Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Karatê  Voltar

KARATÊ

Caratê, Karatê, Karaté ou karate-do é uma forma de budo (caminho do guerreiro). Arte marcial japonesa que se originou em Okinawa e foi introduzida nas principais ilhas do arquipélago japonês em 1922. O caratê enfatiza as técnicas de defesa (i.e. bloqueios, socos e chutes) ao invés das técnicas de luta com projeções e imobilizações. O treinamento do caratê pode ser dividido em três partes principais: kihon, kumite e kata. Kihon é o estudo dos movimentos básicos. Kumite significa luta e pode ser executada de forma definida ou de forma livre. Kata significa forma e é uma espécie de luta contra um inimigo imaginário expressa em seqüências fixas de movimentos.

Karate

História

Originalmente a palavra karatê era escrita com os ideogramas (Tang e mão) se referindo a dinastia chinesa Tang ou, por extensão mão chinesa, refletindo a influência chinesa neste estilo de luta.

O karatê é provavelmente uma mistura de uma arte de luta chinesa levada até Okinawa por mercadores e marinheiros da província de Fujian com uma arte própria de Okinawa. Os nativos de Okinawa chamam este estilo de te, mão. Os estilos de karatê de Okinawa mais antigos são o Shuri-te, Naha-te e Tomari-te, assim chamados de acordo com os nomes das três cidades em que eles foram criados.

Em 1820 Sokon Matsumura fundiu os três estilos e deu o nome de shaolin (em chinês) ou shorin (em japonês), que são as diferentes pronúncias dos ideogramas (pequeno e bosque). Entretanto os próprios estudantes de Matsumura criaram novos estilos adicionando ou subtraindo técnicas ao estilo original. Gichin Funakoshi, um estudante de um dos discípulos de Matsumura, chamado Anko Itosu, foi a pessoa que introduziu e popularizou o caratê nas ilhas principais do arquipélago japonês.

O karatê de Funakoshi se originou da versão de Itosu do estilo shorin-ryu de Matsumura que é comumente chamado de shorei-ryu. Posteriormente o estilo de Funakoshi foi chamado por outros de shotokan. Funakoshi foi o responsável pela mudança na forma de escrever o nome desta arte marcial. Ele mudou os caracteres do caratê para e acrescentou a particula (Dô) para salientar a influencia Zen dessa arte marcial.

Ele fez isto para para fazer que o karatê fosse aceito pela organização de budo Dai Nippon Butokai, já que em uma época ascenção do nacionalismo japonês era importante não fazer do caratê parecer uma arte de origem estrangeira como a maneira antiga de escrever implicava.

O karatê foi popularizado no Japão e introduzido nas escolas secundárias antes da Segunda Guerra Mundial.

Como muitas das artes marciais praticadas no Japão, o caratê fez a sua transição para o karatê-do no início do século XX. O do em karatê-do significa caminho, palavra que é análoga ao familiar conceito de tao. Como foi adotado na moderna cultura japonesa, o caratê está imbuído de certos elementos do zen budismo, sendo que a prática do karatê algumas vezes é chamada de “zen em movimento”. As aulas freqüentemente começam e terminam com curtos períodos de meditação. Também a repetição de movimentos, como executado no kata, é consistente com a meditação zen pretendendo maximizar o autocontrole, a atenção, a força e velocidade, mesmo em condições adversas. Professores de caratê diferem muito na maneira em que eles em reconhecem a influência do zen nesta arte marcial.

A modernização e sistematização do caratê no Japão também incluiu a adoção do uniforme branco (dogi ou keikogi) e de faixas coloridas indicadoras do estágio alcançado pelo aluno, ambos criados e popularizados por Jigoro Kano, fundador do judô. Fotos de antigos praticantes de caratê de Okinawa mostram os mestres em roupas do dia-a-dia.

Desde que o fim da Segunda Guerra mundial, caratê tornou-se popular em Coréia do Sul sob os nomes: tangsudo ou kongsudo.

O estilo de caratê Shotokan é caracterizado por posturas que dão estabilidade e força aos movimentos. No outro extremo temos o Wado-ryu que dá preferência a movimentos rápidos e sutis (conhecidos como tai sabaki) que permitem ao praticante se esquivar de ataques e promover rápidos contra-ataques. O estilo Wado-ryu foi introduzido no ocidente por Tatsuo Suzuki. O estilo Shito-Ryu é basicamente o resultado da combinação das características do estilo duro-linear do SHURI-TE de Yasutsune “Anko” Itosu com estilo mais suave-circular do NAHA-TE de Kanryo Higashionna.

No Japão moderno existem duas correntes principais de caratê : os estilos de caratê tradicional como o Shotokan, Goju-ryu, Wado-ryu e Shito-Ryu, assim chamados porque foram os primeiros, todos fundados antes da II Guerra Mundial, e os estilos de caratê Full Contact como o Kyokushin-kaikan fundado por Masutatsu Oyama. O caratê Full Contact é assim denominado porque neste estilo é enfatizado a quantidade de dano causado ao oponente ao invés da qualidade da técnica demonstrada ( embora esta também seja importante). A maioria dos estilos de caratê Full Contact se originaram do estilo Kyokushin.

O caratê como esporte

O caratê também pode ser praticado como um esporte competitivo, muito embora não possua status de esporte olìmpico como o Judô e o Taekwondo. Isto se deve ao fato de que não há uma organização centralizadora para o caratê, assim como não existem regras uniformes entre os diversos estilos. A competição pode ser tanto de kumite como de kata e os competidores podem participar individualmente ou em grupo.

Na competição de kata pontos são concedidos por cinco juízes, de acordo com a qualidade da performance do atleta de maneira análoga a ginástica olímpica. São critérios para uma boa performance a correta execução dos movimentos e a interpretação pessoal do kata através da variação de velocidade dos movimentos (bunkai). Quando o kata é executado em grupo (usualmente de três atletas) também é importante a sincronização dos movimentos entre os componentes do grupo.

No kumite dois oponentes se enfrentam por cerca de dois a cinco minutos. Pontos são concedidos tanto pela técnica quanto pela localização em que os golpes são desferidos. As técnicas permitidas e os pontos permissíveis de serem atacados variam de estilo para estilo. Além disto o kumite pode ser de semi-contato (como no Shotokan) como de contato direto (como no Kyokushinkai).

Dojo kun

É o conjunto de cinco preceitos (kun) que são normalmente recitados no começo e no fim das aulas de caratê no dojo (local de treinamento). Estes preceitos representam os ideais filosóficos do caratê e são atribuídos a um grande mestre da arte do século XVIII chamado "Karate" Sakugawa.

Hitotsu jinkaku kansei ni tsutomeru koto

Esforçar-se para aperfeiçoar o caráter.

Hitotsu makoto no michi o mamoru koto

Fidelidade ao verdadeiro caminho da razão.

Hitotsu doryoku no seishin o yashinau koto

Criar o espírito do esforço e da perseverança.

Hitotsu reigi o omonjiru koto

Respeitar acima de tudo.

Hitotsu kekki no yu o imashimeru koto

Conter o espírito de agressão.

Fonte: pt.wikipedia.org

KARATÊ

Karate

O Karatê-Dô Tradicional focaliza o desenvolvimento do caráter humano a um nível que tem como objetivo alcançar a vitória sobre o oponente sem violência.

Tecnicamente o Karatê-Dô Tradicional é composto de:

* Todome-waza (golpe definitivo) – onde um único golpe destrói o poder ofensivo do oponente;

* Técnicas de defesa que anulam o ataque do oponente;

* Técnicas de suporte;

* Princípios mentais e físicos para execução correta das técnicas.

Com a prática correta do Karatê-Dô Tradicional, é possível fortalecer o corpo e o espírito, disciplinando os instintos primitivos e se aprimorando a personalidade. A busca diária do caminho do Budô, proporciona ao karateca o equilíbrio (corpo e espírito) e como conseqüência, adquire; boa coordenação motora, reflexos aguçados, autoconfiança, autocontrole em qualquer ocasião, senso de disciplina, responsabilidade, respeito pelos semelhantes e espírito de equipe. Fica evidenciada a forte conotação educacional, pois através da prática do Karatê-Dô Tradicional, procura-se melhorar o caráter, a personalidade, tendo como objetivo a vida em sociedade.

Com os treinamentos de KIHON e KATA; que são movimentos formais, os praticantes procuram desenvolver e automatizar golpes de defesas e ataques em várias direções enfrentando um ou mais adversários imaginários. Cada movimento tem uma aplicação real, onde é de suma importância a dinâmica corporal, a mecânica de cada golpe e o sincronismo com a respiração.

Com os treinamentos do EN-BU que é uma luta combinada, os praticantes desenvolvem a defesa pessoal, a versatilidade necessária para enfrentar principalmente adversários de porte físico superior.
Nesta modalidade, por exemplo, a fragilidade feminina pode superar a força do homem.

Com os treinamentos de KUMITÊ, que é o combate real, os praticantes utilizando conhecimentos de kihon, kata e en-bu, testam suas habilidades e aplicam a técnica de acordo com o adversário, buscando sempre o Todome-Waza(golpe definitivo), porém, sempre observando em primeiro lugar a humildade, o respeito e a disciplina que são características principais que demonstram equilíbrio.

Fonte: www.karatebrasil.com.br

voltar 12avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal