Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Líbia  Voltar

Líbia

 

História

Para a maioria de sua história, os povos da Líbia foram submetidos a diferentes graus de controle estrangeiro.

Os fenícios, cartagineses, gregos, romanos, vândalos, bizantinos e governou todo ou partes da Líbia. Embora os gregos e os romanos deixaram impressionantes ruínas de Cirene, Leptis Magna e Sabratha, pouco mais resta hoje para dar testemunho da presença dessas culturas antigas.

Os árabes conquistaram a Líbia no século VII dC Nos séculos seguintes, a maioria dos povos indígenas adotou o Islã e a língua árabe e cultura.

Os turcos otomanos conquistaram o país no século 16.

Líbia permaneceu como parte de seu império - embora às vezes praticamente autônoma - até a Itália invadiu em 1911 e, depois de anos de resistência, feito a Líbia uma colônia.

Líbia

Em 1934, a Itália adoptou o nome "Líbia" (usado pelos gregos para todo o norte da África, exceto o Egito), o nome oficial da colônia, que consistia das províncias de Cirenaica, Tripolitânia e Fezzan. Rei Idris I, Emir da Cirenaica, liderado resistência líbia da ocupação italiana entre as duas Guerras Mundiais.

De 1943 a 1951, Tripolitânia e Cirenaica estavam sob administração britânica, o Fezzan francesa controlada.

Em 1944, Idris voltou do exílio no Cairo, mas recusou-se a retomar a residência permanente na Cirenaica até a remoção em 1947 de alguns aspectos do controle estrangeiro. Sob os termos do tratado de paz de 1947 com os Aliados, a Itália renunciou todas as reivindicações para a Líbia.

Em 21 de novembro de 1949, a Assembléia Geral da ONU aprovou uma resolução afirmando que a Líbia deve tornar-se independente antes de 01 de janeiro de 1952. Rei Idris I representou a Líbia nas negociações subsequentes da ONU.

Quando a Líbia declarou sua independência em 24 de dezembro de 1951, que foi o primeiro país a alcançar a independência através das Nações Unidas.

Líbia foi proclamado constitucional e uma monarquia hereditária sob o rei Idris.

A descoberta das reservas de petróleo significativas em 1959 e as receitas das vendas de petróleo posterior permitiu que tinha sido um dos países mais pobres do mundo a tornar-se extremamente rico, medido pelo PIB per capita. O Rei Idris governou o Reino da Líbia, até que foi derrubado por um golpe militar em 1 de setembro de 1969. O novo regime, liderado pelo Conselho do Comando Revolucionário (RCC), aboliu a monarquia e proclamou a República Líbia nova árabe.

O coronel Mu'ammar Kadafi emergiu como líder da RCC e, eventualmente, como chefe de Estado de fato, uma posição que ocupa atualmente. Ele não tem posição oficial.

Buscando novos rumos, o lema do CCR tornou-se "liberdade, socialismo e unidade". Ele se comprometeu a remover atraso, ter um papel ativo na causa palestina, promover a unidade árabe, e incentivar políticas internas com base na justiça social, a exploração não-, e uma distribuição equitativa da riqueza.

Um objetivo inicial do novo governo foi a retirada de todas as instalações militares estrangeiras da Líbia.

Após negociações, instalações militares britânicas em Tobruk e El Adem perto foram fechadas em março de 1970, e instalações dos EUA na Base da Força Aérea Wheelus perto de Trípoli estavam fechados em junho de 1970. Em julho deste ano, o governo da Líbia ordenou a expulsão de vários milhares de residentes italianos. Em 1971, bibliotecas e centros culturais operadas por governos estrangeiros foram ordenados fechado.

Durante os anos, desde a revolução, Líbia alegou liderança de árabes e Africano forças revolucionárias e procurou papéis ativos em várias organizações internacionais.

No final dos anos 1970, as embaixadas da Líbia foram redesignadas como "agências de pessoas", como Kadafi procurou retratar a política externa da Líbia como uma expressão da vontade popular. Agências do povo, auxiliado por líbios instituições religiosas, políticas, educacionais e de negócios no exterior, exportados filosofia revolucionária de Kadafi no exterior.

LÍBIA, UM PASSSADO DE GLÓRIA

Apesar da intimidante do nome para o europeu, Líbia é um encantador país cheio de história (por ele tem passado fenícios, gregos, romanos, bereberes, vândalos, bizantinos, árabes, turcos e italianos) e um presente muito mais estável e próspero do que imaginamos. Líbia tem a renda per-capita mais elevada do continente africano. Os líbios têm reputação de serem excelentes anfitriões a de sempre alegrar o visitante.

Localização Geografia

Líbia, com seus 1.757.000 quilômetros quadrados é o quarto maior país da África, a maior parte é terreno desértico dominado pelo Saara com enormes campos de dunas a cobrirem 15% da superfície. Não tem rios permanentes somente alguns poços e lagoas que enchem-se na época das chuvas.

O clima saariano domina o país e tem chegado a registrar temperaturas de até 58 graus centígrados. A faixa costeira recebe suficiente chuva como permitindo o cultivo estável e é aqui onde reside 95% da população.

Líbia limita-se ao norte com o mar mediterrâneo, ao leste com o Egito, ao sudeste com o Sudão, ao sul com o Chadee e Níger e ao oeste com Tunes e Argélia.

Flora e Fauna

O carácter desértico do território líbio condiciona sua escassísima flora e fauna, reduzida à zona costeira e a alguns oásis, como os de Fezzán, Giofra e Kutra -os maiores do Saara, ricos em cultivos de dátiles e azeitonas. Nos desertos abundam os cactus, matorrais, arvustos e outras plantas bolbosas perenes.

Quanto aos animais, o dromedário, com a corcunda, longas e magras patas, pescoço curvado e cabeça com grandes lábios pendentes, passeia pelas areias dos desertos apoiando-se sobre as almofadas elásticas que cobrem seus dedos.

Uma capa de lã embrulha seu corpo como câmara de ar permitindo isolar-se das fortes temperaturas desérticas. A gordura que armazena na corcunda faz com que possa ficar até dez dias sem comer nem beber, sendo possível ver a corcunda pendurada após ter realizado uma longa viagem.

História

Romanos e Árabes

Tripolitania, a Líbia romana, alcançou sua época dourada por volta de 190 d.C., quando Septimius Severus, natural de Leptis Magna, converteu-se Imperador de Roma. Com o enfraquecimento do império chegaram as invasões de bárbaros e vândalos, que acabaram com todo resto de esplendor no século V. Após breve domínio do Bizâncio, os árabes chegaram no século VII e rapidamente tornaram o país parte do Islão.

Os árabes tiveram o domínio da região até os turcos conquistá-la no século XVI. Líbia era governada, não desde Constantinopla, mas por mandatários expressamente enviados à zona com a principal intenção de cobrar uma espécie de pedágio marítimo aos barcos ocidentais que passavam por essa parte do Mediterrâneo.

Presença Italiana

Após as guerras napoleônicas, Líbia ficou como o último reduto de Constantinopla na África, com a divisão colonial Itália fez o controle. Os colonizadores iniciaram um cruel processo de "italianização" da zona entre 1911 e o fim da II Guerra Mundial no qual a metade de um milhão de habitantes nativos foram assassinados ou exiliados.

Depois da guerra a Itália foi obrigada a abandonar a Líbia, que ficou sob mandato das Nações Unidas enquanto decidiam o seu destino. Em 1951 fez-se independente sob o reinado de Idris, não muito popular entre seus súditos. Em 1969, no meio de um intenso ambiente regional de "pan-arabismo", um grupo de oficiais liderado por Muammar al-Gaddafi deu o golpe de estado, destituindo o rei Idris.

Gaddafi

Gaddafi começou reformas radicais visando a partilha do produto da riqueza petrolífera do país, e quebrou os ligamentos de dependência da Líbia com Ocidente e suas companhias petroleiras, sendo especialmente afetados os Estados Unidos e o Reino Unido.

Gaddafi pretendeu fomentar a seu pessoal uma visão do arabismo moderno, e tentou uniões com os países vizinhos que não chegaram a prosperar. Na verdade Gaddafi contribuiu à redistribuição da riqueza com a massiva construção de estradas, escolas e hospitais e a devolução do poder aos líbios, embora só através dos chamados "Comitês Populares", pois os partidos políticos estão proibidos.

Gaddafi também apoiou numerosos movimentos de libertação de outros países, alguns deles supostamente de carácter terrorista, o que significou para o coronel durante a década dos 80 a inimizade de vários países, sobretudo dos Estados Unidos. Em 1986 Reagan ordenou bombardear Trípoli e desde então fazem vários anos que a Líbia suporta um embargo internacional pela suposta implicação no atentado contra um avião da PANAM no ano de 1989.

Apesar de tudo Gaddafi mantém seu carisma e consideração entre o povo líbio, e não se enxerga uma mudança eminente no governo líbio ou na relação com as potências ocidentais.

Arte e Cultura

A riqueza cultural da Líbia vem das marcas que os numerosos povos que passaram pelo seu território deixaram. As ruinas gregas e romanas convivem com uma cultura eminentemente muçulmana e árabe que o regime de Gaddafi tem encarregado de conservar e potenciar.

Gastronomia

A cozinha libanesa, como a de toda o África Setentrional, tem o cuscus como principal prato. Como herança da dominação italiana tem ficado na dieta da Líbia numerosos pratos de massas, onde o macarrão é o protagonista. A carne de cordeiro é a mais tradicional, seguida da de camelo. Quase todas as comidas acompanham-se de uma sopa picante que costuma conter macarrão e cordeiro.

No interior pode-se experimentar pratos tipicamente saarianos como o f'taat, feito com pasteizinhos de trigo cobertos de carne e molho. Na costa pode-se comer peixe de boa qualidade.

Bebidas

O álcool está proibido na Líbia. Não há muitas opções além de bebidas gasosas muito doces. A água deve ser engarrafada.

Compras

Nas medinas e bazares, jóias e tecidos são os bens mais apreciados. Pode-se encontrar mostras de artesanato nos mercados das ruas, assim como lembranças "típicas", especialmente perto das ruinas romanas de Trípoli e em diversos centros turísticos. Não se esqueça de pechinchar.

População e Costumes

Líbia tem uma população de 5.648.000 habitantes. Os líbios consideram-se árabes, embora etnicamente são uma mistura de outras raças, como a turca, bereber e africana sub-saariana.

Ao redor de 97% da população é muçulmana suni, conservadores mas não fundamentalistas, como prova o fato de ser frequente encontrar mulheres em altos postos executivos e administrativos.

Entretenimento

Líbia é um país muçulmano muito conservador em suas formas. O álcool está proibido e a socialização entre os diferentes sexos muito limitada. Provavelmente o mais distendido seja as praias de Bengazi, onde pode-se jogar tênis e praticar alguns esportes náuticos.

Festividades

Líbia respeita as principais festas do Islão, e tem algumas festas nacionais próprias.

Os dias festivos oficiais são: 2 de Março (Declaração do Jamahiriya), 11 de Junho (Evacuação das Bases Militares estrangeiras), 1 de Setembro (Dia da Revolução) e 26 de Outubro (Dia da Dó); neste dia comemora-se aos líbios assasinados ou exiliados pela Itália: fecham-se até as fronteiras e não pode-se fazer ligações internacionais.

Transportes

Avião

O embargo internacional que sofre Líbia não lhe permite ter vôos comerciais com o estrangeiro. Normalmente, Trípoli tem boas conexões com a maioria das capitais árabes, européias e do longe Oriente. No interior, as linhas aéreas libanesas têm serviços entre Trípoli, Bengazi Sebha, os principais aeroportos, e as cidades de Ghadhames, Ghat, Tobruk e Kufra.

Barco

Em determinado dia existe um serviço entre Trípoli e Malta.

Trem

É muito mais recomendável o serviço de ônibus.

Por terra

A rede de estradas da Líbia é muito boa, e ônibus com ar acondicionado unem a maioria das cidades do país. Há taxis coletivos, mais rápidos, que podem custar o mesmo que o ônibus.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br/www.rumbo.com.br

Líbia

Com aproximadamente o tamanho dos estados do Amazonas e Amapá somados, a Líbia é o décimo sétimo maior país do mundo. A maior parte de seu território é desértica, com regiões de oásis a noroeste e planícies costeiras a nordeste.

Apesar da grande extensão de seu território, a Líbia é um país pouco povoado, com apenas 5,7 milhões de habitantes na virada do milênio. Estima-se, no entanto, que a população dobre nos próximos 19 anos, persistindo o elevado crescimento demográfico atual.

Quase metade da população líbia tem menos de 15 anos e a grande maioria dos líbios reside em áreas urbanas. Com quase dois milhões de habitantes, Trípoli, a capital, é a maior cidade do país. Etnicamente, 97% da população constitui-se de árabes líbios, enquanto berberes, africanos e turcos somam 3%.

O nome Líbia origina-se de uma tribo que viveu na região por volta de 2000 a.C. Na Antiguidade, a área foi habitada por fenícios, gregos e romanos. A queda do Império Romano deu início ao longo controle do islamismo na região, que caiu sob domínio do Império Turco-Otomano em 1517, assim permanecendo até a invasão italiana. Na primeira metade do século XIX, a região abrigou a irmandade islâmica dos sanusis, fundada em 1837 por Muhammad bin Ali.

Em 1911, a Líbia é invadida e dominada pela Itália, apesar de forte resistência. Finalmente, o país obtém sua independência em 1951 e logo torna-se um Estado rico com a descoberta de suas abundantes reservas de petróleo.

Em 1969, o coronel Muammar Kadafi assume o controle do país por meio de um golpe militar e estabelece um estado socialista com um único partido político.

Dentro de sua atuação política, Kadafi tem financiado a propagação do islamismo como forma de obter poder na região. Devido ao apoio do governo líbio aos terroristas, as relações com o ocidente têm se deteriorado. Como consequência, o país já sofreu bombardeios e enfrenta sanções aéreas e comerciais.

De maneira geral, o povo líbio é pobre e sua renda per capita anual é de US$ 6.500. Ainda assim, os líbios desfrutam de melhores condições de vida do que seus vizinhos na Argélia, no Chade ou no Sudão. Os produtos derivados do petróleo são responsáveis por quase todas as exportações do país.

O governo controla a produção petrolífera, assim como grande parte da economia, e frequentemente se vê obrigado a recrutar mão-de-obra externa em função da falta de trabalhadores qualificados.

A Qabilah, ou tribo, é a base da estrutura social da Líbia, cujas famílias têm em média cinco membros. Apesar de a educação ser pública e gratuita, dois terços da população adulta não possuem educação formal. A assistência médica também é gratuita e bastante acessível, mas ainda é deficiente nas áreas rurais.

O islamismo chegou à Líbia proveniente da Arábia e do Egito no fim do século VII. Atualmente, 95% dos líbios são muçulmanos, quase todos de tradição sunita. Alguns grupos da população muçulmana lutam pela instituição de um estado islâmico.

Restrições e liberdades

A liderança do país afirma publicamente sua preferência pelo islamismo. Qadhafi estabeleceu a Sociedade Apelo Islâmico (SAI), que é o braço islâmico da política externa do governo e é atuante no mundo todo. O SAI é também responsável pelas relações com outras religiões, inclusive as igrejas cristãs do país. O objetivo principal do SAI é promover uma forma moderada de islamismo que reflete o ponto de vista religioso do governo.

As pessoas raramente são maltratadas devido suas práticas religiosas, a menos que tais práticas sejam percebidas como tendo uma conotação política.

As igrejas cristãs, compostas quase que exclusivamente de estrangeiros, operam livremente e são toleradas pelas autoridades. Existe uma pequena comunidade anglicana, composta em sua maioria de trabalhadores imigrantes africanos que estão em Trípoli. Há igrejas Unidas em Trípoli e Bengazi. A igreja católica é atendida por dois bispos – um em Trípoli (atendendo a comunidade italiana) e um em Bengazi (que atende a comunidade maltesa).

Os padres e freiras católicos trabalham em todas as principais cidades costeiras e há um padre na cidade de Seba, no sul. A maioria deles trabalha em hospitais e com deficientes. Eles desfrutam de boas relações com o governo. Existem também padres coptas e gregos ortodoxos tanto em Trípoli como em Bengazi.

Os cristãos estão restringidos pela falta de igrejas e existe um limite do governo de uma igreja por denominação em cada cidade. O governo deixou de cumprir uma promessa feita em 1970 de dar à igreja anglicana edifícios alternativos quando ele tomou a propriedade usada pela igreja. Desde 1988 os anglicanos compartilham uma propriedade com outras denominações protestantes.

Os cidadãos líbios têm de ter a entrada recusada nas igrejas.

Não se podem ser importadas Bíblias em árabe legalmente.

As igrejas não podem receber dinheiro do exterior.

Qadhafi tem enfatizado a aplicação geral do islamismo, mas ele mesmo reafirmou a condição especial designada por Maomé aos cristãos. Entretanto, ele os liga a muçulmanos desviados que se têm se afastado do caminho certo. Além disso, ele assumiu a liderança de uma campanha para eliminar o cristianismo da África, bem como do colonialismo, com o qual o cristianismo tem sido associado.

É muito difícil de penetrar na Líbia com o evangelho. O correio é censurado, os contatos pessoais tendem a ser fortemente monitorados e os estrangeiros são vigiados de perto.

A Igreja

O cristianismo possui raízes antigas na Líbia, mas seu fracasso inicial de evangelização dos berberes, em conjunto com o enfraquecimento causado pelo cisma donatista, deixou-o à mercê do avanço islâmico no século VII.

O cristianismo acabou praticamente eliminado e, atualmente, há apenas alguns milhares de cristãos líbios, a maioria constituída de trabalhadores estrangeiros.

História da Igreja

Primeiro século

É muito provável que o Evangelho tenha sido pregado por missionários com informação de primeira mão. Simão, que ajudou Jesus carregar Sua cruz, era de Cirene, que ficava perto da cidade hoje chamada Bengazi e em Atos 11:20 lemos a respeito de homens de Cirene que eram missionários ativos.

A "Pax Romana" – o período de relativa paz sob o domínio romano – tornou possível um rápido crescimento da Igreja.

177 – 313 - Os anos de liberdade para os cristãos são intercalados por períodos de feroz perseguição, que tiveram o seu ápice com os imperadores romanos Marco Aurélio, Sétimo Severo, Décio, Valeriano e Deocleciano. O Édito de Milão do ano 313 garantiu a liberdade de religião no império romano.

533 até o Século 7 - A Líbia faz parte do Império Bizantino (leste de Roma). De 640 em diante a região é conquistada pelos exércitos árabes muçulmanos. Entre as regiões do oeste do Nilo, o islamismo espalhou-se mais rapidamente na Líbia. O país perdeu o núcleo da população cristã quando uma tribo bérbere, os Louata, levaram o seu bispo para o Marrocos.

Século 17 - Os franciscanos vão à Líbia. Não encontram nenhum cristão nativo e não têm sucesso em sua missão.

1889 - A Missão Norte Africana estabelece uma base em Trípoli. Eles não têm sucesso em estabelecer um Igreja líbia indígena, nem qualquer outra missão.

1911 – 1943 - Sob o regime italiano cresce consideravelmente o número de fiéis católicos, devido à entrada de obreiros italianos convidados. Em 1941 havia 110.000 católicos vivendo na Líbia.

1951 - A Líbia torna-se independente.

1969 - Um grupo de oficiais ambiciosos do exército dão um golpe e tomam o poder. A partir daí Qadhafi governa a Líbia com mão de ferro.

1994 - As autoridades líbias abolem o calendário gregoriano e o substituem pelo calendário lunar islâmico. No mesmo ano o âmbito da lei da sharia é ampliado com sete novas leis.

A Perseguição

Ainda que a Líbia seja um estado laico, seus líderes prestam grande respeito ao islamismo, conferindo-lhe um papel ideológico na sociedade. O governo exige o respeito às normas e tradições muçulmanas e a submissão de todas as leis à sharia, o código legal islâmico.

Outras leis institucionalizaram a doação financeira, que é uma das cinco obrigações rituais de um seguidor islâmico, estabelecendo uma taxa de 2,5%. Ao mesmo tempo, o governo tem feito algumas concessões aos cristãos, permitindo cultos em igrejas e, às vezes, a entrada de missionários estrangeiros para trabalhar em programas de desenvolvimento.

As autoridades não gostam que os cristãos se reunam fora dos templos oficiais. Isso ficou claro em abril de 2000 quando oito cristãos ganenses e nigerianos foram detidos.

Os homens em questão tinham uma coisa em comum: cada um deles dirigia um grupo em célula, que se reunia numa casa durante a semana além do culto regular no templo oficial. A polícia os deteve em seus empregos, dizendo-lhes que eles eram necessários para alguma coisa no serviço de educação.

Eles foram levados em carros não identificados e vendados. Num local que não parecia uma delegacia de polícia seus cabelos foram cortados. Alguns deles foram pendurados de cabeça para baixo, enquanto outros foram suspensos pelos braços na posição vertical.

A polícia fez perguntas aos homens, e se eles não gostavam da resposta, deixavam-nos por mais uma hora e voltavam depois para fazer a mesma pergunta.

Eles fizeram muitas perguntas sobre sua igreja e se ela tinha alguma ligação com organizações nos Estados Unidos ou na Europa. Eles também queriam saber se estavam sendo enviadas informações para o Ocidente. Eles estavam especialmente preocupados com os grupos em células.

Durante a detenção a polícia entrou nas casas de todos os homens e confiscou qualquer coisa que tivesse a ver com as reuniões dos grupos em células. Um dos detidos foi solto depois de cinco dias; os outros depois de nove dias. Em seguida às detenções, sete deles foram expulsos de suas casas pelos proprietários. Numa ação semelhante um grupo de uma igreja filipina foi despejado do lugar onde se reunia.

O Futuro

A igreja líbia cresce em um ritmo moderado. Estima-se que em 2050 terá cerca de 500 mil membros ou apenas 4% de toda a população do país. É provável que a perseguição continuará sendo esporádica, com casos isolados de reações mais contundentes contra a evangelização.

Motivos de Oração

1. A igreja desfruta de alguma liberdade. Ore para que a igreja continue a fazer uso efetivo de tais liberdades e compartilhe as Boas Novas de Jesus Cristo por toda a nação.

2. Missionários oficiais não são permitidos. Existem áreas em que há espaço e abertura para profissionais cristãos e missionários que exerçam uma segunda atividade. Ore para que cristãos de todo o mundo tornem-se profissionais destas áreas e busquem servir aos líbios no amor de Jesus Cristo.

3. A igreja resiste a um governo que financia a propagação do islamismo. O governo líbio dá à religião islâmica um papel de destaque e contribui com missões muçulmanas em todo o mundo. Ore para que os líderes da Líbia conheçam a Cristo.

4. Há no país pressões islâmicas para estabelecer um governo teocrático. Radicais na Líbia têm conclamado insistentemente o estabelecimento de um Estado islâmico no país. Até agora o governo tem resistido aos apelos e pressões. Se Kadafi deixar o poder, não se sabe com certeza que tipo de governo vai sucedê-lo. Ore pela manutenção do estado laico e das liberdades que os cristãos encontram nele.

Trípoli, a "noiva de branco do Mediterrâneo"

Trípoli é a capital da Líbia, pais do norte da África. Os líbios chamam sua capital de Tarabulus al-Gharb, que significa Trípoli do Ocidente. Denominada Oea na antiguidade, Trípoli foi fundada pelos fenícios por volta do ano 500 A.C. Sob os romanos Oea formava as Trípolis (três cidades) junto com Sabratha e Leptis Magna.

No passado Trípoli era conhecida como "a noiva de branco do Mediterrâneo". Hoje em dia ela tem uma população de aproximadamente dois milhões de habitantes e é o principal centro comercial e cultural da Líbia e o porto principal. Trípoli tem uma das quatro universidades nacionais, a Universidade Al-Fatah.

No passado visitamos em Trípoli: a Igreja Católica Romana São Francisco (onde as missas são realizadas em várias línguas: árabe, italiano, francês, polonês, coreano e inglês), a Igreja Anglicana-Episcopal de Cristo o Rei (onde se reúne um pequeno número de crentes estrangeiros) e a Igreja Unida de Trípoli (um associação interdenominacional de cristãos).

No templo da Igreja Unida um número de associações evangélicas, que consiste de estrangeiros de muitos países – principalmente africanos - se reúnem.

Oficialmente, não existem cultos em árabe. Entretanto, comenta-se que igrejas domésticas secretas árabes – até com pessoas líbias – existem e acontecem batismos lá. Sabemos da existência de apenas uns poucos cristãos indígenas de origem líbia.

Obtemos com alguns missionários independentes a informação que toda uma família líbia foi batizada no ano de 2000. No mesmo ano um irmão egípcio foi detido ao atravessar determinada fronteira levando Bíblias do Egito no seu carro.

Também em 2000 os líderes da Igreja Unida foram detidos porque as autoridades descobriram algumas reuniões secretas nas casas. Eles foram mandados para casa com a advertência expressa de se reunir somente no templo. Finalmente, ouvimos falar de cristãos de um país vizinho que estão evangelizando entre os líbios e tentam achar emprego para os novos crentes.

Fonte:  www.geocities.com

Líbia

História

Mesmo que ela não desfruta do mesmo prestígio como seus vizinhos Egito e Tunísia, a Líbia já participou várias vezes no "grande história". Sua posição entre o Magrebe e no Egito foi uma ponte necessária para os impérios que controlavam as margens do Mediterrâneo, romana, árabe e domínio otomano.

A proximidade do Sahel tem também uma participação na penetração colonial da África negra. Finalmente, as batalhas de Tobruk e Hakeim Bir el-Alamein (Egito, mas da fronteira da Líbia) durante a Segunda Guerra Mundial reflete o papel estratégico desta parte do lado sul do Mediterrâneo.

As origens

A partir do segundo milênio aC. JC, Lebous instalado na Cirenaica eram um povo temia os egípcios. Pouco depois Tripolitânia implantação contadores pelos fenícios e pelos cartagineses, gregos fundada por volta de 630 aC Cirene. JC, que então passou sob a tutela dos Ptolomeus do Egito.

Os romanos unificou o país, que era então uma região agrícola rica do império, estendendo-se até as garamantes de Fezzan. Se os árabes através do território da atual Líbia em 642, arabização data apenas do século XI. Desde 1711, os turcos governaram sobre a Líbia com o controle territorial ainda é relativamente novo, o janízaro, Ahmed Pasha Karamanli, estabeleceu uma dinastia que irá governar o país até 1835, quando a administração direta de Istambul restaurada.

O Império Otomano tinha feito na sede Tripoli ocidental de uma de suas províncias (wilayet), mas apenas Tripolitânia alguns e guarnições de depender Portão Ghat. Cirenaica, a Kufra e do Lago Chade, Senousis fraternidade, de el-Beida e sua rede de Zaouiya, um transsaharien malha tecida como a França, Itália e Grã-Bretanha deslocar.

Fronteiras são estabelecidas gradualmente, isolar a Líbia em sua dimensão mediterrânica. Até 1881-1882, a França ocupando Tunísia e Egito britânico, o Porte controlava a província de Trípoli e rotas trans-saarianos comerciais na área onde a margem sul do Saara é o mais próximo do Mediterrâneo.

Os tripolitains Tunísia transfronteiriços ser definida entre 1881 e 1911, as de Djanet e Bilma Ghat entre 1874 e 1916, aqueles de Salum-Siwa entre 1882 e 1916 (este último será estendido ao longo do meridiano 25 Leste). Quanto à fronteira com o Níger eo Chade, permanece controversa e fonte de tensão, ocupando a Líbia para uma banda Aozou tempo.

Era colonial italiana

Iniciada em 1911, a penetração militar italiano foi recebido com resistência de Cirene. Foi seguido de colonização agrícola, especialmente nos Djeffara. Em 1940, 100.000 italianos se estabeleceram em Líbia. Durante a Segunda Guerra Mundial, as forças do Eixo, lideradas por Rommel no Afrika Korps, incluindo aqueles lutou contra os Aliados, liderados por Montgomery e Auchinleck.

Em 1949, a Grã-Bretanha passou a Idris Senousis no trono. Mas o processo de construção do Estado é interrompida pelo imperialismo europeu e Grã-Bretanha promove a independência da Cirenaica em 1949 sozinho. Um estado federal Tripolitânia-Cirenaica, Fezzan foi criada em 1951, dirigida por Idris I.

Líbia de Kadafi Neste Saara sem fronteiras, árabe e islâmico, que se encaixa a ação de Muammar al-Gaddafi. A descoberta de petróleo eo enriquecimento súbito do país na década de 1960 havia minado as estruturas feudais ainda. Idris I foi deposto por um golpe militar em 1 de setembro de 1969, após o qual foi criado o Conselho Revolucionário, liderado por Gaddafi. Pan-árabe reformista religioso, o novo governante de Trípoli é muito "nasserista" para se tornar islâmico.

Tentativas de união com outros países - Sudão e Egito (1969), Egito e Síria (1971), Egito (1972), Tunísia (1974), Síria (1980), Chade (1981), Marrocos (1984), Sudão (1990) - e expansionista impulso para o Sahel mostram uma consciência de pertencer a um mundo beduína árabe-islâmica, em vez de um território bem definido. A política internacional Gaddafi está se movendo sempre para a busca da unidade da Líbia com outros países árabes. Mas seus sindicatos improvisados levar a falhas.

Por outro lado, a intransigência de Kadafi em relação a Israel o levou a condenar a política de Anwar Sadat, a ponto de o Egito com um conflito armado breve (Julho de 1977).

Gaddafi também interveio no Chade e na banda levou Aozou (1973), as suas tropas de apoio ao governo de transição nacional unidade (Gunt) contra Habré, ocupou o norte do país. Severas perdas em 1987 forçou o governo a reconhecer a Líbia H. Habré e negociar, em 1989, a evacuação da Aozou banda em troca de prisioneiros da Líbia Chade.

Agitação da Líbia na Opep mais sucesso: Tripoli sempre defendeu um aumento nos preços do petróleo e uma correspondente diminuição na produção. Líbia cortou suas vendas entre 1970 e 1974, e novamente de 1974-1987 (embora outros parceiros discurso semelhante aumentaram sua produção).

Mas o seu peso na OPEP diminuiu com o aumento da Arábia Saudita após a Guerra do Golfo (1991). A Líbia é frequentemente confrontados com os interesses ocidentais.

Tendo nem os recursos humanos nem as operações capacidade organizacional suficientes semelhante a um "gesticulação" de alcance limitado. Sinais de moderação surgiu desde o final de 1980 devem ser incluídas no projeto de uma nova tática de Trípoli.

Assim, durante a Guerra do Golfo, Líbia, condenando a intervenção dos Estados Unidos, tem se distanciado de Bagdá. Após as falhas de união e bombardeio americano de Trípoli e Benghazi (1986) - em retaliação contra ações terroristas provavelmente patrocinados por Tripoli - "realpolitik" levou o presidente do Comando Revolucionário (RCC) O coronel Gaddafi, para se concentrar na reestruturação econômica do país, apesar das sanções impostas pela ONU em 1992: um embargo militar e aéreo deve golpear a Líbia por não ter entregue os suspeitos envolvido nos ataques aéreos 1988 (PanAm Boeing Company) e 1989 (DC-10 da UTA).

GEOGRAFIA

Fronteiras do Egito, Sudão, Chade, Níger, Argélia e Tunísia, o país que se estende por 1759540 km ² (três vezes o tamanho da França), à beira do Mediterrâneo. Se o ambiente físico parece inóspito e estéril, no entanto seu rico subsolo está na origem do seu desenvolvimento econômico recente.

Líbia ocupa, com a Argélia, a parte central do Saara. Menos rígida do que o resto do grande deserto Africano, seu território foi dobrado durante a inundação que cobriu por grossas assentos sedimentares. Estas séries rasgado em casas grandes afloramentos revelou em altas altitudes de rochas metamórficas de uma cadeia de idade Africano alterada por efusões vulcânicas, como o Hoggar e Tibesti.

O fluxo de água nos vales antigos para áreas de subsidência na parte norte do país. De Fezzan se move para o norte cama fóssil de um rio que corria a partir do Golfo de Sidra Tibesti. Estes são cobertos por áreas secas paleovales enormes de seixos (regs) e areia (ergs).

Ao longo da costa estende-se uma estreita planície costeira, deserto no centro. Sul da região costeira da Cirenaica espalha a Sarir grande depressão de areia e pedra. Sul-oeste da capital sobe para menos de 1.000 metros, Jebel Nefousa, bar maciço no sul de Trípoli.

O Akhdar Jebel, Cirenaica, com vista para a zona costeira nordeste de Benghazi. As terras altas do Hamada el-Homra e Mourzouk são entre 600 e 800 m. A cúpula vulcânica de Jebel el-Aswad al-Haroudj (1.200 m), no centro do país. Na fronteira do Chade, o Tibesti aumenta para 3.376 m.

População

Com 620 mil imigrantes, a Líbia tem 5,5 milhões de habitantes, dos quais 90% estão localizadas nas baladiyats (distritos administrativos) de litoral. O resto do país é ocupada apenas esporadicamente. Densidade fraca (3,1 h./km2) é, portanto, inútil.

A taxa de crescimento natural da população manteve-se muito elevada (3,4% ao ano), mantendo a natalidade comportamento (do nascimento aos 44 ‰, a taxa de fecundidade total de 6,4) e da queda dramática mortalidade, especialmente para crianças pequenas.

O afluxo de trabalhadores estrangeiros também contribui para o aumento global da população. O número de imigrantes (84.000 em 1970) atingiu o pico em 1985 (800.000), antes de descer um pouco depois. Esses trabalhadores vêm principalmente de países árabes, incluindo o Egito (25%) e Tunísia (20%).

ECONOMIA

Agricultura

Deserto agricultura até 1980, a Líbia tem investido fortemente na água e agricultura. No oásis de Kufra, pivô criação de 100.000 ha multiplicou por 20 a produção de grãos desde o início de 1970. Iniciado em 1984, o gigantesco projeto do "grande rio artificial" de 5.000 km de tubulações subterrâneas, ele vai passar 6 milhões de metros cúbicos por dia de água subterrânea Tazerbo, Sarir e Kufra para o reservatório gigante Ajdabiya.

O norte (Cirenaica Sirte) deve beneficiar muito: 135 mil ha será irrigada.

Óleo

Petróleo começou a ser explorado em 1961. Ouro negro revolucionou a paisagem ea sociedade. Dos 30 campos de petróleo no sul do Golfo de Sidra escapa de uma rede de oleodutos e gasodutos atingindo cinco terminais equipados para receber super petroleiros.

Redes de telecomunicações e de terra e ar - como muitos como 45 aeródromos disponíveis para jatos executivos em uma província petrolífera único - ter garantido as áreas de serviço de produção. Trabalhadores se reuniram para o "óleo Sahara", mas também, e sobretudo para as áreas de emprego diversificada Trípoli e Benghazi. Na indústria e construção, os estrangeiros superam os líbios.

Eles também são mais do que um terço dos trabalhadores (educação, saúde) e os trabalhadores de escritório. O influxo de trabalhadores, feita pela primeira vez pelo trabalho necessário grande desenvolvimento resultou na triplicação da população entre 1970 e 1990.

Ao contrário de muitos outros produtores de petróleo árabes, que favoreceu a reciclagem dos petrodólares em finanças internacionais, a Líbia gasta 80% de suas receitas de petróleo para investimentos em desenvolvimento.

Indústria

A riqueza do petróleo tem levado a industrialização na água. No início de 1980, foram realizados complexos químicos. A usina siderúrgica capaz de produzir 800 mil toneladas de aço por ano, surgiu. Fábricas de fertilizantes e de alumínio também limitar o uso de importações.

Atividades terciárias

Prova de modernização do país, as atividades do setor terciário fornecer mais de metade do PIB. A criação de uma administração, os rápidos avanços na educação, esforço, saúde e na criação de infra-estrutura de transporte e de comunicação ajudou a aumentar o emprego. No entanto, o comércio é afetado pelo monopólio estatal e lojas de fechamento de negócio privado de pequeno porte.

Os principais parceiros comerciais são os países europeus, com a Alemanha ea Itália e Grã-Bretanha e França. O embargo contra a Líbia, declarou em 15 de Abril de 1992, pela Organização das Nações Unidas e prorrogado várias vezes, mais recentemente em Julho de 1998, atingiu as rotas.

O fornecimento de armas, muito grande durante a década de 1980, também são afetados pela retaliação internacional. Apesar de alguns grandes investimentos, a Líbia não tem contrato de longo prazo da dívida ou empréstimo grande no mercado internacional.

Fonte:  www.afrique-planete.com

Líbia

Capital: Tripoli

População: 6,1 milhões (2008)

Língua oficial: árabe

O grupo majoritário: Arab Jamahiriya (67,5%)

Grupos minoritários: árabe egípcio (9,7%), árabe marroquino (4,4%), sudaneses árabe (4,4%), berbere nafusi (3,5%), Tunísia árabe (3,1%), o árabe palestino (1%), Punjabi (1%), árabe Hassaniyya (0,7%), Domari ((0,6%), Itália (0,4%), sérvio (0,4%), Sinhala (0,2 %), berbere Tamahaq (0,2%), Coréia (0,1%), Inglês (0,1%), filipinos (0,1%), berbere Ghadames (0,1%), Zaghawa (0,1 %), francês (0,1%), grego (0,1%), Berber sawknah (0,1%), Malta (0,1%), etc.

Línguas coloniais: inglês italiano, francês

Sistema político: governo provisório

Artigos constitucionais (linguagem): o artigo 2 º da Constituição de 11 dez 1969 , conforme alterada 2 de março de 1977

Leis da língua: circulares, decretos e outras leis (inacessível)

Líbia é um país da África do Norte, abriu, no Mar Mediterrâneo. Ela compartilha faz fronteira com seis países.

Alguns são parte dos países árabes: Egito, a leste, a Argélia, a Tunísia, a oeste e noroeste.

Outros já pertencem a África Negra: Sudão ao, sudeste do Chade e Níger ao sul. Líbia, o terceiro maior país em África após a Argélia e Sudão, tem uma área de 1759540 quilômetros ² três três França.

O país tem duas ilhas do clima mediterrânico na Cirenaica norte, oeste Tripolitânia, no leste.

O deserto ocupa 90% do território, e consiste em três regiões: o norte do deserto de Sirte, o deserto da Líbia (ocupando parte da Líbia e Egito), o Fezzan (sudoeste da Líbia trimestre saariana). na costa do Mediterrâneo de 1770 km de comprimento se concentra a maioria da população (90%).

O nome vem da Líbia Libou tribo, que ocupou a costa do Mediterrâneo no primeiro milênio aC. Sob o Império Romano, o termo passou a designar toda a África no oeste do Nilo. Em 1911, os italianos deram esse nome para aplicar para a região de Trípoli e em todo o país.

População

População da Líbia foi estimado em 6,1 milhões em 2008. Os trabalhadores estrangeiros e suas famílias representam quase 20% da população total e 50% da força de trabalho. Eles vêm principalmente do Egito, Sudão e Sahel (Níger, Chade, Nigéria, etc) .. Os líbios são na sua maioria de origem berbere. Eles foram arabizadas cedo o suficiente com a expansão do Islã de leste a oeste, impulsionada por tribos árabes do Século VIII.

O Islã é a religião do Estado e, desde 1994, a lei, a Sharia islâmica se aplica em matéria de direito. Quase toda a população líbia é muçulmana sunita. Islam líbio continua organizada em torno de fraternidade religiosa Senoussi. O árabe é a língua oficial, embora berbere ainda é falado, especialmente nos oásis e montanhas de Tripolitânia e Cirenaica.

Dados Históricos

Parece que a Líbia deve o seu nome à Libou tribo da região de Cirenaica. Mahouach com o Libou supostamente atacou Egito faraônico do século XII aC.

Alguns deles teria permanecido na Líbia e no Egito teria se tornado mercenários dos faraós, incluindo a dinastia XXI. Como o historiador grego Heródoto menciona que não há duas dinastias, a partir de 945 aC, foram líbio. É o nome da Líbia (Líbia) nos historiadores gregos, que usou para designar todo o norte de África, exceto o Egito.

Fenícios, gregos e romanos

A partir do século VIII aC, os fenícios fundaram postos comerciais na costa de Trípoli (oeste). No século seguinte, a região de Cyrenaica (leste), foi colonizada pelos gregos. Finalmente, durante o primeiro século aC, as três regiões que compõem a atual Líbia - Tripolitânia, Cirenaica e Fezzan - veio sob o domínio romano. Líbia, tão rica e fértil, se tornou um dos celeiros do Império Romano. O país foi rapidamente latinizado.

Alguns séculos mais tarde, o país começou um longo declínio após a inundação de áreas costeiras pelos vândalos em 455, então eles foram reconquistada pelos bizantinos de 533.

A árabes e normandos

Para o século VII, mais precisamente em 641, os árabes conquistaram Cirenaica e Tripolitania primeiro. Essas regiões foram gradativamente islamizada e arabizadas, exceto o povo berbere que islamisèrent sem arabizar. Conquistadores muçulmanos não chegou ao Fezzan deserto em 666. Posteriormente, a região experimentou até o século XIX uma história distinta. Desde o século XIII, ficou sob a suserania do império de Kanem-Bornu Chade. No século XVI, houve uma dinastia fundada por marroquinos Sharifian.

Cirenaica e Tripolitania, os berberes resistiu árabe juntando o Carijismo. Ele era um movimento dissidente Islã legalista. No século XII, estas regiões foram parcialmente conquistada pelos normandos, que logo abandonou os almóadas.

A otomanos e italianos

A partir de 1551, Cirenaica e Tripolitania mudou lealdade e ficou sob domínio otomano. A cidade de Trípoli e os portos do litoral serviu de base para corsários turcos. Em várias ocasiões, o Ocidente tentou frear o entusiasmo dos otomanos estabeleceram na Líbia. No século XX, a irmandade Senussi (nome do fundador da Al-Sanusi), que controlava a região da Cirenaica em meio século, dirigiu a resistência contra os italianos que empreendeu a conquista da Líbia em 1911.

Finalmente, o Império Otomano teve que desistir de seus direitos sobre a Líbia em 1912.

No entanto, a conquista italiana só terminou em 1932 no Fezzan. Italianos fundiu três regiões históricas (Tripolitânia, Cirenaica e Fezzan) em um Jamahiriya colônia, que se torna uma "província italiana" em 1939.

A dominação italiana provou desastrosa para os líbios: entre 1911 e 1945, os italianos exterminados ou forçados ao exílio metade da população local.

Durante este tempo, eles impuseram sua língua na administração do país. Sob o regime colonial, italiano era a língua de instrução nas escolas, mas apenas um pequeno número de crianças muçulmanas poderiam frequentar essas escolas.

O governo federal

Reino da Líbia

Após a Segunda Guerra Mundial, a França ea Grã-Bretanha divide o país. Guarnições francesas permaneceu no Fezzan até 1955. Líbia era através da ONU a primeira colônia Africano para ganhar a independência em 1951.

O país formou um reino federais formado pelas três regiões históricas: Tripolitânia, Cirenaica e Fezzan. A Assembleia Nacional nomeou o emir Idris Muhammad as-Sanusi, chefe da irmandade Senussi, como o rei tomou o nome de Idris. Em 24 de dezembro de 1951, o rei Idris I. proclamou a independência do Reino da Líbia. Líbia juntou a Liga Árabe em 1953 e as Nações Unidas em 1955.

O novo Estado beneficiou da assistência econômica e técnica da Grã-Bretanha, França e Estados Unidos, tendo em vista a manutenção de bases militares no país. Além disso, a influência do Francês e Inglês começou a ser sentida na administração da Líbia.

No entanto, a descoberta de jazidas de petróleo em 1958 e 1959, iria alterar a posição da Líbia e as negociações para a retirada das tropas estrangeiras começaram em 1964. Líbia estabeleceram relações diplomáticas com a União Soviética em 1956, mas rejeitou propostas de ajuda econômica dos soviéticos. Para atender os requisitos relacionados com a produção de petróleo, o federalismo foi abolida em 1964.

Em seguida, tornou-se rapidamente sentir a tensão no país e um clima de descontentamento crescente resolvido, enquanto, ao mesmo tempo, o pan-arabismo foi crescendo no mundo árabe. A crescente subordinação do país aos interesses ocidentais causou tumultos que foram rapidamente reprimidas.

Revolução e da República

01 de setembro de 1969 começou uma nova era na história da Líbia, quando um golpe militar liderado pelo capitão Muammar Kadafi, que foi de 27 anos derrubou a monarquia - Rei Idris foi em spa na Grécia - e proclamou a República Árabe Líbia sem causar qualquer derramamento de sangue. O governo revolucionário liderado por Gaddafi nacionalismo intransigente DISPLA imediatamente e exigiu a evacuação imediata de bases britânicas e americanas.

Em 1970, Gaddafi expulsaram os membros da comunidade italiana permaneceu na Líbia após a independência (1951), cerca de 25 mil descendentes de colonos italianos foram forçados a deixar o país o mais rápido possível.

As estruturas de mera cópia de regime com as do Egito de Nasser. Matéria de educação, administração e cultural foram totalmente arabizadas. Política de línguas de arabização e foi um combate anti-italiano, anti-Inglês (americano) e anti-francês.

Uma ordem foi emitida exigindo que todos os sinais, placas de rua, sinais de lojas, etc., Deve ser escrito apenas em árabe. Esta política de arabização atingiu o seu pico em 1973, quando um decreto exigia que os passaportes de pessoas que procuram entrar no país contêm nenhuma informação pessoal em árabe, um requisito que foi escrupulosamente respeitado.

Em 1973, as companhias de petróleo foram todas nacionalizadas. 'S Novo líder líbio também afirmou a sua determinação em desempenhar um papel maior nos assuntos do Oriente Médio e Norte da África, e caiu no mundo de unificar o árabe e muçulmano.

Líbia
O coronel Gaddafi

Gaddafi em 1976 publicou seu famoso Livro Verde. Neste livro, ele tirou suas idéias sobre a democracia, os problemas econômicos e as bases sociais da "Terceira Teoria Universal". Este livro mostrou a sua oposição à "democracia ocidental", o que ele considerou uma "ditadura". Ele se opôs à violência por qualquer oposição interna como fora do país. No Livro Verde, Khadafi se opôs ao enriquecimento pessoal, uma vez que tal transformação não pode ser alcançada à custa de outros.

Em 1977, Khadafi proclamou Jamahyria, uma palavra árabe que pode ser traduzido como "república das massas". Ele montou um sistema de "democracia direta" através de Comitês Populares. Na prática, o sistema político permaneceu Gaddafi da Líbia que coberto por reforçou seu poder pessoal e impôs alguma ditadura.

O regime líbio radicalizou. Voz qualquer oposição ou tentando expressar pontos de vista diferentes daqueles ditados pelo regime de Gaddafi foram suprimidos.

Em 1980, Kadafi rompeu com a Al-Fatah, a ala militar da Organização Organização de Libertação (OLP), que ele defendeu, por isso, a ala mais radical. Outros movimentos nacionalistas revolucionários receberam o apoio financeiro e logístico do regime de Kadafi, em nome do anti-imperialismo foi dirigido principalmente contra os Estados Unidos.

O isolamento

A política externa da Líbia com base em condenação arabismo, violenta de "imperialismo ocidental", suporte para movimentos separatistas em todo o mundo e de intervenção nos países vizinhos ajudaram a isolar a Líbia da comunidade Internacional porque o regime foi acusado de ajudar a organizações terroristas internacionais. Muammar Gaddafi se tornou o pária do mundo. O presidente egípcio, Anwar Sadat, o chamou de "louco vizinho" o presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, foi chamado de "cachorro louco".

Neste contexto, os Estados Unidos em abril de 1986 liderou um ataque aéreo sobre a Líbia, que era de uma centena de vítimas. Enquanto EUA incursões provocaram grandes danos e muitas vítimas fizeram protestos formais que provocou por parte dos países árabes e da União Soviética.

Além disso, a Líbia foi novamente acusado pelos Estados Unidos, Reino Unido e França para ser envolvido em dois ataques aéreos contra aviões de passageiros, um avião americano que explodiu em 1988 sobre Lockerbie (Escócia), outro francês que caiu em Ténéré em 1989. Em 1992, um embargo aéreo e militar foi decidido pelo Conselho de Segurança da ONU, que amplia o embargo de forma unilateral pelos Estados Unidos em janeiro de 1986.

Internamente, o coronel Gaddafi levou para os berberes de seu país. Todos os ativistas berberes e porta-vozes foram detidos, presos ou liquidada. Em junho de 1985, um berbere jovem, Ferhat Ammar Hleb, foi enforcado em praça pública em sua cidade natal (Zouara). Ele havia estudado nos Estados Unidos e era conhecido por sua favoráveis à causa berbere.

O regime líbio acusado de ter contatos com dissidentes líbios nos Estados Unidos e condenado à forca. Língua berbere foi proibido em público, livros escritos em berbere queimado. Ativistas berberes, como todos os adversários continuaram para o exílio, onde foram assassinados pelos agentes do serviço secreto do regime líbio. Kadafi proibiu o ensino de qualquer língua estrangeira.

Ao mesmo tempo, os retratos de Kadafi coberto todo o país nas fachadas dos edifícios, nas lojas e hotéis, em outdoors, etc. Foi possível ver Muammar Gaddafi em todos os momentos de sua vida em golpe coronel uniforme jovem, vestida de líder Africano venerável no cabelo sessenta preto, etc.

No final da década de 1980, o regime de Gaddafi teve que enfrentar a oposição de movimentos islâmicos, o mais famoso da Irmandade Muçulmana. Para contrariar o surgimento do Islã, o regime líbio adotado a sharia como a base do direito da Líbia, em 1994, ao liderar uma forte repressão contra a Irmandade Muçulmana. Muammar Gaddafi declarou que a linguagem permitida no céu é a do Islã, do Alcorão em árabe.

Coronel habilmente utilizado a ameaça do islamismo para obter a cooperação dos países do Egito e árabe-muçulmano, muitos cidadãos que vivem e trabalham na Líbia e eram susceptíveis de ser expulso, como dezenas de milhares de egípcios e sudaneses eram em 1995.

A flexibilização

A fim de quebrar o isolamento de seu país, Gaddafi também multiplicou viagens nos países da região do Sahel (Níger, Nigéria), anunciou a retomada dos investimentos líbios no Sudão e Mali e renovou com o Chade. Além disso, ele recebeu o apoio do presidente Sul Africano, Nelson Mandela, que visitou a Líbia em outubro de 1997, criticou o embargo da ONU e pediu a sua prisão. Em junho de 1998, a OUA decidiu unilateralmente suspender o embargo aéreo sobre a Líbia.

Em junho de 2003, Muammar Kadafi, o "Guia da Revolução", anunciou seu desejo de privatizar ele mesmo havia nacionalizado em 1969, incluindo aqueles que corriam o petróleo, a principal fonte de renda do país. A abolição das empresas públicas respondidas irá exibir, reabilitar e desenvolver a economia nacional.

Gaddafi acusou o público líbio como "irresponsável", porque eles iriam perder bilhões de dólares devido à falta de moralidade, experiência e patriotismo. Ele estimou que partem da economia em grave perigo agora precisa evitar. Em novembro de 2004, Kadafi anunciou que ele queria ver a pena de morte abolida em seu país.

Ele disse que, diante de uma platéia de juízes, advogados e acadêmicos, que a decisão não era de forma motivada por pressões externas. Por algum tempo, as empresas americanas e italianas foram capazes de ganhar contratos com a Líbia, como o que eles conseguiram para "agradar" o "Guia da Revolução".

Gaddafi perseguiu seus sonhos: queria unir o Estado e se juntar ao Saara e os países árabes em uma união pan-árabe de grande porte. Mas todos os seus planos fracassaram.

O regime está preparado para abrir o campo do turismo muito lucrativo. Ele também pediu que o regime a rever a sua política de arabização a todo custo e fazer compromissos com o idioma Inglês. Muammar Gaddafi afirmou enquanto William Shakespeare foi realmente um árabe chamado "Sheikh Spir."

Felizmente, há muito tempo que os líbios não cuidar de seus devaneios "guia" e tornou-se mais ilusões. O lado extravagante e "Guia da Revolução" imprevisível, suas tiradas mesmice alienado muitas pessoas, incluindo seus vizinhos árabes. Muitos acreditavam que se o "guia" estava à procura de um mundo melhor, que era só para ele e seu clã.

Até então, a abertura externa do regime foi acompanhada de nenhuma maneira nova liberdade para líbios. Muammar Gaddafi continuaram a afirmar que os líbios se um "democracia pura", enquanto ocidentais sistemas parlamentares seria, de fato, que "ditaduras disfarçadas."

Em S filho, Seif al-Islam Kadafi, que queria ser um reformador, foi cotado para sucedê-lo Muammar Kadhaf me mudei cercado por um grupo de mulheres armadas -. seu "Amazonas" - e amado plantar a sua tenda beduína, onde foi mesmo uma visita oficial.

Como para as minorias, Gaddafi não usava em alta estima, especialmente os berberes (Amazigh).

Em um "discurso à nação", emitido em 01 de março de 2007, por ocasião do aniversário de seu golpe militar, ele disse:

Amazigh tribos têm muito que desapareceu a partir do momento do Reino da Numídia s ... De tribos não sabemos nada ... É possível que eles são semitas ou orientalistas veio aqui, mas eles estão completamente ausentes HOJE e hoje eles são finitos. Onde estão as tribos machaoueches, Ribou, Libou, Samou, tahnou? Não podemos nem mesmo corretamente pronunciar seus nomes. [...] O que é o povo Amazigh, os descendentes de árabes, nós, não temos uma minoria, para que possamos conversar e dar direitos linguísticos e culturais, são árabes ... C é um retorno aos tempos antigos. Porque a linguagem Amazigh não tem valor. Amazigh pedindo isso são peões do colonialismo, essas pessoas recebem salários de serviços secretos estrangeiros

Gaddafi também acreditava que era "inútil tentar (para usar) a linguagem dessas tribos desapareceram", e criticou o uso da língua Amazigh em "certas rádios", referindo-se aos meios de comunicação marroquina. Esse tipo de discurso eloquente reflete ignorância de Gaddafi na história, que não gostava dos berberes, que o fizeram bem.

Sob o regime de Gaddafi foram abertamente discriminadas minorias. Testemunhado muitos obstáculos à liberdade de reunião e de expressão, o chamado de detenção de presos políticos, desaparecimentos forçados e mortes em detenção, falta de proteção legal e ao uso da pena de morte.

Desafio

O "Guia da Revolução" líbia realizada no poder desde 1969, tornando-os mais antigos ditadores do mundo. Mas o regime do coronel Kadafi apareceu cada vez mais contestada pela população. Como a Tunísia eo Egito, os líbios se manifestaram contra o regime, em fevereiro de 2011. Na televisão, Kadafi disse que não ia dar, não se demitir e não tendem a orelha adversários.

Se necessário, ele não hesitaria em usar a força e ameaçou seus adversários uma resposta sangrenta: ". Dê suas armas imediatamente, caso contrário, haverá um açougueiro" Gaddafi nunca foi "posição oficial", foi "o líder supremo da Revolução".

A queda parecia ainda mais iminente do que o "profeta" não era muito ouvida por seu povo. O "Líder Supremo" estava pronto para fúria antes de afundar. Ele mesmo declarou que iria lutar "até a última gota de sangue", sem especificar se foi o seu próprio ou de outros.

Desde o início da revolta, Kadhafi tratou seus adversários "ratos" e "baratas" e parece pronto para matar, mesmo derramando "rios de sangue". Como na Tunísia, a Líbia era uma cleptocracia em que o regime - a família do presidente - tem uma participação direta em qualquer coisa vale a pena ser comprado, vendido ou possuído. O nepotismo era a regra.

Fonte:  www.tlfq.ulaval.ca

Líbia

Nome completo: Estado da Líbia
População: 6,4 milhões (ONU, 2011)
Capital: Tripoli
Área: 1,77 milhões de quilômetros quadrados (685.524 milhas quadradas)
Grande língua: Árabe
Principal religião: o Islã
Expectativa de vida: 73 anos (homens) e 78 anos (mulheres) (ONU)
Unidade monetária: 1 dinar líbio (LD) = 1.000 dirhams
Principais exportações: petróleo bruto, derivados de petróleo, gás natural
RNB per capita: 12.320 dólares EUA (World Bank, 2009)
Domínio da Internet:. Ly
Código de discagem internacional: 218

Perfil

Líbia, um deserto e principalmente rico em petróleo país na margem sul do Mar Mediterrâneo com uma história antiga, mais recentemente tem sido reconhecido para a regra de 42 anos do coronel Muammar Gaddafi mercurial.

Em 2011, o governo autocrático do coronel foi levado a um fim por um levante de seis meses e que se seguiu uma guerra civil. Em outubro do mesmo ano, o principal grupo de oposição, o Conselho Nacional de Transição (CNT), declarou que o país seja oficialmente "liberada" e prometeu transformar a Líbia em um Estado pluralista, democrática.

Em agosto de 2012, a NTC entregou o poder ao parlamento recém-eleito da Líbia, o general Congresso Nacional.

A ex-colônia romana originalmente habitada pelos bérberes e liquidados por fenícios, a Líbia viu invasões de vândalos, bizantinos, os árabes turcos e italianos, mais recentemente, antes de ganhar a independência em 1951.

Petróleo foi descoberto em 1959 e fez do Estado - então um reino governado pelo chefe da ordem sufi Senussi - rico.

Kadafi chegou ao poder, ao derrubar o rei Idris em um golpe em 1969, dez anos após a independência, e da Líbia embarcou em um capítulo totalmente nova em sua história.

Depois de inicialmente tentar emular o nacionalismo árabe e do socialismo do presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, a regra de Kadafi tornou-se cada vez mais excêntrico.

Idéias apresentadas em seu Livro Verde pretendia estabelecido uma alternativa ao comunismo e capitalismo. Kadafi chamado o novo sistema Jamahiriya um, livremente traduzido como um "Estado das massas".

Em teoria, o poder foi realizada por comitês de pessoas no sistema de democracia direta, sem partidos políticos, mas na prática, o poder de Kadafi foi absoluto, exercido através de "comitês revolucionários", formados de seguidores do regime.

Após o bombardeio de 1988, um avião de PanAm sobre a cidade escocesa de Lockerbie, que culpou os EUA sobre a Líbia, o regime de Khadafi foi afastado por grande parte da comunidade internacional.

Mas, em 2003, passou por uma reabilitação dramática, assumindo a responsabilidade formal para o ataque, o pagamento de indemnizações e entregar dois suspeitos líbios, sobre de quem, Abdelbaset Ali al-Megrahi, foi condenado pelo ataque. A ONU respondeu levantando sanções.

Em 2011, o mundo mais uma vez se voltou contra o governo líbio sobre seu uso de violência contra a revolta popular contra o coronel, inspirado pelos protestos anti-autoritários varrendo o mundo árabe.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução autorizando ataques aéreos da OTAN para proteger os civis. Depois de meses de impasse, próximo, os rebeldes invadiram Trípoli agosto de 2011, e algumas semanas mais tarde Kadafi foi morto quando seu último reduto foi invadida.

Um governo de transição assumiu e teve o desafio de impor a ordem, o desmantelamento das forças rebeldes anteriores, a reconstrução da economia, criando instituições funcionamento ea gestão da transição se comprometeram a democracia eo Estado de direito.

As eleições para um Congresso Geral Nacional foram realizadas em julho de 2012, a eleição livre do país primeira nacional em seis décadas. O Congresso nomeou um primeiro-ministro, Ali Zidan, em outubro, que formou um governo interino encarregado de preparar o terreno para uma nova constituição e novas eleições parlamentares em 2013.

Uma cronologia dos principais eventos:

7 º século aC - fenícios instalar na Tripolitânia, no oeste da Líbia, que até então era povoada por berberes.

6 º século aC - Cartago vence Tripolitânia.

4 º século aC - gregos colonizar Cirenaica, no leste do país, que eles chamam Líbia.

74 aC - Romanos conquistar a Líbia.

AD 643 - árabes sob Amr Ibn al-As conquistar a Líbia ea propagação do Islã.

Século 16 - A Líbia torna-se parte do Império Otomano, que une as três províncias de Tripolitânia, Cirenaica e Fezzan em uma regência em Trípoli.

1911-1912 - Itália apreende Líbia dos otomanos. Omar al-Mukhtar começa 20 anos de insurgência contra o governo italiano.

1920 - resistência líbia cresce à medida que se junta dinastia Senussi ao lado da campanha Mukhtar.

1931 - Itália quebra a resistência através da combinação de grandes operações armadas e campos de concentração para a população rebelde. Al-Mukhtar é capturado e executado.

1934 - Itália une as províncias como a colônia de Líbia e intensifica a migração italiana, como parte de um plano para a eventual incorporação da Líbia em uma Itália Maior.

1942 - Aliados expulsar os italianos da Líbia, que é então dividido entre os franceses, que administrar Fezzan, e os britânicos, que Cirenaica e Tripolitania controle.

1951 - A Líbia torna-se independente sob o rei Idris al-Sanusi.

1956 - A Líbia concede duas empresas petrolíferas norte-americanas a concessão de cerca de 14 milhões de hectares.

1961 - O rei Idris abre um duto 104 milhas, que liga importantes campos de petróleo no interior, para o Mar Mediterrâneo e torna possível a exportação de petróleo da Líbia pela primeira vez.

A era Kadafi

1969 - O rei Idris deposto em golpe militar liderado pelo coronel Muammar Kadafi, que persegue uma agenda pan-árabe, tentando formar fusões com vários países árabes, e introduz o socialismo de Estado pela atividade mais econômica nacionalização, incluindo a indústria petrolífera.

1970 - ordens Líbia o encerramento de uma base aérea britânica em Tobruk eo gigante EUA Wheelus base da força aérea em Trípoli; bens pertencentes a colonos italianos nacionalizadas.

1971 - Referendo Nacional aprova proposta da Federação das Repúblicas Árabes (FAR) que compõem a Líbia, Egito e Síria. No entanto, nunca o FAR decola.

1973 - Kadafi declara uma "revolução cultural", que inclui a formação de "comitês populares" em escolas, hospitais, universidades, locais de trabalho e distritos administrativos; forças líbias ocupar Aozou Faixa no norte do Chade.

1977 - Kadafi declara uma "revolução do povo", mudando o nome oficial do país a partir da República Árabe Líbia a Líbia Popular Grandes Socialista Árabe Jamahiriyah e criação de "comitês revolucionários" - anunciando o início do caos institucionalizado, declínio econômico e arbitrariedade geral.

1980 - As tropas líbias intervir na guerra civil no norte do Chade.

Confronto com os EUA

1981 - EUA atira em duas aeronaves líbias que desafiou os seus aviões de guerra para o Golfo de Sirte, reivindicado pela Líbia como águas territoriais.

1984 - Reino Unido rompe relações diplomáticas com a Líbia depois de um policial britânico é morto a tiros em frente à embaixada da Líbia em Londres, enquanto anti-Gaddafi protestos estavam ocorrendo.

1986 - bombas norte-americanas da Líbia instalações militares, áreas residenciais de Trípoli e Benghazi, matando 101 pessoas, e casa de Gaddafi, matando sua filha adotiva. EUA dizem que ataques foram em resposta ao envolvimento da Líbia no atentado de alegada Berlim discoteca frequentada por militares norte-americanos.

1988 Dezembro - atentado de Lockerbie - um avião é explodido sobre a cidade escocesa de Lockerbie, allegely por agentes líbios.

1989 - Líbia, Argélia, Marrocos, Mauritânia e Tunísia formar a União do Magrebe Árabe.

Lockerbie bombardeio de avião

1992 - A ONU impõe sanções à Líbia, em um esforço para forçá-lo a entregar para julgamento de dois dos seus cidadãos suspeitos de envolvimento na explosão de um avião de PanAm sobre a cidade escocesa de Lockerbie, em dezembro de 1988.

1994 - A Líbia retorna a Faixa Aozou para o Chade.

1995 - Gaddafi expele cerca de 30.000 palestinos em protesto contra os acordos de Oslo entre a Organização de Libertação da Palestina e Israel.

1999 - Lockerbie suspeita entregue para julgamento na Holanda sob a lei escocesa; sanções da ONU suspenso; relações diplomáticas com o Reino Unido restaurado.

Setembro de 2000 - Dezenas de imigrantes africanos são mortos por multidões líbias no oeste da Líbia, que se dizia estar irritado com o grande número de trabalhadores africanos que entram no país.

Sentença de Lockerbie

2001 - 31 de janeiro - tribunal especial escocês na Holanda encontra um dos líbios dois acusados do atentado de Lockerbie, Abdelbaset Ali Mohamed al-Megrahi, culpado e sentencia-o a prisão perpétua. Megrahi co-acusado, Al-Amin Khalifa Fahimah, é considerado inocente e libertado.

2001 Maio - Tropas líbias ajudar a acabar com uma tentativa de golpe contra o presidente Ange-Felix Patasse da Central Africano República.

Janeiro de 2002 - A Líbia e os EUA dizem ter mantido conversações para reparar relações depois de anos de hostilidade sobre o que os americanos denominado patrocínio da Líbia ao terrorismo.

2002 14 de Março - O líbio condenado pelo atentado de Lockerbie, Abdelbaset Ali Mohmed al-Megrahi, perde sua apelação contra a condenação e começa uma frase de vida de pelo menos 20 anos.

Compensação

Janeiro de 2003 - A Líbia é eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos da ONU, apesar da oposição de os EUA e grupos de direitos humanos.

Agosto de 2003 - A Líbia assina um negócio de US $ 2,7 bilhões para indenizar as famílias das vítimas do atentado de Lockerbie. Líbia assume a responsabilidade pelo atentado em uma carta ao Conselho de Segurança da ONU.

Setembro de 2003 - Conselho de Segurança vota a levantar as sanções.

De dezembro de 2003 - A Líbia diz que vai abandonar os programas de desenvolvimento de armas de destruição em massa.

2004 Janeiro - Líbia concorda em indenizar as famílias das vítimas do atentado de 1989 aviões de passageiros francês sobre Saara.

Março de 2004 - primeiro-ministro britânico Tony Blair visitas, a primeira visita deste tipo desde 1943.

Enfermeiros condenado

2004 Maio - Cinco enfermeiras búlgaras e um médico palestino estão condenados à morte ter sido acusado de infectar deliberadamente cerca de 400 crianças com HIV. Eles são eventualmente libertados sob um acordo com a União Europeia.

Agosto de 2004 - A Líbia concorda em pagar US $ 35 milhões para compensar as vítimas do bombardeio de uma boate de Berlim, em 1986.

De janeiro de 2005 - primeiro leilão da Líbia de Petróleo e Gás licenças de exploração anuncia o retorno de empresas americanas de energia pela primeira vez em mais de 20 anos.

Fevereiro de 2006 - Pelo menos 10 pessoas são mortas em confrontos com a polícia em Benghazi, parte de uma onda de protestos internacionais por muçulmanos que estão irritados com representações de um jornal dinamarquês de cartoons do profeta Maomé.

Maio de 2006 - Os EUA dizem que está restaurando relações diplomáticas plenas com a Líbia.

Setembro de 2006 - Human Rights Watch acusa Líbia de abusar dos direitos humanos dos migrantes africanos que tentam entrar na UE por força repatriar eles.

Alguns dos migrantes enfrentam possível perseguição ou tortura em casa, de acordo com o relatório.

De janeiro de 2007 - O primeiro-ministro anuncia plano para tornar redundantes 400.000 funcionários públicos - mais de um terço da força de trabalho total - para estimular o setor privado e aliviar gastos públicos.

De janeiro de 2008 - A Líbia leva mais de um mês-presidência rotativa do Conselho de Segurança da ONU em um passo para trás para a respeitabilidade depois de décadas como um pária do Ocidente.

De agosto de 2008 - A Líbia e EUA assinam acordo de cometer cada lado para compensar todas as vítimas de ataques com bombas na dos outros cidadãos.

Primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi pede desculpas à Líbia pelos danos causados pela Itália durante a era colonial e assina um acordo de investimento cinco bilião de dólares a título de compensação.

De setembro de 2008 - EUA A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice faz visita histórica - o mais alto nível de visita aos EUA para a Líbia desde 1953. Rice diz que as relações entre os EUA ea Líbia entrou em uma "nova fase".

2009 Fevereiro - Gaddafi presidente eleito da União Africano por líderes reunidos na Etiópia. Estabelece ambição de "Estados Unidos da África" mesmo abraçando no Caribe.

Junho de 2009 - Gaddafi paga primeira visita de Estado à Itália, ex-governante da Líbia colonial e agora seu principal parceiro comercial.

Al-Megrahi liberado

2009 Agosto - Lockerbie bomber Abdelbaset Ali al-Megrahi é libertado de prisão na Escócia por razões humanitárias e voltou para a Líbia. Sua libertação e retorno a um herói de boas-vindas provoca uma tempestade de controvérsia.

2009 Dezembro - linha diplomática com a Suíça ea União Europeia depois de um dos filhos de Gaddafi é detido na Suíça por acusações de maltratar os trabalhadores domésticos.

De janeiro de 2010 - A Rússia concorda em vender armas a Líbia em um negócio de US $ 1,8 bilhão. O negócio é pensado para incluir aviões de combate, tanques e sistemas de defesa aérea.

Junho de 2010 - agência da ONU para refugiados do ACNUR expulso.

2010 Julho - Os senadores americanos empurrar para o inquérito sobre alegações de que gigante do petróleo BP fizeram lobby para a liberação de Lockerbie bombardeiros.

BP confirma que está prestes a começar a perfurar na costa da Líbia.

2010 Outubro - União Europeia e Líbia assinam acordo projetado para diminuir a imigração ilegal.

2010 Dezembro - cabos diplomáticos dos Estados Unidos publicados pelo WikiLeaks indicam que Gaddafi ameaçou cortar o comércio com a Grã-Bretanha se bombista de Lockerbie morreu na prisão.

Anti-Gaddafi revolta

2011 Fevereiro - Prisão de ativista dos direitos humanos faíscas protestos violentos no leste da cidade de Benghazi, que rapidamente se espalhou para outras cidades. Autoridades utilizar aeronaves para atacar os manifestantes. Kadafi insiste que ele não vai sair, e permanece no controle da capital, Trípoli.

2011 Março - Conselho de Segurança autoriza uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e os ataques aéreos para proteger os civis, sobre a qual a NATO assume o comando.

Apoiado por ampla ataques aéreos da NATO, rebeldes líbios inicialmente capturar território, mas são então forçados a voltar por forças pró-Gaddafi melhor armado. Rebeldes pedir Oeste para os braços.

2011 Jul - O Grupo Internacional de Contato sobre a Líbia reconhece formalmente o principal grupo de oposição, o Conselho Nacional de Transição (CNT), como o governo legítimo da Líbia.

2011 Agosto - Rebeldes enxame em composto fortaleza Kadafi em Trípoli, seis meses após o início do levante. Com apenas alguns poucos remanescentes redutos sob seu controle, Kadafi vai se esconder. Sua esposa e três de seus filhos fugir para a vizinha Argélia.

2011 Agosto-Setembro - União Africano junta 60 países que reconheceram o CNT como nova autoridade líbia.

2011 20 de outubro - Kadafi é capturado e morto.

Três dias depois, o CNT declara a Líbia a ser oficialmente "liberada" e anuncia planos para realizar eleições no prazo de oito meses.

2011 novembro - Saif al-Islam, o filho foragido do ex-líder líbio, Muammar Kadafi, é capturado, tornando-se o último membro da família Gaddafi chave a serem apreendidos ou mortos.

2012 Janeiro - Confrontos irrompem entre forças rebeldes em Benghazi antigos em sinal de descontentamento com o ritmo ea natureza das mudanças sob o NTC governar. O vice-chefe do CNT, Abdel Hafiz Ghoga, demite-se.

2012 Fevereiro - Dezenas mortos em confrontos entre árabes e Zawi grupos africanos Tebu em Al-Kufra, no remoto sudeste.

2012 Março - funcionários NTC no leste rico em petróleo, centrado em Benghazi, lançar uma campanha para restabelecer a autonomia para a região, aumentando ainda mais a tensão com a NTC central em Trípoli.

Prisões Mauritânia Gaddafi era-chefe de inteligência Abdullah al-Senussi em Nouakchott Aeroporto, e insiste que vai investigá-lo antes de considerar um pedido de extradição da Líbia. O Tribunal Penal Internacional e França também buscam sua extradição.

2012 Maio - Homens armados invadiram a sede do governo em Trípoli durante um protesto contra as suspensões de pagamentos de recompensas a grupos que lutaram contra o governo de Gaddafi. As forças de segurança restaurar a ordem.

Lockerbie bomber Abdelbaset Ali al-Megrahi morre em Trípoli. Um funeral privado é realizada.

2012 Junho - Governo luta para controlar as milícias locais, especialmente em Zintan no Ocidente. A Brigada Al-Awfea brevemente assume Aeroporto Internacional de Tripoli, e uma multidão pró-autonomia ransacks o edifício comissão eleitoral em Benghazi.

Tunísia extradita ex-primeiro-ministro Al-Baghdadi al-Mahmoudi.

2012 Agosto - Transição governo poder para as mãos do Congresso Geral Nacional, que foi eleito em julho. O Congresso elege Mohammed Magarief do Partido da Frente Liberal Nacional, como seu presidente, tornando-o chefe de Estado interino.

Benghazi ataque

2012 Setembro - embaixador dos EUA e três outros americanos são mortos quando homens armados tempestade o consulado em Benghazi. Os EUA acreditam grupos islâmicos armados usado protestos contra um filme produzido em que os EUA zomba do profeta muçulmano Maomé como cobertura para o ataque. Multidões em Benghazi expulsar o Ansar al-Sharia e outras milícias do Derna cidade e nas proximidades, levando o chefe de Estado Mohammed Magarief a promessa de desmantelar todas as milícias ilegais.

Mauritânia extradita ex-espião-chefe, Abdullah al-Senussi à Líbia para ir a julgamento por crimes supostamente cometidos sob o domínio Col Gaddafi.

2012 Outubro - Mustafa Abu Shagur, primeiro-ministro eleito, falhar em duas tentativas para obter a aprovação parlamentar para o seu governo. O Congresso Nacional elege Ali Zidan, um enviado da oposição liberal e líder durante a guerra civil, para sucedê-lo.

Forças pró-governo colocou insurreição armada na cidade ocidental de Bani Walid. As autoridades líbias leais a Gaddafi alegam que ainda estão presentes na cidade - uma alegação rejeitada por milicianos locais.

2012 novembro - O novo governo liderado por Ali Zidan é jurado dentro

Benghazi chefe de polícia é assassinado por pistoleiros desconhecidos.

2012 Dezembro - O ex-primeiro-ministro al-Baghdadi al-Mahmoudi vai a julgamento em Tripoli sob a acusação de "atos que levaram à morte injusta de líbios" e de desviar cerca de US $ 25 milhões de dinheiro público através da Tunísia para ajudar as forças leais a Kadafi.

2013 Janeiro - Líbia rejeita preocupações de segurança que pedem a Grã-Bretanha, Alemanha e Holanda para instar os seus cidadãos a deixar a segunda cidade do país, Benghazi.

Fonte:  news.bbc.co.uk

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal