “perigosa”, quiçá as outras denúncias de Júlio Ribeiro ficassem despercebidas ou os críticos não as queriam ver. A personagem principal Helena Matoso, mais conhecida pela alcunha de Lenita, sente fortes concupiscências.

Para muitos críticos, esse intenso desejo, provocado pela carne, será considerado um “histerismo”, qualidade que advém de Magdá, a histérica personagem do romance de Aluísio Azevedo: O homem (1887). Muitos estudos tecem essa semelhança devido à irritabilidade ou ao nervosismo exces-sivo causado pela força da carne - do desejo sexual - em ambas. Para Magdá, seria certa a tese da histeria. Para Lenita, não.

Seu último romance, ou melhor, a personagem Lenita chocou a sociedade do final do século XIX, causando-lhe incômodo, que ainda via a mulher como ser passivo, devendo ser sempre inferior aos homens. A carne recebeu vários predicativos à época, a maioria depreciativos, por causa de cenas lúbricas. Ademais, o espanto se deu não só por causa do erotismo da trama, mas também por causa de uma mulher independente, rica e inteligente - mesmo que estivesse atrás da máscara do sexo apresenta-do no romance, sendo difícil sua aceitação para o mundo de então. Essa mulher de vanguarda foi vista pela miopia enferma da sociedade cujas dimensões ultrapassavam o natural, e esta, querendo perenizar conceitos e tabus ultrapassados, deixou que os momentos eróticos e exóticos fossem o único ponto máximo do romance, encobrindo a importância da heroína ao contexto social brasileiro e mundial.

A cegueira da sociedade foi contaminada pelo tom “obsceno” do livro, e o mais importante foi esquecido: o surgi-mento de uma mulher independente, em todos os sentidos, mesmo que seja em romances.

O livro era dissidente e, por isso, obteve alguns poucos panegíricos e muitas depreciações. Não houve parcimônia a Júlio Ribeiro.

Ele foi um escritor que causou uma espécie de cissiparidade nos leitores: ao mesmo tempo em que desdenhavam o romance, liam-no em solipsismo. Todavia, mais tardar, as críticas de tom exageradamente leviano tão-somente ajudariam a promover a obra, pois, através dos julgamentos ferinos, A carne foi ganhando mais e mais popularidade.

Se não pelo seu “valor literário”, como julgavam e ainda julgam, pelo menos, pela polêmica que causou a obra, introduzindo aos leitores, mesmo sendo com suaves matizes, ideais progressistas que tanto defendia Júlio Ribeiro: modernização do Brasil, abolição da escravatura, a República, entre outros. Assim, até mesmo aqueles que repudiavam a obra, liam-na às escondidas, intencionando descobrir o proibido, querendo ter acesso ao que, socialmente, não era permitido.

Se havia realmente deficiências, seu inimigo número um, o padre Senna Freitas, procurava sedento os “defeitos” da obra. O padre publicara vários artigos, intitulados de “A carniça”, fazendo um trocadilho com o título original do livro. No primeiro artigo da série, o padre Senna Freitas avisava aos leitores e ao “estômago público contra essa venda ilícita de carne pútrida, exibida a 3$000 a posta, nos açougues literários de São Paulo”.

Júlio Ribeiro, com maestria irônica, declarara “guerra” ao padre, a quem chamava de “o clown litúrgico, o palhaço de batina”, e também, numa série de artigos intitulados “O urubu Senna Freitas”, afirmou com precisão de aticismo: “Não lhe vou responder às críticas, vou simplesmente aguarentar-lhe a protérvia”. Com tantos artigos ofensivos, o “urubu”, recluso em seu gabinete, certamente deliciava-se com as carnes de “A carniça”, sempre procurando as “incoerên-cias” do romance, a fim de publicá-las nos periódicos.

Júlio Ribeiro conseguiu pouco prestígio e bastante demérito com seu segundo romance. Todavia, não caiu no olJÚLIO RIBEIROmento como queriam. Foram sucessivas edições. O povo o aceitou, embora às escuras. Quiçá, hoje, A carne não cause tanta estranheza como causara no momento de sua publicação e em algumas décadas seguintes. Com a chegada de um novo século, as questões relativas ao sexo não chocam como chocaram tempos atrás. Os que julgam o romance de pornográfico, no sentido pejorativo da palavra, cometem equívocos, pois as passagens nas quais as persona-gens se envolvem em cópula são descritas e narradas à guisa poética.

Seguindo à risca a escola de Émile Zola, Júlio Ribeiro acentua o sexo em A carne. Alfredo Bosi, em sua História Concisa da Literatura Brasileira, afirma que, mesmo estando A carne, juntamente com os romances O homem e O livro de uma sogra, de Aluísio Azevedo, presa às grades do naturalismo, o romance dá margem a “desvios melodramáticos ou distorções psicológicas grossei-ras”, como o suicídio de Manduca, por exemplo. Talvez isso tenha prejudicado a solidez de A carne. Bosi completa que “a obra de Aluísio (com exceção do Cortiço), a de Inglês de Sousa, a de Adolfo Caminha e a de Júlio Ribeiro caíram sob o peso de esquemas preconcebidos, pouco vindo a salvar-se do ponto de vista ficcional”. Por fim, Bosi diz que A carne e O cromo, de Horácio de Carvalho, “são meros apêndices do naturalismo”.

José Veríssimo, em sua História da literatura brasileira, diz que A carne está “nos mais apertados moldes do zolismo, e cujo título só por si indica a feição voluntária e escandalosamente obscena do romance”.

Todavia Veríssimo é contraditório em sua opinião: “Mas A carne vinha ao cabo confirmar a incapacidade do distinto gramático para obras de imaginação, já provada em Padre Belchior de Pontes. É, como dela escrevi em 1889, ainda vivo o autor, o parto monstruoso de um cérebro artisticamente enfer-mo. Mas ainda no nosso mofino naturalismo sectário, um livro que merece ser lembrado e que, com todos os seus defeitos, segura-mente revela talento”.

Tantas acusações não foram suficientes para determinar o valor da obra. É provável que o gosto pessoal dos críticos por histórias diferentes do enredo e do desenrolar de A carne muitas vezes fizeram com que a obra recebesse uma crítica infundada, sendo que (ao que se percebe) até hoje muitas críticas são repetidas em conteúdo, tendo pouca ou quase nenhuma variação.

O sexo, no texto, encontra nuanças diversas; não só ocorre com o contato carnal de duas pessoas. Provavelmente a intensidade dos instintos das personagens, condi-cionada pelas circunstâncias apre-sentadas durante a narrativa, tenha prejudicado a aprovação da obra, pois as exageradas características naturalistas formaram um óbice para que a obra obtivesse um destaque especial, no sentido qualitativo, em nossas letras. Na verdade, a desaprovação de A carne veio pelo medo de que surgissem novas Lenitas.

Críticas depreciativas à parte, A carne foi bastante divulgado pelo cunho sexual. Há, é certo, algumas passagens desconexas, como o laboratório que o casal montou na fazenda, o que, entretanto, poderia ser possível, mas é estranho. Algumas descrições exageradas, que tornam a narrativa enfadonha, como a missiva de Barbosa para Lenita e vice-versa, por exemplo.

Apesar das “irregularidades”, A carne prende o leitor à narrativa através das atitudes e dos pensamentos das personagens principais: Helena Matoso e Manuel Barbosa.

Se o romance não é tão louvável, como determinaram os críticos, pelo menos a intenção de Júlio Ribeiro foi precisa.

Criticou com veemência o casamento e explorou o sexo sob diversas maneiras: os pensamentos lascivos dos protagonistas, o coito dos animais, o voyeurismo, a relação proibida dos amantes Helena e Barbosa... A carne só não é uma obra-prima porque Lenita é um perigo à sociedade patriarcal, por isso alegaram que o livro era obsceno, pornográfico e sem qualidades literárias.

Romance profano? Talvez, sim. Porém, antes de tudo, uma narrativa a qual foi contundente em relação à sociedade que não estava pronta para receber A carne, em 1888. Júlio Ribeiro quis, de certa forma, antecipar as questões que envolvem o ser humano, como o sexo. Não foi feliz. O que estamos conseguindo agora ele queria adiantar-se e expor tais questões à transição do século XIX para o XX. Em Santos, São Paulo, dois anos depois de sua obra polêmica, Júlio Ribeiro morre em primeiro de novembro de 1890. Todavia seu espírito vanguadista ficou e A carne também.

Júlio Ribeiro - Jornalista

Júlio Ribeiro
Júlio Ribeiro

Júlio Ribeiro (J. César R. Vaughan), jornalista, filólogo e romancista, nasceu em Sabará, MG, em 16 de abril de 1845, e faleceu em Santos, SP, em 1o de novembro de 1890.

É o patrono da Cadeira n. 24, por escolha do fundador Garcia Redondo.

Era filho do casal George Washington Vaughan e Maria Francisca Ribeiro Vaughan, professora pública, com quem fez os estudos de instrução primária, matriculando-se depois em um colégio mineiro. Deixou-o para vir estudar na Escola Militar do Rio de Janeiro, em 1862. Três anos depois, interrompia o curso militar para se dedicar ao jornalismo e ao magistério.

Tinha adquirido, para essas atividades, os mais completos recursos: conhecia bem o latim e o grego e tinha conhecimentos de línguas modernas, além de conhecer música. Fez concurso para o curso anexo da Faculdade de Direito de São Paulo, na cadeira de Latim, ainda na Monarquia. Na República, de cuja propaganda participara, foi professor de Retórica no Instituto de Instrução Secundária, em substituição ao Barão de Loreto.

O jornalismo talvez tenha sido o seu campo de atividade intelectual mais constante. Foi proprietário e diretor de diversos jornais, como o Sorocabano (1870-72), em Sorocaba; A Procelária (1887) e O Rebate (1888), em São Paulo. Colaborou também no Estado de S. Paulo, no Diário Mercantil, na Gazeta de Campinas, no Almanaque de São Paulo, nos quais publicava seus estudos sobre filologia, arqueologia e erudição em geral. Foi um jornalista combativo, panfletário, polemista.

Ao defender a própria literatura contra os que o atacavam, reconheceu: "Das polêmicas que tenho ferido nem uma só foi provocada por mim: eu não sei atacar, eu só sei defender-me, eu só sei vingar-me." Quanto ao filólogo, procurou ajustar o rigor lusitano da língua aos moldes do linguajar nativo. Apesar disso, a sua Gramática portuguesa envelheceu, superada pelos estudos de filólogos posteriores.

Como romancista, filia-se ao Naturalismo.

Seu romance A carne (1888) constituiu grande êxito, ao menos pela polêmica então suscitada, e com ele Júlio Ribeiro ficou incorporado ao grupo dos principais romancistas do seu tempo. No momento em que foi publicado pareceu aos leitores impregnado da preocupação de exibicionismo sensual, o que provocou a irritação de muita gente. Vários críticos, entre eles José Veríssimo e Alfredo Pujol, atacaram o romance. O ataque principal partiu do padre Sena Freitas, com o seu artigo "A carniça", publicado no Diário Mercantil. O romancista, espírito orgulhoso e altivo, republicano, inimigo acérrimo de batinas, revidou com uma série de artigos intitulados "O Urubu Sena Freitas", publicados em dezembro de 1888. Este episódio está recolhido no livro Uma polêmica célebre. Não se trata de "um romance simplesmente obsceno", como dizia Pujol, nem é um romance cortado de episódios ridículos, como insinuava José Veríssimo. Manuel Bandeira, em estudo que dedicou a Júlio Ribeiro, fez justiça ao romancista e ao seu romance.

Obras

Gramática portuguesa (1881)
O padre Belchior de Pontes, romance, 2 vols. (1876-77)
Cartas sertanejas (1885)
A carne, romance (1888)
Uma polêmica célebre (Edições Cultura Brasileira, 1934).

Fonte: virtualbooks.terra.com.br/www.academia.org.br/www.redacional.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal