Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  O Apóstata (Junqueira Freire)  Voltar

O Apóstata

Junqueira Freire

Canção do Católico

Não sentes por sobre a face,
Como um raio inopinado,
Esse anátema sagrado,
Essa férrea excomunhão?
Não sentes a espada nua
De Roma no teu semblante,
De Roma, - eterno gigante,
Sustendo infernos na mão?

Ah! triste, perjuro infame,
Que esqueces esse legado,
Santa herança do passado,
Santa crença de Jesus!
Que a negras voragens desces,
E julgas que ao céu te elevas!
Que por turbilhões de trevas
Trocas um reino de luz!

Ah! triste, que te abismaste
Num precipício insondável
Com esse orgulho execrável
Que Lusbel inspira aos seus!
Que duas vezes perdeste
Esse domínio sagrado,
Paraíso resgatado
Coo sangue puro de Deus!

Ah! triste, que espedaçaste,
Com sacrilégio altanado,
O juramento prestado
Junto à fonte batismal!
Coo perjúrio que fizeste,
Tu, infante estremecido,
Cravaste um punhal buído
No coração paternal!

Ah! triste, que te desgarras,
De queda em queda passando,
Como do monte rolando
Costuma a pedrinha vir.
Ah! onde, cristão perjuro,
Parará teu baque infindo?
Ou irás sempre caindo
De um em outro nadir?

Ah! triste, que insano clamas,
Com teus sofismas cruentos,
Que de livres pensamentos
Precisa o espírito teu!
E com Lutero te abraças,
Tu, apóstata ignorante,
Na convicção protestante,
Prelúdio certo do ateu!

Vai, apóstata, perjuro,
Com esse raio gravado,
Esse anátema sagrado,
Essa férrea excomunhão!
Não sentes a espada nua
De Roma no teu semblante,
De Roma, - eterno gigante,
Sustendo infernos na mão?

Fonte: www.carcasse.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal